Município de Cuba Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Município de Cuba Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos."

Transcrição

1 Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Secção I Abastecimento de Água Subsecção I Tarifas de Abastecimento de Água 1 - Utilizadores Finais Domésticos: Artigo nº 1 Tarifas de Abastecimento de Água 1.1 -Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Contadores - Até 25mm: 1,55 Contadores - Superior a 25 e até 30mm: 3,63 Contadores - Acima de 30mm: 4, Tarifa Variável Progressiva Por m 3 : Valor ( /m 3 ) a) 1º Escalão (De 0 a 5m 3 ): 0,43 b) 2º Escalão (Superior a 5 e até 15m 3 ): 0,64 c) 3º Escalão (Superior a 15 e até 25m 3 ): 2,07 d) 4º Escalão (Superior a 25m 3 ): 3,11 Valor Acrescido de 0,0287 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa dos Recursos Hídricos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 97/2008, de 11 de Junho e alterações posteriores; Os utilizadores domésticos devem poder requerer a instalação de um segundo contador para usos que não dêem origem a águas residuais recolhidas pelo sistema público de saneamento, devendo ser aplicadas aos consumos desse contador as tarifas variáveis de abastecimento previstas para os utilizadores não domésticos, e não devendo servir o correspondente consumo para o cômputo das tarifas de saneamento e resíduos, quando exista tal indexação. 2 - Utilizadores Finais não Domésticos: Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) a) Contadores - 1º Nível (Até 20mm): 2,28 b) Contadores - 2º Nível (Superior a 20 e até 30mm): 3,63 c) Contadores - 3º Nível (Superior a 30 e até 50mm): 4,66 d) Contadores - 4º Nível (Superior a 50 e até 100mm): 6,22 e) Contadores - 5º Nível (Superior a 100mm): 8, Tarifa Variável Por m 3 : Valor ( /m 3 ) Escalão Único Por m 3 : 1,24 1

2 Valor Acrescido de 0,0287 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa dos Recursos Hídricos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 97/2008, de 11 de Junho e alterações posteriores; Os utilizadores não domésticos devem poder requerer a instalação de um segundo contador para usos que não dêem origem a águas residuais recolhidas pelo sistema público de saneamento, não devendo servir o correspondente consumo para o cômputo das tarifas de saneamento e resíduos, quando exista tal indexação; Nas situações descritas no número anterior, a tarifa fixa a aplicar ao utilizador não doméstico em causa deve ser determinada em função do diâmetro virtual (Raiz Quadrada do somatório do quadrado dos diâmetros nominais dos contadores instalados) correspondente à soma das secções dos contadores instalados para prestação do serviço ao mesmo; No caso de abastecimento a sistemas prediais comunitários que sirvam múltiplos utilizadores domésticos, de que são exemplo sistemas centralizados para aquecimento de águas sanitárias em edifícios, recomenda-se a aplicação ao respectivo consumo de tarifa variável de valor idêntico ao 2º escalão da tarifa variável do serviço prevista para os utilizadores domésticos, bem como a tarifa variável de saneamento determinada pela aplicação de um coeficiente de custo, específico a cada entidade gestora, à tarifa variável média do serviço de abastecimento devida pelo utilizador final doméstico (o valor da tarifa variável média do serviço de abastecimento é o que resulta do rácio, apurado em cada factura, entre o somatório dos valores da componente variável do serviço facturados em cada escalão e o somatório dos volumes facturados em cada escalão, corrigidos de eventuais acertos). 3 - Utilizadores Finais Domésticos Consumo Social: 3.1 -Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 0, Tarifa Variável Progressiva Por m 3 : Valor ( /m 3 ) a) 1º Escalão (De 0 a 5m 3 ): 0,22 b) 2º Escalão (Superior a 5 e até15m 3 ): 0,32 c) 3º Escalão (Superior a 15 e até 25m 3 ): 2,07 d) 4º Escalão (Superior a 25m 3 ): 3,11 Valor Acrescido de 0,0287 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa dos Recursos Hídricos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 97/2008, de 11 de Junho e alterações posteriores; Decorrente da aplicação do Regulamento de Acção Social do Município 4 - Utilizadores Finais Não Domésticos IPSS s, ONG s e outras Entidades Sem Fins Lucrativos Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa: 1, Tarifa Variável Progressiva Por m 3 : Valor ( /m 3 ) a) De 0 a 50m 3 Por m 3 : 0,62 b) Acima de 50m 3 Por m 3 : 2,59 Valor Acrescido de 0,0287 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa dos Recursos Hídricos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 97/2008, de 11 de Junho e alterações posteriores. 2

3 Subsecção II Serviços Auxiliares de Abastecimento de Água Artigo nº 2 Serviços Auxiliares 2 Execução de Ramais de ligação à rede de distribuição de águas por 10 metros linear ou fracção, nos termos seguintes: Os custos inerentes à construção de ramais dedicados de abastecimento são imputados ao utilizador final, em linha com a imputação do custo da Prestação de Serviços constante no artigo 16º da Lei nº 2007, de 15 de Janeiro, caso em que a respectiva execução, sempre que técnica e economicamente viável, deve ser realizada pela entidade gestora, a pedido do utilizador e mediante o pagamento das tarifas correspondentes à extensão daquela distância, rateadas em partes iguais sempre que os ramais beneficiem mais do que um utilizador; É ainda admissível a cobrança de tarifas pela execução de ramais quando a mesma não seja da responsabilidade da entidade gestora, nomeadamente em virtude de condições impostas no licenciamento urbanístico. 2.1 Ramais de ligação à rede de distribuição de águas por metro linear ou fracção: a) Ramal c/ 13mm ½ P: 187,33 b) Ramal c/ 20mm ¾ P: 201,17 c) Ramal c/ 25mm 1 P: 204,23 d) Ramal c/ 37,5mm 1 P / ¼ : 209,37 e) Ramal c/ 37,5mm 1 P / ½ : 213,29 f) Ramal c/ 50mm 2 P: 227,89 g) Acresce por cada metro linear (10% preço base das alíneas anteriores) 2.2 Ramais domiciliários de águas pluviais por 10 metros linear ou fracção: a) Ramal c/ calibre Ø 150 a Ø 200 mm: 238,09 b) Ramal c/ calibre Ø 201 a Ø 300 mm: 257, Ligação e ensaio da rede interior à rede pública (Sugestão conforme entidade reguladora: Realização de Vistorias aos Sistemas Prediais a pedido dos utilizadores): Vistoria e ensaio de canalizações: A1) Habitação Por fogo: 129,85 A2) Estabelecimentos Comerciais e Serviços: 173,12 A3) Complexos Industriais e agrícolas: 216, Preço de ligação: 19, Preço de restabelecimento, após interrupção solicitada ou imposta (Sugestão de divisão conforme entidade reguladora, desincentivando nos casos de interrupção imposta: Suspensão e Reinício da ligação do 15,61 serviço a pedido do utilizador final/ por incumprimento do utilizador final): 2.4 Contadores: a) Colocação, aferição e reaferição de contadores por cada (Sugestões conforme entidade reguladora: Disponibilização e Instalação Final de Contador Totalizador por iniciativa do utilizador final / Leitura 6,33 Extraordinária de consumos de água decorrentes de solicitação do utilizador / Verificação Extraordinária de contador a pedido do utilizador, 3

4 salvo quando se comprove a respectiva avaria por motivo não imputável ao utilizador final / Reparação ou substituição de contador, torneira de segurança ou de Válvula de corte imputável ao utilizador): b) Transferência de contadores por metro linear: 54, Detecção de Fugas de Água: a) Utilização de detector de fugas de Água por hora ou fracção: 11, Outros serviços hora/fracção 6,33 Propostas Admissíveis de Cobrança: Ligação Temporária ao Sistema Público de Abastecimento a Estaleiros e Obras e Zonas de concentração populacional temporária, tais como feiras, festivais e exposições; Informação sobre o sistema público de Abastecimento em plantas de Localização; Fornecimento de Água em Auto-tanques, salvo quando justificado por interrupções de fornecimento, designadamente em situações em que esteja em risco a saúde pública; Outros serviços a pedido do Utilizador Final, nomeadamente, reparações no sistema predial ou domiciliário de abastecimento; Outros Serviços Por Hora: Disponibilização do Regulamento Municipal do Serviço de Abastecimento de Água. 4

5 Secção II Saneamento de Águas Residuais Subsecção I Tarifas de Saneamento de Águas Residuais 1 - Utilizadores Finais Domésticos: Artigo nº 3 Tarifas de Saneamento de Águas Residuais Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 1, Tarifa Variável Progressiva Por m 3 de Água Fornecida: Valor ( /m 3 ) a) 1º Escalão (Até 5m 3 ): 0,13 b) 2º Escalão (Superior a 6 a até 15m 3 ) 0,23 c) 3º Escalão (Superior a 16 e até 25m 3 ) 0,68 d) 4º Escalão (Acima de 25m 3 ): 1, Utilizadores Finais Não Domésticos: Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) a) 1º Nível (Até 20mm): 1,04 b) 2º Nível (Superior a 20 e até 30mm): 1,37 c) 3º Nível (Superior a 30 e até 50mm): 1,71 d) 4º Nível (Superior a 50 e até 100mm): 2,05 e) 5º Nível (Superior a 100mm): 2, Tarifa Variável Por m 3 de Água Fornecida: Valor ( /m 3 ) Escalão Único Por m 3 : 0, Utilizadores Finais Domésticos Consumo Social: Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 0, Tarifa Variável Progressiva Por m3 de Água Fornecida: Valor ( /m3) a) 1º Escalão (Até 5m 3 ): 0,06 b) 2º Escalão (Superior a 6 a até 15m 3 ) 0,11 c) 3º Escalão (Superior a 16 e até 25m 3 ) 0,68 d) 4º Escalão (Acima de 25m 3 ): 1,03 5

6 4 - Utilizadores Finais Não Domésticos IPSS s, ONG s e outras Entidades Sem Fins Lucrativos Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 0, Tarifa Variável Progressiva Por m 3 : Valor ( /m 3 ) a) De 0 a 50m 3 Por m 3 : 0,13 b) Acima de 50m 3 Por m 3 : 0,23 Subsecção II Serviços Auxiliares de Saneamento de Águas Residuais Artigo nº 4 Serviços Auxiliares 1 Ramais domiciliários de águas residuais domésticas por 10 metros lineares ou fracção, nos termos seguintes: Os custos inerentes à construção de ramais dedicados de saneamento são imputados ao utilizador final, em linha com a imputação do custo da prestação de serviços constante no artigo 16º da Lei nº 2007, de 15 de Janeiro, caso em que a respectiva execução, sempre que técnica e economicamente viável, deve ser realizada pela entidade gestora, a pedido do utilizador e mediante o pagamento das tarifas correspondentes à extensão daquela distância, rateadas em partes iguais sempre que os ramais beneficiem mais do que um utilizador; É ainda admissível a cobrança de tarifas pela execução de ramais quando a mesma não seja da responsabilidade da entidade gestora, nomeadamente em virtude de condições impostas no licenciamento urbanístico. 1.1) Ramal c/ calibre Ø 100 a Ø 125 mm: 201,56 1.2) Ramal c/ calibre Ø 120 a Ø 150 mm: 207,85 2 Ligação e utilização de esgotos: Vistorias e ensaio de canalização (Sugestão conforme entidade reguladora: Realização de Vistorias ou ensaios de sistemas prediais e domiciliários de saneamento / Verificação Extraordinária de medidor de caudal a pedido do utilizador, salvo quando se comprove a respectiva avaria, por motivo imputável ao utilizador final): a) Habitação por fogo: 47,06 b) Estabelecimentos comerciais e Serviços: 47,06 c) Complexos industriais e agrícolas: 117, Preço de ligação: 33,22 6

7 3 Limpeza de Fossas ou colectores particulares (Sugestão conforme entidade reguladora: Desobstrução de Sistemas Prediais e Domiciliários de Saneamento/ Transporte e Destino Final de Águas Residuais, recolhidas através de meios móveis): 3.1 Por cada deslocação da viatura incluindo as operações por hora: 17, Acresce ao anterior por km percorrido (o valor indicado para a função pública) 4 Outros serviços hora/fracção 6,33 Propostas Admissíveis de Cobrança: Execução e Conservação de Caixas de Ligação e sua recuperação, por motivo imputável ao utilizador; Instalação de medidor de caudal individual, quando a entidade gestora a tenha reconhecido técnica e economicamente justificável, e sua substituição e manutenção, por motivo imputável ao utilizador; Análise de Projectos de Sistemas Prediais e Domiciliários de Saneamento; Desobstrução de Sistemas Prediais e Domiciliários de Saneamento; Informação sobre o Sistema Público de Saneamento, em plantas de localização; Outros Serviços a pedido do utilizador, nomeadamente, reparações no sistema predial ou domiciliário de Saneamento Por Hora; Disponibilização do Regulamento Municipal do Serviço de Saneamento de Águas Residuais. 7

8 Secção III Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Subsecção I Tarifas de Gestão de Residuos Sólidos Urbanos 1 - Utilizadores Finais Domésticos: Artigo nº 5 Tarifa de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 1, Tarifa Variável Por m 3 de Água Fornecida: Valor ( /m 3 ) Tarifa Variável - Por m 3 : 0,16 Valor Acrescido de 0,0392 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa de Gestão de Resíduos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 73/2011, de 17 de Junho e alterações posteriores. 2 - Utilizadores Finais Não Domésticos: Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 1, Tarifa Variável Por m 3 de Água Fornecida: Valor ( /m 3 ) Tarifa Variável - Por m 3 : 0,16 Valor Acrescido de 0,0392 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa de Gestão de Resíduos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 73/2011, de 17 de Junho e alterações posteriores. 3 - Utilizadores Finais Domésticos Consumo Social: Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 0, Tarifa Variável Por m 3 de Água Fornecida: Valor ( /m 3 ) Tarifa Variável - Por m 3 : 0,16 Valor Acrescido de 0,0392 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa de Gestão de Resíduos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 73/2011, de 17 de Junho e alterações posteriores. 4 - Utilizadores Finais Não Domésticos IPSS s, ONG s e outras Entidades Sem Fins Lucrativos: Tarifa Fixa: Valor ( /30 Dias) Tarifa Fixa Escalão Único: 1, Tarifa Variável Por m 3 de Água Fornecida: Valor ( /m 3 ) Tarifa Variável Por m 3 : 0,16 Valor Acrescido de 0,0392 /m 3 para efeitos da aplicação da Taxa de Gestão de Resíduos, de acordo com o disposto no Decreto-Lei nº 73/2011, de 17 de Junho e alterações posteriores. 8

9 Subsecção II Serviços Auxiliares de Gestão de Resíduos Sólidos Artigo nº 6 Serviços Auxiliares 1 Recolha esporádica em unidades industriais e comerciais que não requeiram recolhas periódicas, incluindo sucatas: 1.1 Preço por m3 recolhido: 1,20 2 Recolha de pneus, por unidade: 2.1 Pneu ligeiro: 0, Pneu Comercial: 0, Pneu Industrial: 5,61 3 Recolha de objectos domésticos fora de uso e terras sobrantes e aparas de quintais e jardins particulares: 3.1 Preço por m3 recolhido: 1,20 4 Recolha esporádica de lixo: 4.1 Remoção, quando possível, de lixo e detritos industriais e comerciais por tonelada ou fracção: 4.2 Remoção, quando possível, de restos de comida de actividades industriais e comerciais por cada 100 litros ou fracção: 38,20 1,01 Propostas Admissíveis de Cobrança: Instalação, Manutenção e Substituição de Equipamentos de recolha indiferenciada de resíduos urbanos e de recolha seletiva de fluxos específicos de resíduos, na componente assegurada pelas entidades gestoras dos sistemas integrados de gestão desses fluxos; Recolha e Encaminhamento de Resíduos de grandes dimensões, equiparados a urbanos, e pequenas quantidades de resíduos verdes provenientes de habitações no exterior da malha urbana; Desobstrução e Lavagens de Condutas Prediais de Rejeição de Resíduos; Outros Serviços a pedido do utilizador Por Hora; Disponibilização do Regulamento Municipal do Serviço de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos. 9

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ PRECÁRIO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PARA O ANO DE 2015 (Preços a vigorar entre 01 de Janeiro e 31 de Dezembro)

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA NAZARÉ PRECÁRIO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PARA O ANO DE 2015 (Preços a vigorar entre 01 de Janeiro e 31 de Dezembro) (s a vigorar entre 01 de Janeiro e 31 de Dezembro) PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO E GESTÃO DE RSU Escalão Água Saneamento RSU Doméstico 1º Escalão - 5m 3 / 30 dias 0,7291 0,6209-2º

Leia mais

EDITAL TARIFÁRIO DE ÁGUA

EDITAL TARIFÁRIO DE ÁGUA EDITAL ---------- DR. JOSÉ ARTUR FONTES CASCAREJO, Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Alijó:------------------------------------------------------------------------------------------- ----------

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,1103

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,1103 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4578 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8330 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3841 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,2301 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho Tarifário de água 2014 Tarifa variável ( /m3) 0 a 5 m3 0,6410 6 a 15 m3 0,8000 16-25 m3 1,0000 > 25 m3 2,3000 0 a 9999 m3 1,0000 1 a 9999 m3 1,0000 Tarifa Fixa ( /30 dias) Calibre do contador (mm) Valor

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

Tabela de Preços 2015

Tabela de Preços 2015 Tabela de Preços 215 Factor de actualização para 215 - Instituto Nacional de Estatística, I.P.; Boletim Mensal de Estatística Outubro de 214; Índice de Preços no Consumidor Variação média dos últimos 12

Leia mais

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A.

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. TARIFÁRIO PARA 2013 O presente tarifário está de acordo com o adicional ao protocolo aprovado relativo à aplicação do tarifário dos serviços de água e saneamento do Cartaxo

Leia mais

Tarifário autarquias/instituições/associações (artigo 121.º R.S.A.P.A. Saneam. Águas Res. Urb.) Escalão único..

Tarifário autarquias/instituições/associações (artigo 121.º R.S.A.P.A. Saneam. Águas Res. Urb.) Escalão único.. 1 - Abastecimento de água 1.1 Tarifa variável - por m 3 Tarifário doméstico (artigo 108.º Reg. Serv. Abast. Público Água Saneam. Águas Res. Urb.) 1.º escalão (0 a 5 m 3 ).. 0,3546 (a) 2.º escalão (5 a

Leia mais

MENOS PAPEL, MAIS AMBIENTE!

MENOS PAPEL, MAIS AMBIENTE! MENOS PAPEL, MAIS AMBIENTE! ÍNDICE PREÂMBULO...7 PARTE I -DISPOSIÇÕES COMUNS...8 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS...8 Artigo 1.º - Objecto...8 Artigo 2.º - Definições...8 Artigo 3.º - Âmbito de Aplicação...9

Leia mais

Abastecimento de Água

Abastecimento de Água AA Abastecimento de Água Tipo de cliente Doméstico Não doméstico IPSS's Autarquia 0 a 10 m3 0,6300 0 a 50 m3 0,9500 0 a 50 m3 0,9500 0,0500 11 a 20 m3 1,0000 51 a 80 m3 1,3000 51 a 80 m3 1,3000 0

Leia mais

Câm ar a M uni c i pal do Bar r e i ro TARIFÁRIO 2015

Câm ar a M uni c i pal do Bar r e i ro TARIFÁRIO 2015 TARIFÁRIO 2015 1/7 TARIFÁRIO 2015 1. TARIFAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 1.1 TARIFA VARIÁVEL 1º ESCALÃO 5 m 3 0,3317 /m³ 2º ESCALÃO > 5 m 3 e 15 m 3 0,6692 /m³ 3º ESCALÃO > 15 m 3 e 25 m 3 1,3384 /m³ 4º ESCALÃO

Leia mais

CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Ligações de Água de Abastecimento Público a) Colocação de Contadores (cada serviço) 10,15 Ligação, Aferição, Interrupção e Restabelecimento

Leia mais

Guia Técnico para Projetos Particulares

Guia Técnico para Projetos Particulares 1. OBJETIVO Esta especificação decorre da instrução de trabalho IT045 e tem como objetivo definir a forma como devem ser instruídos os projetos particulares de redes de abastecimento de água, e de drenagem

Leia mais

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento básico. Nota justificativa O Regulamento de Liquidação e

Leia mais

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos.

OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. OBJETO 1 DO CONTRATO 2 Prestação dos serviços de abastecimento de água, recolha de águas residuais e gestão de resíduos. VIGÊNCIA DO CONTRATO 1- O contrato de abastecimento de água, recolha de águas residuais

Leia mais

CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CAPÍTULO I ÁGUA, SANEAMENTO, ÁGUAS RESIDUAIS E RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS 1) Ligações de Água de Abastecimento Público a) Colocação de Contadores (cada serviço) 15,00 b) Ligação, Aferição, Interrupção e

Leia mais

Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos

Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Tarifário dos Serviços de Abastecimento de Água, Saneamento de Águas Residuais e de Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos Seção I Abastecimento de Água Tarifas de Abastecimento de Água Abastecimento de Água-Tabela

Leia mais

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS CAMARA MUNICIPAL DE VILA NOVA DE FAMALICÃO 1/25 INDICE PREÂMBULO... 4 CÁPÍTULO

Leia mais

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Tendo como escopo o aperfeiçoamento da prestação dos serviços de fornecimento e distribuição de água destinada a consumo

Leia mais

REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE

REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE RAADAR.1.00 1 / 49 PREÂMBULO E LEGISLAÇÃO HABILITANTE...5 CAPÍTULO I...6 DISPOSIÇÕES GERAIS...6 Objecto...6

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ÍNDICE PREAMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Âmbito Artigo 3.º

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013 Tarifário para 2013 Novembro de 2012 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 6 Processos de

Leia mais

Manual de Processos Prediais

Manual de Processos Prediais Índice Índice...1 1. Objectivo...2 2. Âmbito...2 3. Referências...2 4. Definições / Abreviaturas...2 5. Responsabilidades...2 6. Modo de Proceder...2 6.1. Fluxograma...2 6.2. Descrição...2 6.2.1. INSTRUÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA MARINHA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA MARINHA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA MARINHA GRANDE REGULAMENTO DE DRENAGEM PÚBLICA E PREDIAL DE ÁGUAS RESIDUAIS E DE EVACUAÇÃO DE EFLUENTES DO CONCELHO DA MARINHA GRANDE NOTA JUSTIFICATIVA As Normas Regulamentares para

Leia mais

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO

M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO M A R I N A D E A L B U F E I R A A L B U M A R I N A - S O C I E D A D E G E S T O R A D E M A R I N A S S. A REGULAMENTO INTERNO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE MARITIMO TURÍSTICA NA Índice Capitulo I Disposições

Leia mais

APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 116 20 de Maio de 2003

APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 116 20 de Maio de 2003 28 APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 116 20 de Maio de 2003 de 11 de Março, sem prejuízo das sanções previstas no presente Regulamento e no estatuto da FPC, aprovado em 25 de Janeiro de 1997. Artigo 70.º Coimas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011 ÍNDICE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 7 CAPÍTULO I - ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

Recomendação ERSAR n.º 1/2010

Recomendação ERSAR n.º 1/2010 Recomendação ERSAR n.º 1/2010 CONTEÚDOS DAS FACTURAS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PRESTADOS

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,0524

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLICO. Escalão único 2,0524 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4452 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8101 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3461 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,1690 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO Aviso - Engenheiro Vítor Manuel Pires Carmona, presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, torna público, o Regulamento Municipal sobre o Sistema Público

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RIBEIRA GRANDE EDITAL PUBLICIDADE DAS DELIBERAÇÕES

CÂMARA MUNICIPAL DE RIBEIRA GRANDE EDITAL PUBLICIDADE DAS DELIBERAÇÕES CÂMARA MUNICIPAL DE RIBEIRA GRANDE EDITAL PUBLICIDADE DAS DELIBERAÇÕES RICARDO JOSÉ MONIZ DA SILVA, Presidente da Câmara Municipal de Ribeira Grande, no uso da competência que lhe confere a alínea v) do

Leia mais

EDITAL. Faz-se público que a Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim, por deliberação tomada em sessão PÓVOA DE VARZIM, 18 DE DEZEMBRO DE 2015.

EDITAL. Faz-se público que a Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim, por deliberação tomada em sessão PÓVOA DE VARZIM, 18 DE DEZEMBRO DE 2015. EDITAL ALTERAÇÕES AO TARIFÁRIO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E DE GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS Faz-se público que a Assembleia

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE VILA DO CONDE

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE VILA DO CONDE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE VILA DO CONDE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO

Leia mais

Regulamento Municipal de Abastecimento de Águas e Drenagem de Águas Residuais TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Regulamento Municipal de Abastecimento de Águas e Drenagem de Águas Residuais TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO Regulamento Municipal de Abastecimento de Águas e Drenagem de Águas Residuais TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 1. - LEGISLAÇÃO HABILITANTE O presente regulamento tem o

Leia mais

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º

Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO II ARTIGO 1º Tarifário do Serviço de Gestão de Resíduos do Municipio de Arouca CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1. Nos termos do Regulamento Municipal de Resíduos Urbanos e Limpeza Urbana do Município de Arouca,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Dr. Guilherme Manuel Lopes Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos:

INTRODUÇÃO. Dr. Guilherme Manuel Lopes Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos: INTRODUÇÃO Concessão da Exploração e Gestão dos Serviços Públicos Municipais de Abastecimento de Água e de Recolha Tratamento e Drenagem de Águas Residuais do Município de Matosinhos. Dr. Guilherme Manuel

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTREMOZ TABELA DE TARIFAS E PREÇOS DE SERVIÇOS NOTA JUSTIFICATIVA

MUNICÍPIO DE ESTREMOZ TABELA DE TARIFAS E PREÇOS DE SERVIÇOS NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA 1 - A presente tabela de tarifas e preços de serviços fundamenta-se na Lei das Finanças Locais, aprovada pela Lei n.º 2/2007, entrando em vigor imediatamente após a sua aprovação no

Leia mais

Proposta de Novo Regulamento do Serviço de Saneamento de Águas Residuais do Município de Montemor-o-Velho. Nota Justificativa

Proposta de Novo Regulamento do Serviço de Saneamento de Águas Residuais do Município de Montemor-o-Velho. Nota Justificativa Proposta de Novo Regulamento do Serviço de Saneamento de Águas Residuais do Município de Montemor-o-Velho Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de Agosto, e a Portaria 34/2011 de 13 de Janeiro,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DERESTAURAÇÃO E DE BEBIDAS Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte

Leia mais

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA

CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA CONCEPÇÃO DE REDES INTERIORES DE ÁGUAS E ESGOTOS EM EDIFÍCIOS PRINCÍPIOS GERAIS ORIENTADORES NOTA TÉCNICA 1. ÂMBITO DA NOTA TÉCNICA A presente nota técnica diz respeito aos princípios gerais orientadores

Leia mais

Água. Água - Tarifa Variável. Escalão Intervalo (m3) Preço. 1 0 a 5 0,30 2 > 5 a 15 0,40 3 > 15 a 25 0,80 4 > 25 a 50 1,00 5 > 50 2,00

Água. Água - Tarifa Variável. Escalão Intervalo (m3) Preço. 1 0 a 5 0,30 2 > 5 a 15 0,40 3 > 15 a 25 0,80 4 > 25 a 50 1,00 5 > 50 2,00 Fixação de preços cobrados pelo município nos serviços de água, saneamento e resíduos, nos termos das recomendações da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos (ERSAR) Água Utilizadores domésticos:

Leia mais

Licenciamento de fossas séticas com sistemas de infiltração

Licenciamento de fossas séticas com sistemas de infiltração SEMINÁRIO OTIMIZAÇÃO NA GESTÃO DE FOSSAS SÉTICAS SESSÃO 1 GESTÃO DE FOSSAS SÉTICAS BOAS PRÁTICAS Licenciamento de fossas séticas com sistemas de infiltração Fernanda Gomes (APA) Simone Martins (APA) Teatro

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Para os devidos efeitos, torna-se público que a Assembleia Municipal na sua sessão ordinária de 28 de Abril de 2011, sob proposta da Câmara Municipal de 13 de Abril de 2011, aprovou o Regulamento Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS 2014 Nota justificativa A prestação dos serviços de abastecimento de água e de saneamento de

Leia mais

EDITAL ANO DE 2012 ANEXO 4 TARIFAS E PREÇOS. Art'. 1 Fixação e actualização de tarifas

EDITAL ANO DE 2012 ANEXO 4 TARIFAS E PREÇOS. Art'. 1 Fixação e actualização de tarifas ,J.. MUNiCípIO PoNTE E) UMA TERR... RICA DA HUMANIOADE EDITAL ANO DE 2012 ANEXO 4 TARIFAS E PREÇOS Art'. 1 Fixação e actualização de tarifas Todas as tarifas abrangidas pelo presente regulamento serão

Leia mais

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR Amílcar AMBRÓSIO (1) ;Ana AMBRÓSIO DE SOUSA (2) RESUMO A Câmara Municipal de Lisboa, na previsão

Leia mais

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes

PREÂMBULO. Artigo 1.º Competências para o tratamento da rede de efluentes PREÂMBULO O sistema de tratamento de efluentes domésticos, comerciais e industriais a jusante do sistema de captação tratamento e armazenamento de água potável, tem vindo a ser implementado de acordo com

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 95 18 de Maio de 2009 19487

Diário da República, 2.ª série N.º 95 18 de Maio de 2009 19487 Diário da República, 2.ª série N.º 95 18 de Maio de 2009 19487 16.3 A Prova de Conhecimentos Teóricos Oral destina -se a avaliar o nível de conhecimentos profissionais e as competências técnicas dos candidatos

Leia mais

Estudo Económico para a Proposta de Novo Tarifário de Abastecimento de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo Económico para a Proposta de Novo Tarifário de Abastecimento de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos Estudo Económico para a Proposta de Novo Tarifário de Abastecimento de Água, Saneamento e Resíduos Sólidos Urbanos Câmara Municipal de Lagos Divisão de Planeamento e Controlo Dezembro de 2011 Estudo Económico

Leia mais

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

Legislação dos serviços públicos de abastecimento de água para consumo humano, de saneamento de água residuais urbanas e de gestão de resíduos urbanos

Legislação dos serviços públicos de abastecimento de água para consumo humano, de saneamento de água residuais urbanas e de gestão de resíduos urbanos Legislação dos serviços públicos de abastecimento de água para consumo humano, de saneamento de água residuais urbanas e de gestão de resíduos urbanos A Lei da Água (Lei n.º 58/2005, de 29 de Dezembro)

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO Artigo 1.º Operação de loteamento a) - Apresentação do requerimento TAXA 113,53 b) Entrada do aditamento 40,54 c) Emissão do alvará 15,13 c.1) Acresce uma

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES...

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 3 SERVIÇOS COMPLEMENTARES... ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA, SERVIÇOS COMPLEMENTARES E MULTAS 1 INTRODUÇÃO... 2 2 ESTRUTURA TARIFÁRIA... 3 2.1 TARIFA MÍNIMA... 3 2.2 TARIFAÇÃO... 3 2.3 REGRAS DE ESTIMATIVA DE CONSUMO... 4 2.4 TARIFA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MACEDO DE CAVALEIROS

CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MACEDO DE CAVALEIROS CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MACEDO DE CAVALEIROS ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições gerais CAPÍTULO II - CONDIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE PENICHE

REGULAMENTO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE PENICHE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE PENICHE Aprovado pela Assembleia Municipal em 06/05/2005 Publicado na II Série do Diário da República, n.º 119, Apêndice n.º 86/2005,

Leia mais

Proposta de Regulamento Municipal de Águas Residuais do Município de Vendas Novas

Proposta de Regulamento Municipal de Águas Residuais do Município de Vendas Novas Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de Agosto, e a Portaria 34/2011 de 13 de Janeiro, veio revelar a necessidade de proceder à elaboração de um novo Regulamento Municipal de Águas Residuais, de

Leia mais

14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014

14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014 14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014 MUNICÍPIO DE ALMADA Aviso (extrato) n.º 6778/2014 Nos termos do Estatuto do Pessoal Dirigente, torna -se público que o presidente desta Câmara

Leia mais

Regulamento Municipal dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Concelho de Pombal

Regulamento Municipal dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Concelho de Pombal NOTA JUSTIFICATIVA Considerando que decorreram já mais de 10 anos sobre a última revisão dos regulamentos municipais do serviço de abastecimento de água e do serviço de saneamento, e considerando ainda:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO LICENÇA

MINISTÉRIO DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS E DO TRABALHO MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO LICENÇA LICENÇA Licenciamento de uma entidade gestora de resíduos de embalagens, ao abrigo do preceituado no Decreto-Lei n.º 366-A/97, de 20 de Dezembro, na redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 162/2000,

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

- Sistemas em alta: Inclui as entidades gestoras operadoras de sistemas multimunicipais e similares;

- Sistemas em alta: Inclui as entidades gestoras operadoras de sistemas multimunicipais e similares; GUIA PARA DEFINIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS ENTIDADES OBJECTO DO INQUÉRITO INDICADORES DE GESTÃO PARA ENTIDADES GESTORAS DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA A designação, significado e interpretação das Variáveis

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

FREGUESIA DE FREIXIEIRO DE SOUTELO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO DOMICILIO

FREGUESIA DE FREIXIEIRO DE SOUTELO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO DOMICILIO FREGUESIA DE FREIXIEIRO DE SOUTELO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO DOMICILIO Preâmbulo As atividades de abastecimento público de água e de saneamento de águas residuais urbanas constituem

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO Edital n.º 842/2003 (2.ª série) AP. José Manuel Isidoro

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

Departamento de Água e Saneamento Básico

Departamento de Água e Saneamento Básico Departamento de Água e Saneamento Básico ACTUALIZAÇÃO DE TARIFAS 2006 - Considerando que o cumprimento de normas comunitárias sobre a qualidade da água obriga à realização de determinadas obras, cujos

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

Regulamento e Tabela de Taxas

Regulamento e Tabela de Taxas 2011 Regulamento e Tabela de Taxas C O L A R E S Junta de Freguesia 22-11-2011 Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças da Junta de Freguesia de Colares Nota Justificativa Com a publicação da Lei

Leia mais

REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE BEJA

REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE BEJA REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE BEJA Índice Regulamento dos Sistemas Públicos e Prediais de Abastecimento de Água do Município de Beja PREÂMBULO...

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3.

1 INTRODUÇÃO... 3 2 Documentos do Projectista... 4 3 DESCRIÇÃO E PRESSUPOSTOS DO EDIFÍCIO... 7 3.1 Aparelhos Sanitários... 7 3. PROJECTO DA REDE PREDIAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS Memória Descritiva e Justificativa COMUNICAÇÃO PRÉVIA, Mata do Duque 2ª Fase, 58A 59B, Santo Estêvão, Benavente Requerente: Karen Simpson

Leia mais

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Lei n 4.285 de 26 de dezembro de 2008 Art. 5º São áreas de competência da ADASA: I recursos hídricos, compreendidos

Leia mais

GuiadeProjectoeObra ANEXO I- TERMINOLOGIA

GuiadeProjectoeObra ANEXO I- TERMINOLOGIA GuiadeProjectoeObra ANEXO I- A B C Acessórios Aparelhos Bateria de Contadores Boca de Incêndio Tamponada Boca de Rega Boca Tamponada Bomba Caixa de Contador Caleira Técnica Canalete Canalização Canalização

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA CÂMARA MUNICIPAL DA GUARDA

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA CÂMARA MUNICIPAL DA GUARDA \ REGULAMENTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DA GUARDA 2006-2 - REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CONCELHO DA GUARDA SUMÁRIO CAPÍTULO I CAPÍTULO

Leia mais

TÍTULO II - SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE ÁGUA TÍTULO III - SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO PREDIAL DE ÁGUA

TÍTULO II - SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE ÁGUA TÍTULO III - SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO PREDIAL DE ÁGUA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUAS E RESIDUAIS página nº TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II - SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DE ÁGUA TÍTULO III - SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS Aprovado pela Assembleia Municipal de Almada em 5 de Julho de 1996 Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II Secção I Secção II Secção III DISPOSIÇÕES GERAIS CONDIÇÕES ADMINISTRATIVAS

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO NORMA JUSTIFICATIVA O Pavilhão Gimnodesportivo Municipal, constituído pelo recinto de jogos principal, ginásio e sala de musculação, é propriedade da

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010

EFICIÊNCIA HÍDRICA. Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique. Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 EFICIÊNCIA HÍDRICA Relatório de experiência realizada no Colégio xxxxxxxxx de Campo de Ourique Experiência de 13/09 a 09/11 de 2010 Novembro de 2010 1. Introdução A água é um bem essencial à vida e indispensável

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935

Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935 Diário da República, 2.ª série N.º 13 19 de Janeiro de 2011 3935 Despacho n.º 1550/2011 A mais recente revisão regulamentar do sector do gás natural, concretizada através do Despacho n.º 4878/2010, de

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º.

REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto nos

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PENICHE FERREL AMPLIAÇÃO E REMODELAÇÃO DA REDE DE ESGOTOS DOMÉSTICOS E PLUVIAIS LIGAÇÃO ÀS ÁGUAS DO OESTE 2ª FASE E REFORÇO DO ABASTECIMENTO

Leia mais

Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha

Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha MUNICÍPIO DA BATALHA Aviso Projeto de Regulamento de Serviço de Gestão de Resíduos Urbanos do Município da Batalha

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições e princípios gerais

CAPÍTULO I Disposições e princípios gerais PROJECTO DE REGULAMENTO TARIFÁRIO DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E DE GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DA MOITA PREÂMBULO As actividades de

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO MUNICÍPIO DE REDONDO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO Alfredo Falamino Barroso, Presidente da Câmara Municipal de Redondo, torna público

Leia mais

Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público

Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público Proposta Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público Junta de Freguesia de Águas LivresIncumbe ao Estado, em colaboração

Leia mais

APÊNDICE N.º136 II SÉRIE N.º 205 5 de Setembro de 2003. APÊNDICE N.º 70 II SÉRIE N.º 124 27 de Maio de 2004

APÊNDICE N.º136 II SÉRIE N.º 205 5 de Setembro de 2003. APÊNDICE N.º 70 II SÉRIE N.º 124 27 de Maio de 2004 REGULAMENTO MUNICIPAL DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO BÁSICO E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS/HIGIENE E LIMPEZA Publicação APÊNDICE N.º136 II SÉRIE N.º 205 5 de Setembro de 2003 1.ª Alteração

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA

MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA - 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º - Objecto... 4 Artigo 2.º - Âmbito... 4 Artigo 3.º - Normas

Leia mais