FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA"

Transcrição

1 Período de Avaliação: 2001/200 - Acompanhamento Ano Base 2002 Área de Avaliação: LETRAS / LINGUÍSTICA Programa: P5 - LETRAS E CULTURA REGIONAL / UCS Curso LETRAS E CULTURA REGIONAL Dados Disponíveis na Coleta de Dados Mest. Acadêmico Início 2000 Curso 2002 LETRAS E CULTURA REGIONAL Mest. Acadêmico X I - Proposta do Programa 1 Coerência e consistência da Proposta do Programa. 2 5 Adequação e abrangência das Áreas de Concentração. Adequação e abrangência das Linhas de Pesquisa. Proporção de docentes, pesquisadores, discentes-autores e outros participantes. Qualificação dos docentes para orientação de doutorado 1.Trata-se de um programa de Mestrado Acadêmico, de implantação recente, que começa a funcionar efetivamente em julho de 2002 (7 meses de funcionamento até o momento da elaboração do relatório). Trata-se de um programa com uma única área de atuação - ESTUDOS DE IDENTIDADE E CULTURA REGIONAL - que faz dialogar os estudos de Letras (Linguística e Literatura) e os Estudos Culturais (História. Filosofia, Sociologia) de modo interdisciplinar. As linhas de pesquisa e as disciplinas reiteram este perfil, tornando a proposta coerente e consistente. É importante assinalar, no entanto, que o histórico do Programa está ausente dos dados fornecidos na Proposta do Programa, que está longe de seguir convenientemente os itens contemplados nos Critérios de Avaliação do Perfil da Área de Letras e Linguística. A precariedade dos dados do relatório é significativa quer no que se refere ao histórico de implantação do Programa, de seu projeto de criação, da composição do quadro docente, quer no que se refere aos critérios de seleção dos estudantes e de credenciamento dos docentes, quer ainda no que se refere a uma descrição - mesmo que sucinta - do seu fluxograma. Não há sequer uma caracterização do contexto universitário e do estatuto da UCS. Já os seus objetivos são suficientemente detalhados, enfatizando o eixo de interesse nos estudos regionais, na discussão crítica dos conceitos de região e regionalidade. Este dado, de certo modo, responde a um dos quesitos da avaliação no que se refere à inserção do Programa no cenário regional e nacional. 2. O Programa apresenta uma única área de concentração, cuja base é, entretanto, multidisciplinar. linhas de pesquisa sustentam o Programa: a) Literatura e Cultura Regional; b) Linguística e Cultura Regional; c) Região e Regionalidade. ) As linhas de Pesquisa estão bem elaboradas e são suficientemente abrangentes. A elas estão vinculadas as atividades docentes caracterizadas pelo elenco de disciplinas e pelos projetos de pesquisa em desenvolvimento.as linhas de pesquisa mantêm perfeita adequação aos objetivos do Programa. ) Há 1 professores cadastrados dos quais 1 integram o NRD6, embora fique claro que apenas começaram a atuar. Apontam-se os 1 participantes do corpo discente do mestrado (primeira entrada em julho de 2002) como sendo todos discente-autores. Entretanto esta "autoria" não aparece na produção científica, nem no quadro de orientações, nem em qualquer referência abrangente na Proposta do Programa. 1 de 6

2 II - Corpo Docente 1 Composição e atuação do corpo docente; vínculo institucional e dedicação. 2 Dimensão do NRD6 relativamente ao corpo docente. Atuação do NRD6 no Programa. Abrangência, especialização do NRD6 relativamente às Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa. Qualificação do NRD6. Intercâmbio ou renovação do corpo docente. Participação de outros docentes. 1. Todos os docentes possuem vínculo institucional e atuam com dedicação de 0 a 60% ao Programa. desses professores atuaram na docência da PG, mantendo também a docência de Graduação. Informa-se que o corpo docente é formado unicamente por professores "titulares", mas faltam dados que permitam avaliar o que caracteriza esta denominação dos 1 professores são apontados como participantes do NRD6, entretanto um professor sem qualquer atuação docente, na PG ou na G, e sem orientação declarada - nem sequer de IC - está caracterizado como pertencente ao NRD6.. Para um Programa cuja marca é a interdisciplinaridade, a composição do corpo docente é coerente a aponta professores de Línguística, 5 de Literatura, 1 de Sociologia, de Educação e 1 de Filosofia. Deste modo os diversos segmentos são contemplados. Quanto à qualificação, são todos Doutores e considerados Titulares. Qualificação complementar ao Doutorado(1) ; estágio Pós-Doutoral (1). Não são fornecidas informações sobre orientação, entretanto os projetos de pesquisa apontam a atividade de 2 discentes, o que comprova a inconsistência dos dados apresentados.. A proposta aponta vagamente para a possibilidade de intercâmbios, mas não explicita como isto se faz ou se fará, remetendo para a home-page da Universidade. No que se refere à participação de outros docentes, ela não está contemplada. III - Atividade de Pesquisa 1 Adequação e abrangência dos Projetos e Linhas de Pesquisa em relação às Áreas de Concentração. 2 Vínculo entre Linhas e Projetos de Pesquisa. Adequação da quantidade de Linhas e Projetos de Pesquisa em andamento em relação à dimensão e à qualificação do NRD6. Participação do corpo discente nos Projetos de Pesquisa. 5 Qualidade da definição e produtividade das linhas de pesquisa 6 Adequação do tempo de duração dos projetos 1. As Linhas de Pesquisa estão bem estruturadas e abrangem 18 projetos (dos quais 5 já concluídos) equitativamente distribuídos pelas três dominantes da área de concentração: 5 de Linguística, 7 de Literatura e 6 em Estudos históricos e sociológicos. Há portanto adequação e abrangência evidentes. Todas as linhas de pesquisa se vinculam à única área de concentração - ESTUDOS DE IDENTIDADE E CULTURA REGIONAL - que é de abrangência multidisciplinar. Note-se que a Proposta do Programa não assinalou resultados desses projetos concluídos. 2. Todos os projetos possuem vínculo com as Linhas de Pesquisa. Não há projetos isolados.. Todo o corpo docente está comprometido com projetos de pesquisa e em apenas dois casos professores participam de três projetos (que é o máximo desejável). O número de linhas é adequado ao número de docentes.. O relatório é bastante incoerente no fornecimento deste dado. Aponta uma participação de 2 discentes nos Projetos de Pesquisa; no entanto, no Cadastro de Docentes e nas Atividades de Formação não é computada nenhuma orientação. Não há qualquer referência à produção dos alunos de graduação. Há um reduzido investimento dos alunos de Mestrado na Pesquisa. 5. As Linhas de Pesquisa estão bem definidas, o que lhes dá coerência interna e justifica sua produtividade avaliada a partir do número de projetos que a elas se vinculam: 5 projetos em LINGUÍSTICA E CULTURA REGIONAL, dos quais já concluídos; 7 em andamento em LITERATURA E CULTURA REGIONAL e 6 em REGIÃO E REGIONALIDADE, dos quais dois já concluídos. Não há informações sobre resultados dos projetos concluídos. 6. Dos 18 projetos 5 foram concluídos e datavam de 98 e 99. Os que estão em andamento não ultrapassaram o prazo ideal (5 anos) 2 de 6

3 IV - Atividade de Formação 1 Adequação e abrangência da Estrutura Curricular relativamente à Proposta do Programa e às suas Áreas de Concentração. Adequação e abrangência das disciplinas ministradas em relação às Linhas e Projetos de Pesquisa. 2 Distribuição da carga letiva e carga horária média. Participação de outros docentes. Quantidade de orientadores do NRD6 relativamente à dimensão do corpo docente. Distribuição da orientação entre os docentes e número médio de orientandos por docente. Atividades letivas e de orientação nos cursos de graduação. 1.Constam da estrutura curricular 21 disciplinas das quais foram ministradas. Entretanto 18 delas já possuem indicação do nome do professor e da bibliografia, o que significa, talvez, que o projeto de implantação do Programa incluiu uma de previsão dos seus cursos para os primeiros semestres de funcionamento. As disciplinas mantêm coerentemente as características interdisciplinares da Área e as Linhas de Pesquisa. O elenco apresentado transita a maior parte do tempo por duas vertentes da área: linguística e cultura regional, literatura e cultura regional. 2. Apenas entre os 1 professores puderam participar da docência na PG. De qualquer modo, excetuando-se apenas um caso, todos os professores apresentaram atividades de docência na Graduação.. Não constam informações nos dados consolidados pelo sistema nem no Cadastro de Docentes.. Apenas um professor não indicou atuação na Graduação. Quanto às atividades de orientação, as informações são incongruentes. V - Corpo Discente 1 Dimensão do corpo discente em relação à dimensão do NRD6. 2 Número de orientandos em relação à dimensão do corpo discente. Número de titulados e proporção de desistências e abandonos em relação à dimensão do corpo discente. Número de discentes-autores da pós-graduação em relação à dimensão do corpo discente [e participação de discentes-autores da graduação]. 1. Ingressaram 1 alunos, o que é previsível no primeiro semestre de funcionamento. 2. 0,1% apenas estão inseridos nos projetos de pesquisa.. Curso recente, sem titulados. Não há registro de sua produção nem na Proposta nem na Produção intelectual VI - Teses e Dissertações 1 Vínculo das teses e dissertações com Áreas de Concentração e com Linhas e Projetos de Pesquisa; adequação ao nível dos cursos. 2 Tempo médio de titulação de bolsistas; tempo médio de bolsa. Relação entre os tempos médios de titulação de bolsistas e de não bolsistas. Número de titulados em relação à dimensão do NRD6. Participação de outros docentes. Qualificação das Bancas Examinadoras. Participação de membros externos. Não aplicável de 6

4 VII - Produção Intelectual 1 Adequação dos tipos de produção à Proposta do Programa e vínculo com as Áreas de Concentração, Linhas e Projetos de Pesquisa ou Teses e Dissertações. 2 Qualidade dos veículos ou meios de divulgação. Quantidade e regularidade em relação à dimensão do NRD6; distribuição da autoria entre os docentes. Autoria ou co-autoria de discentes. 5 Média de publicações do NRD6 no indicador 1 6 Média de publicações do NRD6 no indicador 2 1. Os títulos da produção bibliográfica apresentam adequação à Proposta do Programa. 2. Basicamente de veiculação local. Nenhuma publicação apresentada através de veículos de divulgação nacional ou internacional.. A produção docente não é expressiva na média. Três professores não apresentaram produção mo indicador 1 e dois deles não registraram qualquer tipo de produção.. O relatório aponta os trabalhos em co-autoria mas não apresenta nenhuma participação discente. Entretanto 100% dos discentes figuram como "discentes-autores". Essa inconsistência de dados não permite avaliação segura. 5. A média de um trabalho por ano por professor caracteriza o curso como bom. 6. O resultado de 1,5 trabalhos por professor por ano no indicador 2 é considerado fraco. Qualidade dos Dados Quesitos I Proposta do Programa II Corpo Docente III Atividade de Pesquisa IV Atividade de Formação V Corpo Discente VI Teses e Dissertações VII Produção Intelectual Qualidade dos Dados - Comentário Talvez a grande falha deste relatório esteja na redação da Proposta do Programa que deveria apresentar dados muito mais consistentes para a avaliação. Em se tratando de um programa recentíssimo, cuja primeira avaliação está sendo feita agora, a partir de seus 7 primeiros meses de atuação (informação a que só se tem acesso retroativamente através da Auto-Avaliação - P-PG-12), seria sobremaneira importante que o relatório oferecesse subsídios maiores que garantissem um desenho mais nítido do Programa. O Coordenador tem neste item a chance de poder tornar claras as idiossincrasias do Programa. Lacunar como está, o relatório reduz muitas vezes o trabalho do avaliador a uma observação meramente quantitativa. Aconselha-se que se observe com cuidado o documento PERFIL DA ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA e o tome como um roteiro eficiente para evitar futuras lacunas e dados inconsistentes. A parte mais bem elaborada da Proposta é a dos Objetivos do Programa. Não ficou clara na Proposta do Programa a forma de seleção dos candidatos ao mestrado. de 6

5 Conceito Quesitos I Proposta do Programa II Corpo Docente III IV V VI VII Atividade de Pesquisa Atividade de Formação Corpo Discente Teses e Dissertações Produção Intelectual Tendência Dominante: Justificativa Síntese Evolutiva Quesitos I Proposta do Programa Inadequado II Corpo Docente Inadequado III Atividade de Pesquisa Inadequado IV Atividade de Formação Inadequado V Corpo Discente Inadequado VI Teses e Dissertações Inadequado VII Produção Intelectual Inadequado Síntese Evolutiva - Comentário Curso novo. Não cabe síntese evolutiva Complementos Atividades em Cursos de Graduação Os professores - na sua quase totalidade - participam da docência de Graduação e esta é uma questão que o Programa aponta na sua proposta como forma de integração dos dois segmentos (PG e G). Também os alunos de Mestrado atuam em estágios de docência na Graduação sob a orientação de um professor responsável. Há indicação de que 2 alunos de Graduação participam de Projetos de Pesquisa, embora falte qualquer especificação sobre os resultados dessa atuação. Atividades de Extensão Não constam. Recomendações da Comissão ao Programa Reformular a apresentação dos dados que explicitam a Proposta do programa, no sentido de garantir espaço para uma melhor configuração do seu perfil e de dar maiores subsídios para avaliação: histórico detalhado, fluxograma comentado, critérios de seleção, critérios de atuação do orientador na PG. Correção dos dados incongruentes e inconsistentes apontados ao longo da avaliação Implementar a produção científica de docentes e discentes. Investir na atuação discente nos projetos de pesquisa. Informar claramente os resultados dos projetos concluídos. Comissão Recomenda Visita: Não Recomendação de Visita ao Programa Comissão Responsável pela Avaliação: ANTÔNIO DIMAS DE MORAES USP Coordenador(a) CÉLIA MARQUES TELLES DERMEVAL DA HORA OLIVEIRA ELISABETH BRAIT UFBA UFPB/J.P. PUC/SP 5 de 6

6 Comissão Responsável pela Avaliação: ENEIDA LEAL CUNHA IVETE LARA CAMARGOS WALTY JOSÉ NIRALDO DE FARIAS MARIA CÉLIA DE MORAES LEONEL MARIA DO SOCORRO SILVA DE ARAGÃO MARIA EMÍLIA BARCELLOS DA SILVA MARIA EUNICE MOREIRA MARIA JOSÉ RODRIGUES FARIA CORACINI MARIA LUCIA DE BARROS CAMARGO MARILENE WEINHARDT MILTON DO NASCIMENTO PEDRO BRUM SANTOS SANDRA GUARDINI TEIXEIRA VASCONCELOS SILVIA LÚCIA BIGONJAL BRAGGIO TERESA CRISTINA CERDEIRA DA SILVA UFBA PUC/MG UFAL UNESP UFPB/J.P. UFRJ PUC/RS UNICAMP UFSC UFPR PUC/MG UFSM USP UFG UFRJ 6 de 6

Ítens 1) Avaliação 2)

Ítens 1) Avaliação 2) Área de Avaliação: Período: 2001/2003 Área de Avaliação: Programa: Instituição: QUESITOS I - Proposta do Programa Ítens 1) Avaliação 2) 1 Coerência e consistência da Proposta do Programa. 2 Adequação e

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004 Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes Documento de Área: Ciências e Tecnologia de Alimentos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 18 - ODONTOLOGIA IES: 33003033 - UNICAMP/Pi - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS/PIRACICABA Programa: 33003033005P9 - RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA Modalidade:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2004 a 2006 Etapa: Trienal 2007 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 24009016 - UFCG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Programa: 24009016002P1 - ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Modalidade:

Leia mais

1 de 6 DOCUMENTO DE ÁREA. Capes. Avaliação da Pós-Graduação. Período de Avaliação: 2001/2003. Área de Avaliação: 11 - ARTES / MÚSICA

1 de 6 DOCUMENTO DE ÁREA. Capes. Avaliação da Pós-Graduação. Período de Avaliação: 2001/2003. Área de Avaliação: 11 - ARTES / MÚSICA Comitê de Avaliação - Consultores CELSO GIANNETTI LOUREIRO CHAVES - UFRGS (Representante de Área) MARIA HELENA WERNECK - UNIRIO SANDRA REY - UFRGS SONIA GOMES PEREIRA - UFRJ SERGIO COELHO BORGES FARIAS

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 32020015 - CEFET/MG - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECN. DE MINAS GERAIS Programa: 32020015004P3 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Capes Relatório do Acompanhamento Anual 2006 - Ano Base 2005 Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL

1 APRESENTAÇÃO. Capes Relatório do Acompanhamento Anual 2006 - Ano Base 2005 Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL 1 APRESENTAÇÃO O Serviço Social vem registrando, a partir dos anos 1990 e, mais especificamente nos anos recentes, um desenvolvimento significativo em relação às três dimensões da Profissão: dimensão acadêmica,

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias QUESITOS, INDICADORES E CRITÉRIOS PARA A AVALIAÇÃO TRIENAL DA GRANDE

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 41 - LETRAS / LINGUÍSTICA IES: 33002010 - USP - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa: 33002010113P9 - LETRAS (LÍNGUA ESPANHOLA E LIT. ESPANHOLA E HISPANO-

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDOS DA FGV DIREITO RIO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 01/014 PARA CREDENCIAMENTO DE DOCENTES PERMANENTES E COLABORADORES DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL INTERDISCIPLINAR EM CIÊNCIAS HUMANS, DA JEQUITINHONHA E MUCURI - UFVJM O Colegiado

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015

INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015 INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015 O Conselho do Programa de Pós-Graduação em Aquicultura aprova as Instruções

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 -

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 - PÓS-GRADUAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS MESTRADO - DOUTORADO CONCEITO 4 - CAPES REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008 Fortaleza-Ceará

Leia mais

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação:

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: A comissão se reuniu no período de 6 a 10 de agosto de 2007 na FINATEC, UNB, Brasília

Leia mais

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2013/CAPES)

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2013/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ARTES VISUAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTE E CULTURA VISUAL Edital 01/2015

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE NORMAS ESPECÍFICAS DA FEA SÃO PAULO I Taxas 1. Não serão cobradas taxas nos processos seletivos dos programas de pós-graduação desta Faculdade. 2. Não será cobrada dos alunos especiais taxa de matrícula

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Rubens Guilhemat, Secretário Geral do Centro Universitário Sant Anna, no uso de suas atribuições torna público o presente EDITAL que regerá o Processo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/FAPEMIG/FUCAMP 2015/2016 Edital Nº 01/2015 - Convocação de Projetos de Pesquisa para Bolsas de Iniciação Científica O Núcleo de

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 15 - MEDICINA I IES: 33009015 - UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Programa: 33009015045P8 - MEDICINA INTERNA E TERAPÊUTICA Modalidade: Acadêmico

Leia mais

(a) Os objetivos do sistema de avaliação continuada; (b) A comissão de acompanhamento; (c) Os pesos dos quesitos na Ficha de Avaliação ;

(a) Os objetivos do sistema de avaliação continuada; (b) A comissão de acompanhamento; (c) Os pesos dos quesitos na Ficha de Avaliação ; Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 ENGENHARIAS: I - Introdução QUÍMICA MATERIAIS METALÚRGICA MINAS NUCLEAR O objetivo deste documento é apresentar uma atualização dos procedimentos

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ENGENHARIA FLORESTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIC EDITAL N. º 01/2014 Convocação de Projetos de Pesquisa para Programa de Iniciação Científica Unitri A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão (PPPGE) torna público o presente Edital de âmbito

Leia mais

Resolução PG-Mec 1/2010

Resolução PG-Mec 1/2010 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (PG-Mec) Estabelece o Regimento do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Mecânica

Leia mais

PARTE A. O CS-CFC elaborará um relatório anual detalhado de suas atividades acadêmicas.

PARTE A. O CS-CFC elaborará um relatório anual detalhado de suas atividades acadêmicas. NORMAS DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS-CBPF/MCT ELABORADAS PELO COMITÊ SUPERVISOR DA COORDENAÇÃO DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA E APROVADA NA REUNIÃO DO CONSELHO TÉCNICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Instrução normativa Nº 003/2015 Define critérios para credenciamento e recredenciamento de Docentes como Docentes do Progrma no Programa de Pós- Graduação em Zootecnia. O Colegiado de Pós-graduação em

Leia mais

(adjunta de área) Profa. Dra. Claudia Mariz de Lyra Barroso Krause UFRJ, barroso-krause@proarq.ufrj.br

(adjunta de área) Profa. Dra. Claudia Mariz de Lyra Barroso Krause UFRJ, barroso-krause@proarq.ufrj.br Áreas básicas: Arquitetura e Urbanismo Desenho Industrial Comissão de Avaliação/Consultores: Profa. Dra. Anamaria de Moraes PUC-Rio, moraergo@design.puc-rio.br (representante de área) Profa. Dra. Vera

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Chamada Pública para PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

Chamada Pública para PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES Chamada Pública para PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 1. A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Psicologia, da Universidade de Fortaleza PPG-PSI / UNIFOR, informa a abertura

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica PPEE/UFJF EDITAL 001/2015

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica PPEE/UFJF EDITAL 001/2015 EDITAL 001/2015 PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD) DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA (PPEE-UFJF) EDITAL Nº 001/2015 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Arnaldo de França Caldas Jr (UFPE) Outubro 2011 OBJETIVOS Refletir sobre trajetórias, discutir

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP 1 NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOTECNIA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DA USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

1º O PIPG compreende as seguintes ações:

1º O PIPG compreende as seguintes ações: RESOLUÇÃO N o 005, de 25 de fevereiro de 2013. Regulamenta o Programa de Incentivo à Pós-Graduação Stricto Sensu (PIPG) da UFSJ. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS- DOUTORADO DA CAPES O Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional - PROFMAT, coordenado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA PROCESSO DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS À BOLSA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES)

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS DO CORPO DOCENTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQUICULTURA DO CENTRO DE AQÜICULTURA DA UNESP - CAUNESP DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-graduação em Aqüicultura do Centro de Aqüicultura da Unesp

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2010 a 2012 Etapa: Trienal 2013 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 42002010 - UFSM - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Programa: 42002010020P0 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas

Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO A coordenação do Programa

Leia mais

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 REITORIA Resolução Unesp-32, de 2-3-2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Aqüicultura, Cursos

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO RESOLUÇÃO 01/2014 PPGCS PG- Ciência do Solo CAV/UDESC Regulamenta os critérios de credenciamento, recredenciamento e descredenciamento de docentes no âmbito

Leia mais

Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4

Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO ICE- DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ORGÂNICA Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4 COORDENADORA: Profa. Dra. Rosane Nora

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA PÓS-DOUTORADO N.1/2015

EDITAL DE SELEÇÃO PARA PÓS-DOUTORADO N.1/2015 EDITAL DE SELEÇÃO PARA PÓS-DOUTORADO N.1/2015 PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS À BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PELO PNPD/CAPES, PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

EDITAL CPG/IE-Nº 01/2016

EDITAL CPG/IE-Nº 01/2016 EDITAL CPG/IE-Nº 01/2016 PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS DE MESTRADO E DOUTORADO DO INSTITUTO DE ECONOMIA 2016 1. INTRODUÇÃO 1.1. O Coordenador da Comissão de Pós-Graduação do Instituto de Economia da

Leia mais

CRÉDITOS MÍNIMOS. 1. Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 128 unidades de crédito, assim distribuídos:

CRÉDITOS MÍNIMOS. 1. Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 128 unidades de crédito, assim distribuídos: NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO, SANIDADE E BEM-ESTAR ANIMAL. (MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO) SELEÇÃO TURMA 2014/2015 EDITAL DPPG N. 09/2013 A DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO INTERNA Nº 03/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO INTERNA Nº 03/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO INTERNA Nº 03/2014 Aprova a Resolução Interna que regulamenta normas complementares para o trabalho da Comissão de Bolsas e Acompanhamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX EDITAL Nº 43 /2014 Segunda Chamada para seleção de bolsistas de Extensão para o período de 1º de junho de 2014 a 31

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR

EDITAL DE SELEÇÃO PARA PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PARA PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR Nº 07/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Diretor Acadêmico da Faculdade Adventista da Bahia FADBA, no uso de suas atribuições, torna pública a

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) 1. A Comissão

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização

PÓS-GRADUAÇÃO I. Objetivos II. Modalidades Pós Graduação Stricto Sensu: Pós Graduação Lato Sensu: Especialização PÓS-GRADUAÇÃO O Programa de Pós Graduação Lato Sensu da FAEC foi aprovado pela Resolução do CAS, ATA 001/08, de 12 de março de 2008 e será implantado a partir do primeiro semestre de 2010, após aprovação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 700/2009 Publicada no D.O.E. de 07-07-2009, p.16 Altera a Resolução nº 507/07 CONSU, que aprova o Regulamento de Monitorias

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99

RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 RESOLUÇÃO CONJUNTA CEG/CEPG N.º 01/99 Dispõe sobre a aplicação das Leis n. 9.394/96 e n. 9.678/98, a periodização do ano letivo, a caracterização das disciplinas e dos requisitos curriculares complementares,

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 32 - SERVIÇO SOCIAL IES: 33004072 - UNESP/FR - UNIVERSIDADE EST.PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO/FRANCA Programa: 33004072067P2 - SERVIÇO SOCIAL Modalidade:

Leia mais

EDITAL Nº03/2013 EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2013/CAPES)

EDITAL Nº03/2013 EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2013/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE/DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM-NÍVEL MESTRADO

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 50.nutr@capes.gov.br DOCUMENTOS DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSAO PRO-TEMPORE DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO Profa. Mônica Regina Marques Palermo de Aguiar Coordenador Prof. Marcos Antonio da Silva Costa Coordenador Adjunto

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM FÍSICA

CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM FÍSICA CURSO DE MESTRADO E DOUTORADO EM FÍSICA Áreas de Concentração: Física da Matéria Condensada e Física das Partículas Elementares e Campos Aprovado pela Resolução CONSEPE Nº 770/2010 de 30/06/2010. EDITAL

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO FACULDADE DE MEDICINA - CCS Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO PROF. Grupo I - Ensino de Graduação e Pós-Graduação (Até 50 pontos) Mínimo

Leia mais

Apresentação. Sejam bem-vindos! Lúcia Velloso Maurício Coordenadora Márcia Soares de Alvarenga Coordenadora Adjunta

Apresentação. Sejam bem-vindos! Lúcia Velloso Maurício Coordenadora Márcia Soares de Alvarenga Coordenadora Adjunta Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Programa de Pós-Graduação em Educação: Processos formativos e desigualdades sociais Manual do Mestrando 1 Apresentação Este

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE

CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO DA FASETE - CEPEX REGULAMENTO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FASETE PROICSETE RESOLUÇÃO CONSUP Nº 010/2005 PAULO AFONSO-BA Setembro de 2015 1 APRESENTAÇÃO A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA, TÉCNICA E TECNOLÓGICA Edital nº 19, de 27 de abril

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2010 a 2012 Etapa: Trienal 2013 Área de : 38 - EDUCAÇÃO IES: 40014010 - UNICENTRO - UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE Programa: 40014010009P1 - Educação Modalidade:

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

DOCUMENTO DE ÁREA. Área de Avaliação: 35 - ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA

DOCUMENTO DE ÁREA. Área de Avaliação: 35 - ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA Período de Avaliação: 1998/2000 Área de Avaliação: 35 - ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA ( ÁREA FINALIZADA ) CAPES - AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO BIÊNIO: 1998-2000 ÁREA: ANTROPOLOGIA Comissão: Giralda Seyferth

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA

EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA EDITAL 009/2015 INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX-VITÓRIA Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE BRASILEIRA MULTIVIX-Vitória,

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99)

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99) DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de especialistas de Fonoaudiologia-CEEFONO Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação

Leia mais