Redes em Malha Tipo 78XX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes em Malha Tipo 78XX"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Departamento de Engenharia Eletrônica e Computação EEL879 Redes de Computadores II /2 Redes em Malha Tipo 78XX Autor: Felipe Ortigão Sampaio Buarque Schiller

2 Índice 1. Introdução 2. Arquitetura de Rede 2.1. Características 2.2. Cenários de Aplicação 2.3. Fatores Críticos de Performance 3. Camadas 3.1. Camada Física 3.2. Camada de Acesso ao Meio 3.3. Camada de Roteamento 3.4. Camada de Transporte 3.5. Camada de Aplicação 4. Segurança 5. Implementações 5.1. Src-RR 5.2. LQSR 5.3. OLSR 5.4. Nortel WMN 5.5. MSR 6. Standard: s 7. Conclusão 8. Bibliografia

3 1. Introdução Redes em malha (Wireless Mesh Networking WMN) são redes que tem por objetivo interligar os dispositivos sem fio já existentes. Para isso, essa rede deve ser formada por dois tipos de nós, os denominados roteadores mesh e os clientes mesh. Os primeiros forneceriam toda a infra-estrutura básica de conexão, ou seja, um backbone, se comunicando através de redes adhoc de maneira a estender o alcance, ou seja, cada nó se comunica diretamente com o outro e caso não tenha alcance direto, usa um protocolo de roteamento para a comunicação. Por possuir um backbone com diversos nós, a rede em malha possui características de ser quase estática e auto reconfigurável. Os segundos são os clientes que podem ou não atuar como roteadores. Os clientes, tais como PDA, laptops, microcomputadores, celulares, etc., se conectam aos roteadores mesh, por isso os roteadores mesh devem possuir múltiplas interfaces de rádio com diferentes tecnologias, ou deve-se usar estações de base para intermediar essa comunicação. Assim, se trata de uma rede com baixo custo de implementação, pois grande parte do hardware necessário já existe, precisando apenas de alterações e adaptações nas diferentes camadas para se tornar real. Ela possibilitaria à um baixo custo a criação de redes urbanas, interligação de equipamentos de uma indústria, acesso rápido de consumidores, etc. 2. Arquitetura de Rede A estrutura da rede pode ser classificada em três tipos: De roteadores mesh, de clientes mesh e híbridas. Como já foi dito, os roteadores mesh em geral possuem mais de uma interface de rádio podendo ser inclusive dispositivos dedicados a esse fim. Para garantir o alcance da rede é usado um protocolo de roteamento de maneira que eles possam se conectar através de múltiplos saltos. Por causa dessa propriedade não é necessário gastar muita potência para a transmissão do sinal, assim facilmente se associar à rede equipamentos de baixo consumo. Na figura 1 são exemplificados alguns possíveis hardwares para eles. Figura 1: Exemplos de roteadores mesh Devido ao roteamento, os enlaces dessa infra-estrutura têm a capacidade de se auto reconfigurar e através de gateways prover a acesso de toda a rede à internet e

4 também a integração com redes já existentes. Clientes acessam a essa rede diretamente caso possuam a tecnologia de rádio necessária ou através de estações de base em suas redes (clientes mesh). Já os clientes mesh, exemplificados na figura 2, possuem apenas uma única interface para a conexão entre si, tendo, portanto softwares e hardwares mais simples, como os presentes em celulares, PDAs, telefones IP, etc. Eles se comunicam utilizando simples conexões adhoc e algumas vezes ainda é utilizado algum protocolo se roteamento mais simples. Figura 2: Exemplos de clientes mesh Existem ainda as redes híbridas que não é nada mais do que a união das duas redes anteriores, no qual os clientes mesh se comunicam com o backbone ou outras redes de clientes. Dessa maneira redes Wimax, de celulares, de sensores ou Wi-fi podem acessar a internet bem como umas as outras através do backbone. A figura 3 mostra o funcionamento de uma rede híbrida, observe que é possível visualizar tanto o backbone quanto a rede dos clientes. Figura 3: Rede em malha completa Extraída de [2]

5 2.1. Características As características básicas que diferenciam as redes em malha das demais são: Comunicação sem fio por múltiplos saltos: A comunicação por múltiplos saltos permite um maior alcance inclusive utilizando enlaces de curta distancia. Isso também permite um melhor reaproveitamento da utilização de freqüência. Rede auto-configurável e auto-curável. Devido a sua natureza flexível (Adhoc) ela se é mais fácil de configurar e capaz de resistir a falhas. A rede também pode crescer conforme a necessidade. Mobilidade depende do tipo de nó: Os roteadores mesh possuem pouca mobilidade, enquanto os clientes podem ou não ser estacionários. Acesso a redes de múltiplos tipos: Por possuir várias redes integradas, é possível que nós de redes diferentes de comuniquem. Consumo de energia: Alguns clientes podem possuir restrição de bateria o que teria que ser levado em conta no roteamento. Interoperabilidade com redes existentes: Redes em malha montadas sobre o protocolo devem poder se comunicar com redes desse tipo já existentes. Essa regra também é válida para outros tipos de redes, como Wimax ou ZigBee Cenários de Aplicação As redes em malha para serem viáveis economicamente devem possuir cenários de utilização que justifiquem o seu desenvolvimento. Esses cenários são descritos abaixo. Rede doméstica: As redes em malha substituiriam as tradicionais redes , onde os roteadores mesh entrariam no lugar dos tradicionais pontos de acesso. As vantagens são várias, já que não há a necessidade de cabos para ligar os pontos de acesso e é mais fácil de cobrir zonas mortas, pois basta trocar os roteadores de lugar ou auto-configurar a potência deles. Além disso, como os nós estarão se comunicando diretamente via rede sem fio, não a sobrecarga de HUBs no caso da comunicação entre pontos de acesso. Acesso comunitário: O acesso comunitário ou entre vizinhos utilizando redes em malha é a melhor solução, pois permite sistemas de arquivo distribuídos, compartilhamento de arquivos e streaming de vídeo. Com as soluções existentes todo tráfego teria que passar pela internet através de linhas ADSL, por exemplo. Ou ainda, a utilização de redes sem fio tradicionais teria que ser configurada manualmente em cada nó além de depender de suas contribuições individuais para o roteamento e diversas vezes de caminhos únicos. Redes empresariais: A rede em malha pode ser usada aqui em três cenários, em um escritório pequeno, em um médio ou entre vários ao longo de um prédio ou ainda entre prédios. Nas redes sem fio tradicionais, o que ocorre são ilhas isoladas nos prédios e a comunicação entre eles se dá pela infra-estrutura cabeada ou ainda pela internet. Com as redes em malha, cabos seriam eliminados e a comunicação

6 entre nós de edifícios diferentes seria bem mais simples através dos roteadores mesh. Redes metropolitanas: As redes em malha se adequam muito bem a esse meio, pois possuem taxa de transmissão alta, bem superior a redes de celular e a transmissão entre nós não requer um backbone cabeado. Em zonas sem desenvolvimento o custo de implantação é inferior a redes cabeadas ou óticas, por exemplo, sendo ao mesmo tempo capazes de cobrir uma vasta área. A figura 4 ilustra como as redes em malha poderiam ser aplicadas a essa rede. Figura 4: Rede Metropolitana - Adaptado de [2] Sistema de transporte: Com essa tecnologia pode-se estender o acesso não só as estações e paradas, mas também dentro de trens, ônibus e barcos. Não só provendo internet aos passageiros como sistema de comunicação e segurança interna a companhia. Para o acesso dessa rede a internet seria necessário um link para acesso rápido para veículos em alta velocidade como o IEEE Sistemas de segurança. Como vídeos demandam muita banda, as redes em malha se tornam uma vantagem além de facilitar a instalação do sistema e de novas câmeras ou sensores conforme a necessidade em virtualmente qualquer local, em que redes cabeadas além de mais caras poderiam apresentar restrições Fatores Críticos de Performance Antes da que a rede possa ser construída, os fatores críticos desse processo devem ser enumerados. São eles:

7 Técnicas de rádio: Apesar dos avanços nas últimas décadas com semicondutores, tecnologia RF e teoria de comunicação, as técnicas de rádio ainda estão na sua infância. Dentre elas se destacam antenas direcionais, múltiplos rádios e sistemas MIMO, sendo esse último utilizado com sucesso no IEEE n. Assim, os sistemas de rádio são a base para a flexibilidade e capacidade da comunicação sem fio. Escalabilidade: Esse é um grande problema em redes que operam com múltiplos saltos, já que a performance cai conforme a rede cresce. Por exemplo, protocolos de roteamento podem não encontrar o melhor caminho, conexões podem ser perdidas e protocolos MAC podem enfrentar problemas de vazão. Portanto esses são problemas que ainda tem que ser superados nas redes em malha. Conectividade da malha: Para garantir que a auto-organização e controle de topologia das redes em malha funcionem, são necessários algoritmos de controle eficientes. Interoperabilidade: Como já foi dito, redes em malha devem ser capazes de se comunicar com redes já existentes para serem mais atrativas. Assim, roteadores mesh devem ser compatíveis com outras tecnologias. Segurança: Um atrativo muito forte de consumidores é a segurança. Atualmente nenhuma solução se adapta perfeitamente já que não existe uma autoridade certificadora centralizada. Soluções de segurança de redes adhoc além de não se adaptarem perfeitamente, pois a topologia não é a mesma, ainda não estão suficientemente maduras. Assim novas soluções como distribuição de chaves, segurança de protocolos MAC e de roteamento e sistemas de monitoramento de intrusão devem que ser desenvolvidos. 3. Camadas Conforme já foi dito, o protocolo tem que ser todo repensado, ou seja, todas as camadas possuem características únicas a serem descritas Camada Física Os rádios de soluções de redes em malha atualmente são capazes de transmitir a diferentes taxas pela combinação de diferentes modulação e codificações. Assim, técnicas como OFDM ou ultrawideband (UWB) são usadas para conseguir altas taxas de transmissão, entretanto novas otimizações são necessárias para a obtenção de um maior alcance. Para aumentar a capacidade e resolver problemas como atrasos e interferência em redes sem fio, sistemas de múltiplas antenas, antenas inteligentes e sistemas MIMOs, como já dito, foram propostos. Entretanto, no caso das redes em malha, os problemas se agravam devido aos múltiplos nós. Assim, para uma melhor utilização do espectro, sistemas de mudança rápida de freqüência e rádios cognitivos estão sendo desenvolvidos para dinamicamente

8 ocupar todo o espectro. Isso só é possível através de softwares de radio, que embora ainda não seja uma tecnologia madura, é a grande aposta para as rede em malha Camada de Acesso ao Meio O que diferencia essa camada das dos demais protocolos é o fato das redes em malha serem concebidas para comunicações com múltiplos saltos, de serem distribuídos, colaborativos, auto-organizáveis e ainda haver uma mínima mobilidade. A camada de acesso ao meio pode ser desenhada para operar em um único canal ou múltiplos canais. No primeiro caso, existem três possíveis caminhos, modificar um protocolo existente, usar uma configuração multicamada ou propor uma solução inovadora. No primeiro caminho poder-se-ia ajustar os parâmetros do CSMA/CA como procedimentos de backoff e tamanho da janela. O problema dessa solução é que ela apresenta uma baixa vazão fim a fim. No caso de uma configuração multicamada, poder-se-ia usar uma abordagem de controle de acesso ao meio por antenas direcionais ou por controle de energia. O primeiro elimina a exposição dos demais nós a interferência, entretanto pode criar nós ocultos, além de apresentar alto custo e complexidade. No segundo caso, transmitindo-se a baixa potência fica-se sujeito à interferências externas e dificuldade de detectá-las. No caso de uma nova solução, o ideal seria misturar o CSMA/CA com o TDMA, entretanto o custo de se desenvolver um protocolo de acesso ao meio utilizando essas tecnologias é muito alto além de que a compatibilidade dessa solução com os protocolos existentes seria outro desafio a parte. No caso da operação com múltiplos canais, o seu emprego poderia aumentar a capacidade da rede. Existem três abordagens, a primeira prevê a utilização de um único transmissor, que diminui o custo com equipamentos de rádio, onde diferentes nós da rede operariam em diferentes freqüências. Para coordenar isso, um protocolo de acesso ao meio por múltiplos canais teria de ser empregado. A segunda abordagem envolve múltiplos transceivers, ou seja, múltiplos rádios em paralelo operando em diferentes canais. Entretanto eles operariam sobre apenas uma camada física com apenas uma camada de controle de acesso ao meio. Na terceira abordagem seriam empregados múltiplos rádios, cada uma com sua camada de acesso ao meio e física, estando eles com comunicação independente. Como controle, seria empregada uma camada de controle de acesso ao meio virtual como os protocolos de unificação múltiplos rádios (MUP - Multi-radio Unification Protocol) Camada de Roteamento Apesar da existência de muitos protocolos de roteamento para redes adhoc, protocolos para redes em malha ainda é um tema aberto. Esse protocolo teria que apresentar as seguintes características: Métricas eficientes: Muitos protocolos usam o mínimo número de saltos para o calculo da rota, o que nem sempre pode ser o melhor caminho.

9 Escalabilidade: Como já foi dito, em uma rede de grandes proporções pode demorar até que rotas sejam obtidas. Robustez: A rede deve lidar com perda de enlaces e congestionamentos. Existem vários protocolos tais como roteamento por métrica de melhor performance, uso de múltiplos rádios, uso de múltiplos caminhos, roteamento hierárquico e roteamento geográfico que resolvem algum desses problemas, mas nenhum possui todos essas vantagens. Algumas dessas soluções serão descritas mais a frente, onde será descrito o seu funcionamento. Por isso ainda há muito para se aperfeiçoar na camada de roteamento Camada de Transporte Nenhum protocolo de transporte foi proposto especificadamente para as redes em malha. O objetivo é a adaptação de protocolos existentes pois o desenvolvimento de novos protocolos impediria a compatibilidade das redes em malha com outras soluções já existentes. O problema com o TCP tradicional é que ele não é capaz de diferenciar perdas por congestionamento e não congestionamento. Quando ocorre um erro o TCP baixa a taxa de transmissão e é lento para recuperá-la, para resolver esse problema um mecanismo de feedback teria que ser implementado. Outro problema são as redes assimétricas que raramente ocorrem nas redes cabeadas, entretanto comuns no meio sem fio. Como o TCP depende dos acknowledge (ACK), sua performance pode ser degradada por um enlace assimétrico, para contornar esse problema poderiam ser usados filtros ou controle de congestionamento de ACK, entretanto não se sabe sua aplicabilidade para as redes em malhas Camada de Aplicação A maior parte dos aplicativos já existe e seriam requeridas poucas ou nenhuma modificação desses. Para o acesso a internet, os aplicativos seriam os mesmos e para o compartilhamento de arquivos, não mais será preciso necessariamente o uso da internet. Os únicos algoritmos a serem escritos referem-se a comunicação entre dispositivos que podem não existir, como por exemplo um celular falando com um telefone Wi-fi ou um usuário em um microcomputador monitorando uma rede de sensores por um rede em malha. 4. Segurança Assim como nas redes adhoc, as redes em malha sofrem no quesito segurança, por causa da arquitetura da rede ser distribuída e das mudanças constantes de topologia. Assim, diversos ataques podem derrubar a rede.

10 Alguns desses ataques partiriam de um nó malicioso que poderia anunciar rotas falsas como, por exemplo, túnel de minhoca, ou sobrecarregar a rede com mensagens para confundir o protocolo e fazer a conexão cair. Quanto a criptografia, a melhor maneira de fazê-lo é utilizando compartilhamento de chave, entretanto a maneira clássica de fazê-lo utilizando uma entidade centralizada, como um servidor RADIUS causa limitação na maneira como a rede pode ser expandida, já que ele sempre terá que estar acessível. Uma solução no lugar desse servidor seria usar chaves distribuídas, onde os certificados são armazenados e distribuídos pelos demais usuários. 5. Implementações Nesse tópico serão descritas algumas implementações existentes que são atualmente adotadas sob o conceito de redes em malha. Primeiro, o Src-RR desenvolvido pelo MIT e usado no projeto Roofnet, segundo o LQSR desenvolvido pela Microsoft e terceiro o OLSR originalmente proposto como protocolo de roteamento adhoc, mas também adotado para malha com algumas modificações. Também são apresentadas as soluções desenvolvidas pela Nortel e pela Motorola, é importante enfatizar que essas soluções são proprietárias e, portanto os fabricantes não disponibilizam detalhes sobre os produtos. Existem ainda outras soluções, dentre as quais se destacam a da Cisco e a da Tropos, a primeira nada revela sobre o protocolo de roteamento adotado e a segunda criou um protocolo chamado Predictive Wireless Routing Protocol (PWRP) que segundo estudos apresenta atualmente o melhor desempenho, entretanto nenhum detalhe desse protocolo foi revelado Src-RR O protocolo de roteamento Src-RR é usado no projeto Roofnet do MIT em Cambridge, onde alunos e membros da comunidade residentes nas proximidade do campus podem se juntar a rede. O projeto consiste em uma rede experimental que já chega a setenta nós, onde cada um deles está ao alcance de outros e todos podem se comunicar através de roteamento multi-saltos, o mapa da rede e um exemplo de antena podem ser vistos na figura 5. Alguns nós agem ainda como gateways para a internet cabeada. O protocolo de roteamento é baseado no protocolo Dynamic Source Routing (DSR), cuja principal diferença é a métrica usada para o cálculo da rota: Expected Transmission Count (ETX). O Src-RR bem como o DSR é um protocolo reativo, ou seja, constrói uma rota somente quando há necessidade de usá-la da seguinte maneira. Quando um nó A precisa de uma rota para D ele inunda a rede com um pedido de rota, e assim por diante, até que um nó que conheça a rota responde pelo mesmo caminho. Recebendo várias respostas o nó A usa o algoritmo de Dijkstra para calcular a melhor rota. O ETX através de broadcast continuamente fica medindo a perda de pacotes em cada enlace e com isso demarca para cada um a taxa de perda de pacotes, ou seja, o

11 número de vezes que um pacote deve ser retransmitido antes de receber uma confirmação (ACK). Assim, a melhor métrica para cada enlace é um e a métrica de uma rota é a soma da métrica de cada enlace, sendo a melhor rota aquela de menor somatório. Figura 5: MIT Roofnet: Exemplo de antena e mapa da rede 5.2. LQSR Esse protocolo foi adotado para o projeto de redes em malha da Microsoft, que foi implementado em um módulo chamado Mesh Connectivity Layer (MCL). Derivado do DSR, esse protocolo já se encontra em um estado mais avançado denominado MR- LQSR, cujo programa para testes pode ser baixado no site da Microsoft. O processo de descoberta de rotas do MR-LQSR é o mesmo do protocolo já descrito (Src-RR). O protocolo utiliza uma métrica de roteamento denominada WCETT, que da mesma forma que o ETX, atribui pesos a cada enlace. Nesse caso, esse peso é igual ao tempo médio que um pacote de tamanho fixo S leva para ser transmitido com sucesso sob o enlace. Para isso é definido o Number Expected Transmissions (ETT), que é o número médio de transmissões ajustadas à largura da banda. Para o cálculo do ETT multiplica-se o valor do ETX, cujo processo de cálculo já foi mostrado, à largura de banda do link para se obter o tempo gasto com a transmissão do pacote. O valor da largura de banda é obtido enviando dois pacotes para o vizinho, o primeiro pequeno e o segundo grande, e obtendo-se a diferença de tempo de recepção desses pacotes. O valor da métrica para cada enlace é obtido pelo algoritmo de Dijkstra, da mesma maneira que no Src-RR. Uma outra característica desse protocolo é que ele leva em conta múltiplas interfaces caso exista mais de uma interface em cada nó operando em diferentes freqüências.

12 5.3. OLSR O OLSR é um protocolo pró-ativo, ou seja, ele troca informações sobre a rede regularmente com os demais nós de maneira a atualizar suas tabelas de roteamento, diferente dos dois protocolos anteriores que eram reativos. O que o diferencia de outros protocolos pró-ativos é que ele utiliza os chamados multipoint relays (MPR). Normalmente quando um nó recebe pacotes de controle sobre atualizações da rede, ele retransmite essas informações para os seus vizinhos, esse mecanismo é denominado inundação. Dessa maneira cada nó recebe o mesmo pacote dos seus vizinhos diversas vezes gerando um grande overhead na rede, esse problema ainda é agravado pelo fato do OLSR ser um protocolo pró-ativo, ou seja, está sempre trocando informações. O objetivo dos MPR é minimizar esse problema através da seleção de nós que irão fazer a inundação. Figura 6a: Inundação Normal Figura 6b: Inundação com MPR Cada nó possui os seus MPRs, ou seja, nós designados para retransmitir os pacotes provenientes de si. A escolha desses é baseada na premissa de que ele consiga alcançar todos os nós de segunda ordem através do menor número de MPRs possível. Ou seja, através dos MPRs o nó de origem deve alcançar qualquer nó a dois enlaces de distância. Nas figuras acima se pode observar o funcionamento desse tipo de rede e sua alcançabilidade. No exemplo da figura 6a, é feita a inundação normal sem o uso de MPR, já na figura 6b somente os nós designados (identificados em negrito) irão retransmitir os pacotes de inundação. Assim, como cada nó possui seus MPRs designados, a comunicação entre quaisquer nós da rede é feita pelos MPRs dos nós intermediários.

13 5.4. Nortel WMN Inicialmente desenvolvida no projeto Acumen que visava criar uma rede de baixo custo que fosse auto-configurável, operando em freqüências não licenciadas e com mobilidade, o resultado já é uma solução comercial em fase de testes em diversas cidades no mundo. A solução foi pensada em todos os aspectos, não só a parte de rádio, ou seja, a camada física, como também aspectos de segurança e gerenciamento. Ela utiliza três elementos principais em sua estrutura, todos com hardware e softwares proprietários: Pontos de acesso tanto somente indoor como outdoor que podem ser instalados em qualquer lugar e que se constitui dos roteadores mesh da rede. Também inclui Gateway sem fio que provê mobilidade e segurança de tráfego entre os pontos de acesso e deve ser instalada indoor. E por fim o gerenciador da rede que é o software responsável pelo gerenciamento da rede. O grande teste dessa tecnologia foi em Taipei em Taiwan, onde cerca de roteadores de backbone foram instalados ao longo dos 272 km2 da cidade cobrindo 90% dela, tornando-se o maior cenário de redes em malha do mundo. Quanto a implementação de segurança, esse produto segue o novo stardard IEEE i cuja autenticação é feita pelo protocolo IEEE 802.1x/EAP com um servidor RADIUS. Cada pacote é encriptado separadamente sendo as chaves trocadas a cada pacote e para evitar ataques são usados 8 bytes para verificar a integridade da mensagem. Uma vez conectado cada ponto de acesso estabelece um túnel IPsec com o gateway e todo o tráfego é encriptado utilizando o algoritmo 3DES. Figura 7: Estrutura de rede da Nortel Extraído de [18] A Nortel adotou para roteamento o protocolo Open Shortest Path First (OSPF). Sua transmissão é baseada no Link State Routing Protocol e a sua métrica é calculada usando o algoritmo Shortest Path First - SPF.

14 O esquema básico de rede da Nortel pode ser visto na figura 7, onde os pontos de acesso 7220 formam o backbone da rede em malha e os gateways são responsáveis pela interconexão da rede com os servidores, inclusive de autenticação, e a internet MSR O Mesh Scalable Routing foi desenvolvido pela Motorola e é uma solução proprietária. Ela começou a pesquisar nessa área para atender a indústria militar, pois em um campo de batalha onde não há nenhuma infra-estrutura essa seria a rede mais simples de se montar. Similar a Nortel, a Motorola possui uma variedade bem maior de produtos, dentre eles se destacam as soluções do HotZone Duo que inclui pontos de acesso para instalar ao ar livre em virtualmente qualquer lugar e cartões pcmcia e pci para que clientes consigam acessar essa rede. A solução inclui ainda solução veicular que permite dentre outras vantagens, localizar o veiculo sem o uso de GPS e simples upgrades de softwares do veículo. Existem ainda soluções de vigilância onde câmeras com comunicação sem fio podem ser instaladas em qualquer lugar. A Motorola criou um protocolo de roteamento híbrido e derivado do DSR, o MSR. A diferença desse protocolo para o DSR é que ele não usa somente a melhor rota calculada, mas faz um balanceamento de carga entre as várias rotas possíveis. Isso é feito com ajuda do protocolo Adaptive Transmission Protocol (ATP) que pela taxa de transmissão e condições de rádio calcula a taxa de transmissão ideal. Por ser uma solução proprietária, mais detalhes sobre o roteamento não estão disponíveis. Quanto à segurança, o mesmo acontece, pois a Motorola usa uma solução chamada MEAP que é proprietária e não tem seus detalhes revelados. Uma característica enfatizada pela Motorola refere-se que todos os seus produtos facilmente poderiam sofrer um upgrade para o futuro standard s que será visto mais a frente. A figura 8 demonstra o funcionamento dessa tecnologia, onde se pode ver bem a estrutura da rede em malha. Figura 8: Solução da Motorola Extraído de [16]

15 6. Standard: s Em meados de Março de 2005 a foi proposto um novo stardard denominado s para as redes em malha. Esse standard ainda está em ampla discussão, entretanto a idéia é definir camadas físicas e de acesso ao meio para redes em malha de maneira a aumentar o alcance sem pontos de falha através da técnica de múltiplos saltos. Existiam duas propostas que se destacavam pelo peso de seus integrantes: A Wi- Mesh Alliance que liderada pela Nortel inclui Philips, Thomson e Swisscom Innovations; e a SEEMesh (Simple, Efficient and Extensible Mesh) que inclui Intel, Nokia, Motorola, Cisco, e Texas Instruments, mas que recentemente se juntaram para discutir o stardard. 7. Conclusão A capacidade auto-organização reduz a complexidade da manutenção e instalação de redes e permitem uma solução viável para se acessar a internet de qualquer lugar. As redes em malha também permitem a integração de maneira simples de diversas redes sem fio. Conforme pôde ser visto, já existem algumas soluções para redes em malha, mas todas ainda estão no seu inicio e muita coisa ainda deve ser pesquisada. Várias empresas incluíram linhas de pesquisa para abraçar a tecnologia, entretanto, conforme pôde ser visto muitos problemas ainda não estão resolvidos, tais como escalabilidade, autoorganização, segurança e integração de redes. Os problemas mais urgentes se situam nos aspectos da escalabilidade e da segurança. No caso das soluções referentes ao primeiro, elas ainda apresentam problemas quando a rede contém muitos nós ou saltos, uma solução para aliviar esse problema é a adoção de múltiplas interfaces, que, entretanto não é uma solução muito desejável. Quanto à segurança, existem poucas soluções que são específicas a alguns ataques e muito ainda tem que ser pesquisado nessa área de maneira que as redes em malha sejam comercialmente viáveis. Ainda assim, as redes em malha se apresentam como uma das tecnologias mais promissoras no campo das redes sem fio. 8. Bibliografia [1] Ian F. Akyildiz, Xudong Wang, A Survey on Wireless Mesh Networks, IEEE Radio Communications, Setembro 2005, Páginas 23 a 30 [2] Ian F. Akyildiz, Xudong Wang, Weilin Wang, Wireless mesh networks: a survey, Computer Networks, Volume 47, Issue 4, Março 2005, Páginas 445 a 487 [3] Benjamin A. Chambers, The Grid Roofnet: a Rooftop Ad Hoc Wireless Network, MIT Master s Thesis, Junho 2002

16 [4] Daniel Aguayo, John Bicket, Sanjit Biswas, Glenn Judd, Robert Morris, Linklevel Measurements from an b Mesh Network, SIGCOMM 2004, Agosto 2004 [5] Optimized Link State Routing Protocol (OLSR) - rfc3626 [6] R. Draves, J. Padhye, and B. Zill; Routing in Multi-radio, Multi-hop Wireless Mesh Networks, ACM MobiCom, Philadelphia, PA, Setembro [7] R. Draves, J. Padhye, and B. Zill, Comparison of Routing Metrics for Static Multi-Hop Wireless Networks, ACM SIGCOMM, Portland, OR, Agosto [8] Tomas Krag, Sebastian Büettrich, Wireless Mesh Networking, Disponível em Último acesso: 03/09/2006 [9] Bruno, R.; Conti, M.; Gregori, E. (National Research Council - CNR), Mesh networks: commodity multihop ad hoc networks, IEEE Communications Magazine, Volume 43, Issue 3, Março 2005 Páginas: 123 a 131 [10] John Bicket, Daniel Aguayo, Sanjit Biswas, Robert Morris, Architecture and Evaluation of an Unplanned b Mesh Network, Mobicom 2005, Agosto [11] Robert W. Smith, Nortel to set up wireless mesh network in Israel, Disponível em Último acesso: 03/09/2006 [12] Stéphane Roch, Nortel s Wireless Mesh Network solution: Pushing the boundaries of traditional WLAN technology, Nortel Technical Journal, Páginas: 18 a 23 [13] Mesh networking proposal selected for IEEE 802(r) wireless lans, Disponível em Último acesso: 07/10/2006 [14] Yihua Zhai, Yang, O.W.W., Wenlan Wang; Yantai Shu, Implementing multipath source routing in a wireless ad hoc network testbed, PACRIM IEEE Pacific Rim, Agosto Páginas: 292 a 295 [15] Eric Griffith, Nortel Pushes Mesh Standard Proposal, Disponível em Último acesso: 07/10/2006

17 [16] Motorola, Revolutionizing Wireless Networking, Disponível em Último acesso: 07/10/2006 [17] Motorola, HotZone Duo, Dual-Radio Meshed Wi-Fi System, Disponível em Último acesso: 07/10/2006 [18] Bilel Jamoussi, Connecting Rural and Developing Communities through Wireless Mesh Networks, ITU-BDT Regional Seminar on Fixed Mobile Convergence and New Network Architectures for the Arab Region, Tunisia, Novembro 2005 [19] Rongdi Chen, Performance Comparison of Two Wireless Mesh Networks, Network Research Center of Tsinghua University, Outubro 2005

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Segurança em Redes Sem Fio Prof. João Henrique Kleinschmidt Redes sem fio modo de infraestrutura estação-base conecta hospedeiros móveis à rede com fio infraestrutura de

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Redes Mesh. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org

Redes Mesh. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org Redes Mesh X Fórum Internacional de Software Livre Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org Avisos Gerais GT Mesh Há aproximadamente

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

CARLOS RAFAEL GUERBER. Wireless Mesh Network SUMÁRIO

CARLOS RAFAEL GUERBER. Wireless Mesh Network SUMÁRIO CARLOS RAFAEL GUERBER SUMÁRIO 1 REDES MESH SEM FIO...2 1.1 CENÁRIOS DE UTILIZAÇÃO...3 1.2 CLASSIFICAÇÃO MESH...4 1.3 TOPOLOGIA MESH...6 1.3.1 Topologia de Comunicação com Múltiplos Rádios...7 1.4 MESH

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Redes Mesh. Latinoware 2009. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.

Redes Mesh. Latinoware 2009. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano. Redes Mesh Latinoware 2009 Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org Apresentação GT Mesh ASL.Org Há aproximadamente três meses

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

Rede Mesh: topologia e aplicação

Rede Mesh: topologia e aplicação Rede Mesh: topologia e aplicação Tatiana Medeiros Cardoso, Paulo César Furlanetto Marques Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com,pcesar.marques@terra.com.br

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

COMPONENTES DE REDES. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br COMPONENTES DE REDES Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Componentes de rede Placas de interface Transceptores Repetidores HUBs Pontes Switches Roteadores Gateways Servidores

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo Aplicações P2P André Lucio e Gabriel Argolo Tópicos Internet Peer-to-Peer (Introdução) Modelos (Classificação) Napster Gnutella DHT KaZaA Razões para o Sucesso da Internet Capacidade de interligar várias

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR Projeto de Redes de Computadores 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Henrique Machado Heitor Gouveia Gabriel Braz GOIÂNIA 2014-1 RADIUS

Leia mais

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks

LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks LIAITHON: A location-aware multipath video streaming scheme for urban vehicular networks Renfei Wang ¹, Cristiano Rezende ¹, Heitor S. Ramos ¹, ², ³ Richard W. Pazzi ¹, Azzedine Boukerche ¹, Antonio A.F.

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Um Protocolo de Roteamento com QoS para Redes Mesh sem Fio com Múltiplos Rádios

Um Protocolo de Roteamento com QoS para Redes Mesh sem Fio com Múltiplos Rádios SBRC 2007 - Sessão de Artigos Curtos II 1111 Um Protocolo de Roteamento com QoS para Redes Mesh sem Fio com Múltiplos Rádios Rachel de C. Paschoalino 1,2,EdmundoR.M.Madeira 1 1 Instituto de Computação

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA FINALMENTE. CONEXÃO DE REDES SEM FIO DE ALTO DESEMPENHO DE CLASSE EMPRESARIAL SIMPLIFICADA PARA EMPRESAS MENORES. Por menor que seja sua empresa, com certeza tem muitas

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio

Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio Evoluindo para uma Rede em Malha Sem Fio Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, UFMG Linnyer Beatrys Ruiz linnyer@dcc.ufmg.br Departamento de Engenharia Elétrica, UFMG IEEE 802.11: Wi-Fi Popularização

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais