MATEM TODOS OS AMERICANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATEM TODOS OS AMERICANOS"

Transcrição

1 CAPÍTULO 15 MATEM TODOS OS AMERICANOS Em d e z e m b r o d e 1930, o s t r a b a l h a d o r e s t e r m i n a r a m a p i n t u r a d o l o g o da Ford no marco que até hoje distingue Fordlândia: sua torre de 50 metros e a cisterna de 570 mil litros. Quando se olha do convés de um vapor fluvial, escreveu Ogden Pierrot, adido comercial assistente que servia na embaixada dos EUA no Rio, em sua viagem à Fordlândia, as imponentes estruturas da seção industrial da cidade, com o tremendo tanque de água e a chaminé da usina de força, atraem os olhos e geram verdadeira admiração. Ele prosseguiu: Isto não é incomum quando se considera que, por vários dias, os únicos sinais de vida que aliviavam a monotonia da viagem eram assentamentos ocasionais consistindo em duas ou três cabanas cobertas de palha contra um fundo de selva verde. Um sentimento semelhante à descrença domina o visitante quando vê de repente, projetado à sua frente, um quadro que pode ser considerado uma miniatura de uma cidade industrial moderna. Chaminés expelindo uma pesada nuvem formada por restos de madeira usados como combustível, uma locomotiva fumegante à frente de vagões carregados de maquinário acabado de chegar dos Estados Unidos, guindastes executando suas voltas infindáveis para retirar cargas pesadas de balsas atracadas na longa doca, tratores pesados se arrastando pelos morros implementos para soltar e nivelar a terra, outros puxando cabos esticados presos a troncos de tremendas proporções tudo se combina e aumenta o espanto causado nos visitantes que desconhecem este distrito, que não tinham ideia do que foi realizado no breve espaço de pouco mais de dois anos. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:30

2 226 FORDLÂNDIA Grandeza industrial: turbina da usina da Fordlândia. Grande parte da tubulação que forneceria água encanada à cidade estava com sua conclusão programada para o ano seguinte. Mas, com a aproximação do Natal, os trabalhadores aparafusaram à torre um item que nada tinha a ver com água. 1 Os c o m p r a d o r e s d e Dearborn tiveram algum trabalho para encontrar um apito de fábrica que não enferrujasse com a umidade da selva. Quando encontraram, enviaram-no à Fordlândia, onde foi instalado no alto da torre de água, acima das árvores altas, dando-lhe um alcance de mais de 11 quilômetros. O apito era agudo o suficiente não só para alcançar grupos dispersos no campo, mas também para ser ouvido no outro lado do rio, onde até mesmo as pessoas não ligadas à Fordlândia começaram a medir seus dias por seus toques regulares. O apito era suplementado por outro ícone do trabalho industrial nas fábricas: relógios de ponto, colocados em diferentes locais pela plantação, que registravam exatamente quando cada funcionário iniciava e terminava seu dia de trabalho. 2 Em Detroit, os trabalhadores imigrantes, mesmo que fossem camponeses e pastores, tiveram uma ampla oportunidade de se adaptarem ao medidor da vida industrial ao chegarem às fábricas da Ford. As longas filas em Ellis Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:30

3 MATEM TODOS OS AMERICANOS 227 Island, os relógios pendurados nas paredes de depósitos e salas de espera, os horários relativamente precisos de navios e trens e o tempo padronizado dividiam o arco diário do sol em zonas combinadas para orientar seus movimentos e mudar seu senso interior de como os dias se passavam. Mas na Amazônia a transição entre tempo agrícola e tempo industrial era muito mais súbita. Antes de chegar à Fordlândia, muitos trabalhadores da plantação que haviam vivido na região fixaram seu ritmo por dois relógios distintos, mas complementares. O primeiro era o sol, com sua ascensão e queda marcando o início e o fim do dia, seu ápice sinalizando a hora de ir para a sombra e dormir. O segundo era a alternância das estações: a maior parte do trabalho necessário à sobrevivência era feita durante os meses relativamente secos de junho a novembro. Os dias sem chuva possibilitavam a extração do látex, enquanto a recessão das enchentes expunha solos recémenriquecidos, prontos para o plantio, e concentrava os peixes, tornando sua pesca mais fácil. Mas nada estava escrito em pedra. Chuva excessiva ou períodos prolongados de seca ou calor levavam a ajustes nas programações. Antes da vinda da Ford, os trabalhadores do Tapajós viviam o tempo, não o mediam em sua maioria, nunca ouviram sinos de igreja e muito menos um apito de fábrica. Portanto era difícil, como disse David Riker, que executava muitos trabalhos para a Ford, inclusive recrutamento de mão de obra, transformar essas pessoas em máquinas de 365 dias. 3 Já os gerentes e supervisores da Fordlândia eram em sua maioria engenheiros, precisos na medição de tempos e movimentos. Uma das primeiras coisas que os americanos fizeram foi acertar seus relógios ao horário de Detroit, no qual a Fordlândia permanece até hoje (em Santarém, nas proximidades, é uma hora mais cedo). * Eles coçavam a cabeça quando se confrontavam com trabalhadores que rotineiramente descreviam como preguiçosos. A filha de Archie Weeks se lembra de seu pai jogando o chapéu de palha no chão mais de uma vez em sinal de frustração. Com um decidido senso de propósito que contrariava os ritmos da vida no Tapajós (David Riker costumava dizer que no vale pressa era uma palavra obscena ), orgulhosamente ligados a uma empresa conhecida por sua eficiência integrada de vanguarda, os homens da Ford tendiam a tratar os brasileiros como instrumentos, chamando- * O Brasil resistiu por mais de uma década a um acordo internacional que fixaria o meridiano de Greenwich como base para o reconhecimento das zonas internacionais, preferindo usar suas próprias coordenadas para padronizar o tempo. O país mudou sua posição em 1913 e aceitou a hora de Greenwich, embora a maior parte das regiões do interior, em especial aquelas sem ferrovias como a Amazônia, tenha continuado a manter o tempo de Deus. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:30

4 228 FORDLÂNDIA os por esse nome. Matt Mulrooney dava apelidos aos seus homens. Este sujeito eu chamei de Telefone. Quando queria enviar uma mensagem ou uma ordem lá para a frente, eu apenas gritava Telefone! e ele aparecia. 4 E eles usavam a si mesmos como padrões para medir o valor dos trabalhadores brasileiros. Dois dos nossos carregaram facilmente alguns troncos que doze brasileiros não pareciam capazes de aguentar, observou um funcionário de Dearborn no final de Aquilo que um homem podia fazer em um dia em Dearborn levaria três dias para ser feito por alguém daqui. 5 Afinal, aqueles gerentes e supervisores americanos trabalhavam para um homem cuja obsessão com o tempo era muito anterior a seu impulso para eliminar movimentos perdidos e afrouxamento no dia de trabalho, dividindo o trabalho necessário à construção do Modelo T em tarefas sempre menores: 7.882, para ser exato, de acordo com cálculos do próprio Ford. Quando era criança, Ford desmontava e remontava regularmente relógios de pulso e de parede ou mesa. Na casa de Ford, lembrou um antigo vizinho, todos os relógios tremiam quando o viam chegando. Ele até inventou um relógio de dupla face, uma para mostrar o tempo solar e a outra a hora de Chicago isto é, o tempo padrão central. Aos 13 anos, quando sua mãe morreu no parto do seu nono filho, Henry depois descreveu sua casa após aquela morte como um relógio sem a mola mestra. 6 Homens em fila para receber o pagamento. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

5 MATEM TODOS OS AMERICANOS 229 Distintivo de um trabalhador, mostrando o ideal da Fordlândia. Ele também sabia que tentativas de mudar a medição do tempo poderiam provocar resistência mais uma vez, muito tempo antes ele havia enfrentado a oposição dos funcionários à aceleração da sua linha de montagem. Ford tinha 22 anos quando, em 1855, a maioria da população de Detroit recusou-se a obedecer a uma lei municipal para promover a unificação do tempo, que foi o nome da campanha para conseguir que os Estados Unidos aceitassem o meridiano de Greenwich como padrão universal. De acordo com o Chicago Daily, houve uma confusão considerável, uma vez que Detroit mostrou seu conservadorismo de sempre, recusando-se a adotar o Horário Padrão. Foram necessárias mais que duas décadas para que a cidade abandonasse o horário solar e atrasasse seus relógios 28 minutos e 51 segundos para se harmonizar com Chicago e o restante do Meio-Oeste (a cidade mudaria para a hora padrão do Leste em 1915, tanto para ter mais horas de luz solar quanto para sincronizar suas fábricas com os bancos de Nova York). 7 Na Fordlândia, o controle industrial implicava uma série de outras iniciativas além de apitos e relógios de ponto. O pagamento bimensal de salários, baseado nos cartões de ponto, era a mais óbvia, assim como uma concepção Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

6 230 FORDLÂNDIA do dia de trabalho que fazia o mínimo possível de concessões para o clima, mantendo os trabalhadores no relógio quando a chuva caía a cântaros e a temperatura passava dos quarenta graus. O esforço para racionalizar a vida chegou aos mínimos detalhes do dia do trabalhador. Como em Dearborn, exigia-se que os empregados da plantação usassem um distintivo de metal da Ford, com seu número de registro gravado e um panorama que incluía um complexo industrial, um avião, dois navios (Ormoc e Farge?) e uma torre de água. Os trabalhadores que limpavam a selva e cuidavam das seringueiras jovens muitas vezes tiravam as camisas no calor e assim prendiam seus distintivos às fivelas dos cintos. O custo de um distintivo perdido era deduzido do salário. O controle se estendia à higiene e à saúde. A empresa exigia que os trabalhadores se submetessem à coleta de amostras de sangue para exames de doenças e vacinações contra varíola, febre amarela, febre tifoide e difteria. Quando os trabalhadores se dirigiam aos relógios de ponto no fim do dia, eram esperados por funcionários da equipe médica, que lhes davam seus comprimidos diários de quinino. Muitas vezes relutavam em tomá-las, pois a alta dosagem prescrita pelos médicos da Ford provocava náuseas, vômitos, dores de estômago, erupções cutâneas e pesadelos. Ocultando os comprimidos sob a língua, os trabalhadores, uma vez fora de vista, competiam para ver quem conseguia cuspi-lo mais longe. Os médicos da plantação também insistiam que todos os trabalhadores tomassem quenopódio contra parasitas, sem examiná-los para saber se o medicamento era necessário. Os americanos acham que todos nós estamos cheios de vermes, diziam eles. 8 Ao amanhecer, quando o apito tocava pela primeira vez chamando os trabalhadores para seus postos, a Fordlândia quase sempre ainda estava envolvida pela neblina. Seus gerentes em pouco tempo aprenderam que a neblina que flutuava no Tapajós pela manhã acelerava a disseminação dos fungos que destruíam as seringueiras. Contudo, naqueles primeiros dias, antes do ressecamento das árvores, eles achavam a neblina linda, em especial quando se misturava aos primeiros raios de luz através das árvores. As colinas ondulantes e os vazios na área plantada não mais pareciam uma terra devastada, pois mais de oito mil metros quadrados de seringueiras de um metro e oitenta de altura, alinhadas em filas perfeitas, começaram a mostrar jovens copas de folhas. A propriedade era especialmente encantadora em torno do complexo dos americanos. A fileira de casas, apesar de ficar a quase dois mil e quinhentos metros da doca, situava-se numa elevação acima de uma curva Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

7 MATEM TODOS OS AMERICANOS 231 do Tapajós e dava aos moradores uma vista panorâmica do largo rio. Atrás das casas, como um divisor para o resto da plantação, Archie Weeks deixara uma faixa de floresta, criando o que os moradores chamavam de parque da natureza. Com a maior parte dos perigos da selva eliminados, era mais fácil contemplar seus prazeres. Trilhas limpas com rastelos, folhas em decomposição que normalmente cobrem o solo da floresta se misturavam com samambaias, palmeiras, cedros falsos e paineiras enfeitadas com trepadeiras, bromélias, begônias e outras flores tropicais; grandes borboletas voavam sobre as flores, suas asas com brilhos azuis e negros. E naquele mês de dezembro Dearborn tinha enviado uma dúzia de pinheiros vivos, a serem usados como árvores de Natal nas casas americanas, para que seus saudosos funcionários pudessem ter uma verdadeira festa americana. Aos poucos, antes que o soar do segundo apito sinalizasse o início oficial do dia, os sons matinais da floresta davam lugar ao ruído de famílias que despertavam, mulheres ralando mandioca e a conversa, inicialmente baixa e depois alegre, dos homens que se reuniam. Vinham em sua maioria dos dormitórios dos solteiros ou do assentamento da plantação. Mas muitos vinham da margem oposta do rio, os remos de suas canoas espalhando água, lâmpadas a querosene perfurando a neblina espessa e ajudando-os a navegar, como fazia um assobio ocasional caso um se desviasse do curso. Outros caminhavam de Pau d Água ou de um dos outros pequenos assentamentos nos limites da plantação que até então resistiram às tentativas da empresa de comprá-los ou fechá-los, continuando a proporcionar certa autonomia noturna aos trabalhadores da Fordlândia. Cartões de ponto eram batidos, ignições ligadas, instruções dadas e o dia de trabalho começava. Então, no final de 1930, parecia que a Fordlândia tinha superado seu começo difícil e se estabilizado numa rotina viável. A maior parte das instalações físicas estava construída e equipes trabalhavam na selva, limpando mais terras, plantando mais seringueiras e construindo mais estradas. John Rogge, nomeado gerente depois de seu retorno do alto Tapajós e da repentina partida de Victor Perini, providenciara para que um suprimento constante de sementes fosse enviado da reserva dos mundurukus. Rogge também havia enviado David Riker ao alto Amazonas, até o Acre, no extremo oeste do Brasil, para garantir mais sementes, algumas das quais tinham chegado e sido plantadas. Equipes de saneamento ainda policiavam as acomodações da plantação onde viviam os trabalhadores com famílias, inspecionando latrinas e cozinhas e certificando-se de que as roupas lavadas estavam penduradas de maneira adequada, o lixo sendo disposto de forma higiênica e os currais Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

8 232 FORDLÂNDIA mantidos secos, bem drenados e sem fezes. Mas os gerentes estavam muito ocupados mantendo em operação a plantação e a serraria e assim, em sua maioria, desistiram de insistir que todos os funcionários solteiros vivessem dentro da propriedade, embora tentassem forçar os trabalhadores solteiros a almoçar e jantar no recém-construído refeitório da empresa. A administração também pouco fez, nos primeiros anos, para promover entretenimento para seus funcionários. Para a maioria deles, o dia de trabalho terminava às três da tarde. Além do jantar, não havia muito o que fazer para os solteiros, a não ser ir até os bares e bordéis que cercavam a plantação, onde podiam comer e beber o que quisessem e pagar por sexo, se gostassem. Aos domingos, pequenos comerciantes de comunidades próximas chegavam em canoas, barcos a vapor e veleiros, ainda amplamente usados na época, montando um agitado mercado na margem do rio, vendendo frutas, verduras, carne, aviamentos, roupas e livros. As greves, lutas com facas e levantes que marcaram os dois primeiros anos da Fordlândia desapareceram e durante todo o ano de 1930 não houve incidentes importantes. Rogge concluiu que o destacamento de soldados armados que ficara estacionado na plantação desde o levante de 1928 não era mais necessário. O relatório de fim de ano da Fordlândia, compilado no início de dezembro de 1930, elogiava, se não a ética, a docilidade dos trabalhadores brasileiros, que não se ressentem do fato de serem supervisionados por homens de outras nacionalidades. Contudo, Rogge mantinha de prontidão um rebocador e uma lancha não na doca principal, mas rio acima, acessíveis por uma trilha que saía da vila americana. A c o n f u s ã o c o m e ç o u no novo refeitório, uma estrutura semelhante à de um armazém, inaugurada apenas algumas semanas antes. Para fazer cumprir o regulamento pelo qual os trabalhadores solteiros tinham de fazer suas refeições na plantação tanto para desencorajar a frequência a bares e bordéis quanto para incentivar uma dieta saudável, Rogge, de volta de férias de quatro meses, decidiu, depois de consultar Dearborn, que o custo das refeições seria deduzido automaticamente dos pagamentos bimestrais. O novo sistema entrou em vigor em meados de dezembro. Os trabalhadores comuns se sentavam de um lado do salão, os artesãos qualificados e supervisores do outro; ambos eram servidos por garçons. Os trabalhadores reclamaram de receberem uma dieta estabelecida por Henry Ford, consistindo em farinha de aveia e pêssegos enlatados importados de Michigan para Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

9 MATEM TODOS OS AMERICANOS 233 o desjejum e arroz integral e pão de trigo integral para o jantar. E eles não gostaram das deduções automáticas do pagamento, que significavam que não podiam gastar seu dinheiro onde quisessem. Também significava que eles tinham de formar fila fora do refeitório para que funcionários do escritório pudessem registrar a frequência, anotando os números dos distintivos em seus livros. Mas o arranjo parecia estar dando certo. Então, em 20 de dezembro, Chester Coleman chegou à plantação para inspecionar as cozinhas. Antes mesmo de passar um dia na Fordlândia, sugeriu que o serviço de garçons fosse eliminado. Recém-chegado do seu cargo de supervisor em River Rouge, com todas as linhas de montagem e correias transportadoras, Coleman propôs que todos os homens fizessem fila para receber os alimentos, ao estilo de cafeterias. Rogge concordou e a mudança entrou em vigor no dia 22. Rogge também encarregou o impopular Kaj Ostenfeld, que trabalhava com a folha de pagamento, de deduzir o custo das refeições dos salários dos trabalhadores e de se certificar de que o plano funcionasse sem problemas. O pessoal de Dearborn acreditava que Ostenfeld fosse um homem de honestidade inquestionável, embora achassem que ele poderia ser mais refinado e sugerissem que em algum ponto ele voltasse a Detroit para desenvolvimento adicional. Havia muito que os trabalhadores estavam insatisfeitos com seus modos condescendentes e provocativos. 9 Durante cerca de uma hora, oitocentos homens entraram e saíram sem problemas. Mas Ostenfeld ouviu alguns mecânicos qualificados e supervisores reclamarem. Quando vieram do trabalho, disse ele, eles esperavam se sentar à mesa e serem servidos pelos garçons e não serem obrigados a esperar em fila e comer com os trabalhadores comuns. À medida que crescia a fila, as reclamações ficaram mais fortes. Não somos cães, protestou alguém, para que a empresa nos ordene para comer desta maneira. O calor sufocante não ajudava em nada. O antigo refeitório tinha teto de palha e as paredes eram abertas até a metade; apesar da aparência rústica, era bem ventilado. O novo era de concreto, com um teto baixo feito de amianto, piche e metal galvanizado que retinha o calor, transformando o prédio em um forno. 10 Os cozinheiros tinham problemas para manter o fluxo de comida e os escriturários levavam tempo demais para anotar os números dos distintivos. Lá fora, os trabalhadores empurravam, tentando entrar. Dentro, aqueles que esperavam pela comida se juntavam em torno dos atribulados servidores, que não conseguiam colocar o arroz com peixe nos pratos com rapidez suficiente. Foi então que Manuel Caetano de Jesus, um pedreiro de 35 anos do estado do Rio Grande do Norte, forçou sua entrada no refeitório e enfren- Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

10 234 FORDLÂNDIA tou Ostenfeld. Já havia uma animosidade entre os dois, de encontros passados, e, à medida que a discussão entre eles se acalorava, trabalhadores com roupas sujas, chapéus de palha e com o cheiro de um árduo dia de trabalho se amontoavam em volta. Ostenfeld conhecia um pouco de português, de seu emprego anterior na concessionária Ford do Rio, mas isso não significava que entendesse Jesus, que provavelmente falava depressa com o sotaque da classe trabalhadora do norte do Brasil. Muitas vezes os homens da Ford sabiam pouco português, o que podia ser perigoso, criando situações em que ambas as partes poderiam facilmente interpretar estupidez como hostilidade. De qualquer maneira, Ostenfeld entendeu o que significava quando de Jesus tirou seu distintivo e lhe entregou. Ostenfeld riu. Como declarou mais tarde sobre Jesus, era como se ele estivesse se divertindo à minha custa, coisa que enfureceu os homens que estavam próximos, acompanhando a discussão. Ostenfeld mandou Jesus voltar para a multidão e disse: Tenho feito tudo por você; agora você pode fazer o resto. 11 A reação foi furiosa, lembrou um observador, como atear fogo a gasolina. O terrível barulho de panelas, copos, pratos, pias, mesas e cadeiras sendo quebradas serviu de alarme, chamando mais homens para o refeitório, armados com facas, pedras, canos, martelos, facões e porretes. Ostenfeld, juntamente com Coleman, que havia presenciado toda a cena sem saber nada de português, pulou em um caminhão para fugir. Enquanto se apressavam para contar a Rogge o que estava acontecendo, ouviram alguém gritar: Vamos quebrar tudo e apanhar Ostenfeld. Com Ostenfeld em fuga, a multidão ficou enlouquecida. Depois de demolir o refeitório, destruíram tudo que pudesse ser quebrado que estivesse no seu caminho, o que os levou ao prédio do escritório, à usina de força, à serraria, à garagem, à estação de rádio e ao prédio da recepção. Cortaram as luzes do resto da plantação, quebraram janelas, atiraram uma carga de caminhão de carne no rio e inutilizaram medidores de pressão. Um grupo de homens tentou arrancar os pilares do píer, enquanto outros atearam fogo à oficina, queimaram arquivos da empresa e saquearam o depósito. Em seguida, os desordeiros voltaram os olhos para as coisas mais intimamente associadas a Ford, destruindo todos os caminhões, tratores e carros da plantação. Para-brisas e faróis foram espatifados, tanques de gasolina perfurados e pneus cortados. Vários caminhões foram empurrados para dentro de valas e pelo menos um foi jogado no Tapajós. Depois eles se voltaram para os relógios de ponto e os despedaçaram. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

11 MATEM TODOS OS AMERICANOS 235 Relógio de ponto destruído. Um grupo se separou e foi até Pau d Água para conseguir bebidas, enquanto outro correu para incitar outros manifestantes. Sem saber o que estava acontecendo, Archie Weeks quase atropelou um grupo de homens armados de porretes e facas. Girou todo o volante e acelerou, mas não conseguiu evitar uma chuva de pedras que arrebentaram seu vidro traseiro. Ganhando alguma distância, Archie escondeu o carro e foi a pé para onde viviam os americanos. Ao saber da rebelião, Rogge, que se preparava para jantar em sua casa no complexo dos americanos, despachou um brasileiro de confiança para telegrafar a Belém pedindo reforços antes que a multidão chegasse ao rádio. Em seguida, ordenou que Curtis Pringle, então encarregado da plantação de seringueiras na Fordlândia, evacuasse a maioria dos americanos da propriedade, em especial as mulheres, que estavam muito nervosas. Alguns fugiram na lancha que Rogge mantinha de prontidão. Outros se valeram de todos os meios de transporte, como canoas, barcos a motor, cavalos etc. Rogge, com o restante do seu pessoal, foi ao encontro de um grupo de cerca de quarenta trabalhadores que avançavam para as casas dos americanos. Quais são suas queixas?, perguntou ele. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

12 236 FORDLÂNDIA Somos mecânicos, pedreiros e carpinteiros, não garçons, responderam eles. Rogge disse que lhes dava razão e prometeu resolver o problema, mas somente se eles acalmassem seus colegas. Mas os homens enviados em busca de bebidas tinham retornado e o motim estava em pleno andamento. Quando Rogge ouviu um grupo de trabalhadores bêbados cantando O Brasil para os brasileiros. Matem todos os americanos, decidiu que era hora de sair. Ordenou que seus homens fossem para o rebocador, mas David Riker, que tinha acabado de voltar do Acre, e Archie Weeks ficaram isolados da rota de fuga. Correndo para a selva, esconderam-se por dois dias enquanto continuava o tumulto. 12 Rogge e o resto de seu pessoal chegaram em segurança ao barco e passaram a noite ancorados no meio do Tapajós. Enquanto as ondas do rio batiam contra o casco, o tremendo barulho que sinalizava a destruição da Fordlândia continuou manhã adentro. O l e va n t e d a Fo r d l â n d i a foi uma consequência da revolução que havia abalado o Brasil alguns meses antes e conduzido Getúlio Vargas ao poder. A ascensão de Vargas se deu relativamente sem derramamento de sangue, mas a comoção gerada por sua insurreição gerou a sensação de que as velhas regras não mais valiam e as antigas hierarquias não precisavam mais ser respeitadas. Nas semanas anteriores ao levante de dezembro, vários membros da equipe da Fordlândia falaram da atmosfera carregada que envolvia a plantação provavelmente o motivo para Rogge manter um rebocador de prontidão. Alguns radicais entre os trabalhadores qualificados, escreveu James Kennedy, agente da Fordlândia em Belém, interpretaram erroneamente o sucesso da revolução em todo o Brasil, que ocorreu em outubro, e começaram a promover agitações contra tudo que pertencesse a estrangeiros. Trabalhadores chegaram a içar bandeiras vermelhas sobre seus dormitórios. Mas não há dúvida de que a ascensão de Vargas salvou a Fordlândia, porque o homem por ele nomeado para substituir Eurico de Freitas Valle no governo do Pará concordou imediatamente em dar a ajuda que fosse necessária à retomada da plantação. O levante começou numa segunda-feira e naquela noite Kennedy telegrafou para John Trippe, o lendário fundador da Pan American Airways, em seu escritório em Nova York, para lhe contar que a Fordlândia estava em poder da multidão. Trippe havia estabelecido recentemente uma linha entre Belém e Manaus, com uma escala postal e para reabastecimento em Santarém, Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

13 MATEM TODOS OS AMERICANOS 237 e Kennedy perguntou se um dos aviões poderia transportá-lo até a plantação com alguns soldados. Se não fossem logo para lá, alertou Kennedy, o lugar seria uma ruína total em 24 horas. Trippe concordou imediatamente. Na manhã seguinte, terça-feira, Kennedy, tendo conseguido um destacamento militar da base local do exército, embarcou em um hidroplano Sikorsky juntamente com o tenente Ismaelino Castro e três soldados armados, decolando de Belém. O avião levou cerca de sete horas para chegar à área e quando amerrissou no início da tarde, diante da cidade de Aveiros, pouco abaixo da Fordlândia, Kennedy e Castro foram recebidos por Rogge e alguns outros americanos (o restante tinha fugido para Santarém). Kennedy e o tenente decidiram passar a noite em Aveiros e viajar para Fordlândia no dia seguinte. Pela manhã, ficaram sabendo que a plantação estava silenciosa. Mas no mesmo dia moradores irados de Pau d Água e outras aldeias na periferia da Fordlândia marcharam para o escritório da propriedade com armas de fogo e facões. Irritados com os esforços da empresa para expulsá-los, talvez tenham sido incitados por Francisco Franco, que depois da saída de Oxholm desenvolveu um relacionamento cada vez mais antagônico com a Fordlândia, agravado pelas tentativas de Kennedy de forçá-lo a vender sua propriedade em Pau d Água. Kennedy e Castro ordenaram ao piloto do Sikorsky que fizesse voos rasantes para dispersar os manifestantes, eliminando a ameaça. Em seguida, o avião desceu no Tapajós e foi até a doca da Fordlândia. A calma parecia restabelecida, mas Castro e seus homens desembarcaram sozinhos, dizendo a Kennedy que esperasse a bordo. 13 Uma delegação nomeada pelos trabalhadores recebeu o tenente com uma lista de reclamações que eles queriam que fosse apresentada à empresa. No topo da lista estava a exigência da demissão de Ostenfeld. O restante das reclamações estava mais ligado ao direito à livre movimentação. Os trabalhadores exigiam comer o que quisessem e onde quisessem. Estavam cansados de comer pão de trigo integral e arroz integral por motivos de saúde, segundo as instruções de Henry Ford. Queriam poder frequentar os bares e restaurantes que surgiram em torno da plantação e entrar em embarcações, presumivelmente para comprar bebidas, sem precisar de permissão. Os solteiros reclamaram de cinquenta serem amontoados em um dormitório. 14 Nas semanas subsequentes à revolta, os jornais regionais publicaram reportagens contendo outras críticas aos gerentes da plantação. Manuel Caetano de Jesus, o pedreiro acusado de ser o instigador da rebelião, contou ao Estado do Pará que os trabalhadores detestavam os relógios de ponto, não só Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

14 238 FORDLÂNDIA porque não estavam acostumados com aquele tipo de controle, mas também porque os relógios ficaram longe demais de seus postos de trabalho, tornando difícil marcar o ponto, como era exigido, sob pena de perder salários. Mario Pinheiro do Nascimento reclamou não só de a comida lhe ser cobrada, o que não fazia parte do acordo quando ele foi contratado, mas também da má qualidade da comida em si. O pessoal da cozinha, disse ele, com frequência servia peixe estragado, inadequado até para um cão mantido sem alimentos por três dias. 15 Outros reclamaram que nos dias de pagamento a empresa, dependente de remessas de dinheiro de Belém, muitas vezes ficava sem caixa. Assim, entregava vales. Mas, se um trabalhador tentasse sair, a empresa dificultava a troca dos vales por dinheiro. O hospital e a equipe médica tinham feito muito para melhorar as condições de saúde dos moradores da Fordlândia. Porém, a taxa de mortalidade permanecia alta devido ao beribéri e outras febres desconhecidas para aqueles que trabalhavam na periferia da propriedade construindo estradas, colhendo folhas de palma para telhados e madeira ou limpando a floresta para plantar mais seringueiras. As surucucus continuavam a picar as mãos dos trabalhadores quando eles limpavam os arbustos da floresta. * Outros mencionaram as condições de pouco espaço, ter de trabalhar sob chuva ou as idas obrigatórias ao hospital sem razões nem explicações. 16 Ford se opunha visceralmente à ideia de representação coletiva dos trabalhadores; certa vez chamou os sindicatos de pior coisa que jamais golpeou a terra. E à medida que os sindicatos conquistavam força e popularidade ele acrescentava líderes trabalhistas à sua galeria de inimigos. Na ocasião da revolta de 1930, Ford podia alegar uma série de vitórias contra campanhas lideradas pela organização militante Industrial Workers of the World e pela Carriage, Wagon, and Automobile Workers Union, filiada à AFL. E não aceitaria nada menos que isso na Amazônia. Os homens que enviou ao Brasil, juntamente com seus supervisores em Dearborn, eram bem versados no modo de pensar do patrão quando se tratava de inquietação trabalhista e aceitavam como artigo de fé que, como Sorensen lembrava repetidamente à * Esta cobra está entre as mais letais do mundo. Seu nome em latim, Lachesis muta muta, deriva de Láquesis, uma das três Parcas, na mitologia grega, que decide o destino de cada um, e pode ser traduzido como a que traz a morte silenciosa à noite, uma vez que, embora vibre a cauda antes do bote, ela não tem chocalho. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

15 MATEM TODOS OS AMERICANOS 239 gerência da Fordlândia, a empresa não permitiria que grevistas ditassem como nosso negócio deve ser dirigido. Assim, Kennedy disse ao tenente Castro que não iria atender às demandas dos grevistas em nenhuma circunstância. De fato, ele decidiu usar a oportunidade apresentada pela baderna para, nas palavras de Matt Mulrooney, limpar a casa. Telegrafou a José Antunes, proprietário do barco Zeantunes, que estava em Belém esperando para trazer para a Fordlândia uma carga de produtos chegados recentemente de Nova York, juntamente com duzentos funcionários recém-contratados. Kennedy lhe disse para descarregar o barco, dispensar os trabalhadores e ir ao Bank of London para fazer uma retirada de emergência. Enquanto Kennedy esperava pelo dinheiro, na Véspera de Natal encostou na doca da Fordlândia um barco transportando 35 soldados plenamente armados e equipados com metralhadoras. As tropas inspecionaram a plantação, confiscando facas, armas de fogo e qualquer outro objeto que pudesse ser usado como arma. Em seguida, Kennedy ordenou que os soldados expulsassem os moradores de Pau d Água e de outras vilas que cercavam a Fordlândia e fechou os bares, restaurantes e bordéis que por tanto tempo incomodaram a plantação. Ponha tudo abaixo, disse ele aos soldados. Depois que as famílias foram forçadas a sair e suas casas foram derrubadas, Kennedy enviou o esquadrão de saneamento para fazer uma limpeza, queimar as latrinas e jogar cal virgem nas fossas. Pouco tempo depois, com o apoio do governo Vargas, finalmente forçou Francisco Franco a lhe vender as terras onde ficava Pau d Água a preço de banana, nas palavras de Eimar Franco. 17 O Zeantunes chegou no dia de Ano-novo com o dinheiro solicitado. Ladeado por soldados brasileiros armados, Kennedy reuniu os trabalhadores da plantação e lhes pagou por todo o tempo até 22 de dezembro. Em seguida demitiu toda a força de trabalho, com exceção de umas poucas centenas de homens. 18 Com a Fordlândia em ruínas e danos estimados em mais de 25 mil dólares, ele aguardou que Dearborn lhe dissesse o que fazer. Miolo Fordlandia.indd /04/ :46:31

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO Enquete Algumas reportagens e matérias dão conta que o Brasil é o segundo país mais estressado do mundo e o trabalho é apontado como uma das principais causas desse mal. Porém, nem só de trabalho vive

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

MISSIoNários acorrentados

MISSIoNários acorrentados NOTA DE CONVOCAÇÃO MISSIoNários acorrentados yuri ravem foco na pessoa 40 Por Pr. Yuri Ravem Desde que me tornei um pastor, há treze anos, tenho percebido pessoas com grandes talentos nas mais diversas

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Meio Ambiente: Piloto Automático O Piloto Automático é uma ótima opção e pode economizar gasolina, mas você tem que usá-lo de forma segura.

Meio Ambiente: Piloto Automático O Piloto Automático é uma ótima opção e pode economizar gasolina, mas você tem que usá-lo de forma segura. Visão Geral Família e Passageiros: Roupas Reflexivas Quanto mais claro e brilhante, melhor! É isso mesmo, quanto mais brilhante e clara for sua roupa, melhor são suas chances de ser visto. Segurança Pessoal:

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA UMA AVENTURA NA CIDADE COLEÇÃO UMA AVENTURA ATIVIDADES PROPOSTAS Leitura integral na sala de aula, por capítulos, um ou dois por aula Compreensão da narrativa Distinção

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

ORGANIZANDO MEU LAR PARA O SUCESSO Diretora Executiva Isolda Rodrigues

ORGANIZANDO MEU LAR PARA O SUCESSO Diretora Executiva Isolda Rodrigues ORGANIZANDO MEU LAR PARA O SUCESSO Diretora Executiva Isolda Rodrigues FAÇA A DIFERENÇA Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor excede o de rubis Pv 31:10 Seja um exemplo dentro da sua casa Fale com

Leia mais

A Sociedade dos Espiões Invisíveis

A Sociedade dos Espiões Invisíveis A Sociedade dos Espiões Invisíveis Tem dias em que tudo o que mais quero é embarcar na minha rede mágica e viajar para bem longe! Talvez, em algum outro lugar, não me sinta tão, tão... diferente! Eu sei

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau

Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau Passos para se proteger do Ébola enquanto aguarda por assistência Documento para a Guiné-Bissau 1 Lembre-se de três coisas Não tocar Isole a pessoa doente Ligue para a linha de apoio 2 Se pensa que alguém

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS I. Descrição do Material: COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS Material criado por Dienes. Constitui-se de 48 peças, que combinam quatro atributos em cada uma sendo: Tamanho (grande e pequeno) Cor (amarelo,

Leia mais

Acostumando-se com os Milagres

Acostumando-se com os Milagres Acostumando-se com os Milagres Ap. Ozenir Correia 1. VOCÊ NÃO PERCEBE O TAMANHO DO MILAGRE. Enxame de moscas Naquele dia, separarei a terra de Gósen, em que habita o meu povo, para que nela não haja enxames

Leia mais

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I em tudo Energia elétrica Ensino Fundamental I Em tudo, energia elétrica. 1 Para chegar até nossas casas, ela passa pelos cabos elétricos instalados nas torres e nos postes e deve sempre percorrer seu caminho

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio

usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio usoresponsável dogás energia para crescer Material de apoio Proteção do meio ambiente O gás é um hidrocarboneto, formado no interior da Terra há milhões de anos. Ele é o produto da decomposição de animais

Leia mais

PARTE IV. O chamado para a especialização

PARTE IV. O chamado para a especialização PARTE IV O chamado para a especialização Durante o século XIX o missionário era um evangelista. Mas durante o século XX ele se torna um especialista que evangeliza. Isso tem a ver com o fundo histórico

Leia mais

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede

PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO. Fome e Sede PERDOAR E PEDIR PERDÃO, UM GRANDE DESAFIO HISTÓRIA BÍBLICA: Mateus 18:23-34 Nesta lição, as crianças vão ouvir a Parábola do Servo Que Não Perdoou. Certo rei reuniu todas as pessoas que lhe deviam dinheiro.

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES A G E N D A 2007 as 4 SÉRIES ÍNDICE Proposta da ONU... 04 Compromisso do Brasil... 05 Cada cidade responsável por sua agenda 21... 07 Dia internacional da Água... 09 Dia do Meio Ambiente... 12 Dia da Árvore...

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Trabalhar em Casa Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Como Começar? Primeiro você deve escolher o tipo de trabalho que

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro.

TOTAL DE RESPONDENTES: 698 entrevistados. DATA DE REALIZAÇÃO: 30 de maio e 01 de junho, nas ruas do centro do Rio de Janeiro. Enquete Um estudo feito por matemáticos da Universidade de Vermont, nos Estados Unidos, mostrou que o dia preferido pelas pessoas é o domingo. Os pesquisadores analisaram 2,4 milhões de mensagens pela

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. A presença de pus ou de vermelhidão ao redor do umbigo sugere infecção e deve ser avaliada pelo profissional de saúde.

Leia mais

O curativo do umbigo

O curativo do umbigo Higiene do bebê O curativo do umbigo Organizo meu futuro porque o presente já passou. O curativo do umbigo deve ser feito todos os dias, depois do banho, até que o cordão do umbigo seque e caia. Isso leva

Leia mais

SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA

SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA Radicais Kids - Sábado 13/12 Ministério Boa Semente Igreja em células SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA Lição: Xô Preguiça!! Base bíblica: Provérbios 6:6-11 Preguiçoso, aprenda uma lição

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O PEQUENO DE GIDEÃO

Bíblia para crianças. apresenta O PEQUENO DE GIDEÃO Bíblia para crianças apresenta O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista:

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista: Entrevista Dia 21/05, às 19:00, no MOM Família de 2 pessoas: Roney e Helena Endereço da casa: Rua Uberlândia, 531 (esquina com Rua Padre Eustáquio) Tempo: 2h Presentes: Amanda Descrição da demanda: Os

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que As Três Amigas Em 1970, em uma cidade pequena e calma, havia três amigas muito felizes, jovens e bonitas. O povo da cidade as conhecia como um trio de meninas que não se desgrudavam, na escola só tiravam

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

MODELO DE ROTEIRO. Tela 1. Imagem:

MODELO DE ROTEIRO. Tela 1. Imagem: MODELO DE ROTEIRO Título da animação: Tela inicial Tela 1 Olá, somos os protetores da Selva. Fomos chamados pelos índios para salvar os animais em extinção da Floresta Amazônica. Escreva seu nome e vamos

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Desafios Futuros Soluções Locais. Autoajuda para a união e a eficiência da comunidade

Desafios Futuros Soluções Locais. Autoajuda para a união e a eficiência da comunidade Desafios Futuros Soluções Locais Autoajuda para a união e a eficiência da comunidade Sou Michael Allicock, conselheiro sênior da Aldeia Surama. Sempre tivemos um sistema de autoajuda da comunidade, o sistema

Leia mais

PROTEJA-SE E PROTEJA A SUA FAMÍLIA CONTRA O ASSASSINO SILENCIOSO O SEU ESTÁ INSTALADO?

PROTEJA-SE E PROTEJA A SUA FAMÍLIA CONTRA O ASSASSINO SILENCIOSO O SEU ESTÁ INSTALADO? PROTEJA-SE E PROTEJA A SUA FAMÍLIA CONTRA O ASSASSINO SILENCIOSO O SEU ESTÁ INSTALADO? PROTEJA-SE E PROTEJA A SUA FAMÍLIA CONTRA O ASSASSINO SILENCIOSO Nos últimos anos, a Província do Ontário sofreu um

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Etapa 1: A Diarreia: Identificar e reconhecer a doença

Etapa 1: A Diarreia: Identificar e reconhecer a doença GUIA DO/DA FACILITADOR(A) DE SAUDE Luta contra doenças diarreicas e a Malária Inter Aide Projecto Agua e Saneamento Luta contra Malaria CP 6 Nacala a Velha 82 78 29 956 MENSAGENS CHAVES Etapa 1: A Diarreia:

Leia mais

Simulado OBM Nível 2

Simulado OBM Nível 2 Simulado OBM Nível 2 Gabarito Comentado Questão 1. Quantos são os números inteiros x que satisfazem à inequação? a) 13 b) 26 c) 38 d) 39 e) 40 Entre 9 e 49 temos 39 números inteiros. Questão 2. Hoje é

Leia mais

Reunião de junho na Sede da Associação

Reunião de junho na Sede da Associação Ano 1 Lagedo, Domingo, 03 de agosto de 2014 N o 3 Reunião de junho na Sede da Associação Reunião na Sede da Associação. foto: Mirene Moraes, 29/06/2014. A reunião estava marcada para ter início as 13:00h.

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Argumento para Série Não Conte a Ninguém

Argumento para Série Não Conte a Ninguém UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1069/432 - Curso Superior De Tecnologia Em Produção Audiovisual Disciplina: Roteiro para Televisão Professor: Ricardo J. Sekula Turma: Período: 2 Ano/Semestre

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Viagem de Santo António

Viagem de Santo António Ficha de transcrição / São Pedro do Sul / Viagem de Santo António Viagem de Santo António Classificação: Conto Assunto: No tempo das ceifas, em Manhouce, dois lavradores vão juntos colher o centeio confiando

Leia mais

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br

Visite nossa biblioteca! Centenas de obras grátis a um clique! http://www.portaldetonando.com.br Sobre a digitalização desta obra: Esta obra foi digitalizada para proporcionar de maneira totalmente gratuita o benefício de sua leitura àqueles que não podem comprá-la ou àqueles que necessitam de meios

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

Para onde vou Senhor?

Para onde vou Senhor? Para onde vou Senhor? Ex 40:33-38 "Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim, Moisés acabou a obra. Então a nuvem cobriu a tenda da congregação,

Leia mais

Idosos de Ontário: Como preparar se para uma emergência

Idosos de Ontário: Como preparar se para uma emergência Idosos de Ontário: Como preparar se para uma emergência Os cidadãos de Ontário têm enfrentado todo tipo de emergência, quer sejam tempestades de gelo, falta de energia elétrica até tornados e acidentes

Leia mais

Time Code. Sugestão (conexões externas)

Time Code. Sugestão (conexões externas) Número da fita: 0047 Título: Entrevista com Geraldo Abel Mídia: Mini DV Time Code in out 00 20 00 06 11 S. Abel e esposa sentados, rodeados pelos instrumentos da folia e pela bandeira. S. Abel mostra passo

Leia mais