Lei nº, Janeiro e dá outras providências. A Assembléia Legislativa decreta. Título I DISPOSIÇÕES GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei nº, Janeiro e dá outras providências. A Assembléia Legislativa decreta. Título I DISPOSIÇÕES GERAIS"

Transcrição

1 Lei nº, Dispõe sobre a organização judiciária do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências. A Assembléia Legislativa decreta Título I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a organização judiciária da primeira instância da Justiça do Estado do Rio de Janeiro. CF, art. 125, 1º, 2ª parte. CODJERJ, art. 1º Art. 2º São órgãos jurisdicionais do Poder Judiciário: I - o Tribunal de Justiça; II - os Juízos de Direito; III - os Tribunais do Júri; IV - os Conselhos da Justiça Militar; e V - os Juizados Especiais e suas Turmas Recursais. CE, art. 151 CODJERJ, art. 2º 1º. O Tribunal de Justiça, mediante Resolução, sempre que necessário para a adequada prestação jurisdicional e sem aumento de despesa, poderá alterar a competência, a estrutura e a denominação dos órgãos judiciários, bem como determinar a redistribuição dos feitos em curso nas Comarcas, Juízos e Juizados,

2 CF, arts. 99 e 84, VI, a. CODJERJ, art. 68, parágrafo único. 2º. O Presidente do Tribunal de Justiça divulgará, em ato específico, no órgão oficial de publicação e no sítio da Internet, as alterações dos órgãos julgadores de primeiro grau e respectivas competências, sem prejuízo da vigência do respectivo ato de alteração. Inovação em face do precedente 1º. Art. 3º. O Tribunal de Justiça, com sede na Capital e jurisdição em todo o território do Estado, compõe-se dos Desembargadores, ocupantes de cargos criados por Lei com as competências previstas no Regimento Interno. CE, art. 160; CF, art. 96, I, a Parágrafo único. O Tribunal de Justiça poderá funcionar descentralizadamente, constituindo Câmaras regionais a fim de assegurar o pleno acesso do jurisdicionado à Justiça em todas as fases do processo. CF, art. 125, 6º. Art. 4º. Os Juízes e Tribunais de primeira instância têm jurisdição nas áreas territoriais definidas por este Código ou por ato normativo editado pelo Tribunal de Justiça. CODJERJ, art. 4º. 1º. Sempre que necessário à eficiente prestação jurisdicional, o Juiz far-se-á presente no local do litígio. CF, art. 126, parágrafo único. 2º. O Tribunal de Justiça manterá a Justiça itinerante com a realização de audiências e demais funções da atividade jurisdicional. CF, art. 125, 7º. 3º. Poderá ser criada vara especializada com competência exclusiva para questões agrárias. Página 2 de 20

3 CF, art CE, art Art. 5º. Os cargos de Desembargador, de Juiz de Direito e de Juiz Substituto serão providos por ato do Presidente do Tribunal de Justiça ou do Governador do Estado, na forma e nos casos estabelecidos pelas Constituições da República e do Estado. Art. 6º. A carreira da magistratura, em primeira instância, é composta por Juízes Substitutos e Juízes de Direito. 1º Os Juízes de Direito serão titulares dos Juízos e Juizados e excepcionalmente exercerão as funções de substituição ou auxílio no Tribunal de Justiça, Juízos de Direito e Juizados Especiais. 2º Ato do Tribunal de Justiça disporá sobre o quantitativo de Juízes de Direito com lotação nos Juízos de Direito e nos Juizados, de acordo com os volumes de distribuição e de acervo, bem como a distribuição das atividades entre eles e, eventualmente, de Juízes de Direito com função de auxílio ou substituição. 3º Os Juízes Substitutos exercerão funções de auxílio e excepcionalmente de substituição dos Juízes de Direito. Título II DA DIVISÃO JUDICIÁRIA Capítulo I - Da divisão territorial Art. 7º. O território do Estado, para efeito da administração da Justiça, divide-se em Regiões Judiciárias, Comarcas, Distritos, Subdistritos, Circunscrições e Zonas Judiciárias. 1º. Cada Comarca compreenderá um Município, ou mais de um, desde que contíguos e desde que haja facilidade para locomoção do jurisdicionado. Página 3 de 20

4 2º. As Regiões Judiciárias serão integradas por grupos de Comarcas ou Varas, conforme deliberação do Tribunal de Justiça. CODJERJ, art. 5º. 3º. Os novos Municípios poderão integrar, por ato do Tribunal de Justiça, as Comarcas dos Municípios de que foram desmembrados. CODJERJ, art º. O Presidente do Tribunal de Justiça poderá transferir provisoriamente a sede de Comarca, Juízo de Direito ou Juizado Especial, em caso de necessidade ou relevante interesse público. CODJERJ, art. 9º. Art. 8º. A instalação da Comarca terá caráter solene e será feita pelo Presidente do Tribunal de Justiça em dia por este designado, podendo indicar representante para a instalação. CODJERJ, art. 6º. Capítulo II - Da criação de Varas e Foros Regionais Art. 9º. Na criação de Varas e Foros Regionais serão considerados, entre outros critérios, a população e o movimento forense. LOMAN, art. 97, CODJERJ, CF, art. 125, 1º. Art. 10. A criação de novas Varas e Fóruns Regionais será feita: a) por desdobramento, em outras de igual competência, de acordo com a avaliação feita pelo Tribunal de Justiça; b) por especialização, quando a justificarem o número de feitos da mesma natureza ou Página 4 de 20

5 especialidade, a necessidade de maior celeridade de determinados procedimentos, ou o interesse social; e c) por descentralização, quando o exigir expressiva concentração populacional em núcleo urbano situado em região ou distrito afastado do centro da sede da comarca, cuja distância em relação ao foro local torne onerosa ou dificulte a locomoção dos jurisdicionados. CODJERJ, art. 16. Título III DOS ÓRGÃOS JUDICIÁRIOS DE SEGUNDA INSTÂNCIA Capítulo I - Do Tribunal de Justiça Art. 11. O Tribunal de Justiça tem a composição, a estrutura e a competência de seus órgãos judiciais e administrativos descritas no seu Regimento Interno. CF, art. 96, I, a. Dos órgãos diretivos Art. 12 O Presidente do Tribunal de Justiça é o Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, com as atribuições previstas no Regimento Interno e na legislação federal. Art. 13. O Tribunal de Justiça terá os Vice-presidentes indicados, com as respectivas atribuições, no Regimento Interno. Da Corregedoria Geral da Justiça Art. 14. A Corregedoria Geral da Justiça, órgão de planejamento, supervisão, coordenação, Página 5 de 20

6 orientação e fiscalização das atividades administrativas e funcionais da Primeira Instância do Poder Judiciário, é exercida pelo Desembargador Corregedor-Geral da Justiça, conforme a competência que lhe for atribuída pelo Regimento Interno. Consolidação Normativa, art. 1º. Título IV DOS TRIBUNAIS E JUÍZES DE PRIMEIRA INSTÂNCIA Capítulo I - Da composição da Justiça de primeira instância Art. 15 São órgãos de primeira instância: I - Tribunais do Júri II - Juízos de Direito; III - Conselho de Justiça Militar; CF, art. 125, 3º CODJERJ, art. 39. IV Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; V Juizados Especiais e suas Turmas Recursais. Art. 16. Integram o Sistema de Juizados Especiais os Juizados Especiais Cíveis, os Juizados Especiais Criminais, os Juizados previstos em ato do Tribunal de Justiça e respectivas Turmas Recursais. Nova redação e CODJERJ, art. 39. Parágrafo único. Haverá Juizado Especial Adjunto na Comarca ou Foro Regional em que não houver Juizado Especial Cível ou Criminal. Página 6 de 20

7 Capítulo II - Dos Tribunais do Júri Art. 17. Os Tribunais do Júri têm competência para o julgamento dos crimes dolosos contra a vida, assegurada a plenitude de defesa, o sigilo das votações e a soberania dos seus vereditos, com a organização que lhe der a lei processual penal. CF, art.5º, inciso XXXVIII Capítulo III - Dos Juízes de Direito Seção I - Disposições gerais Art. 18. Aos Juízes de Direito incumbe: I - processar e julgar os feitos de sua competência, inclusive cumprimento de precatórias e cartas de ordem; II inspecionar os serviços que lhes são vinculados, prevenindo e emendando erros e abusos, zelando pela eficiência dos serviços e o cumprimento das determinações da Administração Judiciária Superior; III - apurar as faltas e aplicar as penas disciplinares da sua competência aos servidores que lhes sejam subordinados solicitando, quando for o caso, a intervenção da Corregedoria Geral da Justiça; IV - proceder às correições, nos termos das instruções expedidas pela Corregedoria Geral da Justiça; V - decidir as reclamações contra atos praticados por serventuários, servidores e auxiliares que lhe são vinculados; VI - nomear ad hoc serventuário e outros auxiliares da Justiça, nos casos de impedimento ou falta dos titulares e seus substitutos legais; e VII - designar ad referendum do Corregedor-Geral da Justiça responsável por serventia que vier Página 7 de 20

8 a se vagar e não contar com substituto designado, até a expedição de ato próprio pela autoridade competente. 1º. Aos Juízes de Direito das Comarcas de um só Juízo compete, ainda, em geral: a) exercer as atribuições de Diretor do Foro; b) designar serventuário que deva servir como secretário do Juízo nas suas atividades administrativas; c) informar sobre os candidatos à nomeação de Juiz de Paz e seus suplentes, e dar posse aos nomeados; d) designar Juiz de Paz ad hoc nos casos de falta, ausência ou impedimento do titular e de seus suplentes. 2º. Ao Juiz de Direito no exercício da direção do Foro incumbe: I - supervisionar os serviços de administração e a ordem interna do edifício ou nas dependências do foro local, sem prejuízo da competência dos demais Juízes; II - exercer permanentemente fiscalização de todos os serviços comuns a diversos Juízos e os do foro extrajudicial da Comarca; e III - exercer as demais atividades administrativas que lhes forem atribuídas em atos da Administração Judiciária Superior. Seção II - Dos Juízes de Direito do Cível Art Os Juízes de Direito das Varas Cíveis têm competência genérica e plena na matéria de sua denominação, inclusive no que se refere às causas de reduzido valor econômico ou de menor complexidade, ressalvada a privativa de outros juízes, competindo-lhes, ainda, cumprir precatórias pertinentes à jurisdição cível e julgamento das ações coletivas em geral, excetuadas as de competência fazendária. Parágrafo único - Os Juízes de Direito dos Juizados Especiais Cíveis e dos Juizados Especiais Adjuntos Cíveis têm a competência funcional prevista na legislação federal. Página 8 de 20

9 CODJERJ, art. 84. Art. 20. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de família: I - processar e julgar: a) as causas de nulidade e anulação de casamento, separação, divórcio e as demais relativas ao estado civil, bem como outras ações fundadas em direitos e deveres dos cônjuges e companheiros, inclusive com relação aos filhos; b) as ações de investigação de paternidade, cumuladas ou não, com as de petição de herança; c) as causas de interdições e as de tutela ou emancipação de menores; d) as ações de alimentos fundadas em relação de direito de família, inclusive quando o requerente for idoso, e as de posse e guarda de filhos menores, quer entre pais, quer entre estes e terceiros, assim como as de suspensão e perda do poder, ressalvadas as causas da infância, da juventude e do idoso; e) as ações referentes aos integrantes das entidades familiares; CF, art º f) os pedidos de adoção de maior de dezoito anos; e g) outras causas decorrentes de conflitos entre integrantes das entidades familiares. (Inovação) II - suprir o consentimento do cônjuge e, em qualquer caso, o dos pais, ou tutores, para o casamento dos filhos ou tutelados sob sua jurisdição; III - praticar todos os atos de jurisdição voluntária necessários à proteção da pessoa dos incapazes e à administração de seus bens, ressalvada a competência dos Juízes da Infância, da Juventude e do Idoso e de Órfãos e Sucessões; IV - conceder aos pais, ou representantes de incapazes, autorização para a prática de atos dela dependentes; Página 9 de 20

10 Art. 21. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de interesse da Fazenda Pública: I - Processar e julgar: a) as causas de interesse do Estado e do Município, ou de suas autarquias, empresas públicas, e fundações; b) os mandados de segurança, habeas data, mandados de injunção e ações civis públicas que envolvam qualquer dos entes designados na alínea anterior, bem como as que versem sobre improbidade administrativa e as ações populares contra ato de autoridade estadual ou municipal, representante de entidade autárquica estadual ou municipal e de pessoa natural ou jurídica com funções delegadas do Poder Público Estadual ou Municipal; c) execuções fiscais e as demais ações que lhes sejam correlatas; d) ações que versem sobre matéria tributária relativa à dívida ativa; e e) as causas em que for parte instituição de previdência social geral e cujo objeto for benefício de natureza pecuniária, bem como as gratificações previdenciárias e assistenciais, quando o segurado ou beneficiário tiver domicílio na Comarca e esta não for sede de Vara Federal. Parágrafo único. Resolução do Tribunal de Justiça disporá sobre o Juízo Cível, que processará e julgará em cada Comarca os executivos fiscais e os respectivos embargos e ação autônoma de impugnação. Art. 22. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de órfãos e sucessões: I - processar e julgar: a) os inventários, arrolamentos e as causas decorrentes; b) as causas de nulidade, anulação e execução de testamentos e legados; c) as causas relativas à sucessão causa mortis, salvo as de petição de herança, quando cumuladas com investigação de paternidade; d) as causas que envolvam bens vagos ou de ausentes e a herança jacente, salvo as ações Página 10 de 20

11 diretas contra a Fazenda Pública; e) as ações de prestações de contas de tutores, testamenteiros, inventariantes e demais administradores sujeitos à sua jurisdição; f) as ações declaratórias de ausência; e II - abrir os testamentos cerrados e codicilos e decidir sobre a aprovação dos testamentos particulares, ordenando, ou não, o registro, inscrição e cumprimento deles e dos testamentos públicos; Art. 23. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de acidentes do trabalho, exercer as atribuições constantes da legislação especial sobre acidentes do trabalho, cabendo-lhes o processo e julgamento de todos os feitos relativos à espécie. Art. 24. Compete aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de registro público, salvo o de registro civil das pessoas naturais: I - processar e julgar os feitos contenciosos e administrativos, principais, acessórios e seus incidentes relativos aos registros públicos; II processar e decidir as dúvidas levantadas por notários e oficiais de registro público, ressalvado, em qualquer hipótese, o cumprimento de ordem proferida por outro juiz; III processar e decidir as consultas formuladas para casos concretos por notários e oficiais do registro público, vedada a formulação de consulta com caráter genérico ou normativo; IV - processar e decidir as dúvidas e consultas de matéria administrativa que versem sobre o valor dos emolumentos e adicionais incidentes sobre os mesmos, ouvido previamente o departamento técnico da Corregedoria Geral da Justiça, ficando os efeitos da decisão sujeitos ao referendo do Corregedor-Geral da Justiça; V - processar e decidir os mandados de segurança impetrados contra ato de registradores e tabeliães; VI - processar e decidir os pedidos de cancelamento de procuração; Página 11 de 20

12 VII prover quanto à autenticação, inclusive por meios mecânicos, os livros dos tabeliães e oficiais de registro público que ficarão sob sua imediata inspeção; e VIII determinar averbações, cancelamentos, retificações, anotações e demais atos de jurisdição voluntária, relativos a registros públicos; 1º. Excluem-se da competência definida neste artigo as causas em que houver interesse da Fazenda Pública, bem como os processos administrativos que tenham origem nas correições. 2º. As decisões proferidas no âmbito dos incisos II e III deste artigo, salvo as oriundas do artigo 38, 1º, da Lei Estadual n.º 3.350/99, estão sujeitas a duplo grau de jurisdição, não produzindo efeito senão depois de confirmadas pelo Conselho da Magistratura, que apreciará, também, os recursos interpostos pelos interessados. Art. 25. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de registro civil de pessoas naturais: I - exercer todas as atribuições relativas ao registro civil, inclusive a celebração dos casamentos; II - conhecer da oposição de impedimentos matrimoniais e demais controvérsias relativas à habilitação para casamento; III - processar e julgar as justificações, retificações, anotações, averbações, cancelamentos e restabelecimentos dos respectivos assentos; IV - inspecionar, mensalmente, os serviços a cargo dos oficiais sob sua jurisdição, rubricandolhes os livros e verificando se os mesmos são regularmente escriturados e devidamente guardados, comunicando por ofício reservado ao Corregedor, nas vinte e quatro horas seguintes, os resultados da inspeção e solicitando as providências cabíveis; e V - aplicar penalidades aos oficiais referidos no item anterior, provocando a intervenção do Corregedor ou do Ministério Público, quando for o caso. Página 12 de 20

13 Art. 26. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria empresarial: I - processar e julgar: a) as falências, as concordatas e as recuperações judiciais; b) as execuções por quantia certa contra devedor insolvente, inclusive o julgamento do pedido de declaração de insolvência; c) as causas relativas à Direito Societário, especialmente: 1) em que houver atividade fiscalizadora obrigatória da Comissão de Valores Mobiliários; 2) em que envolvam dissolução de sociedades comerciais, conflitos entre sócios cotistas ou de acionistas de sociedades comerciais, ou conflitos entre sócios e as sociedades de que participem; 3) liquidação de firma individual; e 4) que envolvam conflitos entre titulares de valores mobiliários e a companhia que os emitiu, ou conflitos sobre responsabilidade pessoal de acionista controlador ou dos administradores de sociedade comercial, ou ainda conflitos entre diretores, membros de conselhos ou de órgãos da administração e a sociedade e) as causas relativas à propriedade industrial e nome comercial; f) as causas em que a Bolsa de Valores for parte ou interessada; Art. 27. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria da Infância, da Juventude e do Idoso: I - processar, julgar e praticar todos os atos concernentes a crianças, adolescentes e idosos, nas situações previstas nas respectivas legislações federais; II - conceder suprimento de idade para o casamento; III - fiscalizar e orientar instituições, programas, organizações governamentais e nãogovernamentais e quaisquer outras entidades de atendimento à criança, ao adolescente e ao idoso, a fim de assegurar o funcionamento eficiente em prol dos interessados e coibir irregularidades; e Página 13 de 20

14 IV conhecer de pedidos de registro civil de nascimento tardio das pessoas sob sua jurisdição, e regularizar seus registros no curso de outro procedimento de sua competência; Parágrafo único. Os colaboradores voluntários da Infância, da Juventude e do Idoso, a que se refere o inciso III, desde artigo, serão designados nos termos de resolução do Tribunal de Justiça, sem ônus para os cofres públicos. Seção III - Dos Juízes de Direito do crime Art. 28. Os Juízes de Direito das Varas Criminais têm competência genérica e plena na matéria de sua denominação, ressalvada a competência especializada. I Compete-lhes, também: a) processar e julgar: 1) as ações penais, inclusive as de natureza falimentar, bem como a execução, e respectivos incidentes, inclusive a reabilitação das decisões e sentenças nelas proferidas, ressalvadas a competência da Vara de Execuções Penais; 2) os habeas corpus, habeas data, e mandados de segurança, na matéria de sua competência; b) passar o condenado ou o réu sujeito à medida de segurança, após o trânsito em julgado da respectiva sentença, à disposição da Vara de Execução Penais, quando a esta couber a execução; c) adotar o mesmo procedimento quando, no curso da execução, venha a ser revogada a suspensão condicional ou ocorrer a conversão em privativa de liberdade, da pena de outra natureza inicialmente imposta ao condenado; e d) compor e instalar o Conselho da Comunidade, salvo se na comarca houver mais de um juiz Criminal, caso em que a atribuição competirá, na Capital, ao Juiz da Vara de Execução e, nas demais comarcas, ao Juiz da 1ª Vara; II - Praticar, em geral, os atos de jurisdição criminal regulados em lei e não atribuídos Página 14 de 20

15 expressamente à jurisdição diversa. 1º. Os Juízes de Direito dos Juizados Especiais Criminais têm a competência prevista no Capítulo III, Seção I, da Lei Federal nº 9.099/ º. Compete ao Juizado Especial Criminal de Bangu a realização dos atos de ciência de sentenças e o cumprimento exclusivo das cartas precatórias atinentes a toda a matéria criminal relativa aos presos que se encontram custodiados no Complexo Penitenciário de Gericinó, excetuada a competência privativa do Júri. 3º. Os Juízes de Direito dos Juizados da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e Especiais Criminais têm a competência prevista nas respectivas leis federais. Art. 29. Aos Juízes de Direito das Varas de Execuções Penais compete: I - Processar e julgar: a) execução das penas privativas de liberdade e das medidas de segurança detentivas que importem no recolhimento dos réus ou pacientes em estabelecimento penal do Estado, ainda que não transitada em julgada a condenação; b) execução das medidas de segurança não detentivas quando impostas pelos Juízos das Varas Criminais da Comarca da Capital; c) decisões sobre a execução das penas restritivas de direito, multas, prisão simples e as de reclusão ou detenção em que for concedido o sursis, observada a competência dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; d) habeas corpus, habeas data e mandados de segurança e de injunção contra atos das autoridades administrativas incumbidas da execução das penas de reclusão e detenção e medidas de segurança detentivas, ressalvada a competência dos tribunais superiores. II - III - Cumprir as precatórias e cartas de ordem atinentes à matéria de sua competência. Proceder: Página 15 de 20

16 a) à inspeção dos estabelecimentos penais destinados à execução das penas de reclusão, detenção, e das medidas de segurança, das Casas de Custódia e de qualquer outro estabelecimento penal destinado a presos provisórios, adotando, se for o caso, as providências indicadas nos incisos VII e VIII do art. 66 da Lei de Execução Penal; b) a composição e instalação do Conselho da Comunidade. 1º. Poderá o Juízo da Vara de Execuções Penais, em residindo o condenado ou liberado condicional fora de sua jurisdição territorial, e mediante solicitação do interessado, deprecar a fiscalização do cumprimento da execução da pena privativa de liberdade em regime aberto, e das condições impostas para o livramento condicional, ao Juízo Criminal do local do domicílio do apenado. 2º. Aos Juízos das Varas Criminais compete a execução das suas sentenças penais em que tenham sido impostas penas restritivas de direito, multas, prisão simples, as de reclusão e detenção em que for concedida a suspensão condicional da pena, bem como as medidas de segurança nãodetentivas, observada a competência dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e Especiais Criminais. 3º. No curso da execução a que se refere o parágrafo 2º, a competência para o prosseguimento da execução passará a ser do Juízo da Vara de Execuções Penais quando ocorrer causa superveniente que importe em recolhimento a estabelecimento penal de qualquer natureza ou a hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, ainda que em caráter cautelar; Art. 30. Aos Juízes do Juizado da Violência Domestica e Familiar contra a Mulher compete processar e julgar as causas descritas na lei específica. Art. 31. Ao Juiz de Direito e ao Conselho de Justiça Militar incumbe processar e julgar as causas de sua competência específica. Art. 32. Como órgão de segunda instância da Justiça Militar Estadual funcionará o Tribunal de Justiça ao qual caberá também decidir sobre a perda do posto e da patente dos oficiais. Página 16 de 20

17 Art. 33. Compete à Justiça Militar Estadual processar e julgar os policiais militares e bombeiros militares nos crimes militares definidos em lei. Art. 34. O cargo de Juiz Auditor será exercido por Juiz de Direito. Art. 35. Ao Juiz Auditor, além da competência prevista na legislação aplicável, compete: I - II - presidir os Conselhos de Justiça e redigir todas as sentenças e decisões dos Conselhos; expedir todos os atos necessários ao cumprimento das decisões dos Conselhos ou no exercício de suas próprias funções; III - decidir os habeas corpus, habeas data e mandados de segurança na matéria de sua competência; IV - processar e julgar, singularmente, os crimes militares cometidos contra civis e as ações judiciais contra atos disciplinares militares. Art. 36. Incumbe aos Juízes de Direito, especialmente em matéria de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, processar e julgar as causas descritas na lei específica. Art. 37. Integram o Sistema de Juizados Especiais os Juizados Especiais Cíveis, Juizados Especiais Criminais, Juizados Especiais da Fazenda Pública e respectivas Turmas Recursais, com a competência funcional prevista na legislação federal. Título V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Página 17 de 20

18 Art. 38. Não haverá expediente nos órgãos do Poder Judiciário aos sábados e domingos, no dia 8 de dezembro (Dia da Justiça); nos dias declarados como ponto facultativo nas repartições públicas estaduais; segunda, terça e quarta-feira da semana do carnaval; quinta e sexta-feira da Semana Santa e nos feriados nacionais, estaduais e municipais, estes nos municípios-sede das respectivas comarcas. 1º. Ato do Tribunal de Justiça poderá dispor sobre o calendário forense anual e os dias de suspensão das atividades judiciais, sem prejuízo do atendimento pelo sistema de plantão judiciário. 2º. Os prazos processuais ficarão suspensos e não haverá expediente no período compreendido entre 20 de dezembro e 06 de janeiro. 3º. Os cartórios do Registro Civil das Pessoas Naturais funcionarão diariamente, podendo fazê-lo em regime de meio expediente, das 9 às 12 horas, nos dias referidos neste artigo. 4º. O Presidente do Tribunal de Justiça divulgará escala de plantão de magistrados de primeira e segunda instâncias para os dias e horários em que não houver expediente forense. Art. 39. Por motivo de ordem pública poderá o Presidente do Tribunal de Justiça decretar o fechamento do foro ou de qualquer dependência do serviço judiciário, bem como encerrar o expediente respectivo antes da hora legal. Art. 40. Ficam mantidas as competências e divisão judiciárias até as alterações previstas no art. 20 e seus parágrafos. Art. 41. Continuam em vigor no que não conflitar com a presente Lei ou até que sejam alteradas por normas supervenientes, as disposições do Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro (Resoluções nºs 01, de 21 de março de 1975, e nº 05, de 24 de março de 1977, com as alterações posteriores): Página 18 de 20

19 I O Livro II da Resolução nº 1/75, que trata da Magistratura; II Os Capítulos VI a XVI do Título III do Livro I da Resolução nº 1/75, que tratam sobre a organização e competência dos órgãos de 1ª instância; III - O Livro III, decorrente da Resolução nº 5, de 24 de março de 1977, que trata das serventias registrais e notariais; IV o capítulo XVII do Título III da Resolução nº 1/75, referente aos Juízes de Paz; e V as disposições referentes aos órgãos de segunda instância, administrativos e jurisdicionais, em face do constante no art. 96, I, a, 2ª parte, da Constituição da República. Art. 42. Ficará a cargo do Juízo da Execução Penal da Capital a supervisão do Sistema informatizado de acompanhamento da execução da pena, instituído pela Lei nº , de 14 de setembro de Art. 43. Resolução do Tribunal de Justiça disporá sobre as Varas de Execuções Penais de forma a conferir a jurisdição sobre a execução da pena de acordo com os estabelecimentos penitenciários existentes em cada Região. Art. 44. Na Comarca da Capital, quando vagarem as respectivas titularidades, por ato do Tribunal de Justiça, serão transformadas: I - As Varas Empresariais em Varas Cíveis; II - As Varas de Órfãos e Sucessões em Varas de Família; e III - As Varas de Fazenda em Varas Cíveis. 1º. Em cada caso de transformação, o Corregedor Geral da Justiça disporá de forma a manter proporcional a distribuição para as Varas remanescentes. 2º. Ato do Tribunal de Justiça disporá sobre outras medidas necessárias às transformações acima determinadas. Página 19 de 20

20 Art. 45. A classificação dos cargos de carreira da Magistratura, para os fins do art. 5º, será feita atendidas as disposições quanto à promoção de magistrados. Art. 46. Esta Lei entrará em vigor no prazo de 90 (noventa) dias após a sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Página 20 de 20

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Gabinete da Presidência LEI Nº 6956 DE 13 DE JANEIRO DE 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Gabinete da Presidência LEI Nº 6956 DE 13 DE JANEIRO DE 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI Nº 6956 DE 13 DE JANEIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO E DIVISÃO JUDICIÁRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembleia

Leia mais

LEI Nº 10.845 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 10.845 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 10.845 DE 27 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Organização e Divisão Judiciária do Estado da Bahia, a administração e o funcionamento da Justiça e seus serviços auxiliares. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO-LEI Nº 05, DE 15 DE MARÇO DE 1975. (Redação atual) INSTITUI O CÓDIGO TRIBUTÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

Quanto ao órgão controlador

Quanto ao órgão controlador Prof. Ms. Cristian Wittmann Aborda os instrumentos jurídicos de fiscalização sobre a atuação dos Agentes públicos; Órgãos públicos; Entidades integradas na Administração Pública; Tem como objetivos fundamentais

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ)

VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ) TAXA JUDICIÁRIA: Classes processuais - Justiça Estadual (1º GRAU) Cód. VALOR (R$) ou FORMA de CÁLCULO (Cód. Tributário RJ) JUIZADOS DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE 547 Seção Cível 1385 Cartas 1450 Carta de

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais.

Estabelecer critérios e procedimentos para a autuação de processos judiciais. Proposto por: Equipe da 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS) Aprovado por: Juiz de Direito 5ª Vara de Órfãos e Sucessões da Capital 1 OBJETIVO

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ. CONSIDERANDO as peculiaridades da transição decorrentes da instalação do Estado do Amapá;

ESTADO DO AMAPÁ. CONSIDERANDO as peculiaridades da transição decorrentes da instalação do Estado do Amapá; DECRETO (N) n.º 0069, de 15 de maio de 1991 Publicado no DOE Nº 091, de 16 de maio de 1991 Atualizado até a Lei Complementar nº 0080, de 19/07/2013. DOE Nº 5513, de 19 de julho de 2013 DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Corregedoria Geral da Justiça

Corregedoria Geral da Justiça ,,* Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo Página 1 de 7 r Corregedoria Geral da Justiça Provimento CG. N 33/97 Regulamenta a informatização dos Ofícios de Justiça que passam a utilizar o Sistema de

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CONSTITUIÇÃO ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL A CE-MS segue um padrão semelhante à Constituição Federal, reproduzindo em muitos artigos o que foi estabelecido na CF de 1988. Trataremos apenas de algumas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev ESTATUTO SOCIAL FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev Setembro/2015 ÍNDICE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E

Leia mais

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1

Apostila Exclusiva Direitos Autorais Reservados www.thaisnunes.com.br 1 Direito - Técnico do TRF 4ª Região É possível estudar buscando materiais e aulas para cada uma das matérias do programa do concurso de Técnico do TRF 4ª Região. Basta disciplina e organização. Sugestão

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO

ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO DA PRESIDÊNCIA Nº. 1226/2011 O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto

Leia mais

Efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010)

Efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010) Artigo 586-4º - 3 - o contribuinte detentor do crédito acumulado, por qualquer de seus estabelecimentos, não poderá ter débito pendente de liquidação, inclusive decorrente de auto de infração e imposição

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RESOLUÇÃO Nº 41 DE 06 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Regimento Interno da Escola da Magistratura Regional Federal da Segunda Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA SEGUNDA REGIÃO, no

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO PÚBLICA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO

EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO PÚBLICA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL DO ESTADO EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO PÚBLICA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das

Leia mais

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015

ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL. Aprovação: 18/08/2015 ENERPREV PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL 2015 ESTATUTO SOCIAL Aprovação: 18/08/2015 SUMÁRIO DA ENTIDADE E SEUS FINS Página 2 DOS MEMBROS DA ENERPREV Página 2 DAS CATEGORIAS DE MEMBROS

Leia mais

TÍTULO I - Da Competência e Organização

TÍTULO I - Da Competência e Organização TÍTULO I - Da Competência e Organização CAPÍTULO I - Disposições Preliminares CAPÍTULO II - Das Atribuições CAPÍTULO III - Da Organização CAPÍTULO IV - Dos Órgãos Superiores SEÇÃO I - Do Procurador Geral

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNÇÃO CORRECIONAL

CAPÍTULO I DA FUNÇÃO CORRECIONAL CAP. I - 1 CAPÍTULO I DA FUNÇÃO CORRECIONAL 1. A função correcional consiste na fiscalização das serventias judiciais e extrajudiciais e seus serviços auxiliares, da polícia judiciária e dos presídios,

Leia mais

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996

DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 DECRETO Nº 17.033, DE 11 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a Instituição da Autarquia Estadual, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM, aprova seu Regimento interno e dá outras providências. O

Leia mais

Corregedoria Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Corregedoria Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro Corregedoria Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro Consolidação Normativa Atualizada em 29/10/2015 ÍNDICE LIVRO I - PARTE GERAL... 5 TÍTULO I - DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA... 5 CAPÍTULO I -

Leia mais

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 --------------

CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- CIRCULAR N. 003433 CIRCULAR 3.433 -------------- Dispõe sobre concessão de autorização para funcionamento, transferência de controle societário, cisão, fusão, incorporação, prática de outros atos societários

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS 1. ATIVIDADES AVULSAS OU EXTRAJUDICIAIS 1.1 Consulta R$ 200,00 Consulta em condições excepcionais R$ 500,00 1.2 Hora intelectual R$ 500,00 1.3 Acompanhamento ou exame de documentos em órgão público R$

Leia mais

Inventário e Partilha - Judicial e Extrajudicial

Inventário e Partilha - Judicial e Extrajudicial 185 Inventário e Partilha - Judicial e Extrajudicial Considerações e Análise Comparativa Luiz Claudio Silva Jardim Marinho 1 INTRODUÇÃO O presente estudo objetiva trazer algumas breves considerações sobre

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR EXPEDITO JÚNIOR PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, cria o Conselho

Leia mais

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e RESOLUÇÃO Nº 20/2004 - CPJ Cria a CENTRAL DE ACOMPANHAMENTO DE INQUÉRITOS POLICIAIS E CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL, no âmbito do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.219 INSTRUÇÃO N 296-67.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de Goiás Casa do Advogado Jorge Jungmann

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de Goiás Casa do Advogado Jorge Jungmann 1. AÇÕES DE JURISDIÇÃO CONTENCIOSA PERCENTUAL MÍNIMO VALOR MÍNIMO APROVADO 15/04/2009 Salvo disposição em contrário, em todas as ações contenciosas ou que assumam esse caráter, deverá ser cobrado o percentual

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

Reestrutura as Universidades Estaduais da Bahia e dá outras providências

Reestrutura as Universidades Estaduais da Bahia e dá outras providências LEI 7.176/97 DE 10 DE SETEMBRO DE 1997 Reestrutura as Universidades Estaduais da Bahia e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli)

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) PROJETO DE LEI N, DE 2015 (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP Nº 24, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre a homologação da eleição de membros para os cargos de Administração previstos no estatuto social dos Resseguradores Locais, e dá outras providências.

Leia mais

PARECER. Em suma, as providências postuladas pelo parquet federal referemse aos seguintes fatores:

PARECER. Em suma, as providências postuladas pelo parquet federal referemse aos seguintes fatores: PARECER Proposta de especialização de varas com competência para processar ações relacionadas aos interesses difusos, coletivos e individuais homogêneos, e de outras providências relacionadas ao bom andamento

Leia mais

Emenda nº - CAS Substitutiva (ao PLS 607, de 2007)

Emenda nº - CAS Substitutiva (ao PLS 607, de 2007) Emenda nº - CAS Substitutiva (ao PLS 607, de 2007) Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, autoriza o Poder Executivo a criar o Conselho Federal

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DO ÚNICO OFÍCIO DE BOCA DA MATA EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS O Doutor ANDRÉ GUASTI MOTTA, MM Juiz de Direito Titular da Comarca de Boca da

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CABIXI PODER EXECUTIVO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE CABIXI PODER EXECUTIVO LEI Nº 861/2015 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DA LEI MUNICIPAL Nº 403/2001 QUE TRATA DA POLÍTICA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE CABIXI,

Leia mais

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl...

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei%20complementar/2007/lei%20compl... Page 1 of 6 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.012, DE 05 DE JULHO DE 2007 Altera a Lei Complementar nº 180, de 12 de maio de 1978; a Lei nº 10.261, de 28 de outubro de 1968; a Lei Complementar nº 207, de 5 de janeiro

Leia mais

TABELA "A" - JUDICIAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

TABELA A - JUDICIAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 19/2015 SECRETARA DE CONTAS JUDCAS E DE APOO AOS JUZADOS ESPECAS SUBSECRETARA DE CONTROLE GERAL DE CUSTAS E DE DEPÓSTOS JUDCAS REGMENTO DE CUSTAS / DECRETO-LE Nº 115/67 DEZEMBRO 2015

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 28/12/2009) LEI COMPLEMENTAR Nº 530 Altera dispositivos da Lei Complementar nº 16, de 09.01.1992; da Lei Complementar nº 353, de 06.01.2006; da

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009

ENUNCIADOS DA ASSESSORIA DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS DE 2009 O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o procedimento nº 2009.000.30103, da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Planejamento Institucional, AVISA aos Membros

Leia mais

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E

Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. R E S O L V E Resolução nº 68, de 31 de maio de 1995. O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso de suas atribuições legais. R E S O L V E Aprovar, no âmbito do Poder Judiciário Estadual, as Normas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO (Alterada pelas Resoluções nº 65/2011 e 98/2013) RESOLUÇÃO Nº 20, DE 28 DE MAIO DE 2007. Regulamenta o art. 9º da Lei Complementar nº 75, de 20 de maio de 1993 e

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, tem por finalidade promover e coordenar

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo.

Art. 1º Aprovar o Estatuto da Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, anexo. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea "f" do art. 27 da Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966, e Considerando o disposto na

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL/TRF 3ª REGIÃO

JUSTIÇA FEDERAL/TRF 3ª REGIÃO JUSTIÇA FEDERAL/TRF 3ª REGIÃO Lei nº 9.289/1996 - Art. 14 e Resolução nº 278/2007, alterada pela Resolução nº 411/2010 DO RECOLHIMENTO DAS CUSTAS Custas, despesas processuais e preparo para recursos que

Leia mais

Tomo I OFÍCIOS DE JUSTIÇA... 13 Tomo II CARTÓRIOS EXTRAJUDICIAIS... 165 Normas do Pessoal dos Serviços Extrajudiciais... 282

Tomo I OFÍCIOS DE JUSTIÇA... 13 Tomo II CARTÓRIOS EXTRAJUDICIAIS... 165 Normas do Pessoal dos Serviços Extrajudiciais... 282 SUMÁRIO NORMAS DE SERVIÇO Tomo I OFÍCIOS DE JUSTIÇA................................................. 13 Tomo II CARTÓRIOS EXTRAJUDICIAIS.......................................... 165 Normas do Pessoal

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014.

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. Alterada pela Resolução CRCMG nº 363/2014. Altera o Regulamento Geral das Delegacias Seccionais do CRCMG. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso das suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 16, DE 28 DE JULHO DE 2015. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO AUXÍLIO-SAÚDE AOS SERVIDORES ATIVOS DO PODER JUDICIÁRIO DE ALAGOAS E ADOTA PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O PLENO DO TRIBUNAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004 Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente RESOLUÇÃO N 1832 Divulga regulamento que disciplina a constituição e a administração de carteira de valores mobiliários mantida no país por investidores institucionais constituídos no exterior. O BANCO

Leia mais

LEI MUNICIPAL 563/73

LEI MUNICIPAL 563/73 LEI MUNICIPAL 563/73 Dispõe sobre a organização administrativa da PREFEITURA MUNICIPAL DE TAQUARA e dá outras providências. ALCEU MARTINS, Prefeito Municipal de Taquara: Faço saber que a Câmara Municipal,

Leia mais

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CONFORMAÇÃO CONSTITUCIONAL Constituição Federal (OBS: o Decreto 4.346/02 exige o cumprimento do contraditório na apuração das infrações disciplinares) Art. 92.

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o avanço tecnológico,

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 85.064, DE 26 DE AGOSTO DE 1980. Regulamenta a Lei nº 6.634, de 2 de maio de 1979, que dispõe sobre a Faixa de Fronteira O PRESIDENTE

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA RIO GRANDE DO NORTE ASSEMBLEIA LEGISLATIVA EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 008/2012 Dispõe sobre os militares do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A MESA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO COJE. Código de Organização Judiciária JUIZADOS ESPECIAIS. Lei n. 9.099/95 - Lei n. 6.176/93

PODER JUDICIÁRIO COJE. Código de Organização Judiciária JUIZADOS ESPECIAIS. Lei n. 9.099/95 - Lei n. 6.176/93 PODER JUDICIÁRIO TRIBUN UNAL AL DE JUSTIÇA DE MATO TO GROSSO COJE Código de Organização Judiciária JUIZADOS ESPECIAIS Lei n. 9.099/95 - Lei n. 6.176/93 L O M A N Lei Orgânica da Magistratura Nacional 8.ª

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº. 066 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o Regulamento sobre Movimentação de servidores no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ

REGIMENTO INTERNO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ REGIMENTO INTERNO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ O Superior Tribunal de Justiça, no uso de suas atribuições, resolve aprovar o seguinte Regimento Interno: PARTE I DA COMPOSIÇÃO, ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

Leia mais

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado Regimento Interno do Colegiado do Curso de Graduação em Ciência da Computação da Faculdade Federal de Rio das Ostras do Pólo Universitário de Rio das Ostras Título I Do Colegiado e Seus Fins Art. 1º. O

Leia mais

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência

Aposentadorias por Tempo de Contribuição e por Idade do. Segurado com Deficiência Art. 70-A. A concessão da aposentadoria por tempo de contribuição ou por idade ao segurado que tenha reconhecido, em avaliação médica e funcional realizada por perícia própria do INSS, grau de deficiência

Leia mais

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP.

RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP. RESOLUÇÃO nº. 78/2015/CSDP. Aprova e torna público o Regulamento do V Concurso Público de Provas e Títulos para ingresso na carreira da Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM PROVIMENTO N. 11/2016-CM Institui o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário GMF de que trata a Resolução n. 96, de 27-10-2009 e a Resolução n. 214, de 15-12-2015, ambas do Conselho

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente

Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução 113/Conanda/2006 Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente Resolução 113/Conanda/2006 Centro de Defesa dos Direitos

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais