Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais"

Transcrição

1 Usando Visões SQL/XML para publicação de Dados Relacionais Luiz Aires de Souza Neto, Vânia Maria Ponte Vidal, Bernadette Farias Lóscio, Fernando Cordeiro Lemos Departamento de Computação - UFC {luiz_aires, vvidal, bernafarias, Resumo Atualmente, muitas aplicações usam o formato XML para troca de dados na Web. Entretanto, a maioria dos dados está armazenada em bancos de dados relacionais. Assim, necessita-se definir mecanismos para publicá-los no formato XML. Nesse trabalho, apresentamos a visão geral de um processo de criação de visões XML de dados relacionais. Uma visão XML é definida por um esquema XML e um conjunto de mapeamentos que especificam relacionamentos entre o esquema da visão XML e o esquema da base relacional. Mostraremos um exemplo de criação de uma visão XML seguindo os passos descritos pelo processo proposto. 1. Introdução XML tem se tornado o formato padrão para troca de informações entre aplicações na Web. Entretanto, como a maioria dos dados está armazenada em bancos de dados relacionais ou objetos-relacionais, surgiu a necessidade de definir mecanismos para publicá-los no formato XML. Uma maneira de publicar dados relacionais no formato XML consiste em criar visões XML sobre os dados relacionais. Uma visão pode ser materializada ou virtual. Visões materializadas melhoram o desempenho das consultas e a disponibilidade de dados, mas devem ser atualizadas para refletir mudanças nos dados da fonte subjacente [7]. No caso de visões virtuais, os dados ainda persistem em bases relacionais, enquanto as aplicações acessam os dados no formato de XML através da visão [1]. Entretanto, criar visões XML de dados relacionais levanta o problema de como definir a visão e de como avaliar uma consulta XQuery [8] sobre a visão. Neste caso, a consulta XQuery deve ser traduzida em SQL através da composição desta com a definição da visão. Com o surgimento do padrão SQL/XML [4] como parte do SQL:2003 [4], usuários podem recorrer à funções SQL/XML para publicar dados relacionais no formato XML. As vantagens dessa abordagem estão no fato de se usar um padrão para publicar dados relacionais e na capacidade de processar funções de publicação SQL/XML junto com cláusulas SQL, o que representa um ganho de desempenho. Nesse trabalho, apresentamos uma visão geral sobre o processo de criação e consulta de visões XML sobre qualquer banco de dados que suporte o padrão SQL/XML. Neste trabalho, uma visão é definida através de um esquema XML e de um conjunto de mapeamentos entre o esquema da visão XML e o esquema da base relacional. Assim, baseado nos mapeamentos da visão, é possível traduzir consultas definidas sobre o esquema da visão XML em consultas SQL/XML correspondentes sobre a base de dados relacional. Esse artigo está organizado como se segue. A Seção 2 discute o padrão SQL/XML. A Seção 3 apresenta uma visão geral sobre o processo de criação de visões XML de dados relacionais. A Seção 4 apresenta alguns trabalhos relacionados. A Seção 5 apresenta as conclusões. 2. SQL/XML Várias aplicações Web usam banco de dados relacionais para armazenar seus dados e utilizam XML para troca de dados com outras aplicações. Diversos SGBDs implementam extensões que permitem manipular dados relacionais no formato XML, mas, geralmente, estes sistemas adotam abordagens muito diferentes entre si, dificultando uma interoperabilidade entre eles. Entretanto, desenvolvedores precisam construir aplicações que funcionem independentemente do SGBD que será usado. Assim, a existência de um padrão que unifique o processo de obtenção de dados XML a partir de dados relacionais é muito importante. Nesse contexto, XQuery e SQL/XML são dois padrões que adotam consultas declarativas para obter dados XML. XQuery é a linguagem padrão para a realização de consultas sobre dados XML. Já o padrão SQL/XML é capaz de gerar dados no formato XML a partir de dados relacionais. A linguagem SQL/XML foi criada com a participação de grandes empresas tais como: Oracle, IBM, Microsoft, Sybase. SQL/XML é parte do padrão ANSI/ISO SQL As extensões do SQL:2003 que compõem o SQL/XML são: Funções de Publicação: permitem obter dados XML a partir de dados relacionais.

2 O tipo de dados XMLTYPE: esse novo tipo de dados foi adicionado para permitir armazenamento de valores XML. Regras de Mapeamento: definem como os valores relacionais serão convertidos em valores XML. Como o SQL é um padrão já maduro, existem várias ferramentas e infra-estrutura para suportá-lo. Assim, para um programador SQL aprender SQL/XML torna-se muito simples, pois são poucas as novas funções de publicação adicionadas ao SQL. Nesta restante dessa seção, discutimos as extensões relacionadas às funções de publicação Funções de publicação As funções de publicação XML permitem a construção de consultas SQL para a geração de documentos XML a partir de dados relacionais. Como estas funções são parte do padrão SQL 2003, podem ser usadas em conjunto com expressões SQL comuns. Algumas das funções de publicação do SQL/XML são descritas a seguir: XMLElement: Transforma valores relacionais em elementos XML. XMLAttributes: Define os atributos de um elemento XML. XMLForest: Transforma uma lista de valores relacionais em uma lista de elementos XML XMLConcat: Concatena dois ou mais elementos XML. XMLAGG: Trata relacionamentos 1:n, ou seja, trata coleções. XMLRoot: Cria o nó raiz de um documento XML. Para ilustrar o uso de SQL/XML, considere, por exemplo, o esquema de banco de dados relacional PEDIDOS_DB apresentado na Figura 1. CLIENTES_REL RUA CIDADE ESTADO CEP FONE1 FONE2 PRODUTOS_REL PRECO TAXA FK1 FK3 CLIENTE (FK) DATA_PEDIDO DATA_ENTREG DEST_RUA DEST_CIDADE DEST_ESTADO DEST_CEP ITENS_REL FK2 PEDIDO (FK) NUMERO PRODUTO (FK) QUANTIDADE DESCONTO Figura 2 apresenta uma instância do banco de dados relacional PEDIDOS_DB. Figura 3 apresenta a consulta SQL Q1 sobre o banco de dados PEDIDOS_DB. Q1 retorna os atributos CLI_ID e CLI_ dos clientes da tabela CLIENTES_REL. O resultado da consulta Q1 sobre a instância da Figura 2 é mostrado na Figura 4. Para obtermos o mesmo resultado da consulta Q1 no formato XML, poderíamos aplicar a consulta Q2, apresentada na Figura 5, sobre o mesmo banco de dados relacional citado. O resultado da consulta Q2 é mostrado na Figura 6. Note que, para cada tupla da tabela CLIENTES_REL, foi gerado um elemento XML estruturado com dois sub-elementos: um para o atributo CLI_ID e outro para o atributo CLI_. CLIENTES_REL COD RUA CIDADE EST FONE1 FONE2 1 Lucas S. José Itu SP Marcelo D. Luís Cedro CE Marta Vila I Santos SP NULL PRODUTOS_REL COD PRECO TAXA 2 Teclado Mouse DVD RW ITENS_REL PEDIDO NUMERO PRODUTO QUANTIDADE DESCONTO COD CLIENTE DT_PED DT_ENT RUA CIDADE EST /8/2007 9/9/2007 S. José Itu SP /2/2008 6/3/2008 D. Luís Cedro CE Figura 2. Uma Instância de PEDIDOS_DB. SELECT C., C. FROM CLIENTES_REL C Figura 3: Consulta Q Lucas Marcelo Marta Figura 4: Resultado da consulta SQL Q1. Figura 1. Esquema Relacional PEDIDOS_DB.

3 SELECT XMLELEMENT("Cliente", XMLFOREST( C. as " ClienteId", C. as "CliNome")) FROM CLIENTES_REL C Figura 5: Consulta Q2 <ClienteId>1</ClienteId> <CliNome>Lucas</CliNome> <ClienteId>4</ClienteId> <CliNome>Marcelo</CliNome> <ClienteId>6</ClienteId> <CliNome>Marta</CliNome> Figura 6: Resultado da consulta SQL/XML 3. Criação de visões XML de dados relacionais A seguir mostraremos a visão geral de um processo para a construção de uma visão XML a partir de um banco de dados relacional e, em seguida, mostraremos um exemplo seguindo os passos apresentados Processo de criação de visões XML O processo apresentado para criação de uma visão XML é composto dos seguintes passos. Passo 1 - Definição do esquema da visão: Neste passo, deve ser definida a estrutura da visão XML levando-se em consideração os requisitos dos usuários da visão. Essa estrutura pode ser definida usando qualquer linguagem de definição de esquema XML (por exemplo, XML Schema e DTD). O esquema da visão deve definir um único elemento raiz cuja estrutura descreve a estrutura dos elementos da visão. Passo 2 - Escolha da tabela pivô: A tabela pivô é uma tabela/visão relacional tal que existe um mapeamento 1-1 entre suas tuplas e os elementos da visão a ser construída. A tabela pivô é selecionada a partir de uma lista de tabelas e visões existentes no esquema do banco de dados relacional. relacionamento entre os elementos e atributos do esquema da visão XML e os atributos ou caminhos da tabela pivô. Passo 4 Geração da consulta que define a visão: Neste passo, o projetista deve gerar a consulta SQL/XML que define a visão sobre o esquema relacional. Essa consulta é gerada com base no esquema XML do Passo 1 e nos mapeamentos obtidos no Passo Exemplo de criação de visões XML de dados relacionais Nesta Seção apresentamos um exemplo para ilustrar o processo de criação da visão Pedidos_XML sobre o esquema relacional PEDIDOS_DB da Figura 1. A construção do esquema da visão corresponde ao primeiro passo do processo. A Figura 7 mostra o esquema da visão Pedidos_XML, o qual foi gerado pelo projetista da visão. Como vemos, o elemento raiz da visão é composto pelo atributo ID, o elemento de tipo simples DataPedido, e por dois elementos de tipo complexo: Cliente (que é do tipo Cliente_Type) e Itens (que é do tipo Itens_Type). A escolha da tabela pivô corresponde ao segundo passo do processo. Dentre as tabelas do esquema relacional PEDIDOS_DB, aquela que apresenta um mapeamento 1-1 para com os elementos da visão Pedidos_XML é a tabela. A especificação dos mapeamentos corresponde ao terceiro passo do processo. Na Figura 8, ilustramos os mapeamentos entre o esquema da visão XML e o esquema relacional. Por exemplo, existe um mapeamento entre o elemento DataPedido da visão XML e o atributo DATA_PEDIDO do esquema relacional. Este mapeamento especifica que existe uma correspondência entre eles. (integer) DataPedido (date) Cliente (Cliente_Type) Nome (string) Endereco (End_Type) Rua (string) Cidade (string) Estado (string) Fone* (string) Item* (Item_Type) Numero (integer) Produto (string) Quantidade (integer) Figura 7. Esquema da Visão Pedidos_XML. Passo 3 - Especificação dos mapeamentos: O projetista deve especificar os mapeamentos que definem o

4 DataPedido Cliente Nome Endereco Rua Cidade Estado Fone* Item* Numero Produto Quantidade CLIENTE DATA_PEDIDO FK1 (CLIENTES_REL) RUA CIDADE ESTADO CEP FONE1 FONE2 FK2-1 (ITENS_REL) PEDIDO NUMERO PRODUTO QUANTIDADE DESCONTO FK3 (PRODUTOS_ REL) PRECO TAXA Figura 8. Mapeamentos entre o esquema da visão Pedidos_XML e o esquema relacional PEDIDOS_DB. A geração da consulta SQL/XML que define a visão corresponde ao quarto passo. Figura 9 mostra a consulta SQL/XML que define a visão Pedidos_XML. A figura também mostra que elemento ou atributo da visão é obtido por cada chamada de função de publicação. Por exemplo, na linha 3, a cláusula XMLFOREST(P.DATA_PEDIDO AS "DataPedido") gera o elemento XML <DataPedido> a partir do atributo P.DATA_PEDIDO. 4. Trabalhos Relacionados A publicação de dados relacionais através de visões XML foi abordada em diversos trabalhos. Entre eles estão: Oracle [1], XPeranto [3], Silkroute [5], DB2 XMLExtender [2] e SQL Server [6]. Em XPeranto [3] e SilkRoute [5], a visão XML é definida através de uma consulta XQuery [19] sobre uma visão canônica XML que representa as tabelas do banco de dados relacional. Essa consulta define o esquema da visão e seus mapementos com o esquema da visão canônica. Em ambos os sistemas, a realização de uma consulta XQuery sobre uma visão XML é feita usando um middleware sobre o banco relacional. O middleware traduz a consulta XQuery em uma ou mais consultas SQL equivalentes. Então, o resultado SQL é convertido no documento XML resultante. No DB2 XMLExtender [2] e no SQL Server [6], os mapeamentos são armazenados através de esquemas anotados [6]. Em ambos os casos, a definição dos mapeamentos é muito complexa. 1. SELECT XMLELEMENT("Pedido", 2. XMLATTRIBUTES(P. AS "ID"), 3. XMLFOREST(P.DATA_PEDIDO AS "DataPedido"), 4. (SELECT XMLELEMENT("Cliente", 5. XMLFOREST(C.C AS "Nome"), 6. XMLELEMENT("Endereco", 7. XMLFOREST(C.RUA AS "Rua"), 8. XMLFOREST(C.CDADE AS "Cidade"), 9. XMLFOREST(C.ESTADO AS "Estado"), 10. XMLFOREST(C.CEP AS "CEP") ), 11. XMLFOREST(C.FONE1 AS "Fone"), 12. XMLFOREST(C.FONE2 AS "Fone") ) 13. FROM CLIENTES_REL C WHERE C. = P.), 14. (SELECT XMLAGG( XMLELEMENT("Item", 15. XMLFOREST(I.NUMERO AS "Numero"), 16. XMLFOREST( (SELECT R. FROM PRODUTOS_REL 17. WHERE R. = I.PRODUTO), "Produto" ), 18. XMLFOREST(I.QUANTIDADE AS "Quantidade") ) ) 19. FROM ITEMS_REL I WHERE I.PEDIDO = P. ) ) 20. FROM P; Pedido/ID Pedido/DataPedido Pedido/Cliente Pedido/Item Figura 9. Consulta SQL/XML que define a visão.

5 Além disso, o SQL Server provê a cláusula FOR XML que permite gerar dados XML de dados relacionais. Neste caso, o mapeamento é definido no momento da consulta e não é armazenado. Oracle [1] foi o primeiro SGBD a suportar a criação de visões XML como consultas SQL/XML sobre dados relacionais. Tais visões podem ser consultadas usando a linguagem XQuery. O processo apresentado neste trabalho pode ser facilmente adaptado a esses outros sistemas. Para tanto, basta gerarmos no Passo 4 as definições correspondentes para cada sistema, ao invés de gerar a consulta SQL.XML. 5. Conclusão Neste trabalho discutimos um processo de criação de visões XML de dados relacionais, que consiste em quatro passos: (1) O projetista define o esquema da visão XML; (2) O projetista seleciona a tabela pivô a partir de uma lista de tabelas do esquema do banco de dados relacional; (3) O projetista define um conjunto de mapeamentos que identificam correspondências entre o esquema da visão XML e o esquema do banco de dados relacional; (4) Baseado nos mapeamentos, é gerada a consulta SQL/XML que define a visão XML. Uma vantagem do nosso processo está no fato de poder ser aplicado sobre qualquer banco que implementa o padrão SQL/XML. Além disso, a manutenção de mapeamentos torna-se menos complexa, uma vez que alterações no esquema do banco de dados precisam ser propagadas apenas nos elementos da visão que têm correspondência com os campos das tabelas relacionais que foram alterados. Como vimos, o nosso processo pode ser adaptado a outros tipos de sistemas que publicam visões XML sobre dados relacionais. Referências [1] Adams, D., Oracle XML DB 10g Release 2 Developer's Guide. tabase10gr2.html, [2] Benham, S.E., IBM XML-Enabled Data Management Product Architecture and Technology. In: XML Data Management, Native XML and XML- Enable Database Systems, Chaudhri, A.B., Rashid, A., and Zicari, R. (eds.), Addison Wesley, [3] Carey, M. J., Kiernan, J., Shanmugasundaram, J., Shekita, E. J., Subramanian, S. N., XPERANTO: Middleware for Publishing Object-Relational Data as XML Documents. In: VLDB, pp , [4] Eisenberg, A., Melton, J., Kulkarni, K., Michels, J.E. and Zemke, F., SQL:2003 has been published. In: ACM SIGMOD, pp , [5] Fernández, M., Kadiyska, Y., Suciu, D., Morishima, A., Tan, W., SilkRoute: A framework for publishing relational data in XML. In: TODS, pp , [6] Rys, M., XML Support in Microsoft SQL Server In: XML Data Management, Native XML and XML-Enable Database Systems, Addison Wesley, [7] Vidal, V. M. P., Araujo, V. S., Casanova, M. A., Towards Automatic Generation of Rules for the Incremental Maintenance of XML Views over Relational Data. In: WISE 2005, pp , [8] World Wide Web Consortium, XQuery 1.0: An XML Query Language. W3C Working Draft, 2004, Disponível em:

Banco de Dados. Módulo 12b SQL/XML

Banco de Dados. Módulo 12b SQL/XML Banco de Dados Módulo 12b SQL/XML Tópicos Histórico Exemplo Funções de Publicação XMLElement( XMLAttributes( XMLForest( XMLAgg( XMLConcat( Histórico SQL/XML (ou SQLX: parte do padrão SQL:2003 permite criar

Leia mais

RelP Um middleware para publicação e consulta de dados relacionais através de visões SQL/XML

RelP Um middleware para publicação e consulta de dados relacionais através de visões SQL/XML UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Dissertação de Mestrado RelP Um middleware para publicação e consulta de dados relacionais

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

O Modelo Universal e a abstração radical de dados

O Modelo Universal e a abstração radical de dados O Modelo Universal e a abstração radical de dados Fábio Medeiros Nasário (UNIVALI) fabio@dpfsc.gov.br Vinícius Medina Kern (UNIVALI e PPGEP/UFSC) kern@eps.ufsc.br Eugênio Rubens Cardoso Braz (UNIVALI e

Leia mais

SuporteNativoa XML no

SuporteNativoa XML no SuporteNativoa XML no Gerenciamento de Dados e Informação Suporte Nativo a XML no Oracle Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo 2 Oracle & XML Habilita uma fonte confiável para XML Apresenta flexibilidade

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

XML & Banco de Dados

XML & Banco de Dados SECCOM - UFSC Semana de Cursos e Palestras da Computação Outubro/2004 XML & Banco de Dados Ronaldo dos Santos Mello INE / CTC / UFSC ronaldo@inf.ufsc.br Roteiro 1. Introdução 2. Tecnologia XML 3. Gerenciamento

Leia mais

XML 3XEOLVKHU:Um )UDPHZRUN para Publicar Dados Objeto-Relacionais Através de Visões XML

XML 3XEOLVKHU:Um )UDPHZRUN para Publicar Dados Objeto-Relacionais Através de Visões XML XML 3XEOLVKHU:Um )UDPHZRUN para Publicar Dados Objeto-Relacionais Através de Visões XML Lineu Antonio de Lima Santos Orientadora: Profª. Drª. Vânia Maria Ponte Vidal Dissertação apresentada ao Mestrado

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Armazenamento de Documentos XML em SGBDs Objeto-Relacionais. Vanessa Braganholo

Armazenamento de Documentos XML em SGBDs Objeto-Relacionais. Vanessa Braganholo Armazenamento de Documentos XML em SGBDs Objeto-Relacionais Vanessa Braganholo XML em diferentes contextos Na gerência de dados e conteúdo Para comunicação entre aplicações XML Para comunicação entre componentes

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS

ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS ArgoCASEGEO + TerraLib = bancos de dados geográficos para aplicações Small GIS Alexandre Gazola, Gustavo Breder Sampaio, Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Introdução a Banco de Dados

Introdução a Banco de Dados Introdução a Banco de Dados O modelo relacional Marta Mattoso Sumário Introdução Motivação Serviços de um SGBD O Modelo Relacional As aplicações não convencionais O Modelo Orientado a Objetos Considerações

Leia mais

Integração de Dados na Web. Ana Carolina Salgado Bernadette Lóscio

Integração de Dados na Web. Ana Carolina Salgado Bernadette Lóscio Integração de Dados na Web Ana Carolina Salgado Bernadette Lóscio Conteúdo Introdução Integração de Informações Consultando a Web Introdução Motivação Web e BD Arquitetura na Web Introdução Evolução da

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Introdução Conceitos do Modelo Relacional Restrições de Integridade Básicas Esquema do BD Relacional Restrições

Leia mais

Armazenamento de Dados XML em SGBDs. Agenda

Armazenamento de Dados XML em SGBDs. Agenda Armazenamento de Dados XML em SGBDs Fernanda Baião fernanda.baiao@uniriotec.br Apresentação baseada no material de Humberto José Vieira Junior e Gabriela Ruberg 2006 1 Agenda Introdução Armazenamento de

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Breve Histórico do Curso de Ciência da Computação

Breve Histórico do Curso de Ciência da Computação Breve Histórico do Curso de Ciência da Computação 1 Geração adaptativa de malha baseada em erro de curvatura Daniel Lima Sousa Esse trabalho descreve uma estratégia de adaptação para geração de malhas,

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 3 Linguagem SQL Linguagem de manipulação de dados (DML) DISCIPLINA: Banco de

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br. Bancos de Dados. Fernando Albuquerque. 061-2733589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br. Bancos de Dados. Fernando Albuquerque. 061-2733589 fernando@cic.unb.br Bancos de Dados Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br Tópicos Introdução O modelo relacional A linguagem SQL Introdução O que é um banco de dados : Coleção de informações que existe por

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis.

UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis. UNISA Universidade de Santo Amaro http://www.unisa.br Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server http://www.unisa-sis.info Junho/2010 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE)

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE) BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SQL (STRUCTUREDQUERY

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração,

INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G AGDA COUTINHO GOMIDE 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, manutenção, organização,

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta Bancos de dados XML Conceitos e linguagens de consulta Sidney Roberto de Sousa MC536 - Bancos de Dados: Teoria e prática Material base: W3Schools XPath and XQuery Tutorial http://www.w3schools.com/xpath/

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt

Prof. Ronaldo R. Goldschmidt. ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt Prof. Ronaldo R. Goldschmidt ronaldo@de9.ime.eb.br rribeiro@univercidade.br geocities.yahoo.com.br/ronaldo_goldschmidt Prof. Ronaldo Ribeiro Goldschmidt REVISÃO DE BD RELACIONAIS E SQL! "" #!$ #%! $& #

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca. Graduação

Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca. Graduação Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca 1 Suporte Nativo a XML no Oracle 10g 2 Oracle 10g XML Parsers Suporte a interfaces DOM e SAX XML Class Generator Código fonte a partir de XML DTD ou

Leia mais

Sistema de Processamento de Arquivos

Sistema de Processamento de Arquivos Banco de Dados Banco de Dados; Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados; Modelo Entidade-Relacionamento; Banco de Dados Relacional; Banco de Dados Distribuído; Banco de Dados Federado; Projeto de Banco

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional

Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Armazenamento e Pesquisa de Topic Maps em Banco de Dados Relacional Lucas Indrusiak, Renato Azevedo, Giovani R. Librelotto UNIFRA Centro Universitário Franciscano Rua dos Andradas, 1614 97.010-032 Santa

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013

Aplicações - SQL. Banco de Dados: Teoria e Prática. André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Aplicações - SQL Banco de Dados: Teoria e Prática André Santanchè e Luiz Celso Gomes Jr Instituto de Computação UNICAMP Agosto de 2013 Picture by Steve Kelley 2008 SQL SQL Structured Query Language Originalmente:

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink

Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Persistência de Dados em Java com JPA e Toplink Vinicius Teixeira Dallacqua Curso de Tecnologia em Sistemas para Internet Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - IFTO AE 310 Sul, Avenida

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 7 - Outras Arquiteturas para SGBDs 7.7 - SGBDs e a Web

Sistemas de Gerência de Bancos de Dados. 7 - Outras Arquiteturas para SGBDs 7.7 - SGBDs e a Web Sistemas de Gerência de Bancos de Dados 7 - Outras Arquiteturas para SGBDs 7.7 - SGBDs e a Web 1 Tópicos Modelos de Dados para a Web Linguagens de Consulta para a Web Integração de Informação Extraída

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD

MODELAGEM DE DADOS. Unidade II Arquiteturas do SGBD MODELAGEM DE DADOS Unidade II Arquiteturas do SGBD 0 UNIDADE II: TÓPICOS: Tópico 1 - Arquitetura SGBD Tópico 2 - Etapas de um projeto de Banco de Dados Tópico 3 Modelagem Tópico 1 - Arquitetura SGBD A

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML

Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML Linguagem de Consulta Estruturada SQL- DML INTRODUÇÃO A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

SQL: Interrogações simples

SQL: Interrogações simples SQL: Interrogações simples Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 20 Structured Query Language (SQL) É uma implementação da álgebra relacional incluindo os operadores extendidos. Contém

Leia mais

Trabalho de Graduação

Trabalho de Graduação Trabalho de Graduação Armazenamento de Mídias e Objetos Virtuais Utilizando o Suporte Nativo a XML do Oracle 10g Aluna: Nara de Arruda Falcão (naf@cin.ufpe.br) Orientador: Fernando da Fonseca de Souza

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

JPA: Persistência padronizada em Java

JPA: Persistência padronizada em Java JPA: Persistência padronizada em Java FLÁVIO HENRIQUE CURTE Bacharel em Engenharia de Computação flaviocurte.java@gmail.com Programação Orientada a Objetos X Banco de Dados Relacionais = Paradigmas diferentes

Leia mais

Introdução ao SQL. Aécio Costa

Introdução ao SQL. Aécio Costa Aécio Costa A linguagem SQL é um padrão de linguagem de consulta comercial e possui as seguintes partes: Linguagem de definição de dados (DDL) Linguagem interativa de manipulação de dados (DML) Definição

Leia mais

ESTADO DA ARTE EM ARMAZENAMENTO DE DADOS XML EM BANCO DE DADOS

ESTADO DA ARTE EM ARMAZENAMENTO DE DADOS XML EM BANCO DE DADOS WELLINGTON SILVA DUARTE RA 0305214. 8º SEMESTRE ESTADO DA ARTE EM ARMAZENAMENTO DE DADOS XML EM BANCO DE DADOS Jaguariúna 2006 WELLINGTON SILVA DUARTE RA 0305214. 8º SEMESTRE ESTADO DA ARTE EM ARMAZENAMENTO

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

Esquema da Relação. Modelo Relacional. Instância da Relação. Exemplo. Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos

Esquema da Relação. Modelo Relacional. Instância da Relação. Exemplo. Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos Modelo Relacional Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos Uma relação é uma tabela com linhas e colunas Esquema da Relação Descreve as colunas da tabela Especifica

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sistema de Arquivos. Prof. Edilberto Silva - edilms@yahoo.com. Sistemas de Informação Brasília/DF 2 Conceitos Básicos Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas

Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD. Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Modelos de Dados e Arquitetura de um SGBD Introdução 1º Bimestre Prof. Patrícia Lucas Abstração Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser utilizados para descrever a estrutura lógica e física

Leia mais

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira

Introdução. Unidade 1. Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Unidade 1 Introdução Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José Pereira Contexto

Leia mais

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos

O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Prof. Herondino O Termo SIG é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos Inserir e integrar, numa única base de dados informações espaciais provenientes de: meio

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação XMLDB Developer Uma ferramenta de auxílio ao aprendizado e uso do Oracle XML DB TRABALHO DE GRADUAÇÃO Recife,

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

6 Desenvolvimento do Protótipo

6 Desenvolvimento do Protótipo 6 Desenvolvimento do Protótipo Este capítulo trata do desenvolvimento de um protótipo para a arquitetura proposta. Inicialmente, será feita uma descrição de um estudo de caso ao qual a arquitetura é aplicada

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais