Implantação e Avaliação de Desempenho de Protocolos de Transmissão Multicast Confiável na RNP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implantação e Avaliação de Desempenho de Protocolos de Transmissão Multicast Confiável na RNP"

Transcrição

1 Implantação e Avaliação de Desempenho de Protocolos de Transmissão Multicast Confiável na RNP Valter Roesler: Unisinos Marinho Barcellos: Unisinos, University of Manchester e BT Exact (Inglaterra)

2 Definições básicas Proposta de trabalho Objetivos do GT Multicast Confiável Protocolos a serem avaliados Aplicações a serem analisadas Metodologia de trabalho Fases do projeto Equipe Cronograma 2 de 40

3 Definições básicas 3 de 40

4 Multiponto sem e com Multicast MULTI-UNICAST MULTICAST FON FON ROT A ROT A ROT B ROT C ROT B ROT C ROT D REC 3 ROT F ROT D REC 3 ROT F REC 1 REC 2 REC 4 REC 5 REC 6 REC 1 REC 2 REC 4 REC 5 REC 6 4 de 40

5 Exemplos de Aplicações multicast Transmissão maciça de dados Aplicações tipo push Transmissões multimídia unidirecionais ao vivo (TV, rádio, palestras, conferências) Videoconferências, audioconferências Jogos interativos Aplicações colaborativas 5 de 40

6 Requisitos Típicos para Aplicações Multicast Latência de entrega Jitter Skew Tempo-real (multimídia) Ordenamento de pacotes Confiabilidade Confiável (arquivos) 6 de 40

7 Problemas do multicast confiável Implosão de ACK e NACK 7 de 40

8 Localização do controle de erros em multicast confiável Em protocolos orientados a transmissor Multicast via TCP: não escala devido à implosão de ACKs Em protocolos orientados a receptor: O transmissor nem sempre precisa conhecer os receptores... Menos controle de estado é mantido no transmissor, o que torna o protocolo mais escalável 8 de 40

9 Mecanismo 1 de Controle de Erro ARQ Automatic Repeat Request Controle de erro reativo receptor avisa transmissor da perda de pacotes Seqüência faltante ou via temporizador (no receptor) Necessitam controle de implosão, conforme mostrado anteriormente 9 de 40

10 Mecanismo 2 de controle de Erro FEC - Forward Error Correction Informações de paridade são acrescentadas ao fluxo de dados Receptores podem reconstituir dados perdidos via redundância Vantagens: Receptor não precisa usar NACK dependendo do número de perdas (e quais perdas) Diminui o número de retransmissões multicast Desvantagens: Processamento intensivo para computar códigos de redundância Maior quantidade de dados enviada, mesmo sem erros Problema em antever a taxa de erro da rede para determinar quantidade de redundância Gera atrasos quando receptor perde determinado pacote, pois tem que esperar o final do bloco para reconstituí-lo Sem confiabilidade quando perdas em rajadas 10 de 40

11 Mecanismos híbridos: FEC + ARQ Esquema híbrido FEC + ARQ para reduzir volume de feedback Apenas pacotes que não podem ser reconstituídos são requisitados Exemplo: 16 blocos de dados Transmissor gera um pacote adicional contendo código de paridade para os 16 blocos Um receptor pode reconstituir qualquer um dos 16 blocos através do 17 o pacote Equivalente a uma única retransmissão enviada a todos e que pode recuperar a perda de um pacote qualquer do bloco Perda de dois ou mais pacotes? Nack + retransmissão 11 de 40

12 Outros requisitos do multicast confiável (RFC 3048) Controle de congestionamento Usar uma parcela eqüitativa dos recursos da rede. Algoritmos devem ser tcp tcp-friendly Usar o link de forma eficiente, ou seja, sem excessivo overhead Escalabilidade (não é o foco deste GT) Funcionar com diferentes conjuntos de receptores Trabalhar com diferentes topologias de rede (receptores em redes rápidas e redes lentas (ou congestionadas)) 12 de 40

13 Confiabilidade e transmissão em tempo real Confiabilidade e transmissão em tempo real são objetivos conflitantes A confiabilidade da transmissão é conseguida através de controle de erro (retransmissões), tipicamente gerando atrasos É possível obter transmissões de tempo real (soft( realtime) ) semi-confiáveis, através de mecanismos de FEC Mecanismos de FEC utilizam blocos e o próprio uso de blocos gera atrasos 13 de 40

14 Padronização no Multicast Confiável IETF: Working group on Reliable Multicast Transport RFC 3048 ( (Reliable Multicast Transport Building Blocks...): padroniza sistemas de multicast confiável através de dois conceitos: BB ( (Building Blocks): componentes comuns utilizados por vários protocolos, como mecanismos de FEC, confirmações negativas (NACKs( NACKs), controle de congestionamento e segurança. PI ( (Protocol Instantiations): são os protocolos propriamente ditos, que se utilizam dos BBs necessários e inserem sua lógica de funcionamento. 14 de 40

15 Famílias de protocolos definidas pelo IETF (RFC 3048) NACK-based Reliable Multicast Protocol (NORM ) Protocolos baseados em NACK Tree-based ACK Protocolos baseados em ACK, porém com servidores intermediários a fim de evitar implosões de ACKs. OBS: foi obsoletado Asynchronous Layered Coding (ALC) Protocolos baseados em FEC, não necessitando retransmissões Router Assist Protocolos que necessitam código rodando nos roteadores intermediários. OBS: necessitam redes ativas ou cooperação do fabricante de roteadores, ou seja, atualmente não é viável praticamente 15 de 40

16 Proposta de Trabalho 16 de 40

17 Objetivos Gerais Montar uma estrutura de multicast confiável na RNP, explorando o suporte nativo à multicast atualmente existente Avaliar experimentalmente um conjunto de implementações destes protocolos 17 de 40

18 Protocolos Protocolos com funcionalidade de nível de transporte na prática estão acima do nível de transporte, mas possuem funcionalidades típicas de nível de transporte Ficam fora do kernel,, no nível de aplicação (como bibliotecas que podem ser utilizadas pelo usuário) 18 de 40

19 Protocolos a serem analisados MDP / NRL: implementação do Multicast Dissemination Protocol em desenvolvimento pelo Naval Research Laboratory (NRL) NORM ( (NACK based Reliable Multicast Protocol): implementação em desenvolvimento pelo Naval Research Laboratory NORM, ALC ( (Asynchronous Layered Coding)/LCT ( (Layered Coding Transport) ) e FLUTE ( (File Delivery over Unidirecional Transport): implementações em desenvolvimento pelo INRIA, incluídas na biblioteca MCL (Multicast Communication Library) ALC/LCT e FLUTE: implementações em desenvolvimento pela Tampere University of Technology 19 de 40

20 MDP / NRL (Multicast Dissemination Protocol) Baseado em NACK, mas com suporte a FEC Para evitar implosão de NACK, receptor espera tempo antes de enviar NACK para o grupo. Se alguém enviar antes, ele cancela o envio Implementado em C++, código-fonte com 55k linhas de código Suporte a Unix, Windows Versão para NS (Network Simulator) 20 de 40

21 NORM / NRL (NACK Based Reliable Multicast Protocol) Implementação baseada no MDP Emprega mecanismo de controle de erros baseado em NACK e em FEC Código-fonte de aproximadamente 45k linhas de código Suporta unix e windows Versão para NS (Network Simulator) 21 de 40

22 MCL / INRIA MCL ( (Multicast Communication Library) ) consiste de: ALC ( (Asynchronous Layered Coding): implementação do protocolo ALC/LCT (transmissão unidirecional) e protocolos de controle de congestionamento RLC e FLID-SL LDPC: implementação do codec FEC para blocos grandes (Large( Block) NORM: implementação do protocolo NORM FCAST: aplicação de transferência de arquivos em multicast confiável 22 de 40

23 MCL / INRIA Código em C/C++ Sem controle de congestionamento Linux e windows 23 de 40

24 Aplicações a serem avaliadas O foco principal do GT é a aplicação de transferência de arquivos entre TVs Universitárias (RITU Rede de Interconexão entre TVs Universitárias) Outra aplicação a ser testada é a de jogos MMG (Massively Multiplayer Games) 24 de 40

25 Aplicação 1: RITU Aplicação de teste: RITU: Rede de Intercâmbio entre TVs Universitárias 25 de 40

26 RITU Aplicação 1: RITU 31 emissoras envolvidas Já em negociações com a RNP para efetuar a transmissão 26 de 40

27 Aplicação 2: jogos distribuídos em rede MMG: Massively Multiplayer Games Grande quantidade de participantes simultâneos Envio freqüente de mensagens via rede FreeMMG: Projeto aprovado no Edital CT-INFO CNPq 2003 (Jorge Barbosa Unisinos, Geyer - UFRGS) Em 6 meses devem ter aplicação para permitir teste 27 de 40

28 Metodologia de trabalho 28 de 40

29 Metodologia dividida em 4 fases 1. Estudo das implementações propostas 2. Desenvolvimento de experimentos para automatizar testes dos cenários propostos 3. Execução dos experimentos, coleta de resultados e análise estatística. Comparação com resultados da SuperJanet 4. Documentação: relatório dos resultados e manuais de utilização 29 de 40

30 1. Estudo das implementações Análise detalhada das RFCs e documentação de funcionamento dos protocolos MDP, NORM, ALC e FLUTE Instalação das implementações na rede local da Unisinos. Testes de transferência de arquivos Expansão da implementação entre Unisinos e POP-RS. Testes de transferência de arquivos Espera-se se ter que corrigir eventuais problemas nas implementações 30 de 40

31 2. Automatização para testes Foco nas 2 aplicações a) transferência de arquivos b) jogos distribuídos Desenvolvimento de scripts para automatizar coleta de dados e análise estatística das aplicações acima Execução de experimentos em âmbito local 31 de 40

32 3. Execução dos experimentos Expansão do ambiente para nn locais no Brasil O critério para definição dos locais de teste será a rede RITU, que é o cenário prioritário deste GT Medições exaustivas e coleta de dados de acordo com as métricas definidas a seguir 32 de 40

33 Métricas a serem analisadas Os protocolos e aplicativos serão comparados em relação a: Desempenho: vazão efetiva dos dados Custo: largura de banda consumida x número de usuários atingidos Robustez: percentual de transmissões bem sucedidas Atraso: entre saída do transmissor e chegada no destino (aproximações via NTP Network Time Protocol ou GPS, ambos existentes na RNP) Avaliação de friendliness friendliness dos protocolos na rede 33 de 40

34 4. Relatórios e manuais Análise estatística dos dados coletados Comparações com a rede SuperJanet,, do Reino Unido Determinação das vantagens e desvantagens de cada um dos protocolos Publicações Manuais de usuário para os protocolos instalados na RNP OBS: Nessa fase será feita a expansão do sistema para mais locais no Brasil 34 de 40

35 Rede Super Janet 10 Gbit/s 2,5 Gbit/s 2,5 Gbit/s 622 Mbit/s 155 Mbit/s 35 de 40

36 Projeto MUST (Inglaterra) Iniciativa conjunta de pesquisa BT Exact Technologies (Complexity( research group) Consórcio RealityGrid (University of Manchester) Objetivos Avaliar experimentalmente protocolos de multicast confiável Implementar e distribuir para a comunidade um conjunto de ferramentas em multicast confiável Monitorar experimentos em Access Grid 36 de 40

37 Recursos necessários nos POPs Acesso remoto a máquinas Linux nas instituições parceiras, com conectividade multicast Para a instalação dos protocolos nos POPs da RNP, É RECOMENDÁVEL um computador dedicado com permissão de acesso remoto pela equipe do GT, a fim de que se possa efetuar as instalações e medições necessárias Espera-se se contar com o auxílio eventual de algum técnico dos POPs a fim de resolver problemas eventuais de mal funcionamento dos micros ou necessidades que não possam ser efetuadas remotamente 37 de 40

38 Equipe 1 coordenador no Brasil 1 vice-coordenador coordenador na Inglaterra Dois assistentes 40h Dois estagiários 20h (um por assistente) 38 de 40

39 Cronograma Fase 1: Agosto a outubro / 2004 Fase 2: Novembro a dezembro / 2004 Fase 3: Janeiro a março / 2005 Fase 4: Abril a Julho / de 40

40 Implantação e Avaliação de Desempenho de Protocolos de Transmissão Multicast Confiável na RNP PERGUNTAS?? Valter Roesler: Unisinos Marinho Barcellos: Unisinos e University of Manchester (Inglaterra) e BT Exact (Inglaterra)

Controle de Erro em Redes de Computadores

Controle de Erro em Redes de Computadores Controle de Erro em Redes de Computadores Prof. S. Motoyama Aula 24 Motoyama: Controle de Erro 1 Enlace de Dados O controle de erro em redes de computadores é feito na camada enlace de dados (ou na camada

Leia mais

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II

Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II Qualidade em Servicos de Rede Prof. Eduardo Maronas Monks Roteiro de Laboratorio Camada de Transporte Parte II 1) Explicar os seguintes mecanismos e conceitos do protocolo TCP: 1. Slow Start O algoritmo

Leia mais

Trabalho da RNP 2 0 0 4-2 0 0 5

Trabalho da RNP 2 0 0 4-2 0 0 5 Proje to para Edital - Progra m a de Grupos de Trabalho da RNP 2 0 0 4-2 0 0 5 1 Dados Gerais do Projeto Título: Coord e n a d o r: Vicecoord e n a d o r: Duraçã o do projeto: Parcerias: Implantação e

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte?

6 de Julho de 2015. Exercício 23 Para que servem portas na camada de transporte? Lista de Exercícios Camada de Transporte GBC-056 Arquitetura de Redes de Computadores Bacharelado em Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia 6 de Julho de 2015 Exercício 1 Para que serve

Leia mais

UDESC SISTEMAS MULTIMÍDIA. Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia. Prof. Claudinei Dias. Sistemas Multimídia 2011/2

UDESC SISTEMAS MULTIMÍDIA. Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia. Prof. Claudinei Dias. Sistemas Multimídia 2011/2 SISTEMAS MULTIMÍDIA Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia Prof. Claudinei Dias Ementa Cap. 4 4. Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia A arquitetura Internet; Protocolo IP e a multimídia;

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte UDP Slide 1 Camada de Transporte Fornece uma comunicação lógica entre processos de aplicações em diferentes hosts através da camada de rede; São implementados

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Transporte de dados multimédia em Redes de Sensores Sem Fios

Transporte de dados multimédia em Redes de Sensores Sem Fios Transporte de dados multimédia em Redes de Sensores Sem Fios 1 Título da apresentação 17-03-2 Estrutura da Apresentação Motivação, Requisitos e Objectivos Serviço Básico de transporte do DTSN Serviço de

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte V: Camada de Transporte 3.1 Serviços da camada de transporte 3.2 Multiplexação e demultiplexação 3.3 Transporte não orientado à conexão: UDP 3.4 Princípios de transferência

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Camada de transporte. Camada de transporte

Camada de transporte. Camada de transporte Camada de transporte Camada de transporte Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de transporte: Multiplexação/demultiplexação Transferência de dados confiável Controle de

Leia mais

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação

Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Documento técnico Tenha a mesma experiência de rede que os seus clientes Fechando a lacuna da ativação Introdução Tradicionalmente, os testes de ativação das Camadas 2/3, como RFC 2544 têm sido conduzidos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação

Tópicos em Sistemas Distribuídos. Modelos de Comunicação Tópicos em Sistemas Distribuídos Modelos de Comunicação Comunicação em SD Comunicação entre processos Sockets UDP/TCP Comunicação em grupo Broadcast Multicast Comunicação entre processos Conceitos básicos

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 15

Sistemas Distribuídos Aula 15 Sistemas Distribuídos Aula 15 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF 8. Tolerância a Falha

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Fundamentos de Comunicação de Dados e protocolos de redes

Fundamentos de Comunicação de Dados e protocolos de redes Fundamentos de Comunicação de Dados e protocolos de redes A disciplina aborda o conceito do funcionamento de uma rede, utilizando a abordagem desde a camada de aplicação até a camada de nível físico nos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores

Tecnologia de Redes de Computadores Tecnologia de Redes de Computadores Prof. Sidney Nicolau Venturi Filho 31. CAMADA DE TRANSPORTE Camada de Transporte Camada de Transporte Funções da camada controle de fluxo fim-a-fim sequênciação detecção

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação. Função. Camadas REDES x TRANSPORTE. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camadas de Transporte, Sessão & Apresentação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Função A camada de Transporte fica entre as camadas de nível de aplicação (camadas 5 a 7) e as de nível físico

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - CAMADA DE ENLACE DE DADOS 1. INTRODUÇÃO A Camada de Enlace de dados é a camada que lida com quadros, grupo de bits transmitidos pela rede. Ela depende da camada Física para enviar e receber

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Introdução. Algumas terminologias. Camada de Enlace de Dados. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Camada de Enlace de Dados Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Introdução A função desta camada parece trivial, pois a máquina A coloca os bits no meio e a máquina B tem que retirar de lá, porem

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Slide 1 Camada de Enlace Fluxo real de PDUs Slide 2 Sumário dos Protocolos MAC Como se faz com um canal compartilhado? Particionamento de canal, no tempo, por freqüência

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos Comunicação. Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Comunicação Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Roteiro da Aula Comunicação entre Processos Protocolos Modelo OSI Modelo Cliente Servidor 3 Comunicação entre

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

GT QoS2: Qualidade de Serviço

GT QoS2: Qualidade de Serviço GT QoS2: Qualidade de Serviço José Augusto Suruagy Monteiro Junho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto de estruturação do grupo de trabalho GT QoS2, responsável pelo desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 3: Camada de Transporte. Multiplexação/desmultiplexação. Serviços e protocolos de transporte. Antônio Abelém abelem@ufpa.

Capítulo 3: Camada de Transporte. Multiplexação/desmultiplexação. Serviços e protocolos de transporte. Antônio Abelém abelem@ufpa. Serviços e protocolos de Capítulo 3: Camada de Transporte Antônio Abelém abelem@ufpa.br provê comunicação lógica entre processos de executando em hospedeiros diferentes protocolos de executam em sistemas

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Camada de Transporte. Prof. Leonardo Barreto Campos

Camada de Transporte. Prof. Leonardo Barreto Campos Camada de Transporte 1 Sumário Introdução; Serviços oferecidos à camada superior; Multiplexação e Demultiplexação; UDP; TCP; Controle de Congestionamento; Controle de Congestionamento do TCP; 2/62 Introdução

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores na camada de rede na camada de transporte Redes de Computadores Aula 4: 24 de março de 2010 na camada de rede na camada de transporte 1 Princípios Causas e custos do congestionamento 2 Princípios gerais

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

GT Qualidade de Serviço 2 (GT-QoS2) V WRNP2

GT Qualidade de Serviço 2 (GT-QoS2) V WRNP2 GT Qualidade de Serviço 2 (GT-QoS2) V WRNP2 José Augusto Suruagy Monteiro www.nuperc.unifacs.br/gtqos2 Gramado, 13 de Maio de 2004 2003 RNP GT-QoS2 Contexto Continuação das atividades iniciadas com o GT-QoS.

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

TCP - estabelecimento de conexão

TCP - estabelecimento de conexão TCP - estabelecimento de conexão Inicializa variáveis Números de sequência Buffers, RcvWindow 3-way handshake usado para eliminar o problema de duplicatas antigas (atrasadas) Ex.: pedidos de conexão, ACKs

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas. Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas. TCP/IP x ISO/OSI Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas TCP/IP x ISO/OSI A Internet não segue o modelo OSI. É anterior a ele. Redes de Computadores

Leia mais

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Protocolo UDP Protocolo de transporte da Internet sem gorduras Serviço best effort, segmentos UDP podem ser: perdidos entregues fora de ordem para a aplicação

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Jones Bunilha Radtke. Tarefas:

Jones Bunilha Radtke. Tarefas: Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Tecnólogo em Redes de Computadores Qualidade de Serviços de Rede Prof. Eduardo Monks Camada de Transporte Parte 2 Jones Bunilha Radtke Tarefas: 1.1) O algoritmo Slow

Leia mais

Aula 1 Comunicação de Dados Professor Leandro Redes de Computadores e a Internet James F. Kurose e Keith W. Ross

Aula 1 Comunicação de Dados Professor Leandro Redes de Computadores e a Internet James F. Kurose e Keith W. Ross 1 Aula 1 Comunicação de Dados Professor Leandro Redes de Computadores e a Internet James F. Kurose e Keith W. Ross Rede Mundial de Computadores (Internet) componentes básicos de hardware e software que

Leia mais

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos

3. Comunicação em Sistemas Distribuídos 3. Comunicação em 3.1.Troca de mensagens As mensagens são objetos de dados cuja estrutura e aplicação são definidas pelas próprias aplicações que a usarão. Sendo a troca de mensagens feita através de primitivas

Leia mais

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Latência Tempo entre o início de um evento e o momento que ele se torna perceptível no destino Ex: filmar um relógio

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br

Sistemas Distribuídos. Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Sistemas Distribuídos Ricardo Ribeiro dos Santos ricrs@ec.ucdb.br Curso de Engenharia de Computação UCDB Novembro/2003 Tópicos Tolerância a falhas em comunicação em grupo Tolerância a falhas em comunicação

Leia mais