REGIMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO DO COTA MIL IATE CLUBE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO DO COTA MIL IATE CLUBE"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO DO COTA MIL IATE CLUBE Do Objetivo (Aprovado em 28/05/2009 pelo Conselho Deliberativo) Art. 1º Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos, dos bens e das atividades do Setor Náutico do Cota Mil Iate Clube, doravante denominado Clube. Da Utilização Art. 2º As dependências, os bens e os equipamentos do Setor Náutico compreendem: I II III - IV O cais; A marina; A piscina de barcos (ou náutica); As garagens de barcos (aberta, fechada, de tela, pátio); V Os boxes; VI As embarcações e qualquer outro bem de propriedade do Clube e de uso exclusivo no Setor Náutico; VII O guincho; VIII O trator. Regimento Interno da Náutica.doc Página 1/8

2 1º É assegurado aos sócios fundadores, titulares, titulares com remissão, honorários e dependentes, a seguir denominados usuários, o direito de utilização das dependências, bens e equipamentos do Setor Náutico na forma deste Regimento. 2º A utilização de boxe e/ou vaga em água, pátio ou garagens ficará registrada em nome do sócio titular, sendo que a embarcação deve estar em nome do titular ou de seus dependentes, dentre as categorias descritas no parágrafo anterior. Somente será permitida a locação de boxe a usuário proprietário de embarcação. 3º Os visitantes poderão utilizar as dependências e equipamentos do Setor Náutico, observadas as condições previstas neste Regimento. 4º O acesso aos visitantes nas dependências do Clube, quando estiverem utilizando as dependências e equipamentos do setor náutico, se dará, tão somente nos dias e horários de funcionamento do Setor Náutico. 5º A solicitação de autorização para embarque ou desembarque de convidado, para um passeio ou competição (acesso restrito), bem como autorização para uso de embarcação por terceiros, deve ser encaminhada pessoalmente pelo usuário proprietário da embarcação, junto à Secretaria Náutica. Art. 3º Os usuários poderão utilizar as dependências e equipamentos do Setor Náutico na forma do 1º e 2º do Art. 2º, somente após o cumprimento do seguinte: I Proceder ao registro da embarcação de sua propriedade, junto à Secretaria Náutica, sendo indispensável fornecer: a. Ficha de cadastro de embarcação, com declaração de conhecimento deste Regimento Interno e das normas da Capitania dos Portos. b. Cópia do certificado de propriedade da embarcação, quando exigido pela Autoridade Marítima; c. Cópia de certificado de registro original da Capitania dos Portos ou protocolo para registro, quando exigido pela Autoridade Marítima; d. Cópia da carteira de habilitação do condutor emitido pela Capitania dos Portos; e. Cópia da apólice de seguro obrigatório, quando exigido pela Autoridade Marítima; II - III - Não estar em débito com o Clube. Manter sua embarcação em perfeito estado de uso ou manobra. 1º O Diretor Náutico constituirá Comissão, por ele presidida, constituída por sócios titulares, com comprovado conhecimento técnico na atividade náutica, para analisar o cumprimento do inciso 3º deste artigo e, também, o que dispõe os artigos 23º e 24º deste Regimento, tomando as medidas cabíveis em cada caso ou submetendo a julgamento conforme o Art. 28º. 2º As embarcações mantidas nas dependências do Setor Náutico somente poderão ser utilizadas por seus proprietários e, na ausência destes, mediante autorização escrita por eles, dirigida à Secretária Náutica. O autorizado deverá estar formalmente habilitado para condução da embarcação. 3º A permanência e utilização de embarcações está sujeita às regras de bom convívio, notadamente àquelas relativas ao nível de ruído, ao respeito à propriedade alheia e aos comportamentos, ético e social. Regimento Interno da Náutica.doc Página 2/8

3 Art. 4º As embarcações sob a responsabilidade do Clube têm total prioridade nos encalhes, reparos e guarda nos galpões e/ou pátio de estacionamento. Art. 5º Sempre que o proprietário desejar retirar do Clube, temporariamente, sua embarcação, solicitará à Secretaria Náutica uma autorização de saída, declarando a via de acesso que será utilizada, devendo, também, comunicar o seu retorno. Art. 6º O proprietário da embarcação comunicará, por escrito, à Secretaria Náutica a transferência da propriedade ou retirada definitiva de sua embarcação, para que seja providenciada a baixa nos registros do Clube. Art. 7º Não será permitido, em nenhuma hipótese, o estacionamento de embarcação na rampa de encalhe, exceto em situações de emergência. Art. 8º Somente poderão ser estacionadas nas garagens ou no pátio, as embarcações que possuírem os respectivos carros de encalhe ou carretas, em perfeito estado de funcionamento e com as rodas apropriadas à realização de manobras, sem as quais não haverá movimentação da embarcação. Parágrafo Único Na garagem coberta não poderão ser mantidas embarcações que tenham comprimento total superior a 26 pés, de modo a facilitar a realização de manobras no seu interior. Art. 9º Os usuários que se desfizerem de sua embarcação e não procederem a substituição da mesma no prazo máximo de 90 (noventa) dias, a contar da data de comunicação à Secretaria Náutica, na forma do Art. 6º, perderão o direito de utilização de vaga nas garagens e/ou boxe. 1º O atraso no pagamento das taxas específicas à utilização das garagens e/ou do boxe, por um período de 60 (sessenta) dias, implicará na mesma penalidade prevista no caput deste artigo. 2º Os direitos de utilização de vaga nas garagens ou de boxe não são transferíveis. 3º Somente será permitida a utilização de 1 (um) boxe e 1 (uma) vaga na garagem coberta por usuário na forma do 2º do Art. 2º. Art. 10º As disponibilidades de vagas em garagens ou de boxe serão preenchidas mediante critério de sorteio, caso a demanda seja maior que a oferta. 1º As inscrições para o sorteio serão abertas com, no mínimo 30 (trinta) dias de antecedência à realização do mesmo e serão anunciadas no Boletim do Clube. 2º Estão aptos para participar do sorteio, todos os usuários na forma do 1º do Art. 2º, com as ressalvas instituídas pelos 2º do Art. 2º e 3º do Art. 9º. Art. 11º Só serão permitidos reparos, pinturas e consertos mecânicos de embarcações, nos locais especificamente determinados pela Diretoria Náutica para tais finalidades. Parágrafo Único. Os serviços descritos no caput, quando realizados por não concessionários do Cota Mil, se darão tão somente em dias úteis, após a autorização da Diretoria Náutica. Art. 12º Não será permitido o estacionamento ou tráfego de veículos nas dependências do Setor Náutico, nos sábados, domingos e feriados, exceto dos veículos de propriedade do Clube ou em situações de emergência. Art. 13º A utilização das dependências do Setor Náutico, em caráter permanente ou temporário, implicará no pagamento das seguintes taxas: Regimento Interno da Náutica.doc Página 3/8

4 I - de uso das garagens Localização; II - de uso do pátio de estacionamento ou da piscina de barcos Localização; III - de uso de boxe; IV - de uso de serviços; V - de permanência Embarcação; 1º As taxas do Setor Náutico, serão calculadas através da aplicação dos percentuais do quadro Anexo, sobre a taxa mensal de manutenção paga pelo sócio titular do Clube. 2º Os sócios com embarcações de estadia permanente pagarão as taxas de Embarcação e Localização vigentes, de acordo com sua categoria (lancha, veleiro, multicasco, monotipo, caiaque, prancha a vela etc.), conforme Anexo. 3º Embarcações do tipo multicasco ou balsa, terão taxa de Localização diferenciada devido o espaço ocupado. 4º A falta de pagamento das taxas de manutenção do Clube, de embarcação, de localização ou de boxe, implicará ao sócio a suspensão dos serviços do Setor Náutico até a efetiva quitação de seu débito. 5º A suspensão de cobrança das taxas do Setor Náutico só surtirá efeito a partir da data de entrada da comunicação prevista no Art. 6º, não havendo, em nenhuma hipótese, a retroatividade de aplicação da mesma. 6º A taxa de uso de serviços do Anexo, refere-se ao serviço de guincho ou rampa, prestado a visitantes do Clube. 7º A taxa de Embarcação do Anexo, será cobrada do visitante, sempre que sua embarcação estiver, a qualquer título, nas dependências do setor náutico, na seguinte forma: a. 2 (duas) vezes o valor da taxa, para o primeiro mês em permanência; b. 3 (três) vezes o valor da taxa para o segundo mês de permanência; c. 4 (quatro) vezes o valor da para o terceiro mês de permanência, dobrando-se o valor a cada mês adicional (8 para o quarto mês, 16 para o quinto mês, e assim sucessivamente). 8º O serviço de Resgate de Embarcação que tiver algum problema no lago será efetuado mediante uma taxa de serviço, conforme descrita no Anexo. A primeira ocorrência, em um prazo de 30 (trinta) dias, ficará isenta da taxa. 9º O serviço de Delivery de Embarcação (entrega ou busca de embarcação em residência no lago) será efetuado mediante uma taxa de serviço, conforme descrita no Anexo, por operação. A requisição do serviço deverá ocorrer com, pelo menos, duas horas de antecedência e estará sujeita à disponibilidade de marinheiros para sua execução. Art. 14º Nas dependências do setor náutico não há local privativo, para atracação, fundeio, amarração ou estacionamento de embarcação. Art. 15º Após atracar ou desatracar, o proprietário da embarcação deverá deixar o local totalmente limpo. Regimento Interno da Náutica.doc Página 4/8

5 1º É vedada a utilização de vasos hidráulicos por embarcações enquanto estacionadas ou em manobra na área das piscinas náuticas (ou de barcos). 2º Será permitido o pernoite de embarcações visitantes na piscina de barcos (ou náutica), na véspera de realizações de regatas promovidas pelo Clube, ou em casos de emergência náutica, mediante autorização prévia da Secretaria Náutica, com ciência do Diretor de Náutica. Do Funcionamento Art. 16º Somente empregados do Setor Náutico poderão movimentar com guincho, guindaste, trator ou qualquer outro equipamento embarcações de sócio ou de visitantes, devidamente autorizados pelo Diretor de Náutica, localizadas no Clube. Art. 17º As embarcações acima de 15 (quinze) pés, somente poderão ser movimentadas por empregados do Setor Náutico. Art. 18º O horário de funcionamento do guincho é das 8h às 17h, diariamente, podendo ser ampliado, a critério da Diretoria Náutica. Art. 19º A Secretaria Náutica registrará, em quadro próprio, as solicitações recebidas, por qualquer meio (telefone, rádio ou pessoalmente) para movimentação de embarcações, e o atendimento será feito por ordem cronológica de registro. Parágrafo Único. Nos dias de competição náutica, terão prioridade de atendimento as embarcações que dela participarão. Da Segurança das Embarcações Art. 20º Somente serão registradas no Clube as embarcações que oferecerem condições de navegabilidade com segurança e que estejam de acordo com as normas estabelecidas pela Capitania dos Portos dos Estados de Goiás, Tocantins e Distrito Federal, publicadas e atualizadas pelo Regulamento de Segurança do Tráfego Aquaviário em Águas sob Jurisdição Nacional (RLESTA) e pelo Regulamento Internacional para evitar Abalroamento no Mar (RIPEAM). Da Velocidade das Embarcações Art. 21º Nos locais de manobra, a velocidade das embarcações terá que ser adequada às condições de tráfego, segurança e visibilidade. Art. 22º A velocidade das embarcações será de no máximo 5 (cinco) nós quando próxima às margens do lago, do cais, do ancoradouro, das marinas, dos flutuadores e dos barcos em regatas e de, no máximo, 3 (três) nós, quando dentro da piscina de barcos (ou náutica). Das Responsabilidades Art. 23º O condutor ou timoneiro de qualquer tipo de embarcação é responsável pelas infrações cometidas ao presente Regimento e às regras de navegação. Parágrafo Único. No caso do condutor não ser o proprietário da embarcação o sócio titular responsável pela mesma assumirá o ônus decorrentes das infrações citadas no caput. Art. 24º O proprietário de qualquer tipo de embarcação é responsável, civil e criminalmente, perante o Clube e a Capitania dos Portos dos Estados de Goiás, Tocantins e Distrito Federal, pelos danos de qualquer espécie, causados por sua embarcação a terceiros. Regimento Interno da Náutica.doc Página 5/8

6 Art. 25º A náutica é responsável pela manutenção do cais e dos demais pontos de atracação. O proprietário da embarcação deverá zelar pela amarração e pela manutenção dos cabos e carreta de encalhe, respondendo por danos causados pela amarração inadequada ou má conservação de seu equipamento. Art. 26º Para segurança do ambiente e dos equipamentos guardados nos boxes, a energia elétrica dos boxes ficará ligada somente no período em que a garagem estiver aberta. Parágrafo Único. Em hipótese alguma, deverão ser armazenados no interior dos armários combustíveis ou produtos químicos perigosos, sob pena do sócio ser responsabilizado civil e penalmente, de forma direta, pelos danos que venham a causar ao Clube ou a terceiros. Art. 27º O Clube é responsável por todos os motores de popa removíveis que estiverem guardados na garagem de motores ou em boxe locado pelo Clube. São considerados removíveis motores até 25 (vinte e cinco) HP. Art. 28º No caso de embarcações cujo proprietário permanecer em situação irregular por mais de 180 dias, o Clube procederá: 1º Convocação do proprietário, por carta ou edital, para regularizar sua situação. 2º Não atendida à primeira convocação no prazo de 15 (quinze) dias, será publicada nova convocação, em jornal local de grande circulação. 3º Em caso de não atendimento da segunda convocação no prazo de 15 (quinze) dias, o Clube considerará a embarcação abandonada e iniciará os procedimentos jurídicos, junto à Capitania local quando for o caso, necessários para o ressarcimento dos custos, podendo: vender, leiloar ou requerer a posse para pagamento do valor devido. Das Penalidades Art. 29º Sem prejuízo de sanções penais ou civis cabíveis, as infrações cometidas contra o presente Regimento serão julgadas na forma prevista pelo estatuto do Clube, mediante iniciativa do Diretor Náutico. Das Disposições Finais Art. 30º É terminantemente proibido, nas dependências náuticas, a utilização de embarcações para fins residenciais. Art. 31º O Conselho Diretor, por proposta do Diretor Náutico, estabelecerá as condições de apoio à participação de iatistas em competições esportivas do Distrito Federal. Art. 32º Casos omissos serão resolvidos na forma do estatuto do Clube. Art. 33º Este Regimento entra em vigor na data de sua aprovação. Regimento Interno da Náutica.doc Página 6/8

7 < Taxa de Manutenção Vigente > R$ 300,00 01/01/2014 TAXA DE EMBARCAÇÃO Motor Vela Monotipo * 8% da Taxa de Manutenção 24,00 PÉS por pé por pé Star 15% da Taxa de Manutenção 45,00 1,20% 0,80% Jet Ski 20% da Taxa de Manutenção 60, ,20 28,80 Bote / Caiaque / Prancha a Vela 5% da Taxa de Manutenção 15, ,80 31,20 (*) Hobbycat é considerado "Vela" e cobrado por pé. Optimist isento ,40 33, ,00 36, ,60 38,40 TAXA DE LOCALIZAÇÃO 17 61,20 40, ,80 43,20 Pátio/Água +10% da Taxa de Manutenção 30, ,40 45,60 Pátio/Água (Multicasco/Balsa) +20% da Taxa de Manutenção 60, ,00 48,00 Garagem Fechada (Baixa) +45% da Taxa de Manutenção 135, ,60 50,40 Garagem Aberta (Externa) +25% da Taxa de Manutenção 75, ,20 52,80 Garagem Aberta (Alta) +15% da Taxa de Manutenção 45, ,80 55,20 Garagem de Tela - Piso +10% da Taxa de Manutenção 30, ,40 57,60 Garagem de Tela - Prateleira +5% da Taxa de Manutenção 15, ,00 60, ,60 62, ,20 64,80 TAXA DE BOX ,80 67, ,40 69,60 Armário (Box) ,00 72, ,60 74, ,20 76,80 TAXA DE SERVIÇO (Por Evento) ,80 79,20 20% da Taxa de Manutenção 60, ,40 81,60 Resgate Embarcação Até Ponte JK 30% da Taxa de Manutenção 90, ,00 84,00 Resgate Embarcação Além Ponte JK 40% da Taxa de Manutenção 120, ,60 86,40 Delivery de Embarcação ** 20% da Taxa de Manutenção 60, ,20 88, ,80 91, ,40 93, ,00 96,00 (**) Serviço deverá ser agendado com 2 horas de antecedência. Sujeito à disponibilidade de marinheiro. => Primeira ocorrência de resgate num prazo de 30 dias não será cobrada ,60 98,40 TAXA DE SERVIÇO (Por Evento - NÃO Sócio) ,20 100, ,80 103,20 Utilização da Rampa *** (subida / descida) ,40 105, ,00 108,00 100% da Taxa de Manutenção Qualquer tamanho de embarcação 300,00 Regimento Interno da Náutica.doc Página 7/8

8 46 165,60 110,40 TAXA DE SERVIÇO (Por Evento - Permissionário) ,20 112, ,80 115,20 Utilização da Rampa *** ,40 117,60 (subida / descida) ,00 120,00 Diária em Pátio ,60 122,40 (mínimo de 1 dia) 1% da Taxa de Manutenção por pé 3,00 0,1% da Taxa de Manutenção por dia, por pé ,20 124,80 (***) Serviço não executado aos Sábados, Domingos e Feriados 0,300 Exemplo Sócio com Lancha de 26 pés, localizada em garagem fechada, com Box. Fatura Mensal Histórico Referência Valor TAXA DE MANUTENÇÃO 01/ ,00 TAXA DE EMBARCAÇÃO 01/ ,60 TAXA DE LOCALIZAÇÃO 01/ ,00 TAXA DE BOX 01/ ,00 Total 588,60 Regimento Interno da Náutica.doc Página 8/8

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

TABELA DE TAXAS PARA O EXERCÍCIO DE 2015

TABELA DE TAXAS PARA O EXERCÍCIO DE 2015 TABELA DE TAXAS PARA O EXERCÍCIO DE 2015 Quando o pagamento das taxas for efetuado após o prazo estabelecido, o valor será acrescido de multa de 2% (dois por cento) e juros de 3% (três por cento) ao mês

Leia mais

Clube de Campo de São Paulo

Clube de Campo de São Paulo REGULAMENTO DEPARTAMENTO NÁUTICO A Diretoria e o Conselho Deliberativo do Clube de Campo de São Paulo estabelecem o seguinte regulamento para o Departamento Náutico. Estas normas obedecem prioritariamente

Leia mais

Título : REGULAMENTO DE ESPORTES NÁUTICOS

Título : REGULAMENTO DE ESPORTES NÁUTICOS REG14 Rev.: 01 Data: 17/07/04 Pág.: 1/11 I ÍNDICE I ÍNDICE... 1 II OBJETIVO... 1 III DESCRIÇÃO... 1 III.1 INSCRIÇÃO, INGRESSO, PERMANÊNCIA, UTILIZAÇÃO E SAÍDA DE EMBARCAÇÕES.... 1 III.2 INGRESSO DE PROEIROS

Leia mais

REGULAMENTO DA NÁUTICA

REGULAMENTO DA NÁUTICA REGULAMENTO DA NÁUTICA Conteúdo: 1 DEPENDÊNCIAS DA NÁUTICA 2 PROCEDIMENTOS PARA USO DAS VAGAS 2.1 Obtenção de Vaga 2.2 Fila de Espera 2.3 Remanejamento de Vagas 2.4 Troca de Embarcação 2.5 Utilização das

Leia mais

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS.

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. REGULAMENTO DA PORTARIA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III - DO OBJETIVO. - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. 1. Dos sócios titulares, seus dependentes e acompanhantes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA HANGARAGEM DE EMBARCAÇÕES 9.1- O Iate Clube da Bahia, dependendo do espaço físico disponível, poderá aceitar para abrigo em seco, nas dependências da Sede Náutica as embarcações

Leia mais

AS REGRAS ABAIXO SÃO PARA SEU CONFORTO E SEGURANÇA

AS REGRAS ABAIXO SÃO PARA SEU CONFORTO E SEGURANÇA AS REGRAS ABAIXO SÃO PARA SEU CONFORTO E SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES E UTILIZAÇÃO DA GARAGEM 1. Somente o LOCATÁRIO poderá se utilizar da vaga objeto deste contrato, para estacionamento da embarcação particular,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA NÁUTICA DO IATE CLUBE ICARAÍ COMPOSIÇÃO DA NÁUTICA DO ICI

REGIMENTO INTERNO DA NÁUTICA DO IATE CLUBE ICARAÍ COMPOSIÇÃO DA NÁUTICA DO ICI REGIMENTO INTERNO DA NÁUTICA DO IATE CLUBE ICARAÍ COMPOSIÇÃO DA NÁUTICA DO ICI HANGAR Área onde ficam estacionadas e abrigadas as embarcações. GALPÃO Espaço para abrigar embarcações (Coberto). PATAMAR

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS DA MARINA DA PRAIA DA VITÓRIA

REGULAMENTO DE TARIFAS DA MARINA DA PRAIA DA VITÓRIA ÍNDICE Artigo 1º - Disposições Gerais...3 Artigo 2.º - Definições...3 Artigo 3.º - Aplicação de Tarifas...4 Artigo 4.º - Formas de pagamento...5 Artigo 5.º - Documentos...5 Artigo 6.º - Tipos de Estacionamento...6

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

DEPARTAMENTO REGIONAL DO ABRIGO DO MARINHEIRO EM BRASÍLIA DIRETORIA SECCIONAL SUL - CLUBE NAVAL DE BRASÍLIA NORMA DE FUNCIONAMENTO Nº 06A/2014

DEPARTAMENTO REGIONAL DO ABRIGO DO MARINHEIRO EM BRASÍLIA DIRETORIA SECCIONAL SUL - CLUBE NAVAL DE BRASÍLIA NORMA DE FUNCIONAMENTO Nº 06A/2014 DEPARTAMENTO REGIONAL DO ABRIGO DO MARINHEIRO EM BRASÍLIA DIRETORIA SECCIONAL SUL - CLUBE NAVAL DE BRASÍLIA NORMA DE FUNCIONAMENTO Nº 06A/2014 Brasília, DF, Em 1º de novembro de 2014. Assunto: Normas para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação SOCIEDADE AMIGOS DO CURIÓ (SAC) Fundada em 23 de julho de 1980 Rua Prof. Osmarino de Deus Cardoso, 101 CEP 88.036-598 Trindade Florianópolis SC CNPJ 75.329.243/0001-71 www.sacurio.com.br / saccurio@brturbo.com.br

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Edição Número 18 de 27/01/2010 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 26 DE JANEIRO DE 2010 Institui e regulamenta o Sistema de Seleção Unificada, sistema informatizado

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001 LEIN 1.195/2001 Institui o Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Motocicletas de aluguel (Mototáxi) O Prefeito Municipal de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MACHADO ASSEIF-MACHADO

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MACHADO ASSEIF-MACHADO ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MACHADO ASSEIF-MACHADO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

2.4. Só será permitida uma única inscrição por participante (CPF), sendo que, em caso de duplicidade, uma das inscrições será cancelada.

2.4. Só será permitida uma única inscrição por participante (CPF), sendo que, em caso de duplicidade, uma das inscrições será cancelada. Regulamento: O presente regulamento estabelece os termos e as condições do Programa Club Red Brasil, bem como a concessão e utilização de créditos através de cartões de débito. Todos os participantes,

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, nº 17, em 27/1/2015. RESOLUÇÃO Nº 545, DE 22 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre a concessão de diárias e passagens no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Vide Instrução Normativa STJ/GDG n. 26 de 18 de dezembro de 2015 (Alteração = art. 12) RESOLUÇÃO STJ N. 2 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre os serviços de telecomunicações do Superior Tribunal de

Leia mais

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento CAPÍTULO V Da Garagem e Estacionamento Art 37. Cada unidade autônoma tem direito a uma vaga de estacionamento, perfazendo um total de 967 (novecentos e sessenta e sete) vagas, distribuídas de acordo com

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO SOBRAL-CE JANEIRO - 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório de

Leia mais

Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC

Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC CAPITULO I - DA UTILIZAÇÃO Artigo 1º - A Colônia de Férias da ASSUFRGS, localizada em Garopaba/SC, é de uso exclusivo dos seus filiados, servidores da UFRGS,

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 O Diretor do Departamento de Polícia Federal, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo ítem III, do Artigo 30 do Regimento

Leia mais

REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO E USO DO HOTEL DE TRÂNSITO

REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO E USO DO HOTEL DE TRÂNSITO REGIMENTO DE FUNCIONAMENTO E USO DO HOTEL DE TRÂNSITO Estabelece as normas de funcionamento e uso do Hotel de Trânsito do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (SINPOL/PE), tanto na Sede quanto na

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013

LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 LEI N. 2.174, DE 08 DE OUTUBRO DE 2013 Poder Legislativo Regulamenta área para estacionamento exclusivo de veículos pesados no Município de Lucas do Rio Verde - MT. O Prefeito do Município de Lucas do

Leia mais

RECADASTRAMENTO DE SÓCIO PROPRIETÁRIO

RECADASTRAMENTO DE SÓCIO PROPRIETÁRIO RECADASTRAMENTO DE SÓCIO PROPRIETÁRIO Nome do sócio: Matrícula: Filiação: Profissão: Cargo: Órgão: Nacionalidade: Naturalidade: Estado Civil: End. de Residência: CEP: Bairro: Cidade/UF: Telefone 1: End.

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 EMENTA: Dispõe sobre o acesso,

Leia mais

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. EMENTA: Disciplina a cessão e locação de espaços destinados a reuniões e eventos na sede do CRMV-RJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução:

Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Ao Colendo Plenário A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Dispõe sobre a instituição e regulamentação de Programa de Capacitação aos servidores da Câmara

Leia mais

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004.

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS NO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES DELIBERAÇÃO Nº 044/2005 CONSELHO DEPARTAMENTAL EM 25 DE NOVEMBRO DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 EMENTA: DISPÕE SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO ÍNDICE 1. DO OBJETO 2. DAS DEFINIÇÕES 3. DA COMPETÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO 4. DA ATIVIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO 5. DA SOLICITAÇÃO 6. DAS CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

Edifício Crespi II Manual do Credenciado

Edifício Crespi II Manual do Credenciado Edifício Crespi II Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 510/2012

RESOLUÇÃO CFN Nº 510/2012 Página 1 de 9 RESOLUÇÃO CFN Nº 510/2012 Dispõe sobre o registro, nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, de atestados para comprovação de aptidão para desempenho de atividades nas áreas de alimentação

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados.

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados. SEM MARCADOR TEXTO ORIGINAL GRIFADO EM VERDE ALTERAÇÕES A SEREM APROVADAS NA ASSEMBLÉIA REGIMENTO INTERNO Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO

DEPARTAMENTO DE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO Disposições Gerais Para o melhor atendimento dos associados proprietários ou arrendatários de rampas, para embarque e desembarque de barco a motor, veleiro ou

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 78, DE 9 DE JULHO DE 2015.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 78, DE 9 DE JULHO DE 2015. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 78, DE 9 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o Plano de Incentivo ao Estudo de Idioma Estrangeiro - PLI, do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL -UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DCM Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 2878 / 4502 - E-mail: dcm@ufv.br

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ

Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ Regulamento Interno da Biblioteca do Instituto Superior do Ministério Público RJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º Este regulamento tem como objetivo definir normas para prestação e utilização dos serviços

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1. Funcionamento 1.1 A Biblioteca funciona de acordo com o calendário institucional. 1.2 Horário de funcionamento: de segunda à sexta-feira, de 7h30 às 22h20. A partir das 22h,

Leia mais

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES PROPÓSITO Divulgar as instruções gerais para habilitação da categoria de amadores

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 156 DE 01 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO do Município de Duque de Caxias, no uso de suas atribuições legais e considerando:

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO do Município de Duque de Caxias, no uso de suas atribuições legais e considerando: PORTARIA Nº 36/SME/2012 Define parâmetros comuns à execução do Programa de Matrícula Sem Fila/ 2013, para a Educação Infantil (Creche e Pré- Escola), Educação Especial Ensino Fundamental e Educação de

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS PLANOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR E DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATADOS PELA ASTCERJ A utilização dos Planos de Assistência Médico-Hospitalar e de Assistência Odontológica

Leia mais

Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno

Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno Este regimento tem por finalidade regularizar a prática do voo livre no Clube de Parapente do Vale (CPV), associação privada fundada em 30/01/1997 e inscrita

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP N. 127, DE 30.07.99 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO ANP N. 20, DE 18.06.09 O DIRETOR da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO LEOPOLDINA JUVENIL RESOLUÇÃO DE DIRETORIA UTILIZAÇÃO DOS ESTACIONAMENTOS DATA: 05 de maio de 2011 Código RD 05/11 Página 1

ASSOCIAÇÃO LEOPOLDINA JUVENIL RESOLUÇÃO DE DIRETORIA UTILIZAÇÃO DOS ESTACIONAMENTOS DATA: 05 de maio de 2011 Código RD 05/11 Página 1 Página 1 A Presidente da Associação Leopoldina Juvenil, no uso das suas atribuições, considerando o que estabelece o art. 25, alínea a, art. 10, alínea a do Estatuto Social e art. 30 do Regulamento Interno,

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO

REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO REGULAMENTO DA II CREDIART FEIRA INTEGRADA DE CRÉDITO E ARTESANATO A Superintendência de Fundos, Investimentos e Incorporações (SFI), no uso de suas atribuições conferidas pelo Regimento Interno, bem como

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.974, DE 15 MAIO DE 2014. Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 10.2015, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO DP Nº 10.2015, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO DP Nº 10.2015, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2015. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL ÀS EMBARCAÇÕES, NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS. O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Capítulo I DA ESTRUTURA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento

Leia mais

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA FACULDADE PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Faculdade PIAGET SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO SDI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I DO ACESSO E DO FUNCIONAMENTO

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG)

REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG) REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG) O DIRETOR GERAL da Faculdade Guanambi (FG), no uso de suas atribuições, e considerando a necessidade de disciplinar o uso

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Altera o Regimento Interno da Área de Lazer da ASIBAMA-DF A Presidente da ASIBAMA-DF, nos termos do art. 30, inciso I, do Estatuto da ASIBAMA-DF, e considerando o disposto

Leia mais

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS)

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS) FINALIDADE: Esta norma por finalidade normatizar a realização de eventos, tanto da própria SMCC (Diretoria ou Departamentos e Comitês Científicos da SMCC) quanto eventos de terceiros, realizados nas dependências

Leia mais