Ata de 145ª (centésima quadragésima quinta) reunião ordinária do Conselho Consultivo Municipal de Patrimônio Histórico e Artístico de Itabira COMPHAI.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ata de 145ª (centésima quadragésima quinta) reunião ordinária do Conselho Consultivo Municipal de Patrimônio Histórico e Artístico de Itabira COMPHAI."

Transcrição

1 Ata de 145ª (centésima quadragésima quinta) reunião ordinária do Conselho Consultivo Municipal de Patrimônio Histórico e Artístico de Itabira COMPHAI. Ata da centésima quadragésima quinta reunião ordinária do Conselho Consultivo Municipal do Patrimônio Histórico e Artístico de Itabira (COMPHAI), realizada no dia quatorze de fevereiro do ano de dois mil quatorze, às nove horas, na sala de reuniões da Secretaria Municipal de Ação Social, da Prefeitura Municipal de Itabira, lavrada no verso da página 28 (vinte e oito), na frente e no verso das páginas 29 (vinte e nove), 30 (trinta) e 31 (trinta e um) do livro nº 02 de atas do COMPHAI. A reunião contou com as presenças de Elaine Cristina Linhares Diniz, representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo; Cecília Maria Viana Camilo de Oliveira, representante da Funcesi; Marconi Serafim de Assis Ferreira, representante da Amacentro e Gláucia Emiliana Oliveira, representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano. Justificaram ausência: Fernando Moura Santi, representante da ASSEAG e presidente do COMPHAI; Solange Duarte Alvarenga, representante da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade e vice-presidente do COMPHAI; Antônia Conceição Soares Almeida, representante da Interassociação de Bairros; e Cabo Alessandro Alves Pereira Domingues, representante do Corpo de Bombeiros. Constatado quórum, com a presença de 50% (cinquenta por cento) dos membros do Conselho, deu-se início à reunião, convocada por aviso. Foram registradas as presenças dos técnicos, representantes e empreendedores do edifício comercial a ser construído na Avenida Carlos Drummond de Andrade, nº 01, Bairro Penha, cujo projeto está em tramitação para aprovação da construção: Patrícia Ferreira, arquiteta responsável pela análise dos impactos sobre Patrimônio Cultural do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV); Giovane Miler, representante da WE Engenharia, empresa responsável pela elaboração do EIV; Patrícia Nobre Carneiro, arquiteta responsável pelo projeto arquitetônico do edifício; Hugo Oliveira Velozo, representante dos herdeiros de um dos empreendedores, Dr. Cesário; Antônio Camilo Oliveira, empreendedor; Roberto Sampaio de Barros, empreendedor. Na ausência do presidente e da vice-presidente do Conselho, a secretária Gláucia abriu os trabalhos com a leitura da carta de justificativa da ausência de Fernando Santi, passou a Elaine a leitura da ata da reunião anterior, realizada no dia vinte de dezembro de dois mil e treze, e expôs a pauta do dia: Esclarecimentos quanto às resoluções do COMPHAI e, se necessário, reavaliação de seu parecer da análise do EIV para construção do edifício comercial a ser implantado na Avenida Carlos Drummond de Andrade, nº 01, Bairro Penha, registrado na ata da vigésima terceira reunião extraordinária do COMPHAI, realizada no dia vinte de dezembro de dois mil e treze, atendendo à solicitação dos representantes do empreendimento; Avaliação da solicitação encaminhada por correspondência, de Pedro Fortunato, quanto à possibilidade de reforma do imóvel tombado por gabarito, situado à Rua Guarda-mór Custódio, 141; Aprovação da Execução do Plano de Inventário do Município a ser realizada ao longo do ano de dois mil e quatorze; Agendamento do calendário das atividades do COMPHAI no ano corrente; Substituição de conselheiros. Iniciando os assuntos da pauta, Gláucia explicou o processo interno no Departamento de Urbanismo (DURB) que fez com que a construção de um edifício de 10 (dez) pavimentos, mesmo localizando-se fora de uma rua tombada, passasse pela avaliação da Seção de Patrimônio Histórico e Cultural (SPHC) e não somente pela Seção de Análise de Projetos (SAP), como era de costume. Ao observar processos de construção e

2 verticalização em ruas tombadas e no entorno de bens imóveis tombados, além de demolições de bens inventariados ou tombados por gabarito que geram, gerando perda do patrimônio e processos judicias no Ministério Público de Minas Gerais, ela, como chefe da SPHC solicitou a SAP, em concordância com o DURB, que: qualquer processo que se encaixasse nesses parâmetros fosse encaminhado para parecer junto à SPHC que, conforme o caso, o encaminharia ao COMPHAI para consulta ou deliberação. Para tanto, embasou a adoção desse trâmite nas obrigações legais do Poder Público e do COMPHAI de zelar pelo Patrimônio Histórico Municipal, mesmo que hajam expressivas lacunas na legislação urbanística que tange o patrimônio e que tornam os processos decisórios mais complexos. A palavra foi passada aos convidados para que expusessem os questionamentos em relação às resoluções do COMPHAI quanto ao EIV, apontadas na ata supracitada e já lida. Patrícia Ferreira fez as seguintes considerações: 1 - O terreno em questão não está numa Área de Interesse Cultural (AIC), e embora seja vizinho de um bem tombado, está localizada numa Zona de Adensamento (ZAD), fora do campo de deliberação do COMPHAI, e que permite a verticalização, fato que conflita com a afirmação da ata que expõe que o COMPHAI teria poderes de deferimento ou indeferimento nas questões que afetam diretamente o interesse histórico/cultural do município de Itabira ; 2 - Justificou os apontamentos 6 e 7 daquela ata, que questionam o posicionamento de referência da fotografia com a projeção do edifício, alegando dificuldade de visualização do prédio pela Avenida Carlos Drummond de Andrade num ângulo em que se vejam os bens tombados na Rua Santana. Expôs ainda que a partir da tal avenida, quer pela topografia, vegetação ou outras barreiras visuais, não é possível vislumbrar os imóveis tombados na Rua Santana, o que também indica que o prédio não estaria impedindo ou afetando a visibilidade de nenhum bem tombado. 3 - Quanto às observações 4 e 5 da análise do EIV, que questionam os termos presumir e aproximadamente para as medidas de altura do edifício, em função da elasticidade que esses termos podem imprimir a medidas que deveriam ser exatas, Patrícia defendeu que esses termos foram utilizados pois as cotas que constam no EIV foram tomadas como referências de altitude, baseadas nas plantas cadastrais da Prefeitura, que podem não corresponder a valores exatos. Isso posto, a palavra foi passada aos conselheiros para esclarecerem suas ponderações. Quanto à primeira questão apontada por Patrícia Ferreira, Gláucia esclareceu ainda que a legislação municipal de patrimônio histórico Lei n 2245 de 22 de Abril de 1984, citada também no EIV, reza em seu 5 parágrafo que Sem prévia autorização da Prefeitura Municipal, não se poderá, na vizinhança da coisa tombada fazer edificação que lhe impeça ou reduza a visibilidade (...), sendo, portanto, papel deste Conselho avaliar os impactos dessa edificação sobre esse conjunto, uma vez que a edificação em questão (a ser construída) está na vizinhança não só de um imóvel, como de uma rua tombada. Quanto ao terreno estar numa ZAD e não numa AIC, isso pode limitar os poderes do COMPHAI, mas não o impede de opinar sobre a questão, nem o isenta da responsabilidade de zelar pelo entorno do bem tombado, o que é essencialmente sua função. Sendo assim, mesmo que o edifício não seja implantado numa AIC, o fato de estar em seu entorno imediato dá a este Conselho o direito e o dever de analisar a questão, mesmo que não possa deferir ou indeferir o processo, já que o Plano Diretor concentra tal poder de atuação do COMPHAI especificamente nas AIC s. Elaine esclareceu ainda que até recentemente aquela área era uma Zona de Adensamento Restrito (ZAR) e que só se podia construir até 4 (quatro) pavimentos, e que recentemente o zoneamento foi mudado sem

3 considerar o Patrimônio Histórico presente no local. Gláucia ressaltou que o zoneamento atual e a legislação de patrimônio passaram, então, a entrar em choque, uma vez que deveria ter sido resguardado um raio no entorno da Área de Interesse Cultural para proteger sua ambiência e a paisagem urbana. Patrícia Carneiro defendeu que o empreendimento se enquadra nos parâmetros permitidos pelo zoneamento atual e, portanto, ele não poderia ser lesado por um conflito que deveria ter sido considerado quando da mudança do zoneamento e não agora que a situação já está regulamentada. Antônio Camilo questionou o fato de uma lei menor de Proteção do Patrimônio do Município poder sobrepujar uma lei maior que seria o Plano Diretor, impedindo a construção de um edifício que o Plano Diretor permitiria. Gláucia argumentou que as leis são equivalentes, ao que foi contestada por Marconi Ferreira que informou que a Lei do Patrimônio é um lei ordinária, portanto com menor peso que o Plano Diretor. Elaine, Cecília e Gláucia concordaram que o termo indeferimento usado na ata anterior foi inadequado e será corrigido, já que, neste caso, o papel do COMPHAI é consultivo e não deliberativo. Em relação ao segundo item apontado por Patrícia Ferreira, Elaine discordou de seu argumento quanto a impossibilidade de visualização dos imóveis tombados a partir da Avenida Carlos Drummond de Andrade e apontou o trecho da via em que é possível ter essa vista e, a partir do qual, o edifício pode constituir uma barreira visual, ao que teve apoio de Cecília. Gláucia ainda discorreu quanto à interferência do edifício na ambiência e paisagem urbana do perímetro tombado, uma vez que apesar da lei do patrimônio ser específica quanto a possibilidade de visualização dos bens, na realidade o tema não se encerra aí, mas se estende aos impactos visuais gerados sobre esses bens. Argumento refutado por Patrícia Ferreira e por Antônio Camilo, que recorreram ao texto da lei e argumentaram que o edifício não reduz ou impede a visualização de nenhum bem. Alegaram ainda que, como o prédio estará recuado em relação á via, possivelmente ele permitirá melhor vista da casa vizinha tombada. Quanto ao terceiro apontamento de Patrícia Ferreira, Elaine informou que a elasticidade da qual o COMPHAI tratou se baseia no fato de que os termos presumir e aproximadamente permite grandes variações de medida, caso não se delimite o intervalo de variação, uma vez que pode se referir a poucos centímetros ou a alguns metros. Patrícia Ferreira esclareceu que essa variação seria de alguns centímetros ou menor que 1,00m (um metro) e que a altura da edificação é exata, sem margem de erro e obedece os critérios do Plano Diretor para uma ZAD. Em relação a esse ponto, Gláucia esclareceu que foi considerado no EIV a medida de 32,00m (trinta e dois metros) e ela não corresponde à altura total do edifício, pois considera-se a face inferior da última laje, o que é válido para a análise de projetos do ponto de vista da legislação urbana municipal, mas não para a análise de interferência visual no patrimônio do entorno, já que além da última laje existem barreiras visuais que ultrapassam essa altura, como platibanda e caixa d'água. Hugo se posicionou compreensivo em relação às preocupações do COMPHAI, e expôs que é correto o posicionamento deste Conselho quanto ao debate sobre um tema que lhe diz respeito, caso contrário ele poderia ser julgado omisso. Contudo ponderou que, caso a deliberação sobre o tema não caiba ao COMPHAI, sua postura pode ser entendida como omissão comissiva, o que ele entende que não é a intenção deste Conselho. Ele ainda destacou que o edifício funcionará como um complexo de clínicas e há um grande interesse dos empreendedores no desenvolvimento da cidade quanto ao atendimento à saúde, contribuindo para o IDH municipal. Roberto Sampaio justificou a localização do edifício por estar perto da área de saúde já consolidada no município, com presença do Hospital

4 Nossa Senhora das Dores, além de várias clínicas. Expôs também que essa área apresenta um conflito Patrimônio Histórico X Saúde. Hugo destacou o direito constitucional à saúde. Marconi entendeu que o direito de acesso à saúde se sobrepõe ao direito ao patrimônio. Elaine e Cecília concordaram, mas Elaine destacou que o exercício de um direito não precisa representar empecilho ao outro. Roberto questionou a avaliação do EIV pelo COMPHAI no item 8, quanto ao aumento do fluxo de veículos, já que o edifício contará com 05 (cinco) pavimentos destinados a estacionamento, atendendo assim tanto funcionários quanto pacientes, e argumentou que a concentração de serviços médicos num único edifício pode diminuir o trânsito local. Elaine e Gláucia ponderaram que os estacionamentos internos resolvem a demanda de vagas de veículos criada pelo próprio edifício, mas que é possível um aumento do fluxo de veículos até o edifício em busca dos serviços que lá serão prestados. Patrícia Ferreira ressalvou que a questão do trânsito deveria ser alvo de avaliação da Transita. Ela questionou o encaminhamento do projeto ao Conselho Municipal de Meio Ambiente (CODEMA) e Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano (CMDU), como determinado na avaliação em questão. Elaine justificou o envio do projeto ao CODEMA em função da supressão de vegetação que ocorrerá no local. Patrícia Ferreira informou ainda que o projeto já teve aprovação da SAP e do DURB, contudo as resoluções do COMPHAI quando da análise do EIV se chocam com essa decisão. Ela e Hugo ressaltaram ainda que foram estabelecidas condicionantes voltadas ao Patrimônio Histórico para que a edificação possa ser construída. Gláucia esclareceu que o estabelecimento dessas condicionantes foi realizada a partir de um alinhamento entre si e o o chefe do DURB à época, Jader Magalhães, diante da preocupação da chefe da SPHC quanto aos possíveis danos que a construção desse edifício traria ao Patrimônio Histórico e sua ambiência urbana. Jader acolheu os argumentos e entendeu que, de fato poderão ocorrer interferências nocivas ao patrimônio, mas que, apesar delas, a construção do edifício é legal urbanisticamente, em função do zoneamento no qual o prédio será implantado. Objetivando compensar esses danos, em comum acordo entre os chefes do DURB e da SPHC, foi sugerida a adoção de medidas compensatórias voltadas ao Patrimônio Histórico a serem definidas. Essa posição do DURB foi trazida ao COMPHAI pela SPHC, por ocasião da primeira apresentação do tema a esse Conselho, como consta na ata do dia 25 de novembro de Embora as medidas compensatórias, já por essa ocasião, tenham sido apontadas ao Conselho elas não constaram em ata, já que foram parte de um longo debate até aquele momento inconclusivo e qualquer decisão oficial aguardaria a análise do EIV, quando então seria analisada a possibilidade de adoção daquelas medidas, caso o processo fosse deferido. Patrícia Ferreira informou que as medidas compensatórias sugeridas pelo DURB e já acordadas com os empreendedoras foram as seguintes: Restauração da fachada do Prédio Sede da Banda Euterpe, restauração da escultura do Zumbi dos Palmares, restauração do cruzeiro do Cemitério do Cruzeiro, projeto paisagístico da Avenida Osório Sampaio. O debate foi considerado encerrado e os convidados se retiraram para discussão e votação interna dos conselheiros. Elaine manteve suas posições apontadas na ata, mas concordou que os termos deferimento, indeferimento e delibertivo foram, nesse caso, inadequados, ao que encontrou quórum em Gláucia e Cecília. Cecília ainda considerou que, tendo em vista o texto do Plano Diretor, não cabe ao COMPHAI delimitar a altura do edifício, mesmo que o Conselho considere o zoneamento inadequado para a área. Elaine justificou a delimitação em 6 (seis) andares como exposto na ata anterior, em função de a

5 legislação anterior, que permitia apenas 4 (quatro) pavimentos naquela área, mas concordou que não cabe ao COMPHAI fazer essa definição,uma vez que o Plano Diretor foi alterado, permitindo maior verticalização. Marconi defendeu a execução do empreendimento, ressaltando o desenvolvimento local que ele possivelmente trará, e a importância das medidas compensatórias. Alegou ainda que o fato de a Rua Santana já ter sofrido descaracterizações ao longo de sua história diminui os aspectos negativos do impacto e que, nesse caso, o bem à pessoa humana, favorecida com o empreendimento em saúde deve prevalecer. Gláucia ressalvou que embora a Rua Santana já tenha sido descaracterizada, ela ainda é um importante marco na história do município, tendo sido uma de suas primeiras vias e, apesar das descaracterizações sofridas, ainda resguarda um acervo considerável. Gláucia ainda defendeu que o empreendimento favorece a concentração de serviços num local que deveria ser preservado, e que o ideal seria que esses serviços estivessem nas proximidades mas não no entorno imediato a essa área. Contudo, não há base na legislação municipal atual para frear esse processo e qualquer decisão contrária poderia ser julgada arbitrária ou sem embasamento legal. Colocado o tema em votação, quanto aos potenciais prejuízos ao patrimônio gerados pelo empreendimento, Elaine, Cecilia e Gláucia entenderam que o edifício tem alto potencial de gerar impactos negativos sobre a área tombada vizinha à edificação pretendida. Marconi, por sua vez, concorda com a construção do prédio, pois entende que ele não agride o entorno tombado, mas julga que as medidas compensatórias são relevantes, à medida que os demais conselheiros consideram que há impactos negativos sobre o patrimônio. Quanto à revisão da análise do EIV, redigida na ata da 23 (vigésima terceira) reunião extraordinária do COMPHAI, definiu-se, por maioria que: na observação 1 não se pode afirmar categoricamente que a importância histórica e, consequentemente, paisagística da região que se pretende alterar, sendo este um impedimento quanto à quantidade de andares do projeto, já que não há impedimento legal em relação á quantidade de andares, e sim a possibilidade de recomendação quanto à manutenção da qualidade da paisagem; Quanto à observação 3 Independente de haver no Plano Diretor a possibilidade de construções com até 12 pavimentos na área em questão, cabe ao poder público verificar, de 1 a 12 pavimentos, qual altura seria efetivamente compatível e não comprometedora das questões históricas e paisagísticas locais, posto que, cada caso possui sua singularidade e deve ser avaliado como tal, entendeu-se que a definição do número de pavimentos cabe ao Departamento de Urbanismo, que se baseia no Plano Diretor, e não ao COMPHAI. Secretaria de desenvolvimento ou ; No item 4 da análise, o Conselho passa a aceitar os termos presumir e aproximadamente, já que nesta reunião definiu-se um valor para esse intervalo definido por Patrícia Ferreira, como inferior a 1,00m (um metro). Quanto ás observações 6 e 7, este Conselho aceitou o posicionamento da fotografia em função das dificuldades técnicas alegadas por Patrícia Ferreira, apesar de discordar da sua afirmação quanto à impossibilidade de visualizar os imóveis da Rua Santana a partir da Avenida Carlos Drummond de Andrade. Em relação à 8 observação, o COMPHAI mantém seus argumentos mas admite que essa avaliação deve ser feita pela Transita. Por fim, os conselheiros definiram por maioria, que: O edifício que se pretende construir à Avenida Carlos Drummond de Andrade, n 01, Bairro Penha, implantado em terreno vizinho a imóvel tombado e no entorno de uma rua tombada integrante de uma Área de Interesse Cultural (AIC), pode gerar, em função especialmente de sua altura (dez

6 pavimentos) impactos negativos sobre os bens tombados e sua ambiência urbana. Contudo, como o prédio não está em AIC, e sim na sua vizinhança, em área definida pelo Plano Diretor como Zona de Adensamento (ZAD), o COMPHAI entendeu que, seguindo o texto do Plano Diretor que reza que: A ocupação dos terrenos integrantes da AIC, seja para novas construções, seja para reformas ou construções, deverá obedecer a critérios específicos orientados pelo COMPHAI, de forma a manter inalterável a qualidade dos bens e dos conjuntos tombados e de interesse histórico e cultural e parágrafo 4º Os critérios urbanísticos para edificações nas demais AICs serão os mesmos determinados para a ZCE, respeitando-se as resoluções do COMPHAI, não se aplica ao caso, já que concentra o poder de deliberação, deferimento ou indeferimento do COMPHAI especificamente em terrenos integrantes da AIC. O Conselho entendeu ainda que não deve determinar ou interferir, de qualquer modo, na definição do número de pavimentos a ser construído no local. Dessa forma, corrige-se o texto da ata anterior, onde se lê: Diante de tais considerações, os membros do COMPHAI chegaram a um consenso unânime de que seria necessária uma readequação do projeto para que o mesmo não ultrapasse 6 (seis) andares e que continue prevendo área de estacionamento que atenda, no mínimo, todos os funcionários locais, além disso, o projeto deverá ser encaminhado para apreciação e manifestação de parecer do CODEMA (Conselho Municipal de Meio Ambiente) e CMDU (Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano) conforme prevê e recomenda a Lei Complementar nº de 16 de novembro de 2006, denominada Plano Diretor do Município de Itabira. Reforça-se ainda que, a mesma Lei rege em seu art. 45, parágrafo 2º: A ocupação dos terrenos integrantes da AIC, seja para novas construções, seja para reformas ou reconstruções, deverá obedecer a critérios específicos orientados pelo COMPHAI, de forma a manter inalterável a qualidade dos bens e dos conjuntos tombados e de interesse histórico e cultural e parágrafo 4º Os critérios urbanísticos para edificações nas demais AIC's serão os mesmos determinados para a ZCE, respeitando-se as resoluções do COMPHAI. Desta forma entende-se que o Plano Diretor torna o COMPHAI um órgão com poderes de deferimento ou indeferimento nas questões que afetam diretamente o interesse histórico/cultural do município de Itabira, como é o caso em questão. Indeferindo a construção avaliada (...) leia-se Diante de tais considerações, a maioria dos membros do COMPHAI chegaram a um consenso de que embora a altura da edificação interfira negativamento do patrimônio histórico, não cabe a ele deliberar sobre a altura permissível para a edificação, uma vez que a mesma já é delimitada pelo Plano Diretor. Além disso, o este Conselho recomenda que o projeto seja encaminhado para apreciação e manifestação de parecer do CODEMA (Conselho Municipal de Meio Ambiente) em função da supressão de vegetação da área, cuja análise não é de competência do COMPHAI, conforme prevê e recomenda a Lei Complementar nº de 16 de novembro de 2006, denominada Plano Diretor do Município de Itabira. Reforçase ainda que, a mesma Lei rege em seu art. 45, parágrafo 2º A ocupação dos terrenos integrantes da AIC, seja para novas construções, seja para reformas ou reconstruções, deverá obedecer a critérios específicos orientados pelo COMPHAI, de forma a manter inalterável a qualidade dos bens e dos conjuntos tombados e de interesse histórico e cultural e parágrafo 4º Os critérios urbanísticos para edificações nas demais AIC's serão os mesmos determinados para a ZCE, respeitando-se as resoluções do COMPHAI. Desta forma entende-se que o Plano Diretor torna o COMPHAI um órgão

7 com poderes de deferimento ou indeferimento nas questões que afetam diretamente o interesse histórico/cultural do município de Itabira especificamente nas áreas, imóveis e terrenos tombados ou pertencentes a AIC, o que não é o caso em questão, já que o terreno situa-se numa ZAD. Portanto, embora julgue que o edifício poderá trazer impactos negativos ao patrimônio histórico da vizinhança, o COMPHAI não tem poder de deliberar sobre o deferimento da construção avaliada (...). Dessa forma, mesmo considerando que o edifício deve gerar impactos negativos ao ambiente urbano tombado, o Conselho recomenda que, caso as instâncias de avaliação com poder decisório defiram o processo de construção, devem ser exigidas e fiscalizadas a adoção e execução de medidas compensatórias para o patrimônio histórico, conforme proposto pela SPHC e pelo DURB. Ressalve-se que a especificação das medidas compensatórias expostas nessa reunião, coube ao DURB. Pelo adiantado do horário os demais assuntos da pauta foram adiados para a próxima reunião do COMPHAI a realizar-se no dia 11 de março de 2014 (onze de março de dois mil e quatorze) às nove horas no Memorial Carlos Drummond de Andrade. Encerrados os assuntos, a secretária deu por terminada a reunião às onze horas e trinta minutos. Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata que vai assinada por mim, Gláucia Emiliana de Oliveira, e pelos que estiveram presentes na qualidade de conselheiros e participantes da reunião. Elaine Cristina Linhares Diniz Cecília Maria Viana Camilo Oliveira Marconi Serafim de Assis Ferreira Gláucia Emiliana de Oliveira

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Gabinete da Presidência PORTARIA Nº 486, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo do Patrimônio

Leia mais

CONPLAM Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal

CONPLAM Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal PEDIDO DE VISTAS Conselheiro WILSON LUIZ CARDOSO (Clube de Engenharia do RN) PROCESSO: Nº. 00000.022525/2008-73 (SEMURB) Cadastrado em 02/07/2008 ASSUNTO: Solicita Análise do CONPLAM sobre o substitutivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1º - O Comitê de Tecnologia da Informação (CTI) instituído pela portaria Nº 1319/GR, de 15 de Setembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DA MINISTRA PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 419, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta a atuação dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal envolvidos no licenciamento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009)

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) Estabelece diretrizes e normas referentes à construção, instalação, reforma, ampliação

Leia mais

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi

Manual da Assembleia Geral Ordinária. Hotel Hilton São Paulo Morumbi Manual da Assembleia Geral Ordinária 26 de março de 2015 às 10h00 Hotel Hilton São Paulo Morumbi Atualizado em 24.02.2015 CNPJ: 01.082.331/0001-80 Legenda da Barra Inferior Voltar ao Slide Inicial Voltar

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL CONDURB, REALIZADA EM 23 DE SETEMBRO DE 2003.

ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E AMBIENTAL CONDURB, REALIZADA EM 23 DE SETEMBRO DE 2003. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Aos vinte e três dias de setembro de dois mil e três, foi realizada reunião extraordinária do Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos COMITÊ GERAL DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE DESEMPENHO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Assegurado pelo Decreto

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

IF SUDESTE MG REITORIA

IF SUDESTE MG REITORIA 1 2 3 4 5 6 7 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO

Leia mais

ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASTCERJ, REALIZADA EM 27/04/2015.

ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASTCERJ, REALIZADA EM 27/04/2015. ATA DE REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASTCERJ, REALIZADA EM 27/04/2015. Ata de Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo da Associação dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENERGIA E MATERIAIS - CNPEM CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO I INTRODUÇÃO Art. 1º. A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA), organizada pela UNIFAL MG, é um

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012

Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012 Procedimentos a serem seguidos para a realização de obras ou grandes reformas na USP 2/12/2012 Rua da Praça do Relógio, nº 9, Bloco K Cidade Universitária São Paulo SP 1 O presente documento pretender

Leia mais

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP)

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO O Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de setembro, procedeu

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 04 DE MAIO DE 2012 I. Data, Hora e Local da Reunião: Aos 03 de maio,

Leia mais

Ementa: Regulamenta a Comissão de Controle Urbanístico - CCU - e dá outras providências.

Ementa: Regulamenta a Comissão de Controle Urbanístico - CCU - e dá outras providências. DECRETO Nº 17.324/96 Ementa: Regulamenta a Comissão de Controle Urbanístico - CCU - e dá outras providências. O Prefeito da Cidade do Recife, no uso das atribuições que lhe confere o art. 54, inciso IV

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA CAP I - Da Natureza Art. 1 - O Conselho Consultivo do Parque Nacional da Tijuca CCPNT é órgão consultivo integrante da estrutura administrativa

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27 mod. EXP 14.1 Aos vinte e sete dias do mês de Abril do ano de dois mil e nove, reuniu no Salão Nobre dos Paços do

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ATA DA 48ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS NO DISTRITO FEDERAL.

ATA DA 48ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS NO DISTRITO FEDERAL. ATA DA 48ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS NO DISTRITO FEDERAL. Aos vinte e nove dias do mês de janeiro de dois mil e quatorze, as dez horas e trinta minutos deu-se a última chamada

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian

Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana. Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian Planos Municipais de Mobilidade Urbana e Acessibilidade e o papel do TCE-RS na sua implementação Seminário Gaúcho de Acessibilidade na Mobilidade Urbana Andrea Mallmann Couto Juliana Baum Vivian SUPORTE

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015

PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015 PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Aprova o anexo Regimento Interno do Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas. O SECRETÁRIO-EXECUTIVO, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, no

Leia mais

Manuel Lima Soares Filho Presidente do CEG/FDID. Anastácio Jorge Matos de Souza Marinho Conselheiro - PGE

Manuel Lima Soares Filho Presidente do CEG/FDID. Anastácio Jorge Matos de Souza Marinho Conselheiro - PGE 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 Aos oito dias do mês de janeiro de dois mil e sete, às nove horas,

Leia mais

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Lei nº 6468/09 Disciplina a veiculação de anúncios no Município de Piracicaba Decreto nº 13.512/10 Licenciamento de anúncios Decreto nº 13.513/10 Engenhos Publicitários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I: Objetivos Art. 1º - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial (SOGAOR),

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL;

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL; LEI Nº1508/2011 DATA: 14 de julho de 2011. SÚMULA: Cria o Loteamento Industrial, Comercial e de Prestadores de Serviços Sul de Sinop LIC/SUL regulamenta e autoriza a doação com encargos de lotes para fins

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803 REGULAMENTO VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO CAPITULO I DA REALIZAÇÃO Art. 1º A VI Conferência Municipal de Saúde de São Tiago é convocada e presidida pelo Prefeito Municipal e, na sua ausência

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

PORTARIA Nº 001/2014/FCRS, de 24 de fevereiro de 2014.

PORTARIA Nº 001/2014/FCRS, de 24 de fevereiro de 2014. PORTARIA Nº 001/2014/FCRS, de 24 de fevereiro de 2014. O SUPERINTENDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL DE RIO DO SUL SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe foram delegadas pelo Chefe do Executivo, nos termos

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento...

Constituição da CIPA: 5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento... 1 Modelos de Documentos para a constituição da CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - Data: 02/01/2006. Realização: Gerência de Políticas de Prevenção e Saúde Ocupacional Objetivos da CIPA:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. EMENTA: Disciplina a cessão e locação de espaços destinados a reuniões e eventos na sede do CRMV-RJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012.

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Reserva Biológica Mata Paludosa. A SECRETÁRIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições

Leia mais

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS

DOS CRITÉRIOS PARA COLOCAÇÃO DE LETREIROS Ministério da Cultura IPHAN INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL Escritório Técnico II - São João del Rei Rua Hermíllo Alves n.º 52 Centro São João del-rei Minas Gerais CEP 36.307-328

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992 SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992 O Conselho Municipal do Meio Ambiente COMAM, no uso das atribuições

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ATA DA 16ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DA GERÊNCIA-EXECUTIVA DO INSS EM VARGINHA/MG. Data: 28/02/2007 Horário:14:30hs Local: Gerência Executiva

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E COMUNICAÇÕES DIRETORIA DE OBRAS MILITARES "DOM (SOFE/1946)"

MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E COMUNICAÇÕES DIRETORIA DE OBRAS MILITARES DOM (SOFE/1946) MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E COMUNICAÇÕES DIRETORIA DE OBRAS MILITARES "DOM (SOFE/1946)" INSTRUÇÕES REGULADORAS PARA DEMOLIÇÕES DE BENFEITORIAS (IR 50-06) Portaria nº 3-DEC, de 8

Leia mais

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos

2. Princípios fundamentais. 3. Objetivos CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM NACIONAL DOS TRABALHADORES DO SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL FTSUAS. Princípios norteadores de funcionamento do Fórum 1. Natureza O Fórum Nacional dos Trabalhadores do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial, de 07/07/2011 LEI Nº 810 DE 6 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre a reorganização dos Conselhos Escolares do Sistema Estadual de Ensino e dá

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.680, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010

LEI MUNICIPAL Nº 4.680, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 LEI MUNICIPAL Nº 4.680, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES RÁDIO-BASE - ERB S, MINI - ERBS, TORRES, SISTEMAS DE RÁDIO-TRANSMISSÃO E EQUIPAMENTOS AFINS NO MUNICÍPIO DE TAQUARA

Leia mais

PRESIDENTE: APARECIDA REGINA LOPES MONTEIRO VICE PRESIDENTE: JOSÉ RUBENS DOMINGUES FILHO SECRETÁRIA EXECUTIVA: DEBORA SIBANTOS PENTEADO GRIMALDI

PRESIDENTE: APARECIDA REGINA LOPES MONTEIRO VICE PRESIDENTE: JOSÉ RUBENS DOMINGUES FILHO SECRETÁRIA EXECUTIVA: DEBORA SIBANTOS PENTEADO GRIMALDI ATA DA 16ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO À PAISAGEM URBANA - CPPU, DA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SMDU, REALIZADA EM 13 DE JUNHO DE 2012 - QUARTA-FEIRA, ÀS 14 HORAS, NO

Leia mais

INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO

INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARA REGULARIZAÇÃO DO CONTROLE DE JORNADA DE TRABALHO ATRAVÉS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE MARCAÇÃO DE PONTO POR MEIO DE CARTÃO MAGNÉTICO OU SISTEMA BIOMÉTRICO. Acordo Coletivo

Leia mais

Conselho Municipal de Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Cultural de Uberlândia

Conselho Municipal de Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Cultural de Uberlândia 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 ATA DA 1ª (PRIMERIA) REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DELIBERATIVO E CONSULTIVO MUNICIPAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

R E G I M E N T O. Preâmbulo

R E G I M E N T O. Preâmbulo R E G I M E N T O Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei n.º 115/97, de 19 de setembro) e de acordo com as alterações introduzidas

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze

CONSELHO GERAL. 2013-17 Ata número treze CONSELHO GERAL 2013-17 Ata número treze -------- Aos vinte e nove dias do mês de Abril de dois mil e quinze reuniu, pelas dezoito horas o conselho geral para tratar da seguinte ordem de trabalhos: -----

Leia mais

ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA

ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA ATA DA DÉCIMA TERCEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO PERMANENTE DO PROGRAMA DE APOIO A PLANOS DE REESTRUTURAÇÃO E EXPANSÃO DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS REUNI NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA, realizada no dia dez do mês

Leia mais