V I EW P OI N T INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V I EW P OI N T INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA"

Transcrição

1 PORTUGAL VIEWPOINT

2

3 Francisco Sottomayor Director - Development, CBRE Cristina Arouca Associate Director - Research, CBRE Miguel Marques dos Santos Sócio, Garrigues Fernando Castro Silva Sócio, Garrigues DIFERENCIAÇÃO POSITIVA COM IMPACTO REAL Francisco Sottomayor, Director - Development, CBRE 2015 CBRE Garrigues 3

4 ENQUADRAMENTO LEGAL Miguel Marques dos Santos, Sócio, Garrigues Novo Contexto Legislativo 2015 CBRE Garrigues 4

5 Novo Impulso Municipal 2015 CBRE Garrigues 5

6 Projetos em área de reabilitação urbana Áreas de reabilitação urbana 2015 CBRE Garrigues 6

7 Tipos de operações de reabilitação urbana 2015 CBRE Garrigues 7

8 Projetos fora de área de reabilitação urbana 2015 CBRE Garrigues 8

9 2015 CBRE Garrigues 9

10 Simplificação de procedimentos 2015 CBRE Garrigues 10

11 2015 CBRE Garrigues 11

12 Operações de reabilitação em imóveis arrendados 2015 CBRE Garrigues 12

13 ENQUA DR A M ENT O FI SCA L 1. Considera-se haver eficiência energética nos seguintes casos: a) Quando tenha sido atribuída ao prédio uma classe energética igual ou superior a A, nos termos do disposto no Decreto-Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto; b) Quando, em resultado da execução de obras de construção, reconstrução, alteração, ampliação e conservação de edifícios, a classe energética atribuída ao prédio seja superior, em pelo menos duas classes, face à classe energética anteriormente certificada; ou c) Quando o prédio aproveite águas residuais tratadas ou águas pluviais, nos termos a definir por portaria dos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e do ambiente CBRE Garrigues 13

14 Benefícios Fiscais Imposto Base Legal Incentivos IMI IMT IVA IRS IRC IRS/IRC Artigo 45.º do EBF Artigo 71.º do EBF Artigo 45.º do EBF Artigo 71.º do EBF Verba 2.23 da Lista I anexa ao CIVA Artigo 71.º do EBF Artigo 71.º do EBF Artigo 71.º do EBF Isenção de IMI por um período de três anos, a contar do ano, inclusive, da emissão da respetiva licença camarária, para os prédios urbanos objeto de reabilitação (*) Isenção de IMI por um período de cinco anos, a contar do ano, inclusive, da conclusão da reabilitação de prédios urbanos, podendo ser renovada por um período adicional de cinco anos (**) Isenção de IMT nas aquisições de prédios urbanos destinados a reabilitação urbana, desde que, no prazo de três anos a contar da data da aquisição, o adquirente inicie as respetivas obras (*) Isenção de IMT nas aquisições de prédio urbano ou de fração autónoma destinado exclusivamente a habitação própria e permanente, na primeira transmissão onerosa do prédio reabilitado, quando localizado em área de reabilitação urbana (**) Sujeição à taxa reduzida (6% no continente e 5% nas regiões autónomas) das empreitadas que tenham por objeto a reabilitação urbana, tal como definida em diploma específico, realizadas em imóveis ou em espaços públicos localizados em áreas de reabilitação urbana (áreas críticas de recuperação e reconversão urbanística, zonas de intervenção das sociedades de reabilitação urbana e outras) delimitadas nos termos legais, ou no âmbito de operações de requalificação e reabilitação de reconhecido interesse público nacional Tributação à taxa de 5% das mais-valias e rendimentos prediais obtidos por residentes decorrentes da alienação/arrendamento de imóveis recuperados e em área de reabilitação urbana (**), sem prejuízo da opção pelo seu englobamento (**) Tributação à taxa de 10% do saldo positivo entre as mais-valias e as menos-valias resultantes da alienação de unidades de participação em FII que operem de acordo com a legislação nacional, desde que se constituam entre 1 de janeiro de 2008 e 31 de dezembro de 2013 e pelo menos 75% dos seus ativos sejam bens imóveis sujeitos a ações de reabilitação em área de reabilitação urbana, obtidas (i) por residentes fora do âmbito de uma atividade comercial, industrial ou agrícola que não optem pelo seu englobamento ou (ii) por não residentes (**) Dedução à coleta até ao limite de 500, de 30% dos encargos suportados pelo proprietário relacionados com a reabilitação (**) Isenção de IRC para os rendimentos de qualquer natureza obtidos pelos FII acima referidos (**). Os rendimentos respeitantes a unidades de participação dos FII acima referidos (i) são, em regra, sujeitos a retenção na fonte à taxa de 10% (a título definitivo se obtidos por residentes fora do âmbito de uma atividade comercial, industrial ou agrícola que não optem pelo seu englobamento ou por não residentes) e (ii) os seus titulares têm direito a deduzir 50% dos rendimentos relativos a dividendos, quando englobem os rendimentos que lhes sejam distribuídos (**) 2015 CBRE Garrigues 14

15 Benefícios Fiscais (continuação) (*) Entende-se por reabilitação urbanística o processo de transformação do solo urbanizado, compreendendo a execução de obras de construção, reconstrução, alteração, ampliação, demolição e conservação de edifícios, tal como definidas no regime jurídico da urbanização e da edificação, com o objetivo de melhorar as condições de uso, conservando o seu caráter fundamental, bem como o conjunto de operações urbanísticas e de loteamento e de obras de urbanização, que visem a recuperação de zonas históricas e de áreas críticas de recuperação e reconversão urbanística, sendo tal reabilitação certificada pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, I. P., ou pela câmara municipal, consoante o caso, e desde que, em qualquer caso, seja atribuída a esse prédio, quando exigível, uma classificação energética igual ou superior a A ou quando, na sequência dessa reabilitação, lhe seja atribuída classe energética superior à anteriormente certificada, em pelo menos dois níveis, nos termos do Decreto-Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, com exceção dos casos em que tais prédios se encontrem dispensados de um ou mais requisitos de eficiência energética, nomeadamente nos termos do disposto no artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 53/2014, de 8 de abril. Depende de reconhecimento pela câmara municipal da área da situação dos prédios, após a conclusão das obras, e a emissão da certificação urbanística e da certificação energética acima referidas. A câmara municipal comunica, no prazo de 30 dias, o reconhecimento do direito à isenção ao serviço de finanças competente que deve promover, no prazo de 15 dias, a anulação das liquidações de IMI, se for o caso. Não cumulável com outros benefícios fiscais de idêntica natureza. (**) São apenas aplicáveis aos imóveis objeto de reabilitação iniciada após 1 de janeiro de 2008 e que se encontrem concluídas até 31 de dezembro de São abrangidas por estes incentivos as ações de reabilitação que tenham por objeto imóveis que preencham, pelo menos, uma das seguintes condições (i) sejam prédios urbanos arrendados passíveis de atualização faseada das rendas nos termos dos artigos 27.º e seguintes do NRAU ou (ii) sejam prédios urbanos localizados em áreas de reabilitação urbana. Depende da comprovação do início e da conclusão das ações de reabilitação pela câmara municipal ou de outra entidade legalmente habilitada para gerir um programa de reabilitação urbana para a área da localização do imóvel, incumbindo-lhes certificar o estado dos imóveis, antes e após as obras. Nota: A presente informação (legal e fiscal) tem natureza genérica e não dispensa a consulta da lei nem a análise da situação concreta CBRE Garrigues 15

16 CBRE GARRIGUES Nota Final: Este documento pretende facultar informação geral sobre o mercado português da reabilitação urbana e sobre alguns aspetos do respetivo regime legal e fiscal, no âmbito do ordenamento jurídico português. Este documento não constitui e não pode, sob circunstância alguma, ser considerado ou tratado como aconselhamento comercial, legal ou fiscal, por parte da CBRE ou da GARRIGUES a quaisquer pessoas ou entidades. Particularmente, este documento não implica qualquer aconselhamento ou recomendação de investimento a quaisquer pessoas ou entidades. A CBRE e a GARRIGUES não prestam quaisquer declarações ou garantias relativamente à correção ou completude da informação contida no presente documento.

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA E ENQUADRAMENTO A leitura da presente informação não dispensa a consulta da legislação em vigor Estatuto dos

Leia mais

direção municipal de urbanismo e ambiente. divisão de planeamento e reabilitação urbana. janeiro 2017

direção municipal de urbanismo e ambiente. divisão de planeamento e reabilitação urbana. janeiro 2017 estratégia de regeneração urbana vila nova de gaia proposta de retificação do Quadro de Benefícios Fiscais e Incentivos Financeiros das ARU Cidade de Gaia, Encostas do Douro, Zona Central dos Carvalhos,

Leia mais

OS BENEFICIOS FISCAIS À REABILITAÇÃO URBANA

OS BENEFICIOS FISCAIS À REABILITAÇÃO URBANA I / II Impostos sobre o Património (IMI / IMT) III Impostos sobre os Rendimentos (IRS / RP) IV Impostos sobre a Despesa (Iva) I) ART. 112.º, N.º 6 /CIMI: Majoração da taxa do IMI, incidente sobre prédios

Leia mais

ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO

ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO To os inseri na área de urbana do centro histórico do

Leia mais

NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS

NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS ANEXO III NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS No âmbito da estratégia de reabilitação urbana serão concedidos os seguintes apoios: 1. TAXAS MUNICIPAIS

Leia mais

Reabilitação Urbana Benefícios Fiscais. janeiro 2016

Reabilitação Urbana Benefícios Fiscais. janeiro 2016 Reabilitação Urbana Benefícios Fiscais janeiro 2016 1 Introdução Na última década, tem vindo a verificar-se uma degradação progressiva das zonas mais antigas das principais cidades portuguesas, impulsionada,

Leia mais

VIEWPOINT NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO

VIEWPOINT NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO PORTUGAL VIEWPOINT Francisco Sottomayor Director - Development, CBRE Cristina Arouca Associate Director - Research, CBRE João Torroaes Valente Advogado, Uría Menéndez Proença de Carvalho UMA REFORMA COM

Leia mais

NORMAS DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS DAS ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA DE ANGEJA E DA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE ALBERGARIA-A-VELHA

NORMAS DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS DAS ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA DE ANGEJA E DA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE ALBERGARIA-A-VELHA NORMAS DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS DAS ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA DE ANGEJA E DA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE ALBERGARIA-A-VELHA 1 - Área de Reabilitação Urbana (ARU) de Angeja e da Área Central

Leia mais

Área de Reabilitação Urbana do Eixo Antigo de Valongo ARUEAV

Área de Reabilitação Urbana do Eixo Antigo de Valongo ARUEAV GMIME Gabinete Mais Investimento Mais Emprego Área de Reabilitação Urbana do Eixo Antigo de Valongo ARUEAV PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AOS APOIOS E BENEFÍCIOS FISCAIS NO ÂMBITO DE OBRAS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE AMARES/FERREIROS

PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE AMARES/FERREIROS PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE AMARES/FERREIROS AGOSTO DE 2015 1. Introdução 2. Justificação da delimitação da ARU 3. Síntese do diagnóstico 4. Objetivos estratégicos 5. Apoios

Leia mais

ARU Arganil. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil

ARU Arganil. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil ARU Arganil Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil DGU OM Setembro de 2015 2/8 Sumário: Âmbito... 3 Enquadramento Legal... 3 Delimitação e enquadramento

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DOS ALIADOS

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DOS ALIADOS ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DOS ALIADOS [PROJETO] Dezembro de 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA... 5 2.1. Critérios subjacentes à delimitação... 6 2.2. Objetivos estratégicos

Leia mais

GUIA DE INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

GUIA DE INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA GUIA DE INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA Agosto 2016 BENEFÍCIOS FISCAIS Conforme artigo 14º e alínea f) do nº2 do artigo33º do Decreto-Lei 307/2009 de 23 de Outubro, alterado pela Lei 32/2012 de 14 de

Leia mais

CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana

CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana Como financiar a reabilitação urbana CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana Fundação Bissaya Barreto 12 de novembro 2015 Sidónio Simões, Eng.º ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA PARA O CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA 2: BAIRRO DA MATRIZ / PRAÇA DO ALMADA

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA 2: BAIRRO DA MATRIZ / PRAÇA DO ALMADA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA 2: BAIRRO DA MATRIZ / PRAÇA DO ALMADA Memória descritiva e justificativa 1. Enquadramento 1.1 Enquadramento legal A delimitação de Áreas de Reabilitação Urbana (ARU) encontra-se

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MAIO 2017 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de março 2017 e anexos. IRS/IRC: Declaração de rendimentos pagos e de retenções, deduções,

Leia mais

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DA LAPA

ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DA LAPA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DA LAPA [PROJETO] Dezembro de 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA... 5 2.1. Critérios subjacentes à delimitação... 5 2.2. Objetivos estratégicos

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

Regeneração Urbana - Um novo passo. Lisboa 16 de Abril. - Legislação Fiscal e Processos de Licenciamento -

Regeneração Urbana - Um novo passo. Lisboa 16 de Abril. - Legislação Fiscal e Processos de Licenciamento - Regeneração Urbana - Um novo passo Lisboa 16 de Abril - Legislação Fiscal e Processos de Licenciamento - Os impostos inevitavelmente são um custo da regeneração urbana, e podem significar viabilização

Leia mais

MPBA sociedade de advogados rl

MPBA sociedade de advogados rl Reabilitação Urbana - Questões Jurídicas e Fiscais - 1 Evolução da receita Fiscal CA/IMI SISA/IMT Aumento > 10%/ano 2 Diferença face ao PIB 3 Evolução das Receitas do IMT/SISA e dos Fogos Concluídos 4

Leia mais

Investimento Imobiliário: Principais Aspetos Fiscais

Investimento Imobiliário: Principais Aspetos Fiscais Investimento Imobiliário: Principais Aspetos Fiscais 1 All the lawyers know what s happening on the case and work really well as a team. It sets them apart from others in the market. Client reference from

Leia mais

Porto - Reabilitação urbana em movimento COMO PODE PLMJ AJUDAR

Porto - Reabilitação urbana em movimento COMO PODE PLMJ AJUDAR Porto - Reabilitação urbana em movimento COMO PODE PLMJ AJUDAR Porto - Reabilitação urbana em movimento INTRODUÇÃO A reabilitação urbana passou a ser palavra de ordem face à patológica situação a que chegou

Leia mais

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO

PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO 9-5-2017 PORTUGAL COMO PLATAFORMA DE INVESTIMENTO Vasta Rede de Acórdos de Dupla Tributação 8 Regime dos residentes não habituais 1 Regime dos vistos dourados (golden

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MAIO DE 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de março 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

Códigos Tributários ª Edição. Errata

Códigos Tributários ª Edição. Errata Códigos Tributários 2013 6ª Edição Errata 1 CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS UNIVERSITÁRIO Errata ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA, S.A. Rua Fernandes Tomás nºs 76, 78, 80 3000-167 Coimbra

Leia mais

ARU. Área de Reabilitação Urbana

ARU. Área de Reabilitação Urbana Área de Reabilitação Urbana Enquadramento Legal Regime Jurídico da Reabilitação Urbana (RJRU) Lei n.º32/2012 de 14 de agosto, primeira alteração ao Decreto-Lei n.º307/2009 de 23 de outubro, que aprova

Leia mais

Portugal ViewPoint INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA. NOVAS PERSPETIVAS PARA O INVESTIDOR Francisco Sottomayor, Associate Director, CBRE

Portugal ViewPoint INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA. NOVAS PERSPETIVAS PARA O INVESTIDOR Francisco Sottomayor, Associate Director, CBRE CBRE Portugal ViewPoint www.cbre.pt Junho 2013 INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA NOVAS PERSPETIVAS PARA O INVESTIDOR Francisco Sottomayor, Associate Director, CBRE Dificilmente encontramos em Portugal uma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE JULHO 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

Município do Fundão. Reabilitação e a Eficiência Energética Conservação/Reparação Áreas de Reabilitação Urbana ARU.

Município do Fundão. Reabilitação e a Eficiência Energética Conservação/Reparação Áreas de Reabilitação Urbana ARU. Reabilitação e a Eficiência Energética Conservação/Reparação Áreas de Reabilitação Urbana ARU 9 de Julho 2014 Município do Fundão Divisão de Ordenamento, Planeamento e Qualidade de Vida 29 edifícios No

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2016 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2016 e anexos. IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE ABRIL DE 2016 Dia 11: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de fevereiro 2016 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS TAREFAS E OBRIGAÇÕES PROFISSIONAIS DE JULHO 2014 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de maio 2014 e anexos. IRS/IRC/SEGURANÇA SOCIAL: Declaração de rendimentos pagos e de

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 8.novembro.2012 Tributação sobre o Património Imobiliário Tributação sobre o Património Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro, cria uma nova taxa em sede

Leia mais

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A [ESCLARECIMENTOS SOBRE A ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS FISCAIS NA ARU DA HORTA] ARU da Horta = Área de Reabilitação Urbana do centro Histórico da Cidade da Horta delimitada em sede de Assembleia Municipal do

Leia mais

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal EDITAL Nº 32/XI-1º/ (Fixação da Taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis IMI. para vigorar em 2014)

MUNICIPIO DE ALMADA. Assembleia Municipal EDITAL Nº 32/XI-1º/ (Fixação da Taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis IMI. para vigorar em 2014) MUNICIPIO DE ALMADA (Fixação da Taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis IMI para vigorar em 2014) EU, JOSÉ MANUEL MAIA NUNES DE ALMEIDA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO CONCELHO DE ALMADA Torno público

Leia mais

Fiscalidade Carga horária: 36 horas

Fiscalidade Carga horária: 36 horas Fiscalidade Carga horária: 36 horas PROGRAMA 1. O Sistema Fiscal Português (1 hora: Sérgio Cruz) 1.1. Os impostos nos orçamentos do Estado 1.2. Evasão e fraude fiscais 1.3. Benefícios fiscais 1.4. Contencioso

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT)

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT) INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD_ 577 Imposto Sobre o Património IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMT) Retirar

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana. Aldeia do Casal Novo

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana. Aldeia do Casal Novo Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Aldeia do Casal Novo Fevereiro de 2016 I. MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA I.1 INTRODUÇÃO A aldeia do Casal Novo encontra-se classificada como conjunto

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Área de Reabilitação Urbana

Área de Reabilitação Urbana Área de Reabilitação Urbana PEREIRO Freguesia de Vilar Município do Cadaval Divisão de Urbanismo e Ordenamento do Território 2014 Introdução: Pretende a Câmara Municipal do Cadaval proceder á delimitação

Leia mais

Património vs Indiretos: o dilema

Património vs Indiretos: o dilema www.pwc.pt/orcamentoestado Património vs Indiretos: o dilema Orçamento do Estado 2017 Património PwC 2 Novidades 0,3% 1% Criação do Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (AIMI) de 0,3% sobre a soma

Leia mais

A Fiscalidade e o Orçamento de Estado para As Alterações nos Impostos sobre o Património Faculdade de Direito da Universidade do Porto

A Fiscalidade e o Orçamento de Estado para As Alterações nos Impostos sobre o Património Faculdade de Direito da Universidade do Porto A Fiscalidade e o Orçamento de Estado para 2014. As Alterações nos Impostos sobre o Património Faculdade de Direito da Universidade do Porto Abílio Rodrigues Investigador do CIJE Advogado Artigo 11º CIMI

Leia mais

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal

Circular Gabinete Jurídico-Fiscal Circular Gabinete Jurídico-Fiscal N/REFª: 81/2013 DATA: 24/09/2013 ASSUNTO: Calendário Fiscal Outubro 2013 Exmos. Senhores, Junto se envia o Calendário Fiscal relativo ao mês de Outubro de 2013. Com os

Leia mais

DIREITO FISCAL / DIREITO IMOBILIÁRIO INVESTIR EM BENS IMOBILIARIOS EM PORTUGAL PRINCIPAIS ASPECTOS FISCAIS

DIREITO FISCAL / DIREITO IMOBILIÁRIO INVESTIR EM BENS IMOBILIARIOS EM PORTUGAL PRINCIPAIS ASPECTOS FISCAIS Newsletter DIREITO FISCAL / DIREITO IMOBILIÁRIO Fevereiro 2017 INVESTIR EM BENS IMOBILIARIOS EM PORTUGAL PRINCIPAIS ASPECTOS FISCAIS I. IMPOSTOS DEVIDOS NA AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS 1.1 OPERAÇÕES PASSIVEIS

Leia mais

Os Veículos de Investimento na Reabilitação

Os Veículos de Investimento na Reabilitação REABILITAÇÃO URBANA REGIME, DESAFIOS E OPORTUNIDADES Os Veículos de Investimento na Reabilitação JOÃO RICARDO NÓBREGA REABILITAÇÃO URBANA: O PANORAMA ACTUAL DO MERCADO PORTUGUÊS Para reflexão: - A reabilitação

Leia mais

Newsletter de Janeiro de 2016

Newsletter de Janeiro de 2016 Newsletter de Janeiro de 2016 Obrigações Fiscais do mês: Até ao dia 11, entrega da declaração, respectivos anexos e pagamento do IVA de periodicidade mensal, referente ao mês de Novembro de 2015 Até ao

Leia mais

DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA - FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO

DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA - FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO DELIMITAÇÃO DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA - FRENTE RIBEIRINHA DE VIANA DO CASTELO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. Enquadramento 1.1 Enquadramento legal A delimitação de Áreas de Reabilitação Urbana

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2016

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2016 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2016 O NOVO BANCO DOS AÇORES vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a

Leia mais

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Artigo 16.º 1 [...] Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Artigo 16.º 1 4 -... 6 Consideram-se residentes não habituais em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes

Leia mais

OBRIGAÇÕES PAGAMENTO. Última atualização janeiro: 2016

OBRIGAÇÕES PAGAMENTO. Última atualização janeiro: 2016 OBRIGAÇÕES PAGAMENTO 2016 Última atualização janeiro: 2016 DIA 11 apurado na declaração respeitante a novembro do ano anterior, pelos sujeitos passivos abrangidos pela periodicidade mensal do regime normal.

Leia mais

PRINCIPAIS ASPETOS FISCAIS

PRINCIPAIS ASPETOS FISCAIS Investimento Imobiliário PRINCIPAIS ASPETOS FISCAIS O presente guia tem como objetivo caracterizar o regime fiscal aplicável ao investimento imobiliário em portugal, pretendendo-se abranger os principais

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em

CÓDIGO DO IRS. Artigo 16.º Residência Redacção anterior Orçamento Rectificativo dos n. os 1 ou 2, não tenham sido residentes em CÓDIGO DO IRS Artigo 16.º Residência 6 - Considera-se que não têm residência habitual em território português os sujeitos passivos que, tornando-se fiscalmente residentes, nomeadamente ao abrigo do disposto

Leia mais

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico Enquadramento Jurídico Decreto-Lei n.º 307/2009 de 23 de Outubro - Regime Jurídico da Reabilitação Urbana Legislação relacionada Decreto-Lei n.º 152/82 de 3 de Maio - Regime de criação de ADUP's e ACP's

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS FEVEREIRO DE 2017 Dia 10: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de dezembro 2016 e anexos. IRS/IRC: Declaração de rendimentos pagos e de retenções,

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Questionário Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 1. É tributado como rendimento da categoria B: A) A indemnização paga pela companhia de seguros a empresário em nome individual,

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS)

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) ALTERAÇÕES AO IRS, IRC, IMPOSTO DO SELO E LGT A Lei 55-A/2012, de 29 de Outubro introduziu alterações relevantes no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), Imposto sobre o Rendimento das

Leia mais

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados.

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados. REGIME ESPECIAL APLICÁVEL AOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL E ÀS SOCIEDADES DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL Aprovado pelos artigos 102.º a

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses. DL 242/2006 A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro,

Leia mais

Reabilitação Urbana de Carregal do Sal Apresentação Pública 23 de maio de 2016

Reabilitação Urbana de Carregal do Sal Apresentação Pública 23 de maio de 2016 Reabilitação Urbana de Carregal do Apresentação Pública 23 de maio de 2016 1 I. ARU de Carregal do II. III. IV. Benefícios e Procedimentos Instrumento Financeiro Reabilitação e Revitalização Urbana Programa

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ATO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ATO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2013 3 A IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito passivo B NIF 07 NÚMERO FISCAL DE CONTRIBUINTE 08 CÓDIGO DA TABELA DE ATIVIDADES

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DA LEI Nº 3-B/2010, DE 28 DE ABRIL (ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2010) José M. T. Martinho - DSIMI Maio de 2010 1 Nº 5 A isenção a que se refere a alínea n) do nº 1 é de carácter

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ATO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ATO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 AUTORIDADE TRIBUTARIA E ADUANEIRA 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

IMI. Imposto Municipal sobre Imóveis. Cláudia Ferreira

IMI. Imposto Municipal sobre Imóveis. Cláudia Ferreira IMI Imposto Municipal sobre Imóveis Cláudia Ferreira 1 O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos prédios (rústicos, urbanos ou mistos) situados em Portugal. É um imposto municipal,

Leia mais

Fiscalidade IRS-IRC. Exercícios de Aplicação

Fiscalidade IRS-IRC. Exercícios de Aplicação Fiscalidade IRS-IRC Exercícios de Aplicação EXERCÍCIO DE APLICAÇÃO Nº 1 - IRS Pretende-se o preenchimento da declaração de IRS com os seguintes dados: Agregado familiar: Pai, mãe e três filhos dependentes,

Leia mais

ANEXO C DECLARAÇÃO MODELO 22 REGIÕES AUTONOMAS

ANEXO C DECLARAÇÃO MODELO 22 REGIÕES AUTONOMAS 261 O Anexo C é de entrega obrigatória: ANEXO C DECLARAÇÃO MODELO 22 REGIÕES AUTONOMAS a) Por qualquer pessoa colectiva ou equiparada, com sede ou direcção efectiva em território português, que possua

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Proposta de Lei nº 37/XIII/2.ª Aprova o Orçamento do Estado para 2017

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Proposta de Lei nº 37/XIII/2.ª Aprova o Orçamento do Estado para 2017 PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Proposta de Lei nº 37/XIII/2.ª Aprova o Orçamento do Estado para 2017 [ ]: Proposta de Alteração Artigo 168.º [Aditamento ao Código do Imposto Municipal sobre

Leia mais

PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS. Miguel Sousa e Silva

PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS. Miguel Sousa e Silva PERSPETIVAS DE REFORMA DO IRS Miguel Sousa e Silva Objetivos da reforma Proteção da família. Fomento da mobilidade social e geográfica. Simplificação do imposto. Proteção da família Quociente familiar:

Leia mais

APONTAMENTOS IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI)

APONTAMENTOS IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) APONTAMENTOS Última actualização: 10-9-2016 IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) INCIDÊNCIA O IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis) incide sobre o valor patrimonial tributário dos prédios rústicos e urbanos,

Leia mais

Eu é que sou o benfeitor!!!

Eu é que sou o benfeitor!!! Eu é que sou o benfeitor!!! PODERES TRIBUTÁRIOS & BENEFÍCIOS FISCAIS AUTÁRQUICOS 2 Benefícios fiscais Eu é que sou o benfeitor!!! Poderes tributários Poder(es) financeiro(s) Poderes tributários autárquicos:

Leia mais

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L

O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L i Nº 39 / 14 O N O V O R E G I M E D O A L O J A M E N T O L O C A L I. Aspectos relevantes do novo regime jurídico Entra hoje em vigor o novo regime da exploração dos estabelecimentos de alojamento local,

Leia mais

Área de Reabilitação Urbana de Proença a Nova

Área de Reabilitação Urbana de Proença a Nova ÁreadeReabilitaçãoUrbanadeProençaaNova Agosto2014 ÁreadeReabilitaçãoUrbanadeProençaaNova Introdução OMunicípiodeProençaaNova,identificandoaexistênciadeumaáreadeterritóriomunicipal em que se verifica uma

Leia mais

Assunto: DECLARAÇÃO MODELO 3 DE IRS EM VIGOR A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2010

Assunto: DECLARAÇÃO MODELO 3 DE IRS EM VIGOR A PARTIR DE 1 DE JANEIRO DE 2010 Classificação:.. DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES Ofício Circulado n.º: 20144 de 26-01-10 Processo: 7401/09 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.ª:

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA. Proposta

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA. Proposta MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana do Centro Antigo da Cidade de Albufeira de delimitação da área de reabilitação urbana janeiro 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ANEXO DECLARAÇÃO PERIÓDICA (Decreto Lei n.º 347/85, de 23 de Agosto)

ANEXO DECLARAÇÃO PERIÓDICA (Decreto Lei n.º 347/85, de 23 de Agosto) BASE TRIBUTÁVEL IMPOSTO A FAVOR DO SUJEITO PASSIVO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS ANEXO DECLARAÇÃO PERIÓDICA (Decreto Lei n.º 347/85, de 23 de Agosto) R 01 NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016 O Orçamento do Estado 2016 11 Fevereiro de 2016 Índice I. Imposto do Selo II. Imposto Municipal sobre Imóveis III. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis 2 Orçamento de Estado 2016

Leia mais

Alteração ao Código do IMI Artigo 3.º

Alteração ao Código do IMI Artigo 3.º Inserir entre as págs. 77 e 78 http://www.almedina.net/catalog/product_info.php?products_id=26394 Inserir a pág. 30 Alteração ao Código do IMI Artigo 3.º 1 São prédios rústicos os terrenos situados fora

Leia mais

ANEXOS. Projecto de Delimitação da ARU do Centro Histórico do Porto 143

ANEXOS. Projecto de Delimitação da ARU do Centro Histórico do Porto 143 ANEXOS Projecto de Delimitação da ARU do Centro Histórico do Porto 143 Projecto de Delimitação da ARU do Centro Histórico do Porto 144 1. DELIBERAÇÃO MUNICIPAL DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011 Projecto de Delimitação

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2.

21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 01 IRC 1 21% 21% A Lei das Finanças Regionais prevê que a RAM possa fixar uma taxa 20% inferior à aplicável em Portugal Continental 2. 5% ; 2.5% (ZFI 8 sob condições) 80% de isenção das derramas (imposto

Leia mais

FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. Seminário Internacional no Porto. 26 de março de Intervenção do Presidente da CIP

FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. Seminário Internacional no Porto. 26 de março de Intervenção do Presidente da CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA Seminário Internacional no Porto 26 de março de 2013 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras e Meus Senhores, Antes de mais quero agradecer a Vossa presença

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA)

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) IES DECLARAÇÃO ANUAL (ENTIDADES RESIDENTES QUE NÃO EXERCEM A TÍTULO PRINCIPAL ACTIVIDADE COMERCIAL INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA) 01 No DE IDENTIFICAÇÃO FISCAL (NIPC) 02 EXERCÍCIO 1 IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças

MARÇO 2004 SUMÁRIO. I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL. Ministério das Finanças MARÇO 2004 SUMÁRIO I. Legislação nacional II. Instruções administrativas I. LEGISLAÇÃO NACIONAL Despacho nº4260/2004, de 3 de Março IRS - Tabelas de retenção Continente Aprova as tabelas de retenção na

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

COMPRANDO IMÓVEIS EM PORTUGAL

COMPRANDO IMÓVEIS EM PORTUGAL COMPRANDO IMÓVEIS EM PORTUGAL Aspectos Jurídicos e Tributários ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU Comprar imóveis em Portugal é um processo relativamente simples e direto. Quando comparada a alguns dos países

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto

Leia mais

BTOC NEWS ESPECIAL

BTOC NEWS ESPECIAL PROPOSTA DE LEI D0 ORÇAMENTO DE ESTADO 2013 BTOC APP BTOC LANÇOU A SUA APLICAÇÃO APP PARA IPAD, IPHONE E TABLETS. AGORA, AO ALCANCE DE UM SIMPLES CLIQUE, AS EMPRESAS E AS ORGANIZAÇÕES PASSAM A TER PERMANENTEMENTE

Leia mais

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS

B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E INCENTIVOS FINANCEIROS À REABILITAÇÃO 38 39 B - QUADRO DE BENEFÍCIOS FISCAIS ASSOCIADOS AOS IMPOSTOS MUNICIPAIS E APOIOS E

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

CEJ - Seminário sobre Arrendamento Urbano

CEJ - Seminário sobre Arrendamento Urbano CEJ - Seminário sobre Arrendamento Urbano Arrendamento e Direito Fiscal Paula Rosado Pereira Professora da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 15 de abril de 2016 Tributação em IRS dos rendimentos

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 90/2016, 1º Suplemento, Série II de , páginas (2) a (5)

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 90/2016, 1º Suplemento, Série II de , páginas (2) a (5) Classificação: 060.01.01 Segurança: Pública Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma - Despacho n.º 6201-A/2016, de 10 de maio Estado: vigente Resumo: Despacho

Leia mais

Lei de Orçamento do Estado para 2013

Lei de Orçamento do Estado para 2013 Lei de Orçamento do Estado para 2013 Alterações com relevância no âmbito das Relações de Trabalho I - Alterações em matéria de IRS: Subsídio de refeição: São reduzidos os limites de isenção em sede de

Leia mais

Condomínios enquadramento e obrigações fiscais

Condomínios enquadramento e obrigações fiscais Condomínios enquadramento e obrigações fiscais O enquadramento fiscal dos condomínios e respetivas obrigações fiscais é um tema que levanta sempre dúvidas. No presente artigo vamos abordar os principais

Leia mais

CIRCULAR. Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe

CIRCULAR. Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe CIRCULAR N/ REFª: 02/15 DATA: 05/02/2015 Assunto: Síntese Legislativa Exmos. Senhores, Para conhecimento, junto se envia a circular 12/2014 do nosso Gabinete Fiscal, relativa ao assunto em epígrafe Com

Leia mais

Getting to the point. Concretização de autorização legislativa para alterações em matéria de Imposto do Selo, IUC, IVA, IRS, IRC e IMI

Getting to the point. Concretização de autorização legislativa para alterações em matéria de Imposto do Selo, IUC, IVA, IRS, IRC e IMI Tax News Flash n.º9/2016 1 de Agosto de 2016 Getting to the point Concretização de autorização legislativa para alterações em matéria de Imposto do Selo, IUC, IVA, IRS, IRC e IMI No uso da autorização

Leia mais

Fiscal, 36.ª Edição Col. Legislação

Fiscal, 36.ª Edição Col. Legislação COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online orquê as atualizações aos livros da COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? No panorama legislativo nacional é frequente a publicação de novos diplomas legais que, regularmente, alteram

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA. 8 de Março 2007

INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA. 8 de Março 2007 INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA 8 de Março 1 NOTA INTRODUTÓRIA A Porto Vivo, SRU tem como MISSÃO APOIAR OS PROPRIETÁRIOS RIOS nos processos de recuperação dos edifícios. Cabe-lhe AGIR COMO ENTIDADE FACILITADORA

Leia mais