EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL"

Transcrição

1 ISSN Ano CL N o Brasília - DF, quarta-feira, 20 de novembro de 203 Sumário. PÁGINA Presidência da República... Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento... 2 Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação... 6 Ministério da Cultura... 7 Ministério da Defesa... 0 Ministério da Educação... 0 Ministério da Fazenda... 9 Ministério da Integração Nacional Ministério da Justiça Ministério da Pesca e Aquicultura Ministério da Previdência Social Ministério da Saúde Ministério das Cidades Ministério das Comunicações Ministério das Relações Exteriores Ministério de Minas e Energia Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério do Esporte Ministério do Meio Ambiente Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério do Trabalho e Emprego Ministério do Turismo Ministério dos Transportes... 0 Conselho Nacional do Ministério Público... 0 Ministério Público da União... 2 Tribunal de Contas da União... 3 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais. 65. DESPACHOS DA PRESIDENTA DA REPÚBLICA MENSAGEM Presidência da República N o - 5, de 9 de novembro de 203. Encaminhamento ao Supremo Tribunal Federal de informações para instruir o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL SECRETARIA DE PORTOS AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES A Q U AV I Á R I O S SUPERINTENDÊNCIA DE PORTOS DESPACHO DO SUPERINTENDENTE Em 8 de novembro de 203 N o O SUPERINTENDENTE DE PORTOS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ, no uso da competência que lhe foi delegada por meio da Portaria nº 75, de 4 de setembro de 2002, do Senhor Diretor-Geral da ANTAQ, com base na Lei nº 0.233, de 5 de junho de 200, no inciso XXXII do art. 3º do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 4.22, de 3 de fevereiro de 2002, combinado com o disposto no art. 6º do Decreto nº 6.759, de 05 de fevereiro de 2009, tendo em vista o que consta do Processo nº /202-36, resolve habilitar ao tráfego marítimo internacional as instalações do terminal portuário de uso privado da empresa PETROBRAS - Petróleo Brasileiro S/A, localizado a oeste da Ilha do Frade, Baía de Todos os Santos, Salvador-BA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº /000-0, em vista de o mesmo possuir as condições adequadas para a realização de operações portuárias, respeitadas as características do projeto, a Autorização nº 832, de 2 de novembro de 203, emitida pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP, o atendimento às exigências dos demais órgãos envolvidos e o disposto no Contrato de Adesão n 007/202 - ANTAQ, de 0 de Maio de 202. JOSE RICARDO RUSCHEL DOS SANTOS SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA A E R O P O RT U Á R I A 3.007, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 Altera e renova a inscrição do aeródromo público Afonso Pena - Curitiba/PR (SBCT) no cadastro de aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AE- ROPORTUÁRIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CI- VIL - ANAC, no uso de suas atribuições outorgadas pelo Art. 4, incisos VIII e X, do Regimento Interno aprovado pela Resolução n 0, de 5 de setembro de 2009 e alterações posteriores, nos termos do disposto na Resolução nº 58, de 3 de julho de 200, com fundamento na Lei nº 7.565, de 9 de dezembro de 986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica e tendo em vista as informações que constam nos autos do Processo nº / , resolve: Art. º Alterar e renovar a inscrição do aeródromo público abaixo, com as seguintes características: I - denominação: Afonso Pena; II - código OACI: SBCT; III - município (UF): Curitiba (PR); IV - ponto de referência do aeródromo (coordenadas geográficas): 25 3' 54" S / 049 0' 34" W Art. 2º A renovação de inscrição tem validade de 0 (dez) anos. Art. 3º As características cadastrais do aeródromo serão publicadas no sítio da ANAC na rede mundial de computadores. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. FABIO FAIZI RAHNEMAY RABBANI RETIFICAÇÃO (*) Na Portaria nº 2.908, de 6 de novembro de 203, publicada no Diário Oficial da União nº 28, Seção, página 3, de 8 de novembro de 203, onde se lê: "...Fica revogada a Portaria ANAC Nº 485/SIE, de 26 de agosto de ", leia-se: "...Fica revogada a Portaria ANAC Nº 458/SIE, de 26 de agosto de ". (*) Republicada por ter saído no DOU de , Seção, pág. 0, com incorreção no original. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGURANÇA OPERACIONAL 3.008, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 Credenciamento de médico, com base no parágrafo do RBAC 67, emenda 00. O SUPERINTENDENTE DE SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no uso de suas atribuições conferidas pelo inciso X do art. 43 do Regimento Interno da Agência Nacional de Aviação Civil, aprovado pela Resolução nº 0, de 5 de setembro de 2009, e alterações posteriores, e com base na subparte B do RBAC 67, aprovado pela Resolução nº 2, de 7 de dezembro de 20, resolve: Art. º Credenciar a médica JOSIENE GERMANO, CRM- SP , MC022, com validade de 3 (três) anos, para a realização de exames de saúde pericial para fins de emissão de Certificado Médico Aeronáutico de 2ª e 4ª classes, em conformidade com a legislação em vigor. Processo nº /203-. Parágrafo único. O credenciamento poderá ser suspenso a qualquer tempo por descumprimento de quaisquer dos requisitos previstos para o credenciamento. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. WAGNER WILLIAM DE SOUZA MORAES SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO ECONÔMICA E ACOMPANHAMENTO DE MERCADO PORTARIAS DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SUPERINTENDENTE DE REGULAÇÃO ECONÔ- MICA E ACOMPANHAMENTO DE MERCADO SUBSTITU- TO, designado pela Portaria nº.667, de 05 de setembro de 20, no uso da competência outorgada pelo art. 39, inciso XXXVII, do Regimento Interno da ANAC, com a redação dada pela Resolução nº 245, de 04 de setembro de 202, e considerando o disposto na Portaria nº 90/GC-5, de 20 de março de 200, resolve: N o Autorizar o funcionamento jurídico da sociedade empresária AVIAX AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA, CNPJ /000-02, com sede social em Ribas do Rio Pardo (MS), como empresa exploradora de serviço aéreo público especializado na atividade aeroagrícola, pelo prazo de 2 (doze) meses contados da data da publicação desta Portaria. Processo n / pelo código

2 2 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 N o Autorizar o funcionamento jurídico da sociedade empresária HELIBAHIA - AEROINSPEÇÃO E SERVIÇOS AÉREOS ESPECIALIZADOS LTDA-ME, CNPJ /000-67, com sede social em Salvador - BA, como empresa exploradora de serviço aéreo público especializado nas atividades aerodemonstração, aeropublicidade, aeroreportagem, aeroinspeção, aerofotografia e aerocinematografia, pelo prazo de 2 (doze) meses contados da data da publicação desta Portaria. Processo nº / O inteiro teor das Portarias acima encontra-se disponível no sítio da ANAC na rede mundial de computadores - endereço h t t p :// w w w. a n a c. g o v. b r. RICARDO BISINOTTO CATANANT. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA 4, DE 3 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MI- NISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMEN- TO, no uso das atribuições que lhe conferem os arts. 0 e 42 do Anexo I do Decreto nº 7.27, de 4 de março de 200, tendo em vista o disposto na Lei nº 9.972, de 25 de maio de 2000, no Decreto nº 6.268, de 22 de novembro de 2007, no Decreto nº 5.74, de 30 de março de 2006, na Portaria MAPA nº 38, de 28 de maio de 2009, e o que consta do Processo nº /203-48, resolve: Art. º Submeter à consulta pública pelo prazo de 90 (noventa) dias, a contar da data de publicação desta Portaria, o Projeto de Instrução Normativa que dispõe sobre o Regulamento Técnico da Amêndoa da Castanha de Caju, definindo o seu padrão oficial de classificação, com os requisitos de identidade e qualidade, a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem, nos aspectos referentes à classificação do produto. Art. 2º O objetivo da presente consulta pública é permitir a ampla divulgação do Projeto de Instrução Normativa e a participação da sociedade e do segmento produtivo interessado, por meio do encaminhamento de sugestões. Art. 3º As sugestões, devidamente fundamentadas, deverão ser enviadas para a Coordenação-Geral de Qualidade Vegetal do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - CGVB/DIPOV/SDA/MAPA, situada na Esplanada dos Ministérios, Bloco D, Anexo B, sala 336, CEP , Brasília-DF, ou para o endereço eletrônico COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS pelo código r a. g o v. b r. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. RODRIGO JOSÉ PEREIRA LEITE FIGUEIREDO ANEXO PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 203. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, tendo em vista o disposto na Lei nº 9.972, de 25 de maio de 2000, no Decreto nº 6.268, de 22 de novembro de 2007, no Decreto nº 5.74, de 30 de março de 2006, na Portaria MAPA nº 38, de 28 de maio de 2009, e o que consta do Processo nº /203-48, resolve: Art. º Estabelecer o Regulamento Técnico da Amêndoa da Castanha de Caju, definindo o seu padrão oficial de classificação, com os requisitos de identidade e qualidade, a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem, nos aspectos referentes à classificação do produto. REGULAMENTO TÉCNICO DA AMÊNDOA DA CAS- TANHA DE CAJU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 2º Para efeito deste Regulamento Técnico, considerase: I - amêndoa da castanha de caju (A.C.C.): a parte comestível da castanha de caju Anacardium occidentale L., que teve retirada sua casca e película, sem adição de ingredientes, com exceção do sal; II - amêndoa beneficiada: a amêndoa crua desprovida de casca e película; III - amêndoa inteira: a amêndoa cujos cotilédones encontram-se unidos e inteiros; também será considerada como inteira a amêndoa que apresentar a ponta quebrada em menos de /8 (um oitavo) em relação ao seu tamanho original; IV - amêndoa processada: a amêndoa beneficiada que sofreu o processo de torrefação ou fritura, podendo ser salgada ou não; V - amêndoa quebrada: a amêndoa não considerada inteira; VI - casca: a parte externa da castanha de caju que envolve a película e a amêndoa; VII - defeitos graves: aqueles cuja incidência sobre a amêndoa comprometem seriamente a sua aparência, conservação e qualidade, restringindo ou inviabilizando o seu uso proposto, sendo os seguintes: a) ardida: a amêndoa que apresentar alteração em sua cor, odor e sabor decorrente do processo de fermentação; b) dano por inseto: qualquer injúria causada por ação de insetos; c) impurezas: os detritos da casca ou da película da amêndoa; d) matérias estranhas: os detritos de qualquer natureza não oriundos da castanha de caju; e) mofada: a amêndoa que apresentar mofo ou bolor visíveis a olho nu; e f) rançosa: a amêndoa que apresentar cor, sabor e odor alterados devidos à oxidação da sua fração lipídica (óleo); VIII - defeitos leves: aqueles cuja incidência sobre a amêndoa não restringem ou inviabilizam a sua utilização, por não comprometerem seriamente a sua aparência, conservação e qualidade, sendo os seguintes: a) arroxeada: a amêndoa que apresentar cor levemente roxa ou azul; b) brocada: a amêndoa que, independentemente de sua coloração, apresentar uma ou mais depressões, pontos pretos ou escurecidos que excedem a mm (um milímetro) de diâmetro; c) imatura: a amêndoa que não atingiu o seu estágio de desenvolvimento fisiológico completo, apresentando-se enrugada e com densidade menor que a amêndoa normal; d) manchada: a amêndoa que apresentar manchas superficiais de qualquer natureza, contrastando com a cor predominante da amêndoa; e) película aderente: a amêndoa que apresentar película com mais de 2 mm (dois milímetros) de diâmetro fixa na sua superfície; f) queimada: a amêndoa com alteração na sua cor normal, caracterizada por escurecimento causado pelo aquecimento excessivo durante o seu processamento; g) dano superficial: a amêndoa que apresentar parte de sua camada superficial danificada quando da despeliculagem, não sendo considerado defeito quando localizado na curvatura interna da amêndoa; h) variação de cor: a alteração uniforme de cor da amêndoa proveniente do beneficiamento da castanha, que contrasta com a cor predominante da amostra; i) ponta fortemente queimada: a amêndoa torrada que apresenta ponta com uma cor marrom escura que contrasta com a aparência uniforme da mesma; j) torrefação forte: a amêndoa torrada que apresenta cor marrom escura que contrasta com a aparência uniforme das demais amêndoas torradas que são significativamente mais claras; IX - despeliculagem: o processo de remoção da película da amêndoa de forma mecânica ou manual; X - lote: a quantidade de produtos com especificações de identidade, qualidade e apresentação perfeitamente definidas; XI - matérias macroscópicas: aquelas, estranhas ao produto, que podem ser detectadas por observação direta, a olho nu, sem auxílio de instrumentos ópticos e que estão relacionadas ao risco à saúde humana, segundo legislação específica vigente; XII - matérias microscópicas: aquelas, estranhas ao produto, que só podem ser detectadas com auxílio de instrumentos ópticos e que estão relacionadas ao risco à saúde humana, segundo legislação específica vigente; XIII - película: o tegumento que envolve a amêndoa; XIV - substâncias nocivas à saúde: substâncias ou agentes estranhos, de origem biológica, química ou física, que sejam nocivos à saúde, tais como: as micotoxinas, os resíduos de produtos fitossanitários ou outros contaminantes, previstos em legislação específica vigente, não sendo assim considerados aqueles cujo valor se verifica dentro dos limites máximos previstos; e XV - umidade: o percentual de água encontrada na amostra do produto, isenta de matéria estranha e impureza, determinado por método oficial, ou por aparelho que dê resultado equivalente. CAPÍTULO II DA CLASSIFICAÇÃO E TOLERÂNCIAS Art. 3º A classificação da amêndoa da castanha de caju é estabelecida em função dos seus requisitos de identidade e de qualidade. º O requisito de identidade da amêndoa da castanha de caju é definido pela própria espécie do produto, na forma disposta no inciso I do art. 2º desta Instrução Normativa. 2º Os requisitos de qualidade da amêndoa da castanha de caju são definidos em função do tamanho, da granulometria, da coloração da amêndoa, bem como dos limites máximos de tolerância estabelecidos nos Anexos I, II, III, IV, V e VI desta Instrução Normativa. Art. 4º A amêndoa da castanha de caju será classificada em Classes, Subclasses e Tipos, conforme o disposto nos parágrafos seguintes. º A amêndoa da castanha de caju, em função da forma como se apresenta, seu tamanho e granulometria, será classificada nas classes a seguir: I - inteira (W): constituída de amêndoas inteiras; II - banda (S): constituída de cotilédones inteiros, incluindo aqueles com fratura transversal em até /8 (um oitavo) do seu tamanho original; III - batoque (B): constituída de amêndoas com fratura transversal em um ou em ambos os cotilédones, com dimensão superior a 3/8 (três oitavos) e inferior a 7/8 (sete oitavos) do tamanho original da amêndoa; IV - pedaço (P): constituída de pedaços de amêndoas de tamanhos variados, que ficaram retidos na peneira de malha 8 (oito) ou 2,36 mm (dois vírgula trinta e seis milímetros) de abertura, confeccionada em fio 20 SWG; V - grânulo (G): produto que vazar na peneira de malha 8 (oito) ou 2,36 mm (dois vírgula trinta e seis milímetros), e que ficar retido na peneira de malha 0 (dez) ou,70 mm (um vírgula setenta milímetros) de abertura, confeccionada em fio 24 SWG; VI - xerém (X): produto que vazar na peneira de malha 0 (dez) ou,70 mm (um vírgula setenta milímetros) e que ficar retido na peneira de malha 4 (quatorze) ou,9 mm (um vírgula dezenove milímetros), confeccionada em fio 26 SWG; e VII - farinha (F): produto que vazar na peneira de malha 4 (quatorze) ou,9 mm (um vírgula dezenove milímetros), confeccionada em fio 26 SWG. 2º A amêndoa da castanha de caju inteira e o pedaço de amêndoa, em função do número de amêndoas contidas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas) e da sua granulometria, serão classificados respectivamente nas subclasses a seguir: I - subclasses da amêndoa inteira: a) inteira superespecial (SLW): produto que contém até 80 (cento e oitenta) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); b) inteira especial (LW ou W20): produto que contém de 8 (cento e oitenta e uma) a 20 (duzentas e dez) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); c) inteira (W240): produto que contém de 220 (duzentas e vinte) a 240 (duzentas e quarenta) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); d) inteira (W280): produto que contém de 260 (duzentas e sessenta) a 280 (duzentas e oitenta) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); e) inteira (W320): produto que contém de 300 (trezentas) a 320 (trezentas e vinte) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); f) inteira (W450): produto que contém de 400 (quatrocentas) a 450 (quatrocentas e cinquenta) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); g) inteira pequena (SW ou W550): produto que contém de 45 (quatrocentas e cinquenta e uma) a 550 (quinhentas e cinquenta) amêndoas em 453,59g (quatrocentos e cinquenta e três vírgula cinquenta e nove gramas); e h) inteira (W3, WM, W4 e W5): constituída de amêndoas inteiras que não obedecem a uma calibragem (contagem); II - subclasses do pedaço de amêndoa: a) pedaço grande (P): aquele que ficar retido na peneira de malha de /4 (um quarto) de polegada ou 6,35 mm (seis vírgula trinta e cinco milímetros) de abertura, confeccionada em fio 6 SWG; b) pedaço pequeno (SP): aquele que vazar na peneira de malha de /4 (um quarto) de polegada ou 6,35 mm (seis vírgula trinta e cinco milímetros) e que ficar retido na peneira de malha 7 (sete) ou 2,80 mm (dois vírgula oitenta milímetros) de abertura, confeccionada em fio 20 SWG; e

3 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN c) pedaço superpequeno (SSP): aquele que vazar na peneira de malha 7 (sete) ou 2,80 mm (dois vírgula oitenta milímetros) e que ficar retido na peneira de malha 8 (oito) ou 2,36 mm (dois vírgula trinta e seis milímetros) de abertura, confeccionada em fio 20 SWG. 3º A amêndoa da castanha de caju será classificada em tipos, definidos em função da cor da amêndoa e dos limites máximos de tolerâncias de defeitos previstos nos Anexos I, II e III desta Instrução Normativa, observando o que segue: I - tipo : constituído de amêndoas de coloração uniforme que pode ser branca, amarelo-clara, marfim-pálida ou cinza-clara; II - tipo 2: constituído de amêndoas de coloração amarela, marrom-clara, marfim clara, cinza-clara ou marfim-forte; III - tipo 3: constituído de amêndoas de coloração amarelo forte, marrom, âmbar, e azul variando de claro a escuro, podendo apresentar-se ligeiramente murchas, imaturas, pintadas, manchadas ou de outra maneira descolorida; IV - tipo 4: constituído de amêndoas com coloração idêntica à dos tipos e 2, apresentando-se brocadas ou com pequenos pontos pretos em um ou em ambos os cotilédones; V - tipo 5: constituído de amêndoas inteiras, com coloração idêntica à dos tipos 3 e M, apresentando-se acentuadamente brocadas; e VI - tipo 6 ou M: constituído de amêndoas inteiras avermelhadas ou de coloração marrom escura, com manchas acentuadas, queimadas ou com dano superficial. Art. 5º A amêndoa da castanha de caju quando torrada, com ou sem sal, será classificada por equivalência, em Classes e Subclasses, conforme estabelecido nos º e 2º do art. 4º, e em Tipos em função dos limites máximos de tolerâncias de defeitos previstos nos Anexos IV, V e VI desta Instrução Normativa; neste caso, para a identificação do produto, acrescenta-se a letra T, para amêndoa torrada, e TS, para amêndoa torrada e salgada. Parágrafo único. Para os tipos 4, 5 e 6 ou M, além dos limites máximos de tolerâncias de defeitos previstos nos Anexos IV, V e VI desta Instrução Normativa, também devem ser consideradas as seguintes características: I - tipo 4: constituído de amêndoas brocadas ou com pequenos pontos pretos em um ou em ambos os cotilédones; II - tipo 5: constituído de amêndoas acentuadamente brocadas; e III - tipo 6 ou M: constituído de amêndoas com manchas acentuadas, queimadas ou com dano superficial. Art. 6º Será considerada como Fora de Tipo a amêndoa da castanha de caju que não se enquadrar nos tipos previstos nos incisos de I a VI do 3º do art. 4º e no art. 5º; e que exceder os limites máximos de tolerâncias estabelecidos nos Anexos I e IV para o Tipo 6 ou M, nos anexos II e V para o tipo 4 e nos Anexos III e VI para o tipo 3, desta Instrução Normativa. º A amêndoa da castanha de caju considerada como Fora de Tipo por exceder os limites máximos de tolerância estabelecidos, conforme previsto no caput deste artigo, para os defeitos ardidas, mofadas e rançosas, acima do limite de 2% (dois por cento) e até 5% (cinco por cento), quando destinada diretamente à alimentação humana, não poderá ser comercializada na forma como se apresenta, devendo ser rebeneficiada ou mesclada para efeito de enquadramento em tipo; acima do limite de 5% (cinco por cento), a amêndoa da castanha de caju será considerada desclassificada. 2º A amêndoa da castanha de caju que exceder o limite de 5% (cinco por cento) para os defeitos ardidas, mofadas e rançosas não poderá ser rebeneficiada ou mesclada para efeito de enquadramento em tipo; acima desse limite, será enquadrada como desclassificada, não podendo entrar no país ou ser comercializada. 3º A amêndoa da castanha de caju considerada como Fora de Tipo por exceder os limites máximos de tolerância estabelecidos, conforme previsto no caput deste artigo, para os defeitos dano por inseto, matéria estranha e impureza, total de defeitos graves, bem como por defeitos leves, poderá ser: I - comercializada como se apresenta, desde que identificada como Fora de Tipo, cumprindo as exigências relativas à marcação ou rotulagem; ou II - rebeneficiada ou mesclada para efeito de enquadramento em tipo. Art. 7º Será desclassificada e proibida a comercialização da amêndoa da castanha de caju que apresentar uma ou mais das características indicadas a seguir: I - mau estado de conservação; II - percentual de amêndoas ardidas, mofadas e rançosas acima de 5% (cinco por cento) quando o produto for destinado diretamente à alimentação humana; III - odor estranho impróprio ao produto que inviabilize a sua utilização para o consumo humano; IV - presença de insetos vivos, em qualquer de suas fases evolutivas, no produto já classificado e destinado diretamente à alimentação humana; e V - prejudicado ou atacado por ação de roedores. Art. 8º Será desclassificada e considerada imprópria para o consumo humano a amêndoa da castanha de caju importada que apresentar as situações constantes no art. 7º deste Regulamento Técnico, sendo proibida sua entrada no país. Art. 9º No caso de uma classificação de fiscalização, quando ocorrer a desclassificação do produto por presença de insetos vivos ou outros agentes desclassificantes, os mesmos deverão ser guardados como prova em caso de pedido de perícia, e, em face das peculiaridades que envolvem essa aferição de qualidade, prevalece a constatação do órgão fiscalizador. Parágrafo único. Ainda que os insetos não permaneçam vivos até a data da realização da perícia, esse fato não invalida a desclassificação do produto fiscalizado. EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL pelo código Art. 0. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA poderá efetuar análises de substâncias nocivas, matérias macroscópicas, microscópicas e microbiológicas relacionadas ao risco à saúde humana, de acordo com legislação específica, independentemente do resultado da classificação do produto. Parágrafo único. O produto será desclassificado quando se constatar a presença das substâncias de que trata o caput deste artigo em limites superiores ao máximo estabelecido na legislação específica, ou, ainda, quando se constatar a presença de substâncias não autorizadas para o produto. Art.. No caso de constatação de produto desclassificado por entidade credenciada para execução da classificação, a mesma deverá emitir o correspondente Documento de Classificação, desclassificando o produto, bem como comunicar essa constatação à Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento - SFA, da Unidade da Federação onde o produto se encontra estocado, para as providências cabíveis. Art. 2. Caberá à SFA da Unidade da Federação adotar as providências cabíveis quanto ao produto desclassificado, podendo para isso articular-se, no que couber, com outros órgãos oficiais. Art. 3. No caso específico da utilização do produto desclassificado para outros fins que não seja a alimentação humana, a SFA da Unidade da Federação deverá adotar todos os procedimentos necessários ao acompanhamento do produto até a sua completa descaracterização como alimento ou destruição, cabendo ao proprietário do produto ou ao seu preposto, além de arcar com os custos pertinentes à operação, ser o seu depositário. CAPÍTULO III DOS REQUISITOS E DOS PROCEDIMENTOS GERAIS Art. 4. A amêndoa da castanha de caju deverá se apresentar fisiologicamente desenvolvida, sã, limpa, seca e isenta de odores ou sabores estranhos impróprios ao produto, observadas as tolerâncias estabelecidas nos Anexos I, II, III, IV, V e VI desta Instrução Normativa. Art. 5. O percentual máximo de amêndoas quebradas ou pedaços admitidos para todas as classes de amêndoas inteiras é de 0% (dez por cento); acima desse percentual, o produto deverá ser rebeneficiado. º Para as Amêndoas de Castanha de Caju Torradas a granel ou embaladas em embalagens maiores que 5kg (cinco quilogramas), o percentual máximo de amêndoas quebradas ou pedaços admitidos para todas as classes de amêndoas inteiras torradas é de 5% (quinze por cento); acima desse percentual, o produto deverá ser rebeneficiado. 2º Para as Amêndoas de Castanha de Caju Torradas embaladas em embalagens menores que 5kg (cinco quilogramas), o percentual máximo de amêndoas quebradas ou pedaços admitidos para todas as classes de amêndoas inteiras torradas é de 30% (trinta por cento); acima desse percentual, o produto deverá ser rebeneficiado. Art. 6. O percentual máximo de pedaços admitido para as classes batoque e banda é de 0% (dez por cento); acima desse percentual, o produto deverá ser rebeneficiado. º Para as Amêndoas de Castanha de Caju Torradas a granel ou embaladas em embalagens maiores que 5kg (cinco quilogramas), o percentual máximo de amêndoas quebradas ou pedaços admitidos para todos os tipos de batoques e bandas torradas é de 5% (quinze por cento); acima desse percentual, o produto deverá ser rebeneficiado. 2º Para as Amêndoas de Castanha de Caju Torradas embaladas em embalagens menores que 5kg (cinco quilogramas), o percentual máximo de amêndoas quebradas ou pedaços admitidos para todos os tipos de batoques e bandas torradas é de 30% (trinta por cento); acima desse percentual, o produto deverá ser rebeneficiado. Art. 7. Cada subclasse do pedaço de amêndoa deverá apresentar no mínimo 85% (oitenta e cinco por cento) em massa do material retido na peneira que o caracteriza após análise de amostras de 00g (cem gramas) por 0 (dez) minutos em aparelho mecânico vibratório de determinação de granulometria; os 5% (quinze por cento) restantes podem ser distribuídos entre a peneira de diâmetro imediatamente inferior e a peneira de diâmetro imediatamente sup e r i o r. Art. 8. O percentual de umidade tecnicamente recomendado para comercialização da amêndoa da castanha de caju é de 5% (cinco por cento). Parágrafo único. A amêndoa da castanha de caju com umidade superior a 5% (cinco por cento) poderá ser comercializada, desde que não esteja ocasionando fatores de risco à saúde humana. CAPÍTULO IV DA AMOSTRAGEM Art. 9. A amostragem para amêndoa da castanha de caju deverá observar o que segue: I - as amostras coletadas, que servirão de base para a realização da classificação, deverão conter os dados necessários à identificação do interessado na classificação do produto, bem como a informação relativa à identificação do lote ou volume do produto do qual se originaram; II - caberá ao proprietário, possuidor, detentor ou transportador propiciar a identificação e a movimentação do produto, independentemente da forma em que se encontrem, possibilitando a sua adequada amostragem; III - responderá pela representatividade da amostra, em relação ao lote ou volume do qual se originou, a pessoa física ou jurídica que a coletou, mediante a apresentação do documento comprobatório correspondente; e IV - na classificação da amêndoa da castanha de caju importada e na classificação de fiscalização, o detentor da mercadoria fiscalizada, seu representante legal, seu transportador ou seu armazenador devem propiciar as condições necessárias aos trabalhos de amostragem exigidas pela autoridade fiscalizadora. Art. 20. A amostragem da amêndoa da castanha de caju embalada deverá obedecer à seguinte metodologia: I - deve-se retirar um número de pacotes ou embalagens em quantidade suficiente para compor, no mínimo, 4 (quatro) vias de amostras de, no mínimo, 750g (setecentos e cinquenta gramas) cada; e II - o conteúdo dos pacotes ou embalagens extraído deverá ser homogeneizado, quarteado e reduzido a, no mínimo, 3kg (três quilogramas) para compor, no mínimo, 4 (quatro) amostras de, no mínimo, 750g (setecentos e cinquenta gramas) cada, que deverão ser representativas do lote. Art. 2. A amostragem da amêndoa da castanha de caju a granel deverá obedecer à seguinte metodologia: I - a quantidade de amostra a ser coletada em diferentes pontos do lote de forma aleatória não deve ser inferior ao dobro da quantidade do peso necessário para formação de 4 (quatro) vias de amostras de, no mínimo, 750g (setecentos e cinquenta gramas); e II - as amostras assim extraídas serão homogeneizadas, reduzidas e acondicionadas em, no mínimo, 4 (quatro) vias de amostras de, no mínimo, 750g (setecentos e cinquenta gramas) cada. Art. 22. As amostras para classificação da amêndoa da castanha de caju, extraídas conforme os procedimentos descritos nos arts. 9 e 20 deste Regulamento Técnico, deverão ser devidamente acondicionadas, lacradas, identificadas e autenticadas e terão a seguinte destinação: I - uma amostra de trabalho para a realização da classificação; II - uma amostra que será colocada à disposição do interessado; III - uma amostra para atender um eventual pedido de arbitragem; e IV - uma amostra destinada ao controle interno de qualidade por parte da entidade credenciada. Art. 23. Na classificação de fiscalização, as amostras extraídas conforme os procedimentos descritos nos arts. 9 e 20 deste Regulamento Técnico deverão ser devidamente acondicionadas, lacradas, identificadas e autenticadas, e terão a seguinte destinação: I - uma amostra de trabalho para a realização da classificação de fiscalização; II - uma amostra que será colocada à disposição do fiscalizado; III - uma amostra para atender um eventual pedido de perícia; e IV - uma amostra de segurança, caso uma das vias anteriores seja inutilizada ou haja necessidade de análises complementares. Art. 24. Quando a amostra for coletada e enviada pelo interessado, deverão ser observados os mesmos critérios e procedimentos de amostragem previstos neste Regulamento Técnico. Art. 25. A quantidade remanescente do processo de amostragem, homogeneização e quarteamento será recolocada no lote ou devolvida ao interessado no produto. Art. 26. O classificador, a empresa ou entidade credenciada ou o órgão de fiscalização não serão obrigados a recompor ou ressarcir o produto amostrado, que porventura foi danificado ou que teve sua quantidade diminuída, em função da realização da amostragem e da classificação. CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS OU ROTEI- ROS PARA CLASSIFICAÇÃO Art. 27. Nos procedimentos operacionais ou roteiro de classificação da amêndoa da castanha de caju, deve ser observado o contido neste artigo. º Antes da homogeneização e quarteamento da amostra de, no mínimo, 750g (setecentos e cinquenta gramas), deve ser verificado cuidadosamente se a amostra apresenta qualquer situação desclassificante ou outros fatores que dificultem ou impeçam a classificação do produto; caso haja na amostra qualquer situação desclassificante, emitir o laudo de classificação e recomendar, previamente à classificação, o expurgo, ou outra forma de controle ou rebeneficiamento do produto, observando, ainda, o disposto no art. 7º deste Regulamento Técnico. 2º Estando o produto em condições de ser classificado, deve-se homogeneizar a amostra destinada à classificação, evitando a quebra das mesmas, reduzi-la pelo processo de quarteamento até a obtenção da amostra de trabalho de 453,00 a 456,00g (quatrocentos e cinquenta e três a quatrocentos e cinquenta e seis gramas), pesada em balança previamente aferida. 3º Do restante da amostra de 750g (setecentos e cinquenta gramas) destinada à classificação, deve-se obter ainda, pelo processo de quarteamento, uma subamostra destinada à determinação da umidade, da qual deverão ser retiradas as matérias estranhas e impurezas, sendo que: I - o peso da subamostra deverá estar de acordo com as recomendações do fabricante do equipamento utilizado para verificação da umidade; e II - uma vez verificada a umidade, deve-se anotar o valor encontrado no laudo de classificação. 4º De posse da amostra de trabalho de 453,00 a 456,00g (quatrocentos e cinquenta e três a quatrocentos e cinquenta e seis gramas), deve-se proceder à classificação do produto, observando o que se segue:

