Carta aos Mo_nárqtticos Portugueses llfredo ---- Phnenta ---,, _,_,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta aos Mo_nárqtticos Portugueses 5. ...-llfredo ---- Phnenta ---,, _,_,"

Transcrição

1

2 CARTA ; ÁOS ' c. OMO ~rntodos 'osp ri-vos, ta~bém em Portugal há mo_ná ;quicos ~,. _ : seni doj.tt~_in~, 9~e -yúlgarmen.te se designam ~el~ ri.dqí_~ ' de t~a i i. lassas, :e l!lonarqutcos doutrtnados. ;....,,..,. _... O meu~ niajogrado amigo Çalaínho de Aze-vedo era 'implácavel J_:.-~ Nas noss as :reuniões da Acção Realista, quando-conversávamos sobre.-~ _ ;>q. que.: hayia a fazer para salvar a Causa Monárquica da catástrofe~ :~-~- - ele. tinha uma~ palávrct,:;, uma palavra só, cjue cortava. o espaçà.. cómâ ~ \ UIJI a espada: «dout~ina! >l i' :, - -, -:,)::,,: fofa f~lta de. doutrina qúe enfregqu a Monarquia aos caprielios'., dá República, e a. vitimou ~ foi a falta de qoutrina que afrastou à f~ ~--,. ;. lência da. República de 1910; e as difiéuldades em que, se, debate o.,., Estado Novo devem-se única e exclusivamente à fa.lta de. doutdna< :. - que cara~teriza a quase tot~lidade dos seus elementos m arcantes : -.. t>. :.. Dir-se;.ia!éfue se teima erri realizar o impóssível':jazer _obra ri ova.:~\ com }11aterial velho~.....>... " : E indiscutivel que o Presidente çlo Conselho' possui uma doü;.. trina. Dezenas de vezes a tem formulado; muitas vez~s a tem feito ~"'., ptoj~ctar-se em disposições con~tituci9nàis. Mas: é indiscutjvel tam~i._; -~._. bém, que., na quase totalidade dos casos;. o material de qu~- dispõe.<:~,c' para realizàr~ em tactos, essa doutrina,- éjrremediàvelm~ílte v.elhó, e-.- inadaptável à doútrina 'do. Presidente dó. Çon~elho~ ' '. Se a_. Moriarquia.caiu, por falta d~. doutrinàf em 1910; a Causa ".. Monárquica chegau a o estado roiserável em que a vem.os, porque -... nunca 1 perç~beu que a única maneira de se salvar e de se garantir..uma posiçã?. fqrte na vida política port!jg_uesa consis_tia em, seguir/. uma doutrina~... :..,-....,.. -. :~". O Il}tegralisf!10 Lusitano e ' a Acção Re;ãlista Portuguesa'tentafam, ',, com abnegação, inteligência e persistência, dotá-la da doutrina indis- : pensável. "...,... _. -:"" :. Mas_. os bonzos, os politiqueiros, os charlatães-inimigos natos,. da -lnteligên'cia;..: venceram, e, na sua vitória sàcr'ílega j condenaram à :_ ~./.. -:<:.:!

3 . ' -_ -~:... ~1~- -:';, / ~ - :- -~._;:~.. ~ ~~ llfredo ---- Phnenta ---,, _,_,. morte a Causa Monárquica,. tornaram iryúteis todos os sacrifícios de vidas e de fortunas, de sossego e vent~ras:. A Monarquia caiu em 191 O- h_a. trtnta e s_et~ anos, uma Ivlonàrquia de perto de oito séculos de vtda s~cumbt_u as, m~os da Carbonária de Lisboa. Porquê? Perdera a f~ em st propn~, - - nos seus destinos históricos, no poder das suas vartudes essenctats, numa palavra abastardara-se. ~ o 've 11 eno que a consumia insti~ara-lho a Re~oluç~o, em lnstit~iç~o natural, tradicional, coeva da ~ac_to_nahd.ad.e, a Monarquia nunca precisara de formular os_ se~ts prtn~lp~os vttats. Qua~: do a Revoluçào surge, arvorando doutnn~ propna, a Monarq~ta acordou da sua inércia. A Revolução ~ra a Lth,en.la~e ~u_a Anarq_uta; a Monarquia era a Autoridade e a Ordem. E mats factl conqutstar um milhão de homens para a Anarquia, do que convencer um só, dos benefícios da Ordem, porque é mais fácil soltar os instintos,_ do que dominá-los. Quando, depois d~, 1~20, apareceram?s do~trtnadores monárquicos- a Revolução ]a ftzera as suas mats pertgosas investidas. E esses mesmos que tinham os seus alicerces fundamentais no Trono e no Altar, puderam observar que o Trono se entregava, e o Altar se desleixava..,. O 5 de Outubro foi a foz de um grande no que vartos afluentes alimentaram livremente.,. Caiu a Monarquia, mas ficou a Causa Monárquica, constituída não por monárquico_s doutrinados, mas, de um modo ~eral, por monárquicos... substituidos, feitos cabecilhas de alguns mtlhares de iijgénuos e sentimentais, mas carecentes, uns. e outros, de qualquer sombra de doutrina. Não eram monárquicos: eram regeneradores, eratn progressistas, eram dissidentes, er~m franquistas.._.. O Integralismo Lusitano, primeiro, a Acção Real,tsta,. depots, quiseram dar alma, direct~~z, finalidad~ à Cau~a ~1onarqUt~a. ~~o ponho em dúvida a boa fe do Integralismo Lust.tano dos pnmet_ros tempos. Mas o que. é certo é aquele que ainda hoje, em certos rne.tos, é tido por Condutor supremo do Integralismo~ a certa altur~, _detxava-se seduzir pelo social, envolvia tio mesmo epíteto sarcasttco de «cadáveres,, a Monarquia e a República, e renegava a sua acção de alguns anos..... Quanto à Acção Realista, essa ficou, honra lhe seja!, ftel a st própria, na pessoa, de meia dúzia dos set_ls dirigentes e fu~dadores responsáveis. A posição desta meia d~zia 1 de Aho~nens é!.hoje, a qt~e era, há vinte e um anos, quando as ctrcunstanc1as pohhcas do pats a obrigaram a dar por terminada a sua missão. Acabou.a acção rea~ lista mas ainda vive esse grupo de homens: Alfredo Ptmenta; Caetano Beirão; Ernesto Gonçalves; Fernando Campos; Jo_ào Ameai~ A. Ramires dos Reis, Santos Silva. Não se quebrantou atnda a soltdariedéide que o~ ligou naquele dia~ célebre na vida de cada um de ( I \ j li Carta aos Mo_nárqtticos Portugueses 5 nós, em que eu rompi com o Correio da Manhã, orgão oficioso da mesma Causa, solidariedade que nobilissimamente me foi dada, sem que houvesse da minha parte a mais ligeira sugestão. O Integralismo Lusitano, não conseguiu o que queria -e ab~ndonou o Rei, pratiéando o erro ridículo e inconcebivél de o destitúir. A Acção Realista esteve a triunfar por um fio- porque alcançou a adesão do Rei aos princípios, à doutrina que defendia, adesão claramente expressa em Documento enviado ao Lugar-Tenente, para ser publicado, comentado e propagado. Os bonzos revoltaram-se: o Lugar-Tenente acobardou-se; e o Rei falhou- e a Mensagem foi surripiada!. Onde parará o texto integral desse notável Documento- o mais notável de quantos o Senhor D. Manuel escreveu? Quem o deterá, furtando-o aos juizos da História? Não tendo a Acção Realista triunfado, em serviço exclusivo de Deus, da Pátria e do Rei, a Causa Monárquica afundou-se em inépcia e opróbrio. E foi o 28 de Maio. Eu avisei o Lugar-Tenente: uainda é tempo de se salvar isto; publique a Mensagem I Mas o Lugar-Tenente não -estava para se ralar, meteu-se em copas, e o 28 de Maio rumou em se ntido contrário. E vinte e um anos são passados, muito bem aproveitados, porque à frente da Nação se tem ; m~ntido o homem de Estado insigne que é o Presidente do Conselho - mas qnase inteiramente estéreis, se virmos as coisas do plano do futuro. Porque o futuro só a Monarquia o garante, e não o regresso ao atoleiro donde o 28 de. Maio safou o País. E a quem cabe primacialmente a responsabilidade da esterilidade política destes vinte e um anos? A' Causa Monárquica! Encontra-se, hoje, no estado de imbecilidade que a caracteri zava há vinte ~ um anos, há trinta e sete anos! Como então, não tem doutrina; _como então, não tem unidade de pensamento; como então, não sabe o que quer; como então, é uma salada russa, em que há de tudo, desde os miguelistas puros, até os constitucionais à D. Manuel, à D. Carlos, à D. Luís, à D. Pedr'o V, etc. Estão lá os integralistas que destronara:n o Senhor D. Manuel, por este não declarar a doutrina da Causa Monárquica, mas agora cúmplices de situação perfeitamente igual, acamaradam cjm os que sempre se opuseram a. que tal doutrina fosse formulada; estão lá os constitucionais, estão lá os aventureiros, politiqueiros, pelotiqueiros e charlatães. Só há uma pessoa que lá não está, nem pode estarpor ser germanófilo e escritor perigoso: sou eu. Esta Causa Monárquica, maiones~ política, cacharolete político, mixórdia política que ninguém toma a sério, que vitimou um Rei, o Senhor D. lv\anuel, e está a desprestigiar, a desacreditar, a inútilizar

4 I...,.J. 6 Alfredo Pimenta outro, o Senhor O. Duarte, esta Causa Monárquica tem orgão' na Imprensa, tem jornal que a representa. E' claro: tal Causa, tal jornal. Como jornal, é dos mais chalados que há p~r.aí. A~ cró_nicas de João Valério e as gazetilhas de O. fuas são a umca cot~a que se aproveita; mas é evidente que não chegam para categonzar uma folha. O luxo dos correspondentes no estrangeiro é motivo de mofa, porque todos vêem_ que não passa de truc idiota da redacção. Como porta-voz da Causa lvtonárquica, é simplesmente ignóbil. porque compromete todos os dias a Causa do Rei. Nas vésperas de eu sair de Lisboa, transcrevia este trecho do jornal República: Í «E não são contra a Pátria, não são menos zelosos do interesse, da honra e do brio nacionais os republicanos, batendo-se pela República, ou os morzdrquicos, lutando pela Monarquia». A doutrina que estas palavras encerram é uma pura habilidade~ perante a realidade dos factos, e, para quem for monárquico, um sofisma que não resiste a dois segundos de atenção. Pois o Diário Nacional, orgão oficioso da Causa Monárquica. a comentar aquele absurdo, escreve todo lampeiro: «A doutrina estâ certa. Apraz-nos, pois, registar que a c.república» reconheça, püblícamente, o direito que assiste dos mondrquicos, zelosos do interesse, da honra e brio nacionais, de lutarem pela Monarquia- afinal o mesmo direito de que os republicanos sempre goza~ a11t no regime monárquico, e q ue a monárquicos e até nzesmo a republicanos só foi coartado durante a vigência do regime republicano». Neste palavreado gramaticalmente inepto que põe os republicanos a gozar. no regime monárquico, o direito de lutar pela I I Monarquia- neste período, há duas p~rt'es: a tese e a satisfação pela hipocrisia da República. A doutrina formulada pela República é esta: tão a favor da Pátria, tão. zelosos do interesse, da honra e do brio nacionais, são os republicanos, quando se batem pela República, como os monárquicos~ qua ndo se })atem pela Monarquia. Esta doutrina defende-a, hoje, a República,-hoje, que não. está Carta aos Llfonárquicos Portugueses 7 a ~ozar as delícias republicanas do poder republicano. Se-os seus am1gos, correlig~onários ou afins estivessem na posse dos selos do Eshdo, eu quena ver. onde parava o direito de os monárquicos lut~rem f?ela.mon:trquta, por «zelosos do interesse, da honra e do brto nact,onats,, I!J~ep.endentemente disso, tal doutrina é absurda, por traduzir a legtttmtdade da guerra civil. E a lócrica manda que se alargue a doutrina, dizendo assim : o ce' tzlio são contra a Pritria, nlio são mcítos zelosos do interesse, da honra e do brio nacionais, os republica~ nos, batendo-se pela República, ou os monárquicos lutando pela J fonarqteia, ou os Socialistas lutando pela Re l'oluçtio colectivista, ou os Comunistas batendo-se pelo Comunismo». E o Diário 1.Vacio~al, or~ão da Causa Monárquica; comentará àlvarmente: « doutrzna esta certa,, Pode estar certa, para jogadores de corridas de cavalos ou fre- 9uentado~es. de cabarets nocturnos; pode estar certa para: anónimos trresponsavets a quem se confiam missões difíceis como a de orien~ tar e esclarecer a opinião política de uma parte d~ sociedade portuguesa; pode mesmo estar certa para o meu ex-amigo Manso-Preto Cruz que tendo hibernado dezenas de anos me surge nesta altur t da vida, filósofo político, sinaleiro das vári~s correntes que se en trecruzam na estrada da acção política, e faz a descoberta piramidal de que «a Revo~ução_ fr'!ncesa não foi jâta contra a /11/onarquia nem.cm-lira o Rez: foz fezta contra os senhores feudais_ que quertam ser um Estado dentro do outro Estado )! Assim mesmo... Pa~a um monárqu_i~o! porém, para um monárquico que tenha luzes, am.da que superftctats, mas, essas, firmes, do que é doutrina monárqut,ca, o palavread??a. República não tem pés nem cabeça: nem teortca!lle~te, nem htstortcamente- e muito menos em Portugal. Em pnmet~o lugar: o porbdor duma Ideia que reconhe~a ao J?~rtador de Ideta contrária o mesmo direito que reclama para si ou e msensato, ou comediante. '.. Insensato, po~q~e não sabe, sequer, o que está a dizer '; comedtante, porque esta a fazer pouco dos outros. Não, h~ duas verdade,s contrárias- a não ser para o céptico;. mas o. cepttco,. porq~e? e, não é portador de nenhuma verdade ~ porque o -céphco autenttco duvida abstem-se.,t~nho ensin_a~o por mais dunia vez que 'todas ás Ideias são to tahtan~s! excl,ustvt.stas. O princípio liberal de que todas as opiniões são legthmas e uma camuflagem reles. que só convence os tolos.

5 8 Alfredo Pimenta Se o monárquico e o republicano são iguatm~nte a~antes.da Pátria; e igualmente z~losos do interesse, da ~onra e do brto naclonais- batendo-se; o primeiro, pela Monarquta, o segundo pela República, é que a diferença ent~e a Repúb~ica e a Mona~çtuia é nula, e não se compreende que haja monarqutcos e republtcanos, a bater-se por instituiç?es similares..... A esta matérta não se pode apltcar o precetto de que todos os caminhos vão ter à.. Roma. Aqui, trata-se dum conceito.geográfico material. No caso' da lv\onarquia ou da Republica trata-se dum conceito ideológico em 'que se esbarram o não e o sim.. Não nego a boa fé, o desinteresse, a sinceridade que haja 1_10 republicano-e ~o mon~rquico, como nin~uém nega que, P.ossam extstir no ateu, no anarqutsta, ou no comumsta. ~~ão e 1sso qu_e se discute. 0 que Se discut~ é Se é tão legítimo O Stm COrnO O 1UW, O Bem como o M~l.. Esta legititnidade ainda- se compre~ndia no pensaf!l~nt? de um juiz que alheió a determinado Povo, tivesse que prestdtr a formação' do Estado, nes~e ~ovo. Havia nest.e,. partidári~s. da f.-1onarqu!a e partidários _da Repubhca. Para aquele JUIZ, tão legthma era a.asptração dos primeiros como dos ~egundos. 1\t\as qual a M_on.arquta estabelecida e consda da sua mtssã:o que reconheça o dtreato de a República a destruir? Qual a República estabelecida, e cônscia do seu papel, que reconheça à Monarquia o direito de a su?stit~ir. Para o Diá1'"io 1.Vacional, órgão da Causa Monarqutca, tão se_rvidores da Pátria e tão zelosos são do interesse, da honra e do bno nacionais os m~nárquicos como Os republicanos. Logo, tem de se reconhec~r aos. republicanos o direito de destruir a Monarquia, ou por meio de papelinhos nas ruas, ou por meio da Revolução armada. Para a República, que formula a doutrina, tem de se reconhecer aos monárquicos o mesmo direito. E para os dois i.rinâos siameses, i~ to é, para a f!ep_ública e par_a o Diário J.Vacional, nem a J\.\onarquta nem a Republtca pod:m dt: rectamente Opor-se às pretensões respectivamen.te dos republtc~nos e dos monárquicos....; porque uns e o~tros são tgualmente servtd? res da Pátria, e igualmente zelosos do tnteresse, da honra e do bno. nacionais. -~..,. Efectivam er1te que pode alegar a Monarquia. contra os prop?st-,tos. dos republiéa~os de p~oc_lamar a República, _se eles, republtca. canos, são. tão anngos da Patrta, e tão zelosos do mteresse, da honr,t e do brio nadorlâis como a Nlonarquia?. E que. pode'<alegar a Repúblm~, contra os pr?pós.ttos dos mo... nárquicos de instaurar a lv\onarqt~ta, se os monarqutcos sà? tão. amigos da Pátria. e tào zelosos do 1nteres.se, da honra e do brto na-. cio na is como os republicanos? Carta aos klonárquicos l)ortugueses 9 Afinal chego à conclusão de que para o Diário Nacional, e para a República, uma vez que não é o amor da Pátria, nem o zelo do interesse, da honra e do brio nacionais que distinguem monárquicos de republicanos, o por que eles se diferenciam é o lugar à mesa. To _eat or not to eat tltttj is question.. E, então, podiam entender se. Ora como eu, ora comes tu! E todos abrasados no mesmo amor da ' Pátria, todos tocados pelo mesmo zelo do interesse, da nonra e do brio nacionais, repartiam as vitualhas, por períodos, por exemplo, quinquenais. Durante cinco anos, os monárqúicos do J)iârio Nacional atafulhavam-~e. e não havia aposta de corrida de cavalos a que não concorressem- e era a. Monarquia; nos cinco anos imediatos, os republicanos da República ingurgitavam se. E fixado esse 1#oulement: esse rotativismo cómodo, a Pátria iria de vento em popa a caminho das boas venturas.... Só. com chicote; senhores! Não ter eu menos vinte anos! Nao precisava de mais. E eu meteria estes monárquicos chinfrins aos varais, e sa-cudiria adequa- damente a Causa Monárquica, e libertaria o Rei do peso morto desta t::ausa pífia. Que um jornal que é órgão da Causa Monárquica concorde, aplauda, e apoie a doutrina absurda exposta pela República no texto que deixei,.lá para trás, reproduzido, é escândalo inédito na história da Causa Monárquica, Tentemos ensinar estes imbecís. A superioridade teórica da Monarquia sobre a República é irre~utável para qualquer inteligência convenientemente mobilada. Acetto que, em alguns Estados de formação convencional (por exemplo, a Suiça) ou sem tradições (oor exemplo, os Estados Unidos e QS Estados americanos), a República sirva os Povos. Isso não obsta a que perguntemos se estes não estariam em melhores condições sob a lv\onarquia. O Governo do Universo é uma Monarquia o Governo da Igreja é uma Monarquia vitalícia; o Governo da f~mília é uma fvlonarquia. A unidade de Governo, de direcção, de coma~ do é sem. pre, e em toda a parte, superior à pluralidade. ' Qlland,o todos mandam, é a Anarquia, o Cáos; quando alguns mandam, e a Desordem; quando poucos mandam é a Inércia quando um só manda, é a Vida. ' ' I~to ~ão admite discussão- para um monárquico. E o não-monárqmco tnvoca outras razões para a sua posição, mas não inva!ida estas. verdades naturais.. Acresce, e iss<? é essencialíssimo, que estamos em Portugal, e que só ~em face do 1_9teresse nacional deyemos colocar-nos.. fot a 1\\onarquü\ que ~ez Portugal; foi ela que criou a Nação;

6 ./11 fredo Pimenta IO Carta aos iv/qnârq teicos Portug z.eeses LI foi ela, -durante quase oito séculos, que a defend~eu, prestig_iou e impôs ao Mundo, nos campos de batalha e nos terrenos pertgosos da Diplomacia. _. Em 1910, era possível haver quem des~resse da M~na~quta, porque todos 05 monárq~icos pas_savam a vtda a desa:redttar-se uns aos outros, a desacreditar o Ret, a ptamdta.. Re~l, a Co~te. Ser. repu~ blicano -era, então, por força das circunstanctas, um tmperattvo de higiene moral... _.. o franquismo podaa ter stdo a salvação- mas veto demastada mente tarde. Quando chegou, o estado de c_oisas atingira ~al gr_au _de decomposição, que já só um milagre podta dar rumo. eftcaz a vtda política do país.. Depois, nem j oão franco nem os seus pares es~a 'vam á altura da crise- precisamente por fa~e doutrma mona~quica. A grande obra a rea~i~ar consis~ia e_m _depurar uma Monarquta que se envilec~ra, em reabthtar uma ~n~tttut\ã? qu~ se abastardara. E o franquismo limi.tou-se a uma obr~ admtntstrahva. O resulta~o viu-se: o amor da Patria, e o ~elo do mtere~~e, da honr~ e d? bno -nacionais dos republicanos esperaram a famtlta Real ~o 1 erre~ro _do Paço, no dia 1 de fevereiro, e, assassinando o Ret e o Pnn<:tpe Real, liquidaram a Monarquia-- que entrou em coma, para exptrar em 5 de Outubro de _.. - Os que, em 1910, descri~m da Mon_arquta e conftav~m na Republica, não eram só os republicanos: havta, entre eles, muitos e muttos monárquicos- e dos melhores...,... A República encarreg9u-se de esclarecer. as mteltgenctas: revelou-se inimiga da Pátria, e nada zelosa do mteresse, da honra e do brio nacionais... -Republicanos da velha guarda, _como Basílio T~l~s e Samp~to Bruno, afastaram-se. Republican?s amda m~ç?s, da ul~t!?a.geraçao, como António Sardinha e eu, su_btram o calvano da pemt~ncta. Qu~m herdou os pecados, os vícios e os dislates da Monarquta que, ca~ra em 1910, foi a-causa Monárquica- a quem, port~n.to, a Repubhca nem- sequer prestou o serviço de a eluctdar e corrtgtr..., É por isso que à vemos concordar com a doutnna da Republica I, f"l 1. Par'a um monárquico português que s~ib~ _o qu~ e, 1 oso tca~ mente, a Monarquia, e conheça a sua vida htstortca, ~o não_é co_ntra a Pátria, e só é zelosa do int~ress:, da honra e do ~no nacaona1s - a Monarquia. Tudo o que não. for a Monarquta e, ef!l Po~tug~J,. contrá a Pátria, desleixado do intere5se, da hon:a e d~ brt? nactonats; O Monárquico que assim não pense não e. monarqutc.o. Não ha nenhum, republicano consciente da súa doutn~a,. com fe nos seus princípios que subscreva o P}llavreado da Republzca.. Se o su~sc~e. ver, mente ou não é republicano. Porque Mcn~rquta ~ Repub.hca são conceitos antitéticos; partem de bases opostas. e asptram a ftna~... lidades contrárias- embora seja comum a expressão verbal que as exprime. Ora vejam : Para a Monarquia, o poder vem de Deus, é de origem sagrada; para a República, o poder vem da massa anónima dos homens, é de origem aritmética. Na Monarquia, governa um, _ na plenitude da sua responsabilidade perante Deus e perante a História ; na República, governam todos, porque na essencia das coisas, de todos dependem os poucos que, por comodidade, aparentemente governam. A Monarquia é estruturalmente unitária e, por definição, nacional; a República é dispersiva, pluralista, e, por definição, internacional. A Monarquia tem o culto de Deus, e a Monarquia portugues-a é ab origine, católica, inteiramente, indefectivelmente católica; a República tem o culto da Multidão, e a República portuguesa, mesmo a melhor, é indiferente, não reconhece privilégios a Deus. - A Monarquia tende cada vez. mais á personalizaçao, considerando o Povo que rege, como prolongação da família que constitui; a República tende à confusão no grande Rebanho humano. Para a Monarquia, não ha nada acima dela e da Pátria _ com que se identificou de nascença ; para a República, tnuito acima do Povo que ela representa, está o grande Todo humano de que esse Povo é apenas um fragmento. Para a Monarquia, a independência da Pátria não tem limites; a República está sempre tentada a sacrificar essa independência à conveniência do Rebanho humano. O Rei é, além de Rei, o Chefe duma Casa, de uma Dinastia, é o elo vivo e activo que liga o Passado ao futuro; o Chefe da República representa-se a ele só, é o presente, o minuto que passa. Na Monarquia, a Família Real é uma instituição, e, normalmente, modelo e exemplo de todas as famílias. Que o digam os ingleses! Na República, a família presidencial é uma incongruência. Para a ~\anarquia, os cidadãos são pessoas que ela conhece, acarinha, protege, defende, consola., premeia ou castiga, paternalmente, famili.armente; para a República, os cidadãos são números inscritos nos cadernos eleitorais que ela só conhece pelo somatório que eles oferecem. Sendo tão contrárias a Monarquia e a República. uma delas é o Bem político; outra é o Mal político: uma _delas é 'a favor da Pátria, outra é contra a Pátria ; uma delas zela o interesse, a honra e o brio nacionais; a outra despreza o interesse, a honra e o brio nacionais. O que pensam os republicanos não me interessa; mas interessa-~e, como monárquico que serve o Rei, o que pensam os monárqutcos, e, concretamente, o que pensa o orgão oficioso da Causa Monárquica. Da-r-se-ia o caso de os-monárquicos do Diário N acio '--:--~-~-~

7 12 Alfredo Pimenta Carta aos il!lonárquicos Portugueses I} na/ terem da Monarquia um conceito oposto ao que deixei formulado? Não é, para ess~s, a: N\onarquia, tal como a defini, comparati vamente com a República?! Então os meus amigos A. B. C. D. etc., porque republicanos, são contra a Pátria e o interesse, a honra e o brio nacionais? Evidentemente que são. Inconscientemente, de boa fé, por ilusão do seu espírito, por preguiça mental- - como quiserem. Mas são. Tanto como eu o sou para eles, al~uns dos quais andaram de carabina na mão em 14 de Maio e em Monsantó, em Chaves ou em Vila Real, e me atirariam, como a lobo, se me encontrassem a arengar na praça pública a favor da Monarquia. Tanto como. é inimigo da minha vida, o médico que, de boa fé, por-er{o honesto de dia gnóstico, me sangra ou me opera~ me injecta vitaminas ou me sujeita a tratamentos hídricos, quando 2. minha vida requeria o contrário de tudo isso. Tanto como Q Prote~tante ou o Judeu, 'ou o Maometano, ou o Budista, ou o Pagão, ou o Livre-pensador são inimigos da Verdade diviha, da única fé verdadeira, do único Deus verdadeiro. Consequentemente, eu, monárquico, reclamo o direito de poder livremente doutrinar monàrquicamente a Opinião, lutar pela Monarquia, empregar todos os esforços para a restabelecer em Portugal, mas nego firmemente, desassombradamente, sem subterfúgios, aos não-monárquicos, o direito de doutrinar a Opinião não-monàrquicamente- seja para a R.epública, para o Socialismo ou para o Comunismo. Porque eu, monárquico, bato-me pela Pátria e pelo zelo do interesse, da honra e do brio nacionais; os nàv-monárquicos batem-se contra a Pátria, e pelo aban4o.no. do interesse, da honra e do brio nacionais., ~ ;t Pátria ao alto; a Pátria ac~nta de tudo -são expressões inconcebíveis ou patacoadas irrisórias, na boca de um monárquico. Para um monárqutco português, a Pátria e a l'v\onarquia estão tão identificadas que são conceitos equivalentes- porque foi precisamente a Monarquia que criou o sentimento da Pátria, que forjou a Pátria. Quando o Povo português aceitou a República que a Carbonária implantou, desviou-se daquele sentimento da Pátria, e renegou a Pátria. Ora o filho que renega os Pais é réu de indignidade. Consequentemente ainda, eu, monárquico, reclamo imperiosamente o direito de o ser, na Reoú.blica, e nego aos não-monárquicos o direito de se afirmarem ta. is. Mas uma vez regressado o Povo português às suas instituições tradicionais e normais; reatado o fio da nossa vida histórica; reconduzida a Nação à sua forma natural e multi-secular, não há lugar a designações partidárias, e os portugueses serão apenas... portugueses. Eu, monárquico, não me chamarei mais monárquico; mas, também, serão constitucionalmente ilegais as designações dos nãomonárquicos, porque, findo o regime de guerra civil permanente, só uma qualidade é reconhecida e garantida-a de português. Restabe lecer-se á, assim, o único totalitarismo legítimo: o da portugalidade. As ideias não se extinguem, é certo. Nem as ideias nem os sentimentos. tv\as assim como o Código Penal não permite associações de malfeitores, tambem a Monarquia que se instaurar não permitirá partidos, políticos. A Monarquia é a unidade, a concórdia à" volta da Pátria. E, portanto, a Monarquia dos portugueses, dos trabalhadores portugueses, porque todos os cidadãos ~ão trabalhadores, desde os 1\\inistros que governam, aos 1\1édicos que curam, aos Magistrados que julgam, aos Professores que ensinam, aos Artistas que criam beleza, aos Soldados que defendem a integridade da Pátria, aos Sacerdotes que guiam as almas, até os homens das oficinas e dos campos. A lv\onarquia não é caldo de cultura de antagonismos, mas cadinho, onde se fundem t~dos os esforços de engrandecimento pátrio. E assim que a conctbo, é assim que a Doutrina ou a filosofia monárquicas a concebem. Não é esta a 1\\onarquia do Diário J.Vacional e da Ca~sa N\o- nárquica que ele representa? Mas ninguem me convencerá de que não é esta a i\'lonarquia do Rei. Casa da 31/adre de Deus 29- julho-i947 -~-~ ~-

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão

A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão A Vida do Rei Asa - Bisneto de Salomão 1 Reis 15:9-15 No ano vinte do reinado de Jeroboão em Israel, Asa se tornou rei de Judá 10 e governou quarenta e um anos em Jerusalém. A sua avó foi Maacá, filha

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

HINÁRIO ZÉ MOTA. O Justiceirinho. Tema 2012: Flora Brasileira Flor Marcela (Achyrocline satureoides)

HINÁRIO ZÉ MOTA. O Justiceirinho. Tema 2012: Flora Brasileira Flor Marcela (Achyrocline satureoides) HINÁRIO ZÉ MOTA Tema 2012: Flora Brasileira Flor Marcela (Achyrocline satureoides) O Justiceirinho 1 www.hinarios.org 2 01 AGORA MESMO Padrinho Alfredo - Marcha Agora mesmo Estou dizendo e vou dizer Para

Leia mais

Autoridade Espiritual

Autoridade Espiritual Autoridade Espiritual Romanos 13:1-7 (Submissão à autoridade) 1 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; por que não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas

Leia mais

Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor)

Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor) Conferência pronunciada em maio de 1973 (extratos - texto sem revisão do autor) Prof. Plinio Corrêa de Oliveira Hoje em dia, quando se fala da escravidão de amor a Nossa Senhora, há uma estranheza muito

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca BRASÍLIA, 2 DE FEVEREIRO DE 1960.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia

O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia O Exorcista-Mor do Vaticano afirma que ainda não se fez a Consagração da Rússia pelo Padre Gabriele Amorth Portanto, com a Consagração de 1984 não se realizou uma adequada Consagração da Rússia. E eu estava

Leia mais

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial

O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial O Sr. ELIMAR MÁXIMO DAMASCENO (Prona- SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, manifestamos o especial sentimento de ocupar a tribuna para tecermos comentários

Leia mais

CORRESPONDÊNCIA ENVIADA A CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PALMAS PARANÁ, DATADA DE 8 DE AGOSTO DE 1882

CORRESPONDÊNCIA ENVIADA A CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PALMAS PARANÁ, DATADA DE 8 DE AGOSTO DE 1882 CORRESPONDÊNCIA ENVIADA A CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PALMAS PARANÁ, DATADA DE 8 DE AGOSTO DE 1882 Ronivon José Bazo 1 A relevância desse documento que traz toda uma ânsia por parte de um professor

Leia mais

Felizes os puros de coração porque verão a Deus (Mt 5, 8)

Felizes os puros de coração porque verão a Deus (Mt 5, 8) Janeiro e Fevereiro 2015 Editorial Esta é a Síntese dos meses de Janeiro e Fevereiro, assim como a Palavra de Vida, em que o nosso diretor espiritual, Pe. Pedro, fala sobre Felizes os puros de coração

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO?

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? Ouvi a palavra do SENHOR, vós, filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra, porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus.

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 ORAÇÃO Hinário Pad.Sebastião www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 Abertura dos Trabalhos - Pai Nosso - Ave Maria - Chave de Harmonia - Despacho do SANTO DAIME - ORAÇÃO - Padrinho Sebastião -

Leia mais

Nesta semana, duas famílias de nossa igreja se depararam com a maior tragédia da humanidade: A morte!

Nesta semana, duas famílias de nossa igreja se depararam com a maior tragédia da humanidade: A morte! Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; 26 e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto? 27 Sim, Senhor, respondeu ela, eu tenho

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

As Escrituras n 02 - A Antiga Aliança Teologia Bíblica do Pentateuco

As Escrituras n 02 - A Antiga Aliança Teologia Bíblica do Pentateuco Recomendável a leitura do Guia do Professor da série As Escrituras - AT, que traz informações gerais sobre toda a série, disponível pela internet no link www.cbn.org.br/escriturasat/suplementogeral.pdf

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus?

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? 2 Coríntios 5:18-20 Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber,

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O

OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O REFERÊNCIA: Josué 10:15-11-23 Data de Gravação: 26.05.04 hora 13.31h PRODUTOR: Paulo Chaveiro Locução: Paulo Chaveiro OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS

Leia mais

Apocalipse. Contexto:

Apocalipse. Contexto: Apocalipse Contexto: Última década do Século I Imperador Domiciano Culto ao Imperador Perseguição imperial Igreja de mártires João é o último apóstolo vivo João, o último apóstolo vivo, exilado na ilha

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS 1 A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS Is 56 10 As sentinelas de Israel estão cegas e não têm conhecimento; todas elas são como cães mudos, incapazes de latir. Deitam- se e sonham; só querem dormir. 11

Leia mais

O JULGAMENTO DE CRISTO

O JULGAMENTO DE CRISTO Por Constantino Ferreira O JULGAMENTO DE CRISTO O julgamento de Cristo teve dois aspectos processados em seis partes, três religiosas e três civis, entre a uma e as sete horas. 1. Jesus foi interrogado

Leia mais

DOM SEG TER QUA QUI SEX SÁB 1 2 3 4 1º DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ 2 DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ 3 DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ

DOM SEG TER QUA QUI SEX SÁB 1 2 3 4 1º DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ 2 DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ 3 DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ JAN 2014 JANEIRO 1 2 3 4 FORMULA 1 DIA CAMPANHA: RECEBENDO O MILAGRE DAS MÃOS DE JESUS 5 6 7 8 9 10 11 1º DIA CAMPANHA: À SOMBRA DA CRUZ 2 DIA CAMPANHA: RECEBENDO O MILAGRE DAS MÃOS DE JESUS 12 13 14 15

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

ANARQUISMO E ANARQUIA Errico Malatesta

ANARQUISMO E ANARQUIA Errico Malatesta ANARQUISMO E ANARQUIA Errico Malatesta O anarquismo em suas origens, aspirações, em seus métodos de luta, não está necessariamente ligado a qualquer sistema filosófico. O anarquismo nasceu da revolta moral

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória,

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória, Livro 1 página 57 Lição Oito O Culto a Deus Que É Culto? O culto é o ato de reconhecer a Deus por quem Ele é. Inclui uma atitude de reverência, devoção e adoração da parte da pessoa que pensa acerca de

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO

A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO A IGREJA E O ESPIRITISMO DIANTE DA FÉ E DA RAZÃO Eliseu Mota Júnior motajunior@uol.com.br A origem da palavra encíclica, etimologicamente falando, remonta às cartas circulares enviadas pelos bispos a colegas

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE EVOLUÇÃO DO ENQUADRAMENTO JURÍDICO DE SERVIÇOS RELIGIOSOS NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE História ( exemplar ) de um processo de crescente abuso clerical católico 1. INTRODUÇÃO Seguir o processo de institucionalização

Leia mais

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis»

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» - Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» grega, não foi? - Sim, de facto, a origem mais longínqua

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI)

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) 1 - Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA

ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA BPI Biblioteca Pública Independente www.bpi.socialismolibertario.com.br MAL-BH Movimento Anarquista Libertário www.socialismolibertario.com.br ESTADO: ALIENAÇÃO E NATUREZA Mikhail Bakunin O Estado, como

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

O Arrebatamento da Igreja

O Arrebatamento da Igreja Texto Base: 1Ts 4.13-18 O Arrebatamento da Igreja "Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois,

Leia mais

O ALICERCE DA ESPERANÇA

O ALICERCE DA ESPERANÇA O ALICERCE DA ESPERANÇA ADRIANO MOREIRA Presidente da Academia das Ciências de Lisboa Presidente do Conselho Geral da Universidade Técnica de Lisboa Não é numa data de alegria descuidada, nem sequer da

Leia mais

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 1 Bruno Chaves Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 2 Bibliotecária Maria José Costa Amorim. CRB 13/707 C512p Chaves, Bruno. Provas bíblicas da existência de espíritos. / Bruno Chaves. Imperatriz-MA:

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007)

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Por favor, poderiam abrir em primeira aos Coríntios, a primeira

Leia mais

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida)

Lição Oito. Amando aos Outros. (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) Livrinho 2 Pàgina 60 Lição Oito Amando aos Outros (Desenvolvendo um Estilo Compassivo de Vida) O amor fica ao centro real do Cristianismo. Ele resume numa só palavra a própria essência da fé cristã. Foi

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida.

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida. Discurso tomada de posse do Major-General Fernando Serafino como Comandante da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos a 30 de Maio de 2011. Oficiais, Sargentos, Praças e Funcionários Civis da Brigada de

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

A arte de confortar //61. Reflexões sobre Pastoral da Saúde nos hospitais. Augusto Gonçalves Vila-Chã S.J.

A arte de confortar //61. Reflexões sobre Pastoral da Saúde nos hospitais. Augusto Gonçalves Vila-Chã S.J. A arte de confortar Reflexões sobre Pastoral da Saúde nos hospitais Para que o nosso mundo seja mais feliz, bom, agradável e satisfatório deve estar mais equitativamente distribuído. É preciso que as pessoas

Leia mais

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy O Espiritismo, como dissemos no capítulo anterior, vem auxiliar aos psicólogos em suas meditações. Ele rejeita a herança das impotentes elucubrações dos séculos

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais

Povo da França! A Revolução Francesa não é mais do que a vanguarda de outra revolução maior e mais solene: a última revolução.

Povo da França! A Revolução Francesa não é mais do que a vanguarda de outra revolução maior e mais solene: a última revolução. Manifesto dos Iguais Gracchus Babeuf, 1796 Durante perto de vinte séculos viveste na escravidão e foste por isso demasiado infeliz. Mas desde há seis anos que respiras afanosamente na esperança da independência,

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros

Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros O António estudou as razões por que os crentes da Igreja primitiva se reuniam. Observou que muitos tipos de necessidades reuniam os crentes a necessidade de ensino,

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

O rei Davi e o seu palácio

O rei Davi e o seu palácio O rei Davi e o seu palácio 2 Sm 11:1-5 Estes versículos registram um terrível e assustador período na vida do rei Davi que poderia ter sido evitado, se o mesmo não escolhesse desprezar suas responsabilidades

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

MEDIUNIDADE COM JESUS CRÔNICAS DO ALÉM TÚMULO DE HUMBERTO DE CAMPOS- PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER

MEDIUNIDADE COM JESUS CRÔNICAS DO ALÉM TÚMULO DE HUMBERTO DE CAMPOS- PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER MEDIUNIDADE COM JESUS CRÔNICAS DO ALÉM TÚMULO DE HUMBERTO DE CAMPOS- PSICOGRAFIA DE CHICO XAVIER 1 REUNIDO ESTAVA O REINO DAS SOMBRAS. E O PODEROSO CHEFE DAS TREVAS. ESTAVA PREOCUPADO COM O ESPIRITISMO

Leia mais

ABORDAGEM AO PENSAMENTO DE GONÇALVES CORREIA

ABORDAGEM AO PENSAMENTO DE GONÇALVES CORREIA ABORDAGEM AO PENSAMENTO DE GONÇALVES CORREIA Gonçalves Correia nasceu em 1886, portanto, na vigência do regime monárquico em Portugal. Quando teve idade para pensar, Gonçalves Correia aderiu, como muitos

Leia mais

Ética e Práticas de Governação Desafios e Responsabilidades

Ética e Práticas de Governação Desafios e Responsabilidades Ética e Práticas de Governação Desafios e Responsabilidades X Congresso dos Revisores Oficiais de Contas 21 e 22 de Outubro 2010, Museu do Oriente José Manuel MOREIRA Universidade de Aveiro Será que há

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

6. Pergunta de Transição: Quem é o meu próximo? 7. Frase de Transição: Quando usamos de misericórdia estamos agindo para a salvação.

6. Pergunta de Transição: Quem é o meu próximo? 7. Frase de Transição: Quando usamos de misericórdia estamos agindo para a salvação. 1 SERMÃO EXPOSITIVO TITULO: UM MINISTÉRIO DE COMPAIXÃO Lucas 10:25-37. INTRODUÇÃO 1. Saudações: Saúdo a todos os irmãos e amigos desta igreja com a paz do Senhor Jesus e a certeza na esperança de sua breve

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Jonas, o Missionário Improvável

Jonas, o Missionário Improvável Jonas, o Missionário Improvável Este mês é o mês que dedicamos às missões aqui na nossa igreja. Eu costumo dizer que as missões são o bater do coração de Deus. Se este é um assunto que é importante para

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II

O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II Assim como o Livro de Yona, em um outro nível de entendimento, faz um paralelo entre o corpo e a alma, como foi explicado pelo Gaon de Vilna, da mesma forma ele explicou o Livro de

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais