Ministério da Indústria e do Comércio

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério da Indústria e do Comércio"

Transcrição

1 Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 111 de 20 de setembro de 1983 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO, no uso de suas atribuições, Considerando o que dispõe o item I-3)a) da Resolução 06/78 do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - CONMETRO; Considerando a Resolução 01/81 do CONMETRO que inclui Plugues e Tomadas como produtos prioritários para concessão da Marca Nacional de Conformidade às Normas Brasileiras, resolve: 1. Aprovar o anexo Regulamento específico de Plugues e Tomadas de uso doméstico para uso da Marca Nacional de Conformidade às Normas Brasileiras. 2. Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação. Walter dos Santos Presidente do INMETRO 1

2 MARCA NACIONAL DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS BRASILEIRAS Regulamento Específico de Plugues e Tomadas de uso Doméstico Sumário 1 Informações Gerais 1.1 Objetivo da marca 1.2 Características da marca 1.3 Colocação da marca 1.4 Uso da marca 1.5 Uso abusivo da marca 1.6 Divulgação promocional 2 Administração da marca 3 Organização do Controle da Marca 3.1 Controles e verificações exercidas pelo INMETRO 3.2 Controle da fábrica 3.3 Controle e verificação no comércio 3.4 Interpretação dos resultados dos controles 4 Solicitação da Licença 4.1 Apresentação da solicitação 4.2 Compromissos da empresa solicitante 4.3 Extensão da licença 4.4 Transferência de local de fabricação 5 Processamento do pedido e concessão da licença 5.1 Análise da solicitação 5.2 Avaliação da empresa 5.3 Amostragem 5.4 Ensaios 5.5 Concessão da licença 6 Suspensão da licença 7 Rescisão e extinção da licença 8 Sanções Contratuais 9 Recursos 10 Regime Financeiro 11 Anexos Anexo 1 Anexo 2 Anexo 3 Anexo 4 Normas NBR Aplicadas Amostragem Disposições Financeiras Contrato para uso da Marca Nacional de Conformidade 2

3 Anexo 5 Modelo gráfico da Marca para Plugues e Tomadas de uso doméstico 1 Informações Gerais 1.1 Objetivo da Marca A Marca Nacional de Conformidade, de propriedade do INMETRO, tem por objetivo atestar a Certificação de Conformidade de Plugues e Tomadas de uso doméstico com Normas Brasileiras específicas, e que sua fabricação está sob um controle contínuo do Fabricante, quanto aos materiais, processos de fabricação e qualidade, conforme as disposições do presente Regulamento e documentos pertinentes ao CONMETRO A Marca, cuja licença para uso é intransferível e inalienável, é de propriedade exclusiva do INMETRO Toda empresa que sob sua responsabilidade fabrica de forma seriada e permanente Plugues e Tomadas de uso doméstico, em conformidade com as Normas Brasileiras listada no Anexo 1 do presente Regulamento, e que exerça ou faça exercer sob sua responsabilidade, os controles de fabricação previstos no item 3.2, pode solicitar ao INMETRO, autorização para uso no produto da Marca Nacional de Conformidade O uso da Marca nos Plugues e Tomadas de uso doméstico está subordinado à concessão de licença pelo INMETRO, conforme previsto no item 5, e pelos compromissos assumidos pela empresa através do Contrato para Uso da Marca Nacional de Conformidade. 1.2 Características da marca O símbolo da Marca e demais prescrições estão estabelecidos em documento específico do INMETRO Todo Plugue e Tomada objeto da Marca deve ser comercializado com seus acessórios, em embalagem adequada. Nota: O Plugue e Tomada como peça de reposição pode ser comercializado sem os seus acessórios A Marca Nacional de Conformidade para Plugues e Tomadas de uso doméstico é representada pelo símbolo da Marca, conforme Figura 1, do INQI-020 e modelo gráfico do Anexo 5, acompanhada pelo logotipo do fabricante. 1.3 Colocação da marca O Licenciado deve apor a Marca descrita em 1.2, o logotipo do Fabricante e identificação que garanta a rastreabilidade de maneira indelével sobre os Plugues e Tomadas, que têm licença para uso da Marca. Nota: Na impossibilidade de colocação da Marca conforme 1.2.3, o INMETRO estudará cada caso, de comum acordo com o fabricante. 1.4 Uso da marca A licença para o uso da Marca e sua aposição sobre os Plugues e Tomadas de uso doméstico, não transfere, em nenhum caso, a responsabilidade do Licenciado para o INMETRO É proibido ao Licenciado efetuar modificações nos Plugues e Tomadas, que tenham licença para uso da Marca, que contrariem o disposto nas Normas Brasileiras relativas ao produto As modificações em qualquer item em que a concessão da licença está baseada, devem ser autorizadas formalmente pelo INMETRO, como prescrito no presente Regulamento. O não cumprimento do disposto acima acarretará as sanções previstas no item 8 do presente Regulamento. 3

4 1.4.4 Caso o Licenciado venha a fazer modificações substanciais no plugue e/ou tomada, o INMETRO poderá exigir a apresentação de nova solicitação de licença e cancelar a licença anteriormente concedida Neste caso, o Licenciado não poderá comercializar, plugues e tomadas com a Marca que, apresentem modificações, ou plugues e tomadas que tenham sido fabricados por um processo modificado, até que o INMETRO se pronuncie favoravelmente Caso haja revisão das normas nas quais a Marca foi concedida, o INMETRO avisará o Fabricante. Este receberá um prazo para se enquadrar nas novas condições. Ver item Uso abusivo da marca O INMETRO tomará as providências cabíveis em relação a todo emprego abusivo da Marca, conforme o disposto nas resoluções pertinente do CONMETRO São considerados empregos abusivos os seguintes comportamentos: a) utilização da Marca antes da assinatura do respectivo contrato; b) utilização da Marca após a rescisão do contrato; c) divulgação promocional abusiva em desacordo com as prescrições do item Divulgação promocional Toda publicidade coletiva, que implique reconhecimento oficial, de assuntos relacionados com a concessão da licença de uso da Marca é de competência exclusiva do INMETRO Quando o Fabricante possuir um catálogo, prospecto comercial ou publicitário, referências à Marca só poderão ser feitas para os plugues e tomadas que tiverem licença para o uso da Marca, sem deixar qualquer dúvida entre os plugues e tomadas licenciados e os plugues e tomadas não licenciados Nos manuais de instrução ou informação ao usuário, referências sobre as características não incluídas nas normas dos plugues e tomadas, não podem ser associadas à Marca, ou levar o usuário a crer que tais características estejam garantidas pela Marca Não deve haver publicidade envolvendo a Marca que seja depreciativa, abusiva, falsa ou enganosa a outros plugues e tomadas O não cumprimento do disposto nos itens de à 1.6.4, acarretará as sanções previstas no item 8 do presente Regulamento. 2 Administração da Marca 2.1 O INMETRO é responsável pela Concessão da Licença, acompanhamento do uso da Marca e pela sua administração. 2.2 A administração da Marca é assegurada pelo INMETRO, conforme previsto nas disposições legais pertinentes. 3 Organização do controle da Marca 3.1 Controles e verificações exercidos pelo INMETRO Após concessão da licença, o controle do uso da Marca é realizado pelo INMETRO, o qual planeja e autoriza a inspeção das condições que deram origem à concessão inicial da Marca As visitas e amostragens para tal finalidade serão efetuadas pelo INMETRO. A amostragem será conforme Anexo Será realizada, no mínimo, 1 (uma) visita por ano para cada fabricante que se 4

5 beneficie da Marca As visitas poderão ser efetuadas sem aviso prévio As verificações na fábrica podem comportar nova avaliações, exame dos registros do fabricante, e eventualmente revisar as técnicas de amostragem estatística utilizadas Tais verificações podem requerer tanto medições efetuadas na fábrica como amostragens para finalidade de ensaios em um Laboratório Credenciado. 3.2 Controles da fábrica O controle dos plugues e tomadas admitidos à Marca é executado pelo Licenciado sob a sua inteira responsabilidade Esse controle tem por objetivo verificar e assegurar a conformidade dos plugues e tomadas às normas O licenciado é obrigado a efetuar ou fazer efetuar o conjunto de ensaios e verificações previstos nas normas sobre os plugues e tomadas inteiramente acabados, retirados por amostragem do processo de fabricação O Licenciado deve manter inspeção permanente da matéria prima e do processo de fabricação A lista, a natureza e, eventualmente, a freqüência dos controle e ensaios feitos pelo Fabricante, assim como as condições de sua execução e de sua interpretação, devem fazer parte de um plano de controle estabelecido pelo Fabricante e colocado à disposição do INMETRO, que deve ser informado sobre qualquer modificação referente ao plano de controle. 3.3 Controle e verificação no comércio As inspeções dos plugues e tomadas no comércio, serão efetuadas por amostragem aleatória através da retirada das amostras pelo INMETRO. As amostras serão encaminhadas a Laboratório Credenciado que fará os ensaios e dará conhecimento dos resultados ao INMETRO A amostragem no comércio será conforme descrito no Anexo A responsabilidade do Fabricante quanto a não conformidade do plugue e tomada, cessa a partir do momento que for constatado pelo INMETRO, que condições de transporte ou armazenagem no comércio, possam comprometer o desempenho do produto Se os resultados dos ensaios realizados no Laboratório Credenciado apresentarem não conformidade às Normas Brasileiras, caberá ao INMETRO tomar as providências constantes neste Regulamento. 3.4 Interpretação dos resultados do controle O INMETRO acompanha a regularidade das operações de controle e a interpretação dos resultados No caso de não conformidade às normas, ou da não execução dos procedimentos constatados na avaliação inicial, o INMETRO decide se é necessária ou não a execução de ensaios suplementares com as despesas por conta do Licenciado. 4 Solicitação da licença 4.1 Apresentação da solicitação A empresa que desejar obter a licença para uso da Marca Nacional de Conformidade nos plugues e tomadas de sua fabricação, deverá encaminhar solicitação ao INMETRO A solicitação é feita para um determinado plugue e tomada produzido por uma 5

6 determinada fábrica, segundo as Normas Brasileiras (NBR) específicas. 4.2 Compromissos da empresa solicitante Aceitar todas as condições descritas nas Normas NBR aplicáveis, as disposições legais referentes à Marca, este Regulamento e as resoluções do INMETRO Colocar obrigatoriamente a Marca nos plugues e tomadas autorizados e somente neles Exercer os controles descritos no item 3.2 do presente Regulamento Facilitar ao INMETRO, os trabalhos de inspeção e a tomadas de amostras Acatar as decisões tomadas pelo INMETRO, conforme as disposições legais referentes à Marca ou ao presente Regulamento Enviar ao INMETRO todos os impressos publicitários ou catálogos que façam referência à Marca Remeter ao INMETRO as importâncias estipuladas, conforme o estabelecido no Contrato para Uso da Marca Nacional de Conformidade Manter um registro de todas as queixas relativas aos plugues e tomadas licenciados, e mantê-lo à disposição, para uma eventual consulta do INMETRO. 4.3 Extensão da licença Quando o Licenciado desejar estender a licença já concedida para tipos ou modelos adicionais de plugues e tomadas, produzidos na mesma fábrica, segundo as mesmas normas, poderá solicitar ao INMETRO a extensão da licença Neste caso, não será necessária nova inspeção da fábrica, mas os tipos ou modelos adicionais, objetos da solicitação de extensão, deverão ser submetidos aos ensaios; e caso satisfaçam os requisitos exigidos nas normas, a extensão da licença será concedida Se o Licenciado desejar a Marca para tipos adicionais de plugues e tomadas produzidos na mesma fábrica, mas segundo Normas NBR diferentes das do produto já licenciado, ou produzidos em outra fábrica não amparada pela licença anterior, o INMETRO decidirá se é necessário repetir o processo da licença ou parte dele A solicitação de extensão é feita através de formulário próprio do INMETRO A cada novo tipo ou modelo de plugue e tomada deve corresponder uma solicitação de extensão. 4.4 Transferência de local de fabricação Antes de qualquer transferência, total ou parcial, da empresa, para um outro local de fabricação, o INMETRO deve ser informado. Neste caso, o INMETRO fará uma nova avaliação da fábrica e dos plugues e tomadas, podendo ser dispensáveis os ensaios de tipo. 5 Processamento do pedido de concessão de licença 5.1 Análise da solicitação O INMETRO analisará a solicitação, dará ciência da decisão ao Fabricante e, no caso de este aceitar, o INMETRO fará em seguida com o solicitante, os preparativos para a avaliação da fábrica, a amostragem e a realização dos ensaios de tipo requeridos O Fabricante fará um depósito relativo aos custos da avaliação, e a seguir terá início o processo de certificação. Estes custos são fixados pelo INMETRO e constam do Anexo Avaliação da empresa 6

7 5.2.1 A solicitação de licença para uso da Marca implica a ida de inspetores do INMETRO, à empresa, para sua avaliação A avaliação da empresa será realizada com base nos seguintes itens: a) organização da qualidade da empresa; b) controle de recebimento; c) controle de processos e produto final; d) disposição de componentes ou produtos defeituosos; e) laboratório de materiais e processos; f) laboratório de metrologia; g) fabricação; h) pessoal; i) armazenamento; j) local O solicitante deverá indicar a data a partir da qual o INMETRO poderá realizar a avaliação Após a avaliação, o INMETRO dará ciência ao Fabricante do resultado; e em caso favorável, o processo de licença para uso da Marca terá seqüência Em caso desfavorável, o INMETRO comunicará as não conformidades ao fabricante para sua correção. 5.3 Amostragem O INMETRO realiza a amostragem inicial necessária conforme Anexo As amostras tomadas na fábrica, devem ser representativas da linha de produção, fabricadas com ferramentas de produção, conforme o processo normal de fabricação que a fábrica adota para o plugue e tomada Inspetores do INMETRO elaboram um relatório de amostragem que será analisado pelo INMETRO. 5.4 Ensaios Nota: Tratando-se de protótipos, o fabricante procede conforme Os ensaios pertinentes nos protótipos e/ou amostras colhidas pelos Inspetores do INMETRO, a fim de verificar a conformidade dos produtos às Normas, devem ser realizados em Laboratório Credenciado Quanto os ensaios de tipo são realizados em protótipos, o INMETRO autoriza o Fabricante encaminhar, a Laboratório Credenciado, amostras em igual número à amostragem inicial. Nota: O INMETRO em comum acordo com o fabricante poderá alterar a amostragem O INMETRO toma conhecimento dos resultados através de um relatório de ensaios do Laboratório Credenciado Se o INMETRO emite um parecer favorável com relação aos ensaios, este parecer não autoriza o uso da Marca. Para que os plugues e tomadas obtenham o direito ao uso da Marca, é necessário que os procedimentos previstos neste Regulamento sejam cumpridos na sua totalidade Se os resultados dos ensaios consignados no relatório do Laboratório Credenciado apresentarem-se em não conformidade com os requisitos das Normas Brasileiras, o INMETRO poderá decidir fazer novos ensaios depois da correção das não 7

8 conformidades. 5.5 Concessão da licença Cumpridos todos os requisitos exigidos, será assinado, entre o INMETRO e a empresa solicitante, o Contrato do Uso da Marca conforme Anexo Caso o Fabricante obtenha licença para uso da Marca, a partir do protótipo, o início da produção deve ser comunicado ao INMETRO, que procederá conforme Suspensão da licença 6.1 A licença do Uso da Marca nos plugues e tomadas pode ser suspensa por um período determinado, nos casos descritos a seguir: a) se a inspeção mostrar que a não conformidade aos requisitos é de tal natureza que a rescisão imediata não é necessária; b) em caso do uso inadequado da Marca; c) se existirem outras contravenções ao sistema de certificação. 6.2 O Licenciado não poderá comercializar nenhum plugue e tomada com a Marca enquanto durar a suspensão da licença. Tal suspensão terá caráter geral ou específico e será definida pelo INMETRO em função da não conformidade encontrada. 6.3 A licença poderá também ser suspensa após acordo mútuo entre o Fabricante e o INMETRO, para um período de não produção ou por outras razões. 6.4 A suspensão oficial da licença será confirmada pelo INMETRO através da carta registrada endereçada ao Licenciado, indicando em que condições terminará a suspensão. 6.5 No final do período da suspensão, o INMETRO investigará se as condições estipuladas para liberar novamente a licença foram satisfeitas Em caso afirmativo, o Licenciado será notificado de que a licença está novamente em vigor Em caso negativo, o INMETRO rescindirá a licença. 7 Rescisão e extinção da licença 7.1 Após a suspensão da licença, está deverá ser rescindida nos seguintes casos: a) se a inspeção constatar gravidade na não conformidade; b) uso da Marca de Conformidade em outro plugue ou tomada que não o objeto da licença; c) se o licenciado não cumprir com a obrigação financeira fixada; d) no caso de outras contravenções; e) se medidas inadequadas forem tomadas pelo licenciado quando de sua suspensão; f) na hipótese de falência, se a sociedade for comercial; g) na hipótese de insolvência, se a sociedade for civil. 7.2 Nos casos descritos em 7.1, o INMETRO tem o direito de rescindir a licença, informando o Licenciado através de carta registrada. 7.3 Antes da rescisão da licença, o INMETRO decidirá sobre as ações a serem tomadas em relação aos plugues e tomadas sob licença, em estoque, ou mesmo dos plugues e tomadas já vendidos. 7.4 A liquidação de estoque dos plugues e tomadas com Marca poderá ser consentida por um pequeno espaço de tempo. 8

9 7.5 A licença deverá ser extinta nos seguintes casos: a) se o licenciado não desejar prorrogá-la; b) se as normas dos plugues e tomadas forem revisadas e o Licenciado não concordar ou não puder assegurar conformidade aos novos requisitos. 8 Sanções contratuais 8.1 As sanções previstas no caso do não cumprimento das obrigações por parte do Licenciado são as listadas de à Advertência simples, com a obrigação de eliminar dentro de um prazo determinado, as não conformidades constatadas A advertência acompanhada de um aumento da freqüência de inspeção Suspensão temporária da licença Rescisão da licença. 8.2 Além das sanções previstas no item 8.1 todo emprego abusivo da Marca, seja pelo Licenciado ou por um terceiro, dá direito ao INMETRO de iniciar uma ação judicial. 9 Recursos 9.1 Os recursos formulados em defesa das sanções contratuais previstas neste Regulamento, devem ser endereçadas ao INMETRO, conforme III-11) da Resolução nº 06/78 do CONMETRO. 9.2 Os recursos devem ser apresentados dentro de um prazo de vinte dias úteis a contar do recebimento da comunicação respectiva. 10 Regime financeiro As operações financeiras relativas à concessão da licença para uso da Marca Nacional de Conformidade estão fixadas no Anexo 3. Anexo I A-1.1 A-1.2 A-1.3 A-1.4 A-1.5 A-1.6 A-1.7 A-1.8 A-1.9 A-1.10 A Normas NBR aplicáveis As Normas Registradas aplicáveis a plugues e tomadas de uso doméstico, para concessão da Marca, são listadas a seguir: NBR Plugues e tomadas de uso doméstico - Especificação. NBR Ensaio de resistência à corrosão para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaio de corrente de fuga para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Força necessária para retirar o plugue e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaios de resistência à umidade, Resistência de isolamento e rigidez dielétrica para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaio de resistência ao calor e ao envelhecimento para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaio de tração, torque e flexão para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaio de resistência mecânica para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaio nos pinos providos de proteção isolante para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Ensaio de aquecimento, movimento de conexão e desconexão, durabilidade para plugues e tomadas de uso doméstico. NBR Proteção contra choque elétrico para plugues e tomadas de uso 9

10 doméstico. A-1.12 NBR Invólucros de equipamentos elétricos - Proteção. Anexo 2 - Amostragem A-2.1 A amostragem inicial na fábrica (item 5.3.1), para a realização de ensaios conforme as normas NBR aplicáveis, visando a concessão da licença para o uso da Marca Nacional de Conformidade, deve ser de 6 (seis) acessórios (conjunto completo) de cada família, numerados de 1 a 6, tomados ao acaso e tendo como critério para o laudo dos ensaios o número de aceitação igual a 0 (zero) defeitos para todos os ensaios. A destinação dos conjuntos de plugues e/ou tomadas é dada a seguir: Conjunto nº Ensaios Seqüenciais 1 a 3 - proteção contra choques elétricos; - resistência ao envelhecimento, à penetração de água e à umidade; - resistência de isolamento e rigidez dielétrica; - ensaio de aquecimento, movimento de conexão, desconexão e durabilidade; - força necessária para retirar o plugue da tomada; - tração, torque e flexão; - resistência mecânica; - resistência ao calor; - resistência à corrosão; - pinos providos de proteção isolante. 4 a 6 - resistência do material isolante ao calor anormal e ao fogo; - corrente de fuga. A-2.2 A-2.3 Anexo 3 A-3.1 A amostragem (item 3.1.2), quando requerida, a ser efetuada na Fábrica e as inspeções periódicas visando a realização de ensaios em Laboratório Credenciado deve ser de 6 (seis) acessórios de cada família, tomados ao acaso e tendo como critério para o laudo dos ensaios o número de aceitação igual a 0 (zero). A critério do INMETRO, este número pode ser reduzido. Nota:1) Entende-se por acessórios da mesma família, os plugues e/ou tomadas que têm as mesmas características nominais, mesmo tipo, mesma aplicação e mesmo modelo. 2) O INMETRO, em comum acordo com o fabricante, poderá efetuar amostragem dupla. A amostragem no comércio, para a realização de ensaios conforme NBR aplicáveis, deve ser de 3 (três) plugues e/ou tomadas de cada família, tomados ao acaso e tendo como critério para o laudo dos ensaios o número de aceitação igual a 0 (zero) defeitos. - Disposições financeiras O depósito inicial (item 5.1.2) relativo aos custos da avaliação, será pago ao 10

11 INMETRO, custos estes envolvendo despesas de passagem, diárias e remuneração de dois inspetores, pelo período da avaliação. A-3.2 Anexo 4 Uma vez licenciado, o fabricante recolherá ao INMETRO as importâncias estipuladas no Contrato (Anexo 4). - Contrato para uso da marca Nacional de conformidade Contrato para uso da marca Nacional de conformidade que entre si celebram o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO e a Empresa O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO, autarquia federal, vinculada ao Ministério da Indústria e do Comércio, criado pela Lei nº 5.966, de , com sede em Brasília, DF., no SAS - Q Lote 02, inscrito no CGC sob o nº / , designado, doravante, INMETRO representado pelo seu Presidente, e a empresa, com sede em, Estado de, inscrita no CGC sob o nº, designada a seguir FABRICANTE, representada por,acordam em celebrar o presente contrato, mediante as seguintes cláusulas: CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO O INMETRO, por este instrumento negocial, concede ao FABRICANTE, a Licença para o uso da MARCA NACIONAL DE CONFORMIDADE ÀS NORMAS BRASILEIRAS, de sua propriedade, para aplicação no produto, produzido pelo FABRICANTE, desde que de acordo com as Normas Brasileiras constantes do Anexo I do Regulamento específico de aprovado pela Portaria nº, de, do INMETRO, devidamente publicada com o referido Regulamento e seus Anexos, no Diário Oficial da União de, seção, Página. Parágrafo Único Os documentos a que se refere o caput desta cláusula, bem como o questionado regulamento, fazem parte deste contrato, como se nele estivessem transcritos, para todos os devidos efeitos jurídicos. CLÁUSULA SEGUNDA - DA VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE Para verificar se o produto mencionado na Cláusula primeira está sendo produzido de acordo com as Normas Brasileiras mencionadas no Anexo I do Regulamento, e o implemento das condições em que se respaldou a concessão para Uso da Marca Nacional de Conformidade, o INMETRO realizará as inspeções necessárias, por pessoal especializado, por ele credenciado, que deverá ter acesso à linha de fabricação e aos estoques de produto acabado. CLÁUSULA TERCEIRA - DAS OBRIGAÇÕES DO FABRICANTE Obriga-se o Fabricante a: a) utilizar o Símbolo da Marca Nacional de Conformidade ou a sigla INMETRO, tãosomente, na publicidade do produto especificado no caput da cláusula primeira; b) recolher, semestralmente ao INMETRO, pela licença do uso da Marca Nacional de Conformidade às Normas Brasileiras, a importância correspondente a % ( ) sobre o faturamento líquido do produto licenciado para o uso da Marca; c) recolher diretamente a Laboratório Credenciado, os custos dos ensaios realizados por ocasião da avaliação inicial, das inspeções periódicas e/ou avaliações no comércio, conforme relação dos preços de ensaios fornecidos pelo INMETRO. CLÁUSULA QUARTA - DAS OBRIGAÇÕES DO INMETRO Obriga-se o INMETRO a: a) não divulgar os requisitos da concessão ora instrumentalizada, para o uso da 11

12 Marca Nacional de Conformidade às Normas Brasileiras; b) não prestar qualquer informação concernente ao processo de fabricação do produto mencionado no caput da cláusula primeira, inclusive no que tange a ensaios realizados, ou, ainda, no que concerne a quantidades alienadas ou mesmo produzidas, salvo mediante autorização do fabricante. CLÁUSULA QUINTA - DO PRAZO O prazo de vigência do presente ato negocial é de 12 (doze) meses, a contar da data de sua assinatura, prorrogável por igual decurso de tempo, mediante a celebração de termo aditivo. CLÁUSULA SEXTA - DA DENÚNCIA As partes contratantes poderão denunciar o presente contrato, observada a antecedência de 30 (trinta) dias, independentemente de interpelação judicial. CLÁUSULA SÉTIMA - DA RESCISÃO O presente contrato poderá ser rescindido: a) na hipótese de verificação de caso fortuito, ou de força maior, à luz do disposto no parágrafo único do art do Código Civil; b) na hipótese de falência ou concordata do FABRICANTE. CLÁUSULA OITAVA - DO FORO CONTRATUAL Os litígios que, porventura, resultarem deste negócio jurídico, serão dirimidos pela Seção Jurídica do Distrito Federal, à vista do disposto no art. 125, inciso I, da Constituição Federal. E, por se acharem justas e contratadas, partes firmam, o presente instrumento em 3 (três) vias de igual teor e forma, para um só efeito legal, na presença das testemunhas abaixo nomeadas. Nome Nome Testemunhas Nome: CPF : Nome: CPF : 12

13 Anexo 5 Marca Nacional de Conformidade para plugues e tomadas de uso doméstico 1 - Identificação do fabricante 2 - Identificação do modelo 3 - Marca NBR de tamanho XX conforme Tabela 1 do INQI Nº da Norma Brasileira de plugues e tomadas de Uso Doméstico H = 0,125 mm 13

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo

Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria n.º 175, de 02 de agosto de 1993. O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES

REGRA DE CERTIFICAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES Página: 1/08 Elaborado por: Claudio Francisco Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 22/07/13 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os critérios utilizados

Leia mais

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO - DPA

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO - DPA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO - DPA MINUTA CONTRATO N. xx/xxxx. CONTRATO DE VENDA DE PUBLICAÇÕES MEDIANTE CONSIGNAÇÃO QUE ENTRE

Leia mais

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta.

A proposta técnico-comercial nº 23.CP.XXX/2013 passa a fazer parte integrante deste Contrato, doravante designada apenas como Proposta. A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, entidade privada sem fins lucrativos, reconhecida de utilidade com sede nesta Cidade de São Paulo, à Rua Minas Gerais nº 190 - Higienópolis, inscrita no CNPJ

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2016. O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e

RESOLUÇÃO Nº 027/2016. O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e RESOLUÇÃO Nº 027/2016 O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e CONSIDERANDO os dispositivos da Resolução nº 028/2016, de 21 de janeiro de 2016; CONSIDERANDO o Convênio

Leia mais

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... Página 1 de 22 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 4 7. CONDIÇÕES GERAIS... 4 8. SELO

Leia mais

a seguir denominadas individualmente de Parte e em conjunto de Partes.

a seguir denominadas individualmente de Parte e em conjunto de Partes. TERMO DE COMPROMISSO CELEBRADO ENTRE A EMPRESA TELECOMUNCIAÇÕES LTDA E A TELEFÔNICA BRASIL S.A. TELEFÔNICA EMPRESA., inscrita no CNPJ sob o nº 00.000.000/0001-91, com sede na Rua YYY,, n nn, na cidade

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TERMO DE CONTRATO CT Nº 0008/2015

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO TERMO DE CONTRATO CT Nº 0008/2015 TERMO DE CONTRATO CT Nº 0008/2015 TERMO DE CONTRATO CT Nº 0008/2015 QUE ENTRE SI CELEBRAM O CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO e a EMPRESA G & S IMAGENS DO BRASIL LTDA que tem por objeto contratação

Leia mais

Quadro 5 Número de Vias deste Contrato Total: 2 (duas) vias Vias da ELETROBRAS: 1 (uma) via Vias da Contratante: 1 (uma) via

Quadro 5 Número de Vias deste Contrato Total: 2 (duas) vias Vias da ELETROBRAS: 1 (uma) via Vias da Contratante: 1 (uma) via CONTRATO PARA LICENÇA DE USO DE MÓDULO EXECUTÁVEL DE PROGRAMA COMPUTACIONAL QUE ENTRE SI FAZEM A CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS - ELETROBRÁS E A CONTRATANTE ABAIXO CARACTERIZADA. ECE-EGP-XXX/20XX Quadro

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O(A)...

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O(A)... REDE BIBLIODATA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O(A)... E A FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Pelo presente instrumento, de um lado, o(a)...(nome da instituição)..., inscrito(a) no CNPJ sob

Leia mais

Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010

Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 298, de 27 de julho de 2010

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

DO PREÇO, DA ORIGEM DOS RECURSOS E FORMA DE PAGAMENTO

DO PREÇO, DA ORIGEM DOS RECURSOS E FORMA DE PAGAMENTO 1 CT Nº /2009 AJU TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA, SEM RELAÇÃO EMPREGATÍCIA, QUE ENTRE SI CELEBRAM A COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO E AÇÃO REGIONAL - CAR E... A COMPANHIA

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 017/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO CLÁUSULA PRIMEIRA DOCUMENTO INTEGRANTE DO CONTRATO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO 0800 PROGRESSIVO Pelo presente instrumento, de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 02.558.157/0001-62, com sede na Av. Engenheiro Luiz Carlos

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

- PROJETO CRESCER - - CONTRATO DE INCLUSÃO - QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE SCPA E.

- PROJETO CRESCER - - CONTRATO DE INCLUSÃO - QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE SCPA E. - PROJETO CRESCER - - CONTRATO DE INCLUSÃO - QUE ENTRE SI CELEBRAM O SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE SCPA E. SINDICATO DOS CONTABILISTAS DE PORTO ALEGRE com sede na Rua Riachuelo 1.641 1º andar,

Leia mais

Portaria n.º 231, de 30 de junho de 2008. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 231, de 30 de junho de 2008. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 231, de 30 de junho de 2008.

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3

SUMÁRIO. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... 3. 4. Referências... 3. 5. Definições... 3 Página 1 de 28 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 5 7. Condições gerais... 5 7.1 Autorização

Leia mais

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF

PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) Nome. Matrícula Lotação Tel. Comercial. Email: Carteira de Identidade CPF ELETRA - FUNDAÇÃO CELG DE SEGUROS E PREVIDÊNCIA www.eletra.org.br - versão: 05/2015 12.08.2015 - pág.: 1 PROPOSTA DE EMPRÉSTIMO MODALIDADE PRÉ-FIXADO (Preenchimento Obrigatório) ( ) ATIVO ( ) APOSENTADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS

PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTES CLAROS ANEXO IV MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO DE HORTALIÇAS E FRUTAS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. O MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES

EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º 07/2015 PLANTÃO MÉDICO DE ESPECIALIDADES O Município de Não-Me-Toque comunica aos interessados que está procedendo ao CHAMAMENTO PÚBLICO no horário das 8:15 às 11:33h e das

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS.

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS. As relações estabelecidas entre a SABÓ INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AUTOPEÇAS LTDA., com sede na cidade de São Paulo-SP, na Rua Matteo Forte nº 216, inscrita no CNPJ/MF sob nº 60.860.681/0004-32, daqui por

Leia mais

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES

CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE FORNECEDORES São partes neste Contrato: 1. PROCIDADES COMÉRCIO E SERVIÇOS DE APOIO LTDA, pessoa jurídica de direito privado inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídicas

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL XXX

MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL XXX MINUTA CONTRATO DE LOCAÇÃO SESC/AR/DF DF 2015 CL XXX Contrato de locação de container refrigerado que entre si celebram o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO DF SESC/AR/DF e a Empresa

Leia mais

EDITAL CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015. VISANDO O CREDENCIAMENTO FISIOTERAPEUTA E NUTRICIONISTA,.

EDITAL CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015. VISANDO O CREDENCIAMENTO FISIOTERAPEUTA E NUTRICIONISTA,. EDITAL CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015. VISANDO O CREDENCIAMENTO FISIOTERAPEUTA E NUTRICIONISTA,. Município de Nova Iguaçu de Goiás, por seu PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU DE GOIÁS, faz saber pelo presente

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE CONTRATO Nº 014/2012 PROCESSO: 08700.006767/2011-28 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONFECÇÃO DE CRACHÁS, QUE ENTRE SI CELEBRAM O CADE CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA E A EMPRESA POLINFORMÁTICA.

Leia mais

Portaria nº 378, de 28 de setembro de 2010

Portaria nº 378, de 28 de setembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 378, de 28 de setembro de

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis.

PCP 006 Componentes dos Sistemas de Descarga e de Abastecimento de Combustíveis. rev 02 02/02/2016 Aprovado por PAG 1 / 16 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação dos componentes dos sistemas de descarga e de abastecimento de combustíveis,

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca C- 15

Manual de Uso da Logomarca C- 15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE Manual de Uso da Logomarca C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS Revisão 4 26/05/2015, Página 1 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE]

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Entre [ ].. representada pelas pessoas devidamente autorizadas nomeadas na página de assinatura do presente CONTRATO, doravante denominada

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS.

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. MÓDULO SISTEMAS DE GESTÃO LTDA, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amapá, 309

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 001/2007 ANEXO VI MINUTA DE CONTRATO. PREGÃO ELETRÔNICO N o 09/2010 PROCESSO Nº 079/2010

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 001/2007 ANEXO VI MINUTA DE CONTRATO. PREGÃO ELETRÔNICO N o 09/2010 PROCESSO Nº 079/2010 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 001/2007 ANEXO VI MINUTA DE CONTRATO PREGÃO ELETRÔNICO N o 09/2010 PROCESSO Nº 079/2010 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE FORNECIMENTO DE PASSAGENS AÉREAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS,

Leia mais

Os Promotores e ou Afiliados podem incentivar outras pessoas a Divulgarem e comercializarem os serviços, tornando-se seus patrocinadores.

Os Promotores e ou Afiliados podem incentivar outras pessoas a Divulgarem e comercializarem os serviços, tornando-se seus patrocinadores. Liquida Net Rogério Richard - ME. Atua na área de Assinaturas de Lojas, e utiliza um plano de marketing que incentiva e apoia o uso e a divulgação de seus serviços através de uma Rede de Promotores autônomos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CONTRATO

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CONTRATO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 036/2015 CONVITE Nº 007/2015 CONTRATO CONTRATO QUE FAZEM ENTRE SI A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE, COM RESULT ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA, PARA A CESSÃO DE USO, NA FORMA DE

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO SESC/AR/DF DF 2016 CF XXX

CONTRATO DE FORNECIMENTO SESC/AR/DF DF 2016 CF XXX CONTRATO DE FORNECIMENTO SESC/AR/DF DF 2016 CF XXX Contrato de Fornecimento de Pulseiras de Identificação Tyvek Importada que entre si celebram o Serviço Social do Comércio Administração Regional do Distrito

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO - SESC/AR/DF DF 2015 CF XXX

MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO - SESC/AR/DF DF 2015 CF XXX MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO - SESC/AR/DF DF 2015 CF XXX Contrato de Fornecimento que entre si celebram o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO DISTRITO FEDERAL SESC/AR/DF e a Empresa

Leia mais

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1.

Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas 1. Condições Gerais de Prestação do Serviço Telefónico Acessível ao Público num Local Fixo através de Cartão Virtual de Chamadas da MEO - Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A., com sede na Av. Fontes

Leia mais

CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS

CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CONTRATO DICQ Nº / (à ser preenchido pelo DICQ) DE LABORATÓRIOS CLÍNICOS CONTRATO DE ACREDITAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALI- DADE DE LABORATÓRIO

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016.

ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016. ATA DE REGISTRO DE PREÇO Nº 008/2016 PROCESSO LICITATORIO Nº 028/2016 PREGÃO PRESENCIAL Nº 008/2016. VALIDADE: 12 meses Aos dezoito dias do mês de março de 2016, na sala de reuniões da Prefeitura Municipal,

Leia mais

ANEXO II - MINUTA DE CONVÊNIO

ANEXO II - MINUTA DE CONVÊNIO ANEXO II - MINUTA DE CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, ATRAVÉS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E O PRESTADOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE... PROCESSO Nº: 04.001368.06.32 O MUNICÍPIO

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS N 001/2013 REFERENTE AO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 037/2013 Pelo presente instrumento, a SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO, órgão gerenciador do Registro de Preços, localizada na

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL (EULA) PARA O YSOFT SAFEQ. Y Soft Corporation, a.s.

CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL (EULA) PARA O YSOFT SAFEQ. Y Soft Corporation, a.s. CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL (EULA) PARA O YSOFT SAFEQ Y Soft Corporation, a.s. N.º de versão do Contrato de Licença do Usuário Final: EULA V 5 Data do início da vigência desta versão do Contrato

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CURSOS BÁSICOS DE ESPORTES DE MONTANHA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas e condições

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº. 018/2014 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº.011/2014

PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº. 018/2014 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº.011/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº. 018/2014 DISPENSA DE LICITAÇÃO Nº.011/2014 O Presidente da Câmara Municipal de Vereadores do Município de Conceição do Coité, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO DF 2012 CPS XXX

MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO DF 2012 CPS XXX ANEXO I MINUTA CONTRATO DE FORNECIMENTO DF 2012 CPS XXX Contrato de para fornecimento de Etiquetas de Endereçamento para reposição de estoque no almoxarifado do SESC/AR/DF que entre si celebram o SERVIÇO

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA.

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETO 3 2 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 3 3 PEDIDO DE COMPRA E AUTORIZAÇÃO

Leia mais

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ

ESTÂNCIA HIDROMINERAL DE POÁ DECRETO Nº DE DE DE 2015 Dispõe sobre regulamentação da Lei Complementar nº. 3.766, de 4 de dezembro de 2014, que criou o Passe Livre Estudantil, gratuidade no sistema de transporte coletivo aos estudantes

Leia mais

ANEXO VI MINUTA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS REFERENTE: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 034 / 2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

ANEXO VI MINUTA DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS REFERENTE: PREGÃO PRESENCIAL Nº. 034 / 2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº. / 2015.. PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº. 065 / 2015. CONTRATANTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE SERRANA / SP. EMPRESA DETENTORA:. Aos dias do mês de do ano

Leia mais

MINUTA CONTRATO N.º /2011

MINUTA CONTRATO N.º /2011 CONTRATO DE FORNECIMENTO QUE, ENTRE SI, FAZEM A COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DA PARAÍBA CINEP E A EMPRESA..., CONFORME O PREGÃO PRESENCIAL Nº...., NA FORMA ABAIXO: MINUTA CONTRATO N.º /2011 A COMPANHIA

Leia mais

CONCORRÊNCIA Nº. 001/2010/SENAR-AR/RO

CONCORRÊNCIA Nº. 001/2010/SENAR-AR/RO PROCESSO nº 006/2010 CONCORRÊNCIA SOB REGISTRO DE PREÇOS n.º 001/2010 CONTRATO SOB REGISTRO DE PREÇOS PARA FORNECIMENTO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS, PRODUTOS DESCARTAVÉIS E PRODUTOS DE HIGIENE E LIMPEZA QUE

Leia mais

Telecomunicações de São Paulo S/A

Telecomunicações de São Paulo S/A INSTRUMENTO PARTICULAR DE LICENÇA ONEROSA DE USO DA RELAÇÃO DE ASSINANTES No. Telecomunicações de São Paulo S/A - TELESP, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Martiniano de Carvalho, n.º

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JANDAIA DO SUL CNPJ: 75771204/0001-25

PREFEITURA MUNICIPAL DE JANDAIA DO SUL CNPJ: 75771204/0001-25 CONTRATO Nº. 48/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE JANDAIA DO SUL E A EMPRESA PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS O Município de Jandaia do Sul pessoa jurídica

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 32/14

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 32/14 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 32/14 Processo n o. 89/14. Pregão 48/14. ATA DE REGISTRO DE PREÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE SANTA ROSA DE VITERBO E A EMPRESA AIR LIQUIDE BRASIL LTDA. Aos 27 (vinte

Leia mais

ACORDO DE ACIONISTAS ENTRE ALEXANDRE G. BARTELLE PARTICIPAÇÕES S.A. VERONA NEGÓCIOS E PARTICIPAÇÕES S.A. GRENDENE NEGÓCIOS S.A. GRENDENE S.A.

ACORDO DE ACIONISTAS ENTRE ALEXANDRE G. BARTELLE PARTICIPAÇÕES S.A. VERONA NEGÓCIOS E PARTICIPAÇÕES S.A. GRENDENE NEGÓCIOS S.A. GRENDENE S.A. ACORDO DE ACIONISTAS ENTRE ALEXANDRE G. BARTELLE PARTICIPAÇÕES S.A. VERONA NEGÓCIOS E PARTICIPAÇÕES S.A. GRENDENE NEGÓCIOS S.A. GRENDENE S.A. E DETERMINADOS INTERVENIENTES ACORDO DE ACIONISTAS Pelo presente

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO N 24, DE 6 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre o acervo técnico do arquiteto e urbanista e a emissão de Certidão de Acervo Técnico (CAT), sobre o registro de atestado emitido por pessoa jurídica de

Leia mais

Parágrafo Primeiro - O suporte técnico organizacional e gerencial consistirá em: 1. Oferecer apoio operacional ao funcionamento da EMPRESA;

Parágrafo Primeiro - O suporte técnico organizacional e gerencial consistirá em: 1. Oferecer apoio operacional ao funcionamento da EMPRESA; CONVÊNIO DE ASSOCIAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E A PARA DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO, DE ACORDO COM A SELEÇAO PÚBLICA REALIZADA ATRAVÉS DO EDITAL 01/2011 DA INCUBADORA

Leia mais

Nº Contrato: 1.1 Os termos abaixo definidos têm o seguinte significado neste Contrato:

Nº Contrato: 1.1 Os termos abaixo definidos têm o seguinte significado neste Contrato: CONTRATO DE CESSÃO DE USO DE CARTÕES ALAGOINHAS CARD VALE-TRANSPORTE ALAGOINHAS CARD, PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CARGA DE CRÉDITOS ELETRÔNICOS EM CARTÕES ALAGOINHAS CARD VALE-TRANSPORTE E OUTRAS AVENÇAS.

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO DE SENADOR CANEDO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO ANEXO IX

INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE DO SERVIDOR PÚBLICO DE SENADOR CANEDO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO ANEXO IX ANEXO IX CONTRATO Nº -----/2015 CONTRATO DE CREDENCIAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONSULTAS MÉDICAS, S.A.D.T. E CIRURGIAS DOS SERVIDORES DO MUNICIPIO DE SENADOR CANEDO CELEBRADO ENTRE O IAMESC E A

Leia mais

CONTRATO nº 09/2004 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO

CONTRATO nº 09/2004 CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO CONTRATO nº 09/2004 A AGÊNCIA REGULADORA DE SERVIÇOS PÚBLICOS DO ESTADO DE ALAGOAS ARSAL, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ/MF sob o No. 04.730.141/0001-10 com sede à Rua Cincinato Pinto,

Leia mais

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 262, de 12 de Julho de 2007.

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 054/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 054/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 054/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009.

Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n 230, de 17 de agosto de 2009.

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLORADO ESTADO DO PARANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLORADO ESTADO DO PARANA DISPENSA Nº: DP 077/2013 ÓRGÃO SOLICITANTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO. OBJETO: AQUISIÇÃO DE QUADROS COM IMAGENS AÉREAS DO MUNICÍPIO E CD DE IMAGEM DE ALTA RESOLUÇÃO PARA A SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, QUE ENTRE SI, CELEBRAM O MUNICÍPIO DE RIO VERDE, ATRAVÉS DO FUNDO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO - FME E A SRª HELENA DA SILVA GUIMARÃES DE SOUZA,

Leia mais

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA

CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CONTRATO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO COM FINALIDADE ESPECÍFICA CAIXA DE PREVIDÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL, entidade fechada de previdência complementar, com sede na Praia de Botafogo, nº

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA VENDA E COMPRA DE MATERIAIS TIDOS COMO PRODUTOS NÃO AÇO

CONDIÇÕES GERAIS PARA VENDA E COMPRA DE MATERIAIS TIDOS COMO PRODUTOS NÃO AÇO O conteúdo deste documento foi registrado no 5º Ofício de Registros de Títulos e Documentos da Comarca do Rio de Janeiro RJ, sob nº 519456, em 30/07/2002. CONDIÇÕES GERAIS PARA VENDA E COMPRA DE MATERIAIS

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca - C-15

Manual de Uso da Logomarca - C-15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE MANUAL DE USO DA LOGOMARCA - C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS - Revisão 2, 04/02/2011, Página 01 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes

Certificação de reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes 1/26 Palavras-chave: Certificação, reatores. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Referências 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1 Tipo do Serviço e Especificação do Veiculo

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1 Tipo do Serviço e Especificação do Veiculo TERMO DE REFERÊNCIA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 006/2011 TIPO: MENOR PREÇO A Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil FETRAF-BRASIL/CUT, entidade de direito

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CUSTÓDIA DE ATIVOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CUSTÓDIA DE ATIVOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CUSTÓDIA DE ATIVOS A COMPANHIA BRASILEIRA DE LIQUIDAÇÃO E CUSTÓDIA, pessoa jurídica com sede na Rua XV de Novembro, n.º 275, em São Paulo, SP, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO VI ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DIRAT/DESEG-200./..., OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE PRODUTOS PARA USO EM MARCENARIA.

ANEXO VI ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DIRAT/DESEG-200./..., OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE PRODUTOS PARA USO EM MARCENARIA. PREGÃO Nº 011/2007 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS DIRAT/DESEG-200./..., OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE PRODUTOS PARA USO EM MARCENARIA. Processo nº 041.000.045/2007. VALIDADE: 12

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS/CONTRATO Nº004-B/2016 PROCESSO LICITATÓRIO Nº018/2016 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL N 006/2016 VALIDADE: 12 (doze) meses O Município de Jaguaraçu, neste ato representado por seu

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO RONDÔNIA MINUTA DO CONTRATO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO RONDÔNIA MINUTA DO CONTRATO PROCESSO nº 001/2011 PREGÃO PRESENCIAL n.º 001/2011 CONTRATO n.º XXXXXX/2011 MINUTA DO CONTRATO CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL PARA OS VEICULOS DO SENAR/AR/RO

Leia mais

ANEXO VII TERMO DE CONFIDENCIALIDADE

ANEXO VII TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE QUE ENTRE SI CELEBRAM O BANCO DE BRASÍLIA S/A E [EMPRESA CONTRATADA] VINCULADO AO [CONTRATO PRINCIPAL1] CELEBRADO ENTRE AS PARTES Processo nº 041.000.371/2009.

Leia mais

Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007.

Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 093, de 12 de março de 2007.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O CENTRO DE INTEGRAÇÃO EMPRESA-ESCOLA DO RIO GRANDE DO SUL CIEE/RS 091/2007- SEF O MUNICIPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica de

Leia mais