DELVIZIO, Ivanir Azevedo Universidade Estadual Paulista-UNESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DELVIZIO, Ivanir Azevedo Universidade Estadual Paulista-UNESP ivanir_ad@yahoo.com.br"

Transcrição

1 O LÉXICO DA TRADUÇÃO JURAMENTADA: REFLEXÃO SOBRE OS DISTANCIAMENTOS E APROXIMACÕES ENTRE O PORTUGUÊS E O INGLÊS EM SUAS VARIANTES NORTE-AMERICANA E BRITÂNICA. DELVIZIO, Ivanir Azevedo Universidade Estadual Paulista-UNESP 1. Introdução Com o aumento do fluxo de estudantes e profissionais que desejam estudar ou trabalhar em outros países, ou validar no Brasil os estudos realizados no exterior, os documentos acadêmicos são objetos freqüentes da Tradução Juramentada. Um estudo da terminologia neles recorrente pode ser de grande utilidade para aqueles que pretendem atuar nessa promissora área da tradução. Evidentemente, ao traduzir esse tipo de documento, o tradutor público encontrará termos que se referem a realidades educacionais específicas de um país e que não possuem, em razão disso, termos equivalentes em outra língua, o que gera não apenas problemas de tradução, mas também de compreensão cultural. No entanto, esses termos, a despeito das evidentes dificuldades, [são] traduzidos de um modo ou de outro (AUBERT, 2003, s.p., apud ALVES, 2006, p. 47). A discussão sobre a comparabilidade dos sistemas educacionais, a (não-)equivalência de suas terminologias e os procedimentos tradutórios adotados ganha mais espaço em uma sociedade globalizada com oportunidades e programas de mobilidade profissional e estudantil cada vez mais numerosos. Diante disso, como parte de um projeto mais amplo, intitulado O Léxico da Tradução Juramentada-LexTraJu, desenvolvemos uma pesquisa em nível de Doutorado, orientada pela Prof. Dr. Lidia Almeida Barros e financiada pela FAPESP, tendo como foco duas questões: uma refere-se às dificuldades terminológicas que um tradutor público pode enfrentar quando os termos a traduzir são próprios a uma cultura escolar específica e não têm equivalentes diretos na cultura da língua de chegada. A outra, refere-se às diferenças terminológicas encontradas entre as variantes de uma mesma língua, no caso, o inglês. Tentamos responder, portanto, as seguintes perguntas: é possível o estabelecimento de equivalência perfeita entre os termos de documentos escolares pertencentes a dois sistemas de ensino diferentes? Qual o grau de equivalência predominante? Como podem proceder os tradutores juramentados no caso de particularidades terminológicas e culturais? Para realizar o estudo proposto e responder a essas indagações, estabelecemos os seguintes passos e objetivos. 1.1 Objetivos Gerais Analisar o conjunto terminológico recorrente em documentos acadêmicos (diplomas, históricos, atestados e outros) submetidos à Tradução Juramentada na direção português inglês; Verificar se há diferenças de uso do léxico e de terminologias próprios ao inglês em suas variantes nacionais norte-americana e britânica;

2 Refletir sobre os aspectos sociolinguísticos e culturais que subjazem às aproximações e aos distanciamentos lexicais e terminológicos observados. 1.2 Objetivos Específicos Identificar o conjunto lexical/terminológico presente em documentos escolares submetidos à Tradução Juramentada na direção tradutória português inglês; Compará-lo ao conjunto lexical/terminológico presente em documentos de mesma natureza originalmente redigidos em inglês; Com base nessa análise, verificar as semelhanças e diferenças existentes entre as terminologias empregadas nos documentos escolares no que se refere aos termos culturalmente marcados e variantes nacionais do inglês; Refletir sobre os aspectos sociolinguísticos e culturais que subjazem às diferenças e semelhanças encontradas; Observar o comportamento do tradutor no que concerne à homogeneidade no emprego do léxico e da terminologia próprios ao inglês; Refletir sobre o fazer tradutório quando estão em jogo diferentes organizações políticas, administrativas e jurídicas. 2. Metodologia A primeira parte da pesquisa consistiu no desenvolvimento da parte teórica do trabalho. Aprofundamos, assim, nossos conhecimentos sobre: a) Tradução Juramentada, b) Terminologia e Terminologia Bilíngue, c) Tradução Juramentada de Documentos Acadêmicos d) A estrutura e funcionamento dos sistemas escolares brasileiro, britânico e norte-americano. Em relação aos subsídios teóricos e procedimentos metodológicos adotados, guiamo-nos basicamente pelos trabalhos de Aubert (1996; 1998; 2004), Barros (2004; 2005), Cabré (1999), Mayoral (1991; 2003), Vázques y Del Arbol (2007), Santaemilia (1999) e Way (2003). Em seguida, dedicamo-nos a criação do córpus textual. O grupo de pesquisa em Tradução Juramentada-LexTraJu conta com um acervo de textos composto por documentos que foram submetidos ao processo de tradução juramentada, traduzidos para o português ou vertidos para outras quatro línguas (espanhol, francês, italiano, inglês), extraídos de dezoito Livros de Registro de Traduções pertencentes a três tradutores (identificados por Tradutor A, B e C) credenciados pela Junta Comercial do Estado de São Paulo. Desse córpus, selecionamos apenas os documentos escolares, criando uma base de dados textuais composta por traduções e versões juramentadas (português inglês) feitas pelos três tradutores públicos do estado de São Paulo. Esses arquivos foram, então, armazenados no Hyperbase, programa de gerenciamento de bases textuais, desenvolvido por Etienne Brunet, pesquisador da Universidade de Nice, França. Esse potente software encontra-se disponível na UNESP, tendo sido disponibilizado pelo criador do mesmo ao Departamento de Letras Modernas. Uma vez armazenados os textos, uma primeira lista de termos foi produzida pela ferramenta informática. Procedemos, no entanto, a um levantamento semi-automático, pois, em seguida, a lista foi submetida à análise do pesquisador e orientador. Esse procedimento é adotado em centros de pesquisa de renome internacional e, nesse sentido, acreditamos que nossa metodologia foi adequada. Seguindo a proposta de Baker (1993) e Tognini Bonelli (2001), o próximo passo foi a criação de um córpus comparável. Segundo Baker, um córpus de tradução permite verificar as 2

3 diferenças existentes entre a "língua" encontrada nos textos traduzidos (TTs) e a respectiva língua natural de chegada. Baker (1993) propôs um modelo inovador para as investigações científicas sobre a tradução por meio da natureza dos TTs. Dentre os diversos tipos de córpus existentes, utilizaremos em nossa pesquisa o córpus comparável que, de acordo com Baker, consiste em dois conjuntos de textos em uma mesma língua: 1) um composto de textos traduzidos para uma dada língua de chegada (TTs) a partir de uma única língua fonte (LF) ou de diversas LFs; 2) outro composto de textos originalmente escritos na mesma língua de chegada dos TTs (TOs). Esse tipo de córpus demonstra ser o mais indicado para o estudo da TJ, uma vez que é importante comparar o texto traduzido com documentos de mesma natureza originalmente escritos nas línguas de partida e de chegada. A constituição de um córpus como esse nos permite realizar diversos tipos de estudo sobre variados aspectos. Interessa-nos aqui comparar as unidades lexicais e/ou terminológicas presentes nos documentos escolares e observar as aproximações e distanciamentos (linguísticos e extralinguísticos) existentes entre elas. 3. Fundamentação teórica Toda documentação redigida em língua estrangeira, para ter validade perante as instituições brasileiras, deve vir acompanhada de uma tradução em língua portuguesa, conforme atesta o trecho abaixo e outras disposições legais 1 : Nenhum livro, documento ou papel de qualquer natureza que for exarado em idioma estrangeiro, produzirá efeito em repartições da União dos Estados e dos municípios, em qualquer instância, Juízo ou Tribunal ou entidades mantidas, fiscalizadas ou orientadas pelos poderes públicos, sem ser acompanhado da respectiva tradução. (art. 18 Decreto nº , de 21 de outubro de 1943). Além disso, de acordo com o art. 157 do Código de Processo Civil, para que essa tradução tenha valor, ela deve ser feita por um Tradutor Juramentado, ou seja, um tradutor concursado e nomeado especialmente para tal fim que, além de realizar a tradução, passa uma certidão, com firma reconhecida, atestando e garantindo sua autenticidade. Esse poder de conferir a um documento uma presunção legal de autenticidade é chamado de fé pública 2. Assim, por Tradução Juramentada (TJ) entendemos uma tradução revestida de formalidades legais, com fé pública, que é fundamentalmente uma Certidão (CAMPBELL, 1983, p.112). Vejamos também a definição de Aubert: Por tradução juramentada entende-se a tradução de textos de qualquer espécie que resulte em um texto traduzido legalmente reconhecido como uma reprodução fiel do original (com fé pública). Esta característica de fidelidade, 1 Art. 13 da Constituição de 1988: A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil. ; Art. 140 do Código Civil: Os escritos de obrigação redigidos em língua estrangeira serão, para ter efeitos legais no país, vertidos em português ; Art. 156 e 157 do Código de Processo Civil: Em todos os atos e termos do processo é obrigatório o uso do vernáculo., Só poderá ser junto aos autos documento redigido em língua estrangeira, quando acompanhado de versão em vernáculo, firmada por tradutor juramentado ; Código Comercial: Arts. 16, 62, 64 e 125; Código do Processo Penal: Arts. 193, 223 e 236; CLT: Art Termo jurídico que denota "presunção legal de autenticidade, verdade ou legitimidade de ato emanado de autoridade ou funcionário autorizado, no exercício de suas respectivas funções" (Aurélio Buarque de H. Ferreira). 3

4 por sua vez, significa que, por meio de tal tradução, o texto original, expresso em um idioma estrangeiro, torna-se capaz de produzir efeitos legais no país da língua de chegada e, ainda, que tal tradução é correta, precisa, exaustiva e semanticamente invariante em relação ao original (obviamente, dentro dos limites dos meios de expressão disponíveis nas respectivas línguas/culturas que se confrontam no ato tradutório específico) (AUBERT, 1998, p.14). Essa é uma das características que opõem a Tradução Juramentada a outras formas e outros contextos de execução do ato tradutório, não-juramentado, dando-se em duas instâncias: a primeira é estritamente tradutória, a segunda é de natureza notarial (AUBERT, 1998, p. 15). Também é importante destacar outra diferença em relação à tradução convencional. O texto traduzido no modo juramentado não é um texto autônomo. Ele vem ou dever vir acompanhado de seu original (AUBERT, 1996, p. 16), consistindo, pelo menos, em duas partes: o texto de partida e o texto traduzido, além dos termos de abertura e de encerramento e outros elementos formais. No Brasil, o profissional autorizado a realizar esse tipo de tradução e a certificá-la, conferindo-lhe legitimidade e valor legal, é oficialmente chamado de Tradutor Público e Intérprete Comercial. Uma vez acompanhado de sua tradução juramentada, o texto/documento redigido em língua estrangeira passa a ser aceito e a produzir efeitos legais no Brasil. Vertido do português para uma outra língua, é reconhecido na maior parte dos países estrangeiros (ATPIESP, 2006). É relevante apontar que a tradução juramentada não envolve necessariamente um texto da área jurídica e nem está circunscrita a um campo de especialidade determinado. Aliás, conforme testemunham Campbell (1983, p. 116), Aubert (1998, p. 14) e Mayoral (2003, p. 27), qualquer tipo de texto pode ser objeto da tradução juramentada, seja ele literário, técnico, publicitário, jornalístico ou de correspondência privada. Para isso, basta que faça parte de um processo judicial ou seja requerido oficialmente. Aubert (1996, p. 14) divide-os nos seguintes grandes grupos: a) documentos pessoais: carteira de identidade, certidões de nascimento, casamento, divórcio ou óbito, documentos escolares, carteiras de habilitação de motoristas, passaportes e outros; b) documentos societários: termos de incorporação, deliberações de conselhos de empresas, atas de reuniões, contratos em geral etc.; c) documentos financeiro-comerciais: balanços de empresas, faturas, notas de débito, letras de câmbio, conhecimento de embarque, notas promissórias, correspondência comercial etc.; d) documentos legais: cartas rogatórias, atestados de antecedentes, procurações etc.; e) documentos de diferentes naturezas: patentes, transferência de tecnologia, correspondência eletrônica etc. Na classificação acima, os documentos escolares inserem-se na categoria documentos pessoais. No próximo tópico trataremos da tradução juramentada desses documentos, já que um dos objetivos de nosso trabalho é analisar o seu conjunto terminológico. 3.1 Tradução juramentada de documentos acadêmicos 4

5 Duro (1997, p. 42) diz que, ao ser encarregado de traduzir um documento acadêmico, o tradutor rapidamente se depara com um muro de dúvidas, pois: Os conceitos presentes nos documentos escolares não possuem equivalentes em uma boa parte dos casos com os conceitos da língua para a qual se traduz, devido às enormes diferenças existentes nos sistemas educacionais e no funcionamento da administração. (MAYORAL, 1991, s.p.) Na análise de Santaemilia (1999, p. 269), a transposição de um sistema legal, político ou administrativo a outro e, no nosso caso, de um sistema educacional a outro, é justamente uma das fontes de versões equivocadas ou de lacunas lexicais. Essas lacunas linguísticas podem se referir a nomes de autoridades, categorias dos docentes e funcionários, áreas de conhecimento, calendário, exames, graus, diplomas, sistema de notas, nota de aprovação, forma de ingresso, cursos, nomes de cursos e outros aspectos (MAYORAL, 2003, p. 91). Em Haensch et al (1982, p. 532), encontramos mais um comentário acerca da comparabilidade dos termos quando estão envolvidos dois sistemas nacionais específicos: (...) a comparabilidade dos termos em várias línguas é muito maior nas terminologias de criação recente, como a eletrônica, genética ou navegação espacial, do que nas mais antigas ou dependentes de sistemas nacionais específicos, como o direito, a administração ou o ensino. Os termos que designam cargos acadêmicos, religiosos ou políticos apresentam características tão peculiares que para sua correta interpretação seria necessário valorar suas dimensões pragmáticas, ou seja, fazer uma revisão comparativa das implicações jurídicas dos termos de partida e de chegada (SANTAEMILIA, 1999, p. 268). Nesses casos, um dos problemas recorrentes é a escolha de um termo preciso para traduzir o de partida. Alves (2006), em sua pesquisa de mestrado, ao solicitar a 12 tradutores públicos do estado de São Paulo que fizessem a versão juramentada de um histórico escolar brasileiro de segundo grau para o francês, verificou grande dispersão dos tradutores ao terem que escolher na língua de chegada uma expressão lingüística para traduzir termos exclusivos da estrutura administrativa do sistema escolar brasileiro, como Coordenadoria de Ensino, por exemplo. A esse respeito, Aubert (1994, s.p.), de sua vasta experiência, relata-nos: Na versão de um histórico escolar (...) para fins curriculares, caberá priorizar a identificação do aluno, as disciplinas que cursou, a avaliação que obteve e a qualificação que o certificado de conclusão lhe confere, enquanto que informações tais como as referências à estrutura administrativa do sistema escolar (por exemplo: delegacia de ensino que o estabelecimento escolar está subordinado) serão tidos por secundários e uma versão menos feliz para o conceito de Coordenadoria do Ensino Básico e Normal dificilmente acarretará problemas para o uso que se fará da versão de tal documento. Aubert, portanto, aconselha que o tradutor dedique maior atenção às informações essenciais sobre a escolaridade do aluno e, deduzimos, aos termos que encerram essas informações. Diante de duas realidades tão distintas, Santaemilia (1999, p. 269) parece-nos reforçar essa postura: seria irrelevante e cansativo explicar todas e cada uma de suas diferenças. 5

6 O tradutor deve refletir sobre o uso que se fará da versão de tal documento na comunidade da língua de chegada e avaliar a importância de cada unidade terminológica para a compreensão da situação escolar do aluno. Dependendo dessa análise, um termo poderá ser traduzido literalmente, ser substituído por um equivalente funcional ou vir acompanhado de explicações e notas, visto que nem sempre é possível estabelecer uma relação de equivalência bilíngue entre conjuntos terminológicos de diferentes sistemas educacionais. E talvez nem seja esse o objetivo no caso da Tradução Juramentada de documentos acadêmicos. Ao traduzi-los, não se deve adaptá-los à realidade do sistema escolar da língua para a qual se traduz, como costuma ocorrer em outros contextos tradutórios, não-juramentados; mas fazer entender, por meio dos recursos disponíveis (como notas explicativas, observações parentéticas e anexos), a realidade do sistema escolar do país do qual o documento provém, auxiliando a Instituição Educacional a que se destina na tarefa de estabelecer as relações de equivalência entre os dois sistemas escolares e na identificação da situação do aluno. 3.2 Variantes nacionais do inglês no âmbito acadêmico É de conhecimento geral que, de um lado, há uma grande semelhança entre o inglês dos Estados Unidos e o do Reino Unido, o do Canadá, o da Austrália e o das diversas ex-colônias inglesas, semelhanças que não nos permitem considerá-los como línguas distintas; por outro lado, existem diferenças marcantes entre eles, relacionadas a vários aspectos linguísticos, que nos permitem falar em variantes nacionais. Por isso, ao se verter um texto para o inglês, é imprescindível decidir em que país nossa tradução vai ser lida, já que teremos que ajustá-la à terminologia e fraseologia próprias desse país (MAYORAL, 1991, s.p.) Em nosso trabalho, daremos enfoque às variantes norte-americana e britânica. Como ilustra Smith (2004, s. p.), quando um falante norte-americano encontra-se com um britânico, a diferença mais marcante é o sotaque a pronúncia das palavras. A segunda refere-se ao vocabulário uso de palavras diferentes para um mesmo conceito e outros casos que detalhamos mais adiante. Um exame mais minucioso também nos revela pequenas diferenças relativas à sintaxe e à gramática a disposição de certas palavras, a inclusão ou elipse de outras e diferenças de ortografia e pontuação. É o conjunto dessas diferenças que distingue o inglês norteamericano do inglês britânico 3 (SMITH, 2004, s.p.). Ao investigar essas duas variantes, Ariza Clos (2005, p. 10) conclui que há mais diferenças de vocabulário que diferenças gramaticais entre BE e AE. Em vez de apresentar uma extensa lista de itens, a autora tenta encontrar e descrever um padrão de diferenças de vocabulário, distinguindo três tipos: a) O vocabulário comum: é o que contém o inglês como denominador comum, ou seja, vocabulário compartilhado tanto pelo AE quanto pelo BE. b) As idéias comuns e palavras distintas: contém um extenso número de itens em que a idéia ou o objeto existe tanto na cultura do BE como na do AE, mas são usadas palavras 3 Essas diferenças também são encontradas em diferentes regiões de um mesmo país. Entretanto, quando comparadas ao corpo total do Inglês, essas diferenças não são tão significativas (SMITH, 2004). 6

7 distintas. Ariza Clos também insere aqui os casos de palavras que existem nas duas variantes, mas cujo uso e frequência variam de uma variante nacional para outra. c) Palavras sem homólogos: palavras, idéias ou objetos que não tem homólogos correspondentes no outro país. Um grupo de palavras muito óbvio que pertence a esta categoria são as palavras que se referem a aspectos geográficos, plantas ou animais característicos de um dos países. Assim, em relação ao léxico, podemos observar a existência de palavras diferentes que se referem ao mesmo conceito (Br. flat; Am. apartment), a existência de uma mesma palavra com sentidos diferentes (Br. mad = louco, Am. mad = bravo ), diferenças relativas à frequência de uso de determinadas palavras, ou palavras ainda utilizadas no inglês britânico e que, na variante nacional norte-americana, caíram em desuso, e vice-versa. Ariza Clos (2005, p. 11), diz que podemos encontrar diferenças como essas em outros campos da vida cotidiana, como os esportes, o sistema escolar, o sistema legal e muitos outros. Essas diferenças acentuam-se quando estão sob análise textos jurídicos e outros tipos de documentos. Os termos que designam os títulos de pessoas, funções, departamentos, serviços, entre outros, podem ser muito diferentes em países anglófonos distintos, como no caso dos EUA e do Reino Unido, por exemplo. Isso decorre principalmente do fato de os textos oficiais e a terminologia neles empregada fazerem referência e refletirem as organizações sociais, administrativas e políticas ancoradas na cultura e história de cada nação. De sua vasta experiência, Mayoral (1991, s.p.) observa que: (...) (os sistemas de qualificação, os sistemas de avaliação, a organização administrativa, os tipos de centros e os nomes que recebem são muito diferentes, por exemplo, para os Estados Unidos e para Inglaterra). Também temos que nos lembrar das diferenças ortográficas (enrolment e enrollment) e da forma diferente das datas (2/3/90 é 2 de março de 1990 na Grã-Bretanha e 3 de fevereiro de 1990 nos Estados Unidos). Segundo Carvalho (2004) a tradução e a versão de termos acadêmicos, fundamental para universitários que com freqüência se correspondem em inglês, têm enorme potencial para gerar confusões. Ilustremos a questão: Faculty, no Reino Unido, corresponde, em português, à faculdade; mas no Inglês americano faculty também pode se referir ao quadro docente. Nos Estados Unidos public school refere-se à escola pública (em contraposição a private school, escola particular), ao passo que no Reino Unido public school significa escola privada (em contraposição a state school, que seria a escola pública). Um equívoco muito comum ocorre quando se traduz graduate student por estudante de graduação. O substantivo graduation e o adjetivo graduate se referem à formatura, ao fim do curso, portanto, graduate studente é um aluno de pós-graduação, ou seja, um aluno que já é graduado e continua seus estudos em outro nível. A versão indicada para aluno de graduação é undergraduate student (CARVALHO, 2004). Como conclusão, Ariza Clos (2005, p. 11) observa: Tanto o AE quanto o BE compartilham um vocabulário em comum muito extenso e um grande número de quase equivalentes. Enquanto que são poucas as palavras ou expressões que são exclusivas para algumas circunstâncias. O vocabulário a que acabamos de fazer referencia é terminologia, a denominação de coisas e idéias. 7

8 Em relação à língua inglesa, Aubert (1998, p. 1) levanta outra questão, dizendo ser comum a solicitação da tradução de textos que, embora apresentados em inglês, derivam de textos originalmente escritos em outras línguas. Enfim, o tradutor pode receber a tarefa de traduzir textos escritos em inglês dos Estados Unidos ou de outro país anglófono qualquer e, como apontou Aubert, até de países não anglófonos. Sendo assim, deve estar preparado para enfrentar as particularidades linguísticas da língua inglesa nas diferentes variantes nacionais estar sempre atento à procedência do documento. 5. Considerações finais Como vimos, os termos e conceitos presentes nos documentos escolares, muitas vezes, não apresentam termos e conceitos equivalentes na língua para a qual se traduz, devido às inúmeras diferenças existentes entre os sistemas educacionais de cada país. Ao buscar um termo equivalente ou uma solução tradutória alternativa, o tradutor deve orientar-se pela função que a informação encerrada por aquele termo terá na comunidade linguística de chegada. A tradução juramentada de documentos acadêmicos não visa a adaptá-los à realidade do sistema educacional da língua de chegada, como costuma ocorrer em outros contextos tradutórios, não-juramentados. O objetivo primordial é tornar compreensível a realidade do sistema escolar da língua de partida, guiando a instituição a que se destinam os documentos na tarefa de estabelecer as relações de equivalência entre os dois sistemas escolares e de identificar a situação do aluno. Dentro desse contexto, o tradutor público, por meio de suas escolhas lexicais e terminológicas, deve buscar um ponto de equilíbrio entre expressar a alteridade cultural e produzir um texto que seja ao mesmo tempo fluente e produtor de sentido na língua de chegada. Essa atividade, lembremos Santaemilia (1999, p. 268), exige dos tradutores públicos e intérpretes comerciais uma extraordinária flexibilidade e formação lingüística, [terminológica] e tradutória. Esperamos com este trabalho construir subsídios que contribuam para essa formação. REFERÊNCIAS ALVES, W. R. Tradução juramentada e marcadores culturais: uma questão de dizibilidade Dissertação (Mestrado em Letras (Língua e Literatura Francesa)) - Universidade de São Paulo, São Paulo. ARIZA CLOS, Gemma. Inglés americano vs. Inglês britânico:?2 lenguas diferentes? Trabajo Acadêmico de 4º curso. Facultad de Traducción e Interpretación, ATPIESP (Org.). Associação Profissional dos Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais do Estado de São Paulo: Tradução Juramentada. Disponível em: <http://www.atpiesp.org.br/trad_jur.asp>. Acesso em: 05 fev AUBERT, Francis Henrik. Tipologia da tradução: o caso da tradução juramentada. Anais do V Encontro Nacional de Tradutores. São Paulo, FFLCH/Humanitas, Tipologia e procedimentos da tradução juramentada. Vol. 1: Teoria, legislação, modelos e exercícios práticos. São Paulo, CITRAT/FFLCH, Traduzindo as diferenças extralinguísticas: procedimentos e condicionantes. In: Tradterm 9. São Paulo, CITRA/FFLCH,

9 BAKER, Mona. Corpus linguistics and translation studies: implications and applications. In: BAKER, Mona; FRANCIS, G.; TOGNINI-BONELLI, E. (ed.). Text and technology: In honour of John Sinclair. Amsterdã/Filadelfia: John Benjamins, BRASIL. Código Civil. OLIVEIRA, J. de (org.). 47. ed. São Paulo: Saraiva, BRASIL. DECRETO Nº , DE 21 DE OUTUBRO DE Novo regulamento para o ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial n território da República. Disponível em: <http://www.dnrc.gov.br/legislacao/decreto/dec13609.htm>. Acesso em: 24 de agosto de CAMPBELL, A. de S. Tradutores públicos e traduções juramentadas no Brasil. In: PORTINHO, W. M. et al. A tradução técnica e seus problemas. São Paulo: Editora Álamo, p CARVALHO, Ulisses Wehby de. Dicionário das Palavras que Enganam em Inglês. Local: Campus/Elsevier, Disponível em: Acesso em: 14 jul DURO MORENO, Miguel. La traducción jurada de documentos académicos británicos del inglés al castellano: fundamentos y técnicas. In: Montserrat Bacardí (coord.), II Congrés Internacional sobre Traducció (abril 1994): Actes, Bellatena (Barcelona), Universidad autónoma de Barcelona, 1997, p HAENSCH, G. et al. La lexicografía: de la Linguística teórica à la lexicografía práctica. Madrid: Editorial Gredos, MAYORAL ASENSIO, Roberto. La traducción jurada de documentos acadêmicos norteamericanos. Sendebar, p Disponível em: Acesso em: 12 julh MAYORAL ASENSIO, Roberto. Translating Official Documents. Manchester: St. Jerome, SANTAEMILLA RUIZ, José. La traducción jurada (inglês-español), traducción heterogénea. Universitat de València. In: SELL, vol. 1, SMITH, J. The American British - British American Dictionary for English Speaking People. Codesmith, Disponível em: dictionary.php. Acesso em: 05 de maio de TOGNINI-BONELLI, E. Corpus linguistics at work. Amsterdã/Atlanta, GA: John Benjamins, VÁZQUES Y DEL ARBOL, Esther. La traducción español-inglés de documentos académicos: los sistemas universitarios español, británico y norteamericano frente al futuro EEES. Granada: Universidad De Granada, WAY, Catherine Louise. La traducción como acción social: el caso de los documentos académicos (español-inglés) Tese de Doutorado Universidade de Granada, Granada, Espanha. 9

Tradução Juramentada

Tradução Juramentada Tradução Juramentada A Tradução Juramentada É a tradução oficial, feita por tradutor público, p exigida legalmente em todo terrítorio torio nacional para que documentos redigidos em língua estrangeira

Leia mais

Contratos em língua estrangeira

Contratos em língua estrangeira BuscaLegis.ccj.ufsc.br Contratos em língua estrangeira Marcelo Camargo de Brito advogado em São Paulo (SP), atuante nas áreas cível e empresarial, pós-graduando em Direito Tributário pela UNAMA/LFG/IOB/UVB

Leia mais

A Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, de conformidade com a legislação em vigor, e

A Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, de conformidade com a legislação em vigor, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 12/2007 Dá nova redação à Resolução 10/2005 sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.141, DE 25 DE MAIO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.141, DE 25 DE MAIO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.141, DE 25 DE MAIO DE 2011 Estabelece diretrizes para o reconhecimento, pela Universidade

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.210, DE 26 DE OUTUBRO DE 2004

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.210, DE 26 DE OUTUBRO DE 2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.210, DE 26 DE OUTUBRO DE 2004 Estabelece diretrizes para a revalidação e reconhecimento, pela

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 69, DE 30 DE JANEIRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 69, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 69, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 49ª Reunião Ordinária, realizada no dia 30 de janeiro de 2014, de acordo com a proposta da Comissão

Leia mais

Aspectos textuais e lexicais de um conjunto de traduções juramentadas na direção inglês português

Aspectos textuais e lexicais de um conjunto de traduções juramentadas na direção inglês português Aspectos textuais e lexicais de um conjunto de traduções juramentadas na direção inglês português Lídia Almeida Barros 1, Diva Cardoso de Camargo 2, Francis Henrik Aubert 3 1 UNESP(São José do Rio Preto)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

FAC PERGUNTAS FREQUENTES

FAC PERGUNTAS FREQUENTES FAC PERGUNTAS FREQUENTES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Divisão de Temas Educacionais (DCE) Departamento Cultural

Leia mais

TERMINOLOGIA E TRADUÇÃO JURAMENTADA ESPANHOL-PORTUGUÊS E INGLÊS- PORTUGUÊS: VARIEDADE TEXTUAL E ESPECIALIZAÇÃO VOCABULAR

TERMINOLOGIA E TRADUÇÃO JURAMENTADA ESPANHOL-PORTUGUÊS E INGLÊS- PORTUGUÊS: VARIEDADE TEXTUAL E ESPECIALIZAÇÃO VOCABULAR TERMINOLOGIA E TRADUÇÃO JURAMENTADA ESPANHOL-PORTUGUÊS E INGLÊS- PORTUGUÊS: VARIEDADE TEXTUAL E ESPECIALIZAÇÃO VOCABULAR Lídia Almeida BARROS (UNESP) 1 Diva Cardoso de CAMARGO (UNESP) 2 Francis Henrik

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 238/2011

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 238/2011 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 238/2011 Dispõe sobre as Normas para Revalidação de Diplomas obtidos no exterior, na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo n o PRG-054/11,

Leia mais

TRADUTOR PÚBLICO E INTERPRETE COMERCIAL - PORTUGUÊS. INGLÊS F: (31) 3498-6020 - E-mail: juramentado@ljstraducoes.com / ljstrans@gmail.

TRADUTOR PÚBLICO E INTERPRETE COMERCIAL - PORTUGUÊS. INGLÊS F: (31) 3498-6020 - E-mail: juramentado@ljstraducoes.com / ljstrans@gmail. ATENÇÃO O tradutor juramentado é concursado e nomeado pela junta comercial do estado (Laerte J Silva, matrícula JUCEMG: 768/09). O tradutor juramentado tem jurisdição em todo território nacional. A tabela

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DOUTORADO TURMA 2013 EDITAL Nº

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DOUTORADO TURMA 2013 EDITAL Nº PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DOUTORADO TURMA 2013 EDITAL Nº 24/12 O Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) da Universidade Candido

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação

Plano de Trabalho Docente 2010. ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte. Qualificação: Sem certificação Plano de Trabalho Docente 010 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Extensão EE Ernesto Monte Código: 135 Município: Bauru/SP Área Profissional: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Jurídico

Leia mais

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto

Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Disposição geral Objeto Regulamento de Ingresso e Acesso para Estudantes Internacionais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa SECÇÃO A Disposição geral Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas aplicáveis

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC de Nova Odessa Código: 234 Município: Nova Odessa Eixo Tecnológico: Segurança no Trabalho Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

DELIBERAÇÃO JUCERJA Nº 77 /2014 DE 13 DE AGOSTO DE 2014

DELIBERAÇÃO JUCERJA Nº 77 /2014 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 DELIBERAÇÃO JUCERJA Nº 77 /2014 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 DISPÕE SOBRE A NOVA TABELA DE EMOLUMENTOS DOS TRADUTORES PÚBLICOS E INTÉRPRETES COMERCIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PLENÁRIO DA JUNTA COMERCIAL

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas

Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas Transferência de Cursos e Revalidação de Diplomas BASE LEGAL A legislação básica sobre o sistema educacional brasileiro consiste na Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, também chamada de Lei Darcy

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA. Capítulo I Disposições Preliminares

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA. Capítulo I Disposições Preliminares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR DA FACULDADE DE ENGENHARIA Disciplina as atividades complementares de integralização curricular, para os alunos da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

CONSULADO-GERAL EM MIAMI PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE TÉCNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR E D I T A L 1/2014

CONSULADO-GERAL EM MIAMI PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE TÉCNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR E D I T A L 1/2014 CONSULADO-GERAL EM MIAMI PROCESSO SELETIVO PARA ASSISTENTE TÉCNICO DE COMÉRCIO EXTERIOR E D I T A L 1/2014 A Comissão de Seleção do Consulado-Geral em Miami, no uso de suas atribuições delegadas pela Ordem

Leia mais

carta de recomendação

carta de recomendação Dúvidas Frequentes: 1-Quais os programas de intercâmbio que a ARNI oferece? R: Programa de Mobilidade Acadêmica da Unochapecó, estágios acadêmicos, viagens de estudo, missão acadêmica, além de editais

Leia mais

EDITAL 31/2014 SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO

EDITAL 31/2014 SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO EDITAL-31/2014 (ars) EDITAL 31/2014 SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO EMENTA: EDITAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS PARA SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE EM REGIME

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE CAMPO REAL CURSO DE NUTRIÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Caracterização A elaboração do Trabalho de Curso fundamenta-se nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação REQUERIMENTO DE RECONHECIMENTO DE TÍTULO DO EXTERIOR Eu,, nascido(a) aos (nacionalidade) (estado civil) / /, no Estado de residente a CEP - (rua/bairro/apto./nº), tel.: ( ), e-mail: (Cidade) (U.F.) tendo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013 Regulamenta o procedimento administrativo eletrônico relativo aos processos de defesa

Leia mais

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016 EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 205/206 (Portaria n.e 40/2007, de 5 de abril, alterada pela portaria n.s 232-A/203, de 22 de julho, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

EDITAL N o 06/2015 DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO DE 2016.1 DOUTORADO EM DIREITO

EDITAL N o 06/2015 DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO DE 2016.1 DOUTORADO EM DIREITO A Pró-Reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Veiga de Almeida, no uso de suas atribuições estatuárias e regimentais, e devidamente autorizada pelo Conselho Universitário faz saber

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

EDITAL Nº. 1/2015 1º SEMESTRE DE 2015. Programa Curso VAGAS. Mestrado 26. Doutorado 2. Mestrado 23. Doutorado 6. Educação Mestrado 12

EDITAL Nº. 1/2015 1º SEMESTRE DE 2015. Programa Curso VAGAS. Mestrado 26. Doutorado 2. Mestrado 23. Doutorado 6. Educação Mestrado 12 EDITAL Nº. 1/2015 PROCESSO SELETIVO DISCENTE dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu, MESTRADO e DOUTORADO, das áreas de Direito, Educação e Saúde Coletiva A Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR ASSISTENTE E PRECEPTOR 2015.2

CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR ASSISTENTE E PRECEPTOR 2015.2 CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSOR ASSISTENTE E PRECEPTOR 2015.2 O núcleo de Gente & Carreira do Centro Universitário Tiradentes, no uso de suas atribuições, torna público

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p.

DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p. DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p. 4 Altera dispositivos dos Decretos nos 5.622, de 19 de dezembro de

Leia mais

Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação

Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação EDITAL n. 06.2012 - FAEL- EAD, 30 de maio de 2012 Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação A Faculdade Educacional

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ?

SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ? SEU INGLÊS ESTÁ PRONTO PARA O CANADÁ? Se você quer aplicar para conseguir o visto de residência permanente no Canadá, vai precisar, antes de mais nada, de um certificado que ateste a sua proficiência na

Leia mais

FACULDADES EST - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TEOLOGIA MESTRADO PROFISSIONAL EM TEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA BANCAS DE DEFESA

FACULDADES EST - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TEOLOGIA MESTRADO PROFISSIONAL EM TEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA BANCAS DE DEFESA FACULDADES EST - PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TEOLOGIA MESTRADO PROFISSIONAL EM TEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA BANCAS DE DEFESA 1. Prazos Os prazos para entrega de Trabalho Final encerram em 30 de maio (1º

Leia mais

N o DE VAGAS PREVISTO* I Salvador Inglês 15 Francês 01 Espanhol 05 Italiano 02 V Santo Antônio de Jesus Inglês 06 Espanhol 01

N o DE VAGAS PREVISTO* I Salvador Inglês 15 Francês 01 Espanhol 05 Italiano 02 V Santo Antônio de Jesus Inglês 06 Espanhol 01 EDITAL UNEB Nº 051/2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna público, a abertura das inscrições para Seleção Pública Simplificada para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR TEMPORÁRIO

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR TEMPORÁRIO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROFESSOR TEMPORÁRIO EDITAL Nº05/2012 BR-020,S/N/ Primavera São Raimundo Nonato PI FONE: (0xx89) 3582-182

Leia mais

XI Jornada Científica. Maria da Graça KRIEGER Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Brasil Grupo TermiLex

XI Jornada Científica. Maria da Graça KRIEGER Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Brasil Grupo TermiLex XI Jornada Científica Maria da Graça KRIEGER Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), Brasil Grupo TermiLex Márcio Sales SANTIAGO Universidade Federal do Ceará (UFC CNPq/FUNCAP), Brasil Grupo

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( x ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Oncologia Normas Específicas

Oncologia Normas Específicas Oncologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em ONCOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente; mais 1

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão de treinador de recursos humanos coaching e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Leia mais

A fim de determinar o nome empresarial torna-se necessário entender as seguintes conceituações:

A fim de determinar o nome empresarial torna-se necessário entender as seguintes conceituações: FORMAÇÃO DO NOME EMPRESARIAL - Regras Aplicáveis A matéria foi elaborada com base na legislação vigente em: 18/07/2011. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - CONCEITUAÇÕES DE NOME, FIRMA E DENOMINAÇÃO 3 - PRINCÍPIOS

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867 PARECER Nº 14.867 TRADUTOR PÚBLICO E INTÉRPRETE COMERCIAL. INCLUSÃO, REINCLUSÃO E HABILITAÇÃO EM MAIS UM IDIOMA, SOB CONDIÇÃO PRECÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. Vêm ao exame desta Equipe de Consultoria, encaminhados

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

EDITAL Nº 010/2014 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 010/2014 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 010/2014 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Por delegação de competência do Magnífico Reitor do Instituto Federal do Paraná - IFPR, conforme Portaria nº 87 de 03/02/2014, torno público

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA

FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA FORMAÇÃO BÁSICA EM INTERPRETAÇÃO DE CONFERÊNCIA Programa desenvolvido em módulos de forma que, ao final de cada módulo, o aluno acumule o conhecimento básico essencial sobre uma área da interpretação e

Leia mais

SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nº 25/2015

SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nº 25/2015 SELEÇÃO- 25/2015 (nail) SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE CURSO DE LETRAS INGLÊS TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO Nº 25/2015 EMENTA: SELEÇÃO EXTERNA DE DOCENTE EM REGIME DE HORAS AULA, PARA A ÁREA DE TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL

ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 15/02 ESTRUTURA E MANUAL DE CARGOS E FUNÇÕES DA SECRETARIA ADMINISTRATIVA DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 24/00 do Conselho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 001/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 001/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 001/2013 INSCRIÇÃO AO TESTE DE SUFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA, 1º SEMESTRE DE 2013 A Chefia do Departamento de Letras Estrangeiras

Leia mais

Letras Tradução Inglês-Português Ementário

Letras Tradução Inglês-Português Ementário Letras Tradução Inglês-Português Ementário Componentes Curriculares CH Ementa Cultura Clássica 04 Estudo da cultura das civilizações clássica em suas diversas fases, tendo em vista reflexões sobre a contribuição

Leia mais

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos

Parecer. Conselheiro/Relator: Maria da Conceição Castro Ramos Parecer Projeto de Decreto-Lei que procede à revisão do regime jurídico da habilitação profissional para a docência dos educadores e professores dos ensinos básico e secundário Conselheiro/Relator: Maria

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970

Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970 Regulamentação do exercício da profissão de atuário Decreto nº 66.408, de 3 de abril de 1970 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Atuário, de acordo com o Decreto-Lei nº 806, de 4

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE TRADUÇÃO JURAMENTADA Registro do tradutor e validade da tradução juramentada: O tradutor juramentado é concursado e registrado na junta comercial de seu estado. Meu número de matrícula

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS SECRETARIA DOS CONSELHOS SUPERIORES CONSELHO COORDENADOR DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS SECRETARIA DOS CONSELHOS SUPERIORES CONSELHO COORDENADOR DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO NORMAS PARA O PROCESSO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MÉDICO EMITIDO POR INSTITUIÇÕES ESTRANGEIRAS, DE CURSOS DE GRADUAÇÃO Art. 1º Os diplomas de médico emitidos por instituição estrangeira de ensino superior

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST

Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais. 1º, 2º e 3º ciclos do IST Regulamento de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais 1º, 2º e 3º ciclos do IST O Decreto- Lei nº 36/2014 de 10 de março regula o estatuto do Estudante Internacional (EEI). O Regulamento de Ingresso

Leia mais

Registered Charity with the HMRC No. XT26396 A member of the National Resource Centre for Supplementary Schools (NRC787) Carta

Registered Charity with the HMRC No. XT26396 A member of the National Resource Centre for Supplementary Schools (NRC787) Carta Associação Brasileira de Iniciativas Educacionais no Reino Unido Registered Charity with the HMRC No. XT26396 A member of the National Resource Centre for Supplementary Schools (NRC787) Carta Redigida

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO FACULDADE DE DIREITO SUMÁRIO A. Mestrado e Pós-Graduação em Direito em Língua Chinesa Língua veicular: Língua Chinesa Área de especialização: Variante em Ciências Jurídicas B. Mestrado

Leia mais

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES

TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES TABELA DE TEMPORALIDADE E DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR - IFES 100 ENSINO SUPERIOR 110 Normatização. Regulamentação Enquanto vigora -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as regras e os procedimentos para

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 249 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 30 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

Certidão de Nascimento e Segurança Jurídica

Certidão de Nascimento e Segurança Jurídica Certidão de Nascimento e Segurança Jurídica Rogerio de Oliveira Souza Desembargador do TJRJ Dispõe o artigo 2º do Código Civil que a personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida. A vida

Leia mais

NOTA TÉCNICA, nº 04/CGGP/SAA/MEC

NOTA TÉCNICA, nº 04/CGGP/SAA/MEC NOTA TÉCNICA, nº 04/CGGP/SAA/MEC Ementa: Orientações às Comissões de Enquadramento das Instituições Federais de Ensino (IFE) vinculadas ao Ministério da Educação, com vistas aos procedimentos que deverão

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP Normas do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (Estruturas) - EESC/USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL (ESTRUTURAS) DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Estatística. Edital de Seleção 2015/2º Doutorado

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Estatística. Edital de Seleção 2015/2º Doutorado Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Edital de Seleção 2015/2º Doutorado A Coordenadora do do Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais FAZ SABER

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

EDITAL N o 14/2014 DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO DE 2015.1 DOUTORADO EM DIREITO RECOMENDADO PELA CAPES

EDITAL N o 14/2014 DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO DE 2015.1 DOUTORADO EM DIREITO RECOMENDADO PELA CAPES A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Veiga de Almeida, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, e devidamente autorizada pelo Conselho Universitário, faz saber

Leia mais

FONTE: SIGA - TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR

FONTE: SIGA - TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR 1 FONTE: SIGA - TABELA DE TEMPORALIDADE E DESTINAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO RELATIVOS ÀS ATIVIDADES-FIM DAS INSTITUIÇÕES FEDERAIS DE ENSINO SUPERIOR CORRENTE 100 ENSINO SUPERIOR 110 Normatização. Regulamentação

Leia mais

Guia da Quarta Rodada de Licitações

Guia da Quarta Rodada de Licitações Guia da Quarta Rodada de Licitações Esse Guia tem como o objetivo, informar e esclarecer possíveis dúvidas em relação a documentos que deverão ser apresentados e valores das Taxas de Participação do processo

Leia mais

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL

PROGRAMA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL LÍNGUA PORTUGUESA Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica Emprego das classes de palavras Emprego do sinal indicativo de crase Sintaxe da oração e

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DO SERGIPE - FASE 2013.2 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA

FACULDADE ESTÁCIO DO SERGIPE - FASE 2013.2 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA FACULDADE ESTÁCIO DO SERGIPE - FASE 2013.2 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA A FACULDADE ESTÁCIO DO SERGIPE divulga processo seletivo

Leia mais

EDITAL Nº 100/2015 Referente ao Aviso Nº 066/2015, publicado no D.O.E. de 22.08.2015

EDITAL Nº 100/2015 Referente ao Aviso Nº 066/2015, publicado no D.O.E. de 22.08.2015 EDITAL Nº 100/2015 Referente ao Aviso Nº 066/2015, publicado no D.O.E. de 22.08.2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais e regimentais, torna público,

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais