MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA"

Transcrição

1 MÓDULO II DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

2 O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS? SERÁ NECESSÁRIA A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS? COMO SE PÕE EM PRÁTICA A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS? A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS É EFICAZ? Módulo II - Diapositivo Nº 2 /35

3 O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS? - A cooperação entre administrações da Justiça dos Estados-membros - A cooperação entre as administrações aduaneiras dos Estados-membros - A cooperação entre serviços de polícia dos Estados-membros Módulo II - Diapositivo Nº 3 /35

4 Definição O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, A cooperação em matéria de Justiça e Assuntos Internos (CJAI) Engloba: Ministérios da Justiça e Ministérios do Interior, com os respectivos serviços, dos países da UE. Permite: O diálogo, a ajuda recíproca, o trabalho conjunto e a cooperação entre serviços de polícia, da alfândega, de imigração e da justiça dos Estados-membros da UE. Módulo II - Diapositivo Nº 4 /35

5 A cooperação entre administrações da Justiça dos Estados-membros Cooperação em matéria civil Aborda, por ex., o reconhecimento mútuo de decisões em matéria de divórcio e guarda de crianças, as questões comerciais (falência) quando há 2 ou + Estados envolvidos. Definição Apresenta 2 vertentes: Cooperação em matéria penal Aborda, por ex., as questões de extradição ou de auxílio judicial mútuo. Módulo II - Diapositivo Nº 5 /35

6 Definição A cooperação entre as administrações aduaneiras dos Estados-membros No sentido de fazer respeitar as legislações nacionais e comunitárias; Assinatura de uma Convenção, em Dezembro de 1997, visando, por ex., reforçar a luta contra a proliferação dos tráficos. Assim, no domínio da cooperação transfronteiras, as administrações nacionais ajudar-se-ão entre si no combate aos tráficos de droga, de armas, de bens culturais, de materiais nucleares, de resíduos perigosos e tóxicos. Módulo II - Diapositivo Nº 6 /35

7 Definição A cooperação entre serviços de polícia dos Estados-membros É necessária para lutar contra o terrorismo, o tráfico de droga e o crime internacional; A EUROPOL, Serviço Europeu de Polícia, plenamente operacional desde 1 de Julho de 1999, desempenha um papel importante para facilitar esta cooperação. Módulo II - Diapositivo Nº 7 /35

8 A cooperação entre os serviços aduaneiros, da justiça e de polícia Estão também previstas formas de cooperação entre a alfândega, a polícia e a justiça, nomeadamente através do programa FALCONE: Destinado aos juízes, aos magistrados do Ministério Público, aos serviços de polícia e aduaneiros, aos funcionários dos serviços públicos encarregados das questões fiscais. Definição Objectivo: Formação de pessoas responsáveis pelo combate à criminalidade organizada. Módulo II - Diapositivo Nº 8 /35

9 O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, SERÁ NECESSÁRIA A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS? - Reforço das fronteiras externas - Imigração e cidadãos de países terceiros - Asilo, droga e crime organizado Módulo II - Diapositivo Nº 9 /35

10 Necessidade Reforço das fronteiras externas Trata-se de uma medida restritiva contra a imigração clandestina e de uma medida compensatória da supressão das fronteiras internas; Exige uma cooperação reforçada das administrações do interior e da justiça, sobretudo dos serviços policiais, aduaneiros e de imigração; Implica a criação de uma situação de solidariedade entre os Estados da União: os Estados responsáveis pelos controlos das fronteiras com um pais terceiro não só garantem, de facto, a sua própria segurança, mas também a dos outros países da União. As fronteiras externas não correspondem apenas aos postos fronteiriços, incluem também os aeroportos internacionais, os portos marítimos e algumas estações de caminho-de-ferro. Módulo II - Diapositivo Nº 10 /35

11 Necessidade Imigração e cidadãos de países terceiros É necessário resolver inúmeros problemas, como a definição de normas mínimas para os procedimentos de repatriamento, o reconhecimento mútuo das decisões de repatriamento e o fornecimento de títulos de viagem adequados para os imigrantes clandestinos sem documentos; A supressão das fronteiras internas evidencia as questões de imigração clandestina, de residência ou de trabalho ilegal que os Estados-membros devem resolver em conjunto; Os Estados-membros podem definir conjuntamente as respectivas posições para com os países terceiros sobre a readmissão de estrangeiros ilegalmente presentes nos seus territórios. Módulo II - Diapositivo Nº 11 /35

12 Necessidade Asilo, droga e crime organizado Asilo Definição: Forma de protecção concedida por um estado no seu território a uma pessoa que não pode procurar protecção no seu país, essencialmente por ter medo de ser perseguida por questões de raça, religião, nacionalidade, pertença a um determinado grupo social ou político. Os Estados-membros devem: -Acordar sobre a própria noção de refugiado político para evitar que se criem situações incompreensíveis em que certos países dão asilo e outros recusam; -Evitar que sejam introduzidos pedidos de asilo em vários países; -Cooperar para debater sobre as garantias mínimas a dar aos requerentes a asilo em caso de expulsão, os seus direitos durante a análise de um pedido de asilo ou o direito de recurso; -Definir regras para determinar qual o Estado responsável pela análise de um pedido de asilo; -Estabelecer um acordo para repartir entre si o acolhimento dos refugiados, uma vez que certos países são mais solicitados que outros. Módulo II - Diapositivo Nº 12 /35

13 Necessidade Asilo, droga e crime organizado Droga O tráfico de droga ignora fronteiras e, por isso, o consumo de cannabis, de drogas sintéticas (como o ecstasy ) e de cocaína está a recrudescer na Europa; Ao consumo e tráfico de drogas adicionam-se outros problemas como a grande criminalidade ou a lavagem de dinheiro que beneficiam das novas tecnologias de informação, como por ex., a Internet; As forças policiais nacionais só podem combater a criminalidade ligada à droga se trabalharem em conjunto; A acção dos responsáveis políticos, dos profissionais de saúde e dos educadores será mais eficaz se partilharem a informação e orientarem os financiamentos à escala europeia; A UE procura resolver as questões da procura de droga (consumo), da oferta e de tráfico, agindo, nomeadamente com países terceiros à escala internacional. Módulo II - Diapositivo Nº 13 /35

14 Necessidade Asilo, droga e crime organizado Crime Organizado A actividade criminal, o terrorismo, a fraude já não podem ser tratados exclusivamente num âmbito nacional, sobretudo com a criação de um grande mercado europeu; Em Dezembro de 1996, foi criado um grupo de peritos de alto nível a fim de estabelecer um programa de acção sobre a prevenção e a repressão da criminalidade com a intervenção das polícias e das administrações judiciárias e aduaneiras dos Estados-membros da UE; O tráfico de seres humanos e a exploração sexual das crianças é uma das formas desta criminalidade que necessita de ser fortemente combatida. Módulo II - Diapositivo Nº 14 /35

15 O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, COMO SE PÕE EM PRÁTICA A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS? - Os agentes da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos - Papel da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do Tribunal de Justiça - Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Módulo II - Diapositivo Nº 15 /35

16 Prática Os agentes da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos O Conselho Europeu O Conselho da UE A Presidência Os Estados-membros Módulo II - Diapositivo Nº 16 /35

17 Prática Os agentes da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos O Conselho Europeu Ocupa um lugar importante neste sector, embora o seu papel não seja explicitamente evocado nas disposições sobre a CJAI; A 15 e 16 de Outubro de 1999 foi realizado em Tampere (Finlândia) um Conselho Europeu extraordinário dedicado exclusivamente às questões da CJAI. Módulo II - Diapositivo Nº 17 /35

18 Prática Os agentes da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos O Conselho da UE Em geral, são os Ministros da Justiça e do Interior que participam no Conselho que se ocupa das questões da JAI; Os trabalhos do Conselho são preparados pelo Comité de Representantes Permanentes (COREPER), o qual é constituído pelos Embaixadores dos Estados-membros junto da UE, actuando neste domínio como nas outras políticas comunitárias ou na PESC; O Comité do artigo 36º, composto por altos funcionários dos Estados-membros, coordena os trabalhos ao nível da cooperação policial e judiciária em matéria penal e pode dar pareceres ao Conselho; Foram criados comités ad hoc que preparam os dossiers que, através do COREPER, são apresentados ao Conselho Justiça e Assuntos Internos. Módulo II - Diapositivo Nº 18 /35

19 Prática Os agentes da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos A Presidência Desempenha um papel incentivador e de acompanhamento; É coadjuvada nas suas missões pelo Secretariado-Geral do Conselho, o qual garante o bom funcionamento do conjunto do Conselho e resolve as dificuldades organizacionais de todo o tipo. Módulo II - Diapositivo Nº 19 /35

20 Prática Os agentes da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Os Estados-membros Informam-se e consultam-se mutuamente, no âmbito do Conselho, para coordenar as suas acções, definindo a cooperação entre os diversos departamentos das suas administrações; Defendem as posições comuns nas instâncias internacionais, mas têm acima de tudo um papel de iniciativa, podendo propor ao Conselho que adopte posições ou outras decisões comuns ou que elabore convenções em todas as matérias da CJAI. Módulo II - Diapositivo Nº 20 /35

21 Papel da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do Tribunal da Justiça Comissão Europeia Não tem o monopólio de iniciativa na CJAI; Partilha este papel com os Estados-membros; Prática O Tratado de Amesterdão confere-lhe todavia o direito de iniciativa em todos os domínios da CJAI; no que respeita às matérias que foram comunitarizadas (vistos, asilo, imigração e outras políticas relacionadas com a livre circulação de pessoas), a Comissão tem o monopólio de iniciativa uma vez passado o período transitório (5 anos após a entrada em vigor do Tratado); Participa nas reuniões do Conselho, do COREPER, do Comité do artigo 36º e dos grupos de trabalho. Módulo II - Diapositivo Nº 21 /35

22 Papel da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do Tribunal da Justiça Parlamento Europeu e Tribunal de Justiça Os papéis destas 2 instituições comunitárias foram reforçados pelo Tratado de Amesterdão, mas não são tão pronunciados como é o caso no âmbito das políticas comunitárias: Parlamento Europeu Prática Nos domínios do 3º pilar, o Parlamento é consultado pela Presidência sobre todas as decisões com carácter vinculativo no sector da CJAI; A Presidência e a Comissão informam regularmente o Parlamento Europeu sobre os trabalhos em curso, realizando todos os anos um debate sobre os progressos alcançados nesses domínios. Módulo II - Diapositivo Nº 22 /35

23 Papel da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do Tribunal da Justiça Tribunal de Justiça Prática Parlamento Europeu e Tribunal de Justiça Não dispõe da autoridade que tem no âmbito das políticas comunitárias; Para as matérias que permanecem no âmbito do 3º pilar (cooperação policial e judiciária em matéria penal), qualquer Estado-membro pode aceitar a competência do Tribunal de Justiça para pronunciar-se sobre a validade e a interpretação das decisões-quadro e das decisões, sobre a interpretação das convenções e sobre a validade e a interpretação das suas medidas de aplicação; É competente para a resolução dos litígios entre Estados-membros e também para controlar a legalidade das decisões sempre que é apresentado recurso por um país ou pela Comissão; Módulo II - Diapositivo Nº 23 /35

24 (Cont.) Prática Papel da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do Tribunal da Justiça Parlamento Europeu e Tribunal de Justiça Tribunal de Justiça (Cont.) Quanto às matérias comunitarizadas, o Tribunal tem competência para interpretar o novo título do Tratado e para se pronunciar sobre a validade e a interpretação dos actos das instituições comunitárias quando tal questão for submetida a uma jurisdição nacional; Não tem competência para verificar a validade ou a proporcionalidade das operações realizadas pela polícia ou outras autoridades repressivas num Estado-membro, nem para deliberar sobre o exercício das responsabilidades que incumbem aos países para manutenção da ordem pública e a salvaguarda da segurança interna. Módulo II - Diapositivo Nº 24 /35

25 Prática Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos O Tratado de Amesterdão faz uma distinção entre a livre circulação das pessoas e a criação de um espaço de liberdade, segurança e justiça, tendo sido na sequência dessa distinção que se efectuou a comunitarização das políticas de vistos, asilo, imigração e cooperação judiciária em matéria civil; Passou, assim, a ser possível a utilização de instrumentos comunitários como os regulamentos ou a directivas, em vez de convenções (sujeitas a ratificação e portanto, com exigência de processos bastante complexos antes da sua entrada em vigor), bem como decisões, recomendações e pareceres; No que respeita às matérias que continuam abrangidas pelo 3º pilar, o Tratado prevê os seguintes instrumentos: Módulo II - Diapositivo Nº 25 /35

26 Posições Comuns Decisões-Quadro e Decisões Convenções Prática Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Resoluções, Recomendações, Declarações, Conclusões... Módulo II - Diapositivo Nº 26 /35

27 Prática Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Posições Comuns Definem a abordagem da UE sobre determinada questão; Podem ser adoptadas pelo Conselho da UE por unanimidade. Antes de entrar em vigor o Tratado de Amesterdão, foi decidida uma posição comum para a aplicação harmonizada da definição do termo refugiado em matéria de asilo. Esta definição permite que os governos nacionais apliquem as mesmas directrizes quando atribuem o estatuto de refugiado a uma pessoa. Módulo II - Diapositivo Nº 27 /35

28 Prática Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Decisões-Quadro e Decisões As decisões-quadro vinculam os Estados-membros quanto aos resultados a atingir, mas deixam ao seu critério a escolha dos meios para os atingir; O Conselho da UE pode adoptar, por unanimidade, decisões-quadro com o objectivo de aproximar as disposições legislativas e regulamentares dos Estados-membros e também decisões no domínio da CJAI; As decisões, que não podem ter resultados directos, são de seguida completadas por medidas de aplicação, as quais podem ser adoptadas por maioria qualificada. Módulo II - Diapositivo Nº 28 /35

29 Prática Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Convenções São um instrumento clássico do direito internacional; Podem ser elaboradas pelo Conselho da UE, cuja aprovação recomenda aos Estados-membros; Devem ser ratificadas pelos Parlamentos Nacionais dos Estados-membros, contrariamente às posições comuns e às outras decisões, e, por conseguinte, a sua execução é particularmente lenta e complexa; Entram em vigor, aquando do Tratado de Amesterdão, quando estiverem adoptadas por, pelo menos, metade dos Estados-membros. Módulo II - Diapositivo Nº 29 /35

30 Prática Os instrumentos da cooperação em matéria de justiça e assuntos internos Resoluções, Recomendações, Declarações, Conclusões, etc. Estes instrumentos são muitas vezes utilizados em função da sua flexibilidade, não vinculando o Conselho, nem os Estados-membros como os outros instrumentos jurídicos. O Conselho recorre a uma série de instrumentos para manifestar a sua vontade política, por ex., adoptou uma resolução sobre a protecção das testemunhas no âmbito do combate à criminalidade organizada, ou uma recomendação para prevenir os distúrbios susceptíveis de ocorrer com desafios de futebol ou ainda uma declaração sobre os bandos de motociclistas. Módulo II - Diapositivo Nº 30 /35

31 O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS INTERNOS É EFICAZ? - A coerência - A eficácia do processo decisório - A protecção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais Módulo II - Diapositivo Nº 31 /35

32 Eficácia A coerência Pode ser invocada por 2 razões: 1 A CJAI foi inscrita na sequência de diversas iniciativas sobre a cooperação policial, aduaneira e judiciária, que foram lançadas na década de 70 entre os Estados-membros. O Tratado da UE, designadamente o seu Título VI, veio criar um quadro para esta cooperação, proporcionou uma nova estrutura com um secretariado permanente, concentrou os esforços, nomeou os agentes e definiu os instrumentos comuns para questões sensíveis. Mesmo que a estrutura de trabalho se revele de certo modo pesada e morosa, conseguiu-se melhorar globalmente a coerência; Módulo II - Diapositivo Nº 32 /35

33 (Cont.) Eficácia A coerência 2 Há também que invocar a coerência da CJAI com as políticas comunitárias, que solicitam a intervenção das instituições da UE de forma diversa através de instrumentos distintos (tais como regulamentos ou directivas). As realizações da CJAI e das políticas comunitárias colidiram e sobrepuseram-se por vezes. O Tratado de Amesterdão veio melhorar a coerência entre as políticas comunitárias e a CJAI. Assim, o asilo, a imigração, os controlos nas fronteiras foram transferidos para o quadro comunitário mediante algumas adaptações específicas. Módulo II - Diapositivo Nº 33 /35

34 Eficácia A eficácia do processo decisório Os instrumentos jurídicos propostos no âmbito da CJAI revelaram-se de difícil utilização: não tinha sido previsto no Tratado da UE nenhuma descrição precisa dos efeitos de uma posição ou acção comum; surgiram outros instrumentos, tais como as resoluções, decisões ou declarações; quanto às convenções, mostraram ser um instrumento pesado, dado que os Estados-membros devem ratificá-las a nível nacional; Os papéis da Comissão, do Parlamento Europeu e do Tribunal de Justiça foram muitas vezes destacados: a Comissão, o Parlamento Europeu e alguns Estados-membros eram partidários de uma reprodução, até um certo grau, do processo decisório comunitário considerado mais eficaz no domínio da JAI; foi igualmente invocada a questão da passagem da regra da unanimidade para a da maioria qualificada para melhorar a eficácia da CJAI. Módulo II - Diapositivo Nº 34 /35

35 Eficácia A protecção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais A questão da protecção da segurança e da ordem pública, respeitando a protecção da vida privada dos indivíduos, é cada vez mais debatida a nível europeu ao ser instaurada a cooperação; A CJAI é relativamente jovem e nova no quadro do Tratado da UE, estando em jogo tradições nacionais, sistemas jurídicos diferentes e administrações que devem encontrar uma forma de cooperar; Durante este período de rodagem, foram identificados os defeitos da CJAI, tendo sido introduzidas novas disposições no Tratado de Amesterdão no qual, de facto, os Estados-membros realizaram grandes progressos, conscientes dos desafios e das apostas a que a CJAI deve responder. As portas estão agora abertas para a criação de um verdadeiro espaço europeu de liberdade, segurança e justiça Módulo II - Diapositivo Nº 35 /35

MÓDULO III FASES DA CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE LIBERDADE, SEGURANÇA E JUSTIÇA NA UNIÃO EUROPEIA

MÓDULO III FASES DA CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE LIBERDADE, SEGURANÇA E JUSTIÇA NA UNIÃO EUROPEIA MÓDULO III UM ESPAÇO DE LIBERDADE, NA UNIÃO EUROPEIA NA UE BREVE HISTORIAL DA COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JAI - As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo

Leia mais

Cooperação Policial e Segurança

Cooperação Policial e Segurança Cooperação Policial e Segurança A cooperação entre os serviços policiais e as autoridades aduaneiras dos Estados-membros, foi inserido pela primeira vez no Tratado de Maastricht de 1992. O seu artigo K

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 PT CONSILIUM Schengen A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO 1 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA 2 Fronteiras internas 2 Fronteiras

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Comissão Europeia Direcção-Geral da Comunicação Manuscrito terminado em Julho de 2009 O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Após décadas de conflitos que ceifaram milhões de vidas, a fundação da União Europeia

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu União Europeia 60 anos União Económica e Monetária Europa dos 12... Sudoeste Portugal

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal O Mandado de Detenção Europeu José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal Contexto Tratado de Amesterdão (1999) Tratado da União Europeia Objectivo da União Europeia: a criação

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA

24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/7 SUMÁRIO I. TEXTO DO TRATADO Página

Leia mais

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE 7.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 93/23 ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO-QUADRO 2009/315/JAI DO CONSELHO de 26 de Fevereiro de 2009 relativa à organização e ao conteúdo

Leia mais

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar L 251/12 DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 78. o, n. o 2, e o artigo 79. o, n.

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente o artigo 78. o, n. o 2, e o artigo 79. o, n. L 150/168 Jornal Oficial da União Europeia 20.5.2014 REGULAMENTO (UE) N. o 516/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 que cria o Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração,

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas,

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas, Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional relativo à Prevenção, à Repressão e à Punição do Tráfico de Pessoas, em especial de Mulheres e Crianças

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS O SEF pretende dar execução à política de imigração e asilo de Portugal, de acordo com as disposições da Constituição e da Lei e as orientações do Governo. O Serviço

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 168/24 Jornal Oficial da União Europeia 30.6.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 18 de Junho de 2009 que estabelece normas mínimas sobre sanções e medidas contra

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO A União Europeia complementa as atividades dos Estados-Membros em matéria dos direitos dos trabalhadores à informação e consulta através

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE L 138/14 Jornal Oficial da União Europeia 4.6.2009 III (Actos aprovados ao abrigo do Tratado UE) ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO 2009/426/JAI DO CONSELHO de 16 de Dezembro

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS A proteção dos dados pessoais e o respeito pela vida privada são direitos fundamentais importantes. O Parlamento Europeu insiste na necessidade de alcançar um equilíbrio entre

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA 16.12.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia C 310/261 7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO QUE, ao abrigo do artigo III 434.

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 78/VIII ALTERA A LEI N.º 144/99, DE 31 DE AGOSTO (LEI DA COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA INTERNACIONAL EM MATÉRIA PENAL)

PROPOSTA DE LEI N.º 78/VIII ALTERA A LEI N.º 144/99, DE 31 DE AGOSTO (LEI DA COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA INTERNACIONAL EM MATÉRIA PENAL) PROPOSTA DE LEI N.º 78/VIII ALTERA A LEI N.º 144/99, DE 31 DE AGOSTO (LEI DA COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA INTERNACIONAL EM MATÉRIA PENAL) Exposição de motivos A presente proposta de lei consubstancia um aprofundamento

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA

POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA POLÍTICA COMUM DE SEGURANÇA E DEFESA Parte integrante da Política Externa e de Segurança Comum (PESC) da União Europeia, a Política Comum de Segurança e Defesa (PCSD) abrange as operações militares e as

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

LIMITE PT CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 24 de Setembro de 2008 (OR. fr) 13440/08 LIMITE ASIM 72. NOTA Presidência

LIMITE PT CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 24 de Setembro de 2008 (OR. fr) 13440/08 LIMITE ASIM 72. NOTA Presidência CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 24 de Setembro de 2008 (OR. fr) 13440/08 LIMITE ASIM 72 NOTA de: Presidência para: Conselho N.º doc ant.: 13189/08 ASIM 68 Assunto: Pacto Europeu sobre a Imigração

Leia mais

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente os artigos 82. o, n. o 1, 84. o e 87. o, n. o 2,

Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, nomeadamente os artigos 82. o, n. o 1, 84. o e 87. o, n. o 2, 20.5.2014 Jornal Oficial da União Europeia L 150/93 REGULAMENTO (UE) N. o 513/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 16 de abril de 2014 que cria, no âmbito do Fundo para a Segurança Interna, um instrumento

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Cooperação judicial. O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa

Cooperação judicial. O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa Cooperação judicial O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa 1. Bases normativas da cooperação judicial na Europa Antes do Tratado de Lisboa (entrado em vigor em

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM ASSUNTO: Parecer Proposta de Regulamento que cria a Agência da União Europeia para a Cooperação e a Formação Policial

Leia mais

ACORDO QUE CRIA UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DO CHILE, POR OUTRO.

ACORDO QUE CRIA UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DO CHILE, POR OUTRO. Resolução da Assembleia da República n.º 31-A/2004 Acordo de Associação entre a Comunidade Europeia e os seus Estados Membros, por um lado, e a República do Chile, por outro, bem como os seus anexos, protocolos

Leia mais

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE No âmbito das competências não exclusivas da União, o princípio da subsidiariedade, inscrito no Tratado da União Europeia, define as condições em que esta última tem prioridade

Leia mais

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012 PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO que, nos termos do artigo 343.

Leia mais

Os direitos fundamentais na União Europeia (2009) - Aplicação efectiva após a entrada em vigor do Tratado de Lisboa

Os direitos fundamentais na União Europeia (2009) - Aplicação efectiva após a entrada em vigor do Tratado de Lisboa 15.6.2012 Jornal Oficial da União Europeia C 169 E/49 41. Lamenta que a Estratégia Conjunta África-UE não seja coadjuvada por um plano de financiamento e requer, uma vez mais, que o FED faça parte do orçamento

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Segue-se o texto da proposta de Directiva. As sugestões de alteração formuladas pela APAV encontram-se destacadas pela cor vermelha

Segue-se o texto da proposta de Directiva. As sugestões de alteração formuladas pela APAV encontram-se destacadas pela cor vermelha Parecer da APAV relativo à Proposta de Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece normas mínimas relativas aos direitos, ao apoio e à protecção das vítimas de criminalidade Segue-se o

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.8.2011 COM(2011) 516 final 2011/0223 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 810/2009, de 13 de Julho de 2009,

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Obrigação de comunicação das irregularidades : Modalidades práticas.

Obrigação de comunicação das irregularidades : Modalidades práticas. COMISSÃO EUROPEIA ORGANISMO EUROPEU DE LUTA ANTIFRAUDE (OLAF) POLÍTICA, LEGISLAÇÃO E ASSUNTOS JURÍDICOS Work Programs, Reports & Consultative Committee DOCUMENTO DE TRABALHO Obrigação de comunicação das

Leia mais

Justiça e Assuntos Internos: um caso de governação supranacional na União Europeia? 1

Justiça e Assuntos Internos: um caso de governação supranacional na União Europeia? 1 Justiça e Assuntos Internos: um caso de governação supranacional na União Europeia? 1 Isabel Costa Leite Universidade Fernando Pessoa icleite@ufp.edu.pt A globalização tem demonstrado que os blocos económicos

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS a) a expressão tráfico de pessoas significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE Aula 7 O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE O O Ano Europeu do Diálogo Intercultural (AEDI) 2008 reconhece a grande diversidade cultural da Europa como um benefício único. Fronteira

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 19.7.2006 COM(2006) 402 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO sobre as prioridades da política de luta contra a imigração clandestina de nacionais de países terceiros

Leia mais

A COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA EM MATÉRIA CIVIL

A COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA EM MATÉRIA CIVIL A COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA EM MATÉRIA CIVIL A livre circulação de bens, serviços, capital e pessoas está a aumentar de forma contínua. Esta situação leva inevitavelmente ao desenvolvimento de relações transfronteiras,

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 35/X Para a realização dos objectivos da União Europeia, importa melhorar as normas que regulam o auxílio judiciário mútuo em matéria penal entre os Estados Membros da União Europeia.

Leia mais

DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 119/132 4.5.2016 DIRETIVA (UE) 2016/681 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de abril de 2016 relativa à utilização dos dados dos registos de identificação dos passageiros (PNR) para efeitos de

Leia mais

COM(2004) 412 final (2005/C 157/15)

COM(2004) 412 final (2005/C 157/15) Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Estudo sobre as relações entre

Leia mais

ACORDO QUE CRIA UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DO CHILE, POR OUTRO

ACORDO QUE CRIA UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E A REPÚBLICA DO CHILE, POR OUTRO 549 der Beilagen XXII. GP - Beschluss NR - Portugiesischer Vertragstext (Normativer Teil) 1 von 209 ACORDO QUE CRIA UMA ASSOCIAÇÃO ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E

Leia mais