ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS"

Transcrição

1 ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado e denominação de CAMPESTRE CLUBE GILDABARBOSA, tendo sua sede na Vila de Ipuca 2º Distrito de São Fidélis e seu Departamento Social na Rua Dr. Collet, nº 4, São Fidélis, Estado do Rio de Janeiro. Artigo 2º - A associação tem como objetivo desenvolver entre seus associados a recreação esportiva e a prática de convívio social e cultural, através de promoções internas e externas. Artigo 3º - O Campestre Clube Gilda Barbosa será regido pelo presente estatuto e, nos casos omissos, por decisão do Conselho Deliberativo e legislação vigente no país. CAPÍTULO II DOS SÓCIOS E SUAS CATEGORIAS Artigo 4º - O quadro social é constituído por pessoas de qualquer idade, sem distinção de nacionalidade, cor, sexo, religião ou política e terá as seguintes categorias de sócios: I proprietários, II contribuintes, III beneméritos.

2 1º - São sócios proprietários os que adquirirem títulos patrimoniais. 2º- São sócios contribuintes os que forem admitidos através do pagamento da contribuição mensal permanente, nas condições deste estatuto. 3º - São sócios beneméritos os que, tendo prestado relevantes serviços à associação, forem distinguidos espontaneamente ou por proposta, pelo Conselho Deliberativo e ratificado pela Assembléia Geral. Artigo 5º - Os sócios proprietários e contribuintes somente poderão ser admitidos por proposta abonada por 1 (um) sócio proprietário que esteja com suas obrigações atualizadas e aprovadas pela Diretoria Executiva. Artigo 6º - O uso e gozo dos direitos dos sócios começarão com aprovação da proposta e pagas as taxas devidas. Artigo 7º - Os títulos de propriedade são transferíveis por ato intervivos ou causa mortis, observadas as condições deste estatuto. 1º - No caso de sucessão causa mortis não será cobrada a taxa de transferência. 2º - O termo de transferência em qualquer caso, será assinado pelo interessado e pelo presidente do clube. 3º - Na transferência causa mortis, o adquirente não terá a qualidade de sócio, ficando sua admissão como tal, sujeita Aos preceitos estatutários. Artigo 8º - Os dependentes do sócio proprietário ao perderem tal qualidade, a critério da diretoria, passarão a categoria de sócio contribuinte, se o requererem. Artigo 9º - Os irmãos ou irmãs de sócios proprietários, solteiros, poderão ser admitidos como sócios contribuintes observados os critérios estatutários. Artigo 10º - O sócio contribuinte não poderá ter dependentes, portanto, seus direitos são pessoais.

3 único O sócio contribuinte não terá direito de votar e ser votado para qualquer cargo no clube. Artigo 11º - O título de sócio benemérito será intransferível. CAPÍTULO III DA ADMISSÃO E READMISSÃO Artigo 12º - A admissão de sócio será feita por proposta do pretendente através de formulário próprio do clube, na forma estatutária, com aprovação da diretoria. único A readmissão de sócios fica sujeita às mesmas formalidades da admissão. CAPÍTULO IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS SÓCIOS Artigo 13º - Aos sócios proprietários assiste o direito de: a) votar e ser votado, desde que sejam maiores e capazes e estejam em situação regular; b) participar das reuniões sociais, esportivas, promoções e demais atividades da associação; c) levar ao conhecimento da diretoria qualquer ato lesivo aos seus direitos como sócio ou aos interessados da associação; d) freqüentar, assim como seus dependentes, locais em que se realizam atividades promovidas para os sócios; e) terão acesso às dependências do clube, as babás e acompanhantes de sócios em condições especiais ou dependentes de sócio, quando em serviço, devidamente credenciados pela diretoria, mas tais pessoas não poderão usufruir dos direitos assegurados aos sócios; f) o sócio poderá levar ao balneário 4 (quatro) convidados por mês, com anuência prévia da Diretoria Executiva, desde que o convidado não seja Residente neste Município; g) a carteira de sócio ou dependente deverá conter o nome, retrato, número de matrícula e categoria a que pertence.

4 Artigo 14º - São deveres dos sócios: a) observar as disposições deste estatuto e do regimento interno; b) comparecer às reuniões ou assembléias a que forem convidados; c) concorrer, por todos os meios do seu alcance, para a prosperidade da associação; d) zelar pelo crédito da associação, dentro e fora da sede e suas dependências; e) acatar as resoluções da diretoria; f) respeitar os membros da diretoria e seus auxiliares no exercício de suas funções; g) informar à diretoria sobre fatos que sejam de seu conhecimento e que possam influir na deliberação sobre admissão de novos sócios; h) efetuar o pagamento das contribuições a que estejam obrigados, em virtude de decisões do Conselho Deliberativo. único O sócio não quite com o clube perderá o direito de freqüentar suas dependências, não podendo interpor recursos ou reclamações até que normalize sua situação. CAPÍTULO V DOS DEPENDENTES Artigo 15º - São dependentes dos sócios proprietários: a) filhos ou filhas até completarem 18 (dezoito) anos, estendendo-se até 24 (vinte e quatro) anos se comprovadamente, estiverem cursando nível superior; b) cônjuges ou companheiros de união estável; c) menores que estejam sob a guarda ou tutela judicial do sócio, bem como enteado do sócio, após aprovação da diretoria; d) demais pessoas dependentes do sócio, nos termos da Lei Civil. CAPÍTULO VI DAS PENALIDADES

5 Artigo 16º - Todos os sócios estão sujeitos às seguintes penalidades: I advertência, II suspensão, III eliminação. 1º - A advertência será aplicada ao sócio por faltas leves, consideradas disciplinares. 2º - A suspensão será aplicada: a) ao que for reincidente em falta que motivou a aplicação de pena prescrita no parágrafo anterior; b) ao que faltar com o respeito com os membros da Diretoria Executiva ou de qualquer órgão social da entidade; c) ao que faltar com o decoro nas dependências do clube ou em reunião ou promoção da associação; d) ao que estiver em atraso no pagamento de suas obrigações financeiras com o clube, na forma da letra i do artigo 14. 3º - A eliminação será aplicada: a) ao que cometer falta grave e que por decisão do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva será sumariamente eliminado do quadro social. b) ao que não suprir o atraso de suas obrigações financeiras para com o clube no prazo de 180 dias, após receber aviso escrito da tesouraria. 4º - Para aplicação da pena de eliminação, a decisão terá que ser fundamentada e registrada em ata especial, com a presença mínima de 2/3 (dois terços) dos Conselheiros e 3 (três) Diretores Executivos. 5º - O sócio que sofrer a penalidade terá o prazo de 15 dias para apresentar defesa escrita. CAPÍTULO VII DOS TÍTULOS PATRIMONIAIS

6 Artigo 17º - Compete ao Conselho Deliberativo, em conjunto com a Diretoria Executiva fixar a quantidade de emissão, valor e forma de pagamento do título patrimonial, assim como o valor da taxa de manutenção e taxas bancárias. Artigo 18º - O título patrimonial é nominativo e indivisível, podendo ser transferido somente depois de aprovada a proposta de admissão do novo sócio e paga a despesa de transferência equivalente a 10% (dez por cento) do seu valor nominal em favor da associação. Artigo 19º - A transferência de título patrimonial por causa mortis somente se processará mediante a apresentação do competente alvará, formal de partilha ou adjudicação, na forma legal. Artigo 20º - Nenhuma transferência de título patrimonial se efetivará, havendo resíduos a pagar, seja qual for sua natureza. CAPÍTULO VIII DOS ÓRGÃOS DA ASSOCIAÇÃO Artigo 21º - São Órgãos do Campestre Clube Gilda Barbosa: I a Assembléia Geral, II o Conselho Deliberativo, III a Diretoria Executiva, IV o Conselho Fiscal. DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS Artigo 22º - A Assembléia Geral é o órgão da associação e é constituída pelos sócios proprietários. Artigo 23º - O sócio com direito a voto não poderá ser representado nas Assembléias Gerais por procuração. Artigo 24º - A Assembléia Geral será: ORDINÁRIA:

7 a) de quatro em quatro anos, para no mês de marco, eleger os membros efetivos e suplentes do Conselho Deliberativo e do Conselho Fiscal. b) Eleger os administradores quando for o caso. EXTRAORDINÁRIA sempre que: a) houver reforma de qualquer artigo do Estatuto Social; b) houver liquidação, dissolução e extinção; c) houver autorização para a venda ou alienação de bens patrimoniais; d) houver assunto relevante ou que dependa de decisão da Assembléia Geral. Artigo 25º - A Assembléia Geral poderá ser convocada pelo Conselho Deliberativo, pela Diretoria Executiva, pelo Conselho Fiscal ou, ainda, por grupo que represente 30% (trinta por cento) dos sócios com direito a voto. Artigo 26º - As Assembléias Gerais serão convocadas com antecedência mínima de 20 (vinte) dias, através de edital, nos termos deste artigo e do artigo 25, afixado na sede social ou publicado em órgão de divulgação local, neste caso, por um período de 3 (três) dias consecutivos, determinando o local, o dia, o mês, a hora e a pauta. Artigo 27º - As Assembléias Gerais para serem instaladas deverão ter em 1ª (primeira) convocação o quorum de 50% (cinqüenta por cento) dos sócios com direito a voto, e em 2ª (segunda) convocação, uma hora depois, com qualquer número. Artigo 28º - As deliberações das Assembléias Gerais serão tomadas pela maioria de votos dos sócios presentes. Artigo 29º - As Assembléias Gerais serão presididas pelo Presidente Executivo ou Presidente do Conselho Deliberativo que convidará um sócio para secretariar a sessão a lavrar a ata. CAPÍTULO IX DO CONSELHO DELIBERATIVO

8 Artigo 30º - O Conselho Deliberativo será composto de 15 (quinze) membros efetivos e 6 (seis) suplentes, de Sócios Proprietários, eleitos pela Assembléia Geral para um período de 4 (quatro) anos. único Somente poderá ser eleito conselheiro os sócios que estiverem com suas obrigações sociais em dia. Artigo 31º - Na primeira reunião após a sua eleição, que não deverá ultrapassar a 30 (trinta) dias, o Conselho Deliberativo elegerá, dentre seus pares, seu Presidente, Vice-Presidente e Secretário. Artigo 32º - O Conselho Deliberativo assim constituído, na mesma reunião, elegerá os membros da Diretoria Executiva, podendo destituí-la a qualquer momento. Artigo 33º - As vagas que ocorrerem no Conselho Deliberativo serão preenchidas pela convocação de suplentes, pela ordem de idade. Artigo 34º - Compete ao Conselho Deliberativo: a) estabelecer os valores da taxa de manutenção, para cada exercício social, bem como os valores no caso de transferência de título; b) eleger e empossar os membros da Diretoria Executiva; c) discutir e deliberar sobre as metas de trabalho que a Diretoria Executiva deverá priorizar no exercício; d) convocar as Assembléias Gerais; e) julgar, em grau de recurso, as decisões punitivas que a Diretoria Executiva aplicar aos sócios; f) decidir sobre os casos omissos deste Estatuto; g) opinar sobre consultas feitas pela Diretoria Executiva; h) designar substituto temporário para cargos da Diretoria Executiva, até a eleição definitiva de titular; i) reunir-se pelo menos bimensal; j) resolver sobre assuntos diretamente ligados à existência da associação, salvo se envolver matéria de competência atribuída a outros neste Estatuto; k) eleger seu Presidente, Vice-Presidente e Secretário; l) julgar as contas anualmente prestadas pela Diretoria Executiva, acompanhadas de parecer do Conselho Fiscal e de relatório do Presidente da Diretoria Executiva; m) conferir títulos de sócios beneméritos, respeitado o disposto no parágrafo 3º do artigo 4º;

9 n) permitir a ausência de membros da Diretoria Executiva, por mais de 90 (noventa) dias, sem perda de mandato; o) resolver sobre objeto de convocação estatutária; p) propor reforma do Estatuto à Assembléia Geral Extraordinária. Artigo 35º - O Conselho Deliberativo reunir-se-á: convocado pelo Presidente, por dois terços de seus membros, pela Diretoria Executiva ou pelo Conselho Fiscal. Artigo 36º - O Conselho Deliberativo reunir-se-á bienalmente, nomes de março, para eleger a Diretoria Executiva e também, anualmente, no mês de março, para conhecer e discutir o relatório do Presidente da Associação, as informações dos Diretores e o parecer do Conselho Fiscal, relativo ao ano precedente, votando, por fim, as contas apresentadas. 1º - Nas reuniões ordinárias, finda a matéria da convocação, poder-se-á tratar, por proposta de qualquer conselheiro, de assunto relativo à associação, uma vez que a maioria dos conselheiros considere objeto de deliberação. 2º - Nas reuniões extraordinárias, tratar-se-á exclusivamente da matéria da convocação. Artigo 37º - Para as reuniões ordinárias ou extraordinárias a convocação será feita diretamente por escrito a cada conselheiro. 1º - A convocação será feita com 5 (cinco) dias de antecedência da data marcada para a reunião. 2º - Em primeira convocação só poderá ser aberta à reunião do Conselho Deliberativo com a presença de quorum correspondente ao número da maioria absoluta dos membros. 3º - Em segunda convocação a reunião se efetuará com o número de, no mínimo um terço dos conselheiros. 4º - Em primeira convocação se não houver o número exigido, até 20 (vinte) minutos da hora marcada, o Presidente do Conselho e na sua ausência, ou na do Vice-Presidente um dos conselheiros presentes encerrará o livro de presença.

10 Artigo 38º - Nos seus impedimentos, ou quando em gozo de licença, o Presidente do Conselho será substituído pelo Vice-Presidente, e na falta deste, pelo conselheiro mais idoso. Artigo 39º - O presidente do Conselho Deliberativo ou seu substituto abrirá os trabalhos convidando 1 (um) conselheiro a desempenhar a função de secretário, se este não estiver presente e quando houver eleição, pedirá aos presentes que indiquem 2 (dois) outros que sirvam de fiscais escrutinadores. Artigo 40º - Todos os assuntos serão resolvidos por maioria de votos dos presentes, cabendo ao Presidente o voto de qualidade, obrigatórios, uma vez que não se trate de eleição. Artigo 41º - A eleição para os cargos de Presidente, Vice-Presidente e de Secretário do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva, efetuar-se-á por escrutínio secreto. 1º - Considerar-se-ão eleitos os que obtiverem maioria de votos, procedendo-se nova eleição em caso de empate. 2º - Em caso de vacância do cargo de Presidente, Vice-Presidente e Secretário do Conselho Deliberativo e na Diretoria Executiva, procederse-á a eleição para o seu preenchimento, ficando o exercício do cargo, entretanto, limitado ao tempo que faltar para completar o respectivo mandato. Artigo 42º - Quando em qualquer reunião se pretender tratar de assunto alheio ou prejudicial aos interesses da associação ou de matéria que não se concilie com termos da convocação, poderá o Presidente suspendê-la por tempo indeterminado ou até nova convocação. Artigo 43º - Os trabalhos de cada reunião serão registrados em ata, constante de livros especiais redigidos pelo Secretário. 1º - O Conselho delegará poderes a 3 (três) conselheiros presentes na reunião para em seu nome, conferirem e aprovarem a ata. 2º - A ata conterá assinaturas do Presidente e do Secretário, e havendo eleição, dos escrutinadores, bem como da comissão nomeada para conferi-la e aprová-la depois do que produzirá todos os efeitos legais.

11 CAPÍTULO X DA DIRETORIA EXECUTIVA Artigo 44º - A Diretoria Executiva é órgão executivo da administração da associação, eleita pelo Conselho Deliberativo para um período de 2 (dois) anos, podendo ser reeleita pelo mesmo Conselho e será formada por: Presidente, Vice-Presidente, Secretário, Tesoureiro e Diretor Social. Artigo 45º - Além das atribuições determinadas por este Estatuto, compete à Diretoria Executiva: a) reunir-se mensalmente; b) admitir e demitir funcionários; c) elaborar, juntamente com o Conselho Deliberativo, planos e metas de trabalho para o exercício. único A Diretoria Executiva poderá contratar, com aprovação do Conselho Deliberativo, administrador com poderes de Gerência. Artigo 46º - Compete ao Presidente: a) representar a associação ativa e passivamente, judicial e extrajudicialmente; b) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, o Regimento Interno, as deliberações das Assembléias Gerais e as decisões do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva; c) administrar a sociedade supervisionando a parte social e financeira da associação; d) autorizar os pagamentos e assinar, juntamente com o Tesoureiro, cheques e obrigações financeiras da associação; e) contratar e demitir o pessoal do quadro funcional da associação, com o valor máximo de 4 (quatro) salários mínimos da União por funcionário. Artigo 47º - Compete ao Vice-Presidente: a) auxiliar o Presidente em suas atribuições, quando solicitado; b) substituir o Presidente em seus impedimentos ou ausências.

12 Artigo 48º - Compete ao Secretário: a) redigir e assinar editais, avisos e correspondências da sociedade; b) lavrar as atas de reunião da Diretoria Executiva; c) ter sob sua guarda os livros sociais e materiais de expediente de seu setor; d) substituir o Tesoureiro, quando solicitado pelo Presidente. Artigo 49º - Compete ao Tesoureiro: a) assinar, juntamente com o Presidente, cheques e documentos financeiros da associação; b) manter em dia a escrituração do livro caixa, contas correntes e controle de todo o movimento financeiro da associação; c) preparar relatórios e balancetes financeiros, quando solicitados; d) efetuar o pagamento das despesas da associação; e) ter sob sua guarda e responsabilidade toda a documentação financeira e contábil da associação; f) substituir o Secretário, quando solicitado pelo Presidente. Artigo 50º - O mandato da Diretoria Executiva será bienal. Artigo 51º - A Diretoria Executiva só poderá deliberar com a presença de no mínimo metade e mais um de seus membros. único Em caso de empate o assunto será decidido pelo voto do Presidente. Artigo 52º - Perderá o mandato o Diretor que, sem justo motivo, deixar de exercer as suas funções durante 30 (trinta) dias ou de comparecer a quatro sessões consecutivas da Diretoria Executiva. Artigo 53º - A substituição do Presidente, nos seus impedimentos de qualquer natureza, competirá ao Vice-Presidente, ao Secretário e ao Tesoureiro, na ordem em que aqui são mencionados. Artigo 54º - À Diretoria Executiva compete: a) cumprir e fazer cumprir os presentes Estatutos, o Regimento Interno e as deliberações do Conselho Deliberativo e das Assembléias Gerais; b) inquirir sobre a idoneidade das pessoas propostas para sócios e aspirantes a sócios;

13 c) resolver, em escrutínio secreto, sobre a admissão e readmissão dos sócios; d) impor penalidades; e) regular o direito de freqüência sempre que necessário; f) resolver sobre requerimentos de sócios quando a matéria escapar às atribuições do Presidente; g) designar os Diretores que constituirão a Comissão de Sindicância; h) propor ao Conselho Deliberativo: 1) a concessão de Títulos Beneméritos; 2) fixação das jóias, anuidades, mensalidades, taxas e emolumentos e forma de pagamento; 3) decisão sobre o caso omisso no Estatuto, sobre o que lhe competir i) organizar os orçamentos anuais, por Departamento e órgãos de Administração com estimação da Receita e fixação da Despesa; j) autorizar ad-referendum do Deliberativo e por proposta do Presidente, as verbas necessárias a pagamentos inadiáveis e não previstos com a obrigação de comunicar ao Conselho Deliberativo, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, após a autorização; k) elaborar normas de acordo com Estatuto e Regimento Interno; l) resolver caso urgente omisso no Estatuto ou Regimento Interno, ad-referendum do Conselho Deliberativo; m) fornecer ao Conselho Fiscal todas as informações e documentos por ele solicitados; n) Fornecer aos associados e seus dependentes, as respectivas carteiras. CAPÍTULO XI DO CONSELHO FISCAL Artigo 55º - O Conselho Fiscal será constituído de 3 (três) sócios como titulares e 2 (dois) como suplentes. Artigo 56º - Compete ao Conselho Fiscal:

14 a) Examinar o balanço contábil e o relatório das atividades da Diretoria Executiva, quando solicitado, emitindo parecer sobre a matéria; b) Acompanhar e fiscalizar as atividades do liquidante em caso de liquidação da associação; c) Convocar a Assembléia Geral Extraordinária, quando achar conveniente; d) Escolher dentre seus membros o Presidente. CAPÍTULO XII DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 57º - A associação poderá ser dissolvida por deliberação da Assembléia Geral, especialmente convocada para esse fim, pelo voto de pelo menos 2/3 (dois terços) dos sócios presentes com direito a voto. único Uma vez deliberado à dissolução da associação, a Diretoria Executiva deverá providenciar o pagamento de todos os valores passivos e recebimento de todos os ativos, sendo que o saldo patrimonial terá o destino que a Assembléia Geral deliberar. Artigo 58º - Os sócios não responderão pelas obrigações contraídas pela associação. Artigo 59º - Não serão remunerados a qualquer título os cargos da Diretoria Executiva do Conselho Deliberativo do Conselho Fiscal. Artigo 60º - A Diretoria Executiva, juntamente com o Conselho Deliberativo, elaborará o Regimento Interno da associação, que, juntamente com o presente Estatuto, servirá como norma para administração da associação. único O Regimento Interno deverá ser amplamente divulgado entre os sócios, além de ser afixado permanentemente em local de fácil acesso e visual. Artigo 61º - O presente Estatuto somente poderá ser reformado por deliberação da maioria da Assembléia Geral, especialmente convocada para esse fim.

15 São Fidélis (RJ), 28 de Julho de Otoniel Coelho Larrúbia Secretário do Conselho Deliberativo Fábio Silva Abreu Presidente do Conselho Deliberativo

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Fins Artigo 1 - A Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura Municipal de Campinas é uma sociedade civil, com sede e foro na Cidade de Campinas, na rua General

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS. Desde 1964

ESTATUTOS SOCIAIS. Desde 1964 ESTATUTOS SOCIAIS Desde 1964 Transcrição dos Estatutos Sociais do Bento Gonçalves Country Club : CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins sociais e duração Art. 1º Com a denominação de Bento Gonçalves Country

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a associação civil denominada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS DO BOSQUE DOS ESQUILOS - GLEBA B ESTATUTO SOCIAL. Da Denominação, Sede, Prazo e Patrimônio

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS DO BOSQUE DOS ESQUILOS - GLEBA B ESTATUTO SOCIAL. Da Denominação, Sede, Prazo e Patrimônio ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS DO BOSQUE DOS ESQUILOS - GLEBA B ESTATUTO SOCIAL Da Denominação, Sede, Prazo e Patrimônio ARTIGO 1º - Sob denominação ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO;

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO; Estatuto da ADEPO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 - A Associação se constituirá, como sociedade civil, sob a designação de ASSOCIAÇÃO DOS EX - ALUNOS PÓS - GRADUADOS EM ORTODONTIA DA U.F.R.J.; Art. 2 - A Associação,

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O INSTITUTO DELTA DE DESENVOLVIMENTO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO PIAUÍ,

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo C.N.P.J. 43.640.168/0001-74 ESTATUTO SOCIAL DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL,

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO GRÊMIO 08 DE ABRIL, fundada no dia 16 de fevereiro de 1990, com o CNPJ nº

Leia mais

PAULA RAMOS ESPORTE CLUBE ESTATUTO SOCIAL. Com as alterações aprovadas pela ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA em 22/05/2006.

PAULA RAMOS ESPORTE CLUBE ESTATUTO SOCIAL. Com as alterações aprovadas pela ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA em 22/05/2006. PAULA RAMOS ESPORTE CLUBE ESTATUTO SOCIAL Com as alterações aprovadas pela ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA em 22/05/2006. 2 ÍNDICE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVO E DURAÇÃO...3 CAPITULO II

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais

ESTATUTOS CENA COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA

ESTATUTOS CENA COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA ESTATUTOS CENA COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA CAPÍTULO I NOME, SEDE E FORO. ARTIGO l.º - Com o nome de CENA - COMUNIDADE EVANGÉLICA NOVA AURORA, é constituída esta entidade eclesiástica, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DOS AUDITORES-FISCAIS TRIBUTÁRIOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINDAF/SP

ESTATUTO DO SINDICATO DOS AUDITORES-FISCAIS TRIBUTÁRIOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINDAF/SP ESTATUTO DO SINDICATO DOS AUDITORES-FISCAIS TRIBUTÁRIOS DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINDAF/SP ----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET

ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET Aos trinta dias do mês de maio de mil novecentos e oitenta e nove, na sala de convenções do Hotel Panamericano, sito à

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1 A ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA, denominada neste Estatuto de

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÂO I A

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Entidade

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Entidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco Coordenação de Sistemas de Informação Diretório Acadêmico de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Avenida Professor Luiz

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ASCAMPUS ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO CAMPUS DA USP EM PIRACICABA

ASCAMPUS ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO CAMPUS DA USP EM PIRACICABA ASCAMPUS ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO CAMPUS DA USP EM PIRACICABA ESTATUTO Capítulo I Da Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º - A Associação dos Servidores do Campus da USP em Piracicaba,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS FACJÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DA FACCCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I, DENOMINAÇÃO, SEDE,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO.

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO. - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO JUNDIAIENSE LUIZ BRAILLE DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE DA VISÃO. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE Artigo 1 o O Instituto Jundiaiense

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E FINALIDADES ARTIGO

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição Art. 1º - O Conselho Regional de Economia da 1ª Região tem sede e foro na cidade do Rio de Janeiro e

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas

Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas Estatuto do Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas (IQUANTA) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADES Art. 1º - O Instituto de Estudos em Computação e Informação Quânticas,

Leia mais

ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO

ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E DOS SEUS OBJETIVOS: Art. 1º. A AGEPOLJUS Associação Nacional dos Agentes de Segurança

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO (OSCIP) DO MOVIMENTO DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL DO ABC Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Movimento de Alfabetização Regional

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÂO BRITÂNICA DE BENEFICÊNCIA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Objetivo, Sede, Foro e Duração Artigo 1º - Sob a denominação Fundação Britânica de Beneficência, foi constituída a Fundação projetada

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES ESTATUTO SOCIAL Art. 1º - O CENTRO DOS PROFESSORES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO, com a sigla CPERS/SINDICATO é uma

Leia mais

Estatuto ABRACIRCO Associação Brasileira de Circo. Estatuto Associação Brasileira de Circo ABRACIRCO Fundada em 13 de abril de 1977

Estatuto ABRACIRCO Associação Brasileira de Circo. Estatuto Associação Brasileira de Circo ABRACIRCO Fundada em 13 de abril de 1977 Estatuto ABRACIRCO Associação Brasileira de Circo Estatuto Associação Brasileira de Circo ABRACIRCO Fundada em 13 de abril de 1977 Capítulo I Da denominação, alterações, sede e fins. Art. 1º - A Associação

Leia mais

Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil

Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO, JURISDIÇÃO E FINS Art. 1º. A Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil (IPRB), fundada no dia 8

Leia mais

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO

MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO MARISOL S.A. CNPJ Nº 84.429.752/0001-62 EMPRESA DE CAPITAL ABERTO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO, PRAZO DE DURAÇÃO Artigo 1º: A MARISOL S.A. é uma Sociedade Anônima de capital aberto,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES/FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CAPÍTULO I DOS FINS, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º A Associação dos Funcionários

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL A A F C E P

ESTATUTO SOCIAL A A F C E P A A F C E P A s s o c i a ç ã o d o s A u d i t o r e s F i s c a i s d e C o n t r o l e E x t e r n o d o T r i b u n a l d e C o n t a s d o E s t a d o d o P i a u í ESTATUTO SOCIAL Teresina, fevereiro

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE A Associação de Coloproctologia do Estado de São Paulo ACESP, neste estatuto

Leia mais

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Integração também designado IACI. Aos 18 dias do mês de

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Artigo I - Denominação A entidade será conhecida pelo nome de Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º - A Associação dos Moradores e Proprietários do Loteamento VILLAGIO I, com o nome de fantasia ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Associação de Solidariedade Inter - Lions ESTATUTOS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE I Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA O presente Regimento interno complementará e regulamentará o Estatuto da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), nas atribuições e competências da sua Diretoria executiva e coordenadores de departamentos,

Leia mais

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art.

ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. ESTATUTO DO ECOA - ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - O ESPAÇO COMUNITÁRIO DE APRENDIZAGEM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL,

Leia mais

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003)

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) ESTATUTOS DA TINIGUENA (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) Bissau, 30 de Agosto de 2003 Capítulo I (Denominação, Natureza, Sede, Âmbito e Objecto)

Leia mais

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A "ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITO DE SEGURO -

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL

COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS CBA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O COMITÊ BRASILEIRO DE ACROBACIA E COMPETIÇÕES AÉREAS também designado pela sigla,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) CAPÍTULO I Título, Finalidade e Sede Art. 1º - A Associação Médica do Planalto, Ameplan, fundada em 21 de setembro de 1994, é uma sociedade civil de

Leia mais

QUARTA REFORMA DO ESTATUTO DO SINDICATO DOS DESPACHANTES DE VEÍCULOS DO ESTADO DO CEARÁ-SINDEVECE CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJETIVOS

QUARTA REFORMA DO ESTATUTO DO SINDICATO DOS DESPACHANTES DE VEÍCULOS DO ESTADO DO CEARÁ-SINDEVECE CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJETIVOS QUARTA REFORMA DO ESTATUTO DO SINDICATO DOS DESPACHANTES DE VEÍCULOS DO ESTADO DO CEARÁ-SINDEVECE CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJETIVOS Art.1º - O Sindicato dos Despachantes Documentalistas do Ceará

Leia mais