LOAS Os Benefícios Eventuais caracterizam-se por seu caráter suplementar e provisório, prestados aos cidadãos e às famílias em virtude de nascimento,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOAS Os Benefícios Eventuais caracterizam-se por seu caráter suplementar e provisório, prestados aos cidadãos e às famílias em virtude de nascimento,"

Transcrição

1 CONCEITO A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

2 ASSITÊNCIA SOCIAL LEGISLAÇÃO: ARTS. 203 E 204, CF LOAS-(LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL)- 8742/93 LEI 11346/15 DECRETO 6214/07 DECRETO 3298/99 PORTARIA CONJUNTA Nº 02 INSS/MDS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 AGU ESTATUTO DO IDOSO, Lei nº /2003

3 LOAS Os Benefícios Eventuais caracterizam-se por seu caráter suplementar e provisório, prestados aos cidadãos e às famílias em virtude de nascimento, morte, situações de vulnerabilidade temporária e de calamidade pública.

4 PRINCÍPIOS Art. 4º A assistência social rege-se pelos seguintes princípios: I - supremacia do atendimento às necessidades sociais sobre as exigências de rentabilidade econômica; II - universalização dos direitos sociais, a fim de tornar o destinatário da ação assistencial alcançável pelas demais políticas públicas; III - respeito à dignidade do cidadão, à sua autonomia e ao seu direito a benefícios e serviços de qualidade, bem como à convivência familiar e comunitária, vedando-se qualquer comprovação vexatória de necessidade; IV - igualdade de direitos no acesso ao atendimento, sem discriminação de qualquer natureza, garantindo-se equivalência às populações urbanas e rurais; V - divulgação ampla dos benefícios, serviços, programas e projetos assistenciais, bem como dos recursos oferecidos pelo Poder Público e dos critérios para sua concessão.

5 ÓRGÃOS DA ASSISTÊNCIA SOCIAL O Centro de Referência de Assistência Social - CRAS e o Centro de Referência Especializado de Assistência Social - CREAS ou o órgão gestor local da Política de Assistência Social têm como atribuição orientar a pessoa com deficiência e a pessoa idosa ou seus familiares sobre o acesso aos benefícios assistenciais, bem como assegurar aos requerentes e/ou beneficiários do BPC e suas famílias o acesso aos serviços da rede socioassistencial e de outras políticas públicas, conforme suas necessidades, considerando a situação de vulnerabilidade e risco social em que se encontram.

6 BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pela Lei nº10836/2004, regulamentada pelo Decreto nº 5209/2004 e veio como uma necessidade de unificar as ações governamentais de transferência de recursos do Governo Federal. Referido Programa Bolsa Família agregou o Programa Nacional de Renda Mínima vinculado à escola Bolsa Escola, o Programa Nacional de Acesso à Alimentação PNAA Cartão Alimentação, o Programa Nacional de Renda Mínima vinculado à Saúde Bolsa Alimentação, o Programa Auxílio-Gás e o Cadastramento Único do Governo Federal. (Art.1º da Lei nº10.836/2004).

7 BOLSA FAMÍLIA O que é o Bolsa Família? É um programa de transferência direta de renda, direcionado às famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o País, de modo que consigam superar a situação de vulnerabilidade e pobreza. O programa busca garantir a essas famílias o direito à alimentação e o acesso à educação e à saúde. Em todo o Brasil, mais de 13,9 milhões de famílias são atendidas pelo Bolsa Família. Conheça o programa, os direitos e deveres das famílias participantes e conte com a Caixa no recebimento do benefício ou para tirar dúvidas.

8 BOLSA FAMÍLIA Objetivos do programa Combater a fome e promover a segurança alimentar e nutricional; Combater a pobreza e outras formas de privação das famílias; Promover o acesso à rede de serviços públicos, em especial, saúde, educação, segurança alimentar e assistência social.

9 BOLSA FAMÍLIA Quem pode participar do programa? A população alvo do programa é constituída por famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza. As famílias extremamente pobres são aquelas que têm renda mensal de até R$ 77,00 por pessoa. As famílias pobres são aquelas que têm renda mensal entre R$ 77,01 e R$ 154,00 por pessoa. As famílias pobres participam do programa, desde que tenham em sua composição gestantes e crianças ou adolescentes entre 0 e 17 anos. Para se candidatar ao programa, é necessário que a família esteja inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, com seus dados atualizados há menos de 2 anos. A inscrição no Programa Bolsa Família é feita na Prefeitura Municipal por meio do Cadastro Único.

10 BOLSA FAMÍLIA Requisitos Inclusão da família, pela prefeitura, no Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal Seleção pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome No caso de existência de gestantes, o comparecimento às consultas de pré-natal, conforme calendário preconizado pelo Ministério da Saúde (MS) Participação em atividades educativas ofertadas pelo MS sobre aleitamento materno e alimentação saudável, no caso de inclusão de nutrizes (mães que amamentam) Manter em dia o cartão de vacinação das crianças de 0 a 7 anos Acompanhamento da saúde de mulheres na faixa de 14 a 44 anos Garantir frequência mínima de 85% na escola, para crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, e de 75%, para adolescentes de 16 e 17 anos

11 AUXÍLIO FUNERAL Art. 4 º, do Decreto 6307/2007- O auxílio por morte atenderá, prioritariamente: I - a despesas de urna funerária, velório e sepultamento; II - a necessidades urgentes da família para enfrentar riscos e vulnerabilidades advindas da morte de um de seus provedores ou membros; e III - a ressarcimento, no caso da ausência do benefício eventual no momento em que este se fez necessário.

12 AUXÍLIO NATALIDADE Art. 3º, Decreto 6307/2007- O auxílio por natalidade atenderá, preferencialmente, aos seguintes aspectos: I - necessidades do nascituro; II - apoio à mãe nos casos de natimorto e morte do recém-nascido; e III - apoio à família no caso de morte da mãe.

13 DOS BENEFÍCIOS EVENTUAIS Art. 22. Entendem-se por benefícios eventuais as provisões suplementares e provisórias que integram organicamente as garantias do Suas e são prestadas aos cidadãos e às famílias em virtude de nascimento, morte, situações de vulnerabilidade temporária e de calamidade pública. (Redação dada pela Lei nº , de 2011) 1 o A concessão e o valor dos benefícios de que trata este artigo serão definidos pelos Estados, Distrito Federal e Municípios e previstos nas respectivas leis orçamentárias anuais, com base em critérios e prazos definidos pelos respectivos Conselhos de Assistência Social. (Redação dada pela Lei nº , de 2011) 2 o O CNAS, ouvidas as respectivas representações de Estados e Municípios dele participantes, poderá propor, na medida das disponibilidades orçamentárias das 3 (três) esferas de governo, a instituição de benefícios subsidiários no valor de até 25% (vinte e cinco por cento) do salário-mínimo para cada criança de até 6 (seis) anos de idade. (Redação dada pela Lei nº , de 2011) 3 o Os benefícios eventuais subsidiários não poderão ser cumulados com aqueles instituídos pelas Leis n o , de 29 de setembro de 2004, e n o , de 14 de maio de (Redação dada pela Lei nº , de 2011)

14 DOS BENEFÍCIOS EVENTUAIS Auxílio Emergencial Financeiro para atender a população atingida por desastres, residentes em Municípios em estado de calamidade pública ou situação de emergência e Programa Bolsa Renda para os agricultores familiares atingidos pelos efeitos da estiagem nos Municípios em estado de calamidade pública ou situação de emergência.

15 TARIFA SOCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA - TSEE A Tarifa Social de Energia Elétrica - TSEE é o benefício que garante descontos na conta de energia elétrica. Tem direito a esses descontos os beneficiários: do BPC- Lei nº , de 20 de janeiro de 2010; famílias inscritas no CadÚnico com renda familiar mensal per capita menor ou igual a ½ (meio) salário mínimo; famílias inscritas no CadÚnico com renda mensal de até 3 (três) salários mínimos que tenha pessoa com doença ou patologia, cujo tratamento ou procedimento médico requeira o uso continuado de aparelhos, equipamentos ou instrumentos que, para o seu funcionamento, demandem consumo de energia elétrica.

16 TARIFA SOCIAL DE ENERGIA ELÉTRICA - TSEE Para obter desconto na conta de energia elétrica, os beneficiários do BPC devem informar à distribuidora de energia elétrica: o Número do Benefício NB ou Número de Identificação do Trabalhador NIT, além do nome, CPF e RG ou outro documento de identificação; Caso as famílias indígenas Registro Administrativo de Nascimento Indígena RANI; A condição de moradia própria ou alugada não prejudica a obtenção do desconto.

17 Benefício de Prestação Continuada LOAS O BPC garante a transferência mensal de 1 (um) salário mínimo vigente ao idoso, com idade de 65 anos ou mais, e à pessoa com deficiência, de qualquer idade, com impedimentos de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas. Em ambos os casos, devem comprovar não possuir meios de prover a própria manutenção, nem tê-la provida por sua família.

18 Benefício de Prestação Continuada LOAS É um benefício da Política de Assistência Social: individual; não vitalício; e intransferível.

19 Benefício de Prestação Continuada LOAS Também pode ser beneficiário (a) do BPC: O brasileiro nato O brasileiro naturalizado, domiciliado no Brasil, idoso ou com deficiência, observados os critérios estabelecidos na legislação, que não receba qualquer outro benefício no âmbito da Seguridade Social ou de outro regime, nacional ou estrangeiro, salvo o da assistência médica e no caso de recebimento de pensão especial de natureza indenizatória. O estrangeiro de nacionalidade portuguesa

20 Benefício de Prestação Continuada LOAS O chamado Estatuto da Igualdade, que é a Convenção sobre Igualdade de Direitos e Deveres entre Brasileiros e Portugueses, foi promulgada através do Decreto nº , de 1972, tem como premissa básica o reconhecimento da igualdade entre brasileiros e portugueses, sejam residentes no Brasil, sejam em Portugal. É reconhecendo tal direito que o artigo 1º de tal Convenção assim dispõe: Art. 1º Os portugueses no Brasil e os brasileiros em Portugal gozarão de igualdade de direitos e deveres com os respectivos nacionais. E o artigo segundo da referida Convenção garante que o exercício de tal igualdade não importa em renúncia da nacionalidade de origem. Ou seja, por expressa determinação Convencional, o português residente no Brasil goza dos mesmos direitos e deveres dos nacionais brasileiros que aqui também residam.

21 Benefício de Prestação Continuada LOAS O BPC não pode ser acumulado com outro benefício no âmbito da Seguridade Social (como, por exemplo, o seguro desemprego, a aposentadoria e a pensão) ou de outro regime, EXCETO: benefícios da assistência médica; pensões especiais de natureza indenizatória; e a remuneração advinda de contrato de aprendizagem.

22 Benefício de Prestação Continuada LOAS Quando o requerente for pessoa em situação de rua, deve ser adotado como referência, o endereço do serviço da rede socioassistencial pelo qual esteja sendo acompanhado ou, na falta deste, de pessoas com as quais mantém relação de proximidade. Para o requerimento do BPC, além da apresentação dos documentos pessoais e da família, o requerente ou seu representante legal deve preencher e assinar os seguintes formulários: Requerimento de Benefício Assistencial; e Declaração sobre a Composição do Grupo e Renda Familiar.

23 Benefício de Prestação Continuada LOAS Para o requerimento do BPC, além da apresentação dos documentos pessoais e da família, o requerente ou seu representante legal deve preencher e assinar os seguintes formulários: Requerimento de Benefício Assistencial; e Declaração sobre a Composição do Grupo e Renda Familiar.

24 BPC- PORTUÁRIO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA PARA PORTUÁRIOS AVULSOS A Lei n /2013 instituiu um benefício assistencial para o trabalhador portuário avulso, desde que este atenda às seguintes condições: tenha mais de 60 anos; não preencha os requisitos para se aposentar; e não possua meios para prover a sua subsistência.

25 COMPOSIÇÃO DO GRUPO FAMILIAR QUAIS AS PESSOAS QUE COMPÕEM A FAMÍLIA PARA O CÁLCULO DA RENDA MENSAL FAMILIAR PER CAPITA Para cálculo da renda mensal familiar per capita, deve ser considerado o conjunto de pessoas que vivem sob o mesmo teto, formado: pelo requerente (idoso ou pessoa com deficiência); o cônjuge ou companheiro; os pais e, na ausência deles, a madrasta ou o padrasto; irmãos solteiros; filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, conforme alterações da LOAS introduzidas pela Lei nº , de 06/07/2011.

26 RENDA FAMILIAR QUAIS OS RENDIMENTOS QUE ENTRAM NO CÁLCULO DA RENDA MENSAL FAMILIAR? Os rendimentos que entram no cálculo da renda familiar mensal são aqueles provenientes de: salários; proventos; pensões; pensões alimentícias; benefícios de previdência pública ou privada;

27 RENDA FAMILIAR QUAIS OS RENDIMENTOS QUE ENTRAM NO CÁLCULO DA RENDA MENSAL FAMILIAR? Os rendimentos que entram no cálculo da renda familiar mensal são aqueles provenientes de: seguro desemprego; comissões; pró-labore; outros rendimentos do trabalho não assalariado; rendimentos do mercado informal ou autônomo; rendimentos auferidos do patrimônio; Renda Mensal Vitalícia RMV.

28 NÃO INTEGRA A RENDA FAMILIAR o BPC de uma pessoa idosa não entra no cálculo da renda mensal familiar, para concessão do benefício a outro idoso da mesma família, de acordo com o Estatuto do Idoso, Lei nº , de 1º de outubro de 2003; a remuneração da pessoa com deficiência na condição de aprendiz ou de estagiário também não será considerada para fins do cálculo da renda mensal familiar- art. 20, parágrafo 9º, Lei 8742/93; os recursos provenientes de Programas de Transferências de Renda, como o Programa Bolsa Família PBF também não entram no cálculo da renda mensal familiar, para fins de concessão do BPC; e benefícios e auxílios assistenciais de natureza eventual e temporária, assim, como rendas de natureza eventual ou sazonal;

29 RECURSOS DO BPC ORIGEM DOS RECURSOS PARA O PAGAMENTO DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA Todo o recurso financeiro do BPC provém do orçamento da Seguridade Social, sendo administrado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS e repassado ao Instituto Nacional do Seguro Social - INSS, por meio do Fundo Nacional de Assistência Social - FNAS.

30 REAVALIAÇÃO DO DIREITO AO BPC Conforme determina o artigo 21 da LOAS, a cada 2 (dois) anos deve ser verificado se o beneficiário continua atendendo aos critérios para recebimento do BPC. A reavaliação do BPC consiste em verificar se as condições que deram origem ao benefício permanecem, ou seja, se os beneficiários (idoso e pessoa com deficiência) continuam apresentando condição de miserabilidade. No caso da pessoa com deficiência, além da verificação da renda, há necessidade de nova avaliação médica e avaliação social para verificação do grau de impedimento, em razão de possíveis mudanças da situação da deficiência.

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

de Prestação Continuada da Assistência Social BPC, direito de cidadania, instituído pela Constituição Federal de 1988, garantido no âmbito da

de Prestação Continuada da Assistência Social BPC, direito de cidadania, instituído pela Constituição Federal de 1988, garantido no âmbito da C a r t i l h a APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem por finalidade fornecer informações sobre o Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social BPC, direito de cidadania, instituído pela Constituição

Leia mais

Benefício de prestação continuada (BPC) à Pessoa com Deficiência GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM CURITIBA SERVIÇO SOCIAL

Benefício de prestação continuada (BPC) à Pessoa com Deficiência GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM CURITIBA SERVIÇO SOCIAL Benefício de prestação continuada (BPC) à Pessoa com Deficiência GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM CURITIBA SERVIÇO SOCIAL Maio/2014 1 Superintendência Regional SUL Gerencia Executiva em Curitiba Gerencias

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

LEI Nº /2011. 2º O Município deve garantir igualdade de condições no acesso às informações e à fruição do benefício eventual;

LEI Nº /2011. 2º O Município deve garantir igualdade de condições no acesso às informações e à fruição do benefício eventual; LEI Nº /2011 Dispõe sobre a regulamentação da concessão de Benefícios Eventuais em virtude de nascimento, morte, situações de vulnerabilidade temporária e de calamidade pública, no âmbito da Política Municipal

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

BPC - Benefício de Prestação Continuada

BPC - Benefício de Prestação Continuada BPC - Benefício de Prestação Continuada O que é a Renda Mensal Vitalícia - RMV? A Renda Mensal Vitalícia (RMV) foi criada por meio da Lei nº 6.179/74 como benefício previdenciário destinado às pessoas

Leia mais

DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Cartilha BENEFÍCIO BENEF ÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA NOVA CARTILHA BPC.indd 1 B 16/11/2009 11:43:41 NOVA CARTILHA BPC.indd 2 16/11/2009 11:43:41 O QUE É O BPC O BPC, assegurado pela Constituição Federal

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - BPC

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - BPC BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - BPC CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 O artigo que trata da garantia de um salário mínimo ao idoso e a pessoa com deficiência, foi inserido na Constituição

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS Objetivos específicos Avaliar do ponto de vista do controle social os processos de acompanhamento da gestão dos benefícios e transferência de renda, Avaliar e fortalecer

Leia mais

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais.

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social. O CADASTRO ÚNICO é a porta de entrada para os Programas Sociais do Governo Federal e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IFC 02/2015, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA IFC 02/2015, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA IFC 02/2015, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a regulamentação de critérios para fins de análise socioeconômica aos estudantes inscritos no Programa de Assistência Estudantil

Leia mais

PROJETO DE LEI N 505/2013 CAPÍTULO I DOS BENEFÍCIOS E SEUS OBJETIVOS

PROJETO DE LEI N 505/2013 CAPÍTULO I DOS BENEFÍCIOS E SEUS OBJETIVOS PROJETO DE LEI N 505/2013 REGULAMENTA OS BENEFÍCIOS EVENTUAIS PREVISTOS NA LEI FEDERAL N.º 8.472/93 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais, por seus representantes legais

Leia mais

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - LOAS Lei 8742, de 07.12.1993 Dispõe Sobre a Organização da Assistência Social e dá outras providências.

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - LOAS Lei 8742, de 07.12.1993 Dispõe Sobre a Organização da Assistência Social e dá outras providências. LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - LOAS Lei 8742, de 07.12.1993 Dispõe Sobre a Organização da Assistência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAILANDIA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAILANDIA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 239/2009, DE 30 DE OUTUBRO DE 2009. Dispõe sobre a regulamentação dos benefícios eventuais no âmbito das política públicas de Assistência Social no município de Tailândia e dá outras providências.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA PODER EXECUTIVO

Prefeitura Municipal de Valente-BA PODER EXECUTIVO ANO. 2013 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 606/13, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 07/07/2011 11:13 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.435, DE 6 DE JULHO DE 2011. Mensagem de veto Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que

Leia mais

LEI Nº 2004 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015

LEI Nº 2004 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 LEI Nº 2004 DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre benefícios eventuais concedidos pela Assistência Social do Município de São Gonçalo do Rio Abaixo e dá outras providências. O povo do Município de São

Leia mais

Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Lei Nº 8742 de 7 de dezembro de 1993 Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

LEI N. 707 DE 25 DE ABRIL DE 2011.

LEI N. 707 DE 25 DE ABRIL DE 2011. LEI N. 707 DE 25 DE ABRIL DE 2011. Dispõe sobre os critérios da concessão de benefícios eventuais de Auxílio Natalidade, Funeral, situações de Calamidade Pública e situações de Vulnerabilidade Temporária

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993. Mensagem de veto Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências.

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

LEI Nº 4.292 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011

LEI Nº 4.292 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011 LEI Nº 4.292 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011 Regulamenta a Concessão dos Benefícios Eventuais da Política Municipal de Assistência Social NATALICIO JOSÉ BOTOLLI, Prefeito Municipal de Getúlio Vargas, em exercício,

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DO INSTITUTO CULTURAL BRASIL ESTADOS BELO HORIZONTE

REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DO INSTITUTO CULTURAL BRASIL ESTADOS BELO HORIZONTE REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDOS DO INSTITUTO CULTURAL BRASIL ESTADOS BELO HORIZONTE MODALIDADE DE BOLSAS: CURSOS BÁSICO E INTERMEDIÁRIO NA MODALIDADE REGULAR ART 1º - DAS

Leia mais

Carolina Romano Brocco

Carolina Romano Brocco Carolina Romano Brocco ORIGEM DA PROTEÇÃO SOCIAL Famílias assistência voluntária. Grupos de mútuo associações para a proteção contra os riscos sociais. Lei dos Pobres (Poor Law) de 1601 Inglaterra as Igrejas

Leia mais

Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social.

Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. LEI Nº 12.435, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU DE 07/07/2011 Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. A P R E S I D E N T A D A R E P Ú B L I C A

Leia mais

BENEFICIOS ASSISTENCIAIS. Cartilha elaborada por: Centro Mineiro de Reabilitação Auditiva CEMEAR. Assistente social. Márcia Izabel Silva Mendes

BENEFICIOS ASSISTENCIAIS. Cartilha elaborada por: Centro Mineiro de Reabilitação Auditiva CEMEAR. Assistente social. Márcia Izabel Silva Mendes BENEFICIOS ASSISTENCIAIS Cartilha elaborada por: Centro Mineiro de Reabilitação Auditiva CEMEAR. Assistente social Márcia Izabel Silva Mendes Natália Fagundes de Freitas Moraes Benefício de Prestação Continuada

Leia mais

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013.

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013. LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS EVENTUAIS DE AUXÍLIO NATALIDADE, FUNERAL, SITUAÇÕES DE CALAMIDADE PÚBLICA E DE VULNERABILIDADE

Leia mais

LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015

LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015 LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015 Regulamenta a provisão de Benefícios Eventuais no âmbito da Política Pública de Assistência Social, no Município de Pato Branco, Estado do Paraná. A Câmara Municipal

Leia mais

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL LEI Nº 8.742 - DE 07 DE DEZEMBRO DE 1993 - DOU DE 08/12/93 - ALTERADA Legislação: LEI Nº 12.101, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU DE 30/11/2009 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2.187-13 - 24/08/2001: ALTERA PAR. 3º DO

Leia mais

Programas vinculados ao Cadastro Único

Programas vinculados ao Cadastro Único Programas vinculados ao Cadastro Único O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal ( Cadastro Único) é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, entendidas

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Município de Taquari Estado do Rio Grande do Sul

Município de Taquari Estado do Rio Grande do Sul Lei nº. 3.662, de 24 de dezembro de 2013. DISPÕE SOBRE BENEFÍCIOS EVENTUAIS NO MUNICÍPIO DE TAQUARI, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EMANUEL HASSEN DE JESUS, Prefeito Municipal de Taquari, Estado do Rio Grande

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

EDITAL COPEPS Nº 25/2014

EDITAL COPEPS Nº 25/2014 EDITAL COPEPS Nº 25/2014 Retifica Edital COPEPS Nº 23/2014 que dispõe sobre a comprovação da condição de beneficiário das vagas reservadas, conforme as modalidades de concorrência, referente ao Processo

Leia mais

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 321, DE 29 DE SETEMBRO DE 2008 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a Portaria/MDS nº 551, de 9 de novembro de 2005, e dá outras providências. O MINISTRO

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS DESCONTOS FPE UNIPINHAL - 2016 OBJETIVO

PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS DESCONTOS FPE UNIPINHAL - 2016 OBJETIVO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS DESCONTOS FPE UNIPINHAL - 2016 OBJETIVO O objetivo principal do programa de concessão de bolsas e descontos é proporcionar aos alunos a assistência necessária para a manutenção

Leia mais

LOAS - LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - 1993

LOAS - LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - 1993 LOAS - LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - 1993 LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

PORTARIA DA REITORIA Nº 005/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA DA REITORIA Nº 005/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 1 PORTARIA DA REITORIA Nº 005/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 O REITOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS - UNIFEMM, no uso das atribuições que lhe são conferidas, RESOLVE: Estabelecer os procedimentos

Leia mais

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005

PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME PORTARIA GM/MDS Nº 551, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2005 (Publicada no DOU nº 217, de 11 de novembro de 2005) Regulamenta a gestão das condicionalidades do

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

PROGRAMAS DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº

PROGRAMAS DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CÂMPUS MONTEIRO PROGRAMAS DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único foi criado para o governo saber melhor quem são e como vivem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 12 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993. Mensagem de veto Regulamento Dispõe sobre a organização da Assistência Social

Leia mais

11/09/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 218 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 219 12

11/09/2015 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 218 Dir. Previdenciário Prof. Marcos 219 12 218 219 12 220 221 13 222 223 14 224 225 15 226 227 16 228 229 17 230 231 18 232 233 19 234 235 20 236 237 21 238 239 22 Direito Adquirido a Aposentadoria antes da EC nº 20/98 240 241 23 242 Benefício

Leia mais

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Presidência da República Controladoria-Geral da União O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA O Programa Bolsa Família foi instituído pelo Governo Federal, pela Lei nº 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS ProUni 2 º Semestre 2013

LISTA DE DOCUMENTOS ProUni 2 º Semestre 2013 LISTA DE DOCUMENTOS ProUni 2 º Semestre 2013 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Os candidatos pré-selecionados deverão entregar cópia simples dos documentos adiante solicitados de todos aqueles que compõem a família.

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família

Gestão Municipal do Cadastro Único. Programa Bolsa Família Gestão Municipal do Cadastro Único e Programa Bolsa Família Gestora Olegna Andrea da Silva Entrevistadora e Operadora de Cadastro Ana Paula Gonçalves de Oliveira A porta de entrada para receber os bene?cios

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro LEI Nº 4.728, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014.

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro LEI Nº 4.728, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 Av. Cel. Martiniano, 993 Centro LEI Nº 4.728, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014. EMENTA: Dispõe sobre a concessão de Benefícios Eventuais no Município de Caicó-RN,

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1.

DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1. DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1. A documentação deve estar completa e ser apresentada na ordem descrita abaixo.

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua ... Lei nº 8.742, conhecida como Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) art. 1º define a assistência social como um direito do cidadão e

Leia mais

Tarifa Social de Energia Elétrica Conheça as novas regras do Programa!

Tarifa Social de Energia Elétrica Conheça as novas regras do Programa! Tarifa Social de Energia Elétrica Conheça as novas regras do Programa! 1FOLDER_TARIFA_SOCIAL_alt.indd 1 30/11/12 18:25 O que é a Tarifa Social de Energia Elétrica? São descontos na conta de energia elétrica

Leia mais

EDITAL PARA CONCESSÃO DE VAGAS GRATUITAS NOS CURSOS OFERECIDOS NO CENTRO DE ASSISTENCIA SOCIAL 2º SEMESTRE DO ANO LETIVO DE 2013

EDITAL PARA CONCESSÃO DE VAGAS GRATUITAS NOS CURSOS OFERECIDOS NO CENTRO DE ASSISTENCIA SOCIAL 2º SEMESTRE DO ANO LETIVO DE 2013 EDITAL PARA CONCESSÃO DE VAGAS GRATUITAS NOS CURSOS OFERECIDOS NO CENTRO DE ASSISTENCIA SOCIAL 2º SEMESTRE DO ANO LETIVO DE 2013 (Em conformidade com a Lei 12.101/2009 e o Decreto 7237/2010) A Sociedade

Leia mais

PROGRAMAS DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº 03/2015

PROGRAMAS DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº 03/2015 PROGRAMAS DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EDITAL Nº 03/2015 O Coordenador de Ensino do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Campus Avançado Cabedelo Centro, no uso de suas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

EDITAL N O 01/2014 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE

EDITAL N O 01/2014 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE EDITAL N O 01/2014 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE A Diretoria Geral do Campus Paulistana, por meio da Diretoria/Coordenação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.742, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1993. Mensagem de veto Regulamento Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZON AS PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS COMUNITARIOS DEPARTAMANTO DE APOIO AO ESTUDANTE PROGRAMA BOLSA TRABLHO EDITAL Nº 001/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZON AS PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS COMUNITARIOS DEPARTAMANTO DE APOIO AO ESTUDANTE PROGRAMA BOLSA TRABLHO EDITAL Nº 001/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZON AS PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS COMUNITARIOS DEPARTAMANTO DE APOIO AO ESTUDANTE PROGRAMA BOLSA TRABLHO EDITAL Nº 001/2013 A PRÓ-REITORA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Análise Social para redução de mensalidade 2015

Análise Social para redução de mensalidade 2015 Análise Social para redução de mensalidade 2015 ORIENTAÇÕES GERAIS 1. Das disposições preliminares 1.1 As bolsas de estudo serão concedidas a alunos selecionados pela Comissão de Bolsas. 1.2 A seleção

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PROUNI - 1º SEMESTRE 2015

PROCESSO SELETIVO PROUNI - 1º SEMESTRE 2015 PROCESSO SELETIVO PROUNI - 1º SEMESTRE 2015 O candidato deve providenciar a lista de documentos abaixo e fazer a entrega na Central de Atendimento ao Estudante (CAE), no dia e horário agendados. Deve ser

Leia mais

EDITAL N.º 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA 2016

EDITAL N.º 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA 2016 EDITAL N.º 02/2016 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA 2016 O colégio Salesiano Dom Bosco, Instituição educacional, de caráter filantrópico e de Assistência Social, inscrita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO AO INGRESSANTE EDITAL 01/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO AO INGRESSANTE EDITAL 01/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO AO INGRESSANTE EDITAL 01/2015 Seleção Pública de bolsistas do Programa de Apoio ao Ingressante PAI para

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO AO INGRESSANTE EDITAL 01/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO AO INGRESSANTE EDITAL 01/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL PROGEST PROGRAMA DE APOIO AO INGRESSANTE EDITAL 01/2015 Seleção Pública de bolsistas do Programa de Apoio ao Ingressante PAI para

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA)

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE BOLSA DE ESTUDO NÃO RESTITUÍVEL (BOLSA FILANTRÓPICA) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Será concedida a Bolsa Filantrópica com base nos critérios básicos consignados nos

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

EDITAL N O 01/2014 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE

EDITAL N O 01/2014 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE EDITAL N O 01/2014 POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL POLAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO AO ESTUDANTE EM VULNERABILIDADE SOCIAL BENEFÍCIO PERMANENTE A Diretoria Geral do Campus CAMPO MAIOR, por meio do Serviço

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 GABINETE DA MINISTRA PORTARIA No- 251, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Regulamenta a gestão das condicionalidades do Programa Bolsa Família, revoga a portaria GM/MDS nº 321, de 29 de setembro de 2008, e dá outras

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

Benefício de Prestação Continuada (BPC)

Benefício de Prestação Continuada (BPC) FICHA DE PROGRAMA Benefício de Prestação Continuada (BPC) Áreas temáticas: Assistência social; garantia de renda. 1. SUMÁRIO EXECUTIVO ATUALIZADO EM: 26/06/2015 O Benefício de Prestação Continuada da Assistência

Leia mais

Portaria Interministerial MPS/MF/MP/MDS/SEP Nº 1 DE 01/08/2014

Portaria Interministerial MPS/MF/MP/MDS/SEP Nº 1 DE 01/08/2014 Portaria Interministerial MPS/MF/MP/MDS/SEP Nº 1 DE 01/08/2014 Publicado no DO em 4 ago 2014 Dispõe sobre a concessão e manutenção do benefício assistencial devido aos trabalhadores portuários avulsos

Leia mais

COMUNICADO. Assunto: Bolsas de Estudos 2015

COMUNICADO. Assunto: Bolsas de Estudos 2015 COMUNICADO Assunto: Bolsas de Estudos 2015 O Colégio Franciscano Santa Clara informa os critérios para concorrer à bolsa de estudos 2015, aos candidatos que cumprirem com as seguintes condições: 1º Requisitos:

Leia mais

LEI Nº 3.604 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.604 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.604 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ESTABELECE a Política de Assistência Social do Município, as respectivas ações, critérios de atendimentos aos usuários e regulamenta a concessão de benefícios eventuais

Leia mais

Manual do Aluno Bolsista Faculdade Salesiana do Nordeste

Manual do Aluno Bolsista Faculdade Salesiana do Nordeste Manual do Aluno Bolsista Faculdade Salesiana do Nordeste Recife, 2014 Apresentação A Faculdade Salesiana do Nordeste atenta em atender os critérios de concessão e manutenção de Bolsa Social de Estudos,

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO IFPR

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO IFPR O que é a Assistência Estudantil? ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO IFPR Assistência Estudantil é uma ação do Estado que busca reduzir as desigualdades sociais e assegurar o acesso, a permanência e o êxito na

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

PROCESSO DE INSCRIÇÃO PARA BOLSAS EM PROJETOS DE EXTENSÃO

PROCESSO DE INSCRIÇÃO PARA BOLSAS EM PROJETOS DE EXTENSÃO PROCESSO DE INSCRIÇÃO PARA BOLSAS EM PROJETOS DE EXTENSÃO Dispõe sobre o processo de inscrição PARA BOLSAS EM PROJETOS DE EXTENSÃO para o Ensino Superior do Unisalesiano Lins. O Unisalesiano, situado a

Leia mais

EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA

EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA ASSOCIAÇÃO DE ENSINO COLÉGIO SÃO JOSÉ CNPJ 85.604.098/0001-49 R José Boiteux, 676 Porto União-SC 89400.000 Registro no CNAS:34.147/48 Certificado de Fins Filantrópicos proc.: 71010.006149/2008-97 Inscrição

Leia mais

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012

Centro de Referência de Assistência Social. Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social Paraná, agosto de 2012 Centro de Referência de Assistência Social - CRAS Unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social

Leia mais

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA A Ficha Socioeconômica deve ser preenchida, sem rasuras, assinada pelo (a) candidato(a) ou pelo(a) pai, mãe e/ou responsável legal e, apresentada

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Instrução Operacional Conjunta SENARC/SNAS/MDS nº 06 de 29 de outubro de 2010. Assunto: Estabelece instruções para a inserção, no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cadastro Único),

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIBARA CEARÁ CADASTRO ÚNICO DE JAGUARIBARA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIBARA CEARÁ CADASTRO ÚNICO DE JAGUARIBARA Secretária Municipal de Assistência Social SMAS Karla Rejanne Queirós Guedes PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIBARA CEARÁ CADASTRO ÚNICO DE JAGUARIBARA Equipe do Cadastro Único Adelina Maria Bezerra Peixoto

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 1.324/2009

LEI MUNICIPAL Nº. 1.324/2009 LEI MUNICIPAL Nº. 1.324/2009 CRIA PROGRAMAS SOCIAIS PARA ATENDIMENTO À POPULAÇÃO CARENTE DO MUNICÍPIO DE PENEDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PENEDO, Estado de Alagoas. Faço saber

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1.627/2011 Propõe critério orientadores para a regulamentação da provisão de benefícios eventuais no âmbito da política pública de Assistência Social. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha,

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A MÃO COOPERADORA Obras Sociais e Educacionais da Igreja de Deus no Brasil BR 116 Nº 13.386 Vila Fanny CNPJ 77.372.183/0001-09 CEP 81.6900-200 Curitiba PR Fone 3653-4584 EDITAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 24 DE ABRIL DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 24 DE ABRIL DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 24 DE ABRIL DE 2012. Aprova os critérios de partilha do cofinanciamento federal para apoio à oferta dos Serviços de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, em situação

Leia mais

1.3 Em nenhuma hipótese a Bolsa de Estudos será convertida em dinheiro para o aluno e/ou seu responsável financeiro.

1.3 Em nenhuma hipótese a Bolsa de Estudos será convertida em dinheiro para o aluno e/ou seu responsável financeiro. EDITAL Nº 03, de 17 de dezembro de 2014 A DIRETORA do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NOSSA SENHORA DE SION, no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno da instituição, e em conformidade

Leia mais

LEI Nº. 588/2010. Parágrafo único. Para seleção do beneficiário deste Programa serão considerados e observados os seguintes critérios:

LEI Nº. 588/2010. Parágrafo único. Para seleção do beneficiário deste Programa serão considerados e observados os seguintes critérios: 1 LEI Nº. 588/2010 CRIA PROGRAMAS SOCIAIS PARA ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO CARENTE DO MUNICÍPIO DE NOVO SÃO JOAQUIM E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito de Novo São Joaquim, Estado de Mato Grosso Senhor Leonardo

Leia mais