Carta aos Mo_nárqtticos Portugueses llfredo ---- Phnenta ---,, _,_,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta aos Mo_nárqtticos Portugueses 5. ...-llfredo ---- Phnenta ---,, _,_,"

Transcrição

1

2 CARTA ; ÁOS ' c. OMO ~rntodos 'osp ri-vos, ta~bém em Portugal há mo_ná ;quicos ~,. _ : seni doj.tt~_in~, 9~e -yúlgarmen.te se designam ~el~ ri.dqí_~ ' de t~a i i. lassas, :e l!lonarqutcos doutrtnados. ;....,,..,. _... O meu~ niajogrado amigo Çalaínho de Aze-vedo era 'implácavel J_:.-~ Nas noss as :reuniões da Acção Realista, quando-conversávamos sobre.-~ _ ;>q. que.: hayia a fazer para salvar a Causa Monárquica da catástrofe~ :~-~- - ele. tinha uma~ palávrct,:;, uma palavra só, cjue cortava. o espaçà.. cómâ ~ \ UIJI a espada: «dout~ina! >l i' :, - -, -:,)::,,: fofa f~lta de. doutrina qúe enfregqu a Monarquia aos caprielios'., dá República, e a. vitimou ~ foi a falta de qoutrina que afrastou à f~ ~--,. ;. lência da. República de 1910; e as difiéuldades em que, se, debate o.,., Estado Novo devem-se única e exclusivamente à fa.lta de. doutdna< :. - que cara~teriza a quase tot~lidade dos seus elementos m arcantes : -.. t>. :.. Dir-se;.ia!éfue se teima erri realizar o impóssível':jazer _obra ri ova.:~\ com }11aterial velho~.....>... " : E indiscutivel que o Presidente çlo Conselho' possui uma doü;.. trina. Dezenas de vezes a tem formulado; muitas vez~s a tem feito ~"'., ptoj~ctar-se em disposições con~tituci9nàis. Mas: é indiscutjvel tam~i._; -~._. bém, que., na quase totalidade dos casos;. o material de qu~- dispõe.<:~,c' para realizàr~ em tactos, essa doutrina,- éjrremediàvelm~ílte v.elhó, e-.- inadaptável à doútrina 'do. Presidente dó. Çon~elho~ ' '. Se a_. Moriarquia.caiu, por falta d~. doutrinàf em 1910; a Causa ".. Monárquica chegau a o estado roiserável em que a vem.os, porque -... nunca 1 perç~beu que a única maneira de se salvar e de se garantir..uma posiçã?. fqrte na vida política port!jg_uesa consis_tia em, seguir/. uma doutrina~... :..,-....,.. -. :~". O Il}tegralisf!10 Lusitano e ' a Acção Re;ãlista Portuguesa'tentafam, ',, com abnegação, inteligência e persistência, dotá-la da doutrina indis- : pensável. "...,... _. -:"" :. Mas_. os bonzos, os politiqueiros, os charlatães-inimigos natos,. da -lnteligên'cia;..: venceram, e, na sua vitória sàcr'ílega j condenaram à :_ ~./.. -:<:.:!

3 . ' -_ -~:... ~1~- -:';, / ~ - :- -~._;:~.. ~ ~~ llfredo ---- Phnenta ---,, _,_,. morte a Causa Monárquica,. tornaram iryúteis todos os sacrifícios de vidas e de fortunas, de sossego e vent~ras:. A Monarquia caiu em 191 O- h_a. trtnta e s_et~ anos, uma Ivlonàrquia de perto de oito séculos de vtda s~cumbt_u as, m~os da Carbonária de Lisboa. Porquê? Perdera a f~ em st propn~, - - nos seus destinos históricos, no poder das suas vartudes essenctats, numa palavra abastardara-se. ~ o 've 11 eno que a consumia insti~ara-lho a Re~oluç~o, em lnstit~iç~o natural, tradicional, coeva da ~ac_to_nahd.ad.e, a Monarquia nunca precisara de formular os_ se~ts prtn~lp~os vttats. Qua~: do a Revoluçào surge, arvorando doutnn~ propna, a Monarq~ta acordou da sua inércia. A Revolução ~ra a Lth,en.la~e ~u_a Anarq_uta; a Monarquia era a Autoridade e a Ordem. E mats factl conqutstar um milhão de homens para a Anarquia, do que convencer um só, dos benefícios da Ordem, porque é mais fácil soltar os instintos,_ do que dominá-los. Quando, depois d~, 1~20, apareceram?s do~trtnadores monárquicos- a Revolução ]a ftzera as suas mats pertgosas investidas. E esses mesmos que tinham os seus alicerces fundamentais no Trono e no Altar, puderam observar que o Trono se entregava, e o Altar se desleixava..,. O 5 de Outubro foi a foz de um grande no que vartos afluentes alimentaram livremente.,. Caiu a Monarquia, mas ficou a Causa Monárquica, constituída não por monárquico_s doutrinados, mas, de um modo ~eral, por monárquicos... substituidos, feitos cabecilhas de alguns mtlhares de iijgénuos e sentimentais, mas carecentes, uns. e outros, de qualquer sombra de doutrina. Não eram monárquicos: eram regeneradores, eratn progressistas, eram dissidentes, er~m franquistas.._.. O Integralismo Lusitano, primeiro, a Acção Real,tsta,. depots, quiseram dar alma, direct~~z, finalidad~ à Cau~a ~1onarqUt~a. ~~o ponho em dúvida a boa fe do Integralismo Lust.tano dos pnmet_ros tempos. Mas o que. é certo é aquele que ainda hoje, em certos rne.tos, é tido por Condutor supremo do Integralismo~ a certa altur~, _detxava-se seduzir pelo social, envolvia tio mesmo epíteto sarcasttco de «cadáveres,, a Monarquia e a República, e renegava a sua acção de alguns anos..... Quanto à Acção Realista, essa ficou, honra lhe seja!, ftel a st própria, na pessoa, de meia dúzia dos set_ls dirigentes e fu~dadores responsáveis. A posição desta meia d~zia 1 de Aho~nens é!.hoje, a qt~e era, há vinte e um anos, quando as ctrcunstanc1as pohhcas do pats a obrigaram a dar por terminada a sua missão. Acabou.a acção rea~ lista mas ainda vive esse grupo de homens: Alfredo Ptmenta; Caetano Beirão; Ernesto Gonçalves; Fernando Campos; Jo_ào Ameai~ A. Ramires dos Reis, Santos Silva. Não se quebrantou atnda a soltdariedéide que o~ ligou naquele dia~ célebre na vida de cada um de ( I \ j li Carta aos Mo_nárqtticos Portugueses 5 nós, em que eu rompi com o Correio da Manhã, orgão oficioso da mesma Causa, solidariedade que nobilissimamente me foi dada, sem que houvesse da minha parte a mais ligeira sugestão. O Integralismo Lusitano, não conseguiu o que queria -e ab~ndonou o Rei, pratiéando o erro ridículo e inconcebivél de o destitúir. A Acção Realista esteve a triunfar por um fio- porque alcançou a adesão do Rei aos princípios, à doutrina que defendia, adesão claramente expressa em Documento enviado ao Lugar-Tenente, para ser publicado, comentado e propagado. Os bonzos revoltaram-se: o Lugar-Tenente acobardou-se; e o Rei falhou- e a Mensagem foi surripiada!. Onde parará o texto integral desse notável Documento- o mais notável de quantos o Senhor D. Manuel escreveu? Quem o deterá, furtando-o aos juizos da História? Não tendo a Acção Realista triunfado, em serviço exclusivo de Deus, da Pátria e do Rei, a Causa Monárquica afundou-se em inépcia e opróbrio. E foi o 28 de Maio. Eu avisei o Lugar-Tenente: uainda é tempo de se salvar isto; publique a Mensagem I Mas o Lugar-Tenente não -estava para se ralar, meteu-se em copas, e o 28 de Maio rumou em se ntido contrário. E vinte e um anos são passados, muito bem aproveitados, porque à frente da Nação se tem ; m~ntido o homem de Estado insigne que é o Presidente do Conselho - mas qnase inteiramente estéreis, se virmos as coisas do plano do futuro. Porque o futuro só a Monarquia o garante, e não o regresso ao atoleiro donde o 28 de. Maio safou o País. E a quem cabe primacialmente a responsabilidade da esterilidade política destes vinte e um anos? A' Causa Monárquica! Encontra-se, hoje, no estado de imbecilidade que a caracteri zava há vinte ~ um anos, há trinta e sete anos! Como então, não tem doutrina; _como então, não tem unidade de pensamento; como então, não sabe o que quer; como então, é uma salada russa, em que há de tudo, desde os miguelistas puros, até os constitucionais à D. Manuel, à D. Carlos, à D. Luís, à D. Pedr'o V, etc. Estão lá os integralistas que destronara:n o Senhor D. Manuel, por este não declarar a doutrina da Causa Monárquica, mas agora cúmplices de situação perfeitamente igual, acamaradam cjm os que sempre se opuseram a. que tal doutrina fosse formulada; estão lá os constitucionais, estão lá os aventureiros, politiqueiros, pelotiqueiros e charlatães. Só há uma pessoa que lá não está, nem pode estarpor ser germanófilo e escritor perigoso: sou eu. Esta Causa Monárquica, maiones~ política, cacharolete político, mixórdia política que ninguém toma a sério, que vitimou um Rei, o Senhor D. lv\anuel, e está a desprestigiar, a desacreditar, a inútilizar

4 I...,.J. 6 Alfredo Pimenta outro, o Senhor O. Duarte, esta Causa Monárquica tem orgão' na Imprensa, tem jornal que a representa. E' claro: tal Causa, tal jornal. Como jornal, é dos mais chalados que há p~r.aí. A~ cró_nicas de João Valério e as gazetilhas de O. fuas são a umca cot~a que se aproveita; mas é evidente que não chegam para categonzar uma folha. O luxo dos correspondentes no estrangeiro é motivo de mofa, porque todos vêem_ que não passa de truc idiota da redacção. Como porta-voz da Causa lvtonárquica, é simplesmente ignóbil. porque compromete todos os dias a Causa do Rei. Nas vésperas de eu sair de Lisboa, transcrevia este trecho do jornal República: Í «E não são contra a Pátria, não são menos zelosos do interesse, da honra e do brio nacionais os republicanos, batendo-se pela República, ou os morzdrquicos, lutando pela Monarquia». A doutrina que estas palavras encerram é uma pura habilidade~ perante a realidade dos factos, e, para quem for monárquico, um sofisma que não resiste a dois segundos de atenção. Pois o Diário Nacional, orgão oficioso da Causa Monárquica. a comentar aquele absurdo, escreve todo lampeiro: «A doutrina estâ certa. Apraz-nos, pois, registar que a c.república» reconheça, püblícamente, o direito que assiste dos mondrquicos, zelosos do interesse, da honra e brio nacionais, de lutarem pela Monarquia- afinal o mesmo direito de que os republicanos sempre goza~ a11t no regime monárquico, e q ue a monárquicos e até nzesmo a republicanos só foi coartado durante a vigência do regime republicano». Neste palavreado gramaticalmente inepto que põe os republicanos a gozar. no regime monárquico, o direito de lutar pela I I Monarquia- neste período, há duas p~rt'es: a tese e a satisfação pela hipocrisia da República. A doutrina formulada pela República é esta: tão a favor da Pátria, tão. zelosos do interesse, da honra e do brio nacionais, são os republicanos, quando se batem pela República, como os monárquicos~ qua ndo se })atem pela Monarquia. Esta doutrina defende-a, hoje, a República,-hoje, que não. está Carta aos Llfonárquicos Portugueses 7 a ~ozar as delícias republicanas do poder republicano. Se-os seus am1gos, correlig~onários ou afins estivessem na posse dos selos do Eshdo, eu quena ver. onde parava o direito de os monárquicos lut~rem f?ela.mon:trquta, por «zelosos do interesse, da honra e do brto nact,onats,, I!J~ep.endentemente disso, tal doutrina é absurda, por traduzir a legtttmtdade da guerra civil. E a lócrica manda que se alargue a doutrina, dizendo assim : o ce' tzlio são contra a Pritria, nlio são mcítos zelosos do interesse, da honra e do brio nacionais, os republica~ nos, batendo-se pela República, ou os monárquicos lutando pela J fonarqteia, ou os Socialistas lutando pela Re l'oluçtio colectivista, ou os Comunistas batendo-se pelo Comunismo». E o Diário 1.Vacio~al, or~ão da Causa Monárquica; comentará àlvarmente: « doutrzna esta certa,, Pode estar certa, para jogadores de corridas de cavalos ou fre- 9uentado~es. de cabarets nocturnos; pode estar certa para: anónimos trresponsavets a quem se confiam missões difíceis como a de orien~ tar e esclarecer a opinião política de uma parte d~ sociedade portuguesa; pode mesmo estar certa para o meu ex-amigo Manso-Preto Cruz que tendo hibernado dezenas de anos me surge nesta altur t da vida, filósofo político, sinaleiro das vári~s correntes que se en trecruzam na estrada da acção política, e faz a descoberta piramidal de que «a Revo~ução_ fr'!ncesa não foi jâta contra a /11/onarquia nem.cm-lira o Rez: foz fezta contra os senhores feudais_ que quertam ser um Estado dentro do outro Estado )! Assim mesmo... Pa~a um monárqu_i~o! porém, para um monárquico que tenha luzes, am.da que superftctats, mas, essas, firmes, do que é doutrina monárqut,ca, o palavread??a. República não tem pés nem cabeça: nem teortca!lle~te, nem htstortcamente- e muito menos em Portugal. Em pnmet~o lugar: o porbdor duma Ideia que reconhe~a ao J?~rtador de Ideta contrária o mesmo direito que reclama para si ou e msensato, ou comediante. '.. Insensato, po~q~e não sabe, sequer, o que está a dizer '; comedtante, porque esta a fazer pouco dos outros. Não, h~ duas verdade,s contrárias- a não ser para o céptico;. mas o. cepttco,. porq~e? e, não é portador de nenhuma verdade ~ porque o -céphco autenttco duvida abstem-se.,t~nho ensin_a~o por mais dunia vez que 'todas ás Ideias são to tahtan~s! excl,ustvt.stas. O princípio liberal de que todas as opiniões são legthmas e uma camuflagem reles. que só convence os tolos.

5 8 Alfredo Pimenta Se o monárquico e o republicano são iguatm~nte a~antes.da Pátria; e igualmente z~losos do interesse, da ~onra e do brto naclonais- batendo-se; o primeiro, pela Monarquta, o segundo pela República, é que a diferença ent~e a Repúb~ica e a Mona~çtuia é nula, e não se compreende que haja monarqutcos e republtcanos, a bater-se por instituiç?es similares..... A esta matérta não se pode apltcar o precetto de que todos os caminhos vão ter à.. Roma. Aqui, trata-se dum conceito.geográfico material. No caso' da lv\onarquia ou da Republica trata-se dum conceito ideológico em 'que se esbarram o não e o sim.. Não nego a boa fé, o desinteresse, a sinceridade que haja 1_10 republicano-e ~o mon~rquico, como nin~uém nega que, P.ossam extstir no ateu, no anarqutsta, ou no comumsta. ~~ão e 1sso qu_e se discute. 0 que Se discut~ é Se é tão legítimo O Stm COrnO O 1UW, O Bem como o M~l.. Esta legititnidade ainda- se compre~ndia no pensaf!l~nt? de um juiz que alheió a determinado Povo, tivesse que prestdtr a formação' do Estado, nes~e ~ovo. Havia nest.e,. partidári~s. da f.-1onarqu!a e partidários _da Repubhca. Para aquele JUIZ, tão legthma era a.asptração dos primeiros como dos ~egundos. 1\t\as qual a M_on.arquta estabelecida e consda da sua mtssã:o que reconheça o dtreato de a República a destruir? Qual a República estabelecida, e cônscia do seu papel, que reconheça à Monarquia o direito de a su?stit~ir. Para o Diá1'"io 1.Vacional, órgão da Causa Monarqutca, tão se_rvidores da Pátria e tão zelosos são do interesse, da honra e do bno nacionais os m~nárquicos como Os republicanos. Logo, tem de se reconhec~r aos. republicanos o direito de destruir a Monarquia, ou por meio de papelinhos nas ruas, ou por meio da Revolução armada. Para a República, que formula a doutrina, tem de se reconhecer aos monárquicos o mesmo direito. E para os dois i.rinâos siameses, i~ to é, para a f!ep_ública e par_a o Diário J.Vacional, nem a J\.\onarquta nem a Republtca pod:m dt: rectamente Opor-se às pretensões respectivamen.te dos republtc~nos e dos monárquicos....; porque uns e o~tros são tgualmente servtd? res da Pátria, e igualmente zelosos do tnteresse, da honra e do bno. nacionais. -~..,. Efectivam er1te que pode alegar a Monarquia. contra os prop?st-,tos. dos republiéa~os de p~oc_lamar a República, _se eles, republtca. canos, são. tão anngos da Patrta, e tão zelosos do mteresse, da honr,t e do brio nadorlâis como a Nlonarquia?. E que. pode'<alegar a Repúblm~, contra os pr?pós.ttos dos mo... nárquicos de instaurar a lv\onarqt~ta, se os monarqutcos sà? tão. amigos da Pátria. e tào zelosos do 1nteres.se, da honra e do brto na-. cio na is como os republicanos? Carta aos klonárquicos l)ortugueses 9 Afinal chego à conclusão de que para o Diário Nacional, e para a República, uma vez que não é o amor da Pátria, nem o zelo do interesse, da honra e do brio nacionais que distinguem monárquicos de republicanos, o por que eles se diferenciam é o lugar à mesa. To _eat or not to eat tltttj is question.. E, então, podiam entender se. Ora como eu, ora comes tu! E todos abrasados no mesmo amor da ' Pátria, todos tocados pelo mesmo zelo do interesse, da nonra e do brio nacionais, repartiam as vitualhas, por períodos, por exemplo, quinquenais. Durante cinco anos, os monárqúicos do J)iârio Nacional atafulhavam-~e. e não havia aposta de corrida de cavalos a que não concorressem- e era a. Monarquia; nos cinco anos imediatos, os republicanos da República ingurgitavam se. E fixado esse 1#oulement: esse rotativismo cómodo, a Pátria iria de vento em popa a caminho das boas venturas.... Só. com chicote; senhores! Não ter eu menos vinte anos! Nao precisava de mais. E eu meteria estes monárquicos chinfrins aos varais, e sa-cudiria adequa- damente a Causa Monárquica, e libertaria o Rei do peso morto desta t::ausa pífia. Que um jornal que é órgão da Causa Monárquica concorde, aplauda, e apoie a doutrina absurda exposta pela República no texto que deixei,.lá para trás, reproduzido, é escândalo inédito na história da Causa Monárquica, Tentemos ensinar estes imbecís. A superioridade teórica da Monarquia sobre a República é irre~utável para qualquer inteligência convenientemente mobilada. Acetto que, em alguns Estados de formação convencional (por exemplo, a Suiça) ou sem tradições (oor exemplo, os Estados Unidos e QS Estados americanos), a República sirva os Povos. Isso não obsta a que perguntemos se estes não estariam em melhores condições sob a lv\onarquia. O Governo do Universo é uma Monarquia o Governo da Igreja é uma Monarquia vitalícia; o Governo da f~mília é uma fvlonarquia. A unidade de Governo, de direcção, de coma~ do é sem. pre, e em toda a parte, superior à pluralidade. ' Qlland,o todos mandam, é a Anarquia, o Cáos; quando alguns mandam, e a Desordem; quando poucos mandam é a Inércia quando um só manda, é a Vida. ' ' I~to ~ão admite discussão- para um monárquico. E o não-monárqmco tnvoca outras razões para a sua posição, mas não inva!ida estas. verdades naturais.. Acresce, e iss<? é essencialíssimo, que estamos em Portugal, e que só ~em face do 1_9teresse nacional deyemos colocar-nos.. fot a 1\\onarquü\ que ~ez Portugal; foi ela que criou a Nação;

6 ./11 fredo Pimenta IO Carta aos iv/qnârq teicos Portug z.eeses LI foi ela, -durante quase oito séculos, que a defend~eu, prestig_iou e impôs ao Mundo, nos campos de batalha e nos terrenos pertgosos da Diplomacia. _. Em 1910, era possível haver quem des~resse da M~na~quta, porque todos 05 monárq~icos pas_savam a vtda a desa:redttar-se uns aos outros, a desacreditar o Ret, a ptamdta.. Re~l, a Co~te. Ser. repu~ blicano -era, então, por força das circunstanctas, um tmperattvo de higiene moral... _.. o franquismo podaa ter stdo a salvação- mas veto demastada mente tarde. Quando chegou, o estado de c_oisas atingira ~al gr_au _de decomposição, que já só um milagre podta dar rumo. eftcaz a vtda política do país.. Depois, nem j oão franco nem os seus pares es~a 'vam á altura da crise- precisamente por fa~e doutrma mona~quica. A grande obra a rea~i~ar consis~ia e_m _depurar uma Monarquta que se envilec~ra, em reabthtar uma ~n~tttut\ã? qu~ se abastardara. E o franquismo limi.tou-se a uma obr~ admtntstrahva. O resulta~o viu-se: o amor da Patria, e o ~elo do mtere~~e, da honr~ e d? bno -nacionais dos republicanos esperaram a famtlta Real ~o 1 erre~ro _do Paço, no dia 1 de fevereiro, e, assassinando o Ret e o Pnn<:tpe Real, liquidaram a Monarquia-- que entrou em coma, para exptrar em 5 de Outubro de _.. - Os que, em 1910, descri~m da Mon_arquta e conftav~m na Republica, não eram só os republicanos: havta, entre eles, muitos e muttos monárquicos- e dos melhores...,... A República encarreg9u-se de esclarecer. as mteltgenctas: revelou-se inimiga da Pátria, e nada zelosa do mteresse, da honra e do brio nacionais... -Republicanos da velha guarda, _como Basílio T~l~s e Samp~to Bruno, afastaram-se. Republican?s amda m~ç?s, da ul~t!?a.geraçao, como António Sardinha e eu, su_btram o calvano da pemt~ncta. Qu~m herdou os pecados, os vícios e os dislates da Monarquta que, ca~ra em 1910, foi a-causa Monárquica- a quem, port~n.to, a Repubhca nem- sequer prestou o serviço de a eluctdar e corrtgtr..., É por isso que à vemos concordar com a doutnna da Republica I, f"l 1. Par'a um monárquico português que s~ib~ _o qu~ e, 1 oso tca~ mente, a Monarquia, e conheça a sua vida htstortca, ~o não_é co_ntra a Pátria, e só é zelosa do int~ress:, da honra e do ~no nacaona1s - a Monarquia. Tudo o que não. for a Monarquta e, ef!l Po~tug~J,. contrá a Pátria, desleixado do intere5se, da hon:a e d~ brt? nactonats; O Monárquico que assim não pense não e. monarqutc.o. Não ha nenhum, republicano consciente da súa doutn~a,. com fe nos seus princípios que subscreva o P}llavreado da Republzca.. Se o su~sc~e. ver, mente ou não é republicano. Porque Mcn~rquta ~ Repub.hca são conceitos antitéticos; partem de bases opostas. e asptram a ftna~... lidades contrárias- embora seja comum a expressão verbal que as exprime. Ora vejam : Para a Monarquia, o poder vem de Deus, é de origem sagrada; para a República, o poder vem da massa anónima dos homens, é de origem aritmética. Na Monarquia, governa um, _ na plenitude da sua responsabilidade perante Deus e perante a História ; na República, governam todos, porque na essencia das coisas, de todos dependem os poucos que, por comodidade, aparentemente governam. A Monarquia é estruturalmente unitária e, por definição, nacional; a República é dispersiva, pluralista, e, por definição, internacional. A Monarquia tem o culto de Deus, e a Monarquia portugues-a é ab origine, católica, inteiramente, indefectivelmente católica; a República tem o culto da Multidão, e a República portuguesa, mesmo a melhor, é indiferente, não reconhece privilégios a Deus. - A Monarquia tende cada vez. mais á personalizaçao, considerando o Povo que rege, como prolongação da família que constitui; a República tende à confusão no grande Rebanho humano. Para a Monarquia, não ha nada acima dela e da Pátria _ com que se identificou de nascença ; para a República, tnuito acima do Povo que ela representa, está o grande Todo humano de que esse Povo é apenas um fragmento. Para a Monarquia, a independência da Pátria não tem limites; a República está sempre tentada a sacrificar essa independência à conveniência do Rebanho humano. O Rei é, além de Rei, o Chefe duma Casa, de uma Dinastia, é o elo vivo e activo que liga o Passado ao futuro; o Chefe da República representa-se a ele só, é o presente, o minuto que passa. Na Monarquia, a Família Real é uma instituição, e, normalmente, modelo e exemplo de todas as famílias. Que o digam os ingleses! Na República, a família presidencial é uma incongruência. Para a ~\anarquia, os cidadãos são pessoas que ela conhece, acarinha, protege, defende, consola., premeia ou castiga, paternalmente, famili.armente; para a República, os cidadãos são números inscritos nos cadernos eleitorais que ela só conhece pelo somatório que eles oferecem. Sendo tão contrárias a Monarquia e a República. uma delas é o Bem político; outra é o Mal político: uma _delas é 'a favor da Pátria, outra é contra a Pátria ; uma delas zela o interesse, a honra e o brio nacionais; a outra despreza o interesse, a honra e o brio nacionais. O que pensam os republicanos não me interessa; mas interessa-~e, como monárquico que serve o Rei, o que pensam os monárqutcos, e, concretamente, o que pensa o orgão oficioso da Causa Monárquica. Da-r-se-ia o caso de os-monárquicos do Diário N acio '--:--~-~-~

7 12 Alfredo Pimenta Carta aos il!lonárquicos Portugueses I} na/ terem da Monarquia um conceito oposto ao que deixei formulado? Não é, para ess~s, a: N\onarquia, tal como a defini, comparati vamente com a República?! Então os meus amigos A. B. C. D. etc., porque republicanos, são contra a Pátria e o interesse, a honra e o brio nacionais? Evidentemente que são. Inconscientemente, de boa fé, por ilusão do seu espírito, por preguiça mental- - como quiserem. Mas são. Tanto como eu o sou para eles, al~uns dos quais andaram de carabina na mão em 14 de Maio e em Monsantó, em Chaves ou em Vila Real, e me atirariam, como a lobo, se me encontrassem a arengar na praça pública a favor da Monarquia. Tanto como. é inimigo da minha vida, o médico que, de boa fé, por-er{o honesto de dia gnóstico, me sangra ou me opera~ me injecta vitaminas ou me sujeita a tratamentos hídricos, quando 2. minha vida requeria o contrário de tudo isso. Tanto como Q Prote~tante ou o Judeu, 'ou o Maometano, ou o Budista, ou o Pagão, ou o Livre-pensador são inimigos da Verdade diviha, da única fé verdadeira, do único Deus verdadeiro. Consequentemente, eu, monárquico, reclamo o direito de poder livremente doutrinar monàrquicamente a Opinião, lutar pela Monarquia, empregar todos os esforços para a restabelecer em Portugal, mas nego firmemente, desassombradamente, sem subterfúgios, aos não-monárquicos, o direito de doutrinar a Opinião não-monàrquicamente- seja para a R.epública, para o Socialismo ou para o Comunismo. Porque eu, monárquico, bato-me pela Pátria e pelo zelo do interesse, da honra e do brio nacionais; os nàv-monárquicos batem-se contra a Pátria, e pelo aban4o.no. do interesse, da honra e do brio nacionais., ~ ;t Pátria ao alto; a Pátria ac~nta de tudo -são expressões inconcebíveis ou patacoadas irrisórias, na boca de um monárquico. Para um monárqutco português, a Pátria e a l'v\onarquia estão tão identificadas que são conceitos equivalentes- porque foi precisamente a Monarquia que criou o sentimento da Pátria, que forjou a Pátria. Quando o Povo português aceitou a República que a Carbonária implantou, desviou-se daquele sentimento da Pátria, e renegou a Pátria. Ora o filho que renega os Pais é réu de indignidade. Consequentemente ainda, eu, monárquico, reclamo imperiosamente o direito de o ser, na Reoú.blica, e nego aos não-monárquicos o direito de se afirmarem ta. is. Mas uma vez regressado o Povo português às suas instituições tradicionais e normais; reatado o fio da nossa vida histórica; reconduzida a Nação à sua forma natural e multi-secular, não há lugar a designações partidárias, e os portugueses serão apenas... portugueses. Eu, monárquico, não me chamarei mais monárquico; mas, também, serão constitucionalmente ilegais as designações dos nãomonárquicos, porque, findo o regime de guerra civil permanente, só uma qualidade é reconhecida e garantida-a de português. Restabe lecer-se á, assim, o único totalitarismo legítimo: o da portugalidade. As ideias não se extinguem, é certo. Nem as ideias nem os sentimentos. tv\as assim como o Código Penal não permite associações de malfeitores, tambem a Monarquia que se instaurar não permitirá partidos, políticos. A Monarquia é a unidade, a concórdia à" volta da Pátria. E, portanto, a Monarquia dos portugueses, dos trabalhadores portugueses, porque todos os cidadãos ~ão trabalhadores, desde os 1\\inistros que governam, aos 1\1édicos que curam, aos Magistrados que julgam, aos Professores que ensinam, aos Artistas que criam beleza, aos Soldados que defendem a integridade da Pátria, aos Sacerdotes que guiam as almas, até os homens das oficinas e dos campos. A lv\onarquia não é caldo de cultura de antagonismos, mas cadinho, onde se fundem t~dos os esforços de engrandecimento pátrio. E assim que a conctbo, é assim que a Doutrina ou a filosofia monárquicas a concebem. Não é esta a 1\\onarquia do Diário J.Vacional e da Ca~sa N\o- nárquica que ele representa? Mas ninguem me convencerá de que não é esta a i\'lonarquia do Rei. Casa da 31/adre de Deus 29- julho-i947 -~-~ ~-

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

OS IRMÃOS DA COPA. HONDURAS Wilson, Jhony e Jerry Palacios. COSTA DO MARFIM Yaya e Kolo Touré. PARAGUAI Edgard e Diego Barreto

OS IRMÃOS DA COPA. HONDURAS Wilson, Jhony e Jerry Palacios. COSTA DO MARFIM Yaya e Kolo Touré. PARAGUAI Edgard e Diego Barreto OS IRMÃOS DA COPA HONDURAS Wilson, Jhony e Jerry Palacios COSTA DO MARFIM Yaya e Kolo Touré PARAGUAI Edgard e Diego Barreto ALEMANHA e GANA Jerome e Kevin Prince Boateng OS FILHOS DO TROVÃO TIAGO E JOÃO

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Os Anjos da Guarda. Palestrante: Miguel Labolida. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Os Anjos da Guarda. Palestrante: Miguel Labolida. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Os Anjos da Guarda Palestrante: Miguel Labolida Rio de Janeiro 15/10/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "jaja" (nick: Moderador

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS Pr. Cristiano Nickel Junior O propósito é que a Igreja seja um exército com bandeiras Martyn Lloyd-Jones No princípio era aquele

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Este cordel pode ser distribuído e modificado, desde que você respeite a licença Creative Commons Atribuição Compartilhamento pela Mesma Licença. Ou seja, você

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

Apocalipse. Contexto:

Apocalipse. Contexto: Apocalipse Contexto: Última década do Século I Imperador Domiciano Culto ao Imperador Perseguição imperial Igreja de mártires João é o último apóstolo vivo João, o último apóstolo vivo, exilado na ilha

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia

O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia pelo Padre Gabriele Amorth Portanto, com a Consagração de 1984 não se realizou uma adequada Consagração da Rússia. E eu estava

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Israel por um período de seis anos (Jz 2:7 ). Jefté viveu em Gileade e foi

Leia mais

Jo 15.2 = Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto.

Jo 15.2 = Toda vara em mim que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto. A Responsabilidade dos Filhos de Deus Texto Base: 1º João 2.6 = Aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou. Introdução: O nosso dever é andar como Ele (Jesus) andou.. Todos que O aceitam

Leia mais

Declaração Política. (Em defesa da Liberdade e da Democracia)

Declaração Política. (Em defesa da Liberdade e da Democracia) Declaração Política (Em defesa da Liberdade e da Democracia) O maior dos Presidentes americanos, Abraham Lincoln, definiu, uma vez, a democracia e a liberdade como o governo do povo, pelo povo e para o

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS Desânimo total Acho que minhas forças estão indo abaixo, ando meio desmotivado!!!! Não quero desanimar, mas os fatores externos estão superando minha motivação... cobrança

Leia mais

Os trabalhadores da vinha

Os trabalhadores da vinha Os trabalhadores da vinha Roteiro 2 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III - Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo III Ensinos por Parábolas Objetivo Explicar,

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

Acostumando-se com os Milagres

Acostumando-se com os Milagres Acostumando-se com os Milagres Ap. Ozenir Correia 1. VOCÊ NÃO PERCEBE O TAMANHO DO MILAGRE. Enxame de moscas Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que habita o meu povo, para que nela não haja enxames

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR 1 VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR Fp 1 3 Agradeço a meu Deus toda vez que me lembro de vocês. 4 Em todas as minhas orações em favor de vocês, sempre oro com alegria 5 por causa da cooperação

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida.

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida. Discurso tomada de posse do Major-General Fernando Serafino como Comandante da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos a 30 de Maio de 2011. Oficiais, Sargentos, Praças e Funcionários Civis da Brigada de

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO)

UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO) Frutos-3 Impact0 LIÇÃO 1 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO) 9-11 Anos CONCEITO CHAVE O primeiro passo para se ganhar a batalha é escolher

Leia mais

Décima Primeira Lição

Décima Primeira Lição 70 Décima Primeira Lição AUTORIDADE NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR A) O lar tem suma importância na vida humana, pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 38 Solenidade de Regulamentação do

Leia mais

Grandes coisas fez o Senhor!

Grandes coisas fez o Senhor! Grandes coisas fez o Senhor! Sl 126:3 "Grandes coisas fez o Senhor por nós, e, por isso, estamos alegres." Este Salmo é um cântico cheio de alegria que se refere ao retorno do povo judeu do cativeiro babilônico,

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

DIREITOS HUMANOS UMA LACUNA NO TRATADO DE AMIZADE LUSO-BRASILEIRO?

DIREITOS HUMANOS UMA LACUNA NO TRATADO DE AMIZADE LUSO-BRASILEIRO? DIREITOS HUMANOS UMA LACUNA NO TRATADO DE AMIZADE LUSO-BRASILEIRO? Recebi o convite, que muito me honra, para participar deste Colóquio; e fiquei convencido, certamente por lapso meu, que me era pedido

Leia mais

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL

Bernardino Duarte e Associados SOCIEDADE DE ADVOGADOS, RL Exmos Senhores Juizes do Tribunal Administrativo e Fiscal de Proc. Nº 747/13.1BELLE LOULÉ Associação dos Investidores do Hotel Apartamento Neptuno, pessoa colectiva nº 507788648, com sede no Centro de

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça

Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Serviço de Rádio Escuta da Prefeitura de Porto Alegre Emissora: Rádio Guaíba Assunto: Entrevista com a primeira dama de Porto Alegre Isabela Fogaça Data: 07/03/2007 14:50 Programa: Guaíba Revista Apresentação:

Leia mais

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE "EMANUEL"

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE EMANUEL Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7.14 Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

O QUE E A IGREJA ESQUECEU

O QUE E A IGREJA ESQUECEU 51. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52. E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano para lhe

Leia mais

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão 1 Reis 15:9-15 No ano vinte do reinado de Jeroboão em Israel, Asa se tornou rei de Judá 10 e governou quarenta e um anos em Jerusalém. A sua avó foi Maacá, filha

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!

No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! SÉRIE: QUEM É JESUS? Jesus é o Cordeiro de Deus Data: / 09 / 2010 - Semana 4. No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! 1 / 7 1)

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca MO DE JANEIRO, 7 DE ABRIL DE 1958.

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo

Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo Separação entre Estado e Igreja (20 de Abril de 1911) Cota CMPV/0015 Diários do Governo NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais