MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS"

Transcrição

1 MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS VERSÃO: 18/07/2011

2 2 / 18 MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 5 CAPÍTULO TERCEIRO DA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE GESTÃO DE GARANTIAS 8 CAPÍTULO QUARTO DO FUNCIONAMENTO DO MÓDULO DE GESTÃO DE GARANTIAS 8 CAPÍTULO QUINTO DA GESTÃO DE GARANTIAS 9 CAPÍTULO SEXTO DO INSTRUMENTO 10 CAPÍTULO SÉTIMO DA INDICAÇÃO DE AGENTE DE CÁLCULO 11 CAPÍTULO OITAVO DA ABERTURA DE CONTA PARA GESTÃO DE GARANTIAS12 Seção I Da Abertura de Conta Alocação, de Subconta Alocação, de Conta Garantia e de Subconta Garantia 12 Subseção I Da Abertura de Conta Alocação e de Subconta Alocação 12 Subseção II Da Abertura de Conta Garantia e de Subconta Garantia 12 Seção II Da Abertura de Conta SELIC 13 CAPÍTULO NONO DO REGISTRO E DA REPRESENTAÇÃO DE ATIVO ELEGÍVEL13 Seção I Do Registro e da Representação de Ativo Elegível na CETIP e de Título Público Elegível no SELIC 13 Seção II Do Depósito em Conta Corrente Bancária da CETIP e da Representação de Moeda Nacional 13 CAPÍTULO DÉCIMO DA MOVIMENTAÇÃO DE ATIVO ELEGÍVEL NA CETIP, DE MOEDA NACIONAL E DE TÍTULO PÚBLICO ELEGÍVEL NO SELIC POR PARTICIPANTE 13 Seção I Da Movimentação de Ativos Elegíveis na CETIP entre a Conta Alocação e a Conta Própria e entre a Subconta Alocação e a Conta de Cliente 13 Seção II Da Movimentação de Moeda Nacional 14 Seção III Da Movimentação de Títulos Públicos Elegíveis no SELIC entre a Conta Cessão Fiduciária com Interveniente CETIP e as Contas no SELIC

3 3 / 18 Destinadas ao Registro de Títulos Públicos no SELIC Pertencentes ao Participante e ao seu Cliente 14 CAPÍTULO DÉCIMO PRIMEIRO DA SUBSTITUIÇÃO DE GARANTIA 15 CAPÍTULO DÉCIMO SEGUNDO DO CRÉDITO DE PAGAMENTO DE EVENTO DE GARANTIA NA CETIP E DE GARANTIA NO SELIC 16 CAPÍTULO DÉCIMO TERCEIRO DA INSUFICIÊNCIA DE ATIVOS ELEGÍVEIS PARA SEREM ENTREGUES A BENEFICIÁRIO DE VALOR DE GARANTIA EXIGÍVEL 16 CAPÍTULO DÉCIMO QUARTO DO PROCEDIMENTO APLICÁVEL NA HIPÓTESE DE A CETIP SER INFORMADA DA OCORRÊNCIA DE CONDIÇÃO DE VENCIMENTO ANTECIPADO E DE DECLARAÇÃO DE VENCIMENTO ANTECIPADO 17 Seção I Do Procedimento Aplicável na Hipótese de Ocorrência de Condição de Vencimento Antecipado 17 Seção II Do Procedimento Aplicável na Hipótese de Declaração de Vencimento Antecipado. 17 CAPÍTULO DÉCIMO QUINTO DA CIÊNCIA E DA CONCORDÂNCIA DO PARTICIPANTE COM OS PROCEDIMENTOS, METODOLOGIAS E CRITÉRIOS ADOTADOS NA GESTÃO DE GARANTIAS 18 CAPÍTULO DÉCIMO SEXTO DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS AO PARTICIPANTE 18 CAPÍTULO DÉCIMO SÉTIMO DA INADIMPLÊNCIA REGULAMENTAR 18 CAPÍTULO DÉCIMO OITAVO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 18

4 4 / 18 MANUAL DE NORMAS GESTÃO DE GARANTIAS CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO Artigo 1º O presente é instituído pela CETIP S.A. BALCÃO ORGANIZADO DE ATIVOS E DERIVATIVOS ( CETIP ), com o objetivo de estabelecer as regras e os procedimentos específicos relativos ao serviço de administração de garantias prestado pela CETIP ( ), na forma do Artigo 5º deste, garantias essas disciplinadas em Instrumento de Prestação de Garantias ( Instrumento ) e aplicáveis às operações de derivativos celebradas pelas partes de Instrumento ( Operações de Derivativos ). 1º Conforme o disposto no Regulamento para Acesso de Participante, para Admissão de Ativo, para Negociação, para Registro de Operação, para Custódia Eletrônica e para Liquidação, a CETIP não é contraparte central das operações negociadas e/ou registradas em seu ambiente. 2º Podem ser objeto de : a) valores mobiliários, títulos ou outros direitos de crédito em Custódia Eletrônica ( Ativos na CETIP ); b) quantia em reais depositada em conta corrente bancária de titularidade da CETIP ( Moeda Nacional ); e/ou c) títulos públicos registrados no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC ( Títulos Públicos no SELIC ). 3º Os tipos específicos dos Ativos na CETIP e dos Títulos Públicos no SELIC passíveis de serem objeto de são divulgados na página da CETIP na rede mundial de computadores. 4º A garantia representada por Ativo na CETIP e por Título Público no SELIC será constituída na forma de alienação fiduciária e/ou de cessão fiduciária, reguladas pelo Artigo 66-B da Lei nº 4.728/1965, incluído pela Lei nº /2004, e pelo Decreto-Lei nº 911/1969, sucessivamente complementados pelo disposto nos artigos e seguintes do Código Civil Brasileiro. 5 O serviço referido no caput deste Artigo é realizado por meio do Módulo de, integrante do Sistema de Registro.

5 5 / 18 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES Artigo 2º Para os efeitos do presente entende-se por, na sua forma singular ou plural: I IV - Acelerador o Participante indicado pelas partes de Instrumento para comunicar à CETIP sobre a ocorrência de condição de vencimento antecipado aplicável às Operações de Derivativos e/ou de declaração de vencimento antecipado dessas operações, bem como por instruir a CETIP sobre as medidas a serem adotadas, previstas em Instrumento, na hipótese tratada no Artigo 28 deste Manual de Normas. Agente de Cálculo a CETIP ou o(s) Participante(s) designado(s) pelas partes de Instrumento para identificar, mediante utilização de modelos de apreçamento, os valores das Operações de Derivativos, nas datas estabelecidas no correspondente Instrumento, para efeito de apurar o valor de eventual Exposição, bem como registrar esse valor, seu credor e seu devedor no Módulo de. Ativos Elegíveis os Ativos Elegíveis na CETIP, a Moeda Nacional, e/ou os Títulos Públicos Elegíveis no SELIC. Ativos Elegíveis na CETIP os valores mobiliários, os títulos ou outros direitos de crédito em Custódia Eletrônica, dentre aqueles mencionados no 2º do Artigo 1º deste, indicados em Instrumento como passíveis de serem entregues em garantia de Operações de Derivativos e que serão objeto de. V - Cliente o Cliente 1 (um) ou o Cliente 2 (dois), definidos no Artigo 3º do Regulamento. V Conta Alocação a Conta na CETIP, de titularidade de Participante, destinada ao registro dos Ativos Elegíveis na CETIP e à representação da Moeda Nacional e dos Títulos Públicos Elegíveis no SELIC pertencentes ao Participante. V Conta Cessão Fiduciária com Interveniente CETIP ( Conta SELIC ) a Conta aberta pela CETIP no SELIC, individualizada por Participante, destinada ao registro dos Títulos Públicos Elegíveis no SELIC pertencentes ao Participante, e/ou aos seus Clientes nela identificados, bem como ao registro das Garantias no SELIC que esses venham a receber. VI Conta de Cliente a Conta de Cliente 1 (um) ou a Conta de Cliente 2 (dois), definidas no Artigo 3º do Regulamento. IX - Conta Garantia a Conta na CETIP, de titularidade de Participante, destinada ao registro das Garantias na CETIP e à representação da

6 6 / 18 Garantia em Moeda Nacional e das Garantias no SELIC que esse Participante receba, por meio de, de outro Participante ou de Cliente com o qual tenha firmado Instrumento. X - X X XI XIV - XV - XV XV XVI XIX - XX - XX Conta Própria a Conta de titularidade de Participante, destinada à Custódia Eletrônica dos seus Ativos e ao registro de suas operações, bem como ao acompanhamento de débitos e créditos resultantes, dentre outros, de tais operações. Critério de Elegibilidade - o critério de composição de Garantias determinado em Instrumento. Data de Exposição a data de registro de Exposição no Módulo de. Direito de Acesso a autorização para utilizar Sistema, Módulo ou Serviço, concedida pelo Diretor Geral à pessoa jurídica, ao fundo de investimento, ao clube de investimento ou ao investidor não residente que atenda aos requisitos legais e regulamentares vigentes, bem como àqueles estabelecidos no Estatuto Social, no Regulamento e nas Normas da CETIP. Diretor Geral o Diretor Geral da CETIP. Duplo Comando os Lançamentos efetuados no Sistema de Registro pelos dois Participantes envolvidos na operação, representando a inequívoca aceitação das condições nela constantes. Evento a obrigação estabelecida em Garantia na CETIP ou em Garantia no SELIC. Exposição o valor das Operações de Derivativos apurado por Agente de Cálculo que deve ser garantido na forma prevista em Instrumento. Garantia em Moeda Nacional a quantia de Moeda Nacional entregue em garantia de Operações de Derivativos, determinada no procedimento de. Garantias os Ativos Elegíveis entregues em garantia de Operações de Derivativos, selecionados no procedimento de Gestão de Garantias. Garantias na CETIP os Ativos Elegíveis na CETIP alienados e/ou cedidos fiduciariamente em garantia de Operações de Derivativos, selecionados no procedimento de. Garantias no SELIC os Títulos Públicos Elegíveis no SELIC alienados e/ou cedidos fiduciariamente em garantia de Operações de Derivativos, selecionados no procedimento de.

7 7 / 18 XX XXI XXIV - XXV - XXV XXV XXVI XXIX - XXX - XXX XXX XXXI XXXIV - Garantido o Participante ou o Cliente detentor de Garantia. Garantidor o Participante ou o Cliente proprietário de Garantia. o serviço de administração de Garantias prestado pela CETIP, na forma do Artigo 5º deste, por meio do Módulo de. Inadimplência Regulamentar o descumprimento, pelo Participante, de regra estabelecida no Regulamento ou em Norma da CETIP. Instrumento de Prestação de Garantias ( Instrumento ) o documento em que as partes estipulam os termos aplicáveis à prestação de garantias das Operações de Derivativos. Moeda Nacional a quantia em reais passível de ser entregue em garantia de Operações de Derivativos, depositada em conta corrente bancária de titularidade da CETIP por Participante titular de Conta Alocação, ou por Participante cujo Cliente seja titular de Subconta Alocação, que será objeto de. Norma da CETIP, Manual de Operações, Código de Conduta, Comunicado ou Carta-Circular expedidos pelo Diretor Geral. Operações de Derivativos o swap, o termo, a opção e/ou qualquer outra modalidade de operação de derivativos celebrada pelas partes de Instrumento na forma da regulamentação em vigor. Participante o detentor de Direito(s) de Acesso. SELIC o Sistema Especial de Liquidação e de Custódia. Sistema de Registro o conjunto de Módulos e Serviços, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela CETIP, destinados, dentre outras finalidades previstas em Norma da CETIP, ao registro de operações realizadas previamente. Subconta Alocação a subconta na CETIP vinculada a uma Conta de Cliente, individualizada por Cliente, destinada ao registro dos Ativos Elegíveis na CETIP e à representação da Moeda Nacional e dos Títulos Públicos Elegíveis no SELIC pertencentes ao Cliente. Subconta Garantia a subconta na CETIP vinculada a uma Conta de Cliente, individualizada por Cliente, destinada ao registro das Garantias na CETIP e à representação da Garantia em Moeda Nacional e das Garantias no SELIC que esse Cliente receba, por meio de, de outro Participante ou de Cliente com o qual tenha firmado Instrumento.

8 8 / 18 XXXV - XXXV Títulos Públicos Elegíveis no SELIC os Títulos Públicos no SELIC, dentre aqueles mencionados no 2º do Artigo 1º deste Manual de Normas, indicados em Instrumento como passíveis de serem entregues em garantia de Operações de Derivativos e que serão objeto de. Valor de Garantia Excedente o valor das Garantias a serem liberadas para o Garantidor, calculado no processo de Gestão de Garantias de acordo com fórmula divulgada no Manual de Operações. XXXV Valor de Garantia Exigível o valor dos Ativos Elegíveis a serem entregues em Garantia, calculado no processo de Gestão de Garantias de acordo com fórmula divulgada em Manual de Operações. CAPÍTULO TERCEIRO DA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE GESTÃO DE GARANTIAS Artigo 3º São pré-requisitos para o Participante utilizar o Módulo de : I IV - ter Direito de Acesso ao Sistema de Registro; ser participante do SELIC, caso o Instrumento de que seja parte, ou do qual seu Cliente seja parte, preveja Títulos Públicos Elegíveis no SELIC; ser titular de Conta Alocação, ter Cliente titular de Subconta Alocação, ser titular de Conta Garantia ou ter Cliente titular de Subconta Garantia; na hipótese mencionada no inciso II deste Artigo, a CETIP ter aberto Conta SELIC individualizada em seu nome. Parágrafo único Os critérios e os procedimentos relativos à obtenção de Direito de Acesso ao Sistema de Registro são definidos no de Direito de Acesso. CAPÍTULO QUARTO DO FUNCIONAMENTO DO MÓDULO DE GESTÃO DE GARANTIAS Artigo 4º O Módulo de funciona diariamente, exceto: aos sábados, domingos e feriados nacionais; em situações excepcionais, por determinação do Diretor Geral; e

9 9 / 18 I por determinação de órgão regulador. Parágrafo único O horário de funcionamento do Módulo de é divulgado em Norma da CETIP. CAPÍTULO QUINTO DA GESTÃO DE GARANTIAS Artigo 5º Os seguintes serviços, dentre outros previstos em Manual de Operações, são prestados às partes de Instrumento, por meio de : I IV - V - identificação, em determinadas datas, mediante utilização de modelos de apreçamento, dos valores dos Ativos Elegíveis na CETIP, dos Títulos Públicos Elegíveis no SELIC, das Garantias na CETIP e das Garantias no SELIC; na hipótese de o Instrumento estipular Valor Independente ou seja, um valor dos Ativos Elegíveis a serem entregues em garantia, por uma parte à outra parte, na ocasião da celebração do Instrumento e na forma especificada no referido documento, crédito de Ativos Elegíveis para o Garantido, que perfaçam o referido valor, observando o Critério de Elegibilidade; cálculo, em Data de Exposição, do Valor de Garantia Exigível ou do Valor de Garantia Excedente; na hipótese de ter sido apurado Valor de Garantia Exigível, crédito de Ativos Elegíveis, que perfaçam o referido valor, para o Garantido, observando o Critério de Elegibilidade; na hipótese de ter sido apurado Valor de Garantia Excedente, liberação de Garantias, que perfaçam o referido valor, para o Garantidor, observando o Critério de Elegibilidade.

10 10 / 18 CAPÍTULO SEXTO DO INSTRUMENTO Artigo 6º O Instrumento deve conter, no mínimo, cláusulas estipulando: os Ativos Elegíveis; o Critério de Elegibilidade; I o(s) Agente(s) de Cálculo, observado o estabelecido no Artigo 10 deste ; IV - V - V V que a propriedade resolúvel, assim como a posse direta e indireta das Garantias são transmitidas ao Garantido; que o Garantido abdica do direito de se apropriar dos valores relativos aos Eventos das Garantias, direito esse previsto no inciso V do Artigo da Lei nº /2002 e aplicável por força do 5º do Artigo 66- B da Lei nº 4.728/1965, acrescido pela Lei nº /2004; que o destinatário de valor relativo a Evento de Garantia é o Garantidor, exceto quando consistir em pagamento de Evento de resgate, hipótese em que o beneficiário será o Garantido; e o Acelerador. Parágrafo único O Participante cujo Cliente seja parte de Instrumento é responsável por verificar o cumprimento do estabelecido neste Artigo. Artigo 7º As partes do Instrumento assumem total responsabilidade pela validade e regularidade: da constituição e aperfeiçoamento das Garantias; e de alteração de condição nele pactuada. Parágrafo único O Participante cujo Cliente seja parte de Instrumento é responsável por verificar a validade e a regularidade da constituição, aperfeiçoamento e alteração mencionadas neste Artigo. Artigo 8º O Participante que seja parte de Instrumento deve manter à disposição da CETIP cópia do Instrumento, de seus anexos e dos eventuais aditamentos efetuados. 1º Quando a parte do Instrumento for um Cliente, a responsabilidade referida no caput é atribuída ao Participante titular da Conta de Cliente. 2º O Participante deve fornecer as eventuais informações solicitadas pelo Diretor Geral e/ou pelo Diretor de Autorregulação, relativas ao Instrumento mencionado neste Artigo, no prazo máximo de 24:00 (vinte e quatro) horas, contadas da solicitação

11 11 / 18 formal, podendo tal comunicação processar-se por meio eletrônico, se outro meio não for requerido. Artigo 9º O Participante referido no Artigo 8º assume integral responsabilidade pela conformidade das informações fornecidas à CETIP com os termos e condições estabelecidos no correspondente Instrumento. CAPÍTULO SÉTIMO DA INDICAÇÃO DE AGENTE DE CÁLCULO Artigo 10 A indicação de Agente de Cálculo é facultada: na hipótese de as partes do Instrumento serem dois Participantes, um Participante e um Cliente de outro Participante ou dois Clientes de Participantes distintos: a) a um dos Participantes; b) a ambos os Participantes; c) a um Participante que não faça parte do Instrumento e que não tenha Cliente que faça parte desse documento; ou d) à CETIP; na hipótese de as partes do Instrumento serem um Participante e seu Cliente ou dois Clientes de um mesmo Participante: a) ao Participante; b) a um Participante que não faça parte do Instrumento e que não tenha Cliente que faça parte desse documento; ou c) à CETIP. Parágrafo único O procedimento para indicação de Agente de Cálculo consta do Manual de Operações.

12 12 / 18 CAPÍTULO OITAVO DA ABERTURA DE CONTA PARA GESTÃO DE GARANTIAS Seção I Da Abertura de Conta Alocação, de Subconta Alocação, de Conta Garantia e de Subconta Garantia Artigo 11 O Participante que tenha Direito de Acesso ao Sistema de Registro pode solicitar a abertura de Conta Alocação, de Conta Garantia e, se titular de Conta de Cliente, de Subconta Alocação e de Subconta Garantia. Subseção I Da Abertura de Conta Alocação e de Subconta Alocação Artigo 12 A abertura de Conta Alocação e a de Subconta Alocação são efetuadas, respectivamente, mediante solicitação do Participante interessado em utilizar o serviço de e do Participante que tenha Cliente interessado em utilizar esse serviço, observado o procedimento estabelecido em Manual de Operações. Parágrafo único A Conta Alocação e a Subconta Alocação acolhem os registros e/ou as representações dos Ativos Elegíveis objeto dos diversos Instrumentos firmados, respectivamente, por Participante e por Cliente. Subseção II Da Abertura de Conta Garantia e de Subconta Garantia Artigo 13 A abertura de Conta Garantia e a de Subconta Garantia são efetuadas, respectivamente, mediante solicitação do Participante interessado em utilizar o serviço de e do Participante que tenha Cliente interessado em utilizar esse serviço, observado o procedimento estabelecido em Manual de Operações. Parágrafo único O Participante deve solicitar a abertura de uma Conta Garantia específica, ou de uma Subconta Garantia específica, para cada Instrumento que tenha firmado, ou que seu Cliente tenha firmado. Artigo 14 A abertura de Conta Garantia e de Subconta Garantia requer: a entrega à CETIP de formulário padrão preenchido com as informações indispensáveis à prestação do serviço de Gestão de Garantias, constantes do correspondente Instrumento; e a observância dos demais procedimentos previstos em Manual de Operações. Parágrafo único O modelo do formulário mencionado no inciso I deste Artigo é divulgado na página da CETIP na rede mundial de computadores.

13 13 / 18 Seção II Da Abertura de Conta SELIC Artigo 15 A abertura de Conta SELIC é providenciada pela CETIP, mediante solicitação do Participante. CAPÍTULO NONO DO REGISTRO E DA REPRESENTAÇÃO DE ATIVO ELEGÍVEL Seção I Do Registro e da Representação de Ativo Elegível na CETIP e de Título Público Elegível no SELIC Artigo 16 O Ativo Elegível na CETIP é registrado, conforme o caso, na Conta Alocação do Participante proprietário ou na Subconta Alocação do Cliente proprietário. Artigo 17 O Título Público Elegível no SELIC: é registrado na Conta SELIC individualizada em nome do Participante proprietário do título ou do Participante cujo Cliente seja seu proprietário; e é representado na Conta Alocação do Participante proprietário do título ou na Subconta Alocação do Cliente seu proprietário. Parágrafo único O Cliente titular de Título Público Elegível no SELIC é identificado na Conta SELIC. Seção II Do Depósito em Conta Corrente Bancária da CETIP e da Representação de Moeda Nacional Artigo 18 A Moeda Nacional é depositada em conta corrente bancária da CETIP, sendo representada na Conta Alocação ou na Subconta Alocação, respectivamente, do Participante seu proprietário ou do Cliente seu proprietário. CAPÍTULO DÉCIMO DA MOVIMENTAÇÃO DE ATIVO ELEGÍVEL NA CETIP, DE MOEDA NACIONAL E DE TÍTULO PÚBLICO ELEGÍVEL NO SELIC POR PARTICIPANTE Seção I Da Movimentação de Ativos Elegíveis na CETIP entre a Conta Alocação e a Conta Própria e entre a Subconta Alocação e a Conta de Cliente Artigo 19 É permitido ao Participante, a qualquer tempo, comandar a transferência de Ativo Elegível na CETIP, registrado na sua Conta Própria ou na sua Conta de Cliente, respectivamente, para a sua Conta Alocação ou para a Subconta Alocação de seu Cliente.

14 14 / 18 Parágrafo único O procedimento aplicável à transferência de que trata esse Artigo consta do Manual de Operações. Artigo 20 É permitido ao Participante, a qualquer tempo, comandar a transferência de Ativo Elegível na CETIP, registrado na sua Conta Alocação ou em Subconta Alocação de seu Cliente, respectivamente, para a sua Conta Própria ou para a sua Conta de Cliente. Parágrafo único O procedimento aplicável à transferência de que trata esse Artigo consta do Manual de Operações. Seção II Da Movimentação de Moeda Nacional Artigo 21 É permitido ao Participante, a qualquer tempo, efetuar aporte de Moeda Nacional, em seu nome ou de seu Cliente. Parágrafo único O procedimento aplicável ao aporte de que trata esse Artigo consta do Manual de Operações. Artigo 22 É permitido ao Participante, a qualquer tempo, solicitar à CETIP a devolução de parte ou da totalidade da Moeda Nacional representada na sua Conta Alocação ou em Subconta Alocação de seu Cliente. Parágrafo único O procedimento aplicável à devolução de que trata esse Artigo consta do Manual de Operações. Seção III Da Movimentação de Títulos Públicos Elegíveis no SELIC entre a Conta Cessão Fiduciária com Interveniente CETIP e as Contas no SELIC Destinadas ao Registro de Títulos Públicos no SELIC Pertencentes ao Participante e ao seu Cliente Artigo 23 É permitido ao Participante individualizado em Conta SELIC efetuar a transferência, a qualquer tempo, mediante Duplo Comando seu e da CETIP, do Título Público Elegível no SELIC, registrado no SELIC em posição própria e/ou em posição de seu Cliente, para a referida Conta SELIC. 1º O procedimento aplicável à transferência de que trata esse Artigo consta do Manual de Operações. 2º - O Título Público Elegível no SELIC, transferido na forma do caput deste Artigo, é representado, conforme o caso, na Conta Alocação do Participante individualizado na Conta SELIC ou em Subconta Alocação de Cliente desse Participante. Artigo 24 É permitido ao Participante individualizado em Conta SELIC efetuar a transferência, a qualquer tempo, mediante Duplo Comando seu e da CETIP, de Título Público Elegível

15 15 / 18 no SELIC, próprio ou de seu Cliente, para sua posição própria no SELIC ou para a posição de cliente no SELIC. 1º O procedimento aplicável à transferência de que trata esse Artigo consta do Manual de Operações. 2º - O Título Público Elegível no SELIC, transferido na forma do caput deste Artigo, deixa de ser representado na Conta Alocação do Participante individualizado na Conta SELIC ou em Subconta Alocação de Cliente desse Participante. CAPÍTULO DÉCIMO PRIMEIRO DA SUBSTITUIÇÃO DE GARANTIA Artigo 25 É permitido ao Participante Garantidor, ou ao Participante que tenha Cliente Garantidor, solicitar substituição de Garantia, respectivamente, em seu nome ou em nome de seu Cliente. Parágrafo único A solicitação de substituição referida no caput deste Artigo será automaticamente avaliada pelo serviço de, somente sendo acatada se for constatada a existência de Ativos Elegíveis, passíveis de substituir a Garantia, registrados e/ou representados, conforme o caso, na Conta Alocação do Participante solicitante ou na Subconta Alocação de seu Cliente. Artigo 26 Se a solicitação de substituição de Garantia for acatada: o(s) Ativo(s) Elegível(veis) selecionado(s) no processo de Gestão de Garantias para substituir a Garantia será(ão) automaticamente: a) transferido(s) e registrado(s) na: Conta Garantia do Participante Garantido ou, conforme o caso, na Subconta Garantia do Cliente Garantido, se for um Ativo Elegível na CETIP; ou Conta SELIC, individualizada em nome do Participante Garantido ou, conforme o caso, individualizada em nome do Participante cujo Cliente seja o Garantido, se for um Título Público Elegível no SELIC; b) representado na Conta Garantia do Participante Garantido ou, conforme o caso, na Subconta Garantia do Cliente Garantido, se for Moeda Nacional; e a Garantia substituída será automaticamente: a) transferida e registrada na:

16 16 / 18 Conta Alocação do Participante Garantidor ou, conforme o caso, na Subconta Alocação do Cliente Garantidor, se for uma Garantia na CETIP; ou Conta SELIC individualizada em nome do Participante Garantidor ou, conforme o caso, individualizada em nome do Participante cujo Cliente seja o Garantidor, se for uma Garantia no SELIC; b) representada na Conta Alocação do Participante Garantidor ou, conforme o caso, na Subconta Alocação do Cliente Garantidor, se for uma Garantia em Moeda Nacional. Parágrafo único Efetuado o procedimento descrito no inciso II deste Artigo, a movimentação ou crédito da Garantia substituída observará o disposto no Artigo 20, no Artigo 22 e/ou no Artigo 24 deste, de acordo com o seu tipo. CAPÍTULO DÉCIMO SEGUNDO DO CRÉDITO DE PAGAMENTO DE EVENTO DE GARANTIA NA CETIP E DE GARANTIA NO SELIC Artigo 27 O beneficiário de valor de Evento de Garantia na CETIP e de valor de Evento de Garantia no SELIC é o Garantidor, exceto do valor de Evento de resgate, hipótese em que o favorecido é o Garantido. Parágrafo único O valor de Evento de resgate de Garantia na CETIP e de Garantia no SELIC: a) é depositado em conta corrente bancária da CETIP; e b) constitui Garantia em Moeda Nacional, sendo representada em Conta Garantia ou, conforme o caso, em Subconta Garantia. CAPÍTULO DÉCIMO TERCEIRO DA INSUFICIÊNCIA DE ATIVOS ELEGÍVEIS PARA SEREM ENTREGUES A BENEFICIÁRIO DE VALOR DE GARANTIA EXIGÍVEL Artigo 28 A eventual insuficiência de Ativos Elegíveis para ser entregue em garantia a beneficiário de Valor de Garantia Exigível é informada em tela de consulta do Módulo de e em relatório emitido por esse módulo, disponíveis para o(s) Participante(s) que seja(m) parte(s) ou cujo(s) Cliente(s) seja(m) parte(s) do Instrumento. 1º A regularização da situação mencionada no caput deste Artigo ocorrerá mediante aportes de novos Ativos Elegíveis pelo Participante devedor de Valor de Garantia Exigível, ou pelo Cliente devedor de Valor de Garantia Exigível, depois de o processo de ter efetuado a avaliação dos respectivos valores de mercado e

17 17 / 18 constatar que o valor total dos Ativos Elegíveis iguala ou supera o Valor de Garantia Exigível. 2º Os aportes de Ativos Elegíveis observarão o disposto nos Artigos 19, 21 e 23 deste. 3º Na ausência de regularização da situação referida no caput deste Artigo, é responsabilidade do Acelerador instruir a CETIP sobre as medidas a serem adotadas, na forma prevista no correspondente Instrumento. CAPÍTULO DÉCIMO QUARTO DO PROCEDIMENTO APLICÁVEL NA HIPÓTESE DE A CETIP SER INFORMADA DA OCORRÊNCIA DE CONDIÇÃO DE VENCIMENTO ANTECIPADO E DE DECLARAÇÃO DE VENCIMENTO ANTECIPADO Seção I Do Procedimento Aplicável na Hipótese de Ocorrência de Condição de Vencimento Antecipado Artigo 29 Mediante informação do Acelerador de ocorrência de condição de vencimento antecipado, o Módulo de deixará de efetuar: a) aporte de novas Garantias para o Garantido; e b) liberação de Garantias para o Garantidor. Parágrafo único - A liberação de movimentação das Garantias ocorrerá mediante instrução do Acelerador. Seção II Do Procedimento Aplicável na Hipótese de Declaração de Vencimento Antecipado. Artigo 30 Mediante informação do Acelerador de declaração de vencimento antecipado e de que o pagamento do valor dele resultante: foi efetuado, o Módulo de procederá à liberação das Garantias para o Garantidor; e não foi efetuado, o Módulo de procederá à liberação das Garantias para o Garantido. 1º O Garantido assume integral responsabilidade pela regularidade da realização das Garantias, na hipótese prevista no inciso II deste Artigo. 2º O Acelerador assume integral responsabilidade pelas informações de ocorrência de Condição de vencimento antecipado e/ou de declaração de vencimento antecipado que transmitir à CETIP, estando a CETIP isenta de toda e qualquer responsabilidade

18 18 / 18 decorrente dos atos praticados, com base em tais informações, na forma deste Capítulo. CAPÍTULO DÉCIMO QUINTO DA CIÊNCIA E DA CONCORDÂNCIA DO PARTICIPANTE COM OS PROCEDIMENTOS, METODOLOGIAS E CRITÉRIOS ADOTADOS NA GESTÃO DE GARANTIAS Artigo 31 Ao utilizar os serviços de o Participante estará expressando sua ciência e concordância com as metodologias, critérios e procedimentos adotados na, descritos neste, no Manual de Operações e nas demais Normas da CETIP. Parágrafo único O Participante que tenha Cliente usuário do serviço de Gestão de Garantias deverá manter em arquivo, à disposição da CETIP, documento em que seu Cliente manifesta sua ciência e concordância com as metodologias, critérios e procedimentos adotados na. CAPÍTULO DÉCIMO SEXTO DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS AO PARTICIPANTE Artigo 32 É vedado ao Participante praticar qualquer ato que esteja em desacordo com o Regulamento, o presente ou com as demais Normas da CETIP, assim como em desacordo com quaisquer disposições legais e regulamentares. CAPÍTULO DÉCIMO SÉTIMO DA INADIMPLÊNCIA REGULAMENTAR Artigo 33 O descumprimento de responsabilidade e/ou de disposição prevista neste Manual de Normas caracteriza a Inadimplência Regulamentar do Participante infrator. Artigo 34 Aplicam-se ao Participante inadimplente regulamentar as penalidades previstas no Regulamento. CAPÍTULO DÉCIMO OITAVO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 35 O Diretor Geral é competente para dirimir eventuais dúvidas ou omissões deste instrumento, através de Norma da CETIP, complementando o disposto neste Manual de Normas. Artigo 36 Este entra em vigor na data de 18 de julho de 2011.

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE 2 / 14 MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP _6 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI

MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI VERSÃO: 20/7/2009 2/8 MANUAL DE NORMAS TERMO DE ÍNDICE DI ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO VERSÃO: 01/7/2008 2/10 MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DO CREDENCIAMENTO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO

MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO MANUAL DE NORMAS DIREITO DE ACESSO VERSÃO: 13/12/2011 2 / 34 MANUAL DE NORMAS DE DIREITO DE ACESSO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO TERCEIRO DOS TIPOS DE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA VERSÃO: 01/7/2008 2 / 10 MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL

Leia mais

MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO

MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO VERSÃO: 01/7/2008 MANUAL DE NORMAS ESTRATÉGIA DE RENDA FIXA COM OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE TAXA DE CÂMBIO 01/7/2008 2/8 ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO VERSÃO: 18/04/2011 2 / 13 MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS PAGAMENTO DE VALOR DE QUITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULO AUTOMOTOR COM BAIXA DE GRAVAME

MANUAL DE NORMAS PAGAMENTO DE VALOR DE QUITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULO AUTOMOTOR COM BAIXA DE GRAVAME MANUAL DE NORMAS PAGAMENTO DE VALOR DE QUITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULO AUTOMOTOR COM BAIXA DE GRAVAME VERSÃO: 24/10/2011 MANUAL DE NORMAS PAGAMENTO DE VALOR DE QUITAÇÃO DE FINANCIAMENTO DE VEÍCULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE

MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE VERSÃO: 06/09/2010 MANUAL DE NORMAS OPÇÕES FLEXÍVEIS SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO E ÍNDICE 2/13 ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO

MANUAL DE NORMAS CCI CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE INFORMAÇÕES E CONDIÇÕES DE INSTRUMENTO FINANCEIRO DERIVATIVO CONTRATADO NO EXTERIOR

MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE INFORMAÇÕES E CONDIÇÕES DE INSTRUMENTO FINANCEIRO DERIVATIVO CONTRATADO NO EXTERIOR MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE INFORMAÇÕES E CONDIÇÕES DE INSTRUMENTO FINANCEIRO DERIVATIVO CONTRATADO NO EXTERIOR VERSÃO: 22/02/2010 2/7 MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE INFORMAÇÕES E CONDIÇÕES DE INSTRUMENTO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE CONDIÇÕES DE CONTRATO DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OBRIGAÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE CONDIÇÕES DE CONTRATO DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OBRIGAÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE CONDIÇÕES DE CONTRATO DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OBRIGAÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL VERSÃO: 01/7/2008 2/7 MANUAL DE NORMAS REGISTRO DE CONDIÇÕES DE CONTRATO

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física

Cédula de Crédito Bancário Abertura de Crédito Pessoa Física Cédula nº: Valor: Data da emissão: Data do vencimento: 1. EMITENTE(S): 1.1 Nome: 1.2 RG: 1.3 CPF/MF - CNPJ/MF: E os coemitentes, demais titulares da conta corrente ao final nomeados, todos qualificados

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004.

INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004. Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. INSTRUÇÃO CVM N.º 411, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2004 Altera a Instrução CVM n o 409, de 18 de agosto de 2004. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP REGULAMENTO ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETO

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o gerenciamento de riscos, os requerimentos mínimos de patrimônio, a governança de instituições de pagamento, a preservação do valor e da liquidez

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as REGULAMENTO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP/CE ÍNDICE Capítulo I - DO OBJETIVO

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 392, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2015 Dispõe sobre aceitação, registro, vinculação, custódia, movimentação e diversificação dos ativos garantidores das operadoras no âmbito do sistema

Leia mais

De (Regulamento Original) Para (Regulamento Proposto) Justificativa

De (Regulamento Original) Para (Regulamento Proposto) Justificativa CAPÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETO DO OBJETO Art. 1º Este Regulamento estabelece os direitos e as obrigações dos Instituidores, dos Participantes, dos Beneficiários e do Fundo de Pensão Multipatrocinado da

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 100, DE 2015 Altera a Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000, para determinar que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) estabeleça o índice máximo de reajuste das contraprestações

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e

II - operação de crédito com vínculo a exportação (securitização de exportações); e CIRCULAR 3.027/01 PROGRAMA NACIONAL DE DESBUROCRATIZAÇÃO - Institui e regulamenta o Registro Declaratório Eletrônico (RDE) de empréstimos entre residentes ou domiciliados no País e residentes ou domiciliados

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NO MERCADO DE OPÇÕES

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NO MERCADO DE OPÇÕES CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NO MERCADO DE OPÇÕES São partes neste instrumento: I CORRETORA: ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.., com sede no Município de São Paulo, Estado de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.)

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.) RESOLUÇÃO N 3. 347 Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). O BANCO CENTRAL DO BRASIL,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007.

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. REGULAMENTO DE REMUNERAÇÃO PELO USO DE REDES DE PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - STFC TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ DIRETORIA DE CONTAS MUNICIPAIS Prestação de Contas de Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista Municipais Prestação de Contas Anual Instrução Normativa n 22/2008 INSTRUÇÃO

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

Resolução Susep nº 139 de 27.12.2005 DOU 30.12.2005

Resolução Susep nº 139 de 27.12.2005 DOU 30.12.2005 Resolução Susep nº 139 de 27.12.2005 DOU 30.12.2005 Obs.: Rep. DOU de 10.01.2006 Altera e consolida as regras de funcionamento e os critérios para operação da cobertura por sobrevivência oferecida em plano

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006.

CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006. CIRCULAR SUSEP N o 320, de 2 de março de 2006. Dispõe sobre a concessão, pelas entidades abertas de previdência complementar e sociedades seguradoras de assistência financeira a participante de plano de

Leia mais

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL

I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) PRODUTO(S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL Nº DA CÉDULA CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO I - EMITENTE II - INTERVENIENTE(S) / AVALISTA(S) III - CARACTERÍSTICAS DO(S) (S) MARCA MODELO ANO/MODELO COR COMBUSTÍVEL RENAVAN CHASSI PLACA NOTA FISCAL (CASO VEÍCULO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 11.788 DE 25/09/2008 Dispõe sobre o estágio de estudantes, altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e a

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.235. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004.

CIRCULAR Nº 3.235. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004. CIRCULAR Nº 3.235 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004. Dispõe sobre a transferência de recursos de que tratam os arts. 3º e 8º da Lei 9.311, de 1996, e o art. 85 do Ato das

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente RESOLUÇÃO N 1832 Divulga regulamento que disciplina a constituição e a administração de carteira de valores mobiliários mantida no país por investidores institucionais constituídos no exterior. O BANCO

Leia mais

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex

ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex ANEXO À COMEX 067/2012 Sugestões Abiquim - Portaria Secex 13/2012 Consulta Pública Consolidação de Portaria Secex Capítulo II TRATAMENTO ADMINISTRATIVO DAS IMPORTAÇÕES -Seção I. Licenciamento das Importações

Leia mais

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários. A PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE CÂMPUS DO CÂMPUS DO PANTANAL, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, e Considerando

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens de fabricação nacional, observadas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.533 R E S O L V E U :

RESOLUÇÃO Nº 3.533 R E S O L V E U : RESOLUÇÃO Nº 3.533 Estabelece procedimentos para classificação, registro contábil e divulgação de operações de venda ou de transferência de ativos financeiros. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3265. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de 01/07/2008.

RESOLUÇÃO Nº 3265. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de 01/07/2008. RESOLUÇÃO Nº 3265 01/07/2008. Documento normativo revogado pela Resolução 3.568, de 29/05/2008, a partir de Dispõe sobre o Mercado de Câmbio e dá outras providências. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal,

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

CIRCULAR N 1939. Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação

CIRCULAR N 1939. Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação CIRCULAR N 1939 Aos agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação Regulamenta as disposições da Lei nº 8.004, de 14.03.90, que trata das transferências de financiamento e quitações de saldo devedor

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.099. I - a autorização para funcionamento, transferência de controle societário e reorganização - Anexo I;

RESOLUÇÃO Nº 2.099. I - a autorização para funcionamento, transferência de controle societário e reorganização - Anexo I; RESOLUÇÃO Nº 2.099 Aprova regulamentos que dispõem sobre as condições relativamente ao acesso ao Sistema Financeiro Nacional, aos valores mínimos de capital e patrimônio líquido ajustado, à instalação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ

RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ RESOLUÇÃO Nº 043/2010-CPJ O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 29-A da Lei nº 8.229, de 07 de dezembro de

Leia mais

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009.

CIRCULAR N 3.084. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. CIRCULAR N 3.084 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.432, de 3/2/2009. Dispõe sobre obrigação financeira, recursos não procurados, adiantamento a fornecedores, agregação de despesas e encerramento

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O presente Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para as Atividades Conveniadas ( Código ) estabelece normas relativas à atuação da ANBIMA Associação

Leia mais

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº...

MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... MINUTA-PARÂMETRO DE CONTRATO PARA AQUISIÇÃO DE BENS DE INFORMÁTICA E AUTOMAÇÃO, DECORRENTE DE PREGÃO ELETRÔNICO. Anexo nº... Minuta Contratual CONTRATO Nº.../... QUE FIRMAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.436. II - capítulo 16, seção 4, subseções 2 e 4; e. Art. 2 Esta circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº 3.436. II - capítulo 16, seção 4, subseções 2 e 4; e. Art. 2 Esta circular entra em vigor na data de sua publicação. Página 1 de 1 CIRCULAR Nº 3.436 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais (RMCCI). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 6 de fevereiro de 2009,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66, e com fundamento no parágrafo 1º do art. 20, da Lei nº 4.864, de

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 2.232 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta o regime de substituição tributária do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN, instituído pela Lei Complementar n 03, de 17 de setembro

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF N.º 67.571.414/0001-41 NIRE 35.300.338.421 (Companhia Aberta)

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF N.º 67.571.414/0001-41 NIRE 35.300.338.421 (Companhia Aberta) VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF N.º 67.571.414/0001-41 NIRE 35.300.338.421 (Companhia Aberta) ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 19 DE MAIO DE 2011 1. DATA, HORA E

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO TESOURO DIRETO

REGULAMENTO TESOURO DIRETO REGULAMENTO TESOURO DIRETO Tesouro Nacional GLOSSÁRIO 4 CAPÍTULO I REGRAS GERAIS 6 CAPÍTULO II PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 7 1. CADASTRO... 7 1.1. ASPECTOS GERAIS 7 1.2. CADASTRO DE AGENTES DE CUSTÓDIA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 9, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2003. Estabelece diretrizes para a obtenção de Anuência Prévia para o acesso a componente do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

ITAÚ FAPI RENDA FIXA - Fundo de Aposentadoria Programada Individual CNPJ - 02.177.812/0001-32 REGULAMENTO

ITAÚ FAPI RENDA FIXA - Fundo de Aposentadoria Programada Individual CNPJ - 02.177.812/0001-32 REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO 1 - O ITAÚ FAPI RENDA FIXA - FUNDO DE APOSENTADORIA PROGRAMADA INDIVIDUAL, designado FUNDO, constituído sob a forma de condomínio aberto, com prazo indeterminado de duração, é regido

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre o controle da jornada de trabalho dos servidores e o regime de prestação de serviço extraordinário no Poder Judiciário do Estado de Roraima e dá outras

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÕES DE ESTÁGIO LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Janeiro de 2007 GLOSSÁRIO... 9 CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES... 14 1. ASPECTOS GERAIS... 14 1.1 APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS... 14 2. CADASTRO DE PARTICIPANTES...

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES ORDINÁRIAS POR ALIENAÇÃO DE CONTROLE DE EMISSÃO DA

OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES ORDINÁRIAS POR ALIENAÇÃO DE CONTROLE DE EMISSÃO DA 1 OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES ORDINÁRIAS POR ALIENAÇÃO DE CONTROLE DE EMISSÃO DA BUETTNER S/A INDÚSTRIA E COMÉRCIO EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL Cia. Aberta em Recuperação Judicial - Brusque/SC CNPJ/MF

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28 DECRETO Nº. 810/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 Regulamenta o estágio de estudantes em órgãos municipais, com base na Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

REGULAMENTO DA CETIP PARA ACESSO DE PARTICIPANTE, PARA ADMISSÃO DE ATIVO, PARA NEGOCIAÇÃO, PARA REGISTRO DE OPERAÇÃO, PARA CUSTÓDIA ELETRÔNICA E PARA

REGULAMENTO DA CETIP PARA ACESSO DE PARTICIPANTE, PARA ADMISSÃO DE ATIVO, PARA NEGOCIAÇÃO, PARA REGISTRO DE OPERAÇÃO, PARA CUSTÓDIA ELETRÔNICA E PARA REGULAMENTO DA CETIP PARA ACESSO DE PARTICIPANTE, PARA ADMISSÃO DE ATIVO, PARA NEGOCIAÇÃO, PARA REGISTRO DE OPERAÇÃO, PARA CUSTÓDIA ELETRÔNICA E PARA LIQUIDAÇÃO Vigente a partir de 13 de dezembro de 2011

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.232. Art. 1º Introduzir alterações no Regulamento do Sisbacen, que passa a vigorar conforme o documento anexo.

CIRCULAR Nº 3.232. Art. 1º Introduzir alterações no Regulamento do Sisbacen, que passa a vigorar conforme o documento anexo. CIRCULAR Nº 3.232 Divulga novo Regulamento do Sisbacen - Sistema de Informações Banco Central. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 24 de março de 2004, D E C I D I

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS LAVORO II CNPJ/MF nº. 11.670.393/0001-67 CAPÍTULO I FUNDO, DEFINIÇÕES E PÚBLICO ALVO

REGULAMENTO DO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS LAVORO II CNPJ/MF nº. 11.670.393/0001-67 CAPÍTULO I FUNDO, DEFINIÇÕES E PÚBLICO ALVO REGULAMENTO DO FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS LAVORO II CNPJ/MF nº. 11.670.393/0001-67 CAPÍTULO I FUNDO, DEFINIÇÕES E PÚBLICO ALVO Artigo 1º: O FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS

Leia mais

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º O CAIXA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRAS IV CAIXA FMP FGTS PETROBRAS IV, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído sob

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO. EDITAL Nº 184 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO. EDITAL Nº 184 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO EDITAL Nº 184 - ADMISSÃO DE ALUNOS AO CAp 2015 A Diretora do Colégio de Aplicação da UFRJ, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA FÍSICA)

CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES (PESSOA FÍSICA) 1 (PESSOA FÍSICA) Os signatários assumem plena responsabilidade pelas informações ora prestadas, esclarecendo, ainda, que os documentos comprobatórios de sua veracidade se encontram em poder da CORRETORA.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.649, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos para instrução de processos de constituição, autorização para funcionamento, alterações de controle societário, reorganização societária,

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E FINALIDADE

CAPÍTULO I ÂMBITO E FINALIDADE TEXTO INTEGRAL DA, COM AS MODIFICAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 478/09, 498/11, 517/11, 528/12, 554/14 e 571/15 (EXCETO ARTS. 39 E 41, INC. V E VII QUE PASSAM A VIGORAR EM 1º DE OUTUBRO DE

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 396, DE 25 DE JANEIRO DE 2016 Altera a Resolução Normativa RN nº 124, de 30 de março de 2006, que dispõe sobre a aplicação de penalidades para as infrações à legislação dos

Leia mais

CAPAF CAIXA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO BANCO DA AMAZÔNIA. Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários - PrevAmazônia

CAPAF CAIXA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO BANCO DA AMAZÔNIA. Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários - PrevAmazônia CAPAF CAIXA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO BANCO DA AMAZÔNIA Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários - PrevAmazônia Indice CAPÍTULO I - DO OBJETO... 4 CAPÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES E REMISSOES...

Leia mais

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e

PORTARIA Nº1006/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARA, no exercício de suas atribuições legais, e PORTARIA Nº1006/2009 Estabelece procedimentos administrativos para gestão das receitas obtidas com a venda de Selos de Autenticidade Extrajudicial e para concessão de subsídios aos cartórios de Registro

Leia mais

28. Câmbio. 1. Escrituração. 2. Disponibilidades em Moedas Estrangeiras

28. Câmbio. 1. Escrituração. 2. Disponibilidades em Moedas Estrangeiras TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 28. Câmbio 1. Escrituração 1 - Sempre que o ato ou fato administrativo envolver outra moeda além da moeda nacional, a escrituração

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE 1 REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III DA FORMA DE GESTÃO DOS RECURSOS CAPÍTULO IV DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO V

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

Plano de Previdência Complementar CPFL PPCPFL

Plano de Previdência Complementar CPFL PPCPFL Plano de Previdência Complementar CPFL PPCPFL Vigência: 1º/09/2010 APROVADO PELA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PORTARIA PREVIC 613, DE 13 DE AGOSTO DE 2010. PPCPFL 1 ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº011 /2003

TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº011 /2003 TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº011 /2003 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL

Informativo 24. Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Informativo 24 Guia de Conduta nas Competições da SAE BRASIL Objetivo: Orientar e esclarecer todos os participantes e presentes as condutas necessárias para a realização da Competição em clima de respeito

Leia mais