PANORAMA HISTÓRICO DO ANTIGO TESTAMENTO. 1. Retrospecto da História de Israel no Período Patriarcal (2000 à 1750 a.c.):

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA HISTÓRICO DO ANTIGO TESTAMENTO. 1. Retrospecto da História de Israel no Período Patriarcal (2000 à 1750 a.c.):"

Transcrição

1 ÍNDICE: 1. Retrospecto da História de Israel no Período Patriarcal Pág.01 A. Costumes e Características Patriarcais Pág.02 B. A Religião dos Patriarcas Pág Os Hebreus no Egito Pág,02 A. Contexto Histórico Pág.02 B. Como os Hebreus foram para o Egito Pág.03 C. O Problema do Conflito de Datas do Êxodo Pág.03 D. O Problema do nome Hebreu Pág O Êxodo, a Peregrinação e a Conquista de Canaã Pág.07 A. Contexto e Êxodo Pág.07 B. Peregrinação no Deserto Pág.08 C. A Conquista de Canaã Pág Período dos Juízes Pág Período da Monarquia Pág.10 A. A Monarquia Unida Pág.11 B. A Monarquia Dividida Pág O Período do Exílio Babilônico Pág O Período da Restauração (Persa) Pág.15 Bibliografia Pág.16 PANORAMA HISTÓRICO DO ANTIGO TESTAMENTO 1. Retrospecto da História de Israel no Período Patriarcal (2000 à 1750 a.c.): De acordo com a Bíblia, a história de Israel começa com a migração dos patriarcas hebreus da Mesopotâmia para a Palestina. Essas narrativas são encontradas no livro de Gênesis caps. 12 a 50. De acordo com Bright, as narrativas do Gênesis são em preto e branco numa tela simples, sem nenhuma perspectiva de profundidade. Esse livro nos pinta certos indivíduos e suas famílias movimentando-se dentro de um mundo, como se vivessem sozinhos nele. Os grandes impérios, mesmo o pequeno povo de Canaã, se são mencionados, não passam de vozes que se ouvem de fora do palco. Se os faraós do Egito têm uma modesta parte nas narrativas, eles não são identificados pelos nomes; não sabemos quem eram eles; tampouco, nenhum antepassado hebreu mencionado no Gênesis foi revelado ainda em nenhuma inscrição contemporânea. Em conseqüência de tudo isso se torna impossível dizer em termos exatos quando Abraão, Isaque e Jacó realmente viveram; tampouco podemos subestimar a evidência arqueológica. O testemunho da Arqueologia é indireto. Ele tem dado ao quadro das origens de Israel um sabor de probabilidade e tem fornecido o background para o entendimento desse quadro, mas não tem provado que as histórias são verdadeiras em seus pormenores. Ao mesmo tempo não apareceu ainda nenhuma evidência que contradiga a tradição bíblica. Segundo Bright, as origens de Israel não eram tão simples fisicamente. Teologicamente eram todos descendentes de Abraão; fisicamente eles provinham de outros troncos diferentes, clãs que imigraram na Palestina no começo do segundo milênio antes de Cristo e aí se misturaram e proliferaram com o passar do tempo. Muitos desses clãs se estabeleceram onde puderam encontrar terra e se organizaram em cidades-estado segundo o padrão feudal. A maior parte desses clãs veio da Mesopotâmia, onde reinava um ambiente de confusão política gerando a desintegração da cidade de Ur com dinastias rivais lutando entre si. No Egito, sob os faraós do Médio Império (de Tebas a Menfis), instalava-se uma época de prosperidade. Os faraós da 12ª dinastia empreenderam projetos ambiciosos, sistema de canais e de fortificações, desenvolvendo-se ainda a Medicina e a Matemática. Os patriarcas propriamente ditos seriam os chefes de clãs consideráveis. Página 1

2 A. Costumes e Características Patriarcais: MINISTÉRIO TEOLOGIA PARA TODOS Muitos fatos mencionados no Gênesis são endossados pelo conhecimento da cultura de reinos na Mesopotâmia dessa época. Segue abaixo algumas das diversas características desses clãs. Outras características serão consideradas na unidade seguinte quando estudaremos as instituições israelitas do tempo do Antigo Testamento. O patriarca tinha influência decisiva na escolha de cônjuges para seus filhos; Os casais sem filhos adotavam um filho que os servia durante toda a vida e seria o herdeiro. Mas se nascesse um filho natural, o filho adotivo tinha que ceder seu direito de herdeiro; Os contratos nupciais obrigavam a mulher estéril a providenciar uma substituta para o seu marido Se nascesse um filho dessa união ficava proibido o desprezo à esposa escrava e ao seu filho; A aparência desses patriarcas era semelhante à dos seminômades do segundo milênio na Palestina; vestidos com roupas multicoloridas, deslocando-se a pé com todos os seus pertences e filhos em lombo de burro; Habitavam em tendas. B. A Religião dos Patriarcas: A Bíblia considera Moisés como fundador da religião de Israel (Êx.3). Apesar disso, a narrativa bíblica liga a religião javista com a religião dos patriarcas (Êx ; 6.3). O quadro que se tem dos patriarcas é que eles adoravam a Deus sob vários nomes; esses nomes estavam ligados a um feito de Deus no passado e em local especial. Os descendentes dos patriarcas adorariam na memória do nome do patriarca, o Deus que esse patriarca legou, sob diversos nomes. A Bíblia menciona alguns deles, a saber: El Shaddai (Gn.17.1; 43.14) Deus Todo.Poderoso. El Elyon (Gn ) Deus Altíssimo. El Olam (Gn.21.33) Deus Eterno. El Roy (Gn.16.13) Deus que me vê. Na narrativa do Gênesis, cada patriarca é representado adorando ao seu Deus por livre e pessoal escolha e entregando-se, depois a este seu Deus O Deus de Abraão, em Gn.28.13; ; O Temido de Isaque em Gn ; O Poderoso de Jacó em Gn O quadro do Gênesis de uma relação pessoal entre o indivíduo e seu Deus fundamentada por uma promessa e selada por uma aliança é da maior autenticidade. A fé na promessa divina representa o elemento original da fé dos antepassados seminômades de Israel. 2. Os Hebreus no Egito ( a.c.): A. Contexto Histórico: Antes do conhecimento das circunstâncias que levaram os descendentes dos patriarcas a se instalarem no Egito, é necessária uma compreensão do contexto histórico dos impérios que cercavam a Palestina. Por exemplo, no Egito, durante o Séc. XVIII a.c., o poder do Médio Império estava sendo enfraquecido. Com as migrações dos povos asiáticos para as bandas do sul da Palestina, as portas do delta egípcio estavam sendo abertas para a dominação estrangeira. Nessa época, o Egito sofreu a invasão dos soberanos estrangeiros chamados de hicsos (chefes estrangeiros 1720 a 1540 a.c.), os quais efetuaram sua conquista em duas fases: Página 2

3 a. Entrincheiraram-se no Delta, consolidando posições (1720); b. Iniciaram o domínio político propriamente dito. Os hicsos foram expulsos do Egito em 1540 a.c. pelo faraó nacionalista Amósis. A presença dos hicsos no Egito representa um período de franca abertura para a entrada de estrangeiros, inclusive hebreus. Outro importante império foi o da Babilônia. Durante essa época encontrava-se ameaçado pela Assíria ao norte e Larsa ao sul. Porém, com a ascensão do rei Hamurabi ao trono essa situação de inferioridade se reverteu e a Babilônia resistiu a todas as ameaças, vencendo os seus inimigos. Através de Hamurabi a Babilônia gozou um grande florescimento cultural. Desse período temos uma riqueza de textos: cópias de épicos antigos (por exemplo, narrativas babilônicas da criação e do dilúvio), listas de palavras, dicionários, tratados de matemática e de astronomia, etc. Contudo a mais importante de todas as realizações de Hamurabi foi o seu famoso código de leis, publicado no final de seu reinado. B. Como os Hebreus foram para o Egito: O período de 1750 a 1300 a.c. representa uma época na história de Israel onde a Bíblia é a nossa única fonte. Os registros egípcios nunca fizeram menção de uma presença de Israel. Uma explicação para isso é que, ocorrendo essa passagem dos hebreus pelo Egito durante o período dos soberanos hicsos, os egípcios teriam considerado essa época vergonhosa demais para ser descrita. O fato é que a narrativa bíblica tem o seu valor e, de acordo com o pensamento de Bright, exige uma fé a priori: uma tradição dessa espécie nenhum povo poderia inventar. Não se trata de nenhum episódio épico e heróico da migração, mas da recordação de uma servidão vergonhosa da qual somente o poder de Deus poderia livrar. Um argumento muito forte que reforça a historicidade da passagem de Israel pelo Egito são os nomes egípcios comumente encontrados entre os israelitas nessa época, por exemplo: Moisés, Ofiní, Finéias, Merarí, etc. Duas perguntas devem ser colocadas aqui: 1) O que levou os israelitas a se instalarem no Egito? 2) Sob que circunstâncias viveram? Primeiramente, todos os teólogos e estudiosos do Antigo Testamento concordam em afirmar que os israelitas chegaram ao Egito através das migrações dos seminômades que habitavam o sul da Palestina. Nos tempos de fome e carestia esses iam buscar uma vida melhor no Vale do Nilo, que era fértil e não dependia das chuvas. Esta situação é pressuposta em algumas passagens do Gênesis (Gn.12.10; 20.1; 26.1; 42.1, 43.1, 46.1). Essa era uma situação repetida todos os anos e muitos desses grupos seminômades fixaram residência no Egito. Ora, na medida em que se compreende que o período de dominação hicsa foi favorável à entrada de grupos estrangeiros no Egito, compreende-se também que, a partir do momento em que os mesmo foram banidos e expulsos, deu-se início uma política nacionalista xenofobista (aversão ou medo aos estrangeiros) que inclui a perseguição às etnias estrangeiras (Êx ). A partir daí muitos desses grupos seminômades foram convocados pelos egípcios para determinados serviços, sendo inclusive recrutados contra a vontade como trabalhadores braçais, mão-de-obra barata pra atividades na área da construção e olarias. De acordo com a Bíblia (Êx.12.40), o período de permanência dos hebreus no Egito foi de 430 anos. C. O Problema do Conflito de Datas do Êxodo: No caso específico dos faraós da opressão e do êxodo temos um problema histórico visto que dois grupos de historiadores e teólogos têm discordado quanto à datação da escravidão israelita, em virtude de interpretações diferentes para as evidências históricas e arqueológicas. As discussões concentram-se entre os faraós da 18ª e 19ª dinastias. Vejamos, primeiramente, um quadro histórico aproximado desses faraós: Página 3

4 Dinastias / Faraó Hicsos dominam o Egito Amósis Amenófis I Tutmósis I Tutmósis II Hatshepsut Tutmósis III Amenófis II 18º Dinastia Tutmósis IV Amenófis III Amenófis IIIV (Akenaton) Semenca Tutankamon Aí Horembeb Ramsés I Set I 19º Dinastia Ramsés II Merneftá Período de Reinado a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c a.c. O primeiro grupo de teólogos e historiadores considera que os faraós da opressão e do êxodo estão na 18ª dinastia. Partem do princípio da literalidade de 1Reis.6.1 que informa que o êxodo aconteceu cerca de 480 anos antes da fundação do templo de Salomão, fato que ocorreu em aproximadamente 966 a.c, o que colocaria a datação da saída de Israel do Egito por volta de 1446 a.c., época de Amenófis II ( ). Essa articulação, estando correta, colocaria o nascimento de Moisés para o período de transição entre Amenófis I ( ) e Tutmósis I (1526 a 1512), visto que, de acordo com Êx.7.7, Moisés estava com 80 anos pouco antes do êxodo. Moisés teria sido adotado pela filha de Tutmósis I, Hatshepsut ( ), a qual, por sua vez, teria se casado com seu meio-irmão, Tutmósis II ( ), bem mais jovem que sua meia-irmã. Tendo morrido cedo em virtude de doença misteriosa, deixou Tutmósis III ( ) ainda menino como rei, estando o Egito nesse momento regido ainda que não oficialmente por Hatshepsut. Tutmósis III teria sido o mais ilustre e poderoso dos faraós da 18ª dinastia, tendo realizado cerca de 16 campanhas militares na Palestina, consolidando o domínio egípcio nessa região. Hatshepsut, por sua vez, enquanto esteve no poder, caracterizou-se por grande autoridade e tato político. Merrill (2002, p.54) argumenta que o jovem Moisés teria sido uma ameaça para Tutmósis III, visto que ele era filho da filha de faraó (Hb.11.24), o que teria justificado a fuga de Moisés depois deste ter matado um egípcio. O raciocínio aqui é que depois que os hicsos foram expulsos do Egito, Amósis ( ), o faraó mencionado em Êx.1.8 como o rei que não conhecera a José, teria iniciado uma política de trabalhos forçados (Êx ) em olarias e na construção civil aos estrangeiros que ficaram no país, aproveitados como mão de obra escrava, dentre eles, descendentes da Jacó. Como se não bastasse essa política escravizante, um dos faraós seguintes, Amenófis I ( ) ou Tutmósis I ( ), teria praticado um genocídio (Êx ). Assim, pesquisadores como Merrill (ibid, p.55.56) colocam Amenófis II ( ) como o faraó do êxodo, visto que duas de suas campanhas militares na Palestina (Em 1450 e 1446) combinariam com uma possível perseguição a um povo em fuga, tendo seu exército sido desmoralizado numa tentativa frustrada de passagem pelo Mar dos Juncos. Página 4

5 O outro grupo de teólogos e historiadores defende que os faraós da opressão e do êxodo estão situados na 19ª dinastia. Partem dos princípios da interpretação simbólica de 1Rs.6.1 e da contribuição da ciência histórica e arqueológica para elucidar essa discordância. Primeiro, porque segundo alguns (BRIGHT, 1978, p.158), a idéia de 480 anos seria simbólica, resultante da multiplicação de 40 vezes 12, harmonizando com 1Cr.6, texto que contaria cerca de 12 gerações no período em discussão. Uma geração ideal abrangeria 40 anos. Mas torna-se simbólica, porque uma geração durava de 20 a 25 anos, o que colocaria a datação do êxodo para os meados do XIII Século antes de Cristo, época dos faraós da 19ª dinastia. Segundo, porque segundo alguns estudos (ALLEN, 1987, p.376), no período da 19ª dinastia, a capital do Egito foi mudada de Tebas, no Alto-Egito, para Mênfis, no Baixo-Egito, na época de Set I ( ), ocorrendo nesse período intensa atividade na área da construção civil. Tendo residido no Alto Egito, os faraós da 18ª dinastia teriam se preocupado pouco com a construção civil nessa região. Isso coaduna com a localização geográfica da escravidão na região de Gosén, bem próxima a Sucot, local de onde partiria o povo de Israel em fuga, e Ramsés, uma das cidades reconstruídas pelos escravos hebreus. Aliás, argumentam ainda que sendo o nome da cidade Ramsés, um nome de um faraó da 19ª dinastia, por si só isso já seria um argumento decisivo. A outra cidade, chamada Pitom, significa Casa de Tom, o deus-sol, uma lembrança de Akenaton (Amenófis IV, ). Outros argumentos a favor dessa teoria (GLUECK, 1987, p.387) defendem que os reinos famosos invadidos pelos israelitas na época da conquista só teriam sido fundados depois do 13º século visto que antes os moradores da Palestina viviam como nômades. Da mesma forma, os reinos de Edom e Moabe, citados em Números 20 e 21. Afirmam também, à luz da arqueologia, que cidades cananéias como Láquis e Debir, mencionadas na conquista, teriam experimentado grande destruição no Século XIII a.c. Nesse sentido, Set I ( ) teria sido o faraó que não conhecera a José (Êx.1.8), o faraó da opressão e Ramsés II ( ), o faraó do êxodo. Ultimamente alguns pesquisadores têm discordado dessa opinião (MERRILL, 2002). Argumentam que os nomes Pitom e Ramsés aplicados às cidades construídas pelos hebreus podem ser, na verdade, anacronismos. Ou seja, mais tarde, quando os relatos da escravidão foram escritos, as cidades foram identificadas com os nomes posteriormente conhecidos, e não com os seus nomes originais. Assim, Ramsés seria o nome posterior para a cidade de Tanes. Um exemplo simples para a compreensão dessa linha de raciocínio é que ao contar a história do Brasil, nenhum historiador afirma que os descobridores chegaram à Ilha de Vera Cruz, termo usado por Cabral na época da descoberta. Ou ainda Terra de Santa Cruz, termo usado mais tarde quando descobriram que a ilha era, na verdade, um continente. Mas os historiadores usam o termo Brasil, termo do Século XVI, posterior, portanto, aos termos anteriormente citados. Um outro grande problema para a datação do êxodo no Século XIII a.c., é que na tentativa de harmonização de Êx.2.15,23 e Êx.4.19 com a cronologia histórica, verifica-se que Moisés não teria retornado ao Egito antes que aquele faraó que tentou tirar-lhe a vida estivesse morto, o que colocaria uma dificuldade para situar os eventos no período de Set I ( ) e Ramsés II ( ), dado o curto período de governo de Set I e o longo período de Ramsés II, para que se justificasse uma fuga de Moisés do Egito aos 40 anos de idade e o seu retorno aos 80. Merril (2002, p.65) cita mudanças de perspectiva no exame dos vestígios encontrados nos sítios arqueológicos palestinenses, após as escavações feitas por Glueck. Outros arqueólogos têm chegado à conclusão de que muitos dos achados remontam à Era do Bronze Recente ( ), ou era até mais antigos, o que comportaria as conquistas dos que saíram do Egito numa época em torno de 1400 anos antes de Cristo. O fato é que os dois lados têm argumentos plausíveis e isso explica a divisão no meio histórico-teológico. Contudo, julgamos mais razoáveis os argumentos a favor de uma datação para a opressão e o êxodo para meados do Século XV a.c. Página 5

6 D. O Problema do Nome Hebreu. De acordo com Martin Metzger, é por essa circunstância que os israelitas foram chamados de hebreus. Isso quer dizer que o nome hebreu não traz boas recordações, pois lembra o sofrimento, vergonha da escravidão (Êx ; ). Essa reflexão nos remete necessariamente para a origem do nome hebreu yrb[ ( ivri), que tem relação direta com a raiz do verbo rb[ avar ( atravessar, passar para o outro lado ), uma referência aos ancestrais que vieram do outro lado do Eufrates. O termo aparece 34 vezes no Antigo Testamento assim distribuídas: a. Narrações do êxodo no cenário egípcio: Êx.1.15,16,19,22 história das parteiras desobedientes. Êx.2.6,7,11,13 nascimento e atuação de Moisés. Êx.3.18; 5.3; 7.16; 9.1,13; 10.3 Deus dos hebreus. b. Leis Êx.21.2; Dt.15.12; Jr.34.9,14. c. Histórias de José Gn.39.14,17; 40.15; 41.12; 43.32; d. Narrações das lutas contra os filisteus 1Sm.4.6,9; 13.3,19; 14.11,21; 29.3; e. Outros (textos tardios) Gn.14.13; Jn.1.9; A análise dos textos acima mostrará que o termo hebreu tem relação com uma situação social desfavorável e de submissão sem que isso indique necessariamente uma pertinência ao povo israelita, aparecendo geralmente na boca dos outros povos como forma de depreciação. Mas também aparece como sinônimo de israelitas. Essa ambigüidade deve-se à possibilidade de mistura das tradições no andamento da história da formação do povo de Israel. Por exemplo, nas narrações das lutas entre filisteus e israelitas (1Sm.13 e 14) os hebreus fazem parte das tropas militares como uma terceira força e estão presentes em ambos os lados. Hans Trein (Pg.21-22) assim comenta o texto: Em 1Sm Jônatas destruiu a guarnição dos filisteus. Saul fez questão de que os hebreus soubessem disso. Os filisteus se reuniram para combater contra Israel ; o povo de Israel se escondeu em covas e cavernas, nos penhascos e poços, enquanto que alguns dos hebreus atravessaram o Jordão. Aqui os hebreus que atravessaram o Jordão estão distintos dos israelitas que se esconderam nas cavernas e nos penhascos. Em 1Sm , importa para os filisteus impedir que os hebreus fabriquem espadas ou lanças; por isso todo o Israel tinha que ir aos filisteus, amolar seus instrumentos de trabalho agrícola. Aqui hebreus e israelitas são a mesma coisa. Em 1Sm os filisteus alertam para os hebreus que estão saindo das tocas e provocam Jônatas e seu escudeiro, para dar-lhes uma lição. Aqui mais uma vez hebreus é idêntico a israelitas, o que também confere com os israelitas que tinham se escondido nas cavernas em 1Sm Em 1Sm os hebreus que tinham estado junto com os filisteus se ajuntaram aos israelitas que estavam com Saul e Jônatas. Aqui hebreus está distinto de israelitas, e temporariamente até pelejaram contra Israel. Não seriam esses hebreus os mesmos que em 1Sm tinham atravessado o Jordão (para ajudar os filisteus?) e que agora voltam, pois a batalha tinha se definido vitoriosa para os israelitas? Não seriam esses também os mesmos hebreus que Saul quis informar subversivamente, de que Jônatas tinha derrotado a guarnição dos filisteus em Gibeá, com a segunda intenção de provocar neles, auxiliares dos filisteus, uma deserção? Outra vertente no estudo da interpretação sobre a origem do nome está relacionada com a história dos movimentos migratórios já descritos no capítulo anterior. Segundo essa tese, o nome hebreu ( ivri), tem uma íntima relação com o termo aramaico (ap ru), um termo nada elogiável, atribuído por nativos da Palestina aos pastores seminômades que estavam migrando para essa região cerca de 2000 a.c., tratados como bandoleiros, ciganos ou ladrões ou algo parecido. Um estudo feito por Hans Alfred Trein mostra que esses grupos cresceram favorecidos pelos conflitos entre os reinos cananeus que se dividiam a favor e contra o domínio egípcio na Palestina antiga, explorada por uma forte exigência tributária dos faraós. Cartas encontradas em Tell El Amarna (1887 d.c) revelam o pedido de ajuda de príncipes cananeus ao faraó Amenófis IV (1360 a.c) para que este Página 6

7 enviasse tropas para expulsar os (ap ru), acusados de pilhagem na Palestina. Para Manfred Weippert (1967) os dois termos são aparentados lingüisticamente, pois as línguas semitas só distinguem entre b e p. Assim a pesquisa iguala os dois grupos com um único grupo denominado em 1Sm.13 e de hebreus pelos filisteus. Parece que esse grupo que, antes servia aos filisteus, tinha desertado para o lado dos israelitas. Mais tarde, em 1Sm.29, os filisteus desconfiarão de Davi e do seu exército de mercenários (que se oferecem para lutar pelos filisteus) temendo que eles também venham a desertar. 3. O Êxodo, a Peregrinação e a Conquista de Canaã (1300 a 1200 a.c.): A. Contexto e Êxodo: Baseados em descobertas arqueológicas e em relatos bíblicos do livro do Êxodo, podemos situar com aproximação o contexto histórico da opressão dos hebreus no Egito, cujas circunstâncias foram estudadas no capítulo anterior. Nessa época, os egípcios dominavam boa parte do mundo de então, incluindo a Palestina (Canaã), a qual era formada pela aglomeração de cidades-estados, cada uma delas com o seu rei, pagando ao Egito pesados tributos estipulados pelo faraó do momento. Embora a Palestina fosse dividida politicamente, formava uma unidade cultural, pois os povos que lá viviam possuíam língua, costumes e religião semelhantes. No Egito livre, sem a presença do hicsos os hebreus amarguravam uma situação de opressão, forçados ao trabalho nas olarias e na construção das cidades de Pitom e Ramsés (Ávaris, antiga capital dos hicsos), conforme relato de Êx Os dados concretos de Êx.1.11 aliados às escavações arqueológicas permitem.nos concluir que Ramsés II ( a.c.) foi o faraó dessa época. O texto bíblico ressalta nesse período duas importantes passagens: Primeira, a de Moisés como libertador e posteriormente, como legislador. Só a Bíblia tem informado sobre sua história até agora, e tem-se conhecido sobre a sua fina educação na corte egípcia, tendo sido um hebreu salvo da mortandade infantil, nunca negando suas tradições raciais (Êx ). Com certeza, além da condução do povo na saída do Egito pelo Mar (Mar dos Juncos Yam Suf), o ponto alto dessa história é a revelação de Deus a Moisés sob o nome de Yahweh, como fundamento para a religião de Israel. A adoração de Yahweh pelos antepassados israelitas pode ter sido assimilada por mediação dos midianitas (Jetro - Êx.18.12) ou dos canitas (descendentes de Caim - Gn.4.15). Mas, Gn.4.25 faz uma afirmação importante sobre Enosh, descendente de Set, como o primeiro a invocar o nome do Senhor. Contudo, existem duas tradições que ligam Moisés tanto aos midianitas (Êx.2.16ss; 18) quanto aos canitas (Jz.1.16 e 4.11), ambas fazendo referencias ao sogro de Moisés, apesar de conservarem nomes diferentes para a mesma pessoa (Jetro/Hobabe). Mais certo é pensar na importância do evento da teofani do Sinai (Êx.3) para a revelação do nome especial de Deus a Moisés, cuja raiz no hebraico é a do verbo ser, estar, haver hyh (hayah). A resposta do Senhor à pergunta de Moisés qual é seu nome?, pode significar tanto Eu sou o que estarei com vocês, quanto eu sou o que sou e por isso, o que eu sou não é da sua conta. Creia em mim e deixe o resto comigo!. Esse sentido do nome do Senhor evidencia-se através das narrativas que acompanham o processo de saída, peregrinação e conquista de Canaã, as quais estão adornadas com molduras sob a forma de epopéia, visto que nessas condições, as tradições seriam mais fortemente assimiladas pelos que as ouviam na compreensão de um Deus que agiu no passado do seu povo e que continuará intervindo para salvar. Segunda, a referente ao evento das pragas e o endurecimento do coração (bl - Lev) do faraó (Êx.8.32; 7.14). Alguns têm dado interpretações baseadas em fenômenos da natureza para explicar as pragas. O certo aqui é tentar compreender mais a atitude de faraó com relação a essas pragas, uma vez que alguns textos dizem que Yahweh endureceu o coração de Faraó (Êx.4.21; 7.3; 9.12; 10.1; 10.20; 10.27; 11.10; 14.4,8,17) e outros que Faraó endureceu seu coração (Êx.7.13,14,22; 8.15,19,28; 9.7,34,35). Em Êx.14.4 aparece o sentido teológico da obstinação do Lev (coração) de acordo com a tradição sacerdotal. Faraó não pode entender o sentido das pragas e não pode atuar a ponto de correspondê-las. Yahweh é quem faz a história. A sua intervenção chega até a capacidade de pensar e entender dos inimigos. Página 7

8 B. Peregrinação no Deserto: O período no qual o povo hebreu viajou pelo deserto entre a região do Sinai e a região média da Palestina tem duas importâncias básicas: 1. É a época intermediária entre a história de Israel no Egito e a conquista de Canaã. 2. Representa o período quando Israel recebeu a sua religião característica, o Javismo, assumindo com ela a consciência de um povo. Isso não quer dizer que o Javismo não tenha evoluído com o passar dos séculos até ganhar a caracterização da religião pós-exílica conhecida posteriormente pelo nome de Judaísmo. Fato importante é que os profetas fizeram alusões a esse período como o momento e o local onde Israel aprendeu a amar ao Senhor nos moldes de uma relação esposo-esposa (Jr.2.2; Os.2.14). De acordo com os pesquisadores do Antigo Testamento, a peregrinação dos hebreus pelo deserto ocorreu em três fases: A primeira fase corresponde à viagem para a cadeia de montes do Sinai (Horebe). Embora a localização do monte seja incerta é pensamento comum que foi lá que Israel recebeu parte da lei de Moisés; a segunda fase corresponde do período da saída do Sinai até a região sul da Palestina conhecida pelo nome de Cades-Barnéia ou Qadesh, onde os israelitas experimentaram uma derrota parcial para o rei de Arad, não podendo assim entrar em Canaã pelo sul; a terceira fase vai da saída de Qadesh à incursão feita pelo flanco oriental, incluindo a instalação na região da Transjordânia, região na qual morreu Moisés de acordo com a narrativa bíblica (Dt.34). C. A Conquista de Canaã: O pensamento básico que a Bíblia nos apresenta sobre a entrada dos israelitas na Palestina não é a conquista ou invasão feita por um povo estrangeiro, mas o retorno de tribos que num passado distante, lá viveram através dos seus antepassados patriarcas. Dt.26.1 apresenta o pensamento que foi Yahweh quem deu a terra de Canaã a Israel. Martin Metzger descreve essa reconquista seguindo duas etapas: 1. Instalação das tribos israelitas nas regiões montanhosas, menos férteis, parcialmente habitadas e pouco guarnecidas (Jz.1.19). 2. Com o crescimento do povo israelita no decorrer dos anos nos territórios cananeus, houve também a conquista de cidades fortificadas tais como Jericó, Hasor e Ai (Js.17.13). 4. O Período dos Juízes (1200 a 1020 a.c.): O período compreendido entre 1200 e 1020 a.c. representa uma época em que as tribos israelitas estão crescendo na Palestina com seu assentamento na terra. Aos poucos, as condições materiais dos israelitas melhoravam. Tornaram-se um povo agricultor, aprenderam a construir cisternas. Em suas necessidades extremas de mais solo (terras), mostraram-se engenhosos no aproveitamento de terras desérticas e de florestas. Suas cidades, escassas e mal fortificadas tinham um caráter rural diferente das cananéias e filistéias. Entretanto, apesar dessas conquistas menores, outras maiores estavam esperando por realizações. A necessidade de defender o território já conquistado e de avançar em novas conquistas fez do período dos Juízes uma época de muitas batalhas e confrontos com os povos vizinhos. Os filisteus, por exemplo, eram um ameaça constante, pois eram mais fortificados e mais desenvolvidos. Os filisteus eram um povo Egeu, haviam sido expulsos de seus lares em Creta e no litoral da Ásia Menor por invasores vindos do norte. Fracassando em sua tentativa de entrar no Egito, conseguiram uma cabeça de ponte na costa palestinense, ocupando boa parte das terras mais férteis da região. Nas épocas quando os conflitos entre as tribos e os filisteus ou entre as tribos e outros povos se Página 8

9 agravavam, levantavam-se homens carismáticos que lideravam um ou mais tribos na campanha de defesa da terra ou de novas conquistas. Esses homens eram os Juizes, cujo sentido do original hebraico tem relação com a idéia de salvadores. Apesar do nome os Juízes tinham uma função muito mais militar que propriamente judiciária. O conhecimento desse momento na história de Israel levará o estudante ao fato que não havia uma união caracteristicamente política que envolvesse todas as tribos num projeto de conquista nacional. Entretanto as tribos estavam unidas por uma ordem sacra, formando um tipo de liga sacral, chamada de Anfictionia (união voluntária e apolítica de tribos numa comunhão cultural com um santuário central). Apesar do termo anfictionia na história antiga se referir mais ao período pré-estatal grego, o mesmo pode ser utilizado com bastante cuidado e sem comparações detalhistas para com a formação das tribos israelitas. Aliás, era costume nos povos antigos a constituição de 12 tribos a partir de 12 filhos de um ancestral importante, por exemplo, Naor (Arameus, Gn ), Ismael (Gn ), Esaú (Transjordânia, Gn ). De acordo com a Bíblia, a constituição da liga sacral das 12 tribos ocorreu no Congresso de Siquém (Js.24). Nesse evento, Josué (efraimita) firmou um pacto com as tribos, evidenciando-se as seguintes características: 1. Comprometem-se com a adoração a Yahweh como único Deus (Js.24.18,21,24) e o afastamento dos outros deuses, nos moldes do pacto do Sinai. 2. Celebram o culto em um mesmo santuário em torno da arca da aliança. 3. Têm um estatuto e um direito comum (Js ). Nesse sentido a nuvem do sagrado paira sobre a comunidade que rejeita as transgressões contra esse direito, abominações que não devem existir no meio do povo de Deus (Jz.19.30; 20.6,10). Algo sobre as Tribos: As 12 tribos surgiram a partir de uma consciência dos laços que as uniam, pois compartilhavam de um mesmo nome original. Os nomes dessas tribos eram originalmente nomes de pessoas (Gn.29.31; 30.24; Dt ) e designavam um antepassado, o qual dera a denominação a tribo, no caso de Israel, o patriarca Jacó. De acordo com Roland de Vaux (2003, p.24) pessoas que não eram originalmente descendentes de Jacó também foram agregadas às tribos. Temos Calebe, filho de Jefoné, o quenezeu (Nm.32.12; Js.14.6,14), o qual foi integrado à tribo de Judá em Js Não podemos esquecer que Moisés convidou Hobabe (midianita) a seguir com Israel pelo deserto em direção à terra prometida. Além disso, mulheres tais como Tamar e Raabe (cananitas) e Rute (moabita) também fizeram parte do povo de Deus. Eis uma relação dos nomes das tribos de Israel a partir do patriarca Jacó, tomando-se como referência os textos acima: a. Filhos de Lia: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Issacar e Zebulom. b. Filhos de Raquel: José (Efraim e Manasses) e Benjamim. c. Filhos das escravas: Dã e Naftali (de Bila), Gad e Aser (de Zilpa). Uma pergunta comumente feita é por que a lista das tribos de Israel em Js.13 parece divergir das listas em Gn.46, Nm.26 e Ap.7.5ss. Para respondermos esta pergunta, convém observarmos as listas das tribos de Israel espalhadas nos dois testamentos: (Veja na página seguinte) Página 9

10 Gênesis 46 Os que entraram no Egito Números 26 Os que foram convocado s para a guerra Deuteronô mio 33 Tribos abençoadas por Moisés na sua morte Josué 13 Distribuiçã o de terras para as tribos Apocalips e 7 A visão dos Rúben Rúben Rúben Rúben Rúben Judá Judá Judá Judá Judá Simeão Simeão Simeão Simeão Simeão Levi Manassés Levi Manassés Levi Benjamim Benjamim Benjamim Benjamim Benjamim José Efraim José Efraim José Gade Gade Gade Gade Gade Dã Dã Dã Dã Manassés Issacar Issacar Issacar Issacar Issacar Zebulom Zebulom Zebulom Zebulom Zebulom Naftali Naftali Naftali Naftali Naftali Aser Aser Aser Aser Aser Observamos que em Nm.26 numa lista, considerada por Schmidt (1994, p.25) como posterior, faltam os nomes de Levi e de José compensados por Efraim e Manasses (filhos de José). Os filhos de Levi teriam recebido não o epônimo para uma tribo territorial, mas a posse de 48 cidades espalhadas nas 12 tribos para ministrarem o culto (Js.21.41). A razão está em Js.13.14,33, visto que o Senhor mesmo era considerado a herança dos levitas. Já, na lista de Apocalipse, José e seu filho Manassés são contados em separado. Provavelmente Efraim, o outro filho de José, foi contado juntamente com ele numa só tribo. Ao acrescentar José e Manasses nessa lista as pessoas de ambas as metades da tribo de José são seladas sem mencionar o nome de Efraim. Convém lembrar que 1Rs nos diz que um bezerro de ouro foi erigido em Betel, na terra de Efraim, em adição àquele de Dã. O Senhor odeia idolatria. Curiosamente, Dã não é mencionado na lista de Apocalipse. De acordo com Geisler (1999, p.64), isso ocorre porque os danitas tomaram a sua porção pela força numa área do norte de Aser, separando-se de sua herança original, que era ao sul. Além disso, os danitas foram à primeira tribo a ir para a idolatria depois que Salomão morreu. Em Apocalipse temos também resgatado o caráter tribal de Levi, porque depois do evento da cruz de Cristo, os levitas não mais exercem o seu ofício para todas as tribos, podendo assim, ter direito à posse de um território. 5. Período da Monarquia (1020 A 586 a.c.): Do conhecimento da época dos juízes extrai-se uma lição que permeia a literatura que narra a história desde Josué a 2Reis, exposta através de uma fórmula marcada por altos e baixos, por feitos positivos e negativos, denunciando assim uma teologia que recebeu o nome de teologia deuteronomista. Essa teologia caracterizouse por pregar uma fé que obedecia não pelo medo ou pressão, mas pela vontade e pelo amor a Yahweh (Dt.6.1-7). A conclusão dessa obra é que a história de Israel se resume numa história da fidelidade de Deus e da infidelidade do próprio Israel. Esse tipo de mensagem ficou bem claro na leitura do livro dos Juízes. Como já foi estudado, o modelo de governo que caracterizou o período dos Juízes foi a Anfictionia. Ora, o conhecimento da história de Israel no momento de estabelecimento das tribos na Palestina pressupõe uma reprovação do sistema monárquico como forma política, o que era comum entre os povos filisteus e cananeus lá Página 10

11 presentes. Isto é o que se expressa em formulação concisa na resposta de Gideão aos que queriam entregar-lhe a chefia hereditária sobre Israel, conforme Jz A razão principal é que a instituição de um reinado nos moldes pagãos opõe-se a reivindicação da soberania de Yahweh sobre Israel. Segundo Martin Metzger, o fator que motivou o requerimento de um sistema monárquico em Israel foi o aumento das incursões dos filisteus, os quais queriam dominar toda a Palestina (1Sm ,16-23; 2Sm.23.14). Porém, a gota d água para esta mudança em Israel foi à conquista da Arca da Aliança, a qual ficava no santuário central de Silo (Jr.7.12,14; 26.6,9). A arca significava que Deus estaria sempre com o seu povo; era o principal símbolo da Anfictionia. Outro fator que sugere a necessidade de um reinado em Israel é a crise interna na Anfictionia com a decadência do sacerdócio que se dedicava ao ministério da Arca (1Sm ). O desejo de mudança está expresso em 1Sm.8.4-5, O processo de transição foi difícil e lento, pois a Anfictionia não aprovou a monarquia. O estudo do período da monarquia deve ser feito dividindo-o em dois outros períodos: a. Monarquia Unida (Israel Unido) 1020 a 932 a.c. b. Monarquia Dividida (Dois Reinos) 932 a 586 a.c. b1. Reino do Norte, Israel, capital: Samaria (932 a 722 a.c). b.2. Reino do Sul, Judá, capital: Jerusalém (932 a 586 a.c.) A. A Monarquia Unida (1020 a 932 a.c.): Compreende a atuação dos três primeiros reis de Israel: Saul, Davi e Salomão. Para uma melhor compreensão deste período, será feito um estudo da contribuição de cada rei citado. 1) Saul, o Primeiro Rei: Com as conquistas dos filisteus em partes do território palestinense e a conquista da Arca da Aliança, os israelitas começaram a desejar um rei que unisse as tribos num estado militar. Nesse período, a pessoa de Samuel foi de grande importância. Atuando como líder de grande carisma (último juiz), conseguiu unir as tribos na esperança de vitória sobre os filisteus ainda que fosse contra o sistema monárquico. Porém, com o crescimento das pressões populares, Samuel escolheu Saul, da tribo de Benjamin (1Sm.9.1 a 10.16). A maneira de sua primeira atuação pública aconteceu exatamente nos moldes de um líder carismático. Reprimiu vitoriosamente a tentativa dos amonitas de conquistarem Israel entrando pela Transjordânia. Assim, foi logo visto como homem de Deus (1Sm.11.6). O reinado de Saul caracterizou-se por ser um governo militar (1Sm.14.52), com bases nacionais, semelhante ao dos povos vizinhos. O principal empreendimento de Saul foi a quebra do domínio dos filisteus em Israel. Porém, isto não significa dizer que a monarquia sob Saul elevou Israel à condição de Estado pois faltam nele as características básicas de um Estado. Vê-se aí um Israel ainda desorganizado politicamente e também em menor escala, do ponto de vista militar. Após algumas vitórias sobre os filisteus, o reinado de Saul passou a enfrentar uma grande crise por conta das divergências entre as exigências tradicionais da Guerra Santa (Anfictionia) e aquilo que Saul considerava necessário sob o ponto de vista estratégico e político (1Sm ; ; 7.11, 20). Isso causou a sua separação de Samuel, o qual passou a anunciar que Yahweh rejeitara a Saul (1Sm.15 e 16.14). O reinado de Saul não durou muito. Com a crise interna, os filisteus cresceram novamente, fazendo incursões na região média da Palestina. Na batalha do Monte Gilboa, Saul foi derrotado e morto pelos filisteus, os quais voltaram a dominar uma parte do território palestinense. 2) O Grande Reino de Davi: Foi durante o reinado de Davi que Israel experimentou uma importância política jamais conhecida, nem antes nem depois. Davi era escudeiro de Saul (1Sm.16.21). Obteve grande sucesso como guerreiro profissional e conseguiu com isso o ódio e a inveja de Saul (1Sm ); dessa forma foi perseguido por Saul, retirando-se para Página 11

12 a parte meridional da tribo de Judá, onde reuniu um bando de mercenários de procedência dúbia (1Sm.22.2), passando a levar uma vida de salteador. Chegou mesmo a colocar o seu exército a serviço do rei filisteu Aquis (1Sm.27) em troca da localidade de Ziglaque. Após a morte de Saul, Davi voltou para Hebron, na tribo de Judá, onde foi proclamado rei sobre a casa de Judá (2Sm.2.4). No início, o seu domínio estendeu-se apenas às tribos do sul. O filho de Saul, Is-Bosete fora constituído rei sobre Israel em meio a uma série de crises políticas. Após a morte de Is-Bosete, sem nenhuma alternativa de sucessão dentro da família de Saul, Davi foi ungido rei sobre todo o Israel (2Sm.5.1-3). O reinado de Davi caracterizou-se por alguns fatores: a. Derrotou de vez os filisteus, banindo-os da vida dos israelitas (2Sm ). b. Uniu, a partir de sua pessoa, as tribos do sul às tribos do norte, através de atos políticos e diplomáticos (por exemplo, a transferência da residência real para Jerusalém, cidade cananéia, que não pertencia nem às tribos do norte nem às tribos do sul 2Sm.5). c. A ampliação dos domínios israelitas às terras da Transjordânia (Amom e Moabe, dos quais recolhia pesados impostos), e às terras dos arameus no norte (2Sm.8; 12.30), exercendo a soberania sobre toda a Palestina e Síria. Numa época em que as potências Egito e Assíria enfrentavam uma queda em seus desenvolvimentos, o grande reino de Davi era a potência política mais forte de seu tempo. 3) Salomão e a Consolidação do Estado Israelita: Após a morte de Davi, em meio a intrigas na corte e por decisão do próprio Davi, assume o trono o seu filho Salomão. O período de seu governo caracterizou-se pela pompa, no estilo dos grandes reis orientais, por grande atividade em construções e no comércio, por um grande intercâmbio diplomático e pelos primeiros frutos de uma vida intelectual em Israel. Tudo isso leva uma boa parte dos estudiosos do Antigo Testamento a defender a idéia que em Salomão temos a consolidação de um estado em Israel. Apesar de todo o luxo do reinado de Salomão, havia a insatisfação popular por causa dos pesados impostos e das grandes diferenças sociais, em virtude da criação do sistema de intendências (1Rs ), uma forma de manutenção da corte a partir da arrecadação interna de impostos. A partir do período de Salomão, conquistas militares feitas por Davi foram perdidas em virtude das prioridades de governo do seu filho. Tem-se a partir daí um momento novo que irá desembocar na divisão do reino de Israel. B. A Monarquia Dividida (932 a 586 a.c.): Após a morte de Salomão, assumiu o trono o seu filho Roboão, o qual foi aclamado rei em Jerusalém, no Sul. Ao chegar em Siquém, no Norte, para ser aclamado rei de acordo com o costume, encontrou inclinação favorável desde que aceitasse uma política e afrouxamento nas imposições feitas por Salomão tais como: pagamento de pesados impostos (através da implantação do sistema de Intendências) e trabalhos forçados, os quais tornaram.se insuportáveis para a população. Como Roboão se recusou a atender ao clamor popular (2Cr.10.10), houve um movimento civil nas dez tribos do Norte, o qual iniciou-se com o apedrejamento de Adorão, o enviado de Roboão para sujeitar os israelitas a submissão, indo até a escolha de Jeroboão como rei do Norte (1Rs ), aquele que tinha sido antes superintendente de Salomão nas tribos de Efraim e Manasses, nos trabalhos forçados. Jeroboão foi perseguido por Salomão por ter iniciado um movimento contra o rei, tendo fugido para o Egito, permanecendo lá até a morte de Salomão. A partir de então, passaram a existir dois reinos independentes: Norte (Israel) e Sul (Judá). A cisão do reino unido precisa de um estudo separado para melhor compreensão das escrituras. Página 12

13 1) Reino do Norte (Israel) 932 a 722 a.c.: Durante dois séculos, o reino do Norte foi governado por 19 reis, cujas características marcantes foram às seguintes: Reintrodução do culto a Baal, deus dos cananeus, e de outras formas de idolatria em Israel. Jeroboão I (932 a 907 a.c.) coloca dois bezerros de ouro, símbolos de Baal, em Dã e Betel, elevando essas cidades a santuários (1Rs.12.26ss). Estabelecimento de uma inimizade política com o reino do Sul (1Rs.14.30; 15.16), até em função dos limites territoriais dos dois reinos tendo na região de Benjamin pontos de conflitos. A exceção está no rei Omri (876 a.c.), o qual firmou relacionamento amistoso com Judá. Contudo, Omri e seu filho Acabe, são responsáveis pelo sincretismo entre a religião baalista e a religião javista, duramente condenado por Elias. Período de agravamento das crises sociais com a concentração do poder econômico em uma classe superior (Jeroboão II a 747 a.c.). Período de atividade dos profetas Elias (875 a 842 a.c.), Eliseu (842 a 795 a.c.), Jonas (785 a.c.?), Amós (760 a.c.), Oséias (750 a 722 a.c.). Período de crises militares internas, com golpes feitos a partir de componentes insatisfeitos do exército. Por exemplo, Jéu (842), assumiu o trono através de uma revolução apoiada por grupos fiéis a Yahweh, e tentou fazer uma reforma religiosa no reino do Norte (2Rs.9), combatendo o sincretismo. Período de enfraquecimento político e de alianças com povos estrangeiros, as quais incluíam não só o lado político, mas o lado religioso. Período do surgimento e crescimento de potências do norte da Palestina. Primeiramente a Assíria, que tomou posse da Síria em 854 a.c., através da Batalha de Carcar. A partir de 740 houve a submissão do reino do Norte aos assírios em três fases: a. Cobrança de pesados impostos aos israelitas no período do rei Menaém (738 a.c.), conforme temos em 2Rs.15.19ss. b. Desmembramento do estado de Israel-norte em 732, através da implantação de 3 províncias dos assírios: Dor, Megido e Gileade (2Rs.15.29). Nessa época, o rei Oséias era uma espécie de boneco subserviente aos interesses assírios. c. Destruição de Samaria, capital de Israel, em 722 a.c, depois de um cerco de 3 anos. Os assírios imprimiram uma forte política de miscigenação racial, deportando israelitas da classe alta para Nínive e trazendo estrangeiros para habitarem no norte de Israel. Dessa mistura surgiriam, mais tarde, os samaritanos. Posteriormente, surgiria a Babilônia, a qual submeteria os próprios assírios e o reino do Sul, Judá. Ao contrário dos exilados de Judá na Babilônia, os deportados do norte foram espalhados e dispersos com o passar do tempo (2Rs.17.6), o que não permitiu o retorno dos mesmos para uma possível repatriação. 2) Reino do Sul (Judá) 932 A 586 a.c.: Reino mais importante da narrativa bíblica, principalmente em virtude de sua ligação com Davi. As características mais evidentes desse reino são as seguintes: Uma das características mais fortes deste reino é que ele manteve-se fiel à dinastia de Davi, ou seja, os seus reis foram sempre descendentes de Davi. Digno de nota é o período do rei Ezequias, visto que o mesmo liderou uma conspiração contra Senaqueribe entre 701 e 700 a.c. Nesse período estavam ocorrendo diversas rebeliões contra o jugo Página 13

14 assírio na Palestina e é provável que o levante acontecido em Asdode (filistia) entre 713 e 711 a.c. tenha influenciado Ezequias (Is.20). Conhecemos o livramento dado a Judá (2Rs ), o que foi suficiente para evitar a destruição de Jerusalém, mas não para evitar a continuidade do domínio assírio com sua política de cobrança de pesados tributos, de acordo com Werner Schmidt (1994, p.31). Outro momento importante foi o do rei Josias (639 a 609 a.c.), bisneto de Ezequias. Depois do triste legado de seu avô Manasses, Josias conseguiu reconquistar a autonomia política, resgatando parte do território do antigo reino do Norte (Israel), visto que nessa época o império assírio estava em franca queda (Em 612 a.c. Nínive foi destruída pelos babilônios). Além disso, empreendeu um movimento de reforma político-religiosa que culminou com a destruição de altares pagãos e a centralização do culto em Jerusalém baseadas no texto do Deuteronômio, encontrado no templo entre 622 e 621 a.c. (Hilquias, em 2Rs.22). Josias morreu em 609 a.c. em combate contra o Faraó Neco, em Megido. Neco se dirigia para Nínive para tentar libertar os assírios do jugo caldeu. Após a morte de Josias, Judá tornou-se vassala do neo-império caldeu, sob Nabucodonozor. O problema começou quando seu filho, rei Jeoiaquim (608 a 598 a.c. Jeoiaquim substituiu a Jeoacaz, seu irmão, levado pelo faraó Neco para o Egito) tentou sustar o pagamento de impostos à Babilônia, gerando com isso o sítio de Jerusalém pelos caldeus e, em 597 a.c., quando seu sucessor Joaquim, já era rei, a primeira deportação de judeus para a babilônia, sendo levada a classe alta de Jerusalém, incluindo a família real, artesãos e até alguns profetas, como Ezequiel. Se nesse primeiro momento Jerusalém não foi destruída, ao assumir o trono, colocado por Nabucodonozor, Zedequias (597 a 587 a.c. - cujo nome era Matanias e foi mudado pelo rei caldeu), um tio de Joaquim, desconsiderou a mensagem de não-resistência do profeta Jeremias, empreendeu um levante contra Babilônia, causando dessa vez, o segundo cerco e a destruição de Jerusalém em 586 a.c. Ocorre aí mais outra deportação de judeus para a Babilônia e um governador títere, Gedalias, é colocado no lugar do rei para dirigir os judaítas que ficaram. Mas sete meses depois foi assassinado por um grupo liderado por um tal Ismael (2Rs ), que liderou fuga em massa para o Egito. Jeremias foi nesse grupo contra a sua vontade (Jr ). Termina assim a monarquia davídica e a perda da autonomia política de Judá, que seguirá na história como província, primeiro dos babilônios (608 a 539 a.c.), depois dos persas (539 a 333 a.c.), gregos (333 a 323 a.c.), ptolomeus-egípcios (301 a 198 a.c.) e selêucidassírios (198 a 163 a.c), até o tempo dos macabeus, quando recuperará sua independência política por um período de aproximadamente 100 anos (163 a 63 a.c.), entrando depois na história do povo de Israel o domínio romano. Período de atividade dos seguintes profetas: Joel (587 a.c.? 400 a.c.?), Isaías (740 a 698 a.c.), Miquéias (730 a 700 a.c.), Naum (663 a.c? 612 a.c?), Sofonias (640 a 630 a.c.), Jeremias (627 a 586 a.c.), Habacuque (entre 608 e 598 a.c.), Obadias (entre 586 e 585 a.c.). Período de fusão de duas importantes tradições que deram origem à boa parte do Pentatêuco (Gn.-Êx.): A Eloísta (oriunda do Norte), assim chamada porque nestas narrativas Deus sempre era conhecido pelo nome de Elohim ; a Javista (oriunda do Sul), assim chamada porque em suas narrativas Deus era conhecido por Yahweh. Também, no reino do Sul, organiza-se o Deuteronômio e o conjunto das tradições sobre Josué, Juízes, Samuel e Reis. Temos ainda a produção de grande parte dos Salmos e das pregações de Sofonias, Naum, Habacuque e Jeremias (produção escriturística conforme Jr.36). 6. O Período do Exílio babilônico ( a.c.): A catástrofe de 586 a.c. trouxe consigo uma conseqüência forte para a fé dos judeus. A destruição de Jerusalém e do seu santuário mergulhou os exilados na maior crise de fé que iria culminar, posteriormente, em mudanças consideráveis. É importante lembrar que, com a destruição de Jerusalém e a deportação dos judeus, o povo perdeu tudo o que constituía a base de sua cidadania e seu sentimento religioso: Página 14

15 a. A terra, sinal concreto da benção de Deus sobre o povo (A terra não era uma dádiva de Yahweh? - Dt.4.1). b. O Rei, mediador desta benção, garantia da unidade do povo e seu representante junto a Deus (Yahweh não havia assegurado duração eterna ao reino davídico na profecia de Natã? - 2Sm.7.16). c. O Templo, lugar onde habitava o nome do Senhor (O templo de Jerusalém não era a residência de Deus? 1Rs.8.13). d. A Fé, herança das antigas promessas de Deus aos patriarcas (Marduque, o deus da Babilônia, era mais poderoso que Yahweh? Sl.137.3; Is ; Is ). A partir da destruição de Jerusalém formam.se 3 comunidades judaicas distintas: a que ficou na cidade destruída, formada basicamente pela parte mais pobre da população; a que fugiu para o Egito depois do assassinato de Gedalias; a que foi deportada para a Babilônia pelo menos em duas levas (597 e 586 a.c.). As duas últimas comunidades constituem o judaísmo da dispersão ou diáspora. As características principais da comunidade judaica na Babilônia foram às seguintes: Viviam não na condição de escravos, mas como semi-livres. Moravam em colônias cercadas, situadas às margens do Rio Quebar (Ez.1.1-3), em Tel-Abib (Ez.3.15) e outros locais. Podiam se movimentar livremente, mas eram obrigados a executar determinados serviços por ordem dos babilônios. Tinham a possibilidade de construir casas, plantar pomares e constituir famílias (Jr.29.5). Tinham a liberdade para realizar reuniões (Ez ) e para instituir líderes religiosos (Ez.8.1; 14.1; 20.1). É nesse período que se encontram as bases lógicas da sinagoga do Novo Testamento. Podemos dizer que tanto a característica do gueto citada no item anterior quanto a capacidade da comunidade judaica ser um grupo religioso dirigido por líderes, fez com que a sua identidade pudesse ser preservada para a posteridade e a consecução do plano divino na história. Nesse momento surge o apelido judeus, atribuído pelos babilônios àqueles que vinham de Judá. É também o período em que os judeus começam a assimilação de uma nova língua, o aramaico, que será a língua falada pelo povo judeu inclusive no tempo de Jesus. É o período de atuação de dois profetas: o sacerdote Ezequiel (593 a 571 a.c.) e um discípulo de Isaías de Jerusalém, cujo nome não sabemos, responsável pelas pregações constantes a partir do capítulo 40 do livro de Isaías, apelidado de Deutero-Isaías (550 a 540 a.c.). Época do surgimento de dois importantes documentos do Antigo Testamento: a. Obra historiográfica deuteronomística, a qual abrange os livros de Josué, Juízes, I e II Samuel e I e II Reis. Trata-se de uma exposição dos caminhos de Israel desde a época de Moisés até o Exílio, numa postura nitidamente teológica. A tese central que conduz essa obra é a seguinte: Toda a história de Israel resume-se numa história da fidelidade do Senhor e da infidelidade de Israel. b. Escrito Sacerdotal, o qual apresenta um diagrama da história salvífica desde a criação até o acontecimento do Sinai, através de material antigo (listas, rituais, genealogias, liturgias), numa linha histórica que segue CRIAÇÃO NOÉ ABRAÃO MOISÉS. 7. O Período da Restauração (Persa) Retorno do Exílio (538 a 333 a.c.) Como já foi abordado anteriormente, a partir do nono século antes de Cristo, as chamadas potências do Norte estavam em ascensão. Primeiramente, A Assíria, chegando a conquistar Síria e Israel, reino no Norte, com a destruição de Samaria em 722 a.c.; depois, a Babilônia, chegando a conquistar Nínive e Judá, com a destruição de Jerusalém em 586 a.c. Agora, um novo reino domina: o dos medo-persas, vizinhos dos babilônicos. Ciro (559 a 530 a.c.), chamado de ungido em Is.45.1 é o homem responsável e instrumento nas mãos de Deus para dar cumprimento à profecia de Jeremias (Jr.29). Ciro subjugou a Ásia Menor através da vitória sobre Creso, rei da Lídia e, em 539 a.c., invadiu a Babilônia. Ao conquistar a Babilônia, ele estava também liberando os judeus para Página 15

16 retornarem à sua pátria e reconstruírem os símbolos do seu passado: a cidade e o templo. Abaixo, algumas das principais características desse período: O retorno do exílio foi gradual e em turmas. Temos o conhecimento de 3 turmas: a. A primeira, liderada por Zorobabel (538 a.c. Ed.1.6). Parece que nesse momento foram lançados os alicerces do templo, mas os samaritanos do norte fizeram forte oposição, impedindo o intento. Nessa primeira turma voltaram pessoas e servos e servas (Mesquita, 1974, p.252), conforme Ed b. A segunda, liderada por Esdras (458 a.c. Ed.7.10), encontrando Jerusalém num estado moral e espiritual dignos de censura. Esdras tem grande valor nesse momento. A ele são atribuídas a implantação do cumprimento rigoroso da Lei com a valorização da leitura pública da Torah, o que viria também a influenciar na formação do cânon. Nessa segunda turma retornaram cerca de pessoas (Ibidem). c. A terceira, liderada por Neemias (445 a.c. Ne.2.11), com o objetivo de reconstrução dos muros de Jerusalém, visto que as pessoas eram constantemente molestadas por invasores oportunistas. Além disso, as condições morais e espirituais continuam péssimas e idênticas àquelas que levaram o povo ao exílio. Atuou um profeta anônimo, discípulo de Isaías de Jerusalém, responsável pelo conteúdo dos capítulos 56 a 66, apelidado de Trito-Isaías (entre 538 e 520 a.c.). Atuaram também os profetas Ageu (520 a.c.), Zacarias (520 a 518 a.c.) e Malaquias (433 a 428 a.c.). 18 anos após o edito de Ciro, os dois primeiros exortaram os judeus à retomada da reconstrução do templo, cuja obra só foi concluída em 515 A.C. Nesse período, ocorre a fixação da primeira coleção de livros do Antigo Testamento, ou seja, o Pentateuco, conhecido por Torah LEI (Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio). A característica mais marcante desta época é, sem dúvida, o grande impacto causado na religião judaica por conta de uma série de mudanças do pensar teológico, com a assimilação de doutrinas não exploradas no Antigo Testamento: Teologia do Bem e do Mal, anjos e demônios, céu e inferno, ressurreição; além disto, a influência sacerdotal leva a religião à ênfase na prática de rituais antigos: o Shabat, os jejuns, a circuncisão, as festas. Essa ênfase é apresentada através da obra historiográfica cronista, constituídas pelos livros de I e II Crônicas, Esdras e Neemias. Assim, pode-se falar na religião pós-exílica com o nome de Judaísmo. Esse é o período de transição para o Novo Testamento. O período de dominação persa foi um período de tranqüilidade política para os judeus. O culto pode ser prestado sem impedimentos e Jerusalém ficou governada por sacerdotes, os quais passam a ter uma influência sem precedentes, do ponto de vista político-religioso. BIBLIOGRAFIA: - BENTZEN, A. Introdução ao Antigo Testamento. V.1,2. São Paulo: ASTE, BÍBLIA Estudo de Genebra. Tradução Revista e Atualizada no Brasil. São Paulo: Cultura Cristã, BÍBLIA Português. Bíblia Sagrada. Tradução: Escola Bíblica de Jerusalém, nova ed. rev. São Paulo: Paulus, ELLISSEN, Stanley. Conheça Melhor o Antigo Testamento. São Paulo: Vida, HOFF, Paul. O Pentateuco. São Paulo: Vida, PINTO, Carlos Oswaldo. Foco e Desenvolvimento no Antigo Testamento. São Paulo: Hagnos, LASOR, William S.; HUBBARD, David A.; BUSH, Frederic W. Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo: Paulinas, CHARPENTIER, E. Para ler o Antigo Testamento. São Paulo: Paulinas, FOHRER, Georg. Estruturas teológicas fundamentais do Antigo Testamento. São Paulo: Paulinas, GRUEN, Wolfgang. O tempo que se chama hoje: uma introdução ao Antigo Testamento. 11ª. Ed. São Paulo: Paulus, HOMBURG, K. Introdução ao Antigo Testamento. São Leopoldo: Sinodal, MARTIN.ACHARD, Robert. Como ler o Antigo Testamento. São Paulo: ASTE, METZGER, Martin. História de Israel. São Leopoldo: Sinodal, PURY, Albert de (Org). O pentatêuco em questão. Petrópolis: Vozes, RENDTORFF, Rolf. Antigo Testamento: uma introdução. Santo André: Academia Cristã, SCHMIDT, H. Werner. Introdução ao Antigo Testamento. São Leopoldo: Sinodal, SICRE, Jose Luiz. Introdução ao Antigo Testamento. Petrópolis: Vozes, Página 16

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

Jörg Garbers Ms. de Teologia

Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel O ESTADO DE JUDÁ Jörg Garbers Ms. de Teologia Textos 1Rs 12 2Cr 10 Data ~ 931 a.c. As narrativas bíblicas situam aqui o cisma entre as 12 tribos (10 Israel

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 7 RECAPITULAÇÃO - AT RECAPITULAÇÃO - AT RECAPITULAÇÃO - AT CRONOLOGIA DO AT CRONOLOGIA DO AT 1. Da criação a Abraão (criação 2000

Leia mais

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler Linha do tempo A História é a grande mestra Aprendamos dela! Importa saber ler 1 Como ler a História Linha reta: tudo já está determinado. Não há participação, nem liberdade Círculo: tudo se repete. O

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico

Propedêutica Bíblica. 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico Propedêutica Bíblica 26 de Novembro de 2013 Texto Bíblico ORAÇÃO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I HISTÓRIA E GEOGRAFIA DO POVO BÍBLICO I Ler o texto no contexto GEOGRÁFICO: «Entre os que subiram

Leia mais

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental

Aulas 6 e 7. A Antiguidade Oriental Aulas 6 e 7 A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) III- I- Local: Economia: região da agricultura, Palestina pastoreio ( Canaã (rio ou Jordão) terra prometida ). e comércio Atualmente:

Leia mais

Livros Históricos. Introdução

Livros Históricos. Introdução Livros Históricos Introdução Em nosso Cânon, os livros históricos são doze: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Cânon Judaico: Josué, Juízes, 1 e 2 Samuel,

Leia mais

Geografia da Terra Prometida De Davi até Joaquim. Grupo de Estudos Bíblicos Nova Serrana Reginaldo Silva

Geografia da Terra Prometida De Davi até Joaquim. Grupo de Estudos Bíblicos Nova Serrana Reginaldo Silva Geografia da Terra Prometida De Davi até Joaquim Grupo de Estudos Bíblicos Nova Serrana Reginaldo Silva Império de Davi A Bíblia refere-se ao poderoso Reino de David no século 10 AC, segundo rei de Israel,

Leia mais

sumário 1. rumo ao SINAI... 3 3. rebelião no deserto... 31 4. o deserto ouve... 46 5. jericó... 62

sumário 1. rumo ao SINAI... 3 3. rebelião no deserto... 31 4. o deserto ouve... 46 5. jericó... 62 sumário 1. rumo ao SINAI... 3 2. os mandamentos... 14 3. rebelião no deserto... 31 4. o deserto ouve... 46 5. jericó... 62 6. israel avança... 78 7. o cântico de débora... 95 8. gideão, o guerreiro...

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21

SUMÁRIO. Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21 SUMÁRIO NARRATIVA TEXTOS PÁG Prefácio 09 Introdução 11 Agradecimentos 13 Apresentação 15 Cronologia do Velho Testamento 21 Gráfico: A Integração dos Livros do Velho Testamento em Ordem Cronológica Gráfico:

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 4 Divisão Mais Usual PENTATEUCO HISTÓRICOS POÉTICOS Maiores PROFÉTICOS Menores Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Re 2 Re 1 Cr

Leia mais

CIVILIZAÇÕES MESOPOTÂMICAS

CIVILIZAÇÕES MESOPOTÂMICAS 25 MESOPOTÂMIA: REGIÃO ENTRE DOIS RIOS (GREGO) 1. Sumérios e Acádios (antes de 2000 a. C) - Cidades Estados - Religião politeísta cada cidade possuía um Deus principal - A terra era dos deuses - Trabalhavam

Leia mais

Pérsia, fenícia e palestina

Pérsia, fenícia e palestina Pérsia, fenícia e palestina Região desértica Atuais estados de Israel e Palestina Vários povos (semitas) estabelecidos no curso do Rio Jordão Palestina Hebreus (Palestina) Um dos povos semitas (cananeus,

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

Introdução ao Evangelho

Introdução ao Evangelho CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO Introdução ao Evangelho AULA 5 POVOAMENTO DA TERRA, MOISÉS E SUA MISSÃO AULA DE HOJE PARÁBOLA DO TESOURO ESCONDIDO

Leia mais

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP

conheça sua Bíblia Estudos Panorâmicos no AT e NT TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP TODA QUINTA-FEIRA - DAS 19H30 ÀS 21H - RUA JOSÉ ALVES GUEDES, 1332 - JD. SONIA JAGUARIÚNA/SP A! Uma grande biblioteca 66 livros Escritos por cerca de 40 homens Em um período de 1600 anos Livros agrupados

Leia mais

EBA IBCU Ago e Set 2012 Wagner Fonseca João Mengaldo

EBA IBCU Ago e Set 2012 Wagner Fonseca João Mengaldo EBA IBCU Ago e Set 2012 Wagner Fonseca João Mengaldo Reino e Queda 1Samuel 13 a 19 Reinado e Decadência de Saul Saul o Primeiro Rei 30 anos e Reina por 42 anos Vs 13.1 Primeira batalha de Jônatas contra

Leia mais

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c.

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Depois de Davi, veio Salomão. O Reino de Davi e Salomão

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO 1.2 CONTEÚDO 1.3 CRONOLOGIA. Jörg Garbers

ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO 1.2 CONTEÚDO 1.3 CRONOLOGIA. Jörg Garbers Jörg Garbers ÊXODO INTRODUÇÃO TEOLOGIA 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 NOME DO LIVRO O nome do livro vem da palavra grega "êxodo", que significa saída. 1.2 CONTEÚDO Podemos dividir o livro em cinco partes: 1-18

Leia mais

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento,

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento, OS LEVITAS Vamos ao um breve estudo sobre os levitas, que há muito tempo, nas igrejas evangélicas e até mesmo nos templos católicos, é um título dado aos instrumentistas e cantores. Biblicamente falando,

Leia mais

As Civilizações Antigas do Oriente II

As Civilizações Antigas do Oriente II As Civilizações Antigas do Oriente II PERSAS, HEBREUS E FENÍCIOS Prof. Alan Carlos Ghedini Os Persas ENTRE CIRO, DARIO E XERXES A Origem Persas e Medos, um povo de origem indo-europeia (árias), estabeleceram-se

Leia mais

Livros Históricos. Recapitulação

Livros Históricos. Recapitulação Livros Históricos Recapitulação Em nosso Cânon, os livros históricos são doze: Josué, Juízes, Rute, 1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis, 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. Autoria: São anônimos Compiladores:

Leia mais

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio Todavia, eu sou o SENHOR teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Antiguidade Oriental. Prof. Helder Carneiro

Antiguidade Oriental. Prof. Helder Carneiro Antiguidade Oriental Prof. Helder Carneiro Impérios Teocráticos de Regadio Desenvolveram-se próximos de grandes rios; Teocracia = Governo de Deus; Obras Hidráulicas; Modo de Produção Asiático: O Estado

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia

Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento. Jörg Garbers Ms. de Teologia Introdução e visão geral da História de Israel e dos textos do Antigo Testamento Jörg Garbers Ms. de Teologia 26.10.2013 08:00-09:30 Profetas e profetismo na história de Israel 09:50-11:50 A ressurreição

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento INTRODUÇÃO. Aula 1 IBCU

Panorama do Antigo Testamento INTRODUÇÃO. Aula 1 IBCU Panorama do Antigo Testamento INTRODUÇÃO Aula 1 IBCU Estrutura do Curso 1. Introdução (09.03) 2. O Pentateuco (16.03) 3. Livros Históricos Parte 1 (23.03) 4. Livros Históricos Parte 2 (30.03) 5. Livros

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MESOPOTÂMIA As primeiras cidades se formaram justamente na região onde a agricultura começou a se desenvolver: no Oriente

Leia mais

Uma introdução à Bíblia

Uma introdução à Bíblia Uma introdução à Bíblia FORMAÇÃO DO IMPÉRIO DE DAVI E SALOMÃO PRIMEIRO TESTAMENTO A serviço da leitura libertadora da Bíblia VOLUME 3 Ildo Bohn Gass (Org.) 2 a edição São Leopoldo/RS 2011 Centro de Estudos

Leia mais

Estudo dirigido da Palavra de Deus. Gênesis e Êxodo

Estudo dirigido da Palavra de Deus. Gênesis e Êxodo Estudo dirigido da Palavra de Deus Introdução Gênesis e Êxodo Um meio para compreender melhor a Bíblia é ver como ela nasceu. Por isso, importa conhecer a história do povo que a deu à luz. A Bíblia é uma

Leia mais

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive

MESOPOTÂMIA. TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive MESOPOTÂMIA TERRA ENTRE RIOS Prof. Ive ASPECTOS FÍSICOS Os dois rios mais importantes são o Tigre e o Eufrates. Localiza-se, predominantemente, no Crescente Fértil, onde hoje está o Iraque. Possui precárias

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

História de Israel Aula 5. História de Israel. Ricardo Cota

História de Israel Aula 5. História de Israel. Ricardo Cota História de Israel Aula 5 História de Israel Ricardo Cota Salmos 66 : 4 Conhecendo a DEUS através da história do seu povo. Êxodo O Povo no Egito Gênesis 50 : 15 26. Povo na terra de GÓSEN; Êxodo 12: 40-41;

Leia mais

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 ac). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro).

Leia mais

Introdução ao Evangelho

Introdução ao Evangelho CENTRO ESPÍRITA ISMAEL DEPARTAMENTO DE ENSINO DOUTRINÁRIO CURSO DE INTRODUÇÃO AO EVANGELHO AULA 6 OS POVOS HEBREU E JUDEU PRÓXIMA AULA Parábola da Rede Os Reis de Israel Samuel foi o último e maior de

Leia mais

A Palestina também foi ocupada por outros povos na Antiguidade, contudo, os hebreus foram predominantes.

A Palestina também foi ocupada por outros povos na Antiguidade, contudo, os hebreus foram predominantes. Os Hebreus Embora não tenham sido tão poderosos quanto os egípcios e as civilizações mesopotâmicas, os hebreus também foram importantes para a Antiguidade Oriental, com significativas realizações. A história

Leia mais

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia.

Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Mesopotâmia Antiga Outra grande civilização da Antiguidade oriental, em que o Estado possui grande poder e controle sobre tudo foi a Mesopotâmia. Diferente do Egito, a Mesopotâmia nunca se preocupou com

Leia mais

OS LIVROS SAMUEL E REIS

OS LIVROS SAMUEL E REIS Jörg Garbers OS LIVROS SAMUEL E REIS INTRODUÇÃO, TEOLOGIA E HISTÓRIA 1 INTRODUÇÃO 1.1 NOME Os livros Js até 2Rs têm na Bíblia hebraica o nome: "Os profetas anteriores. Por quais motivos os judeus deram

Leia mais

A BÍBLIA. Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11

A BÍBLIA. Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11 A BÍBLIA Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11 DIVISÃO E CONTEÚDO A palavra "bíblia" vem do grego bíblia, plural de biblion, que traduzido quer dizer "grupo de "livros". Desta forma a

Leia mais

Decida buscar o Senhor

Decida buscar o Senhor Decida buscar o Senhor Textos bíblicos: 2º Reis 22.8, 10-11; 23.1-3 e 24-25: 8. Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o Livro da Lei na Casa do Senhor. Hilquias entregou o livro

Leia mais

www.linkchurch.net É o que vamos fazer rapidamente sem nos atermos muito a datas e nomes de pessoas.

www.linkchurch.net É o que vamos fazer rapidamente sem nos atermos muito a datas e nomes de pessoas. www.linkchurch.net Todo estudo deste Periodo tem e será fundamentado em fatos históricos. Não ha registro na Biblia deste periodo, muitas literaturas sacras surgiram neste periodo mas foram consideradas

Leia mais

- Obrigações básicas: pagamento de impostos, serviço militar e produção; Recursos agrícolas distribuídos pelo Estado.

- Obrigações básicas: pagamento de impostos, serviço militar e produção; Recursos agrícolas distribuídos pelo Estado. 1 - O CRESCENTE FÉRTIL: Berço das primeiras civilizações; Atual Iraque até Egito; Grandes rios; Terras férteis. 2 EGITO E MESOPOTÂMIA: Impérios TEOCRÁTICOS de REGADIO; - Líder = Deus ou representante dele;

Leia mais

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS

A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS A LIÇÃO DAS GENEALOGIAS Gn 5 1 Esta é a lista dos descendentes de Adão. Quando criou os seres humanos, Deus os fez parecidos com ele. 2 Deus os criou homem e mulher, e os abençoou, e lhes deu o nome de

Leia mais

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da

A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da O Pentateuco A Palavra PENTATEUCO vem do grego e significa cinco livros. São os cinco primeiros livros da Bíblia. Esses livros falam da formação do mundo, da humanidade, do povo escolhido. As histórias

Leia mais

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós.

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61 1 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. 2. Lição Bíblica: 1 Reis 11 a 14 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa A SAGRADA ESCRITURA Por Marcelo Rodolfo da Costa A palavra bíblia é de origem grega do termo "biblion" que no plural significa "livros". Logo a bíblia é uma coleção de livros. Ela surge no meio de um oriente,

Leia mais

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Israel por um período de seis anos (Jz 2:7 ). Jefté viveu em Gileade e foi

Leia mais

O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i

O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i O judaísmo é uma crença que se apoia em três pilares: na Torá, nas Boas Ações e na Adoração. Por ser uma religião que supervaloriza a moralidade,

Leia mais

Etapas da maturidade de Eliseu

Etapas da maturidade de Eliseu Etapas da maturidade de Eliseu TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 2.5-11 5 - Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

LIVRO INFANTIL PARA COLORIR

LIVRO INFANTIL PARA COLORIR LIVRO INFANTIL PARA COLORIR Este livro foi formulado de tal maneira que os pais podem interagir e ensinar seus filhos a Palavra de Deus. Colorindo uma página por dia, e preenchendo as frases que acompanham

Leia mais

A Aliança de Yahweh com Abraão

A Aliança de Yahweh com Abraão A Aliança de Yahweh com Abraão Ora, disse o Senhor a Abrão: Sai da tua terra, da tua parentela, e vai para a terra que te mostrarei; de ti farei uma grande nação, te abençoarei, e te engrandecerei o nome.

Leia mais

1. LEI 5 livros. 2. HISTÓRIA 12 livros. 3. POESIA 5 livros. 4. PROFETAS MAIORES 5 livros. 5. PROFETAS MENORES 12 livros

1. LEI 5 livros. 2. HISTÓRIA 12 livros. 3. POESIA 5 livros. 4. PROFETAS MAIORES 5 livros. 5. PROFETAS MENORES 12 livros LIÇÃO 4 Os Livros do Velho Testamento Ler o Velho Testamento é o mesmo que ler qualquer outro livro antigo, comentou um jovem que se juntara recentemente ao nosso grupo de estudo da Bíblia. No entanto,

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

LIÇÃO TRIMESTRE 2015 ISRAEL OS ÚLTIMOS5REIS. Preparado por: Pr. Wellington Almeida

LIÇÃO TRIMESTRE 2015 ISRAEL OS ÚLTIMOS5REIS. Preparado por: Pr. Wellington Almeida OS ÚLTIMOS5REIS DE ISRAEL 0 IV TRIMESTRE 2015 Preparado por: Pr. Wellington Almeida OS ÚLTIMOS CINCO REIS DE ISRAEL INTRODUÇÃO Nunca tinha sido intenção de Deus dar um rei a Israel. Um após outro, esses

Leia mais

Colossenses 1:15. Colossenses 1:15. Colossenses 1:15. Colossenses 1:15. [Jesus] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação.

Colossenses 1:15. Colossenses 1:15. Colossenses 1:15. Colossenses 1:15. [Jesus] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. Colossenses 1:15 Colossenses 1:15 Colossenses 1:15 Colossenses 1:15 [Jesus] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. [Jesus] é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a

Leia mais

Faculdade de Teologia Avivamento Bíblico CNPJ: 04.178.543/0001-54

Faculdade de Teologia Avivamento Bíblico CNPJ: 04.178.543/0001-54 1 Faculdade de Teologia Avivamento Bíblico CNPJ: 04.178.543/0001-54 Ficha de Atividades 1. Faça uma redação com o tema: Os Patriarcas. Baseado no texto de gênesis. 2. Pesquise em internet, livros, dicionários

Leia mais

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6

Panorama do Antigo Testamento. Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6 Panorama do Antigo Testamento Escola Bíblica IECI 1º Semestre de 2015 Aula 6 Divisão Mais Usual PENTATEUCO HISTÓRICOS POÉTICOS Maiores PROFÉTICOS Menores Gn Ex Lv Nm Dt Js Jz Rt 1 Sm 2 Sm 1 Re 2 Re 1 Cr

Leia mais

Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves

Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves Arquidiocese de Curitiba Curso de Teologia Introdução ao Antigo Testamento Prof. João Luis Fedel Gonçalves 3 1 2 5 6 4 1. Fase das tradições quase só orais (1850-1030). Pode ter durado quase oito séculos.

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ http://cachorritosdelsenor.blogspot.com/ A páscoa Volume 29 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 11 Ola Filhotes, vocês sabem o que é páscoa e quando ela começou?

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO. Aula 1- Considerações Iniciais

PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO. Aula 1- Considerações Iniciais PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO Aula 1- Considerações Iniciais a) A importância de uma visão panorâmica Resumir grandes eventos da nossa vida é, por si só, um grande desafio. Esquecer detalhes importantes

Leia mais

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16 1.8 Divisão da Bíblia e livros Velho Testamento 39 livros Novo Testamento 27 livros 40 escritores diferentes Período de 1600 anos para ser escrita a Bíblia, (aprox. entre 1500 a.c. e 100 d.c.) a) Como

Leia mais

5ª AULA DIA 01/06/2015 AS DIVISÕES DAS TRIBOS DE ISRAEL

5ª AULA DIA 01/06/2015 AS DIVISÕES DAS TRIBOS DE ISRAEL SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 GEOGRAFIA BÍBLICA PR. MAXIMIANO PIRES 5ª AULA DIA 01/06/2015 AS DIVISÕES DAS TRIBOS DE ISRAEL Após a tomada de Jericó, acontece

Leia mais

Lição 1 - Apresentando o Evangelho Texto Bíblico Romanos 1.16,17

Lição 1 - Apresentando o Evangelho Texto Bíblico Romanos 1.16,17 Lição 1 - Apresentando o Evangelho Texto Bíblico Romanos 1.16,17 Paulo escreveu uma carta à Igreja de Roma, mas não foi ele o instrumento que Deus usou para fazer acontecer uma Agência do Reino de Deus

Leia mais

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 Definição de Dispensação: período de tempo durante o qual a humanidade é moralmente responsável diante de Deus em

Leia mais

Antiguidade Oriental Egito Mesopotâmia Palestina Hebreus. Pérsia. Profª.. Auxiliadora

Antiguidade Oriental Egito Mesopotâmia Palestina Hebreus. Pérsia. Profª.. Auxiliadora Antiguidade Oriental Egito Mesopotâmia Palestina Hebreus Fenícios Pérsia Profª.. Auxiliadora Crescente Fértil F Impérios Teocráticos de Regadio ANTIGÜIDADE IDADE ORIENTAL EGITO Período Pré-Din Dinástico

Leia mais

Educação de Filhos de 0 a 5 anos. Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013

Educação de Filhos de 0 a 5 anos. Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013 Educação de Filhos de 0 a 5 anos Edilson Soares Ribeiro Cláudia Emília Ribeiro 31/03/2013 Bom dia! Aula 4 Nosso Objetivos Educando Filhos segundo a Vontade de Deus Desenvolvimento da criança Influências

Leia mais

Você acredita que a opinião de Heródoto é acertada, em relação ao Rio Nilo? Explique. R.:

Você acredita que a opinião de Heródoto é acertada, em relação ao Rio Nilo? Explique. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Os fundamentos

Leia mais

Deus Faz. Novas todas as coisas!

Deus Faz. Novas todas as coisas! Deus Faz Novas todas as coisas! Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas an9gas já passaram; eis que surgiram coisas novas! (2Corín9os 5.17) Aquele que estava assentado no trono disse:

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

História Geral. 3ª Edição - 2007

História Geral. 3ª Edição - 2007 História Geral 3ª Edição - 2007 Os Hebreus Localizado a leste da Mesopotâmia, constituía de um vasto planalto desértico rodeado de montanhas, entre a Mesopotâmia e a Índia. O Império Persa constituiu um

Leia mais

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático Seção Título Slide 1. Introdução

Leia mais

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1)

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) Ministério de Intercessão A Intercessão e a Batalha Espiritual Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) O que é Intercessão?

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20).

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20). Lição 8-22 de agosto de 2015 O plano de Jesus era preparar primeiro o povo judeu como base para as missões para outras culturas. Não obstante, não disperdiçou as oportunidades que se apresentaram para

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre Capítulo 5 1) O que se entende por Crescente Fértil? E quais regiões correspondiam? 2) Qual a importância dos rios para a história da humanidade? 3) Leia as afirmações abaixo: I Civilização é o estágio

Leia mais

O povo judeu e sua religião

O povo judeu e sua religião A Vida de JESUS O povo judeu e sua religião O POVO JUDEU Religião Deus e o relacionamento com o homem O Tabernáculo A Arca da Aliança O Templo As Escrituras As Sinagogas Grupos religiosos O POVO JUDEU

Leia mais

Opovo da época de Ezequiel, como fazem muitas pessoas hoje, tentava justificar seus erros

Opovo da época de Ezequiel, como fazem muitas pessoas hoje, tentava justificar seus erros Lição 6 Deus Age por Amor do Nome Dele: Sua Justiça e Misericórdia (Ezequiel 18:1-20:44) Opovo da época de Ezequiel, como fazem muitas pessoas hoje, tentava justificar seus erros pela tática perversa de

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

Recensões. Os Fundadores das Grandes Religiões

Recensões. Os Fundadores das Grandes Religiões Recensões Os Fundadores das Grandes Religiões Recensão do Livro Os Fundadores das Grandes Religiões, de Emma Brunner-Traut (Org.) (Petrópolis: Editora Vozes, 1999. 254 p.) Não há dúvida de que o interesse

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes,

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, 1 Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, É com muita emoção que ocupo esta importante Tribuna

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

INTRODUÇÃO À BÍBLIA Revisão aula 1

INTRODUÇÃO À BÍBLIA Revisão aula 1 I NTRODUÇÃO À BÍ BLI A Revisão aula 1 INTRODUÇÃO À BÍBLIA Revisão aula 1 A BÍBLIA... UM CONJUNTO DE 66 LIVROS, COMEÇOU A SER ESCRITO HÁ MAIS OU MENOS 3500 ANOS, DEMOROU QUASE 1600 ANOS PARA SER CONCLUÍDO,

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

Lição 6 para 7 de novembro de 2015

Lição 6 para 7 de novembro de 2015 Lição 6 para 7 de novembro de 2015 «Falei aos profetas, e multipliquei a visão; e pelo ministério dos profetas propus símiles» (Oséias 12:10) Na Bíblia encontramos muitos símbolos. Cenas ou objetos que

Leia mais

PRIMEIRA SEQÜÊNCIA: INTRODUÇÃO À BÍBLIA. Obter um conhecimento geral dos fundamentos bíblicos

PRIMEIRA SEQÜÊNCIA: INTRODUÇÃO À BÍBLIA. Obter um conhecimento geral dos fundamentos bíblicos PRIMEIRA SEQÜÊNCIA: INTRODUÇÃO À BÍBLIA TEMPO NECESSÁRIO: Duas semanas OBJETIVO: Obter um conhecimento geral dos fundamentos bíblicos A Primeira Seqüência é para quem está começando a ler a Bíblia. Três

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais