Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores"

Transcrição

1 7. Camada de Aplicação DIN/CTC/UEM 2008

2 Principais Funções Oferece serviços de rede aos processos da aplicação Identifica e estabelece a disponibilidade dos recursos para a comunicação Sincroniza comunicação entre as aplicações Estabelece procedimentos para o caso de falhas Exemplos de protocolos: Transferência de arquivos File Transfer Protocol (FTP) Network File System (NFS) Simple Mail Transfer Protocol (SMTP) Internet Message Access Protocol (IMAP) Post Office Protocol (POP) Remote login Terminal Emulation Protocol (TELNET) Gerência de rede Simple Network Management Protocol (SNMP) Gerência de nomes Domain Name System Protocol (DNS)

3 The Big Picture

4 Domain Name System (DNS) A Internet é construída utilizando um esquema de endereçamento hierárquico Roteamento é baseado em classes de endereços ao invés de endereços individuais Problema: como associar o nome de um sítio na Internet ao seu endereço na rede? Solução: Domain Name System associa o nome de um domínio (domain) ao seu endereço Domínio é um grupo de máquinas que estão associadas ou geograficamente ou funcionalmente Um nome de domínio é uma cadeia de caracteres (letras e números) que representam um nome ou uma abreviação Todo domínio tem uma autoridade que controla a atribuição de nomes de seus sub-domínios Exemplo: controla a atribuição de endereços terminados com.br

5 Domain Name System (DNS) Nome de domínio é hierárquico Primeira parte carrega o nome da máquina Última parte carrega o nome do domínio de mais alto nível Exemplo: robot.ai.cs.yale.edu

6 Domain Name System (DNS) Alguns domínios no Brasil gov.br: entidades do governo org.br: entidades não governamentais, sem fins lucrativos com.br: atividades comerciais ind.br: indústrias mil.br: entidades militares edu.br: entidades de ensino g12.br: entidades de ensino fundamental e médio.br: entidades de ensino superior art.br: artes: música, pintura, folclore esp.br: entidades esportivas inf.br: provedores de informação (meios de comunicação, etc.) psi.br: provedores de serviçõs de Internet tmp.br: eventos temporários (feiras, etc.) can.br: candidatos am.br, fm.br, tv.br: emisoras de rádio e televisão Lista completa: registro.br/info/dpn.html

7 Domain Name System (DNS) Componentes Resolver: cliente que solicita as requisições Name Server: servidor que processa requisições e envia resposta Tipos de servidores Primário Informações criadas pelo administrador do domínio Único por domínio Secundário Mantém cópia das informações do domínio Periódicamente atualiza as informações Tipos de requisições Não Recursiva (Interativa) Servidor utiliza apenas as suas informações Retorna informação que mais se aproxima daquela requisitada Recursiva Servidor utiliza as suas informações e pode requisitar informações de outros servidores Retorna informação solicitada pela requisição

8 Domain Name System (DNS) Tipos de respostas Authoritative Servidor possui autoridade sobre o domínio Respostas sempre corretas Non-Authoritative Servidor não possui autoridade sobre o domínio Informação obtida a partir da cache Informações podem estar incorretas Diálogo típico

9 Domain Name System (DNS) Tipos de mapeamentos Direto Traduz nome da máquina para o seu endereço IP Reverso Traduz o endereço IP para o nome da máquina Domínio in-addr.arpa realiza o mapeamento inverso Exemplo: in-addr.arpa contém informação sobre endereço Outras informações Utiliza UDP nas comunicações Servidores operam seguindo a hierarquia dos nomes Nomes de domínios não diferenciam maiúsculo e minúsculo Cada componente do nome pode ter até 63 caracteres, e nomes completos até 255 caracteres Nomes de domínios seguem divisões poĺıticas e organizacionais e não existe relação entre hierarquia DNS e endereços IP Somente o nível mais alto é globalmente regulamentado Por exemplo, Nova Zelândia e Grã Bretanha utilizam.ac em vez de.edu e.co em vez de.com

10 Domain Name System (DNS) Servidor DNS Aceita requisições para tradução de nomes Cada servidor tem informação segura sobre certos nomes (configurados pelo administrador) e insegurança sobre outros (armazenados em cache) Um servidor deve ter informação segura sobre todos os sub-domínios da sua zona ou conhecer o endereço de outros servidores que a tenham Servidores cobrem regiões não sobrepostas no espaço de nomes Todos os servidores podem encontrar o servidor raiz Caching Todo servidor (e clientes também) devem armazenar informação obtida de transasões anteriores Essa prática funciona bem porque a informação é relativamente estática e em geral utilizada várias vezes Recursivo ou interativo? Clientes normalmente utilizam recursivo Servidores (atuando como clientes) utilizam interativo

11 Domain Name System (DNS) Resource Records Todos os domínios têm informação associada a eles Um resource record consiste de: nome do domínio tempo de vida (time to live) em segundos classe (sempre IN para Internet) tipo de registro (record) valor do registro

12 Domain Name System (DNS) Resource Records Start of Authority (SOA) domain ttl IN SOA origin contact (serial refresh retry expire minimum) domain: nome desse domínio ttl: tempo (em segundos) que clientes devem armazenar a informação desse registro origin: nome do servidor que mantém esse registro contact: do administrador desse domínio serial: versão do registro refresh: intervalo (em segundos) de atualização do servidor DNS secundário retry: intervalo (em segundos) de retentativa de atualização do servidor DNS secundário expire: validade (em segundos) da informação mantida pelo servidor DNS secundário minimum: tempo que o servidor DNS secundário mantém a informação desse registro

13 Domain Name System (DNS) Resource Records Name Server (NS) domain ttl IN NS server server: nome do servidor com informação segura sobre esse domínio Address v4 (A) e v6 (AAAA) host ttl IN A address host ttl IN AAAA address host: nome da máquina address: endereço IP da máquina Main Exchanger (MX): define o servidor de domain ttl IN MX preference host preference: prioridade do servidor Canonical Name (CNAME): define um apelido nickname ttl IN CNAME host nickname: apelido (alias)

14 Domain Name System (DNS) Resource Records Pointer (PTR): converte endereço IP em nome de máquina name ttl IN PTR host name: endereço IP no formato in-addr.arpa Well Known Services (WKS): identifica serviços disponíveis host ttl IN WKS address protocol service protocolo: protocolo de transporte (exemplo, TCP) service: lista de serviços (exemplo, snmp ftp www) Host Information (HINFO) host ttl IN HINFO hardware software hardware: identifica o hardware da máquina software: identifica o sistema operacional da máquina Notações especiais substitui domínio origem Nomes completos no 1 o campo são terminados com ponto Nomes terminados sem ponto devem ser complementados com domínio de origem (exemplo, rowboat = rowboat.cs.vu.nl.)

15 Domain Name System (DNS) Exemplo de Resource Records

16 Domain Name System (DNS) Berkeley Internet Name Domain (BIND) Implementação mais utilizada em sistemas UNIX Componentes: Resolver, Name Server e arquivos de dados do domínio (resource records) Configuração do Resolver Contém nome do domínio padrão (default) Contém nome do(s) servidor(es) de nomes utilizado(s) Armazenada no arquivo /etc/resolv.conf Exemplo domain redes.unb.br domínio default nameserver servidor de nomes 1 nameserver servidor de nomes 2

17 Domain Name System (DNS) Berkeley Internet Name Domain (BIND) Configuração do Name Server Armazenada no arquivo /etc/named.boot Algumas linhas de exemplo (para BIND 8.2) options { directory "/var/named"; forwarders { ; ;}; forward first; allow-recursion { /24;}; }; zone "." { type hint; file "root.servers"; }; zone "example.com" in { type master; file "master/master.example.com"; allow-transfer { ;}; }; diretório dos arquivos de dados para onde encaminhar perguntas encaminha antes de tentar resolver recursão só para hosts locais informação sobre um domain informação sobre root domain onde informação está

18 Correio Eletrônico Uma das primeira aplicações a se beneficiarem da interconexão de computadores em redes Atualmente ubíquo (onipresente) Muitas semelhanças com o sistema postal (snail mail) Especificação da Internet prevaleceu apesar de esforços para padronização internacional (com X.400) Caracteristicas do serviço Confiável, com confirmação de recebimento opcional Serviço sem conexão (exemplo de serviço sem conexão usando protocolo orientado a conexão, por exemplo TCP) Protocolos especificam transferência de arquivos, formato e codificação da mensagem, e formato do endereço Funções: compor, transferir, reportar, mostrar e dispor Outras funções: auto-encaminhar, responder em férias, mailing lists, alta prioridade, filtrar, etc. Dois subsistemas: User Agent e Message Transfer Agent

19 Correio Eletrônico Especificação RFCs 821 e sucessor 2821: protocolo de transmissão RFCs 822 e sucessor 2822: formato da mensagem Arquitetura

20 Correio Eletrônico User Agent Composição e exibição da mensagem Disposição da mensagem (eliminação, arquivamento, encaminhamento) Comunicação com o MTA local Espera endereço no formato: Muitos exemplos: Outlook, Thunderbird, Eudora, etc. Message Transfer Agent Mantém mensagens ainda não lidas Controla fila de mensagens a serem enviadas Protocolo SMTP (Simple Message Transfer Protocol) permite troca de mensagens entre MTAs

21 Correio Eletrônico SMTP Cliente SMTP estabelece conexão TCP com os servidores SMTP destinatários utilizando porta 25 Diálogo composto de 3 fases: Handshaking, Transferência de mensagens, e Fechamento Mensagem (corpo e cabeçalho) deve utilizar apenas codificação ASCII de 7 bits Exemplo de diálogo: S: 220 hamburger.edu C: HELO crepes.fr S: 250 Hello crepes.fr, pleased to meet you C: MAIL FROM: S: 250 Sender ok C: RCPT TO: S: 250 Recipient ok C: DATA S: 354 Enter mail, end with "."on a line by itself C: Do you like ketchup? C: How about pickles? C:. S: 250 Message accepted for delivery C: QUIT S: 221 hamburger.edu closing connection

22 Correio Eletrônico SMTP Utiliza conexões persistentes (vários request-reply em uma mesma conexão) Fim da mensagem indicada por CRLF. CRLF Tente usar o SMTP você mesmo (como enviar um sem ter o cliente): Digite telnet servername 25 Deve aparecer uma resposta 220 do servidor Utilize os comandos HELO, MAIL FROM, RCPT TO, DATA, QUIT l Formato da mensagem Originalmente apenas texto ASCII Definido o Multipurpose Internet Mail Extension (MIME) para multimídia, outros idiomas que não o inglês, etc. Conteúdos em diversos formatos definidos na RFC 1521

23 Correio Eletrônico Cabeçalho (header) da mensagem

24 Correio Eletrônico MIME Protocolo que permite a transmissão de dados não-texto Cabeçalho indica conteúdo do tipo MIME Cabeçalho MIME Exemplo de cabeçalho

25 Correio Eletrônico MIME Tipos e subtipos

26 Correio Eletrônico Protocolos de acesso SMTP (ou ESMT) entrega e armazena no servidor do destino Como o usuário acessa e recupera as mensagens? Utilizando um protocolos de acesso Post Office Protocol (POP): usuários apenas fazem o download de mensagens; oferece funcionalidade reduzida; difícil para o usuário móvel Internet Mail Access Protocol (IMAP): mais complexo; permite manipulação de mensagens armazenadas no servidor HTTP (exemplo, Hotmail, Yahoo!Mail, etc.)

27 Correio Eletrônico POP3 Permite que o UA contacte o MTA para copiar mensagens Após conexão, diálogo passa por 3 estados: Autorização, Transação, e Atualização Alguns comandos USER: especifica usuário PASS: especifica senha STAT: obtém quantidade de mensagens LIST: obtém lista e tamanhos das mensagens RETR: recupera mensagem DELE: marca mensagem para descarte QUIT: descarta mensagens marcadas e fecha conexão TCP

28 Correio Eletrônico Exemplo de diálogo POP

29 Correio Eletrônico Comparação POP e IMAP

30 Transferência de Arquivos File Transfer Protocol (FTP) Transferência de arquivo de/para host remoto (veja RFC 959) Modelo cliente-servidor (cliente inicia transferência) Diálogo: Cliente contacta servidor utilizando TCP na porta 21 e estabelece conexão de controle Cliente obtém autorização para acesso Cliente navega pelo sistema remoto de diretórios Ao receber um um pedido de transferência de arquivo, servidor estabele uma conexão de dados com o cliente utilizando TCP na porta 20 Após transferência de arquivo, conexão de dados é fechada Servidor mantém estado da conexão Dados e controle utilizam canais separados

31 Transferência de Arquivos File Transfer Protocol (FTP) Comandos enviados como texto ASCII pelo canal de controle USER username PASS password LIST: lista de arquivos no diretório atual RETR filename: retrieve STOR filename: store Respostas Código seguido de frase (similar ao HTTP) 331 Username OK, password required 125 data connection already open; transfer starting 425 Can t open data connection 452 Error writing file

32 Transferência de Arquivos File Transfer Protocol (FTP) FTP original é inseguro porque senhas, arquivos, comandos e respostas são enviados sem encriptação (podem ser captados por um packet sniffer) A solução usual a esse problema é utilizar SFTP (SSH File Transfer Protocol) ou FTPS (FTP over SSL) (veja RFC 4217) FTP utiliza múltiplas conexões TCP: 1 para controle e 1 para cada download, upload ou listing Alta latência devido ao número de comandos para iniciar a transferência Não existe verificação de integridade no receptor; se a transferência é interrompida o receptor não consegue saber se o arquivo está completo ou não Alguns servidores utilizam checksum

33 World Wide Web (WWW) Ou simplesmente Web Estrutura para acesso de documentos conectados e espalhados pelo globo Milhões de máquinas conectadas

34 World Wide Web (WWW) Uma página da Web é composta de objetos A base é um arquivo HTML (Hypertext Markup Language) que inclui referência a vários outros objetos Objetos podem ser arquivo HTML, imagem JPEG, applet Java, arquivo de áudio, etc. Cada objeto tem um endereço URL (Uniform Resource Locator) Exemplo URL: protocolo html, domínio diretório din/pics, e arquivo pic.gif Lado do cliente (browser) Interpretador HTML Páginas não HTML com uso de helpers, plug-ins Lado do servidor Otimização para acesso rápido: server farms, multithreading, etc.

35 World Wide Web (WWW) Uniform Resource Locator (URL)

36 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Especifica regras para a interação cliente-servidor Cliente utiliza browser que faz pedidos, recebe e mostra objetos Servidor envia objetos em resposta aos pedidos Camada de aplicação da Web HTTP/1.0: veja RFC 1945 HTTP/1.1: veja RFC 2616 Tipicamente utiliza TCP como protocolo de transporte Operações HTTP são denominadas métodos Requisição consiste de 1 ou mais linhas de texto ASCII especificando o método na primeira linha Resposta consiste de linha de status (com código de 3 dígitos) e possivelmente informação adicional

37 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Utiliza TCP porta 80 Cliente inicia conexão e solicita objetos Servidor aceita conexão e responde às requisições Ao final conexão TCP é fechada Conexão HTTP não tem estados Servidor não mantém qualquer informação sobre as requisiões dos clientes

38 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Exemplo de operação Usuário entra com a URL Cliente HTTP inicia conexão TCP, porta 80, para servidor HTTP de Cliente envia request message (contendo a URL) para servidor Cliente recebe resposta contendo objeto e apresenta o conteúdo Servidor HTTP em espera conexões TCP na porta 80 Servidor aceita conexão e avisa cliente Servidor recebe pedido, monta response message contendo o objeto solicitado e envia Servidor fecha conexão

39 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Não-persistente 1 objeto é enviado por conexão TCP Servidor analisa pedido, envia resposta e fecha conexão TCP HTTP/1.0 opera dessa maneira 2 RTT (Round Trip Time) para obter 1 objeto Sofre com slow start do TCP Browsers usualmente abrem várias conexões paralelas Persistente Na mesma conexão TCP vários objetos são trazidos Persistent sem pipelining Nova requisição enviada sómente após receber resposta anterior 1 RTT por objeto Persistent com pipelining Requisições enviadas assim que objetos referenciados são encontrados Com sorte, 1 RTT por todos os objetos Modo default para HTTP/1.1

40 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Mensagens: request e response Formato ASCII para leitura por humanos Mensagem de requisição: formato

41 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Mensagem de requisição: exemplo

42 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Mensagem de requisição: métodos (ou verbos) HEAD: mesma resposta obtida com o GET mas sem o corpo da mensagem de resposta GET: requisita o objeto especificado POST: submete dados para serem processados (por exemplo, formulário HTML) PUT: upload objeto especificado DELETE: apaga o objeto especificado TRACE: ecoa a requisição recebida OPTIONS: retorna os métodos HTTP respaldados pelo servidor CONNECT: converte conexão em um túnel TCP/IP (usualmente para converter para conexão encriptada)

43 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Mensagem de resposta: exemplo

44 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Mensagem de resposta: códigos de status 1xx: informação; requisição recebida e sendo processada 2xx: sucesso; requisição recebida, entendida e aceita 3xx: redireção; cliente necessita procedimentos adicionais para completar requisição 4xx: erro do cliente; sintaxe ruim ou requisição não pode ser atendida pelo servidor 5xx: erro do servidor; requisição válida mas que não pode ser atendida 100 Continue servidor recebeu cabeçalho da requisição e precisa do corpo da mensagem 200 OK requisição foi bem-sucedida 301 Moved Permanently objeto requisitado foi movido permanentemente; nova URL no campo Location da mensagem de resposta 400 Bad Request requisição não pode ser atendida 404 Not Found documento requisitado não existe 505 HTTP Version Not Supported versão HTTP não é respaldada pelo servidor

45 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Faça Você Mesmo Conecte-se a um servidor HTTP e abra uma conexão TCP na porta 80 telnet 80 Digite um pedido GET e tecle 2 vezes carriage return GET /~elvio/index.html HTTP/1.0 Verifique a resposta

46 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Autenticação Objetivo: controlar acesso ao servidor Sem estados: cliente apresenta autorização a cada requisição Autorização: tipicamente nome e senha l authorization colocada em linha no cabeçalho Se ausente, servidor recusa acesso e envia WWW authenticate Browser mantém nome e senha em cache para evitar que usuário tenha que digitá-los seguidamente

47 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) Cookie l Servidor envia cookie ao cliente em uma mensagem de resposta Exemplo: Set-cookie: Cliente apresenta o cookie em requisições futuras Exemplo: cookie: Servidor compara informação recebida com informação armazenada para: autenticação; lembrar preferências do usuário, escolhas anteriores, etc. Desvantagens: permitem obter informação sobre usuário (nome, , etc.)

48 World Wide Web (WWW) Hypertext Transfer Protocol (HTTP) GET Condicional l Objetivo: evitar que servidor envie objeto que já está armazenado no cliente (em cache) Cliente especifica data do objeto armanezando na requisição If-modified-since: date Resposta do servidor não contém dados se o objeto armazenado está atualizado HTTP/ Not Modified

49 World Wide Web (WWW) Proxy Server (Web Cache) Objetivo: atender o cliente sem envolver o servidor de Web originador da informação Usuário configura browser para realizar acesso através de um proxy Cliente envia todas as requisições HTTP para proxy server Se o objecto existe na cache ele é retornado Ou proxy server solicita do servidor original

50 World Wide Web (WWW) ll Proxy Server (Web Cache) Porque Web Caching? Armazenamento perto do cliente Menor tempo de resposta Reduz tráfego com servidor distante Menor custo com enlaces externos

51 Peer to Peer (P2P) l Rede do tipo ad-hoc Presença do servidor nem sempre necessária Computadores finais podem comunicar-se diretamente Peers (parceiros) estão conectados intermitentemente (nem sempre com o mesmo endereço IP) Fácil de ser expandido mas difícil de ser gerenciado

52 Peer to Peer (P2P) Procura extrair vantagem da grande quantidade de recursos disponíveis na borda da rede Operação básica é de compartilhamento de arquivos Afilia-se a rede Publica e compartilha arquivos Procura por arquivos Obtém arquivo Aplicações: Compartilhamento de arquivos (áudio, vídeo, código) Telefonia (Skype) Comunicação (Instant Messaging) Jogos TV (Joost)

53 Peer to Peer (P2P) Questão: Quanto tempo seria necessário para 1 servidor distribuir um arquivo para N parceiros?

54 Peer to Peer (P2P) Distribuição de arquivos: BitTorrent

55 Peer to Peer (P2P) Distribuição de arquivos: BitTorrent Arquivo é dividido em pedaços com 256KB Peer entrando na torrent: Não tem nenhum pedaço; vai acumulá-los ao longo do tempo Registra-se com tracker e consegue uma lista de peers Conecta-se a subconjundo de peers (denominados vizinhos) Peer recebe e envia pedaços ao mesmo tempo Uma vez que o arquivo completo foi obtido, peer pode deixar torrent ou permanecer ajudando outros Obtendo pedaços Em um instante qualquer, cada peer pode ter um subconjunto diferente de pedaços do arquivo Cada peer pergunta aos vizinhos quais pedaços eles têm e solicita primeiro transferência daqueles mais raros Enviando pedaços Peer envia a 4 vizinhos na mais alta taxa de que capáz e espera o mesmo tratamento A posição desses 4 vizinhos é reavalizada a cada 10 segundos A cada 30 segundos um outro peer é escolhido aleatoriamente

56 Peer to Peer (P2P) Busca por informação Index: relaciona informação a localização do peer (endereço IP e número de porta) Compartilhamento de arquivos (e-mule) Index rastreia localização dos arquivos compartilhados Peers precisam comunicar index o que eles têm Peers procuram no index arquivos que eles querem Comunicação (Instant messaging, IM) Index relaciona nomes a localizações Quando um usuário começa a aplicação IM ele informa a sua localização Peers buscam no index o endereço IP dos usuários

57 Peer to Peer (P2P) l Index centralizado Arquitetura do Napster original 1. Quando peer conecta-se, ele informa ao servidor central o seu endereço IP e o seu conteúdo 2. Alice pergunta por um artigo 3. Alice pede arquivo a Bob Problemas: Ponto único de falha Possível engarrafamento no servidor Pirataria: alvo é óbvio

58 Peer to Peer (P2P) Index descentralizado: Query flooding Sem servidor central; totalmente descentralizado Usado por Gnutella Cada peer indexa os arquivos que ele mantém para compartilhamento Utiliza rede em grafo construída sobre rede física Enlace entre peers X e Y significa que existe uma conexão TCP entre eles Cada peer está conectado a até 10 vizinhos Query flooding Mensagem de Query enviada por TCP ao vizinhos Vizinhos encaminham adiante Query Quando ítem é encontrado, mensagem QueryHit é encaminada no sentido inverso

59 Peer to Peer (P2P) Query flooding

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

FTP: protocolo de transferência de arquivos

FTP: protocolo de transferência de arquivos FTP: protocolo de transferência de arquivos no hospedeiro interface cliente de FTP FTP sistema de arquivo local transf. de arquivos servidor FTP sistema de arquivo remoto transfere arquivo de/para hospedeiro

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú

REDES DE COMPUTADORES. Prof. Evandro Cantú REDES DE COMPUTADORES Prof. Evandro Cantú Prof. Evandro Cantú, evandro.cantu@ifpr.edu.br Slides adaptados de J. Kurose & K. Ross 2 Curso de Capacitação Intelbras Redes Computadores Maio 2007 Camada de

Leia mais

Correio Eletrônico e os protocolos SMTP, POP3 e IMAP

Correio Eletrônico e os protocolos SMTP, POP3 e IMAP Correio Eletrônico e os protocolos, POP3 e IMAP Thiago Cunha Pinto Correio eletrônico Três componentes principais: s do servidores de Simple Mail Transfer Protocol: Agente do também chamado leitor de redigir,

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

Transferência de arquivos (FTP)

Transferência de arquivos (FTP) Transferência de arquivos (FTP) Protocolo de transferência de arquivos (File Transfer Protocol) Descrito na RFC 959 Usa o TCP, a porta 21 (conexão de controle) e a porta 20 (conexão de dados) Em uma mesma

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Definições Servidor de Mensagens Um servidor de

Leia mais

FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA. Aula 1 SENAC TI Fernando Costa

FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA. Aula 1 SENAC TI Fernando Costa FPROT HTTP(s), FTP, DHCP, SQUID e SAMBA Aula 1 SENAC TI Fernando Costa Camada de Aplicação Objetivos: aspectos conceituais dos protocolos de aplicação em redes modelos de serviço da camada de transporte

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Sockets, FTP, Correio Eletrônico, P2P Prof. Jó Ueyama Março/2014 1 Capítulo 2.7 e 2.8 - Camada de Aplicação Programação de sockets 2 Programação de Sockets Objetivo: Socket: aprender

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

2Arquitetura cliente-servidor

2Arquitetura cliente-servidor Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Paradigma cliente-servidor Paradigma peer-to-peer

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Aplicação 2 Camada de Aplicação Algumas aplicações de rede E-mail Web Mensagem instantânea Login remoto P2P file sharing Jogos de rede multiusuário Telefonia

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE APLICAÇÃO Teresa Vazão 2 INTRODUÇÃO Internet para todos.. 1979 Tim Burners Lee (invesngador do CERN): Inventor do conceito de navegação por hyper- texto 25

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Camada de Aplicação Profa. Priscila Solís Barreto Criando uma nova aplicação de rede Escrever programas que Executem sobre diferentes sistemas finais e Se comuniquem através de uma

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interafir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9 Slide 1 Slide 2 Redes de Computadores Introdução DNS Domain Name System Módulo 9 EAGS SIN / CAP PD PROF. FILIPE ESTRELA filipe80@gmail.com Ninguém manda uma e-mail para fulano@190.245.123.50 e sim para

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I Nível de Aplicação ( & ) Prof. Helcio Wagner da Silva. p.1/27

Leia mais

Capítulo 2 Camada de aplicação

Capítulo 2 Camada de aplicação Capítulo 2 Camada de aplicação Nota sobre o uso destes slides ppt: Estamos disponibilizando estes slides gratuitamente a todos (professores, alunos, leitores). Eles estão em formato do PowerPoint para

Leia mais

Camada de aplicação. Camada de aplicação

Camada de aplicação. Camada de aplicação Camada de aplicação Camada de aplicação Nossos objetivos: Conceitual, aspectos de implementação de protocolos de aplicação de redes Modelos de serviço da camada de transporte Paradigma cliente-servidor

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System Converte nome de máquinas para seu endereço IP. Faz o mapeamento de nome para endereço e de endereço para nome. É mais fácil lembramos dos nomes. Internamente, softwares trabalham

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web

Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Camada de Aplicação, sistemas de nomes de domínio, correio eletrônico e world wide web Apresentação dos protocolos da camada de aplicação do modelo OSI. DNS É mais fácil de lembrar de um nome de host do

Leia mais

REC- Redes de Computadores. Capítulo 5 Camada de Aplicação

REC- Redes de Computadores. Capítulo 5 Camada de Aplicação REC- Redes de Computadores Capítulo 5 Camada de Aplicação Capítulo 5: Camada de aplicação Princípios de aplicações de rede A Web e o HTTP FTP Correio eletrônico SMTP, POP3, IMAP DNS Programação de sockets

Leia mais

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier

Principais protocolos da Internet. Alexandre Gonçalves Xavier Principais protocolos da Internet Servidor x Serviço O que é um serviço em uma rede? Servidores Cliente x Servidor Rede Serviços Visualização de Páginas É um serviço baseado em hipertextos que permite

Leia mais

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome

O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome DNS Sistema de Nomes de Domínio O espaço de nomes DNS Registros de recursos de domínio Servidores de nome Camada de Aplicação DNS Telnet e SSH SNMP SMTP, POP e IMAP WWW FTP O espaço de nomes DNS Parte

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Universidade Federal do Piauí UESPI Centro de Tecnologia e Urbanismo CTU Ciências da Computação Redes de Computadores 1 Prof. José BRINGEL Filho bringeluespi@gmail.com h?p://bringel.webnode.com/ Capitulo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Universidade Federal do Rio Grande do Norte Redes de Computadores - Camada de Aplicação Curso de Engenharia de Software Prof. Marcos Cesar Madruga/Thiago P. da Silva Material basedado em [Kurose&Ross 2009]

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

DNS Parte 2 - Configuração

DNS Parte 2 - Configuração DNS Parte 2 - Configuração Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Revisão Prof. Dr.

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Aplicação Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que dispõe a programação para as aplicações de rede através dos protocolos de aplicação; Provém a implantação da arquitetura de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade II REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade II Estudar, em detalhes, as camadas: Aplicação Apresentação Sessão Redes

Leia mais

Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP

Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP Departamento de Ciência da Computação Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense Aulas 4 e 5 Camada de Aplicação Princípios, arquiteturas e requisitos, HTTP e FTP Igor Monteiro Moraes Redes

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

A Camada de Aplicação

A Camada de Aplicação A Camada de Aplicação Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Afinal, o que faz a camada de aplicação?... 2 Paradigma Cliente/Servidor [4]... 2 Endereçamento... 2 Tipo de Serviço... 2

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Camada de Aplicação. Prof. Tiago Semprebom. tisemp@sj.cefetsc.edu.br www.sj.cefetsc.edu.br/~tisemp. 2: Camada de aplicação 1

Camada de Aplicação. Prof. Tiago Semprebom. tisemp@sj.cefetsc.edu.br www.sj.cefetsc.edu.br/~tisemp. 2: Camada de aplicação 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Camada de Aplicação Prof. Tiago Semprebom tisemp@sj.cefetsc.edu.br

Leia mais

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Serviços de Redes Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Atividades Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições, Características, Vantagens e Hierarquia Clientes, Processo de

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DNS Parte 1 Linux Network Servers DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada no

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB

Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES. Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação. Programação WEB Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Programação WEB Desenvolvimento de Sistemas para WEB

Leia mais

DNS Domain Name System

DNS Domain Name System Departamento de Engenharia de Teleunicações - UFF Protocolos de Nível de Disciplina: Nível de de, Correio Eletrônico,, Profa. Profa. Débora Débora Muchaluat Saade Saade deborams@tele.uff. Enlace Física

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP

Servidor de E-mails e Protocolo SMTP Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Servidor E-mails e Protocolo SMTP Professor: João Paulo Brito Gonçalves Disciplina: Serviços Res Definições Servidor Mensagens Um servidor mensagens é responsável

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System O objetivo desta unidade é apresentar o funcionamento de dois importantes serviços de rede: o DNS e o DHCP. O DNS (Domain Name System) é o serviço de nomes usado na Internet. Esse

Leia mais

Camada de Aplicação!

Camada de Aplicação! !! Camada de Aplicação! Camada de aplicação 2.1 Princípios de aplicações de rede 2.2 Web e HTTP 2.3 FTP 2.4 Correio electrônico SMTP, POP3, IMAP 2.5 DNS 2-1 Algumas aplicações de rede E-mail Web Mensagem

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Permite o acesso remoto a um computador;

Permite o acesso remoto a um computador; Telnet Permite o acesso remoto a um computador; Modelo: Cliente/Servidor; O cliente faz um login em um servidor que esteja conectado à rede (ou à Internet); O usuário manipula o servidor como se ele estivesse

Leia mais

Introdução. Caixa postal (mailbox) Componentes do sistema de correio eletrônico. Correio eletrônico (SMTP, POP e IMAP)

Introdução. Caixa postal (mailbox) Componentes do sistema de correio eletrônico. Correio eletrônico (SMTP, POP e IMAP) Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Correio eletrônico (, POP e IMAP) Aula 26 Correio eletrônico é uma das aplicações mais populares da Internet Originalmente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2011 Camada de Aplicação

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Correio eletrónico. Protocolos SMTP, POP3 e IMAP. Formato MIME 1 Correio eletrónico O objectivo do correio eletrónico é o envio de mensagens off-line (não interactivo)

Leia mais

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico.

Web. Até a década de 1990, a Internet era utilizada. por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. A Web e o HTTP Web Até a década de 1990, a Internet era utilizada por pesquisadores, acadêmicos e universitários, para troca de arquivos e para correio eletrônico. Então, no início dessa década, iniciou-se

Leia mais

Introdução. Caixa postal (mailbox) Componentes do sistema de correio eletrônico. Correio eletrônico (SMTP, POP e IMAP)

Introdução. Caixa postal (mailbox) Componentes do sistema de correio eletrônico. Correio eletrônico (SMTP, POP e IMAP) Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Correio eletrônico (, POP e IMAP) Aula 26 Correio eletrônico é uma das aplicações mais populares da Internet Originalmente

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3 Conceito Serviço que traduz RESOLVE nomes de máquinas para endereços IP e endereços IP para nomes de máquina. É um sistema hierárquico e descentralizado/distribuído. Simplifica a administração do complexo

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com Domain Name System (DNS). O DNS é o serviço de resolução de nomes usado em todas as redes TCP/IP, inclusive pela Internet que, sem dúvidas, é a maior rede TCP/IP existente.

Leia mais

Referência de registros de recursos

Referência de registros de recursos Referência de registros de recursos 6 de 6 pessoas classificaram isso como útil Referência de registros de recursos Um banco de dados DNS consiste em um ou mais arquivos de zona usados pelo servidor DNS.

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CURITIBA 2006 GUILHERME DE SOUZA JEAN THIAGO MASCHIO

Leia mais

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP CURITIBA 2006 ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP Trabalho apresentado para a disciplina de REDES,

Leia mais

Conceito de Internet. Internet

Conceito de Internet. Internet Conceito de Internet Para entendermos o conceito do que vem a ser a Internet, a Rede Mundial de Computadores, devemos regressar às décadas de 60/70 para saber como ela se tornou um dos meios de comunicação

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo2. Camada de aplicação

Redes de computadores e a Internet. Capítulo2. Camada de aplicação Redes de computadores e a Internet Capítulo Camada de aplicação Camada de aplicação.1 Princípios de aplicações de rede. Web e HTTP.3 FTP.4 Correio eletrônico SMTP, POP3, IMAP.5 DNS Pilha de protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada de Aplicação Março, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@dsc.ufcg.edu.br Camada de aplicação 2.1 Princípios de aplicações em rede de computadores 2.2 Web e HTTP

Leia mais

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web

1.264 Lição 11. Fundamentos da Web 1.264 Lição 11 Fundamentos da Web Navegadores e servidores da Web A Internet é apenas um conjunto de redes interconectadas livremente. Um conjunto de redes de área local conectado via redes de área ampla

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor DNS Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração DNS O servidor DNS usado é o BIND versão 9. Para configuração do servidor DNS, deve-se acessar os arquivos de

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 2 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - Protocolos de Internet Mensagem M Aplicação HTTP, SMTP, FTP, DNS Segmento Ht M Transporte TCP, UDP Datagrama Hr Ht M Rede

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said, 'if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada de Aplicação 2.1 Princípios de aplicações em rede de computadores 2.2 Web e HTTP 2.3 FTP 2.4 Correio electrônico SMTP, POP3, IMAP 2.5 DNS 2.6 Compartilhamento de

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Objectivo / Motivação Resolução de nomes (alfanuméricos) para endereços IPs Será que 66.102.11.99 é mais fácil de decorar

Leia mais

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configuração do Servidor DNS Mcedit /etc/named.conf mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configurando o Bind no Slackware 10 ::: Bind / Named Enviado por: Geyson Rogério L. Silva Data:

Leia mais

Camada de Aplicação. Prof. Arliones Hoeller. arliones.hoeller@ifsc.edu.br. 14 de fevereiro de 2014

Camada de Aplicação. Prof. Arliones Hoeller. arliones.hoeller@ifsc.edu.br. 14 de fevereiro de 2014 Camada de Aplicação arliones.hoeller@ifsc.edu.br fevereiro de 2014 1 Camada de aplicação 2.1 Princípios de aplicações de rede 2.2 Web e HTTP 2.3 FTP 2.4 Correio electrônico SMTP, POP3, IMAP 2.5 DNS 2.6

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte Internet hospedeiros, roteadores: Endereços IP (32 bits) - usados para endereçar datagramas nome, ex.: gaia.cs.umass.edu -

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Protocolos de Rede FALANDO A MESMA LÍNGUA Um protocolo pode ser comparado a um idioma, onde uma máquina precisa entender o idioma de outra máquina

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais