Tecnologia e Arquitetura de Redes. Internet. Universidade Santa Cecília UNISANTA Prof. Hugo Santana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia e Arquitetura de Redes. Internet. Universidade Santa Cecília UNISANTA Prof. Hugo Santana"

Transcrição

1 Tecnologia e Arquitetura de Redes Internet Universidade Santa Cecília UNISANTA Prof. Hugo Santana

2 O que é a Internet? A Internet é um conglomerado de de milhares de de redes eletrônicas interconectadas, criando um meio global de de comunicação. Essas redes variam de de tamanho e natureza, bem como diferem as as instituições mantenedoras e a tecnologia utilizada. O que as as une é a linguagem que usam para comunicar-se (protocolos, em especial o TCP/IP) e o conjunto de de ferramentas utilizadas para obter informações (correio eletrônico, FTP, telnet, WWW). As As informações podem ser encontradas em diferentes formatos e sistemas operacionais, rodando em todo tipo de de máquina. A INTERNET Internet é a maior rede mundial de computadores existente na atualidade. As redes eletrônicas de computadores proporcionam a seus usuários comunicação a baixo custo e acesso a fontes inesgotáveis de informação. Elas interconectam pessoas para os mais variados fins e têm contribuído para ampliar e democratizar o acesso à informação, eliminando barreiras como distância, fronteiras, fuso horário, etc. A Internet é uma imensa "rede de redes". No mundo inteiro, centenas de milhares de computadores estão interligados. Às vezes as redes precisam compartilhar as informações através de uma distância grande. Para isso é preciso ligar os computadores remotos, seja através da rede telefônica ou por alguma outra forma de ligação. As redes variam muito de tamanho e complexidade, dependendo do número de computadores envolvidos ou da quantidade de dados que podem ser enviados entre eles. A maioria das redes também permite uma forma de transmitir mensagens, denominada electronic mail ou que oferece a possibilidade dos usuários enviarem memorandos através de seus computadores. A Internet leva tudo isto mais adiante ao interligar milhares de redes menores. A Internet é composta por várias redes e a cada dia que passa, mais sistemas estão se associando a ela.

3 Quem Controla a Internet? Ninguém controla a Internet. Organismos responsáveis por organizar e supervisionar a internet: Internet Society (Direcionamento estratégico da da Internet) Internet Engineering Task Force - IETF (Desenvolve novos protocolos e aplicativos) Internet Engineering Steering Group --IESG (Avalia novos produtos e os os submete a aprovação do do IAB) IAB) Internet Architeture Board --IAB InterNIC (Decide acerca da da adoção ou ou recomendação de de novos produtos) (Cadastra todas as as rede rede ligadas a Internet ) ) Organização da Internet no mundo Por ser um conjunto de redes independentes, a Internet não tem dono. Por outro lado, a Internet Society, sediada na Virgínia (EUA), tem gradativamente assumido responsabilidades no direcionamento estratégico da Internet no mundo. A Internet Engineering Task Force desenvolve novos protocolos e aplicativos para uso na Internet como um todo. O Internet Engineering Steering Group faz a avaliação destes produtos e os submete para aprovação ao Internet Architecture Board (IAB), que decide a cerca de sua adoção ou recomendação. Outra estrutura, chamada InterNIC, cadastra todas a redes ligadas à Internet e oferece serviços de consultoria e assistência às mesmas. O InterNIC é formado por três organizações, a saber, a General Atomics (proprietária da CERFNet), a Performance Systems International (PSINet) e a AT&T, operando com financiamento de NSF-US. O IAB e o InterNIC não têm controle sobre toda a Internet. A maioria das decisões é deixada aos administradores das redes filiadas. Estas podem ter regras próprias para definir o que é considerado uso apropriado da rede e seus serviços.

4 A Internet no Brasil Comitê Gestor Internet --CG (Coordenar e integrar todas as as iniciativas de de serviços Internet no no Brasil) Rede Nacional de de Pesquisa --RNP FAPESP (Operar um um serviço de de backbone Internet voltado à comunidade de de ensino e de de pesquisa) (Foi (Foi delegada a FAPESP a responsabilidade pela pela atividade e manutenção de de registro de de domínios no no Brasil) Organização da Internet no Brasil No Brasil, um Comitê Gestor Internet cumpre o papel maior de dar diretrizes à implantação desse tipo de redes no país. Para desempenhar esse papel, o Comitê se estrutura em vários sub-comitês, e recorre a tarefas de apoio de outras organizações, como a RNP, FAPESP, IBASE, etc. O Comitê Gestor da Internet do Brasil foi criado a partir da necessidade de coordenar e integrar todas as iniciativas de serviços Internet no país e com o objetivo de assegurar qualidade e eficiência dos serviços ofertados, assegurar justa e livre competição entre provedores e garantir a manutenção de adequados padrões de conduta de usuários e provedores. A RNP (Rede Nacional de Pesquisa) é um Programa Prioritário do MCT - Ministério da Ciência e Tecnologia, apoiado e executado pelo CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, cuja missão principal é operar um serviço de backbone Internet voltado à comunidade de ensino e de pesquisa. A FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) é a entidade responsável pela ativação e manutenção de registros de domínios no Brasil.

5 Números da Internet 215 Milhões de usuários 5 Milhões de usuários Números da Internet A Internet funciona como poderosa fonte de informação que pode ser usada nas pesquisas bibliográficas e de patentes, na obtenção de respostas do mercado a novos lançamentos. A rede é um meio de comunicação, naturalmente interativo, o que torna ideal para se testar a aceitação de novos produtos e serviços. Os números da Internet são absurdos e no mundo inteiro continua crescendo a taxas fenomenais. Quem lidera esta tendência desde o início da década é o segmento comercial e não mais o acadêmico. Há hoje algo em torno de 215 milhões de usuários, com acessos variados, alguns com múltiplos recursos e outros apenas com , interconectados através de aproximadamente 70 milhões de máquinas, distribuídas por mais de 120 países.

6 Histórico da Internet 1ª Arpanet, 4 sites NCP, antecessor do TCP Telnet, FTP 1º TCP/IP MSG 1º Soft. de Modem em Linha Telefônica Mais de Separado o TCP/IP Usenet Aberto o TCP/IP Bb de 56K da NSFNet Surge a MilNet Introduzido o Domínio Vírus Internet Worm Criada a RNP Lançado a WWW Internet Society, 1º Bb Brasileiro Mosaic Netscape, Yahoo! MS-IE, CG AOL,12M Internet Atual bbn.com/roles/.com/roles/researcher/timeline/ lsi.usp.br/~.usp.br/~emguizzo/inetbr/ Histórico da Internet Em meados da década de 1960, o governo dos EUA., por intermédio do Departamento de Defesa, iniciou estudos relacionados à viabilidade do desenvolvimento de redes de computadores. Finalmente em 1968, tiveram início as atividades do Projeto ARPA (Advanced Research Project Agency), tendo por base o conhecimento e o potencial de pesquisa das universidades e dos centros de pesquisa norte-americanos. Na rede ARPA foi, pela primeira vez, implementada e experimentada a tecnologia de comutação de pacotes e, também, o método de divisão em várias camadas funcionais das tarefas de comunicação entre aplicações residentes em computadores distintos interconectados por meio de rede, criando-se o conceito básico de ARQUITETURA DE REDE DE COMPUTADORES. O projeto ARPA foi pioneiro na criação de protocolos de transporte. Dentro de seu escopo foi projetado e implementado o nó de comutação de pacotes e foram elaborados mecanismos para controle de fluxo, confiabilidade e roteamento, bem como os primeiros protocolos de aplicação, dentro dos quais o protocolo de transferência de arquivos FTP (File Transfer Protocol) e o protocolo de terminal virtual TELNET, ambos utilizados até hoje.

7 Modelo Cliente Servidor Rede Mensagem de Requisição Mensagem de Resposta Cliente Servidor? OK Modelo Cliente Servidor As ferramentas Internet são sistemas que utilizam a filosofia cliente/servidor. Nesta filosofia, há módulos de programa distintos que são executados, geralmente, em computadores diferentes e que se complementam na tarefa de atender ao usuário. O módulo cliente é executado no computador do usuário e recebe os pedidos formulados por ele. O módulo cliente encaminha a solicitação do usuário através da Internet até o seu parceiro correspondente, módulo servidor. O módulo servidor executa o que foi pedido pelo módulo cliente e retorna a este o resultado. O módulo cliente mostra ao usuário o resultado obtido do módulo servidor. Para usar essas ferramentas, portanto, é preciso que se tenha em execução um módulo cliente compatível com o equipamento do usuário e o seu correspondente módulo servidor compatível com o equipamento do provedor.

8 Rede de Pacotes Internet Destino Origem Rede de pacotes A infra-estrutura física de uma grande rede de computadores pode ser comparada a uma estrutura rodoviária. As cidades seriam as instituições, com seus diversos computadores e redes locais, e as rodovias os canais de comunicação, interligando essas instituições. Quando consultamos um mapa rodoviário conhecemos os vários caminhos possíveis de ligação entre as cidades. Se a nossa intenção é fazer uma viagem, procuramos escolher o melhor caminho. No universo das redes a mesma coisa acontece, ou seja, dentre os diversos caminhos possíveis de comunicação entre computadores, tenta-se usar o melhor segundo um conjunto de critérios. A atividade de encaminhamento de unidades de informação (pacotes) por essa estrutura de rede recebe o nome de roteamento. O caminho de comunicação é conhecido como rota.

9 Principais Funções do TCP/IP Camada de Transporte (TCP : Transmission Control Protocol) fornece um serviço orientado a conexão para a camada de Aplicação; proporciona o controle de fluxo fim-a-fim, caracteristico da arquitetura; estabelece e controla os circuitos virtuais entre os programas que compõe as aplicações de comunicações. Camada de Rede (IP : Internet Protocol) fornece um serviço não orientado a conexão para a camada de Transporte; define para qual computador (e por meio de qual interface de rede, no caso dos computadores ligados a mais de uma rede) as informações oriundas da camada de transporte deverão ser encaminhadas (endereçamento de rede). Principais funções do TCP/IP O IP é um protocolo do tipo datagrama, operando, portanto, no modo não orientado a conexão e responsável pelo encaminhamento de pacotes de dados entre diversas subredes desde a origem até seu destino, enquanto o TCP é um protocolo transparente orientado a conexão, que tem por função o transporte fim-a-fim confiável de mensagens de dados entre dois sistemas. O conjunto TCP/IP pode, desta forma, oferecer um serviço de alta confiabilidade. Para uso em redes de alta qualidade, onde o problema confiabilidade não assume grande importância foi definido o protocolo UDP (User Datagram Protocol) que opera no modo não orientado a conexão e possui funcionalidades bem mais simplificadas que o TCP. Outro conceito, adotado nessa arquitetura diz respeito a não-necessidade de se utilizar sub-redes padronizadas. Deve-se apenas implementar interfaces do IP necessárias para sua comunicação com as sub-redes disponíveis no mercado, ficando a compatibilização entre tais sub-redes a cargo dos gateways. Completando a Arquitetura Internet, é especificada uma camada, usuária do TCP ou do UDP, referente às aplicações, tais como correio eletrônico, transferência de arquivos, terminal virtual, entre outras. Além disso, é permitido ao usuário o desenvolvimento de suas próprias aplicações através da utilização de primitivas, especificadas de acordo com o conceito de interfaces sockets, que definem um padrão de comunicação entre dois sistemas, para estabelecimento das conexões e para troca de dados entre eles.

10 Estrutura da Internet EUA PI Com Empresa Inst. Com. P/P Federal Inst. Com. PA Com Empresa PA Com PA Edu Empresa CI Nacional PA Com P/P Estadual PA Com P/P Estadual PA Com Empresa P/P Federal P/P Estadual Inst. Educ. P/P Estadual P/P Estadual PA Edu Escola CO Estadual P/P Estadual ONG Inst. Educ. CI Estadual PA Edu P/P Federal PI Edu CO Nacional Escola Estrutura da Internet Papéis Funcionais na Internet/Brasil: Um exemplo geral O Ponto-de-Presença Federal provê acesso nacional/internacional para uma rede estadual constituída por seis pontos-de-presença, compondo uma espinha dorsal estadual. Esta rede estadual constitui um provedor de acesso, que tem envergadura de atuação suficiente para bancar a operação com pontos-de-presença distribuídos em seis locais, presumivelmente distanciados entre si, no estado. Os Provedores de Acesso Internet são provedores com fins comerciais ou educacionais. As conexões entre PAs estendem a espinha dorsal original, muitas vezes com redundância, para fins de confiabilidade. Se interligam entre si e a um ponto-depresença estadual através de conexões que asseguram redundância. Do ponto de vista de engenharia, o ideal seria ainda que se conectassem a pontos-de-presença distintos. O Provedor de Informações Internet em geral é um provedor com fins comerciais, ou seja, cuja operação visa ser lucrativa, mais podemos encontrar provedores sem fins comerciais e que em versão extrema não cobra nada por seus serviços, uma vez que sua operação é assegurada por outras fontes que não a receita gerada. O Centro de Operações e o Centro de Informações da espinha dorsal nacional estão associados a pontos-de-presença distintos. A espinha dorsal estadual, por sua vez, possui um centro de operações e um centro de informações próprios.

11 Pontos de Presença ou PoPs RB 1 RR 1 RB 2 FDDI ou ATM RR 2 RR 3 RR 4 RB - Roteador de Backbone RR - Roteador de Rede Regional Pontos de Presença Como já foi dito, o serviço Internet/Brasil é estruturado através de uma espinha dorsal de conexões dedicadas interligando pontos-de-presença estaduais. Cada ponto-depresença é uma encruzilhada de linhas do backbone nacional, de redes regionais e mesmo de provedores de serviços Internet. Para desempenhar tal papel com eficiência e confiabilidade, um ponto-de-presença deve ser equipado e configurado segundo requisitos rígidos de engenharia. Na RNP, um ponto-de-presença de tráfego intenso é estruturado como ilustrado na Figura acima. Uma rede local FDDI é utilizada para interconexão de todos os roteadores do ponto de presença, sendo os roteadores do backbone (RBs) independentes daqueles, utilizados para as conexões de redes regionais (RRs). Uma rede local Ethernet é utilizada como backup no provimento de interconexão entre RBs (opcionalmente, pode ser desejável a utilização de outro concentrador FDDI, de tal forma que, cada RB esteja simultaneamente conectado a dois hubs independentes). Um servidor de comunicação com conexão dedicada ao Centro de Operações (conexão discada opcional) pode ser utilizado para acesso a qualquer equipamento que não esteja alcançável via rede, permitindo reconfiguração e gerência de problemas.

12 Pontos de Interconexão de Redes NAP : Network Access Point ISP 1 ISP 2 ISP 3 Brasília São Paulo Rio de Janeiro Pontos de Interconexão de Redes Estes permitirão que estes BSIs possam trocar tráfego entre si, respeitadas suas políticas de tráfego aceitável e roteamento. Na prática, um PIR é implementado como uma rede local ou switch de alta velocidade em que várias espinhas dorsais podem se conectar através de roteadores, permitindo sua inter-operação. Um PIR deve possuir capacidade adequada para sustentar as necessidades de comunicação dos BSIs a ele conectados, e deve poder ser expandido segundo necessidades de demanda, utilização ou metas de interconexão de redes. Estes BSIs são parte da Internet global, mas o PIR propriamente dito pode ser de nível de protocolo inferior, ou seja, nível dois de rede (anel FDDI de 100 Mbps) ou switch. O PIRs iniciais da Internet brasileira estão localizados em cidades que concentrem o maior volume de tráfego de BSIs, a saber, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, devendo ser implantados novos PIRs em outras localidades de acordo com a demanda.

13 Definindo os Papéis Provedor de Serviço Provedor de Backbone Provedor de Acesso Provedor de Informação Usuário Usuário Individual Usuários Institucional Provedores de Serviços O produto comercializável mais imediatamente relacionado com a Internet é o acesso a ela. Em seguida, são as aplicações nela disponíveis. Originalmente, quando a Internet era primariamente acadêmica, o acesso à rede era provido (i.é, instalado e operado) por instituições acadêmicas. Em paralelo, serviços on-line com limitada intercessão com a Internet eram operados nos EUA e Europa por pequenas e grandes instituições de natureza privada, variando de BBSs (Bulletin Board Systems) de fundo de quintal a OSCs (On-line Service Companies) gigantescas operando em escala mundial, como a COMPUSERVE, AOL, etc. O boom da Internet tem feito com que todos tenham reciclado sua atuação para articular acesso de/para a grande rede. Há portanto um grande e ainda crescente espaço de provedores de serviços Internet, que para fins didáticos podemos dividir em: Provedores de Backbone; Provedores de Acesso; e Provedores de Informações. Por outro lado temos também os usuários que podem ser individuais ou institucionais.

14 Provedores de Acesso Tem o objetivo de prover acesso dos seus usuários a Internet. Provedor de Acesso O provedor de acesso é aquele que se conecta a um provedor de backbone através de uma linha de boa qualidade e revende conectividade na sua área de atuação a outros provedores (usualmente menores), instituições e especialmente a usuários individuais, através de linhas dedicadas ou mesmo através de linhas telefônicas discadas. O provedor de acesso é portanto um varejista de conectividade à Internet, e como todo varejista pode operar em diversas escalas, desde um nível mínimo (ex.: uma máquina e umas poucas linhas telefônicas para acesso discado) até um nível de ampla atuação em uma região, aproximando-se da escala de atuação de provedores de backbone. Apresentamos acima uma lista com os maiores provedores de acesso do Brasil levando em conta número de assinantes.

15 Estrutura de um PA DNS p DNS s Proxy Web Mail Validação/ Tarifação Equipamento de Acesso Roteadores 10/100BaseT PC nx2kbps nx64kbps Conexão dedicada Workstation PSTN nx64kbps Internet Grandes usuários Usuários comuns Estrutura de um Provedor de Acesso Em linhas gerais apresentamos aqui a estrutura básica de um provedor de acesso, essa estrutura pode sofrer pequenas alterações de acordo com as características e estratégias adotada pelo mesmo. Os usuários comums se conectam ao provedor através de linhas discadas que são interpretada por um equipamento de acesso, que pode ser um simples banco de modems analógicos ligados a uma multi-serial ou um equipamento que acumula as funções de modem digital, bridge, firewall e até servidor de autenticação de usuários. Uma vez dentro da rede do provedor teremos acesso a todos os serviços fornecido pelo mesmo, através dos seus servidores. Podemos considerar como indispensáveis os servidores de DNS, HTTP e , no entanto vários outros servidores podem ser utilizados como servidores proxy, IRCs, Jogos e etc... É fornecido também o acesso a Internet através do roteador que conecta ao servidor de backbone, provendo assim todos os serviços e facilidades proporcionados pela grande rede mundial. É possível também fornecer acesso a grandes usuário através de linhas dedicadas.

16 Estrutura de um PA Corporativo Srv Srv Mail Roteador Rede Corporativa 10/100BaseT DNS p DNS s Web Proxy Roteador Workstation nx64kbps PC 10/100BaseT Internet Estrutura de um Provedor de Acesso Corporativo Um provedor de acesso corporativo tem por objetivo fornecer acesso a Internet para seus colaboradores trazendo para dentro da empresa as facilidades proporcionadas pela grande rede mundial. Basicamente este tipo de provedor difere de um provedor da acesso comum em dois pontos: Forma de acesso de seu usuário Critério de segurança Os usuários farão acesso a Internet através da própria rede local da empresa, fazendo uso de toda uma estrutura já existente e deixando de lado modems e linhas discadas. Uma grande vantagem a ser comentada é a significativa melhora de performance do acesso o que leva a uma preocupação maior na hora do dimensionamento do link para com o provedor de backbone. Mas a grande preocupação está no item segurança. Como usar a rede local como meio de acesso das informações sem expor ela ao ambiente extra-corporativo? A resposta está em vigiar muito bem a fronteira entre as duas redes. Isso pode ser implementado das mais variadas formas, os principais recursos usados são: os firewalls e servidores proxy, normalmente usados em conjunto e com o auxilio de uma forte política de segurança e conscientização.

17 Provedor de Informação Tem o objetivo de de disponibilizar informações na na rede. Essas informações podem ser Informações sobre produtos e serviços com o objetivo de: Vender ou ou estimular as as vendas; Informar melhor o cliente; Prestar serviços gratuitos e atrair patrocinadores. Outros... Exemplo de de provedores de de informação: Universo On-Line Cadê Yahoo PUC Provedor de Informação Uma outra forma de explorar comercialmente os recursos da Internet é através da disponibilização de informações na rede. O exemplo mais simples seria a venda de informação de algum tipo. O empreendedor seria dono de uma base de dados e estabeleceria contas para os usuários, que acessariam o sistema mediante o uso de senhas. Este, contudo, não é o único meio de usar comercialmente uma conexão de sua instituição à Internet. A comunicação digital oferece uma oportunidade única para a propaganda e marketing de seu produto. Constitui-se num excelente meio para construir a imagem pública de uma empresa, bem como dar assistência on-line aos seus clientes, como por exemplo, no caso de apoio a usuários de software. Portanto, nem toda informação a ser disponibilizada por instituições de caráter comercial precisa ser vendida. Devido a sua origem não-comercial, nem todo tipo de comportamento é bem tolerado por seus usuários. Por exemplo, a distribuição de material pela rede através de correio eletrônico é a pior forma de anunciar seus serviços. O "castigo" para propaganda exagerada e principalmente não solicitada é a sobrecarga do sistema de correio eletrônico de sua empresa com protestos (muitas vezes automáticos e intencionalmente produzidos em grandes quantidades).

18 Estrutura de um PI Banco de dados DNS p DNS s Web Workstation PC 10/100BaseT Firewall Roteador nx64kbps Internet Estrutura de um Provedor de Informação Esse tipo de provedor, cada vez mais comum na Internet, se preocupa em fornecer informações e serviço a seu usuários, que neste caso não estão conectados direto a ele, mais sim espalhados por todo mundo. Esses usuários conectam a seus próprios provedores de acesso e são capazes de acessar os provedores de informações fazendo uso da própria Internet. A porta de entrada desse tipo de provedor é link com provedor de backbone que mais uma vez deve ser cuidadosamente dimensionado, garantindo assim a satisfação do seu usuário. Normalmente se faz uso de um sistema firewall para proteger o provedor contra ataques externos. Esse firewall pode ser implementado de diversas formas: no próprio roteador de entrada, em um equipamento servidor fazendo uso de um software firewall ou através de um equipamento próprio. Neste provedor deve-se dar especial atenção aos servidores de banco de dados onde normalmente se concentra seu principal produto.

19 Endereço IP X.X.X.X 0 X => => Endereço IP Para duas máquinas se comunicarem utilizando o protocolo TCP/IP, cada uma destas máquinas precisa ter um endereço IP diferente, pois é através do endereço IP que é possível identificar uma determinada máquina. Agora imagine que ao invés de você ligar somente duas máquinas, você queira ligar milhões delas em diversas partes do mundo. É natural pensar que a quantidade de endereços também seja enorme. Pensando nisso, o endereço IP foi criado como um conjunto de 32 bits para ser utilizado por todas as aplicações que utilizem o protocolo TCP/IP. A notação desta representação é mostrada acima. Observe, portanto, que o número máximo de computadores e elementos de rede utilizando esta forma de endereçamento seria: (256 x 256 x 256 x 256), o que é um número bastante representantivo, mas que já esta ficando saturado para os dias atuais. É por isso que soluções como Proxy, DHCP ou o próprio IPv6 (nova versão do IP) estão sendo largamente utilizados para resolver este problema de escassez de números IP. De forma a facilitar a compreensão ao homem, o endereço IP é escrito como quatro números decimais separados por ponto. Cada decimal dá o valor de um octeto do endereço IP (em binário). Acima temos um endereço IP com a sua representação binária e a sua representação decimal. A representação binária é separada em quatro blocos de oito bits, já na sua forma decimal, estes blocos são agrupados e separados por ponto.

20 Endereços IP para o Brasil Classe B Cerca de de endereços Solicitadas diretamente ao ao InterNIC Usado da da USP ao ao Observatório Nacional Grau de de utilização de de 10% a menos de de 0,1%. Classe C Cerca de de endereços Faixa de de até Faixa de de até Obs A faixa 200 é destinada a América Latina O brasil recebeu 0,25% do do espaço teórico da da Internet Endereços IPs para o Brasil Os endereços IP foram divididos em classes para facilitar o roteamento de pacotes. Nesta divisão, um endereço de classe A por exemplo tem o seu primeiro octeto reservado para o endereço de rede e os demais são utilizados para as máquinas, já o endereço classe B, tem os dois primeiros octetos reservados para a rede e os demais para as máquinas, no endereço de classe C os três primeiros octetos são reservados para a rede e somente o último octeto para as máquinas. Isto significa dizer que os endereços de classe C são usados por pequenas redes, até o limite de 256 computador (utilizando somente um endereço de classe C), já os endereços de classe B, são para redes maiores suportando até computadores na mesma rede e os de classe A suportam até Existe ainda os endereços de Classe D que são utilizados para enviar mensagens multicasting (uma mensagem enviada através de um único endereço IP para vários destinatários) e o broadcasting (uma mensagem enviada através de um único endereço IP para todos os destinatários de uma determinada rede). A faixa de endereços IP de cada classe foi mostrada no slide anterior. Acima temos indicadas as faixas de endereços designados para o brasil pelo InterNIC.

21 Domínio Nome da máquina www. brasil. gov. br Sub-Domínio do DPN Ex: Brasil.gov gov.br = Gov.. do Brasil Nec.com.br = NEC do Brasil Domínio de Primeiro Nível (DPN) Ex: gov.br = Governamental com.br = Comercial Domínios Globais divididos em países Ex: br = Brasil jp = Japão Domínio Aqui fazemos uma introdução ao serviço de nomes da Internet, o chamado Domain Name System (DNS), e ao procedimento de registro de redes e domínios da INTERNET/BR. O DNS é o serviço Internet que tem como objetivo principal a conversão de nomes de maquinas em endereços IPs e vice-versa. As máquinas são agrupadas em domínios, que podem estar contidos em outros domínios, formando assim uma estrutura hierárquica, análoga a uma estrutura de diretórios usada em alguns sistemas operacionais. Nesta analogia, um domínio corresponde a um diretório, e um arquivo corresponde a uma máquina. Por exemplo, o nome denomina a maquina www' do domínio nec.com.br, e o domínio nec pertence ao domínio com que pertence ao domínio br. Este serviço possui uma base de dados distribuída, controlada por servidores de nomes (DNS servers), como o named. Cada domínio deve ter um servidor primário e um ou mais servidores secundários. O servidor primário e o responsável pelas informações sobre o seu domínio. Os servidores secundários apenas mantêm as informações obtidas junto ao servidor primário de um domínio, cuidando de atualizar esta informação periodicamente, sempre que necessário. Para que o DNS funcione, é preciso que o servidor de um determinado domínio conheça todos os seus subdomínios, bem como quais são seus servidores e quais os seus respectivos números IPs.

22 Domínio de Primeiro Nível DPNs para Instituições AM.BR Empresas de radiodifusão sonora ART.BR Artes: música, pintura, folclore BR Entidades de pesquisa e/ou ensino superior COM.BR Comércio em geral ESP.BR Esporte em geral FM.BR Empresas de radiodifusão sonora G12.BR Entidades de ensino de primeiro e segundo grau GOV.BR Entidades do governo federal IND.BR Industrias INF.BR Meios de informação (rádios, jornais, bibliotecas, etc..) MIL.BR Forças Armadas Brasileiras Exclusivamente para provedores de meios físicos de comunicação, NET.BR habilitados legalmente para a prestação de serviços públicos de telecomunicações ORG.BR Entidades não governamentais sem fins lucrativos PSI.BR Provedores de serviço Internet REC.BR Atividades de entretenimento, diversão, jogos, etc... TMP.BR Eventos temporários, como feiras e exposições TUR.BR Entidades da área de turismo TV.BR Empresas de radiodifusão de sons e imagens ETC.BR Entidades que não se enquadram nas outras categorias Domínio de primeiro nível para instituições A base de dados do DNS pode ser vista como um único domínio raiz ("."), equivalente ao "/" do Unix. Ligado diretamente ao "." temos um subdomínio para cada país. Assim "br", para Brasil, "ar", para Argentina, etc. Dentro do "br" ha subdomínios em função da natureza da atividade desenvolvida pela instituição. Acima apresentado uma listas com os tipos domínios de primeiro nível válidos para o Brasil e as instituições a qual eles representam.

23 Registro de Domínio Através do Site ( ) Obter a identificação do sistema Identificar-se no sistema Cadastro de Novos Domínios Selecionar o tipo de Domínio Examinar o Acordo de Registro Preencher o Formulário (Incluindo CNPJ ou CPF e dois endereços de servidores DNS ) Custo do registro R$40,00 (pago apenas uma vez) Custo de manutenção R$40,00 (por ano) Registro do domínio Para registrar um novo domínio o usuário deverá seguir os seguintes passos: Obtendo uma IDentificação no sistema: Se você não possui uma IDentificação no sistema, siga as instruções do tutorial de cadastro de novos usuários (www.registro.br/info/usuario.html), para obter o seu ID. Identifique-se no sistema: Vá para a página de entrada do sistema, digite o seu ID, a sua senha e selecione o botão ENTRAR. Cadastrando um novo domínio: Selecione uma das 3 opções "Novo Domínio [Institucional / para Profissionais Liberais / para Pessoas Físicas]" e leia atentamente o Acordo Registro.br. De acordo com o contrato o formulário de requisição de domínio deverá ser preenchido. No campo CNPJ ou CPF, o botão CHECAR verifica se o número digitado é válido. Nos campos ID Cobrança e ID Técnico existe um botão PESQUISAR. Se preferir omitir estes campos, o sistema registrará automaticamente o seu ID para estes ítens. São necessários ao menos dois servidores DNS configurados para o domínio para que o registro deste seja efetivado. Você pode informar os nomes destes servidores no ato do pedido de registro ou deixar os campos sobre as Delegações DNS em branco. Neste último caso, você terá 2 semanas para informar os nomes dos servidores DNS através da tela de informação sobre o ticket (veja abaixo). Submetendo o formulário: Ao selecionar o botão ENTRAR algumas verificações obrigatórias serão realizadas e caso o seu formulário não contenha erros, você receberá um ticket, via .

Parte integrante da disciplina de Internet do Professor Rinaldo Demétrio

Parte integrante da disciplina de Internet do Professor Rinaldo Demétrio Passo-a-passo para o registro de Domínio na Internet No Brasil, o registro de domínio na Internet é feito através do site: registro.br, e os passos descritos, a seguir, foram extraídos e adaptados do respectivo

Leia mais

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br

Internet. Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet Edy Hayashida E-mail: edy.hayashida@uol.com.br Internet A Internet não é de modo algum uma rede, mas sim um vasto conjunto de redes diferentes que utilizam certos protocolos comuns e fornecem

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier Principais protocolos da Internet Servidor x Serviço O que é um serviço em uma rede? Servidores Cliente x Servidor Rede Serviços Visualização de Páginas É um serviço baseado em hipertextos que permite

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet

*Conceitos básicos *Formas de conexão *Correio Eletrônico *WWW *Principais navegadores para Internet Conceitos básicos Formas de conexão Correio Eletrônico WWW Principais navegadores para Internet Para compreender a Internet faz-se necessário o conhecimento de conceitos simples e que muitas vezes causam

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada Internet Aula 4 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO A Internet é um grande conjunto de redes de computadores interligadas

Leia mais

ExecutivoVirtual soluções que facilitam seu negócio

ExecutivoVirtual soluções que facilitam seu negócio Faça você mesmo o registro de domínio na Internet Nesta apresentação vamos conhecer as etapas para registrar um domínio no (registro.br) Instituição responsável no Brasil Uma organização seja ela do governo,

Leia mais

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET

INTERNET. Surgimento da Internet. Cenário antes do Projeto Arpanet. Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br. Surgimento da ARPANET INTERNET Aula 04 Prof. André Cardia andre@andrecardia.pro.br Surgimento da Internet Projeto militar dos Estados Unidos, em 1969 o departamento de defesa norte americano (DoD), por meio da ARPA (Advanced

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Guia do empreendedor Internet/Brasil

Guia do empreendedor Internet/Brasil Guia do empreendedor Internet/Brasil - versão 1.0 - a b r i l 1 9 9 6 D o c u m e n t o N º R N P / R P U / 0 0 1 4 F C ó d i g o C I - 0 0 2 SOBRE ESTE GUIA Este documento faz parte de um conjunto de

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

sol.eps.ufsc.br (endereço nominal) 150.162.1.50 (endereço numérico) Como padrão para os EUA, tem-se alguns exemplos das terminações de endereço:

sol.eps.ufsc.br (endereço nominal) 150.162.1.50 (endereço numérico) Como padrão para os EUA, tem-se alguns exemplos das terminações de endereço: 1. A INTERNET 1.1 Como Funciona a Internet? Cada país que participa da Internet possui estruturas de rede chamadas backbones com conectividade através do protocolo TCP/IP Transmission Control Protocol

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Internet. O que é a Internet?

Internet. O que é a Internet? O que é a Internet? É uma rede de redes de computadores, em escala mundial, que permite aos seus utilizadores partilharem e trocarem informação. A Internet surgiu em 1969 como uma rede de computadores

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE PÁGINAS WEB I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br

CONSTRUÇÃO DE PÁGINAS WEB I. Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br CONSTRUÇÃO DE PÁGINAS WEB I Prof. Antonio Miguel Faustini Zarth antonio.zarth@ifms.edu.br INTERNET Tópicos desta aula Internet sob a perspectiva do desenvolvedor web Funcionamento geral Protocolos e portas

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Internet A Grande Rede Mundial Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha O que é a Internet? InterNet International Network A Internet é uma rede mundial de

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet CAPÍTULO 2 Entendendo a Internet 2.1 O que é a Internet Internet é a rede mundial pública de computadores interligados, por meio da qual se transmite informações e dados para outros computadores conectados

Leia mais

DNS - Domain Name System Endereços na Internet. Módulo I

DNS - Domain Name System Endereços na Internet. Módulo I DNS - Domain Name System Endereços na Internet Módulo I Atribuição de Endereços IP Todo computador ligado a Internet tem que ter um endereço IP Endereços ou números IP número de 32 bits formato decimal

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord 1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network O

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 INTERNET Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 Internet Origem: Guerra Fria DARPA (Departamento de Defesa de Pesquisas Avançadas)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Noções de redes de computadores e Internet

Noções de redes de computadores e Internet Noções de redes de computadores e Internet Evolução Redes de Comunicações de Dados Sistemas Centralizados Características: Grandes Centros de Processamentos de Dados (CPD); Tarefas Científicas; Grandes

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet

Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet Introdução ao Conceito de Redes e Infra estrutura Internet Prof. José Alexandre da Costa Alves (MSc) O que é uma rede de Computadores Conjunto de unidades de processamento com capacidade de trocar informações

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System

Redes - Internet. Sumário 26-09-2008. Aula 3,4 e 5 9º C 2008 09 24. } Estrutura baseada em camadas. } Endereços IP. } DNS -Domain Name System Redes - Internet 9º C 2008 09 24 Sumário } Estrutura baseada em camadas } Endereços IP } DNS -Domain Name System } Serviços, os Servidores e os Clientes } Informação Distribuída } Principais Serviços da

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com 1 PRIMÓRDIOS 1950 Auge da Guerra Fria, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos realiza

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Internet A Internet é um conjunto de redes de computadores de domínio público interligadas pelo mundo inteiro, que tem

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN

APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br. Prof. BRUNO GUILHEN APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN www.brunoguilhen.com.br Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. O processo de Navegação na Internet A CONEXÃO USUÁRIO

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Nota de Aplicação. Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP. HI Tecnologia. Documento de acesso público Nota de Aplicação Integrando controladores em rede Ethernet com protocolo UDP HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00030 Versão 1.00 setembro-2013 HI Tecnologia Integrando controladores em rede

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3

Redes de Computadores Aula 3 Redes de Computadores Aula 3 Aula passada Comutação: circuito x pacotes Retardos e perdas Aula de hoje Protocolo em camadas Aplicações C/S x P2P Web Estruturando a Rede Como organizar os serviços de uma

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução Internet? Introdução 11-03-2007 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2 Internet Introdução É uma rede global de computadores interligados que comunicam

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Ponto de Presença da RNP na Bahia Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração de Redes,

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Informática Internet Internet

Informática Internet Internet Informática Internet Internet A Internet é uma rede mundial de computadores de acesso de público ilimitado. Na prática, pode-se dizer que ela é composta por um conjunto de muitas redes interconectadas.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES

REDES DE 16/02/2010 COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Delfa M. HuatucoZuasnábar 2010 2 A década de 50 - Uso de máquinas complexas de grande porte operadas por pessoas altamente especializadas e o enfileiramento de usuários para submeter

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb ConceitosGerais ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ConceitosGerais Índice 1 História da Internet... 2 a) No Mundo...

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

Especialização. Redes TCP/IP. Prof. Edgard Jamhour. Redes TCP/IP

Especialização. Redes TCP/IP. Prof. Edgard Jamhour. Redes TCP/IP Especialização Redes TCP/ Prof. Edgard Jamhour Redes TCP/ Especialização Endereçamento Internet e Intranet Redes TCP/ Internet = REDE TCP/ Endereço de 32 bits Identificador da rede Identificador do host

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Introdução a Redes de Computadores. Professor Machado

Introdução a Redes de Computadores. Professor Machado Introdução a Redes de Computadores Professor Machado 1 O que é uma rede de computadores? Uma rede de computadores é um conjunto de computadores autônomos, interconectados, capazes de trocar informações

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 02 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Revisão da Aula 1. Redes LAN e WAN. Aprofundamento nos Serviços de

Leia mais

Existem alguns conceitos básicos que são imprencindíveis ao entendimento do TCP/IP e de redes que o utilizam.

Existem alguns conceitos básicos que são imprencindíveis ao entendimento do TCP/IP e de redes que o utilizam. I. Número de IP II. Máscara de Sub-Rede III. Gateway Padrão (Default Gateway) IV. DNS V. DHCP VI. Portas VII. Outros Termos VIII. Visão Geral de uma rede TCP/IP IX. Protocolos do TCP/IP TCP/IP (Transmission

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais