DNS: Domain Name System

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DNS: Domain Name System"

Transcrição

1 DNS: Domain Name System O objetivo desta unidade é apresentar o funcionamento de dois importantes serviços de rede: o DNS e o DHCP. O DNS (Domain Name System) é o serviço de nomes usado na Internet. Esse mecanismo, permite que servidores da Internet sejam localizados utilizando nomes (denominados FQDN - Fully Qualified Domain Names) ao invés de endereços IP. O DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) é o serviço de atribuição automática de endereços e outras configurações essenciais para o funcionamento das redes IP. Os exemplos dessa unidade são baseados na implementação desses serviços para o ambiente Linux, e devem ser usados como referência na execução das atividades práticas. 1

2 Serviço DNS: Domain Name System nome - ip nome - ip Nome? IP nome - ip nome - ip Um serviço de nomes é mecanismo que permite mapear nomes amigáveis a endereços para facilitar a identificação dos computadores em redes IP. Existem basicamente dois modelos para serviços de nomes: nomes planos e nomes hierárquicos. Um modelo de nomes planos muito difundido é o padrão de nomes NetBIOS. Os nomes NetBIOS são muito comuns nas redes Microsoft. Eles correspondem ao nome do computador fornecido na instalação do sistema operacional, e visualizados no ambiente de rede do Windows Explorer. Esse modelo é dito plano pois cada nome tem um significado independente. Por exemplo, olhando o nome NetBIOS de um computador, não é possível dizer a qual empresa ou a qual país ele pertence. Como os nomes planos podem ser escolhidos livremente, é muito difícil evitar nomes duplicados. Isso torna o seu uso em redes grandes e de administração decentralizada como a Internet totalmente proibitivo. O modelo de nomes hierárquicos é mais apropriado para redes de grande porte. Dois exemplos de modelos hierárquicos são o X500 e o DNS (Domain Name System). Nesse modelos, o nome é formado por múltiplas partes, que além do nome do computador propriamente dito, identificam a localização e a empresa ao qual o computador pertence. O X500 é um modelo mais genérico que o DNS, pois permite associar nomes a qualquer tipo de objeto, e não apenas endereços IP. O DNS é específico para endereços. Os modelos de nomes hierárquicos podem ser implementados de forma distribuída. Como ilustrado na figura, os nomes podem ser armazenados em múltiplos servidores, cada um contendo apenas uma parte do banco de dados que mapeia nomes em endereços. Nesses sistemas, um cliente pode consultar qualquer servidor de nomes da rede, e ter acesso aos nomes armazenados em todos os servidores. É justamente esse mecanismo que provê o desempenho suficiente para o DNS ser implantado na Internet. O DNS é um padrão aberto especificado em vários documentos do IETF, como as RFCs 1033, 1034, 1034, 1101, 1123, 1183 e Sua implementação original, contudo, foi desenvolvida na Berkley University para a versão 4.3 SD Unix. Por isso, até hoje, nos sistemas Unix, a implementaçã do DNS é denominada BIND (Berkeley Internet Name Domain) 2

3 Árvore de nomes br RAIZ br pucpr ufpr Pucpr Ufpr ppgia eureka FOLHA Os nomes hierárquicos utilizados pelo DNS são chamados FQDN: Fully Qualified Domain Name. Um FQDN é formado por várias nomes separados por pontos. Cada um desses nomes pode ser um nome de host ou um nome de domínio. Um domínio representa uma coleção de hosts ou uma coleção de outros domínios. Um nome de host identifica um computador apenas dentro de um domínio específico. O FQDN identifica um computador de forma única em toda a Internet. Por exemplo,.pucpr.br é um FQDN. Seus componentes são definidos seguinte forma: : nome do host, pucpr: nome de domínio e br: nome de domínio. O domínio br é uma coleção de todos os domínios que estão no Brasil, e inclui o domínio pucpr. O domínio pucpr é uma coleção de todos os hosts que estão na PUCPR, e inclui o host. Os nomes hierárquicos são comumente representos como uma árvore, conforme mostrado na figura. Nessas árvore os nomes de host correspondem sempre as folhas, e são os únicos elementos mapeados a endereços IP. Observe no desenho, que o nome de host não identifica um computador de forma global. Por exemplo, podemos ter o host no domínio ufpr ou no domínio pucpr. Todavia, o FQDN garante que o nome seja único. Esse mecanismo permite a administração descentralizada dos nomes na Internet, pois a única preocupação do administrador é evitar que um nome seja duplicado em seu domínio mais próximo. Observação: O FQDN pode ser combinado com outras informações para criar outro tipo de nome denominado Localizador Universal de Recursos ou URL (Universal Resource Locator). O formato geral de uma URL é protocolo:://fqdn/nome_arquivo. Por exemplo, 3

4 ZONAS DNS ZONA.br br RAIZ servidor A.dns.br ZONA pucpr.br ZONA ufpr.br pucpr ufpr servidor alpha.pucpr.br ppgia servidor ns.ufpr.br Uma árvore de nomes DNS é dividida em zonas. Essa divisão permite que os nomes sejam armazenados em vários servidores DNS, segundo o conceito de banco de dados distribuídos. Uma zona DNS é uma porção da árvore de nomes que está armazenada em um servidor específico. O exemplo da figura mostra uma parte da árvore de nomes global da Internet. Apenas para efeito de ilustração, vamos assumir que esta porção da árvore está dividida em três zonas: pucpr.br, ufpr.br e br. A zona pucpr.br contém os nomes correspondentes aos computadores da PUCPR. Observe que os conceitos de zona e domínio são distintos. Uma zona corresponde sempre a um domínio, mas o contrário nem sempre é verdade. Uma zona pode conter uma hierarquia de domínios, e seu nome corresponde apenas ao domínio de nível mais elevado. Por exemplo, ppgia é um domínio dentro da pucpr, mas não corresponde a uma zona. Isto significa que as informações sobre os computadores pertencentes ao domínio pucpr e ao domínio ppgia estão armazenados na mesma zona. Observe que o domínio br contém os domínios pucpr e ufpr, mas sua zona não armazena os nomes dos computadores dessas zonas. Como veremos, o domínio br contém apenas ponteiros para os servidores de DNS das zonas que estão hierarquicamente abaixo de seu domínio. Quando o administrador da zona br cria um ponteiro para o servidor de nomes da PUCPR, ele está delegando o direito da PUCPR criar qualquer nome que termine com pucpr.br. Assim, o administrador da PUCPR pode criar nomes em seu servidor, sem consultar o administrador do domínio br. O mesmo acontece quando é criado um ponteiro para o servidor de nomes da UFPR. O formato desses ponteiros será discutido a seguir. 4

5 Arquivo de ZONA ZONA pucpr.br $TTL 1D pucpr.br. IN SOA alpha.pucpr.br. [...] IN NS alpha.pucpr.br. IN NS beta.pupcr.br. IN MX 10 smtp.pucpr.br. IN MX 20 smtp2.pupcr.br. alpha IN A beta.pucpr.br. IN A dns IN CNAME alpha IN A smpt1 IN A smpt1 IN A Na implementação do BIND para UNIX, as zonas são representados na forma de arquivos. Um arquivo de zona contém uma coleção de registros (records) que seguem a seguinte sintaxe: nome do registro [TTL] IN tipo do registro valor O nome do registro pode ser um nome de domínio, um FQDN ou até mesmo um endereço IP (no caso de zonas reversas, discutidas na seqüência). O TTL (Time to Live) especifica o tempo máximo que a informação pode ficar na cache de um cliente. O campo é opcional, podendo ser um valor global especificado no início do arquivo, ao invés de individual para cada registro. O campo IN significa endereço de Internet (o DNS pode suportar outros tipos de endereço). Os tipos de registro e seus respectivos valores são discutidos abaixo: SOA (Start of Zone Authority): indica o servidor DNS que é a autoridade para uma zona, isto é, aquele que contém a cópia master com as informações mais confiáveis e atualizadas. O registro SOA tem outras informações omitidas no exemplo acima, mas que serão discutidos na seqüência. NS (Authoritative Name Server): indica uma lista de servidores que são autoridade para um certo domínio. Os registros declarados após um registro de domínio (SOA), podem ter o nome de domínio omitido (eles assumem o domínio do SOA). A (Address): efetua o mapeamento entre um FQDN e um endereço IPv4. Observe que os nomes do arquivo de zona podem ser absolutos (terminados por. ) ou relativos (sem. ). O FQDN dos nomes relativos é formado concatenado-se o nome do registro com o próprio nome da zona. CNAME (Canonical Name): permite definir um alias para um FQDN MX (Mail Exchange): define o servidor de padrão para um domínio. Para enviar um e- mail para o servidor SMTP precisa determinar o endereço IP do servidor onde a caixa postal de usuario está armazenada. O nome pucpr.br não define uma máquina, mas apenas um domínio. Quando um servidor SMTP externo consulta o DNS da PUCPR, ele recebe como resposta um registro MX especificado os servidores de primário (preferência 10) e secundário (preferência 20). 5

6 Servidores Primários e Secundários zona pucpr.br slave beta.pucpr.br zona pucpr.br master alpha.pucpr.br gama.pucpr.br zona pucpr.br slave O padrão DNS permite definir servidores primários e secundários. Um servidor primário armazena a cópia master (original) para uma dada zona. A fim de prover tolerância a falhas e melhorar a disponibilidade do serviço, outros servidores ditos secundários podem armazenar cópias slave (escravas). As alterações podem ser feitas apenas na cópia master. Os servidores secundários precisam verificar periodicamente se sua cópia está atualizada, e atualizá-la caso haja uma nova versão. Um registro SOA traz várias informações adicionais relativas a esse processo, como no exemplo abaixo: pucpr.br. IN SOA alpha.pucpr.br. jamhour.ppgia.pucpr.br ( 1 ; serial 8H ; refresh 2H ; retry 1W ; expire 1D ) ; ttl A primeira informação adicional é o endereço de do administrador do servidor primário (com substituído por um. ). serial: indica qual a versão da zona master. Se houver uma alteração, este valor deve ser incrementado. refresh: tempo de atualização para os servidores secundários. Após expirar este tempo, os servidores secundários devem verificar se o primário tem um serial mais atualizado. Se tiver, precisam atualizar a sua cópia da zona. retry: tempo que o servidor secundário deverá aguardar antes de uma nova tentativa, caso a tentativa de refresh falhe (por indisponibilidade do primário). expire: tempo máximo que o secundário irá considerar sua informação válida, caso não consiga atualizar sua cópia após inúmeras tentativas. Após esse período, o DNS secundário pára de responder a consultas. ttl: tempo máximo que o registro SOA pode ficar na cache do cliente. Existem implementações de servidores DNS que não armazenam o registros da ZONA em arquivos texto, usando como alternativa um banco de dados relacional ou similar. Contudo, como os tipos de registros são padronizados em RFCs, mesmo os sistemas que usam um banco de dados são capazes de importar e exportar as informações da ZONA na forma de um arquivo texto que segue o formato do BIND. 6

7 Arquivos de Configuração (named.conf) options { directory pasta de zonas ; zone nome da zona { type master; file master/arquivo de zona ; zone nome da zona { type slave; file slave/arquivo de zona ; masters { ipmaster1; ipmaster2; } named.conf primário named.conf secundário options { directory /var/named/ ; zone pucpr.br { type master; file pucpr.br ; options { directory /var/named/ ; zone pucpr.br { type slave; file slave/pucpr.br ; masters { ; O arquivo de zonas não contém todas as informações necessárias para o funcionamento do servidor DNS. Um outro arquivo de configuração é necessário a fim de informar ao servidor DNS quais zonas ele representa e quais arquivos ele deve carregar em memória durante sua inicialização. No caso da implementação do BIND, este arquivo se chama named.conf. A estrutura geral do arquivo de configuração é mostrada na figura. Um arquivo named.conf possui dois tipos de estruturas principais: options e zone. A estrutura options define parâmetros globais válidos para todas as zonas. Por exemplo, o diretório onde os arquivos de zona ficarão armazenados no servidor DNS. A estrutura zone define parâmetros específicos para uma zona. Os parâmetros mudam de acordo com o tipo de zona. Por exemplo, numa zona tipo master basta especificar o nome do arquivo que contém a zona. Numa zona do tipo slave é necessário ainda informar o endereço IP do servidor (ou servidores) master de onde o arquivo será copiado. Observe que o nome do arquivo da zona é concatenado com a opção global directory a fim de definir um caminho absoluto. Uma boa prática consiste em criar sub-diretórios diferentes para as zonas master e slave. A figura mostra como ficariam os arquivos de configuração dos servidores DNS primário e secundário para a zona pucpr.br. Observe que o servidor primário localiza o arquivo de zona na pasta /var/named/master/ e o servidor secundário localiza sua cópia na pasta /var/named/slave. 7

8 Delegação de SubDominios ZONA.br br RAIZ ZONA pucpr.br NS NS ZONA ufpr.br pucpr ufpr ppgia Um conceito importante da árvore de nomes do DNS é a delegação de subdomínios. Delegar um subdomínio significa criar um ponteiro para que um outro servidor DNS administre uma parte da árvore de nomes. A figure ilustra este conceito. O servidor DNS autoritário para zona.br é o detentor dos direitos de todos os nomes que terminam com.br. Ao invés de todos os nomes de servidores registrados no Brasil serem definidos na zona.br, múltiplos subdomínios podem ser delegados, para que cada instituição possa criar seus nomes de servidores sem precisar de alterações na zona.br. A delegação de subdomínios é feita através da criação de registros do tipo NS (Authoritative Name Server). Quando um servidor de alto nível é consultado sobre um endereço armazenado em um subdomínio que foi delegado, ele pode responder de duas formas distintas. A primeira é dar uma resposta não recursiva, isto é, simplesmente retornar um ponteiro para o servidor que realmente possui a informação de mapeamento entre nome e IP desejado. A segunda é dar uma resposta recursiva, onde o próprio servidor de alto nível faz a consulta ao servidor de baixo nível e retorna uma resposta final (um registro do tipo A - Address) para o computador que fez a consulta. No caso de servidores públicos como o do domínio.br, o comportamento é sempre não recursivo. No exemplo, a zona.br delegou dois subdomínios: pucpr.br e ufpr.br. Isso significa que quando uma consulta for feita ao servidor.br sobre algum FQDN que termina com pucpr.br, o servidor retornará como resposta que o responsável por responder a essa consulta é o servidor DNS da PUCPR. Similarmente, se alguma consulta sobre nomes que terminam com ufpr.br for feita, o servidor DNS da zona.br irá retornar como resposta que o responsável por responder a essa consulta é o servidor da UFPR. 8

9 Zonas com Delegação de Sub-Domínios ZONA br ZONA pucpr.br ZONA ufpr.br br. IN SOA dns.br IN NS dns.br dns IN A pucpr IN NS dns.pucpr.br. IN NS beta.pupcr.br. ufpr IN NS dns.ufpr.br. dns.pucpr IN A beta.pucpr IN A dns.ufpr IN A pucpr.br. IN SOA dns.pucpr.br IN NS dns.pucpr.br IN NS beta.pucpr.br dns IN A beta IN A IN A ppgia IN A ufpr.br. IN SOA dns.ufpr.br IN NS dns.ufpr.br dns.ufpr.br. IN A IN A A figura mostra como ficariam os arquivos de zonas para árvore de nomes do exemplo anterior. O arquivo da zona br tem um registro do tipo NS para os subdomínios pucpr.br e ufpr.br (linhas 3 e 4). Observe que os nomes foram escritos de forma relativa, isto é, sem ponto no final. O nome da zona é concatenado automaticamente aos nomes relativos, de forma que os nomes pucpr e ufpr significam pucpr.br. e ufpr.br. Além dos ponteiros NS o arquivo da zona br precisa conhecer os endereços dos servidores DNS dos subdomínios delegados. No exemplo, o subdomínio pucpr.br possui um servidor primário (dns.pucpr.br.) e um secundário (beta.ufpr.br), e o subdomínio ufpr.br apenas um servidor primário (dns.ufpr.br). No arquivo da zona pucpr.br estão efetivamente registrados os nomes dos computadores pertencentes ao seu subdomínio. O servidor dns.pucpr.br é o SOA para o domínio pucpr.br, pois ele é o detentor da cópia master do arquivo de zona. Observe como o registro.ppgia foi definido (última linha do arquivo da zona pucpr.br). Nesse caso, o domínio ppgia é um subdomínio em relação a pucpr.br, mas não houve delegação. Dessa forma, os registros do domínio ppgia são efetivamente registrados na zona pucpr, adicionando-se o nome do subdomínio ao nome do computador, conforme indicado no exemplo. Similarmente, o arquivo da zona ufpr.br indica que o servidor dns.ufpr.br é SOA para o domínio ufpr.br. Em todos os exemplos, o TTL e os parâmetros adicionais do registro SOA foram omitidos, mas devem constar nos arquivos de zona reais. 9

10 Consulta Recursiva recursivo.pucpr.br? A br não recursivo.pucpr.br? NS dns.pucpr.br dns pucpr ufpr dns dns Quando um servidor DNS recebe uma consulta, ele primeiro verifica se o nome consultado pertence a uma de suas zonas. Por exemplo, considere que uma consulta foi feita ao servidor DNS da zona br. Três situações diferentes podem ocorrer: situação 1: o nome pertence a zona, e um registro do tipo A pode ser localizado localmente. (e.g. dns.br) situação 2: o nome pertence a um subdominio que foi delegado a outro servidor dns (e.g.,.pucpr.br) situação 3: o nome não pertence a zona (e.g,.google.com) A maneira como o servidor irá responder a situação 1 é obvia, ele vai localizar o registro do tipo A e devolver o endereço IP correspondente para o solicitante. A maneira como ele responderá as situações 2 e 3, contudo, depende se ele foi configurado ou não para responder a consultas recursivas. Se o servidor não foi configurado para consultas recursivas, ele trabalhará no modo interativo. Nesse modo ele responde com registros do tipo NS, indicando para qual servidor o cliente deverá refazer sua consulta. Por exemplo, no caso do tipo 2, ele responderia informado o nome e endereço dos servidores DNS (primário e secundário) que respondem pelo domínio pucpr.br. No caso de uma situação do tipo 3, ele simplesmente não responderia. O cliente que fez a consulta só perceberá o erro após um temporizador de espera máxima expirar. Se o modo recursivo estiver habilitado, então o servidor DNS tentará ele mesmo consultar outro servidor, e devolver uma resposta definitiva (registro do tipo A) para o solicitante. 10

11 Opções de Redirecionamento options { directory pasta de zonas ; forwarders { forwarder 1; forwarder 2; } recursion yes no; allow-recursion { subrede 1; subrede 2; } zone nome da zona { type forward; forwarders { forwarder 1; forwarder 2; } forward only; named.conf superior (br) named.conf inferior (pucpr.br) options { directory /var/named/ ; recursion yes; zone pucpr.br { type forward; forward { ; ; options { directory /var/named/ ; forwarders { ; zone ppgia.pucpr.br { type master; file master/pucpr.br ; O controle de consultas recursivas ou não recursivas é feito através de opções do arquivo de configuração do DNS (resolv.conf). Por default, o servidor DNS está configurado para responder a consultas recursivas. É possível controlar esse comportamento através da opção recursion. Caso o modo recursivo seja habilitado, então é possível restringir a partir de quais subredes as consultas recursivas serão atendidas através da opção allow-recursion. Por default, todas as subredes são aceitas. Quando um servidor DNS que está operando em modo recursivo recebe uma consulta de um registro que não está armazenado localmente, ele redireciona a consulta para um outro servidor DNS denominado forwarder. Existem dois tipos de fowarder. Os forwarders globais (definido na seção options) e os forwarders de subdomínios delegados (definidos na em uma zona especial, do tipo forward). Os forwarders globais são utilizados quando a consulta recebida não pertencer a nenhuma zona conhecida (local ou subdomínio delegado). Por exemplo, a figura mostra como ficariam os arquivos de configuração do servidores de DNS da zona superior br e da zona delegada pucpr.br. Observe que a zona br possui uma zona forward indicando o redirecionamento para o servidores de dns primário e secundários da pucpr.br. A zona pucpr.br, por sua vez, traz o endereço do DNS br na seção global. O servidor da pucpr.br redirecionará para o servidor br qualquer consulta que não termine com o domínio pucpr.br. Convém ressaltar que o exemplo da figura não é realista. O servidor do domínio br não responde a consultas recursivas, pois isso geraria uma carga de trabalho excessivo. Ele trabalha sempre no modo interativo. Normalmente, o único servidor que aceita consultas recursivas é o servidor mais próximo dos clientes (o servidor DNS do seu provedor ou o servidor DNS da sua empresa). E mesmo nesse caso, as consultas recursivas são restritas as subredes conhecidas. 11

12 Cache e Respotas de Autorização não recursivo br dns pucpr ufpr.pucpr.br? A Autoritative dns dns.ufpr.br? A Não Autoritative recursivo para usuários pucpr recursivo para usuários ufpr Os servidores DNS armazenam em cache as respostas obtidas de outros servidores. Por exemplo, suponha que um cliente do servidor DNS da pucpr deseja conhecer o endereço.ufpr.br. Quando o servidor da pucpr recebe a consulta, ele determinar que precisa redirecioná-la para o forwarder global (o servidor br). O servidor br não aceita consultas recursivas, e por isso responde com um registro NS, indicando o servidor de DNS da ufpr. O servidor da pucpr então refaz a consulta para o servidor da ufpr, obtendo finalmente um registro do tipo A. Essa resposta é armazenada em cache e retornada para o cliente. O registro armazenado na cache tem um tempo de vida (o TTL definido no arquivo de zona). No caso, como a resposta veio diretamente do servidor que é o SOA para o domínio ufpr.br, ela é dita de autorização (ou autoritativa, em algumas traduções). Todavia, quando um segundo cliente fizer a consulta ao mesmo nome, o servidor da pucpr irá utilizar o registro da cache (se não tiver expirado). Nesse caso, a resposta não é de autorização. A razão de informar ao cliente se a resposta veio da cache ou não, é que a informação vinda da cache é menos confiável (ela pode estar desatualizada). O protocolo DNS, contudo, permite ao cliente especificar se ele deseja ou não uma resposta de autorização. Isso pode ser feito através de ferramentas de teste de DNS, como o dig do Linux ou o nslookup do Windows. Essas ferramentas permitem ao cliente especificar também se deseja uma resposta recursiva ou não. Por default, os clientes de DNS sempre tentam consultas recursivas e aceitam respostas não autoritárias. O mecanismo de cache é bastante eficiente pois reduz bastante o tempo de resposta das consultas DNS dos clientes (por exemplo, dificilmente uma consulta ao.google.com não virá da cache). De fato, é possível criar servidores que funcionam apenas como cache (ditos Caching-Only). Esses servidores não possuem zona própria, apenas forwarders para outros servidores DNS. 12

13 Zonas Reversa $TTL IN SOA dns.pucpr.br. jamhour.pucpr.br ( 2 ; serial ; refresh (s) 7200 ; retry (s) ; expire (s) ) ; ttl (s) IN NS dns.pucpr.br. 1 IN PTR dns.pucpr.br. 2 IN PTR.pucpr.br. No DNS é possível fazer consultas reversas, isto é, fornecer um endereço IP e obter como resposta o FQDN. Para suportar consultas reversas, é necessário criar uma zona reversa no servidor DNS. As zonas reversas devem ser criadas para cada subrede e seguem uma notação bastante especial. Por exemplo, para criar uma zona reversa para subrede /24 é necessário definir uma zona com o seguinte nome: in-addr.arpa.zone Observe que a parte fixa do endereço IP foi escrita no sentido contrário. Os registros reversos são do tipo PTR, e permitem mapear um endereço IP a um nome. Por exemplo: 1 PTR.pucpr.br O registro acima define que o endereço do servidor.pucpr.br é O exemplo da figura ilustra como uma zona reversa seria estruturada. Nós aproveitamos esse exemplo para introduzir alguns opções de configuração de zona que foram omitidos nos exemplos anteriores. É possível indicar o nome da zona através da Dessa forma, todas as vezes que se desejar referenciar ao nome da zona, pode-se utilizar apenas o Essa opção é útil quando se deseja definir múltiplas subredes em uma única zona. A definição da zona reversa é muito importante em diversos casos. Por exemplo, quando um servidor SMTP recebe um , ele faz uma consulta reversa para determinar se o endereço IP de origem do pacote recebido realmente corresponde ao servidor de do domínio do usuário que enviou o . Em muitos casos, se não houver zona reversa, o é simplesmente descartado. 13

14 Os servidores DNS Raiz (Root Servers) A M zona root.zone... root-servers hints-file.com.org.edu.com.pucpr Segundo a nomenclatura adotada na Internet, o Domain Name Space é dividido em três áreas principais: Organization Domains: (.com - comercial), (.edu - educacional), (.gov - governo), (.org - instituições sem fins lucrativos), (.net - empresas de telecom), etc. Geographical Domains: (.br - brasil), (.us - estados unidos), (.uk - reino unido), (.fr - frança), etc. Reverse domain: domínios usados para mapear endereços IP em nomes. Geralmente, os domínios organizacionais são associados a nomes de país como.com.br,.gov.br, etc. Mas também existem os domínios organizacionais globais sem determinação de país, como.com,.gov, etc. Nos exemplos anteriores, nós sempre consideramos o DNS br como root. Contudo, existe servidores em um nível superior, que delegam ao DNS br o direito de gerenciar os nomes que terminam com.br. Esses servidores são ditos (Root Servers). Eles possuem os ponteiros (NS) para os servidores autoritários de nível mais alto da árvore DNS. O arquivo dos root-servers é dito root-zone, e tem entradas do tipo: BR. NS A.DNS.BR. A.DNS.BR. A Ao invés de utilizar um forward único, os servidores DNS podem obter uma cópia do arquivo root-zone e redirecionar as consultas fora de seus domínios diretamente para os servidor raiz de cada domínio. Por questões de escalabilidade, existem 13 root-servers com cópias idênticas de suas bases espalhados por vários continentes. Esses servidores tem nomes forma letra.root-servers.net (onde a letra varia de A até M). Essa lista de servidores é denominada hints file (arquivo named.root) e pode ser obtida junto a página da IANA (.iana.org). O hints file possui entradas no seguinte formato: A.ROOT-SERVERS.NET A B.ROOT-SERVERS.NET A etc. Para o servidor utilizar o hints file, é necessário criar a seguinte zona especial no named.conf: zone "." in{ type hint; file "root.servers"; Essa diretiva instrui o servidor DNS, na sua inicialização, a buscar o arquivo de zona raiz root.zone em um dos servidores root. 14

15 Conclusão DNS - Domain Name System Nessa unidade nós vimos o DNS (Domain Name System). Esse serviço implementa um mecanismo de nomes hierárquico. Isto facilita a organização dos nomes em redes de grande porte. O banco de dados que armazena os nomes DNS da Internet está distribuído em inúmeros servidore DNS. Cada servidor DNS contém informações de zonas específicas, e pode ser administrado separadamente. O serviço DNS implementa mecanismos de cache que torna a resolução de nomes um processo muito rápido. O DNS é um dos sistemas mais rápidos e escaláveis da Internet. Como as mensagens DNS são muito pequenas, o protocolo DNS é implementado sobre UDP. Existem algumas extensões do DNS, para oferecer melhores opções de segurança (DNSsec) e também atualizar o arquivo de zonas automaticamente (DNSdinâmico). Essa opções seriam úteis para o caso de utilizar o DNS para atribuir nomes também a computadores clientes, e não apenas a servidores. Todavia, como as redes locais são largamente dominadas pelos Nomes NetBIOS, a utilização do DNS dinâmico e do DNSsec ainda não está muito difundida. 15

DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Edgard Jamhour

DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Edgard Jamhour DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol Serviço DNS: Domain Name System nome - ip nome - ip Nome? IP nome - ip nome - ip Árvore de nomes br RAIZ br pucpr ufpr Pucpr Ufpr ppgia

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System Converte nome de máquinas para seu endereço IP. Faz o mapeamento de nome para endereço e de endereço para nome. É mais fácil lembramos dos nomes. Internamente, softwares trabalham

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3 Conceito Serviço que traduz RESOLVE nomes de máquinas para endereços IP e endereços IP para nomes de máquina. É um sistema hierárquico e descentralizado/distribuído. Simplifica a administração do complexo

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

Aula 3 Servidor DNS BIND

Aula 3 Servidor DNS BIND 1 Aula 3 Servidor DNS BIND Um servidor DNS é responsável em responder pelos domínios e direcionar tudo que é relacionado a ele, nele por exemplo pode se apontar onde fica www.dominio.com.br, vai apontar

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

DNS Parte 2 - Configuração

DNS Parte 2 - Configuração DNS Parte 2 - Configuração Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Revisão Prof. Dr.

Leia mais

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio.

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. APÊNDICE 10 Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. Infelizmente, informações sobre características mais avançadas não serão encontradas aqui. Para mais informações

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DNS Parte 1 Linux Network Servers DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada no

Leia mais

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9 Slide 1 Slide 2 Redes de Computadores Introdução DNS Domain Name System Módulo 9 EAGS SIN / CAP PD PROF. FILIPE ESTRELA filipe80@gmail.com Ninguém manda uma e-mail para fulano@190.245.123.50 e sim para

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP!

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ) O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: wwwgooglept

Leia mais

Prática DNS. Edgard Jamhour

Prática DNS. Edgard Jamhour Prática DNS Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre DNS. Esse roteiro de prática inclui apenas aspectos básicos de configuração desses serviços. Apenas esses aspectos básicos é que serão cobrados em relatório.

Leia mais

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Serviços de Redes Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Atividades Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições, Características, Vantagens e Hierarquia Clientes, Processo de

Leia mais

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS.

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: www.google.pt

Leia mais

BIND Um DNS Server Completo

BIND Um DNS Server Completo BIND Um DNS Server Completo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) Missão ITAIPU: Gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico

Leia mais

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor DNS Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração DNS O servidor DNS usado é o BIND versão 9. Para configuração do servidor DNS, deve-se acessar os arquivos de

Leia mais

DNS Ubuntu Server 14.04

DNS Ubuntu Server 14.04 DNS Ubuntu Server 14.04 1. Passo Configuração do servidor (nomes e endereçamentos exemplos) IP: 192.168.0.1 Nome da máquina: professor Nome do domínio: aula.net 2. Passo Instalar pacote DNS #apt-get install

Leia mais

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com Domain Name System (DNS). O DNS é o serviço de resolução de nomes usado em todas as redes TCP/IP, inclusive pela Internet que, sem dúvidas, é a maior rede TCP/IP existente.

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação INTRODUÇÃO 6 LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Serviços Básicos de Rede DNS Para o correto funcionamento de

Leia mais

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede.

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. O DNS é um sistema hierárquico em árvore invertida. Tem como origem o ponto

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Objectivo / Motivação Resolução de nomes (alfanuméricos) para endereços IPs Será que 66.102.11.99 é mais fácil de decorar

Leia mais

edu com org pt ibm sapo cs iscap

edu com org pt ibm sapo cs iscap TEMA Serviços de nomes no Linux TEÓRICA-PRÁTICA 1. Introdução Necessidade de utilizar nomes em vez de endereços IP: Endereços IP são óptimos para os computadores No entanto, para humanos, são difíceis

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

Capitulo 4: DNS (BIND)

Capitulo 4: DNS (BIND) Por Eduardo Scarpellini odraude@usa.com Capitulo 4: DS (BID) 4.1 do HOSTS.TXT ao DS a década de 70, a ARPAnet era uma pequena rede de algumas centenas de computadores. Um único arquivo, chamado HOSTS.TXT,

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System 1 of 8 28-07-2011 9:21 DNS - Domain Name System Introdução Componentes dum sistema DNS Zonas e Domínios Resolução DNS Vs. WINS Ferramentas Introdução Na Internet, para que as máquinas possam comunicar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said, 'if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org DNS Parte 2 - Configuração Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org 1 Neste

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX EDFRANCIS PEREIRA MARQUES SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO V INTRODUÇÃO NESTE RELATÓRIO VEREMOS A IMPORTÂNCIA DE CONHECER CADA COMANDO EXECUTADO,

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor DNS (BIND) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O DNS é um dos serviços mais importantes na Internet porque

Leia mais

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Configuração de Servidores Por Rubens Queiroz de Almeida Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Os servidores DNS podem ser divididos em três tipos principais: servidores que

Leia mais

Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :))

Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :)) Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :)) Prof. Rossano Pablo Pinto Novembro/2012-v0.3 Abril/2013-v0.5 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br

Leia mais

LPI nível 2: Aula 11

LPI nível 2: Aula 11 Décima primeira aula de preparação LPIC-2 TUTORIAL LPI nível 2: Aula 11 Configuração do servidor BIND, criação e manutenção de arquivos de zonas e ferramentas relacionadas. por Luciano Siqueira Irum_Shahid

Leia mais

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configuração do Servidor DNS Mcedit /etc/named.conf mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configurando o Bind no Slackware 10 ::: Bind / Named Enviado por: Geyson Rogério L. Silva Data:

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CURITIBA 2006 GUILHERME DE SOUZA JEAN THIAGO MASCHIO

Leia mais

SERVIÇOS DE REDES - DNS

SERVIÇOS DE REDES - DNS Aula 18 Redes de Computadores 21/11/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber SERVIÇOS DE REDES - DNS DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS

Leia mais

Relatório do Trabalho Prático nº 1. DNS e DHCP. Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva

Relatório do Trabalho Prático nº 1. DNS e DHCP. Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Relatório do Trabalho Prático nº 1 DNS e DHCP Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 22.10.2006 Indíce Introdução... 2 Configuração

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores Módulo Laboratório de Linux Apostila 2 Serviço DNS Introdução DNS é o Servidor de Nomes do Domínio. Ele converte os nomes das máquinas para números IP, que

Leia mais

Servidor DNS. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15

Servidor DNS. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15 Servidor João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15 O que? O que? O que o define Domain Name Server Serviço utilizado para traduzir nomes em endereços IP e vice-versa Baseado em uma hierarquia

Leia mais

Introdução ao DNS. Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys. Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.

Introdução ao DNS. Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys. Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp. 1 Introdução ao DNS Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.br/ 2 Agenda O que é DNS? Servidores DNS Requisição DNS Caching

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros

Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros Introdução Tutorial de TCP/IP Parte 26 Criando Registros Prezados leitores, esta é a sexta parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo que eu classifiquei

Leia mais

Domain Name System. Domain Name System DNS

Domain Name System. Domain Name System DNS Domain Name System Você aprenderá: O que é Domain Name System (DNS) e quais os seus componentes. O que é uma zona de autoridade. Como funcionamento do processo de resolução de nomes. DNS - 1 Domain Name

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Configuração de DNS Reverso

Configuração de DNS Reverso Configuração de DNS Reverso Nos casos em que os serviços fornecidos pela Brasil Telecom exigirem configurações de DNS Reverso, estas serão executadas de forma centralizada pelo CNRS em Brasília. As solicitações

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

DNS Domain Name System

DNS Domain Name System DNS Domain Name System Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br DNS - Domain Name System O DNS é um sistema de nomes cujo objetivo primário é mapear, em escala global, nomes

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM GESTÃO DE SISTEMAS E REDES DOMAIN NAME SYSTEM OUTLINE DOMAIN NAME SYSTEM NOMES DE DOMINIO CONSULTAS DNS SERVIDORES DE NOMES NAVEGAÇÃO E CONSULTA REGISTO DE RECURSOS O DNS é um serviço de nomes, normalizado

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2011 Camada de Aplicação

Leia mais

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma -SDR LINUX ADMINISTRAÇÃO DNS significa (sistema de nomes

Leia mais

Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br

Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br DNS Domain Name System Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br DNS - Domain Name System O DNS é um sistema de nomes cujo objetivo primário é mapear, em escala global, nomes

Leia mais

Gestão de Sistemas e Redes

Gestão de Sistemas e Redes Gestão de Sistemas e Redes Domain Name System (DNS) e Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Paulo Coelho, 2005 1 Visão geral Para que servem os nomes? identificar objectos Ajudar a localizar objectos

Leia mais

Sobre a licença Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra. No caso de criação de obras derivadas, os logotipos do CGI.br, NIC.br, IPv6.br e

Leia mais

Serviço DNS no PoP-SC

Serviço DNS no PoP-SC Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 Serviço DNS no PoP-SC Rodrigo Pescador PoP-SC/RNP Organização: Apoio:

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importância para uma rede.

Leia mais

Referência de registros de recursos

Referência de registros de recursos Referência de registros de recursos 6 de 6 pessoas classificaram isso como útil Referência de registros de recursos Um banco de dados DNS consiste em um ou mais arquivos de zona usados pelo servidor DNS.

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 DNS Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: DNS Objectivos Neste exercício completará as seguintes tarefas:

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática

Tópicos Especiais em Informática Tópicos Especiais em Informática DNS Prof. Ms.-Eng. Igor Sousa Faculdade Lourenço Filho 10 de novembro de 2014 igorvolt@gmail.com (FLF) Tópicos Especiais em Informática 10 de novembro de 2014 1 / 15 Introdução

Leia mais

2. DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol. 2.1. Por que utilizar o DHCP?

2. DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol. 2.1. Por que utilizar o DHCP? 2. DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol 2.1. Por que utilizar o DHCP? 2.1.1. Definição Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) é um padrão IP para simplificar a administração da configuração IP

Leia mais

Introdução a DNS & DNSSEC 1

Introdução a DNS & DNSSEC 1 Introdução a DNS & DNSSEC 1 David Robert Camargo de Campos Rafael Dantas Justo Registro.br 1 versão 1.0.0 (Revision: ) 1/28 DNS - Domain Name System O Sistema de Nomes de

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS?

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? 1 2 Agenda Rafael Freitas Reale reale@ifba.edu.br http://www.rafaelreale.net Cedido por: Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys O que é DNS? Funcionamento básico Caching Requisição

Leia mais

LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup. Servidor BIND.

LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup. Servidor BIND. LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup Servidor BIND A Configuração de um PC como cliente de um servidor de DNS O ficheiro que define qual o(s) servidor(es) de DNS do domínio local

Leia mais

Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa. Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação. 1º Trabalho de Acompanhamento

Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa. Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação. 1º Trabalho de Acompanhamento Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação 1º Trabalho de Acompanhamento Docente: Professor José Guimarães Realizado por: António Monteiro João

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Tópicos em Sistemas de Computação Administração de Redes TCP/IP DNS - Domain Name Service (Parte 1 - Características e Conceitos) Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Sistema de Distribuição de Nomes de Domínios (DNS)

Sistema de Distribuição de Nomes de Domínios (DNS) Sistema de Distribuição de Nomes de Domínios (DNS) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores Sumário:

Leia mais

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS Neste laboratório iremos falar sobre o serviço DNS (Domain Name System). O DNS é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distríbuido visando resolver nomes de domínio em endereços de rede IP.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA. DNS Domain Name System. por

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA. DNS Domain Name System. por UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA DNS Domain Name System por Jamil Belo Luciano Pedreira Prof. Marco Câmara Disciplina: Teleprocessamento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2.5 - DNS Prof. Jó Ueyama Março/2014 1 DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte. Hosts e roteadores na Internet: endereços IP (32 bits)

Leia mais

Uma Introdução ao DNS. Definindo DNS

Uma Introdução ao DNS. Definindo DNS Uma Introdução ao DNS Definindo DNS DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada

Leia mais

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Reflexão Turma S-12-ano lectivo-2010-1011 Formador-João Afonso Formando-Pedro Gonçalves 14 Unidade: 14 Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Instalar o DNS 1. Abra o Servidor Manager Start\Administrative

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm DNS Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passporte Internet hosts, roteadores: endereços

Leia mais

SERVIÇO DE NOMES. Sistemas Distribuídos. Vinícius Pádua

SERVIÇO DE NOMES. Sistemas Distribuídos. Vinícius Pádua SERVIÇO DE NOMES Sistemas Distribuídos Serviço de Nomes Nomes facilitam a comunicação e compartilhamento de recursos Nomes são vinculados a objetos Nomes devem ser resolvidos antes de de invocar os objetos

Leia mais

Redes TCP/IP. Redes TCP/IP

Redes TCP/IP. Redes TCP/IP Redes TCP/IP Redes TCP/IP Endereçamento Internet e Intranet Redes TCP/IP Internet = REDE TCP/IP Endereço IP de 32 bits Identificador da rede Identificador do host host REDE REDE internet hosts com identificadores

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@uspbr O que é DNS? Caching Laboratório de Sistemas Integráveis http://wwwuspbr/ 3 4 O que é DNS? O que é DNS? Domain Name System Serviço que permite a resolução de

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Máquinas e processos podem ser identificados por endereços (hierárquicos ou não) conforme visto, como IP, IP+NroPorta, No uso por usuários

Leia mais

Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2

Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2 Instalando e configurando servidor de DNS no Windows 2008R2 1- Configure um IP estático no servidor, conforme a ilustração: 2- Clique em Ferramentas Administrativas > Gerenciamento de Servidores > Funções

Leia mais

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh.

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh. CIn/UFPE Sistemas de Informação Redes de Computadores Professor: Kelvin Lopes Dias Monitor: Edson Adriano Maravalho Avelar {kld,eama}@cin.ufpe.br Instalando/Configurando Servidor DNS. Este tutorial irá

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Nível de Aplicação (DNS) por Helcio Wagner da Silva. p./2 Introdução Os serviços de rede funcionam utilizando endereços de rede (p.ex.: 28..24.4). Por questões relacionadas à comodidade

Leia mais

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016 TP03. DNS. Redes de Computadores

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016 TP03. DNS. Redes de Computadores TP03. DNS Redes de Computadores Objetivos Uma introdução ao protocolo DNS Um olhar com algum detalhe para dentro do protocolo O mundo sem DNS DNS: domain name system Domain Name System Uma base de dados

Leia mais

DNS e Serviço de Nomes. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviço de Redes

DNS e Serviço de Nomes. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviço de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática DNS e Serviço de Nomes Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviço de Redes Pontos importantes Nomes (Ex: URLs) são ligados a objetos (Ex:

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@lsiuspbr O que é DNS? Caching Laboratório de Sistemas Integráveis http://wwwlsiuspbr/ 3 4 O que é DNS? O que é DNS? Domain Name System Serviço que permite a resolução

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda Tw eetar 0 Like 0 A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importancia

Leia mais

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual

DHCP. Definindo DHCP: Fundamentação teórica do DHCP. Esquema visual Definindo DHCP: DHCP O DHCP é a abreviatura de Dynamic Host Configuration Protocol é um serviço utilizado para automatizar as configurações do protocolo TCP/IP nos dispositivos de rede (computadores, impressoras,

Leia mais

PRÁTICA DE DNS - LINUX DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD 1.A) INSTALAÇÃO DO SERVIDOR DNS INICIALIZAÇÃO DO AMBIENTE DO DVD

PRÁTICA DE DNS - LINUX DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM DO DVD 1.A) INSTALAÇÃO DO SERVIDOR DNS INICIALIZAÇÃO DO AMBIENTE DO DVD PRÁTICA DE DNS - LINUX Esses exercícios devem ser executados através do servidor de máquinas virtuais: espec.ppgia.pucpr.br ou através da imagem fornecida no DVD. DIFERENÇAS NO ROTEIRO EM RELAÇÃO A IMAGEM

Leia mais

Rafael Dantas Justo. Engenheiro de Software

Rafael Dantas Justo. Engenheiro de Software Rafael Dantas Justo Engenheiro de Software DNS Reverso NIC.br DNS? John John Paul John (1) Paul (2) George (3) John (1) Paul (2) George (3) Ringo (4) (8) John (1) Paul (2) (5) (7) (6) George (3) Ringo

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE APLICAÇÃO Teresa Vazão 2012/2013 IRC - Introdução às Redes de Computadores - LERC/LEE 2 INTRODUÇÃO Internet para todos.. 1979 Tim Burners Lee (invesngador

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor DNS

Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Passo Nº 1 Conferir o nome da máquina ( já configurado no passo Servidor Configuração DHCP ). # nano /etc/hostname Passo Nº

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 9

Sistemas Distribuídos Aula 9 Sistemas Distribuídos Aula 9 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Implementação de um espaço

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS

LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS LABORATÓRIO WIRESHARK: DNS Conforme descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name System (DNS) traduz nomes de hosts para endereços IP, cumprindo um papel fundamental na infra-estrutura da Internet. Neste

Leia mais

Resolução de Nomes e Endereços

Resolução de Nomes e Endereços Resolução de Nomes e Endereços MC833 Programação em Redes de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Carlos A. Astudillo Trujillo Roteiro 1.Noção sobre nomes e funcionamento do DNS 2.Funções para

Leia mais