Dossiê Temático - Agências de Viagens e Turismo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dossiê Temático - Agências de Viagens e Turismo"

Transcrição

1 Dossiê Temático - Agências de Viagens e Turismo Agências de Viagens e Turismo GAE GAE GAE G A B I N E T E D E D E S E N V O L V I M E N T O E C O N Ó M I C O E E M P R E S A R I A L

2 Sumário: 1 - Enquadramento das agências de viagens 2 - Definição 3 Atividades 4 - Requisitos de acesso à atividade 5 - Garantias dos consumidores 6 - Outros requisitos 7-Legislação Aplicável 8-Contatos Entidades Competentes/Outras Entidades 9 Fiscalização 10 - Perguntas e Respostas sobre a atividade das Agências de Viagens e Turismo 1 Enquadramento das Agências de Viagens e Turismo O Enquadramento desta atividade segundo a Classificação Portuguesa de Atividades Económicas, Revisão 3 (CAE Rev3) insere-se no: Grupo 791 Agências de Viagem e operadores turísticos Subclasse Atividades das agências de Viagem De acordo com as notas explicativas da CAE, a atividade das agências de viagens compreende as atividades das agências principalmente ligadas às vendas de viagens, de percursos turísticos, de transportes e alojamento, numa base de vendas por grosso ou a retalho, a particulares e a empresas. 2- Definição: São agências de viagens e turismo as pessoas singulares ou coletivas cuja atividade consiste no exercício das atividades que se seguem: Atualizado em abril 2014 Página 2

3 3 - Atividades: As agências de viagens e turismo desenvolvem a título principal, as seguintes atividades próprias: - A organização e venda de viagens turísticas; - A representação de outras agências de viagens e turismo, nacionais ou estrangeiros, ou de operadores turísticos nacionais ou estrangeiros, bem como a intermediação na venda dos respetivos produtos; - A reserva de serviços em empreendimentos turísticos; - A venda de bilhetes e reserva de lugares em qualquer meio de transporte; - A receção, transferência e assistência a turistas. As agências de viagens podem desenvolver também, a título acessório, as seguintes atividades: - A obtenção de certificados coletivos de identidade, vistos ou outros documentos necessários à realização de uma viagem; - A organização de congressos e de eventos semelhantes; - A reserva e a venda de bilhetes para espetáculos e outras manifestações públicas; - A realização de operações cambiais para uso exclusivo dos clientes, de acordo com as normas reguladoras da atividade cambial; - A intermediação na celebração de contratos de aluguer de veículos de passageiros sem condutor. - A comercialização de seguros de viagem e de bagagem em conjugação e no âmbito de outros serviços por si prestados; - A venda de guias turísticos e de publicações semelhantes; - O transporte turístico efetuado no âmbito de uma viagem turística; - A prestação de serviços ligados ao acolhimento turístico (organização de visitas a museus, monumentos históricos e outros locais de relevante interesse turístico). 4 - Requisitos de acesso à atividade O acesso e exercício da atividade das agências de viagens e turismo dependem de inscrição no Registo Nacional das Agências de Viagens e Turismo RNAVT, por mera comunicação prévia, e dependem ainda do cumprimento dos seguintes requisitos: - Subscrição do fundo de garantia de viagens e turismo FGVT; - Contratação de um seguro de responsabilidade civil. Assim sendo, a mera comunicação prévia é efetuada por formulário eletrónico disponível no RNAVT, que identifica: Atualizado em abril 2014 Página 3

4 a) O requerente; b) Os titulares da empresa e os seus administradores ou gerentes, quando se trate de pessoa coletiva; c) A localização dos estabelecimentos. A mera comunicação prévia é instruída com os seguintes elementos: 1- Fotocópia simples de documento de identificação do (s) titular (es) da empresa; 2- Indicação do nome adotado para a agência de viagens e turismo e de marcas que pretenda utilizar, acompanhadas de fotocópia simples do documento que autoriza o uso de uma marca (quando aplicável); 3- Fotocópia simples da apólice do seguro de responsabilidade civil obrigatório; 4- Comprovativo do pagamento do respetivo prémio ou fração inicial do seguro de responsabilidade civil obrigatório; 5- Fotocópia simples do documento comprovativo de subscrição do Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT), ou da prestação de garantia equivalente noutro Estado-Membro da União Europeia/Espaço Económico Europeu; 6- Comprovativo do pagamento da taxa inicial de 750 (setecentos e quinhentos euros), este valor será atualizado todos os anos a 1 de março. 7- Código de acesso à certidão permanente de registo comercial ou declaração de início de atividade. Meios de autenticação: - Cartão de cidadão português; - Certificado Digital Europeu; - Número de identificação fiscal e senha de acesso aos Serviços do Portal das Finanças- opção Público senha Finanças ; - Número de identificação fiscal e senha individual do Turismo de Portugal opção Público. Custo estimado 750.,00 Meios de Pagamento: - Multibanco; - Transferência bancária para Turismo de Portugal Atualizado em abril 2014 Página 4

5 Livre Prestação de Serviços As agências de viagens e turismo legalmente estabelecidas noutro Estado membro da união Europeia ou do espaço económico europeu, podem exercer essa mesma atividade em território nacional, de forma ocasional e esporádica, devendo no entanto, comprovar ao Turismo de Portugal, I.P. que prestaram garantias equivalentes às exigidas às empresas portuguesas (contribuição para o Fundo de Garantia e contratação de seguro de responsabilidade civil). Viagens sem fins lucrativos Não precisam de se inscrever no RNAVT, as organizações sem fins lucrativos (associações, misericórdias, IPSS, cooperativas, etc.) que organizem até 5 (cinco)viagens por ano, destinadas apenas aos seus membros. No entanto, devem ter um seguro de responsabilidade civil que cobra os riscos decorrentes das viagens a realizar. 5 - Garantias dos consumidores No que se refere às garantias asseguradas ao consumidores, por parte agências de viagens, realçamos quais os critérios e obrigações a cumprir, relativamente a: Fundo de garantia de Viagens e Turismo FGVT - A contribuição para o FGVT deve ser efetuada através de transferência bancária; - O comprovativo da contribuição deve ser anexado no formulário de comunicação prévia, no ponto 5 (garantias obrigatórias); - O pagamento da taxa de inscrição no Registo Nacional das Agências de Viagens e Turismo (RNAVT) deve ser efetuado através do NIB indicado no campo Custo Estimado ; - O comprovativo deve ser anexado no formulário, no ponto 5 (comprovativo de pagamento da taxa de registo); - Caso não pretenda efetuar o pagamento antecipadamente, será contatado pelo gestor de processo, após validação da comunicação prévia, por forma, a que o mesmo seja efetuado através de referência multibanco. O FGVT é dotado de personalidade jurídica e de autonomia administrativa, patrimonial e financeira e tem por objetivo assegurar o pagamento dos créditos dos consumidores resultantes do incumprimento de serviços contratados a agências de viagens inscritas no RNAVT que tenham efetuado a sua respetiva contribuição. Atualizado em abril 2014 Página 5

6 O financiamento do FGVT é assegurado pelas agências de viagens e turismo, mediante uma contribuição única de 2500, a prestar no momento da inscrição no RNAVT. No entanto, sempre que este atinja um valor inferior a as agências de viagens e turismo são notificadas pelo Turismo de Portugal, I.P, para prestarem contribuição adicional, nos termos do quadro abaixo, na proporção estabelecida, até que o FGVT atinja o seu valor mínimo de Esta contribuição deve ser efetuada no prazo de 30 dias a contar da data da notificação do Turismo de Portugal, I.P devendo em simultâneo a agência facultar o acesso à informação empresarial simplificada (IES) que tenha apresentado para efeitos fiscais para comprovação do respetivo volume de negócios e apuramento do escalão aplicável e respetivo montante a contribuir. Quadro único (valor de contribuição das agências de viagens) Escalão Prestação de Serviços efetuados (euros) (*) Montante da contribuição anual para o FGVT (euros) 1º 1 milhão 350 2º > 1 até 5 milhões 500 3º > 5 até 10 milhões º >10 até 50 milhões º > 50 milhões (*) Ao abrigo do anexo N da Declaração Anual de IVA Regimes Especiais IES (Campo N15) Registo Nacional das Agências de Viagens RNAVT O Turismo de Portugal, I.P organiza e mantém atualizado o RNAVT, que contém informação atualizada sobre as agências de viagens e turismo estabelecidas em território nacional e se integra no registo nacional de turismo. Esta informação está disponível e acessível ao público no Portal do Turismo de Portugal, I.P. no balcão único eletrónico dos serviços e nos Portais da Empresa e do Cidadão. Com a atual legislação são dadas mais garantias para os consumidores, os quais passam a poder consultar no RNAVT, informação atualizada sobre todas as agências de viagens, bem como com a criação do FGVT, que permitirá o reembolso aos consumidores quando as agências de viagens não cumpram os seus contratos. Atualizado em abril 2014 Página 6

7 Provedor do Cliente das Agências de Viagens e Turismo O Provedor do Cliente é um instituto criado pela Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo APAVT em 2003, que visa a promoção dos direitos e interesses legítimos dos cidadãos utilizadores de serviços das Agências de Viagens e Turismo associadas. As decisões do Provedor constituem fundamento, quando necessário, para o acionamento do Fundo de Garantia de Viagens e Turismo. Este fundo permite aos clientes serem indemnizados por eventuais prejuízos decorrentes de incumprimentos. Qualquer cliente de uma agência de viagens, associada da APAVT, pode apresentar uma reclamação ao Provedor do Cliente no prazo máximo de 20 dias úteis após o fim da viagem. Para verificar os procedimentos necessários, bem como visualizar o formulário para submeter a reclamação, basta aceder ao respetivo sitio na internet em Seguro de Responsabilidade Civil As agências devem celebrar um seguro de responsabilidade civil que cubra os riscos decorrentes da sua atividade garantindo o ressarcimento dos danos patrimoniais e não patrimoniais causados a clientes ou a terceiros por ações ou omissões da agência ou dos seus representantes. O seguro de responsabilidade civil deve ainda cobrir como risco acessório: a) O repatriamento dos clientes e a sua assistência nos termos do artigo 28.º; b) Assistência médica e medicamentos necessários em caso de acidente ou doença ocorridos durante a viagem, incluindo aqueles que se relevem necessários após a conclusão da viagem. O montante mínimo coberto pelo seguro é de Outros requisitos: Instalações O edifício/fração aonde se vai instalar a agência de viagens deve ter uma autorização de utilização para comércio/serviços emitida pelo município aonde esta se pretende localizar. Atualizado em abril 2014 Página 7

8 Livro de reclamações As agências de viagens e turismo devem dispor de livro de reclamações, se a atividade for exercida numa instalação fixa, com atendimento ao público. O original da folha de reclamação deve ser enviado pelo responsável da agência de viagens e turismo ao Turismo de Portugal. Horário de funcionamento/publicidade/ocupação de espaço público a requerer junto da Câmara Municipal respetiva aonde se vai localizar a agência de viagens e turismo. 7-Legislação Aplicável: Decreto-Lei n.º 26/2014. D.R. n.º 32, Série I de Procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 61/2011, de 6 de maio, que regula o acesso e exercício da atividade das agências de viagens e turismo, reduzindo o valor da taxa devida ao Turismo de Portugal, I.P., pela inscrição no registo nacional das agências de viagens e turismo. Decreto-Lei n.º 199/2012, de 24 de agosto Altera o Decreto-Lei n.º 61/2011, de 6 de maio, que estabelece o regime de acesso e de exercício da atividade das agências de viagens e turismo e adapta este regime com o Decreto-Lei n.º 92/2010, de 26 de julho. Portaria 224/2011, de 3 de Junho Aprova o Regulamento do Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT). Decreto-Lei n.º 61/2011, de Regula o acesso e exercício da atividade das agências de viagens e turismo. Decreto-Lei n.º 92/2010. D.R. n.º 143, Série I de Estabelece os princípios e as regras necessárias para simplificar o livre acesso e exercício das atividades de serviços e transpõe a Diretiva n.º 2006/123/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Dezembro. Atualizado em abril 2014 Página 8

9 8-Contatos Entidades Competentes/Outras Entidades Entidades Competentes Turismo de Portugal, I.P. Apoio ao Empresário do Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote Lisboa Telefone: Website: Horário de funcionamento: dias úteis, das 09:00h às 19:00h Outras Entidades: Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo - APAVT GAI Gabinete de Apoio ao Investidor Tel: Fax: e.mail: Rua Duque de Palmela, 2-1º Dt Lisboa OBS. O GAI - Gabinete de Apoio ao Investidor - tem como principal objetivo dar resposta às dúvidas dos associados e parceiros da APAVT que pretendam realizar projeto de investimento e necessitarem do enquadramento das suas pretensões aos diferentes sistemas de incentivos ou mecanismos de apoio ao investidor. Registo Nacional de Turismo https://rnt.turismodeportugal.pt/rnt/perguntasfrequentes.aspx?temaid=2 Perguntas Frequentes sobre a atividade das agências de viagens Provedor do Cliente das Agências de Viagens Fax: Atualizado em abril 2014 Página 9

10 Instituto de Seguros de Portugal ISP Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Av. da República, Lisboa Horário de atendimento: das 09:00h às 16:00h Linha informativa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda INCM Porto Morada: Praça Gomes Teixeira (Leões), 1 a Porto Telefone: Fax: Horário: segunda-feira a sexta-feira, das 09h00 às 19h00 e sábado das 09h00 às 13h00 Autoridade de Segurança Alimentar e Económica ASA Rua Rodrigo da Fonseca, nº Lisboa Tel Fax: *Em caso de dificuldade em estabelecer contato telefónico com a ASAE ou de tempo de espera prolongado, é sugerido pela entidade aos utentes utilizar a forma escrita, através de carta, fax, ou preferencialmente, via Unidade Regional do Norte Rua Gil Vicente, Porto Tel: Fax: Atualizado em abril 2014 Página 10

11 9-Fiscalização A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica ASAE, é a autoridade competente para fiscalizar o cumprimento das disposições definidas neste dossiê, sem prejuízo, das competências atribuídas a outras entidades. A agência que não cumprir as regras definidas pela legislação abordada pode ter que pagar coimas entre 200 a 3740 se for pessoa singular e entre 250 a 30 mil euros se for pessoa coletiva. Sanções Acessórias Se a infração for grave, a ASAE pode ainda: - Encerrar o estabelecimento e suspender a atividade da agência durante, no máximo, dois anos; - proibir a pessoa que cometeu a infração de exercer a profissão de agente de viagens; 10 Perguntas e Respostas sobre a atividade das Agências de Viagens e Turismo 1 - O que é o Registo Nacional das Agências de Viagem e Turismo (RNAVT)? O Registo Nacional das Agências de Viagens e Turismo, integrado no Registo Nacional do Turismo, é uma plataforma eletrónica que congrega e disponibiliza informação sobre as Agências de Viagens e Turismo que operam em Portugal. Todas as entidades que pretendam exercer a atividade de agência de viagens e turismo devem inscrever-se previamente no RNAVT. 2 Como efetuar o registo no RNAVT? Os interessados em efetuar a mera comunicação prévia, através da inscrição no RNAVT, devem aceder ao portal do Turismo de Portugal, I.P. (www.turismodeportugal.pt) e selecionar o link Serviços na Web, selecionando em seguida Serviços de Registo. Nesta fase é pedido ao utilizador que se autentique, sendo que o acesso aos Serviços na Web do Turismo de Portugal pode ser feito de forma segura utilizando um dos métodos à escolha nos separadores visíveis na respetiva página: Público utilizador que se registe e escolha uma senha individual no Turismo de Portugal. Público senha Finanças - utilizador que tenha credenciais de acesso aos serviços do Portal das Finanças. (A autenticação é feita através da plataforma do Ministério das Atualizado em abril 2014 Página 11

12 Finanças utilizando o seu Número de Contribuinte conjuntamente com a Senha de Acesso ao Portal das Finanças. O Turismo de Portugal, I.P. não tem acesso a quaisquer dados referentes ao utilizador constantes da base de dados do Ministério das Finanças, incluindo a Senha, não podendo por isso fazer quaisquer alterações aos mesmos.) Cartão do Cidadão utilizador portador de Cartão do Cidadão Português e de leitor de cartões. e-id Europeu utilizador portador de um Cartão de Identificação com credenciais e- ID europeias e leitor de cartões. Após a autenticação com sucesso, deve ser selecionada a opção Agentes de Viagens e Turismo e seguidamente Pedido de Registo. 3 - Quais os documentos que devo submeter para que o registo se efetue com sucesso? Aquando da comunicação prévia no RNAVT deverão ser submetidos os seguintes documentos: a) Certidão de registo comercial ou código de acesso à respetiva certidão permanente; b) Indicação do nome adotado para a agência de viagens e turismo e de marcas que pretenda utilizar, acompanhados de cópia simples do registo da marca; c) Cópia simples da apólice do seguro de responsabilidade civil obrigatório, e comprovativo do pagamento do respetivo prémio ou fração inicial; d) Cópia simples do documento comprovativo da subscrição do Fundo de Garantia de Viagens e Turismo, ou da prestação de garantia equivalente noutro Estadomembro da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu. e) Comprovativo do pagamento da taxa inicial de 750,00 (setecentos e cinquenta euros). Atualizado em abril 2014 Página 12

13 4- O que são viagens organizadas? São viagens organizadas as viagens turísticas que, combinando previamente pelo menos dois dos serviços seguintes, sejam vendidas ou propostas para venda a um preço com tudo incluído, quando excedam vinte e quatro horas ou incluam uma dormida: a) Transporte; b) Alojamento; c) Serviços turísticos não subsidiários do transporte e do alojamento, nomeadamente os relacionados com eventos desportivos, religiosos e culturais, desde que representem uma parte significativa da viagem. 5- Quando posso começar a exercer a atividade? A atividade poderá ter início assim que tiver efetuado o seu registo no RNAVT com a correspondente submissão do comprovativo de pagamento da taxa de inscrição, o comprovativo do pagamento da contribuição para o Fundo de Garantia e Viagens e Turismo (FGVT), a apólice de seguro de responsabilidade civil e o respetivo comprovativo de pagamento. 6- Qual o valor com que devo contribuir para o Fundo de Garantia de Viagens e Turismo (FGVT)? No momento da inscrição no RNAVT, deve ser prestada uma contribuição para o FGVT de (dois mil e quinhentos euros). 7-Qual o valor da taxa para iniciar a atividade? Deve ser paga uma taxa no valor de 750,00. 8-Poderá o público em geral visualizar on-line informação sobre a minha agência de viagens e turismo? Sim. O RNAVT contém visível ao público as seguintes informações: A identificação do titular da empresa; Quanto às pessoas coletivas, a identificação da firma ou a denominação social, a sede e o número de pessoa coletiva e a conservatória do registo comercial em que a sociedade se encontra matriculada, ou dados equivalentes do Estado membro da União Europeia ou do espaço económico europeu onde se localize o estabelecimento Atualizado em abril 2014 Página 13

14 principal; A localização e contactos dos estabelecimentos; O nome comercial; As marcas próprias da agência; O montante das garantias prestadas pela agência de viagens; As situações de irregularidade verificadas no exercício da atividade das agências de viagens e turismo durante o período em que se verifiquem, nomeadamente as seguintes: - Dissolução ou insolvência; - Cessação da atividade por um período superior a 90 dias sem justificação atendível; - Incumprimento da obrigação anual de entrega ao Turismo de Portugal, I. P., do comprovativo de que as garantias exigidas se encontram em vigor; - Não reposição de valores do FGVT da responsabilidade da agência; Verificação de irregularidades graves na gestão da empresa ou incumprimento grave perante fornecedores ou consumidores, de modo a pôr em risco os interesses destes ou as condições normais de funcionamento do mercado das agências de viagens e turismo. 9-Que alterações devem ser comunicadas ao Turismo de Portugal I.P? Qual o prazo? Devem ser comunicadas ao Turismo de Portugal, I. P., através do RNAVT: a) A abertura ou mudança de localização de estabelecimentos ou de quaisquer formas de representação; b) A transmissão da propriedade; c) A cessão de exploração de estabelecimento; d) O encerramento do estabelecimento; e) A alteração de qualquer outro elemento integrante do registo. A comunicação deverá ser efetuada no prazo máximo de 60 dias, após a respetiva verificação. 10-Uma empresa de animação turística que pretenda exercer atividade de agência de viagens tens de registar-se no RNAVT? Sim Atualizado em abril 2014 Página 14

15 11- Qual a taxa que terá que pagar? As empresas de animação turística que pretendam efetuar o registo no RNAVT, pagam uma taxa que corresponde ao diferencial do valor da taxa de inscrição no RNAAT e os 750,00 de inscrição no RNAVT. 12- A apólice de responsabilidade civil que as Empresas de Animação contratarem é adequada para o exercício da atividade como Agência de Viagens e Turismo? A apólice poderá ser a mesma desde que as condições particulares prevejam também: i. O ressarcimento dos danos patrimoniais e não patrimoniais causados a clientes ou a terceiros por ações ou omissões da agência ou dos seus representantes; ii. O seguro de responsabilidade civil deve ainda cobrir como risco acessório: a. O repatriamento dos clientes e a sua assistência até ao ponto de partida ou chegada; b. A assistência médica e medicamentos necessários em caso de acidente ou doença ocorridos durante a viagem, incluindo aqueles que se revelam necessários após a conclusão da viagem. iii. A cobertura de um montante mínimo de As agências de viagens e turismo podem livremente exercer as atividades de animação turísticas? As agências de viagens que pretendam exercer atividades de animação turística devem inscrever-se no Registo Nacional de Animação Turística (RNAAT), e contratar as garantias legalmente exigidas no artigo 27.º do Decreto-Lei n.º 108/2009 de 15 de maio, alterado pelo Decreto-Lei n.º 95/2013 de 19 de julho. Quando é que tenho de apresentar o volume de negócios da agência mediante a apresentação da informação empresarial simplificada (IES)? No ano subsequente ao da contribuição inicial para o Fundo de Garantia e Viagens e Turismo (FGVT). Atualizado em abril 2014 Página 15

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores

Agências de Viagens e Turismo. guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Agências de Viagens e Turismo guia para empresários e empreendedores Índice pág. 1. Viagens Turísticas 5 2. Agências de Viagens e Turismo

Leia mais

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas.

1) São atividades próprias das agências de viagem e turismo: e) A recepção, transferência e assistência a turistas. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE 79110 AGÊNCIAS DE VIAGENS ÂMBITO: São agências

Leia mais

Capítulo 1- Agências de Viagem

Capítulo 1- Agências de Viagem Capítulo 1- Agências de Viagem 1.1- Quadro Sinótico Relativamente ao D.L. n.º 199/2012, de 24 de agosto, transcrito de seguida, os seus artigos n.º s 2, 3, 4, 5 e 6 foram omitidos neste trabalho. Neles

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E DE EXERCICIO DAS ACTIVIDADE DAS AGÊNCIAS DE VIAGEM E DE TURISMO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E DE EXERCICIO DAS ACTIVIDADE DAS AGÊNCIAS DE VIAGEM E DE TURISMO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME DE ACESSO E DE EXERCICIO DAS ACTIVIDADE DAS AGÊNCIAS DE VIAGEM E DE TURISMO TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A seleção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page

Leia mais

Agências de Viagens e Turismo. O que o cliente deve saber

Agências de Viagens e Turismo. O que o cliente deve saber Agências de Viagens e Turismo O que o cliente deve saber Agências de Viagens e Turismo O que o cliente deve saber Índice pág. 1. Informações relevantes 1.1. Antes da viagem 1.2. Durante a viagem 1.3.

Leia mais

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA

O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA O NOVO ENQUADRAMENTO JURIDICO DAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA 10 de Fevereiro de 2010 Elsa Correia Gavinho 1 Novo enquadramento jurídico das EAT 2 1 - As razões para a mudança 2 - As principais alterações

Leia mais

A) Constituição Formal da Empresa

A) Constituição Formal da Empresa Área Temática TURISMO (Turismo no Espaço Rural; Turismo Habitação; Parques de Campismo e Caravanismo; Aluguer de veículos ligeiros de passageiros sem condutor - rent-a-car; Agências de viagens e turismo)

Leia mais

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora.

a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui FUNCHAL a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. CAE Rev_3: 49310, 49391 e 49392 TRANSPORTE RODOVIÁRIO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL

Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Coleção Cadernos Práticos - 3 ALOJAMENTO LOCAL Tudo o que Precisa Saber 1 Definição Enquadramento Requisitos 4 Legislação 5 Fiscalização Procedimentos Definição ALOJAMENTO LOCAL Denominações Consideram-se

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS INTRODUÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS INTRODUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS INTRODUÇÃO As presentes condições gerais fazem parte integrante do programa / catálogo / documento informativo em que se inserem, constituindo, na ausência de documento autónomo, o contrato

Leia mais

Foto: Faísca. Capa- Foto:Teresa Vilas-Boas

Foto: Faísca. Capa- Foto:Teresa Vilas-Boas Foto: Faísca Capa- Foto:Teresa Vilas-Boas O QUE DEVE SABER SOBRE ATIVIDADES DE AR LIVRE 4 O QUE DEVE SABER SOBRE AS ATIVIDADES DE AR LIVRE Foto: Teresa Vilas Boas Nos últimos anos, tem-se verificado um

Leia mais

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice

GUIAS TÉCNICOS. Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local. Índice Índice GUIAS TÉCNICOS Perguntas frequentes sobre a Legislação do Alojamento Local Estabelecimentos de Alojamento Local - Enquadramento - Tenho um imóvel que pretendo explorar como alojamento local, o que

Leia mais

Área Temática Restauração e bebidas. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos:

Área Temática Restauração e bebidas. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos: Área Temática Restauração e bebidas A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou Denominação O Empresário

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGIME JURÍDICO DA EXPLORAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Decreto-Lei n.º 128/2014, de 29 de Agosto, alterado pelo Decreto Lei n.º 63/2015, de 23 de Abril FIGURA DO ALOJAMENTO LOCAL A figura

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

Área Temática COMÉRCIO. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos:

Área Temática COMÉRCIO. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos: Área Temática COMÉRCIO A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou Denominação O Empresário em Nome Individual

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

CAIXA SEGURO 2014 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO SIMPLIFICADO (atualizado a 30 de abril de 2012) CAIXA SEGURO 2014 SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) NÃO NORMALIZADO PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

O presente documento é vinculativo para a agência, operador e cliente, salvo alguma das presentes condições:

O presente documento é vinculativo para a agência, operador e cliente, salvo alguma das presentes condições: Condições gerais de venda de todos os programas e que constituem, na ausência de documento autónomo, o contrato de viagem, reserva de alojamento e/ou atividade. O presente documento é vinculativo para

Leia mais

Decreto-Lei n.º 12/99 de 11 de Janeiro

Decreto-Lei n.º 12/99 de 11 de Janeiro Decreto-Lei n.º 12/99 de 11 de Janeiro Considerando que importa compatibilizar o regime do Decreto-Lei n.º 209/97, de 13 de Agosto, com o regime jurídico da instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

DIPLOMAS RELATIVOS À ATIVIDADE SEGURADORA E DE FUNDOS DE PENSÕES

DIPLOMAS RELATIVOS À ATIVIDADE SEGURADORA E DE FUNDOS DE PENSÕES Legislação 79 1852 Apólice da Companhia de Seguros Restauração Impresso e manuscrito sobre papel; 36 X 24 cm; Colecção do Instituto de Seguros de Portugal DIPLOMAS RELATIVOS À ATIVIDADE SEGURADORA E DE

Leia mais

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Republicação Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define a natureza dos apoios a nível nacional do Programa de Financiamento

Leia mais

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, SA. Sede: Avenida Dr. Mário Soares (Tagus Park), Edifício 10, Piso 1, 2744-002 Porto Salvo. Pessoa coletiva n.º 501 836 926, matriculada sob esse número

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO

CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS INFORMAÇÃO SINTETIZADA CRÉDITO AO INVESTIMENTO NO TURISMO PROTOCOLOS BANCÁRIOS ÍNDICE NOVAS LINHAS DE APOIO FINANCEIRO

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA

PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO POUPANÇA AUTO PREENCHER A CANETA PRETA POUPANÇA E INVESTIMENTO PROPOSTA DE SEGURO SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO PREENCHER A CANETA PRETA SEGURO DE CAPITALIZAÇÃO 3 0 ALTERAÇÃO À APÓLICE Nº (*) AGÊNCIA/AGENTE Nº FM IB CONTA COBRANÇA Nº (*) PREENCHER

Leia mais

Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas)

Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas) 1 Condições de participação Speciality & Fine Food Fair Reino Unido 07 a 09 de Setembro (Valor estimado para a participação de 9 empresas) Esta proposta de participação é válida para um elemento por empresa,

Leia mais

Título: Estabelece as condições de acesso e de exercício da atividade das empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos

Título: Estabelece as condições de acesso e de exercício da atividade das empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos Título: Estabelece as condições de acesso e de exercício da atividade das empresas de animação turística e Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas:

Leia mais

atividadedas empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos

atividadedas empresas de animação turística e dos operadores marítimo-turísticos NÁUTICA DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E CULTURA MARÍTIMA Carla Abreu Registo Nacional de Agentes de Animação Turística - RNAAT- (DL 108/2009 de 15 de Maio) Estabelece as condições de acesso e de exercício

Leia mais

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS

SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO DE SERVIÇOS DIRETIVA ERO E ERVIÇOS SESSÃO DE ESCLARECIMENTO L LICENCIAMENTO ZERO ERO E D DIRETIVA DE SERVIÇOS ERVIÇOS 2014 OBJETIVOS Compreender a novidade regulamentar associado à Diretiva de Serviços e à Iniciativa Licenciamento Zero;

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO PREÂMBULO No quadro das ações e planos

Leia mais

Tipo de Bolsa Montante Mensal ( ) Bolsa de Investigação (BI) Mestres 980,00 Licenciados ou Bacharéis 745,00 Bolsa de Iniciação Científica (BIC)

Tipo de Bolsa Montante Mensal ( ) Bolsa de Investigação (BI) Mestres 980,00 Licenciados ou Bacharéis 745,00 Bolsa de Iniciação Científica (BIC) 1. Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas* As bolsas distinguem-se de acordo com a sua finalidade e o grau académico requerido para os bolseiros. Tipo

Leia mais

ANEXO. Procedimentos para o exercício das opções de compra

ANEXO. Procedimentos para o exercício das opções de compra ANEXO Procedimentos para o exercício das opções de compra I. Enquadramento 1. Operação O presente documento é relativo aos procedimentos estabelecidos para o segundo período de exercício da faculdade de

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.12)

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estudos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA. Preâmbulo

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA. Preâmbulo CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Preâmbulo 1.º Estas condições gerais de venda são acordadas entre Betweien, Challenge and Success, Lda., uma sociedade por quotas, com sede no Centro de Escritórios Panoramic,

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES

SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO ESTRATÉGIA AGRESSIVA AÇÕES Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO INVESTIDOR GLOBAL FUNDO AUTÓNOMO

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL

REGULAMENTO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL REGULAMENTO DO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL Artigo 1º Têm direito ao seguro de responsabilidade civil profissional contratado pela Ordem dos Contabilistas Certificados os profissionais neles inscritos

Leia mais

INVESTIMENTO PORTUGAL TOP SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE)

INVESTIMENTO PORTUGAL TOP SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) PROSPETO SIMPLIFICADO Agosto 2012 INVESTIMENTO PORTUGAL TOP SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) Período de comercialização: de 13 de agosto de 2012

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 139 20 de Julho de 2007 4615 18 de Agosto, com as alterações introduzidas pelo Decreto- -Lei n.º 201/2005, de 24 de Novembro; Ouvido o Conselho Cinegético Municipal de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS E TERMOS DE UTILIZAÇÃO Caro(a) Utilizador(a) As presentes condições de uso estabelecem as regras e obrigações para o acesso e utilização do sítio da internet www.rolos.pt, bem como de

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do

Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas. Preâmbulo. A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do Regulamento do Banco Local de Voluntariado de Boticas Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de novembro estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e garantir a todos os cidadãos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - G763300V2 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO

NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO NOVO REGIME JURÍDICO DO ALOJAMENTO LOCAL DECRETO-LEI 128/2014, 29 DE AGOSTO Revoga: A Portaria 517/2008, de 25 de Junho, alterada pela Portaria 138/2012, de 14 de Maio; O artigo 3º Alínea d) do nº 2 do

Leia mais

wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas Guia Prático de Mobilidade dos dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl

wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas Guia Prático de Mobilidade dos dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc vbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmq Gabinete de Relações Exteriores wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

17. Quais os documentos que devem ser submetidos com o pedido de registo de compra e. Venda com reserva de propriedade?...8

17. Quais os documentos que devem ser submetidos com o pedido de registo de compra e. Venda com reserva de propriedade?...8 Perguntas Frequentes Advertência: O IRN disponibiliza conteúdos com carácter informativo e geral, sobre o pedido de registo Automóvel Online. Esta informação não substitui o atendimento técnico e qualificado

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO CREDIBOM, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Credibom, S.A., contém o Folheto de e Despesas (que

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Comunicado. Lisboa, 29 de Junho 2015. O Emitente

Comunicado. Lisboa, 29 de Junho 2015. O Emitente Comunicado Banif informa sobre segundo período de exercício da faculdade de aquisição de acções ao Estado Português, pelos accionistas a 25 de Janeiro de 2013, no termos do parágrafo 9.º do Despacho n.º

Leia mais

Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Regionais

Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Regionais Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Regionais Perguntas Frequentes 1 Qual a legislação que regulamenta o Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição

Leia mais

A iniciativa i i Licenciamento i Zero

A iniciativa i i Licenciamento i Zero LICENCIAMENTO ZERO A iniciativa i i Licenciamento i Zero Estamos perante uma iniciativa do GOVERNO: Incorporando os princípios decorrentes da Diretiva de Serviços, transposta para Portugal pelo DL 92/2010,

Leia mais

Cartão de Crédito Millennium bcp GO!

Cartão de Crédito Millennium bcp GO! FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

Condições Gerais do Website. 1. Objeto

Condições Gerais do Website. 1. Objeto Condições Gerais do Website 1. Objeto 1.1 As presentes Condições Gerais destinam-se a regular os termos e condições de acesso e utilização do site www.phone-ix.pt (adiante designado por Site ), bem como

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO Fundada a 30 de Maio de 1950 Única Associação das Agências de Viagens em Portugal Medalha de Ouro de Mérito Turístico de Portugal Medalha de Ouro

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Artigo 3º. Condições para o exercício de serviços admitidos no Aeroporto

Artigo 3º. Condições para o exercício de serviços admitidos no Aeroporto ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO do exercício de serviços de rent-a-car por empresas sem instalações no domínio público aeroportuário e com reserva devidamente comprovada (Aeroporto de Lisboa) Considerando que:

Leia mais

PROSPETO SIMPLIFICADO. (atualizado a 30 de abril de 2012) LEVE PPR

PROSPETO SIMPLIFICADO. (atualizado a 30 de abril de 2012) LEVE PPR PROSPETO SIMPLIFICADO (atualizado a 30 de abril de 2012) LEVE PPR Opções de Investimento LEVE UNI (PPR), LEVE DUO (PPR), LEVE TRI (PPR AÇÕES INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) PRODUTO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio Decreto-Lei n.º 15/97/M de 5 de Maio Desenvolveram-se, nos últimos tempos, as sociedades dedicadas à entrega rápida de pequenos valores em numerário, entre diversos países e territórios, prestando serviços,

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual.

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou

Leia mais

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19

Ministério d DL 205/2014 2014.05.19 DL 205/2014 2014.05.19 A figura do alojamento local foi criada pelo -Lei 39/2008, de 7 de março, para permitir a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não reunissem os

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS INTRODUÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS INTRODUÇÃO CONDIÇÕESGERAIS INTRODUÇÃO Aspresentescondiçõesgeraisfazemparteintegrantedoprograma/catálogo/documento informativo em que se inserem, constituindo, na ausência de documento autónomo, o contratodeviagem.

Leia mais

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo

INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA. Condições de acesso ao incentivo INCENTIVO FISCAL AO ABATE DE VEÍCULOS EM FIM DE VIDA Condições de acesso ao incentivo Pela Lei nº 82-D/2014, de 31 de dezembro (Lei da Fiscalidade Verde ), foi criado um regime excecional de atribuição

Leia mais

Condições Gerais IV CLÁUSULAS OBRIGATÓRIAS E FINAIS

Condições Gerais IV CLÁUSULAS OBRIGATÓRIAS E FINAIS I CONDIÇÕES PRELIMINARES E ESSENCIAIS 1. DEFINIÇÕES 2. OBJETO E GARANTIAS DO CONTRATO 3. ÂMBITO TERRITORIAL 4. CAPITAL SEGURO 5. BENEFICIÁRIOS 6. PESSOA SEGURA 7. VIGÊNCIA DO CONTRATO. INÍCIO E DURAÇÃO

Leia mais

Residenciais, nos casos em que a sua realização implique o alojamento; Não Residenciais, nos restantes casos.

Residenciais, nos casos em que a sua realização implique o alojamento; Não Residenciais, nos restantes casos. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55203 EXPLORAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013

Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 Instituto de Seguros de Portugal Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 2013 19 de novembro de 2014 Índice Relatório de Regulação e Supervisão da Conduta de Mercado 1 Atividade regulatória

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

guia para empresários e empreendedores

guia para empresários e empreendedores Animação Turística guia para empresários e empreendedores Animação Turística guia para empresários e empreendedores Índice pág. 1. Agentes 2. Requisitos para o exercício da atividade 2.1. Seguros 2.2.

Leia mais

EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS EDIÇÃO 2015/2016

EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONCURSO DE ACESSO AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS EDIÇÃO 2015/2016 EDITAL Por delegação de competências da Presidente do Instituto Politécnico do Porto (IPP), Delminda Augusta Pinto Lopes, Vice-Presidente, faz saber, nos termos do artigo 4.º do Regulamento dos Cursos

Leia mais

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

PROJECTO. Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro PROJECTO NORMA REGULAMENTAR N.º X/2007-R, de Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro A Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro, regulamentou o Decreto-Lei

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º 7/SP/2014 07-04-2014 ASSUNTO: RECONHECIMENTO E EQUIVALÊNCIA DAS FORMAÇÕES OBTIDAS NO ESTRANGEIRO PARA AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS DE VIGILANTE E DIRETOR DE SEGURANÇA

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências?

Índice. Introdução 3. Como devem ser efetuadas as cobranças das despesas relativas a transferências? 6. O que são transferências? Índice Introdução 3 O que são transferências? 3 O que distingue as transferências dos débitos diretos? 3 As transferências Multibanco são transferências? 3 Quais as formas utilizadas para ordenar uma transferência?

Leia mais

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos Condição Especial Responsabilidade Civil Profissional Farmacêuticos 1. Objectivo Esta Condição Especial destina-se a acompanhar e a clarificar as coberturas e funcionamento dos Certificados de Seguro emitidos

Leia mais

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior

REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior IESE A preencher pelos serviços Despacho DSSRES: Data: Índice n.º RD: Data: Selo de registo de entrada na DGES REQUERIMENTO Documentos de estabelecimentos privados de ensino superior Este formulário destina-se

Leia mais

Regulamento do Passatempo 12 anos SLB

Regulamento do Passatempo 12 anos SLB Regulamento do Passatempo 12 anos SLB 1. Identificação 1.1. O presente passatempo denominado 12 anos SLB (adiante abreviadamente designado por Passatempo ) é promovido pela EDP Comercial - Comercialização

Leia mais