Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário"

Transcrição

1 Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

2 Visão geral e objetivos O seguinte estudo de caso é usado para ilustrar o processo criação de um projeto de rede, bem como a documentação necessária. Esse estudo de caso apresenta um cenário no qual a XYZ Research Company contratou um grupo de consultores de redes para projetar a sua rede. Para ajudá-lo a organizar esse projeto, o cenário foi dividido em oito fases e os requisitos de cada fase são apresentados. Deve ser elaborada uma planilha de trabalho para cada fase. Um relatório formal, semelhante ao que seria apresentado à empresa, terá que ser criado após a conclusão de todas as tarefas. Este estudo de caso requer que você realize as seguintes tarefas: Usar os recursos fornecidos, o diagrama e o texto, para configurar uma rede física. Configurar um esquema de endereçamento IP, usando VLSM Configurar os roteadores conforme o necessário. Preparar e configurar os switches e as VLANs conforme o necessário Verificar e resolver quaisquer problemas com todas as conexões Prover documentação detalhada no formato apropriado Prover um relatório final por escrito 2-20 CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

3 Cenário A XYZ Research Company é uma pequena empresa que desenvolve produtos wireless de alta velocidade. A matriz ocupa dois edifícios em Sydney. Um edifício é para o Grupo de Administração. O outro edifício é para o Grupo de Vendas e Marketing e para o Grupo de Pesquisas e Desenvolvimento, que é maior. Tanto o Grupo de Pesquisas como o Grupo de Vendas e Marketing terão empregados localizados nos três andares do edifício principal. A XYZ Research Company também tem uma Filial de Vendas localizada em Melbourne. A empresa está implementando uma rede cabeada que deve suportar 100% de crescimento durante os próximos cinco a dez anos. Foi fornecido um diagrama lógico. A tarefa é projetar, implementar e documentar completamente a rede da XYZ Research Company. Além de um relatório formal, a XYZ Research gostaria que fosse elaborado um protótipo da rede, antes que esta seja totalmente implementada, para verificar que as exigências da empresa serão satisfeitas. Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

4 Fase 1: Os requisitos Diagrama lógico parcialmente completo 4-20 CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

5 Os requisitos A XYZ Research Company providenciou um diagrama lógico parcialmente completo da rede a ser implementada. A empresa também forneceu equipamentos de rede para desenvolvimento e demonstração. Em certos casos, os equipamentos fornecidos não possuem todas as interfaces de rede local necessárias. Nesses casos, a empresa permite a configuração de interfaces loopback como alternativa. Requisitos da XYZ Research Company 18 empregados no grupo de Pesquisas e Desenvolvimento. 9 empregados no grupo de Vendas e Marketing. 7 empregados no grupo de Administração. 5 empregados na filial remota de vendas. Haverá sempre um máximo de 5 servidores em uma sub-rede separada, independente do crescimento da empresa. Usar a sub-rede /30 para conexão ao roteador de Internet. Usar a rede pública classe C para endereçamento interno. Usar VLSM para endereçamento IP. Esperar um crescimento de 100% dos atuais requisitos IP ao determinar o tamanho das sub-redes. Todos os dispositivos de rede precisam possuir endereços IP. Planilha de trabalho 1. Produzir um diagrama lógico que inclua: Nomes de roteadores e switches Detalhes das interfaces dos roteadores Endereços de rede Número de hosts por rede As interfaces Seriais DCE devem ser claramente indicadas Velocidades dos Links 2. A empresa espera que a utilização de VLSM aproveite ao máximo os endereços IP. Uma tabela deve ser produzida mostrando todas as possíveis sub-redes que atendam às exigências da Empresa usando um projeto baseado em VLSM. As sub-redes que não serão utilizadas devem ser claramente identificadas na tabela. Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

6 Número exigido de endereços de host Segue abaixo um exemplo de layout de uma tabela para documentar o projeto VLSM. Endereço de Rede Máscara de subrede Número Máx. Possível de Hosts Sendo Usado (Sim/Não) Nome da Rede 3. Para cada local, inclusive a Internet, outro conjunto de tabelas será necessário. Essas tabelas ajudarão com as atividades do projeto e desenvolvimento e serão usadas na configuração dos switches e roteadores. Uma tabela separada deve ser criada para cada roteador e switch em cada local. (OBSERVAÇÃO: Alguns campos na tabela do switch serão completados em Cenário (parte 4).) Segue abaixo um exemplo de layout para roteadores. Localização: Nome do Roteador: Interface/Subinterface Tipo/Número Descrição e Finalidade DCE/DTE (caso aplicável) Velocidade ou Clock rate Nome da Rede Número da Rede Endereço IP da Interface Máscara de subrede 6-20 CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

7 Localização: Nome do Roteador: Interface/Subinterface Tipo/Número Descrição e Finalidade DCE/DTE (caso aplicável) Velocidade ou Clock rate Nome da rede Número da Rede Endereço IP da Interface Máscara de subrede Localização: Nome do Roteador: Interface/Subinterface Tipo/Número Descrição e Finalidade DCE/DTE (caso aplicável) Velocidade ou Clock rate Nome da rede Número da Rede Endereço IP da Interface Máscara de subrede Interface/Subinterface Tipo/Porta/Número Descrição e Finalidade Segue abaixo um exemplo de layout para as tabelas dos switches. Localização: Nome do Switch: Endereço IP do Switch: Veloci dade Duplex Nome da rede Número da Rede Másca ra de subrede VLA N Tipo de Switchport Encapsulame nto (caso necessário) Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

8 Localização: Nome do Switch: Endereço IP do Switch: Interface/Subinterface Tipo/Porta/Númer o Descrição e Finalidade Veloci dade Duplex Nome da rede Número da Rede Másca ra de subrede VLAN Tipo de Switchport Encapsulamento (caso necessário) Localização: Nome do Switch: Endereço IP do Switch: Interface/Subinterface Tipo/Porta/Número Descrição e Finalidade Veloci dade Duplex Nome da rede Número da Rede Máscar a de subrede VLAN Tipo de Switchport Encapsulamento (caso necessário) 4. Para completar o projeto IP, atribua e tabule endereços dos PCs/estações de trabalho e servidores para cada rede local em cada localidade. Um servidor DHCP atribuirá endereços para PCs/estações de trabalho. Usar um servidor HTTP simples como servidor DHCP CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

9 Endereços de servidores serão atribuídos estaticamente. O servidor HTTP será /27. Para fins de demonstração, a empresa concorda que será suficiente atribuir estaticamente todos os endereços dos PCs/estações de trabalho e servidores. Nome da rede local Nome do PC ou do servidor Endereço IP Máscara de subrede Gateway Serviços Providos As tabelas e o texto que as acompanha farão parte da documentação entregue à XYZ Research Company. Antes de começar com a próxima tarefa, o diagrama lógico e as tabelas precisam ser aprovadas pela empresa. Assinatura do Instrutor: Data: Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

10 Fase 2: Protocolos de roteamento A empresa solicita uma recomendação de um protocolo de roteamento para a rede. Planilha de trabalho As alternativas possíveis para o protocolo de roteamento e suas propriedades serão identificadas em uma sessão de brainstorm. Cada propriedade recebe um valor positivo, neutro ou negativo para cada protocolo de roteamento. Como alternativa, pode ser usado um valor numérico, por exemplo, de 0 a 4. Uma recomendação é feita e a matriz de decisão é apresentada à Empresa. Protocolo de Roteamento Propriedade 1 (+, neutro, -, ou um valor numérico) Propriedade 2 Propriedade 3 Propriedade 4 Total Recomendação do Grupo quanto ao Protocolo de Roteamento: Assinatura do Instrutor: Data: CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

11 Fase 3: OSPF A empresa decidiu que usará OSPF como protocolo de roteamento. Requisitos da XYZ Research Company OSPF process id 50 Todos os roteadores em uma só área, a área 0 Endereço de loopback atribuído em cada roteador Endereço de loopback usado como ID do roteador OSPF Existe uma rede multi-acesso no Edifício da Administração e será necessário eleger um DR Determinar se será usado ID do Roteador ou prioridade de interface para determinar o DR no Edifício da Administração Planilha de trabalho 1. As tabelas de endereços IP produzidas anteriormente precisam ser atualizadas para incluir os endereços de loopback. 2. Deve ser tomada uma decisão sobre qual roteador será o DR. O grupo discute esses aspectos, anota os pontos mais importantes sobre a discussão, faz a sua documentação e oferece recomendações. Explique suas razões de escolher ID do Roteador ou prioridade de interface para determinar o DR. Explique suas razões de escolher o roteador no Edifício da Administração como DR. 3. Será necessário eleger um DR nas conexões seriais entre edifícios e a filial remota? Por quê? Atualizar o diagrama com as informações sobre o OSPF. As tabelas de localidades, tabelas de roteadores e de endereços IP e os diagramas devem ser modificados para incluir essas informações e devem ser apresentadas à Empresa. Assinatura do Instrutor: Data: Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

12 Fase 4: VLANs A empresa agora solicita informações sobre VLANs. Essas são exigidas no Edifício Principal. A empresa forneceu as seguintes informações: Requisitos da XYZ Research Company Há 18 empregados no grupo de Pesquisas e Desenvolvimento Há 9 empregados em Vendas e Marketing 8 empregados em Pesquisas e 2 empregados em Vendas estão no 3 o Andar. 6 empregados em Pesquisas e 4 empregados em Vendas estão no 2 o Andar. 4 empregados em Pesquisas e 3 empregados em Vendas estão no 1 o Andar. O 1 o Andar também tem a rede local dos Servidor. O plano é ter cinco servidores mas atualmente só um está disponível. Existem salas separadas em cada andar para os grupos de trabalho. Existe espaço suficiente em cada sala para acomodar o futuro crescimento. O crescimento previsto de 100% ocorrerá de maneira uniforme em cada andar. Os switches no Edifício Principal estão conectados de modo que se um switch falhar, será utilizado um caminho alternativo. Haverá um switch por andar, compartilhado entre diferentes sub-redes. A raiz da Spanning tree deve ser colocada na posição ideal. Planilha de trabalho 1. Devem ser produzidas tabelas que documentem as designações das VLANs para as portas do Switch disponível para demonstração. Quaisquer portas não designadas permanecerão na VLAN default. A tabela a seguir é um exemplo da documentação que a empresa exige. Detalhes dos Switches Nome do Switch: Modelo Núm. de Porta s Localizaç ão Endereço IP Gateway VLAN de Gerenciament o Modo VTP Domínio VTP Raiz STP CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

13 Designação de Portas VLAN Atualize as tabelas de switches, localizadas nas planilhas da Fase 1 (parte 2), com as informações sobre VLANs e sobre portas para cada servidor, estação de trabalho, interconexão entre switches e a interconexão com o roteador no Edifício Principal. 2. Antes de submeter a documentação, é necessário fazer uma justificativa pela decisão feita com relação à root bridge STP. Escreva um parágrafo justificando a escolha diante da empresa. Assinatura do Instrutor: Data: Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

14 Fase 5: Projeto da camada física Tipo de Equipament o A empresa precisa de uma proposta que incluirá as previsões de crescimento para o projeto da camada física. O documento deverá incluir o número de lances de cabos, os equipamentos recomendados, inclusive patch panels. Regras para a identificação dos cabos também deverão ser especificadas. Para cada andar, uma tabela semelhante à que segue deverá ser incluída na documentação. Edifício Principal 1 o andar IDF/MDF/POP Núm. do Modelo Quanti dade Número/tip o de portas Descrição/Função Custo Tipo de Equipament o Edifício Principal 2 o andar IDF Núm. do Modelo Quanti dade Número/tip o de portas Descrição/Função Custo Tipo de Equipament o Edifício Principal 3 o andar IDF Núm. do Modelo Quanti dade Número/tip o de portas Descrição/Função Custo CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

15 Para ajudar com o projeto da camada física a empresa forneceu um diagrama das suas antigas instalações. A empresa exige um diagrama semelhante para o Edifício Principal. O Edifício Principal possui três andares e usará exclusivamente cabos Cat5 para as redes locais. O diagrama precisará incluir os seguintes itens: O comprimento e número de lances de cabos. Leve em consideração todos os lances e a conformidade aos padrões TIA/EIA. A identificação para cada tomada e patch panel. Nomes genéricos para salas e portas tais como IDFAndar 1, Andar1Sala1Porta1. HCC1:Andar1Sala1Porta1; VCCI:Andar1Xandar2Porta1 são aceitáveis. Se as normas regionais puderem ser aplicadas, estas devem ser usados. Em cada andar, os lances de cabo horizontal não poderão ser superiores a 30 metros. O comprimento de cabo necessário entre andares consecutivos é de 15 metros. A documentação deve incluir uma descrição de como as conexões dos troncos serão ligadas de forma a implementar a topologia lógica necessária. Os tipos de pinagens dos cabos (diretos ou cruzados) devem ser relacionados. Assinatura do Instrutor: Data: Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

16 Fase 6: Testar a rede A empresa exige uma demonstração da funcionalidade da rede do Edifício Principal e solicita que uma rede logicamente equivalente seja cabeada com os equipamentos disponibilizados. A empresa exige que um servidor http seja configurado na VLAN dos servidores e que pelo menos um cliente seja configurado em cada uma das outras VLANs. A empresa requer a configuração de todos os dispositivos. Todas as configurações, tabelas de roteamento e bancos de dados das VLANs devem fazer parte da documentação. A empresa requer que os testes abaixo sejam realizados. A empresa aceitará sugestões ou recomendações sobre outros testes e sobre melhoramentos futuros da rede. Estratégia dos Testes e Verificação 1. Demonstrar o roteamento entre as VLANs do Edifício Principal. De VLAN/SW Até VLAN/SW Protocolo Hosts Passou/Falho u 2. Demonstrar o acesso de todos os hosts entre si e para o servidor http. Do Host Até Host Passou/Falhou 3. Demonstrar o comportamento da rede quando houver falha de um único link de tronco. Do Host para o Host tronco ativoinativo Rota Passou/Falhou CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

17 4. Outras demonstrações/testes (testes opcionais, e outras decisões do grupo). Recomendações para futuros melhoramentos da rede. Recomendação 1. Recomendação 2. Assinatura do Instrutor: Data: Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

18 Fase 7: Demonstração final A empresa agora deseja uma demonstração da rede empresarial completa. Todos os dispositivos serão configurados e será demonstrado o acesso a partir de todas as redes ao endereço do Servidor de Internet. O protocolo de roteamento OSPF com process id 50 foi o escolhido. Devido ao tamanho relativamente pequeno da rede, é aceitável uma única área OSPF. Todas as configurações, tabelas de roteamento e resultados de testes de conectividade deverão ser registrados e armazenados em um servidor tftp e em disco flexível. Resumo dos resultados dos testes: Do Host Para o Host Caminho testado Rota Seguida Passou/Falhou Assinatura do Instrutor: Data: CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

19 Fase 8: Apresentação A última tarefa neste estudo de caso é fazer uma apresentação de 10 minutos sobre os aspectos mais importantes das decisões e recomendações do projeto. Um relatório formal contendo todos os documentos do projeto assim como todas as planilhas que o acompanham também deverá ser entregue (veja Produtos finais do estudo de caso). O documento deve ser suficientemente completo para que outros possam instalar e configurar a rede sem documentos adicionais. Assinatura do Instrutor: Data: Copyright 2003, Cisco Systems, Inc. CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v

20 Produtos finais do estudo de caso Uma vez resolvido o problema do estudo de caso, a rede projetada com êxito e o protótipo implementado e testado, o relatório final precisará ser entregue ao instrutor. Esse relatório incluirá uma documentação completa e bem organizada do processo. É altamente recomendado que todas as tabelas sejam elaboradas numa planilha eletrônica como o Microsoft Excel. O Cisco Network Designer (CND), o Microsoft Visio ou um programa de desenho pode ser usado para os diagramas da rede. Os seguintes itens precisam estar incluídos no relatório final: Esboço Resumo dos Requisitos da Empresa e da Rede Um relato sobre a implementação de endereços IP e de VLSM Um relato sobre a implementação do Roteamento Um relato sobre a implementação das VLANs, STP e switches Um relato sobre o projeto e os equipamentos da camada física Um relato sobre as estratégias de testes e verificação Resultados dos testes e dos comandos de verificação dos roteadores Resultados dos testes e dos comandos de verificação dos switches Recomendações para futuras atualizações da rede Diagrama Lógico Diagrama Físico Tabela de Endereçamento IP Tabela de Interfaces dos roteadores Tabela dos switches Tabela de Endereçamento dos PCs Matriz de adjacências do Protocolos de Roteamento Tabela de Equipamentos Configurações dos roteadores (impressas e em disco flexível) Configurações dos switches (impressas e em disco flexível) Resultados dos Testes (impressos e em disco flexível) CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário v3.1 Copyright 2003, Cisco Systems, Inc.

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN

Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Laboratório 9.3.6 Configurando o roteamento Inter-VLAN Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar várias VLANs, nomeá-las e atribuir várias portas a elas. Criar uma configuração

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs.

Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Laboratório 8.2.4 Verificando Configurações de VLANs. Objetivo Criar uma configuração básica de switch e verificá-la. Criar duas VLANs. Nomear as VLANs e atribuir várias portas a elas. Testar a funcionalidade,

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2

Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Laboratório 1.2.4 Convertendo RIP v1 para RIP v2 Objetivo Configurar RIP v1 nos roteadores. Converter para RIP v2 nos roteadores. Fundamentos / Preparação Instale uma rede semelhante à ilustrada no diagrama.

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Laboratório 4.2.9e Fluke LinkRunner Testes de Cabos e de Placa de Rede

Laboratório 4.2.9e Fluke LinkRunner Testes de Cabos e de Placa de Rede Laboratório 4.2.9e Fluke LinkRunner Testes de Cabos e de Placa de Rede Objetivo Familiarizar-se com as capacidades do Fluke LinkRunner Verificar o comprimento e a integridade dos cabos Determina onde um

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

Laboratório 1.1.4 Calculando Sub-redes VLSM

Laboratório 1.1.4 Calculando Sub-redes VLSM Laboratório 1.1.4 Calculando Sub-redes VLSM Objetivo Usar variable-length subnet mask (VLSM) para suportar a utilização mais eficiente dos endereços IP atribuídos e para reduzir a quantidade de informações

Leia mais

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF

Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Laboratório 2.3.4 Configurando a Autenticação OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área OSPF (Open Shortest Path First). Configurar e verificar o roteamento OSPF. Introduzir a

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP

Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Laboratório 3.2.1 Configurando o Roteamento EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing Protocol);

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000 4 Camada de Rede: O papel da camada de rede é transportar pacotes de um hospedeiro remetente a um hospedeiro destinatário. Para fazê-lo, duas importantes funções da camada de rede podem ser identificadas:

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF

Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Laboratório 2.3.1 Configurando o Processo de Roteamento OSPF Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a área 0 OSPF. Configurar e verificar o roteamento OSPF (Open Shortest Path First) Fundamentos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT

Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Laboratório 1.1.4a Configuração do NAT Objetivo Configurar um roteador para que use tradução de endereços de rede (NAT) para converter endereços IP internos, normalmente privados, para endereços públicos

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Aula Prática Roteador

Aula Prática Roteador Aula Prática Roteador INTRODUÇÃO Os roteadores são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes como, por exemplo, redes IP. Diferentes redes IPs enviam suas informações/tráfego por meio

Leia mais

Gerenciador de portas de Switch (es)

Gerenciador de portas de Switch (es) Benefícios para os Negócios Controle Automatizado de Acesso a Portas de Switch(es) de Rede e Hosts Finais A capacidade de planejamento ao acompanhar portas livres, em uso e definidas por usuário. Encontre

Leia mais

Atividade: Design de endereçamento básico VLSM

Atividade: Design de endereçamento básico VLSM CURSO: Tecnológico Redes de Computadores DOCENTE: Charles Lima Soares DISCIPLINA: Protocolos de Comunicação TCP/IP ATIVIDADE DE ENDEREÇAMENTO - VLSM Atividade: Design de endereçamento básico VLSM Diagrama

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 3 - Configurando um Roteador 1 Objetivos do Capítulo Dar nome a um roteador; Definir senhas; Examinar comandos show; Configurar uma interface

Leia mais

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT

Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Laboratório 1.1.4b Configuração do PAT Objetivo Configurar um roteador para que use PAT (Port Address Translation, tradução de endereços de porta) para converter endereços IP internos, normalmente privados,

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Aula 7 Protocolos de roteamento:

Aula 7 Protocolos de roteamento: Aula 7 Protocolos de roteamento: Roteamento Estático; Roteamento dinâmico. Camada de rede A camada de rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. Para que se chegue ao destino,

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Máscaras de sub-rede. Fórmula

Máscaras de sub-rede. Fórmula Máscaras de sub-rede As identificações de rede e de host em um endereço IP são diferenciadas pelo uso de uma máscara de sub-rede. Cada máscara de sub-rede é um número de 32 bits que usa grupos de bits

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP

Endereçamento IP. Figura 1 Estrutura hierárquica do endereço IP Endereçamento IP 1. Introdução: A partir da segunda metade dos anos 90, a Internet se tornou uma rede muito diferente daquela existente em sua concepção no início dos anos 80. Hoje, a Internet tornou-se

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático

Laboratório - Configuração de NAT dinâmico e estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Laboratório 1.1.7 Usando ping e tracert a partir de uma Estação de Trabalho

Laboratório 1.1.7 Usando ping e tracert a partir de uma Estação de Trabalho Laboratório 1.1.7 Usando ping e tracert a partir de uma Estação de Trabalho Objetivo Aprender a usar o comando TCP/IP Packet Internet Groper (ping)a partir de uma estação de trabalho. Aprender a usar o

Leia mais

Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários

Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações adicionais Convenções Entendendo endereços IP Máscaras de

Leia mais

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador

Redes de Computadores - 4º Período. Projeto Integrador Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul de Minas Gerais Campus Inconfidentes Praça Tiradentes, 416 - Centro - CEP 37576-000 Telefone: (35) 3464-1200 Redes de Computadores - 4º Período Projeto

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Exercício final CCNA-C1 Esse exercício irá tentar abordar o maior número possível de conteúdos que são

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP

Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Laboratório 3.2.3 Verificando a Configuração Básica de EIGRP Objetivo Configurar um esquema de endereçamento IP para a rede. Configurar e verificar o funcionamento do EIGRP (Enhanced Interior Gateway Routing

Leia mais

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova

Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Semestre 4 do CCNA Prova final baseada em habilidades Treinamento do aluno Diretrizes para o instrutor Visão geral e administração da prova Esta prova deve ser utilizada nas aulas regulares do CCNA ministradas

Leia mais

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP)

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP) "Visão geral da configuração da rede" na página 3-2 "Escolhendo um método de conexão" na página 3-3 "Conectando via Ethernet (recomendado)" na página 3-3 "Conectando via USB" na página 3-4 "Configurando

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas

Gerenciamento de Redes de Computadores. Resolução de Problemas Resolução de Problemas É preciso que o tempo médio entre as falhas sejam o menor possível. É preciso que o tempo médio de resolução de um problema seja o menor possível Qualquer manutenção na rede tem

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes.

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Nome do Aluno: Anderson Rauber da Silva Daniel Devegili Descrição da Contribuição: Anderson Rauber da Silva: Introdução

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

Capítulo 10: DHCP. Conceitos Essenciais de Roteamento e Switching. Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores

Capítulo 10: DHCP. Conceitos Essenciais de Roteamento e Switching. Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 10: DHCP Conceitos Essenciais de Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte)

Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) 1 Aula pratica 4 Testar Conexões TCP/IP em Redes Industrias Usando os comandos Ping e Net View (1.a Parte) Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como testar a conectividade de uma

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira

Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira Aula Prática Wi-fi Professor Sérgio Teixeira INTRODUÇÃO Os Access Points ou ponto de acesso wi-fi são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes sem fio e com fio (infraestrutura).

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático

Laboratório - Configuração de NAT Dinâmico e Estático Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão Objetivos Gateway G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/1 209.165.201.18 255.255.255.252 N/A ISP

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

QUAL O PROCEDIMENTO PARA CONFIGURAR AS IMPRESSORAS DE REDE BROTHER EM UM SISTEMA DEC TCP / IP para VMS (UCX) Procedimento

QUAL O PROCEDIMENTO PARA CONFIGURAR AS IMPRESSORAS DE REDE BROTHER EM UM SISTEMA DEC TCP / IP para VMS (UCX) Procedimento Procedimento Visão geral Antes de usar a máquina Brother em um ambiente de rede, você precisa instalar o software da Brother e também fazer as configurações de rede TCP/IP apropriadas na própria máquina.

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Professor Rene - UNIP 1 Introdução do capitulo Função do roteador Roteamento estático O roteador é um computador com uma finalidade

Leia mais

Concurso Público. Prova Prática. Tecnólogo em Redes. Técnico Administrativo em Educação 2014. NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova

Concurso Público. Prova Prática. Tecnólogo em Redes. Técnico Administrativo em Educação 2014. NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova Concurso Público Técnico Administrativo em Educação 2014 Prova Prática Tecnólogo em Redes NÃO escreva seu nome ou assine em nenhuma folha da prova INSTRUÇÕES 1. A duração da prova é de 03 (três) horas.

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios

Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Roteiro 11: Roteamento /acesso remoto / redirecionamento de diretórios Objetivos: Ativar e gerenciar o serviço de roteamento; Ativar e gerenciar serviços de terminal remoto; Redirecionar diretórios através

Leia mais

As colisões e a dimensão do domínio de colisão são dois fatores que afetam negativamente o desempenho da rede. A microssegmentação da rede reduz o

As colisões e a dimensão do domínio de colisão são dois fatores que afetam negativamente o desempenho da rede. A microssegmentação da rede reduz o As colisões e a dimensão do domínio de colisão são dois fatores que afetam negativamente o desempenho da rede. A microssegmentação da rede reduz o tamanho dos domínios de colisão e reduz o número de colisões.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida.

O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. O conteúdo Cisco Networking Academy é protegido e a publicação, distribuição ou compartilhamento deste exame é proibida. 1 Quando protocolos sem conexão são implementados nas camadas mais inferiores do

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais