Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho MANUAL DA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE SEM FINS LUCRATIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho MANUAL DA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE SEM FINS LUCRATIVOS"

Transcrição

1 Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho MANUAL DA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE SEM FINS LUCRATIVOS 3

2 SUMÁRIO 1- A novidade pág O que Muda para ONGs e Instituições sem Fins Lucrativos... pág Passo a passo para tornar-se uma entidade profissionalizante... pág Trabalhador Aprendiz... pág Quem pode ser aprendiz... pág O programa de aprendizagem... pág roteiro do programa... pág Os Cursos... pág Carga Horária... pág Monitoramento e Certificação... pág Como contratar um aprendiz... pág Convênio entre Entidade Profissionalizante e Empresa... pág Contrato entre Entidade Profissionalizante e Aprendiz... pág Salário... pág Sobre a demissão... pág A Fiscalização dos Programas de Aprendizagem... pág Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho... pág Organização dos Conselhos Locais... pág Quem É Quem no Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho pág Como é feita a seleção do candidato a aprendiz... pág Onde se inscrever... pág Modelo de contrato e convênio... pág Legislação... pág. 34

3 Curso de Técnico em Informática na ONG CPA (Centro de Profissionalização para Adolescentes) 1- A NOVIDADE As Organizações Não-Governamentais (ONGs) e outras entidades sem fins lucrativos, além de Escolas Técnicas de Educação, podem agora juntar-se às empresas socialmente responsáveis numa parceria inédita de inclusão de adolescentes por meio da aprendizagem profissionalizante. 3

4 ONGs e instituições similares, que ministram cursos de caráter profissionalizante ou têm objetivos educacionais previstos em seus estatutos, foram autorizadas pela Lei , de dezembro de 2000, a participarem ativamente no processo de qualificação e educação profissional de jovens entre 14 e 18 anos incompletos. Elas podem ensinar aprendizes e também contratá-los. O adolescente aprendiz só pode trabalhar se estiver na escola (em caso de não ter ainda concluído o Ensino Fundamental) e matriculado em um curso técnico profissionalizante de nível básico. Ele será inscrito nesse curso pela empresa que o contratar. É dever da empresa manter um convênio com a instituição profissionalizante. As ONGs também podem contratar os aprendizes se o empresário preferir não assumir essa tarefa. Nesse caso, a empresa deve repassar para a ONG os valores dos encargos trabalhistas referentes à contratação, mais uma taxa administrativa, cujo valor deverá ser definido de comum acordo entre empresa e ONG. Antes, somente as escolas do Sistema S (Senai, Senac, Senat, Senar, Sesi e Sescoop) 1 podiam atuar na área do ensino técnico profissionalizante. Hoje, na hipótese de os Serviços Nacionais de Aprendizagem não oferecerem cursos ou vagas suficientes para atender à demanda dos estabelecimentos, esta poderá ser suprida por Escolas Técnicas de Educação, ONGs e entidades sem fins lucrativos que estejam adequadas à Lei. A Lei reforça o conceito do trabalho educativo, aquele em que a aprendizagem tem lugar preponderante sobre a produção, em que a preparação profissional do adolescente se caracteriza pela compatibilização entre horário de estudo e horário de trabalho. A Lei obriga as empresas de porte médio e grande a empregar e matricular em cursos de aprendizagem profissionalizante número de aprendizes equivalente a 5%, no mínimo, e 15%, no máximo, dos trabalhadores de cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional de nível básico. No caso das pequenas e micro empresas, o empregador não é obrigado a abrir vagas para aprendizes, mas também o faz porque reconhece a importância de sua participação. Quanto ao número de aprendizes que as micro e pequenas empresas podem contratar, o MTE recomenda que se siga o espírito da lei, ou seja: toda micro e pequena empresa pode ter apenas um adolescente aprendiz. 4 1Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem na Indústria), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem no Comércio), Senat (Serviço Nacional de Aprendizagem nos Transportes), Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), Sesi (Serviço Social da Indústria) e,sescoop (Serviço Nacional de Aprendizagem no Cooperativismo).

5 2- O QUE MUDA PARA ONGS E ENTIDADES SEM FINS LUCRATIVOS Os novos caminhos abertos para ONGs ampliarão o número de vagas para adolescentes no importante mercado da formação técnica e conduzirão a um aprofundamento da função social e política dessas instituições. Pequenos ajustes na estrutura formal e na prática cotidiana de suas ações educacionais especialmente no conteúdo programático de seus cursos serão necessários para que as instituições de ensino profissionalizante se adaptem à nova Lei. 3- PASSO A PASSO PARA TORNAR-SE UMA ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE Ter por objetivo a assistência ao adolescente e à educação profissional; Registrar a entidade no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) de sua região; Inscrever os programas dos cursos de aprendizagem no mesmo CMDCA e na Delegacia ou Subdelegacia Regional do Ministério do Trabalho e Emprego. Contar com estrutura adequada ao desenvolvimento dos programas de aprendizagem, de forma a manter a qualidade do processo de ensino, bem como acompanhar e avaliar os resultados. Aos aprendizes que concluírem os cursos de aprendizagem, com aproveitamento, conceder certificado de qualificação profissional. A contratação do aprendiz poderá ser efetivada pela empresa onde se realizará a aprendizagem ou pelas entidades profissionalizantes sem fins lucrativos TRABALHADOR APRENDIZ Aprendiz é o adolescente que estuda e trabalha, recebendo, ao mesmo tempo, formação técnica profissionalizante, por meio de um curso teórico, na profissão à qual está se capacitando QUEM PODE SER APRENDIZ adolescente entre 14 e 18 anos incompletos cursando a escola regular, se ainda não concluiu o Ensino Fundamental (antigo Primeiro Grau). matriculado e freqüentando instituição de ensino profissionalizante conveniada com a empresa. 2 Para saber mais, veja Portaria 702, de 18 de dezembro de 2001, no anexo Legislação. 5

6 5- O PROGRAMA DE APRENDIZAGEM A aprendizagem implica teoria e prática compatíveis com o desenvolvimento físico, psíquico moral e social do adolescente, exigindo atividades metodicamente organizadas em tarefas de complexidade progressiva, do mais fácil ao mais difícil, do mais simples ao mais complexo etc., desenvolvidas de maneira correspondente e complementar, no curso teórico e no ambiente do trabalho. No programa do curso deve constar o tempo dedicado ao trabalho na empresa e o reservado para atividades teóricas em centro de formação. O programa de aprendizagem para o desenvolvimento de ações de educação profissional, no nível básico, deve contemplar o seguinte: 5.1- ROTEIRO DO PROGRAMA público alvo do curso: número de participantes, perfil socioeconômico e justificativa para o seu atendimento; objetivos do curso: propósito das ações a serem realizadas, indicando sua relevância para o público alvo e para o mercado de trabalho; conteúdos a serem desenvolvidos: conhecimentos, habilidades e competências, indicando sua pertinência em relação aos objetivos do curso, público alvo a ser atendido e potencial de aplicação no mercado de trabalho; carga horária prevista: duração total do curso em horas e distribuição da carga horária, justificada em função do conteúdo a ser desenvolvido e do perfil do público alvo; infra-estrutura física: equipamentos, instrumentos e instalações demandados para o curso, em função dos conteúdos, da duração e do número e perfil dos participantes; recursos humanos: número e qualificação do pessoal técnico-docente e de apoio, em função dos conteúdos, da duração e do número e perfil dos participantes; mecanismos de acompanhamento, avaliação e certificação do aprendizado; mecanismos de vivência prática do aprendizado e/ou de apoio; mecanismos para propiciar a permanência dos aprendizes no mercado de trabalho após o término do contrato de aprendizagem. Este roteiro deve acompanhar a inscrição dos cursos no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente e na Delegacia do Trabalho Local, exigência da Portaria nº 702 do MTE. (Leia mais no anexo Legislação.) 6

7 6- OS CURSOS Os cursos serão elaborados pela instituição profissionalizante. Devem considerar a demanda de vagas oferecidas e estabelecer uma adequação entre o campo teórico e a aprendizagem prática. O conteúdo dos cursos deve ter correspondência com a atividade exercida pelo aprendiz na empresa. São ministrados por um instrutor indicado pela instituição de ensino. Podem ocorrer dentro da própria empresa, na instituição de ensino ou em outro local apropriado, com instalações físicas que garantam condições de higiene e segurança. Alunos do curso de Computação da ONG Aprendiz orientados pelo instrutor 6.1- CARGA HORÁRIA A carga horária de trabalho do aprendiz é de até 6 horas diárias (incluindo as horas de aulas teóricas no curso profissionalizante), para os adolescentes que estiverem cursando o Ensino Fundamental. Se já estiver cursando o Ensino Médio (antigo Segundo Grau), embora por lei a carga horária possa chegar a 8 horas diárias (incluídas as horas de aula do curso profissionalizante), recomenda-se que a mesma não ultrapasse as 6 horas diárias, de modo a propiciar ao jovem mais tempo para seu processo de escolarização e para outras atividades importantes em seu desenvolvimento cognitivo e afetivo. A carga horária dos cursos será definida pela instituição de ensino considerando que a qualidade da aprendizagem e a integração com a empresa estejam garantidas bem como a melhor maneira de distribuir as aulas durante a semana. Elas podem, por exemplo, ser agrupadas em um único dia de curso por semana ou organizadas em blocos maiores, de duração mais longa, ministradas parte antes de o aprendiz iniciar a atividade prática na empresa e parte durante a prática etc. O importante é que o Ministério do Trabalho e Emprego permite flexibilidade na distribuição da carga horária do curso. 7

8 7- MONITORAMENTO E CERTIFICAÇÃO O aprendiz terá seu processo de aprendizagem teórica e prática programado e acompanhado pela instituição de ensino, a quem também cabe monitorar o trabalho do instrutor do curso. A aprendizagem prática dar-se-á no ambiente de trabalho. No Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho, a instituição de ensino profissionalizante é chamada de Parceiro Certificador, pois cabe a ela realizar o curso, supervisioná-lo e entregar ao aprendiz, no final do processo de aprendizagem, um certificado de capacitação profissional, conforme está previsto na Lei. 8- COMO CONTRATAR UM APRENDIZ Em caso de a contratação do aprendiz ser feita pela entidade profissionalizante, devem ser cumpridas as seguintes condições: 8.1- CONVÊNIO ENTRE ENTIDADE DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE E EMPRESA 3 A empresa deve assinar convênio com entidade qualificada em formação técnico-profissional e cuidar para que o aprendiz permaneça em curso de aprendizagem no trabalho desenvolvido sob a orientação dessa entidade. O empregador deve consultar, em primeiro lugar, o Sistema S em busca de cursos para seus aprendizes. Caso o Sistema S não disponha de vagas ou cursos, a negativa deve ser apresentada por escrito ao empregador. Este documento deve ficar arquivado na empresa para ser apresentado em caso de visita do fiscal do trabalho. Nem toda entidade tem competência para estabelecer este convênio. É necessário verificar se seus cursos estão registrados no CMDCA (Conselho Municipal da Criança e do Adolescente) e entregues na Delegacia Regional ou Subdelegacia Regional do Trabalho. 8 3 Veja modelo de convênio anexo neste manual

9 Jovem tem aula de informática na ONG Aprendiz 8.2- CONTRATO ENTRE ENTIDADE PROFISSIONALIZANTE E APRENDIZ 4 A entidade profissionalizante deve firmar contrato especial de aprendizagem com o adolescente. O contrato é ajustado por escrito e por prazo determinado (não pode ser estipulado por mais de dois anos). Deverá indicar a atividade em que o adolescente está se capacitando e o curso correspondente, a jornada diária, a jornada semanal, a remuneração mensal, o termo inicial e final. Registrar o aprendiz na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), anotando na parte de anotações gerais o contrato especial de trabalho de aprendiz. Garantir todos os direitos trabalhistas e previdenciários do trabalhador aprendiz, nestes incluída a cobertura contra acidentes de trabalho. Garantir que as férias do empregado aprendiz coincidam com um dos períodos das férias escolares do ensino regular, sendo vedado o parcelamento das mesmas. 4 Veja modelo de contrato anexo neste manual 9

10 8.3- SALÁRIO A remuneração mínima do aprendiz tem como referência o salário mínimo/ hora. Mas o empregador é livre para estipular qualquer valor de salário acima deste mínimo estipulado pela lei. Exemplo de remuneração com base no salário mínimo/hora: O empregador pode contratar um estudante entre 14 e 18 anos incompletos, que ainda não tenha concluído o ensino fundamental (até 8ª série), por 6 horas diárias de trabalho aprendiz incluídas as horas obrigatórias de curso teórico para capacitar-se na função de aprendiz de comércio, remunerando-o, ao menos, com base no salário mínimo/hora, ou seja: R$0,909 por hora trabalhada, para um salário mínimo de R$ 200,00. Veja o cálculo: Mês de 30 dias: 6 horas diárias - carga horária semanal: 30 horas Salário = 30h x 4, x 0,909 = 116,87 Repouso = 116,87 / 6 = 19,47 Total da Remuneração: 136,34 Mês de 31 dias: 6 horas diárias - carga horária semanal: 30 horas Salário = 30h x 4, x 0,909 = 120,76 Repouso = 120,76 / 6 = 20,12 Total da Remuneração: 140,88 Para saber mais sobre cálculo de salário, veja Nota Técnica nº 52/COPES/ DEFIT no anexo Legislação SOBRE A DEMISSÃO O Empregador pode demitir o aprendiz nas seguintes circunstâncias: 10 quando o aprendiz fizer 18 anos antes de se completar o período do contrato (máximo de dois anos); se houver desempenho insuficiente ou inadaptação do aprendiz; se ele cometer falta disciplinar grave ou ausência injustificada à escola que implique perda do ano letivo; a pedido do aprendiz.

11 9- A FISCALIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE APRENDIZAGEM É aos Conselhos Tutelares que cabe a fiscalização dos programas de aprendizagem desenvolvidos pelas entidades de ensino profissionalizante, verificando: A adequação das instalações físicas e as condições gerais do ambiente em que se desenvolve a aprendizagem; A compatibilidade das atividades desenvolvidas pelos adolescentes com o previsto no programa de aprendizagem nas fases teórica e prática, bem como o respeito aos princípios estabelecidos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente; A regularidade quanto à constituição da entidade; A adequação da capacitação profissional ao mercado de trabalho, com base na apuração feita pela entidade; O respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento do adolescente; O cumprimento da obrigatoriedade de os adolescentes já terem concluído ou estarem cursando o ensino obrigatório, e a compatibilidade da jornada da aprendizagem com a da escola; As irregularidades encontradas deverão ser comunicadas ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e à respectiva unidade descentralizada do Ministério do Trabalho e Emprego. (Resolução nº 74, do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Leia mais no anexo Legislação) 10- PROGRAMA CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO O Movimento Degrau, iniciativa conjunta da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (FACESP), da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Rede Brasileira de Entidades Assistenciais Filantrópicas (REBRAF), criou o Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho para incentivar os empreendedores do Estado de São Paulo, do Segundo e do Terceiro setores, a estabelecerem perspectivas para a juventude através da inclusão de aprendizes adolescentes no mundo do trabalho. É uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei , mas sobretudo para qualificar a inclusão social de jovens que estejam vivendo situações de vulnerabilidade pessoal e social. O Programa tem por meta mobilizar milhares de empreendedores em todo o Estado de São Paulo para abrir vagas para trabalhadores aprendizes até o final do ano. Para isso, dezenas de Conselhos do Degrau já foram formados e já estão em processo de implantação do Programa. As ONGs e entidades de ensino profissionalizante que queiram trabalhar em parceria com o Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho terão todo o apoio dos Conselhos do Degrau, instância deliberativa em nível local, responsável pela implantação do Programa e por seu bom funcionamento. 11

12 10.1- ORGANIZAÇÃO DOS CONSELHOS DO DEGRAU O Conselho do Degrau é formado por número não inferior a 10 participantes. São representantes dos diversos setores organizados e interessados da comunidade: educadores, líderes de entidades filantrópicas e organizações não-governamentais, contabilistas, advogados, jornalistas, profissionais de mídia, representantes de órgãos de comunicação, técnicos em informática, representantes da Secretaria Municipal de Educação. O coordenador de cada Conselho é o responsável pela coordenação do Programa em cada comunidade e pela execução do plano de ação do grupo. Objetivos do Conselho do Degrau: a) facilitar a participação de todos os interessados; b) criar cadastro de vagas, realizando campanhas junto a empresas com a finalidade de garantir o número de vagas proposto; c) escolher parceiros certificadores escolas técnicas ou ONGs (organizações não-governamentais) profissionalizantes registradas no CMDCA (Conselho Municipal da Criança e do Adolescente); d) assegurar que o desenvolvimento do aprendiz na empresa seja acompanhado por um funcionário interno; e) criar condições para o acompanhamento escolar do aprendiz e monitoramento constante de seu desempenho no processo prático e teórico de aprendizagem no trabalho, estimulando, para tanto, a adesão de voluntários. f) realizar dentro das possibilidades a integração dos jovens, através de atividades complementares, tais como esporte, cultura, lazer e convívio por meio de reuniões, palestras, passeios, freqüência a clubes; g) escolher um agente de ação afirmativa entre os conselheiros locais. Ação Afirmativa O Programa tem especial preocupação com a inclusão da parcela mais vulnerável dos adolescentes na faixa etária dos 14 aos 18 anos: aqueles que sofrem discriminação social, racial ou por deficiência física, sensorial e mental. Na tentativa de reverter esse processo de marginalização, cabe ao Conselho do Degrau escolher, entre seus membros, um Agente de Ação Afirmativa, responsável por identificar os grupos de adolescentes mais ameaçados de exclusão, empregadores mais aptos a se comprometerem com os processos de inclusão que exigem maior tolerância, disponibilidade e capacidade de enfrentar desafios e ONGs que já trabalhem com esse público. As Ongs especializadas em jovens mais vulneráveis têm papel fundamental neste Programa: oferecer retaguarda técnica para qualificar a inclusão e a profissionalização. É importante que elas participem do grupo de ação afirmativa de cada Conselho do Degrau. 12

13 Perfil ideal do agente de ação afirmativa: acreditar na proposta de que a convivência e o aprendizado no trabalho é uma forma de promover, pessoal e profissionalmente, a inclusão de todos (sem discriminação) os adolescentes de 14 a 18 anos incompletos; ser uma pessoa mobilizadora, persuasiva e com boa circulação em todos os setores da sociedade; capacidade de liderança e de trabalhar com dinâmicas de grupos; saber ouvir e delegar; preocupar-se não apenas com as necessidades das pessoas especiais, mas antes com as necessidades especiais de todas as pessoas. Funções do agente de ação afirmativa: motivar empresas e empreendedores a dar oportunidade para esses jovens; orientar empreendedores no sentido do resultado bipolar desta ação: aqueles que assumem desafio maior aprendem mais, pois desenvolverão neste processo novas competências, capacidade de tolerância, de aprender com a diferença, de lidar com suas próprias deficiências; o resultado para o jovem é a inclusão; para a empresa, o aumento de suas habilidades; estimular as ONGs especializadas a participarem da profissionalização diferenciada através de apoio e orientação; garantir acompanhamento técnico-pedagógico a esse aprendiz e ao empregador-educador; buscar a adequação da profissionalização ao potencial desse adolescente; se necessário, formar grupo de trabalho específico; ser um agente facilitador entre a família, o adolescente e o mundo do trabalho; recorrer ao apoio da secretaria executiva do Degrau quando identificar ação que exija providências mais complexas; informar a secretaria executiva sobre acompanhamento e avaliação do aprendiz; contribuir para a inclusão progressiva, de caráter abrangente e universal; compreender que esta inclusão expressa oportunidade para todos que a experiência precisa nutrir um desejo social de conviver e garantir oportunidade para todos os jovens. 13

14 10.2- QUEM É QUEM NO PROGRAMA CONVIVÊNCIA E APRENDIZADO NO TRABALHO 1. Aprendiz: é o adolescente de 14 a 18 anos incompletos inscrito no Programa e selecionado para uma das vagas aprendizagem. 2. Empregador-educador: é o empreendedor que contrata o aprendiz e garante sua inscrição em um curso profissionalizante e se responsabiliza pela aprendizagem no trabalho. 3. Entidade Certificadora: é a entidade qualificada em formação técnicoprofissional, conveniada com a empresa, responsável pela elaboração e administração da aprendizagem teórica. É quem escolhe o instrutor, monitora o processo de aprendizagem e certifica o aprendiz no final do curso. Funções da entidade certificadora: detalhar o plano de aprendizagem prática e teórica; instruir o adolescente; facilitar o processo de aprendizagem; orientar e participar do monitoramento junto aos empreendedores parceiros; estimular e garantir a freqüência escolar; integrar a formação profissional à educação formal; adequar a profissionalização às necessidades do mundo do trabalho e das perspectivas de inserção efetiva; identificar talentos e potencialidades; encaminhar para processos de profissionalização diferenciados; participar da avaliação e decisão de desligamento de adolescentes; certificar, definindo as competências, os conteúdos e as habilidades adquiridos durante o processo de profissionalização; 4. Instrutor: é quem vai executar o programa de aprendizagem. É ele quem ministra as aulas. É o responsável pela formação teórica do aprendiz. Pode ser indicado por qualquer pessoa da comunidade, desde que seja reconhecido pela entidade que emitirá o certificado de qualificação; o instrutor poderá ser remunerado pelo empresário, pela entidade certificadora, pela Prefeitura ou outras organizações. 11- COMO É FEITA A SELEÇÃO DO CANDIDATO A APRENDIZ 14 Os Conselhos do Degrau têm um grupo de trabalho encarregado de receber e sistematizar as inscrições dos adolescentes, entrevistá-los e indicar sempre mais de um para cada vaga. Os candidatos serão encaminhados para entrevista junto ao empregador (ou ao RH das empresas, quando houver), que decidirá qual candidato ocupará a vaga. Os demais serão encaminhados para outra vaga ou aguardarão chamada.

15 Instrutor e aluno em aula de desenho técnico na ONG Centro de Profissionalização para Adolescentes (CPA) 12- ONDE SE INSCREVER Na Associação Comercial de sua cidade ou pela Internet Endereço eletrônico (site): Para mais informações Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho/ Secretaria Executiva Endereço: Rua Romilda Margarida Gabriel, 95 Itaim Bibi CEP: São Paulo SP Tel.:

16 Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho M O V I M E N T O DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes Ficha de Cadastro da Entidade Certificadora Dados da Entidade A. IDENTIFICAÇÃO 1. Entidade 2. Sigla 3. Endereço 3.1 Bairro 3.2 Cidade 3.3 UF 3.4 CEP 3.5 Tel. 1 ( ) 3.6 Tel. 2 ( ) 3.7 FAX ( ) Nome e cargo do responsável pelo preenchimento deste formulário 5. A Entidade tem registro no Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA)? ( ) sim ( ) não 6. Os cursos profissionalizantes da Entidade estão inscritos no CMDCA e na Delegacia Regional do Trabalho? ( ) sim ( ) não 7. Data de Fundação da Entidade / / 7.1 Data de Legalização / / ( ) não tem CNPJ

17 9. Tipo de Entidade (Natureza Institucional) 1. ( ) Organização de base 2. ( ) ONG 3. ( ) Sindicato/estruturas sindicais - trabalhadores 4. ( ) Sindicato/estruturas sindicais - patronais 5. ( ) Entidade Eclesial 6. ( ) Empresa privada 7. ( ) Fundação / instituto privado 8. ( ) Governo municipal 9. ( ) Governo estadual 10. ( ) Governo federal 11. ( ) Escola Família Autorizada 12. ( ) Escola Família não autorizada 13. ( ) Organização paragovernamental 14. ( ) Instituição filantrópica 15. ( ) outro (especificar) 10. Âmbito de atuação 1. ( ) urbano 2. ( ) rural 3. ( ) rural e urbano 11. Área de abrangência da atuação 1. ( ) interestadual 2. ( ) estadual 3. ( ) municipal 4. ( ) local 5. ( ) Intermunicipal 6. ( ) outro (especificar) 12. Atividades que a entidade desenvolve atualmente (pode marcar mais de uma alternativa): De tipo assistencial 1. ( ) abrigo 2. ( ) creche 3. ( ) internação 4. ( ) assistência à saúde 5. ( ) assistência jurídica 6. ( ) semi-internato De tipo educacional básico 7. ( ) pré-escola 8. ( ) escola até a 4ª série 9. ( ) escola da 5ª à 8ª série 10. ( ) escola do segundo grau 11. ( ) educação para jovens e adultos 17

18 De tipo cultural/educativa/lazer 12. ( ) atividades esportivas, recreativas e de lazer 13. ( ) atividades artísticas e culturais (bandas, capoeira, dança) De educação profissional 14. ( ) programa de iniciação profissional 15. ( ) assistência técnica aos produtores da região 16. ( ) Centros ou Grupos de Produção Representação política 17. ( ) edições de publicações (revistas, jornais etc.) 18. ( ) realizações de seminários 19. ( ) outra (especificar) 13. Identificação da mantenedora 13.1 Nome 13.2 Endereço 13.3 Bairro 13.4 Cidade 13.5 UF 13.6 CEP 13.7 Tel. ( ) Dados do Programa A. IDENTIFICAÇÃO 14. Programa/escola 14.1 Sigla 14.2 Coordenador/diretor Nível de formação: 1 ( ) Ensino Fundamental 2 ( ) N. Médio 3 ( ) N. Superior 4 ( ) Pós-graduação Tempo na entidade (em anos) Tempo no cargo ( em anos) 14.3 Data de início das atividades do programa: / / 18

19 B. EQUIPE TÉCNICO-PEDAGÓGICA 15. Número de pessoas da equipe técnico-pedagógica: total nº Superior C. CLIENTELA PREFERENCIAL 16. Clientela preferencial do programa de educação e trabalho (pode marcar mais de uma alternativa): 1. ( ) Adolescentes que vivem, perambulam e/ou trabalhem na rua 2. ( ) Adolescentes de camadas populares em geral 3. ( ) Adolescentes infratores 4. ( ) Adolescentes ligados a organizações culturais e rede de escolas 5. ( ) Adolescentes portadores de necessidades especiais 6. ( ) Adolescentes portadores de doenças crônicas ou degenerativas 7. ( ) Adolescentes órfãos e abandonados 8. ( ) Adolescentes dependentes de drogas 9. ( ) Adolescentes de camadas rurais 10. ( ) Adolescentes de famílias de trabalhadores rurais (assalariados) 11. ( ) Adolescentes de famílias de pequenos produtores rurais 12. ( ) Outra (especificar) D. NATUREZA DO PROGRAMA 17. Natureza do programa (pode marcar mais de uma alternativa): 1. ( ) Habilitação profissional 2. ( ) Trabalho educativo produtivo 3. ( ) Preparação / iniciação para o mundo do trabalho 4. ( ) Educação para a vida / educação integral 5. ( ) Educação para a cidadania E. OBJETIVOS DO PROGRAMA 18. Quais são os objetivos específicos do programa de educação e trabalho? (pode marcar mais de uma alternativa) De natureza econômica (emprego e renda, capacitação etc.): 1. ( ) Encaminhar para o mercado de trabalho 2. ( ) Gerar renda para o adolescente/família 3. ( ) Criar alternativas para a geração de renda para adolescentes/família 4. ( ) Prover a auto-sustentação da entidade/programa 5. ( ) Difundir novas tecnologias 6. ( ) Fortalecer a pequena propriedade/o trabalho autônomo/ a micro empresa 19

20 De natureza pedagógica: 7. ( ) Reforçar o ensino regular 8. ( ) Garantir uma inserção positiva na sociedade através do trabalho 9. ( ) Formar para a cidadania 10. ( ) Viabilizar educação integral/educação para a vida 11. ( ) Desenvolver conhecimento e habilidades de gestão 12. ( ) Formar lideranças comunitárias De natureza socioeducativa: 13. ( ) Realizar integração familiar 14. ( ) Desenvolver programa de orientação e apoio sociofamiliar 15. ( ) Orientar e tratar dependentes de drogas 16. ( ) Assegurar assistência jurídico-social 17. ( ) Qualificar jovens portadores de deficiência física 18. ( ) Evitar o êxodo rural 19. ( ) Viabilizar a educação do jovem rural 20. ( ) Resgatar a identidade étnica, de gênero e resgatar a auto-estima 21. ( ) Operacionalizar o ECA 22. ( ) Falta clareza quanto aos objetivos específicos 23. ( ) Outro (especificar) F. UNIDADES OPERATIVAS E ATIVIDADES DO PROGRAMA 18.1a Número de unidades próprias 18.1b Número de unidades dos parceiros 18.2 Atividades de educação profissional oferecidas em 2002 em unidades próprias Cursos e oficinas oferecidos Nº de educandos Titulação Carga Horária

21 18.2b Atividades de educação profissional oferecidas em 2002 em unidades dos parceiros Cursos e oficinas oferecidos Nº de educandos Titulação Carga Horária G. ALGUNS ASPECTOS DA PROPOSTA PEDAGÓGICA 19. O programa faz encaminhamentos para o mercado de trabalho? 1. ( ) sim 2. não ( ) 20. O programa faz acompanhamento de ex-alunos? 1. ( ) sim 2. não ( ) 21. O programa dispõe de uma coordenação pedagógica? 1. ( ) sim 2. não ( ) 22. O programa estabelece: 22.1 Relação com a Secretaria de Educação /com demais unidades do sistema educacional 1. ( ) sim 2. não ( ) 22.2 Relação com o sistema educacional informal (ONGs/ Org. de base, etc.) 1. ( ) sim 2. não ( ) 22.3 Relação com o Sistema Nacional de Formação Profissional 1. ( ) sim 2. não ( ) 22.4 Relação regular com a família 1. ( ) sim 2. não ( ) 21

DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes

DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho M O V I M E N T O DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes Ficha de Cadastro da Entidade Certificadora Dados da Entidade A. IDENTIFICACÃO 1. Entidade 2.

Leia mais

Contratação e Modelo de Contrato

Contratação e Modelo de Contrato Contratação e Modelo de Contrato Deveres da Empresa Firmar contrato especial de aprendizagem com o adolescente e inscrevê-lo em curso de aprendizagem desenvolvido por uma entidade qualificada de ensino

Leia mais

Como é calculado o salário do aprendiz?

Como é calculado o salário do aprendiz? Como é calculado o salário do aprendiz? 1º PASSO - Cálculo da hora nua: Hora nua = salário mínimo / 150 horas (n. de horas/mês) * 150 = 30 horas semanais x 5 semanas Ex.: 424,00 / 150 = 2,826 Salário base

Leia mais

Manual da Aprendizagem

Manual da Aprendizagem Manual da Aprendizagem Preparado pelo Centro Social Betesda (CSB) INTRODUÇÃO Aprendizagem é uma ação promovida para incentivar a aplicação prática da Lei 10.097, que regulariza o trabalho de adolescentes

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Lei n.º 1.392, de 17 de novembro de 2011. "AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CRIAR O PROGRAMA MUNICIPAL DE CONTRATAÇÃO DE MENOR APRENDIZ PELO MUNICIPIO DE JACIARA, NOS TERMOS DA PRESENTE LEI E DÁ

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE CONTRATO DE APRENDIZAGEM

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE CONTRATO DE APRENDIZAGEM CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE CONTRATO DE APRENDIZAGEM Termo que deverá ser assinado entre EMPRESA E APRENDIZ com a presença do responsável legal. (Delegacia Regional do Trabalho Imprimir em Papel Timbrado

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

Regulamentação da Questão do Trabalho do Adolescente no Município de São José dos Campos

Regulamentação da Questão do Trabalho do Adolescente no Município de São José dos Campos RESOLUÇÃO No. 12/96 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - CMDCA de São José dos Campos, usando de suas atribuições, aprovou em sua Reunião Ordinária do dia 04 de junho de 1.996,

Leia mais

Escola SENAI Anchieta

Escola SENAI Anchieta REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO Versão 02 1. Do estágio O diploma de técnico só será conferido ao aluno que realizar, no país, a complementação curricular obrigatória, na forma de estágio supervisionado prevista

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e;

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e; RESOLUÇÃO CSA 02/2009 REFERENDA A PORTARIA DG 02/2008 QUE APROVOU A INSERÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NÃO OBRIGATÓRIOS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS OFERTADOS PELAS FACULDADES INTEGRADAS SÉVIGNÉ.

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos que contribuam para o empoderamento das mulheres

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

DIREITOS DO TRABALHADOR ADOLESCENTE

DIREITOS DO TRABALHADOR ADOLESCENTE DIREITOS DO TRABALHADOR ADOLESCENTE 1 Aprendizagem 2 LEGISLAÇÃO Consolidação das Leis do Trabalho (art. 428 e seguintes da CLT) Lei 10.097/2000 Decreto 5.598, de 01/12/2005 Portarias n.ºs 615; 616/2007

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11.

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11. 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, define o estágio como o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

Anexo 05 CONTRATO DE TRABALHO DE APRENDIZ

Anexo 05 CONTRATO DE TRABALHO DE APRENDIZ Anexo 05 EMPREGADOR: CONTRATO DE TRABALHO DE APRENDIZ MSMT..., pessoa jurídica de direito privado, com endereço na Av./Rua..., nº... Bairro..., cidade..., CEP..., inscrita no C.N.P.J...,, neste ato representada

Leia mais

Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro

Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio de Janeiro COORDENAÇÃO GFIPATI Aprendizagem, Legislação e Prática: I - Cotas de Aprendizagem; II Cadastro Nacional de Aprendizagem; III Fiscalização

Leia mais

Nova Lei de Estágios. Guia prático das novas regras UNICOM - RO / 11.2008 (V1)

Nova Lei de Estágios. Guia prático das novas regras UNICOM - RO / 11.2008 (V1) Nova Lei de Estágios Guia prático das novas regras UNICOM - RO / 11.2008 (V1) 2008 IEL/RO Núcleo Regional Proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a permissão expressa do IEL/RO. Federação

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz 1-O que é um aprendiz? É um adolescente/jovem que tem que entre 14 e 24 anos de idade e que esteja matriculado em um Programa de Aprendizagem numa ONG, Escola

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições:

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições: CONVÊNIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO PROFISSIONAL, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.788 DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, COM A LEI Nº 9.394 DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 LEI DE DIRETRIZES

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA O Manual ora apresentado visa orientar os alunos

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

OBJETIVOS. Associar o início da vida no mercado de trabalho com a conclusão de um curso profissional;

OBJETIVOS. Associar o início da vida no mercado de trabalho com a conclusão de um curso profissional; OBJETIVOS Associar o início da vida no mercado de trabalho com a conclusão de um curso profissional; Fornecer conhecimento teórico e prático; Ampliar o acesso ao mercado de trabalho antecipadamente; Permitir

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I.

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I. PROPOSTA DE EDITAL O Instituto de Compromisso com o Desenvolvimento Humano, fundado aos 09 (nove) dias do mês de Maio de 2007, tendo como objetivo promover o desenvolvimento humano em diversos âmbitos,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O presente Regulamento estabelece as políticas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS

Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS Regulamento de Estágios ORIENTAÇÕES GERAIS Versão 1.0 2015 I. Introdução Consistirá o estágio em um período de trabalho, realizado pelo aluno, sob o controle de uma autoridade docente, em um estabelecimento

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES

APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES APRENDIZAGEM --------------------------------------------------------- REFERÊNCIAS NORMATIVAS e ORIENTAÇÕES Aprendizagem Cria oportunidades tanto para o aprendiz quanto para a empresa, pois prepara o jovem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE COMPROMISSO Termo de Compromisso que entre si celebram e o(a) (Pessoa Jurídica)... e o(a) estudante... com a interveniência da Universidade

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Fatec Sorocaba REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Sorocaba, 2010 Reduza, Reutilize, Recicle REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Devem constar do Termo de Compromisso, dentre outras disposições: - qualificação da empresa concedente, do estagiário e da instituição de ensino;

Devem constar do Termo de Compromisso, dentre outras disposições: - qualificação da empresa concedente, do estagiário e da instituição de ensino; ESTÁGIO O Estágio de Estudantes é regido pela Lei nº 6.494, de 07/12/1977, regulamentada pelo Decreto nº 87.497, de 18/08/1982, com posteriores alterações do Decreto nº 89.467/84. Define-se como estagiários,

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO

MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA COORDENAÇÃO DE INTERAÇÃO SERVIÇO ESCOLA-EMPRESA MANUAL DO PROGRAMA DE ESTAGIO SUPERVISIONADO CAMPUS COLINAS DO TOCANTINS-TO COLINAS

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS N. 0144/2013; O MUNICÍPIO DE XAXIM, Estado de Santa Catarina, pessoa jurídica de direito público interno, com sede na Rua Rui Barbosa, 347, neste ato representado pelo

Leia mais

JOVEM APRENDIZ. Resultado do Aprofundamento dos Estudos. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação

JOVEM APRENDIZ. Resultado do Aprofundamento dos Estudos. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Resultado do Aprofundamento dos Estudos Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação Introdução A formação técnico-profissional de jovens é de grande importância para sua inserção

Leia mais

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio

Departamento de Estágios FACCAMP. Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio Departamento de Estágios FACCAMP Procedimentos Básicos para assinatura de Convênio e Contrato de Estágio OBRIGAÇÕES DO ESTAGIÁRIO. Solicitar na Secretaria Geral da FACCAMP declaração de autorização para

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES

CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES CONTRATAÇÃO DE APRENDIZES OBRIGATORIEDADE DA CONTRATAÇÃO Estabelecimentos de qualquer natureza são obrigados a contratar aprendizes. Estabelecimento é todo complexo de bens organizado para o exercício

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO CEFET-SP Capítulo I DA NATUREZA E SUAS FINALIDADES Art. 1º O estágio baseia-se na Lei nº. 11.788, sancionada em 25 de setembro de 2008. Parágrafo

Leia mais

Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina. MANUAL DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO: Procedimentos e Obrigações Legais

Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina. MANUAL DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO: Procedimentos e Obrigações Legais Fundação de Ensino e Engenharia de Santa Catarina MANUAL DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO: Procedimentos e Obrigações Legais 2009 APRESENTAÇÃO Este manual tem por objetivo disciplinar, orientar e facilitar os

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE ESTÁGIO

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE ESTÁGIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE ESTÁGIO 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo de

Leia mais

Prezamos pela Transparência, Excelência, Profissionalismo, Ética, Respeito e Solidariedade.

Prezamos pela Transparência, Excelência, Profissionalismo, Ética, Respeito e Solidariedade. JOVEM APRENDIZ A SERCIDADÃO Somos uma organização sem fins lucrativos, certificada como OSCIP que nasceu a partir da atuação de diversos profissionais das diferentes áreas de atuação. Nossos projetos buscam,

Leia mais

Hospital de Caridade de Ijuí. Projeto Jovem Aprendiz

Hospital de Caridade de Ijuí. Projeto Jovem Aprendiz Hospital de Caridade de Ijuí Projeto Jovem Aprendiz Abril / 2010 IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Nome: Associação Hospital de Caridade Ijuí CNPJ: 90.730.508/0001-38 Principal Responsável pela Organização:

Leia mais

Considerando a apreciação e aprovação prévia da presente adequação pelo Comitê Jurídico do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta;

Considerando a apreciação e aprovação prévia da presente adequação pelo Comitê Jurídico do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta; A FUNDAÇÃO PADRE ANCHIETA CENTRO PAULISTA DE RÁDIO E TV EDUCATIVAS, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com o objetivo de sempre aprimorar o cumprimento de suas finalidades, nos termos

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que:

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que: 1. APRESENTAÇÃO 1.1 O projeto Recrear defende a importância do Brincar para o desenvolvimento infantil. Por meio da brincadeira, uma criança aprende e desenvolve seu corpo, suas habilidades sociais, de

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007

CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007 CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007 Aprova o regulamento dos Estágios Supervisionados dos cursos de Graduação - Licenciaturas do ISEI. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA APRENDIZAGEM PROFISSIONAL E INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA COMO TRANSFORMAR OBRIGAÇÃO LEGAL EM VANTAGEM COMPETITIVA 2º FÓRUM SOU CAPAZ Araçatuba 28/08/13 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Contextualização da

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Visite nosso site: www.cepro.org.br

Lei da Aprendizagem 10.097/2000. Visite nosso site: www.cepro.org.br Lei da Aprendizagem 10.097/2000 Visite nosso site: www.cepro.org.br HISTÓRICO DO CENTRO PROFISSIONALIZANTE RIO BRANCO 1946 1997 Lar Escola Rotary (LER)- uma escola rural Mudança do nome para Centro de

Leia mais

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa)

Projeto de Decreto. (Criar uma denominação/nome própria para o programa) Projeto de Decreto Dispõe sobre as atribuições e competência do Programa de Execução de Medidas Socioeducativas em Meio Aberto, atendendo à Resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e competências do estudante,

Leia mais

RESOLVEM: CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

RESOLVEM: CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICO- CIENTÍFICA QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS FILHO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FAPERJ E INSTITUIÇÃO SIGLA, NA FORMA ABAIXO. A INSTITUIÇÃO,

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes

Menor Aprendiz Perguntas Frequentes Menor Aprendiz Perguntas Frequentes A aprendizagem é regulada pela CLT e passou por um processo de modernização com a promulgação das Leis nºs. 11.180/2005, 10.097/2008 e 11.788/2008. O Estatuto da Criança

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA PETROBRAS JOVEM APRENDIZ

PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA PETROBRAS JOVEM APRENDIZ PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA PETROBRAS JOVEM APRENDIZ A Sociedade de Estudos Múltiplos, Ecológica e de Artes Sociedade Semear, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA BOLSA DE COMPLEMENTAÇÃO EDUCACIONAL CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Art.1º- O presente Regulamento destina-se a fixar diretrizes

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

ATUALIZAÇÃO - REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ATUALIZAÇÃO - REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ATUALIZAÇÃO - REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS Fixa normas para o funcionamento das atividades Complementares no âmbito do Curso de Graduação em Enfermagem da FAKCEN CAPÍTULO I DA

Leia mais

RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008

RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008 RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008 Normas para o Estágio 1) Considerando a Lei 11.788 de 25 de setembro de 2008, que trata de Estágios de Estudantes; 2) Considerando a não existência de resolução geral que normatize

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 013/CT/2013 Assunto: Solicitação de Parecer Técnico acerca de critérios para abertura e funcionamento de Curso de Instrumentação Cirúrgica. I - Do Fato Solicitado Parecer Técnico ao

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GRADE CURRICULAR 2008-2010 RIO CLARO 2010 1 REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I Da Origem, Finalidades e das Modalidades Art. 1º -

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL - REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL Artigo 1.º Objetivos O programa Voluntariado Juvenil visa promover a participação cívica dos jovens em ações de voluntariado de interesse social e comunitário,

Leia mais

c Designação do corpo docente, auxiliares, e dos demais profissionais que a atividade necessitar;

c Designação do corpo docente, auxiliares, e dos demais profissionais que a atividade necessitar; CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS 2015 Pelo presente instrumento particular de Contrato de Prestação de Serviços Educacionais de um lado o Centro de Ensino São José Ltda., inscrito no CNPJ:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA A ESCOLA POPULAR DE COMUNICAÇÃO CRÍTICA ESPOCC TURMAS 2014 O Observatório de Favelas torna pública, por meio desta chamada, as normas do processo de seleção de alunos para

Leia mais

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto.

LEI DO APRENDIZ. Art. 1 - Nas relações jurídicas pertinentes à contratação de aprendizes, será observado o disposto neste Decreto. LEI DO APRENDIZ Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Edital Processo Seletivo Programa Formare Aprendiz Santos Brasil 2016 1 Edital Processo Seletivo Programa Formare

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Estabelece Normas Operacionais Complementares em conformidade com o Parecer CNE/CEB nº 06/2010, Resoluções CNE/CEB nº 02/2010

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO São Paulo 2015 PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Curso de Administração da Faculdade São Camilo mantém

Leia mais