4 4 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 I - para determinação da classe e subclasse, deve-se separar inicialmente as amêndoas inteiras das quebradas e contá-las, para fins de enquadramento na respectiva classe e subclasses, observando o que segue: a) proceder à separação das bandas e batoques observando o estabelecido nos incisos II e III do º do art. 4º desta Instrução Normativa, pesar e anotar o resultado no laudo de classificação; b) utilizar as peneiras recomendadas nos incisos IV ao VII do º e no inciso II do 2º, ambos do art. 4º desta Instrução Normativa, para separar os Pedaços, Grânulos, Xerém e Farinha; II - para determinação do tipo, deve-se observar o estabelecido nos incisos de I a V do 3º do art. 4º desta Instrução Normativa, e determinar os percentuais de defeitos em cada classe e subclasse, anotando o resultado encontrado no laudo de classificação, observando o que segue: a) para a determinação dos percentuais de defeitos, utilizar a seguinte fórmula: % Defeito = (Peso do Defeito (g) x 00) / Peso da Amostra de Trabalho (g); b) proceder ao enquadramento do produto em tipos em função da coloração e dos limites máximos de tolerâncias estabelecidos nos Anexos I, II e III desta Instrução Normativa, anotando o resultado encontrado no laudo de classificação. 5º De posse da classe, subclasse e do tipo, deve-se expressar o resultado da classificação da amêndoa da castanha de caju no laudo de classificação por meio de uma expressão composta da denominação da classe e subclasse, seguida da indicação do tipo correspondente, conforme o caso. 6º Deve-se fazer constar no laudo e no certificado de classificação os motivos que levaram a amêndoa da castanha de caju a ser classificada como Fora de Tipo ou Desclassificada. 7º Deve-se revisar, datar, carimbar e assinar o laudo e o Documento de Classificação devendo constar, em ambos, obrigatoriamente, o carimbo, o nome do classificador e o seu número de registro no M A PA. CAPÍTULO VI DO MODO DE APRESENTAÇÃO Art. 28. A amêndoa da castanha de caju poderá ser comercializada a granel ou embalada. Art. 29. As embalagens utilizadas no acondicionamento da amêndoa da castanha de caju deverão ser de materiais apropriados. Art. 30. As especificações quanto ao material, à confecção e à capacidade das embalagens utilizadas no acondicionamento da amêndoa da castanha de caju devem estar de acordo com a legislação específica. Art. 3. Dentro de uma mesma embalagem, não será admitida a mistura de lotes. CAPÍTULO VII DA MARCAÇÃO OU ROTULAGEM Art. 32. Na marcação ou rotulagem da amêndoa da castanha de caju, deverá ser observado o contido neste artigo. º As especificações de qualidade da amêndoa da castanha de caju referente à marcação ou rotulagem devem estar em consonância com o respectivo Documento de Classificação. 2º No caso do produto embalado para venda direta à alimentação humana, a marcação ou rotulagem, uma vez observada a legislação específica, deverá conter as seguintes informações: I - relativas à classificação do produto: a) classe; e b) tipo; II - relativas ao produto e seu responsável: a) denominação de venda do produto (a expressão "amêndoa da castanha de caju", seguida da marca comercial do produto); b) identificação do Lote, que será de responsabilidade do embalador; e c) nome empresarial, registro no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica - CNPJ, endereço da empresa embaladora ou do responsável pelo produto. 3º No caso do produto importado embalado e destinado diretamente à alimentação humana, além das exigências contidas no inciso I, e nas alíneas "a" e "b" do inciso II do 2º, ambos deste artigo, deverão constar ainda as seguintes informações: a) país de origem; e b) nome, endereço e CNPJ do importador. 4º Além das informações previstas nos incisos I e II do 2º deste artigo, será permitida a inclusão de uma expressão composta pela denominação da classe e subclasse, seguida da indicação do tipo correspondente. 5º A marcação ou rotulagem deve ser de fácil visualização e de difícil remoção, assegurando informações corretas, claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa, cumprindo as exigências previstas em legislação específica. 6º As expressões qualitativas referentes à classe devem ser grafadas com a palavra "Classe" seguida da denominação da classe correspondente, por extenso, e da sua respectiva sigla, entre parênteses; e o indicativo do tipo, grafado com a palavra "Tipo", seguida do algarismo arábico correspondente, ou da letra "M" no caso do "Tipo 6" ou da expressão "Fora de Tipo", quando for o caso. 7º As expressões qualitativas referentes à classe da amêndoa torrada e torrada e salgada devem ser grafadas com a palavra "Classe" seguida da denominação da classe correspondente, por extenso, e da sua respectiva sigla, entre parênteses; e o indicativo do tipo, grafado com a palavra "Tipo", seguida do algarismo arábico correspondente, ou da letra "M" no caso do "Tipo 6" ou da expressão "Fora de Tipo", quando for o caso, acrescida das letras "T" ou "TS", conforme o caso. 8º Os indicativos da classe e do tipo devem ser grafados em caracteres do mesmo tamanho, segundo as dimensões definidas para o peso líquido em legislação específica. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 33. As dúvidas surgidas na aplicação deste Regulamento Técnico serão resolvidas pela área técnica competente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Art. 34. Esta Instrução Normativa entra em vigor 60 (sessenta) dias após a data de sua publicação. Art. 35. Fica revogada a Instrução Normativa nº 62, de 5 de dezembro de ANTÔNIO ANDRADE ANEXO I Amêndoa da Castanha de Caju Inteira - Limites máximos de tolerância de defeitos (expressos em %) COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS Ti p o Defeitos Graves Defeitos Leves Matérias estranhas e impurezadas Mofadas, rançosas e ardi- Danos por insetos TO TA L Tipo ou Variação de Cor Danos Superficiais Película aderente TO TA L 2 3 () 4 (2) 5 6 ou M 0,5,0,0 2,0 0,0 3,0 2,0,0 2,0 3,0 5,0 4,0 2 0,5 2,0,0 3,0 N/A 0,0 3,0 (3) 3,0 (3) 4,0 3,0 5,0 7,0 3 0,5 2,0,0 3,0 N/A N/A 9,0 (3) 9,0 (3) 9,0 7,0 7,0 7,0 4 0,5 2,0 2,0 4,0 N/A 5,0 N/A 3,5 N/A 7,0 7,0 7,0 5 0,5 2,0 2,0 4,0 N/A N/A N/A (4) N/A N/A 7,0 7,0 4,0 6 ou M 0,5 2,0 2,0 4,0 N/A N/A 9,0 9,0 (5) (5) 7,0 22,0 (5) Fora de Tipo Acima de 0,5 Acima de 2,0 até 5,0 Acima de 2,0 Acima de 4,0 N/A N/A N/A N/A N/A Acima de 7,0 Acima de 7,0 Acima de 22,0 Observações: () Nos tipos e 2, admitem-se amêndoas com leve e pequena mancha. (2) Nos tipos e 2, admitem-se amêndoas com ponto(s) preto(s) de pequeno diâmetro. (3) O somatório dos percentuais referentes à variação de cor estabelecidos para os tipos 4 e 5 não poderá exceder ao limite máximo de tolerância desse defeito estabelecido para o referido tipo 4. (4) Admitem-se amêndoas brocadas com mais de um ponto preto em cada lado. (5) No tipo 6 ou M, os defeitos queimada, dano superficial e manchada não serão considerados. N/A: não se aplica. ANEXO II Amêndoa da Castanha de Caju (Batoques, Bandas, Pedaços Grandes e Pedaços Médios) - Limites máximos de tolerância de defeitos (expressos em %) Ti p o Defeitos Graves Defeitos Leves Matérias estranhas e impurezas Mofadas, rançosas e ardidas Danos por insetos TO TA L Tipo ou Variação de Cor Manchadas Danos Superficiais Película aderente TO TA L 2 3 () 4 (2) 5 0,5,0,0 2,0 0,0 4,0 3,0,0 2,0 3,0 5,0 8,0 2 0,5 2,0,0 3,0 N/A 0,0 3,0 (3) 3,0 (3) 4,0 3,0 5,0 8,0 3 0,5 2,0 2,0 4,0 N/A N/A 9,0 (3) 9,0 (3) 9,0 7,0 7,0 8,0 4 0,5 2,0 2,0 4,0 N/A 5,0 N/A 3,5 N/A 7,0 7,0 8,0 Fora de Tipo Acima de 0,5 Acima de 2,0 até 5,0 Acima de 2,0 Acima de 4,0 N/A N/A N/A N/A N/A Acima de 7,0 Acima de 7,0 Acima de 8,0 Observações: ) O somatório dos percentuais referentes à variação de cor estabelecidos para os tipos 4 e 5 não poderá exceder ao limite máximo de tolerância desse defeito estabelecido para o tipo 4. 2) Nos tipos e 2, admitem-se amêndoas com leve e pequena mancha. 3) Nos tipos e 2, admitem-se amêndoas com ponto(s) preto(s) de pequeno diâmetro. pelo código

5 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN N/A: não se aplica. ANEXO III Amêndoa da Castanha de Caju (Pedaços Pequenos, Pedaços Superpequenos, Grânulos, Xerém e Farinha) - Limites máximos de tolerância de defeitos (expressos em %) Ti p o Defeitos Graves Defeitos Leves Matérias estranhas e impurezas Mofadas, rançosas e ardidas Danos por insetos TO TA L Tipo ou Variação de Cor Manchadas Película aderente TO TA L () 0,5,0,0 2,0 0,0 5,0 5,0 5,0 7,0 20,0 2 0,5 2,0 2,0 3,0 N/A 0,0 7,0 7,0 7,0 20,0 3 0,5 2,0 2,0 3,0 N/A N/A 5,0 5,0 7,0 20,0 Fora de Tipo Acima de 0,5 Acima de 2,0 até 5,0 Acima de 2,0 Acima de 3,0 N/A N/A N/A N/A Acima de 7,0 Acima de 20,0 Observações: ) São grânulos da mesma dimensão dos demais, porém destacam-se por apresentarem pontos pretos. 2) São grânulos da mesma dimensão dos demais, porém destacam-se por serem manchados. N/A: não se aplica. (2) EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL pelo código ANEXO IV Amêndoa da Castanha de Caju Inteira Torrada - Limites máximos de tolerância de defeitos (expressos em %) Ti p o Defeitos Graves Defeitos Leves Matérias estranhas e impurezadas Mofadas, rançosas e ardidas Danos por insetos To t a l Pontas fortemente queima- Torrefação forte Brocada Danos superficiais Película aderente 0,5,0,0 2,0 3,0 0,0 3,0 7,0 5,0 2 0,5 2,0,0 3,0 3,0 0,0 9,0 7,0 5,0 3 0,5 2,0,0 3,0 5,0 20,0 8,0 7,0 7,0 4 0,5 2,0 2,0 4,0 3,0 0,0 3,5 7,0 7,0 5 0,5 2,0 2,0 4,0 5,0 20,0 N/A 7,0 7,0 6 ou M 0,5 2,0 2,0 4,0 N/A N/A 8,0 N/A 7,0 Fora de Tipo Acima de 0,5 Acima de 2,0 até 5,0 Acima de 2,0 Acima de 4,0 N/A N/A N/A Acima de 7,0 Acima de 7,0 N/A: não se aplica ANEXO V Amêndoa da Castanha de Caju Torrada (Batoques, Bandas, Pedaços Grandes e Pedaços Médios) - Limites máximos de tolerância de defeitos (expressos em %) Ti p o Defeitos Graves Defeitos Leves Matérias estranhas e impurezas Mofadas, rançosas e ardidas Danos por insetos To t a l Pontas fortemente queimadas Torrefação forte Brocada Danos superficiais Película aderente 0,5,0,0 2,0 3,0 0,0 4,0 7,0 5,0 2 0,5 2,0,0 3,0 3,0 0,0 6,0 7,0 5,0 3 0,5 2,0 2,0 4,0 5,0 20,0 8,0 7,0 7,0 4 0,5 2,0 2,0 4,0 3,0 0,0 3,5 7,0 7,0 Fora de Tipo Acima de 0,5 Acima de 2,0 até 5,0 Acima de 2,0 Acima de 4,0 N/A N/A N/A Acima de 7,0 Acima de 7,0 N/A: não se aplica ANEXO VI Amêndoa da Castanha de Caju Torrada (Pedaços Pequenos, Pedaços Superpequenos, Grânulos, Xerém e Farinha) - Limites máximos de tolerância de defeitos (expressos em %) Ti p o Defeitos Graves Defeitos Leves Matérias estranhas e impurezas Mofadas, rançosas e ardidas Danos por insetos TO TA L Torrefação forte Brocada Película aderente 0,5,0,0 2,0 0,0 5,0 7,0 2 0,5 2,0 2,0 3,0 0,0 7,0 7,0 3 0,5 2,0 2,0 3,0 20,0 5,0 7,0 Fora de Tipo Acima de 0,5 Acima de 2,0 até 5,0 Acima de 2,0 Acima de 3,0 0,0 N/A Acima de 7,0 N/A: não se aplica 42, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MI- NISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe conferem o artigo 0, do Anexo I, do Decreto N o , de 04 de março de 200, tendo em vista o disposto no Capítulo XII, artigos 69 e 7, do Anexo I, da Instrução Normativa nº 7, de 3 de julho de 2006, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e o que consta do processo nº /20-56, resolve: Art. º Cessar os efeitos da Portaria nº 5, de de janeiro de 202, publicada no D.O.U nº 9, de 2 de janeiro de 202, seção, página 9, que suspendeu a entidade Certificadora RASTRIBOI - Assessoria e Certificação de Identificação de Origem Animal Ltda, CNPJ /000-46, estabelecida à Rua Dr. Luiz Américo de Freitas, nº 37, sala 2, Vila Ercília, São José do Rio Preto - SP, CEP 503-0, em razão da correção das não-conformidades tratadas no processo / Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. RODRIGO JOSÉ PEREIRA LEITE FIGUEIREDO DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS COORDENAÇÃO-GERAL DE AGROTÓXICOS E AFINS ATO N o - 88, DE 4 DE NOVEMBRO DE 203 T. De acordo com a Instrução Normativa N. 27 de 22 de setembro de 2005 e o processo /203-4; fica incluído o alvo biológico Oidium eucalypti (Oídio) para a cultura do eucalipto nas tabelas da Instrução Normativa N. 42 de 05 de julho de De acordo com a Instrução Normativa N. 27 de 22 de setembro de 2005 e o processo /203-4; fica incluído o alvo biológico Oidium sp. (Oídio) para a cultura do eucalipto nas tabelas da Instrução Normativa N. 42 de 05 de julho de LUÍS EDUARDO PACÍFICI RANGEL Coordenador-Geral SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL NO ESTADO DE MATO GROSSO SEÇÃO DE APOIO OPERACIONAL E DIVULGAÇÃO 73, DE 3 DE OUTUBRO DE 203 O SUPERINTENDENTE FEDERAL DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO NO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições que lhe confere o artigo 44, inciso XXII, do anexo I da Portaria n 428, de 09 de junho de 200, tendo em vista o disposto no artigo 8 da Instrução Normativa MAPA n 36, de 24 de novembro de 2009, e o que consta do Processo nº /203-44, resolve: Art. º - Credenciar a Estação Experimental da Cooperativa Agrícola dos Produtores Rurais da Região Sul de Mato Grosso - COOALESTE, CNPJ nº / , sediada na Rodovia MT 30, Km 3, Zona Rural, no município de Primavera do Leste - MT, para o desenvolvimento de pesquisa e ensaios experimentais de agrotóxicos e afins, bem como a emissão de laudos técnicos de eficiência e praticabilidade agronômica para fins de registro. Art. 2º - O Credenciamento que trata esta Portaria terá validade indeterminada. Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. FRANCISCO MORAES CHICO COSTA SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL NO ESTADO DO PARÁ 48, DE 4 DE NOVEMBRO DE 203 O SUPERINTENDENTE FEDERAL DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO NO ESTADO DO PARÁ, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo nº 39, item XIV, do Anexo I, da Portaria Ministerial nº 428, de 09 de junho de 200, tendo em vista o disposto na Instrução Normativa S D A nº 66, de 27 de novembro de 2006, Art. 3º, da Lei nº 7.802, de de julho de 989, no Decreto nº 4.074, de 4 de janeiro de 2002, e o que consta do Processo nº / , resolve: Renovar o Credenciamento de número BR PA 246, da Empresa TRADELINK MADEIRAS LTDA, Inscrição Estadual , localizada na Avenida Principal, s/nº Lote 0, Quadra 06, Setor G, Setor,Distrito Industrial - Ananindeua - Pará, para na qualidade de empresa prestadora de serviço de Tratamento Fitossanitário com Fins Quarentenários, no trânsito internacional de vegetais e suas partes, executar os seguintes tratamentos: Tratamento Térmico (HT). O credenciamento que trata esta Portaria terá validade por 05 (cinco) anos, podendo ser renovada mediante requerimento encaminhado ao Serviço de Inspeção e Sanidade Vegetal (SISV/DDA/SFA- PA ). ANDREI GUSTAVO LEITE VIANA DE CASTRO

6 . 6 ISSN Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL N o -.200, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 OS MINISTROS DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLO- GIA E INOVAÇÃO e DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso das atribuições que lhes confere o 2o do art. 22 do Decreto no 5.906, de 26 de setembro de 2006, e considerando o que consta no processo MCTI no /20-6, de 4/04/20, resolvem: Art.o Habilitar a empresa Sanmina-SCI do Brasil Integration Ltda., inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda - CNPJ sob o no /000-6, à fruição dos benefícios fiscais de que trata o Decreto no 5.906, de 26 de setembro de 2006, quando da fabricação do seguinte bem: - Distribuidor (dispensador) automático de papel moeda. o Farão jus aos incentivos fiscais, nos termos desta Portaria, os acessórios, os sobressalentes, as ferramentas, os manuais de operação, os cabos para interconexão e de alimentação que, em quantidade normal, acompanhem o bem mencionado neste artigo, conforme consta no respectivo processo. 2o Ficam asseguradas a manutenção e utilização do crédito do IPI relativo às matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem empregados na industrialização do bem relacionado neste artigo. Art. 2o Será cancelada a habilitação caso a empresa não atenda ao disposto no art. 2o da Portaria Interministerial MCT/MDIC/MF no 0, de 8 de janeiro de Art. 3o As notas fiscais relativas à comercialização do bem relacionado no art. o deverão fazer expressa referência a esta Portaria. Parágrafo único. Os modelos do produto relacionados na nota fiscal devem constar do processo MCTI no /20-6, de 4/04/20. Art. 4o Esta habilitação poderá ser suspensa ou cancelada, a qualquer tempo, sem prejuízo do ressarcimento previsto no art. 9o da Lei no 8.248, de 23 de outubro de 99, caso a empresa beneficiária deixe de atender ou de cumprir qualquer das condições estabelecidas no Decreto no 5.906, de 26 de setembro de Art. 5o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS MARCO ANTONIO RAUPP Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação FERNANDO DAMATA PIMENTEL Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior PORTARIA INTERMINISTERIAL N o -.20, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 OS MINISTROS DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLO- GIA E INOVAÇÃO e DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso das atribuições que lhes confere o 2o do art. 22 do Decreto no 5.906, de 26 de setembro de 2006, e considerando o que consta no processo MCTI no /202-75, de 8/04/202, resolvem: Art.o Habilitar a empresa Fênix Indústria de Eletrônicos Ltda., inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda - CNPJ sob o no /000-34, à fruição dos benefícios fiscais de que trata o Decreto no 5.906, de 26 de setembro de 2006, quando da fabricação do seguinte bem: - Circuito impresso com componentes elétricos e eletrônicos, montados, para entrada e saída de dados, do tipo interface USB. o Farão jus aos incentivos fiscais, nos termos desta Portaria, os acessórios, os sobressalentes, as ferramentas, os manuais de operação, os cabos para interconexão e de alimentação que, em quantidade normal, acompanhem o bem mencionado neste artigo, conforme consta no respectivo processo. 2o Ficam asseguradas a manutenção e utilização do crédito do IPI relativo às matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem empregados na industrialização do bem relacionado neste artigo. Art. 2o Será cancelada a habilitação caso a empresa não atenda ao disposto no art. 2o da Portaria Interministerial MCT/MDIC/MF no 08, de 8 de dezembro de 200. Art. 3o As notas fiscais relativas à comercialização do bem relacionado no art. o deverão fazer expressa referência a esta Portaria. Parágrafo único. Os modelos do produto relacionados na nota fiscal devem constar do processo MCTI no /202-75, de 8/04/202. Art. 4o Esta habilitação poderá ser suspensa ou cancelada, a qualquer tempo, sem prejuízo do ressarcimento previsto no art. 9o da Lei no 8.248, de 23 de outubro de 99, caso a empresa beneficiária deixe de atender ou de cumprir qualquer das condições estabelecidas no Decreto no 5.906, de 26 de setembro de Art. 5o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. MARCO ANTONIO RAUPP Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação FERNANDO DAMATA PIMENTEL Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior pelo código PORTARIA INTERMINISTERIAL N o -.203, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 OS MINISTROS DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLO- GIA E INOVAÇÃO e DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso das atribuições que lhes confere o 2o do art. 22 c/c o art. 50, do Decreto no 5.906, de 26 de setembro de 2006, tendo em vista o que consta no Processo MCTI no /202-75, de 27//202, e Considerando que a empresa IBRAMED Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos Ltda. alterou sua denominação social para IBRAMED Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos - EIRELI, mantidos os demais dados da empresa, como CNPJ no /000-77, endereço, representante legal, etc., sem que tal alteração tenha acarretado solução de continuidade da sociedade, ou qualquer alteração nos seus direitos e obrigações sociais; e Considerando que a empresa IBRAMED Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos Ltda., CNPJ nº /000-77, é detentora de Portarias Interministeriais MCT/MDIC/MF que a habilitam à fruição dos incentivos fiscais de que tratam os Decretos nºs 3.800, de 20 de abril de 200, e 5.906, de 26 de setembro de 2006, resolvem: Art. º Fica alterada nas Portarias Interministeriais abaixo indicadas, a denominação de IBRAMED Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos Ltda. para IBRAMED Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos - EIRELI, CNPJ nº / Portarias Interministeriais Data Publicação no DOU MCT/MDIC/MF 650 5/09/2003 7/09/ /04/202 27/04/202 Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, ficando convalidados todos os atos praticados pela empresa, IBRAMED Indústria Brasileira de Equipamentos Médicos - EIRELI, CNPJ nº /000-77, desde a data em que se operou a alteração da denominação. MARCO ANTONIO RAUPP Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação FERNANDO DAMATA PIMENTEL Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.202, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO, no uso das atribuições que lhes confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal, tendo em vista o disposto no art. 3 da Lei nº 8.248, de 23 de outubro de 99, e no art. 7º do Decreto nº 5.906, de 26 de setembro de 2006, bem como o que consta no Processo MCTI no /202-63, de 03/07/202, e Considerando que a empresa WEG Equipamentos Elétricos S.A., inscrita no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda - CNPJ sob o no /000-50, e titular das Portarias abaixo relacionadas, que reconheceram que os produtos e modelos nelas descritos, desenvolvidos pela, atendem à condição de bens de informática e automação desenvolvidos no País, nos termos e para os fins estabelecidos na Portaria MCT nº 950, de 2 de dezembro de 2006; e Considerando que a empresa WEG Equipamentos Elétricos S.A. foi incorporada parcialmente pela empresa WEG Drives & Controls - Automação Ltda., CNPJ no /000-48, conforme consta da documentação juntada ao Processo acima referido, que foi devidamente registrada nos órgãos próprios; Considerando que a empresa WEG Drives & Controls - Automação Ltda., por força do disposto no art..6 do Código Civil Brasileiro, sucedeu a empresa WEG Equipamentos Elétricos S.A., sem que tal sucessão tenha acarretado solução de continuidade da sociedade, ou qualquer alteração nos seus direitos e obrigações sociais, inclusive os decorrentes das Portarias abaixo mencionadas, conforme consta da documentação juntada ao Processo acima referido, já devidamente registrada nos órgãos próprios, resolve: Art. o Fica transferida a titularidade das Portarias, abaixo relacionadas, da empresa WEG Equipamentos Elétricos S.A., CNPJ no /000-50, para a empresa WEG Drives & Controls - Automação Ltda., CNPJ sob o no /000-48: Portarias MCT Nº Data Publicação DOU / / / / 200 N 228, Seção, pg / 03 / / 03 / 20 N 58, Seção, pg / 0 / 20 3 / 0 / 20 N 209, Seção, pg. 5 Art. 2o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, ficando convalidados todos os atos praticados pela empresa WEG Drives & Controls - Automação Ltda., CNPJ no /000-48, em decorrência da sucessão, desde a data em que esta se operou. MARCO ANTONIO RAUPP COMISSÃO TÉCNICA NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA EXTRATO DE PARECER TÉCNICO N o /203 O Presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio, no uso de suas atribuições e de acordo com o artigo 4, inciso XIX, da Lei.05/05 e do Art. 5º, inciso XIX do Decreto 5.59/05, torna público que na 66ª Reunião ordinária, realizada em 9 de outubro de 203, a CTNBio apreciou e emitiu parecer técnico para o seguinte processo: Processo nº / Requerente: Ouro Fino Saúde Animal LTDA CQB: 296/0 Próton: 2886/3 Endereço: Rodovia Anhanguera SSP330, Km 298, Distrito Industrial, Cravinhos, SP, CEP Assunto: Solicitação de extensão de CQB para instalações atividades com OGMs da classe de risco biológico Extrato Prévio nº: 3698/3 publicado em 30 de julho de 203. Decisão: Deferido RESUMO: A CTNBio, após apreciação do processo de solicitação de Parecer Técnico para solicitação de parecer para extensão de Certificado de Qualidade de Biossegurança, conclui pelo deferimento nos termos deste parecer técnico. O presidente da CIBio da Ouro Fino Saúde Animal LTDA o Dr. Mateus Meneghesso da Conceição solicita à CTNBio parecer técnico para extensão do Certificado de Qualidade em Biossegurança (CQB) para as instalações da instituição para as atividades de pesquisa em regime de contenção com organismos geneticamente modificados do grupo I em nível de biossegurança (NB-). As instalações a serem credenciadas da empresa se localiza anexa ao laboratório já credenciado pela CTNBio estão localizadas no seguinte endereço: Ouro Fino Saúde Animal LTDA, bloco X, Rodovia Anhanguera SSP330, Km 298, Distrito Industrial, Cravinhos, SP, CEP No âmbito das competências conferidas pela Lei.05/05, e regulamentadas pelo Decreto 5.59/2005, a Comissão considerou que os protocolos experimentais e as demais medidas de biossegurança propostas atendem às normas da CTNBio e à legislação pertinente que visam garantir a biossegurança do meio ambiente, agricultura, saúde humana e animal. A CTNBio esclarece que este extrato não exime a requerente do cumprimento das demais legislações vigentes no país, aplicáveis ao objeto do requerimento. A íntegra deste Parecer Técnico consta do processo arquivado na CTNBio. Informações complementares ou solicitações de maiores informações sobre o processo acima listado deverão ser encaminhadas por escrito à Secretaria Executiva da CTNBio. FLÁVIO FINARDI FILHO EXTRATO DE PARECER TÉCNICO N o /203 O Presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio, no uso de suas atribuições e de acordo com o artigo 4, inciso XIX, da Lei.05/05 e do Art. 5º, inciso XIX do Decreto 5.59/05, torna público que na 66ª Reunião ordinária, realizada em 9 de outubro de 203, a CTNBio apreciou e emitiu parecer técnico para o seguinte processo: Processo nº / Requerente: Ouro Fino Saúde Animal LTDA. CQB: 296/0 Proton: 2886/203 Endereço: Rodovia Anhanguera SSP 330, Km 298, Distrito Industrial, Cravinhos - SP - CEP Tel. (6) Fax (6) Assunto: Solicitação de Certificado de Qualidade em Biossegurança para atividades com OGMs da classe I de risco biológico em larga escala. Extrato Prévio nº: 3698/203 publicado no DOU 45 de 30 de julho de 203. Decisão: Deferido RESUMO: a CTNBio, após apreciação da Solicitação de parecer para extensão de CQB para instalações atividades de pesquisa em regime de contenção com organismos geneticamente modificados da classe I de risco biológico em instalações credenciadas com nível de biossegurança NGEB-, conclui pelo deferimento, nos termos deste Parecer Técnico. O presidente da Comissão Interna de Biossegurança da Ouro Fino Saúde Animal LTDA., Sr. Mateus Meneghesso da Conceição, solicita à CTNBio parecer técnico extensão do Certificado de Qualidade em Biossegurança (CQB) para atividades de armazenamento e pesquisa em regime de contenção com organismos geneticamente modificados da classe I de risco biológico em larga escala nas instalações do Laboratório de PD&I Biotecnologia, localizada no bloco X da unidade da empresa Rodovia Anhanguera SSP 330, Km 298, Distrito Industrial, Cravinhos - SP. Os organismos a serem manipulados pela instituição nestas instalações são linhagens comerciais de Escherichia coli transformadas com genes do Hormônio Luteinizante. O responsável técnico pela unidade operativa será o Sr. Carlos Henrique, e este declara que as instalações da instituição possuem toda infraestrutura relacionada a biossegurança individual e coletiva para os indivíduos que participam das atividades dentro do laboratório e descreve a qualificação da equipe de pesquisadores envolvida no projeto para a realização do trabalho programado.

7 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN O processo descreve as medidas de biossegurança propostas para o laboratório e a qualificação da equipe de pesquisadores envolvida no projeto, bem como a declaração formal do responsável assegurando que as condições descritas no processo são apropriadas à realização dos projetos propostos. No âmbito das competências dispostas na Lei.05/05 e seu decreto 5.59/05, a Comissão concluiu que o presente pedido atende plenamente às normas da CTNBio e à legislação pertinente que visam garantir a biossegurança do meio ambiente, agricultura, saúde humana e animal. A CTNBio esclarece que este extrato não exime a requerente do cumprimento das demais legislações vigentes no país, aplicáveis ao objeto do requerimento. A íntegra deste Parecer Técnico consta do processo arquivado na CTNBio. Informações complementares ou solicitações de maiores informações sobre o processo acima listado deverão ser encaminhadas por escrito à Secretaria Executiva da CTNBio. FLÁVIO FINARDI FILHO DESPACHO DO PRESIDENTE Em 9 de novembro de 203 O Presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança - CTNBio, no uso de suas atribuições e de acordo com o Artigo 4, inciso XIX, da Lei.05/05 e do Art. 5º, inciso XIX do Decreto 5.59/05, torna público, que ficam CANCELADOS os Extratos prévios nº /203, DOU nº. 208, Seção 3, pág.2 de 25/0/203 e nº 3.859, DOU nº 224, Seção 3, pág. 3 de 9//203.. FLÁVIO FINARDI FILHO Ministério da Cultura SECRETARIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA 626, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL- TURA - SUBSTITUTO, no uso das atribuições legais, que lhe confere a Portaria nº 7 de 2 de janeiro de 200 e o art. 4º da Portaria nº 20, de 30 de Março de 200, resolve: Art..º - Aprovar projetos culturais, relacionados nos anexos à esta Portaria, para os quais os proponentes ficam autorizados a captar recursos, mediante doações ou patrocínios, na forma prevista, no º do artigo 8 e no artigo 26 da lei n.º 8.33, de 23 de dezembro de 99, alterada pela Lei nº 9.874, de 23 de novembro de 999. Art. 2.º - Esta portaria entre em vigor na data de sua publicação. JORGE ALAN PINHEIRO GUIMARÃES ANEXO I ÁREA: ARTES CÊNICAS (Artigo 8, º ) Eles são... Os Caras. Montagem e Circulação Cangaral Produções Artísticas Ltda. ME CNPJ/CPF: /000-7 Processo: Cidade: MG de Belo Horizonte Valor Aprovado R$: R$ ,40 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Montagem do espetáculo " Eles são... Os Caras", com direção de Cininha de Paula e circulação por Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo º Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro Logorama Projetos e Produções Culturais Ltda. CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O 2o. Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro apresentará, em dias, espetáculos de 20 companhias nacionais e internacionais. Será realizado em comunidades pacificadas e em locais beneficiados pelas Unidades de Policia Pacificadoras (UPPs), contribuindo assim para reinserção social e cultural dos moradores dessas comunidades. Pretende-se atingir cerca de 5 mil pessoas A Caixa não é de Pandora. MULTI PLANEJAMENTO CULTURAL LTDA - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: BA de Salvador Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Montagem do espetáculo teatral, monólogo, em celebração ao dia internacional da mulher. Andréa Elia viverá Diana, uma personagem cheia de conflitos que, ao completar 47 anos, fará uma reavaliação da sua vida, questionando o papel da mulher na sociedade ao longo dos anos. O produto do projeto é um espetáculo teatral, que fará 24 apresentações no Teatro ACBEU. EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL pelo código CHARLOTTY E SUAS CORES FORTES LYNX PRODUCOES CULTURAIS E EVENTOS LTDA - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Numa sociedade que costuma determinar "papéis" para todo mundo de uma forma tão segmentada e reducionista, fugir completamente daquilo que é considerado "normal" pelas convenções sociais pode ser bastante perigoso. E Charlotty paga o preço por ser uma pessoa incomum. É dentro dessa proposta que se desenvolve a trama de "Charlotty e Suas Cores Fortes" O Mundo Encantado Buarque de Hollanda Raccord Produções Artisticas e Cinematograficas Ltda CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: "O MUNDO ENCANTADO BUAR- QUE DE HOLLANDA" é um show teatral infantil, de 50 minutos, composto por músicas do Chico Buarque. As canções são costuradas por textos e recebem vida e novos arranjos através dos personagens. Tiana, Rico e Rena, uma trupe de saltimbancos, desvendam com a platéia, a cultura popular brasileira e o ima-ginário do grande poeta brasileiro Chico Buarque. As crianças sairão do espetáculo exal-tando a musica popular brasileira junto de suas famílias PIA FRAUS 30 ANOS PIA FRAUS PRODUCOES ARTISTICAS E COMERCIO LTDA - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ 94.03,06 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto contempla a montagem e circulação gratuita do espetáculo "Mar Fantástico", remontagem do sucesso de repertório do grupo "O Vaqueiro e O Bicho Froxo", publicação "30 Anos de Pia Fraus" com conteúdo biográfico do grupo, e exposição de acervo selecionado de bonecos, adereços e material gráfico IMPERADOR DO IPIRANGA - CARNAVAL 204 SOCIEDADE ESCOLA DE SAMBA IMPERADOR DO IPIRANGA CNPJ/CPF: /000-6 Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O Projeto destina-se a apresentação no desfile de carnaval na cidade de São Paulo, com aproximadamente 800 componentes, no dia 02 de março de 204, no sambódromo o Amhembí BRASILEIRINHA ALCE PRODUCOES ARTISTICAS E CULTURAIS LTDA - EPP CNPJ/CPF: /000-8 Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: BRASILEIRINHA é uma comédia solo, carioca, sobre o Brasil. Com texto de Luiz Carlos Góis que comemora 60 anos de vida e direção de Joaquim Vicente. Aline Carrocino interpreta seis personagens, brasileiras típicas. Com estreia para 204, faremos uma temporada no Rio de Janeiro, aos sábados e domingos, no Teatro Leblon, sala Tonia Carreiro, durante dois meses e mais 2 meses em SP no Teatro Nair Bello Viva Música - Ano II Instituto de Produção Cultural Freestudio CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SC de Blumenau Valor Aprovado R$: R$ 392.9,75 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Promover a música instrumental por meio da oferta de cursos de música em duas instituições de Blumenau em um período de 2 meses. No último mês será realizado um grande festival de encerramento. Quantidade de apresentações musicais: Orquestra de Violões e Coral Nova Vida Fundação Espírita Nova Vida CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: GO de Catalão Valor Aprovado R$: R$ ,90 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O Projeto Orquestra de Violões e Coral Nova Vida visa promover a inclusão social, a cultura e a aprendizagem musical através de oficinas GRATUITAS de violão e coral para o público infanto-juvenil em situação de risco e vulnerabilidade social. Tem por objetivo a manutenção da Orquestra de Violões e do Coral Nova Vida para atender respectivamente 40 e 40 crianças e adolescentes gratuitamente da rede pública de ensino com idade entre 7 e 7 anos no contra turno escolar, e ainda realizar uma (0) Apresentação gratuita da Orquestra de Violões e do Coral Nova Vida para a culminância do Projeto sociocultural Tocar e Encantar ALESSANDRA CALAZANS DE CAMPOS GASPAR - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de Campinas Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Produzir no plano anual o projeto "Tocar & Encantar" através do aprendizado de Música Instrumental como um meio de mobilização e de transformação social de jovens de 2 a 4 anos de idade, de ambos os sexos, da rede pública de ensino, bem como levar a democratização e o acesso da arte do aprendizado da música instrumental à periferia da cidade de Itu-SP. ÁREA: 4 ARTES VISUAIS (Artigo 8, º ) ºSALÃO PARANAENSE Sociedade de Amigos do Museu de Arte Contemporânea do Paraná CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: PR de Curitiba Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Realização do 65 Salão Paranaense no Museu de Arte Contemporânea do Paraná, um dos mais tradicionais salões de arte do país, com finalidade de estimular a produção artística contemporânea. Os inscritos serão julgados por um comitê curatorial formado por membros ilustres, que selecionarão 25 artistas de participação espontânea, e também 5 artistas convidados. Dois artistas serão contemplados com o prêmio aquisição e mais dois artistas com o prêmio residência EXPOSIÇÃO PAUL GARFUNKEL - PINTOR VIAJANTE ACM ABDALLA ARTE - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Exposição de 200 obras do artista francês radicado no Brasil Paul Garfunkel no Museu Municipal de Arte (MuMA) na cidade de Curitiba cidade na qual o artista viveu por muito tempo. Serão expostos desenhos, aquarelas e óleos sobre tela. ÁREA: 5 PATRIMÔNIO CULTURAL (Artigo 8, º ) GURIZADA BEM GAUCHA PARQUE DO GAUCHO CENTRO CULTURAL LTDA CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RS de Gramado Valor Aprovado R$: R$ ,77 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto viabiliza o acesso ao Parque Gaúcho dos estudantes e professores da rede pública de educação do Rio Grande do Sul. Durante os 37 dias de realização, serão proferidas 274 Palestras para grupos de 80 pessoas/dia durante as visitas mediadas. Serão desenvolvidos os Conteúdos Programáticos e distribuídos exemplares da Cartilha. O Parque é o principal empreendimento existente no Cone Sul dedicado à história e identidade cultural do tipo característico dos pampas, o gaúcho Excelsior : Alex Cerveny roberta martinho epp CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O livro "Excelsior" pretende reunir um panorama da carreira do importante artista contemporâneo brasileiro: Alex Cerveny. Com ampla seleção de imagens de suas obras, a publicação conta com ensaios do doutor em sociologia e pesquisador de arte Miguel Chaia e do escritor e psicanalista Leopoldo Nosek. A publicação, de capa dura, conta com 304 páginas, tamanho fechado de 2x 27 cm e tiragem de exemplares CAMINHOS DO RIO - Roteiro: A Origem da Cidade do Rio de Janeiro. Segunda edição. Restauro - Editora, Pesquisas e Projetos CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,40 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Promover o conhecimento do patrimônio histórico presente no espaço urbano e edificações da praça mais antiga da cidade do Rio de Janeiro - Praça XV de Novembro - a estudantes e professores do Ensino Fundamental, de escolas públicas e particulares e de ONGs educativas, por meio de passeio cultural auxiliado por um caderno de atividades, de distribuição gratuita, aprimorando e enriquecendo a experiência da primeira edição do mesmo projeto, realizada em 20 (ver: Memória dos Pescadores da Colônia Z3 Tamar Bajgielman CNPJ/CPF: Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto Memória dos Pescadores da Z-3 tem como principal objetivo a organização de um acervo documental e a construção de um acervo de depoimentos orais, destinados a preservar e divulgar a história e a cultura dos pescadores da Colônia Z-3, fundada há noventa anos na cidade do Rio de Janeiro.

8 8 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de Pequeno Almanaque de Prendas e Miudezas MOBR PRODUCOES ARTISTICAS LTDA CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Pequeno Almanaque de Prendas e Miudezas é o projeto de um livro artesanal e um aplicativo que propõe uma releitura de tradicionais técnicas artesanais do interior do país, colocando em evidência antigos processos manuais e estimulando sua apropriação pelas novas gerações. A designer Eloísa Fróes, artesã prendada, busca inspiração para suas criações através do contato com artesãos tradicionais brasileiros, e vai aprender, difundir e reinventar técnicas manuais guardadas pelas antigas gerações. ANEXO II ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Gravação de CD/DVD e divulgação da dupla Otávio Augusto e Gabriel NOME DO PROPONENTE: EVOLUTIONS - PROMO- COES E REALIZACOES DE EVENTOS LTDA. - EPP CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de Jundiaí Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O objetivo deste projeto é a produção de um CD e DVD para divulgação da dupla Otávio Augusto e Gabriel e da cultura brasileira, e uma turnê de 24 no estado de São Paulo, inteiramente gratuitos a população. Prensagem de CD`s e DVD`s a titulo promocional, destinados a divulgação e distribuição para emissoras de rádios e Televisão em todo Pais. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) MARCHINHAS DE CARNAVAL NOME DO PROPONENTE: IBERO DIGITAL EDITORA SOCIEDADE SIMPLES LTDA CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto consiste na produção de dois boxes com 0 CDs cada, contendo 278 canções oficiais de compositores nacionais de forma que se eternize e preserve a Música Popular Brasileira. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Gravação do Segundo CD de Rodrigo Ferreira NOME DO PROPONENTE: PAULO RODRIGO DA SILVA FERREIRA CNPJ/CPF: Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Produzir um CD com dez composições de autoria de Paulo Rodrigo da Silva Ferreira (Rodrigo Ferreira); Produção de Três Mil cópias do disco; Realizar um show de lançamento para difusão da obra e de seu criador; ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Programação Cultural Natal Mágico 203 NOME DO PROPONENTE: Fundação Cultural de Rio do Sul CNPJ/CPF: /000-8 Processo: Cidade: SC de Rio do Sul Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: A programação cultural do Natal Mágico 203 será realizada no período de 2 a 23 de dezembro de 203. Nos 4 primeiros dias serão realizadas apresentações em espaços culturais da cidade, parques e ginásios, abrindo a programação cultural. Já no período de 7 a 23 de dezembro a programação se intensifica nos pontos de maior circulação de pessoas na cidade, calçadão Osny José Gonçalves e a praça Ermembergo Pellizzetti, que se tornarão parte do espetáculo através de instalações. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) DVD LÉO E MARKY NOME DO PROPONENTE: MARCUS VINICIUS PELE- GRINELLI DE FARIAS LIMA CNPJ/CPF: Processo: Cidade: PR de Londrina Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Objetivo de Léo e Marky, é gravar de duas mil e duzentas cópias de DVDs com o qual terá em seu conteúdo músicas sertanejas e fazer 0 apresentações gratuitas no estado do do Paraná. 0 - LONDRINA 02 - CORNÉLIO PROCÓPIO 03 - BANDEIRANTES 04 - JACAREZINHO 05 - MANDAGUARI 06 - IVAIPORÃ 07 - ARAPONGAS 08 - SERTANÓPOLIS 09 - PRI- MEIRO DE MAIO 0 - PORECATU ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) V FESTIVAL DE MUSICA DE BELO HORI- ZONTE COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS pelo código NOME DO PROPONENTE: LUKAMA PRODUÇÕES E EVENTOS LTDA CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: MG de Belo Horizonte Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: REALIZAÇÃO DE FESTIVAL DE MÚSICA DE COMPOSIÇÕES INÉDITAS COM ACESSO GRA- TUITO AO PÚBLICO. O FESTIVAL OFERECE À COMUNIDADE DE BELO HORIZONTE E AOS TURISTAS, UMA ÓTIMA OPOR- TUNIDADE DE LAZER CULTURAL, ENTRETENIMENTO E SO- CIABILIDADE". GERA A OPORTUNIDADE PARA OS NOVOS COMPOSITORES APRESENTAREM O SEU TRABALHO PARA UM GRANDE NUMERO DE PÚBLIDO, ABRINDO PORTAS PA- RA A PROFISSIONALIZAÇÃO DOS MESMOS,INCREMENTA- DO ASSIM, A CADEIA PRODUTIVA ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Drê NOME DO PROPONENTE: Adriana de Souza Voto CNPJ/CPF: Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O Projeto consiste em 3 shows de divulgação do trabalho da Cantora Drê, que teve seu CD gravado em 202. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Jai Mahal e os Pacíficos da Ilha NOME DO PROPONENTE: Cult Produções Artisticas Ltda. CNPJ/CPF: /000-0 Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Turnê de 8 shows do grupo de reggae "Jai Mahal e os Pacíficos da Ilha", sendo 2 em São Paulo capital e 6 em cidades do interior de São Paulo e de Minas Gerais. A série de shows promoverá o lançamento do cd "O Homem Invisível" e será gravada em dvd (2.000 unidades). O projeto inclui também a prensagem de cds. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Ensaios Afropop Uma Homenagem a Dorival Caymmi NOME DO PROPONENTE: Barbara Juliana Vieira Dias da Silva CNPJ/CPF: Processo: Cidade: BA de Salvador Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O Movimento Afropop retorna no verão de 204, com três apresentações da cantora Margareth Menezes, no clube Fantoches da Euterpe, em Salvador. Com o tema Centenário de Dorival Caymmi, a cantora volta ao palco do Clube com sua conhecida força musical homenageando este, que foi um dos grandes compositores da música popular brasileira. ÁREA: 4 ARTES VISUAIS (Artigo 26, º ) Estandes Multimídias na Mostra do Patrimônio Cultural Material e Imaterial da Região Serrana na XXV Festa Nacional do Pinhão NOME DO PROPONENTE: FUNDACAO CULTURAL DE LAGES CNPJ/CPF: /000-0 Processo: Cidade: SC de Lages Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Instalação de Estandes multimídias que exibam acervos históricos, as artes plásticas e tradição oral de forma interativa utilizando o audio visual e outras midias e linguagens na Mostra do Patrimônio Cultural Material e Imaterial da Região Serrana na XXV Festa Nacional do Pinhão, permanecendo os equipamentos no acervo da Fundação Cultural de Lages. ÁREA: 6 HUMANIDADES (Artigo 26, º ) PAQUETÁ, CULTURA JÁ! NOME DO PROPONENTE: Organização Não Governamental O Nosso Papel CNPJ/CPF: /000-6 Processo: Cidade: RJ de Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Realizar atividades culturais sócio educativas e formativas através da implantação de núcleos que promovam a inserção sócio cultural de um mínino de 200 crianças e jovens de Paquetá, para que eles se reconheçam como protagonistas da sua história e co - responsáveis e participativos na melhoria da sua qualidade de vida e na difusão da Ilha de Paquetá 627, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL- TURA - SUBSTITUTO, no uso das atribuições legais, que lhe confere a Portaria nº 7 de 2 de janeiro de 200 e o art. 4º da Portaria nº 20, de 30 de Março de 200, RESOLVE: Art..º - Aprovar projetos culturais, relacionados nos anexos à esta Portaria, para os quais os proponentes ficam autorizados a captar recursos, mediante doações ou patrocínios, na forma prevista, no º do artigo 8 e no artigo 26 da lei n.º 8.33, de 23 de dezembro de 99, alterada pela Lei nº 9.874, de 23 de novembro de 999. Art. 2.º - Esta portaria entre em vigor na data de sua publicação. JORGE ALAN PINHEIRO GUIMARÃES ANEXO I ÁREA: ARTES CÊNICAS (Artigo 8, º ) ALTO DE NATAL Paulo Leite Vaccarelli CNPJ/CPF: Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: As velhas escrituras contam que o um arcanjo, de nome Gabriel, apareceu para Maria e anunciou que ela daria a luz ao filho de Deus. O prometido Messias. Algum tempo depois, antes de Jesus nascer; Maria e José foram a Belém, a fim de terem seus nomes registrados em um recenseamento. Belém era uma pequena cidade do sul da Judéia. Serão feitas 3 grandes apresentações em locais abertos º Festival Brasileiro de Teatro Profissional de Araxá Oldair Fialho de Sousa ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: MG de Araxá Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto consiste em promover o º Festival Brasileiro de Teatro Profissional de Araxá, com premiações a várias categorias incentivando o intercâmbio entre artistas dos grandes centros e do interior para troca de experiências, aumentar o fluxo turístico, formar plateia em uma cidade predominantemente cultural e turística Doutores do Riso samera machado pintanel CNPJ/CPF: Processo: Cidade: RS de Rio Grande Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto Doutores do Riso consiste em um grupo de 6 atores com a técnica do palhaço/clown. Os quais realizarão intervenções (espetáculos teatrais) em 3 unidades hospitalares de Rio Grande -RS a partir dos referenciais da Terapia do Riso. O Projeto realizará apresentações º Natal no Morro - Edição 203 STEFFEN PROJETOS & EVENTOS LTDA - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RS de Nova Petrópolis Valor Aprovado R$: R$ 9.500,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O Natal no Morro de Arvorezinha pretende realizar espetáculo de intensa emoção, intitulado "O menino nasce nos braços do campo", em dezembro de 203, no morro da Igreja Matriz. O evento contará com a participação de mais de 40 atores locais e cantores, que representarão camponeses que habitam o morro, narrando a história da natividade O intuito do projeto é reforçar o espírito comunitário, a integração sócio-cultural, estimulando as artes cênicas e a música erudita DE REPENTE, GORDA! Trampo Produções Culturais Ltda - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Comédia para teatro com a atriz Mariana Xavier, direção de Luiza Thiré. Estréia no Rio de Janeiro e cumpre temporada de 2 meses no Teatro Leblon. Depois segue para o Teatro Nair Belo em SP para mais 2 meses em cartaz. Tendo como pano de fundo a eterna sensação de inadequação estética experimentada pela maioria das mulheres, "De Repente Gorda" fala na verdade de algo muito mais profundo: do poder (tantas vezes desconhecido) de mudança que se tem sobre a própria vida DHRAMA - O Incrível Diálogo entre Krishna e Arjuna CASA FORTE PRODUCOES ARTISTICAS LTDA. - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Realizar temporada do espetáculo DH- RAMA - O Incrível diálogo entre Krishna e Arjuna, texto e direção de João Falcão, encenado por Virgínia Cavendish e André Arteche, na cidade de São Paulo, em um teatro de aproximadamente 270 lugares, totalizando 36 apresentações, seguindo posteriormente para cinco capitais, a saber: Brasília, Vitória, Salvador, Curitiba e Belo Horizonte.

9 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN ROCK SHOW BIS Seta Produções LTDA CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Pretende-se apresentar em São Paulo o espetáculo musical ROCK SHOW BIS, o qual resgata a história do Rock'n Roll de uma forma irreverente e marcante, mostrando através do teatro este gênero musical universal que até hoje dita comportamentos e influencia gerações O Divino Zumblick - Desfile de Carnaval 204 Gremio Cultural Esportivo Recreativo Escola de Samba Protegidos da Princesa CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SC de Florianópolis Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Apresentação do samba-enredo: "O Divino Zumblick", cujo tema homenageará "in memorian" a vida e a arte do admirável pintor catarinense Willy Alfredo Zumblick, com a realização de 0 (um) Desfile de Carnaval do ano de 204. Uma inesquecível apresentação de artes cênicas carnavalescas, música, dança e carros alegóricos, com a participação da comunidade local; Preservando, assim, o patrimônio cultural imaterial do Carnaval, em Florianópolis-SC SILÊNCIO! ou POLACA! ALAN ISIDIO DE ABREU PRODUÇÕES ARTÍSTICAS CNPJ/CPF:.722.6/ Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: "Silêncio! ou Polaca!"é uma peça adulta inédita da dramaturga Renata Mizrahi, cujo texto foi escrito pelo edital Apoio à Pesquisa e Criação Artística 200 do Governo do Estado do Rio de Janeiro. No elenco, Suzana Faini, Jaime Leibovitch, Debora Lamm, Elisa Pinheiro, Fernando Lopes Lima, Joice Niskier e Peter Boos, com direção da autora e Priscila Vidca. O projeto prevê temporada no Rio de Janeiro com 24 apresentações DESALAMBRAR (I Festival Latino Americano de Teatro de Animação de Santana do Livramento e Rivera) Animação Produções LTDA -ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de Santana de Parnaíba Valor Aprovado R$: R$ ,44 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Encontro de teatro latino americano com grupos de diversos países incluindo espetáculos de rua, oficinas e debates. O projeto se desenvolverá nas cidades de Santana do Livramento e Rivera, fronteira do Brasil com o Uruguai, concentrando eventos em torno do parque que marca a divisa entre os dois países AZUL RESPLENDOR Circulação 204 RENATO BORGHI PRODUÇÕES ARTÍSTICAS LTDA CNPJ/CPF: /000-0 Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Depois das temporadas nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Curitiba e Rio de Janeiro. O Projeto "Azul Resplendor" continua no ano de 204 com a circulação pelas capitais brasileiras, além de cidades do interior. Com o firme propósito de se apresentar no maior número possível de cidades. Elenco: Eva Wilma, Pedro Paulo Rangel, Dalton Vigh, Luciana Borghi, Luciana Brites e Felipe Guerra. Direção de Renato Borghi e Elcio Nogueira Seixas. A produção de André Mello. Com o total de 90 apresentações Gonzagão - A Lenda (Circulação) SARAU AGENCIA DE CULTURA BRASILEIRA LTDA - EPP CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Realizar o musical "Gonzagão A Lenda", de João Falcão, em palcos montados ao ar livre, em 9 cidades a saber: Exu - Pernambuco; São Luiz - Maranhão; Teresina - Piauí; Mossoró - Rio Grande do Norte; Campina Grande - Paraíba; Recife - Pernambuco; Caruaru - Pernambuco; Salvador - Bahia e Brasília - DF. O circuito será iniciado no dia 3 de dezembro, data de aniversário de Luiz Gonzaga, em sua cidade Natal, Exu. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 8, º ) INSTRUMENTAL GAÚCHA Valmir Pires de Lima CNPJ/CPF: Processo: Cidade: SC de Taió Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Realização de 0 (dez) espetáculos de música instrumental com os músicos do Grupo Marcas do Rio Grande do Sul e forma de valorizar a musica instrumental Gaúcha. Os espetáculos são gratuitos, realizados nas cidades de Santa Catarina, Rio Grande do Sul Turnê de Itamar Veras e Banda L & A por Mato Grosso EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL pelo código Itamar Veras da Silva CNPJ/CPF: Processo: Cidade: MT de Cuiabá Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto tem também por objetivo a interiorização da música instrumental popular. Queremos atingir o público infanto-juvenil e adulto, da faixa etária dos 0 aos 70 anos de idade. Levar o prazer da música conscientizado essas pessoas e colocando em suas vidas o hábito de entender a arte que raramente é mostrada pela grande mídia. Iremos realizar 5 shows em 5 diferentes cidades do estado de Mato Grosso Natal em Jazz Maringá Paulo Aloisio Schoffen CNPJ/CPF: Processo: Cidade: PR de Maringá Valor Aprovado R$: R$ ,60 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O Projeto Natal em Jazz Maringá consiste em 04 apresentações da Big Band Vitor Gorni na cidade de Maringá no Paraná em dezembro de 203 no período que antecede o Natal. As apresentações serão gratuitas e acontecerão em 04 praças diferentes da cidade (centro e periferia). A Big Band interpretará clássicos do jazz, música popular brasileira e temas natalinos, com um intuito de levar música instrumental a praças públicas, democratizando o acesso à cultura. As datas e locais das apresentações serão os seguintes: 20/2 (quarta-feira) - Praça Salgado Filho - Horário: 9h,2/2 (quinta-feira) - Praça Farroupilha- Horário: 9h, 22/2 (quarta-feira) - Praça Raposo Tavares - Horário: 9h, 23/2 (quinta-feira) - Praça Papa João XXIII SINFONIA CONCERTANTE PARA DUAS VIO- LAS E ORQUESTRA Milton Cesar Campos CNPJ/CPF: Processo: Cidade: PR de Cascavel Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto tem como objetivo uma série de expansões culturais, possibilitando a viola brasileira a vivenciar a amplitude de recursos e sonoridades que sua construção e história carregam, em um lugar de destaque em meio a uma orquestra, ao mesmo tempo em que leva ao grande público a nova opção de desfrutar mais um ramo da árvore de possibilidades da cultura do nosso país. Com isso, propomos como objeto principal, a realização de 05 concertos em algumas cidades do Brasil Copa do Jazz em BH Adriano George da Silva CNPJ/CPF: Processo: Cidade: MG de Belo Horizonte Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: 64 apresentações gratuitas dos artistas: Leo Pires, Marcus Abjaud, Juninho Fiuza, João Vianna, André Lana, José Namen, Serginho Silva e Bruno Couto, no Teatro de Arena do Parque Lagoa do Nado-BH/MG, durante os 25 dias da Copa do Mundo de Futebol 204. Sendo os shows realizados antes e entre os intervalos das 64 partidas do Mundial. Músicos Mineiros, mostrando a fusão da Música Brasileira com a Música Universal, com sonoridade Jazzistica. ÁREA: 4 ARTES VISUAIS (Artigo 8, º ) A COPA DE 58, HEROÍSMO, IDEALISMO E MODERNIDADE FASS FOTOGRAFOS ASSOCIADOS LTDA - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Realizar uma exposição de fotografias sobre a Copa de 58 e sua época, composta por cerca de 90 imagens dos fotógrafos Jean Manzon, Luis Carlos Barreto e German Lorca. A curadoria será de Diógenes Moura. A mostra será apresentada no Museu Afro Brasil, situado no Parque Ibirapuera, em São Paulo. A entrada será gratuita, durante cerca de 60 dias, prevista para o primeiro semestre de o país do futebol Q. T. Torres Silveira-ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: MA de Paço do Lumiar Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O País do Futebol é o Brasil. Para abordar este tema vamos percorrer seu território sob o olhar minucioso de Terciano Torres, através da exposição de mapas e gravuras com uma coletânea de 2 MAPAS, obras criadas exclusivamente para essa exposição, que visa apresentar de maneira lúdica as cidades sedes da Copa em seu contexto urbano, de patrimônio cultural e traços marcantes de sua história e tipos humanos. A exposição apresentada está prevista para acontecer em Recife, Salvador e Ceará. ÁREA: 6 HUMANIDADES (Artigo 8, º ) Coleção Arranha-Céu Paulo Marcio Mettig Rocha CNPJ/CPF: Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Trata-se de uma coleção de pequenos livros ilustrados (que serão disponibilizados também nas versões digital e áudio-livro) que apresentam o universo da arquitetura brasileira às crianças Pique Nique Com Livros - 2a Edição Simone Rosa Corrêa Pinto CNPJ/CPF: Processo: Cidade: MG de Belo Horizonte Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: A primeira edição desse projeto foi realizado em maio de 203, no Parque Lagoa do Nado,em Belo Horizonte. Para a próxima edição, as ações alcançarão Belo Horizonte e também o município de Betim. Serão contemplados.900 alunos da rede pública de ensino, gratuitamente, com as seguintes atividades: atividade interativa sobre a origem do livro, oficina do mini-livro, pique -nique, contação de histórias. Todas as ações serão realizadas em um ambiente lúdico, ao ar livre, fora da sala de aula Livro Vírgula no Infinito Inventarte Produções Artísticas Ltda CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,98 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Livro Vírgula do Infinito, segundo livro da artista Gabriela Gusmão, autora do livro Rua dos Inventos. Enquadra-se na categoria de livro de arte, sendo inspirado em uma exposição de artes plásticas realizada pela autora. Tiragem de.000 exemplares TRINDADE: TRAJETO ENTRE FÉ E CULTU- RA Wagner Toyama Cassimiro CNPJ/CPF: Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O presente projeto busca retratar, por meio de um livro fotográfico - cuja introdução será apresentada através de uma história em quadrinhos -, a força da religiosidade no município goiano de Trindade. Mais do que isso, pretende mostrar como se espalha a religião por todos os elementos da cidade, seja através dos edifícios históricos, das tradições que têm atravessado gerações ou do próprio cotidiano de seus moradores. Em última instância, Trindade: Trajeto entre Fé e Cultura objetiva ilustrar como a religião é fundamental para a construção da base cultural de um povo, utilizando como palco, como já dito, Trindade, cidade esta de enorme importância e significado, não só para a região Centro-Oeste, mas também para o Brasil como um todo HISTÓRIA DO CENTRO OESTE DO BRASIL - CAPITANIA DE GOIÁS Instituto de Desenvolvimento e Inovação CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: DF de Brasília Valor Aprovado R$: R$ ,69 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Pesquisa histórica e fotográfica, mapas e desenhos dos séculos XVIII, XIX e XX vinculados à criação e formação da Capitania de Goyáz (*) e consequente formação do Centro Oeste Brasileiro. Produção de Literatura como resultado das pesquisas, fotos e vídeo digital de sítios históricos das 30 cidades e Arraiais. Produção de exposições fotográfica apresentando: fotos, materiais, artesanatos, mapas e desenhos e gravuras dos séculos XVIII, XIX e XX vinculados à história da Capitania de Goiás Caravana da Leitura - VIII Antonio José Laé de Souza CNPJ/CPF: Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: R$ 08.60,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Edição de livros para desenvolvimento de projeto de incentivo à leitura com a venda de livros pelo valor simbólico de R$ 2,00 em praças públicas de várias cidades. O projeto vem sendo realizado desde o ano de Com a edição de livros o projeto pretende formar mais leitores NO CAMINHO DO CACAU, ITACARÉ CORPORATIVA PARTICIPACOES E COMUNICACAO LTDA - ME CNPJ/CPF: /000-6 Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: R$ ,20 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Livro de arte com texto do escritor Antônio Torres e fotos artísticas de Sergio Pagano vai mostrar a importância histórica, cultural, econômica e a diversidade ambiental da rota do cacau de Ihéus até Itacaré, no sul da Bahia INDONÉSIA - Culturas pelo Mundo Cristina Petersen Engler CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RS de Porto Alegre Valor Aprovado R$: R$ ,67 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203

10 0 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 Resumo do Projeto: Trata-se da publicação de alta difusão cultural, em moderno projeto gráfico, com tiragem de exemplares, que conta através de imagens e ensaios a diversificada cultura da Indonésia deixada como herança por civilizações milenares. O leitor fará uma aventura ímpar com o fotógrafo brasileiro Everton Luis, que registrará um arquipélago repleto de cultura e arte num cenário de rara beleza. As imagens serão reunidas em um livro História da mineração na região de Araxá e sua importância no desenvolvimento econômico e cultural do Brasil Wander Marcio de Rezende CNPJ/CPF: Processo: Cidade: MG de Araxá Valor Aprovado R$: R$ ,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Publicação de um livro através da pesquisa de campo sobre a história da mineração na região de Araxá-MG e Tapira-MG, situadas no Alto Paranaíba, proximidades da Serra da Canastra, desde a época do Brasil colonial aos dias atuais. Os minerais encontrados nestes municípios, dentre eles o fosfato, nióbio e titânio são imprescindíveis na vida do ser humano e atarem a atenção de pesquisadores desde há dezenas de anos. Como já se sabe, esta região, pertencia ao Desemboque, importante elo de ligação com a colônia portuguesa na época da exploração do ouro em Minas Gerais. O desenvolvimento econômico, turístico e cultural desta região se deve principalmente à exploração mineral, devido à abundância de raros minerais. O livro conterá cerca de 250 fotografias O VIGOR DA CANÇÃO POPULAR ITALIANA NO RIO GRANDE DO SUL Geraldo Farina CNPJ/CPF: Processo: Cidade: RS de Bento Gonçalves Valor Aprovado R$: R$ 2.00,00 Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: A publicação prevista na presente proposta constitui-se em obra fruto de pesquisa sobre cultura ligada ao canto nas sedes primitivas de colonização italiana do Rio Grande do Sul, da região Uva e Vinho, de modo a registrar sua evolução ao longo dos anos. COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS ANEXO II ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) CADA VEZ MAIS BOSSA-NOVA - TURNÊ PAULA MORELENBAUM NOME DO PROPONENTE: JOSÉ ANTONIO CORREIA ALEXANDRE - ME CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: SP de São Paulo Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: O projeto "CADA VEZ MAIS BOSSA- NOVA Turnê surgiu da necessidade de apresentar as canções do disco através de uma turnê por 5 capitais brasileiras, a saber: SÃO PAULO, RIO DE JANEIRO, BRASÍLIA, BELO HORIZONTE e CURITIBA, sendo 2 dias de shows por cidade totalizando 0 apresentações. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) PROJETO CULTURAL GARCIA E FABIANO NOME DO PROPONENTE: Fabiano Zeferino CNPJ/CPF: Processo: Cidade: PR de Ibiporã Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Objetivo da dupla Garcia e Fabiano é gravar DVD de músicas sertanejas e fazer 28 apresentações gratuitas no estado do do Paraná. Bandeirantes, Nova Fátima, Cornélio Procópio, Santo Antônio da Platina, Jacarezinho, Umuarama, Cascavel, Ibiporã, Cambé, Manoel Ribas, Apucarana, Foz do Iguaçu, Siqueira Campos, Rolândia, Paranavaí, Cambará, Maringá, Abatia, Toledo, Londrina, Araruna, Assis Chateaubriand, Campina Grande do Sul, Cafelandia, Campo Mourao, Cruzeiro do Oeste, Douradina, Guarapuava. ÁREA: 3 MÚSICA (Artigo 26, º ) Samba Social Clube NOME DO PROPONENTE: PANCULTURAL EVENTOS E PROJETOS CULTURAIS LTDA CNPJ/CPF: / Processo: Cidade: RJ de Rio de Janeiro Valor Aprovado R$: Prazo de Captação: 20//203 à 3/2/203 Resumo do Projeto: Samba Social Clube: Dois grandes shows de Samba com gravação de CD e DVD. Durante todo o ano teremos 2 shows ( por mês). Alem do programa semanal de rádio durante ano. 628, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE FOMENTO E INCENTIVO À CUL- TURA-SUBSTITUTO, no uso das atribuições legais, que lhe confere a Portaria n 93, de 20 de agosto de 202 e o art. 4º da Portaria nº 20, de 30 de março de 200, resolve: Art. º - Aprovar a alteração dos nomes dos projetos abaixo relacionados: PRONAC "º Prêmio Brasil de Teatro Musical", publicado na portaria n. 369 de 26/06/202, publicada no D.O.U. em 27/06/202, para "2º Prêmio Bibi Ferreira". pelo código PRONAC "Callas - Orgulhosa Demais, Frágil Demais", publicado na portaria n. 329 de 26/06/203, publicada no D.O.U. em 27/06/203, para "Orgulhosa Demais, Frágil Demais". PRONAC "Marcelo Jeneci - album e turnê Doce Loucura", publicado na portaria n. 609 de 29/0/202, publicada no D.O.U. em 30/0/202, para "Marcelo Jeneci - album e turnê". ART. 2º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação.. JORGE ALAN PINHEIRO GUIMARÃES Ministério da Defesa COMANDO DA AERONÁUTICA GABINETE DO COMANDANTE 2.043/GC4, DE 4 DE NOVEMBRO DE 203 Prorroga o prazo previsto no art. º, da Portaria nº 547/GC4, de 29 de setembro de 20, que transfere para a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária a jurisdição técnica, administrativa e operacional do Aeroporto de São José dos Campos, no Estado de São Paulo. O COMANDANTE DA AERONÁUTICA, de conformidade com o previsto no art. 9 da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 999, tendo em vista o disposto no art. 2º da Lei nº 5.862, de 2 de dezembro de 972, e no art. 2º da Lei nº 7.565, de 9 de dezembro de 986, e considerando o que consta dos Processos nº /20-78 e nº /203-24, resolve: Art. o Prorrogar por seis meses, a contar de 7 de outubro de 203, o prazo previsto no art. º, da Portaria nº 547/GC4, de 29 de setembro de 20, que transfere para a Empresa Brasileira de Infra- Estrutura Aeroportuária (INFRAERO) a jurisdição técnica, administrativa e operacional do Aeroporto de São José dos Campos, no Estado de São Paulo. º A jurisdição da INFRAERO exercer-se-á sobre as áreas identificadas como ÁREA 02, ÁREA 03 e ÁREA 06, delimitadas no Plano de Zoneamento Civil/Militar do Aeroporto de São José dos Campos e nos respectivos Memoriais Descritivos. 2º A prorrogação de que trata esta Portaria deverá ser efetivada mediante Termo Aditivo ao Termo de Transferência vigente, a ser firmado pelos representantes do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, do Quarto Comando Aéreo Regional e da INFRAERO. 3º Quaisquer modificações do conteúdo do Termo de Transferência vigente deverão ser submetidas à apreciação do Comandante do Quarto Comando Aéreo Regional e efetivadas mediante Termos Aditivos a serem firmados entre as Partes. Art. 2 o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Ten Brig Ar JUNITI SAITO 2.065/GC3, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 Ativa o Grupamento de Apoio da Saúde (GAPS) e dá outras providências. O COMANDANTE DA AERONÁUTICA, de conformidade com o previsto no inciso V do art. 23 da Estrutura Regimental do Comando da Aeronáutica, aprovada pelo Decreto n 6.834, de 30 de abril de 2009, e considerando o que consta do Processo n /203-00, resolve: Art. º Ativar, a partir de º de janeiro de 204, o Grupamento de Apoio da Saúde (GAPS), com sede no Município do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, com a finalidade de prover o apoio logístico e administrativo às Organizações Militares especificadas em seu Regulamento. Art. 2º O GAPS é diretamente subordinado à Diretoria de Saúde da Aeronáutica, sendo chefiado por Coronel do Quadro de Oficiais Intendentes da Aeronáutica, da ativa. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Ten Brig Ar JUNITI SAITO COMANDO DA MARINHA DIRETORIA-GERAL DE NAVEGAÇÃO DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS 327/DPC, DE DE NOVEMBRO DE 203 Prorroga o prazo para a concessão da licença que autoriza, em caráter excepcional e temporário, o Praticante de Oficial de Náutica a despachar como Segundo Oficial de Náutica. O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Portaria nº 56, do Comandante da Marinha, de 3 de junho de 2004, e de acordo com o contido no art. 4º, da Lei nº 9.537, de de dezembro de 997 (LESTA), e no art. 3º da Portaria nº 5/DPC, da Diretoria de Portos e Costas, de de março de 20, resolve: Art. º Prorrogar o prazo para a concessão da licença que autoriza, em caráter excepcional e temporário, o Praticante de Oficial de Náutica a despachar como Segundo Oficial de Náutica, para até 30 de junho de 204. Art. 2º As licenças em vigor em 30 de junho de 204 serão mantidas até as datas de validade nelas estabelecidas. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação em Diário Oficial da União. Vice-Almirante CLÁUDIO PORTUGAL DE VIVEIROS 336/DPC, DE 8 DE NOVEMBRO DE 203 Altera as Normas da Autoridade Marítima para Credenciamento de Instituições para Ministrar Cursos para Profissionais Não Tripulantes e Tripulantes Não Aquaviários (NORMAM-24-2ª Revisão). O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Portaria nº 56/MB, do Comandante da Marinha, de 3 de junho de 2004, resolve: Art. º Alterar as Normas da Autoridade Marítima para Credenciamento de Instituições para Ministrar Cursos para Profissionais Não Tripulantes e Tripulantes Não Aquaviários, 2ª Revisão (NOR- MAM-24-2ª Revisão), aprovadas pela Portaria nº 04/DPC, de de outubro de 2007, publicada no Diário Oficial da União (DOU) nº 205 de 24 de outubro de 2007, seção, página 2; alterada pela Portaria nº 66/DPC, de 26 de junho de 2009, publicada DOU nº 22 de 30 de junho de 2009, seção, página 64; alterada pela Portaria nº 29/DPC, de 30 de setembro de 2009, publicada no DOU nº 89 de 2 de outubro de 2009, seção, página 2; alterada pela Portaria nº 72/DPC, de 27 de abril de 202, publicada no DOU nº 86 de 4 de maio de 202, seção, páginas 20 e 2, conforme abaixo especificado: º Substituir os Anexos A - RELAÇÃO DE CURSOS e B - MODELO DE CERTIFICADO pelos disponibilizados no site: < w w w. d p c. m a r. m i l. b r / o ff s h o r e / m e n u. h t m >. Art. 2º Estas alterações representam a Modificação (MOD.) à NORMAM-24-2ª Revisão (REV.2) e decorrem das aprovações de um novo currículo para o Curso Básico de Segurança de Navio (CBSN), do Curso de Gerente de Instalação Offshore Fixa (CGIF), do Curso de Familiarização de Proteção de Navio (CFPN) e do Curso para Profissionais em Proteção Marítima (CPPM), este último em substituição ao Curso de Coordenador de Proteção da Companhia (CCPC), cujos currículos encontram-se disponibilizados no endereço: <http://www.dpc.mar.mil.br/offshore/anexoa.pdf>. Art. 3º As instituições de ensino credenciadas para ministrar os cursos alterados deverão adequar-se aos novos currículos aprovados, passando a emitir os certificados como previsto no Anexo B. Art. 4º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação em DOU.. Vice-Almirante CLÁUDIO PORTUGAL DE VIVEIROS Ministério da Educação SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS A D M I N I S T R AT I V O S 923, DE 8 DE NOVEMBRO DE 203 O SUBSECRETÁRIO DE ASSUNTOS ADMINISTRATI- VOS DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais e de acordo com as competências que lhe foram delegadas por meio da Portaria nº 694, de 26 de maio de 2000, do Ministro da Educação, resolve: Art. º Fica autorizada, por destaque, a descentralização de crédito orçamentário para o Ministério das Relações Exteriores - MRE, no valor de R$ 2.000,00 (Dois mil reais), destinados à contratação de serviço de transporte para a participação do Excelentíssimo Senhor Ministro Aloizio Mercadante Oliva, durante a XLV Reunião de Ministros da Educação do MERCOSUL, dias 2 e 22 de novembro de 203 em Caracas, Venezuela, obedecendo às seguintes classificações orçamentárias: ) funcional programática: Administração da Unidade PTRES: Fonte: Valor: R$ 2.000,00 (Dois mil reais) Processo: / Art. 2º A transferência orçamentária será efetuada em parcela única e o recurso financeiro repassado, de forma condicionada, no momento da transferência, à liquidação da despesa no SIAFI pela Instituição, de acordo com o estabelecido no Decreto nº 7.680, de 7 de fevereiro de 202. Parágrafo Único. O saldo dos créditos orçamentários descentralizados e não empenhados, deverá ser devolvido à Subsecretaria de Planejamento e Orçamento, no exercício financeiro de 203, com base no Art. 27 do Decreto nº /86. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua assinatura. ANTONIO LEONEL CUNHA

11 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO RETIFICAÇÃO Na Resolução CEPE nº 5.486, de 3/0/203, publicada no D.O.U. nº 28, de 8//203, Seção, página 3, que homologa o resultado final do Concurso Público de Provas e Título de que trata o Edital PROAD nº 36/203 Área: Engenharia de Produção / Engenharia Organizacional / Ergonomia). Onde se lê: "...Frederico César Vasconcelos Gomes..." leia-se "...Frederico César de Vasconcelos Gomes..." FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO 56, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O DIRETOR DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCA- ÇÃO "PROF. MARIANO DA SILVA NETO"- CCE, no uso de suas atribuições legais e, considerando o Edital nº 04/203/CCE, de 8/0/203, publicado no DOU N o - 204, de 2/0/203; a retificação publicada no DOU N o - 206, de 23/0/203; o Processo nº /203-29; e as Leis nº.s 8.745/93; 9.849/99 e 0.667/2003, publicadas em 0/2/93; 27/0/99 e 5/05/2003, respectivamente, resolve: Homologar o resultado final do Processo Seletivo para contratação de Professor Substituto, correspondente à Classe Auxiliar, Nível I, em Regime de Tempo Integral - TI - 40 (quarenta) horas semanais, com lotação no Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino (DMTE), do Centro de Ciências da Educação "Prof. Mariano da Silva Neto"- CCE, da forma como segue:.metodologia e Estágio Supervisionado em Letras/Português - Habilitando os candidatos WILMA AVELINO DE CARVA- LHO (ª colocada) e EDJOFRE COELHO DE OLIVEIRA (2º colocado) e classificando para contratação a primeira colocada. 2. Metodologia e Estágio Supervisionado em Geografia - Habilitando os candidatos RAIMUNDO NUNES PIMENTEL NETO (º colocado), VILOBALDO ADELÍDIO DE CARVALHO (2º colocado) e MARCELA VITÓRIA DE VASCONCELOS (3ª colocada) e classificando para contratação o primeiro colocado. 3.Metodologia e Estágio Supervisionado em Ciências Sociais - Não houve candidatos aprovados. Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. JOSÉ AUGUSTO DE C. MENDES SOBRINHO EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL pelo código , DE 8 DE NOVEMBRO DE 203 A Diretora em exercício do Campus "Profª Cinobelina Elvas", no uso de suas atribuições legais e, considerando: O Edital nº 05/203, CPCE, de 7 de outubro de 203, publicado no DOU de 7 de outubro de 203; O Processo nº /203-4; As Leis nº 8.745/93, 9.849/99 e 0.667/2003, publicadas em , e , respectivamente, resolve: Homologar o resultado final do Processo Seletivo, para a contratação de Professor Substituto, com lotação no Campus Profª. Cinobelina Elvas, na cidade de Bom Jesus-PI, da forma como segue:. Bioquímica - Professor Auxiliar, Nível I, em regime de Tempo Integral - TI-40 (quarenta) horas semanais - Habilitando e classificando para contratação o candidato FRANCIS SOARES GO- MES (º colocado). 2. Ecologia - Professor Auxiliar, Nível I, em regime de Tempo Integral - TI-40 (quarenta) horas semanais - Habilitando as candidatas CATARINA DE BORTOLI MUNHAE (ª colocada), BRUNA MULLER CHIODINI (2ª colocada) classificando para contratação a ª colocada. 3. Solos - Professor Auxiliar, Nível I, em regime de Tempo Integral - TI-40 (quarenta) horas semanais - Habilitando os candidatos RONNY SOBREIRA BARBOSA (º colocado), MÁRCIO GODO- FREDO ROCHA LOBATO (2º colocado) e classificando para contratação o º colocado. 4. Fitotecnia/Fisiologia Vegetal - Professor Auxiliar, Nível I, em regime de Tempo Integral - TI-40 (quarenta) horas semanais - Habilitando e classificando para contratação a candidata RAFAELA RIBEIRO DE SOUZA (ª colocada). 5. Fitotecnia/Grandes Culturas - Professor Auxiliar, Nível I, em regime de Tempo Integral - TI-40 (quarenta) horas semanais - Habilitando os candidatos LEONARDO FONSECA DA ROCHA (º colocado) e REZANIO MARTINS CARVALHO (2º colocado) e classificando para contratação o º colocado. 6. Ciências Sociais - Professor Auxiliar, Nível I, em regime de Tempo Integral - TI-40 (quarenta) horas semanais - Não houve candidato inscrito. LUCIANA BARBOSA SILVA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE 3.827, DE 4 DE NOVEMBRO DE 203 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PORTARIAS DE DE NOVEMBRO DE 203 O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO a RESO- LUÇÃO ConsUni nº 753, de 0 de novembro de 203, resolve: N o - 465/3 - Art. º - Criar o Curso de Pós-Graduação em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis, nível mestrado acadêmico e respectivo Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Uso de Recursos Renováveis, com a sigla PPGPUR-So, vinculado ao Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade. Art. 2º - Atribuir ao Coordenador a Função Comissionada de Coordenação de Curso (FCC). Art. 3º Esta portaria entra em vigor nesta data, revogando-se as disposições em contrário. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO a RESO- LUÇÃO ConsUni nº 757, de 0 de novembro de 203, resolve: N o - 466/3 - Art. º - Criar as seguintes Coordenações de cursos de graduação no campus Lagoa do Sino da UFSCar: I - Coordenação do Curso de Engenharia Agronômica - CCEA - LS. II - Coordenação do Curso de Engenharia de Alimentos - CCEAl - LS. III - Coordenação do Curso de Engenharia Ambiental - CCEAm - LS. Art. 2º Atribuir aos Coordenadores a Função Comissionada de Coordenação de Curso (FCC). Art. 3º Esta portaria entra em vigor nesta data, revogando-se as disposições em contrário. O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO a RESO- LUÇÃO ConsUni nº 752, de 0 de novembro de 203, resolve: N o - 467/3 - Art. º - Criar o Curso de Pós-Graduação em Produção Vegetal e Bioprocessos Associados, nível mestrado Acadêmico e respectivo Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal e Bioprocessos Associados, com a sigla PPGPVBA-Ar, vinculado ao Centro de Ciências Agrárias. Art. 2º Atribuir ao Coordenador a Função Comissionada de Coordenação de Curso (FCC). Art. 3º Esta portaria entra em vigor nesta data, revogando-se as disposições em contrário. TARGINO DE ARAÚJO FILHO O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e considerando o que consta no Processo nº /203-8; resolve: Art. º - Homologar o resultado do Concurso Público de Provas e Títulos para Professor da Carreira do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Colégio de Aplicação/Campus Universitário Prof. José Aloísio de Campos, objeto do Edital nº. 04/203, publicado no D.O.U. de 26/06/203, seção 3, páginas 63 a 67 conforme informações que seguem: Disciplinas Geografia Cargo Professor da Carreira do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico Classe/Nível D I - Nível Regime de Trabalho Dedicação Exclusiva Resultado Final º LUGAR: ANEZIA MARIA FONSECA BARBOSA - 82,69 2º LUGAR: LAERCIO SOUZA SANTANA FILHO - 77,2 3º LUGAR: JÚLIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA - 74,53 4º LUGAR: IRISDIONE BANDEIRA BLANCO - 74,20 5º LUGAR: CARLOS EDUARDO DE AZEVEDO PEREIRA - 63,74 Art. 2º - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União , DE 4 DE NOVEMBRO DE 203 ANGELO ROBERTO ANTONIOLLI O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais e considerando o que consta no Processo nº /203-9; RESOLVE: Art. º - Homologar o resultado do Concurso Público de Provas e Títulos para Professor Efetivo do Núcleo de Engenharia Ambiental/Campus Universitário Prof. José Aloísio de Campos, objeto do Edital nº. 05/203, publicado no D.O.U. de 05/07/203, retificado através do Edital de Retificação nº 002, publicado no D.O.U. de /07/203, seção 3, páginas 45 e 46, conforme informações que seguem: Matérias de Ensino Impactos Ambientais Disciplinas Sistema de gestão e avaliação de impactos ambientais; Análise de riscos ambientais, avaliação e perícia ambiental; Valoração de sistemas ambientais. Cargo/Nível Professor Adjunto-A - Nível I Regime de Trabalho Dedicação Exclusiva Resultado Final º LUGAR: ANDRÉA NOVELLI - 70,64 2º LUGAR: IVANA SILVA SOBRAL - 64,48 3º LUGAR: JORGE LUIZ RODRIGUES FILHO - 63,70 Art. 2º - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União. SECRETARIA DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 603, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 ANGELO ROBERTO ANTONIOLLI O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, e considerando a Nota Técnica n 932/202 - DIREG/SERES/MEC, constante do Expediente MEC n , resolve: Art. º Ficam reconhecidos os cursos superiores de graduação constantes da tabela do Anexo desta Portaria, ministrados pelas Instituições de Educação Superior citadas, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de Art. 2 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso.

12 2 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos reconhecidos por esta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos reconhecidos por esta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 3 O reconhecimento dos cursos constantes do Anexo desta Portaria é válido para todos os fins de direito. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. (Reconhecimento de Cursos) ANEXO JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS N o - de Ordem Registro e-mec nº Curso ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (Bacharelado) N o - de vagas totais anuais Mantida Mantenedora Endereço de funcionamento do curso 200 (duzentas) INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR FUCAPI FUCAPI FUND CENTRO DE ANALISE PESQ E AVENIDA GOVERNADOR DANILO DE MATOS AREOSA, 38, INOV TECNOLOGICA DISTRITO INDUSTRIAL, MANAUS/AM ENFERMAGEM (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE PIAUIENSE SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR PIAUIENSE LT D A BR 343, KM 7,5, S/N, FLORIÓPOLIS, PARNAÍBA/PI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (Licenciatura) 40 (quarenta) FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - U FA B C AVENIDA DOS ESTADOS, 500, SANTA TERESINHA, SANTO ANDRÉ/SP COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS GESTÃO FINANCEIRA (Tecnológico) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRAN- INSTITUICAO EDUCACIONAL MATOGROSSENSE- DE I E M AT AVENIDA DOM ORLANDO CHAVES, 2655, CRISTO REI, VÁR- ZEA GRANDE/MT SECRETARIADO EXECUTIVO (Bacharelado) 40 (cento e quarenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS ASSO- CIACAO EDUCACIONAL AV. MORUMBI, 50, MORUMBI, SÃO PAULO/SP COMÉRCIO EXTERIOR (Tecnológico) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX CENTRO INTEGRADO PARA FORMACAO DE EXE- CUTIVOS GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (Tecnológico) 80 (cento e oitenta) FACULDADE ANHANGUERA DE PASSO FUN- ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA DO RUA ORLANDO SILVA, 2896, CAPIM MACIO, NATAL/RN RUA PAISSANDU, 200, CENTRO, PASSO FUNDO/RS PETRÓLEO E GÁS (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE DE CIÊNCIAS EDUCACIONAIS DE SERGIPE ASSOCIACAO DE ADMINISTRACAO DO ENSINO E AVENIDA DELMIRO GOUVEIA, 800, COROA DO MEIO, ARA- DA PESQUISA DE SERGIPE S/S LTDA CAJU/SE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES CENTRO DE ESTUDOS OCTAVIO DIAS DE OLIVEI- RA RODOVIA GO-060 KM 9, 3.84, SETOR LAGUNA PARQUE, TRINDADE/GO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (Bacharelado) 50 (cinquenta) FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - U FA B C AVENIDA DOS ESTADOS, 500, SANTA TERESINHA, SANTO ANDRÉ/SP GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO N O RT E AVENIDA SENADOR SALGADO FILHO, 3000, CAMPUS UNI- VERSITÁRIO, LAGOA NOVA, NATAL/RN ENGENHARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E DO MEIO AMBIENTE (Bacharelado) 00 (cem) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE RUA PASSO DA PÁTRIA, 56, CENTRO TECNOLÓGICO, SÃO DOMINGOS, NITERÓI/RJ ARQUITETURA E URBANISMO (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E EXATAS DE PRIMAVERA DO LESTE UNIC EDUCACIONAL LTDA AVENIDA PAULO CEZAR PEREIRA ARANDA, 24, JARDIM RI- VA, PRIMAVERA DO LESTE/MT GESTÃO FINANCEIRA (Tecnológico) 240 (duzentas e quarenta) FACULDADE NOSSA CIDADE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA CIDADE LTDA. AV. FRANCISCO PIGNATARI, 630, VILA GUSTAVO CORREIA, CARAPICUÍBA/SP MEDICINA (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA LTDA - ME AVENIDA LUIZ VIANA (PARALELA), 882, PARALELA, SALVA- DOR/BA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (Tecnológico) 50 (cinquenta) UNIVERSIDADE DE UBERABA SOCIEDADE EDUCACIONAL UBERABENSE AV. NENE SABINO, 80, SANTA MARTA.,.80, CAMPUS UNI- VERSITÁRIO II, UNIVERSITÁRIO, UBERABA/MG FILOSOFIA (Licenciatura) 50 (cinquenta) INSTITUTO CATÓLICO DE ESTUDOS SUPE- RIORES DO PIAUÍ ASSOCIACAO PIAUIENSE DE CULTURA SUPE- RIOR (SOCULTURAS) RODOVIA PALMEIRAIS (PI 30), S.N., CAIXA POSTAL 496, KM 8, TERESINA/PI ALIMENTOS (Tecnológico) 50 (cento e cinquenta) FACULDADE DOM BOSCO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CASCAVEL LT D A AVENIDA DAS TORRES, 500, LOTEAMENTO FAG, CASCA- VEL/PR GESTÃO FINANCEIRA (Tecnológico) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIA- SE FUNDACAO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL RUA DEPUTADO GERALDO DI BIASE, 8, ATERRADO, VOLTA REDONDA/RJ EDUCAÇÃO FÍSICA (Bacharelado) 50 (cinquenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS FUNDACAO EDUCACIONAL MONSENHOR MES- SIAS AVENIDA MARECHAL CASTELO BRANCO, 2.765, CAMPUS UNIVERSITÁRIO, SANTO ANTÔNIO, SETE LAGOAS/MG GESTÃO AMBIENTAL (Tecnológico) 40 (quarenta) FACULDADE UNILAGOS FUNDACAO DE ENSINO SUPERIOR DE MANGUEI- RINHA - FESMAN RUA SALDANHA MARINHO, S/N, CENTRO, MANGUEIRI- NHA/PR ENGENHARIA CIVIL (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE PITÁGORAS DE LINHARES EDITORA E DISTRIBUIDORA EDUCACIONAL S/A AVENIDA SÃO MATEUS, 458, ARAÇÁ, LINHARES/ES ADMINISTRAÇÃO (Bacharelado) 500 (quinhentas) INSTITUTO CUIABÁ DE ENSINO E CULTURA ASSOCIACAO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO-ASSUPERO RUA OSWALDO DA SILVA CORRÊA, 62, BAIRRO SANTA MARTA, CUIABÁ/MT QUÍMICA (Bacharelado) 75 (setenta e cinco) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO RUA PROFESSOR ARTUR RIEDEL, 275, ELDORADO, DIADE- MA/SP EDUCAÇÃO FÍSICA (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO FUNDACAO PADRE ALBINO RUA DOS ESTUDANTES, 225, PARQUE IRACEMA, CATANDU- VA / S P RADIOLOGIA (Tecnológico) 60 (cento e sessenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DA GRANDE DOU- RADOS SOCIEDADE CIVIL DE EDUCACAO DA GRANDE DOURADOS RUA BALBINA DE MATOS, 22, JARDIM, DOURADOS/MS 604, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, e considerando a Nota Técnica n 932/202 - DIREG/SERES/MEC, constante do Expediente MEC n , resolve: Art. º Ficam reconhecidos os cursos superiores de graduação constantes da tabela do Anexo desta Portaria, ministrados pelas Instituições de Educação Superior citadas, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de pelo código

13 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN Art. 2 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso. O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos reconhecidos por esta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos reconhecidos por esta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 3 O reconhecimento dos cursos constantes do Anexo desta Portaria é válido para todos os fins de direito. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. (Reconhecimento de Cursos) ANEXO JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS N o - de Registro Curso N o - de vagas totais Mantida Mantenedora Endereço de funcionamento do curso Ordem e-mec nº anuais BIOMEDICINA (Bacharelado) 230 (duzentas e trinta) UNIVERSIDADE PAULISTA ASSOCIACAO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO SGAS QUADRA, 93, CONJUNTO B, ASA SUL, BRASÍLIA/DF RENOVADO OBJETIVO-ASSUPERO ENGENHARIA AMBIENTAL (Bacharelado) 80 (oitenta) UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CIDADE UNIVERSITÁRIA, S/N, CAMPUS I, CASTELO BRANCO, JOÃO PESSOA/PB ENFERMAGEM (Bacharelado) 80 (oitenta) FACULDADE EDUVALE DE AVARÉ ASSOCIACAO EDUCACIONAL DO VALE DA JU- RUMIRIM AVENIDA PREF. MISAEL EUPHRASIO LEAL, 265, JARDIM AMÉRI- CA, AVARÉ/SP LOGÍSTICA (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE CATÓLICA DE UBERLÂNDIA SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA RUA VARGINHA, 49, BAIRRO DANIEL FONSECA, DANIEL FON- SECA, UBERLÂNDIA/MG ESTÉTICA E COSMÉTICA (Tecnológico) 00 (cem) UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA ASSOCIACAO PRUDENTINA DE EDUCACAO E CULTURA APEC RUA JOSÉ BONGIOVANI, 700, CAMPUS UNIVERSITÁRIO, CIDADE UNIVERSITÁRIA, PRESIDENTE PRUDENTE/SP CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Bacharelado) 80 (cento e oitenta) FACULDADE DE GOIÂNIA - UNIDADE ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA RUA S-3, 692, SETOR BELA VISTA, GOIÂNIA/GO LETRAS - LÍNGUA PORTUGUE- SA (Bacharelado) 40 (quarenta) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CIDADE UNIVERSITÁRIA PROF. JOSÉ MARIANO DA ROCHA FI- LHO, AVENIDA RORAIMA, 000, CAMPUS UNIVERSITÁRIO, CA- MOBI, SANTA MARIA/RS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE POTIGUAR APEC - SOCIEDADE POTIGUAR DE EDUCACAO E CULTURA S.A AVENIDA SENADOR SALGADO FILHO,.60, LAGOA NOVA, NA- TA L / R N ENGENHARIA ELÉTRICA (Bacharelado) 20 (cento e vinte) FACULDADE ESTÁCIO DE CURITIBA IREP SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR, MEDIO AV. SENADOR SOUZA NAVES, 75, CRISTO REI, CURITIBA/PR E FUNDAMENTAL LTDA SERVIÇO SOCIAL (Bacharelado) 00 (cem) CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MA- CHADO LETRAS - PORTUGUÊS E IN- GLÊS (Licenciatura) GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (Tecnológico) ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA (Bacharelado) FUNDACAO EDUCACIONAL DE MACHADO AV DR ATHAYDE PEREIRA DE SOUZA, 730, CENTRO, MACHA- DO/MG 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR ESTACIO DE RUA DA CONCEIÇÃO, -35, LADO ÍMPAR, CENTRO, NITERÓI/RJ SA LTDA 280 (duzentas e oitenta) GESTÃO DE RECURSOS HUMA- 240 (duzentas e NOS (Tecnológico) quarenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPO- FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AS- LITANAS UNIDAS SOCIACAO EDUCACIONAL AVENIDA LIBERDADE, 654, LIBERDADE, SÃO PAULO/SP 40 (quarenta) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS AV. LOURIVAL DE MELO MOTA, S/N, CAMPUS A. C. SIMÕES - CIDADE UNIVERSITÁRIA, TABULEIRO DO MARTINS, MACEIÓ/AL FACULDADE PROMOVE DE SETE LAGOAS ASSOCIACAO EDUCATIVA DO BRASIL - SOE- BRAS AV. PREFEITO ALBERTO MOURA, 5, NOVA CIDADE, SETE LA- GOAS/MG RELAÇÕES PÚBLICAS (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE ESAMC SANTOS ESACOM - ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRA- RUA DR. EGYDIO MARTINS, 8, PONTA DA PRAIA, SANTOS/SP CAO, COMUNICACAO E MARKETING S/C LTDA GESTÃO FINANCEIRA (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE DE TECNOLOGIA LA SALLE - ESTRELA SOCIEDADE PORVIR CIENTIFICO RUA TIRADENTES, 40, CENTRO, ESTRELA/RS MÚSICA (Licenciatura) 50 (cinquenta) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SER- GIPE AVENIDA MARECHAL RONDON, S/N, JARDIM ROSA ELZE, SÃO CRISTÓVÃO/SE HISTÓRIA (Licenciatura) 80 (oitenta) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FUNDACAO UNIVERSIDADE DE BRASILIA CAMPUS UNIVERSITÁRIO DARCY RIBEIRO, S/N, ASA NORTE, BRASÍLIA/DF EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL GESTÃO DE RECURSOS HUMA- 200 (duzentas) UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO PROFESSOR JOSÉ DE NOS (Tecnológico) SOUZA HERDY SOCIEDADE NILZA CORDEIRO HERDY DE EDU- AV. ATLÂNTICA, 854, PRAIA CAMPISTA, MACAÉ/RJ CACAO E CULTURA S/S LTDA EDUCAÇÃO FÍSICA (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DOM BOSCO CENTRO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPERIOR DE CORNELIO PROCOPIO - CESUCOP AVENIDA XV DE NOVEMBRO, 57, CENTRO, CORNÉLIO PROCÓ- PIO/PR FÍSICA (Licenciatura) 30 (trinta) UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRAÇA PROF. EDMIR SÁ SANTOS, S/N, CAMPUS UNIVERSITÁRIO, L AV R A S / M G GESTÃO COMERCIAL (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE DE INTEGRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DO CONE SUL INESCO - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO CONE SUL LTDA - EPP RUA PRESIDENTE VARGAS, 56, CENTRO, GARIBALDI/RS ENGENHARIA AMBIENTAL (Bacharelado) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE SOCIEDADE DE DESENVOLVIMENTO CULTURAL DO AMAZONAS S.A. - SODECAM AVENIDA LEONARDO MALCHER, 853, - DE /2 A 99997/99998, CENTRO, MANAUS/AM GESTÃO FINANCEIRA (Tecnológico) 80 (oitenta) FACULDADE DE TECNOLOGIA DA SERRA GAÚCHA - BENTO CONÇALVES SOCIEDADE EDUCACIONAL SAO BENTO LTDA - EPP RUA OSVALDO ARANHA, 808, 30, CIDADE ALTA, BENTO GON- Ç A LV E S / R S CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (Bacharelado) 25 (vinte e cinco) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO JOAO DEL- REI PRAÇA DOM HELVÉCIO, 74, CDB, DOM BOSCO, SÃO JOÃO DEL REI/MG ARTES VISUAIS (Licenciatura) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO - ESTÁCIO UNIRADIAL IREP SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR, MEDIO E FUNDAMENTAL LTDA. AV. MORUMBI, 874, SANTO AMARO, SÃO PAULO/SP ARQUITETURA E URBANISMO (Bacharelado) 20 (cento e vinte) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS ASSOCIACAO EDUCATIVA EVANGELICA AVENIDA UNIVERSITÁRIA, S/N, KM 3,5, CIDADE UNIVERSITÁ- RIA, ANÁPOLIS/GO pelo código

14 4 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de ENGENHARIA ELÉTRICA (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE PITÁGORAS DE LINHARES EDITORA E DISTRIBUIDORA EDUCACIONAL S/A AVENIDA SÃO MATEUS, 458, ARAÇÁ, LINHARES/ES ENGENHARIA AMBIENTAL (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE DE JAGUARIÚNA INSTITUTO EDUCACIONAL JAGUARY LTDA RODOVIA ADHEMAR DE BARROS SP 340, S/N, TANQUINHO VE- LHO, JAGUARIÚNA/SP GESTÃO DE RECURSOS HUMA- NOS (Tecnológico) 80 (cento e oitenta) FACULDADE ANHANGUERA DE BELO HORIZONTE ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA AVENIDA PRESIDENTE ANTONIO CARLOS, 4.57, SÃO FRANCIS- CO, BELO HORIZONTE/MG PROCESSOS AMBIENTAIS (Tecnológico) ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA (Bacharelado) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS FUNDACAO EDUCACIONAL MONSENHOR MES- SIAS 20 (cento e vinte) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS FUNDACAO EDUCACIONAL DE PATOS DE MI- NAS AVENIDA MARECHAL CASTELO BRANCO, 2.765, CAMPUS UNI- VERSITÁRIO, SANTO ANTÔNIO, SETE LAGOAS/MG RUA MAJOR GOTE, 808, CAIÇARAS, PATOS DE MINAS/MG GESTÃO COMERCIAL (Tecnológico) 90 (noventa) UNIVERSIDADE BANDEIRANTE ANHANGUERA ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA ESTRADA DO CAMPO LIMPO, 3677, CAMPO LIMPO, SÃO PAU- LO/SP ENFERMAGEM (Bacharelado) 20 (cento e vinte) INSTITUTO TECNOLÓGICO E DAS CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E DA SAÚDE DO CENTRO EDUC. N. SRª AUXILIADORA CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AU- XILIADORA RUA SALVADOR CORREA, 39, CENTRO, CAMPOS DOS GOYTA- CAZES/RJ COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS SISTEMAS PARA INTERNET ( Te c n o l ó g i c o ) 60 (sessenta) FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDACAO CARMELITANA MARIO PALMERIO AVENIDA BRASIL OESTE, S/N, JARDIM ZENITH II, MONTE CAR- MELO/MG GESTÃO AMBIENTAL (Tecnológico) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR ASSOCIACAO UNIVERSITARIA E CULTURAL DA BAHIA AV. ANITA GARIBALDI, 298, RIO VERMELHO, SALVADOR/BA 605, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, e considerando a Nota Técnica n 932/202 - DIREG/SERES/MEC, constante do Expediente MEC n , resolve: Art. º Ficam reconhecidos os cursos superiores de graduação constantes da tabela do Anexo desta Portaria, ministrados pelas Instituições de Educação Superior citadas, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de Art. 2 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso. O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos reconhecidos por esta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos reconhecidos por esta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 3 O reconhecimento dos cursos constantes do Anexo desta Portaria é válido para todos os fins de direito. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. (Reconhecimento de Cursos) ANEXO JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS N o - de Registro Curso N o - de vagas totais Mantida Mantenedora Endereço de funcionamento do curso Ordem e-mec nº anuais NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS (Tecnológico) 30 (trinta) UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA FUNDACAO EDUCACIONAL SEVERINO SOM- BRA AVENIDA EXPEDICIONÁRIO OSWALDO DE ALMEIDA RAMOS, 280, BLOCO 7, CENTRO, VASSOURAS/RJ CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE ANHANGUERA DE SUMARÉ ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA AVENIDA EUGÊNIO BIANCALANA DUARTE, 50, JARDIM PRI- MAVERA, SUMARÉ/SP ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE DE ROSEIRA CENTRO DE ESTUDOS AMBIENTAIS DO VALE DO PARAIBA - CEAVAP - ME RODOVIA PRESIDENTE DUTRA - KM 77, S/N, ROSEIRA VE- LHA, ROSEIRA/SP BIOMEDICINA (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE AUM CENTRO EDUCACIONAL AUM LTDA - ME AVENIDA DOM AQUINO, 38, CENTRO, CUIABÁ/MT GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (Tecnológico) 25 (vinte e cinco) CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE MA- NAUS COMUNIDADE EVANGELICA LUTERANA SAO PAULO - CELSP AVENIDA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE, 460, CON- JUNTO ATÍLIO ANDREAZZA, JAPIIM, MANAUS/AM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE DO SUDESTE MINEIRO ASSOCIACAO UNIFICADA PAULISTA DE ENSI- NO RENOVADO OBJETIVO-ASSUPERO AVENIDA PRESIDENTE ITAMAR FRANCO, 380, LOJA 0, 02 E 03 DO ED. SAINT PIETRO, SÃO MATEUS, JUIZ DE FORA/MG FARMÁCIA (Bacharelado) 20 (cento e vinte) FACULDADES UNIDAS DO VALE DO ARAGUAIA ASSOCIACAO BARRAGARCENSE DE EDUCA- CAO E CULTURA RUA MOREIRA CABRAL, 000, SETOR MARIANO, BARRA DO GARÇAS/MT CIÊNCIAS SOCIAIS (Bacharelado) 60 (sessenta) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO ESTRADA DO CAMINHO VELHO, 333, PIMENTAS, GUARU- LHOS/SP GESTÃO DA QUALIDADE (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE ESAMC SOROCABA ESCOLA SUPERIOR DE GESTAO DE NEGOCIOS LT D A RUA ROMEU DO NASCIMENTO, 777, JARDIM PORTAL DA CO- LINA, SOROCABA/SP ENGENHARIA ELETRÔNICA (Bacharelado) 50 (cento e cinquenta) FACULDADE DE TECNOLOGIA ANCHIETA ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA RUA ATLÂNTICA, 700, JARDIM DO MAR, SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP MEDICINA (Bacharelado) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS ASSOCIACAO EDUCATIVA EVANGELICA AVENIDA UNIVERSITÁRIA, S/N, KM 3,5, CIDADE UNIVERSI- TÁRIA, ANÁPOLIS/GO ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTE- MAS (Tecnológico) 50 (cinquenta) UNIVERSIDADE DE MARÍLIA ASSOCIACAO DE ENSINO DE MARILIA LTDA AVENIDA HIGYNO MUZZI FILHO,.00, BLOCO I, CAMPUS UNIVERSITARIO, MARÍLIA/SP GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMA- ÇÃO (Tecnológico) 55 (cinquenta e cinco) FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE AS- SIS FUNDACAO EDUCACIONAL MACHADO DE AS- SIS RUA SANTOS DUMONT, 820, CENTRO, SANTA ROSA/RS ENGENHARIA MECATRÔNICA (Bacharelado) 40 (cento e quarenta) FACULDADE ENIAC EDVAC SERVICOS EDUCACIONAIS LTDA RUA FORÇA PÚBLICA, 89, CENTRO, GUARULHOS/SP CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE SANTA MARCELINA ASSOCIACAO SANTA MARCELINA RUA SÃO JOÃO DAS DUAS BARRAS, 95, ITAQUERA, SÃO PA U L O / S P ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMA- ÇÃO (Bacharelado) 40 (cento e quarenta) FACULDADE ENIAC EDVAC SERVICOS EDUCACIONAIS LTDA RUA FORÇA PÚBLICA, 89, CENTRO, GUARULHOS/SP pelo código

15 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA (Bacharelado) 50 (cinquenta) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SER- GIPE AVENIDA MARECHAL RONDON, S/N, JARDIM ROSA ELZE, SÃO CRISTÓVÃO/SE LETRAS - PORTUGUÊS E ESPANHOL (Bacharelado) 20 (vinte) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNI- FA L - M G RUA GABRIEL MONTEIRO DA SILVA, 700, CENTRO, ALFE- NAS/MG SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (Tecnológico) 200 (duzentas) CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB CESB - CENTRO DE EDUCACAO SUPERIOR DE BRASILIA LTDA QNN3, S/N, LOTE B,C,D & E, CEILÂNDIA, BRASÍLIA/DF GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL (Tecnológico) 50 (cinquenta) FACULDADE DE TECNOLOGIA ALTO MÉDIO SÃO FRANCISCO FUNDACAO EDUCACIONAL ALTO MEDIO SAO FRANCISCO AV. JEFFERSON GITIRANA, 422, CÍCERO PASSOS, PIRAPO- RA/MG EDUCAÇÃO FÍSICA (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE BARRA B O N I TA FUNDACAO BARRA BONITA DE ENSINO RUA JOÃO GERIN, 275, VILA OPERÁRIA, BARRA BONITA/SP ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE DO SUL DA BAHIA FUNDACAO FRANCISCO DE ASSIS AV. GENERAL SALGADO VIANA, 364, MIRANTE DO RIO, TEI- XEIRA DE FREITAS/BA ENGENHARIA MECÂNICA (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE DE FRANCA ACEF S/A. AVENIDA DOUTOR ARMANDO SALES OLIVEIRA, 20, PAR- QUE UNIVERSITÁRIO, FRANCA/SP PEDAGOGIA (Licenciatura) 200 (duzentas) FACULDADE DOM BOSCO DE GOIOERÊ FUNDACAO CULTURAL XINGU RUA DR ROSALVO GURGEL DE MELLO LEITÃO, 865, JARDIM CURITIBA, GOIOERÊ/PR FOTOGRAFIA (Tecnológico) 80 (cento e oitenta) TROPOLITANAS UNIDAS SOCIACAO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ME- FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS AS- EDUCACIONAL COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E 00 (cem) FACULDADE DO POVO ASSOCIACAO EDUC E ASSISTENCIAL GRACA PROPAGANDA (Bacharelado) DE DEUS-PROGRACA FISIOTERAPIA (Bacharelado) 20 (cento e vinte) FACULDADE CENECISTA DE BENTO GONÇALVES CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA CO- MUNIDADE 606, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 RUA D. JULIA, 22, VILA MARIANA, SÃO PAULO/SP RUA BARÃO DE ITAPETININGA, 63, PRIMEIRO ANDAR, CENTRO, SÃO PAULO/SP RUA ARLINDO FRANKLIN BARBOSA, 460, SÃO ROQUE, BEN- TO GONÇALVES/RS O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, e considerando a Nota Técnica n 932/202 - DIREG/SERES/MEC, constante do Expediente MEC n , resolve: Art. º Ficam reconhecidos os cursos superiores de graduação constantes da tabela do Anexo desta Portaria, ministrados pelas Instituições de Educação Superior citadas, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de Art. 2 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso. O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos reconhecidos por esta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos reconhecidos por esta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 3 O reconhecimento dos cursos constantes do Anexo desta Portaria é válido para todos os fins de direito. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. (Reconhecimento de Cursos) ANEXO JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS N o - de Registro Curso N o - de vagas totais Mantida Mantenedora Endereço de funcionamento do curso Ordem e-mec nº anuais ESTÉTICA E COSMÉTICA (Tecnológico) 60 (sessenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS ASSOCIACAO EDUCATIVA EVANGELICA AVENIDA UNIVERSITÁRIA, S/N, KM 3,5, CIDADE UNIVERSITÁ- RIA, ANÁPOLIS/GO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) 00 (cem) INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DA GRANDE ASSOCIACAO DE ENSINO SUPERIOR DA GRANDE FLORIANÓPOLIS FLORIANOPOLIS - AESGF AVENIDA LEOBERTO LEAL, 689, TÉRREO, SUBSOLO E MEZANI- NO, BARREIROS, SÃO JOSÉ/SC ENFERMAGEM (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE ESTÁCIO DE SÃO LUÍS UB UNISAOLUIS EDUCACIONAL S.A RUA GRANDE / OSWALDO CRUZ, 455, DIAMANTE, SÃO LUÍS/MA PEDAGOGIA (Licenciatura) 200 (duzentas) FACULDADE JK - UNIDADE I - GAMA IDEA - INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDU- CACIONAL AVANCADO S/S LTDA ÁREA ESPECIAL 6/7, S/N, LADO LESTE / REGIÃO ADMINIS- TRATIVA II, SETOR CENTRAL GAMA, BRASÍLIA/DF EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ARTES (Bacharelado) 60 (sessenta) UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ISCP - SOCIEDADE EDUCACIONAL S.A. RUA JACERÚ, 247, BROOKLIN PAULISTA, SÃO PAULO/SP ENGENHARIA CIVIL (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE PITÁGORAS DE LONDRINA EDITORA E DISTRIBUIDORA EDUCACIONAL S/A RUA EDWY TAQUES DE ARAÚJO,.00, GLEBA PALHANO, LON- DRINA/PR LOGÍSTICA (Tecnológico) 00 (cem) FACULDADE ITANHAÉM UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ITANHAEM LT D A AVENIDA EMBAIXADOR PEDRO DE TOLEDO, 96, CENTRO, ITA- NHAÉM/SP GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ( Te c n o l ó g i c o ) 00 (cem) INSTITUTO MACHADENSE DE ENSINO SUPE- RIOR FUNDACAO MACHADENSE DE COMUNICACAO AVENIDA FILHAS DE SANT ANA - ROD. BR KM 03, S/N o -, DISTRITO INDUSTRIAL, DISTRITO INDUSTRIAL, MACHADO/MG EDUCAÇÃO FÍSICA (Licenciatura) 200 (duzentas) FACULDADE MARIA MILZA CENTRO EDUCACIONAL MARIA MILZA LTDA - ME BR-0, KM 25. ESTRADA CRUZ DAS ALMAS-GOVERNADOR MANGABEIRA., ZONA RURAL, BAIRRO SUNGAIA., CRUZ DAS ALMAS/BA MEDICINA (Bacharelado) 00 (cem) UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI ISCP - SOCIEDADE EDUCACIONAL S.A. RUA DR. ALMEIDA LIMA,.34, BRÁS, SÃO PAULO/SP PETRÓLEO E GÁS (Tecnológico) 200 (duzentas) CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX CENTRO INTEGRADO PARA FORMACAO DE EXE- CUTIVOS RUA ORLANDO SILVA, 2896, CAPIM MACIO, NATAL/RN ARQUITETURA E URBANISMO (Bacharelado) 20 (cento e vinte) FACULDADE MATER DEI COLEGIO MATER DEI LTDA RUA MATO GROSSO, 200, CENTRO, PATO BRANCO/PR BIOMEDICINA (Bacharelado) 200 (duzentas) UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LA- GOS ASSOCIACAO EDUCACIONAL DE ENSINO SUPE- RIOR RUA EDUARDO NIELSEN, 960, JARDIM AEROPORTO, SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP GESTÃO COMERCIAL (Tecnológico) 230 (duzentas e trinta) UNIVERSIDADE PAULISTA ASSOCIACAO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO-ASSUPERO AVENIDA PAULISTA, 900, BELA VISTA, SÃO PAULO/SP pelo código

16 6 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de LETRAS - PORTUGUÊS E INGLÊS (Licenciatura) 00 (cem) FACULDADE DO BAIXO PARNAÍBA CENTRO REGIONAL DE ENSINO SUPERIOR ARNO KREUTZ LTDA - EPP AVENIDA ATALIBA VIEIRA DE ALMEIDA,.452, CENTRO, CHA- PA D I N H A / M A SAÚDE (Bacharelado) 00 (cem) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA RUA BARÃO DE JEREMOABO, S/N, CAMPUS UNIVERSITÁRIO - FEDERAÇÃO, ONDINA, SALVADOR/BA ENGENHARIA MECÂNICA (Bacharelado) 40 (cento e quarenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA BR 63, 3203, CHÁCARA DAS MANSÕES, CAMPO GRANDE/MS MÚSICA (Licenciatura) 00 (cem) UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA ASSOCIACAO PRUDENTINA DE EDUCACAO E CULTURA APEC FISIOTERAPIA (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES CENTRO DE ESTUDOS OCTAVIO DIAS DE OLIVEI- RA RODOVIA RAPOSO TAVARES KM 572, KM 572, LIMOEIRO, PRE- SIDENTE PRUDENTE/SP RODOVIA GO-060 KM 9, 3.84, SETOR LAGUNA PARQUE, TRIN- DADE/GO ENGENHARIA CIVIL (Bacharelado) 80 (oitenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA ASSOCIACAO SAO BENTO DE ENSINO AV. MARIA ANTONIA CAMARGO OLIVEIRA, 70, VILA SUCANO- SA, ARARAQUARA/SP COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDA- DE E PROPAGANDA (Bacharelado) 00 (cem) CENTRO UNIVERSITÁRIO MONTE SERRAT INSTITUTO DE EDUCACAO E CULTURA UNIMON- TE S/A AV. RANGEL PESTANA, 99, VILA MATHIAS, SANTOS/SP FOTOGRAFIA (Tecnológico) 200 (duzentas) CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB CESB - CENTRO DE EDUCACAO SUPERIOR DE BRASILIA LTDA SGAS QUADRA 63/64 - AV. L2 SUL, S/N, LOTES 97 E 98, ASA SUL, BRASÍLIA/DF COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS ENGENHARIA CIVIL (Bacharelado) 240 (duzentas e quarenta) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS FUNDACAO EDUCACIONAL DE PATOS DE MINAS RUA MAJOR GOTE, 808, CAIÇARAS, PATOS DE MINAS/MG LOGÍSTICA (Tecnológico) 00 (cem) UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ EDITORA E DISTRIBUIDORA EDUCACIONAL S/A RODOVIA CELSO GARCIA CID, KM 377, S/N, LONDRINA/PR MATEMÁTICA (Licenciatura) 60 (cento e sessenta) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO NORTE DE MINAS GERAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCACAO, CIENCIA E TECNOLOGIA DO NORTE DE MINAS GERAIS FAZENDA SÃO GERALDO KM 06, KM 06, BOM JARDIM, JANUÁ- RIA/MG 607, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, e considerando a Nota Técnica n 932/202 - DIREG/SERES/MEC, constante do Expediente MEC n , resolve: Art. º Ficam reconhecidos os cursos superiores de graduação constantes da tabela do Anexo desta Portaria, ministrados pelas Instituições de Educação Superior citadas, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de Art. 2 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso. O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos reconhecidos por esta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos reconhecidos por esta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 3 O reconhecimento dos cursos constantes do Anexo desta Portaria é válido para todos os fins de direito. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. (Reconhecimento de Cursos) ANEXO JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS N o - de Ordem Registro e-mec nº Curso ENGENHARIA AMBIENTAL (Bacharelado) N o - de vagas totais anuais Mantida Mantenedora Endereço de funcionamento do curso 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE AN- FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- BR 262, KM 480, ZONA RURAL, BOM DESPACHO/MG TÔNIO CARLOS DE BOM DESPACHO) NIO CARLOS ADMINISTRAÇÃO (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE AN- TÔNIO CARLOS DE UBÁ) MEDICINA VETERINÁRIA (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE AN- TÔNIO CARLOS DE BOM DESPACHO) FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS R.LINCOLN RODRIGUES DA COSTA, 65, BOA VIS- TA, UBÁ/MG BR 262, KM 480, ZONA RURAL, BOM DESPACHO/MG PEDAGOGIA (Licenciatura) 00 (cem) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS ADMINISTRAÇÃO (Bacharelado) 00 (cem) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE ANTÔ- FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES) NIO CARLOS RODOVIA MG 338 KM2, S/N, COLÔNIA RODRIGO SILVA, BARBACENA/MG R.MANOEL BYRRO, 24, VILA BRETÃS, GOVERNA- DOR VALADARES/MG EDUCAÇÃO FÍSICA (Licenciatura) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE AN- TÔNIO CARLOS DE UBÁ) PEDAGOGIA (Licenciatura) 00 (cem) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE AN- TÔNIO CARLOS DE LAMBARI) PSICOLOGIA (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS (FACULDADE PRESIDENTE AN- TÔNIO CARLOS DE UBÁ) 608, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS FUNDACAO PRESIDENTE ANTO- NIO CARLOS R.LINCOLN RODRIGUES DA COSTA, 65, BOA VIS- TA, UBÁ/MG RUA VITOR TUCCI, 64, CENTRO, LAMBARI/MG R.LINCOLN RODRIGUES DA COSTA, 65, BOA VIS- TA, UBÁ/MG O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, e considerando a Nota Técnica n 932/202 - DIREG/SERES/MEC, constante do Expediente MEC n resolve: Art. º Fica renovado o reconhecimento dos cursos superiores de graduação, constantes da tabela do Anexo desta Portaria, ministrados pelas Instituições de Educação Superior citadas, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de Art. 2 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso. O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos cujo reconhecimento se renova por meio desta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos cujo reconhecimento se renova por meio desta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 3 A renovação de reconhecimento dos cursos constantes do Anexo desta Portaria é válida para todos os fins de direito. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS pelo código

17 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN ANEXO (Renovação de Reconhecimento de Cursos) N o - de Registro Curso N o - de vagas totais Mantida Mantenedora Endereço de funcionamento do curso Ordem e-mec nº anuais DESIGN (Bacharelado) 20 (cento e vinte) UNIVERSIDADE GUARULHOS ASSOCIACAO PAULISTA DE EDUCACAO E CULTU- RA PRAÇA TEREZA CRISTINA, 88, CENTRO, GUARULHOS/SP DIREITO (Bacharelado) 27 (duzentas e setenta e uma) UNIVERSIDADE IGUAÇU ASSOCIACAO DE ENSINO SUPERIOR DE NOVA IGUACU AVENIDA ABÍLIO AUGUSTO TÁVORA, 234, JARDIM NOVA ERA, NO- VA IGUAÇU/RJ DIREITO (Bacharelado) 84 (oitenta e quatro) UNIVERSIDADE PARANAENSE ASSOCIACAO PARANAENSE DE ENSINO E CULTU- RA AVENIDA BRASIL, 23, ZONA I, CENTRO, CIANORTE/PR DIREITO (Bacharelado) 87 (oitenta e sete) CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHAN- GUERA DE SÃO PAULO ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA AVENIDA BRIGADEIRO LUIS ANTÔNIO, 87, BELA VISTA, SÃO PAU- LO/SP DIREITO (Bacharelado) 80 (cento e oitenta) UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR ESTACIO DE SA LTDA AVENIDA 28 DE MARÇO, CENTRO, 423, CENTRO, CAMPOS DOS G O Y TA C A Z E S / R J ADMINISTRAÇÃO (Bacharelado) 470 (quatrocentas e setenta) UNIVERSIDADE GUARULHOS TURISMO (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE MAURICIO DE NASSAU ABES - SOCIEDADE BAIANA DE ENSINO SUPE- DE SALVADOR RIOR LTDA DIREITO (Bacharelado) 80 (oitenta) FACULDADE DE SABARÁ SOCIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL DE SA- BARA ASSOCIACAO PAULISTA DE EDUCACAO E CULTU- PRAÇA TEREZA CRISTINA,, CENTRO, GUARULHOS/SP RA AVENIDA TAMBURUGY, 88, PATAMARES, SALVADOR/BA AV. EXPEDICIONÁRIO ROMEU J.DANTAS, 084, CAIEIRA, SABARÁ/MG DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRA- COMUNIDADE EVANGELICA LUTERANA SAO PAU- BR KM TREVO MANECO PEDROSO, BOCA DO MONTE., SIL LO - CELSP S/N, TREVO MANECO PEDROSO, BOCA DO MONTE, SANTA MA- RIA/RS DIREITO (Bacharelado) 80 (oitenta) FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDE- RAL DO TOCANTINS DIREITO (Bacharelado) 50 (cento e cinquenta) FACULDADE SUDAMÉRICA FUNDACAO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCAN- AVENIDA NS 5 ALCNO 4, S/N, CENTRO, PALMAS/TO TINS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR SOUSA BORGES LTDA - EPP COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE 00 (cem) FACULDADE PAN AMAZÔNIA ASSOCIACAO OBJETIVO DE ENSINO SUPERIOR - E PROPAGANDA (Bacharelado) ASSOBES DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE C ATA L Ã O DIREITO (Bacharelado) 46 (cento e quarenta CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE e seis) VA L E N Ç A DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÂNDIA DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE DE DIREITO PROFES- SOR DAMÁSIO DE JESUS DIREITO (Bacharelado) 20 (cento e vinte) FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMA- NAS DE PERNAMBUCO DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS DIREITO (Bacharelado) 60 (cento e sessenta) FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO ASSOCIACAO CATALANA DE EDUCACAO FUNDACAO EDUCACIONAL D ANDRE ARCOVER- DE INSTITUTO POLITECNICO DE ENSINO LTDA. SOCIEDADE EDUCACIONAL DA BAHIA S/C LIMI- TA D A ACJ - ACADEMIA DO CONCURSO JURIDICO LTDA. AV. EUDALDO LESSA, 627, POPULAR, CATAGUASES/MG RUA DOS MUNDURUCUS, 400, BAIRRO CREMAÇÃO, BELÉM/PA AVENIDA PRESIDENTE MÉDICI, S/N, SETOR, SANTA CRUZ, CATA- LÃO/GO RUA SARGENTO VITOR HUGO, 29, FÁTIMA, VALENÇA/RJ RUA RAFAEL MARINO NETO, 600, JARDIM KARAÍBA, UBERLÂN- DIA/MG AVENIDA LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, 305, CANDEIAS, VITÓRIA DA CONQUISTA/BA RUA DA GLÓRIA, 95, LIBERDADE, SÃO PAULO/SP SOCIEDADE PERNAMBUCANA DE CULTURA E EN- AVENIDA JOÃO DE BARROS, 56, BOA VISTA, RECIFE/PE SINO LTDA - SOPECE UNIAO BRASILIENSE DE EDUCACAO E CULTURA FUNDACAO DE ROTARIANOS DE SAO PAULO AVENIDA TANCREDO NEVES, 3.500, CAIXA POSTAL 63, UNIVERSITÁ- RIO, CORONEL FABRICIANO/MG RUA CAPITÃO JOSÉ INÁCIO DO ROSÁRIO, 33, LAPA, SÃO PAULO/SP DIREITO (Bacharelado) 40 (cento e quarenta) UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRA- COMUNIDADE EVANGELICA LUTERANA SAO PAU- AV: ITACOLOMÍ, 3600, SÃO VICENTE., 3600, SÃO VICENTE, GRAVA- SIL LO - CELSP TA Í / R S DIREITO (Bacharelado) 60 (sessenta) FACULDADE DE COLIDER SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO - CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITARIOS DE COLIDER AVENIDA SENADOR JULIO CAMPOS, 995, LOTEAMENTO TREVO, CENTRO, COLÍDER/MT EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL DIREITO (Bacharelado) 30 (trezentas e dez) CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHAN- GUERA DE CAMPO GRANDE ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA AVENIDA FERNANDO CORREA DA COSTA,.800, VILA DR. JOÃO RO- SA PIRES, CAMPO GRANDE/MS DIREITO (Bacharelado) 00 (cem) FACULDADE CAPIXABA DE NOVA VENÉCIA EMPRESA CAPIXABA DE ENSINO, PESQUISA E EX- TENSAO S/A RUA JACOBINA, 65, SÃO FRANCISCO, NOVA VENÉCIA/ES DIREITO (Bacharelado) 80 (oitenta) FACULDADE EDUCACIONAL DE DOIS VIZINHOS UNISEP-UNIAO DE ENSINO DO SUDOESTE DO PA- RANA S/C LTDA AVENIDA PRESIDENTE KENNEDY, 2.60, NOSSA SENHORA APARECI- DA, DOIS VIZINHOS/PR DIREITO (Bacharelado) 90 (cento e noventa) UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA FUNDACAO UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA PARADA BENITO, S/N, ZONA SEMI-URBANA, CRUZ ALTA/RS DIREITO (Bacharelado) 300 (trezentas) FACULDADE ANHANGUERA DE RON- DONÓPOLIS ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA AVENIDA ARI COELHO, 829, CIDADE SALMEM, RONDONÓPOLIS/MT DIREITO (Bacharelado) 50 (cento e cinquenta) FACULDADES INTEGRADAS DE OU- RINHOS FUNDACAO EDUCACIONAL MIGUEL MOFARREJ BR 53, KM M, S/N, ÁGUA DO CATETO, OURINHOS/SP DIREITO (Bacharelado) 500 (quinhentas) CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRI- TO FEDERAL CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO DISTRITO FE- DERAL LTDA SEP - SUL EQ 704 / 904 CONJUNTO A, S/N, CONJUNTO A, ASA SUL, BRASÍLIA/DF DIREITO (Bacharelado) 60 (cento e sessenta) FACULDADE MARTHA FALCÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DA AMAZONIA LT D A RUA NATAL, 300, ADRIANÓPOLIS, MANAUS/AM DIREITO (Bacharelado) 200 (duzentas) FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DE ITABUNA INSTITUTO MANTENEDOR DE ENSINO SUPERIOR DA BAHIA LTDA - ME PRAÇA JOSÉ BASTOS, 55, CENTRO, ITABUNA/BA pelo código

18 8 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de , DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, e suas alterações, a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, em atenção ao disposto no processo e- MEC , resolve: Art. º Fica reconhecido o curso superior de graduação em Administração, bacharelado, com 350 (trezentas e cinquenta) vagas totais anuais, ofertado pela Faculdade Regional da Bahia - FARB, estabelecida à Avenida Tamburugy, nº 474, Bairro Patamares, Salvador-BA, mantida pelas Unidades de Ensino Superior da Bahia - UNIRB, nos termos do disposto no artigo 0, 7º, do Decreto nº 5.773, de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de Parágrafo único. O reconhecimento concedido por esta Portaria é válido apenas para o endereço citado no Art º. Art. 2º O reconhecimento de que trata o artigo anterior estende-se a todas as habilitações regularmente autorizadas para o curso de administração da Instituição. Parágrafo único. Em atenção à Resolução CNE/CES nº 4, de 3 de julho de 2005, encerra-se a oferta das habilitações que ainda encontram-se em funcionamento. Art. 3º Fica transformada a habilitação em Administração Pública no Curso bacharelado em Administração Pública com 200 (duzentas) vagas totais anuais. Art. 4º Ficam excluídos do Cadastro e-mec os códigos de cursos excedentes ou duplicados. Parágrafo único. A exclusão dos códigos citados no caput não implicará prejuízo à Instituição no que se refere à utilização dos demais programas do Ministério da Educação. Art. 5 A Instituição de Educação Superior poderá, no prazo de 60 (sessenta) dias contados da presente publicação, embargar as informações referentes ao número de vagas, endereço de oferta, denominação e grau do curso. O embargo citado no caput deverá ser realizado pela Instituição no ambiente do sistema e-mec, momento em que deverá ser apresentada justificativa que respalde a atualização cadastral solicitada. 2 A Instituição poderá fazer uso da funcionalidade mencionada no caput para confirmar as informações referentes aos cursos cujo reconhecimento se renova por meio desta Portaria. 3º A não manifestação da Instituição no prazo mencionado no caput implica a validação automática dos dados cadastrais dos cursos cujo reconhecimento se renova por meio desta Portaria. 4º O embargo citado no caput tem por finalidade promover atualização dos dados do Cadastro e-mec de Cursos e Instituições de Educação Superior, não se confundindo com recurso administrativo eventualmente interposto contra as decisões exaradas pela presente Portaria. Art. 6º Seja arquivado o processo Art. 7º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS 60, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 2.0, de 27 de novembro de 2009, e o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, e considerando os fundamentos constantes na Nota Técnica nº 77/203-CGCEBAS/DPR/SERES/MEC, exarada nos autos do Processo nº /200-48, resolve: Art. º Fica indeferido o pedido de concessão do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social das Obras Sociais da Paróquia de Vitória do Mearim, CNPJ nº /000-25, em função do descumprimento das exigências legais previstas no artigo 3º, inciso VI, e artigo 4º, inciso IV e parágrafo único, do Decreto nº 2.536, de 6 de abril de 998, no artigo 4º, incisos VI e IX, da Resolução nº 77, de 0 de agosto de 2000, do Conselho Nacional de Assistência Social, e na Norma Brasileira de Contabilidade T Ȧrt. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS 6, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, e considerando os fundamentos constantes na Nota Técnica nº 70/203-CGCEBAS/DPR/SERES/MEC, exarado nos autos do Processo nº /2009-7, resolve: Art. º Fica indeferido o pedido de renovação do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais de Muqui, inscrito no CNPJ nº /000-35, com sede em Muqui-ES, em função do descumprimento dos requisitos previstos no artigo 3º, inciso VI, e no artigo 4º, parágrafo único, do Decreto nº 2.536, de 6 de abril de 998. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS pelo código , DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, e considerando os fundamentos constantes na Nota Técnica nº 7/203-CGCEBAS/DPR/SERES/MEC, exarado nos autos do Processo nº /200-33, resolve: Art. º Fica indeferido o pedido de renovação do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social da Associação Creche de Ilha Bela, inscrito no CNPJ nº /000-6, com sede em Barra Velha-SP, em função do descumprimento dos requisitos previstos no artigo 3º, inciso VI, do Decreto nº 2.536, de 6 de abril de 998. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS 63, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto n 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, e considerando os fundamentos constantes na Nota Técnica nº 74/203-CGCEBAS/DPR/SERES/MEC, exarada nos autos do Processo nº /2009-9, resolve: Art. º Fica cancelada a Portaria nº 68, de 30 de agosto de 202, da Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior, publicada no Diário Oficial da União de 3/08/202, que indeferiu o pedido de renovação do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social da Fundação Cultural de Belo Horizonte, inscrita no CNPJ nº /000-20, com sede em Belo Horizonte-MG. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS 64, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto n 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, e considerando os fundamentos constantes na Nota Técnica nº 720/203-CGCEBAS/DPR/SERES/MEC, exarada nos autos do Processo nº / , resolve: Art. º Fica indeferido o pedido de concessão do Certificado de Entidade Beneficente da Fundação Técnico Educacional Souza Marques, inscrita no CNPJ nº /000-40, por não atender os requisitos previstos nos incisos IV, VII e VIII do art. 3º do Decreto nº 2.536, de 6 de abril de 998. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS 65, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O SECRETÁRIO DE REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o Decreto nº 7.690, de 2 de março de 202, alterado pelo Decreto n 8.066, de 7 de agosto de 203, tendo em vista o Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006, alterado pelo Decreto nº 6.303, de 2 de dezembro de 2007, e a Portaria Normativa nº 40, de 2 de dezembro de 2007, republicada em 29 de dezembro de 200, do Ministério da Educação, em cumprimento da Decisão Judicial da 3ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, nos autos do Processo n , conforme consta do registro e-mec nº , resolve: Art. º Fica indeferido o pedido de autorização do curso de Direito, bacharelado, pleiteado pela Faculdades Integradas ASMEC, com sede na Avenida Prof. Dr. Antônio Eufrásio de Toledo, nº 00, Jardim dos Ipês, no Município de Ouro Fino, Estado de Minas Gerais, mantida pela UNISEPE União das Instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa Ltda., com sede no Município de Amparo, Estado de São Paulo. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE RODRIGO ARAÚJO MESSIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 630, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 O PRÓ-REITOR DE DESENVOLVIMENTO DE PES- SOAS, no uso de suas atribuições previstas na Portaria de Delegação de Competência nº 448, de 7/05/20, resolve: Prorrogar por 0 (um) ano, a partir de 6/0/204, o prazo legal do Concurso Público para Docente da Carreira do Magistério Superior, realizado por esta Universidade, objeto do Edital nº 03/202, DOU de 7/09/202, cuja homologação foi publicada, conforme Portaria nº 03, DOU de 6/0/203. INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS Departamento: oceanografia Área de Conhecimento: Pedologia Classe: ADJUNTO Regime de Trabalho: DE ANTÔNIO EDUARDO MOTA PORTELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO 4.228, DE 9 DE NOVEMBRO DE 203 A Diretora do Colégio de Aplicação do Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, nomeada pela Portaria nº 229, de 26//200, publicada no DOU nº 8, de 27//200, resolve: TORNAR PÚBLICO o resultado do Concurso Público de Provas e Títulos para provimento de vagas de Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico referente ao Edital nº 5, de 6/6/203, publicado no DOU nº 09, de 0/6/203, Seção III, pp. 0-4, divulgando, em ordem de classificação, os nomes dos candidatos aprovados: Artes Visuais -Anna Thereza do Valle Bezerra de Menezes 2-Ana Luiza Marques de Tovar Faro 3-Alessandra Oliveira da Silva Caetano Francês -Vanessa Massoni da Rocha 2-Miriam de Andrade Levy 3-Maxuel de Souza Rodrigues 4-Flávia Alves Gomes 5-Erika Noel Ribas Dantas 6-Cristiane Maria de Souza 7-Lucia Helena Ferreira Geografia -Marcelo de Moura Carneiro Campello 2-Rafael Arosa de Mattos 3-Fernando Amaro Pessoa História -Luisa Quarti Lamarão 2-Diego Bruno Velasco Língua Portuguesa -Raquel Silveira Fonseca 2-André Luis Mourão de Uzêda 3-Marcia Andrade Morais Cabral 4-Lorena Bolsanello de Carvalho 5-Heleine Fernandes de Souza Química -Nathália Terra Barbosa Sathler Lenz César 2-Cristiano Barbosa de Moura 3-Leandro Marcos Gomes Cunha 4-Márcia Rosa de Almeida Tornando, assim, sem efeito a portaria 446, publicada no DOU nº 224 de 9 de novembro de 203 página 08 seção 0. CELINA MARIA DE SOUZA COSTA CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE BELAS ARTES 4.90, DE 8 DE NOVEMRO DE 203 O Diretor da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, professor Carlos Gonçalves Terra, nomeado pela Portaria nº 24 de 25/0/200, publicada no DOU nº 7, Seção 02, de 26/0/200, no uso de suas atribuições resolve tornar público a aprovação em º lugar, 2º lugar e 3 lugar dos candidatos abaixo citados para exercer o cargo de Professor Substituto do Departamento BAH: História e Teoria da Arte - Setor : Antropologia da Arte I e II/ Arte Africana e Afro-Brasileira - 20hs conforme Edital nº 365 de 2/0/203 da Universidade Federal do Rio de Janeiro, publicado no DOU nº 205 de 22/0/203, Seção 03, págs. 78 e 79. Candidato: Nina Vicent Lannes - º Lugar Candidato: Mariana Soares - 2º Lugar Candidato: Kate Lane Costa de Paiva - 3 Lugar CARLOS GONÇALVES TERRA 4.93, DE 8 DE NOVEMBRO DE 203 O Diretor da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, professor Carlos Gonçalves Terra, nomeado pela Portaria nº 24 de 25/0/200, publicada no DOU nº 7, Seção 02, de 26/0/200, no uso de suas atribuições resolve tornar público a anulação de todas as provas (Escrita, Didática, de Títulos e Memorial) do Concurso para Professor Auxiliar 40hs do Departamento de História e Teoria da Arte - BAH, setor: História da Arte - História da Arte III - Metodologia da Pesquisa, conforme Edital 32 de 2 de dezembro de 202, Seção 3, págs. 7 à 76. Republicado no Edital 28 de 0 de fevereiro de 203 DOU 27 de 07 de fevereiro de 203, Seção 3, págs. 59 à 65, por motivo de erro processual durante o andamento do referido concurso. CARLOS GONÇALVES TERRA

19 Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 ISSN Ministério da Fazenda GABINETE DO MINISTRO 545, DE 8 DE NOVEMBRO DE 203 Altera o Regimento Interno do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais - CARF, aprovado pela Portaria nº 256, de 22 de junho de 2009, do Ministro de Estado da Fazenda. O MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos I e II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal e o art. 4º do Decreto nº 4.395, de 27 de setembro de 2002, resolve: Art. º Revogar os parágrafos primeiro e segundo do art. 62- A do Anexo II da Portaria MF nº 256, de 22 de junho de 2009, publicada no DOU de 23 de junho de 2009, página 34, Seção, que aprovou o Regimento Interno do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais -CARF. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. GUIDO MANTEGA DESPACHOS DO MINISTRO Em 8 de novembro de 203 Processo nº: / Interessados: Estado do Rio Grande do Norte e Caixa Econômica Federal. Assunto: Contratos de garantia e contragarantia a serem celebrados entre a União e o Estado do Rio Grande do Norte, tendo por objeto o contrato de financiamento entre o Estado e a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ ,57 (sessenta milhões, noventa e oito mil, quinhentos e quarenta e nove reais e cinquenta e sete centavos), no âmbito do Programa de Financiamento de Contrapartidas do Programa de Aceleração do crescimento - CPAC Despacho: Tendo em vista as manifestações da Secretaria do Tesouro Nacional e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional autorizo a contratação mediante o cumprimento das exigências legais e revogo o despacho proferido em 30 de abril de 203, publicado no Diário Oficial da União em 3 de maio de 203. Processo n o : / Interessados: Estado do Rio Grande do Norte e Caixa Econômica Federal. Assunto: Contratos de garantia e contragarantia a serem celebrados entre a União e o Estado do Rio Grande do Norte, tendo por objeto o contrato de financiamento entre o Estado e a Caixa Econômica Federal, no valor de R$ ,00 (cento e setenta e quatro milhões) no âmbito do Programa de Financiamento de Contrapartida do Programa de Aceleração do Crescimento - CPAC. Despacho: Tendo em vista as manifestações da Secretaria do Tesouro Nacional e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional autorizo a contratação mediante o cumprimento das exigências legais. Processo n o : / Interessados: Estado do Ceará e Caixa Econômica Federal - CEF. Assunto: Contrato de Garantia, a ser firmado entre a União e o Estado do Ceará, com a interveniência do Banco do Brasil S.A., e Contrato de Vinculação de Receitas e de Cessão e Transferência de Crédito, em Contragarantia, a ser firmado entre a União e o Estado do Ceará, com a interveniência do Banco do Nordeste do Brasil S.A., da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil S.A., ambos relativos a Contrato de Financiamento, a ser firmado entre o Estado do Ceará e a Caixa Econômica Federal, com garantia da União, no valor de R$ ,47 (setenta e dois milhões, seiscentos e trinta mil, setecentos e trinta e quatro reais e quarenta e sete centavos), cujos recursos serão destinados ao financiamento de contrapartidas do Programa de Aceleração do Crescimento (CPAC/OGU) - CPAC Maranguapinho. Despacho: Tendo em vista as manifestações da Secretaria do Tesouro Nacional e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, bem assim o disposto na Lei n o 0.552, de 3 de novembro de 2002, autorizo as contratações, observadas as normas legais e regulamentares pertinentes. EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL GUIDO MANTEGA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS SUPERINTENDÊNCIA DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES INSTITUCIONAIS ATOS DECLARATÓRIOS DE 2 DE NOVEMBRO DE 203 N o O Superintendente de Relações com Investidores Institucionais da Comissão de Valores Mobiliários, no uso da competência delegada pela Deliberação CVM nº 58, de 2 de julho de 993, cancela, a pedido, a autorização concedida a CR2 SERVIÇOS FINANCEIROS LTDA, CNPJ nº , para prestar os serviços de Consultor de Valores Mobiliários, previstos no Art. 27 da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 976. N o O Superintendente de Relações com Investidores Institucionais da Comissão de Valores Mobiliários, no uso da competência delegada pela Deliberação CVM nº 58, de 2 de julho de 993, cancela, a pedido, a autorização concedida a LUIZ CARLOS FERREIRA, CPF nº , para prestar os serviços de pelo código Administrador de Carteira de Valores Mobiliários previstos na Instrução CVM nº 306, de 5 de maio de 999. FRANCISCO JOSÉ BASTOS SANTOS CONSELHO ADMINISTRATIVO DE RECURSOS FISCAIS a - SEÇÃO a - CÂMARA a - TURMA ORDINÁRIA PAUTA DE JULGAMENTOS Pauta de julgamento dos recursos das sessões ordinárias realizadas nas datas a seguir mencionadas, no Setor Comercial Sul, Quadra 0, Bloco J, Edifício Alvorada, Sala 303, Brasília/DF. Serão julgados na primeira sessão ordinária subseqüente, independente de nova publicação, os recursos cuja decisão tenha sido adiada, em razão de pedido de vista de Conselheiro, não-comparecimento do Conselheiro-Relator, falta de tempo na sessão marcada, ser feriado ou ponto facultativo ou por outro motivo objeto de decisão do Colegiado. DIA 03 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 09:00 HORAS Relator(a): EDELI PEREIRA BESSA 0 - Processo: / Ex Offício e Voluntário - Recorrentes: FAZENDA NACIONAL e MERCANTIL RO- MANA INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS ALIMEN- TÍCIOS LTDA. (Responsáveis Tributários: Indústria Todeschini S/A, Imcopa Importação, Exportação, Indústria e Comércio de Produtos Alimentícios S/A, A C Comercial Importadora e Exportadora Ltda., José Eduardo Todeschini, Roberto Eloi Todeschini, Pedro Achiles Todeschini, Rafael Cordeiro Justus, Hans Rudolf Keppler, José Alberto Perez Castane, Ubirajara Domingos, Carlos Angel Gracia Baú, Angel Baú Gracia e Frederico José Busato Júnior) - Matéria: Cofins e PIS - Arbitramento dos Lucros - Reflexo Processo: / Recorrente: COO- PERATIVA AGROINDUSTRIAL LAR - Recorrida: FAZENDA NA- CIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - Atos não cooperados. Relator(a): BENEDICTO CELSO BENÍCIO JÚNIOR 03 - Processo: /20- - Recorrente: BTG PACTUAL ASSET MANAGEMENT S/A. - DTVM - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL. Relator(a): MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI 04 - Processos: / e / (apensado) - Recorrente: PETRÓLEO BRA- SILEIRO S/A. - PETROBRÁS - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IPRJ e CSLL. DIA 03 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 4:00 HORAS Relator(a): EDELI PEREIRA BESSA 05 - Processo: / Recorrente: A.B. CORTE REAL & CIA. LTDA. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - Distribuição disfarçada de lucros Processo: / Ex Offício e Voluntário - Recorrentes: FAZENDA NACIONAL e TIBAGI ENGE- NHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. - Matéria: IRPJ e Reflexos - Omissão de receitas e outros. Relator(a): BENEDICTO CELSO BENÍCIO JÚNIOR 07 - Processo: / Recorrente: SANTA ELISA PARTICIPAÇÕES S/A. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL Processo: / Recorrente: SANTA ELISA PARTICIPAÇÕES S/A. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL. Relator(a): MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI 09 - Processos: / e /2003-5(apensado) - Recorrente: HOSPITAL DE CA- RIDADE DE ERECHIM - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ, CSLL, PIS e Cofins. 0 - Processo: / Recorrente: NOKIA DO BRASIL TECNOLOGIA LTDA. - Recorrida: FAZENDA NA- CIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - Compensação de saldo negativo de IRPJ e amortização de ágio. Relator(a): NARA CRISTINA TAKEDA TAGA - Processo: / Recorrente: BRA- COL HOLDING LTDA.(Responsável solidário: JBS S/A) - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL. DIA 04 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 09:00 HORAS Relator(a): EDELI PEREIRA BESSA 2 - Processo: / Recorrente: O BO- TICÁRIO FRANCHISING S/A. (Responsáveis tributários: Artur Noemio Grynbaum e Miguel Gellert Krigsner) - Recorrida: FAZEN- DA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - Amortização de ágio. 3 - Processo: / Recorrente: ENER- GISA NOVA FRIBURGO - DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S/A. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: DCOMP - Saldo negativo - IRPJ/CSLL Relator(a): BENEDICTO CELSO BENÍCIO JÚNIOR 4 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. 5 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. 6 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. 7 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. 8 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. 9 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. 2 - Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF Processo: / Recorrente: NOVAS IDÉIAS LTDA. - ME - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso - DCTF. Relator(a): MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI 24 - Processo: / Recorrente: CLA- JUHERGUS DIVERSÕES ELETRÔNICAS LTDA. - Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: IRRF Processo: / Ex Offício - Recorrente: FAZENDA NACIONAL - Interessado: INTERGRIFFES NORDESTE INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES LTDA. - Matéria: IRPJ - glosa de despesas. DIA 04 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 4:00 HORAS Relator(a): EDELI PEREIRA BESSA 26 - Processo: / Ex Offício e Voluntário - Recorrentes: FAZENDA NACIONAL e TERRITORIAL TRANSPORTES E EMPREENDIMENTOS LTDA. - Matéria: IRPJ e CSLL - Glosa de custos e despesas Processo: / Recorrente: COPA- VEL CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA. - Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: PER/DCOMP - Saldo negativo - CSLL. Relator(a): MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI 28 - Processo: / Recorrente: ILHA COMUNICAÇÃO S/A. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - Presunção de omissão de receitas - depósitos bancários. DIA 05 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 09:00 HORAS Relator(a): EDELI PEREIRA BESSA 29 - Processo: / Ex Offício - Recorrente: FAZENDA NACIONAL - Interessado: TOKYO MARINE SEGURADORA S/A. - Matéria: IRPJ - Falta de recolhimento Processo: / Recorrente: VIA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S/A.- Recorrida: FAZEN- DA NACIONAL - Matéria: DCOMP - Saldo negativo - IRPJ. Relator(a): MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI 3 - Processo: / Recorrente: HOTÉIS OTHON S/A. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ, CSLL, Cofins e PIS. DIA 05 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 4:00 HORAS Relator(a): EDELI PEREIRA BESSA 32 - Processo: / Embargos de declaração - Embargante: Delegacia da Receita Federal do Brasil de Administração Tributária em São Paulo - Embargada: Primeira Câmara do antigo Primeiro Conselho de Contribuintes - Interessada: ÔMEGA PARTICIPAÇÕES, REPRESENTAÇÕES E ADMINIS- TRAÇÃO LTDA. - Matéria: IRPJ e CSLL - Lucros no exterior Processo: / Embargos de declaração - Embargante: MCCM ENTRETENIMENTOS LTDA. - Embargada: Primeira Turma Ordinária da Primeira Câmara da Primeira Seção de Julgamento - Matéria: IRRF - Pagamentos sem causa. Relator(a): MÔNICA SIONARA SCHPALLIR CALIJURI 34 - Processo: / Ex Offício - Recorrente: FAZENDA NACIONAL - Interessado: LIGAS DE ALU- MÍNIO S/A. - Matéria: CSLL - Coisa julgada. MARCOS AURÉLIO PEREIRA VALADÃO Presidente da Turma JOSÉ ANTONIO DA SILVA Chefe da Secretaria 2 a - TURMA ORDINÁRIA PAUTA DE JULGAMENTOS Pauta de julgamento dos recursos das sessões ordinárias a serem realizadas nas datas a seguir mencionadas, no SETOR CO- MERCIAL SUL, QUADRA 0, BLOCO J, EDIFÍCIO ALVORADA, SALA 504, BRASÍLIA - DF

20 20 ISSN Nº 225, quarta-feira, 20 de novembro de 203 Serão julgados na primeira sessão ordinária subseqüente, independente de nova publicação, os recursos cuja decisão tenha sido adiada, em razão de pedido de vista de Conselheiro, não-comparecimento do Conselheiro-Relator, falta de tempo na sessão marcada, ser feriado ou ponto facultativo ou por outro motivo objeto de decisão do Colegiado. DIA 03 DE DEZEMBRO DE 203, ÀS 09:00 HORAS Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ - Processo nº: / Recorrentes: KOE- RICH ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES S/A (coobrigados Pedro Jonas Koerich, Maria Márcia Costa Koerich, Paulo Silveira dos Santos, e Cristiano Jorge Guaraci Paes Grueter) e FAZENDA NA- CIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - glosa de despesas com amortização de ágio - multa qualificada - glosa de despesas não comprovadas e/ou não necessárias - multa e juros isolados sobre falta de recolhimento de estimativas - IRRF sobre pagamentos sem causa. Relator: JOÃO CARLOS DE FIGUEIREDO NETO 2 - Processo nº: / Recorrentes: MCL EMPREENDIMENTOS E NEGÓCIOS LTDA. (coobrigados: Mário Celso Lopes, Juçara Eliane Storti Correa Lopes, e Malibu Confinamento de Bovinos LTDA.) e FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - ganho de capital - glosa de despesas - outros. Relator: ANTONIO CARLOS GUIDONI FILHO 3 - Processo nº: / Recorrente: TAP MANUTENÇÃO E ENGENHARIA BRASIL S/A e Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - arbitramento e omissão de receitas. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO 4 - Processo nº: / Recorrente: KLA- BIN S/A e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - Glosa de despesas. COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS DIA 03 DE DEZEMBRO DE 203, ÀS 4:00 HORAS Relator: RICARDO MAROZZI GREGÓRIO 5 - Processo nº: / Recorrente: CRE- MER S/A e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - glosas de despesas de ágios e financeiras - multa isolada estimativas. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO 6 - Processo nº: / Recorrente: PA- NAMERICANO ADMINISTRADORA DE CARTÕES DE CRÉDI- TO e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ -. perda no recebimento de créditos. Relator: ANTONIO CARLOS GUIDONI FILHO 7 - Processo nº: / Recorrente: BRA- ZIL TRADING LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa isolada - indeferimento de compensação - fraude. 8 - Processo nº: / Recorrentes: BRA- ZIL TRADING LTDA. e FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa isolada - indeferimento de compensação - fraude - compensação não declarada. Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ 9 - Processo nº: / Recorrente: VO- TORANTIM PARTICIPACOES S/A e Recorrida: FAZENDA NA- CIONAL - Matéria: compensação de tributos. Relator: JOÃO CARLOS DE FIGUEIREDO NETO 0 - Processo nº: / Recorrente: CUR- TUME TOURO LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - glosa de custo - decadência - outros. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO - Processo nº: / Recorrente: SFE SOCIEDADE FLUMINENSE DE ENERGIA LTDA..e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - necessidade de despesas financeiras. Relator: ANTONIO CARLOS GUIDONI FILHO 2 - Processo nº: / Embargante: EX- PAMBOX INDUSTRIA DE MOBILIÁRIO LTDA. e Embargada: FAZENDA NACIONAL. 3 - Processo nº: / Embargante: EDENRED BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. (sucessora de ACCOR PARTICIPAÇÕES S/A) e Embargada: FAZENDA NACIONAL. Relator: RICARDO MAROZZI GREGORIO 4 - Processo nº: / Recorrente: BOMBRIL S/A e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - omissão de variações cambiais ativas - glosa de variações cambiais passivas. DIA 04 DE DEZEMBRO DE 203, ÀS 09:00 HORAS Relator: RICARDO MAROZZI GREGORIO 5 - Processo nº: / Recorrente: FA- ZENDA NACIONAL e Recorrida: ELECTRO VIDRO S/A - Matéria: IRPJ - Glosa de despesas de ágios - multa isolada pelo não recolhimento de estimativas. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAUJO 6 - Processo nº: / Recorrentes: MRS LOGÍSTICA S/A e FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - diferenças de recolhimento. Relator: JOÃO CARLOS DE FIGUEIREDO NETO 7 - Processo nº: / Recorrentes: VE- ROCHEQUE REFEIÇÕES LTDA. e FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e reflexos. Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ 8 - Processo nº: / Recorrente: BIAN- CHINI EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: omissão de receitas - saldo credor de caixa. pelo código Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAUJO 9 - Processo nº: / Recorrente: TE- REOS DO BRASIL PARTICIPAÇÕES LTDA..e Recorrida: FAZEN- DA NACIONAL - Matéria: IRPJ - Concomitância com ação judicial - recolhimento de estimativas em atraso - denúncia espontânea. Relator: ANTONIO CARLOS GUIDONI FILHO 20 - Processo nº: / Embargante: FA- ZENDA NACIONAL e Interessada: SANOFI SYNTHELABO FAR- MACÊUTICA LTDA Processo nº: / Embargante: FA- ZENDA NACIONAL e Interessada: BRI PARTICIPAÇÕES LTDA.. DIA 04 DE DEZEMBRO DE 203, ÀS 4:00 HORAS Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO 22 - Processo nº: / Recorrente: BAN- CO SUDAMERIS BRASIL SOCIEDADE ANÔNIMA e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - Restituição/Compensação Processo nº: / Recorrente: PIO- NEER CORRETORA DE CAMBIO LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - Restituição/Compensação. Relator: RICARDO MAROZZI GREGÓRIO 24 - Processo nº: / Recorrente: ITA- POÃ SUPERMERCADO LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIO- NAL - Matéria: IRPJ - Decadência - omissão de receitas com base em informações colhidas junto a administradoras de cartão e tickets e com base em informações escrituradas e não declaradas. Multa qualificada Processo nº: / Recorrentes: IN- BRA INDUSTRIA E COMERCIO DE METAIS LTDA. e FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - omissão de receitas com base em saldo credor de caixa e em falta de escrituração de pagamentos. Relator: JOÃO CARLOS DE FIGUEIREDO NETO 26 - Processo nº: / Recorrente: TRANSGLOBAL CORRETAGEM DE SEGUROS LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - auto de infração. Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ 27 - Processo nº: / Recorrente: TRA- MONTINA FARROUPILHA S/A INDÚSTRIA METALÚRGICA e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: aplicação de recursos em cotas do Finam mediante Darf. Relator: ANTONIO CARLOS GUIDONI FILHO 28 - Processo nº: / Recorrente: J. MACEDO S/A e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: CSLL - Dedutibilidade de despesas, compensação de bases negativas de CSLL e limite de compensação de bases negativas (trava) Processo nº: / Recorrente: J. MACEDO S/A e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ - Dedutibilidade de despesas, compensação de prejuízos fiscais e limite de compensação de prejuízos (trava). Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ 30 - Processo: / Recorrente: GRUPO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A e Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos. 3 - Processo: / Recorrente: GRUPO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A e Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos Processo: / Recorrente: GRUPO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A e Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos Processo: / Recorrente: - GRU- PO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos Processo: / Recorrente: GRUPO OK CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S/A e Recorrida: FA- ZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos. DIA 05 DE DEZEMBRO DE 203, ÀS 09:00 HORAS Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO 35 - Processo nº: / Recorrente: FER- RARA PARTICIPAÇÕES S.A.e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e CSLL - Ganho de capital na redução do capital social. Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ 36 - Processo nº: / Recorrente: AUTO VIAÇÃO 00 LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos - crédito oriundo de decisão judicial não transitada em julgado. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO 37 - Processo nº: / Recorrente: EDI- CLEIA A. CANCI e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: DIPJ - Multa por atraso na entrega Processo nº: / Recorrente: ES- PAÇO VITAL CABELEIREIROS LTDA. ME e Recorrida: FAZEN- DA NACIONAL - Matéria: DIPJ - Multa por atraso na entrega Processo nº: / Recorrente: FA- BIO MANTELLI GUIDORIZZI & CIA. LTDA. - ME e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: DIPJ - Multa por atraso na entrega Processo nº: / Recorrente: FA- BIANO BERGAMIN e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: DIPJ - Multa por atraso na entrega. DIA 05 DE DEZEMBRO DE 203, ÀS 4:00 HORAS Relator: JOÃO CARLOS DE FIGUEIREDO NETO 4 - Processo nº: / Recorrente: AL- VES FOGACA & CIA LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: compensação de tributos. Relator: RICARDO MAROZZI GREGÓRIO 42 - Processo nº: / Recorrente: CEN- TRO COMERCIAL DE REABILITAÇÃO GUILHERME CHAVES LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Multa por atraso na entrega de DIPJ Processo nº: / Recorrente: CAFÉ E BAR COLÔNIA ULTRAMAR LTDA. ME e Recorrida: FAZEN- DA NACIONAL - Matéria: Multa por falta de entrega da DSPJ Processo nº: / Recorrente: CAFÉ E BAR COLÔNIA ULTRAMAR LTDA. ME e Recorrida: FAZEN- DA NACIONAL - Matéria: Multa por falta de entrega da DSPJ Processo nº: / Recorrente: APLI- TEC AERO AGRÍCOLA LTDA.. e Recorrida: FAZENDA NACIO- NAL - Matéria: Multa por atraso na entrega de DIPJ. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAÚJO 46 - Processo nº: / Recorrente: IN- DUSTRIA E COMERCIO REI LTDA. e Recorrida: FAZENDA NA- CIONAL - Matéria: DCTF - Multa por atraso na entrega Processo nº: / Recorrente: GIAN CARLO ESCRITORE - EPP e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: DCTF - Multa por atraso na entrega. Relator: JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ 48 - Processo nº: / Recorrente: TOR- RES, POPENGA E CIA LTDA. e Recorrida: FAZENDA NACIO- NAL - Matéria: SIMPLES NACIONAL - exclusão de ofício e lançamentos de ofício decorrentes. Relator: JOÃO CARLOS DE FIGUEIREDO NETO 49 - Processo nº: / Recorrente: ABF - COMERCIO, ADMINISTRAÇÃO & PLANEJAMENTO OPERA- CIONAL LTDA.. - ME e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: Exclusão do Simples Nacional. Relator: JOSÉ EVANDE CARVALHO ARAUJO 50 - Processo nº: / Recorrente: AC- CORDE FILMES LTDA..e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e reflexos - depósitos bancários. 5 - Processo nº: / Recorrente: PRA- DO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ARTEFATOS DE COURO LTDA.. e Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ e reflexos - depósitos bancários. Relator: RICARDO MAROZZI GREGÓRIO 52 - Processo nº: / Recorrente: CE- RÂMICA VILA CRUZ LTDA.. e Recorrida: FAZENDA NACIO- NAL - Matéria: IRPJ e reflexos - depósitos bancários - receitas não oferecidas à tributação - pagamentos a beneficiário não identificado - multa qualificada. JOÃO OTÁVIO OPPERMANN THOMÉ Presidente da Turma Em exercício JOSÉ ANTONIO DA SILVA Chefe da Secretaria 3 a - TURMA ORDINÁRIA PAUTA DE JULGAMENTOS Pauta de julgamento dos recursos das sessões ordinárias a serem realizadas nas datas a seguir mencionadas, no Setor Comercial Sul, Quadra 0, Bloco J, Edifício Alvorada, 3º Andar Sala 30, em Brasília - Distrito Federal. Serão julgados na primeira sessão ordinária subseqüente, independente de nova publicação, os recursos cuja decisão tenha sido adiada, em razão de pedido de vista de Conselheiro, não-comparecimento do Conselheiro-Relator, falta de tempo na sessão marcada, ser feriado ou ponto facultativo ou por outro motivo objeto de decisão do Colegiado. DIA 03 DE DEZEMBRO DE 203 ÀS 09:00 HORAS Relator(a): ANDRÉ MENDES DE MOURA 0 - Processo: / Ex Officio - Recorrente: FAZENDA NACIONAL - Interessado: COMERCIAL RI- CKS JUNDIAÍ LTDA. - EPP - Matéria: SIMPLES 02 - Processo: / Recorrente: BRAS- TUBO CONSTRUÇÕES METÁLICAS S/A. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: IRPJ Processo: / Recorrente: BOR- COL INDÚSTRIA BORRACHA LTDA. - Recorrida: FAZENDA NACIONAL - Matéria: DCTF. Relator(a): FÁBIO NIEVES BARREIRA 04 - Processo: / Recorrente: BANCO COOPERATIVO DO BRASIL S/A. Recorrida: FAZENDA NACIO- NAL - Matéria: Restituição Processo: / Ex Officio - Recorrente: FAZENDA NACIONAL - Interessado: POTENCIAL FI- NANCE CAR LTDA. - ME - Matéria: IRPJ. Relator(a): ALOYSIO JOSÉ PERCÍNIO DA SILVA 06 - Processo: / Ex Offico e Voluntário - Recorrentes: FAZENDA NACIONAL e TRAFICK CO- MÉRCIO DE PRODUTOS HIGIÊNICOS LTDA. - ME (Responsáveis Tributários: Comercial FMO Ltda. - CNPJ: / e FMO Distribuidora Ltda. - ME - CNPJ: 22690/000-70) - Matéria: Multa.

ANEXO NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA

ANEXO NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA ANEXO NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA ERVILHA 1. Objetivo: A presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA Art. 1º O presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial de classificação da soja, considerando os seus requisitos

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO

REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO Art. 1º O presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial de classificação do feijão, considerando os seus requisitos de identidade e qualidade, a amostragem,

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor após decorridos 120 (cento e vinte) dias de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor após decorridos 120 (cento e vinte) dias de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 23 DE JUNHO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA

Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA Portaria nº 795 de 15/12/93 D. O. U. 29/12/93 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 01. OBJETIVO: Esta norma tem por objetivo definir as características de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA/SARC Nº 001, DE 01 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o inciso

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Brasília / DF 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 12, de 28 de março de 2008

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento D.O.U. Nº 225, sexta-feira, 24 de novembro de 2006. Pág. 10 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 65, DE 21 DE NOVEMBRO

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CL 43 Brasília - DF, terça-feira, 5 de março de 2013 Sumário. PÁGINA Presidência da República... 1 Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação... 2 Ministério da Cultura... 7 Ministério

Leia mais

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 1º- DE ABRIL DE 2014 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO - INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 16, DE 24 DE MAIO DE 2010

GABINETE DO MINISTRO - INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 16, DE 24 DE MAIO DE 2010 GABINETE DO MINISTRO - INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 16, DE 24 DE MAIO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

IN SRF 660/06 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL - SRF nº 660 de 17.07.2006

IN SRF 660/06 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL - SRF nº 660 de 17.07.2006 IN SRF 660/06 - IN - Instrução Normativa SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL - SRF nº 660 de 17.07.2006 D.O.U.: 25.07.2006 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002:

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: Circular nº 006/2.002 São Paulo, 09 de Janeiro de 2.002 DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE 2002: REGULAMENTA A LEI Nº 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989, QUE DISPÕE SOBRE A PESQUISA, A EXPERIMENTAÇÃO, A

Leia mais

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº XX, DE XX DE XXXX DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe

ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº XX, DE XX DE XXXX DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe ANEXO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº XX, DE XX DE XXXX DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o Art. 87. parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004.

Resolução nº 260 RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 260-ANTAQ, DE 27 DE JULHO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A CONCESSÃO DE BENEFÍCIO AOS IDOSOS NO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ

PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ 1 PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ 1. OBJETIVO: o presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial do arroz, considerando os seus requisitos de identidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação e remuneração de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO.

1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO, PREPARAÇÃO, MANIPULAÇÃO, BENEFICIAMENTO, ACONDICIONAMENTO E EXPORTAÇÃO DE BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO. ANEXO NORMAS SOBRE REQUISITOS, CRITÉRIOS E PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE ESTABELECIMENTO, BEBIDA E FERMENTADO ACÉTICO E EXPEDIÇÃO DOS RESPECTIVOS CERTIFICADOS. 1. REGISTRO DE ESTABELECIMENTO DE PRODUÇÃO,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.467, DE 15 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOE nº 112, de 16 de junho de 2010) Dispõe sobre a adoção de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 327, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 327, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 327, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas

Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas Brasil: Autorização de Funcionamento de Empresas Farmoquímicas Portaria nº 231 de 27/12/1996 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA Nº 231, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1996 O Secretário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*)

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 (*) ANO CXLIX Nº 249 Brasília DF, quinta-feira, 27 de dezembro de 2012 pág 232 e 233 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO N 46, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 400, de 21 de março de 2013. DISPÕE SOBRE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VEGETAL NO MUNICIÍPIO DE IPIRANGA DO NORTE-MT E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FÍSICA DE FEIJÃO

CLASSIFICAÇÃO FÍSICA DE FEIJÃO Página 1 de 18 1 Escopo Método de ensaio para classificação física de feijão segundo a Instrução Normativa nº 12, de 28/03/2008 que estabelece a Norma de Identidade e Classificação de Feijão (Phaseolus

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 214, de 2004 Dispõe sobre a introdução do biodiesel

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: EDUCAÇÃO ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que prestam serviços preponderantemente na área da educação podem requerer a

Leia mais

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA SAC Nº 93, DE 6 DE JULHO DE 2012.

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA SAC Nº 93, DE 6 DE JULHO DE 2012. SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA SAC Nº 93, DE 6 DE JULHO DE 2012. Estabelece o procedimento de aprovação dos projetos de implantação de obras de infraestrutura nos sistemas aeroportuários e de proteção

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TABACO EM FOLHA CURADO

ANEXO REGULAMENTO DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TABACO EM FOLHA CURADO ANEXO REGULAMENTO DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TABACO EM FOLHA CURADO 1. OBJETIVO: O presente regulamento tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade,

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA

O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA ARROZ Portaria N o 269, de 17 de novembro de 1988 O MINISTÉRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA, no uso de suas atribuições tendo em vista o disposto na Lei N o 6.309, de 15 de dezembro de 1975, e no Decreto N

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.268, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 9.972, de 25 de maio de 2000, que institui a classificação de produtos vegetais,

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002

LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 LEI Nº 10.409, DE 11 DE JANEIRO DE 2002 Dispõe sobre a prevenção, o tratamento, a fiscalização, o controle e a repressão à produção, ao uso e ao tráfico ilícitos de produtos, substâncias ou drogas ilícitas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 5, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 5, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 5, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal)

LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal) LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal) Dispõe sôbre a remuneração de profissionais diplomados em Engenharia, Química,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 949/2010 INSTITUI A NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS E DISPÕE SOBRE A DECLARAÇÃO MENSAL DO IMPOSTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA - ISSQN. O Prefeito Municipal de São Mateus,

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o Regime Especial da Copa do Mundo FIFA 2014 e dá outras providências. A DIRETORIA DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 Dispõe sobre o exercício da Análise Clínico- Laboratorial. Art. 1º Os atuais portadores de diploma de Ciências Biológicas, modalidade médica, bem como os diplomados

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) Estabelece procedimentos para a remessa, temporária ou definitiva, de amostra de componente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

Portaria DAEE nº 2407, de 31 de Julho de 2015

Portaria DAEE nº 2407, de 31 de Julho de 2015 Portaria DAEE nº 2407, de 31 de Julho de 2015 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto

Leia mais

Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009)

Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA PORTARIA CVS Nº 01, de 22 de janeiro 2007 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os procedimentos administrativos

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.113, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2010 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO o disposto no Decreto nº 7003,

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

CONSIDERANDO ser necessário o aperfeiçoamento das normas que dispõem sobre a relação de atividades obrigadas ao uso da Nota Fiscal Eletrônica NF-e;

CONSIDERANDO ser necessário o aperfeiçoamento das normas que dispõem sobre a relação de atividades obrigadas ao uso da Nota Fiscal Eletrônica NF-e; PORTARIA N 018/2015-SEFAZ Altera a Portaria n 014/2008-SEFAZ, publicada em 1 /02/2008, que divulga relações de atividades econômicas por CNAE, em que se enquadram os contribuintes mato-grossenses obrigados

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 264, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA CHOCOLATE E PRODUTOS DE CACAU". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais