Rede Mesh: topologia e aplicação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede Mesh: topologia e aplicação"

Transcrição

1 Rede Mesh: topologia e aplicação Tatiana Medeiros Cardoso, Paulo César Furlanetto Marques Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, Osório RS Brasil Resumo: O presente artigo aborda a topologia das redes em malha também conhecida como rede mesh. Composta por vários nós (roteadores) que se comunicam entre si, sendo eles autoconfiguráveis dentro da rede, as redes mesh são de fácil implantação e expansão. A aplicação das redes mesh também é um ponto abordado neste trabalho, sendo usada em regiões montanhosas, onde a aplicação de outro tipo de rede não seria possível. Palavras-chave: Mesh, IEEE , ad-hoc 1. Introdução Com a evolução das redes sem fio, surge uma nova forma de conexão: a rede em malha, também conhecida como rede mesh. As vantagens sobre qualquer outra rede como a facilidade de expansão, menor custo de implantação e fácil adaptação a lugares de difícil acesso, faz dela uma promessa de tecnologia sem limites físicos. A rede mesh já é realidade nos EUA e na Europa, no Brasil está sendo utilizada em caráter de pesquisa. Uma das características interessantes da rede mesh é a sua facilidade de expansão. Como a rede é composta por nós (roteadores) que se comunicam entre si, toda vez que um novo nó (roteador) é colocado na rede, ela se expande e assim sucessivamente a cada nó instalado. Nas redes mesh, os nós, utilizam o padrão IEEE s 1, formando uma rede em malha sem fio com transmissão em múltiplos saltos. Por ser uma rede de baixo custo e de fácil implantação, é considerada uma solução ao problema de popularização do acesso à Internet. Pode ser utilizada em hospitais, campus universitários, e em alguns lugares já existem as chamadas "cidades digitais", onde projetos de rede mesh beneficiam toda uma população. Em regiões onde o relevo é acentuado, e, portanto o acesso à rede seria mais complicado, projetos de rede em malha sem fio estão utilizando da energia solar para prover acesso a Internet em lugares onde uma infraestrutura cabeada não seria possível. O artigo está organizado da seguinte forma: na seção 2 é abordado o funcionamento das redes mesh. Na seção 3 é descrito toda a infraestrutura da rede mesh, bem como seus 1 O padrão IEEE s amplia a definição do sistema de distribuição sem fio original do padrão IEEE , permitindo que a rede sem fio tenha uma área de cobertura que pode crescer à medida que novos nós se integram à rede adicionando um novo salto. - Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 16

2 protocolos de roteamento e como eles funcionam. Na seção 4 é feita uma abordagem sobre a qualidade de serviço das redes mesh. Na seção 5 são descritas algumas aplicabilidades dessa rede. Na seção 6 é mostrado um exemplo real da aplicabilidade das redes mesh na comunidade de Dharamsala na Índia. Por fim, na seção 7 apresentam-se as considerações finais. 2. Funcionamento das redes mesh A Rede em malha sem fio é uma rede dinâmica onde seus nós se comunicam entre si através do padrão IEEE em modo ad-hoc, sendo autoconfiguráveis. Os pacotes são repassados ao destino através de múltiplos saltos entre os nós. Por ausência de cabeamento entre os pontos de acesso, essa rede torna-se mais barata e de fácil implantação, reduzindo assim os custos em administração e manutenção. Os protocolos da rede mesh determinam a melhor rota automaticamente, podendo ser reconfigurados dinamicamente se um nó se torna inutilizável. Nas redes tradicionais, se faz necessário uma infraestrutura prévia, pontos de acesso são definidos onde as mensagens passam antes de chegar ao seu destino final. Sendo assim, o usuário envia mensagens onde ela passa por um ponto de acesso, depois é enviada ao seu destino. Nas redes mesh ou redes ad-hoc, isso não acontece, pois não é necessário pontos de acesso, cada cliente comunica-se entre si, portanto, cada um tem função de roteador dentro da rede, dessa forma, a rede possui maior mobilidade podendo expandir-se sem a necessidade de reconfiguração. Por ser uma rede onde constantes mudanças podem ocorrer, o roteamento de pacotes pode implicar em alguma dificuldade na questão de cálculo, por ser uma rede de alta mobilidade. As redes mesh possuem dois tipos de nós: os roteadores mesh e os clientes mesh. Os clientes mesh por não possuírem funções de bridge e gateway em sua configuração, são mais simples de configurar que os roteadores mesh. Os roteadores mesh formam o backbone da rede, onde contém as funções de roteamento, com mínima mobilidade, possuem diversos enlaces com outros nós, roteadores e clientes. Por funcionarem como gateways e bridges, possibilitam a conexão com outras redes. 3. Arquiteturas mesh A arquitetura mesh possui uma particularidade onde cada nó ou cada cliente efetua o roteamento na rede. É uma arquitetura pouco difundida, apesar de oferecer redundância é mais confiável, porém, na questão de roteamento pode causar congestionamentos indesejáveis na rede (OLIVEIRA, 2009) Backbone Wireless Mesh Network Os Roteadores Mesh formam o backbone, a infraestrutura da rede, utilizando-se da função gateway para conexão com a Internet. Através dessa arquitetura, há possibilidade de ligação com outras redes clientes convencionais, possibilitando integrar rede em malha sem fio com Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 17

3 outras redes wireless utilizando as funções gateway e bridge dos roteadores mesh. A conexão dos clientes pode ser feita via ethernet ou pode ser direta se possuírem tecnologias semelhante a roteadores mesh. Nesse caso os roteadores não possuem mobilidade como os clientes. A figura 1 apresenta um exemplo de rede mesh. Figura 1: Backbone Wireless Mesh Network (AKYILDIZ, 2005) 3.2. Cliente Wireless Mesh Network Os nós clientes (figura 2) têm função de configuração e roteamento e por serem responsáveis por aplicações de usuário final, não utilizam os roteadores mesh. Representam uma rede ad-hoc comum, realizando funções adicionais de roteamento e autoconfiguração. Figura 2: Client Wireless Mesh Network (AKYILDIZ, 2005) Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 18

4 4. Protocolo de Roteamento Por ser dinâmica e com alta mobilidade, as redes em malha sem fio, em questão de protocolos de roteamento, estão em constantes pesquisas para o desenvolvimento de protocolos que atenda essa topologia. As soluções hoje utilizadas são os protocolos de roteamento: Unicast e Multicast. O protocolo de roteamento Unicast é a transmissão mais comum, ponto a ponto, ou seja, um pacote do nó de origem terá somente um destino. Já no Multicast, o pacote do nó de origem é transmitido a um grupo de nós destino (SANTOS et al., 2010). Protocolos Pró-Ativos: utilizados largamente para soluções de rede, esses protocolos mantêm a constante atualização da rede, através do envio e recebimento de mensagens de controle. As informações são utilizadas para construção de rotas entre destino e origem. Um nó envia mensagens de controle, informando seu status de ativo na rede. Com essas informações, os nós calculam a sua tabela interna de roteamento utilizando métricas pré-determinadas pelo protocolo. A vantagem desse protocolo é a disponibilidade de rotas para diversos nós, sendo flexível às mudanças na topologia da rede. Com a propagação do número de nós na rede, os protocolos Pró-Ativos tendem a se tornar não escaláveis, devido ao aumento de mensagens de controle. Sendo assim a latência em grandes redes para manter e descobrir uma rota, torna-se um problema na rede. Exemplos de protocolos de roteamento para essa categoria: DSDV (Destination-Sequenced Distance-Vector), OLSR (Optimized Link State Routing) e WRP (Wireless Routing Protocol). Protocolos Reativos: Esses protocolos criam rotas apenas quando há necessidade que um nó origem inicie a comunicação com um nó destino. O nó origem descobre uma ou mais rotas da rede. Esse grupo de rotas é avaliado para que se encontre a melhor rota entre elas, ou seja, a que tiver o menor atraso. Exemplos de protocolos de roteamento para essa categoria são: DSR (Dynamic Source Routing), AODV (Ad Hoc on-demand Distance Vector). Protocolos Híbridos: Contempla as principais características dos protocolos próativos e reativos. Em uma rede em que os nós estão ativos, a tabela de roteamento precisa estar sempre atualizada. Porém os nós podem com o tempo ficarem menos ativos, tornando o protocolo reativo mais adequado, nesse caso. Protocolos Multicast: Os protocolos Multicast são classificados em duas categorias: Tree Based e Mesh Based. Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 19

5 . Figura 3: Protocolos de roteamento estabelecem árvores para conectar os todos os clientes de um grupo. A figura 3 mostra uma árvore Multicast onde os clientes em vermelho estão no mesmo grupo Multicast, os roteadores C e B não têm clientes no grupo. O objetivo dos protocolos é fazer que os pacotes passem por esse roteador para chegar até E e F. Para isso, criam-se árvores para interconectar todos os roteadores com os clientes que pertencem a um determinado grupo (REDE NACIONAL DE PESQUISA, s/a). Exemplos de protocolos para essa categoria: MAODV (Multicast Ad-hoc On-Demand Distance Vector), AMROUTE (Ad-Hoc Multicast Routing Protocol), MOLSR (Multicast Optmized Link State Routing) e MZRP (Multicast Zone Routing Protocol). Tree Based (figura 4): Existe um único caminho entre o nó de origem e o nó de destino, esses protocolos são eficientes no fluxo de dados. A árvore de Multicast é uma característica principal desse protocolo (SANTOS et al., 2010). Mesh Based (figura 5): Ao contrário da Tree Based, Mesh Based possui múltiplos caminhos entre o nó de origem e nó de destino, portanto é mais robusta. A utilização de uma malha Multicast, adapta-se ao dinamismo da Rede Ad-hoc (SANTOS et al., 2010). Exemplos de protocolos para essa categoria são: ODMRP (On-Demand Multicast Routing Protocol) e DCMP (Dynamic Core Based Multicast Routing Protocol). Figura 4: Tree based (LIM, 2011) Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 20

6 5. Qualidade de Serviço em redes mesh Figura 5: Mesh Based (LIM, 2011) Para obtenção de qualidade de transmissão no fluxo de dados, são necessários requisitos básicos para que ele chegue ao destino de forma integral. Esses requisitos são: taxa de perda de pacotes, largura de banda, taxa de bloqueio, latência na transmissão e garantia de serviço. A garantia de serviço torna-se hoje, um ponto importante quando a questão é a transmissão de voz e vídeo. Prover a qualidade de serviço em redes mesh torna-se crítica em função da necessidade de atender aplicações multimídia, sendo que essas aplicações são sensíveis ao atraso e necessitam maior largura de banda (ABALÉM, 2007). A escalabilidade nas redes mesh são a maior característica dessa tecnologia, porém o problema é gerar protocolos que façam com que o roteamento seja eficaz suprindo as necessidades de qualidade de serviço (SANTOS et al., 2010). Em grande parte das implementações nas redes mesh, o roteamento é feito utilizando o mínimo de saltos para se conseguir o melhor caminho entre os enlaces. Porém isso não provê garantia de chegada dos dados, a alta latência e o mínimo de perda de pacotes (SANTOS et al., 2010). Neste contexto, o roteamento por caminho mínimo, pode ser o com maior fluxo de dados, consequentemente com maior congestionamento, afetando a latência na transmissão dos dados. A utilização de uma métrica multidimensional, onde as informações de cada enlace pudessem ser conseguidas, garantindo um esforço menor atendendo as necessidades de cada enlace. 6. Aplicações das redes mesh O surgimento das redes em malha sem fio trouxe a possibilidade de popularização da Internet, criando as chamadas cidades digitais, onde o acesso é facilitado através de pontos de acesso distribuídos estrategicamente em campus universitários, prédios comerciais, hospitais etc. As vantagens acerca dessa tecnologia beneficiam muitos segmentos, criando uma rede de comunicação de fácil implantação e baixo custo, podendo Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 21

7 se expandir facilmente. Existem diversas aplicações que podem utilizar as redes mesh. As redes em malha sem fio podem ser utilizadas onde não há uma infraestrutura cabeada como telefonia ou eletricidade. A utilização de fontes de energia solar é uma das vantagens da aplicação desse tipo de rede. As redes mesh podem ser alimentadas por placas que captam o calor do sol, sendo assim em lugares onde há um acesso deficiente de eletricidade a aplicação desse tipo de rede é a melhor solução. Com a necessidade cada vez maior de comunicação entre as pessoas, é necessária que haja cada vez mais, pontos de acesso a Internet, preferencialmente as redes wireless. Procuramos cada vez mais a mobilidade, o acesso à informação de forma rápida, segura, em qualquer lugar e a qualquer hora. As redes em malha sem fio ou redes mesh já são uma realidade em diversas cidades no mundo, especialmente em lugares onde há obstáculos a redes cabeadas, como terrenos montanhosos. No Brasil temos o exemplo da cidade de Tiradentes no Estado de Minas Gerais, onde foram implantados equipamentos em pontos estratégicos, sendo um grande desafio, pois o local é montanhoso e as casas possuem paredes espessas dificultando a passagem do sinal wireless (ARRUDA, 2010). No presente artigo, serão abordadas algumas aplicações que já fazem uso dessa tecnologia. Tratando-se de aplicação de redes mesh, podemos citar as seguintes: Lugares isolados: como mencionado anteriormente, a aplicação de redes mesh em lugares de difícil acesso, como regiões montanhosas onde prover o acesso a Internet só é possível por transmissões via wireless, mostrou-se satisfatório até então. Nessas regiões são instalados diversos pontos de acesso, utilizando-se de equipamentos de baixa potência e longo alcance, geralmente alimentados por energia solar (ROODS, 2007). Educação: a implantação das redes mesh em universidades, escolas, provê o acesso a Internet a alunos e professores, promovendo a comunicação rápida e a troca de informações. Não há necessidade de cabeamento, pois são instalados diversos pontos de acesso wireless que podem ser internos e externos (ROODS, 2007). Saúde: como nem todas as construções são adaptadas para receber uma infraestrutura de rede, a rede mesh é ideal nesses casos. Em hospitais, principalmente em prédios mais antigos, a rede mesh pode enviar sinais a curtas distâncias, através de vidros espessos. Isso garante a conexão entre os consultórios e laboratórios, mantendo atualizadas as informações sobre exames e históricos médicos, podendo o profissional de saúde ter acesso a essas informações quando necessário (ROODS, 2007). Locais temporários: eventos ao ar livre como shows, comícios políticos e também construções, podem usufruir da tecnologia das redes mesh, pelo fato de ser de fácil instalação e remoção (ROODS, 2007) Rede mesh: Comunidade de Dharamsala (Índia) Em fevereiro de 2005 na comunidade de Dharamsala na Índia, foi implantada a rede mesh. O desempenho dessa rede revelou-se satisfatório após testes realizados durante esse período. Constatou-se que em regiões como essa onde o terreno é montanhoso, torna-se mais apropriado para a implantação desse tipo de rede. A cobertura é ampla e em lugares Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 22

8 onde o fornecimento de energia é ineficiente, o auxílio de placas solares para o fornecimento de energia, mostrou-se eficiente. Figura 6: Placas solares que alimentam os equipamentos da rede de Dharamsala (FLICKENGER et al., 2008) Através de 30 nós compartilhados em um canal único de rádio, fornece Internet banda larga a todos os membros da rede, tendo largura disponível de 6Mbps. São mais de dois mil computadores conectados submetendo a rede a uma grande carga. No entanto, o sistema trabalha com esta carga sem perda de pacotes ou aumento de latência. A questão de escalabilidade é problemática, pois a rede utiliza-se de um único canal de rádio. O desenvolvimento de rádios de múltiplos canais, atendendo os requisitos técnicos da rede, resolve o problema de escalabilidade e foram testados na rede de Dharamsala obtendo ótimos resultados. A rede de Dharamsala possui roteadores mesh em todas as localidades, porém com antenas diferentes conforme a localização geográfica. Os roteadores são projetados e construídos localmente e a implantação da rede tem base nesse dispositivo de hardware que leva o nome de Himalayan Mesh-Router (FLICKENGER et al., 2008). As antenas utilizadas são omnidirecionais de 8 a 11 dbi e direcionais de 12 a 24 dbi sendo algumas antenas setoriais de alto ganho, porém com custo elevado. Os serviços como centrais VOIP, são fornecidos aos membros baseada em um PABX por software. Possui também interface com a rede de telefonia pública. A criptografia dessa rede, não permite acesso a dispositivos como notebooks e PDA S. Através da distribuição de AP S b em localidades onde há roteadores mesh instalados, fornecem apenas quando necessário o acesso a estes dispositivos. Roteadores mesh consomem menos de 4 watts, isso os torna ideais para serem alimentados através de energia solar. 7. Considerações Finais As vantagens dessa tecnologia fazem da rede mesh a solução mais adequada quando é necessária a implantação de uma rede que traga maior mobilidade, economia, menor manutenção e fácil expansão. Seus protocolos de roteamento mantêm a rede em constante atualização, fazendo com que as melhores rotas sejam descobertas, tornando assim uma rede flexível a possíveis mudanças. Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 23

9 A aplicação dessa rede torna cada vez maior a popularização da Internet, visto que se dispõe de pontos de acesso em lugares públicos, onde o sinal pode ser captado a qualquer hora. Exemplos como a rede de Dharamsala na Índia, são cada vez mais comuns em lugares onde o funcionamento de uma rede cabeada não seria possível, devido a terrenos com relevo acentuado. Enfim, a tecnologia mesh, é a solução para expansão e provimento da Internet a população que vive em lugares isolados. Na cidade, é a forma mais rápida e econômica de expandir redes em empresas, universidades, escolas, hospitais, podendo transformar cidades em cidades digitais, trazendo assim a informação onde e na hora em que necessitamos. Referências ABALÉM, Antônio Jorge Gomes (et.al). Redes Mesh: Mobilidade, Qualidade de Serviço e Comunicação em Grupo. Minicursos: 25º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos. Disponível em: <http://sbrc2007.ufpa.br/anais/2007/mc%20- %2002.pdf> - Acesso em: 14/09/2012. ARRUDA, Fernanda Waltrick. Estudo da Tecnologia, do desenvolvimento e da utilização das redes mesh. Universidade Regional de Blumenau, Centro de Ciências Tecnológicas, Departamento de Engenharia Elétrica e Telecomunicações. Disponível em Acesso em 14/09/2012 AKYILDIZ, IAN F. A Survey on Wireless Mesh Networks. Xudong Wang, Kiyon, INC. Disponível em: <http://www.ece.gatech.edu/research/labs/bwn/papers/2005/j4.pdf> Acessado em: 14/09/2012. FLICKENGER, Rob et al.. Redes sem fio no mundo em desenvolvimento. Disponível em: <http://wndw.net/pdf/wndw-pt/wndw-pt-ebook.pdf> - Acessado em: 14/09/2012. LIM, Jay - P2P Research: Mesh vs Tree Topology - D isponível em <http://www.p2pzon.com/2011/08/p2p-research-mesh-vs-tree-topology.html> Acessado em: 06/1/2011. OLIVEIRA, Eduardo Pinto de - Gerência de Redes BWA através de Framework e Métricas de Avaliação de Desempenho - Dissertação de Mestrado - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/ /22/ Arquitetura-Mesh> - Acessado em: 11/09/2012. REDE NACIONAL DE PESQUISA Multicast Protocolos de Roteamento, Disponível em: <http://multicast.pop-pb.rnp.br/>, Acessado em: 18/10/2011. ROOS, Dave. "How Wireless Mesh Networks Work" 20 June HowStuffWorks.com. Disponível em: <http://computer.howstuffworks.com/how-wireless-mesh-networks-work. htm> Acessado em: 14/11/2012. SANTOS, Edimar Babilon dos, FIGUEIREDO, Pedro Soares, FERRAZ, Thiago Freitas de Guimarães, ASSIS, Vanessa Marques de Redes de Computadores I, Redes sem Fio em Malha Universidade Federal do Rio de Janeiro Disponível em: Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 24

10 acessado em 10/10/2011. SANTOS, Edimar Babilon dos, FIGUEIREDO, Pedro Soares, FERRAZ, Thiago Freitas de Guimarães, ASSIS, Vanessa Marques de Redes de Computadores I, Redes sem Fio em Malha Universidade Federal do Rio de Janeiro - Disponível em: <http://www.gta.ufrj.br/grad/10_1/malha/implementacoes.html> - Acessado em: 14/09/2012. Revista itec Vol. IV, Nº 4, Jul Página 25

Wireless Mesh Networks

Wireless Mesh Networks Wireless Mesh Networks Redes Mesh se configuram e se organizam automaticamente, com seus nós estabelecendo uma conexão ad hoc e mantendo a conectividade em malha. Isanio Lopes Araujo Santos Paradoxo: pontos

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br e-mail: marcelo.andrade@ig.com.br rodrigo.colli@esporte.gov.br

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretariado de Estado da Educação e Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Departamento

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Redes Mesh. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org

Redes Mesh. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org Redes Mesh X Fórum Internacional de Software Livre Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org Avisos Gerais GT Mesh Há aproximadamente

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA FINALMENTE. CONEXÃO DE REDES SEM FIO DE ALTO DESEMPENHO DE CLASSE EMPRESARIAL SIMPLIFICADA PARA EMPRESAS MENORES. Por menor que seja sua empresa, com certeza tem muitas

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Redes Mesh. MUM Brasil Outubro de 2008. Eng. Wardner Maia

Redes Mesh. MUM Brasil Outubro de 2008. Eng. Wardner Maia Redes Mesh MUM Brasil Outubro de 2008 Eng. Wardner Maia Introdução Nome: Wardner Maia Engenheiro Eletricista modalidades Eletrotécnica/Eletrônica/Telecomunicações Provedor de Internet Service desde 1995

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes Mesh. Latinoware 2009. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.

Redes Mesh. Latinoware 2009. Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano. Redes Mesh Latinoware 2009 Felipe Santos - felipesantos@softwarelivre.org Rodrigo Troian - rtroian@gmail.com Vinicius John - vinicius@minuano.org Apresentação GT Mesh ASL.Org Há aproximadamente três meses

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

AULA Redes de Computadores e a Internet

AULA Redes de Computadores e a Internet UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Disciplina: INF64 (Introdução à Ciência da Computação) Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless!

Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! Velocidade, Performance e Estabilidade do cabo de rede com a Flexibilidade do Wireless! AirWIRE é um dispositivo versátil para interconexão de equipamentos através de uma rede wireless de alta velocidade

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO

DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO AULA PRÁTICA DISPOSITIVOS DE REDES SEM FIO Objetivo: Apresentar o modo de operação Ad Hoc de uma rede padrão IEEE 802.11g/b e implementá-la em laboratório. Verificar os fundamentos de associação/registro

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 1: Etapas de Projeto e Dimensionamento do Sistema INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Etapas de projeto e dimensionamento

Leia mais

Manual do Usuário. Desenvolvido para

Manual do Usuário. Desenvolvido para Manual do Usuário Desenvolvido para 1 Obrigado por comprar um Produto Comtac Você comprou um produto de uma empresa que oferece alta qualidade e valor agregado. Conheça nossa linha completa através do

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

IGMP - Internet Group Management Protocol

IGMP - Internet Group Management Protocol IGMP - Internet Group Management Protocol Introdução A entrega Multicast IP é seletiva: apenas estações interessadas podem receber tráfego dirigido a um dado grupo. Almejando implementar essas árvores

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Tiago Rodrigues Chaves, Ricardo Augusto Rabelo Oliveira PPGCC - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação UFOP - Universidade Federal de

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br>

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa.

Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa. Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa. Camila Queiroz Bessa milabessa24@hotmail.com Instituto de Estudos Superiores da Amazônia - IESAM Endereço: Avenida Gov. José Malcher, 1148 - Nazaré

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais