MÓDULO III FASES DA CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE LIBERDADE, SEGURANÇA E JUSTIÇA NA UNIÃO EUROPEIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO III FASES DA CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE LIBERDADE, SEGURANÇA E JUSTIÇA NA UNIÃO EUROPEIA"

Transcrição

1 MÓDULO III UM ESPAÇO DE LIBERDADE, NA UNIÃO EUROPEIA

2 NA UE BREVE HISTORIAL DA COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JAI - As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo de Schengen - Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht - O Tratado de Amesterdão - O Conselho Europeu de Tampere - O Tratado de Nice - Os atentados terroristas de 11 Setembro de O Conselho Europeu de Laeken - A Convenção Europeia - Tampere II Módulo III - Diapositivo Nº 2 /35

3 NA UE As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo de Schengen Desde há cerca de 5 décadas que a cooperação entre os Estados-membros no domínio da JAI tem vindo a desenvolver-se a vários níveis: -bilateral; -regional (no quadro do Conselho da Europa, por ex.); -mundial (no quadro da Interpol e das Nações Unidas). Durante muitos anos, todas as políticas em matéria de JAI foram aprovadas pelos governos em reuniões de grupos ad hoc, fora das estruturas legislativas da UE; No seio da UE esta cooperação é mais recente. Módulo III - Diapositivo Nº 3 /35

4 NA UE As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo de Schengen 25 de Março de 1957 Tratado de Roma Coloca entre os seus objectivos a livre circulação de pessoas no território da Comunidade, não estando prevista nenhuma medida em matéria de transposição de fronteiras, de imigração ou de política de vistos; A livre circulação era, nessa altura, encarada numa perspectiva económica e referia-se exclusivamente aos trabalhadores. Módulo III - Diapositivo Nº 4 /35

5 NA UE As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo de Schengen 1967 Convenção de Nápoles É relativa à Assistência Mútua e à Cooperação entre as Administrações Aduaneiras dos 6 países de então da CEE, constituindo o 1º quadro de intercâmbio entre os Estados-membros; A partir de 1975, vai sendo paulatinamente criada uma cooperação intergovernamental nos domínios da imigração, do direito de asilo e da cooperação policial e judiciária. Módulo III - Diapositivo Nº 5 /35

6 NA UE As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo de Schengen 1975/1985 Grupo TREVI (Terrorismo, Radicalismo, Extremismo, Violência Internacional) Grupo de trabalho, constituído por funcionários dos serviços envolvidos nos vários Estados-membros, que foi criado em 1975, encontrando-se operacional desde 1976, sendo inicialmente responsável por questões relativas ao terrorismo e à segurança interna; A partir de 1984, os Ministros da Administração Interna e da Justiça dos Estados-membros iniciam encontros regulares semestrais sobre questões específicas (cooperação policial, judiciária e aduaneira, livre circulação de pessoas); Em 1985, as suas competências foram alargadas à imigração ilegal e à criminalidade organizada. Módulo III - Diapositivo Nº 6 /35

7 NA UE As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo de Schengen Acordo de Schengen Assinado pela França, a Alemanha e o Benelux, para abolir as formalidades nas fronteiras entre os países signatários e fomentar a livre circulação das pessoas, tendo sido completado em 1990 por uma Convenção de Aplicação do Acordo de Schengen (entrou em vigor apenas em 1995). Objectivo: favorecer a supressão dos controlos nas fronteiras internas, ao mesmo tempo que se desenvolvem os controlos nas fronteiras externas, bem como harmonizar as medidas em matéria de vistos, de asilo e de cooperação policial e judiciária. Módulo III - Diapositivo Nº 7 /35

8 NA UE Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht Acto Único Europeu Marca um ponto de viragem na cooperação intergovernamental; Preconiza a criação de um mercado único com livre circulação de bens, pessoas, serviços e capitais; Reitera, através da declaração política anexada, a intenção de todos os Estados-membros de cooperarem em matéria de entrada, circulação e residência de nacionais de países terceiros e de combate ao terrorismo, à criminalidade, ao tráfico de droga e ao comércio ilegal de obras de arte e antiguidades; Nasce a ideia de que esta livre circulação das pessoas deve ser acompanhada por medidas ditas de compensação que consistem em reforçar os controlos nas fronteiras externas e em definir uma política europeia de asilo e de imigração. Módulo III - Diapositivo Nº 8 /35

9 NA UE Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht Acto Único Europeu No seguimento do Acto Único, os Estados-membros criam novos grupos de trabalho, novamente à margem do quadro comunitário, em função das suas necessidades, tais como: -o Grupo ad hoc (1986) em matéria de imigração; -o Comité Europeu de Luta Contra a Droga (1989); -o Grupo de Assistência Mútua (1989), encarregado das questões aduaneiras. A organização destes grupos reflecte a evolução introduzida pelo Acto Único, os quais passam a incluir observadores da Comissão Europeia e alguns deles instalam o seu secretariado junto do secretariado do Conselho da UE. Módulo III - Diapositivo Nº 9 /35

10 Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht NA UE Acto Único Europeu Balanço da situação: Apesar da cooperação entre alguns Estados-membros ter permitido fazer progressos, este método intergovernamental tem inconvenientes: -problemas de coordenação entre as actividades dos grupos de trabalho, pelo que se verifica uma duplicação de esforços; -o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais não têm possibilidade de supervisionar as medidas; -os instrumentos utilizados correspondem a um método intergovernamental tradicional (por um lado, as convenções, por outro, a formulação de resoluções, conclusões e recomendações). Para garantir uma maior eficácia da cooperação em matéria de JAI, bem como um melhor controlo democrático, é necessário integrar os grupos de trabalho numa estrutura global no âmbito do quadro jurídico da UE. Módulo III - Diapositivo Nº 10 /35

11 NA UE Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht 7 de Fevereiro de Tratado de Maastricht Organiza numa base nova a colaboração entre todos os Estados-membros em matéria da JAI, acrescentando um 3º pilar à estrutura comunitária (também designado por Título VI ). Esta cooperação centra-se em 9 áreas de interesse comum: 1. O asilo 2. A passagem das fronteiras externas 3. A imigração 4. A luta contra a droga e a toxicodependência 5. A luta contra a fraude de dimensão internacional 6. e 7. A cooperação judiciária em matéria civil e penal 8. A cooperação aduaneira 9. A cooperação policial Módulo III - Diapositivo Nº 11 /35

12 NA UE Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht 7 de Fevereiro de Tratado de Maastricht Esta cooperação integra os grupos de trabalho pré-existentes numa estrutura complexa de 5 níveis: 1. Grupos de trabalho específicos 2. Comités directores 3. Comité de coordenação (art. 36º do Tratado da UE) 4. Comité de Representantes Permanentes (COREPER) 5. Conselho dos Ministros da Justiça e da Administração Interna O sistema de Schengen continua parcialmente de fora porque nem todos os seus objectivos são aceites por todos os Estados-membros. Foram criados diversos instrumentos para adoptar medidas nestes domínios: a acção comum, a posição comum e a convenção. Módulo III - Diapositivo Nº 12 /35

13 NA UE Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht 7 de Fevereiro de Tratado de Maastricht Balanço da situação: Problemas relacionados com Maastricht: -diluição das diferenças entre os Tratados da CE e o da UE, em que os problemas de demarcação não conduzem a iniciativas nem a decisões; -a nível institucional, o 3º pilar, tal como é concebido no Tratado de Maastricht, atribui um papel limitado às instituições comunitárias que não têm qualquer controlo sobre as decisões dos Estados-membros: -limitado controlo jurídico do Tribunal de Justiça; -falta de informação do Parlamento Europeu; -direito de iniciativa da Comissão limitado a 6 das 9 áreas abrangidas pelo Título VI da Tratado da UE e partilhado com os Estados-membros; -a votação por unanimidade no Conselho frequentemente paralisa a tomada de decisões. Módulo III - Diapositivo Nº 13 /35

14 NA UE Do Acto Único Europeu ao Tratado de Maastricht 7 de Fevereiro de Tratado de Maastricht Balanço da situação: Foi obtido consenso quanto à necessidade de estabelecer disposições mais eficazes para reforçar as estruturas de cooperação e para inserir, no âmbito comunitário, os domínios relacionados com o controlo das pessoas (asilo, imigração, passagem das fronteiras externas); Entretanto, em 1995, o espaço Schengen entrou em vigor, tendo sido criado o Sistema de Informação Schengen (SIS) para proceder ao intercâmbio de dados de identificação pessoal e descrição de objectos perdidos ou roubados. Módulo III - Diapositivo Nº 14 /35

15 NA UE O Tratado de Amesterdão 2 de Outubro de 1997 Altera a cooperação nos domínios da JAI ao criar um espaço de liberdade, segurança e justiça, com ambições mais vastas, conferindo um papel mais equilibrado às instituições europeias e introduzindo métodos de trabalho mais eficazes e mais democráticos; Tem como objectivos: -estabelecer, nos próximos 5 anos, a livre circulação das pessoas (cidadãos da UE e nacionais de países terceiros); -garantir, ao mesmo tempo, a segurança de todos, através do combate ao crime organizado (tráfico de seres humanos, exploração sexual de crianças, tráfico de droga, de armas, de automóveis, corrupção, fraude) e ao terrorismo. Módulo III - Diapositivo Nº 15 /35

16 NA UE O Tratado de Amesterdão 2 de Outubro de 1997 As questões de interesse comum definidas pelo Tratado da UE são desenvolvidas e divididas em 2 categorias: 1 um novo título do Tratado Vistos, asilo, imigração e outras políticas relativas à livre circulação de pessoas retoma as medidas referentes ao controlo das fronteiras externas (vistos), ao asilo, à imigração e à cooperação judiciária em matéria civil. Estes domínios integram-se no âmbito do 1º pilar e dos instrumentos jurídicos comunitários: directiva, regulamento, decisão, recomendação e parecer. Esta comunitarização continua a ser parcial durante os primeiros 5 anos após a entrada em vigor do Tratado de Amesterdão. Módulo III - Diapositivo Nº 16 /35

17 NA UE O Tratado de Amesterdão 2 de Outubro de no âmbito de um 3º pilar reformulado continuam as cooperações policial e judiciária em matéria penal, às quais o Tratado de Amesterdão acrescenta a prevenção e o combate ao racismo e à xenofobia. No plano decisório, foram introduzidas algumas mudanças: a substituição da acção comum pela decisão-quadro e a decisão, instrumentos jurídicos próximos da directivas e das suas medidas de aplicação; qualquer convenção pode agora entrar em vigor após a sua ratificação por metade dos países signatários, o que acelera o processo; a Comissão dispõe, em conjunto com os Estados-membros, de um direito de iniciativa alargado a todos os domínios do 3º pilar e as modalidades de consulta ao Parlamento Europeu são definidas com mais precisão. Módulo III - Diapositivo Nº 17 /35

18 NA UE O Tratado de Amesterdão 2 de Outubro de 1997 O espaço de liberdade, segurança e justiça permite também integrar os acordos de Schengen no quadro da UE: as medidas adoptadas são acrescentadas ao acervo comunitário. Todas as iniciativas no domínio da JAI são agora da competência da UE, o que deverá favorecer a definição de políticas coerentes a nível europeu. O Tratado de Amesterdão prevê ainda a possibilidade de criar cooperações reforçadas para os Estados-membros que pretendam ir mais longe na sua colaboração. Vários protocolos anexados ao Tratado de Amesterdão permitem ao Reino Unido, à Irlanda (opt-out) e à Dinamarca (opt-in) não participar em algumas destas medidas. Módulo III - Diapositivo Nº 18 /35

19 NA UE O Conselho Europeu de Tampere 15 e 16 de Outubro de 1999 Dedicado exclusivamente à construção de um espaço de liberdade, segurança e justiça na UE, adopta políticas e objectivos específicos, visando a criação de um Painel de Avaliação, actualizado semestralmente, para acompanhar a evolução da execução das medidas previstas; Os principais temas abrangidos foram: - uma política europeia comum em matéria de asilo e imigração; - um espaço europeu genuíno em matéria de justiça; - luta contra a criminalidade em toda a União; - acção externa mais vigorosa (fora da UE). Módulo III - Diapositivo Nº 19 /35

20 NA UE O Conselho Europeu de Tampere 15 e 16 de Outubro de 1999 Política europeia comum em matéria de asilo e imigração O Conselho Europeu de Tampere exortou a UE a adoptar num prazo de 5 anos uma política comum em matéria de asilo e imigração, cujo objectivo é a existência de uma forma harmonizada dos imigrantes ou candidatos a asilo obterem entrada em todos os Estados da UE; Para alcançar este objectivo, Tampere aconselha a associação com os países de onde são originários os imigrantes e candidatos a asilo, no sentido de se criar um sistema europeu comum em matéria de asilo que proporcione tratamento equitativo aos cidadãos nacionais de países terceiros e a gestão dos fluxos migratórios, incluindo sanções rigorosas contra os traficantes de imigrantes ilegais. Módulo III - Diapositivo Nº 20 /35

21 NA UE O Conselho Europeu de Tampere 15 e 16 de Outubro de 1999 Espaço europeu genuíno em matéria de justiça As autoridades policiais e as responsáveis pela aplicação da lei necessitam de um espaço harmonizado de forma a que os criminosos não possam deixar de ser apanhados e punidos pelo simples facto de terem atravessado uma fronteira, o que pressupõe uma cooperação mais estreita entre os sistemas jurídicos e os organismos responsáveis pela aplicação da lei de todos os Estados-membros da UE; Para atingir este objectivo, Tampere instou a um melhor acesso à justiça para todos, a que os países da UE reconheçam e respeitem as decisões judiciais mútuas e a uma maior convergência em matéria de direito civil. Módulo III - Diapositivo Nº 21 /35

22 NA UE O Conselho Europeu de Tampere 15 e 16 de Outubro de 1999 Luta contra a criminalidade em toda a União Tendo em conta que os criminosos operam além-fronteiras, tirando partido das diferenças entre as organizações responsáveis pela aplicação da lei, as diferenças entre sistemas jurídicos e as dificuldades enfrentadas pelas autoridades na extradição de criminosos de um país para outro, exortou-se a uma intervenção mais tenaz que integrasse a prevenção do crime no combate à criminalidade ao nível da UE; Para alcançar este objectivo, preconizou-se a adopção de várias medidas específicas de incentivo à cooperação contra a criminalidade, sendo indispensável tentar chegar a acordo sobre definições, incriminações e sanções comuns em matéria de direito criminal a nível nacional e de acções especiais contra o branqueamento de capitais. Módulo III - Diapositivo Nº 22 /35

23 NA UE O Conselho Europeu de Tampere 15 e 16 de Outubro de 1999 Luta contra a criminalidade em toda a União Uma maior cooperação contra a criminalidade passa pela criação de: -equipas de investigação conjuntas nas áreas fronteiriças, em especial para combater o tráfico de droga e de seres humanos e o terrorismo; -um grupo ad hoc operacional dos chefes da polícia europeia; -uma equipa europeia, a EUROJUST, para coadjuvar a EUROPOL em processos além-fronteiras e para trabalhar em cooperação com a Rede Judiciária Europeia; -um instituto europeu de polícia para a formação de funcionários superiores responsáveis pela aplicação da lei. Tampere incitou ainda ao alargamento das competências da EUROPOL ao combate ao branqueamento de capitais e à adopção de: -uma estratégia europeia plurianual contra a droga ( ); -medidas concretas para detectar, congelar, apreender e confiscar produtos de crime. Módulo III - Diapositivo Nº 23 /35

24 NA UE O Conselho Europeu de Tampere 15 e 16 de Outubro de 1999 Acção externa mais vigorosa (fora da UE) Muita da criminalidade além-fronteiras atravessa as fronteiras externas da UE e dos países terceiros circundantes; A UE e as suas agências de aplicação da lei têm assim não só de desempenhar um papel activo em organismos internacionais como as Nações Unidas, o Conselho da Europa, a OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) e a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), como também cooperar com os países limítrofes, os países de origem, os países de trânsito e outros de forma a travar a entrada de droga, contrabando, produtos de roubo e imigrantes ilegais na UE. Módulo III - Diapositivo Nº 24 /35

25 NA UE O Tratado de Nice 26 de Fevereiro de 2001 Alargou o voto por maioria qualificada a determinados domínios da JAI que foram comunitarizados, em especial a livre circulação de pessoas. Em contrapartida, as matérias do 3º pilar continuam a ser decididas por unanimidade; Procedeu a uma reformulação das disposições relativas à cooperação reforçada (nº mínimo de Estados-membros que nela participam, supressão do direito de veto reconhecido a cada país, etc); Reforçou a cooperação judiciária, no intuito de dotar a EUROJUST, no Tratado da UE, de uma base para a sua criação e actividades. Módulo III - Diapositivo Nº 25 /35

26 NA UE Os atentados terroristas de 11 Setembro 2001 No decurso das reuniões realizadas na sequência dos atentados, os Estados-membros manifestaram a sua vontade de combater com firmeza uma criminalidade cada vez mais transnacional: -20/09/2001-Conselho de JAI extraordinário; -21/09/2001-Conselho Europeu Extraordinário em Bruxelas; -19/10/2001-Conselho Europeu Informal em Ghent, o qual decide fazer progressos em 4 áreas: 1.Mandado de Captura Europeu; 2.Reforço da cooperação entre agências de luta anti-terrorismo; 3.Implementação de instrumentos para combater o financiamento do terrorismo; 4.Adopção da proposta da Comissão Europeia relativa à segurança do tráfego aéreo. Módulo III - Diapositivo Nº 26 /35

27 NA UE Os atentados terroristas de 11 Setembro 2001 Nova Legislação Decisão-quadro sobre o combate ao crime (definição comum de terrorismo); Regulamento sobre medidas específicas dirigidas contra certas pessoas e entidades (permite aos Estados-membros congelar os bens de 27 pessoas e entidades); Decisão-quadro sobre o Mandado de Captura Europeu (regula as condições segundo as quais os países executarão no seu território o mandado emitido pelas autoridades judiciais de outro Estado-membro); Directiva que adenda a Directiva do Conselho 91/308/CEE sobre o branqueamento de dinheiro. A legislação europeia enumera uma série de infracções graves, consideradas actos de terrorismo, tais como aqueles que atentam contra a vida e a integridade física, sequestro, tomada de reféns ou desvio de aeronaves. Módulo III - Diapositivo Nº 27 /35

28 NA UE Os atentados terroristas de 11 Setembro 2001 Consequências para a JAI Implementação acelerada das conclusões de Tampere; Desvio das prioridades da JAI para o terrorismo; Maior pressão sobre as instituições para encontrarem um compromisso sobre projectos de lei; Nova percepção dos problemas transnacionais; Novo debate sobre maior comunitarização; Decisão-Quadro sobre o combate ao terrorismo (07/12/2001). Módulo III - Diapositivo Nº 28 /35

29 NA UE O Conselho Europeu de Laeken 14 e 15 de Dezembro de 2001 Reafirma o seu compromisso em relação às orientações políticas e aos objectivos definidos em Tampere e regista que, embora se tenham verificado alguns progressos, são necessários novos impulsos e novas orientações para recuperar o atraso registado em certos domínios; Compromete-se a adoptar uma política comum em matéria de asilo e imigração que respeite o equilíbrio necessário entre a protecção dos refugiados, a legítima aspiração a uma vida melhor e a capacidade de acolhimento da UE e dos seus Estados-membros; Apela a um controlo mais eficaz das fronteiras externas; Solicita a adopção de disposições necessárias para a criação de um sistema comum de identificação dos vistos; Recorda a necessidade de intensificar a luta contra o tráfico de drogas. Módulo III - Diapositivo Nº 29 /35

30 NA UE O Conselho Europeu de Laeken 14 e 15 de Dezembro de 2001 Para além de se ter feito um balanço dos progressos realizados, foi também a ocasião para debater temas fundamentais tais como: -a EUROJUST (visa melhorar a coordenação entre autoridades judiciais nos Estados-membros, a nível da investigação e repressão de casos transfronteiras); -o Mandado de Captura Europeu (substitui, na UE, os procedimentos de extradição tradicionais, morosos, no intuito de permitir que suspeitos de crimes graves ou de terrorismo sejam extraditados no prazo máximo de 90 dias, para investigação e julgamento no país onde o crime foi cometido); -a Decisão-Quadro relativa à luta contra o terrorismo (define os objectivos e as infracções terroristas e estabelece limiares para as penas mínimas/máximas a aplicar aos diversos tipos de delitos). Módulo III - Diapositivo Nº 30 /35

31 NA UE A Convenção Europeia De acordo com o projecto do novo Tratado Constitucional, o papel da UE no domínio da JAI é fortalecido, visto que: -permite à UE aplicar apenas um procedimento na elaboração de leis e políticas na JAI, o que deverá tornar o policy-making mais rápido e mais coerente; -o Conselho de Ministros deverá decidir por maioria qualificada a adopção da maioria da legislação no domínio da JAI, devendo acelerar a tomada de decisão; -aumenta o poder do Parlamento Europeu no processo legislativo fortalecendo o controlo democrático das decisões tomadas no contexto da JAI; -aumenta o impacto jurídico da legislação comunitária nos Estados-membros, através de um aumento do efeito directo das leis; -estende a jurisdição do Tribunal de Justiça das CE à JAI, reforçando o estado de direito a nível comunitário; -incorpora a Carta dos Direitos Fundamentais na nova Constituição e codifica outros direitos e princípios da legislação europeia, fortalecendo a protecção formal dos direitos dos cidadãos; -aproxima a EUROPOL do quadro legal da UE. Módulo III - Diapositivo Nº 31 /35

32 Vistos, Asilo, Controlos nas fronteiras NA UE A Convenção Europeia Fevereiro 2002 a Julho 2003 Cooperação judicial em matéria civil e penal Cooperação policial Quase generalização do método comunitário e da votação por maioria qualificada; Especificidades mantidas em relação à cooperação policial e judicial; Manutenção da votação por unanimidade em determinados domínios; Manutenção do direito de iniciativa legislativa dos Estados, em determinados domínios, juntamente com a Comissão Europeia. Módulo III - Diapositivo Nº 32 /35

33 Cooperação Policial EUROPOL NA UE A Convenção Europeia Fevereiro 2002 a Julho 2003 Nova reformulação de tarefas e poderes de carácter mais operacional. Cooperação Judiciária EUROJUST Controlo das Fronteiras Estabelecimento do Princípio de Solidariedade: ataque terrorista contra um Estado-membro ou catástrofe natural; introdução de sinergias operacionais. Módulo III - Diapositivo Nº 33 /35

34 NA UE Tampere II A Comissão Europeia apresentou, em Junho de 2004, uma Comunicação intitulada Muito já foi feito, mas muito também ainda falta fazer, sobre os resultados do programa de Tampere e as futuras directrizes para uma nova agenda da JAI para o período , também designada por Programa Multi-Anual para a JAI (Tampere II). Prioridades da nova agenda da JAI ( ) Asilo, imigração e integração: -Integração dos imigrantes legais; -Luta contra a imigração ilegal; -Desenvolvimento de um procedimento de asilo comum único e um estatuto uniforme de refugiado e de subsídio de protecção; -Solidariedade na gestão das fronteiras externas; -Esforços no sentido da admissão dos novos Estados-membros ao espaço Schengen. Módulo III - Diapositivo Nº 34 /35

35 NA UE Tampere II Prioridades da nova agenda da JAI ( ) Luta contra o terrorismo / segurança crescente: -Protecção de dados; -Reforço do papel da EUROPOL e da EUROJUST. Melhorias institucionais: -A UE deverá proteger melhor os direitos fundamentais e promover a cidadania europeia; -As perspectivas financeiras deverão corresponder às prioridades políticas; -Os avanços previstos no futuro Tratado Constitucional deverão ser implementados o mais breve possível; -O procedimento de co-decisão entre o Conselho e o Parlamento Europeu, juntamente com o papel dos parlamentos nacionais deverão ser reforçados. Módulo III - Diapositivo Nº 35 /35

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA MÓDULO II DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS A proteção dos dados pessoais e o respeito pela vida privada são direitos fundamentais importantes. O Parlamento Europeu insiste na necessidade de alcançar um equilíbrio entre

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

Cooperação Policial e Segurança

Cooperação Policial e Segurança Cooperação Policial e Segurança A cooperação entre os serviços policiais e as autoridades aduaneiras dos Estados-membros, foi inserido pela primeira vez no Tratado de Maastricht de 1992. O seu artigo K

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia

Comunidade Europeia do Carvão e Aço. Comunidade Económica Europeia Processo de Integração Europeia Comunidade Europeia do Carvão e Aço Comunidade Económica Europeia Mercado Único Europeu União Europeia 60 anos União Económica e Monetária Europa dos 12... Sudoeste Portugal

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.8.2011 COM(2011) 516 final 2011/0223 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 810/2009, de 13 de Julho de 2009,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA

O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Comissão Europeia Direcção-Geral da Comunicação Manuscrito terminado em Julho de 2009 O SEU GUIA DO TRATADO DE LISBOA Após décadas de conflitos que ceifaram milhões de vidas, a fundação da União Europeia

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

Cooperação judicial. O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa

Cooperação judicial. O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa Cooperação judicial O papel do juiz de ligação e de os demais atores da cooperação judicial na Europa 1. Bases normativas da cooperação judicial na Europa Antes do Tratado de Lisboa (entrado em vigor em

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 17.10.2013 B7-0000/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B7-0000/2013 nos termos do artigo 115.º,

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 18 de dezembro de 2015 (OR. en) EUCO 28/15 CO EUR 13 CONCL 5 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (17 e 18 de

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

O ESPAÇO DE SCHENGEN. Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ

O ESPAÇO DE SCHENGEN. Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ O ESPAÇO DE SCHENGEN Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ O QUE É O ESPAÇO DE SCHENGEN? O espaço e a cooperação Schengen assentam no Acordo Schengen de 1985. O espaço Schengen representa um território

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

COMMISSION DES COMMUNAUTÉS EUROPÉENNES TEXTE PT CONSELHO EUROPEU DE BRUXELAS 4/5 DE NOVEMBRO DE 2004

COMMISSION DES COMMUNAUTÉS EUROPÉENNES TEXTE PT CONSELHO EUROPEU DE BRUXELAS 4/5 DE NOVEMBRO DE 2004 D / 0 4 / 5 Bruxelas 4/5 de Novembro de 2004 COMMISSION DES COMMUNAUTÉS EUROPÉENNES TEXTE PT CONSELHO EUROPEU DE BRUXELAS 4/5 DE NOVEMBRO DE 2004.1. CONCLUSÕES DA PRESIDÊNCIA O Conselho Europeu debateu

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE 7.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 93/23 ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO-QUADRO 2009/315/JAI DO CONSELHO de 26 de Fevereiro de 2009 relativa à organização e ao conteúdo

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 4 de Dezembro de 2001 (05.12) 14904/01 Dossier interinstitucional: 2001/0270(CNS) DROIPEN 105

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 4 de Dezembro de 2001 (05.12) 14904/01 Dossier interinstitucional: 2001/0270(CNS) DROIPEN 105 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 4 de Dezembro de 2001 (05.12) 14904/01 Dossier interinstitucional: 2001/0270(CNS) DROIPEN 105 NOTA DE ENVIO de: Bernhard ZEPTER, Secretário-Geral Adjunto da Comissão

Leia mais

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas,

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas, Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional relativo à Prevenção, à Repressão e à Punição do Tráfico de Pessoas, em especial de Mulheres e Crianças

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Prioridades de Comunicação da nova Comissão Europeia. João Tàtá dos Anjos Assessor de Impresa Representação da Comissão Europeia em Portugal

Prioridades de Comunicação da nova Comissão Europeia. João Tàtá dos Anjos Assessor de Impresa Representação da Comissão Europeia em Portugal Prioridades de Comunicação da nova Comissão Europeia João Tàtá dos Anjos Assessor de Impresa Representação da Comissão Europeia em Portugal A nova "Comissão Juncker" Entrou em funções a 11 de novembro

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

de 23 de Maio de 2007

de 23 de Maio de 2007 L 144/22 PT Jornal Oficial da União Europeia 6.6.2007 DECISÃO N. o 574/2007/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Maio de 2007 que cria o Fundo para as Fronteiras Externas para o período de 2007

Leia mais

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 PT CONSILIUM Schengen A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO 1 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA 2 Fronteiras internas 2 Fronteiras

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 26 de junho de 2015 (OR. en) EUCO 22/15 CO EUR 8 CONCL 3 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (25 e 26 de junho

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

COM(2004) 412 final (2005/C 157/15)

COM(2004) 412 final (2005/C 157/15) Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Estudo sobre as relações entre

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE Aula 7 O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE O O Ano Europeu do Diálogo Intercultural (AEDI) 2008 reconhece a grande diversidade cultural da Europa como um benefício único. Fronteira

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe.

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões adotadas pelo Conselho Europeu na reunião em epígrafe. Conselho Europeu Bruxelas, 16 de outubro de 2015 (OR. en) EUCO 26/15 CO EUR 10 CONCL 4 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: Reunião do Conselho Europeu (15 de outubro

Leia mais

24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA

24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/5 VERSÃO COMPILADA DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA 24.12.2002 Jornal Oficial das Comunidades Europeias C 325/7 SUMÁRIO I. TEXTO DO TRATADO Página

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Justiça e Assuntos Internos: um caso de governação supranacional na União Europeia? 1

Justiça e Assuntos Internos: um caso de governação supranacional na União Europeia? 1 Justiça e Assuntos Internos: um caso de governação supranacional na União Europeia? 1 Isabel Costa Leite Universidade Fernando Pessoa icleite@ufp.edu.pt A globalização tem demonstrado que os blocos económicos

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM ASSUNTO: Parecer Proposta de Regulamento que cria a Agência da União Europeia para a Cooperação e a Formação Policial

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA

A Cidadania Europeia CONCEITO DE CIDADANIA CONCEITO DE CIDADANIA O conceito de Cidadania foi evoluindo ao longo dos tempos, acompanhando, em cada momento, as diferentes concepções de Estado e as diferentes formas de participação do indivíduo na

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Tendo em conta os artigos 6º e 7º do Tratado da União Europeia e os artigos I-2º e I-9º do Tratado que estabelece uma Constituição para a Europa,

Tendo em conta os artigos 6º e 7º do Tratado da União Europeia e os artigos I-2º e I-9º do Tratado que estabelece uma Constituição para a Europa, P6_TA(2005)0208 Promoção e defesa dos direitos fundamentais Resolução do Parlamento Europeu sobre a promoção e a defesa dos direitos fundamentais: o papel das Instituições nacionais e europeias, incluindo

Leia mais

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE No âmbito das competências não exclusivas da União, o princípio da subsidiariedade, inscrito no Tratado da União Europeia, define as condições em que esta última tem prioridade

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO SEGUNDO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.12 7 de março de 2012 CICTE/INF.1/12 Washington, D.C. 7 março 2012 Original: inglês DISCURSO

Leia mais

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE L 138/14 Jornal Oficial da União Europeia 4.6.2009 III (Actos aprovados ao abrigo do Tratado UE) ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO 2009/426/JAI DO CONSELHO de 16 de Dezembro

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar

DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar L 251/12 DIRECTIVA 2003/86/CE DO CONSELHO de 22 de Setembro de 2003 relativa ao direito ao reagrupamento familiar O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

SCHENGEN LEGISLAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO SCHENGEN E COOPERAÇÃO POLICIAL

SCHENGEN LEGISLAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO SCHENGEN E COOPERAÇÃO POLICIAL SCHENGEN LEGISLAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO SCHENGEN E COOPERAÇÃO POLICIAL SCHENGEN LEGISLAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO SCHENGEN E COOPERAÇÃO POLICIAL SELECÇÃO DE TEXTOS GABINETE NACIONAL S.I.R.E.N.E. Actualizado

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO-QUADRO DO CONSELHO

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO-QUADRO DO CONSELHO 18.7.2002 L 190/1 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO-QUADRO DO CONSELHO de 13 de Junho de 2002 relativa ao mandado de detenção europeu e aos processos de entrega

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED

PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED MERCOSUL/GMC/RES. Nº 39/00 PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução Nº 76/98 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação N 1/00 da RED. CONSIDERANDO:

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015 2680 Diário da República, 1.ª série N.º 99 22 de maio de 2015 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 32/2015 de 22 de maio O Presidente da República decreta, nos termos do artigo

Leia mais