RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO"

Transcrição

1 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa à luta contra o terrorismo RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO {COM(2007) 650 final} {SEC(2007) 1424} PT PT

2 Resumo da Avaliação de Impacto SECÇÃO 1: QUESTÕES PROCESSUAIS E CONSULTA DAS PARTES INTERESSADAS O programa legislativo e de trabalho da Comissão para 2007 inclui uma proposta de revisão da Decisão Quadro de 13 de Junho de 2002 relativa à luta contra o terrorismo (a seguir designada decisão quadro ), a fim de consagrar soluções eficazes para lutar contra a propaganda terrorista divulgada em vários meios de comunicação social e limitar a transmissão de conhecimentos, nomeadamente em matéria de explosivos e de fabrico de bombas com fins terroristas. Em Junho de 2006 foi lançado um exercício de inventariação de grande envergadura. A Comissão enviou três questionários diferentes em 2006: um questionário para os Estados-Membros, em 26 de Junho de 2006, um questionário para os meios de comunicação social, para as empresas pertinentes e para a sociedade civil, em 20 de Novembro de 2006, e por último um questionário para a Europol, a Cepol e a Eurojust, em 11 de Dezembro de As respostas a estes questionários são resumidas nos Anexos I, II e III da avaliação de impacto. Além disso, foram promovidas conversações e reuniões com representantes de meios de comunicação social e prestadores de serviços de Internet europeus. Por último, em 20 de Março de 2007 foi organizada uma conferência no intuito de reunir os Estados-Membros, a Europol, a Eurojust e a Cepol, apresentar os resultados dos questionários e debater as soluções possíveis para combater a utilização da Internet com fins terroristas. SECÇÃO 2: DEFINIÇÃO DO PROBLEMA As modernas tecnologias da informação e comunicação são um elemento fundamental para o desenvolvimento da ameaça que o terrorismo representa nos nossos dias. A Internet, em especial, é barata, rápida, facilmente acessível e tem um alcance praticamente mundial. Todas estas vantagens, muito apreciadas por cidadãos que respeitam a lei e que recorrem à Internet no dia-a-dia, são também, infelizmente, exploradas por terroristas, que perceberam perfeitamente o potencial da Internet como meio de difusão não só de propaganda de mobilização e recrutamento, mas também de instruções e de manuais para o treino ou o planeamento de atentados com riscos e custos muito baixos. Deste modo, a Internet é um dos principais meios impulsionadores dos processos de radicalização e recrutamento: é utilizada para inspirar e mobilizar redes locais e indivíduos na Europa, sendo também uma fonte de informações acerca de meios e técnicas terroristas, ou seja, funciona como um campo de treino virtual. A divulgação de propaganda e de técnicas terroristas através da Internet deu mais poder aos terroristas e fez crescer a ameaça terrorista. Além disso, a importância desta divulgação será certamente cada vez maior, atendendo ao rápido crescimento do número de utilizadores que farão da Internet um elemento ainda mais vital da sociedade moderna. As autoridades policiais estão actualmente numa posição difícil para conter a espiral de radicalização violenta e os atentados terroristas decorrentes da difusão de propaganda e de técnicas terroristas, especialmente através da Internet. As dificuldades prendem-se com a legislação insuficiente, a ausência de capacidade e de conhecimentos especializados para lidar com o volume e a pluralidade de línguas em que a referida propaganda e os conhecimentos PT 2 PT

3 específicos são divulgados, bem como com a natureza da própria Internet: a sua extraterritorialidade aliada a um anonimato que impede em grande medida a reacção das autoridades policiais, o que complica tanto a remoção desses conteúdos da Internet como a investigação e o julgamento dos responsáveis por sites da Internet e respectivos conteúdos. A análise da legislação nacional revelou que a divulgação de propaganda e técnicas terroristas nem sempre é adequadamente abrangida pela legislação penal dos Estados-Membros. A legislação insuficiente, especialmente em matéria de divulgação de informações sobre o fabrico de bombas e outras técnicas terroristas, e as grandes divergências entre as disposições legais dos vários países, especialmente no que se refere à divulgação de propaganda terrorista, demonstram que há lacunas no domínio da segurança que é necessário suprir, sendo necessária uma harmonização. A legislação da UE não abrange explicitamente o incitamento público à prática de infracções terroristas e o recrutamento e o treino para o terrorismo. Além disso, a decisão-quadro relativa à luta contra o terrorismo não exige claramente que os Estados-Membros tornem punível uma parte significativa da divulgação de mensagens através da Internet que incitam à prática de infracções terroristas ou que divulgam informações neste domínio, quer sejam acessíveis a todos (por exemplo, num sítio web), a grupos restritos (por exemplo, fóruns de debate) ou dirigidas a candidatos a recrutamento pré-seleccionados. No entanto, a Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção do Terrorismo abrange a utilização da Internet como meio de incitamento público à prática de infracções terroristas e ao recrutamento e treino para o terrorismo. Por outro lado, as suas disposições asseguram o respeito pelos direitos humanos, designadamente o direito à liberdade de expressão. Se todos os Estados-Membros assinarem e ratificarem esta convenção, terá sido dado um passo para a harmonização na UE. Qualquer legislação nesta matéria que regule questões de fronteira entre o exercício legítimo de liberdades (como a liberdade de expressão, associação ou religião) e o comportamento criminoso terá necessariamente um impacto directo sobre os direitos fundamentais. O estabelecimento e a aplicação da criminalização devem respeitar plenamente os direitos fundamentais, o que implica que estão sujeitos ao princípio da proporcionalidade, relativamente aos objectivos legítimos visados e à sua necessidade numa sociedade democrática, excluindo qualquer forma de arbitrariedade ou de tratamento discriminatório ou racista 1. SECÇÃO 3: OBJECTIVOS A adopção de medidas eficazes para evitar o incitamento público à prática de infracções terroristas e o recrutamento e treino para o terrorismo, especialmente através da Internet, contribuirá para impedir a criação de um núcleo mais forte e mais vasto de activistas e apoiantes do terrorismo. Estas medidas devem incluir disposições legais para suprir as lacunas legislativas nesta matéria e também acções práticas para aumentar as capacidades e os conhecimentos das autoridades policiais. Estas acções contribuiriam para reduzir os riscos de atentados terroristas e para reduzir as possibilidades de radicalização e recrutamento. 1 Ver o relatório explicativo sobre a Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção do Terrorismo, pontos PT 3 PT

4 As disposições jurídicas referidas devem prever expressamente que as autoridades policiais podem investigar a divulgação de propaganda e de técnicas terroristas, também através da Internet, e instaurar acções penais contra os activistas e apoiantes do terrorismo responsáveis por essa divulgação na União Europeia. Além disso, as autoridades policiais devem começar a colher frutos da harmonização já conseguida até agora na luta contra o terrorismo e utilizar os instrumentos de cooperação como o mandado de captura europeu para estas novas formas de crime. As acções práticas devem fornecer às autoridades policiais formação profissional adequada, equipamento suficiente e apoio qualificado de peritos tanto em línguas como em TI, no intuito de detectar e analisar conteúdos violentos radicais na Internet e seguir o rasto e identificar as pessoas que estão por trás da divulgação de propaganda e de técnicas terroristas. SECÇÃO 4: OPÇÕES POLÍTICAS As opções identificadas para alcançar este objectivo são: (1) Manter o statu quo. Esta opção é discutível, devido à existência da Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção do Terrorismo e os procedimentos de assinatura e ratificação em curso. (2) Proibir os prestadores de serviços de Internet de facultarem acesso a material destinado ao incitamento público à prática de infracções terroristas, ao recrutamento ou treino para o terrorismo. Esta opção altera substancialmente o regime previsto na directiva do comércio electrónico, introduzindo um novo dever que se aplica aos prestadores de serviços em geral. (3) Reforçar as capacidades e os conhecimentos das autoridades policiais para evitar a utilização da Internet para fins terroristas. Esta opção prevê o financiamento de formação profissional adequada, equipamento eficiente e participação de peritos, para que as autoridades policiais possam detectar e analisar com mais eficácia o material destinado ao incitamento público à prática de infracções terroristas, o recrutamento e o treino para o terrorismo e a identificação dos activistas e apoiantes do terrorismo por trás deste material. (4) Instar os Estados-Membros a assinarem e/ou ratificarem a Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção do Terrorismo. Esta opção consiste numa declaração política destinada a acelerar o processo de assinatura e ratificação da convenção. (5) Rever a decisão quadro relativa à luta contra o terrorismo de modo a introduzir infracções idênticas às previstas na Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção do Terrorismo e tornar puníveis o incitamento público à prática de infracções terroristas, o recrutamento e o treino para o terrorismo, também através da Internet. SECÇÕES 5 E 6: IMPACTOS E COMPARAÇÃO DAS OPÇÕES Os impactos das opções políticas sobre a segurança, a economia e os direitos humanos são meticulosamente analisados. Os impactos sobre a segurança centram-se no aumento dos poderes das autoridades policiais, do ponto do vista legal e operacional. Os impactos PT 4 PT

5 económicos incluem os custos a suportar tanto pelo sector público como pelo sector privado, sendo necessário fazer uma distinção entre impactos directos e indirectos. Os impactos sobre os direitos humanos incluem impactos directos sobre a liberdade de expressão e impactos indirectos sobre o direito à vida e o direito à integridade física e psíquica. Além da análise cuidada dos impactos de cada uma das opções sobre a segurança, a economia e os direitos humanos, foram identificadas as suas principais vantagens e desvantagens. Na opção 1, a Convenção para a Prevenção do Terrorismo terá algum impacto positivo sobre a segurança, contribuindo para combater a utilização da Internet para fins terroristas. Esta opção implica a atribuição de meios às autoridades policiais para combaterem o novo modo de funcionamento dos terroristas, incluindo as infracções cometidas através da Internet, respeitando plenamente os direitos humanos, e não exige nova legislação a nível da UE. No entanto, a harmonização só será plenamente atingida depois de os Estados-Membros assinarem e ratificarem a Convenção e isso pode demorar muitos anos. A opção 2 é a mais radical das opções analisadas. Tem a vantagem de restringir directamente a divulgação de material relevante através da Internet. No entanto, tem desvantagens substanciais e, acima de tudo, não criminaliza o comportamento dos responsáveis pela difusão de propaganda ou técnicas específicas nem garante o respeito total pelos direitos humanos. A opção 3 prevê soluções práticas para contornar as limitações das autoridades policiais na detecção e análise das mensagens de propaganda e de técnicas terroristas através da Internet, ajudando-as também a identificar os autores destas mensagens. As informações obtidas desta forma contribuem para compreender as tendências terroristas, antecipar as acções terroristas e prevenir atentados. No entanto, não permite que se investigue a divulgação de propaganda e de técnicas terroristas nem permite instaurar acções penais contra os activistas e apoiantes do terrorismo na retaguarda, dado que não é adoptada nova legislação. Por conseguinte, esta opção atribui mais poderes às autoridades policiais, mas falta-lhe o aspecto legal. As vantagens e desvantagens da opção 4 não diferem substancialmente das referidas na opção 1. A opção 5 é idêntica à opção 1 no que se refere ao impacto sobre os direitos humanos, uma vez que inclui as condições e as salvaguardas da Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção do Terrorismo, visando garantir a protecção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais. No entanto, tem grandes vantagens, como a aplicação das regras da decisão-quadro em matéria de sanções e competência às novas infracções aditadas a este diploma. Além disso, garantirá a aplicação do mandado de captura europeu e permitirá o recurso a instrumentos de coordenação específicos da UE ligados à decisão-quadro relativa à luta contra o terrorismo, no que se refere às novas infracções. Além disso, comporta todas as vantagens que a legislação da UE tem relativamente a convenções e tratados internacionais. Com base nesta análise, a combinação das opções 5 e 3 afigura-se a política mais eficiente para contrariar os novos modos de funcionamento dos terroristas, em especial a utilização que fazem da Internet para incitar publicamente à prática de infracções terroristas, recrutar e treinar para estes fins, respeitando plenamente os direitos humanos. PT 5 PT

6 SECÇÃO 7: ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO O acompanhamento e a avaliação das medidas legais previstas na opção 5 serão garantidos, no que se refere à revisão da decisão quadro relativa à luta contra o terrorismo, pela avaliação da execução nacional, habitualmente aplicada para verificar a transposição de decisões-quadro, tal como previsto no artigo 11.º do referido diploma. No que se refere às acções não legislativas previstas na opção 3, o acompanhamento e avaliação serão garantidos pelos artigos 13.º e 15.º do programa específico Prevenir e combater a criminalidade. O artigo 13.º especifica o acompanhamento de cada uma das acções financiadas por este programa e o artigo 15.º prevê as regras para a avaliação do próprio programa. PT 6 PT

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA MÓDULO II DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS

Leia mais

Cooperação Policial e Segurança

Cooperação Policial e Segurança Cooperação Policial e Segurança A cooperação entre os serviços policiais e as autoridades aduaneiras dos Estados-membros, foi inserido pela primeira vez no Tratado de Maastricht de 1992. O seu artigo K

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas,

Preâmbulo. Preocupados com o facto de, na ausência desse instrumento, as pessoas vulneráveis ao tráfico não estarem suficientemente protegidas, Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra a Criminalidade Organizada Transnacional relativo à Prevenção, à Repressão e à Punição do Tráfico de Pessoas, em especial de Mulheres e Crianças

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

MÓDULO III FASES DA CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE LIBERDADE, SEGURANÇA E JUSTIÇA NA UNIÃO EUROPEIA

MÓDULO III FASES DA CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO DE LIBERDADE, SEGURANÇA E JUSTIÇA NA UNIÃO EUROPEIA MÓDULO III UM ESPAÇO DE LIBERDADE, NA UNIÃO EUROPEIA NA UE BREVE HISTORIAL DA COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JAI - As origens da cooperação: o Tratado de Roma, a Convenção de Nápoles, o Grupo TREVI e o Acordo

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM PARECER CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E MEMBROS DO CSM ASSUNTO: Parecer Proposta de Regulamento que cria a Agência da União Europeia para a Cooperação e a Formação Policial

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2006 SEC(2006) 1314 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 7.4.2015 COM(2015) 150 final 2015/0075 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura, em nome da União Europeia, do Protocolo de Alteração do Acordo entre a Comunidade

Leia mais

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal

O Mandado de Detenção Europeu. José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal O Mandado de Detenção Europeu José Luís Lopes da Mota Presidente da Eurojust Membro Nacional de Portugal Contexto Tratado de Amesterdão (1999) Tratado da União Europeia Objectivo da União Europeia: a criação

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS

II. PROTEÇÃO DE VÍTIMAS DE TRÁFICO DE PESSOAS a) a expressão tráfico de pessoas significa o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento de pessoas, recorrendo à ameaça ou uso da força ou a outras formas de coação, ao

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE 7.4.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 93/23 ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO-QUADRO 2009/315/JAI DO CONSELHO de 26 de Fevereiro de 2009 relativa à organização e ao conteúdo

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 9.7.2003 Jornal Oficial da União Europeia C 160/7 BANCO CENTRAL EUROPEU MODELO DE ACORDO ENTRE O BANCO CENTRAL EUROPEU E O [banco central nacional do país aderente] ( 1 ) O PRESENTE ACORDO é celebrado

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 4 de Dezembro de 2001 (05.12) 14904/01 Dossier interinstitucional: 2001/0270(CNS) DROIPEN 105

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 4 de Dezembro de 2001 (05.12) 14904/01 Dossier interinstitucional: 2001/0270(CNS) DROIPEN 105 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 4 de Dezembro de 2001 (05.12) 14904/01 Dossier interinstitucional: 2001/0270(CNS) DROIPEN 105 NOTA DE ENVIO de: Bernhard ZEPTER, Secretário-Geral Adjunto da Comissão

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 168/24 Jornal Oficial da União Europeia 30.6.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/52/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 18 de Junho de 2009 que estabelece normas mínimas sobre sanções e medidas contra

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302.

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos. 3 de Julho de 2001 PE 302. PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 3 de Julho de 2001 PE 302.267/1-33 ALTERAÇÕES 1-33 PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO de Charlotte

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS A proteção dos dados pessoais e o respeito pela vida privada são direitos fundamentais importantes. O Parlamento Europeu insiste na necessidade de alcançar um equilíbrio entre

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001

Publicado: I SÉRIE N.º 2 - «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 22 DE JANEIRO DE 2001 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei nº134/v/2001 de 22 de Janeiro Actualmente ainda persiste no ordenamento jurídico cabo-verdiano um grande número de direitos praticamente sem garantia ou resposta. O domínio da protecção

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

Segue-se o texto da proposta de Directiva. As sugestões de alteração formuladas pela APAV encontram-se destacadas pela cor vermelha

Segue-se o texto da proposta de Directiva. As sugestões de alteração formuladas pela APAV encontram-se destacadas pela cor vermelha Parecer da APAV relativo à Proposta de Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece normas mínimas relativas aos direitos, ao apoio e à protecção das vítimas de criminalidade Segue-se o

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

10128/16 cp/mjb 1 DGD 1C

10128/16 cp/mjb 1 DGD 1C Conselho da União Europeia Bruxelas, 13 de junho de 2016 (OR. en) 10128/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado-Geral do Conselho data: 9 de junho de 2016 para: Delegações n.º doc. ant.: 8770/16,

Leia mais

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004

L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 L 375/12 Jornal Oficial da União Europeia 23.12.2004 DIRECTIVA 2004/114/CE DO CONSELHO de 13 de Dezembro de 2004 relativa às condições de admissão de nacionais de países terceiros para efeitos de estudos,

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE 19.11.2009 PT C 279 E/23 41. Solicita à Comissão que consulte o Parlamento e os Estados-Membros no que respeita à avaliação desses estudos; * * * 42. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente

Leia mais

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal)

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal) Análise de Anúncios de Oferta de Emprego (Regime Legal) Serviço de Igualdade 2011 Enquadramento Jurídico O reconhecimento e o tratamento do direito à igualdade de oportunidades e não discriminação, e de

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Com o apoio financeiro do programa Prevenir e combater a criminalidade da União Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral dos Assuntos Internos

Com o apoio financeiro do programa Prevenir e combater a criminalidade da União Europeia Comissão Europeia Direcção-Geral dos Assuntos Internos Guia Como se candidatar a ajuda financeira para uma Equipa de Investigação Conjunta? Ao abrigo do programa Prevenir e combater a criminalidade, 1 a Eurojust recebeu uma subvenção da Comissão Europeia,

Leia mais

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO

CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO CÓDIGO DA ÉTICA DESPORTIVA INTRODUÇÃO O Código da Ética no Desporto do Conselho da Europa para o Fair play no desporto é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto.

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE L 138/14 Jornal Oficial da União Europeia 4.6.2009 III (Actos aprovados ao abrigo do Tratado UE) ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO 2009/426/JAI DO CONSELHO de 16 de Dezembro

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada

Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada Código de conduta e de ética para o sector da segurança privada I. Porquê um código de conduta e de ética no sector? O sector da segurança privada representa na União Europeia quase 10.000 empresas que

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 17.10.2013 B7-0000/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B7-0000/2013 nos termos do artigo 115.º,

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 25.6.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 179/9 III (Atos preparatórios) BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 28 de maio de 2013 sobre uma proposta de diretiva do Parlamento Europeu

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo a um direito europeu comum da compra e venda

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativo a um direito europeu comum da compra e venda COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.10.2011 COM(2011) 635 final 2011/0284 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo a um direito europeu comum da compra e venda {SEC(2011) 1165

Leia mais

DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO

DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO L 134/66 Jornal Oficial da União Europeia 1.6.2010 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/32/UE DO CONSELHO de 10 de Maio de 2010 que executa o Acordo-Quadro relativo à prevenção de ferimentos provocados por objectos

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro

Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei n.º 67/98 de 26 de Outubro Lei da Protecção de Dados Pessoais (transpõe para a ordem jurídica portuguesa a Directiva n.º 95/46/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de Outubro de 1995, relativa

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Proposta de Bruxelas, 7.7.2010 COM(2010)362 final 2010/0195 (COD) C7-0171/10 DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera a Directiva 97/68/CE no que diz respeito às disposições

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 15.01.2001 COM(2001) 12 final 2001/0018 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera pela vigésima quarta vez a Directiva do 76/769/CEE

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA)

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) PRIMEIRA EDIÇÃO/JANEIRO DE 2008 Um conjunto de notas informativas sobre a CQLA e as obrigações associadas da UE. A primeira edição fornece

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PARA A PREVENÇÃO E A REPRESSÃO DO TRÁFICO ILÍCITO DE MIGRANTES.

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PARA A PREVENÇÃO E A REPRESSÃO DO TRÁFICO ILÍCITO DE MIGRANTES. Decreto n.º 42/2003 de 20 de Setembro Acordo entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil para a Prevenção e a Repressão do Tráfico Ilícito de Migrantes, assinado em Lisboa em 11 de

Leia mais

* * * A Europa vive um momento sensível e significativo no seu processo de integração.

* * * A Europa vive um momento sensível e significativo no seu processo de integração. Senhores e Senhoras Quero começar por agradecer o convite da Universidade e em particular da Escola de Direito do Minho, para estar aqui presente e que muito me deixou honrado. Esta oportunidade de participar

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 23.4.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 102/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 330/2010 DA COMISSÃO de 20 de Abril de 2010 relativo à aplicação do artigo 101. o, n. o

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

PUBLICIDADE INFANTO-JUVENIL: A COMISSÃO EUROPEIA E A DENEGAÇÃO DA REALIDADE

PUBLICIDADE INFANTO-JUVENIL: A COMISSÃO EUROPEIA E A DENEGAÇÃO DA REALIDADE PUBLICIDADE INFANTO-JUVENIL: A COMISSÃO EUROPEIA E A DENEGAÇÃO DA REALIDADE A INCONSEQUENTE POSIÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA COM ARGUMENTOS INFUNDADOS E QUE, POR CONSEGUINTE, NÃO COLHEM A PROPÓSITO DO BEM

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO

CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TERRORISMO Os Estados Partes nesta Convenção, Tendo presente os propósitos e princípios da Carta da Organização dos Estados Americanos e da Carta das Nações Unidas; Considerando

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S/RES/1373 (2001) Conselho de Segurança Distribuição: Geral 28 de Setembro de 2001 Resolução 1373 (2001) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4385ª sessão, em 28 de Setembro de 2001

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES

FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES FONTES DE INFORMAÇÃO EUROPEIA O PORTAL EUROPA, AS BASES DE DADOS E OS PORTAIS MAIS RELEVANTES Documentação e Informação Europeias na Internet Servidor EUROPA Apresentação da estrutura Pesquisa Eurobookshop

Leia mais

[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08)

[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08) Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Proposta da Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Igualdade de oportunidades

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição

Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição Orientações para o tratamento de dados pessoais com finalidade da propaganda na eleição As presentes orientações aplicam-se ao tratamento de dados pessoais pelos candidatos a deputado da Assembleia Legislativa

Leia mais

Textos aprovados 131k 57k

Textos aprovados 131k 57k 1 de 5 05-03-2012 18:18 Index Anterior Seguinte Texto integral Processo : 2008/2215(INI) Ciclo relativo ao documento : A6-0064/2009 Textos apresentados : A6-0064/2009 Debates : PV 09/03/2009-22 Votação

Leia mais

DECISÃO DA COMISSÃO. de 28.9.2010

DECISÃO DA COMISSÃO. de 28.9.2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.9.2010 C(2010) 6418 final DECISÃO DA COMISSÃO de 28.9.2010 relativa ao reconhecimento do enquadramento legal e de supervisão do Japão como sendo equivalente aos requisitos

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o. Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição

Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o. Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição D5017 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.017, DE 12 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado

Leia mais