MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO"

Transcrição

1 Instituto de Arquitetos do Brasil MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO Aprovado pelo 138o. Encontro do Conselho Superior- COSU do Instituto de Arquitetos do Brasil- IAB, realizado de a , em São Paulo (SP), conforme Resolução 01/138- COSU- São Paulo, de Coordenação da Comissão de Exercício Profissional- Conselho Superior IAB e Coordenação do Manual: Instituto de Arquitetos do Brasil- Departamento do Ceará- IAB-CE Coordenador: Odilo Almeida Filho Presidente

2

3 Í N D I C E - CAPÍTULO I- DAS DISPOSIÇÕES GERAIS: 1.0. APRESENTAÇÃO 2.0. FUNDAMENTOS LEGAIS 3.0 ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO ARQUITETO E URBANISTA 4.0. GRUPOS DE SERVIÇOS ÂMBITO 4.1 I- ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES 4.2 II- ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES E/OU URBANISMO: 4.3 III- ÂMBITO DO URBANISMO: GRUPOS DE SERVIÇOS: (Extraídos da Lei Federal , de que regulamento o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o CAU) -POR CAMPO DE ATUAÇÃO: (01) ARQUITETURA; (02) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS REFERENTES À ARQUITETURA; (03) CONFORTO AMBIENTAL; (04) ARQUITETURA DE INTERIORES; (05) ARQUITETURA PAISAGÍSTICA (06) PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL E ARTÍSTICO (07) TOPOGRAFIA; (08) SISTEMAS CONSTRUTIVOS E ESTRUTURAIS; (09) PLANEJAMENTO URBANO; (10) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS REFERENTES AO URBANISMO; (11) PLANOS DIRETORES; (12) PLANEJAMENTO REGIONAL; (13) MEIO AMBIENTE -POR ATIVIDADES E ATRIBUIÇÕES: (14) EXECUÇÃO, FISCALIZAÇÃO E CONDUÇÃO DE OBRAS 4.4 IV- ÂMBITO DA EXECUÇÃO DE OBRAS: 4.5 V- ÂMBITOS DIVERSOS: (15) TECNOLOGIA E RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS (16) ASSISTÊNCIA TÉCNICA, ASSESSORIA, CONSULTORIA, VISTORIA, PERÍCIA, AVALIAÇÃO, MONITORAMENTO, LAUDO, PARECER TÉCNICO, AUDITORIA E ARBITRAGEM (17) TREINAMENTO, ENSINO, PESQUISA E 5.0. CONCEITOS E DEFINIÇÕES EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, DESENVOLVIMENTO, ANÁLISE, EXPERIMENTAÇÃO, ENSAIO, PADRONIZAÇÃO, MENSURAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE - CAPÍTULO II- HONORÁRIOS PROFISSIONAIS: 6.0. CONDIÇÕES BÁSICAS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO 6.1 Modalidades de Remuneração- Definições 6.2 Orçamento Prévio 6.3 Salvaguardas Profissionais 6.4 Direitos Autorais 6.5 Ética Profissional

4 6.6 MODALIDADE DE REMUNERAÇÃO 01- CÁLCULO PELO CUSTO DO SERVIÇO 6.7 MODALIDADE DE REMUNERAÇÃO 02- PERCENTUAL SOBRE O CUSTO DA OBRA SEÇÃO I- ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES 7.0 CONSIDERAÇÕES GERAIS 7.1 Classificação das Edificações 7.2 Modalidade de Remuneração Adotada 7.3 Passo a Passo para determinar o Valor do Projeto de Edificações 7.4 Fórmula Básica para calcular o Valor do Projeto de Edificações 7.5 Redutor para Projetos com Repetição 7.6 Relação de Atividades/ Serviços e Etapas 7.7 NBR-13531, de Elaboração de projetos de edificações- Atividades técnicas 8.0 (01) ARQUITETURA; 8.1 Projeto de Arquitetura de Edificações 8.2 Levantamento Arquitetônico 8.3 Projeto de Arquitetura de Reforma de Edificações 8.4 Edifícios e Instalações Efêmeras 8.5 Monumentos 8.6 Desenho em Perspectiva 8.7 Imagens Virtuais 8.8 Recursos Audiovisuais (filmes, animações e similares) 8.9 Maquetaria 9.0 (02) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS REFERENTES À ARQUITETURA; 9.1 Levantamento e/ou Sondagens Geológicas 9.2 Projetos de Instalações Hidráulicas 9.3 Projetos de Instalações Sanitárias 9.4 Projetos de Instalações de Águas Pluviais 9.5 Projetos de Instalações de Gás Canalizado 9.6 Projetos de Instalações de Prevenção e Combate A Incêndio 9.7 Projetos de Instalações de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (pára-raios) 9.8 Projetos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos 9.9 Projetos de Instalações Elétricas de Baixa Tensão 9.10 Projetos de Instalações Telefônicas 9.11 Projetos de Instalações de TV 9.12 Projetos de Instalações de Rede Estruturada de Dados e Voz 9.13 Projetos de Instalações de Rede de Segurança Eletrônica 9.14 Projetos Complementares de Instalações Mecânicas: Elevadores, Monta-Cargas, Rampas, Escadas e Esteiras Rolantes, Entre Outros Projetos Complementares de Instalações Especiais: Equipamento, Água Gelada e Outros 9.16 Projetos Especializados de Estacionamento e Tráfego de Veículos 9.17 Projeto de comunicação visual para edificações 9.18 Caderno de Especificações 9.19 Memorial Descritivo 9.20 Orçamento Sintético 9.21 Orçamento Analítico 9.22 Cronograma de Obra 9.23 Estudos de Viabilidade Econômica e Financeira de Projeto de Edificações 10.0 (03) CONFORTO AMBIENTAL; 10.1 Projetos de Instalações Luminotécnicas

5 10.2 Projetos de Instalações de Sonorização e Acústica 10.3 Projetos de Instalações de Ar Condicionado, Ventilação e Exaustão Mecânica (04) ARQUITETURA DE INTERIORES; 11.1 Projeto de Arquitetura de Interiores: SECÇÃO II- ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES E/OU URBANISMO: 12.0 (05) ARQUITETURA PAISAGÍSTICA 12.1 Projetos de Arquitetura Paisagística 13.0 (06) PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL E ARTÍSTICO; 13.1 Projeto de Patrimônio Arquitetônico 13.2 Projeto de Patrimônio Urbanístico 13.3 Projeto de Patrimônio Paisagístico 14.0 (07) TOPOGRAFIA 14.1 Levantamento Topográfico Planialtimétrico Georreferenciado 14.2 Levantamento Topográfico Aerofotogramétrico 14.3 Levantamento Cartográfico Orbital 15.0 (08) SISTEMAS CONSTRUTIVOS E ESTRUTURAIS; 15.1 Projetos de Estruturas SECÇÃO III- ÂMBITO DO URBANISMO: 16.0 (09) PLANEJAMENTO URBANO: 16.1 Projeto de Planejamento Urbano 16.2 Levantamento ou Inventário Urbano 16.3 Parcelamento do solo ou loteamento 16.4 Desmembramento ou Remembramento 16.5 Projetos de intervenção no espaço urbano (espaços públicos, praças, parques e similares) 16.6 Projeto gráfico (imagens virtuais) 17.0 (10) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS REFERENTES AO URBANISMO 17.1 Projetos de movimentação de terra, drenagem e pavimentação 17.2 Projetos de rede de tratamento e abastecimento d água 17.3 Projetos de rede de coleta e tratamento de esgotos 17.4 Projetos de tratamento e destinação dos resíduos sólidos 17.5 Projetos de comunicação visual urbanístico 17.6 Projetos de rede de iluminação pública 17.7 Projetos de rede de energia elétrica 17.8 Projetos de rede de comunicações (telefone, internet, tv) 17.9 Caderno de Especificações Memorial Descritivo Orçamento Sintético Orçamento Analítico Cronograma de Obra Estudos de Viabilidade Econômica e Financeira de Projeto de Urbanismo 18.0 (11) PLANOS DIRETORES: 18.1 Planos Diretores Municipais 18.2 Levantamento ou Inventário Urbano

6 18.3 Legislação Urbana Municipal 18.4 Plano Diretor de Mobilidade e Transporte 18.5 Plano de Saneamento Básico Ambiental 18.6 Plano de Manejo Ambiental 18.7 Plano Diretor de Operação Urbana Consorciada 18.8 Plano Local de Habitação de Interesse Social 18.9 Seleção de Projetos Estruturantes Termo de Referência de Projetos Estruturantes 19.0 (12) PLANEJAMENTO REGIONAL; 19.1 Plano de Desenvolvimento Regional (Diagnóstico, Diretrizes e Estratégias) 20.0 (13) MEIO AMBIENTE 20.1 Zoneamento Geombiental 20.2 Diagnóstico Ambiental 20.3 Relatório Ambiental Simplificado- RAS 20.4 Estudo de Viabilidade Ambiental - EVA 20.5 Estudo de Impacto Ambiental- Relatório de Impacto de Meio Ambiente- EIA- RIMA 20.6 Planos de Monitoramento Ambiental 20.7 Plano de Recuperação de Áreas Degradada- PRAD SECÇÃO IV- ÂMBITO DA EXECUÇÃO DE OBRAS: 21.0 (14) EXECUÇÃO, FISCALIZAÇÃO E CONDUÇÃO DE OBRAS 21.1 Execução de Obras Por Administração 21.2 Execução de Obras Por Empreitada 21.3 Fiscalização de Obras SECÇÃO V- ÂMBITOS DIVERSOS: 22.0 (15) TECNOLOGIA E RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS; 22.1 Realização de ensaios e pesquisas 23.0 (16) ASSISTÊNCIA TÉCNICA, ASSESSORIA, CONSULTORIA, VISTORIA, PERÍCIA, AVALIAÇÃO, MONITORAMENTO, LAUDO, PARECER TÉCNICO, AUDITORIA E ARBITRAGEM; 23.1 Assistência Técnica, Assessoria, Consultoria, Vistoria, Monitoramento, Laudo, Parecer Técnico, Auditoria e Arbitragem 23.2 Avaliação e Perícia 24.0 (17) TREINAMENTO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, DESENVOLVIMENTO, ANÁLISE, EXPERIMENTAÇÃO, ENSAIO, PADRONIZAÇÃO, MENSURAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE; 24.1 Diversos - CAPÍTULO III - INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES: 25.0 FORMAS DE CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS E SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO 25.1 Convite Direto 25.2 Seleção Restrita 25.3 Apresentação de Proposta Técnica em Seleção Restrita 25.4 Licitações públicas 25.5 Concursos 25.6 Cadastros Técnicos de Escritórios ANEXOS

7 26.1 Modelo de Proposta para Projetos de Edificações 26.2 Modelo de Proposta para Projetos de Arquitetura de Interiores 26.3 Modelo de Proposta para Projetos de Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico 26.4 Modelo de Proposta para Projetos de Arquitetura Paisagística 26.5 Modelo de Proposta para Projetos de Planejamento Urbano 26.6 Modelo de Proposta para Elaboração de Planos Diretores Municipais 26.7 Modelo de Proposta para Elaboração de Planos de Desenvolvimento Regional 26.8 Modelo de Proposta para a Elaboração de Estudos Ambientais 26.9 Modelo de Proposta para Serviços de Consultorias, Avaliações e Perícias Modelo de Proposta para Execução e Fiscalização de Obras Modelos de Contratos Lei dos Direitos Autorais- Lei 9.610/ Código de Ética Profissional- Resolução CONFEA no. 1002, de Lei nº , de (Regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo-CAU) NBR /1995 (Dispõe sobre a elaboração de projetos de edificações) NBR /1995 (Dispõe sobre a elaboração de projetos de arquitetur Gráfico: Valor Estimado do Projeto em Função do Valor da Obraelaborado pela FINEP e ABCE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CRÉDITOS

8

9 - CAPÍTULO I- DAS DISPOSIÇÕES GERAIS:

10

11 1.0. APRESENTAÇÃO Dando continuidade a uma tradição iniciada em 1921, o Instituto de Arquitetos do Brasil apresenta a seus associados, ao conjunto dos arquitetos brasileiros e à sociedade brasileira o presente Manual de Contratação, baseado na revisão da Tabela de Honorários aprovada em 2001, é o resultado da compilação, sistematização, complementação, detalhamento e atualização de vários documentos mais recentes sobre o tema, dentre os quais destacamos: 1. Roteiro Para Desenvolvimento do Projeto de Arquitetura da Edificação, aprovado no 77o. COSU- IAB, realizado em Salvador-BA; 2. Modalidades Alternativas de Contratação e Remuneração de Serviços de Arquitetura e Urbanismo; 3. Tabela de Honorários, aprovado no 86º. COSU-IAB, realizado em Porto Alegre-RS entre 18 e 21 de julho de 2001; 4. NBR , que dispõe sobre a elaboração de projetos de edificações atividades técnicas, válida a partir de ; 5. NBR , que dispõe a elaboração de projetos de edificações arquitetura, válida a partir de ; 6. Lei no , de 10 de julho de Estatuto da Cidade. 7. Resolução Confea 1.010/2005, que dispõe sobre a regulamentação da atribuição de títulos profissionais, atividades, competências e caracterização do âmbito de atuação dos profissionais inseridos no Sistema Confea/Crea, para efeito de fiscalização do exercício profissional; 8. Lei , de 31 de dezembro de 2010, que regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU). Este Manual é um referencial básico para os serviços e valores relativos aos projetos de arquitetura e urbanismo e serviços correlatos. A entidade enfatiza, outrossim, que o seu filiado atue nos parâmetros legais, das normas técnicas, comerciais e éticas do exercício profissional, visando sempre equilíbrio nas relações contratuais. As condições de contratação e remuneração, a seguir estabelecidas, são uma referência segura para negociações, visando estabelecer um acordo justo e equilibrado entre as partes. Objetivam, sobretudo, coibir a concorrência desleal de preços e assegurar um padrão de qualidade para os serviços prestados. Procura-se atender, por outro lado, à crescente diversificação observada no exercício profissional dos arquitetos, hoje organizados em firmas, cooperativas e escritórios de prestação de serviços, atuando como profissionais liberais autônomos ou ocupando posições de influências em órgãos, instituições e empresas públicas e privadas, contratantes de serviços de arquitetura. Finalmente, este Manual tem como objetivo: Balizar as condições justas de contratação de Projetos de Arquitetura e Urbanismo e serviços correlatos; Estabelecer critérios para o cálculo dos valores de remuneração respectivos; c) Fixar e detalhar os serviços cobertos e descobertos pela remumeração estabelecida; d) Definir e caracterizar os principais componentes da remuneração profissional; e) Auxiliar na formalização de propostas e contratos. f) Orientar aos tomadores/contratantes de serviços quanto aos justos valores a serem cobrados, evitando, ao mesmo tempo, práticas abusivas ou aviltantes de preços. Este Manual será complementado por um programa de computador destinado a auxiliar na realização dos cálculos dos valores dos serviços utilizando os mesmos parâmetros aqui indicados.

12 2.0. FUNDAMENTOS LEGAIS Para a elaboração do presente Manual foram considerados e respeitados os dispositivos legais abaixo, dentre outros, listados em ordem cronológica, cujo conhecimento é indispensável para o necessário embasamento profissional Decreto Federal nº /33 (regula o exercício profissional de Engenharia e Arquitetur; 2.4. Decreto-lei nº /46 (dispõe sobre a regulamentação das profissões de engenheiro, arquiteto e agrimensor) 2.5. Lei Federal nº A/66 (dispõe sobre a remuneração de profissionais diplomados em Engenharia, Química, Arquitetura, Agronomia e Veterinári; 2.6. Lei Federal nº 5.194/66 (consolida o exercício profissional de Engenharia, Arquitetura e Agronomi; 2.12 Lei Federal 8.078/90 (Código Defesa Consumidor); 2.13 Decreto federal 2.181/97 (regulamenta o CDC); 2.14 Lei Federal 8.666/93 (normas para licitações e contratos da Administração Públic; Lei Federal 9.610/98 (altera, atualiza e consolida o Direito Autoral); Lei Federal /2001 (Estatuto da Cidade); 2.16 Lei nº /2003 (Código Civil Brasileiro); 2.17 Lei nº /2010 Regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo-CAU 1 ; Resoluções do CONFEA 2 218/73 (Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomi; 221/74 (Dispõe sobre o acompanhamento pelo autor, ou pelos autores ou co-autores, do projeto de execução da obra respectiva de Engenharia, Arquitetura ou Agronomi; 229/75 (Dispõe sobre a regularização dos trabalhos de engenharia, arquitetura e agronomia iniciados ou concluídos sem a participação efetiva de responsável técnico); 252/77 (Cria a Mútua de Assistência dos Profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomi; 262/79 (Dispõe sobre as atribuições dos Técnicos de 2º grau, nas áreas da Engenharia, Arquitetura e Agronomi; 282/83 (Dispõe sobre o uso obrigatório do título profissional e número da Carteira do CREA nos documentos de caráter técnico e técnico-científico); 336/89 (Dispõe sobre o registro de pessoas jurídicas nos Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomi; 1.002/02 (Adota o Código de Ética Profissional da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia e dá outras providências) 1.010/05 (Dispõe sobre a regulamentação da atribuição de títulos profissionais, atividades, competências e caracterização do âmbito de atuação dos profissionais inseridos no Sistema Confea/Crea, para efeito de fiscalização do exercício profissional) Legislações Estaduais e/ou Municipais correlatas à Arquitetura e Urbanismo Normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas 3. Notas: 1 Passará a vigorar após a instalação do CAU/BR e CAU s regionais. 2 Após a instalação do CAU, estas resoluções não mais aplicar-se-ão aos arquitetos e urbanistas. 3 As normas da ABNT consolidam procedimentos técnicos a serem observados.

13 3.0. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS DO ARQUITETO E URBANISTA A lei nº de 31 de dezembro de 2010, que regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo, em seu artigo 2º, enumera as atividades e atribuições e os campos de atuação aos quais elas se aplicam. Transcrevemos abaixo o texto da lei acrescentando ao mesmo sublinhamento e numeração para organização dos Grupos de Serviço que compõem este Manual. Artigo 2º. (...) 1.0. Atividades e atribuições: I - supervisão, coordenação, gestão e orientação técnica; II - coleta de dados, estudo, planejamento, projeto e especificação; III - estudo de viabilidade técnica e ambiental; IV - assistência técnica, assessoria e consultoria (16); V - direção de obras e de serviço técnico; VI - vistoria, perícia, avaliação, monitoramento, laudo, parecer técnico, auditoria e arbitragem (16); VII - desempenho de cargo e função técnica; VIII - treinamento, ensino, pesquisa e extensão universitária (17); IX - desenvolvimento, análise, experimentação, ensaio, padronização, mensuração e controle de qualidade(16); X - elaboração de orçamento; XI - produção e divulgação técnica especializada (17); e XII - execução, fiscalização e condução de obra(14), instalação e serviço técnico Campos de atuação: Parágrafo único. As atividades de que trata este artigo aplicam-se aos seguintes campos de atuação no setor: I - da (01)Arquitetura e Urbanismo, concepção e execução de projetos; II - da (04)Arquitetura de Interiores, concepção e execução de projetos de ambientes; III - da (05)Arquitetura Paisagística, concepção e execução de projetos para espaços externos, livres e abertos, privados ou públicos, como parques e praças, considerados isoladamente ou em sistemas, dentro de várias escalas, inclusive a territorial; IV - do (06)Patrimônio Histórico Cultural e Artístico, arquitetônico, urbanístico, paisagístico, monumentos, restauro, práticas de projeto e soluções tecnológicas para reutilização, reabilitação, reconstrução, preservação, conservação, restauro e valorização de edificações, conjuntos e cidades; V - do Planejamento Urbano(09) e Regional(12), planejamento físico-territorial, planos de intervenção no espaço urbano, metropolitano e regional fundamentados nos sistemas de infraestrutura, saneamento básico e ambiental, sistema viário, sinalização, tráfego e trânsito urbano e rural, acessibilidade, gestão territorial e ambiental, parcelamento do solo, loteamento, desmembramento, remembramento, arruamento, planejamento urbano, Plano Diretor(11), traçado de cidades, desenho urbano, sistema viário, tráfego e trânsito urbano e rural, inventário urbano e regional, assentamentos humanos e requalificação em áreas urbanas e rurais; VI - da Topografia(07), elaboração e interpretação de levantamentos topográficos cadastrais para a realização de projetos de arquitetura, de urbanismo e de paisagismo, foto-interpretação, leitura,

14 interpretação e análise de dados e informações topográficas e sensoriamento remoto; VII - da Tecnologia e Resistência dos Materiais (15), dos elementos e produtos de construção, patologias e recuperações; VIII - dos Sistemas Construtivos e Estruturais (08), estruturas, desenvolvimento de estruturas e aplicação tecnológica de estruturas; IX - de Instalações e Equipamentos Referentes à Arquitetura(02) e Urbanismo(10); X - do Conforto Ambiental (03), técnicas referentes ao estabelecimento de condições climáticas, acústicas, lumínicas e ergonômicas, para a concepção, organização e construção dos espaços; XI - do Meio Ambiente (13), Estudo e Avaliação dos Impactos Ambientais, Licenciamento Ambiental, Utilização Racional dos Recursos Disponíveis e Desenvolvimento Sustentável. A Lei Federal diz ainda, no artigo 3º, que os campos da atuação profissional para o exercício da arquitetura e urbanismo são definidos a partir das diretrizes curriculares nacionais que dispõem sobre a formação do profissional arquiteto e urbanista nas quais os núcleos de conhecimentos de fundamentação e de conhecimentos profissionais caracterizam a unidade de atuação profissional. No parágrafo 1º, a lei atribui ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) a função de especificar as áreas de atuação privativas dos arquitetos e urbanistas e as áreas de atuação compartilhadas com outras profissões regulamentadas. Os parágrafos seguintes determinam ainda: 2o Serão consideradas privativas de profissional especializado as áreas de atuação nas quais a ausência de formação superior exponha o usuário do serviço a qualquer risco ou danos materiais à segurança, à saúde ou ao meio ambiente. 3o No exercício de atividades em áreas de atuação compartilhadas com outras áreas profissionais, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo - CAU do Estado ou do Distrito Federal fiscalizará o exercício profissional da Arquitetura e Urbanismo. 4o Na hipótese de as normas do CAU/BR sobre o campo de atuação de arquitetos e urbanistas contradizerem normas de outro Conselho profissional, a controvérsia será resolvida por meio de resolução conjunta de ambos os conselhos. 5o Enquanto não editada a resolução conjunta de que trata o 4o ou, em caso de impasse, até que seja resolvida a controvérsia, por arbitragem ou judicialmente, será aplicada a norma do Conselho que garanta ao profissional a maior margem de atuação. É da competência do CAU/BR, conforme o artigo 4º, organizar e manter atualizado cadastro nacional das escolas e faculdades de arquitetura e urbanismo, incluindo o currículo de todos os cursos oferecidos e os projetos pedagógicos.

15 4.0. GRUPOS DE SERVIÇOS Para elaboração deste Manual as Atividades e Atribuições bem como os Campos de Atuação indicados na Lei , de , que regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo no Brasil foram reunidos em Grupos de Serviços numerados de (01) a (17) pela sua similaridade e reagrupados pela sua complementaridade nos seguintes âmbitos: I- Edificações; II- Edificações e/ou Urbanismo; III- Urbanismo, IV- Diversas e V- Execução de obras. Cada Grupo de Serviços reúne diversos serviços correlatos e/ou complementares de cada tema. Por exemplo, o Grupo de Serviço (01) Arquitetura, engloba serviços de Levantamento Físico de Edificações existentes, Projeto Arquitetônico de novas edificações, Projetos de Reforma de Edificações Existentes, etc. O Grupo de Serviço (02) Instalações e Equipamentos Referentes à Arquitetura, engloba serviços de Projetos de Instalações Hidráulicas, Sanitárias, Elétricas, Telefônicas, etc. O Grupo de Serviço (09) Planejamento Urbano, engloba serviços como Projetos de Planejamento Urbano, Projetos de Loteamentos, Projetos de Desmembramento, etc. O Grupo de Serviço (10) Instalações e Equipamentos Referentes ao Urbanismo, engloba serviços do tipo Projetos de Drenagem, Projetos de Rede de Abastecimento de Água e Esgoto, Projetos de Rede de Energia Elétrica, e assim sucessivamente. Desta forma, este Manual apresenta os diferentes serviços de competência profissional dos arquitetos e urbanistas previstos na Lei Federal , de , organizados da seguinte maneira: ÂMBITO GRUPOS DE SERVIÇOS: (Extraído da Lei Federal , de que regulamento o exercício da Arquitetura e Urbanismo e cria o CAU) -POR CAMPO DE ATUAÇÃO: I- ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES (01) ARQUITETURA; (02) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS REFERENTES À ARQUITETURA; (03) CONFORTO AMBIENTAL; (04) ARQUITETURA DE INTERIORES; II- ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES E/OU URBANISMO: III- ÂMBITO DO URBANISMO: (05) ARQUITETURA PAISAGÍSTICA (06) PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL E ARTÍSTICO (07) TOPOGRAFIA; (08) SISTEMAS CONSTRUTIVOS E ESTRUTURAIS; (09) PLANEJAMENTO URBANO; (10) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS REFERENTES AO URBANISMO; (11) PLANO DIRETOR; (12) PLANEJAMENTO REGIONAL; (13) MEIO AMBIENTE -POR ATIVIDADES E ATRIBUIÇÕES: (14) EXECUÇÃO, FISCALIZAÇÃO E CONDUÇÃO DE OBRAS IV- ÂMBITO DA EXECUÇÃO DE OBRAS: V- ÂMBITOS DIVERSOS: (15) TECNOLOGIA E RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS; (16) ASSISTÊNCIA TÉCNICA, ASSESSORIA, CONSULTORIA, VISTORIA, PERÍCIA, AVALIAÇÃO, MONITORAMENTO, LAUDO, PARECER TÉCNICO, AUDITORIA E ARBITRAGEM; (17) TREINAMENTO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, DESENVOLVIMENTO, ANÁLISE, EXPERIMENTAÇÃO, ENSAIO, PADRONIZAÇÃO, MENSURAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE;

16 4.1 QUADRO GERAL DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ITEM ÂMBITO CÓDIGO GRUPOS DE SERVIÇOS: SERVIÇO/ PROJETO (Extraído da Lei Federal , de (Extraído da resolução CONFEA 1010/2005, Tabela de regulamento o exercício da Honorários do IAB/1991 e outras fontes) Arquitetura e Urbanismo e cria o CAU) MODALI DADE DE REMUNE RAÇÃO ETAPAS A DESENVOLVER/ % RELATIVO ETAPAS ADICIONAIS LD PN EV EP AP PL PB PE CO CP AS AE AB -LD: Levantamento de dados; -PN: Programa de necessidades; -EV:Estudo de viabilidade técnico-legal; -EP:Estudo preliminar; -AP: Anteprojeto; -PL: Projeto legal; -PB:Projeto básico; -PE: Projeto para execução;-serviços ADICIONAIS: -CO: Coordenação gerenciamento projetos; -CP: Compatibilização de projetos; -AS: Assessoria para aprovação de projeto; -AE: Assistência à execução da obra; -AB: As built" (desenho conforme construído). -POR CAMPO DE ATUAÇÃO: I ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES (01) (01) ARQUITETURA; PROJETO DE ARQUITETURA DE EDIFICAÇÕES 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% Levantamento Arquitetônico % Projeto de Arquitetura de Reforma de Edificações 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% Edifícios e Instalações Efêmeras 01 Monumentos 01 Desenho em Perspectiva 01 5% 20% 20% 55% 10% 10% Imagens Virtuais 01 5% 20% 20% 55% 10% 10% Recursos Audiovisuais (filmes, animações e similares) 01 5% 20% 20% 55% 10% 10% Maquetaria 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% (02) (02) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS Levantamento e/ou Sondagens Geológicas % REFERENTES À ARQUITETURA; Projetos De Instalações Hidráulicas 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações Sanitárias 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações De Águas Pluviais 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Projetos De Instalações De Gás Canalizado 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações de Prevenção E Combate A Incêndio 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações de Proteção Contra Descargas Atmosféricas (pára-raios) 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Gerenciamento De Resíduos Sólidos 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações Elétricas De Baixa Tensão 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações Telefônicas 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos De Instalações De TV 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Projetos De Instalações de Rede Estruturada De Dados E Voz 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Projetos De Instalações De Rede De Segurança Eletrônica 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Projetos Complementares De Instalações Mecânicas: Elevadores, Monto-Cargas, Rampas, Escadas E Esteiras Rolantes, Entre Outros. Projetos Complementares De Instalações Especiais: Equipamento, Água Gelada E Outros Projetos Especializados De Estacionamento E Tráfego De Veículos 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Projeto de comunicação visual para edificações 02 50% 50% Caderno de Especificações/ Memorial Descritivo % 10% 10% Orçamento Sintético 02 15% 85% 10% 10% Orçamento Analítico 02 15% 85% 10% 10% Cronograma de Obra 02 15% 85% 10% 10% Estudos De Viabilidade Econômica E Financeira De Projeto De Edificações 02 15% 85% 10% 10% 5% 5% 5% (03) (03) CONFORTO AMBIENTAL; Projetos de Instalações Luminotécnicas 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5%

17 4.1 QUADRO GERAL DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ITEM ÂMBITO CÓDIGO GRUPOS DE SERVIÇOS: SERVIÇO/ PROJETO (Extraído da Lei Federal , de (Extraído da resolução CONFEA 1010/2005, Tabela de regulamento o exercício da Honorários do IAB/1991 e outras fontes) Arquitetura e Urbanismo e cria o CAU) MODALI DADE DE REMUNE RAÇÃO ETAPAS A DESENVOLVER/ % RELATIVO ETAPAS ADICIONAIS LD PN EV EP AP PL PB PE CO CP AS AE AB -LD: Levantamento de dados; -PN: Programa de necessidades; -EV:Estudo de viabilidade técnico-legal; -EP:Estudo preliminar; -AP: Anteprojeto; -PL: Projeto legal; -PB:Projeto básico; -PE: Projeto para execução;-serviços ADICIONAIS: -CO: Coordenação gerenciamento projetos; -CP: Compatibilização de projetos; -AS: Assessoria para aprovação de projeto; -AE: Assistência à execução da obra; -AB: As built" (desenho conforme construído). Projetos de Instalações de Sonorização e Acústica 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Projetos de Instalações de Ar Condicionado, Ventilação e 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% Exaustão Mecânica (04) (04) ARQUITETURA DE INTERIORES; PROJETO DE ARQUITETURA DE INTERIORES: 02 10% 10% 20% 30% 30% 10% 10% 10% II ÂMBITO DAS EDIFICAÇÕES (05) (05) ARQUITETURA PAISAGÍSTICA PROJETOS DE ARQUITETURA PAISAGÍSTICA 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% E/OU URBANISMO: (06) (06) PATRIMÔNIO HISTÓRICO CULTURAL E Projeto de Patrimônio Arquitetônico 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% ARTÍSTICO; Projeto de Patrimônio Urbanístico 01 Projeto de Patrimônio Paisagístico 01 (07) (07) TOPOGRAFIA; Levantamento Topográfico Planialtimétrico Georreferenciado % Levantamento Topográfico Aerofotogramétrico % Levantamento Cartográfico Orbital % (08) (08) SISTEMAS CONSTRUTIVOS E Projetos de Estruturas 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% III ÂMBITO DO URBANISMO: (09) (09) ESTRUTURAIS; PLANEJAMENTO URBANO: PROJETO DE PLANEJAMENTO URBANO 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% Levantamento ou Inventário Urbano % Parcelamento do solo ou loteamento 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% Desmembramento ou Remembramento 02 5% 5% 15% 20% 20% 20% 15% 10% 10% 5% 5% 5% Projetos de intervenção no espaço urbano (espaços públicos, praças, parques e similares) 02 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto gráfico (imagens virtuais) 01 5% 20% 75% (10) (10) INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS Projeto de movimentação de terra, drenagem e 02 5% 20% 20% 20% 35% 10% 10% 5% 5% 5% REFERENTES AO URBANISMO; pavimentação Projeto de rede de tratamento e abastecimento d água 02 5% 20% 20% 20% 35% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto de rede de coleta e tratamento de esgotos 02 5% 20% 20% 20% 35% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto de tratamento e destinação dos resíduos sólidos 02 5% 20% 20% 20% 35% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto de comunicação visual urbanístico 01 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto de rede de iluminação pública 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto de rede de energia elétrica 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Projeto de rede de comunicações (telefone, internet, tv) 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Caderno de Especificações ou Memorial Descritivo 02 5% 20% 20% 55% 10% 10% 5% 5% 5% Orçamento Sintético 02 15% 85% 10% 10% Orçamento Analítico 02 15% 85% 10% 10% Cronograma de Obra 02 15% 85% 10% 10% Estudos de Viabilidade Econômica e Financeira de Projeto de Urbanismo 02 15% 85% 10% 10% 5% 5% 5% (11) (11) PLANOS DIRETORES; PLANOS DIRETORES MUNICIPAIS 02 10% 10% 20% 30% 30% 10% 10% 5% Levantamento ou Inventário Urbano % Elaboração da Legislação Urbana Municipal 02 5% 15% 20% 60% Plano Diretor de Mobilidade e Transporte 01 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% Plano de Saneamento Básico Ambiental 01 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5%

18 4.1 QUADRO GERAL DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ITEM ÂMBITO CÓDIGO GRUPOS DE SERVIÇOS: SERVIÇO/ PROJETO (Extraído da Lei Federal , de (Extraído da resolução CONFEA 1010/2005, Tabela de regulamento o exercício da Honorários do IAB/1991 e outras fontes) Arquitetura e Urbanismo e cria o CAU) MODALI DADE DE REMUNE RAÇÃO ETAPAS A DESENVOLVER/ % RELATIVO ETAPAS ADICIONAIS LD PN EV EP AP PL PB PE CO CP AS AE AB -LD: Levantamento de dados; -PN: Programa de necessidades; -EV:Estudo de viabilidade técnico-legal; -EP:Estudo preliminar; -AP: Anteprojeto; -PL: Projeto legal; -PB:Projeto básico; -PE: Projeto para execução;-serviços ADICIONAIS: -CO: Coordenação gerenciamento projetos; -CP: Compatibilização de projetos; -AS: Assessoria para aprovação de projeto; -AE: Assistência à execução da obra; -AB: As built" (desenho conforme construído). Plano de Manejo Ambiental 01 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% Plano Diretor de Operação Urbana Consorciada 01 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% Plano Local de Habitação de Interesse Social 01 5% 5% 5% 15% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 5% Seleção de Projetos Estruturantes 01 10% 10% 20% 20% 40% Termo de Referência de Projetos Estruturantes 01 10% 10% 20% 20% 40% (12) (12) PLANEJAMENTO REGIONAL; PLANO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL 01 10% 10% 20% 20% 40% (13) (13) MEIO AMBIENTE Zoneamento Geombiental % -POR ATIVIDADES E ATRIBUIÇÕES: Diagnóstico Ambiental % Relatório Ambiental Simplificado- RAS 01 20% 20% 30% 30% Estudo de Viabilidade Ambiental - EVA 01 20% 20% 30% 30% Estudo de Impacto Ambiental- Relatório de Impacto de Meio Ambiente- EIA- RIMA 01 20% 20% 30% 30% Plano de Monitoramento Ambiental 01 20% 20% 30% 30% Plano de Recuperação de Áreas Degradada- PRAD 01 20% 20% 30% 30% IV ÂMBITO DA EXECUÇÃO DE (14) (14) EXECUÇÃO, FISCALIZAÇÃO E Execução de Obras por Empreitada 01 De acordo com o cronograma fisico e financeiro da obra OBRAS: CONDUÇÃO DE OBRAS Execução de Obras por Administração 02 De acordo com o cronograma fisico e financeiro da obra Fiscalização de Obras 02 De acordo com o cronograma fisico e financeiro da obra V ÂMBITOS DIVERSOS: (15) (15) TECNOLOGIA E RESISTÊNCIA DOS Realização de ensaios e pesquisas 01 20% 30% 50% MATERIAIS; (16) (16) ASSISTÊNCIA TÉCNICA, ASSESSORIA, CONSULTORIA, VISTORIA, PERÍCIA, AVALIAÇÃO, MONITORAMENTO, LAUDO, PARECER TÉCNICO, AUDITORIA E ARBITRAGEM; Assistência Técnica, Assessoria, Consultoria, Vistoria, Monitoramento, Laudo, Parecer Técnico, Auditoria e Arbitragem; 01 20% 30% 50% Avaliação e Perícia 02 20% 30% 50% (17) (17) TREINAMENTO, ENSINO, PESQUISA E Treinamento, Ensino, Pesquisa e Extensão Universitária, 01 20% 30% 50% EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, Desenvolvimento, Análise, Experimentação, Ensaio, DESENVOLVIMENTO, ANÁLISE, Padronização, Mensuração e Controle de Qualidade EXPERIMENTAÇÃO, ENSAIO, PADRONIZAÇÃO, MENSURAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE;

19 5.0. CONCEITOS E DEFINIÇÕES Para o melhor entendimento das informações contidas no presente Manual, apresentamos os conceitos e definições do glossário abaixo. Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação das partes constituintes de um todo, buscando conhecer sua natureza ou avaliar seus aspectos técnicos. Arbitragem atividade que constitui um método alternativo para solucionar conflitos a partir de decisão proferida por árbitro escolhido entre profissionais da confiança das partes envolvidas, versados na matéria objeto da controvérsia. Assessoria atividade que envolve a prestação de serviços por profissional que detém conhecimento especializado em determinado campo profissional, visando ao auxílio técnico para a elaboração de projeto ou execução de obra ou serviço. Assistência atividade que envolve a prestação de serviços em geral, por profissional que detém conhecimento especializado em determinado campo de atuação profissional, visando suprir necessidades técnicas. Auditoria atividade que envolve o exame e a verificação de obediência a condições formais estabelecidas para o controle de processos e a lisura de procedimentos. Avaliação atividade que envolve a determinação técnica do valor qualitativo ou monetário de um bem, de um direito ou de um empreendimento. Benefícios e Despesas Indiretas- BDI: índice resultante dos acréscimos aos preços de custo dos insumos básicos do projeto (materiais, mão de obra, equipamentos, etc) e que é composto basicamente de: - Despesas indiretas (DI); - Despesas legais (DL) referente aos impostos; - Lucro (L) da atividade. Coleta de dados atividade que consiste em reunir, de maneira consistente, dados de interesse para o desempenho de tarefas de estudo, planejamento, pesquisa, desenvolvimento, experimentação, ensaio, e outras afins. Condução atividade de comandar a execução, por terceiros, do que foi determinado por si ou por outros. Consultoria atividade de prestação de serviços de aconselhamento, mediante exame de questões específicas, e elaboração de parecer ou trabalho técnico pertinente, devidamente fundamentado. Controle de qualidade atividade de fiscalização exercida sobre o processo produtivo visando garantir a obediência a normas e padrões previamente estabelecidos. Coordenação atividade exercida no sentido de garantir a execução de obra ou serviço segundo determinada ordem e método previamente estabelecidos. Custo da obra: custo de projeto somado ao custo de execução. Custo de projeto: despesas de projeto acrescidas do lucro e dos direitos autorais (de projeto). Custo de execução: despesas de execução acrescidas do lucro e dos direitos autorais (de execução). Custo Unitário Básico CUB : é o custo direto de construção por m² de um determinado padrão de imóvel definido pela Norma NBR /93- projeto padrão N8-R. Seu objetivo básico é disciplinar o mercado de incorporação imobiliária, servindo como parâmetro na determinação dos custos do setor da construção civil. O valor do CUB é calculado pelos parâmetros da Lei 4.591/64 e NBR /93 da ABNT, pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) de cada Estado, podendo ser encontrado nos sítios dos Sinduscons estaduais na internet ou ainda no site que lista os valores de diversos estados. Como cada estado brasileiro calcula e atualiza mensalmente o seu CUB, o presente Manual utiliza esse parâmetro como elemento de indexação e regionalização do cálculo dos valores dos projetos e serviços aqui indicados. Desempenho de cargo ou função técnica - atividade exercida de forma continuada, no âmbito da profissão, em decorrência de ato de nomeação, designação ou contrato de trabalho. Desenvolvimento atividade que leva à consecução de modelos ou protótipos, ou ao aperfeiçoamento de dispositivos, equipamentos, bens ou serviços, a partir de conhecimentos obtidos através da pesquisa científica ou tecnológica. Despesas de projeto: despesas, diretas e indiretas, de material, mão de obra e outras, necessárias à prestação dos serviços do projeto. Despesas de execução: despesas, diretas e indiretas de material, mão-de-obra e outras, necessárias à execução da obra. Direção atividade técnica de determinar, comandar e essencialmente decidir na consecução de obra ou serviço. Direitos autorais: remuneração pelo talento, criatividade e competência técnica, investida pelo arquiteto na criação e/ou execução da obra de Arquitetura, assim como pela exclusividade de

20 utilização de serviços contratados. Divulgação técnica atividade de difundir, propagar ou publicar matéria de conteúdo técnico. Elaboração de orçamento atividade realizada com antecedência, que envolve o levantamento de custos, de forma sistematizada, de todos os elementos inerentes à execução de determinado empreendimento. Encargos sociais (ES): são os custos indiretos incidentes sobre a mão de obra empregada no processo de elaboração de projetos. Ensaio atividade que envolve o estudo ou a investigação sumária de aspectos técnicos e/ou científicos de determinado assunto. Ensino atividade cuja finalidade consiste na transmissão de conhecimento de maneira formal. Equipamento instrumento, máquina ou conjunto de dispositivos operacionais, necessário para a execução de atividade ou operação determinada. Especificação atividade que envolve a fixação das características, condições ou requisitos relativos a materiais, equipamentos, instalações ou técnicas de execução a serem empregados em obra ou serviço técnico. Estudo atividade que envolve simultaneamente o levantamento, a coleta, a observação, o tratamento e a análise de dados de natureza diversa, necessários ao projeto ou execução de obra ou serviço técnico, ou ao desenvolvimento de métodos ou processos de produção, ou à determinação preliminar de características gerais ou de viabilidade técnica, econômica ou ambiental. Confea Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Execução atividade em que o Profissional, por conta própria ou a serviço de terceiros, realiza trabalho técnico ou científico visando à materialização do que é previsto nos projetos de um serviço ou obra. Execução de desenho técnico atividade que implica a representação gráfica por meio de linhas, pontos e manchas, com objetivo técnico. Experimentação atividade que consiste em observar manifestações de um determinado fato, processo ou fenômeno, sob condições previamente estabelecidas, coletando dados, e analisando-os com vistas à obtenção de conclusões. Extensão atividade que envolve a transmissão de conhecimentos técnicos pela utilização de sistemas informais de aprendizado. Fiscalização atividade que envolve a inspeção e o controle técnicos sistemáticos de obra ou serviço, com a finalidade de examinar ou verificar se sua execução obedece ao projeto e às especificações e prazos estabelecidos. Gestão conjunto de atividades que englobam o gerenciamento da concepção, elaboração, projeto, execução, avaliação, implementação, aperfeiçoamento e manutenção de bens e serviços e de seus processos de obtenção. Honorários: remuneração devida pelo cliente ao arquiteto, em contrapartida por serviços prestados, incluindo os direitos autorais respectivos, tanto no caso de projetos quanto no de execução de obras. Instalação atividade de dispor ou conectar convenientemente conjunto de dispositivos necessários a determinada obra ou serviço técnico, de conformidade com instruções determinadas. Laudo peça na qual, com fundamentação técnica, o profissional habilitado, como perito, relata o que observou e apresenta as suas conclusões, ou avalia o valor de bens, direitos, ou empreendimentos. Manutenção atividade que implica conservar aparelhos, máquinas, equipamentos e instalações em bom estado de conservação e operação. Mensuração atividade que envolve a apuração de aspectos quantitativos de determinado fenômeno, produto, obra ou serviço técnico, num determinado período de tempo. Montagem operação que consiste na reunião de componentes, peças, partes ou produtos, que resulte em dispositivo, produto ou unidade autônoma que venha a tornar-se operacional, preenchendo a sua função. Monitoramento - atividade de examinar, acompanhar, avaliar e verificar a obediência a condições previamente estabelecidas para a perfeita execução ou operação de obra, serviço, projeto, pesquisa, ou outro qualquer empreendimento. Normalização Ver Padronização. Obra resultado da execução ou operacionalização de projeto ou planejamento elaborado visando à consecução de determinados objetivos. Operação atividade que implica fazer funcionar ou acompanhar o funcionamento de instalações, equipamentos ou mecanismos para produzir determinados efeitos ou produtos. Orientação técnica atividade de proceder ao acompanhamento do desenvolvimento de uma obra ou serviço, segundo normas específicas, visando a fazer cumprir o respectivo projeto ou planejamento. Padronização atividade que envolve a determinação ou o estabelecimento de características ou parâmetros, visando à uniformização de processos ou produtos. Parecer técnico expressão de opinião tecnicamente fundamentada sobre determinado assunto, emitida por especialista. Perícia atividade que envolve a apuração das causas que motivaram determinado evento, ou da asserção de direitos, e na qual o profissional, por conta própria ou a serviço de terceiros, efetua trabalho técnico visando a emissão de um parecer ou laudo técnico, compreendendo: levantamento

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos

Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos GLOSSÁRIO Este glossário é de natureza específica, não devendo prevalecer entendimentos distintos dos termos nele apresentados, embora aplicáveis em outros contextos. Análise atividade que envolve a determinação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO Instituto de Arquitetos do Brasil MANUAL DE PROCEDIMENTOS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO Aprovado pelo 138o. Encontro do Conselho Superior- COSU do Instituto de Arquitetos do Brasil-

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Por: Odilo Almeida Filho Coordenador e relator Palmas- To, 26.03.2015 Quais os assuntos que serão abordados? 1.Princípios básicos e definições: 2.Módulo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 21, DE 5 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO N 21, DE 5 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO N 21, DE 5 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre as atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR),

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 51, DE 12 DE JULHO DE 2013 PREÂMBULO

RESOLUÇÃO N 51, DE 12 DE JULHO DE 2013 PREÂMBULO RESOLUÇÃO N 51, DE 12 DE JULHO DE 2013 PREÂMBULO Com a presente Resolução o CAU/BR atende à responsabilidade que lhe foi atribuída pela Lei nº 12.378, de 31 de dezembro de 2010, de especificar as atividades,

Leia mais

A atuação do Arquiteto e Urbanista para a Simplicidade e Transparência do Processo

A atuação do Arquiteto e Urbanista para a Simplicidade e Transparência do Processo A atuação do Arquiteto e Urbanista para a Simplicidade e Transparência do Processo Comissão Especial de evisão e Atualização da Legislação de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios Deputado Estadual

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO I Remuneração do Projeto Arquitetônico de Edificações

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO I Remuneração do Projeto Arquitetônico de Edificações TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL MÓDULO I Remuneração do Projeto Arquitetônico de Edificações 1 TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

DISCIPLINA IT 489/852 FUNDAMENTOS PARA PARA O TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Caderno de Normas, Recomendações e Prazos

DISCIPLINA IT 489/852 FUNDAMENTOS PARA PARA O TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Caderno de Normas, Recomendações e Prazos INSTITUTO DE TECNOLOGIA Departamento de Arquitetura e Urbanismo DISCIPLINA IT 489/852 FUNDAMENTOS PARA PARA O TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO Caderno de Normas, Recomendações e Prazos Organização Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispões sobre o Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) na prestação de serviços de arquitetura e urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Em atendimento ao disposto na Lei 12.378, de 31.12.2010: (...) Artigo 28- Compete ao CAU/BR: Inciso XIV - aprovar e divulgar tabelas

Leia mais

1 PROJETO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES CONTRATADAS - RRT

1 PROJETO DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES CONTRATADAS - RRT DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES CONTRATADAS - RRT 1 PROJETO 1.1 - ARQUITETURA DAS EDIFICAÇÕES 1.1.1 - Levantamento arquitetônico 1.1.2 - Projeto arquitetônico 1.1.3 - Projeto arquitetônico de reforma 1.1.4 -

Leia mais

Conselhos de Fiscalização das Profissões Regulamentadas. Ministério da Educação

Conselhos de Fiscalização das Profissões Regulamentadas. Ministério da Educação Página 1 de 8 Ministério da Educação Nº 1621 - Quarta feira, 17 de julho de 2013 PORTARIA Nº 382, DE 15 DE JULHO DE 2013. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - Institui

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO COLEGIADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO O Colegiado do

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

Click to edit Master text styles

Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles HISTÓRICO Click to edit Master text styles O Conselho de Arquitetura e Urbanismo CAU foi criado pela Lei Federal nº 12.378, de 31 de dezembro de 2010, para regulamentar

Leia mais

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA)

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Dispõe sobre a aquisição e alienação de imóveis sem prévio arrendamento no âmbito do Programa de Arrendamento Residencial - PAR,

Leia mais

João Fernando Custodio da Silva Engenheiro Cartógrafo, Conselheiro CREA-SP 2007-2009 Professor Titular do Departamento de Cartografia, FCT/UNESP

João Fernando Custodio da Silva Engenheiro Cartógrafo, Conselheiro CREA-SP 2007-2009 Professor Titular do Departamento de Cartografia, FCT/UNESP Regulamentação da atribuição de títulos profissionais, atividades, competências e caracterização do âmbito de atuação dos profissionais inseridos no Sistema CONFEA-CREA João Fernando Custodio da Silva

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

Atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista

Atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista Atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista PALAVRA DO PRESIDENTE Acreditamos que, de alguma maneira, todos nós passamos a vida inteira em busca de harmonia. E harmonia é, simplesmente,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA

INSTITUTO BRASILEIRO DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA 1 REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento de Honorários para Avaliações e Perícias de Engenharia estabelece parâmetros para

Leia mais

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir: 1. Edifícios com

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Estatutos

ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia. Estatutos MEMBRO DE ABCE Associação Brasileira de Consultores de Engenharia Estatutos ESTATUTOS APROVADOS PELA ASSEMBLÉIA GERAL EM 12/10/1972 E ALTERADOS EM 08/11/1973, 07/05/1974, 04/04/1983, 05/12/94, 10/11/1997,

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO III Remuneração de Execução de Obras e Outras de Atividades

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO III Remuneração de Execução de Obras e Outras de Atividades TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL MÓDULO III Remuneração de Execução de Obras e Outras de Atividades 3 TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

Modelo de contrato de prestação de serviços em Arquitetura e Urbanismo

Modelo de contrato de prestação de serviços em Arquitetura e Urbanismo Modelo de contrato de prestação de serviços em Arquitetura e Urbanismo O CONTRATO DE PRESTAÇÃO é o único documento que o profissional possui, capaz de fazer prova conclusiva sobre os trabalhos contratados,

Leia mais

A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação Técnica alínea b) exige:

A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação Técnica alínea b) exige: COP-148/2009 Processo nº 000578-14.89/09-2 Assunto: Esclarecimento A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: Questionamento 1. O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação

Leia mais

CUB e Preço de Venda

CUB e Preço de Venda CUB e Preço de Venda Histórico do CUB: O CUB Custo Unitário Básico tem amparo na Lei 4.591 de 16 de dezembro de 1964, que dispõe sobre as incorporações imobiliárias. Com amparo nesta Lei, surgiu em 1965

Leia mais

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades.

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades. ATO NORMATIVO Nº 55/03 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea ES, para o exercício de 2004 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO II Remuneração de Projetos e Serviços Diversos

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO II Remuneração de Projetos e Serviços Diversos TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL MÓDULO II Remuneração de Projetos e Serviços Diversos 2 TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL MÓDULO

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2006 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso:

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso: FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo I Florianópolis, março/2012 1 Objetivo do curso: Desenvolver competências (conhecimentos, habilidades

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO 132 ARQUITETURA E URBANISMO COORDENADORA DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Aline Werneck Barbosa de Carvalho abarbosa@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REGULAMENTO DE HONORÁRIOS PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA Aprovado na Assembléia Geral Ordinária de 10/04/2012. Capítulo I NORMAS GERAIS Art.1º - Este Regulamento de Honorários para Avaliações

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO II Remuneração de Projetos e Serviços Diversos

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. MÓDULO II Remuneração de Projetos e Serviços Diversos TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL MÓDULO II Remuneração de Projetos e Serviços Diversos 2 TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL MÓDULO

Leia mais

Resposta: 2 - Favor observar o item 24.6.4.7 do Projeto Básico (Grupo I e II - Desempenho Profissional e Desempenho das Atividades)

Resposta: 2 - Favor observar o item 24.6.4.7 do Projeto Básico (Grupo I e II - Desempenho Profissional e Desempenho das Atividades) : Solicitamos da comissão de licitação da ICMBio, os seguintes esclarecimentos: 1 De acordo com edital capitulo da proposta de preços item 36/38, estabelece que nos preços estejam inclusos despesas como

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP)

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) EDIFÍCIO SEDE TERRACAP DITEC Diretoria Técnica e de Fiscalização

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA

GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA GRUPO 6 - TRANSPORTE e MORADIA Nº PROPOSTA 01 02 Inclusão do segmento dos surdos na isenção dos impostos, assim como as demais pessoas com deficiência, quando da aquisição de veículo de transporte de passeio;

Leia mais

RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO N 67, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre os Direitos Autorais na Arquitetura e Urbanismo, estabelece normas e condições para o registro de obras intelectuais no Conselho de Arquitetura e

Leia mais

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA E URBANISMO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ARQUITETURA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL 1 INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL Filiado ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia REGULAMENTO DE PARA AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA 1.0 INTRODUÇÃO O INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL

Leia mais

SISTEMAS PROFISSIONAIS

SISTEMAS PROFISSIONAIS SISTEMAS PROFISSIONAIS Prof. Dr. Eng. Mec. Amarildo Tabone Paschoalini Docente Departamento de Engenharia Mecânica UNESP Ilha Solteira Coordenador da Câmara Especializada de Eng. Mecânica e Metalúrgica

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Programa de Participação nos Lucros e Resultados da ECT do exercício de 2012

Programa de Participação nos Lucros e Resultados da ECT do exercício de 2012 CLÁUSULA 1 - Objetivo da PLR O Programa de Participação dos Lucros e Resultados (PLR) foi instituído para fortalecer o comprometimento dos empregados com os resultados, incentivar uma postura empreendedora

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto TERMO DE REFERÊNCIA Nº 004/2013 Contratação de Consultoria Nacional Pessoa Física por Produto Número e Título do Projeto: BRA/12/08 Apoio à implementação do Plano de Reabilitação Participativo do Centro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS I) DISPOSIÇÃO PRELIMINAR A Engenharia de Avaliações e Perícias se tornou ao longo dos tempos uma atividade bastante restrita, exigindo do profissional atualização constante, acompanhamento

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO BAURU 2011/2012 APRESENTAÇÃO Este Manual tem o objetivo de oferecer aos docentes e estudantes do Curso de Arquitetura

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Em atendimento ao disposto no inciso XIV, do artigo 28, da Lei nº 12.378, de 31 de dezembro de 2010, compete ao CAU/BR aprovar e divulgar

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL SEMINÁRIO CONFEA / CAU APRESENTADAS NOS GTs, ALINHADAS COM AS SOLUÇÕES BUSCADAS PELO SEMINÁRIO Brasília, 24 e 25 de julho de 2014 Eixo 1: Exercício Profissional Eixo 2: Fiscalização Eixo 3: Formação Profissional

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO)

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. SAUDE VAGAS: 08 (OITO) Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

GUIA DE HONORÁRIOS DE REFERÊNICIA PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

GUIA DE HONORÁRIOS DE REFERÊNICIA PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA GUIA DE HONORÁRIOS DE REFERÊNICIA PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA 1 / 10 GUIA DE HONORÁRIOS DE REFERÊNICIA PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA Este Guia é uma referência básica para os

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE

INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE EM PERÍCIAS, AVALIAÇÕES E AUDITORIAS, COM BASE NA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL VIGENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PROCESSO N. PGE2012838938-0 PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PARECER Nº PA-NLC-MTF-PLA-102/2013

ESTADO DA BAHIA PROCESSO N. PGE2012838938-0 PROCURADORIA GERAL DO ESTADO PARECER Nº PA-NLC-MTF-PLA-102/2013 PROCESSO N. PGE2012838938-0 ESTADO DA BAHIA PARECER Nº PA-NLC-MTF-PLA-102/2013 EDITAL. Serviços de manutenção de equipamentos de ar condicionado. Ordem de serviços n. PA-001/2013. Minuta edital padrão.

Leia mais

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005.

Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. Parecer Homologado (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/06/2005. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO N 51, DE 12 DE JULHO DE 2013. CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL.

RESOLUÇÃO N 51, DE 12 DE JULHO DE 2013. CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL. SIC Nº 17/2013* Belo Horizonte, 17 de julho de 2013. CONSELHOS DE FISCALIZAÇÃO DE PROFISSÕES REGULAMENTADAS. RESOLUÇÃO Nº 255, DE 18 DE JUNHO DE 2013. CONSELHO FEDERAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. RESOLUÇÃO N 51,

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 22 DE AGOSTO DE 2005.

RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 22 DE AGOSTO DE 2005. RESOLUÇÃO Nº 1.010, DE 22 DE AGOSTO DE 2005. Dispõe sobre a regulamentação da atribuição de títulos profissionais, atividades, competências e caracterização do âmbito de atuação dos profissionais inseridos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria de Educação Superior/ Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 16.627, DE 19 DE AGOSTO DE 2013. Define os exemplos de atribuições dos cargos de Arquiteto, Assistente Social, Contador, Enfermeiro, Fonoaudiólogo e Odontólogo, criado pela Lei Complementar

Leia mais