Co-Financiado por: EQUAL. Regulamento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Co-Financiado por: EQUAL. Regulamento"

Transcrição

1 Co-Financiado por: EQUAL Regulamento IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 07/05/2009

2 ÍNDICE 1- DESCRIÇÃO... 3 Localização do projecto por região:... 4 Localização do projecto por distrito: OBJECTIVOS CRITÉRIOS DE ADESÃO ESTRUTURA DE GESTÃO DO SELO Grupo Gestor do Selo Conselho de Vistoria CUSTO TOTAL DO SELO ALIMENTO SEGURO QUEM PODE CANDIDATAR-SE AO SELO DE QUALIDADE ALIMENTAR? COMO CANDIDATAR-SE? DIREITOS E DEVERES DAS PARTES Deveres da entidade gestora do processo Dever das empresas aderentes MANUTENÇÃO/ RENOVAÇÃO DO SELO Auditoria de Manutenção do selo Requisitos para a Renovação do Selo Alimento Seguro : QUEM CONCEDE O SELO ALIMENTO SEGURO? HÁ PRAZOS PARA A CANDIDATURA? COMO É O SELO? HÁ RESTRIÇÕES À SUA UTILIZAÇÃO? DIVULGAÇÃO DO SELO ALIMENTO SEGURO ANEXOS FICHA DE INSCRIÇÃO MODELO I e II Lista de Verificação Critérios legais obrigatórios ao funcionamento Certificado Selo Alimento Seguro Termo de Responsabilidade IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 1- DESCRIÇÃO 2

3 SELO ALIMENTO SEGURO PARA AS EMPRESAS QUE CUMPRAM OS REQUISITOS MÍNIMOS RELATIVAMENTE À HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR 1- DESCRIÇÃO A aplicação dos normativos e imposições para a garantia da higiene e segurança alimentar, constitui uma lacuna importante no seio das pequenas e médias empresas, e, nas micro empresas do ramo alimentar. Sendo o sector alimentar um sector predominante no tecido económico português, o certo é que não existe uma efectiva consciencialização da sua necessária implementação, o que enfraquece a qualidade, competitividade e adaptabilidade das empresas em relação ao mercado em que opera. A importância económica e a omnipresença dos alimentos na nossa vida implicam que a segurança dos alimentos deve ser um dos principais interesses da sociedade em geral e, em particular, das autoridades públicas e dos produtores. A qualidade não é um mero exercício de sobrevivência ou um factor de estratégia ou competitividade, face à concorrência originada pelo excesso de oferta, mas tem que ser uma verdadeira filosofia de gestão moderna. O problema da implementação da segurança e higiene alimentar deve ser encarado com frontalidade e capacidade de resposta através de iniciativas que devem partir das próprias empresas. O consumidor é hoje muito mais exigente e conhecedor do que no passado, e alcançou, devido às inúmeras crises a que esteve sujeito, um enorme prestígio e protecção na sociedade. A parceria de desenvolvimento do Projecto IQA Inovar para a Qualidade Alimentar, para a fase 2 foi constituída pelas seguintes organizações; ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, EPRALIMA Escola Profissional do Alto Minho, ESTG - Instituto Politécnico de Viana do Castelo e União de Sindicatos de Viana do Castelo, instituições que tem como área de intervenção o tecido empresarial do Minho. Actualmente a parceria foi alargada com a aprovação de um novo financiamento da Iniciativa Comunitária EQUAL para disseminação, sendo agora constituída pelas seguintes organizações: - EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima, Cooperativa de Interesse Público e Responsabilidade Limitada; IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 1- DESCRIÇÃO 3

4 - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca; - Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - AEP - Associação Empresarial de Portugal - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - PREVIFORM - Laboratório, Formação, Higiene e Segurança do Trabalho, Lda. Com este alargamento a outras organizações também aumentou a área de intervenção da implementação do projecto, pelo que os objectivos de intervenção territorial para o ano de 2008 e 2009 são os assinalados nas tabelas seguintes: Localização do projecto por região: Norte Centro Lisboa e Vale do Tejo Algarve Açores Madeira Alentejo Localização do projecto por distrito: Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu Ilha da Madeira Ilha de Santa Maria Ilha de Porto Santo Ilha de São Miguel Ilha Terceira Ilha da Graciosa Ilha de São Jorge Ilha do Pico Ilha do Faial Ilha das Flores Ilha do Corvo O selo Alimento Seguro é uma iniciativa que pretende evidenciar as empresas da área alimentar que apresentam boas práticas de Higiene e Segurança Alimentar. Esta iniciativa, selo Alimento Seguro, pretende qualificar o sector alimentar e a consolidação dos requisitos de segurança necessários para a excelência na prestação de serviços alimentares. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar Localização do projecto por região: 4

5 2- OBJECTIVOS O Selo de Qualidade é uma forma de incentivar, através de uma distinção pública, a iniciativa das empresas, neste caso do sector alimentar, a implementarem um conjunto de normas e assim garantirem os requisitos obrigatórios da Higiene e Segurança Alimentar (Regulamento (CE) Nº 178/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho de 28 de Janeiro de 2002, Regulamento (CE) Nº 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho de 29 de Abril de 2004, Regulamento (CE) Nº 853/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho de 29 de Abril de 2004, Decreto-Lei n.º113/2006 de 12 de Junho de 2006, Regulamento (CE) Nº 1441/2007 da Comissão de 5 de Dezembro de 2007, Decreto-Lei n.º147/2006 de 31 de Julho de 2006, Decreto-Lei n.º 207/2008 de 23 de Outubro de 2008, Decreto Regulamentar n.º 20/2008 de 27 de Novembro de 2008). O objectivo vai atingir o consumidor/cliente, uma vez que o selo Alimento Seguro vai contribuir para uma postura mais informativa e mais activa. Ao mesmo tempo, o selo serve como uma ferramenta fundamental para a área alimentar, pois esta é também uma forma de promover uma empresa. É um modo de publicitar aquelas empresas que se preocupam com o bem-estar dos seus clientes. O selo Alimento Seguro para empresas da área Alimentar tem como principais objectivos: a) Tornar os consumidores mais informados e mais exigentes, procurando assim as empresas que lhes dão mais garantias de HSA; b) Distinguir as empresas quanto a qualidade e segurança dos seus produtos e serviços; c) Melhorar o desempenho da organização; métodos, processos e pessoas, com foco na satisfação dos seus clientes. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 2- OBJECTIVOS 5

6 3- CRITÉRIOS DE ADESÃO O acesso ao selo Alimento Seguro passa pelo cumprimento de uma série de requisitos expressos nas etapas a seguir apresentadas: 1.º Inscrição Consiste no preenchimento de uma Ficha de Inscrição (ver modelo anexo A); Esta ficha de inscrição deve fazer-se acompanhar de cópia de documentação que comprove a existência dos seguintes requisitos: Critérios legais obrigatórios ao funcionamento (Anexo B) - Licença de Utilização, licenciamento industrial ou para estabelecimentos de restauração e bebidas, alvarás sanitários ou alvarás de licença ou autorização de utilização conforme o estabelecido no ponto 2 do art.º 24 do Decreto-lei 234/2007 de 19 de Junho; - Declaração de não dívida perante a Segurança Social; - Declaração de não divida perante as Finanças: - Livro de Reclamações (Aplicável segundo o DL-156/2005 de 15 de Setembro, revogado pelo Decreto-Lei n.º 371/2007 de 6 de Novembro; - Mapa de Quadro de Pessoal devidamente actualizado; - Dísticos obrigatórios para cada sector de actividade; - Tabelas de Preços devidamente actualizadas e com IVA; - Medicina, Higiene e Segurança no Trabalho; - Formação na área de higiene e segurança alimentar e HACCP, por parte dos trabalhadores, de acordo com a legislação em vigor; - Horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais (Aplicável para estabelecimentos comerciais); - Afixação do horário dos trabalhadores; - Cadastro Industrial (Segundo Decreto-Lei n.º 174/2006 de 25 de Agosto) ou cadastro comercial (Aplicável à Secção G do CAE). Toda a documentação deverá ser entregue na sede de uma das associações que representa e parceira do projecto IQA, são elas: - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca. O processo de inscrição, na fase de desenvolvimento do Projecto IQA, será gratuito, prevendose que venha a existir uma taxa de inscrição após o término do projecto. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 3- CRITÉRIOS DE ADESÃO 6

7 2.º Análise preliminar da Candidatura No momento da formalização da candidatura e após verificação documental, a associação, com a qual a parceria de desenvolvimento do projecto IQA tenha desenvolvido um processo de disseminação do produto, dará inicio ao processo. 3.º Auditoria ao estabelecimento em Higiene e Segurança Alimentar - Hotelaria, Restauração e Bebidas; - Indústria Alimentar. Será agendada com o interessado uma Auditoria ao estabelecimento. Verificação efectuada através da lista de verificação por auditor. (ver lista de verificação selo Alimento Seguro em: - para a Hotelaria, Restauração e Bebidas - Lista de verificação 1 (; - para indústria alimentar Lista de verificação 2. 4.º Elaboração de relatório de Auditoria e valoração do estabelecimento face ao cumprimento dos requisitos O auditor que efectuou a Auditoria deverá elaborar no prazo máximo de 15 dias úteis um relatório sobre as condições de Higiene e Segurança Alimentar encontradas no estabelecimento e atribuirá segundo os critérios estabelecidos na lista de verificação uma pontuação de 0 a 100, consoante o maior ou menor cumprimento dos parâmetros. Todos os estabelecimentos partem com 100 pontos e são atribuídos deméritos por cada item não conforme. A. Hotelaria, Restauração e Bebidas. A existência de itens não conforme corresponde a um decréscimo de 1 ponto, consoante os itens em análise e por cada item a vermelho, assinalado na lista de verificação, corresponderá um decréscimo três pontos. (ver Lista de Verificação 1 - Aplicável a Hotelaria Restauração e Bebidas selo Alimento Seguro em: IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 3- CRITÉRIOS DE ADESÃO 7

8 B. Indústria Alimentar, Indústria de Transformados de Carnes e Distribuição e Venda de Carnes e seus produtos. A Lista de Verificação utilizada para este de estabelecimentos é constituída por uma lista geral e uma específica. Lista Geral Conjunto de itens comuns avaliados aos vários tipos de empresas (Indústria Alimentar, Matadouros, Indústria de Transformados de Carne, Distribuição e Venda de Carnes e seus produtos). Lista Específica Conjunto de itens avaliados, específicos para cada sector. Anexo 1 - Indústria Alimentar; (ver em: Anexo 2 Matadouros; Anexo 3 - Indústria de Transformados de Carne; Anexo 4 - Distribuição e Venda de Carnes e seus produtos (ver anexos 1,2,3 e 4 em: A existência de itens não conforme corresponde a um decréscimo de 1 ponto ou proporcionais, consoante os itens em análise. Por cada item não cumprido nas sessões K, L, M da Lista Geral, e do Ponto III no Anexo 1, Ponto IV do Anexo 3 e Ponto V do Anexo 4 da lista específica, aplicar-se-á um decréscimo três vezes superior aos restantes itens avaliados. Obtenção de selo Alimento Seguro Uma empresa que consiga obter uma classificação de 70 pontos estará apta para sofrer Vistoria de obtenção de selo Alimento Seguro. Assim sendo, as empresas que consigam reunir os 70 pontos passam automaticamente para o ponto 8, as que não conseguirem obter esta pontuação deverão continuar com o processo passando para o passo seguinte (ponto 5). 5.º Plano de formação IQA em processo de coaching ou plano de consultadoria 6.º Auditoria para verificação das melhorias implementadas (ver lista de verificação selo Alimento Seguro ) Será agendada com o interessado uma Auditoria ao estabelecimento. Verificação efectuada através da lista de verificação por auditor. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 3- CRITÉRIOS DE ADESÃO 8

9 (ver lista de verificação selo Alimento Seguro ) - para a Hotelaria, Restauração e Bebidas - Lista de verificação 1; - para indústria alimentar Lista de verificação 2. 7.º Elaboração de relatório de Auditoria O auditor que efectuou a Auditoria deverá elaborar no prazo máximo de 15 dias úteis um relatório sobre as condições de Higiene e Segurança Alimentar encontradas no estabelecimento e atribuirá segundo os critérios estabelecidos na lista de verificação uma pontuação de 0 a 100, consoante o maior ou menor cumprimento dos parâmetros. Uma empresa que consiga obter uma classificação de 70 pontos estará apta para sofrer vistoria de obtenção de selo Alimento Seguro. Assim sendo, as empresas que consigam reunir os 70 pontos passa automaticamente para o ponto 8, as que não conseguirem obter esta pontuação deverão continuar com o processo passando para o ponto 5. 8.º Vistoria para obtenção do selo Alimento Seguro O estabelecimento será visitado por auditores em visitas pré-agendadas com as empresas, na qual será utilizada a lista de verificação selo Alimento Seguro conforme descrito no ponto 3.º. 9.º Logo após a visita e com base nos critérios verificados nas vistorias a equipe vistoria emitirá um parecer concedendo ou não o selo. AUDITORES: ver ponto 4 (Estrutura de Gestão do Selo) 10.º Divulgação A Parceria de Desenvolvimento do Projecto IQA Inovar Para a Qualidade Alimentar irá divulgar todas as empresas seladas. A empresa selada compromete-se a aplicar a marca do selo de qualidade na publicitação dos seus produtos, na fachada da sua empresa, bem como no interior, em locais visíveis para o cliente. Toda a publicidade utilizada deverá seguir o estipulado no dossier específico (Normas Gráficas), disponível no site IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 3- CRITÉRIOS DE ADESÃO 9

10 4- ESTRUTURA DE GESTÃO DO SELO 4.1. Grupo Gestor do Selo EPRALIMA Escola Profissional do Alto Lima, C.I.P.R.L. ESTG Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPVC Associação que apresentou a candidatura, e que poderá ser: - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca Conselho de Vistoria EPRALIMA Coordenação administrativa; ESTG-IPVC; Acompanhada de a associação que apresentou a candidatura, e que poderá ser: - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca. Câmara Municipal de residência da empresa (caso se verifique a adesão ao selo Alimento Seguro por parte do Câmara Municipal. 5- CUSTO TOTAL DO SELO ALIMENTO SEGURO Programa de preparação e consultoria Valor por participante Inscrição e análise preliminar da Candidatura GRATUITO NA FASE DE Auditoria ao estabelecimento em Higiene e Segurança Alimentar e elaboração de relatório de auditoria Plano de formação IQA em processo de coaching ou plano de consultadoria * Vistoria para a obtenção do selo Alimento Seguro IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO GRATUITO NA FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO GRATUITO NA FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO AUDITORIA GRATUITO NA FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO FINAL GRATUITO NA FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO GESTÃO DO SELO GRATUITO NA FASE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJECTO * Custos serão negociados directamente com o Grupo Gestor, uma vez que deverão existir diversos níveis de implementação. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 4- ESTRUTURA DE GESTÃO DO SELO 10

11 6- QUEM PODE CANDIDATAR-SE AO SELO DE QUALIDADE ALIMENTAR? Poderão candidatar-se ao selo Alimento Seguro, todos os estabelecimentos da área alimentar, que cumpram todos os Critérios de Adesão anteriormente mencionadas no seu ponto 1.º Inscrição e 2.º Análise preliminar da Candidatura, nomeadamente: - Indústria Alimentar; - Restauração e bebidas; - Pastelarias; - Padarias; - Talhos; - Mercarias e Supermercados; - Todo o comércio a retalho e por grosso de produtos alimentares; - Hotelaria com restauração. 7- COMO CANDIDATAR-SE? A participação é voluntária, não se trata de acção de fiscalização. O Selo é um instrumento de reconhecimento da qualidade do serviço e/ou produto oferecido, além da vantagem competitiva no mercado. O pedido do Selo Alimento Seguro é feito para o Serviço de Apoio do Grupo Gestor enviando processo para uma das seguintes organizações parceiras do projecto: - EPRALIMA Escola Profissional do Alto Lima, C.I.P.R.L.; - ESTG IPVC Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo; - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca; - PREVIFORM Laboratório, Formação, Higiene e Segurança do Trabalho, Lda. Podem aderir a esta iniciativa os interessados que cumpram todos os Critérios de Adesão anteriormente mencionadas no seu ponto 1.º Inscrição e 2.º Análise preliminar da IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 6- QUEM PODE CANDIDATAR-SE AO SELO DE QUALIDADE ALIMENTAR? 11

12 Candidatura, para o efeito devem preencher a ficha de pré-inscrição (ANEXO I), e remete-la juntamente com cópia de documentação que comprove a existência dos seguintes requisitos: Critérios legais obrigatórios ao funcionamento - Licença de Utilização, licenciamento industrial ou para estabelecimentos de restauração e bebidas, alvarás sanitários ou alvarás de licença ou autorização de utilização conforme o estabelecido no ponto 2 do art.º 24 do Decreto-lei 234/2007 de 19 de Junho; - Declaração de não dívida perante a Segurança Social; - Declaração de não divida perante as Finanças; - Livro de Reclamações; - Mapa de Quadro de Pessoal devidamente actualizado; - Dísticos obrigatórios para cada sector de actividade; - Tabelas de Preços devidamente actualizadas e com IVA; - Medicina, Higiene e Segurança no Trabalho; - Horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais; - Afixação do horário dos trabalhadores; - Cadastro Industrial (Segundo Decreto-Lei n.º 174/2006 de 25 de Agosto) ou cadastro comercial (Aplicável à Secção G do CAE). 8- DIREITOS E DEVERES DAS PARTES 8.1. Deveres da entidade gestora do processo Elaboração de folhetos informativos para o consumidor; Publicitação da iniciativa; Publicitação de todas as empresas que obtiveram o selo Alimento Seguro ; Divulgação de todas as iniciativas que envolvam directa ou indirectamente o selo Alimento Seguro ; Verificar se os deveres das empresas seladas são cumpridos Dever das empresas aderentes Disponibilização em conjunto com outras iniciativas juntos dos consumidores finais (e mesmo na imprensa), nomeadamente ao nível da sua percepção do cumprimento de regras de HSA na empresa, sugestões, e actividades lúdico-informativas sobre HSA; Manter actualizados todos os requisitos descritos nos critérios legais obrigatórios ao funcionamento; IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 8- DIREITOS E DEVERES DAS PARTES 12

13 Cumprir com todos os requisitos relativos à Higiene e Segurança Alimentar no estabelecimento; Compromisso da melhoria contínua; Utilizar a publicidade e imagem do selo Alimento Seguro segundo as regras estipuladas no dossier específico (Normas Gráficas); Aceitação de um termo de responsabilidade (ver Termo de Responsabilidade, (Anexo D) do presente regulamento). 9. MANUTENÇÃO/ RENOVAÇÃO DO SELO O selo Alimento Seguro tem um prazo de validade de 12 meses, assim sendo, o Grupo Gestor do selo Alimento Seguro, poderá, eventualmente, visitar o estabelecimento, caso haja uma denúncia ou reclamação sem qualquer tipo de aviso prévio. Não se verificando qualquer denúncia, a empresa selada deverá candidatar-se à renovação ou manutenção do selo dentro do seu período de validade (12 meses). Cada ciclo de renovação do selo Alimento Seguro compreende um período de 3 anos. Sendo que, após concessão, no primeiro e no segundo ano a empresa deverá solicitar Auditoria de manutenção e no terceiro ano Vistoria de Renovação Auditoria de Manutenção do selo O estabelecimento selado deverá requerer Auditoria de manutenção do selo Alimento Seguro até 12 meses após a sua concessão (nos dois anos seguintes) ou renovação. Esta verificação é feita por um auditor nomeado pelo Grupo Gestor do selo Alimento Seguro, pertencente a um dos parceiros e consistirá na aplicação da lista de verificação para averiguação da conformidade com todos os critérios aí definidos. Caso o membro selado obtenha os requisitos mínimos pretendidos ser-lhe-á renovado automaticamente o selo Alimento Seguro. Para que tal aconteça, é necessário que o membro selado mantenha o cumprimento dos requisitos evidenciados nas auditorias anteriores e que demonstre promover a melhoria contínua. Isto significa que o membro selado deverá demonstrar um esforço no cumprimento das oportunidades de melhoria mencionadas em relatórios anteriores. A solicitação deverá ser endereçada à Sede de uma das organizações parceiras do projecto: - EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima, Cooperativa de Interesse Público e Responsabilidade Limitada; - ESTG IPVC - Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo; IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 13

14 - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca; - PREVIFORM - Laboratório, Formação, Higiene e Segurança do Trabalho, Lda. Para além destes requisitos o membro selado deverá ainda: - Preencher o formulário específico fornecimento; - Estar em dia com a Tesouraria; - Demonstrar ter frequentado acções de formação em Higiene e Segurança Alimentar e actualização no último ano com respectivos comprovativos; - Sujeitar-se à auditoria de manutenção do selo Alimento Seguro e que o processo seja analisado positivamente pelo Auditor nomeado pelo Grupo Gestor do Selo Alimento Seguro ; - Não ter cometido nenhuma irregularidade face aos critérios estabelecidos pelo selo; - Não apresentar queixas relativamente à questão da Higiene e Segurança Alimentar; Terá a duração de 01 (um) ano Requisitos para a Renovação do Selo Alimento Seguro : O estabelecimento selado deverá requerer Vistoria de renovação do selo Alimento Seguro até 12 meses após o último ano da manutenção. Esta vistoria é feita pelo CONSELHO DE VISTORIA, constituído por: EPRALIMA Coordenação administrativa; ESTG-IPVC; Acompanhada de a associação que apresentou a candidatura, e que poderá ser: - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca; Câmara Municipal de residência da empresa (caso se verifique a adesão ao selo Alimento Seguro por parte do Câmara Municipal); e consistirá na aplicação da lista de verificação para averiguação da conformidade com todos os critérios aí definidos. Caso o membro selado obtenha os requisitos mínimos pretendidos ser-lhe- IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 9. MANUTENÇÃO/ RENOVAÇÃO DO SELO 14

15 á renovado automaticamente o selo. Para que tal aconteça, é necessário que o membro selado mantenha o cumprimento dos requisitos evidenciados nas auditorias anteriores e que evidencie também a melhoria contínua. Isto significa que o membro selado deverá demonstrar um esforço no cumprimento das oportunidades de melhoria mencionadas em relatórios anteriores. O pedido deverá ser endereçado à Sede de uma das organizações parceiras do projecto: - EPRALIMA - Escola Profissional do Alto Lima, Cooperativa de Interesse Público e Responsabilidade Limitada; - ESTG IPVC - Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo; - APHORT - Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo; - AEP - Associação Empresarial de Portugal; - AIMINHO - Associação Industrial do Minho; - ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca; - PREVIFORM - Laboratório, Formação, Higiene e Segurança do Trabalho, Lda. Para além destes requisitos o membro selado deverá ainda: - Preencher o formulário específico fornecimento; - Estar em dia com a Tesouraria; - Demonstrar ter frequentado acções de formação em Higiene e Segurança Alimentar e actualização no último ano com respectivos comprovativos; - Sujeitar-se à vistoria de renovação do selo Alimento Seguro e que o processo seja analisado positivamente pelo CONSELHO DE VISTORIA; - Não ter cometido nenhuma irregularidade face aos critérios estabelecidos; - Não apresentar queixas relativamente à questão da Higiene e Segurança Alimentar; Terá a duração de 03 (três) anos. 10- QUEM CONCEDE O SELO ALIMENTO SEGURO? HÁ PRAZOS PARA A CANDIDATURA? O CONSELHO DE VISTORIA avalia as candidaturas para o selo Alimento Seguro. O selo Alimento Seguro é concedido pela EPRALIMA em conjunto com a ESTG-IPVC e a Associação que representa o membro candidato. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 10- QUEM CONCEDE O SELO ALIMENTO SEGURO? HÁ PRAZOS PARA A CANDIDATURA? 15

16 A emissão do selo será da responsabilidade da EPRALIMA Escola Profissional do Alto Lima, C.I.P.R.L. 11- COMO É O SELO? HÁ RESTRIÇÕES À SUA UTILIZAÇÃO? O selo Alimento Seguro será fornecido ao membro selado com o formato de um certificado (ANEXO C) em formato de papel e através de uma placa que deverá ser colocada na fachada exterior do edifício do estabelecimento. O selo terá um logótipo próprio e deverá ser considerado de uso individual e intransferível. O seu uso inadequado levará o associado à perda do direito de uso por 02 (dois) anos. A utilização, para efeitos publicitários, do selo deverá seguir os critérios apresentados abaixo. (Ver NORMAS Gráficas Manual de reprodução e aplicação do símbolo selo Alimento Seguro em: IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 11- COMO É O SELO? HÁ RESTRIÇÕES À SUA UTILIZAÇÃO? 16

17 Este selo Alimento Seguro está registado como marca NACIONAL - SINAL MISTO / FIGURATIVO a cores, pelo que somente poderá ser utilizado nas cores apresentadas no pantone 313C. 12- DIVULGAÇÃO DO SELO ALIMENTO SEGURO - SITES DAS ENTIDADES E INSTITUIÇÕES; - CARTAZES; - DESDOBRÁVEIS; - MOPPIES; - OUT DOOR; - IMPRENSA: Rádios e Jornais. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 12- DIVULGAÇÃO DO SELO ALIMENTO SEGURO 17

18 ANEXOS IQA Inovar para a Qualidade Alimentar ANEXOS 18

19 ANEXO A FICHA DE INSCRIÇÃO MODELO I e II IQA Inovar para a Qualidade Alimentar FICHA DE INSCRIÇÃO MODELO I e II 19

20 Denominação Social Insígnia [SELO ALIMENTO SEGURO ] VERSÃO 6.0 FICHA DE INSCRIÇÃO MODELO I CAE Designação N.º de Contribuinte Forma Jurídica Inscrito na conservatória de N.º Matricula Actividade Principal da Empresa Ano em que iniciou a actividade Nome(s) do(s) Responsável Morada da sede Concelho da sede Telefone da sede: Fax: Web site Numero de Trabalhadores da sede Sim Não A empresa tem mais do que 1 estabelecimento? Se sim, quantos pretendem inscrever? * * Neste caso preencher modelo 2 para cada um dos estabelecimentos. Horário de Funcionamento do Estabelecimento/sede Abertura: das : às : horas Descanso para almoço das : às : horas Encerramento: das : às : horas Descanso Semanal: das : às : horas Declaro conhecer e aceitar os critérios para concessão de Selo Alimento Seguro Nome legível: Assinatura: IQA Inovar para a Qualidade Alimentar FICHA DE INSCRIÇÃO MODELO I e II 20

21 FICHA DE INSCRIÇÃO - MODELO 2 Insígnia CAE Designação Actividade Principal do estabelecimento Ano em que iniciou a actividade Nome(s) do(s) Responsável Morada do estabelecimento Concelho do estabelecimento Telefone do estabelecimento: Fax: Web site Número do estabelecimento: Horário de Funcionamento do Estabelecimento Abertura: das : às : horas Descanso para almoço das : às : horas Encerramento: das : às : horas Descanso Semanal: das : às : horas Nota: este modelo só deve ser utilizado quando a empresa tem mais do que um estabelecimento. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar FICHA DE INSCRIÇÃO MODELO I e II 21

22 ANEXO B Lista de Verificação Critérios legais obrigatórios ao funcionamento (Análise preliminar da Candidatura) IQA Inovar para a Qualidade Alimentar Lista de Verificação Critérios legais obrigatórios ao funcionamento 22

23 ANEXO B DOCUMENTOS QUE O ESTABELECIMENTO POSSUI Licença de Utilização, licenciamento industrial ou para estabelecimentos de restauração e bebidas, alvarás sanitários ou alvarás de licença ou autorização de utilização conforme o estabelecido ponto 2 do art.º 24 do Decreto-lei 234/2007 de 19 de Junho (CÓPIA) Declaração de não divida perante a Segurança Social (ORIGINAL) Declaração de não divida perante as Finanças (ORIGINAL) Livro de Reclamações (Aplicável segundo o DL-156/2005 de 15 de Setembro, revogado pelo Decreto-Lei n.º 371/2007 de 6 de Novembro; (CÓPIA) Dísticos obrigatórios para cada sector de actividade (CÓPIA) Tabelas de Preços devidamente actualizadas e com IVA (CÓPIA) Medicina, Higiene e Segurança no Trabalho Fichas de Aptidão (CÓPIA) Medicina, Higiene e Segurança no Trabalho Fichas de Aptidão (CÓPIA) Formação na área de Higiene e Segurança Alimentar e HACCP, por parte dos trabalhadores, de acordo com a legislação em vigor (CÓPIA) Horário de funcionamento do estabelecimento (Aplicável para estabelecimentos comerciais); (CÓPIA) Horário de Trabalho dos Trabalhadores (CÓPIA) Mapa de Quadro de Pessoal (CÓPIA) Cadastro Industrial (Segundo Decreto-Lei n.º 174/2006 de 25 de Agosto) ou cadastro comercial (Aplicável à Secção G do CAE) (CÓPIA) SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL SIM NÃO NÃO APLICÁVEL Declaro conhecer, aceitar e cumprir os Critérios de Adesão assim como fornecer todos os comprovativos para obter o Selo Alimento Seguro. Nome Legível:,, de 200 Assinatura: IQA Inovar para a Qualidade Alimentar Lista de Verificação Critérios legais obrigatórios ao funcionamento 23

24 ANEXO C Certificado Selo Alimento Seguro IQA Inovar para a Qualidade Alimentar Certificado Selo Alimento Seguro 24

25 ANEXO C Certificado Selo Alimento Seguro IQA Inovar para a Qualidade Alimentar Certificado Selo Alimento Seguro 25

26 ANEXO D Termo de Responsabilidade Selo Alimento Seguro IQA Inovar para a Qualidade Alimentar Termo de Responsabilidade 26

27 TERMO DE RESPONSABILIDADE Selo Alimento Seguro A menção Alimento Seguro é atribuída no momento da Vistoria e de acordo com as condições existentes no estabelecimento. Assim, o Grupo Gestor do selo Alimento Seguro não é responsável civil ou criminal, a título principal ou subsidiariamente, se existir alguma desconformidade ou anomalia, expressamente, que se responsabiliza por tudo quanto respeita à aquisição, higiene, segurança, manuseamento, acondicionamento, transformação ou condições de venda dos produtos, por ser do seu conhecimento que o Grupo Gestor do selo é estranho a tal factualidade. Assinatura(s) Data:., de.,... de 200 (Assinatura de quem tenha poderes para obrigar a entidade, autenticada por carimbo; ou selo branco se se tratar de entidade pública) Organização:... Assinatura(as).. IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 27

28 IQA Inovar para a Qualidade Alimentar 28

PREÂMBULO. Enquadramento e Objectivos

PREÂMBULO. Enquadramento e Objectivos Regulamento PREÂMBULO Enquadramento e Objectivos A importância económica e a omnipresença dos alimentos na nossa vida implicam que a segurança dos alimentos deva ser um dos principais interesses da sociedade

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS

Coleção Cadernos Práticos - 2. Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Coleção Cadernos Práticos - 2 Licenciamento Zero COMÉRCIO, SERVIÇOS, ARMAZENAGEM, RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho.

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho. REGULAMENTO O Prémio Manuel Lopes foi instituído 1 pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade no sentido de homenagear Manuel Lopes considerando a sua dedicação à implementação da contratação colectiva

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO INOVEMPREENDE PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PRÉMIO INOVEMPREENDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO PRÉMIO INOVEMPREENDE PREÂMBULO A Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) no âmbito do projeto INOVEMPREENDE, uma iniciativa QREN com o apoio da União

Leia mais

AVISO (20/GAOA/2015)

AVISO (20/GAOA/2015) AVISO (20/GAOA/2015) Humberto Fernando Leão Pacheco de Brito, Presidente da Câmara Municipal de Paços de Ferreira, submete a consulta pública, para recolha de sugestões, por um período de 30 dias, a contar

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

Critérios de Atribuição

Critérios de Atribuição PRÉMIO MUNICIPAL JOVENS EMPRESÁRIOS DO CONCELHO DE MOURA Critérios de Atribuição Preâmbulo Os Jovens Empresários têm um papel muito importante no Concelho de Moura, pois são o futuro deste Concelho e desempenham

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

Capítulo 1- Agências de Viagem

Capítulo 1- Agências de Viagem Capítulo 1- Agências de Viagem 1.1- Quadro Sinótico Relativamente ao D.L. n.º 199/2012, de 24 de agosto, transcrito de seguida, os seus artigos n.º s 2, 3, 4, 5 e 6 foram omitidos neste trabalho. Neles

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2008/2009 PROJECTO ECOXXI

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2008/2009 PROJECTO ECOXXI RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2008/2009 PROJECTO ECOXXI 1. O ECOXXI 2008/2009 1.1. O PROJECTO: objectivos e indicadores Os principais objectivos do Projecto são: Sensibilizar os municípios para uma maior integração

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Divisão Jurídica e Administrativa (DIJA) DELIBERAÇÃO DA REUNIÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE 19 DE ABRIL DE 2016 Serviço responsável pela execução da deliberação Divisão de Desenvolvimento Social Epígrafe 9.2.

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO

PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO PÓS-GRADUAÇÃO CONSULTORIA E AUDITORIA ALIMENTAR AUDITOR LÍDER ISO 22000:2005 Lead Auditor Training course ENTIDADES PARCEIRAS SGS PORTUGAL SOCIEDADE GERAL DE SUPERINTENDÊNCIA, S.A. O Grupo SGS Société

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA:

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA: CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 14/06 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CERTIFICAÇÃO/CONTROLO DE PRODUTOS. Segurança Alimentar

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CERTIFICAÇÃO/CONTROLO DE PRODUTOS. Segurança Alimentar Este Formulário é parte integrante do Dossier de Candidatura e é de preenchimento obrigatório. Destina-se a fornecer informações à Controlvet,, sobre a organização que solicita a certificação/controlo

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016

Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Regime Jurídico da Exploração de Estabelecimentos de Alojamento Local (RJAL) Évora, março 2016 Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de agosto, alterado pelo Decreto-Lei n.º 63/2015, de 23 abril OBJETIVOS Alojamento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág.

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. ÍNDICE PREÂMBULO Pág. 02 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03 CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04 CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. 10 CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Pág. 12 ANEXOS FICHAS DE CANDIDATURA

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Entidades intervenientes

Entidades intervenientes Entidades intervenientes As candidaturas deverão ser apresentadas, preferencialmente, no Município de Vizela, ou nas entidades abaixo indicadas. Câmara Municipal de Vizela Rua Dr. Alfredo Pinto, 42 4815-391

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora)

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) ACÇÃO 4.2.2 REDES TEMÁTICAS DE INFORMAÇÃO E DIVULGAÇÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) União Europeia FEADER PRODER 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO BiG Alocação Fundo Autónomo: BiG Alocação Dinâmica Todos os Investimentos têm risco Entidade gestora: Real Vida Seguros, S.A. Avenida de França, 316 2º, Edifício Capitólio 4050-276 Porto Portugal Advertências

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 13 Incentivo à promoção da Eficiência Energética II 2015 ÍNDICE ÂMBITO GERAL... 3 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DO MUNICÍPIO DE VILA VELHA DE RÓDÃO Índice PREÂMBULO...3

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre: PRIMEIRA: MOVIJOVEM MOBILIDADE JUVENIL, COOPERATIVA DE INTERESSE PÚBLICO DE RESPONSABILIDADE LIMITADA, titular do Cartão de Identificação de Pessoa Colectiva número 502530863,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 66 3 de Abril de 2009 2121

Diário da República, 1.ª série N.º 66 3 de Abril de 2009 2121 Diário da República, 1.ª série N.º 66 3 de Abril de 2009 2121 Portaria n.º 346/2009 O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas

Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Entidades intervenientes As candidaturas podem ser apresentadas em qualquer das entidades abaixo indicadas Município de Serpa Praça da República 7830-389 Serpa Telefone: 284 540 100 Fax: 284 540 109 Endereço

Leia mais

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam aumentar a acessibilidade a serviços básicos, que constituem um elemento essencial na equiparação dos níveis de

Leia mais

ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE

ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DA TDP TELEDIFUSORA DE PORTUGAL, S.A. CELEBRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 1992 Entre: PT COMUNICAÇÕES, S.A., sociedade anónima, com sede na Rua Andrade

Leia mais

Comunicação de Instalação, Modificação ou Encerramento de Estabelecimento (Declaração Prévia) Qualidade do Requerente

Comunicação de Instalação, Modificação ou Encerramento de Estabelecimento (Declaração Prévia) Qualidade do Requerente Ex.mo(a) Senhor(a) Presidente da Câmara Municipal de Odivelas (A preencher pelos serviços) Processo n.º / / Comunicação de Instalação, Modificação ou Encerramento de Estabelecimento (Declaração Prévia)

Leia mais

Formulário para a apresentação de candidaturas. à gestão do Eixo 3 do PRODERAM. Estratégias Locais de Desenvolvimento

Formulário para a apresentação de candidaturas. à gestão do Eixo 3 do PRODERAM. Estratégias Locais de Desenvolvimento Parametrização Formulário para a apresentação de candidaturas à gestão do Eixo 3 do PRODERAM Estratégias Locais de Desenvolvimento Informação Relativa ao Território Declaro que autorizo a utilização dos

Leia mais

INTERFURNITURE 2012. Acção Avignon 12 a 14 de Fevereiro de 2012. Formulário de Inscrição. Nome da empresa: Marca Pessoa de Contacto

INTERFURNITURE 2012. Acção Avignon 12 a 14 de Fevereiro de 2012. Formulário de Inscrição. Nome da empresa: Marca Pessoa de Contacto INTERFURNITURE 2012 Acção Avignon 12 a 14 de Fevereiro de 2012 Formulário de Inscrição DADOS EMPRESA Nome da empresa: Marca Pessoa de Contacto CAE (Ver. 3): NIF: Postos de trabalho: Freguesia: Concelho:

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS SELECÇÃO DE UM PONTO DE RECOLHA NO DISTRITO DE VISEU CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE. SECÇÃO I Disposições Gerais 2

CADERNO DE ENCARGOS SELECÇÃO DE UM PONTO DE RECOLHA NO DISTRITO DE VISEU CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE. SECÇÃO I Disposições Gerais 2 Folha 1/15 CADERNO DE ENCARGOS ÍNDICE SECÇÃO I Disposições Gerais 2 SECÇÃO II Apresentação de propostas 7 SECÇÃO III Selecção e celebração de contrato 12 SECÇÃO IV Disposições Finais 13 Anexos: Anexo I

Leia mais

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa

Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços. Nota Justificativa Projeto de Regulamento Municipal dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos Comerciais e de Prestação de Serviços Nota Justificativa O Regulamento dos Horários de Funcionamento dos Estabelecimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro

Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro Decreto Regulamentar n.º 41/90 de 29 de Novembro O Decreto-Lei n.º 497/88, de 30 de Dezembro, estabelece o regime de férias, faltas e licenças dos funcionários e agentes da Administração Pública, disciplinando,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA Considerando que: 1. A mudança política, social, cultural, económica e tecnológica,

Leia mais

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Fundo de Apoio às Microempresas no Concelho Montemor-o-Novo NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º. (Objectivo) Pretende-se pôr à disposição das microempresas do Concelho

Leia mais

Formulário de Candidatura

Formulário de Candidatura (a preencher pela ADRAL) N.º de Processo: Data de Entrada : (a preencher pela entidade receptora) Entidade Receptora : Local e data : Criação de Empresa: SIM NÃO Prazo de Financiamento Ano de Carência

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

CAE 47730 e 47784 - COMÉRCIO DE MEDICAMENTOS NÃO SUJEITOS A RECEITA MÉDICA FORA DAS FARMÀCIAS

CAE 47730 e 47784 - COMÉRCIO DE MEDICAMENTOS NÃO SUJEITOS A RECEITA MÉDICA FORA DAS FARMÀCIAS O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 47730 e 47784 - COMÉRCIO DE MEDICAMENTOS NÃO

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 118/2013 de 18 de Dezembro de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 118/2013 de 18 de Dezembro de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 118/2013 de 18 de Dezembro de 2013 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 88/2013, de 29 de julho, foi aprovado o Programa de Apoio

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

Normas de Utilização. Preâmbulo

Normas de Utilização. Preâmbulo CARTÃO MUNICIPAL 65+ SOCIAL Normas de Utilização Preâmbulo Considerando que: a) No âmbito da missão e dos objectivos do Município de Ourém importa promover a satisfação das necessidades da comunidade local,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho

Visita a Portugal do importador. Exclusivos Camacho Visita a Portugal do importador Exclusivos Camacho Sector Cerâmica e Faiança Decorativas Espanha 14 a 16 de Janeiro de 2014 Enquadramento : Como consequência da nova situação económica em Espanha, os últimos

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PROGRAMA DE APOIO ÀS PESSOAS COLECTIVAS

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016)

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) O presente acordo define os termos de manifestação de interesse das empresas na

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas)

Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas) 1 Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas) Esta proposta de participação é válida para um elemento por empresa,

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas Nos termos do Regulamento do Sistema de Apoio a Infra-estruturas Científicas e Tecnológicas (SAICT)

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde

FIC - Feira Internacional de Cabo Verde. Cabo Verde FIC - Feira Internacional de Cabo Verde Cabo Verde 19 a 22 de Novembro de 2009 Enquadramento A aicep Portugal Global, no âmbito do Quadro de Referência Estratégica Nacional, propõe-se dinamizar a presença

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL

PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO III PREVENÇÃO, GESTAO E MONITORIZAÇÃO DE RISCOS NATURAIS E TECNOLÓGICOS DOMÍNIO - RECUPERAÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL CÓDIGO DO AVISO: POVT-34-2010-39

Leia mais