Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês."

Transcrição

1 - Introdução Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. Os relês são elementos versáteis que possuem as seguintes qualidades: estrutura multipolar e contatos intercambeáveis, por isso são flexíveis e econômicos; vida útil com centenas de milhares de operações; pessoal responsável pela manutenção conhece-os muito bem. Entretanto, os relês têm algumas desvantagens como, por exemplo: os painéis possuírem grandes dimensões; o ambiente hostil corrói seus contatos; a poeira também pode "colar" seu contato; a produção precisava ser paralisada para a configuração de nova lógica. Por isso, em.966, visando aumentar a sua produtividade, já que precisava ficar com sua produção parada para alteração da lógica dos relês sempre que um novo modelo de automóvel era incorporado (tempo é dinheiro e os carros japoneses estavam começando a chegar ao mercado norteamericano com preços mais competitivos), a GM solicitou à duas empresas parceiras, Allen Bradley e Reliance, um equipamento que tivesse as seguintes características: fácil manutenção; capacidade de operar em ambientes industriais com confiabilidade; fisicamente menor que o sistema de relês (espaço também é dinheiro); condições de ser ligado a um sistema central de coleta de dados; preço competitivo. GM. Então, em.968, o primeiro controlador programável foi instalado na Após esse primeiro equipamento, surgiram outros mais aperfeiçoados, agora obedecendo a seguinte idéia: AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO INFORMÁTICA Seguindo a idéia acima, os fabricantes de equipamentos para automação viram um grande filão ainda pouco explorado naquela época, desenvolvendo elementos "derivados" do controlador programável: CNC (controle numérico computadorizado): muito utilizado em manufaturas, surgiu para automatizar fresas, furadeiras e outras ferramentas, com seu posicionamento preciso; SDCD (sistema distribuído de controle digital): próprio para trabalhar com várias informações analógicas; Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita

2 SCADA (sistema de controle e aquisição de dados): utiliza para controle de variáveis os sistemas de telemetria, rádio-freqüência, satélite, telefonia, Web; UTR (unidade terminal remota): por possuir alto nível de isolação elétrica, é utilizado em subestações. - O que é um controlador programável? Um controlador programável (CP) é m equipamento eletrônico de controle, livremente programável, baseado em microprocessadores, foi projetado para funcionar no ambiente industrial. Pode controlar desde simples máquinas até automatizar completamente uma planta industrial. À semelhança de um operador humano, o CP sente o meio ambiente, analisa as informações que captou e age sobre o este meio ambiente, conforme uma lógica preestabelecida em seu programa. - Diagrama de blocos de um controlador programável UNIDADE DE MEMÓRIA C A M P O E N T R A D A S UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO (CPU) S A Í D A S C A M P O FONTE DE ALIMENTAÇÃO TERMINAL DE PROGRAMAÇÃO Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita

3 ENTRADAS: São o elo de ligação entre o controlador programável e o que acontece no meio ambiente. Através das entradas, o controlador programável toma conhecimento do que está ocorrendo nas máquinas ou processo sob seu controle. Podem ser digitais ou analógicas: digitais: informam dois sentidos diferentes. Exemplo: contato aberto ou fechado, existe tensão ou não, existe corrente ou não, etc.. analógica: informa continuamente o estado de uma variável. Exemplo: a temperatura de um processo pode variar continuamente de 0 C a 50 C. Por meio de uma entrada analógica, o CLP poderá saber o valor da temperatura no momento. LÓGICA DE CONTROLE: É o bloco que analisa, processa e decide. Obedecendo a um programa armazenado em sua memória, este bloco analisa as variáveis e, de acordo com um programa, atua sobre o meio ambiente através das saídas. As variáveis analisadas pela lógica de controle podem ser entradas ou variáveis internas, tais como contadores, temporizadores, etc.. Pode executar uma série de funções, tais como operações lógicas, aritméticas, comparações, contagens, etc.. A lógica de controle é composta fundamentalmente por dois setores: o processador (microprocessador): executa as funções de acordo com o programa gravado nas memórias; memórias de programa: armazenam os comandos para o processador agir. SAÍDAS: Através das saídas é que os controladores programáveis agem sobre o meio ambiente (máquinas ou processos sob seu controle). Podem ser digitais ou analógicas: digitais: podem estar "ligadas" ou "desligadas" apresentando, ou não, tensão elétrica em seu terminal correspondente. A estas saídas são conectadas válvulas solenóides, contatores, relês, lâmpadas, sirenes, etc.. analógicas: apresentam uma tensão variável pelo programa e podem acionar válvulas proporcionais, reguladores de temperatura, de tensão, etc.. Dessa forma, o controlador programável sente e age em um processo industrial, controlando ciclos de trabalhos que podem ser bastante complexos. Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita

4 MEMÓRIA: Para entendermos como a memória do controlador programável está dividida, precisamos estudar antes algumas unidades utilizadas e, também, alguns tipos de memórias encontradas: BIT: é a menor unidade de informação no sistema de numeração binário, representado pelos dígitos 0 e ; BYTE: é uma seqüência de dígitos binários geralmente operados como uma unidade; ENDEREÇO: onde os dados são armazenados na memória do controlador programável; MEMÓRIA ROM: apenas para leitura; MEMÓRIA RAM: para leitura e escrita; MEMÓRIA PROM: programável só para leitura; MEMÓRIA EPROM: apagável só para leitura; MEMÓRIA EAROM: eletricamente alterável só para leitura; MEMÓRIA EEPROM: eletricamente apagável e programável; MEMÓRIA NOVRAM: não volátil para ler e escrever. A capacidade de memória dos controladores programáveis de grande porte é "k" palavras (k = 0 bits), sendo cada palavra constituída de dois bytes e considerada como uma localização de memória. MEMÓRIA EXECUTIVA: normalmente trata-se de uma memória EPROM que contém o programa que inicializa o controlador programável, armazena os programas executivos (sistema) e gerencia o roteiro de dados e a seqüência de operação. Ele é elaborado pelo fabricante e já acompanha o controlador quando o mesmo é adquirido. MEMÓRIA DO USUÁRIO: é uma memória RAM de aplicação, que armazena o programa do usuário. Esta área, reservada ao programa do usuário, contém alguns kbytes de palavras livres (informações) que serão processadas pela CPU. É nesta área que gravamos o programa que desejamos executar em relação ao equipamento, máquina ou processo a ser automatizado. MEMÓRIA DE DADOS: é uma área reservada para controle do programa do usuário. Nesta área encontram-se dados referentes ao processamento do programa do usuário. Todos os bytes desta área são de controle: trata-se de uma tabela de valores manipuláveis. MEMÓRIA IMAGEM DAS ENTRADAS E SAÍDAS: é uma área de memória reservada para interligação entre o controlador programável e os equipamentos/processos. Nesta área são gravadas todos os dados da planta, sejam eles de entrada ou saída: ela é a imagem real das entradas e saídas do controlador programável. Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita

5 memória imagem das E/S INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS QUE SERÃO PROCESSADAS NO CP E E E E E5 E6 E7 E8 MÓDULO DAS ENTRADAS E8 E7 E6 E5 E E E E S8 S7 S6 S5 S S S S MÓDULO DAS SAÍDAS INFORMAÇÕES DO CP QUE CONTROLARÃO O EQUIPAMENTO/PROCESSO S S S S S5 S6 S7 S8 A memória imagem das E/S depende da quantidade de entradas e saídas do controlador programável. TERMINAL DE PROGRAMAÇÃO: Neste bloco, poderemos ter uma das seguintes configurações: portátil com display de cristal líquido; portátil com display CRT e qualquer tipo de teclado; tipo microcomputador. - Circuito das entradas São circuitos eletrônicos que recebem informações sobre o equipamento ou processo e que as transferem para a memória imagem das entradas e saídas. Realiza a interface entre os dispositivos liga/desliga (chaves seletoras, botoeiras, chaves fim-de-curso, etc.) e os níveis lógicos exigidos pelo controlador programável. Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita 5

6 0 E E 0 E E controlador programável realiza "leitura" E E=0V E E=0V E E=0V E E=0V módulo de entradas (0V) memória imagem das entradas Memória do controlador programável: E ~ E = byte do módulo de entrada em análise bit E = "" ou energizado, logo entrada E = 0V bit E = "0" ou desenergizado, logo entrada E = 0V Se a entrada E receber 0V, isso quer dizer que o dado referente a este ponto está ligado ou acionado e o circuito de entrada transfere "" (nível lógico) para a memória imagem das E/S. Se E receber 0V, isto quer dizer que o dado referente a este ponto está desligado ou não acionado e que o circuito de entrada transfere "0" (nível lógico) para a memória imagem das E/S. ENTRADAS EM CORRENTE CONTÍNUA: Tipicamente os módulos em CC são disponíveis em 5,, e 8V. Esteja seguro em adquirir aqueles que sejam adequados aos dispositivos de entrada que estão sendo utilizados. Quando utilizamos dispositivos digitais regulares (botoeiras, chaves seletoras, contatos de relês, etc.) não temos muito com que nos preocupar. Apenas deveremos prestar atenção na tensão de alimentação das referidas entradas. Entradas A polaridade da fonte é indiferente C Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita 6

7 Quando utilizamos sensores (foto-células, de proximidade indutivo ou capacitivo, etc.) temos sempre que verificar a configuração de saída dos mesmos uma vez que, tais sensores, utilizam transistores (PNP ou NPN) nas saídas, trabalhando com chaves digitais. C + + FONTE - + SENSOR NPN - SENSOR NPN C - + SENSOR PNP - SENSOR PNP + FONTE - ENTRADAS EM CORRENTE ALTERNADA: Uma tensão alternada não é polarizada, ou seja, não temos "positivo" e "negativo" para preocupar-nos. Tipicamente os módulos CA são disponíveis em, 8, 0 e 0V. Esteja seguro em adquirir aqueles que sejam adequados aos dispositivos de entrada que estão sendo utilizados. Entradas em CA são menos comuns nos dias de hoje, uma vez que os sensores utilizam transistores em suas saídas. Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita 7

8 De uma forma mais comum, as entradas em CA podem ser ligadas conforme mostrada a seguir: Entradas C ~ 5- Circuito das saídas São circuitos eletrônicos que recebem informações sobre o processamento do equipamento ou processo através da memória imagem das E/S e as transferem para o equipamento ou processo em controle. Contem circuitos eletrônicos necessários para partida de motores (contatores), solenóides ou outros dispositivos de controle e sinalização (lâmpadas, sirenes, etc.). E 0 E 0 E E controlador programável realiza "escrita" S S=V S S=0V S S=0V S S=V módulo de saída (V) memória imagem das saídas Memória do controlador programável: S ~ S = byte do módulo de saída em análise bit S = "" ou energizado, logo saída S = V bit S = "0" ou desenergizado, logo saída S = 0V Se a saída S tiver Vcc, isso quer dizer que o dado referente a este processamento foi ligado ou acionado pelo programa do usuário. Se a saída S tiver 0V, isso quer dizer que o dado referente a este processamento foi desligado ou não-acionado (nível lógico "0"). Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita 8

9 SAÍDA A RELÉ: É um dos mais comuns tipos de saída utilizados. Um relê pode ser usado tanto com cargas em CC quanto em CA. Sempre verifique a especificação de sua carga, uma vez que deve-se ter a absoluta certeza sobre a máxima corrente consumida pela mesma, dentro das especificações da saída do controlador programável. Caso contrário, poderá danificá-la seriamente. Saídas CARGA CARGA PODE SER CC TAMBÉM ~ C - C - CIRCUITO INTERNO BOBINA BOBINA C SAÍDA A TRANSISTOR: Esse tipo de saída só pode chavear em CC, portanto, não pode ser usada em CA. Uma pequena corrente aplicada na base do transistor possibilita chavear uma corrente bem maior na saída. O controlador programável aplica uma pequena corrente na base do transistor e, dessa forma, a saída do mesmo "fecha-se", fazendo com que o dispositivo conectado à saída do controlador programável seja ligado. Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita 9

10 Aqui também é preciso verificar qual o tipo de saída (NPN ou PNP) utilizaremos e nunca excederemos a máxima corrente de chaveamento. Saída NPN Saídas CARGA CARGA + C - C - Saída PNP Saídas CARGA CARGA + C - C - 6- Varredura/SCAN O controlador programável tem uma forma particular de trabalhar, que caracteriza o seu funcionamento. O controlador opera executando uma seqüência de atividades definidas e controladas pela memória executiva. Este modo de operação ocorre em um ciclo, chamado de ciclo de varredura ou SCAN, que consiste em: leitura das entradas externas; executa o programa do usuário; atualização das saídas externas. Na fase da leitura das entradas, o processador endereça o sistema de E/S, obtém os estados dos dispositivos que não estão conectados e armazena estas informações na forma de bits "" e "0", dependendo do estado obtido (ponto energizado eqüivale ao binário "" e o ponto desenergizado ao "0"). A região da memória utilizada para armazenar estas informações é chamada de memória imagem das entradas (MIE). Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita 0

11 Na fase de execução da lógica programada pelo usuário, a CPU consulta a MIE para obter os estados dos dispositivos. Nesta fase, os resultados das lógicas programadas cujas saídas tenham um ponto correspondente no rack de saída são armazenados em uma área da memória chamada memória imagem das saídas (MIS). As lógicas que possuem saídas internas serão armazenas na área correspondente. Durante a execução da lógica programada, se for necessário a referência a uma saída qualquer, dentro do mesmo ciclo, esta tabela é consultada. Observe que, durante esta fase não é feita nenhuma referência a pontos externos (entrada ou saída), a CPU opera com informações obtidas na memória. Na fase de atualização de saídas, a CPU executa uma varredura na tabela MIS e atualiza as saídas externas, endereçando o sistema de E/S para atualizar o estado dos dispositivos externos de acordo com o resultado da lógica programada. A seguir, o ciclo é reiniciado e a operação continua enquanto mantém-se o controlador no modo de execução. Varredura das E/S +/- 0,5ms p/ 8 E/S Início do programa do usuário Varredura do programa do usuário +/- 0,6ms p/ k de instrução O tempo necessário para a varredura varia de controlador para controlador e depende de muitos fatores (tamanho da palavra, clock, instruções programadas, etc.). O fabricante especifica este tempo baseado na quantidade de instruções, normalmente instruções booleanas, e quantidade de entradas/saídas. Qualquer outra função programada aumenta este tempo de varredura. Como resumo, podemos considerar os seguinte fluxograma: Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita

12 leitura das entradas (grava na MIE) (*) executa o programa do usuário (**) atualiza as saídas (grava na MIS) (*) (*) varredura das E/S; (**) varredura do programa. Escola Técnica Estadual Julio de Mesquita

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO MG CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL DA ENGENHARIA MECATRÔNICA AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS COMPONENTES: Guilherme Márcio Matheus Sakamoto Rafael

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa

Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Projetando Controladores Digitais com FPGA César da Costa Novatec Editora Capítulo 1 Introdução No primeiro capítulo é feita uma introdução geral sobre controladores digitais baseados em microprocessador

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio

ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. João Inácio Memórias Memória: é o componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são, foram ou serão manipuladas pelo sistema. Em outras

Leia mais

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2

MEMÓRIA. 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 MEMÓRIA CONCEITO Bit- 0 1 Essência de um sistema chamado BIESTÁVEL Ex: Lâmpada 0 apagada 1 acesa 0 e 1 únicos elementos do sistema de numeração de base 2 A que se destina a memória: Armazenamento das instruções

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

MÓDULO 5: SENSORES E CLP. Prof. André Pedro Fernandes Neto

MÓDULO 5: SENSORES E CLP. Prof. André Pedro Fernandes Neto MÓDULO 5: SENSORES E CLP Prof. André Pedro Fernandes Neto Sensores Os sensores tornaram-se vitais na indústria e os fabricantes estão mostrando uma tendência de integração de equipamentos controlados por

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

Controlador Lógico Programável

Controlador Lógico Programável Controlador Lógico Programável Os controladores lógico programáveis são equipamentos eletrônicos utilizados em sistemas de automação. São ferramentas de trabalho muito úteis e versáteis para aplicações

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória

Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Visão geral do sistema de armazenamento e hierarquia de memória Conhecer os dispositivos de armazenamento por meio do conceito e dos tipos de memórias utilizadas no computador. Subsistemas de memória Memória

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável Luiz Carlos Farkas (LCF) Eduardo Calsan (EDC) Aula no. 05 CPU e Ciclo de Varredura CPU e Ciclo de Varredura - CPU - gerenciamento e processamento das informações do sistema.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 08: UCP Características dos elementos internos da UCP: registradores, unidade de controle, decodificador de instruções, relógio do sistema. Funções do processador: controle

Leia mais

Informática para Banca IADES. Hardware e Software

Informática para Banca IADES. Hardware e Software Informática para Banca IADES Conceitos Básicos e Modos de Utilização de Tecnologias, Ferramentas, Aplicativos e Procedimentos Associados ao Uso de Informática no Ambiente de Escritório. 1 Computador É

Leia mais

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10

MEMÓRIAS. Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 MEMÓRIAS Sistemas Digitais II Prof. Marcelo Wendling Set/10 1 Definição São blocos que armazenam informações codificadas digitalmente números, letras, caracteres quaisquer, comandos de operações, endereços

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle

Utilização de Gás. Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle Utilização de Gás Módulo: Válvulas e Sistemas de Controle PROCESSO INDUSTRIAL Variável Controlada: Temperatura Meio Controlado: Fluido Variável Manipulada: Vazão Agente de Controle: Vapor Malha de Controle

Leia mais

CP C U P U - Un U i n da d d a e d e Ce C n e t n ral a de d e Pr P oc o es e sam a e m n e t n o o Pr P oc o es e sad a o d r o Aula 03

CP C U P U - Un U i n da d d a e d e Ce C n e t n ral a de d e Pr P oc o es e sam a e m n e t n o o Pr P oc o es e sad a o d r o Aula 03 CPU - Unidade Central de Processamento Processador Aula 03 A CPU (Unid. Central de Processamento A unidade Central de Processamento, a CPU (Central Processing Unit), atua como o cérebro do sistema, processando

Leia mais

A01 Controle Linguagens: IL e LD

A01 Controle Linguagens: IL e LD A01 Controle Linguagens: IL e LD Prof. Dr. Diolino J santos Filho Modelo Estrutural Interação entre os dispositivos A partir de agora adotaremos como modelo estrutural padrão o diagrama a seguir. Dispositivo

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis (CLPs).

Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis (CLPs). Introdução aos Controladores Lógicos Programáveis (CLPs). SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONCEITUAL - HISTÓRICO 3 DIVISÃO HISTÓRICA 3 VANTAGENS DO USO DE CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS 3 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 3ª AULA - Programação Convencional de CLP - Parte I Objetivos: Analisar

Leia mais

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PARTE 6 CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS Nestor Agostini sibratec@sibratec.ind.br Rio do Sul (SC), 12 de março de 2014 1/27 CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS GENERALIDADES O Controlador

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

for Information Interchange.

for Information Interchange. 6 Memória: 6.1 Representação de Memória: Toda a informação com a qual um sistema computacional trabalha está, em algum nível, armazenada em um sistema de memória, guardando os dados em caráter temporário

Leia mais

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Controladores Lógicos Programáveis Parte 1 1. Introdução O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente CLP, tem revolucionado os comandos

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação

Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Colegiado de Engenharia de Computação Disciplina: Introdução à Engenharia da Computação Aulas 10 (semestre 2011.2) Prof. Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto, M.Sc. rosalvo.oliveira@univasf.edu.br 2 Hardware

Leia mais

Versão 1.02. Manual. Neocontrol Soluções em Automação LTDA www.neoc.com.br

Versão 1.02. Manual. Neocontrol Soluções em Automação LTDA www.neoc.com.br Versão 1.02 Manual Neocontrol Soluções em Automação LTDA www.neoc.com.br Índice 1. Descrição do Equipamento... 3 2. Princípio de Funcionamento... 4 2.1 Operação... 4 2.2 Configuração de Cenas... 4 2.2.1

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO

CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO CONSTRUÇÃO DE UMA UCP HIPOTÉTICA M++ INTRODUÇÃO O seguinte artigo apresenta uma UCP hipotética construída no software simulador DEMOWARE Digital Works 3.04.39. A UCP (Unidade Central de Processamento)

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 08 Linguagem Laddercont... Profª Danielle Casillo Funções Lógicas em Ladder A. Função NãoE (NAND) Consiste

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Profª Danielle Casillo Nome: Automação e Controle Créditos: 4 60 horas Período: 2010.2 Horário: quartas e sextas das 20:40 às 22:20

Leia mais

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11.

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. 1.0 Alocação de memória Antes de utilizar o cartão, é necessário conhecer a forma como a linha CP1 aloca as memórias

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática 04 Organização de Computadores nov/2011 Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento Processador (ou microprocessador) responsável pelo tratamento

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPs) E DISPOSITIVOS INDUSTRIAIS UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA:

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Todos direitos reservados. Proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo mecânico, eletrônico, reprográfico, etc., sem a autorização, por escrito, do(s) autor(es) e da editora. LÓGICA DE

Leia mais

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO O temporizador programável tem como função básica monitorar o tempo e acionar sua saída de acordo com programação previamente realizada

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO À AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Treinamento Branqs Automação, 2007 Elaboração: Kauê Leonardo Gomes Ventura Lopes Aprovação: Fernando José Cesilio Branquinho Branqs Automação Ltda. Rua do Comércio, nº

Leia mais

Guia de Instalação Rápida PLC KL320. Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX

Guia de Instalação Rápida PLC KL320. Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX Guia de Instalação Rápida PLC KL320 Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX 1. Cuidados Iniciais Prezado cliente, você está recebendo o PLC KL320, um Controlador Lógico Programável,

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE

BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE BOTÃO DE TOQUE POR PROXIMIDADE MANUAL DE INSTALAÇÃO ATENÇÃO! LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES DO MANUAL ANTES DE INSTALAR E OPERAR ESTE EQUIPAMENTO Parabéns, você adquiriu um produto com o selo Qualidade Máxima

Leia mais

Controlador Automatizador CAP-1

Controlador Automatizador CAP-1 Controlador Automatizador CAP-1 Guia de Referência 1 Sumá rio 1 Introdução... 3 2 Especificações Técnicas... 3 2.1 Itens Inclusos... 4 3 Controle Remoto... 4 3.1 Funcionalidades das Teclas... 4 4 Conexões...

Leia mais

Introdução à Engenharia de Automação

Introdução à Engenharia de Automação Introdução à Engenharia de Automação 1 A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas Automação no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Abrindo o portão Lavando louça Na rua: Sacando dinheiro

Leia mais

Procure pensar em outros exemplos da nossa vida em que os sensores estão presentes.

Procure pensar em outros exemplos da nossa vida em que os sensores estão presentes. Sensores Fabrício Ramos da Fonseca Introdução aos Sensores Nas plantas automatizadas os sensores são elementos muito importantes. Na nossa vida cotidiana, os sensores estão presentes em várias situações,

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas.

a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas. CONTROLO DE PROCESSOS Até à década de setenta, a maior parte das plantas industriais recorriam a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas. A

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 B17 7000 002 REV. 6 06/11 1/8 12.00 48 x 96 mm INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 Manual de Instruções (Junho/2011) Manual de Instruções - UW1200 1 / 8 ÍNDICE 1 - DESCRIÇÃO GERAL...

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br Instalação e Configuração da Automação (Abertura) de Portão via GSM Telefones celulares comuns e os tão atraentes smartphones, com seus designs inovadores e os mais variados aplicativos, são cada vez mais

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER

CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER CLP- CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL PROGRAMMABLE LOGIC CONTROLLER Resumo: Este artigo tem por objetivo descrever funcionalidade do CLP (Controlador Lógico Programável.) um dispositivo eletrônico digital.

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

9 Eletrônica: circuitos especiais

9 Eletrônica: circuitos especiais U UL L Eletrônica: circuitos especiais Um problema Um dos problemas com que se defrontava a eletrônica consistia no fato de que as válvulas, então empregadas nos sistemas, além de serem muito grandes,

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Bibliografia Básica: GEORGINI, M. Automação aplicada: descrição e implementação de sistemas seuqenciais com PLC s. São Paulo. Erica, 2000.

Bibliografia Básica: GEORGINI, M. Automação aplicada: descrição e implementação de sistemas seuqenciais com PLC s. São Paulo. Erica, 2000. Material norteador para disciplina de Automação turmas Engenharia da Computação e engenharia elétrica Os conteúdos neste documento foram digitados por acadêmicos durante as aulas que e aceitaram disponibilizar

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 15 INVERSOR DE FREQUÊNCIA (AULA PRÁTICA)

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 15 INVERSOR DE FREQUÊNCIA (AULA PRÁTICA) AULA 15 INVERSOR DE FREQUÊNCIA (AULA PRÁTICA) FOLHA DE ROTEIRO - 02 DISCIPLINA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ALUNO EXPERIMENTO AULA DE CAMPO TIPO DE ATIVIDADE AULA PRÁTICA DEMONSTRAÇÃO NOME DA ATIVIDADE INSTALAÇÃO

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 3.1 EXECUÇÃO DAS INSTRUÇÕES A UCP tem duas seções: Unidade de Controle Unidade Lógica e Aritmética Um programa se caracteriza por: uma série de instruções

Leia mais

ISL - Introdução. Sistema. Binário. Introdução. Tipos de Computador. Sub title text goes here. Unused Section Space 2. Unused Section Space 1

ISL - Introdução. Sistema. Binário. Introdução. Tipos de Computador. Sub title text goes here. Unused Section Space 2. Unused Section Space 1 ISL - Introdução Sub title text goes here Introdução Tipos de Computador Sistema Computacional Processamento de Dados Arquitetura Sistema Binário Software Unused Section Space 1 Exercício Unused Section

Leia mais

Conceitos Básicos de Automação. Exemplo Motivador

Conceitos Básicos de Automação. Exemplo Motivador Conceitos Básicos de Automação Prof. Jeferson L. Curzel 2011/02 Exemplo Motivador Para uma furação manual o operador usava os olhos, o tato e a contração de seus braços para avaliar a evolução do furo

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Modo Execução. Modo Parametrizacão

Modo Execução. Modo Parametrizacão 1/7 Introdução O HM206 é um indicador para operar com comunicações RS485. O HM206 pode operar como escravo (slave) de rede fornecendo os dados ou operando comandado por outros sistemas ou como mestre (master)

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Treinamento ACE Schmersal Boituva - SP Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Produtos Schmersal Controladores e Inversores Princípio de Funcionamento de um Controlador Programavél

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução

Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Fundamentos de Sistemas Computacionais Introdução Prof. Eduardo Alchieri Sistema Computacional Hardware Software Usuários Um ou mais processadores, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor,

Leia mais