CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA REGULAMENTO DE RESÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA REGULAMENTO DE RESÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA"

Transcrição

1 CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA REGULAMENTO DE RESÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MEALHADA Mealhada, Abril de 2005

2 ÍNDICE CAPITULO I: Disposições gerais Artigo 1º: Âmbito e Competência Artigo 2º: Entidade Gestora Artigo 3º: Gestão do Sistema Capítulo II: Tipos de Resíduos Sólidos Artigo 4º: Resíduos Sólidos Artigo 5º: Definição Resíduos Sólidos Urbanos Artigo 6º: Resíduos Sólidos Especiais Capitulo III: Sistema de resíduos sólidos Artigo 7º: Meios Que Compõem o Sistema Artigo 8º: Fases do Sistema de Resíduos Sólidos Capitulo IV: Remoção de resíduos sólidos Secção I: Deposição de resíduos sólidos urbanos Artigo 9º: Deposição de Resíduos Artigo 10º: Tipos de Recipientes Artigo 12º: Responsabilidade dos Utentes Artigo 13º: Espaços Reservados a Contentores Privados Secção II: Recolha e transporte dos resíduos sólidos urbanos Artigo 14º: Tipos de Recolha Artigo 15º: Recolha de Resíduos Sólidos Urbanos Secção III: Recolha Selectiva Artigo 16º: Recolha Selectiva Secção IV: Remoção de objectos domésticos fora de uso Artigo 17º: Pedido de Remoção Secção V: Remoção de Resíduos Verdes Urbanos Artigo 18º: Pedido de Remoção Secção VI: Dejectos de animais Artigo 19º: Obrigações dos Proprietários Artigo 20º: Limpeza e Higiene Pública 2

3 Capitulo V: Produtores de resíduos sólidos especiais Secção I: Deposição, Recolha, Transporte, Armazenagem, Valorização ou Recuperação, Tratamento e Eliminação de Resíduos Sólidos Equiparáveis a Domésticos Artigo 21º: Resíduos Sólidos Comerciais Equiparáveis a Domésticos Artigo 22º: Resíduos Sólidos Industriais Equiparáveis a Domésticos Artigo 23º: Resíduos Sólidos Hospitalares não Contaminados Artigo 24º: Deveres dos Produtores Artigo 25º: Elementos Indispensáveis ao Pedido Artigo 26º: Aquisição de Equipamento de Deposição Secção II: Entulhos Artigo 27º: Entulhos Artigo 28º: Despejo de Entulhos Secção III: Veículos Abandonados e Sucata Automóvel Artigo 29º: Aparcamento e Remoção Capitulo VI: Limpeza Urbana Artigo 30º: Higiene e Limpeza de Espaços Públicos Artigo 31º: Limpeza das áreas exteriores de estabelecimentos comerciais Artigo 32º: Utilização de Papeleiras Artigo 33º: Limpeza de Terrenos, Logradouros e Prédios Não Habitados Capitulo VII: Das contra-ordenações Artigo 34º: Violação ao Regulamento Artigo 35º: Processo de Contra-ordenação Artigo 36º: Contra-ordenações Artigo 37º: Outras contra-ordenações Artigo 38º: Determinação da Medida da Coima Artigo 39º: Retribuição Mínima Mensal Garantida Artigo 40º: Cobrança Capitulo X 1 : Disposições finais Artigo 41º: Tarifas Artigo 42º: Competência e Acção Fiscalizadora Artigo 43º: Casos Omissos Artigo 44º: Entrada Vigor do Regulamento 1 Deve ler-se Capítulo VIII 3

4 CAPITULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e Competência 1. O presente regulamento aplica-se a todos os resíduos sólidos, produzidos no concelho de Mealhada. 2. Compete à Câmara Municipal de Mealhada, posteriormente designada CMM, nos termos do Decreto-Lei n.º 239/97, de 9 de Setembro, assegurar a gestão dos resíduos sólidos urbanos produzidos e a limpeza pública na área do Município de Mealhada. O presente Regulamento tem, como legislação habilitante o art. 241º da Constituição da República Portuguesa; o Decreto-Lei n.º 239/97, de 9 de Setembro; o art. 4º, n.º 3 do Decreto-Lei n.º 366-A/97, de 20 de Dezembro; o Decreto-Lei n.º , de 7 de Agosto; os art. os 53º, n.º 2, al. a) e 64º, n.º 2, al. f) e n.º 6, al. a) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro; os art. os 20º e 29º da Lei n.º 42/98, de 6 de Agosto e o art. 26º, n.º 1, alínea c) da Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro. Artigo 2º Entidade Gestora 1. A entidade gestora do sistema público é a CMM, no âmbito das suas atribuições legais respeitantes à gestão dos RSU, à defesa da protecção do meio ambiente e à qualidade de vida da população. 2. Compete à entidade gestora: a) Fazer cumprir o presente regulamento; b) Zelar pela manutenção do sistema em bom estado de funcionamento e conservação; c) Promover a instalação, substituição, limpeza ou renovação do equipamento afecto ao sistema; 4

5 d) Garantir a continuidade do serviço, excepto por razões pontuais de avarias, obras ou causas naturais. Artigo 3º Gestão do Sistema 1. A recolha, transporte e destino final dos resíduos sólidos urbanos produzidos na área do Município é da competência da entidade gestora, nos termos do Decreto- Lei n.º 294/94, de 16 de Novembro. 2. A entidade gestora do sistema, através de contrato celebrado com a empresa ERSUC, Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro, posteriormente designada por entidade concessionária, transferiu a competência para esta, no que se refere ao tratamento e destino final dos RSU, nos termos do Decreto-Lei n.º 166/96, de 5 de Setembro. Capítulo II Tipos de Resíduos Sólidos Artigo 4º Resíduos Sólidos Entende-se genericamente por resíduos sólidos, identificados pela sigla RS, o conjunto de substâncias, materiais ou objectos com consistência predominantemente sólida, dos quais o seu detentor pretenda ou tenha a obrigação legal de se desfazer, nomeadamente os previstos em portaria dos Ministros da Economia, da Saúde, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e Pescas e do Ordenamento do Território e Ambiente, em conformidade com o catálogo Europeu de Resíduos, aprovado por decisão da Comissão Europeia. Artigo 5º Definição Resíduos Sólidos Urbanos Entende-se por Resíduos Sólidos Urbanos, identificados pela sigla RSU, os seguintes resíduos: 5

6 a) Resíduos Sólidos Domésticos os resíduos normalmente produzidos nas habitações unifamiliares e plurifamiliares, nomeadamente, os provenientes das actividades de preparação de alimentos e da limpeza normal desses locais; b) Monstros objectos volumosos fora de uso, provenientes das habitações unifamiliares e plurifamiliares que, pelo seu volume, forma ou dimensões não possam ser recolhidos pelos meios normais de remoção; c) Resíduos Verdes Urbanos os provenientes da limpeza e manutenção dos jardins ou hortas das habitações unifamiliares, nomeadamente aparas, troncos, ramos, relva e ervas; d) Resíduos Sólidos de Limpeza Pública os provenientes da limpeza pública, entendendo-se esta como o conjunto de actividades que se destina a recolher os resíduos sólidos existentes nas vias e outros espaços públicos; e) Dejectos de Animais excrementos provenientes da defecação de animais na via pública; f) Resíduos Sólidos Comerciais Equiparáveis a domésticos os produzidos por um ou vários estabelecimentos comerciais ou de serviços, com uma administração comum relativa a cada local de produção de resíduos que, pela sua natureza ou composição, sejam semelhantes aos resíduos sólidos domésticos e cuja produção diária não excede os 120 litros; g) Resíduos Sólidos Industriais Equiparáveis a domésticos os produzidos por uma única entidade em resultado de actividades acessórias da actividade industrial que, pela sua natureza ou composição, sejam semelhantes aos resíduos sólidos domésticos, nomeadamente os provenientes de refeitórios e escritórios, e cuja produção diária não exceda os 120 litros; h) Resíduos Sólidos Hospitalares Não Contaminados os provenientes de hospitais, Centros de Saúde, laboratórios, clínicas veterinárias ou outros estabelecimentos similares, triados na origem pelos seus produtores, e não tenham possibilidade de estar contaminados por quaisquer produtos biológicos, físicos ou químicos, não constituindo risco para a saúde humana e para o ambiente, e cuja produção diária não ultrapasse os 120 litros. Artigo 6º Resíduos Sólidos Especiais 6

7 São considerados resíduos especiais e, portanto, excluídos dos RSU, os seguintes resíduos: a) Resíduos Sólidos Comerciais Equiparáveis a domésticos os resíduos sólidos que, embora apresentem características semelhantes aos resíduos indicados na alínea f) do artigo anterior, atinjam uma produção diária superior a 120 litros; b) Resíduos Sólidos Industriais - os resíduos sólidos gerados em actividades ou processos industriais, bem como os que resultam das actividades de produção e distribuição de electricidade, gás e água; c) Resíduos Sólidos Industriais Equiparáveis a domésticos - aqueles que, embora apresentem características semelhantes aos resíduos indicados na alínea g) do artigo anterior, atinjam uma produção diária superior a 120 litros; d) Resíduos Sólidos Perigosos todos os resíduos que, nos termos da alínea b) do Artigo 3º do Decreto-Lei n.º 239/97, de 9 de Setembro, apresentem características de perigosidade para a saúde ou para o ambiente; e) Resíduos Sólidos Radioactivos os contaminados por substancias radioactivas; f) Resíduos de Centros de Reprodução e Abate de Animais - os provenientes de estabelecimentos com características industriais, onde se processe a criação intensiva de animais ou o seu abate e/ou transformação; g) Entulhos resíduos provenientes de construções, constituídos por caliças, pedras, escombros, terras e similares, resultantes de obras; h) Objectos Volumosos Fora de Uso os objectos provenientes de locais que não sejam habitações unifamiliares e plurifamiliares e que, pelo seu volume, forma ou dimensões, não possam ser recolhidos pelos meios normais de remoção; i) Resíduos Verdes Especiais os provenientes da limpeza e manutenção dos jardins ou hortas dos locais que não sejam habitações unifamiliares, nomeadamente aparas, troncos, ramos, relva e ervas; j) Resíduos Sólidos Hospitalares Não Contaminados Equiparáveis a RSUaqueles que embora apresentem características semelhantes aos resíduos indicados na alínea h) do artigo 5º, atinjam uma produção diária superior a 12º litros; 7

8 k) Resíduos Sólidos Hospitalares Contaminados os produzidos em unidades de prestação de cuidados de saúde, incluindo as actividades medicas de diagnostico, tratamento e prevenção de doença em seres humanos ou animais, e ainda as actividades de investigação relacionadas, que apresentem ou sejam susceptíveis de apresentar alguma perigosidade de contaminação, constituindo risco para a saúde pública ou para o ambiente, nos termos da legislação em vigor; l) Veículos automóveis e sucata que sejam considerados resíduos, nos termos da legislação em vigor; m) Os que fazem parte dos efluentes líquidos, lamas, ou das emissões para a atmosfera, partículas, que se encontram sujeitos à legislação própria dos sectores de luta contra a poluição da água e do ar, respectivamente; n) Aqueles para os quais exista legislação especial que os exclua expressamente da categoria de resíduos sólidos urbanos. Capitulo III Sistema de resíduos sólidos Artigo 7º Meios Que Compõem o Sistema 1. Sistema de RS é o conjunto de obras de construção civil, equipamentos, viaturas, recipientes, recursos humanos, institucionais e financeiros e estruturas de gestão, destinado a assegurar, em condições de eficiência, conforto, segurança, inocuidade, e economia, a deposição, recolha, transporte, valorização, tratamento e eliminação dos resíduos, sob qualquer das formas enunciadas no Decreto-Lei nº 239/97 de 9 de Setembro; 2. Entende-se por Gestão do Sistema de Resíduos Sólidos o conjunto das actividades de carácter técnico, administrativo e financeiro necessárias à deposição, recolha, transporte, tratamento, valorização e eliminação dos resíduos, incluindo o planeamento e a fiscalização dessas operações, bem como a monitorização dos locais de destino final, depois de se proceder ao seu encerramento. 8

9 3. Define-se Sistema de Resíduos Sólidos Urbanos, identificado pela sigla SRSU, como o sistema de resíduos que opera com resíduos sólidos urbanos e equiparados. Artigo 8º Fases do Sistema de Resíduos Sólidos 1. O sistema de RS, engloba, no todo ou em parte, as seguintes fases: a) Produção - geração de RS na origem; b) Remoção - passagem dos RS dos locais de produção, mediante deposição, recolha e transporte, que a seguir se definem: b.1- Deposição - consiste no acondicionamento dos RS na origem, a fim de os preparar para a recolha; b.2- Recolha - consiste na passagem dos RS dos recipientes de deposição, com ou sem inclusão destes, para as viaturas de transporte; b.3- Transporte - consiste na condução dos RS em viaturas próprias, desde os locais de deposição até aos de tratamento, valorização e eliminação; c) Tratamento - conjunto de operações e processos tendentes ao acondicionamento, transformação ou reutilização dos resíduos, com ou sem recuperação de materiais; d) Destino final - consiste na localização, utilização ou eliminação final dos resíduos, de forma a haver o mínimo de prejuízo para a saúde pública e ambiente. 2. A limpeza pública integra-se na componente técnica «remoção» e é constituída por um conjunto de actividades executadas pelos serviços da entidade gestora, nomeadamente a varredura, lavagem e desinfecção das vias e outros espaços públicos, despejo, lavagem e desinfecção de papeleiras, corte de mato e de ervas, limpeza de sarjetas e sumidouros e remoção de cartazes e outra publicidade indevidamente colocada. 9

10 Capitulo IV Remoção de resíduos sólidos Secção I: Deposição de resíduos sólidos urbanos Artigo 9º Deposição de Resíduos 1. A deposição dos RSU nos locais apropriados é da responsabilidade dos respectivos produtores; 2. São responsáveis pelo bom condicionamento dos resíduos sólidos nos contentores para recolha hermética: a) Os proprietários ou gerentes de estabelecimentos comerciais ou industriais; b) Os proprietários ou utentes de moradias ou de edifícios de ocupação unifamiliar; c) Os moradores, condóminos dos edifícios plurifamiliares, ou pessoas em representação destes. 3. Fica proibida a instalação de equipamentos domiciliários para a incineração e trituração ou dilaceração de RSU. 4. Os munícipes produtores de resíduos altamente susceptíveis de uma deterioração rápida devem colocar o lixo: a) Dentro de sacos de plástico devidamente atados, antes de o colocar nos recipientes existentes na via publica, a fim de evitar a sua permanência em contacto com o ar, sendo proibido acondicioná-lo na via ou espaço publico; b) As embalagens devem ser de plástico opaco, com resistência apropriada que não permita facilmente o derrame dos conteúdos e fechadas de modo a não permitir a emanação de cheiros; c) Englobam-se dentro deste tipo de resíduos, os desperdícios de leitões ou outros animais, restos de comida e substancias de idêntica natureza, 10

11 associados de um modo geral a matadouros, restaurantes, cantinas, entre outros. 5. É proibido fazer a deposição nos recipientes dos seguintes resíduos que não sejam considerados pelo presente regulamento a) Como RS domésticos ou equiparados, ou ainda que sejam pela sua especificidade rapidamente deterioráveis. b) A deposição de pedras, terras, estrume, palhas, cinzas de lareiras ou braseiras nos recipientes destinados a RSU; c) A deposição de resíduos sólidos urbanos, em recipientes não indicados, ou na via pública; d) A deposição de animais, mortos ou vivos, nos recipientes; e) A deposição de resíduos de rápida decomposição, nos recipientes ou na via pública. 6. É proibido deixar os contentores com a tampa aberta. 7. É proibido: a) A destruição ou danificação de recipientes, sem prejuízo do pagamento pela sua substituição; b) A deslocação dos recipientes do local a eles destinados. Artigo 10º Tipos de Recipientes 1. Para a deposição dos RS domésticos ou equiparados, existem os seguintes tipos de recipientes colocados na via pública: a) Contentores com capacidade de e 120 l ou outra que venha a ser definida, a utilizar junto de habitações isoladas, estabelecimentos comerciais e outras unidades; b) Contentores com capacidade de a , para uso geral, nomeadamente para deposição dos R.S.U. c) Papeleiras normalizadas destinadas à deposição de desperdícios produzidos pelos cidadãos na via publica. 2. A deposição selectiva para posterior reciclagem é efectuada nos seguintes recipientes: a) Vidrões, para a recolha de garrafas e frascos de vidro; b) Papelões, para a recolha de papel e cartão; 11

12 c) Embalões, para a recolha de embalagens de metal e plástico; d) Pilhómetros, para a recolha de pilhas usadas; e) Outro equipamento que a entidade gestora venha a adoptar. 3. Os recipientes referidos nos números 1 e 2 são propriedade da entidade gestora. 4. Qualquer outro recipiente utilizado pelos munícipes para além dos contentores e outros recipientes normalizados aprovados pela CMM é considerado tara perdida e removido conjuntamente com os RSU. Artigo 11º Localização de Recipientes 1. É da competência da entidade gestora a colocação dos recipientes, bem como decidir da sua capacidade e localização, tendo em atenção a quantidade de resíduos produzidos e a possibilidade de circulação de viaturas de recolha. 2. Poderão os munícipes, se assim o entenderem, informar por escrito, os serviços do Município da necessidade de colocação de recipientes quando estes não existirem nas proximidades. 3. Os recipientes não podem ser removidos ou deslocados dos locais designados pelas entidades referidas no número 1, excepto se estas o autorizarem. Artigo 12º Responsabilidade dos Utentes Os utentes são responsáveis pelo bom acondicionamento dos RS, pela colocação e retirada dos recipientes da via pública, sua limpeza e conservação, nas zonas em que haja atribuição de recipientes por edifício. Artigo 13º Espaços Reservados a Contentores Privados 1. Os projectos de construção, reconstrução ou ampliação de edifícios com oito ou mais apartamentos devem prever obrigatoriamente um sistema de deposição de resíduos sólidos urbanos. 2. Do mesmo modo, os projectos de novas urbanizações (loteamentos) devem prever o sistema de deposição de resíduos sólidos urbanos e da recolha selectiva. 3. A localização dos contentores poderá ser determinada no interior dos edifícios ou no seu exterior, em área do domínio privado ou do domínio público. 12

13 4. Quando os contentores forem localizados no interior dos edifícios ou em logradouros de domínio privado fora dos pontos de passagem das viaturas de recolha, os munícipes utentes são responsáveis pela sua colocação nesse ponto de passagem, e pela sua retirada e pela sua limpeza e conservação. 5. Para efeitos do número anterior são directamente responsáveis: a) Os proprietários ou inquilinos residentes em edifícios de ocupação unifamiliar; b) Os proprietários ou gerentes de estabelecimentos comerciais e industriais; c) A administração dos edifícios em regime de propriedade horizontal; d) Nos restantes casos de indivíduos ou entidades designados para o efeito, e, na sua falta, todos os residentes. 6. O dimensionamento e localização do sistema referido no número 2 deverão ser efectuados em função da ocupação prevista na urbanização, conforme cálculo no Anexo I. 7. A implantação dos contentores deverá ser objecto de estudo de integração urbana e será um dos componentes do projecto dos espaços exteriores da urbanização, sendo a sua execução e respectiva dotação com os sistemas previstos da responsabilidade do respectivo promotor. 8. É condição necessária para a vistoria com vista às recepções provisória e definitiva, e à licença de utilização das obras referidas neste artigo, a verificação pelos respectivos serviços do Município de Mealhada de que as instalações e os equipamentos previstos anteriormente, estejam executadas e instalados nos locais definidos e aprovados. 9. As normas técnicas sobre os sistemas de deposição de RS em edificações, estão definidas no Anexo II. Secção II: Recolha e transporte dos resíduos sólidos urbanos Artigo 14º Tipos de Recolha A recolha dos RSU é classificada nas seguintes categorias: 13

14 1. Recolha normal efectuada segundo percursos predefinidos e com periodicidade fixa ao longo do ano, destinando-se a remover os RSU contidos nos recipientes colocados na via pública. 2. Recolha especial efectuada a pedido dos utentes, destinando-se fundamentalmente, a resíduos que, pela sua natureza, peso ou dimensões, não possam ser objecto de recolha normal. Artigo 15º Recolha de Resíduos Sólidos Urbanos A recolha e o transporte dos RSU é da responsabilidade da entidade gestora em horários definidos, sendo proibida a execução destes serviços por quaisquer outras entidades, excepto se devidamente autorizadas para o efeito. Secção III: Recolha Selectiva Artigo 16º Recolha Selectiva 1. A recolha selectiva dos RSU encontra-se em fase de implementação no concelho de Mealhada, tendo-se iniciado nas zonas urbanas, através da colocação de contentores especiais isolados ou colocação de ecopontos e implementação dos respectivos circuitos de recolha, de modo a abranger os seguintes materiais: a) Vidro; b) Papel; c) Plástico; d) Metais; e) Pilhas; f) Outros materiais recicláveis. 2. A recolha selectiva permitirá que sejam progressivamente conseguidos os seguintes objectivos: a) A eliminação das lixeiras com a deposição controlada de resíduos no aterro sanitário; b) Melhor aproveitamento futuro dos resíduos orgânicos, pela sua transformação em composto de boa qualidade; 14

15 c) A reciclagem para os resíduos não orgânicos com vista à sua valorização e aproveitamento. 3. Os resíduos sólidos valorizáveis têm deposição, recolha, transporte e tratamento diferenciados dos restantes resíduos sólidos urbanos. 4. A deposição de vidro, do papel, do cartão e das embalagens plásticas e metálicas deve ser efectuada nos recipientes próprios, colocados na via pública. 5. As embalagens de cartão devem ser depositadas apenas depois de previamente espalmadas de forma a reduzir o seu volume. Secção IV: Remoção de objectos domésticos fora de uso Artigo 17º Pedido de Remoção 1. É proibido colocar nas vias e outros espaços públicos, monstros, definidos nos termos da alínea b) do artigo 5º deste regulamento, sem previamente tal ter sido requerido aos serviços da CMM e obtida a confirmação da realização da sua remoção. 2. O pedido referido no número anterior pode ser efectuado pessoalmente, por telefone ou por escrito, devendo para tal ser indicado o local de carga. 3. A remoção efectua-se em data e hora a acordar entre os serviços da CMM e o munícipe. 4. Compete aos munícipes interessados, colocar e acondicionar os objectos volumosos fora de uso no local previamente indicado, que seja acessível à viatura municipal que procede à remoção. Secção V: Remoção de Resíduos Verdes Urbanos Artigo 18º Pedido de Remoção 1. É proibido colocar nas vias e outros espaços públicos, resíduos verdes urbanos, definidos nos termos da alínea c) do artigo 5º deste regulamento, sem previamente tal ter sido requerido aos serviços da CMM e obtida a confirmação da realização da sua remoção. 15

16 2. O pedido referido no número anterior pode ser efectuado pessoalmente, por telefone ou por escrito. 3. A remoção efectua-se em data e hora a acordar entre os serviços da CMM e o munícipe. 4. No final do processo, a pessoa que entrega a carga deverá limpar cuidadosamente o local, evitando assim, o conspurcamento da via. Secção VI: Dejectos de animais Artigo 19º Obrigações dos Proprietários Os proprietários ou acompanhantes de animais devem proceder à limpeza e remoção imediata dos dejectos produzidos por estes animais nas vias e outros espaços públicos, excepto os provenientes de cães-guia quando acompanhantes de cegos. Artigo 20º Limpeza e Higiene Pública 1. Os dejectos de animais devem, na sua limpeza e remoção, ser devidamente acondicionados de forma hermética, para evitar qualquer insalubridade. 2. A deposição de dejectos de animais, acondicionados nos termos do número anterior, deve ser efectuada nos equipamentos de deposição existentes na via pública. 3. As instalações próprias para alojamento de animais, devem estar sempre limpas e obedecer às condições fixadas no Regulamento Geral das Edificações Urbanas. 16

17 Capitulo V Produtores de resíduos sólidos especiais Secção I: Deposição, Recolha, Transporte, Armazenagem, Valorização ou Recuperação, Tratamento e Eliminação de Resíduos Sólidos Equiparáveis a Domésticos Artigo 21º Resíduos Sólidos Comerciais Equiparáveis a Domésticos A deposição, recolha, transporte, armazenagem, valorização ou recuperação, tratamento e eliminação dos resíduos sólidos comerciais equiparáveis a domésticos, definidos nos termos da alínea a) do artigo 6º, são da responsabilidade dos seus produtores, podendo estes, no entanto, acordar com a CMM ou com empresas para tanto devidamente autorizadas a realização dessas actividades. Artigo 22º Resíduos Sólidos Industriais Equiparáveis a Domésticos A deposição, recolha, transporte, armazenagem, valorização ou recuperação, tratamento e eliminação dos resíduos sólidos industriais equiparáveis a domésticos, definidos nos termos da alínea c) do artigo 6º, são da responsabilidade dos seus produtores, podendo estes, no entanto, acordar com a CMM ou com empresas para tanto devidamente autorizadas a realização dessas actividades. Artigo 23º Resíduos Sólidos Hospitalares não Contaminados A deposição, recolha, transporte, armazenagem, valorização ou recuperação, tratamento e eliminação dos resíduos sólidos hospitalares não contaminados, equiparáveis a domésticos, definidos nos termos da alínea j) do artigo 6º, são da responsabilidade dos seus produtores, podendo estes, no entanto, acordar com a CMM ou com empresas para tanto devidamente autorizadas a realização dessas actividades. 17

18 Artigo 24º Deveres dos Produtores 1. Se os produtores, referidos nos artigos 21º, 22º e 23º, acordarem com a CMM, a deposição, recolha, transporte, armazenagem, valorização ou recuperação, tratamento e eliminação dos resíduos, constitui sua obrigação: a) Entregar à CMM a totalidade dos resíduos produzidos; b) Cumprir o que a CMM determinar, para efeitos de remoção dos resíduos sólidos equiparáveis a domésticos e das suas fracções valorizáveis; c) Fornecer todas as informações exigidas pela CMM, referentes à natureza, tipo e características dos resíduos produzidos; d) A conservação, limpeza e substituição dos contentores é da responsabilidade dos respectivos produtores de domésticos, podendo os serviços camarários recusar a sua recolha quando se verificar mau estado dos contentores. Artigo 25º Elementos Indispensáveis ao Pedido O pedido de deposição, recolha, transporte, armazenagem, valorização ou recuperação, tratamento e eliminação de resíduos sólidos, dirigido ao Presidente da CMM, para efeitos do disposto nos artigos 21º, 22º e 23º, deve possuir os seguintes elementos: a) Identificação do requerente: nome ou denominação social; b) Número de contribuinte fiscal; c) Residência ou sede social; d) Local de produção dos resíduos; e) Caracterização dos resíduos a remover; f) Quantidade estimada diária de resíduos produzidos; g) Descrição do equipamento de deposição, se existir. Artigo 26º Aquisição de Equipamento de Deposição 1. No caso de não haver equipamento de deposição ou este não ser compatível com os modelos utilizados pelo Município de Mealhada pode ser solicitado o seu 18

19 aluguer ou compra à CMM, mediante o pagamento das taxas previstas na Tabela de Taxas e Outras Receitas Municipais. 2. Os produtores que acordarem com a CMM a deposição, recolha, transporte, tratamento e eliminação de resíduos sólidos e que sejam consumidores de água, efectuarão o pagamento da taxa através da facturação apresentada pelos serviços de água. 3. A CMM pode suspender o acordado nos termos dos artigos 22º, 23º e 24º deste Regulamento sempre que haja importâncias em dívida. Secção II: Entulhos Artigo 27º Entulhos Os empreiteiros ou promotores das obras que produzam entulhos, definidos nos termos da alínea g) do Artigo 6º deste Regulamento, são responsáveis pela sua remoção, valorização e/ou eliminação. Artigo 28º Despejo de Entulhos É proibido, no decurso de qualquer tipo de obras ou de operações de remoção de entulhos, abandonar ou descarregar terras e entulhos em: a) Vias e outros espaços públicos na área do Município de Mealhada; b) Qualquer terreno privado sem prévio licenciamento municipal e consentimento do proprietário. Secção III: Veículos Abandonados e Sucata Automóvel Artigo 29º Aparcamento e Remoção 1. Nas ruas, praças, estradas municipais, cursos de água e demais lugares públicos é proibido abandonar qualquer tipo de sucata automóvel ou veículos automóveis em estado de degradação, impossibilitados de circular com segurança pelos 19

20 próprios meios e que, de algum modo, prejudiquem a higiene e a limpeza dos locais públicos em que se encontram. 2. Os veículos considerados abandonados serão retirados, nos termos do Código da Estrada, pelas autoridades competentes, para locais apropriados, sem prejuízo de aplicação da coima respectiva ao proprietário. 3. Compete aos serviços de fiscalização da Câmara Municipal verificar os casos de abandono de veículos na via pública, proceder às respectivas notificações e coordenar as operações de remoção para local definido como parque municipal. 4. Passado o prazo de deposição em parque municipal, estabelecido no artigo 171º do Código da Estrada, sem que o proprietário reclame o veículo, é este considerado abandonado e adquirido por ocupação, pelo Município de Mealhada. 5. O proprietário para levantar o veículo ou sucata do parque municipal tem que, através de requerimento, informar a localização futura do bem móvel, autorizando ou não a CMM essa localização. Capitulo VI Limpeza Urbana Artigo 30º Higiene e Limpeza de Espaços Públicos 1. São proibidas todas as práticas de conspurcação das vias e espaços públicos, nomeadamente: a) Colocar resíduos nos contentores sem estarem devidamente acondicionados; b) Lançar nos espaços públicos e sarjetas ou sumidouros, objectos, detritos, materiais, tintas, óleos ou quaisquer ingredientes perigosos ou tóxicos; c) Retirar ou remexer resíduos contidos nos recipientes; d) Lavar, reparar ou pintar veículos na via pública; e) Poluir a via pública com dejectos e deixar de fazer a limpeza dos dejectos produzidos por animais na via pública, quando conduzidos por pessoas ou proprietários; 20

21 f) Lançar para a via pública, papéis, cascas de fruta ou detritos alimentares; g) Lançar ou abandonar na via pública objectos cortantes ou contundentes, como frascos, latas, garrafas e vidros em geral, que possam constituir perigo para a circulação de pessoas, animais e veículos; h) Efectuar despejos para a via pública de águas sujas provenientes de lavagens, matérias fecais, cinzas, tintas, óleos ou quaisquer ingredientes perigosos ou tóxicos; i) Matar, pelar ou chamuscar animais; j) Lançar ou abandonar qualquer animal, morto ou vivo na via pública; k) Depositar lenha, alfaias agrícolas ou outros materiais nos locais públicos; l) Depositar estrume de origem animal nos locais públicos; m) Queimar RS, produzindo fumos ou gases que afectem a higiene local ou originem perigo para a saúde pública; n) Apascentar gado em terrenos públicos ou em condições susceptíveis de afectar a circulação de pessoas e veículos ou a limpeza e higiene pública; o) Derramar na via pública quaisquer materiais transportados em viaturas; p) Deixar de fazer a limpeza dos resíduos provenientes da carga e descarga de veículos na via pública; q) Depositar por iniciativa própria ou permitir a utilização de terrenos para deposição de RS em vazadouro a céu aberto ou sob qualquer forma prejudicial ao meio ambiente. 2. É proibido entre as 8 e as 23 horas, o seguinte: a) Sacudir para a via pública tapetes, toalhas, carpetes, passadeiras e objectos semelhantes; b) Regar vasos e plantas em varandas ou quaisquer outros locais, de modo a que a água escorra para a via pública; c) Lavar as varandas ou sacadas, de forma a escorrerem para a via pública as águas de lavagem. 21

22 Artigo 31º Limpeza das áreas exteriores de estabelecimentos comerciais Os comerciantes e industriais são obrigados a manter convenientemente varridos e limpos de detritos resultantes directa ou indirectamente do seu comércio ou indústria, os passeios e valetas em frente dos seus estabelecimentos. Artigo 32º Utilização de Papeleiras 1. Os papéis informativos e de publicidade, lenços, guardanapos e outros, deverão ser depositados nas papeleiras existentes nas vias, parques e demais espaços públicos, de forma a não danificar os equipamentos. 2. É proibido fazer uso indevido das papeleiras, afixando-lhe propaganda ou nelas depositar outro tipo de resíduos, nomeadamente, sacos de lixo que devem ser depositados em contentores apropriados. Artigo 33º Limpeza de Terrenos, Logradouros e Prédios Não Habitados 1. Os proprietários ou detentores de terrenos não edificados, de logradouros, ou de prédios não habitados, devem manter os mesmos em condições de salubridade, sem resíduos, sem espécies vegetais que proporcionem condições de insalubridade ou risco de incêndio, ou qualquer outro factor com prejuízo para a saúde humana e/ou para os componentes ambientais. 2. Os proprietários ou detentores de terrenos edificados e não edificados, devem garantir que as árvores, arbustos, silvados e sebes não pendam sobre a via pública de forma a estorvar a livre e cómoda passagem e a impedir a limpeza urbana. 22

23 Capitulo VII Das contra-ordenações Artigo 34º Violação ao Regulamento 1. Qualquer violação ao disposto no presente regulamento constitui contraordenação, punível com coima. 2. A tentativa e a negligência são sempre puníveis. Artigo 35º Processo de Contra-ordenação A instauração dos processos por contra-ordenação e a aplicação de coimas é da competência do presidente da CMM, com faculdade de delegação em qualquer dos restantes membros da CMM. Artigo 36º Contra-ordenações 1. O abandono de resíduos, bem como a sua emissão, transporte, armazenagem, tratamento, valorização ou eliminação por entidades ou em instalações não autorizadas constituem contra-ordenação punível com coima de 1 a 10 vezes a retribuição mínima mensal garantida. 2. A violação do disposto nos n.os 3 a 7 do art.º 9º, nos n.os 3 a 5 do art.º 16º e nos art.os 17º a 24º e 30º a 33º do presente Regulamento constitui contra-ordenação punível com coima de ¼ a 4 vezes a retribuição mínima mensal garantida, para pessoas singulares, aumentando o limite máximo para 10 vezes a retribuição mínima mensal garantida, no caso de pessoas colectivas. 3. A violação do disposto nos art.os 28º e 29º do presente Regulamento constitui contra-ordenação punível com coima de ½ a 5 vezes a retribuição mínima mensal garantida, para pessoas singulares, aumentando o limite máximo para 10 vezes a retribuição mínima mensal garantida, no caso de pessoas colectivas. 23

24 4. O responsável pela infracção fica constituído na obrigação de proceder à remoção dos resíduos no prazo máximo de 48 horas após a notificação. 5. Decorrido o prazo fixado nos números anterior, sem que os resíduos sejam removidos, a Câmara Municipal de Mealhada pode proceder à respectiva remoção, ficando as despesas a cargo do responsável pela infracção. 6. A Câmara Municipal de Mealhada pode, nos termos do Regime Geral das Contra-ordenações, apreender provisoriamente os objectos que sirvam ou estejam destinados a servir para a prática das contra-ordenações. 7. A Câmara Municipal de Mealhada pode, em casos de gravidade para a saúde pública, proceder à imediata remoção dos resíduos, ficando as despesas a cargo do responsável pela infracção. Artigo 37º Outras contra-ordenações A violação de qualquer norma deste Regulamento para a qual não esteja especialmente prevista penalidade correspondente, será punida com coima de ¼ a 4 vezes a retribuição mínima mensal garantida, para pessoas singulares, aumentando o limite máximo para 10 vezes a retribuição mínima mensal garantida, no caso de pessoas colectivas. Artigo 38º Determinação da Medida da Coima A determinação da medida da coima far-se-á em função da gravidade da contraordenação, da culpa e da situação económica do agente. Artigo 39º Retribuição Mínima Mensal Garantida Para efeito do presente Regulamento, a retribuição mínima mensal garantida a considerar para efeitos de determinação da coima é a prevista no n.º 1 do art.º 266º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, com o valor que for fixado na legislação especial em vigor à data da prática da contra-ordenação. 24

25 Artigo 40º Cobrança 1. A cobrança das importâncias referidas no artigo 36º e 37º, far-se-á simultaneamente com a cobrança do serviço de Distribuição/ Abastecimento de água. 2. Para efeitos do número anterior, será utilizada a factura-recibo do serviço de fornecimento de água, devidamente adaptada. 3. É aplicável ao presente regulamento, o estipulado no Regulamento de Distribuição/Abastecimento de Água do Concelho de Mealhada para as situações de não pagamento atempado da facturação. Capitulo X 2 Disposições finais Artigo 41º Tarifas 1. A tarifa de resíduos sólidos é devida por todos os utilizadores do sistema de resíduos sólidos urbanos, referindo-se à comparticipação nos custos relativos à gestão do mesmo. 2. Anualmente a Câmara Municipal de Mealhada fixará, por deliberação camarária, o tarifário. Artigo 42º Competência e Acção Fiscalizadora A fiscalização das disposições do presente regulamento compete aos serviços de fiscalização municipal, bem como aos serviços da entidade concessionária e demais entidades com poderes de fiscalização. Artigo 43º Casos Omissos Eventuais casos omissos no presente regulamento serão resolvidos pela CMM. 2 Deve ler-se Capítulo VIII 25

26 Artigo 44º Entrada Vigor do Regulamento O presente regulamento entra em vigor 15 dias após a sua aprovação pela Assembleia Municipal, mediante a afixação de editais nos lugares públicos de estilo. 26

27 ANEXO I Tipo de Edificações Habitações unifamiliares e plurifamiliares Comerciais Mistas Hoteleiras Hospitalares Educacionais Edificações com salas de Escritório Lojas em diversos pisos e centros comerciais Restaurantes, bares, pastelarias e similares Supermercados Hotéis de luxo e de 5 estrelas Hotéis de 3 e 4 estrelas Outros estabelecimentos hoteleiros Hospitais e similares Postos médicos e de enfermagem, consultórios e policlínicas Clínicas veterinárias Creche e infantários Escolas de ensino básico Escolas e ensino secundário Estabelecimentos de ensino politécnico e superior Produção diária 12 l/hab.dia 1,0 l/m 2 Au 1,5 l/m 2 Au 0,75 l/m 2 Au 0,75 l/m 2 Au (a) 18 l/quarto ou apartamento 12 l/quarto ou apartamento 8 l/quarto ou apartamento 18 l/cama de RS não contaminados equiparáveis a RSU 1 l/m 2 Au de RS não contaminados equiparáveis a RSU 1 l/m 2 Au de RS não contaminados 2,5 l/m 2 Au 0,3 l/m 2 Au 2,5 l/m 2 Au 4,0 l/m 2 Au Tabela 1: Tipo de Edificação e Produção Diária de Resíduos Sólidos. Au- Área útil (a) Para as edificações com actividades mistas a produção diária é determinada pelo somatório das partes constituintes respectivas. 27

28 ANEXO II Tabela 1: Parâmetros de Dimensionamento do Compartimento de Armazenamento dos Contentores. Capacidade do contentor Dimensão do contentor Profundidade (cm) Largura (cm) Altura (cm) Área mínima de operação e armazenamento por cada contentor 90 a 240 litros ,0 m 2 (1,0m*1,0m) 800 a 1000 litros ,0 m 2 (2,0m*3,0m) Tabela 2: Parâmetros de Dimensionamento do Compartimento de Armazenamento dos Ecopontos. Capacidade do ecoponto Dimensão de cada recipiente do ecoponto Profundidade (cm) Largura (cm) Altura (cm) Área mínima de operação e armazenamento por cada ecoponto 2000 a 3000 litros ,0 m 2 (5,0m*2,0m) NOTA: São adoptados os valores presentes na tabela do anexo I, para o cálculo do valor de materiais recicláveis, adoptando que 20% do valor presente na tabela corresponde à fracção reciclável. A recolha neste caso é considerada semanal. 28

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA NOTA JUSTIFICATIVA A aprovação quer do regime das finanças locais pela Lei n.º 2/2007, de 15 de Janeiro, quer do regime

Leia mais

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Índice CAPÍTULO I Disposições Gerais... 1 CAPÍTULO II Tipos de Resíduos Sólidos... 2 CAPÍTULO III Definição do Sistema Municipal para a Gestão dos Resíduos Sólidos

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS LIMPEZA PÚBLICA

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS LIMPEZA PÚBLICA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA PÚBLICA ÍNDICE CAPÍTULO I...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...5 Artigo 1º... 5 Âmbito... 5 Artigo 2º... 5 Competências... 5 CAPÍTULO II...5 TIPOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS...5

Leia mais

REGULAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA

REGULAMENTO DE RESIDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA 1 E D I T A L DEFENSOR OLIVEIRA MOURA, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO: Faz público que, mediante proposta desta Câmara Municipal formulada por deliberação tomada em sua reunião de 9

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO BISPO

MUNICÍPIO DE VILA DO BISPO 1 MUNICÍPIO DE VILA DO BISPO REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PREÂMBULO Atentas as disposições da Lei nº. 11/87 de 07 de Abril ( Lei Bases do Ambiente ) que responsabiliza o respectivo produtor, pelo destino

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESIDUOS SÓLIDOS URBANOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA ÍNDICE Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, Higiene e Limpeza Pública... 1 PREÂMBULO... 1 CAPÍTULO I... 2 Disposições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE DIVISÃO DE ASSESSORIAS TÉCNICAS

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE DIVISÃO DE ASSESSORIAS TÉCNICAS REGULAMENTO MUNICIPAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA URBANA DO CONCELHO DE RESENDE PREÂMBULO A Lei de Bases do Ambiente (Lei n.º 11/87, de 7 de Abril), aponta claramente para o desenvolvimento

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO. Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública

CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO. Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública Aprovado em reunião de Câmara 05/06/2000 Aprovado em Assembleia Municipal 26/09/2000 NOTA PRÉVIA Resultante do desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DE LIMPEZA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DE LIMPEZA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DE LIMPEZA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Nota Justificativa De forma a conformar o presente Regulamento com o Regulamento dos Sistemas

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CASCAIS

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CASCAIS REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CASCAIS O Regulamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Município de Cascais foi elaborado em 1991 e teve como base o regime jurídico aprovado pelo Decreto

Leia mais

BRAGANÇA E PAÇOS DO MUNICIPIO, 02 de Julho de 2007.

BRAGANÇA E PAÇOS DO MUNICIPIO, 02 de Julho de 2007. E D I T A L N º. 2 2 4 / 2 0 0 7 ANTÓNIO JORGE NUNES, ENG.º CIVIL, E PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA: Torna público, que no uso da competência que lhe confere a alínea v) do n.º 1 do art.º 68.º,

Leia mais

APÊNDICE N.º 49 II SÉRIE N.º 96 23 de Abril de 2004

APÊNDICE N.º 49 II SÉRIE N.º 96 23 de Abril de 2004 66 APÊNDICE N.º 49 II SÉRIE N.º 96 23 de Abril de 2004 Edital n.º 246/2004 (2.ª série) AP. Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, Higiene e Limpeza Pública. Dr. José Emílio Pedreira Moreira, presidente

Leia mais

Município de Arcos de Valdevez Divisão de Serviços de Ambiente

Município de Arcos de Valdevez Divisão de Serviços de Ambiente Município de Arcos de Valdevez Divisão de Serviços de Ambiente REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA DO MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Município de Arcos de Valdevez Divisão de Serviços de Ambiente

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ Pelo presente se torna público que a Assembleia Municipal da Figueira da Foz, no uso das competências que lhe são cometidas pela alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º da Lei n.º

Leia mais

Município da Praia da Vitória AVISO Nº A/100/2010 DISCUSSÃO PÚBLICA DO PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Município da Praia da Vitória AVISO Nº A/100/2010 DISCUSSÃO PÚBLICA DO PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Município da Praia da Vitória AVISO Nº A/100/2010 DISCUSSÃO PÚBLICA DO PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Nos termos do artigo 118.º do Código do Procedimento Administrativo, é submetido

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA NO CONCELHO DE BEJA

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA NO CONCELHO DE BEJA 1 REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E HIGIENE URBANA NO CONCELHO DE BEJA Preâmbulo Os resíduos sólidos resultam de um vasto leque de actividades desenvolvidas pela actividade humana. A sua correcta gestão

Leia mais

POSTURA DE RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO CONCELHO DE PAREDES

POSTURA DE RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO CONCELHO DE PAREDES POSTURA DE RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO CONCELHO DE PAREDES NOTA JUSTIFICATIVA 1-Introdução Os munícipes interiorizaram já, pela experiência passada, a noção de que são corresponsáveis juntamente

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES. Nota Justificativa

PROJETO DE REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES. Nota Justificativa DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais de

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE LAGOS Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 Artigo 1.º Lei habilitante... 5 Artigo 2.º Objeto... 5 Artigo 3.º Âmbito de aplicação... 5 Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA DO MUNICÍPIO DE LAMEGO

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA DO MUNICÍPIO DE LAMEGO REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA DO MUNICÍPIO DE LAMEGO PREÂMBULO O Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, aprovado em 1998, tinha como objectivo principal, estabelecer as regras e

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS, LIMPEZA E HIGIENE URBANA DO MUNICÍPIO DO CRATO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS, LIMPEZA E HIGIENE URBANA DO MUNICÍPIO DO CRATO Nota justificativa O Decreto-Lei nº 194/2009, de 20 de agosto, e a Portaria 34/2011 de 13 de janeiro, vieram revelar a necessidade de proceder à elaboração de um Regulamento Municipal do Serviço de Gestão

Leia mais

APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 135 9 de Junho de 2004

APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 135 9 de Junho de 2004 92 TABELA Tipo de edificação/produção diária de resíduos sólidos Tipo de edificação Produção diária Habitações... 0,2 l/m 2 a. u. Comércio e serviços... 1,0 l/m 2 a. u. Restaurantes, bares, pastelarias

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MAFRA

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MAFRA CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MAFRA Proposta da Câmara Municipal, por deliberação de 21 de Maio de 1999 Aprovada

Leia mais

REGULAMENTO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS LIMPEZA PÚBLICA MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

REGULAMENTO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS LIMPEZA PÚBLICA MUNICÍPIO DE ALCOCHETE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS E LIMPEZA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE Página 1 de 34 PREÂMBULO As câmaras municipais são competentes para elaborar regulamentos sobre matérias

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, Higiene e Limpeza Pública. Proposta de Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, Higiene e Limpeza Pública

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, Higiene e Limpeza Pública. Proposta de Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, Higiene e Limpeza Pública Proposta de Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos, Higiene e Limpeza Pública PREÂMBULO Este Regulamento pretende dotar o Município de um instrumento que lhe permita aplicar o disposto na Lei n.º 11/87,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA DO CONCELHO DE CASTRO MARIM

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA DO CONCELHO DE CASTRO MARIM REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA DO CONCELHO DE CASTRO MARIM ÍNDICE GERAL CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º-Âmbito Artigo 2º- Da competência Artigo3º-Legislação

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PREÂMBULO

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PREÂMBULO RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PREÂMBULO A Lei nº 11/87, de 7 de Abril, conhecida por Lei de Bases do Ambiente, estabelece que a responsabilidade do destino dos diversos tipos de resíduos e efluentes é de quem

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais de abastecimento público de água, de saneamento de águas residuais urbanas e de gestão de resíduos

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS, LIMPEZA E HIGIENE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS, LIMPEZA E HIGIENE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DO SERVIÇO DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS, LIMPEZA E HIGIENE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1º Lei habilitante... 3 Artigo 2º Objeto... 3

Leia mais

Projeto de Regulamento de Resíduos Urbanos e Limpeza (RRUL) Preâmbulo

Projeto de Regulamento de Resíduos Urbanos e Limpeza (RRUL) Preâmbulo Projeto de Regulamento de Resíduos Urbanos e Limpeza (RRUL) Preâmbulo O Regulamento de Salubridade, Higiene, Limpeza e Recolha de Resíduos Sólidos na Área do Município da Figueira da Foz, publicado no

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR CAPÍTULO I. Leis habilitantes. Artigo 1º

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR CAPÍTULO I. Leis habilitantes. Artigo 1º REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR CAPÍTULO I Leis habilitantes Artigo 1º O presente Regulamento tem por leis habilitantes o decreto-lei nº 239/97, de 9 de Setembro, o decreto-lei

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

6160 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de março de 2015

6160 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de março de 2015 6160 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de março de 2015 d).................................................. e).................................................. 7................................................

Leia mais

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, Higiene e Limpeza de Espaços Públicos do Concelho de Nisa

Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, Higiene e Limpeza de Espaços Públicos do Concelho de Nisa Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos, Higiene e Limpeza de Espaços Públicos do Concelho de Nisa Maria Gabriela Pereira Menino Tsukamoto, Presidente da Câmara Municipal de Nisa: Torna público

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO NOTA JUSTIFICATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA A Constituição da República Portuguesa inclui o direito ao ambiente no elenco dos direitos e deveres fundamentais dos cidadãos, estatuindo, no artigo 66., n.º 1, que "todos têm direito

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE RECOLHA E REMOÇÃO DE RESÍDUOS

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE RECOLHA E REMOÇÃO DE RESÍDUOS REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE RECOLHA E REMOÇÃO DE RESÍDUOS CAPÍTULO I COMPETÊNCIAS ARTIGO 1º 1 Compete exclusivamente à Câmara Municipal de Estarreja a recolha e remoção de lixos ou resíduos sólidos, domésticos,

Leia mais

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã

Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Normas Parque Municipal Campismo da Golegã Normas de Funcionamento (REUNIÃO DE CÂMARA ORDINÁRIA DE 12 SETEMBRO 2012) Introdução Nos termos do Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março, alterado pelo Decreto-Lei nº. 228/2009, de 14 de Setembro, que

Leia mais

Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha

Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha MUNICÍPIO DA BATALHA Aviso Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VISEU REGULAMENTO MUNICIPAL

CÂMARA MUNICIPAL DE VISEU REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA Índice PREÂMBULO... 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 CAPÍTULO II TIPOS DE RESÍDUOS SÓLIDOS... 5 CAPÍTULO III SISTEMA MUNICIPAL DE

Leia mais

gestão directa ou delegada.

gestão directa ou delegada. Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública do Município de Oliveira de Azeméis Nota Justificativa O aumento da produção de resíduos sólidos urbanos (RSU) nos últimos anos no município

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO ÍNDICE

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO ÍNDICE ÍNDICE PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO DE VEÍCULOS ABANDONADOS... 3 NOTA JUSTIFICATIVA... 3 CAPÍTULO I... 4 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 4 Artigo 1º - Âmbito de aplicação... 4 Artigo 2º- Lei habilitante...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Capítulo I. Disposições Gerais

Capítulo I. Disposições Gerais PREÂMBULO Tem vindo a verificar-se em todo o território municipal, um número crescente de intervenções nas redes de infra-estruturas existentes no solo e subsolo do domínio público municipal, promovidas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONCELHO DE SANTO TIRSO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONCELHO DE SANTO TIRSO REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONCELHO DE SANTO TIRSO PREÂMBULO A publicação dos sucessivos diplomas legais que regulam a gestão dos resíduos urbanos e as metas ambientais ambicionadas

Leia mais

Saneamento- - ResíduosSólidos_FCS,2000 11

Saneamento- - ResíduosSólidos_FCS,2000 11 SANEAMENTO SANEAMENTO SANEAMENTO BÁSICO Resíduos Resíduos Sólidos Sólidos - ResíduosSólidos_FCS,2000 11 SANEAMENTO BÁSICO Resíduos Sólidos Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária

Leia mais

REGULAMENTO DOS RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE URBANA DO MUNICÍPIO DE VILA REAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DOS RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE URBANA DO MUNICÍPIO DE VILA REAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DOS RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE URBANA DO MUNICÍPIO DE VILA REAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento estabelece as regras e condições a que fica sujeita a

Leia mais

Município de Cuba Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos.

Município de Cuba Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos. Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Secção I Abastecimento de Água Subsecção I Tarifas de Abastecimento de Água 1 - Utilizadores

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte

Leia mais

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE MARITIMO TURÍSTICA NA Índice Capitulo I Disposições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO Aviso - Engenheiro Vítor Manuel Pires Carmona, presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, torna público, o Regulamento Municipal sobre o Sistema Público

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA. APÊNDICE N. o 39/2005 SUMÁRIO. Terça-feira, 22 de Março de 2005 Número 57 APÊNDICE N. o 39

DIÁRIO DA REPÚBLICA. APÊNDICE N. o 39/2005 SUMÁRIO. Terça-feira, 22 de Março de 2005 Número 57 APÊNDICE N. o 39 Terça-feira, 22 de Março de 2005 Número 57 APÊNDICE N. o 39 II S É R I E DIÁRIO DA REPÚBLICA APÊNDICE N. o 39/2005 SUMÁRIO Comunidade Urbana do Médio Tejo... 3 Câmara Municipal de Aguiar da Beira... 3

Leia mais

Legislação sobre Resíduos

Legislação sobre Resíduos Legislação sobre Resíduos Eng. Cristina Marcelo Correia (APEA - Associação Portuguesa dos Engenheiros do Ambiente) 03 de Março 2004 Tipos de Resíduos Resíduos urbanos Resíduos industriais Resíduos hospitalares

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L

Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Projecto Limpar Portugal - Manual para actuação para dia L Introdução Breves definições: O que são resíduos? Não há uma definição única! O conceito do que são resíduos e a respectiva definição é variável

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA LIMPEZA PÚBLICA DE GUIMARÃES

REGULAMENTO MUNICIPAL DA LIMPEZA PÚBLICA DE GUIMARÃES Preâmbulo É atribuição geral dos Municípios, conforme dispõe a al. l) do n.º 1 do art.º 13.º da Lei n.º 159/99, de 14 de setembro, tudo o que respeite ao ambiente e saneamento básico, mais concretamente

Leia mais

Lei n.º 3.273 de 6 de setembro de 2001. Dispõe sobre a Gestão do Sistema de Limpeza Urbana no Município do Rio de Janeiro.

Lei n.º 3.273 de 6 de setembro de 2001. Dispõe sobre a Gestão do Sistema de Limpeza Urbana no Município do Rio de Janeiro. Lei n.º 3.273 de 6 de setembro de 2001 Dispõe sobre a Gestão do Sistema de Limpeza Urbana no Município do Rio de Janeiro. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE E LIMPEZA DOS LUGARES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BORBA

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE E LIMPEZA DOS LUGARES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BORBA REGULAMENTO MUNICIPAL DOS RESÍDUOS URBANOS E HIGIENE E LIMPEZA DOS LUGARES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BORBA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt

Leia mais

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim ÍNDICE. 1. Local. 2. Horário de funcionamento. 3. Materiais a depositar no ecocentro

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim ÍNDICE. 1. Local. 2. Horário de funcionamento. 3. Materiais a depositar no ecocentro ÍNDICE 1. Local 2. Horário de funcionamento 3. Materiais a depositar no ecocentro 4. Normas e regras de utilização 5. Código do Catálogo Europeu dos Resíduos 6. Anexos Anexo I - Registo diário de entradas

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA

Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA Proposta de alteração ao Regulamento do projecto HORTAS URBANAS DE BEJA 1.ª FASE do Projeto (12 meses contados a partir da data de inauguração do espaço) Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja

Leia mais

Regulamento da Central de Transportes de Santo Tirso

Regulamento da Central de Transportes de Santo Tirso Regulamento da Central de Transportes de Santo Tirso Capitulo I Âmbito Geral Subcapítulo I Atribuições e Objectivos Artigo 1.º 1. O presente Regulamento destina-se a estabelecer normas respeitantes ao

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa

Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem. Nota justificativa 1 Projecto do Regulamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Projecto de Regulamento de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Nota justificativa a) Designação - Projecto

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS HIGIENE E SALUBRIDADE PREÂMBULO

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS HIGIENE E SALUBRIDADE PREÂMBULO PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS HIGIENE E SALUBRIDADE PREÂMBULO O aumento de produção de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) no Município da Nazaré aponta para o desenvolvimento

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças, do Ambiente, do Ordenamento do Diploma: Ministérios das Finanças e da Administração Pública, do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, da Economia e da Inovação, da Agricultura, do Desenvolvimento Rural

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GOVERNO. Decreto-lei n.º 12/2004 De 26 de Maio ACTIVIDADES FARMACÊUTICAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GOVERNO. Decreto-lei n.º 12/2004 De 26 de Maio ACTIVIDADES FARMACÊUTICAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GOVERNO Decreto-lei n.º 12/2004 De 26 de Maio ACTIVIDADES FARMACÊUTICAS A Política Nacional de Saúde prevê a sujeição das actividades farmacêuticas de produção, importação,

Leia mais

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS

REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS REGULAMENTO DE COMBATE À VIOLÊNCIA NOS ESPECTÁCULOS DESPORTIVOS 17 de Fevereiro de 2010 Página 1 de 8 Capítulo I PARTE GERAL Art.1º Objecto O presente regulamento estabelece medidas preventivas e punitivas

Leia mais

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE?

1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Regime Extraordinário da Regularização de Atividades Económicas RERAE Perguntas Frequentes 1 Que tipo de atividades estão sujeitas ao RERAE? Podem apresentar pedido de regularização das atividades económicas

Leia mais

Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos

Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos Proposta de Regulamento de Utilização e Funcionamento do Terminal Rodoviário de Arruda dos Vinhos PREÂMBULO O presente regulamento surge na sequência do Decreto-Lei n.º 170/71, de 27 de Abril, que aprovou

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE ALJEZUR CÂMARA MUNICIPAL Regulamento da Instalação, Exploração e Funcionamento dos estabelecimentos de Hospedagem designados por Hospedarias, Casas de Hóspedes e por Quartos Particulares O

Leia mais

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA PÚBLICA

REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA PÚBLICA REGULAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA PÚBLICA (Aprovado na 2ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 27 de Janeiro de 2004 e na 1ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal, realizada em

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL TÍTULO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI CLASSIFICAÇÃO GERAL REFERÊNCIA INTERNA DCDET/RGO.006

Leia mais

Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Ecocentro da Ericeira

Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Ecocentro da Ericeira Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Ecocentro da Ericeira Fevereiro de 2012 (Revisão 1) 2 TRATOLIXO Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Art.º 1º - Objecto... 4 Art.º 2º - Âmbito

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO PAVILHÃO DE DESPORTOS 1 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Pavilhão de Desportos é propriedade da Câmara Municipal de Vila do Conde e tem como finalidade a prestação de serviços à população

Leia mais

DEFESA E CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS E DOS ESPAÇOS VERDES. Índice

DEFESA E CONSERVAÇÃO DAS ESPÉCIES VEGETAIS E DOS ESPAÇOS VERDES. Índice Índice Capítulo I - Disposições Gerais... Capítulo II - Bens Sob Jurisdição do Município... Capítulo III - Bens Protegidos de Particulares... Capítulo IV - Sanções... Capítulo V - Disposições Finais...

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais

REGULAMENTO GERAL. Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais REGULAMENTO GERAL Projecto Hortas Comunitárias inserido no Programa Hortas de Cascais NOTA O presente Regulamento visa apenas a componente de Hortas Comunitárias, inseridas no Programa Hortas de Cascais

Leia mais

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal

Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Regulamento de Actividade de Comércio a Retalho exercida pelos Feirantes na Área do Município do Sabugal Preâmbulo A regulamentação municipal sobre a actividade de comércio a retalho exercida por feirantes

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA PREÂMBULO Face ao que se estabelece no artigo 6.º, n.º 2, alínea a do Decreto-Lei n.º 239/97, de

Leia mais

NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)

NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL) NORMAS ESPECÍFICAS ÍNDICE NE 01: DIAS E HORÁRIOS (ART.9º DO REGULAMENTO GERAL)... 2 NE 02: ACESSO DE VEÍCULOS AO MERCADO (ART.11º DO REGULAMENTO GERAL)... 3 NE 03: CIRCULAÇÃO INTERNA (ART.12º DO REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA DO CONCELHO DE BRAGA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA DO CONCELHO DE BRAGA REGULAMENTO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS, HIGIENE E LIMPEZA PÚBLICA DO CONCELHO DE BRAGA Preâmbulo Face ao que se estabelece no art.º 6.º, n.º 2, alínea a) do Decreto-Lei n.º 239/97, de 9 de Setembro,

Leia mais

Manutenção e Limpeza do Espaço Público

Manutenção e Limpeza do Espaço Público Guia da Reforma Administrativa de Lisboa Manutenção e Limpeza do Espaço Público O que é o espaço público? O espaço público é toda a área urbana, edificada ou não edificada, de acesso público. Este inclui:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais