Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch"

Transcrição

1 Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

2 Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades Configuração dos roteadores Configuração dos elementos de acesso Configuração dos computadores Bateria de testes Considerações Finais

3 Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch. Data 01/03/2010, Revisão 1.1 Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades Configuração dos roteadores Configuração dos elementos de acesso Configuração dos computadores Bateria de testes Considerações Finais Parecer A tecnologia de redundância virtual de roteadores é de suma importância para aplicações críticas que necessitam acesso L3 com o menor tempo parado possível. Os switches de rede DATACOM suportam este protocolo, inclusive com utilização em redes complexas, como anéis Metro. Introdução O VRRP, Virtual Router Redundancy Protocol é descrito pela RFC 3768, e é desenhado para prover maior disponibilidade em gateways de acesso em subredes. Neste documento veremos a utilização deste protocolo nos switches DATACOM, bem como exemplos de configuração e soluções para possíveis erros de configuração. Os equipamentos da linha DmSwitch3000 (L3) e DM4000 estão aptos para operar este protocolo, sempre recomendando a utilização de firmware mais recente. É pré-requisito a utilização de equipamentos com capacidade de roteamento, como pode ser verificado através do comando show system. TecnoPUC-NOC#show system Product Model: DmSwitch3324F2 System capabilities: Bridge, Router OID: Factory ID: DATACOM 2

4 MAC Address: 00:04:DF:10:64:CA User configurable Name: Location: Contact: TecnoPUC-NOC TecnoPUC-NOC# Note que a informação de System capabilities expressa que o equipamento é capaz de roteamento. Serão necessários ao menos dois equipamentos com esta capacidade, pois o VRRP funciona em um sistema mestre-escravo. Este sistema mestre-escravo significa que um switch ficará ativo, comunicando com default gateway para os hosts da rede. O outro switch ficará em espera, aguardando o momento em que o primeiro deixe de operar. Existe um protocolo de comunicação para garantir que o escravo (ou escravos, é possível ter mais de um) reconheça quando o mestre falhar. Esta falha pode ser tanto física quanto lógica: queda de energia, desconfiguração, desconexão de link, entre outros, são os erros imaginados neste setup. Nas próximas seções será explicado o procedimento de configuração e utilização deste protocolo. Desenvolvimento inicial Conforme visto anteriormente, o VRRP necessita de pelo menos dois switches. A configuração destes é praticamente idêntica, apenas variando os IPs deles e a condição de prioridade e mestre do VRRP. É recomendado o uso de um terceiro switch, operando apenas em L2, para facilitar a agregação da rede. Caso não se utilize este switch, e conectem-se os hosts diretamente aos L3, pode acontecer que uma falha em um L3 faça com que os hosts conectados a ele percam acesso total à rede. Setup básico Considere a seguinte figura como topologia sugerida. Existem três níveis diferentes, representando os elementos da topologia: Redes acessíveis são aquelas roteadas a partir dos elementos L3; Roteadores VRRP são os equipamentos que encaminharão os pacotes, bem como estarão disponíveis de forma redundante para o nível local; O nível local é composto de switches L2 e dos hosts locais, como os computadores; DATACOM 3

5 Os níveis são segmentos separados de rede, não devendo jamais se comunicar diretamente. Caso isso ocorra, podem ocorrer loops não previstos. Não recomenda-se o uso de spanning-tree e outros protocolos de controle L2 nas portas conectadas a outros elementos L3. A conexão entre os dois roteadores é recomendada para aumentar a resiliência da solução em caso de falhas individuais dos links. A explicação será detalhada em momento oportuno. A configuração pode iniciar separando um conjunto de portas. A tabela abaixo reflete as escolhas. A nomenclatura de portas seguirá o padrão do DmSwitch 3324, podendo sempre ser adaptada para outros elementos da família. DATACOM 4

6 Elemento Porta(s) Função e Observações Roteador L3 1/1 até 1/25 Desligada através de shutdown, por segurança Roteador L3 1/26 Porta para ligação ao switch L2, será untagged na VLAN do VRRP Roteador L3 1/27 Porta para ligação ao outro Roteador L3, será untagged em uma VLAN de inter-roteamento, desligar STP Roteador L3 1/28 Porta para ligação aos roteadores que levam à outras redes Switch L2 1/1 até 1/28 Basta estarem em uma mesma VLAN, STP preferencialmente ativo Com base nestas portas escolhidas, a configuração de exemplo nos Roteadores L3 é explicada passo-a-passo abaixo. Ajustar os endereços IP conforme cada roteador. 1. Entrar no modo de configuração dos Roteadores R1 e R2: config 2. Habilitar o funcionamento do Roteamento IP: ip routing 3. Habilitar a detecção de links em VLAN. Esta opção é importante para que as VLANs sejam desligadas caso não exista nenhuma porta ativa naquela VLAN. Evita problemas de redes inalcançáveis: vlan link-detect 4. Configurar uma VLAN que servirá para comunicação com os clientes Utilizar um bloco IP de tamanho adequado para a rede. Nesta VLAN será realizada a configuração de uma instância VRRP, que pode ter uma chave de segurança. Atribuir já a porta correta: interface vlan 2 name VLAN_clientes_L2 ip address /24 set-member untagged ethernet 1/26 vrrp 2 ip vrrp 2 auth chavesecreta interface ethernet 1/26 switchport native vlan 2 5. Configurar a VLAN para comunicação entre os Roteadores L3. Para evitar o desperdício de endereçamento IP recomenda-se a utilização de redes /30. Atribuir já a porta correta, e desligar STP pois esta é uma porta L3: DATACOM 5

7 interface vlan 5 ip address /30 set-member untagged ethernet 1/27 interface ethernet 1/27 switchport native vlan 5 no spanning-tree 1 6. A VLAN de configuração com os roteadores de uplink, que alcançam outras redes. Atribuir já a porta correta, e desligar STP pois esta é uma porta L3: interface vlan 10 ip address /24 set-member untagged ethernet 1/28 interface ethernet 1/28 switchport native vlan 10 no spanning-tree 1 7. É importante escolher um mestre VRRP, e definir sua prioridade. ATENÇÃO: podem existir prioridades diferentes, porém apenas um mestre. E o mestre deve sempre ter o maior número na prioridade. Em caso de empate, será escolhido através do maior IP na VLAN do VRRP. interface vlan 2 vrrp 2 priority Desabilitar a VLAN 1, de forma a evitar problemas de loop: interface vlan 1 no set-member ethernet all exit 9. Finalizar a configuração, colocando as rotas corretas para as redes. Importante colocar rotas redundantes para a rede local e para o default-gateway através do link entre os roteadores, aumentando assim a resiliência da solução. ip default-gateway ip route / distance 254 ip route / distance Ao término desta configuração, e tendo os cabeamento já conectado, será possível comunicar entre os dois roteadores com todos os IPs configurados. Agora, os hosts da sub-rede podem começar a configurar o IP do VRRP como seu destino padrão, e conseguirão atingir as redes destino. Pode-se apontar como caminho para a rede /24 ambos os Roteadores L3: ambos são capazes de encaminhar o tráfego de retorno até a rede. Setup com roteamento dinâmico O VRRP pode ser auxiliado com roteamento dinâmico, provendo dinamismo na escolha do caminho de entrada e de saída da rede. A configuração do setup é praticamente igual ao procedimento anterior, com diferenças apenas no que diz respeito à escolha de rotas. DATACOM 6

8 1. Repetir a configuração anterior, ignorando o último passo. 2. No passo final, onde eram configurado o ip route para cada destino, pode-se ativar o OSPF: ip default-gateway router ospf redistribute connected network /30 area Se for necessário comunicar com outras redes OSPF, ajustar corretamente a configuração de network e area conforme a topologia a ser seguida. 4. Se for utilizado BGP para comunicar com as outras redes remotas, pode-se fazer da forma a seguir. Lembrando que a configuração BGP está fora do escopo deste documento. router bgp 5000 redistribute connected neighbor remote-as 5000 Explorando possibilidades A solução apresentada na seção anterior é muito poderosa, mas não apresenta todas as possibilidades que o VRRP possui no DmSwitch. Abaixo segue uma topologia mais complexa, com uso de múltiplas instâncias e um número maior de roteadores protegendo diferentes sub-redes. Será criada uma topologia muito parecida com a anterior, porém com os seguintes adicionais: serão utilizados 3 roteadores e 2 switches de acesso; existirão 2 VLANs distintas para proteção. Chamaremos estas VLANs (A) e (B); a VLAN (A), serão protegidas duas sub-redes (um IP secundário); estas sub-redes da VLAN (A) serão chamadas de (A.1) e (A.2); uma instância VRRP protegerá a VLAN (A) utilizando os 3 roteadores (R1,R2,R3); outra instância VRRP protegerá a VLAN (B) utilizando apenas 2 roteadores (R1,R3); DATACOM 7

9 Como explicado anteriormente, é importante que os roteadores tenham ligação entre si para evitar perda de tráfego em caso de quedas do link para as outras redes. Por existirem três roteadores nesta topologia, eles estarão conectados no chamado full mesh (todos com todos). A utilização de dois switches de acesso com duas VLANs também alterará o modo de comunicação entre os equipamentos. Agora as VLANs devem ser enviadas tagged entre cada um, mesmo que continuem untagged para os clientes finais (computadores). Mesmo com existência de duas redes IP na VLAN (A), os computadores desta deverão utilizar o gateway correto de cada rede para atingir as outras. Inclusive, se um computador da rede (A.1) tentar comunicar com outro na (A.2), acontecerá roteamento IP através do roteador. DATACOM 8

10 Configuração dos roteadores Para informações no formato passo-a-passo, vide a subseção Setup Básico, na seção de Desenvolvimento. Para facilitar a leitura, esta subseção será mais direta. Elemento Porta(s) Função e Observações Roteadores L3 R1,R2,R3 Roteadores L3 R1,R2,R3 1/1 até 1/24 1/26 Desligada através de shutdown, por segurança Porta para ligação ao switch L2, será tagged nas VLANs (A) e (B) Roteadores L3 R1 1/25 Ligação para roteador R3 Roteadores L3 R1 1/27 Ligação para roteador R2 Roteadores L3 R2 1/25 Ligação para roteador R3 Roteadores L3 R2 1/27 Ligação para roteador R1 Roteadores L3 R3 1/25 Ligação para roteador R2 Roteadores L3 R3 1/27 Ligação para roteador R1 Roteadores L3 R1,R2,R3 1/28 Porta para ligação aos roteadores que levam à outras redes Nota importante sobre múltiplas instâncias VRRP em mesma VLAN: atualmente, na versão do firmware, não é possível configurar múltiplas instâncias do VRRP em uma mesma VLAN. Estes passos devem ser ignorados ao longo do caderno. 1. Configuração do Roteador R1: Este roteador será o mestre da instância 20 do VRRP (rede A.1). Será o primeiro escravo na rede B. Será o segundo escravo na rede A.2. config ip routing vlan link-detect interface vlan 5 name VLAN_roteadores ip address /29 set-member untagged ethernet 1/25 set-member untagged ethernet 1/27 interface ethernet 1/25 description Ligacao_R1-R3 switchport native vlan 5 DATACOM 9

11 interface ethernet 1/27 description Ligacao_R1-R2 switchport native vlan 5 interface vlan 20 name VLAN_clientes_L2_VLAN_A ip address /24 ip address /24 secondary set-member tagged ethernet 1/26 vrrp 20 ip vrrp 20 auth chavesecreta vrrp 21 ip vrrp 21 auth chavesecreta interface vlan 30 name VLAN_clientes_L2_VLAN_B ip address /24 set-member tagged ethernet 1/26 vrrp 30 ip vrrp 30 auth chavesecreta interface vlan 10 ip address /24 set-member untagged ethernet 1/28 interface ethernet 1/28 switchport native vlan 10 no spanning-tree 1 interface vlan 20 vrrp 20 priority 300 vrrp 21 priority 100 interface vlan 30 vrrp 30 priority 100 interface vlan 1 no set-member ethernet all exit ip default-gateway ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance Configuração do Roteador R2: DATACOM 10

12 Este roteador será o mestre da instância 21 do VRRP (rede A.2). Será o segundo escravo na rede A.2. Não participará da rede B. config ip routing vlan link-detect interface vlan 5 name VLAN_roteadores ip address /29 set-member untagged ethernet 1/25 set-member untagged ethernet 1/27 interface ethernet 1/25 description Ligacao_R2-R3 switchport native vlan 5 interface ethernet 1/27 description Ligacao_R2-R1 switchport native vlan 5 interface vlan 20 name VLAN_clientes_L2_VLAN_A ip address /24 ip address /24 secondary set-member tagged ethernet 1/26 vrrp 20 ip vrrp 20 auth chavesecreta vrrp 21 ip vrrp 21 auth chavesecreta interface vlan 10 ip address /24 set-member untagged ethernet 1/28 interface ethernet 1/28 switchport native vlan 10 no spanning-tree 1 interface vlan 20 vrrp 20 priority 100 vrrp 21 priority 300 interface vlan 1 no set-member ethernet all exit ip default-gateway ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 DATACOM 11

13 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance Configuração do Roteador R3: Este roteador será o mestre da instância 30 do VRRP (rede B). Será o primeiro escravo nas redes A.1 e A.2. config ip routing vlan link-detect interface vlan 5 name VLAN_roteadores ip address /29 set-member untagged ethernet 1/25 set-member untagged ethernet 1/27 interface ethernet 1/25 description Ligacao_R3-R2 switchport native vlan 5 interface ethernet 1/27 description Ligacao_R3-R1 switchport native vlan 5 interface vlan 20 name VLAN_clientes_L2_VLAN_A ip address /24 ip address /24 secondary set-member tagged ethernet 1/26 vrrp 20 ip vrrp 20 auth chavesecreta vrrp 21 ip vrrp 21 auth chavesecreta interface vlan 30 name VLAN_clientes_L2_VLAN_B ip address /24 set-member tagged ethernet 1/26 vrrp 30 ip vrrp 30 auth chavesecreta interface vlan 10 ip address /24 set-member untagged ethernet 1/28 interface ethernet 1/28 switchport native vlan 10 no spanning-tree 1 interface vlan 20 DATACOM 12

14 vrrp 20 priority 200 vrrp 21 priority 200 interface vlan 30 vrrp 30 priority 200 interface vlan 1 no set-member ethernet all exit ip default-gateway ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 ip route / distance 254 Configuração dos elementos de acesso Elemento Porta(s) Função e Observações Switches L2 1/1 até 1/12 Untagged na VLANs (A) Switches L2 1/13 até 1/24 Untagged na VLAN (B) Switches L2 1/25 até 1/28 Tagged nas VLANs (A) e (B), ligação aos roteadores R1,R2,R3 Os switches de acesso terão a seguinte configuração. config interface vlan 20 set-member untagged ethernet range 1/1 1/12 set-member tagged ethernet range 1/25 1/28 interface vlan 30 set-member untagged ethernet range 1/13 1/24 set-member tagged ethernet range 1/25 1/28 interface ethernet range 1/1 1/12 switchport native vlan 20 interface ethernet range 1/13 1/24 switchport native vlan 30 interface vlan 1 no set-member ethernet all DATACOM 13

15 Configuração dos computadores Utilizando três computadores, conectá-los conforme a tabela abaixo. Computador (interface principal, eth0) Ligação no switch L2 IP PC 1 Switch 1 porta 1/ /24 PC 2 Switch 1 porta 1/ /24 PC 3 Switch 1 porta 1/ /24 A configuração no Linux é relativamente simples, ficando documentada a seguir para facilitar. 1. PC 1 2. PC 2 3. PC 3 ifconfig eth netmask up route add default gw ifconfig eth netmask up route add default gw ifconfig eth netmask up route add default gw Agora, todos os computadores devem conseguir se pingar e realizar troca de tráfego normalmente. Por exemplo, para pingar o PC1 a partir dos PCs 2 e 3: ping -i Bateria de testes Todos os computadores devem conseguir acesso um ao outro, porém sempre através do seu gateway. Realizar um ICMP PING entre os PCs, por exemplo, devem mostrar apenas a entrada MAC do roteador. Um PC não pode e não vai aprender o MAC do outro diretamente, mesmo que na mesma VLAN. O comando abaixo vai mostrar apenas a entrada MAC do gateway. arp -a DATACOM 14

16 Considerações Finais Como visto ao longo deste documento, o VRRP é útil para redes que necessitam gateways de acesso redundantes. O funcionamento é explicado em diversas aplicações, todas suportadas atualmente pela família de switches DATACOM. É possível utilizar roteamento estático ou dinâmico com o VRRP, aumentando a gama de soluções atendidas. Para maiores informações sobre o roteamento dinâmico, recomenda-se a leitura dos Application Notes específicos sobre este assunto. DATACOM 15

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay. Data 29/10/2009 Parecer Introdução Desenvolvimento Funcionamento do DHCP Funcionamento

Leia mais

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES

Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Alta disponibilidade utilizando Roteamento Virtual no RouterOS GUILHERME RAMIRES Nome: Guilherme M. Ramires Analista de Sistemas Pós-Graduado em Tecnologia e Gerenciamento de Redes de Computadores CEO

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

Application Notes: DmSwitch AAA. Uso do TACACS

Application Notes: DmSwitch AAA. Uso do TACACS Application Notes: DmSwitch AAA Uso do TACACS Application Notes: DmSwitch AAA Uso do TACACS. Data 11/06/2010, Revisão 1.0 1. Introdução 2. Instalação do tacplus 2.1. Instalação do tacplus 2.1.1. Atualizar

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR

CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR CARLOS RAFAEL GUERBER EXERCÍCIOS ROTEADOR Mafra 2009 Exercício 1 Utilizando o bloco de endereços 200.0.0.0/24, proponha uma solução para configurar os IP s da rede abaixo: 1 2 3 4 10.0.0.1/24 10.0.0.2/24

Leia mais

L A B O RATÓRIO DE REDES

L A B O RATÓRIO DE REDES L A B O RATÓRIO DE REDES TRÁFEGO, ENQUADRAMEN TO, DEFAU LT G A TEWA Y E ARP. VALE 2,0 P ONT OS. INTRODUÇÃO AO LABORATÓRIO Nosso laboratório é composto de três hosts Linux, representados pelo símbolo de

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho

LANs, VLANs e redes IP. Laboratório I 321 bancada de trabalho 1 LANs, VLANs e redes IP (2º trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Computadores MIEEC 2010/11 José Ruela Laboratório I 321 bancada de trabalho 2 Bancada de trabalho (lab I 321) equipamento 3 Existem

Leia mais

Application Notes: VLAN-Translate & QinQ. Utilização e exemplos de aplicação

Application Notes: VLAN-Translate & QinQ. Utilização e exemplos de aplicação Application Notes: VLAN-Translate & QinQ Utilização e exemplos de aplicação Application Notes: VLAN-Translate & QinQ Utilização e exemplos de aplicação. Data 17/06/2010, Revisão 1.2 Parecer Introdução

Leia mais

Actividade 3: Configuração de VLANs

Actividade 3: Configuração de VLANs Actividade 3: Configuração de VLANs Gestão de Sistemas e Redes 1. Introdução As VLANs operam no nível 2 e permitem segmentar as redes locais em múltiplos domínios de difusão. Isto pode ser feito de forma

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server)

Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server) Configuração de VLAN s entre DFL-210 e DGS-3024 (com DHCP Server) Topologia DFL-210 Porta 1 com Vlan Default. Todas as portas estão c/ o VID da Vlan Default Tagged (Port Trunk) DGS-3024 Porta 2 à 8, correspondem

Leia mais

Application Notes: OSPF. Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 OSPF

Application Notes: OSPF. Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 OSPF Application Notes: OSPF Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 OSPF Application Notes: OSPF Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 OSPF. Data 07/05/2010, Revisão 1.2 Parecer Introdução

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch LAB-VLANs 1 VLANs and IP networks Manuel P. Ricardo João Neves Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto LAB-VLANs 2 1. Computadores ligados ao Switch Bancada x, computador y Computadores gnuxy

Leia mais

Application Notes: BGP. Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP

Application Notes: BGP. Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP Application Notes: BGP Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP Application Notes: BGP Treinamento sobre o protocolo de roteamento L3 BGP. Data 07/05/2010, Revisão 1.3 Parecer Introdução Sistemas

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica

Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica Ricardo Kléber M. Galvão (rk@ufrn.br) http://naris.info.ufrn.br Núcleo de Atendimento e Resposta a Incidentes de Segurança

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Roteadores Estaticos Professor Rene - UNIP 1 Introdução do capitulo Função do roteador Roteamento estático O roteador é um computador com uma finalidade

Leia mais

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN

Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Laboratório - Identificação e Solução de Problemas de Configuração de VLAN Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-rede Gateway padrão S1 VLAN 1 192.168.1.2 255.255.255.0

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR.

TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR. TUTORIAL PARA CONFIGURAÇÃO MIKROTIK UTILIZANDO ROTEAMENTO DINÂMICO COM OSPF E AUTENTIÇÃO RADIUS EM NOSSO SISTEMA IXCPROVEDOR. Neste senário temos um roteador de internet que vai ser nosso gateway do MK1,

Leia mais

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga

Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga Roteiro de Práticas de Roteamento IGP usando Quagga OSPF O objetivo desse roteiro é mostrar como o pacote Quagga pode ser utilizado para construir roteadores com suporte a protocolos de roteamento utilizando

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Como utilizar a Função de Alta Disponibilidade (High Availability - HA).

Como utilizar a Função de Alta Disponibilidade (High Availability - HA). Como utilizar a Função de Alta Disponibilidade (High Availability - HA). Alta Disponibilidade (HA) é a função que garante a continuidade de negócios da sua empresa. A equipe de TI pode usar o HA como uma

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

Application Notes: OAM - EFM. Ethernet in the First Mile

Application Notes: OAM - EFM. Ethernet in the First Mile Application tes: OAM - EFM Ethernet in the First Mile Application tes: OAM - EFM Ethernet in the First Mile. Data 28/04/2010, Revisão 1.17 Parecer Introdução Desenvolvimento Habilitando o OAM Visualização

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS Jamil de Almeida Silva ONS Brasília-DF Jean Carlos Borges Brito ONS

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento

LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento 1. Introdução Neste trabalho são utilizados dois tipos de dispositivos activos usados em LANs: Comutadores de nível 2 Layer 2 LAN switches Comutadores com capacidade

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Sumário 1. Fundamentos e Infraestrutura de Redes de Computadores... 5 1.1. Laboratório 01 IP... 6 1.2. Laboratório 02 IP... 8 1.3. Laboratório 03 DHCP... 10 1.4. Laboratório 04 NAT... 13 1.5. Laboratório

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

$!! % &' $! ( ! ) * +!,! - .! / 0!, 1,//0 0 0 / / 0! ! " #!

$!! % &' $! ( ! ) * +!,! - .! / 0!, 1,//0 0 0 / / 0! !  #! $!! % &' $! (! ) * +!,! - ",.! / 0!, 1,//0 0 0 / / 0! Folha de Rosto... 01 Índice... 02 I. Introdução... 03 II. O que é Balanceamento de Carga(LoadBalance)... 03 III. Topologia por balanceamento estático...

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

Guia Básico para Configuração de Switches

Guia Básico para Configuração de Switches RD Press Guia Básico para Configuração de Switches Alta Disponibilidade Switches 3Com, H3C e HPN Serie-A Diego Dias R D PR E S S Guia Básico para Configuração de Switches Alta Disponibilidade RD Press

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados

OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados Endereçamento IP V.4 e Roteamento Estático Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução OS endereços IP v.4 consistem em 4 octetos separados por pontos. Estes endereços foram separados em 5 classes, de acordo

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Instalação de Equipamentos de Rede 3a Lista de exercícios LANs e padrão IEEE 802.3 (VLANs)

Instalação de Equipamentos de Rede 3a Lista de exercícios LANs e padrão IEEE 802.3 (VLANs) Instalação de Equipamentos de Rede 3a Lista de exercícios LANs e padrão IEEE 802.3 (VLANs) 1. Qual a MTU mínima e máxima em uma rede Ethernet? 2. Por que se faz necessário um protocolo de acesso ao meio

Leia mais

Application Notes: QoS Básico. Exemplo para aplicação de QoS

Application Notes: QoS Básico. Exemplo para aplicação de QoS Application Notes: QoS Básico Exemplo para aplicação de QoS Application Notes: QoS Básico Exemplo para aplicação de QoS. Data 15/03/2010, Revisão 1.2 Introdução Topologia e configurações do DmSwitch Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA

Exercício Prático: Conexão Router 1841 Fa0/0 192.168.1.1 255.255.255.0 Switch (PRINCIPAL) Fa0/1 trunk ------ Router (EMPRESA UNISUL UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIDADE DIBI MUSSI DISCIPLINA/UA REDE DE COMPUTADORES PROFª ANA LÚCIA R. WIGGERS Exercício Prático: Fa 0/0 IP 192.168.1.1/24 Dispositivo

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br

Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Diego Ragazzi http://www.ragazzid.com.br http://blog.ragazzid.com.br http://estudo.ragazzid.com.br Exercício final CCNA-C1 Esse exercício irá tentar abordar o maior número possível de conteúdos que são

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco

Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 03 Comandos Básicos do IOS Cisco 2014/1 Roteiro de Aula Correção Exercícios Aula Anterior O que é o Roteador? Componentes

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO III ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2010 Laboratório III Roteamento

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES

GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES 1º ENTREGÁVEL - AM CURSO TECNÓLOGO DE REDES DE COMPUTADORES TERCEIRO SEMESTRE - 2015 GERENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE REDES Prof.: João Gilberto Pinho 2 TRCR Cristiano Gama RM: 70320 Iago Gomes RM: 71277

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Controle de congestionamento em TCP

Controle de congestionamento em TCP Controle de congestionamento em TCP Uma das funções principais do TCP é gerenciar o fluxo de mensagens entre origem e destino, adaptando a taxa de transmissão da origem à taxa de recepção no destino de

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Uma Rede de Computadores consistem em dois ou mais dispositivos, tais como computadores, impressoras e equipamentos relacionados, os

Leia mais

MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS

MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS MULTIPLOS LINKS DE INTERNET, BALANCEAMENTO DE TRÁFEGO E GERENCIAMENTO DE FALHAS O objetivo deste documento é descrever a criação de um roteador para acessar uma rede que use várias conexões de Internet,

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs

Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs Guia de Laboratório de Redes Switches: Spanning Tree e VLANs 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os switches e respectivos protocolos. Com este intuito são apresentadas

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

1. DHCP a. Reserva de IP

1. DHCP a. Reserva de IP Configuração de recursos do roteador wireless Tenda 1. DHCP a. Reserva de IP Ao se conectar uma rede que possua servidor DHCP, o host recebe um IP dentro da faixa de distribuição. A cada conexão, o host

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Roteamento Estático (2)

Roteamento Estático (2) Roteamento Estático (2) Rotas Alternativas Alternative Routes Rotas Alternativas (cont.) Suponha que: Um novo novo link seja adicionado entre Pooh e Eeyore; Por uma decisão administrativa, todos os pacotes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

cio Roteamento Linux

cio Roteamento Linux Exercício cio Roteamento Linux Edgard Jamhour Exercícios práticos para configuração de roteamento usando Linux Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Luís Pires e Luís Rodrigues 12 de Dezembro de 2000 Agradecimento Os encaminhadores utilizados neste trabalho foram amavelmente cedidos

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes.

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de redes. Nome do Aluno: Anderson Rauber da Silva Daniel Devegili Descrição da Contribuição: Anderson Rauber da Silva: Introdução

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede. Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis

Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede. Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis Aplicando segurança em redes locais através de gerenciamento de ativos de rede Edson Venicius Jung, Ricardo Rafael Pellis Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Mikrotik Routerboard. Edson Lima 2015 Conhecimento só é válido quando compartilhado.

Mikrotik Routerboard. Edson Lima 2015 Conhecimento só é válido quando compartilhado. Mikrotik Routerboard Edson Lima 2015 Conhecimento só é válido quando compartilhado. O trabalho Mikrotik - Routerboad de Edson Aparecido de Lima está licenciado com uma Licença Creative Commons - AtribuiçãoNãoComercial-CompartilhaIgual

Leia mais

OSPFv3 no MikrotikRouterOS

OSPFv3 no MikrotikRouterOS IPv6.br Curso IPv6 Básico Projeto Final: OSPFv3 no MikrotikRouterOS Evandro de Jesus Souza Agosto-2013 Caetité-BA Cenário: 1 Etapa: Ativar o IPv6 nos roteadores, por padrão fica desativado. /system packageenable

Leia mais