Relatório do Laboratório 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório do Laboratório 3"

Transcrição

1 Relatório do Laboratório 3 Diogo Costa e Lucas Magrini Rigo e de setembro de 2011 Universidade Federal do Rio Grande do Sul INF01154 Redes de Computadores N For: Valter Roesler 1 Introdução Nesse laboratório aprendemos um pouco mais sobre sockets, tanto no protocolo UDP quando no TCP. 2 UDP Verificar as estruturas analisadas no diretório "esqueleto_udp". Testar programa como está. Transformar o transmissor para enviar um número bits/s na rede de acordo com as seguintes linhas de comando Explicação do algoritmo: Estamos mandando pacotes de tamanho igual a 1250 bytes ou 10 kbits. Para criar uma banda enviamos pacotes durante um segundo para que a soma de bits mandados seja 10 kbits. Assim sendo, já que temos o limite de bytes por pacote, enviamos um pacote, o programa dorme e assim sucessivamente, até o final de um segundo. Para achar o tempo ideal de sleep se considera dois casos: banda múltipla de 10 e banda não múltipla de 10. Na primeira, basta dividir 10 kbits pelo kbits que o usuário optou e multiplicar por mil(passando para milisegundos), como por exemplo 20kbits, a cada 0,5 segundos é enviado um pacote de 1250 bytes. No segundo algoritmo, para calcular o tempo de sleep, arredondamos o número para cima, tornando múltiplo de 10 e novamente se faz a divisão 10 kbits por kbits arredondado, porém em vez de enviar o último pacote com 1250 bytes, enviamos os bytes restantes para completar a banda desejada, como exemplo 47 kbits, calcula-se o sleep(10/50 = 0,2), seja T1 = 0, T2 = 0,4, T3 = 0,6, T4 = 0,8 e T5 = 1, nos tempos T1, T2, T3 e T4 é enviado 1250 bytes(resultando em 40 kbits mandados), já no instante T5 é mandado 7 kbits ou 875 bytes, fechando assim os 47 kbits de banda. Linha de comando para uso: trans -h <numero_ip> -p <porta> -r <kbits/s> Código:

2 #include < s t d i o. h> #include < s t r i n g. h> # i f d e f _WIN32 # i n c l u d e <winsock2. h> #else # i n c l u d e <sys / types. h> # i n c l u d e <sys / socket. h> # i n c l u d e < n e t i n e t / i n. h> SOCKET i n t i n t main ( i n t argc, char argv ) struct sockaddr_in peer ; SOCKET s ; i n t porta, peerlen, rc, i ; char i p [ 1 6 ], b u f f e r [ ] ; i n t k b i t s, kbytes, backup ; # i f d e f _WIN32 WSADATA wsadata ; i f ( WSAStartup (MAKEWORD( 2, 2 ), &wsadata )!= 0) p r i n t f ( " Erro no s t a r t u p do socket \ n " ) ; i f ( argc < 7) p r i n t f ( " U t i l i z a r : \ n " ) ; p r i n t f ( " t r a n s h <numero_ip > p <porta > r < k b i t s / s >\ n " ) ; / / Pega parametros for ( i =1; i <argc ; i ++) i f ( argv [ i ] [ 0 ] = = ) switch ( argv [ i ] [ 1 ] ) case h : / / Numero IP i ++; s t r c p y ( ip, argv [ i ] ) ; break ; case p : / / porta i ++; porta = a t o i ( argv [ i ] ) ; i f ( porta < 1024) p r i n t f ( " Valor da porta i n v a l i d o \ n " ) ; 2

3 break ; case r : / / porta i ++; k b i t s = a t o i ( argv [ i ] ) ; kbytes = k b i t s / 8 ; backup = kbytes ; break ; default : p r i n t f ( " Parametro i n v a l i d o %d : %s \ n ", i, argv [ i ] ) ; else p r i n t f ( " Parametro %d : %s i n v a l i d o \ n ", i, argv [ i ] ) ; / / Cria o socket na f a m i l i a AF_INET ( I n t e r n e t ) e do t i p o UDP (SOCK_DGRAM) i f ( ( s = socket ( AF_INET, SOCK_DGRAM, 0 ) ) < 0) p r i n t f ( " Falha na criacao do socket \ n " ) ; / / Cria a e s t r u t u r a com quem v a i conversar peer. s i n _ f a m i l y = AF_INET ; peer. s i n _ p o r t = htons ( porta ) ; peer. sin_addr. s_addr = inet_addr ( i p ) ; peerlen = sizeof ( peer ) ; f l o a t sleeptime ; sleeptime = ( f l o a t ) 1 0 / k b i t s ; sleeptime = sleeptime 1000; i n t cont, bytessobra ; i f ( k b i t s%10!= 0) cont = k b i t s /10+1; bytessobra = ( ( k b i t s %10) 1000)/8; sleeptime = ( f l o a t )1000/ cont ; else cont = 1; while ( 1 ) i f ( cont > 1) i f ( cont > 1) sendto ( s, b u f f e r, 1250, 0, ( struct sockaddr )& peer, peerlen ) ; 3

4 cont ; else sendto ( s, b u f f e r, bytessobra, 0, ( struct sockaddr )& peer, peerlen ) ; cont = k b i t s /10+1; else sendto ( s, b u f f e r, 1250, 0, ( struct sockaddr )& peer, peerlen ) ; Sleep ( sleeptime ) ; Imagens: Ao analisar os gráficos do DU Meter, é possível ver o funcionamente do algoritmo, o qual possui um erro de +- 10%. Idade somada, = 40kbits/s 500kbits/s: 1Mbits/s: 4

5 3 TCP Verificar as estruturas analisadas no diretório esqueleto_tcp. Testar programa como está. Analisar eqüidade do tráfego na rede, alterando o programa para ficar enviando dados na máxima velocidade possível, e testando com várias transmissões simultâneas (mínimo de 2 conexões dois servidores (duas instâncias do servidor em portas diferentes) e dois clientes). Gerar log com a média de tráfego por segundo. Pode-se realizar o relatório com duas máquinas, mas se o grupo quiser, poderá utilizar 3 máquinas ou mais (para ver na ferramenta de redes, além do log, a variação de carga na rede) Explicação do algoritmo: Como explicado anteriormente, mandamos cada pacote com 10kbits de tamanho. Assim, no cliente, enviamos inifitamente esse pacote; para saber o quanto de dados foi mandado para o servidor tem um contador que conta quantos pacotes foram enviados, também há uma verificação para analisar se o tempo passado foi aproximadamente 1s, gerando assim a quantidade de bits enviado durante 1s. O código do servidor em nada foi mudado. Nosso ambiente de teste foi um computador com 2 servidores e outro computador com 2 clientes, primeiramente conectamos um cliente a um servidor e esse processo ocupou em torno de 70% da rede, em seguida foi conectado o segundo cliente ao outro servidor ocioso, observou-se que os dois clientes estavam dividindo a bando - em torno de 40% cada, e, finalmente, desconectamos o primeiro cliente e o segundo cliente começou a usar a maior parte da banda. A figura prova o que foi explicado, no trecho central as linhas do cliente 1 (azul) e cliente 2 (vermelho) estão sobrepostas. Imagem: 5

6 Código: / / t e s t e c l i. cpp : Defines the e n t r y p o i n t f o r the console a p p l i c a t i o n. / / #include < s t d i o. h> #include < s t r i n g. h> #include < s t d l i b. h> #include <time. h> #include < u n i s t d. h> # i f d e f _WIN32 # i n c l u d e <winsock2. h> #else # i n c l u d e <sys / types. h> # i n c l u d e <sys / socket. h> # i n c l u d e < n e t i n e t / i n. h> # i n c l u d e <arpa / i n e t. h> # define SOCKET i n t # define INVALID_SOCKET ( (SOCKET)~0) #define PORTA_CLI 2345 / / porta TCP do c l i e n t e #define PORTA_SRV 2023 / / porta TCP do s e r v i d o r #define STR_IPSERVIDOR " " / / # d efine STR_IPSERVIDOR " " i n t main ( i n t argc, char argv [ ] ) 6

7 SOCKET s ; struct sockaddr_in s _ c l i, s_serv ; # i f d e f _WIN32 WSADATA wsadata ; i f ( WSAStartup (MAKEWORD( 2, 2 ), &wsadata )!= 0) p r i n t f ( " Erro no s t a r t u p do socket \ n " ) ; / / abre socket TCP i f ( ( s = socket ( AF_INET, SOCK_STREAM, 0))==INVALID_SOCKET) p r i n t f ( " Erro i n i c i a n d o socket \ n " ) ; return ( 0 ) ; / / seta informacoes IP / Porta l o c a i s s _ c l i. s i n _ f a m i l y = AF_INET ; s _ c l i. sin_addr. s_addr = h t o n l (INADDR_ANY ) ; s _ c l i. s i n _ p o r t = htons (PORTA_CLI ) ; / / associa configuracoes l o c a i s com socket i f ( ( bind ( s, ( struct sockaddr )& s _ c l i, sizeof ( s _ c l i ) ) )!= 0) p r i n t f ( " erro no bind \ n " ) ; close ( s ) ; return ( 0 ) ; / / seta informacoes IP / Porta do s e r v i d o r remoto s_serv. s i n _ f a m i l y = AF_INET ; s_serv. sin_addr. s_addr = inet_addr (STR_IPSERVIDOR ) ; s_serv. s i n _ p o r t = htons (PORTA_SRV ) ; / / connecta socket aberto no c l i e n t e com o s e r v i d o r i f ( connect ( s, ( struct sockaddr )& s_serv, sizeof ( s_serv ) )!= 0) / / p r i n t f ( " erro na conexao %d \ n ", WSAGetLastError ( ) ) ; p r i n t f ( " erro na conexao " ) ; close ( s ) ; # i f 0 / / envia mensagem de conexao aprimorar para dar IP e porta i f ( ( send ( s, " Conectado \ n ", 11,0)) == SOCKET_ERROR) ; 7

8 p r i n t f ( " erro na t r a n s m i s s o %d \ n ", WSAGetLastError ( ) ) ; closesocket ( s ) ; return 0; / / recebe do teclado e envia ao s e r v i d o r char s t r [1250] = " 123 " ; char ch ; i n t i ; i n t count = 0; time_t i n i c i o, f i n a l ; double d i f ; time (& i n i c i o ) ; while ( 1 ) i f ( ( send ( s, ( const char )& s t r, 1250,0)) < 0) / / p r i n t f ( " erro na t r a n s m i s s o %d \ n ", WSAGetLastError ( ) ) ; p r i n t f ( " erro na t r a n s m i s s o \ n " ) ; close ( s ) ; return 0; count ++; time (& f i n a l ) ; i f ( d i f = d i f f t i m e ( f i n a l, i n i c i o ) >= 1) p r i n t f ( "%f Mbps \ n ", ( count / d i f )/ ); time (& i n i c i o ) ; count = 0; i f ( strcmp ( ( const char )& s t r, " q " )==0) break ; / / usleep (100000); / / fecha socket e termina programa p r i n t f ( " Fim da conexao \ n " ) ; close ( s ) ; return 0; 1) O que é equidade de tráfego e em qual protocolo ela foi observada nativamente no laboratório? A equidade de tráfego é a divisão justa de banda disponível entre os usuários que estão utilizando o 8

9 meio. Entende-se divisão justa como divisão em partes iguais. Portanto, quando há mais de um sinal compartilhando o meio, a banda total é dividida em partes de mesmo tamanho para cada usuário. Essa característica foi observada no protocolo TCP. 2) Qual o nível do modelo OSI para fazer controle de fluxo quando o programador utiliza TCP e quando utiliza UDP? O controle de fluxo do protocolo TCP é feito no nível 3, o de transporte. O protocolo UDP não é controlado, portanto caso deseje-se controlar o fluxo, deve criar-se um mecanismo no nível de aplicação, como por exemplo enviar confirmação de recebimento de mensagem (ACK). 4 Conclusão Completo esse laboratório, compreendemos o comportamento dos protocolos do nível de transporte, UDP e TCP, porque eles existem e quando são utilizados. 9

Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO

Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO Engenharia Elétrica Eletrônica Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar utilizando o protocolo TCP/IP Prof. Jean Marcelo SIMÃO Engenharia Elétrica Eletrônica Tutorial: Programação

Leia mais

Sistemas de Operação Sockets

Sistemas de Operação Sockets Sistemas de Operação Sockets O que é um socket? Uma interface de comunicação entre processos que podem ou não residir na mesma máquina, mas que não precisam estar relacionados. É usado normalmente para

Leia mais

06/10/2015. Modelo TCP/IP Camada de Transporte DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. UDP User Datagram Protocol. UDP User Datagram Protocol

06/10/2015. Modelo TCP/IP Camada de Transporte DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. UDP User Datagram Protocol. UDP User Datagram Protocol Tecnologia em Jogos Digitais Modelo TCP/IP Camada de Transporte DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES O transporte dos dados na INTERNET é realizado por dois protocolos. PROTOCOLOS TCP E UDP

Leia mais

TROCA DE MENSAGENS SOCKETS. Comunicando processos através de SOCKETS. SOCKETS com conexão. SOCKETS sem conexão

TROCA DE MENSAGENS SOCKETS. Comunicando processos através de SOCKETS. SOCKETS com conexão. SOCKETS sem conexão TROCA DE MENSAGENS SOCKETS Comunicando processos através de SOCKETS SOCKETS com conexão SOCKETS sem conexão SOCKETS Princípios dos sockets: 2. Fornecer uma interface geral permitindo a construção de aplicações

Leia mais

Comunicação entre Processos

Comunicação entre Processos Comunicação entre Processos Comunicação memória compartilhada troca de mensagens base de comunicação em sistemas distribuídos Mensagens básicas send (destino, msg) receive (origem, mensagem) questões semântica

Leia mais

Programação em C/C++

Programação em C/C++ OO Engenharia Eletrônica - Programação em C/C++ Slides 20: TCP/IP em Winsocks 2. API do Windows para programar aplicativos que utilizam o protocolo TCP/IP. Prof. Jean Marcelo SIMÃO TCP/IP em Winsocks 2

Leia mais

Bibliotecas. Apoio à Programação Distribuída. Socket. Socket. bibliotecas bibliotecas+ferramentas linguagens de programação distribuídas

Bibliotecas. Apoio à Programação Distribuída. Socket. Socket. bibliotecas bibliotecas+ferramentas linguagens de programação distribuídas Apoio à Programação Distribuída bibliotecas bibliotecas+ferramentas linguagens de programação distribuídas flexibilidade de programação disponibilidade da ferramenta facilidade de desenvolvimento e reuso

Leia mais

Programação com Sockets TCP e UDP - Cliente. Gustavo Leitão

Programação com Sockets TCP e UDP - Cliente. Gustavo Leitão Programação com Sockets TCP e UDP - Cliente Gustavo Leitão 5/24/2010 INTRODUÇÃO Objetivo da Aula OBJETIVO DA AULA Apresentar ao aluno conceitos e prática em sockets INTRODUÇÃO O que é um socket? INTRODUÇÃO

Leia mais

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006 Eng.ª Informática Redes de Computadores 4 de Julho de 2006 Leia atentamente as perguntas seguintes e responda de forma breve e precisa. Pode acompanhar a suas respostas com figuras de forma a torná-las

Leia mais

Cliente/Servidor. Programação com Sockets. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Programação com Sockets. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Programação com Sockets Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Interface através de Sockets Socket é uma API ( Aplication Program Interface ) para acesso aos serviços do protocolo de

Leia mais

Um Tutorial sobre Sockets Parte I

Um Tutorial sobre Sockets Parte I Um Tutorial sobre Sockets Parte I Por Antonio Marcelo Iniciando As grandes ferramentas utilizadas por especialistas de segurança, hackers e crakers tem como base a linguagem C ANSI ou C ++. Muitos dos

Leia mais

Sistemas Distribuídos (Parte 4 - Aplicação Distribuída)

Sistemas Distribuídos (Parte 4 - Aplicação Distribuída) Unidade de Gestão da Educação Presencial - GEDUP Pós-graduação em Redes de Computadores Sistemas Distribuídos (Parte 4 - Aplicação Distribuída) Prof. Ms. Tomás Dias Sant Ana Varginha, 2006 Sumário 1. INTRODUÇÃO...1

Leia mais

sockets interprocess communication Taisy Weber

sockets interprocess communication Taisy Weber sockets interprocess communication Taisy Weber Comunicação entre processos Mecanismos Pipes, FIFO (named pipes), semáforos, message queues. Memória compartilhada. Sockets Definição, chamadas de sistemas,

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

Sistemas Operacionais:

Sistemas Operacionais: Sistemas Operacionais: Sistemas Distribuídos e Programação em Redes de Computadores Dierone Cesar Foltran Junior dcfoltran at yahoo.com Sistemas Distribuídos Sistemas Computacionais Distribuídos Lamport:

Leia mais

MC823 Laboratório de Teleprocessamento e Redes

MC823 Laboratório de Teleprocessamento e Redes MC823 Laboratório de Teleprocessamento e Redes Primeiro Semestre 2008 Carlos R. Senna Prof. Edmundo R. M. Madeira Tecnologias de Comunicação 2 MC823 Funções para cliente-servidor UDP 3 well-known port

Leia mais

Aula Prática. Comunicação em SOCKTS. Disciplina: INF01151

Aula Prática. Comunicação em SOCKTS. Disciplina: INF01151 Aula Prática Comunicação em SOCKTS Disciplina: INF01151 Prof. Dr. Cláudio Fernando Resin Geyer Monitor: Julio Anjos Agenda 1 - Objetivo Apresentar na prática a comunicação entre processos usando sockets

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

1 Projeto de software de clientes. 1

1 Projeto de software de clientes. 1 1 Projeto de software de clientes. 1 1.1 Introdução Aplicações clientes são conceitualmente mais simples que aplicações servidoras pois, normalmente, não manipulam concorrência explicita com múltiplos

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET

IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET 1 IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET Daniel da Silva Carla E. de Castro Franco Diogo Florenzano Avelino daniel.silva1@ext.mpsa.com

Leia mais

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ)

Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Redes de Computadores (PPGI/UFRJ) Aula 1: Apresentação do curso e revisão de interface de sockets 03 de março de 2010 1 2 O que é a Internet 3 4 Objetivos e página do curso Objetivos Apresentar a motivação,

Leia mais

Aula 2 Arquitetura de Redes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 2 Arquitetura de Redes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 2 Arquitetura de Redes Prof. Dr. S. Motoyama 1 Arquitetura em camadas Arquitetura de RC Estruturar em camadas é decompor o problema de construção de uma rede em componentes gerenciáveis. A estruturação

Leia mais

Programação de Sockets em C/C++

Programação de Sockets em C/C++ Programação de Sockets em C/C++ Redes de Comunicação 2011/2012 1 Programação de Sockets em C/C++ 2 TCP 3 UDP Introdução Os sockets são um método de criar conexão entre processos, independente do protocolo.

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler. Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064

Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler. Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064 Relatório do Laboratório de Redes 5 Professor Valter Roesler Diogo Costa 180188 Lucas Magrini Rigo 161064 1) Instalar o software Polycom PVX e estabelecer uma chamada em duplas. Medir o atraso ida e volta

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

INF01018 Aula Prática 1 Cliente-Servidor e Multicast

INF01018 Aula Prática 1 Cliente-Servidor e Multicast 1 / 30 INF01018 Aula Prática 1 Cliente-Servidor e Multicast Lucas Mello Schnorr, Alexandre Silva Caríssimi {lmschnorr,asc}@inf.ufrgs.br http://www.inf.ufrgs.br/ lmschnorr/ad/ INF01018 Sistemas Operacionais

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Uma aplicação distribuída

Uma aplicação distribuída Uma aplicação distribuída César H. Kallas O Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Pontifícia Universidade Católica de Campinas Campinas Brasil Faculdade de Engenharia de Computação cesarkallas

Leia mais

Aula 30 - Sockets em Java

Aula 30 - Sockets em Java Aula 30 - Sockets em Java Sockets Sockets são estruturas que permitem que funções de software se interconectem. O conceito é o mesmo de um soquete (elétrico, telefônico, etc...), que serve para interconectar

Leia mais

Traceroute É uma ferramenta de diagnóstico que rastreia a rota de um pacote através de uma rede de computadores e que utiliza os protocolos IP e ICMP.

Traceroute É uma ferramenta de diagnóstico que rastreia a rota de um pacote através de uma rede de computadores e que utiliza os protocolos IP e ICMP. Comando Traceroute Traceroute É uma ferramenta de diagnóstico que rastreia a rota de um pacote através de uma rede de computadores e que utiliza os protocolos IP e ICMP. Traceroute Traceroute Ele é usado

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Cada driver contém, sempre que necessário, um conjunto de comandos que podem ser utilizados por meio da chamada de um ioctl.

Cada driver contém, sempre que necessário, um conjunto de comandos que podem ser utilizados por meio da chamada de um ioctl. Capítulo 6 Controlando dispositivos com IOCTL Como continuação do anterior, este capítulo explica o conceito de IOCTL (I/O Control) e demonstra, em alguns exemplos, esta chamada de sistema que complementa

Leia mais

Algoritmos e Programação

Algoritmos e Programação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

MODELO CLIENTE SERVIDOR

MODELO CLIENTE SERVIDOR SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Modelo Cliente Servidor Modelo que estrutura um S.O. como um grupo de processos cooperantes, chamados servidores, que oferecem serviços a processos usuários, denominados clientes;

Leia mais

3. Projeto e implementação de Servidores

3. Projeto e implementação de Servidores 3. Projeto e implementação de Servidores 3.1 Introdução Este capítulo discute questões fundamentais relacionadas ao projeto de software servidor, incluindo acesso com conexão vs. sem conexão a servidores

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Voltando ao exemplo da calculadora... Rede local

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Luiz Henrique Santos

Leia mais

Comunicação através da API sockets sobre TCP/IP

Comunicação através da API sockets sobre TCP/IP Capítulo 5 Comunicação através da API sockets sobre TCP/IP When writing communications code, everything can and does fail Victor R. Volkman 1 TCP/IP ("Transmission Control Protocol / Internet Protocol")

Leia mais

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE Departamento de Informática Ivan Mathias Filho ivan@inf.puc-rio.br Programa Capítulo 18 Sockets OLadoServidor O Lado Cliente Múltiplos Clientes 1 Programa Capítulo 18 Sockets

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

Cliente-servidor com Sockets TCP

Cliente-servidor com Sockets TCP Cliente-servidor com Sockets TCP Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho 2006/2007 c 2000 2006 Paulo Sérgio Almeida Cliente-servidor com Sockets

Leia mais

Programação com sockets (em Java)

Programação com sockets (em Java) com sockets (em Java) Prof. Dr. Julio Arakaki Depto. Ciência da 1 Comunicação entre processos // aplicações - é um dos mecanismos mais utilizados - Java oferece modos de utilização:. TCP ( Transmission

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

socket Objetivo: aprender a construir aplicações cliente/servidor que se comunicam usando sockets

socket Objetivo: aprender a construir aplicações cliente/servidor que se comunicam usando sockets Programação de Sockets Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Programação de Sockets Objetivo: aprender a construir aplicações cliente/servidor que se comunicam usando s API de Sockets: introduzida no UNIX

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor

Comunicação em Sistemas Distribuídos. Conceitos: Paradigma C/S. Conceitos: Paradigma C/S. Paradigma Cliente/Servidor Comunicação em Sistemas Distribuídos Paradigma / Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam se comunicar para que possam interagir O desempenho de um SD depende criticamente do

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS COLEGIADO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS COLEGIADO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS COLEGIADO DE INFORMÁTICA Disciplina: Redes de Computadores Ano: 2007 Professor: Luiz Antonio Trabalho 1º Bimestre Cliente/Servidor

Leia mais

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador

Linguagem C Tipos de Dados. void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Linguagem C Tipos de Dados void; escalares; sizeof Vectores; strings em C Estruturas Introdução ao pré-processador Funções void void pode ser usado em lugar de um tipo, para indicar a ausência de valor

Leia mais

Programação em C++: Introdução

Programação em C++: Introdução Programação em C++: Introdução J. Barbosa J. Tavares Visualização Científica Conceitos básicos de programação Algoritmo Conjunto finito de regras sobre as quais se pode dar execução a um dado processo

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

SocketBasico Receita: SocketBasico Esta receita é baseada em um material que preparei para uso em aulas para demostrar a programação básica para redes usando socket com a intensão de ser uma "prova de

Leia mais

Modelo Cliente/Servidor e Introdução a Sockets

Modelo Cliente/Servidor e Introdução a Sockets Modelo Cliente/Servidor e Introdução a Sockets MC 833 Programação em s de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Juliana Freitag Borin O modelo OSI de 7 camadas Nó origem Nó destino Apresentação

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Sockets. Bruno Guimarães Lucas Rossini

Sockets. Bruno Guimarães Lucas Rossini Sockets Bruno Guimarães Lucas Rossini Introdução Comunicação entre processos: Memória compartilhada Memória distribuída - Mensagens pela rede Um sistema distribuído é ausente de memória compartilhada,

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC)

Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) Chamadas Remotas de Procedimentos (RPC) Chamada Remota de Procedimento (RPC) ou Chamada de Função ou Chamada de Subrotina Método de transferência de controle de parte de um processo para outra parte Procedimentos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Descrição. Implementação. Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos

Descrição. Implementação. Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina LAB 4 Transferência de Arquivos Descrição Implemente nesta atividade de laboratório um programa em Java utilizando threads

Leia mais

DATAREGIS AUTOMAÇÃO COMERCIAL

DATAREGIS AUTOMAÇÃO COMERCIAL DATAREGIS AUTOMAÇÃO COMERCIAL Produto : Rádio Modem Marca : DATAREGIS WSL Modelos : WT35 Evolution WT35 Evolution 3 WT35 Evolution NET MANUAL DE COMANDOS AT PADRÃO DATAREGIS Versão: 1.00 ÍNDICE AT+WTET

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Tutorial de Sockets - Parte I Por: Frederico Perim

Tutorial de Sockets - Parte I Por: Frederico Perim Tutorial de Sockets - Parte I Por: Frederico Perim O que é um Socket? Você já deve ter ouvido faler sobre Sockets e talvez esteja imaginando do que se trata exatamente. Bem, resumindo: através de Sockets

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++ Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C / C++ Belo Horizonte 2009 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4

Leia mais

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto Computadores Digitais 2 Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Prof. Miguel Campista ATENÇÃO Esta apresentação foi retirada e adaptada dos seguintes trabalhos: Notas de aula do Prof. Miguel Campista da

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Redes de Computadores Preparatório para Concursos de TI

Redes de Computadores Preparatório para Concursos de TI Redes de Computadores Preparatório para Concursos de TI Prof. Bruno Guilhen Protocolos da Camada de Transporte TCP protocolo de Controle de Transmissão Confiável; Orientado à conexão com Controle de Fluxo;

Leia mais

Leandro Soares de Sousa (DSc.) e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com. Página: http://www.ic.uff.br/~lsousa. Parte VI

Leandro Soares de Sousa (DSc.) e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com. Página: http://www.ic.uff.br/~lsousa. Parte VI Tópicos Especiais Leandro Soares de Sousa (DSc.) e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Página: http://www.ic.uff.br/~lsousa Parte VI 2 Implementação do chat com o protocolo definido e com o projeto a ser

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Comunicação em Sistemas Distribuídos

Comunicação em Sistemas Distribuídos Comunicação em Sistemas Distribuídos A diferença mais importante entre os Sistemas Distribuídos e os Sistemas Uniprocessadores é a comunicação inter-processo. Nos uniprocessadores esta comunicação é feita

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

SIMULADOR DE ROTEAMENTO DE PACOTES (V. 3 20/05/2010)

SIMULADOR DE ROTEAMENTO DE PACOTES (V. 3 20/05/2010) SIMULADOR DE ROTEAMENTO DE PACOTES (V. 3 20/05/2010) OBJETIVO GERAL Este trabalho possui o objetivo de exercitar a lógica de programação dos alunos do Terceiro ano do Curso de BSI e também desenvolver

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 2. TCP/IP i. Fundamentos ii. Camada de Aplicação iii. Camada de Transporte iv. Camada de Internet v. Camada de Interface

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1

Informática I. Aula 4. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1 Informática I Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 4-05/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR

SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP. Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR SIMET Sistema de Medições de Tráfego IP Fabrício Tamusiunas NIC.BR Milton Kaoru Kashiwakura NIC.BR Questões sobre conectividade Internet O que você realmente sabe sobre sua conectividade com o resto da

Leia mais

Olho por olho, e o mundo acabará cego. Mohandas Gandhi

Olho por olho, e o mundo acabará cego. Mohandas Gandhi Sockets Olho por olho, e o mundo acabará cego. Mohandas Gandhi Conectando-se a máquinas remotas. Protocolo Da necessidade de dois computadores se comunicarem surgiram diversos protocolos que permitissem

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Redes de Computadores. Arquitetura de Protocolos Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Arquitetura de Protocolos Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Arquitetura de Protocolos Profa. Priscila Solís Barreto REDE... Um sistema de comunicações para conectar sistemas finais Sistemas finais? =hosts PCs, estações de trabalho componentes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

Obter conhecimentos básicos sobre programação socket para desenvolver softwares clientes.

Obter conhecimentos básicos sobre programação socket para desenvolver softwares clientes. Objetivo: Obter conhecimentos básicos sobre programação socket para desenvolver softwares clientes. Atividade 1 Estude, compile, corrija (se necessário) e teste o programa hostbyaddr.c. Modifique o programa

Leia mais

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment

Meio Físico. Mensagem. Protocolo. Emissor e Receptor. Data Terminal Equipment Data Communications Equipment Emissor Receptor Meio Físico Mensagem Protocolo Emissor e Receptor Data Terminal Equipment Data Communications Equipment (DTE) + (DCE) Meio Físico Mensagem ( pacote ) O meio físico É o elemento que transmite

Leia mais