ULTIMOS 20 ANOS DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS NO BRASIL LAST TWENTY YEARS OF WASTE MANAGEMENT IN BRAZIL. Claudio Fernando MAHLER.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ULTIMOS 20 ANOS DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS NO BRASIL LAST TWENTY YEARS OF WASTE MANAGEMENT IN BRAZIL. Claudio Fernando MAHLER."

Transcrição

1 ULTIMOS 20 ANOS DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS NO BRASIL LAST TWENTY YEARS OF WASTE MANAGEMENT IN BRAZIL Claudio Fernando MAHLER Prof. COPPE/UFRJ /

2 LIXO, SONHAR É PRECISO!!!!!! WASTE IT IS NECESSARY TO DREAM!

3 1800 CLEANING PROCEDURES IN RIO DE JANEIRO Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

4 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

5 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

6 Garbage Trolley 1936 Cajú Landfill Profa. Rio Maria de Lúcia Janeiro Teixeira Werneck Vianna

7 A COMPLEX PROBLEM Political... The most difficult Social Technological...the simplest

8 NIMBY: Not in My Backyard

9

10 Evolution

11 POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NATIONAL POLITICS OF SOLID WASTE LEI MARIA DA PENHA!!! MARIA DA PENHA LAW

12 DADOS SOBRE LIXO!!!!! WASTE DATA OOPS! QUE DADOS SÃO ESSES? ARE THEY RELIABLE?

13 ATERRO SANITARIO SANITARY LANDFILL ATERRO CONTROLADO CONTROLLED LANDFILL LIXÃO DUMP SITE IS THERE ANY DIFFERENCE?

14 INDEX LANDFILL QUALITY INDEX Dez/ CETESB IQR LABLE 0,0 IQR 6,0 Inadequate Conditions 6,0 < IQR 8,0 Controlled Conditions 8,0 < IQR 10,0 Adequate Conditions 14 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

15 LANDFILL INVENTORY IN SÃO PAULO STATE

16 : EVOLUTION IN SÃO PAULO STATE

17 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

18 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

19 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

20 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

21 CAVA DA PEDREIRA 3ª STAGE OF THE LANDFILL Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

22 IMPERMEABILIZATION WITH PEAD GEOMEMBRANE Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

23 GEOMEMBRANA PEAD WELDING Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

24 MECHANICAL PROTECTION OF THE GEOMEMBRANE PEAD Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

25 DRAINING BASE FOR EFFLUENT LIQUID AND GASES Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

26 COPROCESSING CANTAGALO LAFARGE CEMENT CORP.

27 COMBINED OPERATION CEMENT PRODUCTION BURNING OF SOLID WASTE PRODUCING ENERGY

28 Example-Pilot Project Plant of separation and composting in Cantagalo City - RJ Data from Francisco Leme e Mario Interlengui

29 Francisco Leme - Lafarge Ciemnto

30

31 Recycled Material Separated

32 Fertilizer reject

33 WASTE REJECT

34 ADVANTAGES LANDFILL ELIMINATION; n TOTAL SOLUTION FOR THE WASTE; n DIMINISHING OPERATIONAL COSTS INCREASE IN MATERIAL RECYCLING CONTROL; n SUBSTITUTION OF FOSSIL ENERGY FOR ALTERNATIVE ENERGY ; n POSITIVE MODEL FOR A PARTNERSHIP BETWEEN UNIVERSITY, PRIVATE AND PUBLIC ENTERPRISE. n (COPPE, LAFARGE AND PREFEITURA DE CANTAGALO)

35 Rejeito Lixo Trituração Coprocessamento 57 t/mês Aterro Rejeito do Composto 20 t/mês

36 Desenvolvimento do gerenciamento do lixo municipal na Alemanha após a eliminação da disposição em aterros Claus Bergs, Federal Ministry for the Environment, Nature Protection and Nuclear Safety, Bonn- Berlin

37 What were the reasons for waste politics? - Popular dissatisfaction with landfills - Medium and long term economy (germans don t burn money but brazilians do)

38 50 MILLIONS IN THE WASTE 15 PLANTS CONSTRUCTED 11 out of work and turning into a skeleton of metal and cement In the 90 s

39 Tradicional Landfills are responsible por suspected emissions, even dangerous, to the air, soil and water. Aterros tradicionais são responsáveis por emissões suspeitas, se não perigosas, tanto no ar, no solo e nas águas

40 HIERARQUIA DO LIXO WASTE HIERARCHY Prevenção Prevention Reuso Reuse Reciclagem Recycling Recuperação Recuperation Disposição Disposal

41 Projeto MBT no Rio de Janeiro ) supported by BMBF, In co-operation with UFRJ-COPPE-COMLURB

42 100% 90% 0,7 2 Waste Treatment in Europe 27 in 2006 Source EUROSTAT : Recycling (Incl.Composting) Waste-to- Energy Landfilling 80% 70% % 50% 40% 30% 20% 10% 0% ,37 9 Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna

43 Europa, EU27 (2006) Source: EUROSTAT Profa. Maria Lúcia Teixeira Werneck Vianna Folie 43

44 Um bom gerenciamento do lixo é proteção ambiental e climática para as futuras geracoes Good waste management means environmental and climatic protection for future generations OBRIGADO Thank You

Norma Técnica NBR /2004 Esta e outras Normas Técnicas Brasileiras podem ser obtidas junto à ABNT -

Norma Técnica NBR /2004 Esta e outras Normas Técnicas Brasileiras podem ser obtidas junto à ABNT - NBR 15.112/2004 15113 Resíduos sólidos da construção civil e resíduos inertes Aterros Diretrizes para projeto, implantação e operação Construction and demolition wastes - Landfills - Lines of direction

Leia mais

Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland

Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland Política Nacional de Resíduos Sólidos Decreto no 7.404 de dezembro 2010: regulamenta a Política Nacional

Leia mais

Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos. Yushiro Kihara

Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos. Yushiro Kihara Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos Yushiro Kihara CMRR 2009 Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos 1. Alternativas de destruição de resíduos

Leia mais

FITORREMEDIAÇÃO E PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL EM ATERROS SANITÁRIOS. Karla Heloise PREUSSLER Leila Teresinha MARANHO Claudio Fernando MAHLER

FITORREMEDIAÇÃO E PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL EM ATERROS SANITÁRIOS. Karla Heloise PREUSSLER Leila Teresinha MARANHO Claudio Fernando MAHLER FITORREMEDIAÇÃO E PRODUÇÃO DE ENERGIA RENOVÁVEL EM ATERROS SANITÁRIOS Karla Heloise PREUSSLER Leila Teresinha MARANHO Claudio Fernando MAHLER APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS

Leia mais

Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos

Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos CMRR 2009 Coprocessamento de Resíduos em Fornos de Cimento: Resíduos Urbanos 1. Alternativas de destruição de resíduos 2. Coprocessamento

Leia mais

CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE

CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE CENTRAL COMISSION FOR THE NAVIGATION OF THE RHINE INLAND WATERWAY TRANSPORT IN TIMES OF GLOBALISATION PREPARATORY WORKSHOP AND SIDE EVENT PARAGUAY PARANÁ INLAND WATERWAY MARSEILLE (France), 13 MARCH 2012

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE LIMEIRA: DIAGNÓSTICO AMBIENTAL

ATERRO SANITÁRIO DE LIMEIRA: DIAGNÓSTICO AMBIENTAL ATERRO SANITÁRIO DE LIMEIRA: DIAGNÓSTICO AMBIENTAL João Batista Ricardo Guizard 1 ; Magda Eloisa Rafaldini 1 ; Flávia Fernanda Ferraz de Pontes 1 ; Deiviti Bronzel 1 ; César Rodrigues Peres 1 ; Estela

Leia mais

CENTRÍFUGAS PARA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

CENTRÍFUGAS PARA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA CENTRÍFUGAS PARA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA GEA Group Messages Operational centrifuge Customization Biotech solutions Developing applications with centrifuges Special centrifuges Questions? GEA Westfalia Separator

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISPOSIÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE GOIÁS*

DIAGNÓSTICO DA DISPOSIÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE GOIÁS* DIAGNÓSTICO DA DISPOSIÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE GOIÁS* OSMAR MENDES FERREIRA, KARLA ALCIONE DA SILVA Resumo: a disposição final dos resíduos sólidos urbanos tem sido tema de discussões

Leia mais

APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE GESTÃO AMBIENTAL DE QUALIDADE DE ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE GESTÃO AMBIENTAL DE QUALIDADE DE ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS REVISTA DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS - RCA (ISSN 1981-8858) http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/rbca Canoas, vol. 7, n. 2, 2013 APLICAÇÃO DE UMA FERRAMENTA DE GESTÃO AMBIENTAL DE QUALIDADE DE ATERROS

Leia mais

Problemas ambientais urbanos

Problemas ambientais urbanos MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Problemas ambientais urbanos 3ª aula Maria do Rosário Partidário CITIES ENVIRONMENT Inputs Outputs Energy Food Water

Leia mais

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas

Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Eliminação e Recuperação de Lixões em Minas Gerais: estágio atual e perspectivas Cíntia Guimarães dos Santos Gerência de Áreas Contaminadas/GERAC

Leia mais

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima O que é lixo? Latim Lix : cinza ; Europa : resíduos domésticos

Leia mais

Elementos para discussão sobre gestão de resíduos sólidos

Elementos para discussão sobre gestão de resíduos sólidos Elementos para discussão sobre gestão de resíduos sólidos LIXO 0 Raphael Tobias de V. Barros (DESA-UFMG) maio-2014 Semelhança entre os processos de geração de RS num organismo vivo e numa sociedade Definição

Leia mais

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO ENGENHARIA AMBIENTAL AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DO BIOGÁS DO ATERRO SANITÁRIO DE FOZ DO IGUAÇU - PR JEANDRO PEREIRA SILVA FOZ DO

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto

Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Águas de Restos de Concretos Reciclagem Notas de aula Prof. Eduardo C. S. Thomaz Sistema de Reciclagem da Água dos Restos de Concreto Exemplo: Firma Sohnt / USA - Concrete Reclaimer Conjunto do Sistema

Leia mais

Solid Waste Integrated Management Plan of the City of São Paulo (PGIRS)

Solid Waste Integrated Management Plan of the City of São Paulo (PGIRS) Solid Waste Integrated Management Plan of the City of São Paulo (PGIRS) The execution of the Solid Waste National Policy in the City of São Paulo PUBLIC PARTICIPATION IN THE REELABORATION OF Solid Waste

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

Proposition of Implementation EMS and CP Actions in a Textile Machinery Industry, Curitiba-PR

Proposition of Implementation EMS and CP Actions in a Textile Machinery Industry, Curitiba-PR Proposition of Implementation EMS and CP Actions in a Textile Machinery Industry, Curitiba-PR MACENO, M. C. M. a*, VELOZO, T. G. b, CANEDO, P. L. R. c, SILVA, M. C. c a. Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios.

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Wanilene Sabará Cassiano Afiliação: Faculdade de Tecnologia de Cruzeiro.

Leia mais

Iniciativa Global para o. Metano

Iniciativa Global para o. Metano Iniciativa Global para o Aproveitando o Sucesso da Parceria Metano para Mercados (M2M) Chris Godlove U.S. Environmental Protection Agency Landfill Methane Outreach Program Metano Visão Geral Panorama do

Leia mais

Critérios para Escolha de Tecnológicas para Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos

Critérios para Escolha de Tecnológicas para Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos Critérios para Escolha de Tecnológicas para Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos José Fernando Thomé Jucá Universidade Federal de Pernambuco São Paulo, 23 de Novembro de 2016 Evolução da Geração de Resíduos

Leia mais

Fluxo de Energia e Emissões de Carbono dos Biocombustíveis de Cana e Milho

Fluxo de Energia e Emissões de Carbono dos Biocombustíveis de Cana e Milho Fluxo de Energia e Emissões de Carbono dos Biocombustíveis de Cana e Milho Workshop International: As Biorrefinarias de Biomassa para Biocombustíveis Sustentabilidade & Importancia Socio-Economica Sociedad

Leia mais

ANALISE PRELIMINAR DA ASSISTÊNCIA A SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CARUARU/PE-2015

ANALISE PRELIMINAR DA ASSISTÊNCIA A SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CARUARU/PE-2015 ANALISE PRELIMINAR DA ASSISTÊNCIA A SAÚDE DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CARUARU/PE-2015 Ana Maria Araújo de Freitas (1); Maria Aparecida Pontes (1); Anthonny Brayn Araújo de Freitas

Leia mais

PERCEPÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DAS ALUNAS DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM AGENTES DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE ITABAIANA- PB

PERCEPÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DAS ALUNAS DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM AGENTES DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE ITABAIANA- PB PERCEPÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DAS ALUNAS DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM AGENTES DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE ITABAIANA- PB Andréa Amorim Leite 1 (andreaamorim.bio@gmail.com), Miguel Leonardo

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Seminário Preparatório à XII Conferência das Cidades - Região Norte - Resíduos Sólidos Urbanos Profa. M.Sc. Maria de Valdivia Costa Norat Gomes FAESA/ITEC/UFPA

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL: NOVO PARADIGMA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NA BAHIA 1

GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL: NOVO PARADIGMA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NA BAHIA 1 GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL: NOVO PARADIGMA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL E NA BAHIA 1 Luiz Roberto Santos Moraes* Patrícia Campos Borja** Resumo: O modelo de gestão de resíduos sólidos

Leia mais

15 a 17 junho de 2016 Porto Alegre, RS

15 a 17 junho de 2016 Porto Alegre, RS DIAGNÓSTICO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2014 E 2015 Aline Batista Marra 1 (alinebm@fepam.rs.gov.br), Daiene Gomes Zagonel 1 (daienesg@fepam.rs.gov.br),

Leia mais

Saneamento, Energia e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Saneamento, Energia e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) Saneamento, Energia e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) João Wagner Silva Alves - CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Resumo: Novidades: 1. Página de internet sobre biogás 2. Relatório de Referência

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara 1. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS - Observe um objeto perto de você. Você já parou para pensar do que ele é feito e quantas etapas foram necessárias

Leia mais

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Fernando Altino Rodrigues Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Fernando Altino Rodrigues Ética Ecológica e Ética Social Desenvolvimento Sustentável...permitir que os preços digam a verdade ecológica Weizsaecker INTERNALIZAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Ações do MMA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Ações do MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Qualidade Ambiental Workshop de Treinamento sobre Formulaçã ção o de Projeto para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (CDM) e para o Protótipo tipo Fundo de Carbono

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

Aquecimento global Rise of temperature

Aquecimento global Rise of temperature Aquecimento global Rise of temperature Drop by drop. Comenius project What is Global warming? Aquecimento global é o aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra ocorrido

Leia mais

Outra vantagem apresentada, é por exemplo o facto dos gases ácidos e as partículas que ficam nos filtros e assim não contaminam a atmosfera.

Outra vantagem apresentada, é por exemplo o facto dos gases ácidos e as partículas que ficam nos filtros e assim não contaminam a atmosfera. CO-INCINERAÇÃO Pág 2 Co-Incineração A co-incineração baseia-se no aproveitamento dos fornos das cimenteiras que devido às suas altas temperaturas (entre 1450 e 2000 graus) são utilizados na queima dos

Leia mais

Dr. Trannin, Maria Universidade Estacio de Sa Dr. Farinaci, Juliana Universidade Estadual de Campinas

Dr. Trannin, Maria Universidade Estacio de Sa Dr. Farinaci, Juliana Universidade Estadual de Campinas Dr. Trannin, Maria Universidade Estacio de Sa Dr. Farinaci, Juliana Universidade Estadual de Campinas What? This work is based on and adapted from a research conducted in March 2012 by the Yale Project

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS FRANCISCO BELTRÃO 1 Morgana Suszek Gonçalves 2, Larissa Kummer 3, Maurício Ihlenfeldt Sejas 4, Thalita Grando Rauen

Leia mais

CEMENT SUSTAINABILITY INITIATIVE - KEY PERFORMANCE INDICATORS AND TARGETS SELECTION OF KEY PERFORMANCE INDICATORS

CEMENT SUSTAINABILITY INITIATIVE - KEY PERFORMANCE INDICATORS AND TARGETS SELECTION OF KEY PERFORMANCE INDICATORS CEMENT SUSTAINABILITY INITIATIVE - KEY PERFORMANCE INDICATORS 2012-2013 AND TARGETS 2015-2023 SELECTION OF KEY PERFORMANCE INDICATORS (Cement Activity) Performance Targets CLIMATE CHANGE & ENERGY Plants

Leia mais

Resíduos sólidos: panorama atual, aterro sanitário e outras soluções Adriana Vilela Montenegro Felipetto

Resíduos sólidos: panorama atual, aterro sanitário e outras soluções Adriana Vilela Montenegro Felipetto IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE TECNOLOGIAS E TRATAMENTO DE RESÍDUOS Resíduos sólidos: panorama atual, aterro sanitário e outras soluções Adriana Vilela Montenegro Felipetto Brasil Do século XIX ao XXI Central

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 (CHARTER OF RECOMMENDATION AND PRINCIPLES OF FORUM EMPRESARIAL RIO+20 TO UNCSD-2012) Nós, membros participantes do FÓRUM

Leia mais

CONTAMINATED SITES WITH POPs IN SÃO PAULO STATE

CONTAMINATED SITES WITH POPs IN SÃO PAULO STATE Stockholm Convention on Persistent Organic Pollutants Regional/Subregional Capacity Building Workshop on Implementation of Article 5 and Practical Use of the Guidelines es on Best Available Techniques

Leia mais

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada

Descarte de Medicament os. Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicament os Responsabilidade compartilhada Descarte de Medicamentos Aspectos gerais Situação atual... No Brasil ainda não se tem uma regulamentação específica no âmbito nacional relacionada

Leia mais

3 - MATERIAL E MÉTODOS

3 - MATERIAL E MÉTODOS INVESTIGAÇÃO SOBRE O RISCO DE EXPOSIÇÃO DE SOLO CONTAMINADO NA UNIDADE DE TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS UTRE E ATERRO CONTROLADO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE Luana Christina E. das Neves

Leia mais

CDW management in Brazil- The Goiânia (GO) Experience. Profa. Dra. Rejane Tubino (51)

CDW management in Brazil- The Goiânia (GO) Experience. Profa. Dra. Rejane Tubino (51) CDW management in Brazil- The Goiânia (GO) Experience Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br (51) 3308-7104 Implantation of the Construction Site Solid Waste Management Program PGM- Pilot Project

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE MANEJO E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS COMUNIDADES

IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE MANEJO E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS COMUNIDADES IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMAS DE MANEJO E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS COMUNIDADES Implantation of Handling Programs and Plan of Environmental Administration in Small Communities RESUMO: O presente

Leia mais

O Mapeamento Setorial LCBA para Gestão de Resíduos Sólidos Demandas e Oportunidades

O Mapeamento Setorial LCBA para Gestão de Resíduos Sólidos Demandas e Oportunidades Low Carbon Business Action in Brazil A project funded by the European Union O Mapeamento Setorial LCBA para Gestão de Resíduos Sólidos Demandas e Oportunidades Adelino Ricardo J. Esparta Waste Expo Brasil

Leia mais

Brazilian Coal Industry Overview and Perspectives

Brazilian Coal Industry Overview and Perspectives INTERNATIONAL WORKSHOP ON COAL TECHNOLOGY PETROBRAS/ABCM Brazilian Coal Industry Overview and Perspectives Eng. Fernando Luiz Zancan Brazilian Coal Association ABCM Rio de Janeiro, 14 March 2007 Brazilian

Leia mais

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia

feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 126 feam engebio 127 feam engebio 128 feam engebio 129 ANEXO F Planilha Check List Uberlândia feam engebio 130 feam engebio 131 feam engebio 132 feam engebio 133 REFERÊNCIAS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Carlos R V Silva Filho ABRELPE maio/2010 Introdução A ABRELPE ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e a partir

Leia mais

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel II: Resíduos Sólidos Urbanos Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho 20.04.2012 Cenários e Evolução

Leia mais

personal details profile

personal details profile personal details name: Paulo Vitor Fernandes Bastos nationality: Brazilian / Portuguese date of birth: 02/27/1987 e-mail: paulovitorfb@gmail.com phone: +55 (21) 99777-4854 portfolio: www.pvbastos.com profile

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO DF: CONFORME A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS.

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO DF: CONFORME A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PNRS. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Engenharia Ambiental SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARA OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DO DF: CONFORME

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

Projeto Começando Pela Nossa Casa: Consumo Consciente na Administração Pública

Projeto Começando Pela Nossa Casa: Consumo Consciente na Administração Pública Projeto Começando Pela Nossa Casa: Consumo Consciente na Administração Pública CUNHA, Susana; STEUCK, Eliane; ORSI, Raquel; DAY, Sônia; NASCIMENTO, Francisco; TENCA, Mazola. 1- Súmula O projeto Começando

Leia mais

Developing Biologics: Understanding the Regulatory Pathways

Developing Biologics: Understanding the Regulatory Pathways Developing Biologics: Understanding the Regulatory Pathways Renato Alencar Porto Director October, 2015. The Brazilian Health Surveillance Agency (Anvisa) Regulatory Agency: Administrative Independence

Leia mais

Case de Reciclagem de EPS na Argentina São Paulo, 14 de abril de 2016x Juan Cruz Pando Gerente de ventas Styropek Argentina

Case de Reciclagem de EPS na Argentina São Paulo, 14 de abril de 2016x Juan Cruz Pando Gerente de ventas Styropek Argentina Case de Reciclagem de EPS na Argentina São Paulo, 14 de abril de 2016x Juan Cruz Pando Gerente de ventas Styropek Argentina Quem somos? Empresa mexicana com receita de US$16 Bilhões Mais de 60.000 funcionários

Leia mais

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento

Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Mudanças Climáticas: Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Desafios e Futuro A Sustentabilidade é o futuro da indústria A busca pela Eficiência Energética e Os esforços para redução dos

Leia mais

ANHEMBI West Pavillion. December, 18th to 20th São Paulo - SP - Brazil

ANHEMBI West Pavillion. December, 18th to 20th São Paulo - SP - Brazil ANHEMBI West Pavillion December, 18th to 20th São Paulo - SP - Brazil EXPO CATADORES 2013 It s a business event, experience exchange, knowledge dissemination and technologies for efficient solid waste

Leia mais

SEMINARIO gosto 200Aproveitamento Energético de biogás de aterros. Uma solução para dois problemas? MEIO AMBIENTE E ENERGIA ALTERNATIVA

SEMINARIO gosto 200Aproveitamento Energético de biogás de aterros. Uma solução para dois problemas? MEIO AMBIENTE E ENERGIA ALTERNATIVA SEMINARIO gosto 200Aproveitamento Energético de biogás de aterros Uma solução para dois problemas? MEIO AMBIENTE E ENERGIA ALTERNATIVA manoel antonio avelino 26/04/2011 QUESTÕES COLOCADAS Sustentabilidade

Leia mais

2 BR APART. Área Bruta / Total Area: 100.49m2 Estacionamento / Parking Arrecadação / Storage Room

2 BR APART. Área Bruta / Total Area: 100.49m2 Estacionamento / Parking Arrecadação / Storage Room T2+1 Área Bruta / Total Area: 100.49m2 T2 Área Bruta / Total Area: 95,80m2 T2+1 Área Bruta / Total Area: 115,40m2 T3 3 BR Área Bruta / Total Area: 123,71m2 T3 +1 3 BR Área Bruta / Total Area: 142,26m2

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DOS MATERIAIS ESTÃO ASSOCIADOS À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS

IMPACTOS AMBIENTAIS DOS MATERIAIS ESTÃO ASSOCIADOS À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Materiais e Reciclagem 7 Esgotabilidade de Recursos Naturais Utilizados para a Síntese de Materiais Professor Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2016.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais

SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA. Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais SANEAMENTO E AMBIENTE: 3º ENCONTRO DA ENGENHARIA Confinamento de Resíduos Industriais: técnicas e materiais Riscos de contaminação do solo e da água subterrânea Eng. Quím. Mário Kolberg Soares GERENCIAMENTO

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Análise comparativa do desempenho ambiental de processos de destinação de resíduos sólidos urbanos com reaproveitamento energético

Análise comparativa do desempenho ambiental de processos de destinação de resíduos sólidos urbanos com reaproveitamento energético Análise comparativa do desempenho ambiental de processos de destinação de resíduos sólidos urbanos com reaproveitamento energético Comparative analysis of environmental waste disposal of urban solid performance

Leia mais

Modelagem e Simulação de Incêndios. Fire dynamics. Carlos André Vaz Junior

Modelagem e Simulação de Incêndios. Fire dynamics. Carlos André Vaz Junior Modelagem e Simulação de Incêndios Fire dynamics Carlos André Vaz Junior INTRODUÇÃO Fire dynamics is a very quantitative and mathematically complex subject. The term fire dynamics came into common use

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PATRÍCIA ARNS STEINER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PATRÍCIA ARNS STEINER UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PATRÍCIA ARNS STEINER GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM CENTROS COMERCIAIS DO MUNICÍPIO DE CURITIBA - PR CURITIBA 2010 2 PATRÍCIA ARNS STEINER GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM CENTROS

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente

LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. Hewerton Bartoli Presidente LOGÍSTICA REVERSA E RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação e normas evolução Cenário atual

Leia mais

Grupo PRT. Empresa de prestação de serviços em limpeza urbana

Grupo PRT. Empresa de prestação de serviços em limpeza urbana Grupo PRT Empresa de prestação de serviços em limpeza urbana EDUCAÇAO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA DE GESTAO E RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA Sandra Barbosa. Consultora ambiental. Co editora da Revista

Leia mais

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Future Trends: Global Perspective Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Brazil Wind Power 2010 Rio de Janeiro 1 September 2010 Members include the following leading players:

Leia mais

UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999

UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999 UMPR - UNIDADE DE MISTURA E PRÉ-CONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Resolução Conama nr. 264 de 26/08/1999 CONCEPÇÃO DO PROJETO FATORES IMPORTANTÍSSIMOS E JÁ MATERIALIZADOS: OS DOIS GRUPOS CIMENTEIROS

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil - Planeamento Urbanístico Engenharia Civil

Leia mais

Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte

Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte Workshop Internacional Aproveitamento Energético de Biogás em Aterros Sanitários e Efluentes Experiência de Aproveitamento Energético do Biogás do Aterro Sanitário de Belo Horizonte Superintendência de

Leia mais

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos.

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. 12/08/2015 1 12/08/2015 2 Profissionais envolvidos no projeto Biologia ;Geografia

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Morada residencial: Rua 3, 306/ AA 4500-298 Espinho Telemóvel: 93.8667625

CURRICULUM VITAE. Morada residencial: Rua 3, 306/ AA 4500-298 Espinho Telemóvel: 93.8667625 CURRICULUM VITAE 1. DADOS PESSOAIS Nome: Lúcia de Oliveira Fernandes Nascimento: 03.01.78, Rio de Janeiro, Brasil Nacionalidades: portuguesa e brasileira Morada residencial: Rua 3, 306/ AA 4500-298 Espinho

Leia mais

O Porto e a Cidade. Os aspectos da gestão ambiental. Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória

O Porto e a Cidade. Os aspectos da gestão ambiental. Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória O Porto e a Cidade Os aspectos da gestão ambiental e do território Antônio Tarcísio Correia de Mello Secretário de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Vitória Introdução Os desafios trazidos pelas reformas

Leia mais

Valoração econômica do lodo de esgoto gerado nas ETE s do Rio de Janeiro

Valoração econômica do lodo de esgoto gerado nas ETE s do Rio de Janeiro Valoração econômica do lodo de esgoto gerado nas ETE s do Rio de Janeiro Alan Henrique Marques de Abreu Engenheiro Florestal CEDAE Doutorando em Ciências Ambientais e Florestais PPGCAF / UFRRJ ETE Alegria.

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos do Saneamento Água e Esgoto. Eduardo Barbosa Carvalho, Engº Químico Diretor de Operações, CORSAN

Gerenciamento de Resíduos do Saneamento Água e Esgoto. Eduardo Barbosa Carvalho, Engº Químico Diretor de Operações, CORSAN Gerenciamento de Resíduos do Saneamento Água e Esgoto Eduardo Barbosa Carvalho, Engº Químico Diretor de Operações, CORSAN Foco Para ser sustentável deve garantir o direito das pessoas. Marcos do Direito

Leia mais

Estudo Técnico, Econômico e Ambiental da geração de energia através do biogás de lixo - o caso do aterro sanitário de Gramacho

Estudo Técnico, Econômico e Ambiental da geração de energia através do biogás de lixo - o caso do aterro sanitário de Gramacho 37 Estudo Técnico, Econômico e Ambiental da geração de energia através do biogás de lixo - o caso do aterro sanitário de Gramacho Technical, economical and enviromental study of energy production through

Leia mais

Definição de competitividade

Definição de competitividade TRIBUTAÇÃO E COMPETITIVIDADE VII Jornadas do IPCA 25.11.2006 Claudia Dias Soares Universidade Católica Portuguesa Definição de competitividade EC 2004: a sustained rise in the standards of living of a

Leia mais

ANEXO NORMA CETESB N 6.410/1998

ANEXO NORMA CETESB N 6.410/1998 Termo de Referência Página 1 de 74 ANEXO NORMA CETESB N 6.410/1998 Termo de Referência Página 2 de 74 Termo de Referência Página 3 de 74 Termo de Referência Página 4 de 74 Termo de Referência Página 5

Leia mais

Um Problema Urbano - Gerenciamento de Resíduos Sólidos e as Mudanças Ambientais Globais

Um Problema Urbano - Gerenciamento de Resíduos Sólidos e as Mudanças Ambientais Globais Um Problema Urbano - Gerenciamento de Resíduos Sólidos e as Mudanças Ambientais Globais Juliana Matos Seidel (Unicamp) Engenheira Química, Doutoranda do Programa de Ambiente e Sociedade / NEPAM juseidel@hotmail.com

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Marcelo Lacerda de Moraes Diretor de Operações

TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Marcelo Lacerda de Moraes Diretor de Operações TECNOLOGIAS PARA TRATAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Marcelo Lacerda de Moraes Diretor de Operações TIPOS DE INCINERADORES: LEITO FLUIDIZADO; PARA LÍQUIDOS; PARA GASES; MASS BURN; CÂMARA FIXA; CÂMARA ROTATIVA;

Leia mais

PERCEPÇÕES DA IMPORTÂNCIA DE RECICLAGEM NOS LABORATÓRIOS DA FEPAGRO/SEDE (FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PESQUISA AGROPECUÁRIA)

PERCEPÇÕES DA IMPORTÂNCIA DE RECICLAGEM NOS LABORATÓRIOS DA FEPAGRO/SEDE (FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PESQUISA AGROPECUÁRIA) 1132 PERCEPÇÕES DA IMPORTÂNCIA DE RECICLAGEM NOS LABORATÓRIOS DA FEPAGRO/SEDE (FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PESQUISA AGROPECUÁRIA) Fernanda de Oliveira de Andrade Bertolo 1, Adriana Ferreira Martins 2, Dionísio

Leia mais

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Avanços na Implementação na Política Nacional de Resíduos CENÁRIO 28 empresas 15 grupos industriais 85 fábricas 51 Integradas 34 moagens

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Gerados em Atividades e Serviços Relacionados às Instalações Administrativas de uma Operadora de Telefonia Móvel

Gerenciamento de Resíduos Gerados em Atividades e Serviços Relacionados às Instalações Administrativas de uma Operadora de Telefonia Móvel Gerenciamento de Resíduos Gerados em Atividades e Serviços Relacionados às Instalações Administrativas de uma Operadora de Telefonia Móvel BRAVO, Rose M. S. 1 ; SILVEIRA, Sirney 1 ; SILVA, Roberto P.B.

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Logistics Investment Program. Ports

Logistics Investment Program. Ports Logistics Investment Program Ports Purposes Promote the competitiveness and development of Brazilian economy End of entry walls Expansion of private investment Modernization of infrastructure and port

Leia mais

Introdução àpegada de carbono

Introdução àpegada de carbono Introdução àpegada de carbono Judith Sykes Gases de Efeito Estufa 1 Gases de Efeito Estufa Gas Concentration in 1988 (ppmv) GWP** Dióxido de carbono (CO 2 ) 365 1 Metano (CH 4 ) 1,75 23 Óxido nitroso (N

Leia mais

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO

COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO COLETA DE LIXO TECNOLÓGICO SANTOS, A. B. RESUMO O uso das novas tecnologias vem alterando significativamente o cenário das nossas empresas, indústrias, prestação de serviços de diversas áreas, como estamos

Leia mais

PROTEÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO

PROTEÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO PROTEÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NA IMPLANTAÇÃO DE ATERRO SANITÁRIO Geraldo Antônio Reichert 1, Adriane Alves Silva 1 e Eduardo Fleck 1 Resumo - O tratamento do volume crescente de resíduos sólidos é um

Leia mais

REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2

REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

ANHEMBI West pavilion. December 18th and 20th São Paulo - SP - Brazil

ANHEMBI West pavilion. December 18th and 20th São Paulo - SP - Brazil ANHEMBI West pavilion December 18th and 20th São Paulo - SP - Brazil EXPO CATADORES 2013 It s a business event, experience exchange, knowledge dissemination and technologies for efficient management of

Leia mais

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA

ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA ECO PRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA Á EMPRESA A ECOPRIMOS COMÉRCIO DE RESÍDUOS LTDA é uma empresa prestadora de serviços ambientais, formulada em 2004, atuando com ênfase na Gestão, Coleta, Transporte,

Leia mais