ACTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Nº 19/2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Nº 19/2007"

Transcrição

1 ACTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Nº 19/2007 PRESIDENTE: Nuno Manuel Sousa Pinto de Carvalho Gonçalves. VEREADORES PRESENTES: José Manuel Gonçalves, Vítor Manuel Ribeiro Fernandes de Almeida, Elsa Maria de Carvalho Soares Peres Correia, Mário Francisco Cancela Mesquita Montes, Andreia Catilina Soares Coutinho Simões, Maria José Fernandes Lacerda. SECRETARIOU: José Daniel Meireles Almeida Lopes, Chefe de Divisão. HORA DE ABERTURA: 10 horas. ACTA DA REUNIÃO ANTERIOR: Aprovada por unanimidade. INFORMAÇÃO DO PRESIDENTE: Antes do início dos trabalhos, o senhor Presidente informou verbalmente a Câmara das acções desenvolvidas durante a quinzena. Para discussão foi presente à reunião de Câmara a última proposta apresentada pelo Ministro da Saúde sobre o Hospital D. Luís I. Sobre o tema, foram presentes duas propostas. Proposta dos Vereadores do Partido Socialista: Os Vereadores, eleitos na lista do Partido Socialista à Câmara Municipal do Peso da Régua, tendo em conta as propostas consagradas nos dois Protocolos de Requalificação dos Serviços do Hospital D. Luiz I, de Peso da Régua e apresentadas pela ARS Norte durante o corrente ano, consideram que: 1 Sempre defenderam e continuam a defender a criação, pela nova rede hospitalar, de um verdadeiro serviço de Urgência Básica (SUB) no Hospital D. Luiz I em Peso da Régua; 2 Entendem que a área de influência do hospital Peso da Régua / Santa Marta de Penaguião / Mesão Frio a proximidade da A24, a navegabilidade do Rio Douro e o desenvolvimento turístico existente nesta zona são razões mais que suficientes para a criação do SUB; 3 No entanto, face aos protocolos apresentados e à manutenção da posição da ARS Norte, entendem que o primeiro protocolo apresentado é substancialmente mais favorável para as populações em causa do que o segundo. Perante os fundamentos expostos, vêm propor o seguinte: 1

2 A O Município do Peso da Régua deve continuar a pugnar, através de meios legítimos e democráticos, com base no diálogo e na negociação, pela criação de um verdadeiro SUB para o Hospital D. Luiz I; B Sendo o desiderato anterior totalmente inalcançável (recordemos as situações das zonas do Nordeste Transmontano e do Alto Minho onde milhares de pessoas se manifestaram nas ruas contra a implementação da nova rede hospitalar, sem sucesso, tendo afinal os autarcas assinado os protocolos apresentados) deverá o Município negociar, tentando assim, atingir a melhor plataforma de acordo, sempre com o objectivo de consagrar todos os aspectos, qualitativa e quantitativamente, mais positivos existentes nas propostas até aqui apresentadas. C O Município do Peso da Régua deve continuar a concertar a sua posição com os Municípios de Santa Marta de Penaguião e Mesão Frio. A Câmara deliberou por maioria, com os votos contra dos Vereadores do PSD, rejeitar a proposta apresentada. Declaração de voto dos Vereadores do PSD: Votamos contra a proposta apresentada, uma vez que a mesma admite a possibilidade de negociação com a assinatura de um protocolo que não contemple a criação de um ponto de rede, na nova rede de urgências nacional, Serviço de Urgência Básica, contrariando a posição anteriormente assumida por unanimidade pela Câmara Municipal. Entendemos que cabe ao Ministério da Saúde, a responsabilidade de implementar as soluções e os meios de assistência às populações, não tendo por isso a Autarquia de ficar vinculada com medidas com as quais não concorda, não deixando no entanto de exigir por parte do Ministério, o cumprimento das mais benéficas medidas alternativas, entre as quais algumas já apresentadas, bem como a assistência na urgência e emergência durante 24 horas. Proposta dos Vereadores do PSD: Analisada a segunda proposta de protocolo apresentada pelo Sr. Ministro da Saúde em reunião do passado dia 14, constata-se o seguinte: 1 Não foi contemplada a contraproposta apresentada pela Câmara Municipal e aprovada por unanimidade em reunião extraordinária, que no essencial, acrescentava à primeira proposta de protocolo a criação de um Serviço de Urgência Básica, integrado na rede de urgências e assegurado pelo Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2 Esta segunda proposta de protocolo, é em termos de assistência de saúde à população servida pelo hospital D. Luís I, penalizadora em relação à primeira, na medida em que retira alguns dos pontos existentes no protocolo anterior e altera negativamente outros já assumidos. Por tais motivos, proponho que a Câmara Municipal rejeite tal proposta de protocolo, mantendo a posição anteriormente assumida de pretender ver instalado no Hospital D. Luiz I, um ponto de rede, na nova rede de urgências nacional, Serviço de Urgência Básica (SUB), funcionando de acordo com os critérios que a definem, permanentemente durante 24 horas. Mais proponho que a Câmara Municipal, a verificar-se a intenção de encerramento do actual designado Serviço de Urgência, não o substituindo por um ponto de rede, embora não 2

3 concordando com esta solução, exija por parte do Ministério o cumprimento das mais benéficas medidas alternativas entre as quais algumas já apresentadas. A Câmara deliberou por maioria, com a abstenção dos Vereadores do Partido Socialista, aprovar a proposta apresentada. Os Vereadores do PS apresentaram a seguinte declaração de voto: A nossa abstenção é no sentido de que a proposta por nós apresentada não ser tão redutora. DIVISÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA TESOURARIA Balancete Período de 4 de Setembro a 17 de Setembro / 07 Saldo do dia 17 de Setembro Seiscentos e noventa um mil, trezentos e sessenta euros e dezasseis cêntimos. ASSOCIAÇÃO DOS ESCUTEIROS DE PORTUGAL SESSÃO DE KARAOKE Foi presente um ofício para ratificação da Associação dos Escuteiros de Portugal a solicitar autorização para uma sessão de karaoke a realizar no dia 7 de Setembro. Traz informação das Taxas e Licenças do teor seguinte: O requerido encontra-se previsto no n.º 1 do art.º 60, do Regulamento das T.C.M.C.G.C, devendo ser salvaguardada a lei do ruído. Em virtude de se tratar de uma entidade civil (Associação), a mesma pode ser isentada do pagamento de licença. Traz despacho do Vereador em Regime de Permanência do teor seguinte: Deferido, por motivos de urgência. À próxima reunião de Câmara para ratificação. A Câmara deliberou por unanimidade ratificar o despacho. ASSOCIAÇÃO DOS ESCUTEIROS DE PORTUGAL SESSÃO DE KARAOKE Foi presente um ofício para ratificação da Associação dos Escuteiros de Portugal a solicitar autorização para uma sessão de karaoke a realizar no dia 14 de Setembro. Traz informação das Taxas e Licenças do teor seguinte: O requerido encontra-se previsto no n.º 1 do art.º 60, do Regulamento das T.C.M.C.G.C, devendo ser salvaguardada a lei do ruído. Em virtude de se tratar de uma entidade civil (Associação), a mesma pode ser isentada do pagamento de licença. Traz despacho do Vereador em Regime de Permanência do teor seguinte: Deferido, por motivos de urgência. À próxima reunião de Câmara para ratificação. A Câmara deliberou por unanimidade ratificar o despacho. 3

4 ASSOCIAÇÃO DE ATLETISMO DE VILA REAL II MEIA MARATONA DO DOURO VINHATEIRO Foi presente um ofício da Global Sport a solicitar a licença desportiva para a realização da prova 2ª Meia Maratona do Douro Vinhateiro. Traz informação das Taxas e Licenças do teor seguinte: O requerido encontra-se previsto no n.º 1 do art.º 8 do Decreto Regulamentar n.º 2 A/2005 de 24 de Março e possui os elementos necessários ao seu deferimento. A taxa a pagar é de 15. A Câmara deliberou por unanimidade deferir o requerido. ORGÃOS DA AUTARQUIA PROPOSTA DERRAMA FIXAÇÃO DE TAXA PARA Pelo Presidente da Câmara, foi presente a seguinte proposta: 1. Nos termos do artigo 14º da Lei n.º 2/07, de 15 de Janeiro (nova Lei das Finanças Locais), os municípios podem lançar anualmente uma Derrama, até ao limite de 1,5% sobre o lucro tributável sujeito e não isento de imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC), que proporcionalmente corresponda ao rendimento gerado na sua área geográfica por sujeitos passivos que exerçam, a título principal, uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola; 2. Considerando que a nova Lei das finanças Locais introduziu mudanças ao nível do apuramento da Derrama, deixando esta de incidir sobre a Colecta do IRC, para passar a recair no Lucro Tributável do IRC, conforme se pode verificar no quadro que se segue: Taxas da Derrama Previstas Agregados Lei nº 42/98 (antiga lei das Finanças Locais) Lei n.º 2/2007 (actual Lei das Finanças Locais) (A) Lucro Tributável 0% a 1,5% (B) Prejuízos fiscais de anos anteriores (C) Benefícios Fiscais (deduzidos ao Lucro Tributável e apenas para as empresas do regime simplificado) (D) Matéria Colectável (A - B - C) (E) Colecta (D x 25%) 0% a 10% 4

5 3. Considerando que não é ainda possível identificar o impacto desta alteração na receita municipal, tudo apontando, no entanto, para uma redução do valor desta receita uma vez que as empresas, sem prejuízos fiscais de anos anteriores, passam de uma taxa máxima de Derrama de 2,5% para 1,5% sobre o lucro tributável, ou seja, uma redução de 40%. 4. Considerando que esta Autarquia tinha como intenção baixar para este ano fiscal a taxa de derrama, situação que já se vai verificar em virtude do novo método de apuramento da mesma. 5. Considerando ainda que apesar disso a autarquia quer ter uma descriminação positiva para com as empresas de menor volume de negócios; 6. Considerando a necessidade da Câmara Municipal comunicar a decisão de lançar a Derrama, depois da deliberação da Assembleia Municipal a aprovar, ao Director Distrital de Finanças de Vila Real até 31 de Outubro de 2007, sob pena de a Derrama não ser liquidada nem cobrada no ano em causa. Proponho que a Câmara Municipal, nos termos da alínea a) do n.º 6 do artigo 64º do Decreto Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei n.º 5-A/02, de 11 de Janeiro, e para os efeitos previstos na alínea f) do n.º 2 do artigo 53º do mesmo diploma, submeta à aprovação da Assembleia Municipal, o lançamento em 2007 da seguinte Derrama, ao abrigo do artigo 14º da Lei n.º 2/07, de 15 de Janeiro: 1,5% sobre o lucro tributável sujeito e não isento de Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (I.R.C.). 1,25% sobre o lucro tributável sujeito e não isento de Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (I.R.C.) para sujeitos passivos com um volume de negócios no ano anterior inferior a A Câmara deliberou por maioria com abstenção dos Vereadores do P.S., aprovar a proposta apresentada. Mais deliberou enviar o documento para aprovação à Assembleia Municipal. Foram presentes as seguintes declarações de voto: Declaração de voto dos Vereadores do Partido Socialista Em determinadas circunstâncias, o lançamento de derrama é vantajoso e necessário para um município. Designadamente pelas receitas que permite arrecadar e por ser uma das poucas formas das empresas, com sede noutros concelhos, deixarem uma parte dos seus lucros em zonas onde também os obtêm. É evidente que a derrama, como mais um imposto, tem inconvenientes, pelo que o seu lançamento deve ser determinado em conjugação com a política de desenvolvimento que se quer para o Concelho. De alguns anos para cá as circunstâncias aconselharam o Município do Peso da Régua a fazer uso da possibilidade de lançar a derrama. E foi isso que foi realizado em seis dos oito anos de gestão municipal Socialista. 5

6 Só que é importante recordá-lo sempre o PSD, então na oposição, se opôs e votou contra. E em Junho de 2005, na Assembleia Municipal que discutiu e aprovou o lançamento da derrama para o ano de 2006, o PSD, pelo seu porta-voz de então, Eng.º Nuno Gonçalves, mais uma vez se opôs e afirmou que a derrama seria altamente prejudicial para o desenvolvimento do Concelho e designadamente para os comerciantes da Régua. Votou e fez votar o PSD contra a proposta. Contudo, ironia do destino, um dos seus primeiros actos como Presidente de Câmara foi enviar, de livre vontade, a deliberação da Assembleia Municipal para os Serviços de Finanças, para que a mesma tivesse efeitos práticos. Nós, hoje como ontem, continuamos a pensar que as circunstâncias ainda conduzem à necessidade do lançamento da derrama. Mas, se as receitas da derrama são importantes é, também, muito importante a coerência nas palavras, actos e decisão políticas. Os Reguenses, decerto, não compreenderão que alguém que durante anos e ainda em finais de Junho de 2005 então na oposição e em plena pré campanha eleitoral autárquica afirmava ser contra o lançamento de derrama por esta ser prejudicial ao Concelho, nomeadamente aos comerciantes, venha agora, quer em 2006 quer 2007, já como poder, dar o dito por não dito e propor o lançamento da derrama. O que era prejudicial para a Régua e comerciantes, nas palavras da então oposição, deixou de o ser, agora, para o actual poder. Os Vereadores Socialistas, cientes das suas responsabilidades políticas, perante todas as circunstâncias atrás referidas, decidem não querer participar nesta hipocrisia política e por isso se abstêm. O Presidente da Câmara apresentou a seguinte declaração de voto: Não está em causa qualquer hipocrisia política. Está apenas em causa o assumir de responsabilidades por parte de quem tem agora a tarefa de gerir os destinos do Concelho. Nunca em momento algum dissemos que éramos contra a derrama, pura e simplesmente afirmamos que ela deveria ser lançada no pressuposto que o imposto arrecadado pudesse vir a ser uma mais valia e um meio de beneficiar os empresários e comerciantes do nosso Concelho, e não simplesmente uma verba que entrava nos cofres da Câmara e se esgotava sem os resultados palpáveis que viemos a verificar para além da existência de uma grande dívida por parte da Autarquia que neste momento é preciso saldar. È assim necessário obter receitas. Sejamos coerentes. A prática do anterior executivo era gerir as receitas arrecadadas pela derrama não para beneficiar aqueles que as pagavam directamente mas sim para qualquer outro tipo de despesas. Naturalmente quem lança um imposto não o faz por gosto ou para prejudicar alguém. È lançado este imposto pela necessidade de obter receitas para fazer face ao desenvolvimento necessário para o nosso concelho, desenvolvimento esse que infelizmente, volvidos 8 anos onde a derrama foi aplicada em 6 deles acabou por não se verificar. 6

7 No entanto, já procedemos a uma descriminação positiva para as firmas com um volume de negócios inferior a ,00. Por todos os factos evocados, apresentamos esta proposta e a votamos favoravelmente. PROPOSTA IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) FIXAÇÃO DE TAXAS PARA VIGORAREM EM Pelo Presidente da Câmara, foi presente a seguinte proposta: O Imposto Municipal sobre Imóveis criado em 2003 pelo Decreto Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro, em substituição da Contribuição Autárquica, é um imposto municipal que assenta num quadro legal de avaliações baseado em factores objectivos, de grande simplicidade e coerência interna, e sem grande espaço para a subjectividade e discricionariedade. 1. Nos termos do n.º 1 do art.º 112 do CIMI as taxas do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), a aplicar ao valor patrimonial tributário são as seguintes: prédios rústicos 0,8% prédios urbanos 0,4% a 0,8% prédios urbanos avaliados, nos termos do CIMI 0,2% a 0,5% cabendo aos municípios, nos termos do n.º 5 do mesmo artigo definir anualmente a taxa aplicável aos prédios urbanos e prédios urbanos avaliados, nos termos do CIMI, de entre os limites acima referidos, e comunicar a decisão da Assembleia Municipal à Direcção - Geral dos Impostos até 30 de Novembro do ano a que respeita o imposto, sob pena do mesmo ser liquidado à taxa mínima. 2. Trata-se de um imposto municipal, que de acordo com a lei, prevê um conjunto de isenções, nomeadamente a: Prédios de reduzido valor patrimonial de sujeitos passivos de baixos rendimentos, cujo rendimento bruto total do agregado familiar englobado para efeitos de IRS não seja superior ao dobro do valor anual do salário mínimo nacional mais elevado ( ) e cujo valor patrimonial tributário global não exceda 10 vezes o valor anual do salário mínimo nacional mais elevado ( ); Liquidações, sempre que o montante do imposto a cobrar seja inferior a 10; Estabelecimentos de ensino particular integrados no sistema educativo, prédios destinados directamente à realização dos fins de associações desportivas ou associações juvenis legalmente constituídas, prédios ou parte de prédios arrendados em regime de renda condicionada; Prédios ou parte de prédios urbanos habitacionais construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título oneroso destinados à habitação própria e permanente do sujeito passivo ou do seu agregado familiar permanente, pelo período de 6 anos se o valor patrimonial for até , ou pelo período de 3 anos caso o valor patrimonial esteja entre e ; Prédios integrados em empreendimentos a que tenha sido atribuída a utilidade turística, prédios urbanos objecto de reabilitação urbanística, prédios adquiridos ou 7

8 construídos através do sistema "poupança emigrante, bem como parques de estacionamento subterrâneos; Prédios integrados em: fundos de investimento imobiliário e equiparáveis, em fundos de pensões e em fundos de poupança - reforma. 3. Considerando que a Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (nova Lei das Finanças Locais) veio alterar a participação do Município no IMI sobre os prédios rústicos para 50%, sendo que os restantes passam a constituir uma das receitas das freguesias; Considerando que a receita deste imposto é indispensável para o financiamento e concretização dos projectos assumidos por este executivo, que já se encontram em curso, servindo também para garantir a manutenção do nível de capacidade de endividamento municipal, e por outro lado, o Município na medida das suas responsabilidades e possibilidades deve tomar medidas de equidade fiscal; PROPONHO que a Câmara Municipal submeta à aprovação da Assembleia Municipal nos termos da alínea f) do n.º 2 do artigo 53º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, republicada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, as taxas para o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) referente ao ano de 2007, nos seguintes termos: Taxas previstas nas alíneas b) e c) do n.º 1 do artigo 112º do CIMI Prédios Urbanos 0,7% Prédios urbanos avaliados, nos termos do CIMI 0,4% A Câmara deliberou por unanimidade aprovar a proposta apresentada. Mais deliberou enviar o documento para aprovação à Assembleia Municipal. PROPOSTA IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES I.R.S FIXAÇÃO DE TAXA PARA Pelo Vice Presidente foi presente uma proposta do teor seguinte: 1. A nova lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro, alterou a designação das transferências do Orçamento de Estado para as autarquias locais, as quais já estão reflectidas no O. E. de Foi extinto o Fundo de Base Municipal e da fusão do Fundo Geral Municipal com o Fundo de Coesão Municipal surgiu o Fundo de Equilíbrio Financeiro. Por outro lado, passou a designar uma das transferências como Fundo Social Municipal consignado ao financiamento de despesas correntes da: educação, acção social e saúde e uma outra transferência como IRS, que corresponde a uma participação variável até 5% no IRS dos sujeitos passivos com domicílio fiscal na respectiva circunscrição territorial. 2. Como se pode verificar no quadro seguinte, que reproduz a informação constante nos Orçamentos de Estado de cada ano, quer o Fundo Social Municipal como a participação directa no I.R.S., não constituem um aumento da receita da autarquia, tendo em conta a inflação verificada no período de 2004/2007 (variou entre 2,3% e 3,1%). 8

9 Lei 2/07, de 16/01 (nova Lei 42/98, de 06/08 (anterior Lei das Lei das Finanças Locais) Finanças Locais) Transferências do Orçamento de Estado Fundo de Base Municipal Fundo Geral Municipal Fundo de Coesão Municipal Fundo de Equilíbrio Financeiro Fundo Social Municipal I.R.S Total Considerando que da colecta líquida de I.R.S em 2007, no concelho de Peso da Régua, 95% foram arrecadados para o Estado e 5% transferidos para o município, não implicando um agravamento dos encargos aos Munícipes. 4. Considerando o impacto que as Transferências do Orçamento de Estado representam no Orçamento Municipal, sendo em 2006 de 48% do total da Receita Global e 49% da Receita Estrutural, desempenhando um papel central nas fontes de financiamento da autarquia. Proponho que a Câmara Municipal, nos termos da alínea a) do n.º 6 do artigo 64º do Decreto Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei n.º 5-A/02, de 11 de Janeiro, e para os efeitos previstos na alínea h) do nº. 2 do artigo 53º do mesmo diploma, submeta à aprovação da Assembleia Municipal, a fixação para 2008 de uma participação no I.R.S., ao abrigo do artigo 20º da Lei nº. 2/07, de 15 de Janeiro, de: 5% sobre a Colecta Líquida do I.R.S. A Câmara deliberou por maioria com abstenção da Vereadora Andreia Catilina Soares Coutinho Simões, aprovar a proposta apresentada. Mais deliberou enviar o documento para aprovação à Assembleia Municipal. DIVISÃO TÉCNICA DO OBRAS PROCESSO DE OBRAS N.º 28/2006 DE JOSÉ CIPRIANO LUGAR DE ARIZ GODIM PESO DA RÉGUA 9

10 272 - Foi presente o processo de obras de José Cipriano, no lugar de Ariz, Godim, para a concessão do alvará de licença administrativa. Traz informação do Departamento Técnico de Obras do teor seguinte: Nada a opor à emissão de alvará de licença administrativa pelo prazo de 30 dias, contra a entrega de termo de responsabilidade pela direcção técnica da obra, devendo ser atendidas as condições mencionadas no parecer da EDP. Dadas as características dos trabalhos serão de dispensar os procedimentos previstos no Regulamento Municipal de Edificação e Urbanização sobre a vistoria á implantação pelos nossos serviços. Deverá ainda ser feito o pagamento da taxa prevista no Regulamento Municipal de Urbanização e Edificação, sobre a obrigatoriedade de criação de lugares de estacionamento público a criar e não criados, na proporção de 1 por cada 30m2 de área bruta para estabelecimentos de restauração e bebidas, ou sejam, 4 lugares, nos termos previstos no artigo 113.º do referido regulamento, tendo em conta que os lugares indicados em projecto são propostos em local já pertencente ao domínio público, não podendo por esse facto ser considerados. A Câmara deliberou por unanimidade conceder o alvará requerido de acordo com a informação dos serviços. OBRAS DO CAMPO DE FUTEBOL DE FONTELAS 273 Foi presente uma informação da Divisão de Acção Social e Cultural referente ao Campo de Futebol de Fontelas. Traz informação do Chefe da DASC do teor seguinte: No seguimento da visita efectuada no Campo de Futebol Dr. Rui Machado Fontelas, no dia 3 de Setembro de 2007 informo que: 1 O piso do Campo tem pouca drenagem e é muito agressivo (tem muita pedra pequena solta); 2 As linhas de Campo estão muito próximas dos postes de iluminação; 3 A vedação está muito danificada; 4 A vedação existente tem apenas 2 m; 5 As balizas estão partidas; 6 O aspecto geral do campo em nada dignifica o clube local, o concelho e prática desportiva em geral; Posto isto, tomo a liberdade de propor; 1 A colocação uma nova camada de saibro (cerca de 10 cm); 2 A revisão da vedação do campo e estudada a possibilidade de a mesma ser aumentada em altura (cerca de 6 m); 3 A avaliação da possibilidade de deslocar a linha lateral do campo (do lado dos postes de iluminação) em cerca de 60 cm para o interior do mesmo; 10

11 4 A revisão dos muros, do qual destaco o que está junto ao portão da antiga bilheteira e o prolongamento do mesmo, ao longo de toda a lateral do campo; Assim, visto que o início da época desportiva está para muito breve, solicito a atenção de V. Ex.ª para este assunto tomando as medidas que achar necessárias. Traz despacho do Vice Presidente do teor seguinte: Proponho que a Câmara Municipal comparticipe com os trabalhos acima mencionados na recuperação do campo de Futebol, de acordo com a alínea b) do número 4 do artigo 64 da Lei 169/99 de 18 de Setembro. Por motivos de urgência dê-se início às obras de requalificação em virtude de estar para muito breve, uma nova época desportiva. À Reunião de Câmara para ratificação. A Câmara deliberou por maioria com os votos contra do P.S. ratificar o despacho. Foram ditadas para a acta as seguintes declarações de voto: PS Votamos contra por termos dúvidas quanto à legalidade do município em fazer obras e investimentos em propriedade privada. PSD Votamos a favor por a obra estar devidamente justificada, devido a que o espaço agora intervencionado é e será utilizado por vários grupos do concelho, nomeadamente o Sport Clube da Régua, que tem o seu tradicional espaço em obras, espaço esse, que pertence à Autarquia por cedência do direito de superfície. Outras intervenções houveram, já em tempos naquele espaço, do mesmo género, que pensamos que foram efectuadas dentro do mesmo espírito de legalidade. E não havendo mais nada a tratar foi encerrada a reunião eram doze horas, da qual se lavrou a presente acta que foi por mim subscrita e vai ser devidamente assinada. 11

ACTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE SETEMBRO DE 2006 Nº 19/2006

ACTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE SETEMBRO DE 2006 Nº 19/2006 ACTA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE SETEMBRO DE 2006 Nº 19/2006 PRESIDENTE: Nuno Manuel Sousa Pinto de Carvalho Gonçalves, Presidente. VEREADORES PRESENTES: Vítor Manuel Ribeiro Fernandes

Leia mais

ATA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE ABRIL DE 2013 Nº 8 /2013

ATA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE ABRIL DE 2013 Nº 8 /2013 ATA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE ABRIL DE 2013 Nº 8 /2013 PRESIDENTE: Nuno Manuel Sousa Pinto de Carvalho Gonçalves. VEREADORES PRESENTES: José Manuel Gonçalves Vice-Presidente, Mário

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL LAGOA AÇORES ATA Nº 18/2014 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 05 DE SETEMBRO DE 2014. (Contém 9 Folhas)

CÂMARA MUNICIPAL LAGOA AÇORES ATA Nº 18/2014 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 05 DE SETEMBRO DE 2014. (Contém 9 Folhas) 1 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA AÇORES ATA Nº 18/2014 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 05 DE SETEMBRO DE 2014 (Contém 9 Folhas) ESTIVERAM PRESENTES OS SEGUINTES MEMBROS: VEREADORA CRISTINA DE FÁTIMA DA

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA 1 REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 10/2008 - MAIO --- DATA DA REUNIÃO: Vinte de Maio de dois mil e oito. -------------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala das

Leia mais

Acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Figueira Castelo Rodrigo, realizada no dia quatro de Setembro de dois mil e seis.

Acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Figueira Castelo Rodrigo, realizada no dia quatro de Setembro de dois mil e seis. Acta da Reunião Ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Figueira Castelo Rodrigo, realizada no dia quatro de Setembro de dois mil e seis. ------ Aos quatro dias do mês de Setembro do ano de dois mil

Leia mais

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD)

Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado. Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Decreto-Lei n.º 193/73, de 30 de Abril - Revogado Reestruturação do Fundo de Fomento do Desporto (FFD) Artigo 1.º...2 Artigo 2.º...3 Artigo 3.º...3 Artigo 4.º...3 Artigo 5.º...3 Artigo 6.º...4 Artigo 7.º...4

Leia mais

FL 128 ACTA DE / /20

FL 128 ACTA DE / /20 FL 128 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito no dia onze de Dezembro de dois mil e três Acta º28 --------Aos onze dias do mês de

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Acta nº 13 Reunião Extraordinária de 31/05/2010

Acta nº 13 Reunião Extraordinária de 31/05/2010 Presidiu a Senhora Presidente da Câmara Municipal, Ana Cristina Ribeiro Vereadores César Manuel Pereira Peixe Maria Margarida Estrela Rodrigues Pombeiro Luís Artur Ribeiro Gomes Jorge Humberto Brardo Burgal

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA ACTA N.º 05/2007 DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL REALIZADA NO DIA 26 DE FEVEREIRO DE 2007 (Contém 06 páginas) ESTIVERAM PRESENTES OS SEGUINTES MEMBROS: PRESIDENTE:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 23

CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 23 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 23 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 30/10/2007 (Contém folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: José Alberto Pacheco Brito Dias (PSD) Vice-Presidente:

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO Nº : PROPOSTA Nº : 29/DAF/2012 Realizada em: DELIBERAÇÃO Nº : ASSUNTO: Imposto Municipal sobre Imóveis para o ano de 2013 Desde 2009 que o Município de Setúbal tendo aplicado na zona delimitada

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE LOUSA ACTA N.º 01/2007

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE LOUSA ACTA N.º 01/2007 1/8 ACTA N.º 01/2007 Aos dezanove dias do mês de Abril de dois mil e sete, pelas vinte horas e trinta minutos reuniu, em Sessão Ordinária, a Assembleia de Freguesia de Lousa, no salão anexo à Junta de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS ACTA N.º 7/2002

CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS ACTA N.º 7/2002 30 ACTA N.º 7/2002 Acta da reunião ordinária realizada aos vinte e sete dias do mês de Março de dois mil e dois. Aos vinte e sete dias do mês de Março de dois mil e dois reuniu no Salão Nobre dos Paços

Leia mais

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O

M U N I C Í P I O D E S Á T Ã O DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÁTÃO REALIZADA NO DIA 17-04-2015 PRESENTES ATA Nº. 8/2015 PRESIDENTE VEREADORES Alexandre Vaz Zélia Silva Rosa Carvalho Fernando Gomes Catarina Almeida Silvério

Leia mais

EDUCAÇÃO, CULTURA E ACÇÃO SOCIAL

EDUCAÇÃO, CULTURA E ACÇÃO SOCIAL REUNIÃO DA CÂMARA ORDINÁRIA N.º 18 15-09-2014 ORDEM DO DIA: I APROVAÇÃO DE ATAS 1. Aprovação da ata da reunião ordinária da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço, realizada em 18 de agosto de 2014.

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011

ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA PÚBLICA DO DIA 21-11-2011 Presidente - António Fernando Raposo Cordeiro Vereadores - Nina Márcia Pacheco Rodrigues Pinto - Helga Margarida Soares Costa - Rui António Dias Carvalho

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras)

- REGIMENTO - CAPITULO I (Disposições gerais) Artigo 1.º (Normas reguladoras) - REGIMENTO - Considerando que, a Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação; Considerando

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

sobre as quais recaíram despachos de aprovação do Presidente da Câmara, que se submetem a

sobre as quais recaíram despachos de aprovação do Presidente da Câmara, que se submetem a Fl. ATA N.º 14/13 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM DE 01 DE JULHO DE 2013 Ao primeiro dia do mês de Julho de dois mil e treze, pelas dezoito horas, na Sala de Reuniões dos

Leia mais

ORDEM DE TRABALHOS 1 DIVISÃO ADMINISTRATIVA. 1.1 Aprovação da acta da reunião ordinária do dia 2008/10/29.

ORDEM DE TRABALHOS 1 DIVISÃO ADMINISTRATIVA. 1.1 Aprovação da acta da reunião ordinária do dia 2008/10/29. ACTA Nº 24 DE 2008 / 11 / 12 239 ORDEM DE TRABALHOS 1 DIVISÃO ADMINISTRATIVA 1.1 Aprovação da acta da reunião ordinária do dia 2008/10/29. 1.2- Informação da Secção de Taxas e Licenças, sancionada por

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS MINUTA DA ATA NR.1/2015 --------------- MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS REALIZADA NO DIA OITO DE JANEIRO DO ANO DE DOIS MIL E QUINZE. ---------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

--- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. -------------------------------

--- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. ------------------------------- REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA AT A N º 1 0 /2012 - ABRIL --- DATA DA REUNIÃO: Vinte de abril de dois mil e doze. ------------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO:

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL NÚMERO QUINZE REALIZADA EM 16.06.03

ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL NÚMERO QUINZE REALIZADA EM 16.06.03 1 ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL NÚMERO QUINZE REALIZADA EM 16.06.03 ---------- Aos dezasseis dias do mês de Junho de dois mil e três, nesta cidade de Águeda, realizou-se uma reunião

Leia mais

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010

Acta n.º 13/2010 de 19/05/2010 ------------------------------------- ACTA N.º 13/2010 -------------------------------------- -------- Aos 19 dias do mês de Maio de 2010, pelas 10 horas, no Salão Nobre dos Paços do Município de Celorico

Leia mais

59542 Diário da República, 2.ª série N.º 236 7 de Dezembro de 2010

59542 Diário da República, 2.ª série N.º 236 7 de Dezembro de 2010 59542 Diário da República, 2.ª série 236 7 de Dezembro de 2010 ANEXO 204012459 MUNICÍPIO DE PINHEL Edital n.º 1231/2010 António Luís Monteiro Ruas, Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, torna público

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03

CÂMARA MUNICIPAL PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DE PAMPILHOSA DA SERRA ACTA Nº 03 DA REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO DIA 03/02/1999 (Contém 9 folhas) Estiveram presentes os seguintes membros: Presidente: Hermano Manuel Gonçalves Nunes de Almeida (PSD)

Leia mais

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes PREÂMBULO O sistema de tratamento de efluentes domésticos, comerciais e industriais a jusante do sistema de captação tratamento e armazenamento de água potável, tem vindo a ser implementado de acordo com

Leia mais

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª

Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 304/XI /1.ª Revoga os benefícios fiscais concedidos a PPR s planos de poupança reforma - e ao regime público de capitalização Procede a

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 1º, 2º, 3º e 4º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 1º, 2º, 3º e 4º Mercado interno do gás e da electricidade Contratos de concessão Taxa de ocupação de solos. Processo: nº 2258, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO A Câmara Municipal de Serpa no âmbito da sua politica para as áreas sócio-cultural e desportiva, considera o movimento associativo como parceiro

Leia mais

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos Os rendimentos prediais em sede de IRS e os recibos de renda eletrónicos A reforma do IRS, aprovada pela Lei n.º 82-E/2014, de 31 de dezembro, instituiu no artigo 115.º do Código do IRS a obrigatoriedade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 1436 Diário da República, 1.ª série N.º 48 7 de Março de 2008 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 38/2008 de 7 de Março A aprovação da Lei das Finanças Locais, Lei n.º 2/2007, de 15 de

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS ACTA N.º 14/2000

CÂMARA MUNICIPAL DE MANTEIGAS ACTA N.º 14/2000 58 ACTA N.º 14/2000 Acta da reunião ordinária realizada aos doze dias do mês de Julho de dois mil. Aos doze dias do mês de Julho de dois mil reuniu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a Câmara Municipal

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

-------- ORDEM DE TRABALHOS.

-------- ORDEM DE TRABALHOS. Folha N.º 55 ------------------------------------------ATA NÚMERO NOVE -------------------------------------------- -------- ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONFORTE, REALIZADA EM 2 DE

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Município de Rio Maior CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO MAIOR Regimento Preâmbulo A Lei nº 159/99, de 14 de Setembro, estabelece na alínea b) do nº2, do seu artigo 19, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cinfães A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº. 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Ac. Câmara

MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA. Ac. Câmara (AO-01) ESCLARECIMENTOS PRESTADOS PELO PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL SOBRE O ENQUADRAMENTO DO ACORDO ENTRE MUNICIPIO DE VILA NOVA DE CERVEIRA E ÁGUAS DO NOROESTE, S.A. O Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOUTIM

MUNICÍPIO DE ALCOUTIM MUNICÍPIO DE ALCOUTIM ACTA N.º 08/2008 Da reunião pública ordinária da Câmara Municipal de Alcoutim Realizada em 23 de Abril de 2008 ---------- Aos vinte e três dias do mês de Abril de dois mil e oito,

Leia mais

As Receitas Tributárias das Autarquias Locais os Impostos, em particular

As Receitas Tributárias das Autarquias Locais os Impostos, em particular As Receitas Tributárias das Autarquias Locais os Impostos, em particular 0 Razão de ordem O presente texto destina-se a servir de suporte a intervenção nas Jornadas Autárquicas promovidas pelo Bloco de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL COVILHÃ

CÂMARA MUNICIPAL COVILHÃ CÂMARA MUNICIPAL DA COVILHÃ TEXTO DEFINITIVO DA ACTA Nº 4/2010 Da reunião extraordinária realizada no dia 25 de Fevereiro de 2010, iniciada às 09:15 horas e concluída às 09:50 horas. Sumário: Abertura

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 30 de Junho de 2013. Proposta do Conselho Directivo Ponto 2 da Ordem de Trabalhos

ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 30 de Junho de 2013. Proposta do Conselho Directivo Ponto 2 da Ordem de Trabalhos ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 30 de Junho de 2013 Proposta do Conselho Directivo Ponto 2 da Ordem de Trabalhos CONSIDERANDO: a) Que o Sporting Clube de Portugal (SCP), a Sporting Clube

Leia mais

GABINETE DO VICE-PRESIDENTE Praça do Município 6230 338 Fundão. REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo

GABINETE DO VICE-PRESIDENTE Praça do Município 6230 338 Fundão. REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS FREGUESIAS Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro estabelece o regime jurídico das autarquias locais, aprova o estatuto das entidades intermunicipais,

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo

Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão. Preâmbulo Regimento do Conselho Municipal de Educação do Concelho de Marvão Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE TRANCOSO REALIZADA EM 15 DE JULHO DE 2015. -----------------------

ATA DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE TRANCOSO REALIZADA EM 15 DE JULHO DE 2015. ----------------------- ATA DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE TRANCOSO REALIZADA EM 15 DE JULHO DE 2015. ----------------------- *A1* Aos 15 dias do mês de julho do ano de 2015, nesta cidade de Trancoso e sala das sessões dos

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias desempenham um papel fundamental no desenvolvimento desportivo e no incremento da prática desportiva, devido

Leia mais

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90)

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90) orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE DEZOITO DE SETEMBRO DE DOIS MIL E CATORZE

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE DEZOITO DE SETEMBRO DE DOIS MIL E CATORZE REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE DEZOITO DE SETEMBRO DE DOIS MIL E CATORZE --------------------------------- Aos dezoito dias do mês de setembro de dois mil e catorze, nesta

Leia mais

Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro

Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro Diploma consolidado Decreto-Lei nº 27/2001, de 3 de Fevereiro A aquisição de habitação própria constitui um importante motivo de poupança das famílias. Todavia, os efeitos sobre a procura interna da expansão

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO

Freguesia de Arcozelo RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO I Introdução 1.1 Nota Prévia Conforme se encontra preceituado no POCAL, apresenta-se o relatório de Gestão relativo ao ano de 2009 para que, dentro dos prazos previstos na Lei nº 98/97,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO JACINTO

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO JACINTO 1 Acta nº 10/2008 JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO JACINTO Acta da Reunião ordinária de 30 de Julho de 2008 -------No dia trinta de Julho de dois mil e oito, nesta freguesia de São Jacinto, edifício da Junta

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MARVÃO

CÂMARA MUNICIPAL DE MARVÃO REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL ACTA N.º 20/02 REALIZADA EM 04 DE SETEMBRO DE 2002 Aos quatro dias do mês de Setembro do ano dois mil e dois, nesta Mui Nobre e Sempre Leal Vila de Marvão e Edifício

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOLEGÃ A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de

Leia mais

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 1.º - Resumo da necessidade de emissão de faturas: A ASSOCIAÇÃO: Pratica exclusivamente operações isentas de

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

ACTA N.º 17/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE CÂMARA DE 05 / 08 / 2009 FALTAS JUSTIFICADAS FALTAS INJUSTIFICADAS

ACTA N.º 17/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE CÂMARA DE 05 / 08 / 2009 FALTAS JUSTIFICADAS FALTAS INJUSTIFICADAS CÂMARA MUNICIPAL DE VIANA DO ALENTEJO _ ACTA N.º 17/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE CÂMARA DE 05 / 08 / 2009 PRESENÇAS PRESIDENTE : ESTÊVÃO MANUEL MACHADO PEREIRA VEREADORES : VERA LÚCIA CALCA BONITO CARDOSO

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 01/2008-08.Jan.2008-1ªS/SS. (Processo n.º 1392/2007) SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 01/2008-08.Jan.2008-1ªS/SS. (Processo n.º 1392/2007) SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 01/2008-08.Jan.2008-1ªS/SS (Processo n.º 1392/2007) SUMÁRIO: 1. A contracção de um empréstimo com a finalidade de consolidar dívida de curto prazo, viola o disposto no art.º 38, n.º 12 da Lei

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES. Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS PORTUGUESES Conferências sobre a Tributação do Património Imobiliário A Contribuição Autárquica como fonte de financiamento dos municípios e a questão das isenções Paulo

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

FREGUESIA DE PORTO JUDEU Pessoa Colectiva N.º 512 042 926 JUNTA DE FREGUESIA Regulamento das taxas da Freguesia do Porto Judeu 1de 15 págs

FREGUESIA DE PORTO JUDEU Pessoa Colectiva N.º 512 042 926 JUNTA DE FREGUESIA Regulamento das taxas da Freguesia do Porto Judeu 1de 15 págs Regulamento das taxas da Freguesia do Porto Judeu 1de 15 págs PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 24 DE NOVEMBRO DE 2015 Serviço responsável pela execução da deliberação Departamento de Planeamento de Gestão Urbanística

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 REESTRUTURA OS FUNDOS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO E EXTINGUE O FUNDO REGIONAL DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR Criado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º

Leia mais