SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL"

Transcrição

1 SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão acadêmica, realizada por dois professores supervisores acadêmicos e com os alunos do 2º ao 4º ano do curso de Serviço Social, Centro Universitário da UNILINS Lins/SP, objetivando a importância da qualidade do estágio curricular necessário à formação profissional, em acordo com as novas diretrizes curriculares de estágio supervisionado. Os professores supervisores em conjunto aos supervisores de campo exercem um trabalho coeso e participativo envolvendo os alunos num processo teórico, metodológico, operacional e prático das atividades desenvolvidas nas mais diversas experiências da prática profissional. Paralela a esta atividade desenvolve-se também as oficinas de estágios tanto para os alunos, como, para os Assistentes sociais de campo, como momento de confronto da teoria e prática, avaliação e avanço na qualidade dos estágios. Destaca-se desta experiência algumas dificuldades e desafios desta prática: aspecto financeiro dos alunos; falta de tempo para realizar seu estágio; acúmulo das atividades dos assistentes sociais de campo. Alguns avanços apresentamse como melhoria na qualidade do estágio: abertura a novos campos de estágio; os cursos de supervisores e as oficinas contribuem para a motivação dos profissionais e alunos; as discussões da teoria e da prática enriquecem a formação acadêmica e sua prática de estágio. Conclui-se sobre a importância de um trabalho articulado entre o setor de coordenação do curso, coordenação de estágio, supervisão de campo e supervisão acadêmica, o que contribui para eficiência de uma formação profissional. Palavras - Chave: Estágio supervisionado; Serviço Social; formação profissional. Introdução: O projeto de supervisão acadêmica de estágio curricular do curso de Serviço do Centro Universitário de Lins-UNILINS foi implantado desde o ano de 2003, quando aprovado pelo conselho acadêmico e diretoria da UNILINS. De acordo com as novas diretrizes curriculares o estágio supervisionado é:

2 * Mestranda em Serviço Social do Programa da UNESP/Franca-SP; Docente do Centro Universitário-UNILINS SP e Profª. Supervisora Acadêmica de Estágio; Orientanda da Profª. Drª. do Departamento de Serviço Social e Pós-Graduação da UNESP/Franca, Ana Maria R. Estevão. Endereço: Centro Universitário UNILINS Av. Nicolau Zarvos, 1925 CEP: Lins/SP. Fone: / Uma atividade curricular obrigatória que se configura a partir da inserção do aluno no espaço sócio-institucional, objetivando capacita-lo ao exercício profissional, o que pressupõe supervisão sistemática. Esta supervisão será feita conjuntamente, pelo professor supervisor e profissional assistente social do campo, por meio da reflexão, acompanhando e sistematizando com base nos planos de estágio, tendo como referência a Lei 866/93 (Lei de Regulamento da Profissão) e o Código de Ética do Profissional (1993) (ABESS/CEDEPSS, 1996, p.21-22). Dentre as atividades do processo de formação profissional encontra-se o estágio curricular supervisionado. Compete aos professores supervisores acadêmicos, a responsabilidade de acompanhar e orientar os alunos, após estes ingressarem aos campos de estágios; visitar as instituições e dialogar com os supervisores sobre a experiência de estágio, avanços, dificuldades e desafios da prática profissional; organizar em conjunto à coordenação de estágio, cursos para supervisores na unidade de ensino; atender individualmente ou em grupo os estagiários e os supervisores de campo sempre que necessário. No que se refere ao papel do supervisor profissional do campo, no processo de supervisão sistemática, o mesmo tem a função de acompanhar os estagiários em suas atividades, organizar com ele a documentação, plano de estágio conforme exigência da faculdade; acompanhar e orientar a elaboração e execução de projetos desenvolvidos na instituição; avaliar sempre que necessário o estagiário e com ele estabelecer um processo de reflexão teórico, metodológico, prático, operacional das ações realizadas. Ao aluno estagiário, compete a responsabilidade, assiduidade, compromisso ético em suas experiências de estágio tanto em relação à instituição, como aos

3 usuários, supervisores de campo e acadêmicos; atender às exigências da unidade de ensino de Serviço Social, da UNILINS e os responsáveis deste setor de estágio. O estágio não estabelecerá vinculo empregatício de qualquer natureza e as instituições de ensino deverão regulamentar sobre a programação, orientação, supervisão, avaliação, carga horária, duração e jornada de estágio curricular, condições, caracterização e definição dos campos de estágio. A instituição de Serviço Social garante a existência do convênio entre as partes, bem como, o termo de compromisso do estagiário, que prevê o seguro de acidentes pessoais em favor do mesmo. As atividades de estágios realizadas de forma articulada e coesa possibilitam aos alunos, a aquisição e aprimoramento de habilidades, conhecimentos científicos e de instrumentos necessários à formação de um profissional competente, crítico e comprometido com a qualidade dos serviços no mercado de trabalho. A lei 6.494/77, regulamentada pelo Decreto /82, prescreve que: Os estágios devem propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem a serem planejados, executados e avaliados em conformidade com os currículos escolares, a fim de se constituírem em instrumentos de integração, em termos de treinamento prático, aperfeiçoamento técnico-cultural científico e de relacionamento humano. Conforme enunciado acima, o estágio curricular compreende o envolvimento dos alunos nas atividades de aprendizagem social, profissional, cultural, proporcionadas através da participação concreta em situações reais de vida e de trabalho em seu meio, sendo este, realizado na comunidade em geral, e, ou, junto á pessoas jurídicas de direito público ou privado, sob responsabilidade e coordenação da instituição de ensino. Considerando a importância do estágio e sua qualidade no processo de formação acadêmica do aluno, surge a elaboração e execução do projeto dentro de uma dinâmica de reflexão da coordenação do curso de Serviço Social, de estágio, supervisão acadêmica, conselho acadêmico e diretoria da UNILINS. No ano de 2001, o departamento de estágio, da então Faculdade de Serviço Social encaminhou o projeto à diretoria executiva da Fundação Paulista de Tecnologia e Educação para iniciar os trabalhos de supervisão acadêmica no curso. O projeto foi

4 aprovado dando início às atividades com dois professores assistentes sociais da faculdade, com disponibilidade de 6hs/ atividades por semana cada um. Ao final do ano, com a implantação do Centro Universitário de Lins-UNILINS, a diretoria suspendeu, para avaliação, todos os projetos em andamento, causando também, a paralisação dos trabalhos de supervisão acadêmica no curso de Serviço Social por todo ano de A partir de fevereiro de 2003, o Conselho Acadêmico aprovou o projeto e a diretoria da UNILINS autorizou a disponibilização de dois professores assistentes sociais do curso de Serviço Social com dedicação de 10hs/ atividades por semana, para cada um deles desenvolver os trabalhos de supervisão acadêmica. Estes atuam de forma integrada ao setor de coordenação geral de Estágio curricular da UNILINS, subordinados ao Conselho do Curso de Serviço Social no que se refere às decisões, aos recursos financeiros e devidos encaminhamentos do trabalho. As atribuições de professor supervisor estarão em consonância com as diretrizes curriculares do curso de Serviço Social, especialmente quanto ao caráter sistemático de orientação e acompanhamento do estágio supervisionado. Sendo este trabalho desenvolvido em conjunto com a coordenação de estágio da UNILINS, visando à reflexão sobre teoria e prática profissional no Serviço Social e a permanente valorização da qualidade dos estágios oferecidos aos alunos. Objetivo geral: Possibilitar ao discente o acompanhamento direto da prática de estágio, objetivando a reflexão teoria e prática, capacitando-os ao exercício do trabalho profissional, em conformidade com as diretrizes gerais curriculares de Serviço Social. Objetivos Específicos: 1.Acompanhar prática de estágio do aluno a partir do espaço sócio-institucional; 2.Acompanhar e orientar os documentos relativos à prática profissional; 3.Participar das discussões promovidas pela coordenação de estágio das reuniões com os supervisores de campo;

5 4.Orientar individualmente e/ou em grupo os alunos estagiários para refletir sobre o processo de estágio e a relação teoria/prática profissional; 5.Promover contatos com associações, instituições públicas e privadas, movimentos sociais, organizações não-governamentais e outras entidades, com a finalidade de levantar possibilidades de abertura de novos espaços na região para o exercício da prática de estágio em Serviço Social; 6.Realizar estudos, a partir da realidade prática dos campos de estágio e da relação com os supervisores de campo, para organizar cursos, palestras, debates e outras atividades, visando à discussão e o aperfeiçoamento da prática profissional do assistente social na atualidade; 7.Apresentar plano de ação e relatório das atividades desenvolvidas para a coordenação de estágio da UNILINS e para o Conselho de Curso de Serviço Social. Referentes à Metodologia, as atividades de supervisão acadêmicas acontecem em consonância à organização curricular do curso de Serviço Social e com as diretrizes gerais de estágio da UNILINS. A supervisão acadêmica deverá acompanhar todos os alunos matriculados no curso de Serviço Social que estiverem exercendo a prática de estágio devidamente regularizada junto ao espaço sócio-institucional. O acompanhamento dos estagiários será realizado no campus da UNILINS, utilizando-se sala própria e outros ambientes da estrutura acadêmica e, ainda, em ambientes externos como os campos de estágios e os recursos da comunidade. Este projeto iniciou-se no mês de fevereiro e desenvolver-se-á por todo ano letivo de 2003 a Durante seu desenvolvimento são realizadas reuniões com a coordenação de estágio e coordenador do curso, para avaliar as atividades em andamento. Metodologia: O professor supervisor realiza visitas aos campos de estágios uma vez por semestre, objetivando conhecer o espaço de trabalho, manter a aproximação com os responsáveis pela entidade, dialogar com os supervisores de campo e com os alunos sobre o desenvolvimento da prática de estágio e a sua qualidade; atende individualmente, e, em

6 grupos quando necessário, aos estagiários para orientação e reflexão sobre a prática de estágio. Este atendimento é realizado, obrigatoriamente, uma vez a cada bimestre do ano letivo, conforme agendamento com os alunos. O atendimento individual considera as reflexões teórico-metodológicas feitas em sala de aula; o comportamento éticoprofissional e os fatores facilitadores e dificultadores da prática profissional. Cada orientação é registrada em forma de relatório, o qual permanecerá nos arquivos da supervisão acadêmica e servirá de base para avaliação final do estagiário; acompanha e orienta também a documentação da prática de estágio (relatórios, planos, programas, projetos e outros); Os professores supervisores participam, através de uma organização conjunta à coordenação de estágio, das reuniões com os supervisores de campo, visando discutir e levantar sugestões sobre o processo de estágio. A reunião com os supervisores de campo acontecem no mínimo uma vez por semestre; Durante todo o período de atividades de supervisão acadêmica, os professores mantêm contato com entidades e movimentos sociais da região, com a finalidade de proporcionar a abertura de novos campos de estágio para os alunos do curso de Serviço Social; Em conjunto à coordenação geral de estágio e a partir dos resultados das discussões feitas com os estagiários e supervisores de campo, os professores supervisores organizam eventos (cursos, palestras, oficinas, seminários, e outros) como forma de aprimorar a qualidade de trabalho dos profissionais envolvidos no processo de estágio, a partir das temáticas consideradas importantes para o campo do Serviço Social. Essa ação considera o acúmulo de discussão e experiências que vem sendo desenvolvidas nos últimos anos com os supervisores de campo e estagiários pelo setor do curso de Serviço Social; Os professores supervisores apresentam semestralmente à coordenação geral de estágio e ao conselho de curso, relatório contendo as atividades desenvolvidas pela supervisão acadêmica. Os relatórios referentes às orientações individuais, bem como a nota atribuída pelo supervisor de campo acompanha a pasta do aluno e contribuem ao seu processo de aprovação no final do curso. O mesmo é acompanhado com o parecer dos professores supervisores.

7 RESULTADOS E DESAFIOS DE UMA POLÍTICA DE QUALIDADE DO ESTÁGIO: Este projeto atende um total de 125 alunos, do 2º ao 4º ano vindo do município de Lins- SP e região. Na experiência da implementação e execução do projeto, nota-se: Uma melhoria na qualidade do estágio no que diz respeito ao processo de reflexão teórico-metodológico operacional e prático dos alunos, no confronto com a prática; A experiência de um trabalho coeso e organizado entre a unidade de ensino, o cotidiano profissional, coordenação de estágio e supervisão acadêmica, o que oferece aos alunos oportunidades de uma ação de qualidade e competência técnica em seu aprimoramento profissional; O envolvimento do supervisor de campo nos cursos de supervisores oferecidos pela coordenação de estágio e supervisão acadêmica motiva-os e fortalece-os em seu cotidiano, a uma prática capaz de valorizá-los na troca de saberes; As visitas aos campos de estágios, a divisão dos papéis e autonomia, troca de experiências dos saberes entre estagiários, supervisores de campo e supervisão acadêmica, o apoio da UNILINS, configura uma prática de estágio como parte integrante e de qualidade na formação acadêmica dos alunos e ao mesmo tempo, apresenta aos profissionais o desafio à práticas inovadoras frente às questões sociais na sociedade moderna. Nota-se que a relação teoria e prática se dão de forma desafiadora, ética e comprometida com a qualidade do estágio e saberes profissionais; Cresceu nos estagiários a responsabilidade e a capacidade de interação entre os instrumentais técnicos da ação em confronto às teorias abordadas em sala de aula; as orientações individuais com os professores supervisores vêm trazendo bons resultados no processo de amadurecimento e formação integral do aluno, sua forma de compreender o mundo, sua visão de ser humano no mundo, bem como, os desafios da profissão no Serviço Social em seu cotidiano;

8 A motivação e compromisso dos profissionais supervisores do campo e m socializar sua prática e supervisionar os estagiários. Neste processo de supervisão apresentam-se os seguintes desafios: A abertura de novos campos de estágio remunerados; A ampliação de supervisores de campo para o trabalho de atendimento aos alunos em campo de estágio; A disponibilidade do aluno que ao mesmo tempo trabalha, estuda e acaba realizando seu estágio em horários um tanto reduzido; A própria situação financeira dos alunos; O acúmulo de atividade dos profissionais dificulta o processo de supervisão; A ausência dos supervisores nos curso e oficinas de supervisão; A dificuldade de compreensão do aluno na dinâmica da reflexão teoria e prática. O compromisso e empenho dos demais professores no processo de supervisão em geral, como garantia da melhor qualidade profissional; CONCLUSÃO: Conclui-se com este relato, que uma proposta de ação qualificada de estágio supervisionado, uma competente formação integral dos alunos, assegura com maior eficácia a abertura de novos campos de estágios e a permanência dos já existentes, o que resulta na melhoria do atendimento à população usuária das políticas do Serviço Social, bem como, a uma formação profissional de qualidade. BIBLIOGAFIA: ABESS/ CEDEPSS. Proposta Básica para o Projeto de Formação Profissional-novos subsídios para o debate. Rio de Janeiro, 1996.

9 . Decreto n , de 18 de agosto de 1982; regulamenta a Lei n /77. BURIOLLA, Marta A. Feiten. O Estágio Supervisionado. São Paulo. Cortez, COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO E & SUPEVISÃO ACADÊMICA. Manual de Estágio. Curso de Serviço Social, Lins SP, UNILINS, FALEIROS. V. P. Saber Profissional e Poder Institucional. São Paulo, Cortez, IAMAMOTO, M. V. A formação profissional na contemporaneidade; dilemas e perspectivas. Rio de Janeiro: UFRJ/Escola de Serviço Social, KAMEYAMA, N. A prática Profissional do Serviço Social. In: Serviço Social & Sociedade. São Paulo, Cortez, Ano III, n.6, setembro de Lei n /93, DE 07 DE JUNHO DE 1993; dispõe sobre a profissão de Assistente Social & dá outras providências.. Lei n de dezembro de 1997; dispõe sobre estágios de estudantes de estabelecimento de ensino superior e de ensino profissionalizante do 2º grau e supletivo e dá outras providências.

RESOLUÇÃO Nº 46/10-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 46/10-CEPE RESOLUÇÃO Nº 46/10-CEPE Dispõe sobre os estágios na Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração superior, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO Nº 171/2013-CONSEPE, de 5 de novembro de 2013. Aprova o Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

SOBRE A LEI DO ESTÁGIO

SOBRE A LEI DO ESTÁGIO NOVA CARTILHA ESCLARECEDORA SOBRE A LEI DO ESTÁGIO Ministério do Trabalho e Emprego Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Lupi Secretário-Executivo André

Leia mais

A GESTÃO EDUCACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR.

A GESTÃO EDUCACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR. A GESTÃO EDUCACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO ESCOLAR. Ionara Bezerra Nelson * narinha.b@hotmail.com RESUMO Este trabalho tem por objetivo investigar a gestão

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM CURSO DE DIREITO Portaria de Autorização nº 109, de 02.02.2007 Portaria de Reconhecimento nº 11 de 02.03.

FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM CURSO DE DIREITO Portaria de Autorização nº 109, de 02.02.2007 Portaria de Reconhecimento nº 11 de 02.03. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES AO ENSINO (ACE) DO DA FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM RESOLUCAO N.º 006 /2013 Regulamenta as atividades complementares ao ensino (ACE) do curso de Direito da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPERIÊNCIAS DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS EM CURITIBA

ANÁLISE DAS EXPERIÊNCIAS DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS EM CURITIBA ANÁLISE DAS EXPERIÊNCIAS DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LETRAS EM CURITIBA Dinamara Pereira Machado PG-PUC-SP /FARESC 1 Paula Cristina Reis PG-UFPR/ FARESC 2 Siderly do Carmo Dahle

Leia mais

Diretrizes do Programa Ensino Integral

Diretrizes do Programa Ensino Integral 1 Diretrizes do Programa Ensino Integral GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Governador Geraldo Alckmin Vice Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald Secretário-Adjunto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP

ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP 1 ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA FASE/FMP Supervisora Geral Profª Maria Isabel de Sá Earp de Resende Chaves Diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis FMP Prof. Paulo Cesar Guimarães Diretora da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FACULDADE

REGIMENTO INTERNO FACULDADE 2014 REGIMENTO INTERNO FACULDADE Este é o Regimento Interno em vigor, e tem como objetivo normatizar e disciplinar o funcionamento da FACULDADE DE ECONOMIA E FINANÇAS IBMEC - RJ. SUMÁRIO TÍTULO I... 7

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Aprovado na 22ª reunião do Conselho de Unidade (CONSUN) da Faculdade de Informática realizada dia 30 de

Leia mais

SÉRIE. Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843. Protótipos curriculares de Ensino Médio e Ensino Médio Integrado: resumo executivo.

SÉRIE. Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843. Protótipos curriculares de Ensino Médio e Ensino Médio Integrado: resumo executivo. SÉRIE Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843 Protótipos curriculares de Ensino Médio e Ensino Médio Integrado: resumo executivo Educação SÉRIE Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843 Protótipos

Leia mais

Instrução Operacional e Manual de Orientações nº 01 SNAS MDS / SEB - MEC, 18 de dezembro de 2014.

Instrução Operacional e Manual de Orientações nº 01 SNAS MDS / SEB - MEC, 18 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Instrução Operacional e Manual de Orientações nº 01

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

Faculdade HSM Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento das horas de Atividades Complementares

Faculdade HSM Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento das horas de Atividades Complementares Faculdade HSM Núcleo de Prática Acadêmica (NPA) Manual de orientações para o cumprimento das horas de Complementares 2014 As Complementares abrangem o ensino, a pesquisa e a extensão, estão fixadas em

Leia mais

A METODOLOGIA DE ENSINO UTILIZADA PELOS PROFESSORES DA EJA - 1º SEGMENTO - EM ALGUMAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A METODOLOGIA DE ENSINO UTILIZADA PELOS PROFESSORES DA EJA - 1º SEGMENTO - EM ALGUMAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A METODOLOGIA DE ENSINO UTILIZADA PELOS PROFESSORES DA EJA - 1º SEGMENTO - EM ALGUMAS ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA Resumo SILVA, Joelma Batista da PUCPR joelmabatista@pop.com.br PLOHARSKI,

Leia mais

GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA 2007 1 UFSCar Reitor: Prof. Dr. Targino de Araújo Filho Vice-Reitora: Prof. Dr.

Leia mais

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei : Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097 Um Projeto a partir de uma Lei A proposta de construir a Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei

Leia mais

NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS

NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional da Assistência Social NORMA OPERACIONAL BÁSICA DE RECURSOS HUMANOS DO SUAS NOB-RH/SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE SEE/AL PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MEC-PNUD-SEE/AL REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DO SUAS PNC/SUAS

POLÍTICA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DO SUAS PNC/SUAS POLÍTICA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DO SUAS PNC/SUAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO SUAS COORDENAÇÃO-GERAL DE IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

faq_apdz_2012_rev2.indd 1 01/06/12 11:39

faq_apdz_2012_rev2.indd 1 01/06/12 11:39 faq_apdz_2012_rev2.indd 1 01/06/12 11:39 faq_apdz_2012_rev2.indd 2 01/06/12 11:39 Apresentação Seja bem-vindo ao Programa Aprendiz Legal! O Aprendiz Legal atende a milhares de jovens em todo o Brasil,

Leia mais

RESOLUÇÃO SE Nº 52/2013 ANEXOS

RESOLUÇÃO SE Nº 52/2013 ANEXOS GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO SE Nº 52/2013 ANEXOS (publicado em DOE em 15/08/2013) GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução SE 52, de 14-8-2013 (publicado no DOE de

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social

Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social 1 Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Assistência Social Série Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais Brasília (DF) - 2011 Sumário Apresentação... 3 1. A Assistência

Leia mais

Projeto Gestão da Clínica no SUS. Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde

Projeto Gestão da Clínica no SUS. Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde Projeto Gestão da Clínica no SUS Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde Hospitais de Excelência A SERVIço DO SUS 2012 Ficha Catalográfica Elaborada pela Biblioteca Dr. Fadlo Haidar Instituto

Leia mais

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Psicologia: Teoria e Pesquisa Mai-Ago 2004, Vol. 20 n. 2, pp. 205-208 Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Câmara de Educação Superior Conselho Nacional

Leia mais

SUPERVISÃO EM SERVIÇO SOCIAL: A FORMAÇÃO DO OLHAR AMPLIADO

SUPERVISÃO EM SERVIÇO SOCIAL: A FORMAÇÃO DO OLHAR AMPLIADO 1 SUPERVISÃO EM SERVIÇO SOCIAL: A FORMAÇÃO DO OLHAR AMPLIADO Alzira Maria Baptista Lewgoy 1 Maria Lúcia Amaral Scavoni 2 INTRODUÇÃO A temática abordada instiga-nos, na condição de docentes, no sentido

Leia mais

Gestão da Clínica nas redes de atenção à saúde. C a d e r n o d o C u r s o

Gestão da Clínica nas redes de atenção à saúde. C a d e r n o d o C u r s o Gestão da Clínica nas redes de atenção à saúde C a d e r n o d o C u r s o Ficha Catalográfica Biblioteca Dr. Fadlo Haidar Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa G333 Gestão da clínica nas redes

Leia mais

Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho MANUAL DA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE SEM FINS LUCRATIVOS

Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho MANUAL DA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE SEM FINS LUCRATIVOS Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho MANUAL DA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE SEM FINS LUCRATIVOS 3 SUMÁRIO 1- A novidade...... pág. 3 2- O que Muda para ONGs e Instituições sem Fins Lucrativos...

Leia mais