UFRGS Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Internato em Medicina Interna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFRGS Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Internato em Medicina Interna"

Transcrição

1 UFRGS Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Internato em Medicina Interna I Identificação da Disciplina: Título: Internato em Medicina Interna Código: MED Pré-requisitos: Todas as disciplinas e estágios obrigatórios do curso Curso: Medicina Semestre: 10 o, 11 o e 12 o Departamento: Medicina Interna Carga horária total: 675 h (225 h/mês) Créditos: 45 Carga horária semanal: Aulas teóricas: 2 horas Aulas teórico-práticas: 4 horas Aulas práticas: 36 horas Professor Regente: Prof. Pedro Schestatsky Professores: 1. Permanentes: Prof. Alexandre Zago Prof a. Andréia Biolo Prof a. Beatriz Seligman Prof a. Cristiane Bauermann Leitão Prof a. Cristina Karohl Prof. Eduardo Sprinz Prof. Emílio Moriguchi Prof. Fernando Gerchman Prof. Galton Albuquerque Prof. Gustavo Faulhaber Prof a. Helena Schmid Prof. Jeronimo Zanonato Prof. Marcello Bertoluci Prof. Marco Wainstein Prof. Matheus Roriz Prof. Matias Kronfeld Prof. Paulo Picon Prof. Pedro Schestatsky Prof. Renato Seligman Prof. Ricardo Stein Prof a. Sandra Wajnberg Prof a. Simone Magagnin Wajner Prof a. Ticiana C. Rodrigues 2. Eventuais: Profs. do Serviço de Cardiologia do HCPA Profs. do Serviço de Dermatologia da Santa Casa

2 Profs. do Serviço de Dermatologia do HCPA Profs. do Serviço de Endocrinologia do HCPA Profs. do Serviço de Gastroenterologia do HCPA Profs. do Serviço de Hematologia do HCPA Profs. do Serviço de Infectologia do HCPA Profs. do Serviço de Nefrologia do HCPA Profs. do Serviço de Neurologia do HCPA Profs. do Serviço de Oncologia do HCPA Profs. do Serviço de Pneumologia do HCPA Profs. do Serviço de Radiologia do HCPA Profs. do Serviço de Reumatologia do HCPA 3. Médicos Contratados (apoio às Equipes/Ambulatórios MEI) II Súmula da Disciplina: André Luis Ferreira da Silva Dimitris Rucks Varvaki Rados Fernanda Fuzinato Flávia Kessler Borges Leonardo Pires Lisangela Conte Preissler Luis Carlos Amon Marcelo Jeffman Rafael Selbach Scheffel Sérgio Henrique Prezzi Thiago Q. Furian O Internato é o último ciclo do curso de graduação em Medicina, livre de disciplinas acadêmicas, durante o qual o estudante deve receber treinamento intensivo, contínuo, sob supervisão docente, em instituição de saúde, vinculada, ou não, à escola médica. A Disciplina tem duração de três meses e é desenvolvida basicamente através de estágios em equipes docente-assistenciais de Medicina Interna do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), no Serviço de Medicina Interna do Hospital Conceição (GHC) e em Serviços especializados do HCPA (Cardiologia, Dermatologia, Endocrinologia, Gastroenterologia, Hematologia, Infectologia, Nefrologia, Neurologia, Oncologia, Pneumologia, Radiologia, Reumatologia) ou da Santa Casa de Porto Alegre (Dermatologia). Cada estágio tem a duração de um mês inteiro (sem possibilidade de períodos inferiores a 30 dias), sendo vedada a repetição de especialidade no período obrigatório, exceto em diferentes equipes de medicina interna. Durante os estágios nas equipes de Medicina Interna, os alunos atendem, sob supervisão, duas agendas semanais nos ambulatórios do HCPA. Nos demais estágios o atendimento ambulatorial tem carga horária variável. Os alunos fazem plantões sob supervisão dos Médicos Residentes e Médicos contratados do Serviço de Medicina Interna do HCPA durante todo o estágio. Em média, fazem um plantão a cada dias, sendo das 18 às 8 horas nos dias úteis e das 8 às 8 horas nos sábados, domingos e feriados. III Objetivos: Os objetivos do internato são aqueles definidos no Manual do Internato do MEC, a saber: a) Representar a última etapa da formação escolar do médico geral, com capacidade de resolver, ou bem encaminhar, os problemas de saúde da população a que vai servir; b) Oferecer oportunidades para ampliar, integrar e aplicar os conhecimentos adquiridos nos ciclos anteriores do curso de graduação;

3 c) Permitir melhor adestramento em técnicas e habilidades indispensáveis ao exercício de atos médicos básicos; d) Promover o aperfeiçoamento, ou a aquisição, de atitudes adequadas à assistência aos pacientes; e) Possibilitar a prática da assistência integrada, pelo estímulo dos diversos profissionais da equipe de saúde; f) Permitir experiências em atividades resultantes da interação escola médica-comunidade, pela participação em trabalhos extra-hospitalares, ou de campo; g) Estimular o interesse pela promoção e preservação da saúde e pela prevenção das doenças; h) Desenvolver a consciência das limitações, responsabilidades e deveres éticos do médico, perante o paciente, a instituição e a comunidade; i) Desenvolver a ideia da necessidade de aperfeiçoamento profissional continuado. IV Conteúdos, Habilidades e Atitudes a serem desenvolvidas: No final da disciplina o aluno deverá ser capaz de diagnosticar e resolver, ou bem encaminhar, os principais problemas de saúde da especialidade. Deverá ter desenvolvido as habilidades para executar os procedimentos diagnósticos, terapêuticos e preventivos básicos da especialidade. Deverá atuar dentro dos princípios éticos da Medicina. V Conteúdos Programáticos das Aulas Teóricas: O conteúdo programático das aulas teóricas é variável de mês a mês, seguindo os Programas de Residência Médica de cada um dos serviços onde a disciplina é desenvolvida. Sala 3a-feira 4a-feira 5a-feira 6a-feira 07:30 Clube de Revista Coord: Dr. Furian 11:00 Aula de ECG Coord: Dr. Verri Grand Round ou Sessão Anátomo-clínica Coord: Prof. Fleck Reunião Clínica Serv. MEI Coord: Profa. Tânia Furlanetto Tópicos em MEI Coord: Prof. Gerchman VI Procedimentos Didáticos (Metodologia) e Cronograma das Atividades: A - Divisão dos Estágios: Pelo menos um mês do Internato obrigatório em Medicina Interna deverá ser cumprido em uma equipe de Medicina Interna do HCPA. As opções de estágios são as seguintes: a Equipes de Medicina Interna do HCPA 16 Vagas As Equipes são constituídas de um (1) professor do Serviço de Medicina Interna do HCPA, dois (2) residentes, sendo um R1 e um R2 ou R3 e dois (2) doutorandos. Em algumas ocasiões os médicos contratados participam da equipe. As equipes têm sempre sob sua responsabilidade o atendimento, em média, de doze (12) pacientes com problemas gerais e de dois (2) pacientes com SIDA. O atendimento é realizado diretamente pelos residentes das equipes sob supervisão dos professores. Os doutorandos têm responsabilidade variável de acordo com suas competências e todas suas ações são supervisionadas diretamente pelos médicos residentes. Diariamente, de segunda a sexta-feira, os professores reúnem-se com os residentes e doutorandos de sua equipe para discutirem os casos e para as visitas aos leitos. Uma vez por semana, nas quintas-feiras, às 11 horas, todas as equipes participam da Reunião do Serviço de Medicina Interna. Nestas reuniões, sempre são apresentados casos para discussão com todo o grupo. A responsabilidade pela escolha do caso é do residente. Uma vez por semana, nas terça-feiras, são

4 realizadas reuniões sobre interpretação de eletrocardiograma. Uma vez por semana, nas segundafeiras, os residentes e doutorandos têm aulas teóricas de temas gerais de Medicina Interna. Durante o estágio nas equipes de Medicina Interna, os doutorandos ficam responsáveis pelo atendimento de duas agendas semanais nos ambulatórios do HCPA. Uma das agendas é no Serviço de Pronto Atendimento, no turno da manhã, sob supervisão constante de uma professora e de médicos contratados do HCPA. A outra agenda, também sob supervisão de um professor e de médicos contratados, é atendida no Ambulatório de Medicina Interna na Zona 16 do HCPA (vide item 6). Além da assistência aos pacientes de suas equipes, os residentes e doutorandos, durante os plantões, atendem às intercorrências e realizam as internações que ocorrem no horário das 18 às 8h nos dias úteis e nas 24 horas dos sábados, domingos e feriados. Sempre três (3) doutorandos estão de plantão. b Consultoria de Medicina Interna do HCPA 01 Vaga A Equipe de Consultoria é constituída de um professor, um médico contratado do HCPA, dois residentes e um doutorando. Sua responsabilidade é o atendimento de todas as avaliações clínicas solicitadas por outros serviços do HCPA. A equipe avalia e acompanha os casos com necessidade de intervenção clínica e, uma vez por semana, atende ao ambulatório de avaliação pré-operatória do HCPA. c Ambulatório de Medicina Interna do HCPA 01 Vaga Neste estágio o doutorando atende exclusivamente a pacientes ambulatoriais. Durante todas as manhãs atende no Serviço de Pronto Atendimento do HCPA e, à tarde, no Ambulatório de Medicina Interna da Zona 16 do HCPA. Em ambos os ambulatórios o atendimento é realizado sob supervisão de um professor e de médicos contratados do HCPA (vide item 6). d Serviço de Medicina Interna do Hospital Conceição 04 Vagas e Serviços de sub-especialidades da Medicina Interna do HCPA e Dermatologia da Santa Casa 27 Vagas Divisão e critério de escolha dos estágios: Trimestralmente, em reuniões previamente agendadas, os alunos escolherão seus estágios em 2 (duas) rodadas, uma para cada um dos estágios. O mês obrigatório em Equipes de Medicina Interna será definido antecipadamente pelo Regente. Nas 2 (duas) rodadas, a ordem de escolha será pelo ordenamento de matrícula conforme informado pela COMGRAD. O aluno primeiro classificado no ordenamento escolherá em primeiro lugar, o segundo classificado escolherá em segundo lugar e assim sucessivamente. Na primeira rodada os alunos poderão escolher qualquer uma das vagas disponíveis em qualquer um dos meses. Não será obrigatória a escolha mês a mês, isto é, ao escolher, o aluno poderá optar na primeira rodada pela escolha de um estágio em qualquer um dos 3 (três) meses do seu período obrigatório, exceto o mês previamente definido pelo regente como da Medicina Interna. Entretanto, em cada uma das rodadas, sempre a ordem de escolha será a do ordenamento de matrícula. Nas reuniões trimestrais de divisão dos estágios, os alunos NÃO escolherão em quais Equipes de Medicina Interna irão passar especificamente. Isto será definido 2 semanas antes do início do mês do estágio. O regente irá enviar um ao representante da ATM em questão com o nome dos preceptores daquele mês e o mesmo retornará 7 dias depois com os nomes dos alunos nas equipes. É obrigatória a presença de pelo menos 1 doutorando UFRGS em uma das equipes. As 22 vagas acima referidas (16 em equipes de MEI do HCPA, 4 em equipes de MEI do Hospital Conceição, 1 no ambulatório e 1 na consultoria) deverão ser obrigatoriamente preenchidas. Isto significa que os últimos a escolherem deverão obrigatoriamente optar por uma das vagas de preenchimento obrigatório, caso elas ainda não tiverem sido escolhidas. A opção por estágios em subespecialidades da MEI (Cardiologia, Pneumologia, Nefrologia, Infectologia, Endocrinologia, Gastroenterologia, Reumatologia, Dermatologia, Oncologia e Hematologia) será permitida somente para os primeiros a escolherem ou se as vagas de preenchimento obrigatório tiverem sido completadas. Durante o estágio trimestral obrigatório é vedada a opção por especialidades que embora sendo do Departamento não sejam subespecialidades de MEI (ex., Medicina Nuclear,

5 Genética, Patologia Clínica) ou que tenham período próprio de internato (Radiologia, CTI e Emergência). O Internato opcional em Medicina Interna poderá ser cumprido em qualquer umas das vagas acima referidas ou em qualquer um dos Serviços de Especialidades Clínicas do HCPA ou da Santa Casa, quando o aluno optar por realizá-lo em nosso Departamento. Terão prioridade para o preenchimento das vagas os alunos que solicitarem antes e o prazo para a escolha das vagas é até a antevéspera do dia da divisão do Internato Obrigatório. Depois da divisão do Internato Obrigatório, as vagas restantes serão distribuídas para os alunos de outras universidades. Para o estágio opcional são oferecidas até 50% das vagas, isto é: a Equipes de Medicina Interna 8 vagas b Serviços Especializados do HCPA e Santa Casa 15 vagas O funcionamento e a estrutura básica dos estágios nos serviços especializados é semelhante ao que foi descrito para as equipes de Medicina Interna. As variações dependem de características próprias de cada especialidade. Por exemplo, nos serviços de Gastroenterologia e Pneumologia, além do atendimento aos pacientes internados e dos ambulatórios, os doutorandos acompanham a realização de endoscopias. Em outros, como no Serviço de Dermatologia, o atendimento é basicamente ambulatorial. Na internação atendem principalmente à consultorias. Na Cardiologia, os internos acompanham a realização de métodos não-invasivos e de estudos hemodinâmicos. Na Radiologia, os doutorandos acompanham a realização dos exames com os técnicos e os professores radiologistas na interpretação. Em cada um dos serviços especializados (Cardiologia, Dermatologia, Endocrinologia, Gastroenterologia, Hematologia, Nefrologia, Neurologia, Oncologia, Pneumologia, Reumatologia) estão disponíveis duas vagas para doutorandos integrarem-se ao atendimento. Quando mais de dois doutorandos optarem ou desejarem estagiar na mesma especialidade, o chefe do serviço precisará ser consultado sobre a possibilidade de aceitar mais de dois doutorandos simultaneamente. A escala de plantões do Serviço de Medicina Interna é única para todos os doutorandos do Estágio Obrigatório, exceto para os que estarão no Hospital Conceição. Os doutorandos do opcional somente serão incluídos na escala quando estagiarem nas equipes de Medicina Interna do HCPA. Os plantões são das 18 às 8 horas do dia seguinte nos dias úteis e das 8 às 8 horas nos sábados, domingos e feriados. Das 8 às 18 horas os plantões serão cumpridos no Serviço de Emergência do HCPA e das 18 às 8 horas, dois doutorandos cumprirão os plantões na Internação e um na Emergência, sendo que o primeiro nome da escala deverá ir para a Emergência e os demais para a Internação. A falta a plantões será considerada falta grave e será punida com diminuição do Conceito Final. Os alunos deverão tomar conhecimento e respeitar o Regulamento dos Plantões, anexo a este documento. B Procedimentos didáticos: a - Discussões clínicas diárias (pequenos grupos); b - Discussões clínicas semanais (Reunião do Serviço); c - Aulas teóricas (1 / semana) d - Interpretação de eletrocardiogramas (1 / semana) e - Grand Rounds (1 / semana) f - Discussão clínico-radiológica (1 / semana) g - Sessão anátomo-clínica (1 / mês)

6 VII Sistema de Avaliação: Os alunos serão avaliados por pelo menos três professores, sendo um em cada estágio. A avaliação é baseada em qualidades cognitivas, atitudes e personalidade, conforme ficha em anexo. Os doutorandos também serão avaliados pelos preceptores dos ambulatórios do SPA e da Zona 16. Os professores emitirão notas de 0 (zero) a 10 (dez) e a Nota Final será obtida pela média aritmética das notas de cada mês. A cada mês, dependendo do estágio, os alunos poderão ser avaliados por mais de um professor, por exemplo, no estágio do Ambulatório terão duas notas, uma do professor do SPA, outra do professor da Zona 16. Nos estágios em Equipes de Medicina Interna, os alunos serão avaliados apenas pelo professor responsável pela equipe mas as notas nos ambulatórios serão computadas no conceito final. A nota mínima para aprovação em cada mês será 7 (sete) e quando o aluno for reprovado em um único mês, mesmo que este seja o último mês do estágio, será reprovado na disciplina como um todo e terá que repetir os três meses para obter aprovação. A Nota Média Final será convertida em Conceito Final de acordo com as seguintes equivalências: Equivalência de notas/conceitos NOTA CONCEITO 9.0 a 10 A 8.0 a 8.9 B 7.0 a 7.9 C < 6.9 D (reprovação) Presença < 75% FF Obs. 1 A Ficha de Avaliação (anexa) deverá ser entregue aos professores pelos próprios doutorandos que, depois de preenchidas, deverão ser escaneadas e enviadas para o do regente da Disciplina (Prof. Pedro Schestatsky): Todos os campos da Ficha deverão estar preenchidos (Nome, Estágio, Período e Professor) e o professor deverá estar claramente identificado, preferentemente por carimbo. NÃO SERÃO ACEITAS FICHAS INCOMPLETAS. 2 Para ser aprovado o aluno deverá obter a cada mês uma nota igual ou maior que 7,00 independentemente da média final. 3 - Sendo reprovado em um mês, será reprovado na disciplina como um todo e deverá repetir os três meses. 4 O Conceito Final será diminuído como punição para as faltas aos plantões e ambulatórios. Uma diminuição para cada falta, salvo os casos de força maior. 5 Mesmo sendo aprovado nos três meses de estágio, o aluno que não cumprir pelo menos um mês em uma da oito Equipes de Medicina Interna, será reprovado. 6 Alunos com presença menor que 75% dos dias previstos de atividade serão reprovados 7 Conforme Regimento do Internato, falta não justificada implicará em reprovação. (texto incluído por recomendação da COMGRAD)

7 Ficha de Avaliação - MED Estágio em Medicina Interna FORMA ORGINAL: RETIRAR EM Nome do Aluno: ; Faculdade de origem: UFRGS; ATM: Sr. Professor: Atribua a nota final de 0 (zero) a 10 (dez) levando em conta a avaliação dos seguintes itens: I - ATITUDES e PERSONALIDADE: - Cooperativo [ ] - Motivação e Iniciativa [ ] - Aparência Profissional: atitude, asseio e respeito [ ] - Relação com outros membros da equipe [ ] - Relação interpessoal com pacientes [ ] - Assiduidade e pontualidade [ ] II - QUALIDADES COGNITIVAS E HABILIDADES: - Nível de conhecimento teórico [ ] - Capacidade intelectual: questiona, participa, busca em livros, etc [ ] - Raciocínio lógico e organizado; diferencia o importante do supérfluo [ ] - Habilidades em realizar um Exame Clínico [ ] - Procura de diagnósticos diferenciais, raciocínio clínico [ ] - Habilidade em tomar decisões terapêuticas e estabelecer condutas [ ] - Habilidade e interesse na execução de procedimentos diversos [ ] - Preenchimento do prontuário de forma clara e organizada [ ] Equivalência de notas/conceitos NOTA CONCEITO 9.0 a 10 A 8.0 a 8.9 B 7.0 a 7.9 C < 6.9 D (reprovação) Presença < 75% FF PERÍODO(S) DE ESTÁGIO(S): MÊS/ANO ESTÁGIO NOTA (0 a 10) INTERNAÇÃO PROFESSOR EQUIPE (assinatura e carimbo) AMBULATÓRIO MEI (se Estágio MEI) NOTA PROFESSOR AMB (0 a 10) (assinatura e carimbo) VIII OUTRAS INFORMAÇÕES: O quadro a seguir representa as possibilidades de estágios do Internato em Medicina Interna. Nas reuniões para a divisão dos estágios serão obedecidas as seguintes regras: 1. Obrigatoriamente são preenchidas 22 vagas das primeiras 11 linhas. 2. Dos 20 professores do Serviço de MEI do HCPA, alternadamente a cada mês, sempre três ficam sem equipe atuando em outras atividades. 3. Nas especialidades (linhas 12 a 22) podemos escalar até sem consulta prévia. Para um número maior precisamos consultar os respectivos chefes de serviço.

8 UFRGS - FAMED - DMI - Disciplina Estágio em Medicina Interna Possibilidades de Estágios Possibilidades de Estágios no Departamento MEI Vagas Ambulatório de MEI SPA + Zona 16 - HCPA 1 Cardiologia HCPA 4 Consultoria em MEI HCPA 1 Dermatologia HCPA 2 Dermatologia Santa Casa 3 Emergência HCPA* 2 Endocrinologia HCPA 2 Gastroenterologia HCPA 2 Hematologia HCPA 2 Infectologia HCPA 2 Medicina Intensiva CTI HCPA* 1 Medicina Interna HCPA 8 Medicina Interna - Hospital Conceição** 2 Medicina Laboratorial (Patologia Clínica) 2 Medicina Nuclear HCPA 2 Nefrologia HCPA 2 Neurologia HCPA 2 Oncologia HCPA 2 Pneumologia HCPA 2 Radiologia HCPA* 4 Reumatologia HCPA 2 *IMPORTANTE: ESTES ESTÁGIOS NÃO FAZEM PARTE DOS EXIGIDOS NO INTERNATO MEI OU SEJA NÃO É POSSÍVEL PASSAR POR ELES DURANTE O TRIMESTRE DO INTERNATO MEI. Devem ser realizados em regime optativo e solicitados junto aos seus regentes próprios (ver Item III). As demais vagas são coordenadas pelo regente do Internato MEI (Prof. Pedro Schestatsky **ATENÇÃO: Para este estágio (Hospital Conceição) o prazo máximo para a comunicação de uma eventual desistência será na antevéspera das reuniões de divisão do respectivo trimestre (Vide Seção III abaixo). DECISÃO COMISSÃO DE INTERNATO/FAMED n 01/2006 A Comissão de Internato do Curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no uso das suas atribuições: Considerando que a pontualidade é uma qualidade a ser valorizada nos futuros médicos e uma obrigação dos professores; Considerando o grande atraso com que os conceitos são apropriados no Internato; Considerando que em razão do grande número de alunos, uma avaliação feita muito tempo após a conclusão dos estágios perde muito em qualidade; Considerando que os estágios podem e são realizados em diversos locais, inclusive no exterior, e que isso dificulta o processo normal de atribuição de conceitos nos prazos normais, DECIDE

9 1. Os alunos deverão entregar aos professores as Fichas de Avaliação dos seus respectivos estágios. 2. As Fichas de Avaliação deverão ser preenchidas pelos professores/preceptores sempre no último dia dos estágios. 3. Logo após preencher as Fichas de Avaliação, atribuindo uma nota numérica de 0 (zero) a 10 (dez), os professores e/ou preceptores responsáveis pelo estágio, deverão entregar a ficha preenchida ao próprio aluno. 4. O aluno deverá entregar a Ficha de Avaliação, mediante protocolo, no Setor Acadêmico da FAMED, no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis a contar do último dia de cada estágio. a. O prazo acima valerá para os estágios realizados em Porto Alegre. b. Quando o estágio for realizado fora de Porto Alegre e durar mais de um mês, o prazo será contado a partir do término do último mês do estágio fora. 5. Em qualquer hipótese, o atraso de 10 dias na entrega das Fichas de Avaliação, implicará numa redução de 10% (dez por cento) na nota atribuída e entregue com atraso. O atraso maior que dez dias implicará em uma redução de mais 10% (dez por cento) a cada dez dias de atraso. 6. As Fichas entregues com mais de 30 (trinta) dias de atraso não serão recebidas pelo setor Acadêmico e o estágio não será considerado como realizado para todos os fins devendo ser atribuído conceito FF ao aluno. 7. As reduções das notas serão aplicadas pelos regentes das disciplinas de acordo com os registros do protocolo do Setor Acadêmico. 8. Os regentes estarão impedidos de considerar as eventuais justificativas para os atrasos devendo as mesmas serem dirigidas à Comissão de Internato que decidirá sobre as mesmas. 9. Essa Decisão passa a vigorar no dia de hoje e se aplicará aos estágios que estão sendo realizados no corrente mês. Para os estágios realizados em meses anteriores, para as finalidades desta Decisão, será considerado como último dia do estágio o dia 30/06/2006. INCORPORAR ESTAS DECISÕES AO TEXTO Porto Alegre, 08 de junho de Prof. Cláudio Paiva, Coordenador da Comissão de Internato. Regulamento dos Plantões Internato Serviço de Medicina Interna 1. HORÁRIO: O horário dos plantões é das 18:00 às 8:00 horas do dia seguinte (nos dias úteis) e das 8:00 às 8:00 horas do dia seguinte (sábados, domingos e feriados). Na quarta-feira de cinzas o plantão é das 8:00 às 12:00 horas, interrompido das 12:00 às 18:00 e reiniciado das 18:00 horas até às 8:00 da quinta-feira Escala de Plantões: ver Clicar: Alunos/UFRGS è Reg do Internato è Plantões 1.2. Logística dos plantões: n DIAS ÚTEIS - Um doutorando comparecerá à Emergência e os outros dois entrarão em contato com os 2 residentes escalados no plantão médico daquele dia. Cada um dos doutorandos terá um Residente-tutor ao longo de TODO o plantão. Isto será determinado nos primeiros minutos do plantão onde haverá troca número de celulares por parte dos Doutorandos (A e B) e Residentes (1 e 2). Portanto: O Doutorando A acompanhará o Residente 1 O Doutorando B acompanhará o Residente 2 Assim sendo, TODAS as baixas realizadas pelo Doutorando A serão discutidas com o Residente 1 e, em contrapartida, TODAS as intercorrências nas quais o Residente 1 for porventura bipado serão compartilhadas com o Doutorando A.

10 A mesma dinâmica ocorrerá entre o Doutorando "B" e o Residente 2, devendo ser mantida por todo o plantão. MINI-ROUND ÀS 20:00 - Todos residentes e doutorandos do plantão médico se reúnem na Sala da Residência Médica (2o andar) para para discussão de casos e estratégias de abordagem conduzidas por um contratado. A presença de todos é OBRIGATÓRIA (ausências serão notificadas ao regente). n SÁBADOS, DOMINGOS E FERIADOS TODOS OS DOUTORANDOS deverão ir para a Emergência das 8:00 até às 18:00, quando dois irão para o andar (o 2o e 3o da tabela de plantões), tal como nos dias úteis. OBS: No horário das 8:00 às 18:00, a responsabilidade pelos atendimentos é dos médicos das respectivas equipes. Porém, caso estes não forem localizados neste período, os residentes do plantão médico ou do time de resposta rápida serão responsáveis pelo atendimento das intercorrências nos andares. IMPORTANTE: A ausência do doutorando, seja na Emergência ou no andar, implicará em penalidades que vão desde a redução significativa do conceito final até reprovação na Disciplina (ver Plano de Ensino). 2. EQUIPE DO PLANTÃO MÉDICO: Constará de (a) Um Médico Contratado; (b) Três Doutorandos (1 na Emergência e 2 nos andares) e (c) Dois Médicos Residentes R1 (d) Um Médico Residente R1 da Cirurgia. 3. TROCA DE PLANTÃO: Toda e qualquer troca de dias de plantões entre doutorandos deve ser notificada com até 24 horas de antecedência ao regente do Internato de Medicina Interna (Prof. Pedro Schestatsky) através do 4. ACIONAMENTO DO PLANTÃO: 4.1. O Plantão Médico deverá ser acionado através da telefonista (8140) que estará informada sobre o nome dos plantonistas e seus respectivos números de celulares para contato Estarão disponíveis nos Serviços Gerais, com as telefonistas, aparelhos celulares para os plantonistas que não tiverem o seu próprio ou que preferirem usar os do HCPA. 5. ATRIBUIÇÕES DOS PLANTONISTAS (RESIDENTES E DOUTORANDOS): 5.1. Na escala de plantões dos doutorandos sempre haverá três nomes. Dois deverão compor a equipe de plantão da Medicina Interna e um deverá cumprir o plantão na Emergência. O primeiro nome da escala deverá ser o da Emergência e os outros dois irão compor a equipe do plantão médico.

11 5.2. A principal tarefa dos residentes é o atendimento das intercorrências clínicas do andar enquanto a principal função dos doutorandos é fazer o sumário de internação das novas admissões (a história e o exame físico completos são atribuições da equipe assistente que verá o paciente no dia seguinte). O doutorando deve contatar o residente para discutir cada um dos pacientes por ele admitidos. Caso seja necessário, o residente e/ou contratado irá ver o paciente Após às 0h (meia-noite) as duplas farão a divisão de horários até às 8h. É obrigatória a presença de todos os doutorandos no HCPA, das 18:00 às 8:00, independente da escala de horários determinada (Vide Seção 1) A partir das 18:00, ao receberem o chamado para atendimento de intercorrências os residentes deverão pedir à mesma telefonista que avise aos de plantão sobre leito da respectiva intercorrência. Assim, caso o paciente em admissão esteja clinicamente estável, os doutorandos poderão interromper momentaneamente seu atendimento para acompanhar o(s) residente(s) Os Residentes serão responsáveis pela revisão das atividades dos doutorandos e pelas condutas médicas decididas em conjunto Cabe ao Médico Contratado a supervisão dos atendimentos realizados pelos médicos residentes e doutorandos O Médico Contratado deverá comunicar por escrito ao Chefe do Serviço ou ao Regente do Internato, conforme o caso, as faltas aos plantões ou não realização de notas de baixa, dos residentes ou dos doutorandos. 6. DISPOSICÕES GERAIS: 6.1. Deverão ser respeitadas as disposições contidas na OS14/1014 da VPM, ou seja, 6.2. As ligações serão direcionadas pela telefonista, preferencialmente, da seguinte forma: os pacientes em leitos clínicos e psiquiátricos, ao residente da medicina interna. Os pacientes em leitos cirúrgicos (cirurgia e especialidades cirúrgicas, ortopedia, neurocirurgia, otorrino, oftalmo, ginecologia) e CCA ao residente da cirurgia Situações Especiais: Cirurgia Cardíaca: Plantão da Unidade de Cuidados Coronarianos nos casos que não apresentarem gatilhos para TRR. Unidade de Internação Obstétrica: Plantão do Centro Obstétrico, nos casos que não apresentarem gatilhos para TRR Unidades de Convênios: Serão atendidas exatamente da mesma forma que as unidades SUS Não são atribuições do plantão o atendimento de situações ou problemas eletivos e/ou burocráticos como prescrição de laxativos, benzodiazepínicos ou coisas do gênero O plantonista, após avaliação e conclusão de que não há urgência, somente poderá deixar de atuar no caso, deixando a conduta para a equipe responsável, depois de registrar no prontuário a sua avaliação. 6. Ambulatório de Medicina Interna O atendimento no ambulatório de Medicina Interna é realizado diariamente na zona 16, das 12:30 às 16:00h correspondendo a uma carga horária de 17,5 horas semanais. Os pacientes são atendidos por duplas de doutorandos exceto o doutorando fixo. O doutorando que estiver fazendo o estágio mensal no ambulatório de Medicina Interna atenderá sozinho, nas terças, quintas e sextas e com o residente nas segundas e quartas feiras. Os pacientes são marcados em salas específicas para os doutorandos (vide tabela), geralmente em número de 4, sendo uma primeira consulta e 3 reconsultas por dia. Este atendimento é supervisionado pelos professores (Marcello C. Bertoluci e Helena Schmid) e médicos contratados (Luis Carlos Amon, Rafael Selbach Scheffel e Leonardo Pires) do ambulatório. A tabela abaixo mostra a rotina dos doutorandos no ambulatório. Há 2 ambulatórios especializados (o AMA, para pacientes em anti-coagulação oral e o MET para pacientes com diabetes) e um geral (MEI).

12 Dia Sala Tipo de ambulatório Equipe Segunda-feira Anticoagulação (AMA) Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Ambulatório MET Ambulatório MET Doutorando fixo Doutorando fixo + residente Doutorando fixo Doutorando + residente Doutorando fixo + residente Doutorando fixo Doutorando fixo + residente 7. Disposições gerais: 7.1. Deverão ser respeitadas as disposições contidas na CI da VPM, ou seja, As áreas fechadas serão cobertas pelo plantão do CTI, exceto a Unidade de Psiquiatria 4º andar Norte que deverá ser coberta pelo plantão da Medicina Interna As áreas abertas Unidades de Internação Clínica 3º, 4º, 5º, 6º, e 7º andar deverão ter cobertura pelo plantão da Medicina Interna O atendimento primário das intercorrências dos pacientes de andares cirúrgicos é de responsabilidade do plantão da cirurgia. O plantão da Medicina Interna poderá ser acionado pelo cirurgião quando, após a avaliação inicial, o mesmo julgar necessário Não são atribuições do plantão o atendimento de situações ou problemas eletivos e/ou burocráticos como prescrição de laxativos ou benzodiazepínicos O plantonista, após avaliação e conclusão de que não há urgência, somente poderá deixar de atuar no caso, deixando a conduta para a equipe responsável, depois de registrar no prontuário a sua avaliação. Porto Alegre, junho de Prof. Pedro Schestatsky Regente do Internato de Medicina Interna Dep. MEI - FAMED - UFRGS Prof. Renato Seligman Chefe do Serviço de Medicina Interna HCPA FAMED - UFRGS

Sigla: MED01175 C réditos: 45 C arga Horária: 675

Sigla: MED01175 C réditos: 45 C arga Horária: 675 Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Dados de identificação Período Letivo: 2010/2 Professor Responsável: GALTON DE CAMPOS ALBUQUERQUE Disciplina: INTERNATO - MEDICINA INTERNA Sigla:

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA PARACATU MG 2013 SUMÁRIO REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS 2 CAPÍTULO I - DA NATUREZA

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

REGIMENTO DO INTERNATO

REGIMENTO DO INTERNATO REGIMENTO DO INTERNATO Petrolina Março 2012 Universidade Federal do Vale do São Francisco REGIMENTO DO INTERNATO CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 O Internato O internato é o estágio obrigatório em serviços

Leia mais

Programa de Internato Curso de Medicina UFCSPA

Programa de Internato Curso de Medicina UFCSPA Programa de Internato Curso de Medicina UFCSPA AD 2016-2017 Novembro de 2016 1 Comissão de Internato Professor Newton Aerts Professora Júlia Fernanda Semmelmann Pereira-Lima Professor José Mauro Lopes

Leia mais

Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO DA LIGA Art. 2º - A LACCV é composta por discentes do curso de Medicina da FUFMS, docentes e profissionais adjuntos de

Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO DA LIGA Art. 2º - A LACCV é composta por discentes do curso de Medicina da FUFMS, docentes e profissionais adjuntos de Estatuto da Liga Acadêmica de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Faculdade de Medicina Dr. Hélio Mandetta Capítulo 1 DA LIGA E SEUS AFINS Art.

Leia mais

PROGRAMA PEDAGÓGICO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA

PROGRAMA PEDAGÓGICO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA PROGRAMA PEDAGÓGICO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CLÍNICA MÉDICA 1- IDENTIFICAÇÃO 1.1- Hospital: Rubens de Souza Bento Hospital Geral de Roraima. 1.2- Entidade Mantenedora: Secretaria

Leia mais

Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna. Manual de Pós-Graduação

Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna. Manual de Pós-Graduação Pós graduação Lato Sensu Curso de especialização em medicina interna Manual de Pós-Graduação CARACTERIZAÇÃO DO CURSO Desde 2014 INSTITUIÇÕES Instituto ID Or- Hospital Quinta D Or (HQD) ENDEREÇO HOSPITAL

Leia mais

H x D O Av. Brigadeiro Lima e Silva, 821 Jardim Vinte e Cinco de Agosto Duque de Caxias Rio de Janeiro.

H x D O Av. Brigadeiro Lima e Silva, 821 Jardim Vinte e Cinco de Agosto Duque de Caxias Rio de Janeiro. - 2015 D O q ( DOR) H x D O (H XD) H x D O Av. Brigadeiro Lima e Silva, 821 Jardim Vinte e Cinco de Agosto Duque de Caxias Rio de Janeiro. Medicina Medicina Interna 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DO CURSO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA 2014

ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA 2014 ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA 2014 Coordenação Titular: Prof. Dr. Milton Arruda Martins Coordenação: Prof. Dr. Milton Arruda Martins Dra. Lígia Fidelis Ivanovic Coordenação

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED Modelo implantado a partir das mudanças determinadas com a aprovação das Diretrizes Curriculares do Curso Medico do MEC em 2001. COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar JUSTIFICATIVA A Promoção de saúde só será completa

Leia mais

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista Residência Médica A Residência Médica foi instituída no Brasil pela Lei nº. 6.932 de 07 de julho de 1981 e regulamentada pelo Decreto nº. 80.281, de 05 de setembro de 1977. Equivalência da Residência Médica

Leia mais

I - DO CONCEITO DO INTERNATO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA, DE SUA LOCALIZAÇÃO, DA SUA DURAÇÃO E DE SUA ORGANIZAÇÃO.

I - DO CONCEITO DO INTERNATO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA, DE SUA LOCALIZAÇÃO, DA SUA DURAÇÃO E DE SUA ORGANIZAÇÃO. RESOLUÇÃO NORMATIVA N 20/CGRAD, de 14 de março de 2014. Ementa: Estabelecer Normas pra realização do internato do Curso de Graduação em Medicina. Esta Resolução passa a vigorar a partir do 2º semestre

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

INSCRIÇÕES DAS PRÁTICAS CURRICULARES EM PSICOLOGIA NO INSTITUTO INTEGRADO DE SAÚDE. Edital Nº 10/2016/1

INSCRIÇÕES DAS PRÁTICAS CURRICULARES EM PSICOLOGIA NO INSTITUTO INTEGRADO DE SAÚDE. Edital Nº 10/2016/1 INSCRIÇÕES DAS PRÁTICAS CURRICULARES EM PSICOLOGIA NO INSTITUTO INTEGRADO DE SAÚDE Edital Nº 10/2016/1 A FACULDADE DA SERRA GAÚCHA - FSG, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto no Regulamento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Página 1 de 17 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.666/2003, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCADORA SÃO CARLOS HOSPITAL MÃE DE DEUS EDITAL DE CONCURSO PARA CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA

ASSOCIAÇÃO EDUCADORA SÃO CARLOS HOSPITAL MÃE DE DEUS EDITAL DE CONCURSO PARA CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ASSOCIAÇÃO EDUCADORA SÃO CARLOS HOSPITAL MÃE DE DEUS EDITAL DE CONCURSO PARA CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA 1. INTRODUÇÃO A Comissão de Ensino do Curso de Especialização em Cardiologia do Hospital

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº /2010 Altera a estrutura curricular do Curso de Graduação em Medicina, do Centro

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II CURSO DE ADMINISTRAÇÃO - NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC I e II Santa Maria, RS, Brasil 2015 Conforme Processo Nº 253/2015, aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INFORMAÇÕES GERAIS 1 - A Residência em Medicina constitui modalidade de ensino de pós-graduação, destinada

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS

REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS REGULAMENTO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS ÍNDICE CAP I CAP II DAS FINALIDADES E PRINCÍPIOS GERAIS DA ORGANIZAÇÃO GERAL Programas de treinamento CAP III DA COMISSÃO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015

FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015 FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015 O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS (PPGCM) da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO

REGULAMENTO DO INTERNATO REGULAMENTO DO INTERNATO Aprovado em CEPE e CAS Processo 043/2013 Parecer 043/2013 de 21/11/2013 Capítulo I Caracterização do Internato Art. 1º - O Internato caracteriza-se por estágio curricular obrigatório

Leia mais

residência residência médica em cancerologia

residência residência médica em cancerologia residência residência médica em cancerologia CADERNO DO CURSO Reprodução autorizada pelo autor somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino, não sendo autorizada sua reprodução para quaisquer

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PROCESSO-CONSULTA - Protocolo CREMEC nº 9287/10 INTERESSADO Dr. Franklin Veríssimo Oliveira CREMEC 10920 ASSUNTO Responsabilidade de médico plantonista e do chefe de

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo

Leia mais

Regulamento do Internato Médico

Regulamento do Internato Médico Regulamento do Internato Médico TÍTULO I DO CONCEITO DO INTERNATO MÉDICO, DA SUA LOCALIZAÇÃO, DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO. Art. 1º Entende-se por Internato Médico o estágio curricular obrigatório de treinamento

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL Portaria Famerp 003, de 09-01-2015 O Diretor Geral em Exercício da Faculdade de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Artigo 1 o.- A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) através da Faculdade de Medicina e do Hospital de Clínicas, manterá

Leia mais

Programa de Internato Curso de Medicina UFCSPA

Programa de Internato Curso de Medicina UFCSPA Programa de Internato Curso de Medicina UFCSPA AD 2015-2016 Novembro de 2015 1 Comissão de Internato Professor João Carlos Goldani Professor Newton Aerts Professor José Mauro Lopes Professora Carolina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório (Internato)

Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório (Internato) Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório (Internato) 6.ª Edição 2014 Versão Impressa / on-line www.uss.br Prof. Marco Antonio Vaz Capute Presidente da FUSVE Prof. Dr. Marco Antonio Soares de Souza

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 752, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003.

Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 752, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003. Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 752, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003. Reconhece e regulamenta a Residência Médico-Veterinária,

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO ESTAGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHAREL EM ENFERMAGEM 2014 O Estágio Supervisionado é um componente curricular obrigatório. O estágio supervisionado obrigatório será desenvolvido

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 12/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do

Leia mais

Orientações para Preenchimento do Plano de Ensino

Orientações para Preenchimento do Plano de Ensino Orientações para Preenchimento do Plano de Ensino Este documento tem como objetivo orientar os docentes da UFCSPA na elaboração do Plano de Ensino de disciplinas no formato adequado ao Sistema de Registro

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 *****

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Ementa: Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM n.º 1.634/2002, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

2 LOCAIS/ ÁREA/ VAGAS/ PERÍODO/ REQUISITOS/ ATIVIDADES

2 LOCAIS/ ÁREA/ VAGAS/ PERÍODO/ REQUISITOS/ ATIVIDADES EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL, NOS SEGUINTES LOCAIS: HOSPITAL GERAL (HG), AMBULATÓRIO CENTRAL (AMCE), INSTITUTO DE MEDICINA

Leia mais

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades:

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Vagas e requisitos Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Áreas/Especialidades Vagas Pré-Requisitos Análises Clínicas (Biologia) 01 a) Formação Superior Completa

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER

LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER INDIVIDUAL FAMILIAR OPERADORA Plano de Assistência Médica Mineira Ltda PLAM Inscrição na Agência Nacional de Saúde ANS nº 38.228-1 OPERADORA - Plano de Assistência Médica

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL

EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL EDITAL PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE ALUNOS A PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM MEDICINA FETAL 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO... 3 3. PRÉ-REQUISITOS... 4 4. INSCRIÇÃO... 4 5.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre convênio de reconhecimento de especialidades médicas firmado entre o Conselho Federal de Medicina CFM, a Associação

Leia mais

EDITAL DO CONCURSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO AVANÇADO EM PNEUMOLOGIA 2015/1

EDITAL DO CONCURSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO AVANÇADO EM PNEUMOLOGIA 2015/1 EDITAL DO CONCURSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO AVANÇADO EM PNEUMOLOGIA 2015/1 HOSPITAL GERAL DE GOIÂNIA Diretoria Ensino e Pesquisa PROGRAMA DE TREINAMENTO AVANÇADO EM PNEUMOLOGIA EDITAL

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CANCEROLOGIA Ato de Oficialização: Ata de 21/12/1981 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES

PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL TITO BIANCHINI PAMTB SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE LAGES EDITAL DE Nº 01/2015 DO PROCESSO SELETIVO PARA SERVIÇO VOLUNTÁRIO EXTRACURRICULAR SUPERVISIONADO DE ACADÊMICOS DE

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA ARAGUARI MG 2012 REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE Indicadores de cobertura NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE 1. Conceituação x Número médio de consultas médicas apresentadas no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO PARÁ - ACEPA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ - CESUPA PROCESSO SELETIVO PARA O GRUPO DE PESQUISA DA CLÍNICA JURÍDICA DE DIREITOS HUMANOS EDITAL Nº 001/2015 1.

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

Associação Recifense de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Humanas ESUDA Centro de Treinamento Especializado - CETE

Associação Recifense de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Humanas ESUDA Centro de Treinamento Especializado - CETE Associação Recifense de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Humanas ESUDA Centro de Treinamento Especializado - CETE I N F O R M A T I V O PSICOLOGIA 2015 / 1º Prezado(a) aluno(a), Bem-vindo ao CETE

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA Hospital Regional de Cotia Seconci SP OSS COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA CAPÍTULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1 0. A COREME - Comissão de Residência Médica

Leia mais

Regulamento do Internato Médico do Curso de Graduação em Medicina

Regulamento do Internato Médico do Curso de Graduação em Medicina PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MEDICINA Regulamento do Internato Médico do Curso de Graduação em Medicina Capítulo I Da Caracterização do Internato Médico Art. 1º - Entende-se

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO CFM Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, n. 81, 29 abr.2002. Seção 1, p. 265-66 Alterada pela Resolução CFM nº 1666/03 (Anexo II) O CONSELHO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 802 Médico Alergia e

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 1/2014-EBSERH/HUSM-UFSM ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2014. RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 Médico Alergia

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC OU ATIVIDADE EQUIVALENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC OU ATIVIDADE EQUIVALENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC OU ATIVIDADE EQUIVALENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 004 Médico - Alergia e Imunologia

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DA COMPUTAÇÃO RIO DE JANEIRO

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DA COMPUTAÇÃO RIO DE JANEIRO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DA COMPUTAÇÃO RIO DE JANEIRO 2015 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DA COMPUTAÇÃO - UComp

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO

REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO REGULAMENTO PARA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA ESTRANGEIRO DE BACHAREL EM NUTRIÇÃO A Comissão de Graduação em Nutrição (COMGRAD-NUT) da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no uso

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DAS FINALIDADES Artigo 1º - O estágio curricular obrigatório do curso de graduação em Medicina Veterinária é

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA A Monografia Final consiste em pesquisa individual orientada, em qualquer área do conhecimento no âmbito do Curso de Graduação, constituindo atividade

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais