Sigla: MED01175 C réditos: 45 C arga Horária: 675

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sigla: MED01175 C réditos: 45 C arga Horária: 675"

Transcrição

1 Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Dados de identificação Período Letivo: 2010/2 Professor Responsável: GALTON DE CAMPOS ALBUQUERQUE Disciplina: INTERNATO - MEDICINA INTERNA Sigla: MED01175 C réditos: 45 C arga Horária: 675 Situação do plano: Plano de Ensino Atual Súmula Terapêutica das síndromes e doenças clínicas mais prevalentes. Estágio prático em C línica Médica e especialidades optativa para acompanhamento de pacientes internados e ambulatoriais, sob supervisão. Currículos Currículos Etapa Aconselhada Natureza MEDIC INA - (242.00) 11 Obrigatória MEDIC INA 11 Obrigatória Objetivos Os objetivos do internato são aqueles definidos no Manual do Internato do MEC, a saber: a) representar a última etapa da formação escolar do médico geral, com capacidade de resolver, ou bem encaminhar, os problemas de saúde da população a que vai servir; b) oferecer oportunidades para ampliar, integrar e aplicar os conhecimentos adquiridos nos ciclos anteriores do curso de graduação; c) permitir melhor adestramento em técnicas e habilidades indispensáveis ao exercício de atos médicos básicos; d) promover o aperfeiçoamento, ou a aquisição, de atitudes adequadas à assistência aos pacientes; e) possibilitar a prática da assistência integrada, pelo estímulo dos diversos profissionais da equipe de saúde; f) permitir experiências em atividades resultantes da interação escola médica-comunidade, pela participação em trabalhos extra-hospitalares,. ou de campo; g) estimular o interesse pela promoção e preservação da saúde e pela prevenção das doenças; h) desenvolver a consciência das limitações, responsabilidades e deveres éticos do médico, perante o paciente, a instituição e a comunidade; i) desenvolver a idéia da necessidade de aperfeiçoamento profissional continuado. Conteúdo Programático Semana Título 1 a 4 Conteúdo Programático Conteúdo Conteúdos, Habilidades e Atitudes a serem desenvolvidas: No final da disciplina o aluno deverá ser capaz de diagnosticar e resolver, ou bem encaminhar, os principais problemas de saúde da especialidade. Deverá ter desenvolvido as habilidades para executar os procedimentos diagnósticos, terapêuticos e preventivos básicos da especialidade. Deverá atuar dentro dos princípios éticos da medicina. Conteúdos Programáticos das Aulas Teóricas: O conteúdo programático das aulas teóricas é variável de mês a mês, seguindo os Programas de Residência Médica de cada um dos serviços onde a disciplina é https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 1/7

2 desenvolvida. Metodologia Professores: 1. Permanentes: Prof. Alberto Rosa Profa. Beatriz Seligman Prof. Galton Albuquerque Prof. Jeronimo Zanonato Prof. Marcello Bertoluci Prof. Matias Kronfeld Prof. Nei Gulcó Prof. Paulo Picon Prof. Renato Seligman Profa. Sandra Wajnberg Profa. Tânia Furlanetto 2. Eventuais: Profs. do CTI Clínico-Cirúrgico do HCPA Profs. do Serviço de Cardiologia do HCPA Profs. do Serviço de Dermatologia da ISCM Profs. do Serviço de Dermatologia do HCPA Profs. do Serviço de Endocrinologia do HCPA Profs. do Serviço de Gastroenterologia do HCPA Profs. do Serviço de Hematologia do HCPA Profs. do Serviço de Infectologia do HCPA Profs. do Serviço de Nefrologia do HCPA Profs. do Serviço de Neurologia do HCPA Profs. do Serviço de Oncologia do HCPA Profs. do Serviço de Pneumologia do HCPA Profs. do Serviço de Reumatologia do HCPA A - Divisão dos Estágios: Pelo menos um mês do Internato obrigatório em Medicina Interna deverá ser cumprido em uma equipe de Medicina Interna do HCPA. As opções de estágios são as seguintes: a Equipes de Medicina Interna do HCPA 16 Vagas As Equipes são constituídas de um (1) professor do Serviço de Medicina Interna do HC PA, dois (2) residentes, sendo um R1 e um R2 ou R3 e dois (2) doutorandos. As equipes tem sempre sob sua responsabilidade o atendimento, em média, de doze (12) pacientes com problemas gerais e de dois (2) pacientes com SIDA. O atendimento é realizado diretamente pelos residentes das equipes sob supervisão dos professores. Os doutorandos tem responsabilidade variável de acordo com suas competências e todas suas ações são supervisionadas diretamente pelos médicos residentes. Diariamente, de segunda a sexta-feira, os professores reúnem-se com os residentes e doutorandos de sua equipe para discutirem os casos e para as visitas aos leitos. Uma vez por semana, nas quintas-feiras, às 11 horas, todas as equipes participam da Reunião do Serviço de Medicina Interna. Nestas reuniões, sempre são apresentados casos para discussão com todo o grupo. A responsabilidade pela escolha do caso é de uma equipe a cada semana. Uma vez por semana, nas terça-feiras, são realizadas reuniões sobre interpretação de eletrocardiograma. Uma vez por semana, nas segunda-feiras, os residentes e doutorandos tem aulas teóricas de temas gerais de Medicina Interna. Durante o estágio nas equipes de Medicina Interna, os doutorandos ficam responsáveis pelo atendimento de duas agendas semanais nos ambulatórios do HC PA. Uma das agendas é no Serviço de Pronto Atendimento, no turno da manhã, sob supervisão constante de uma professora e de médicos contratados do HCPA. A outra agenda, também sob supervisão de um professor e de médicos contratados, é atendida no Ambulatório de Medicina Interna na Zona 16 do HCPA. Além da assistência aos pacientes de suas equipes, os residentes e doutorandos, durante os plantões, atendem as intercorrências e realizam as internações que ocorrem no horário das 18 às 8 nos dias úteis e nas 24 horas dos sábados, domingos e feriados. Sempre três (3) doutorandos estão de plantão. b Consultoria de Medicina Interna do HCPA 01 Vaga A Equipe de Consultoria é constituída de um professor, um médico contratado do HCPA, dois residentes e um doutorando. Sua responsabilidade é o atendimento de todas as avaliações clínicas solicitadas pelos outros serviços do HCPA. A equipe avalia e acompanha os casos com necessidade de intervenção clínica e, duas vezes por semana, atende ao ambulatório de avaliação pré-operatória do HCPA. c Ambulatório de Medicina Interna do HCPA 01 Vaga Neste estágio o doutorando atende exclusivamente a pacientes ambulatoriais. Durante todas as manhãs atende no Serviço de Pronto Atendimento do HCPA e, à tarde, no Ambulatório de Medicina Interna da Zona 16 do HC PA. Em ambos os ambulatórios o atendimento é realizado sob supervisão de um professor e de médicos contratados do HCPA. d Serviço de Medicina Interna do Hospital Conceição 04 Vagas e Serviços de sub-especialidades da Medicina Interna do HCPA e Dermatologia da Santa Casa 27 Vagas Divisão e critério de escolha dos estágios: Trimestralmente, em reuniões previamente agendadas, os alunos escolherão seus estágios em 2 (duas) rodadas, uma para cada um dos estágios. O mês obrigatório em Equipes de Medicina Interna será definido antecipadamente pelo Regente. Nas 2 (duas) rodadas, a ordem de escolha será pelo ordenamento de https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 2/7

3 matrícula conforme informado pela C OMGRAD. O aluno primeiro classificado no ordenamento escolherá em primeiro lugar, o segundo classificado escolherá em segundo lugar e assim sucessivamente. Na primeira rodada os alunos poderão escolher qualquer uma das vagas disponíveis em qualquer um dos meses. Não será obrigatória a escolha mês a mês, isto é, ao escolher, o aluno poderá optar na primeira rodada pela escolha de um estágio em qualquer um dos 3 (três) meses do seu período obrigatório. Entretanto, em cada uma das rodadas, sempre a ordem de escolha será a do ordenamento de matrícula. C ada estágio coincidirá com o mês do calendário, não poderá ser repetido e, obrigatóriamente, pelo menos durante um mês deverá ser cumprido nas Equipes de Medicina Interna do HCPA. Como em um dos três meses será obrigatório o estágio em uma equipe de Medicina Interna, os alunos serão distribuidos previa e aleatoriamente para o período obrigatório na MEI. Nas reuniões trimestrais de divisão dos estágios, os alunos NÃO escolherão quando passarão pelas Equipes de Medicina Interna, mas depois escolherão em qual equipe deverão passar. A escolha das Equipes serão realizadas mensalmente depois de o Serviço de Medicina Interna do HC PA divulgar a composição das mesmas. Nestas reuniões a ordem de escolha será, também, a do ordenamento de matrícula. As 22 vagas acima referidas (16 em equipes de MI do HCPA, 4 em equipes de Medicina Interna do Hospital C onceição, 1 no ambulatório e 1 na consultoria) deverão ser sempre obrigatóriamente preenchidas. Isto significa que os últimos a escolherem deverão obrigatóriamente optar por uma das vagas de preenchimento obrigatório se elas ainda não tiverem sido escolhidas. A opção por estágios em subespecialidades da Medicina Interna (cardiologia, pneumologia, nefrologia, endocrinologia, gastroenterologia, reumatologia, dermatologia, oncologia e hematologia) será permitida somente para os primeiros a escolherem ou se as vagas de preenchimento obrigatório tiverem sido completadas. Durante o estágio obrigatório é vedada a opção por especialidades que embora sendo do Departamento não sejam subespecialidades de MI (radiologia, medicina nuclear, genética, patologia clínica) ou tenham período próprio de internato (CTI e Emergência). O Internato opcional em Medicina Interna poderá ser cumprido em qualquer umas das vagas acima referidas ou em qualquer um dos Serviços de Especialidades Clínicas do HCPA ou da Santa Casa, quando o aluno optar por realizá-lo em nosso Departamento. Terão prioridade para o preenchimento das vagas os alunos que solicitarem antes e o prazo para a escolha das vagas é até a antevéspera do dia da divisão do Internato Obrigatório. Depois da divisão do Internato Obrigatório, as vagas restantes serão distribuidas para os alunos de outras faculdades. Para o estágio opcional são oferecidas até 50% das vagas, isto é: a Equipes de Medicina Interna 8 vagas b CTI Clínico-cirúrgico 02 Vagas No C TI do HC PA os pacientes são acompanhados por quatro equipes assistencias formadas por um professor, dois residentes (R2 ou R3) e um doutorando. O funcionamento das equipes é semelhante ao das equipes de Medicina Interna. A diferença está na gravidade dos pacientes, nos recursos assistenciais disponíveis e na interação destas equipes com a equipe originalmente responsável pelo atendimento dos pacientes que lá internam. c Serviços Especializados do HCPA e Santa Casa 15 Vagas O funcionamento e a estrutura básica dos estágios nos serviços especializados é semelhante ao que foi descrito para as equipes de Medicina Interna. As variações dependem de características próprias de cada especialidade. Por exemplo, nos serviços de Gastroenterologia e Pneumologia, além do atendimento aos pacientes internados e dos ambulatórios, os doutorandos acompanham a realização de endoscopias. Em outros, como no Serviço de Dermatologia, o atendimento é basicamente ambulatorial. Na internação atendem principalmente a consultorias. Na C ardiologia acompanham a realização de métodos não invasivos e de estudos hemodinâmicos. Na Radiologia, os doutorandos acompanham a realização dos exames com os técnicos e os professores radiologistas na interpretação. Em cada um dos serviços especializados (cardiologia, dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, hematologia, nefrologia, neurologia, oncologia, pneumologia, reumatologia estão disponíveis duas vagas para doutorandos integrarem-se ao atendimento. Quando mais de dois doutorandos optarem ou desejarem estagiar na mesma especialidade, o chefe do serviço precisará ser consultado sobre a possibilidade de aceitar mais de dois doutorandos simultâneamente. A escala de plantões do Serviço de Medicina Interna é única para todos os doutorandos do Estágio Obrigatório, exceto para os quatro que estarão no Hospital C onceição. Os doutorandos do opcional somente serão incluidos na escala quando estagiarem nas equipes de Medicina Interna do HCPA. Os plantões serão das 18 às 8 horas do dia seguinte nos dias úteis e das 8 às 8 horas nos sábados, domingos e feriados. Das 8 às 18 horas os plantões serão cumpridos no Serviço de Emergência do HCPA e das 18 às 8 horas, dois doutorandos cumprirão os plantões na Internação e um na Emergência. Os doutorandos poderão decidir entre si qual será a distribuição. Não havendo consenso, o primeiro nome da escala deverá ir para a Emergência e os demais para a Internação. A falta a plantões será considerada falta grave e será punida com diminuição do Conceito Final. Os alunos deverão tomar conhecimento e respeitar o Regulamento dos Plantões, anexo a este documento. B Procedimentos didáticos: a - discussões clínicas diárias (pequenos grupos); b - discussões clínicas semanais (Reunião do Serviço); c - aulas teóricas (1 / semana) d - interpretação de eletrocardiogramas (1 / semana) e - Grand Rounds ( 1 / semana) f - discussão clínico-radiológica (1 / semana) g - sessão anátomo-clínica (1 / mês) https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 3/7

4 Carga Horária Teórica: 45 horas Prática: 855 horas Experiências de Aprendizagem Treinamento em serviço Critérios de Avaliação Os alunos serão avaliados por pelo menos três professores, sendo um em cada estágio. A avaliação é baseada em qualidades cognitivas, atitudes e personalidade, conforme ficha em anexo. Os doutorandos também serão avaliados pelos preceptores dos ambulatórios do SPA e da Zona 16. Os professores emitirão notas de 0 (zero) a 10 (dez) e a Nota Final será obtida pela média aritmética das notas de cada mês. A cada mês, dependendo do estágio, os alunos poderão ser avaliados por mais de um professor, por exemplo, no estágio do Ambulatório terão duas notas, uma do professor do SPA, outra do professor da Zona 16. Nos estágios em Equipes de Medicina Interna, os alunos serão avaliados apenas pelo professor responsável pela equipe mas as notas nos ambulatórios serão computadas no conceito final. A nota mínima para aprovação em cada mês será 7 (sete) e quando o aluno for reprovado em um único mês, mesmo que este seja o último mês do estágio, será reprovado na disciplina como um todo e terá que repetir os três meses para obter aprovação. A Nota Média Final será convertida em Conceito Final de acordo com as seguintes equivalências: A de 9,1 a 10 B de 8,1 a 9,0 C de 7,0 a 8,0 D menor que 7,0 (reprovação) FF reprovação por faltas UFRGS FAMED - DMI Ficha de Avaliação - MED Estágio em Medicina Interna Nome do Aluno: Estágio: Período de Observação: Professor: Sr. Professor: Atribua a nota final de 0 (zero) a 10 (dez) levando em conta a avaliação dos seguintes itens: I - ATITUDES e PERSONALIDADE: - Cooperativo - Motivação e Iniciativa - Aparência Profissional: atitude, asseio e respeito - Relação com outros membros da equipe - Relação interpessoal com pacientes - Assiduidade e pontualidade II - QUALIDADES COGNITIVAS E HABILIDADES: - Nível de conhecimento teórico - Capacidade intelectual: questiona, participa, busca em livros, etc - Raciocínio lógico e organizado; diferencia o importante do supérfluo. - Habilidades em realizar um Exame Clínico - Procura de diagnósticos diferenciais, raciocínio clínico. - Habilidade em tomar decisões terapêuticas e estabelecer condutas - Habilidade e interesse na execução de procedimentos diversos - Preenchimento do prontuário de forma clara e organizada Nota final do estágio: ( ) Obs: a nota mínima de aprovação é igual a 7 (sete). Observações: A presente Ficha não tem valor como comprovante nem como C ertificado do estágio. É um documento de uso interno do DMI/UFRGS. Deverá ser entregue no Setor Acadêmico pelo próprio aluno após o preenchimento pelo professor acima designado. O C onceito Final será emitido pelo regente levando em conta outros itens de avaliação além desta ficha. Um atraso superior a dez dias na entrega desta, a contar do último dia do estágio, implicará na redução do conceito final. Porto Alegre, de de 2010 https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 4/7

5 Prof. Responsável Regente da Disciplina Atividades de Recuperação Previstas Havendo reprovação em um dos estágios, o aluno será reprovado em toda a disciplina devendo repetir os três meses de estágio. A C omissão de Internato da FAMED, por justificação do aluno, poderá autorizar a recuperação somente do estágio em que houve reprovação. Neste caso, se o aluno for aprovado na recuperação, terá como nota final o Conceito "C". Quando a reprovação for por faltas justificadas o aluno poderá repetir somente o estágio em que faltou. Bibliografia Básica Essencial Fauci AS, Braunwald E, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL, Loscauzo J - Harrison's Principles of Internal Medicine, 17th Edition - Editora McGraw-Hill (ISBN: ) Lee Goldman, MD ; Dennis Ausiello, MD - C ecil Medicine - Editora Saunders (ISBN: ) Básica ELVINO BARROS - C linica Médica, C onsulta Rápida - Editora Artmed (ISBN: X) Complementar Sem bibliografias acrescentadas Outras Referências Título Texto Regulamento dos Plantões do Serviço de Medicina Interna do HC PA 1. Horário: o horário dos plantões é das 18:00 às 8:00 horas do dia seguinte nos dias úteis e das 8:00 às 8:00 horas do dia seguinte nos sábados, domingos e feriados. A única exceção é a quarta-feira de cinzas por ser ponto facultativo no turno da manhã. Nas quartas-feiras de cinzas o plantão inicia das 8:00 às 12:00 horas, é interrompido das 12:00 às 18:00 e reinicia às 18:00 horas, terminando às 8:00 da quinta-feira. No dias úteis, no horário das 8:00 às 18:00 a responsabilidade primária pelos atendimentos é dos médicos das respectivas equipes. Porém, neste horário, os residentes que iniciarão o plantão às 18:00 horas, serão responsáveis pelo atendimento das das urgências e intercorrências quando os membros das equipes não forem localizados. 2. Equipe de Plantão: 1. Um Médico C ontratado 2. Três Doutorandos 3. Dois Médicos Residentes R1 3. Funções do Plantão: O Plantão do Serviço de Medicina Interna tem como objetivo atender primariamente as internações, as urgências e as intercorrências clínicas das unidades clínicas do HC PA, independentemente do caráter da internação (SUS ou privado ou convênios). 4. Acionamento do Plantão: O Plantão da Medicina Interna deverá ser acionado através da telefonista (8140) que estará informada das escalas de plantões e dos respectivos números de celulares para contato Todos os plantonistas deverão ligar para a telefonista (8140) no início do plantão e informar seu nome, cargo (doutorando, residente, contratado) e número do celular. Estarão disponíveis nos Serviços Gerais, com as telefonistas, aparelhos celulares para os plantonistas que não tiverem o seu próprio ou que preferirem usar os do HCPA. 5. Atribuições dos Plantonistas da Medicina Interna: 5.1. Na escala de plantões dos doutorandos sempre haverá três nomes. Dois deverão compor a equipe de plantão da Medicina Interna e um deverá cumprir o plantão na Emergência. Não havendo consenso quanto à distribuição dos doutorandos, o primeiro nome da escala deverá ser o da Emergência Os https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 5/7

6 Regulamento dos Plantões do Serviço de Medicina Interna do HCPA Possibilidades de Estágios (Vagas existentes) DECISÃO n 01/2006 da COMISSÃO DE INTERNATO/FAMED doutorandos serão os responsáveis pelo primeiro atendimento de todos os chamados, independentemente se os casos forem de novas admissões ou de intercorrências os pacientes admitidos durante o plantão deverão ser avaliados, prescritos e discutidos com os residentes/contratado a história e exame físico completo é atribuição da equipe assistente. Aos doutorandos caberá registrar no prontuário um sumário de internação com um resumo do caso os casos de intercorrências clínicas serão avaliados pelos doutorandos e as condutas serão decididas em conjunto com pelo menos um dos residentes respeitadas as qualificações individuais necessárias, todos os procedimentos deverão ser primariamente responsabilidade dos doutorandos que os executarão sob supervisão Os Residentes serão responsáveis pela revisão das atividades dos doutorandos e pelas condutas médicas decididas após tomarem conhecimento dos casos C abe ao Médico C ontratado a supervisão dos atendimentos realizados pelos médicos residentes e doutorandos O médico contratado deverá comunicar por escrito ao Chefe do Serviço ou ao Regente do Internato, conforme o caso, as faltas aos plantões, respectivamente, dos residentes ou dos doutorandos. 6. Disposições gerais: 6.1. Deverão ser respeitadas as disposições contidas na CI da VPM, ou seja, As áreas fechadas serão cobertas pelo plantão do CTI, exceto a Unidade de Psiquiatria 4º andar Norte que deverá ser coberta pelo plantão da Medicina Interna As áreas abertas Unidades de Internação Clínica 3º, 4º, 5º, 6º, e 7º andar deverão ter cobertura pelo plantão da Medicina Interna O atendimento primário das intercorrências dos pacientes de andares cirúrgicos é de responsabilidade do plantão da cirurgia. O plantão da Medicina Interna poderá ser acionado pelo cirurgião quando, após a avaliação inicial, o mesmo julgar necessário Não são atribuições do plantão o atendimento de situações ou problemas eletivos e/ou burocráticos como prescrição de laxativos ou benzodiazepínicos o plantonista, após avaliação e conclusão de que não há urgência, somente poderá deixar de atuar no caso, deixando a conduta para a equipe responsável, depois de registrar no prontuário a sua avaliação. Porto Alegre, 29 de agosto de Prof. Galton de C. Albuquerque Regente do Internato em M. Interna Departamento de M. Interna FAMED - UFRGS Profa. Beatriz Seligman C hefe do Serviço de M. Interna HCPA UFRGS - FAMED - DMI - Disciplina Estágio em Medicina Interna Possibilidades de Estágios Estágio 1. Equipe Equipe Equipe Equipe Equipe Equipe Equipe Equipe Ambulatório de MI SPA + Zona Consultoria de MI Equipes Hospital Conceição Cardiologia HCPA Dermatologia HCPA Endocrinologia HCPA Gastroenterologia HCPA Hematologia HCPA Nefrologia HCPA Neurologia HCPA Oncologia HCPA Pneumologia HCPA Reumatologia HCPA Dermatologia Santa Casa DECISÃO COMISSÃO DE INTERNATO/FAMED n 01/2006 A Comissão de Internato do Curso de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no uso das suas atribuições: C onsiderando que a pontualidade é uma qualidade a ser valorizada nos futuros médicos e uma obrigação dos professores; C onsiderando o grande atraso com que os conceitos são apropriados no Internato; C onsiderando que em razão do grande número de alunos, uma avaliação feita muito tempo após a conclusão dos estágios perde muito em qualidade; C onsiderando que os estágios podem e são realizados em diversos locais, inclusive no exterior, e que isso dificulta o processo normal de atribuição de conceitos nos prazos normais, DEC IDE 1. Os alunos deverão entregar aos professores as Fichas de Avaliação dos seus respectivos estágios. 2. As Fichas de Avaliação deverão ser preenchidas pelos professores/preceptores sempre no último dia dos estágios. 3. Logo após preencher as Fichas de Avaliação, atribuindo uma nota numérica de 0 (zero) a 10 (dez), os professores e/ou preceptores responsáveis pelo estágio, deverão entregar a ficha preenchida ao próprio aluno. 4. O aluno deverá entregar a Ficha de Avaliação, mediante protocolo, no Setor Acadêmico da FAMED, no prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis a contar do último dia de cada estágio. a. O prazo acima valerá para os estágios realizados em Porto Alegre. b. Quando o estágio for realizado fora de Porto Alegre e durar mais de um mês, o prazo será contado a partir do término do último mês do estágio fora. 5. Em qualquer hipótese, o atraso de 10 dias na entrega das Fichas de Avaliação, implicará numa redução de 10% (dez por cento) na nota atribuída e entregue com atraso. O atraso maior que dez dias implicará em uma redução de mais 10% (dez por cento) a cada dez dias de atraso. 6. As Fichas entregues com mais de 30 (trinta) dias de atraso não serão recebidas pelo setor Acadêmico e o estágio não será considerado como realizado para todos os fins devendo ser atribuído conceito FF ao aluno. 7. As reduções das notas serão aplicadas pelos regentes das disciplinas de acordo com os registros do protocolo do Setor Acadêmico. 8. Os regentes estarão impedidos de considerar as eventuais justificativas para os atrasos devendo as mesmas serem dirigidas à C omissão de Internato que decidirá sobre as mesmas. 9. Essa Decisão passa a vigorar no dia de hoje e se aplicará aos estágios que estão sendo realizados no corrente mês. Para os estágios realizados em meses anteriores, para as finalidades desta Decisão, será considerado como último dia do estágio o dia 30/06/2006. Porto Alegre, 08 de junho de Prof. Cláudio Paiva, Coordenador da C omissão de Internato. https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 6/7

7 Observações Nenhuma observação incluída. https://www1.ufrgs.br/graduacao/xinformacoesdepartamento/listaplanos/visao/visualizar.php?codatividade=4387&periodoletivo= &periodofiltro= 7/7

UFRGS Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Internato em Medicina Interna

UFRGS Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Internato em Medicina Interna UFRGS Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Interna Internato em Medicina Interna I Identificação da Disciplina: Título: Internato em Medicina Interna Código: MED 01-175 Pré-requisitos: Todas

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS CURSO DE MEDICINA PARACATU MG 2013 SUMÁRIO REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE ATENAS 2 CAPÍTULO I - DA NATUREZA

Leia mais

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I

Regulamento do internato do Curso de Medicina da FAPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos - Porto Nacional - TO. Capítulo I FAPAC - Faculdade Presidente Antônio Carlos. ITPAC-INSTITUTO TOCANTINENSE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS PORTO LTDA. Rua 2 Quadra 7, S/N-Jardim dos Ypês Porto Nacional TO CEP 77.500-000 Fone: (63) 3363 9600

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ DIRETORIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 011/2008 FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ NORMATIZA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA FACULDADE NOVAFAPI. A Diretora

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FABEC BRASIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA FABEC BRASIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FABEC BRASIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Artigo 1º - O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades relacionadas ao Trabalho

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

A apresentação do TCC é parte da avaliação final do aluno para o qual será atribuída as menções satisfatório e insatisfatório.

A apresentação do TCC é parte da avaliação final do aluno para o qual será atribuída as menções satisfatório e insatisfatório. ORIENTAÇÕES PARA O T.C.C: O trabalho de conclusão de curso (TCC) é desenvolvido ao longo dos 5º e 6º semestres do curso, durante a realização das Orientações do Trabalho de Conclusão de Curso, as quais

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Página 1 de 17 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.666/2003, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DO TÓRAX 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em Diagnóstico por Imagem do Tórax 4.01.00.00-6

Leia mais

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 *****

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Ementa: Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM n.º 1.634/2002, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA 2014

ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA 2014 ESTRUTURA CURRICULAR DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CLÍNICA MÉDICA 2014 Coordenação Titular: Prof. Dr. Milton Arruda Martins Coordenação: Prof. Dr. Milton Arruda Martins Dra. Lígia Fidelis Ivanovic Coordenação

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Curso de Administração da Faculdade São Camilo mantém

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED

NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED NORMAS COMPLEMENTARES DO INTERNATO DA FAMED Modelo implantado a partir das mudanças determinadas com a aprovação das Diretrizes Curriculares do Curso Medico do MEC em 2001. COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Curso: Direito Faculdade das Américas FAM TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC)

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Curso: Direito Faculdade das Américas FAM TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Curso: Direito Faculdade das Américas FAM TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) 1. DA DEFINIÇÃO DO TCC E SUAS FINALIDADES O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA

COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA Hospital Regional de Cotia Seconci SP OSS COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA CAPÍTULO I DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1 0. A COREME - Comissão de Residência Médica

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA

FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de um artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 01/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Regulamenta o Estágio Curricular - Internato obrigatório do Curso de Medicina do CCBS/UFCG. O Colegiado do Curso de Graduação em Medicina, no

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015

FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015 FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS MESTRADO E DOUTORADO EDITAL 04/2015 O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: CIÊNCIAS MÉDICAS (PPGCM) da Universidade Federal

Leia mais

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prezado aluno (a), As disciplinas Práticas Clínicas Supervisionadas (PCS), também conhecidas como estágios supervisionados, irão permitir que você integre todo o conhecimento adquirido ao longo do curso,

Leia mais

Unicamp Universidade Estadual de Campinas. Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso

Unicamp Universidade Estadual de Campinas. Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso Unicamp Universidade Estadual de Campinas FT - Faculdade de Tecnologia Limeira - SP Normas para o Trabalho de Conclusão de Curso Revisão 2012 I Objetivo Artigo 1. O objetivo do Trabalho de Conclusão de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, SEQUENCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCADORA SÃO CARLOS HOSPITAL MÃE DE DEUS EDITAL DE CONCURSO PARA CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA

ASSOCIAÇÃO EDUCADORA SÃO CARLOS HOSPITAL MÃE DE DEUS EDITAL DE CONCURSO PARA CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ASSOCIAÇÃO EDUCADORA SÃO CARLOS HOSPITAL MÃE DE DEUS EDITAL DE CONCURSO PARA CONCURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA 1. INTRODUÇÃO A Comissão de Ensino do Curso de Especialização em Cardiologia do Hospital

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE)

Treinamento em Clínica Médica 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) Treinamento em Clínica Médica 2014 do Pesquisas de Gastroenterologia (IBEPEGE) Reconhecido pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica São Paulo - 2014/2016 Coordenador: Dr. Norton Wagner Ferracini O IBEPEGE

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REGIMENTO INTERNO DA RESIDÊNCIA MÉDICA DA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Artigo 1 o.- A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) através da Faculdade de Medicina e do Hospital de Clínicas, manterá

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Esta Resolução entra em vigor nesta data, alterando a Resolução CONSEPE 3/2007 e revogando as disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEACC/CP 05/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FARMÁCIA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus CONSEACC

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

H x D O Av. Brigadeiro Lima e Silva, 821 Jardim Vinte e Cinco de Agosto Duque de Caxias Rio de Janeiro.

H x D O Av. Brigadeiro Lima e Silva, 821 Jardim Vinte e Cinco de Agosto Duque de Caxias Rio de Janeiro. - 2015 D O q ( DOR) H x D O (H XD) H x D O Av. Brigadeiro Lima e Silva, 821 Jardim Vinte e Cinco de Agosto Duque de Caxias Rio de Janeiro. Medicina Medicina Interna 1. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS DO CURSO:

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM NEUROCIRURGIA ONCOLÓGICA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 12/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE Capítulo I - Da liga e seus fins Art. 1 - A Liga de Cirurgia Pediátrica, a seguir designada LACIPE,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DAS FINALIDADES Artigo 1º - O estágio curricular obrigatório do curso de graduação em Medicina Veterinária é

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC OU ATIVIDADE EQUIVALENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC OU ATIVIDADE EQUIVALENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC OU ATIVIDADE EQUIVALENTE DO CURSO DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO NA ÁREA DA ADMINISTRAÇÃO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. O presente Regulamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO NAP TEXTO COMPILADO Regulamenta o Núcleo de Apoio Psicopedagógico O Conselho de Administração, Ensino, Pesquisa e Extensão Consaepe, tendo em conta a Portaria

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado

Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado Introdução Qual será a duração ideal do treinamento de um médico para que se torne um pediatra competente? Dadas as variedades de abordagem dos treinamentos

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 7 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOMEDICINA NO DIAGNÓSTICO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TCC I E II PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CAPIVARI (FUCAP)

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TCC I E II PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CAPIVARI (FUCAP) REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E TCC I E II PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE CAPIVARI (FUCAP) Dezembro de 2012 Dispõe sobre o Regulamento Geral dos Estágios da Faculdade Capivari,

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº /2010 Altera a estrutura curricular do Curso de Graduação em Medicina, do Centro

Leia mais

Sigla: MED02275 C réditos: 45 C arga Horária: 675

Sigla: MED02275 C réditos: 45 C arga Horária: 675 Faculdade de Medicina Departamento de Pediatria Dados de identificação Período Letivo: 2013/1 Professor Responsável: CLECIO HOMRICH DA SILVA Disciplina: INTERNATO - PEDIATRIA Sigla: MED02275 C réditos:

Leia mais

ENSINO MÉDIO 2015 PECULIARIDADES

ENSINO MÉDIO 2015 PECULIARIDADES ENSINO MÉDIO 2015 PECULIARIDADES HORÁRIO MATUTINO Aulas 1ª aula 7:00-7:50 2ª aula 7:50 8:40 Intervalo 3ª aula 9:00 9:50 4ª aula 9:50 10:40 Intervalo 5ª aula 11:00 11:50 6ª aula 11:50 12:40 HORÁRIO VESPERTINO

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER

LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER INDIVIDUAL FAMILIAR OPERADORA Plano de Assistência Médica Mineira Ltda PLAM Inscrição na Agência Nacional de Saúde ANS nº 38.228-1 OPERADORA - Plano de Assistência Médica

Leia mais

Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO DA LIGA Art. 2º - A LACCV é composta por discentes do curso de Medicina da FUFMS, docentes e profissionais adjuntos de

Capítulo II DA ORGANIZAÇÃO DA LIGA Art. 2º - A LACCV é composta por discentes do curso de Medicina da FUFMS, docentes e profissionais adjuntos de Estatuto da Liga Acadêmica de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - Faculdade de Medicina Dr. Hélio Mandetta Capítulo 1 DA LIGA E SEUS AFINS Art.

Leia mais

DO PROJETO DE MONOGRAFIA. Art. 2º. A elaboração da monografia deverá ser precedida de elaboração e aprovação de projeto de monografia.

DO PROJETO DE MONOGRAFIA. Art. 2º. A elaboração da monografia deverá ser precedida de elaboração e aprovação de projeto de monografia. Art. 1º. Este regulamento é aplicável aos cursos que em seu projeto definiram a monografia como trabalho final, conforme previsto no Regimento Interno do Instituto Superior do Ministério Público ISMP.

Leia mais

EMENTA: Regularidade da exigência de plantões em diversas áreas CONSULTA

EMENTA: Regularidade da exigência de plantões em diversas áreas CONSULTA CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA REGULAMENTO DA MONOGRAFIA CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA A Monografia Final consiste em pesquisa individual orientada, em qualquer área do conhecimento no âmbito do Curso de Graduação, constituindo atividade

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA GERAL Portaria Famerp 003, de 09-01-2015 O Diretor Geral em Exercício da Faculdade de

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA

FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE ARAGUARI REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA ARAGUARI MG 2012 REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FAG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FAG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FAG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade normatizar

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia PPGEPI Faculdade de Medicina FAMED

Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia PPGEPI Faculdade de Medicina FAMED Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia PPGEPI Faculdade de Medicina FAMED Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS PROGRAMA NACIONAL

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA

INTRODUÇÃO O QUE É MONITORIA MANUAL DE MONITORIA Maceió Alagoas 1 INTRODUÇÃO A Facima oferece ao aluno a oportunidade de iniciar-se na função docente através do exercício de Monitorias. Apenas será considerado monitor o aluno que

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco

Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação UTFPR, campus Pato Branco Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Engenharia de Computação Regulamento Complementar do Trabalho de Conclusão de Curso do Curso de Engenharia de Computação

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS DE MEDICINA

CONHECIMENTOS GERAIS DE MEDICINA Normatizações dos Serviços de Estágios e Especializações Médicas Hospital São Francisco de Ribeirão Preto I.INFORMAÇÕES GERAIS O Hospital São Francisco de Ribeirão Preto tem tradição de várias décadas

Leia mais

DIRETRIZ DE FONOAUDIOLOGIA

DIRETRIZ DE FONOAUDIOLOGIA DIRETRIZ DE FONOAUDIOLOGIA O Presidente da ABEPOM no uso de suas atribuições estatutárias, considerando a necessidade de atualizar as normas gerais que disciplinam o Serviço de Fonoaudiologia da ABEPOM,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA DE ALUNOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA DA UEM Art. 1º O Estágio de Docência no Ensino de Graduação tem como objetivos: I - instrumentalizar o

Leia mais