Vice Diretoria Técnica de Enfermagem REGIMENTO INTERNO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vice Diretoria Técnica de Enfermagem REGIMENTO INTERNO"

Transcrição

1 Universidade Federal de Minas Gerais HOSPITAL DAS CLÍNICAS Vice Diretoria Técnica de Enfermagem REGIMENTO INTERNO Aprovado pelo Conselho Diretor do HC em 10/02/2010 Belo Horizonte, 24 de fevereiro de 2010.

2 Elaborado Gestão DTE ª Revisão Gestão Comissão de Revisão Enfª Marlene Clarett da Silva Reis Profª Eliane Marina Palhares Guimarães Enfª Márcia Eller Miranda Salviano Enfª Márcia dos Santos Pereira Auxiliar de Enfermagem Milton Henrique Caldereli Filadelfio 2ª Revisão Gestão Comissão de Revisão Enfª Aline Fernandes de Paula Profº Lúcio José Vieira Enfª Vanda Custódia Felipe Manoel Enfª Vera Lúcia A. Nogueira Lima

3 Introdução O Regimento da Vice-Diretoria Técnica de Enfermagem do Hospital das Clinicas da Universidade Federal de Minas Gerais (VDTE/HC/UFMG) é um instrumento normativo que orienta o funcionamento da mesma e define as atribuições de todo o pessoal de enfermagem da Instituição. Sua elaboração se baseou no Regulamento do Hospital, na Resolução Complementar nº 01/04 do Conselho Administrativo, no Regimento da Coordenadoria Geral de Enfermagem HC/UFMG, e na Lei nº de 25/06/86 que regulamenta o exercício da Enfermagem. CAPÍTULO I Da Posição Art. 1º - A Vice Diretoria Técnica de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG está subordinada diretamente a Diretoria Técnica do Hospital das Clínicas/UFMG. CAPÍTULO II Da Composição Art. 2º - A Vice Diretoria Técnica de Enfermagem é nomeada por meio de Portaria do Diretor do Hospital após consulta eleitoral prévia junto ao corpo de enfermagem do HC e docentes da Escola de Enfermagem com a seguinte composição: 1. Vice Diretor Técnico de Enfermagem Titular 2. Vice Diretor Técnico de Enfermagem Adjunto Art.3º - Junto ao Vice Diretor Técnico atuam, como chefias intermediárias: 1. Coordenadores Técnicos Assistenciais de Enfermagem Diurnos. 2. Coordenadores Técnicos Assistenciais de Enfermagem Noturnos. 3. Coordenadores de Enfermagem das Unidades Assistenciais (internação e ambulatórios). Art 4º - Compõe a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem, enquanto órgão Colegiado, o Colegiado Gestor da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem que é composto por: 1. (um) Vice Diretor Técnico de Enfermagem Titular 2. (um) Vice Diretor Técnico de Enfermagem Adjunto 3. (cinco) Coordenadores Técnicos Assistenciais das Unidades/Diurnos. 4. (três) Coordenadores Técnicos Assistenciais das Unidades/Noturnos.

4 5. Coordenadores de Enfermagem das Unidades Assistenciais (internação e ambulatório) (um) representante dos Enfermeiros do quadro permanente do HC-UFMG (titular) e 1 (um) suplente 7. 2 (dois) representantes dos Técnicos de Enfermagem (Titular) do quadro permanente do HC-UFMG, e 2 (dois) suplentes (um) representante dos Auxiliares de Enfermagem do quadro permanente do HC-UFMG, e 1 (um) suplente. 1. Podem ser Vice Diretor Técnico de Enfermagem Titular ou Vice Diretor Técnico de Enfermagem Adjunto: docentes de enfermagem e ou enfermeiros do quadro da UFMG, representado no Conselho Diretor do Hospital, escolhidos pelo Diretor Geral HCUFMG da lista tríplice referendada por consulta a toda comunidade de Enfermagem do HC, Professores da EEUFMG, a ser definida pela Comissão Eleitoral, para o mandato de 2 (dois) anos, impedido do exercício de qualquer outro cargo ou função de chefia, se for o caso, dispensados de atividades didáticas, a juízo da EE-UFMG. 2. O (s) membro (s) que compõe (m) a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem poderá (ão) ser reconduzido (s) por mais um mandato de 2 (dois) anos, no mesmo cargo, após consulta à comunidade. 3. Os representantes da categoria na Vice Diretoria Técnica de Enfermagem serão referendados, após consulta à seus pares, para um mandato de 2 (dois anos). Poderão ter recondução por mais um mandato de 2(dois) anos após nova consulta. CAPÍTULO III Das Competências Art. 5º - A Vice Diretoria Técnica de Enfermagem: I. Responsabilizar-se pela direção, organização, planejamento, coordenação, execução e avaliação das atividades de enfermagem, dirigidas a clientela definida pelo Hospital das Clínicas/UFMG (conforme Lei do Exercício Profissional nº de 25/06/86). II. III. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas/UFMG. Estudar, propor e fazer cumprir diretamente, ou de forma compartilhada com outras Diretorias, quando necessário, normas administrativas e técnicas de desempenho profissional de enfermagem nas atividades do Hospital. IV. Zelar pelo cumprimento das disposições legais e éticas no exercício profissional da Enfermagem. V. Coordenar o processo de trabalho da Enfermagem com o objetivo de garantir VI. indicadores básicos de qualidade nas Unidades Funcionais. Assessorar as Unidades Funcionais na análise qualitativa e quantitativa dos

5 recursos humanos de Enfermagem e em outros assuntos de sua competência. VII. Propor, desenvolver e apoiar iniciativas e projetos de interesse do Hospital das Clínicas da UFMG. VIII. Planejar e executar, em parceria com a Vice Diretoria de Recursos Humanos, programas educativos para os profissionais de Enfermagem. IX. Cooperar com as demais Diretorias do Hospital das Clínicas da UFMG e assessorá-las nos assuntos de sua competência. X. Avaliar o desempenho do pessoal de enfermagem, com assessoria da Vice Diretoria de Recursos Humanos. XI. Promover a integração dos profissionais de enfermagem e com outros profissionais ligados a atenção direta ao cliente ou ao apoio administrativo, dentro do espírito de trabalho em equipe e do postulado de indissolubilidade de assistência, ensino, pesquisa. XII. Rever continuamente os padrões de assistência de enfermagem do Hospital. XIII. Planejar e propor à Vice Diretoria Técnica de Recursos Humanos os programas e atividades de: provimento, relotação, treinamento, aperfeiçoamento e desenvolvimento de profissionais de enfermagem, bem como participar indiretamente da execução desses programas e dessas atividades. XIV. Elaborar rotinas gerais para o exercício profissional de enfermagem no Hospital e, após conhecimento da Vice Diretoria Geral divulgar e promover sua implantação. XV. Participar da elaboração dos programas de ensino, pesquisa e extensão, acompanhar a execução de treinamento de graduação, pós- graduação e nível médio das unidades acadêmicas da área de saúde da UFMG, bem como das instituições conveniadas com a UFMG e/ou com o Hospital, após aprovação da Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão. XVI. Prestar serviços de consultoria e emitir parecer sobre matéria de enfermagem quando necessário. XVII. Promover estudos e pesquisas no campo de Enfermagem visando melhorar a assistência e o nível de conhecimento técnico-científico do pessoal. XVIII. Divulgar entre o pessoal de enfermagem a finalidade, propósito e decisões da Vice-diretoria Técnica de Enfermagem. XIX. Promover a realização de consulta a comunidade de enfermagem do HC e da EEUFMG para a ocupação de seus cargos e representação. CAPÍTULO IV Dos Profissionais e Suas Atribuições Art. 6º. Os profissionais de enfermagem lotados no Hospital das Clínicas/UFMG, subordinam-se técnica e administrativamente ao Vice Diretor Técnico de Enfermagem e enquadram-se nas seguintes funções e cargos: 1. Coordenadores Técnicos Assistenciais Diurnos 2. Coordenadores Técnicos Assistenciais Noturnos 3. Coordenadores de Enfermagem das Unidades Assistenciais (internação e ambulatorial). 4. Representantes das Categorias

6 4.1 Enfermeiro 4.2Técnico de Enfermagem 4.3 Auxiliar de Enfermagem Atribuições do Vice-Diretor Técnico de Enfermagem Titular Art. 7º - Ao Vice-Diretor Técnico de Enfermagem Titular do Hospital das Clínicas/UFMG compete: I. Responsabilizar-se pela direção, organização, planejamento, coordenação, execução e avaliação das atividades de enfermagem, dirigidas à clientela definida pelo Hospital das Clínicas, respondendo legalmente ao COREN. II. III. IV. Articular politicamente os assuntos de enfermagem intra e inter-institucional. Estudar, propor e fazer cumprir diretamente ou de forma compartilhada com as outras Diretorias, normas administrativas, e técnicas de desempenho profissional de enfermagem nas atividades do Hospital. Definir e rever continuamente diretrizes de assistência de enfermagem de acordo com o modelo Institucional. V. Planejar e definir junto à Vice Diretoria de Recursos Humanos, os programas e atividades de provimento, relotação, treinamento, aperfeiçoamento e desenvolvimento dos profissionais de enfermagem, bem como participar indiretamente destes programas e atividades. VI. Prestar serviço de consultoria e emitir parecer sobre matéria de enfermagem, quando necessário. VII. Apoiar estudos e pesquisas no campo da enfermagem, visando zelar e melhorar a assistência e o nível de conhecimento técnico científico do pessoal. VIII. Articular e cooperar com as Unidades Funcionais Assistenciais e Administrativas para atender ao programa assistencial da instituição. IX. Indicar representante para compor as comissões permanentes e transitórias. X. Discutir e resolver, junto aos Gerentes de Unidades Funcionais, as questões técnicas/administrativas não resolvidas na unidade. XI. Promover eventos culturais e científicos. XII. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. XIII. Cumprir e fazer cumprir a lei do exercício da enfermagem e o código de ética dos profissionais da enfermagem. Atribuições do Vice Diretor Técnico de Enfermagem Adjunto Art. 8º - Ao Vice Diretor Técnico de Enfermagem Adjunto do Hospital das Clínicas/UFMG compete: I. Auxiliar e substituir o Vice Diretor Técnico de Enfermagem Titular em todos os seus trabalhos e substitui-lo, em seus impedimentos e ausência. II. Acompanhar a operacionalização dos grupos de trabalho, criados pela Divisão

7 III. IV. Técnica de Enfermagem, que define estudos, normas, rotinas e protocolos necessários a organização das atividades de enfermagem. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. Cumprir e fazer cumprir a Lei do Exercício da Enfermagem e o Código de Ética dos profissionais da enfermagem. Atribuições dos Coordenadores Técnico Assistenciais de Enfermagem Art. 9º - Ao Coordenador Técnico Assistencial de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG compete: I. Sugerir e/ou criar diretrizes assistenciais para a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem de acordo com o modelo institucional. II. Subsidiar a VDTE na implantação de processos avaliativos da assistência. III. Assessorar a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem na construção de indicadores de qualidade da assistência junto às Unidades Funcionais. IV. Elaborar junto aos Coordenadores de Enfermagem de Unidade estratégias para gestão da qualidade da assistência. V. Elaborar junto aos Coordenadores de Enfermagem e os Enfermeiros sistemas de informações que subsidiem tomadas de decisão sobre a assistência. VI. Estabelecer junto às comissões específicas, estratégias metodológicas para a sistematização da assistência de enfermagem. VII. Coordenar trabalhos para a padronização dos procedimentos técnicos de enfermagem. VIII. Atuar como agente facilitador nas pesquisas de campo aprovadas pela UFMG, em parceria com entidades de classe e conselho de usuários. IX. Participar e viabilizar atividades de ensino e extensão da EEUFMG e/ou assessoria técnica desta que visem cuidados de Enfermagem e padrão de assistência. X. Valorizar a formação do profissional de enfermagem buscando a lotação na sua área de domínio e interesse comprovados. XI. Promover mecanismos de conscientização do profissional da enfermagem responsabilizando-o pela qualidade do cuidado prestado. XII. Participar efetivamente de grupos de estudo sobre modelo assistencial do Hospital das Clínicas-UFMG. XIII. Participar com a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem e Vice Diretoria de Recursos Humanos na definição das diretrizes relacionadas às atividades assistenciais, de ensino e pesquisa. XIV. Promover junto a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem e Vice Diretoria de Recursos Humanos a criação e manutenção de setor de sistematização de fonte de dados secundários para a enfermagem. XV. Coordenar e participar de eventos/atividades para discutir qualidade do cuidado e padrão de assistência de enfermagem.

8 XVI. Participar das discussões com Diretoria Administrativa do hospital e entidades de classe, sobre políticas de satisfação pessoal do profissional da Enfermagem. XVII. Reivindicar junto Vice Diretoria Técnica de Enfermagem a manutenção de condições de trabalho compatíveis com uma assistência cuidativa e de excelência. XVIII. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. XIX. Cumprir e fazer cumprir a lei do exercício da enfermagem e o código de ética dos profissionais da enfermagem. Atribuições dos Coordenadores de Enfermagem Art. 10 Ao Coordenador de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG compete: I. Participar da criação de Diretrizes para a prestação da assistência de enfermagem de sua unidade funcional junto à Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. II. Manter a organização estrutural e funcional da unidade sob sua responsabilidade, seguindo critérios da Vice-diretoria Técnica de Enfermagem. III. Manter a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem informada de todas IV. intercorrências técnicas/administrativas e solicitar providências cabíveis. Conhecer a proposta gerencial da Unidade Funcional na qual está inserido discutindo sua operacionalização. V. Participar da criação e implementação dos instrumentos técnicos científicos para avaliar a assistência de enfermagem prestada, baseando-se nos critérios da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. VI. Inteirar-se das atividades de ensino da unidade, inclusive na definição de número, indicação, acompanhamento e avaliação de estagiários. VII. Inteirar-se dos trabalhos desenvolvidos pelas comissões que envolvam a sua unidade. VIII. Promover a inter-relação com o corpo clínico e com demais serviços do hospital. IX. Participar do planejamento, implantação e avaliação dos programas relacionados com a prestação da assistência de qualidade, enfatizando a relação custo/ benefício. X. Analisar o relatório de custo e estatístico de sua unidade, discutindo, XI. XII. sugerindo os ajustes possíveis, promovendo sua divulgação. Responsabilizar-se pela escala de serviço mensal e de férias, seguindo normas da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. Planejar, presidir, registrar e avaliar reuniões técnicas administrativas realizadas com os enfermeiros e/ou equipe de enfermagem da unidade.

9 XIII. Participar de reuniões para as quais tenha sido convocado e/ou convidado Delegar representante quando houver impedimento Divulgar para equipe de enfermagem assuntos tratados das reuniões que tenha participado. XIV. Participar da criação e implementação de instrumentos de acompanhamento e avaliação dos servidores de enfermagem. XV. Planejar anualmente as atividades de enfermagem da unidade. XVI. Estabelecer junto ao enfermeiro de recursos humanos, os critérios de participação dos servidores em cursos, treinamentos, eventos e promover sua operacionalização. XVII. Fazer avaliação do desempenho dos enfermeiros da unidade sob sua responsabilidade. XVIII. Prever junto aos enfermeiros da unidade, os recursos humanos e materiais, visando manter contínua a assistência de enfermagem aos clientes. XIX. Elaborar junto à Vice Diretoria Técnica de Enfermagem e os enfermeiros da unidade estratégias para manter a continuidade da assistência em situações especiais. XX. Cumprir e fazer cumprir as normas do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) XXI. Elaborar e encaminhar à Vice Diretoria Técnica de Enfermagem relatório anual da unidade. XXII. Acompanhar a adaptação em serviço do pessoal da enfermagem sob sua responsabilidade. XXIII. Encaminhar as avaliações dos servidores conforme normas institucionais XXIV. Apresentar o servidor na unidade. XXV. Ler e elaborar registros de sua competência. XXVI. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice-diretoria Técnica de Enfermagem. XXVII. Cumprir e fazer cumprir a lei do exercício da enfermagem e o código de ética dos profissionais da enfermagem. Atribuições do Enfermeiro do Hospital das Clínicas/UFMG At. 11 Ao Enfermeiro do Hospital das Clínicas/UFMG compete: I. Garantir a continuidade e qualidade da assistência nos turnos manhã, tarde e noite na unidade. II. Participar junto ao Coordenador de Enfermagem do planejamento, implantação, operacionalização e avaliação dos programas relacionados com a prestação da assistência de qualidade, enfatizando a relação custo/benefício. III. Avaliar a qualidade da assistência prestada por meio de instrumentos préestabelecidos pela Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. IV. Fazer escala diária de atividades da equipe, distribuindo o pessoal, avaliando necessidades e prioridades a serem atendidas, conforme critérios previamente estabelecidos. V. Elaborar as escalas mensal e diária da equipe, licenças programadas e escala

10 VI. mensal de seu turno, de acordo com normas pré-estabelecidas pela Vice Diretoria Técnica de Enfermagem, e encaminhar ao Coordenador de Enfermagem para ciência. Fazer a avaliação do pessoal de enfermagem do seu turno de forma participativa, seguindo normas pré-estabelecidas na instituição e encaminhar para ciência do Coordenador de Enfermagem. VII. Planejar, presidir, registrar, avaliar e participar das reuniões técnicas administrativas realizadas com a equipe de enfermagem e outras, dando ciência ao Coordenador de Enfermagem. VIII. Planejar e executar ações de educação continuada. IX. Realizar consulta de Enfermagem. X. Participar de reuniões para as quais tenha sido convocado e/ou convidado Delegar representante quando houver impedimento Divulgar para equipe de enfermagem assuntos tratados das reuniões que tenha participado. XI. Registrar ocorrências técnica-administrativas em cada turno de trabalho, de acordo com normas da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. XII. Resolver intercorrências técnicas e administrativas ocorridas durante seu turno de trabalho. XIII. Realizar atividades de consultoria, auditoria e assessoria quando solicitada com ciência do Coordenador de Enfermagem. XIV. Participar de atividades multiprofissionais da instituição. XV. Planejar a assistência e evoluir os clientes sob sua responsabilidade, seguindo normas da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. XVI. Prestar e delegar assistência integral direta à pacientes graves e de risco e em situações de emergências. XVII. Orientar e executar na execução de procedimentos de maior ou menor complexidade, avaliando o desempenho da equipe. XVIII. Anotar no prontuário do cliente as atividades de enfermagem para fins da assistência, do ensino, da pesquisa e de faturamento. XIX. Receber e promover a adaptação do cliente e familiares orientando-o quanto as normas da unidade, visando a colaboração no tratamento. XX. Responsabilizar-se junto ao docente pelas atividades de ensino, de assistência e de pesquisa desenvolvida na unidade. XXI. Garantir junto ao Coordenador de Enfermagem.a participação do(s) servidor (es) em cursos, treinamentos e eventos. XXII. Manter em ordem o posto de enfermagem, sala de medicação, sala de expurgo, sala de curativo, sala de exames. XXIII. Registrar alta, óbito e transferência dos clientes no terminal de computação. XXIV. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. XXV. Cumprir e fazer cumprir a Lei do Exercício da Enfermagem e o Código de Ética dos profissionais da enfermagem. XXVi. Cumprir e fazer cumprir as normas do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH)

11 Atribuições do Técnico de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG: Art O Técnico de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG exerce atividade de nível médio, envolvendo execução, orientação e acompanhamento do trabalho de enfermagem em grau auxiliar, e participação no planejamento da assistência de enfermagem, cabendo-lhe especialmente: I. Participar do planejamento, programação, orientação, do trabalho de enfermagem compondo a equipe. II. Participar de grupo de trabalho criado pela Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. III. Participar de reuniões e assembléias quando convocado. IV. Participar da passagem de plantão e receber escala de trabalho. V. Prestar assistência aos clientes, sob supervisão do enfermeiro. VI. Anotar no prontuário do cliente as atividades de enfermagem para fins da assistência, do ensino, da pesquisa e de faturamento. VII. Admitir cliente e orienta-lo quanto às normas da unidade e da instituição. VIII. Executar os cuidados de enfermagem de acordo com a prescrição do enfermeiro. IX. Administrar medicação prescrita e realizar cuidados tais como: dieta, curativos, lavagens, sondagens, aspirações, nebulizações, verificação de sinais vitais e outros. X. Auxiliar na realização de exames e procedimentos propedêuticos e/ou terapêuticos. XI. Comunicar ao enfermeiro as alterações ocorridas no estado geral do cliente. XII. Responsabilizar e zelar pela manutenção, conservação e ordem de todos materiais utilizados na unidade. XIII. Buscar o material esterilizado na CME quando necessário e acondicionar em local adequado. XIV. Circular salas e instrumentar cirurgia, responsabilizar-se pelo instrumental cirúrgico incluindo conferência. XV. Participar das atividades de treinamento em serviço. XVI. Executar ações de prevenção e controle de doenças transmissíveis e programas de vigilância epidemiológica. XVII. Executar ações de prevenção e controle sistemático de efeitos adversos que possam decorrer da assistência `a saúde. XVIII. Fazer desinfecção de leito, quando necessário. XIX. Transportar pacientes em macas ou cadeira de rodas para realização de exames, cirurgias e interconsultas, quando necessário. XX. Transportar hemoderivados. XXI. Manter em ordem o posto de enfermagem, sala de medicação, sala de expurgo, sala de curativo, balcões, sala de exames. XXII. Registrar alta, óbito e transferência do cliente sob sua responsabilidade no terminal de computação. XXIII. Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. XXIV. Cumprir e fazer cumprir a Lei do Exercício da Enfermagem e o Código de Ética dos profissionais da enfermagem. XXV. Cumprir e fazer cumprir as normas do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

12 (SCIH) Atribuições do Auxiliar de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG Art O Auxiliar de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG exerce atividades de nível médio, de natureza repetitiva, envolvendo serviços auxiliares de enfermagem sob supervisão, bem como a participação em nível de execução simples, em processos de tratamento, cabendo-lhe especialmente: I. Preparar o cliente para consultas, exames e tratamentos. II. Observar, reconhecer e descrever sinais e sintomas, ao nível de sua qualificação. III. Executar tratamentos especificamente prescritos, ou de rotina, além de outras atividades de enfermagem, tais como: Ministrar medicamentos por via oral. Realizar controle hídrico. Aplicar oxigenoterapia, nebulização, enteroclisma, enema e calor ou frio. Efetuar o controle de clientes e de comunicantes em doenças transmissível. Realizar testes e proceder à sua leitura, para subsídio de diagnóstico. Colher material para exames laboratoriais. Executar atividades de desinfecção e esterilização. Prestar cuidados de higiene e conforto ao cliente e zelar por sua segurança. Oferecer alimentação ao cliente ou auxiliar. IV. Zelar pela limpeza e ordem do material, e de equipamentos. V. Integrar a equipe de saúde. VI. Participar de atividades de educação em saúde. VII. Orientar os clientes na pós-consulta, quanto ao cumprimento das prescrições de enfermagem e médicas. VIII. Auxiliar o Enfermeiro e o Técnico de Enfermagem na execução dos programas de educação para a saúde. IX. Executar os trabalhos de rotina vinculados à alta de pacientes. X. Participar dos procedimentos pós-morte. XI. Anotar no prontuário do cliente as atividades de enfermagem para fins da assistência, do ensino, da pesquisa e de faturamento. XII. Participar do planejamento, programação, compondo a equipe de enfermagem. XIII. Participar de grupo de trabalho criado pela Vice-diretoria Técnica de Enfermagem. XIV. Participar de reuniões e assembléias quando convocado. XV. Participar da passagem de plantão e receber escala de trabalho. XVI. Receber o cliente e orienta-o em sua unidade. XVII. Executar os cuidados de enfermagem de acordo com a prescrição do enfermeiro. XVIII. Comunicar ao enfermeiro as alterações ocorridas no estado geral do cliente. XIX. Responsabilizar e zelar pela manutenção, conservação e ordem de todos materiais utilizados na unidade.

13 XX. XXI. XXII. XXIII. XXIV. XXV. XXVI. XXVII. XXVIII. XXIX. XXX. XXXI. Operar equipamento de esterilização. Buscar o material esterilizado na CME e acondicionar em local adequado. Circular salas e se necessário instrumentar cirurgia, responsabilizar-se pelo instrumental cirúrgico incluindo conferência e processamento. Participar das atividades de treinamento em serviço. Transportar clientes em macas ou cadeiras de roda para realização de exames, cirurgias e interconsultas. Transportar hemoderivados. Manter em ordem o posto de enfermagem, sala de medicação, sala de expurgo, sala de curativo, balcões, sala de exames. Preparar e controlar os materiais encaminhados para CME, e necessários para o atendimento às unidades de internação, ambulatórios, e serviços de apoio nas 24 horas. Registrar alta, óbito e transferência do cliente sob sua responsabilidade no terminal de computação. (Em unidade de menor complexidade assistencial) Cumprir e fazer cumprir o Regulamento do Hospital das Clínicas e o Regimento Interno da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. Cumprir e fazer cumprir a Lei do Exercício da Enfermagem e o Código de Ética dos Profissionais da Enfermagem. Cumprir e fazer cumprir as normas do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) Atribuições dos Representantes: Enfermeiro, Técnico e Auxiliar de Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG. Art O Representante da Enfermagem do Hospital das Clínicas/UFMG na VDTE: I. Participar das atividades convocadas pela Vice-diretoria Técnica de Enfermagem. II. Promover reuniões entre os representantes da categoria quando se fizer necessário, podendo ser convocadas tanto pelos representantes como pelos representados. III. Participar juntamente com os coordenadores na elaboração das diretrizes assistenciais, e de Recursos Humanos. IV. Participar dos processos avaliativos da assistência junto às unidades funcionais. V. Participar com a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem das estratégias operacionais e metodológicas para a qualidade da assistência. VI. Participar com a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem nos mecanismos de conscientização dos profissionais e da responsabilidade com o Patrimônio Institucional. VII. Participar efetivamente de grupos de estudos e na elaboração de treinamentos. VIII. Participar de eventos/atividades para discutir qualidade do cuidado e padrão de assistência de enfermagem. IX. Participar das discussões com entidades de classe, gerência, políticas de recursos humanos, favorecendo a criação de mecanismos de satisfação dos profissionais da enfermagem.

14 X. Cumprir e fazer cumprir as normas do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) CAPÍTULO V Das Reuniões Art As reuniões de gerenciamento da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem serão realizadas uma vez por mês, em caráter ordinário, em dia, local e horário pré-estabelecido, de acordo com a conveniência de seus membros. Art A participação à reunião da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem é prioritária sobre outras atividades, sendo que as ausências deverão ser previamente justificadas, por escrito. Art.17 - As reuniões extraordinárias poderão ser solicitadas à Vice Diretoria Técnica de Enfermagem por qualquer membro desta. Art As reuniões serão realizadas com qualquer número de participantes, a critério do Vice Diretor Técnico de Enfermagem, ficando as resoluções na dependência da presença da metade e mais um dos membros da Vice-diretoria Técnica de Enfermagem. Art Todos os membros da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem têm direito a voz e a voto nas decisões a serem tomadas. Art A reunião do Colegiado Gestor da Vice-diretoria Técnica de Enfermagem com os representantes das categorias será convocada por escrito, no mínimo uma vez ao mês. Art. 21 A ausência em reuniões por três vezes consecutivas ou cinco vezes alternadas sem justificativas, será suspenso. CAPÍTULO VI Das Comissões Permanentes Art A indicação para composição das comissões permanentes obedecem a critérios internos e específicos. Sendo elas: - Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) - Comissão de Controle de Qualidade de Material (CCQM) - Comissão de Ética de Enfermagem (CEE) - Comissão de Estágios em Enfermagem - Comissão de Educação Permanente em Enfermagem Art.23 Caberá a Vice Diretoria Técnica de Enfermagem nomear Comissão Permanente transitória quando necessário. Art.24 - Toda comissão Permanente deverá enviar um enfermeiro nas reuniões da Vice Diretoria Técnica de Enfermagem.

15 CAPÍTULO VII Das disposições Finais Art Os casos omissos deste Regimento serão decididos pela Vice Diretoria Técnica de Enfermagem. Art Este Regimento poderá ser alterado pela Vice Diretoria Técnica de Enfermagem, após ampla discussão com os profissionais de enfermagem do Hospital e aprovação em assembléia da categoria.

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM PREÂMBULO Este regimento representa o retrato da estrutura diretiva do corpo de Enfermagem do Hospital

Leia mais

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Dos objetivos Artigo 1º - O Hospital-Escola Veterinário (HOVET) é órgão anexo

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

Agrupamento de Centros de Saúde de ( )

Agrupamento de Centros de Saúde de ( ) A presente proposta de Regulamento visa apenas os ACeS, por ser considerado prioritário este contributo face às solicitações chegadas. Urge no sentido da garantia da Qualidade e Segurança dos Cuidados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA Odontologia Regulamento dos Estágios Supervisionados Fixa normas dos Estágios Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

JOSÉ EDILSON DE AMORIM Presidente

JOSÉ EDILSON DE AMORIM Presidente SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Aprova o Regimento do Hospital Universitário Júlio Maria Bandeira de Mello-HUJB,

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM HOSPITAL SANTA LUCINDA

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM HOSPITAL SANTA LUCINDA 1 REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM HOSPITAL SANTA LUCINDA INTRODUÇÃO Este Regulamento representa a estrutura do corpo de Enfermagem do Hospital Santa Lucinda. Ele reflete a visão de profissionais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe: I - privativamente: i) consulta de enfermagem;

Art. 11. O Enfermeiro exerce todas as atividades de enfermagem, cabendo-lhe: I - privativamente: i) consulta de enfermagem; Trata-se de estudo acerca da Decisão COREN/RJ n.º 1178/98, que dispões sobre colheita de material para exames de análise clínica pelo pessoal de enfermagem. A nossa proposição visa a formalizar uma posição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA SERVIÇO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ARQUIVO CENTRAL REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ÓRGÃO SUPLEMENTAR Art.1º. Ao ARQUIVO CENTRAL da UFPA, Órgão Suplementar

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º - O Curso de Bacharelado em Artes Cênicas, criado pela Resolução

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral Título: Reunião Extraordinária do Colegiado Gestor Data: 06/05/2014 Página: 1 de 6 Pauta: 1. Apresentação das duas candidatas a direção da EEUFMG; 2. Medicamentos trazidos de casa para o HC pelo paciente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

Coordenação Geral das Câmaras Técnicas. Câmara Técnica de Legislação e Normas - CTLN. serviço de enfermagem domiciliar. SUMÁRIO

Coordenação Geral das Câmaras Técnicas. Câmara Técnica de Legislação e Normas - CTLN. serviço de enfermagem domiciliar. SUMÁRIO Coordenação Geral das Câmaras Técnicas Câmara Técnica de Legislação e Normas - CTLN Parecer CTLN nº 002/2013 EMENTA: Exercício profissional nas empresas prestadoras de serviço de enfermagem domiciliar.

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 007, de 22 de novembro de 2004. Aprova Regimento Interno do Serviço de Psicologia Aplicada SPA da UFSJ.

RESOLUÇÃO N o 007, de 22 de novembro de 2004. Aprova Regimento Interno do Serviço de Psicologia Aplicada SPA da UFSJ. CONSU UFSJ Aprovado em 22/11/2001 RESOLUÇÃO N o 007, de 22 de novembro de 2004. Aprova Regimento Interno do Serviço de Psicologia Aplicada SPA da UFSJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA

REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA Comissão de Elaboração: - Coordenação Pedagógica: Prof. Paloma Branco - Coordenação: Prof. Renata Brito Rocha Landeiro - Supervisão de Estágio: Prof. Rosana

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

ANEXO 12 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO CAIUÁ INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ IAP

ANEXO 12 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO CAIUÁ INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ IAP ANEXO 12 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO CAIUÁ IAP PORTARIA EEC Nº 01 de 14 de Maio de 2008. CAPÍTULO I Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Unidade de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO. A seguir, o conteúdo na íntegra do Regimento Interno do Corpo Clínico da AACD.

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO. A seguir, o conteúdo na íntegra do Regimento Interno do Corpo Clínico da AACD. ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA DEFICIENTE Rev. 00 Pág. 1/15 1. Objetivo Estabelecer e divulgar o Regimento Interno do Corpo Clínico. 2. Introdução Não aplicável. 3. Aplicação AACD/ Hospital Abreu

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO AISI-FMIt-HE

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO AISI-FMIt-HE REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO AISI-FMIt-HE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO, SUBORDINAÇÃO E CARACTERÍSTICA CAPÍTULO II DA CONSTITUIÇÃO DO CORPO CLÍNICO E SEUS OBJETIVOS CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS CAPÍTULO

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE DO HOSPITAL SOFIA FELDMAN CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, COMPOSIÇÃO, DURAÇÃO E DEFINIÇÕES Artigo 1 - Este Regimento disciplina e estrutura as atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 13/2015, DE 4 DE MAIO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014

CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 CONCURSO PÚBLICO RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 01/2014 Dispõe sobre a retificação do edital de abertura de inscrições para o provimento de cargo público do Quadro Permanente de Pessoal do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL Diamantina junho de 2013 O Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO TERESINA-PI 2005 RESOLUÇÃO Nº 011/84 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova o Regimento do Conselho de

Leia mais

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus.

Regimento Interno do Corpo Clínico do Hospital São Mateus. São Mateus. REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO HOSPITAL SÃO MATEUS LTDA [Digite EMISSÃO texto] Nº: 01 REVISÃO Nº: 02 DATA: 10/08/1998 DATA: 28/04/2011 Sumário Capitulo I : Das Definições e Objetivos do

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº 001, DE 16 DE MAIO DE 2011. Dispõe sobre a normativa de organização e funcionamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde.

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Vinculação Artigo 1 - O Centro de Pesquisas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL Consultoria Técnica Delta Teresinha Buchfink Sandra Elena Gehlen Inhoqui Brasília, 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I... 5 DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS... 5 TÍTULO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CMDPCD, instituído

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais