TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UMA BASE DE ARMAZENAMENTO DE COMBUSTIVEIS: ESTUDO DA EFICIENCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UMA BASE DE ARMAZENAMENTO DE COMBUSTIVEIS: ESTUDO DA EFICIENCIA"

Transcrição

1 TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UMA BASE DE ARMAZENAMENTO DE COMBUSTIVEIS: ESTUDO DA EFICIENCIA Ana Paula Ramos Ferreira 1 Osmar Mendes Ferreira 2 Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Engenharia Ambiental AV. Universitária, Nº 1440 Setor Universitário Fone (62) CEP: Goiânia - GO. RESUMO Essa pesquisa desenvolveu-se para caracterizar e chamar à atenção do risco potencializado pelas redes de distribuição de petróleo. Em Goiás, essa atividade é intensa em Senador Canedo. A avaliação da eficiência do sistema de tratamento de efluentes de uma base de armazenamento de combustíveis ocorre através do separador água e óleo -SAO. A utilização de equipamentos de alta tecnologia podem contribuir na minimização do lançamento de efluentes nos corpos receptores. Levando em consideração a qualidade ambiental, análises obtidas seguindo os parâmetros exigidos, são comparados com a qualidade e monitoramento visando a preocupação com a contaminação das águas e seu potencial poluidor. Portanto, a eficiência é sempre resultante da boa operação e manutenção do sistema de tratamento. Palavras-chave: Separador de água e óleo, combustíveis, poluição e meio ambiente. ABSTRACT This research was developed to characterize and to call to the attention of the risk potencializado for the nets of oil distribution. In Goiás, this activity is intense in Canedo Senator. The evaluation of the efficiency of the system of treatment of effluent of a base of fuel storage occurs through the separating water and oil - SAO. The equipment use of high technology can contribute in the minimização of the launching of effluent in the receiving bodies. Taking in consideration the ambient quality, gotten analyses following the demanded parameters, are compared with the quality and monitoramento aiming at the concern with the contamination of waters and its polluting potential. Therefore, the efficiency is always resultant of the good operation and maintenance of the treatment system. Word-key: Sifter of water and oil, fuels, pollution and environment. 1 Acadêmica do curso de Engª Ambiental da Universidade Católica de Goiás. 2 Profº do Dep. de Engª da Universidade Católica de Goiás - UCG

2 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande desenvolvimento industrial, a contaminação das águas e os problemas ambientais têm se tornado cada vez mais constantes, levando as empresas a aplicarem novas tecnologias e se tornarem mais rígidas com seus descartes de efluentes. Entre esses problemas o que mais preocupa é a contaminação das águas por efluentes industriais. Diante destes aspectos, este artigo mostrará que a descarga de efluentes não tratados nos rios, lagos e solo contribuem para a poluição do nosso meio ambiente, e ainda abordará a fiscalização e o monitoramento dos sistemas de tratamento acompanhando as características físicas, químicas e biológicas para que esses problemas sejam minimizados. Para a conservação de nossa herança ambiental e recursos naturais para as futuras gerações, soluções economicamente viáveis devem ser desenvolvidas com o objetivo de reduzir o consumo de recursos, deter a poluição e conservar habitats naturais. A contaminação das águas tem sido um dos grandes problemas que enfrentamos na sociedade moderna. O ponto fundamental para este fim é conciliar a produção industrial com a conservação do meio ambiente que nos cerca. A eficiência industrial é o primeiro passo para a conservação do meio ambiente. Faz-se necessário então que as indústrias de petróleo adotem monitoramentos sobre a qualidade e quantidade dos efluentes industriais que são lançados, a fim de minimizar os impactos. Para isso existem sistemas de tratamento que consistem em várias etapas, e que têm como objetivo principal à remoção dos poluentes. Mas, somente a utilização de técnicas de controle não é suficiente, é necessário que haja uma conscientização das indústrias para que tornem eficazes as técnicas empregadas no tratamento de efluentes. Em sua grande maioria, os hidrocarbonetos formam o petróleo através de suas misturas. Em uma mistura complexa, o petróleo é composto de hidrocarbonetos parfínicos, cicloparafínicos e aromáticos. O petróleo traz grandes riscos ao meio ambiente desde de sua extração, transporte, refino até o consumo. Grandes acidentes ambientais já ocorreram devido a vazamentos em poços de petróleo e rompimentos de dutos, podendo contaminar o solo e a água. As indústrias de armazenamento de petróleo possuem separadores de água e óleo para tratar os efluentes gerados. Mas, se seus efluentes são muito densos, possuindo grande quantidade de óleo, estes são encaminhados para refinarias recebendo um tratamento rigoroso.

3 3 Os sistemas de tratamento devem ser utilizados não só com o objetivo de tratar os efluentes, mas também com intuito de atender outras premissas. Deve-se sempre tratar os esgotos sanitários gerados na própria empresa, evitando assim a sobrecarga no sistema público. Assim, toda indústria deve controlar totalmente a sua carga poluidora. Podemos finalizar aqui, que um bom sistema de tratamento é aquele que tem qualificação ambiental e pode ser visitado. Apesar de algumas empresas terem pouca consciência ambiental, as de grande porte e com capacidade para qualificar seu tratamento, procuram melhorar seus recursos se preocupando com a qualidade ambiental. Esse estudo deve-se ao fato de ser uma grande motivação para as indústrias de petróleo na preservação do nosso meio ambiente, pois vimos que efluentes não tratados são jogados nos rios e lagos poluindo os mesmos, sem o devido tratamento. O objetivo dessa pesquisa foi verificar a eficiência dos sistemas de tratamento de efluentes industriais em uma base de armazenamento de combustível, destacando os efluentes contaminados pelas indústrias e como seus avanços tecnológicos podem contribuir para auxiliar nos impactos ambientais causados pela atividade da indústria que em Senador Canedo-GO, está instalado um complexo dessas atividades. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A contaminação do meio ambiente tem sido apontada como um dos maiores problemas da sociedade moderna. Como resultado de uma crescente conscientização deste problema, novas normas e legislações cada vez mais restritivas têm sido adotadas a fim de minimizar esses impactos ambientais. No Brasil, esse controle ainda é insuficiente e a ausência de processos de tratamentos adequados, bem como de descarga de resíduos é uma realidade. Para que os impactos ambientais sejam minimizados, o controle desses efluentes deverá ser eficiente e a busca de recirculação das águas deve ser permanente. Algumas vezes uma estação de tratamento de efluentes industriais não opera eficientemente. É necessário, então, que procedimentos operacionais sofram mudanças e ou melhorias no projeto original. A eficiência é medida através de análises nos efluentes finais e mesmo até nos afluentes, para se saber, neste caso, se o que chega à estação não sofreu alterações que, de alguma forma, não

4 4 se incorporou com o que anteriormente havia sido previsto. Além disso, outros aspectos devem ser levados em conta, como por exemplo, se a manutenção está adequada ou se algum insumo não condiz. Existe hoje a necessidade do desenvolvimento de novos processos de tratamento de efluentes que garantam um baixo nível de contaminantes. Entre os processos de tratamento comumente utilizados industrialmente, existe também a incineração, o tratamento biológico e o co-processamento que são considerados os mais eficientes no que diz respeito à destruição de compostos tóxicos, uma vez que promovem a oxidação e redução dos contaminantes. (NOGUEIRA E JARDIM, 1998). O co-processamento é uma técnica usada para destruir resíduos industriais de maneira responsável e definitiva, sem a criação de passivos ambientais e ao mesmo tempo, é uma forma de substituir matérias-primas e combustíveis fósseis. Este processamento é indicado para o tratamento de resíduos industriais líquidos, sólidos e pastosos. O tipo de contaminante analisado no projeto, o Hidrocarboneto, esse que têm até quatro átomos de carbono são gases à temperatura ambiente, e são estes os mais importantes do ponto de vista da contaminação atmosférica, pois favorecem a formação de reações fotoquímicas, contribuindo para o surgimento do smog fotoquímico. (MARIANO, 2001). Smog fotoquímico, é a reação de hidrocarbonetos, não muito poluentes, com gases presentes na atmosfera, O 3, NO e NO 2. O ozônio é o principal componente do smog fotoquímico. Analisando o estudo realizado por Mariano (2001), os efluentes de processo industriais são usualmente definidos como qualquer água ou vapor condensado que tenha entrado em contato com óleo, estando este último sob a forma líquida ou gasosa, e que pode, portanto, conter óleos ou contaminantes químicos. Os efluentes líquidos gerados nas unidades da indústria são tratados visando ao seu enquadramento nos limites estabelecidos pela legislação ambiental. Um exemplo de preocupação é com o impacto ambiental de seus efluentes que geram despejo de água e resíduos líquidos. Todos os efluentes gerados por aquela empresa e lançados em corpos d água devem estar de acordo com os parâmetros estabelecidos pela Resolução 357 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) de 17 de Março de 2005, não gerando assim impactos ambientais indevidos. Além desses parâmetros, os padrões de qualidade dos corpos receptores e padrões de lançamento de efluentes nos corpos d água, ambos estão de certa forma inter-relacionados. E o objetivo de ambos é a preservação da qualidade no corpo d água. (SILVA, 2005). Um dos grandes problemas enfrentados pelas indústrias de refino de petróleo é o

5 5 tratamento dos seus efluentes antes da sua deposição no meio ambiente. Uma boa parcela destes efluentes é constituída de emulsões de óleo em água. De acordo com o CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 357, art.34 (2005), o teor de óleos e graxas em efluentes não deve exceder 20 mg/l. Um processo para separação de emulsões que vem recebendo crescente atenção devido a sua eficiência energética, facilidade de operação, vasta aplicabilidade, entre outras vantagens são os que utilizam membranas como principio ativo de seu funcionamento. Com o desenvolvimento e aplicação de um sistema especifico de membranas, sozinho ou em conjunto com outras técnicas, podemos assegurar a passagem de apenas moléculas especificas, mesmo em situações onde os efluentes possuem um alto teor de óleo. (SILVA, 2003). As refinarias de petróleo normalmente empregam sistemas separadores de esgotos para separar as águas oleosas, as águas de processo, as águas de chuvas drenadas, a água de refrigeração servida e os esgotos sanitários. Tal separação se faz necessária na medida em que todos esses efluentes não passarão pelas mesmas etapas de tratamento. Muitas separações de óleo e água são feitas por processos meramente físicos, outras, porém, necessitam de processos físico-químicos. Em qualquer caso, projetos especiais têm que ser realizados para se alcançar a eficiência que atenda aos padrões da legislação. Segundo o artigo técnico da empresa Engenho Novo, água oleosa é um termo genérico usado para descrever todas as águas que apresentam quantidades variáveis de graxas, óleos lubrificantes, além de uma variedade de outros materiais em suspensão. De acordo com a Resolução 357 do CONAMA a qualidade das águas é representada por um conjunto de características, geralmente mensuráveis, de natureza química, física e biológica. Sendo um recurso comum a todos, foi necessário, para a proteção dos corpos receptores, instituir restrições legais de uso. Desse modo, as características físicas e químicas da água devem ser mantidas dentro de certos limites, os quais são representados por padrões, valores orientadores da qualidade de água, dos sedimentos e da biota. Para que os efluentes líquidos sejam lançados nos corpos hídricos receptores, devem ser observados os padrões de emissão de efluentes constantes da resolução 357 (CONAMA, 2005). No Decreto nº de 06 de Dezembro de 1979 da legislação do estado de Goiás, os efluentes não podem ser lançados mesmo se tratados, se existem alterações em seu parâmetros e valores, que podem prejudicar a qualidade da água. Um separador de hidrocarbonetos é um equipamento destinado a reter os hidrocarbonetos contidos nas águas usadas antes do seu despejo no esgoto. Este equipamento

6 6 deve obrigatoriamente ser procedido de um decantador que reterá as partículas decantáveis. (F.P. Ambiente). No tratamento dos efluentes líquidos gerados em uma base de armazenamento de combustíveis segundo normas internas, os efluentes podem ser enquadrados três tipos sistemas estes que são tratados de acordo com o grau de contaminação: - Sistema Pluvial Limpo: que são os efluentes que não apresentam contaminação podendo ser lançados no corpo receptor. Todos os efluentes que se enquadram neste sistema passam por remoção de sólidos grosseiros e areia, antes de serem descartados no corpo receptor. - Sistema Contaminado: os efluentes que se encaixam no sistema contaminado, possuem presença de hidrocarbonetos este podendo conter sólidos suspensos e dissolvidos impossibilitando seu lançamento direto no corpo receptor. Este sistema necessita de um tratamento preliminar, muitas das vezes podem ser tratados na própria base de armazenamento de combustíveis. - Sistema Oleoso: possuem presença constante de hidrocarbonetos, se tornando mais denso. Este efluente não é tratado na base. Para remoção dos sólidos grosseiros utilizamos as chamadas: grades, peneiras, sedimentadores e flotadores. Os sólidos dissolvidos são removidos utilizando tratamentos físico-químicos. Os processos biológicos são utilizados para a remoção de matéria orgânica dissolvida. Iremos agora descrever os níveis de tratamento que são: Preliminar, Primário, Secundário e Terciário e as suas aplicações. - Preliminar: Faz a remoção de sólidos sedimentáveis grosseiros (areia, terra, carvão, pó de pedra e similares), em caixas de areia; sólido com diâmetro superior a 1 mm (penas, plásticos, fios e similares), são removidos em peneiras; sólidos com diâmetros superiores a 10 mm podem ser removidos em grades. O nível preliminar compreende também a remoção por diferença de densidade dos óleos e graxas livres em separadores (SAO) de água e óleo (caixas separadores tipo API, TPI). - Primário: Remove os sólidos por sedimentação ou flotação (utilizando sedimentadores ou flotadores), ou pela associação de coagulação e floculação química (clarificação físico-química para a remoção de matéria orgânica ou óleos e gorduras emulsionados). Nesta etapa são removidos normalmente componentes tóxicos (excesso de detergentes, corantes, amidas, etc.), matéria orgânica, gorduras e metais pesados (dissolvidos). - Secundário: Remoção de matéria orgânica biodegradável dissolvida. Nesta

7 7 etapa podem ser também removidos os nutrientes: nitrogênio ou fósforo. Estes elementos estão presentes nos esgotos sanitários e nos efluentes industriais e são essenciais as diversas formas de vida, causando problemas devido proliferação de plantas aquáticas nos corpos receptores. Nos esgotos sanitários são provenientes dos próprios excrementos humanos, mas atualmente tem fontes importantes nos produtos de limpeza domésticos e industriais, tais como: detergentes e amaciantes de roupas. Nos efluentes industriais podem ser originados em proteínas, aminoácidos, ácidos fosfóricos e seus derivados. - Terciário: Melhora a qualidade dos efluentes tratados pelas remoções de cor residual, turbidez (remoção de colóides, metais pesados, nitrogênio, fósforo, compostos orgânicos refratórios aos níveis de tratamento anterior); e desinfecção do efluente tratado. Os efluentes tratados em uma base de armazenamento de combustível, por exemplo, são os hidrocarbonetos naturais, compostos químicos constituídos por átomos de carbono (C), hidrogênio (H), aos quais se podem juntar átomos de oxigênio (O), azoto (N) e enxofre (S). 3 METODOLOGIA O cenário desse estudo desenvolveu-se no setor de armazenamento e distribuição de petróleo instalado em Senador Canedo-Go. Nesse trabalho foram desenvolvidos dois sujeito de pesquisa: - Pesquisa teórica: foram estudados, conceitos envolvendo o sistema de informação com suas fontes e canais. As referências bibliográficas constam de pesquisas em sites referenciados na Internet para levantamento de informações e livros técnicos. - Pesquisa de Campo: a pesquisa de campo foi realizada em uma base de armazenamento de combustível, através da coleta de amostras no próprio local gerador de efluente, ao final de cada mês avaliando as considerações ambientais. Nas figuras e quadros, que posteriormente estarão dispostas para a comparação dos valores de parâmetros da Resolução 357 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) publicado pela Legislação Federal em 2005 e Decreto nº de 06 de Dezembro de 1979, poderemos verificar os resultados finais das análises.

8 8 O sistema estudado foi o tratamento de efluentes industriais em uma base de armazenamento de combustível. O estudo de sua eficiência, que é um assunto de grande interesse na área de engenharia ambiental e tem se destacado pelo potencial poluidor que essas empresas possuem ao lançarem seus efluentes sem devido tratamento. Os instrumentos utilizados para coleta de dados foram entrevistas com: engenheiro civil especializado na área de meio ambiente, técnicos em segurança do trabalho, registros fotográficos e análises feitas no local de estudo. 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES A Figura 1 mostra o fluxograma de tratamento de efluentes contaminados, passando por todos os processos de pré-tratamento antes de ser lançado em um sistema de tratamento. EFLUENTE CONTAMINADO GRADEAMENTO DESARENADOR CAIXA DE PARTIÇÃO Figura 1: Fluxograma. TRATAMENTO PRIMÁRIO A Figura 2, mostra o Sistema de Tratamento Primário que recebe somente as águas contaminadas. As águas pluviais limpas são lançadas direto no corpo receptor através de canaletas, as águas contaminadas são tratadas no sistema de tratamento e as águas oleosas são retornadas para a refinaria, através de transporte rodoviário, para receberem tratamento, pois esta é mais densa ou são encaminhadas para tratamento externo em empresa especializada. O sistema possui gradeamento, desarenador, caixa de partição e bacias ou tanques de acumulação onde a água contaminada fica em repouso ocorrendo a decantação da mistura de água e óleo, sendo assim o líquido mais denso se separa após a deposição.

9 9 No gradeamento ocorre à retenção de sólidos grosseiros através de grades fixas ou móveis, facilitando a limpeza e remoção dos sólidos retidos. Assim, este processo aumenta a eficiência para a próxima etapa do tratamento de efluentes. Após ter passado pelo gradeamento, o efluente é destinado à remoção de sólidos finos, o desarenador, este constituído por sistema de sedimentação. Na Figura 2, observamos dois decantadores, número mínimo exigido em pequenas estações de tratamento. Na caixa de partição, o efluente já se encontra sem a presença de sólidos grossos ou finos e em condições normais de ser encaminhado para tratamento do efluente. A bacia ou tanque de acumulação é de concreto armado dimensionado para armazenar a vazão do efluente do sistema contaminado. Após o efluente ter sido acumulado na bacia, é transferido para o sistema de separador água e óleo sem ultrapassar a vazão máxima permitida. Figura 2: Sistema de Tratamento Primário. O funcionamento de um separador água/óleo (SAO), mostrado na Figura 3, é um simples tanque que reduz a velocidade do efluente contaminado, de forma que a água e o óleo sejam separados. Como o óleo tem densidade menor que a água, ele flutua, e em seguida se separa naturalmente. Em seu tratamento preliminar em condições de tempo seco, os efluentes devem ser dirigidos ao SAO, sem queda livre do efluente. O separador água e óleo recebem o efluente após ter passado pelo tratamento primário. Nesta fase ocorre a separação da água e do óleo que em seguida é lançado na lagoa de aeração. Para aumentar a eficiência do separador de água e óleo, devem ser feita manutenções e inspeções periódicas. A instalação de um compartimento de decantação e

10 10 separação das fases líquidas da água e dos óleos depurando, ao máximo, a mistura faz com que o sistema seja melhor. A vazão do tanque se separação água/óleo analisado é de 10 m³/h e sua bomba possui uma vazão de 3 m³/h. Figura 3: Separador Água e Óleo (SAO) As lagoas de aeração, mostrada na Figura 4, possuem dispositivos de oxigênio, suprindo a ausência de algas que ali não proliferam por causa da intensa agitação de massa líquida. Esta lagoa foi construída com o objetivo inicial de receber e armazenar as águas pluviais e as águas tratadas pelo SAO (separador água e óleo) antes de enviá-las ao corpo receptor. Na complementação dos serviços da lagoa, o objetivo é evitar que em seu sistema de escoamento seja evitado o acúmulo de água na lagoa para não estimular a presença de mosquitos e epidemias, tipo dengue. A água contaminada que passa pelo tratamento no SAO, após ter sido finalizado seu processo de tratamento e não apresentar hidrocarbonetos é lançada na lagoa e fica em estado de evaporação até que atinja o limite a ser lançado no corpo receptor. A lagoa deve ser impermeabilizada, para garantir que a água a ser descartada no corpo receptor não esteja contaminada. Para sua manutenção a área da lagoa deve ser cercada, impedindo que animais possam entrar contaminando a água com coliformes fecais e evitando que os próprios animais também se contaminem. Em volta deve ser gramado para impedir o arraste de partículas de solo através de água pluvial limpa. A lagoa possui volume de 480 m³, 10 m de largura, 30 de

11 11 comprimento. Figura 4: Lagoa de aeração. Na Figura 5, é mostrado a vista aérea de uma base de armazenamento de combustíveis, que é responsável pelo transporte dutoviario de derivados de petróleo, gasolina, diesel e GLP. Esta empresa zela pelos aspectos de segurança, meio ambiente e saúde de seus produtos, desde sua origem até a destinação final, bem como se empenha na constante redução dos impactos que eventualmente possa causar. Além de se preocupar com a redução de seus impactos, a empresa promove programas de educação ambiental para conscientizar as comunidades próximas da importância e benefícios que o meio ambiente oferece. Um de seus grandes investimentos é na racionalização do uso da água, na minimização da geração e descarte de efluentes e no tratamento de efluentes. A empresa atua de forma rentável na indústria de petróleo, nos mercados nacional e internacional respeitando o meio ambiente e contribuindo para o desenvolvimento do País. Figura 5 Base de Armazenamento de Combustíveis.

12 12 A medição dos efluentes sempre se inicia com a determinação junto aos parâmetros e limites de emissão. Nas tabelas 1 e 2 a seguir, poderemos verificar os resultados das análises feitas, comparando-as com a Resolução 357 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) de 17 de Março de 2005 art. 34 e 22 e Decreto do Estado de Goiás Lei nº art.22. Através de amostras de efluentes coletadas mensalmente e semestralmente, os contaminantes industriais gerados pelos hidrocarbonetos são analisados para garantir a qualidade do ph e temperatura, e ainda avaliando-os para caracterizá-los de acordo com a quantidade de hidrocarbonetos presente. Os efluentes só podem ser lançados nos corpos receptores se estiverem dentro do padrão permitido, caso contrário podem causar danos ambientais. O padrão de lançamento de efluentes varia de empresa para empresa e podem ser acrescentados ou tornados mais restritivos de acordo com o órgão ambiental competente. Caso as condições dos efluentes não se enquadre nos parâmetros permitidos, medidas devem ser tomadas para que seu lançamento no corpo receptor não agrida o meio aquático. Quadro 1: Análises Mensais. Parâmetros Art. 34 e 22 Resolução CONAMA nº357 Art. 22 Decreto nº Resultados Março Abril ph 5,0 < ph < 9,0 5,0 < ph < 9,0 6,82 7,32 Temperatura (ºC) < 40º C < 40º C Óleos e graxas (mg/l) n.d 27 animais Óleos e graxas (mg/l) minerais DBO (mg/l) - < 60 mg/litro Nitrogênio Amoniacal 5,0 mg/litro NH3 - n.d 1,13 Cádmio (mg/l Cd) 0,2 0,2 mg/litro Cd n.d n.d Chumbo 0,5 - n.d n.d Cobre (mg/l Cu) 1,0 mg/litro Cu 1,0 mg/litro Cu n.d 0,020 Fenóis 0,5 0,5 0,168 n.d Ferro Solúvel ,129 0,238 Mercúrio 0,01 - n.d n.d Níquel (mg/l Ni) 2,0 mg/litro Ni 2,0 mg/litro Ni n.d n.d Sulfetos (mg/l S) 1,0 mg/litro S - n.d n.d n.d : não detectado. Referente a coleta mensal feita, os meses de Março e Abril atendem aos limites

13 13 máximos estabelecidos pela Resolução CONAMA 357 e pelo Decreto do Estado de Goiás Nos meses de Janeiro, Fevereiro, Maio, Junho, Julho e Agosto não houve geração de efluentes. As amostras foram realizadas somente até o mês de Agosto. Quadro 2: Análises Semestrais. Parâmetros Art. 34 Resolução CONAMA nº357 Art. 22 Decreto nº Resultados Junho Dezembro ph 5,0 < ph < 9,0 5,0 < ph < 9,0 - Temperatura (ºC) < 40º C < 40º C - Sólidos Sedimentáveis (mg/l) Óleos e graxas (mg/l)- mineral Óleos e graxas (mg/l) animal Substâncias solúveis em hexana (mg/l) < = 1,0 1,0 - < = < = DBO (mg/l) Arsênio Total (mg/l As) < = 0,5 < = 0,2 - Bário (mg/l Ba) < = 5,0 < = 5,0 - Boro (mg/l B) < = 5,0 < =5,0 - Cádmio (mg/l Cd) < = 0,2 < = 0,2 - Chumbo (mg/l Pb) < = 0,5 < = 0,5 - Cianeto (mg/l CN) < = 0,2 < = 0,2 - Cobre (mg/l Cu) < = 1,0 < = 1,0 - Cromo Hexavalente < = 0,5 < = 0,1 - Cromo Trivalente Cromo Total -- < = 5,0 - Estanho (mg/l Sn) < = 4,0 < = 4,0 - Índice de Fenóis 0,5 0,5 - Ferro Solúvel < = 15,0 < = 15,0 - Fluoretos (mg/l F) < = 10,0 < = 10,0 - Manganês Solúvel < = 1,0 < = 1,0 - Mercúrio < = 0,01 < = 0,01 - Níquel < = 2,0 < = 2,0 - Nitrogênio Amoniacal Total < = 5,0 -- -

14 14 Parâmetros Art. 34 Resolução CONAMA nº357 Art. 22 Decreto nº Resultados Junho Dezembro Prata < = 0,1 < = 0,02 - Selênio < = 0,05 < = 0,02 - Sulfetos < = 1, Sulfitos < = 1, Zinco < = 5,0 < = 5,0 - Compostos 1,0 mg/l em Paration -- - organofosforados e carbamatos totais Sulfeto de Carbono < = 1, Tricloroetano < = 1, Clorofórmio < = 1, Materiais Flutuantes Ausente -- - Tetracloreto de Carbono < = 1, Dicloroeteno < = 1, Compostos Organoclorados não Listados acima (pesticidas, solventes,etc) BTX (Benzeno, Tolueno e Xileno) Não houve efluente na coleta do mês de Junho, e até o fechamento do artigo a coleta do mês de dezembro não tinha sido realizada. 5 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES As empresas de petróleo e seus derivados possuem grande potencial poluidor, portanto para que uma indústria possua um correto projeto de sistema de tratamento de efluentes, é necessário que seja feita à caracterização adequada dos efluentes desde o processo inicial para que possam ser conduzidos e/ou pré-tratados de forma eficaz, pois as indústrias de petróleo são uma das que obtém mais lucros e conseqüentemente realiza investimentos na área de meio ambiente. Por isso um sistema de boa qualidade e qualificado deve possuir um monitoramento confiável e tratamentos para manter as emissões dentro dos padrões exigidos, visando assim, a reutilização de insumos (óleo, água, etc) e minimizando os impactos gerados.

15 15 Porém uma empresa de grande porte tem capacidade suficiente para implementação de um ótimo sistema, fazendo com que qualifique seus efluentes líquidos observando seus aspectos de durabilidade e segurança das instalações. E se a carga de contaminantes dos efluentes for reduzida, seu tratamento se torna barato e seu processo mais rápido. Neste artigo verificamos a eficiência do sistema de tratamento de uma base de armazenamento de combustível juntamente com os avanços que a empresa tem com seu processo de lançamento de efluentes. A principal recomendação decorrente, é que as empresas se conscientizem com o grande índice de poluição dos últimos anos e façam uma boa gestão ambiental. Na base de armazenamento que foi realizada a pesquisa atualmente, o SAO encontra-se inativo. Isso faz com que uma empresa terceirizada retire a água contaminada que foi dirigida para a lagoa, através de caminhões a vácuo levando para o local de tratamento licenciado pelo órgão ambiental estadual. Neste caso poderia haver investimentos para que o efluente fosse tratado no próprio local gerador, levando a motivação de um melhor monitoramento. REFERÊNCIAS Eco-Processa. Disponível em: <http://www.ecoprocessa.com.br/pt/coprocessamento/>. Acesso em 13 de Dezembro de :06; Empresa de Pré- Tratamento de Águas Residuais. Disponível em: <http://fpambiente.planetaclix.pt/index_quem_somos.html> Acesso em 10 de Junho de :55; FERREIRA, Eduardo Francisco Torres. Ampliação da Estação de Tratamento de Despejos Industriais (ETDI) da Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP) da Petrobrás. Disponível em: <http://www.cepis.org.pe/bvsaidis/aresidua/i-0.56.pdf/> Acesso em 14 de Março de :00; MARIANO, Jacqueline Barboza. Impactos Ambientais do Refino do Petróleo. Disponível em: < Acesso em 14 de Março de :18; NOGUEIRA, Raquel F. P. e JARDIM, Wilson F.. A Fotocatálise Heterogênea e sua Aplicação Ambiental. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=pt&nrm=iso> Acesso em 17 de Abril de :00;

16 16 Programa de Educação e Comunicação Ambiental dos Emissários da Transpetro Sul. Disponível em: <http://www.gaia-ong.com.br/emisul.html/> Acesso em 17 de Abril de :35; Site da Petrobrás. Disponível em: <http://www2.petrobras.com.br/portal/frame.asp?pagina=/portal/search.asp> Acesso em 10 de Abril de :30; SILVA, Adriana Almeida. Estudo de membranas cerâmicas com diferentes morfologias destinadas à separação óleo/água. Disponível em: <http://www.cct.ufcg.edu.br/prh25/corpo_discente/exbolsistas/mestrado/adriana.htm/> Acesso em 12 de Abril de :41; SILVA, Karla Alcione.Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgtos. Apostila do minicurso: Gestão de Recursos Hídricos. Ano: 2006; Celta Brasil. Disponível em: < Acesso em 27 de Setembro de :15; EnvironQuip- Soluções em Tratamento de Água e Efluentes. Disponível em: < Acesso em 27 de Setembro de :45. GPACA-Meio Ambiente. Poluição Hídrica. Disponível em: <http://www.gpca.com.br/poluicao2.htm> Acesso em 16 de Novembro de :07.

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005.

Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 430, DE 13 DE MAIO DE 2011 Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005. Dispõe sobre as condições e padrões de

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE:

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE: ATO nº 03/2009 Dispõe sobre a criação e normatização do Programa de Recebimento de Efluentes Especiais (PRESS) pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba O DIRETOR GERAL do Serviço Autônomo de

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

Petróleo e Meio Ambiente

Petróleo e Meio Ambiente Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Petróleo e Meio Ambiente Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira Resíduos Sólidos Geração de Resíduos Solídos nas de

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS REMOÇÃO DE FENOL DE EFLUENTES DE REFINARIAS DE PETRÓLEO Laerte de M. Barros Júnior 1 (Bolsista PRH-ANP 14 - DR), Gorete Ribeiro de Macedo 1, Willibaldo

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA

DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 1.995, de 10 de outubro de 1990. Publicada no DOERJ de 14 de janeiro de1991.

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área

Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar. Volume 2. Caracterização da Área Diagnóstico dos Recursos Hídricos e Organização dos Agentes da Bacia do Rio Tubarão e Complexo Lagunar Volume 2 Caracterização da Área 7.5.6 Metal-mecânica No presente trabalho a indústria metal-mecânica

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Separadores Água/Óleo

Separadores Água/Óleo Separador Água/Óleo Separadores Água/Óleo Tratamento de Água e Efluentes Folheto Técnico Separadores Água-Óleo (SAO) A poluição da água pela presença de hidrocarbonetos oleosos é especialmente danosa a

Leia mais

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05 A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Arcabouço Legal Federal: As resoluções CONAMA 357/05 e 397/08 Água Produzida de Petróleo O

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos

Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos Tema 15 Qualidade da água em rios e lagos urbanos PHD2537 Introdução A poluição das águas é gerada por: - efluentes domésticos (poluentes orgânicos biodegradáveis, nutrientes e bactérias); - efluentes

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES - UCS PRIMEIRA ETAPA: CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE GERADO NA CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. MAPEAMENTO DE TODAS AS FOSSAS SÉPTICAS E LINHAS

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

SISTEMA DE SEPARAÇÃO DE ÁGUA E ÓLEO EM ATIVIDADES AUTOMOTIVAS CONSIDERAÇÕES GERAIS

SISTEMA DE SEPARAÇÃO DE ÁGUA E ÓLEO EM ATIVIDADES AUTOMOTIVAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Adriano da Silva Leppa SISTEMA DE SEPARAÇÃO DE ÁGUA E ÓLEO EM ATIVIDADES AUTOMOTIVAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo apresentado na disciplina de Estágio Supervisionado do curso técnico em química do Centro

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL Prof. Camila Costa de Amorim INTRODUÇÃO Atividades humanas Utilização dos recursos naturais Consumo de Energia Geração de Efluentes Líquidos Geração de Poluentes Atmosféricos Geração

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL.

REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. REGULAMENTO PARA LANÇAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM REDE DE ESGOTO FORNECIDA PELA COMPANHIA DE DISTRITOS INDUSTRIAIS DE GOIÁS GOIASINDUSTRIAL. Art. 1º - O Presidente da Companhia de Distritos Industriais

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO XI DOS RESÍDUOS LÍQUIDOS

CAPÍTULO XI DOS RESÍDUOS LÍQUIDOS CAPÍTULO XI DOS RESÍDUOS LÍQUIDOS Art. 85 Fica estabelecido critérios e padrões para lançamento de efluentes líquidos. 1º - Os critérios aplica-se a lançamentos diretos e indiretos de efluentes líquidos,

Leia mais

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas

4.4.2. Controlo da descarga das águas residuais produzidas 3.1.5. Pontos de emissão 3.1.5.1. Águas residuais e pluviais O efluente após tratamento na ETAL, é descarregado para um sistema de drenagem colectivo (ED1), e encaminhado para ETAR Municipal de Angra do

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Pro r gram am d a e Recebim i en t E Contr t o r le P E R C E E C N E D dos Efl f u l entes Não Domést ést co Novembro/2008

Pro r gram am d a e Recebim i en t E Contr t o r le P E R C E E C N E D dos Efl f u l entes Não Domést ést co Novembro/2008 Programa de Recebimento E Controle dos Efluentes Não Domésticos PRECEND Novembro/2008 Geração dos Efluentes Água Impurezas incorporadas devido aos usos da água em sua residência: chuveiros, vasos sanitários,

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 15 - INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

DECRETO. 5. Perspectiva de Desenvolvimento Funcional. Art. 5º Este Decreto abrange tão somente os usuários especiais,

DECRETO. 5. Perspectiva de Desenvolvimento Funcional. Art. 5º Este Decreto abrange tão somente os usuários especiais, 12 5. Perspectiva de Desenvolvimento Funcional Externo, no mercado de trabalho, mediante concurso público. CVDV/PGM Nº 9483/11. DECRETO DECRETO Nº 13.481, DE 22 DE JUNHO DE 12. DISPÕE SOBRE O PROGRAMA

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T.

ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. ESTUDO SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA AOS RESÍDUOS LÍQUIDOS, SÓLIDOS E GASOSOS GERADOS NO PROCESSO DE GALVANOPLASTIA DA INDÚSTRIA I. T. Jaqueline Aparecida Toigo IC-Fecilcam, Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA Portaria nº 001 2011 SMMA Estabelece Termo de Referencia para elaboração de Projetos de Estações de Tratamento de Esgotos com Prévia anuência do Município para que o mesmo assuma a responsabilidade de

Leia mais

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG

Requerimento de Ligação de Águas Residuais Industriais aos Sistemas de Drenagem e Tratamento da AdG I Identificação do Utilizador Industrial Designação: Processo nº: N.º de Cliente AdG: Nº Contribuinte: Morada da Unidade Industrial: Código Postal: - Nome do Proprietário: Telefone: ; Fax: ; e-mail: II

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO ARSAE MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços não tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos

Procedimento de Gestão Ambiental 003. Controle de Efluentes Líquidos Procedimento de Gestão Ambiental 003 Controle de Efluentes Líquidos Elaborador: Dejair Dietrich Piekarski Aprovador: Durval Nascimento Neto Revisor: Edson Luiz da Silveira Raimundo Motivo da revisão: Primeira

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia)

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia) Princípios da Depuração Biológica de Esgotos e Águas Residuárias Industriais Índice 1 - Introdução 2 - A Poluição por Compostos Orgânicos 3 - Principais Indicadores da Matéria Orgânica 3.1 - DBO - Demanda

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4887, de 25 de setembro de 2007 Republicada no DOERJ de 08 de novembro de 2007.

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4887, de 25 de setembro de 2007 Republicada no DOERJ de 08 de novembro de 2007. DZ-205.R-6 - DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA EM EFLUENTES LÍQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL Notas: Aprovada pela Deliberação CECA n 4887, de 25 de setembro de 2007 Republicada no DOERJ de 08 de novembro

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL

Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Universidade Estadual de Londrina Centro de Ciências Exatas Departamento de Química DEGRADAÇÃO DE FRAÇÃO AROMÁTICA DA GASOLINA EM ÁGUA SUBTERRÂNEA E SUPERFICIAL Aluno: Luciano Vetorasso Corbucci Orientadora

Leia mais

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining 2 QUEM SOMOS A Acquasolution Consultoria Ambiental é uma empresa provedora de soluções integradas em sistemas de tratamento de água e efluentes voltada para a melhoria do gerenciamento das operações e

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL MUNICIPAL DE DESCARGAS DE ÁGUAS RESIDUAIS NA REDE DE COLECTORES DA ZIL Regulamento Municipal de Descargas de Águas Residuais na Rede de Colectores da ZIL NOTA JUSTIFICATIVA O artigo 116º do Código do Código

Leia mais

Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final. Gersina N. da R. Carmo Junior

Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final. Gersina N. da R. Carmo Junior Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final Gersina N. da R. Carmo Junior Resíduos Sólidos Tratamento e Disposição Final INCINERAÇÃO Tratamento Incineração É um processo de queima do lixo em unidades

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA COMO REFERNCIA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ENSINO DE QUÍMICA Maria S. B. DUARTE 1 Ana Maria G. D. MENDONÇA 2, Darling L. PEREIRA 3,, Aluska M. C. RAMOS 4 José J. MENDONÇA 5 1

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no DZ - 205.R-5 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGANICA EM EFLUENTES LIQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL NOTAS: Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no D.O.E.R.J. de 24.10.91.

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte

Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte Legislação Ambiental Brasileira Aplicada ao Transporte III ENCONTRO ANUAL DA EQUIPE TÉCNICA DO DESPOLUIR Eduardo Vieira Gerente de Projetos da CNT Rio de Janeiro, novembro de 2010. CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais