s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa"

Transcrição

1 s. R. Regulamento do Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa \0~ I'~, - ~.... J.. a->: Preâmbulo A Lei 62/2013, de 26 de Agosto, que estabelece as normas de enquadramento e de organização do sistema judiciário, prevê, no artigo 108º a existência do Conselho de Gestão da Comarca. O Conselho de Gestão é, de acordo com o artº 108º, nº2 e 3 da LOSJ, é um dos órgãos de gestão dos tribunais de primeira instância, ao qual compete a condução da gestão administrativa, patrimonial e financeira, bem como a gestão dos recursos humanos da Comarca de Lisboa. Do presente regulamento constam as regras da sua organização e funcionamento. deliberou Assim, o Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa, na sua reunião de 29 de Julho de 2014, aprovar o seguinte: Objecto Artigo 1.º e sede social 1 - O presente regulamento, sob a designação de Regulamento do Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa, contém a disciplina da organização e funcionamento do Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa (adiante abreviadamente designado por Conselho de Gestão) e é elaborado e aprovado por este órgão colegial no uso dos poderes que para o efeito detém, nos termos da LOSJ. 2 - As normas legais e estatutárias, no âmbito de abrangência a que se refere o numero anterior, são de aplicação directa quando de caracter imperativo, prevalecendo, em caso de contradição e ou colisão, sobre as do presente Regulamento. 3- O Conselho de Gestão tem sede no Palácio da Justiça de Lisboa, Edifício do Topo Norte (Antigo Tribunal de Policia), 4º Piso, sito na Rua Marquês da Fronteira, em Lisboa. Artigo 2.º Composição 1 - O conselho de gestão é composto por: a) O Juiz Presidente da Comarca, que a ele preside; b) O magistrado do Ministério Público coordenador; c} O administrador judiciário. e quórum 2. Podem ser convidados a reunir com o conselho de gestão os membros do conselho consultivo a que se refere o nº 2, do artigo 109º, da Lei 62/2013 de 26 de Agosto. 3 - O Conselho de Gestão só pode deliberar estando presentes a maioria dos seus membros. Artigo 3.º Competências 1 - O Conselho de Gestão é o órgão ao qual compete a condução da gestão administrativa, patrimonial e financeira, bem como a gestão dos recursos humanos da Comarca de Lisboa. 1

2 v r>..~ ~.... L.---_ Compete ao Conselho de Gestão, nos termos do nº 2 e nº 3, do artº 108º, da Lei 62/2013 de 26 de Agosto, designadamente: a) Aprovar o relatório semestral sobre o estado dos serviços e a qualidade da resposta, a que alude alínea g), do nº2, do artº 94º, da Lei 62/2013 de 26 de Agosto; b) Aprovar o projecto de orçamento para a comarca; c) Promover alterações orçamentais; d) Planear e avaliar os resultados da comarca, tendo designadamente em conta as avaliações sobre a qualidade do serviço de justiça prestado aos cidadãos a que se refere a alínea b) do nº 4, do artº 94º, e a alínea o), do nº 1, do artº 101º, da Lei 62/2013 de 26 de Agosto; e) Aprovar as alterações à conformação inicialmente estabelecida para ocupação dos lugares de oficial de justiça, efectuadas de acordo com o planeamento quando as necessidades do serviço o justifiquem ou ocorra vacatura do lugar; f) Aprovar, no final de cada ano judicial, o relatório de gestão que contenha informação respeitante ao grau de cumprimento dos objectivos estabelecidos, indicando as causas dos principais desvios; g) Acompanhar a execução orçamental em conformidade com o previsto na alínea j), do nºl do artº 106º, da Lei 62/2013 de 26 de Agosto. Presidente Artigo 4.º e Secretário 1. Cabe ao Presidente, além de outras funções que lhe sejam atribuídas, representar o órgão, abrir e encerrar as reuniões, dirigir os trabalhos e assegurar o cumprimento das leis e a regularidade das deliberações. 2. O Presidente pode, ainda, suspender ou encerrar antecipadamente as reuniões, quando circunstâncias excepcionais o justifiquem, mediante decisão fundamentada, a incluir na acta da reunião. 3. O Presidente ou qualquer membro do Conselho de Gestão pode solicitar a elaboração de relatório sobre qualquer das matérias submetidas à apreciação. 4. Cabe ao Secretário, nomeado pelo Conselho de Gestão, bem como elaborar as actas nos termos adiante previstos. Artigo 5º Direitos e deveres dos membros do Conselho de Gestão 1. São direitos dos membros do Conselho de Gestão: a) Receber as convocatórias, nos prazos e termos devidos, contendo a ordem do dia das reuniões e a documentação sobre os temas agendados; b) Participar nas reuniões, intervindo nas discussões e votações e submetendo a debate aquilo que considerem pertinente; c) Apresentar pedidos de esclarecimento, propostas ou contrapropostas e declarações de voto; d) Exercer o direito de voto; 2

3 e) Ter acesso a toda a documentação e outra informação disponível e considerada relevante ao exercício da respectiva função; f) realizar as demais funções inerentes à condição de membro. 2. São especiais deveres dos membros do Conselho de Gestão: a) Cumprir rigorosamente o presente Regulamento; b) Comparecer e participar nas reuniões e nas outras actividades do órgão para que forem designados; c) Desempenhar as funções de que o Conselho de Gestão os incumba no respectivo âmbito. Artigo 6º Reuniões ordinárias 1. O conselho de gestão reúne ordinariamente uma vez por mês, com excepção do mês de Agosto, e de acordo com calendário previamente aprovado. 2. Quaisquer alterações ao dia e hora fixados em calendário para as reuniões ordinárias, ditadas por circunstâncias impeditivas excepcionais, devem ser comunicadas a todos os membros, de forma a garantir o seu conhecimento seguro e oportuno. Artigo 7.º Reuniões extraordinárias 1. As reuniões extraordinárias têm lugar mediante convocação do Presidente, ou mediante solicitação nos termos do número seguinte. 2. O Presidente é obrigado a proceder à convocação sempre que haja solicitação escrita e fundamentada de qualquer dos demais membros do Conselho de Gestão. 3. A convocatória da reunião deve ser feita com a antecedência mínima de 48 horas sobre a data da reunião extraordinária. 4. Da convocatória que pode ser efectivada por ofício, fax ou correio electrónico, devem constar de forma expressa e especificada, os assuntos a tratar na reunião. 5. A convocatória considera-se válida desde que haja comprovação do respectivo envio por meio que permita com segurança presumir o seu recebimento atempado, sendo suficiente, quando efectuada por via electrónica, a confirmação da expedição através da lista de correio electrónico do Conselho de Gestão. 6. O Conselho pode reunir, ainda, a todo o tempo, sem necessidade de convocatória, com a presença de todos os membros que o compõem. Artigo 8º Ordem do dia e objecto das deliberações 1. A ordem do dia de cada reunião é estabelecida pelo Presidente que deve indicar todos os assuntos que para esse fim lhe forem indicados por qualquer um dos membros que compõem o Conselho de Gestão. 2. A ordem do dia deve ser entregue a todos os membros, com a antecedência de, pelo menos, 48 horas sobre a data da reunião. 3

4 TRIBUNAL s. R. DA COMARCA DE LISBOA 3. Só podem ser objecto de deliberação os assuntos incluídos na ordem do dia da reunião, salvo se, tratando-se de reunião ordinária, todos os membros do Conselho reconhecerem a urgência de deliberação imediata sobre outros assuntos. Artigo 9.º Funcionamento das reuniões 1. As reuniões do Conselho de Gestão não são públicas. 2. O Presidente, ou qualquer um dos membros do Conselho de Gestão, sempre que considerem conveniente, podem convidar para participar nas reuniões, sem direito de voto, quem considerem pertinente para esclarecimento dos assuntos em apreciação. Artigo 10.º Votações 1. Salvo, quando legal ou estatutariamente, for exigida outra maiona, absoluta ou qualificada, as deliberações do Conselho de Gestão são tomadas por maioria dos votos expressos, não sendo permitidas abstenções. 2. As votações que envolvam eleição ou apreciação de comportamentos ou das qualidades de qualquer pessoa são sempre tomadas por escrutínio secreto, sendo as restantes votações, salvo disposição em contrário, realizadas por votação nominal. 3. As questões fundamentais para o regular funcionamento da judicatura ou do Ministério Público podem ser objecto de veto, respectivamente pelo Presidente ou pelo magistrado do Ministério Público coordenador. Artigo 11.º Actas 1. O Secretário lavra acta de cada reunião, contendo um resumo de tudo o que de essencial nela tiver ocorrido, designadamente, com a indicação dos participantes, data e local, ordem dos trabalhos, assuntos apreciados e aspectos mais relevantes da discussão, bem como o sentido das deliberações tomadas e a forma e o resultado das respectivas votações, com menção explícita do número e sentido dos votos e ainda as declarações de voto, quando as houver. 2. A acta é submetida a aprovação de todos os membros no final da respectiva reunião ou logo no início da seguinte, sendo assinada, após a aprovação, por todos os membros do Conselho de Gestão. 3. As deliberações com eficácia externa devem ser notificadas aos interessados e publicitadas nos termos legais pertinentes. 4. As convocatórias, as ordens de trabalho e as actas das reuniões, bem como os dados que adicionalmente forem considerados pertinentes, podem ser alojados numa página electrónica do Conselho de Gestão, com acesso reservado. Artigo 12.º Interpretação e integração de lacunas 4

5 Compete ao Conselho de Gestão interpretar as dúvidas e integrar as lacunas que se suscitem na aplicação do presente Regulamento. Artigo 13.º Revisão Este regulamento pode ser revisto logo que decorridos seis meses do início da sua vigência, por deliberação unânime dos seus membros. O presente Regulamento Artigo 14.º Entrada em vigor entra em vigor no dia seguinte ao da sua aprovação. 5 5

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho de Gestão da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

Artigo 1 Competência

Artigo 1 Competência Regulamento da Comissão Nacional de Acompanhamento de Diálise No âmbito da gestão integrada da doença renal crônica é criada, nos termos do despacho n. o 3789/2008 de Sua Excelência o Senhor Secretário

Leia mais

TRlBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA NORTE

TRlBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA NORTE TRlBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA NORTE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO [Lei n.? 6212013, de 26 de agosto] Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 Âmbito O presente Regulamento tem por objeto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO Maio 2010 INDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3.º Composição do Conselho Consultivo...

Leia mais

Escola de Ciências. Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências

Escola de Ciências. Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências Abril 2010 Índice Artigo 1º: Objecto 3 Artigo 2º: Competências 3 Artigo 3º: Composição do Conselho Pedagógico 3 Artigo 4º: Eleições

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA MISERICÓRDIA DE CINFÃES

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA MISERICÓRDIA DE CINFÃES REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA S.C.M.CINFÃES (n.º 2, do artigo 33 dos Estatutos da S.C.M.CINFÃES) Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento das normas relativas

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Escola de Ciências Regimento do Conselho de Escola da Escola de Ciências Maio 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º - Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA. Artigo 1.º. (Objecto)

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA. Artigo 1.º. (Objecto) REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO Artigo 1.º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento das normas de organização e funcionamento do do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE. Artº1º. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE. Artº1º. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE Artº1º Composição 1. O Conselho Pedagógico da Escola Superior de Saúde, adiante designada por ESSUAlg, é o órgão colegial de natureza pedagógica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CMJ CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO INTERNO DO CMJ CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO INTERNO DO CMJ CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente Regimento Interno define as regras de funcionamento do Conselho Municipal de Juventude de Loures, quando não previstas

Leia mais

Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação

Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL LInQUE - LIGAMOS INSTITUIÇÕES QUE UNEM ESFORÇOS ( LInQUE ) Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação 1. O presente regulamento define

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA REGULAMENTO INTERNO DA SECÇÃO DAS ARTES

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA REGULAMENTO INTERNO DA SECÇÃO DAS ARTES CONSELHO NACIONAL DE CULTURA REGULAMENTO INTERNO DA SECÇÃO DAS ARTES O Decreto-Lei n.º 215/2006, de 27 de Outubro, diploma que aprova a orgânica do Ministério da Cultura, instituiu o Conselho Nacional

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO 10 DE SETEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL 1 CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL O Conselho Nacional de Cultura, órgão consultivo do Governo para a área da cultura, foi criada pelo então Ministério da Cultura,

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO Regulamento do Conselho Técnico-Científico Página 1 de 5 REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ARTIGO 1º Natureza O Conselho Técnico-Científico é o órgão responsável pela orientação da política técnico-científica

Leia mais

Regimento do Conselho da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda

Regimento do Conselho da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Regimento do Conselho da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda O Conselho da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda, constituído em conformidade com as regras gerais consagradas nos

Leia mais

ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL. Regimento do Departamento de Línguas. Artigo 1º Objecto. Artigo 2º Aplicação

ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL. Regimento do Departamento de Línguas. Artigo 1º Objecto. Artigo 2º Aplicação ESCOLA E. B. 2,3 DE CADAVAL Regimento do Departamento de Línguas Artigo 1º Objecto O presente regimento define a composição e as normas de funcionamento do Departamento de Línguas. Artigo 2º Aplicação

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 01 Data: 2013/01/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Conselho Consultivo da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO IST. Artigo 1.º

REGULAMENTO DO CONSELHO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO IST. Artigo 1.º REGULAMENTO DO CONSELHO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO IST Artigo 1.º Objectivos 1. O presente regulamento tem por objecto a definição das regras de funcionamento do Conselho Coordenador da Avaliação do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE Artigo 1.º Composição 1. O Conselho Técnico-Científico da ESSUAlg é o órgão colegial de natureza técnico-científica

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES aprovado por unanimidade na 1.ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal, realizada em 3 de Novembro de 2009 M U N I C I P I O D E L O U R E S C ÂM AR A M U N

Leia mais

REGIMENTO DAS REUNIÕES DA CÂMARA MUNICIPAL. Artigo 1º. Reuniões ordinárias

REGIMENTO DAS REUNIÕES DA CÂMARA MUNICIPAL. Artigo 1º. Reuniões ordinárias REGIMENTO DAS REUNIÕES DA CÂMARA MUNICIPAL Artigo 1º Reuniões ordinárias 1-A Câmara Municipal reunirá ordinariamente, às 1ªs e 3ªs sextas-feiras de cada mês: a)- A primeira reunião será privada e iniciar-se-á

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PARITÁRIA E DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZÍRIA DO TEJO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PARITÁRIA E DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZÍRIA DO TEJO E DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZÍRIA DO TEJO Nos termos e para os efeitos do disposto na alínea q) do número 1 do artigo 90.º da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro,

Leia mais

Regimento Interno. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Regimento Interno. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL Regimento Interno Departamento de Matemática e Ciências Experimentais 2013/2014 D E P A R T A M E N T O DE M A T E M Á T I C A E C I Ê N C I A S E X P E R I M E N T A

Leia mais

Direção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL

Direção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL REGIMENTO INTERNO do DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ARTIGO 1º (Definição e Composição do Departamento Curricular) O Departamento de Línguas é formado por todos os professores que compõem os grupos de recrutamento

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE ABRANTES (404329) REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º Objecto O presente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA EDITAL

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA EDITAL CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA EDITAL José Maria Prazeres Pós-de-Mina, Presidente da Câmara Municipal de Moura: Faço público que o Conselho de Coordenação da Avaliação (CCA), reunido no dia 27 de Maio último,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS Preâmbulo O Conselho Coordenador dos Colégios (CCC) é um órgão da Ordem dos Engenheiros previsto na alínea i) do nº 1 do artigo 19º do

Leia mais

Departamento 1º ciclo

Departamento 1º ciclo Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região de Lisboa e Vale do Tejo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS de ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Departamento

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO

PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Conselho Municipal do Idoso (CMI) é um órgão de representação dos Idosos, e de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO Abril de 2010 INDICE Artigo 1º Objecto 1 Artigo 2º Competências 1 Artigo 3º Composição do Conselho Técnico-Científico

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL 1 CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL O Conselho Nacional de Cultura, órgão consultivo do Governo para a área da cultura, foi criado pelo então Ministério da Cultura,

Leia mais

Anexo 3 Ata nº 1/CCA/2017. Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação dos Serviços de Apoio Técnico e

Anexo 3 Ata nº 1/CCA/2017. Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação dos Serviços de Apoio Técnico e Anexo 3 Ata nº 1/CCA/2017 Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação dos Serviços de Apoio Técnico e Administrativo da Procuradoria-Geral da República, do Gabinete de Documentação e Direito Comparado

Leia mais

REGIMENTO. CONSELHO DIRETIVO REGIONAL Secção Regional da Região Autónoma dos Açores

REGIMENTO. CONSELHO DIRETIVO REGIONAL Secção Regional da Região Autónoma dos Açores REGIMENTO CONSELHO DIRETIVO REGIONAL Secção Regional da Região Autónoma dos Açores (Aprovado em Assembleia Regional Extraordinária de 11 de Novembro de 2016) Primeira Versão, 14 de março de 2016 EMISSOR

Leia mais

Município de Viana do Castelo. Regimento de Funcionamento. Introdução

Município de Viana do Castelo. Regimento de Funcionamento. Introdução Município de Viana do Castelo Introdução O Decreto-Lei n.º 7/2003, de 15 de Janeiro, instituiu o Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências e composição, estipulando no artigo 8.º que

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISCIA - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO. Artigo 1.

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISCIA - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO. Artigo 1. REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISCIA - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO Artigo 1. Composição 1. O Conselho Pedagógico do ISCIA - Instituto Superior de Ciências da

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Escola de Engenharia Regimento do Conselho de Escola Preâmbulo Capítulo I (Natureza e competência) Artigo 1º (Definição) Nos termos dos Estatutos da Escola de Engenharia, o Conselho de Escola é um órgão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ELVAS REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ELVAS REGIMENTO DO CONSELHO GERAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ELVAS REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Julho de 2013 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL CAPÍTULO I Artigo 1º Definição O Conselho Geral (CG) é o órgão de participação e representação

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FORNOS DE ALGODRES A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º 2, alínea b), a competência

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO REGULAMENTO

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO REGULAMENTO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO REGULAMENTO Artigo 1.º Composição 1 - O Conselho Técnico-Científico é composto por 11 membros: 60% de representantes eleitos dos professores de carreira; 20% de docentes com

Leia mais

REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE DIETÉTICA E

REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE DIETÉTICA E Homologado na Gestão documental em 28/12/2017 REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE DIETÉTICA E NUTRIÇÃO Im-05-15-B0 Pág. 1 de 5 Artigo 1º (Definição) 1. O Departamento de Dietética e Nutrição da Escola Superior

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

MUNICÍPIO DO CARTAXO

MUNICÍPIO DO CARTAXO REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CARTAXO O Regime Juridico das Autarquias Locais aprovado pela lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, estatui na alínea a) do artigo 39.º a obrigatoriedade da existência de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Com vista ao desenvolvimento do Projecto Educativo de Escola, são fixadas no Regulamento Interno as estruturas que colaboram com o Conselho Pedagógico e

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO EXECUTIVO

REGIMENTO DO CONSELHO EXECUTIVO REGIMENTO DO CONSELHO EXECUTIVO Junho 2016 1. O Conselho Executivo, da Escola Básica Integrada de Ponta Garça, é o órgão de administração e gestão nas áreas pedagógica, cultural, administrativa, patrimonial

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÉVORA

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÉVORA REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÉVORA A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de

Leia mais

1. Para a prossecução dos objectivos referidos no artigo anterior, compete ao Conselho deliberar,

1. Para a prossecução dos objectivos referidos no artigo anterior, compete ao Conselho deliberar, Regimento do Conselho Municipal de Educação de Vale de Cambra A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação e Secção Autónoma do Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho do Município de Gondomar

Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação e Secção Autónoma do Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho do Município de Gondomar Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação e Secção Autónoma do Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho do Município de Gondomar PARTE I Enquadramento legal Artigo 1.º Objecto O presente

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Coimbra. Regimento

Conselho Municipal de Educação de Coimbra. Regimento de Coimbra Regimento A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n. 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação. A Lei 169/99, de 18 de

Leia mais

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15)

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) ANEXO 1.1 Regulamento Interno Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE 1 - Definição...

Leia mais

Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO. Capítulo I Disposições introdutórias. Artigo 1.º Objecto

Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO. Capítulo I Disposições introdutórias. Artigo 1.º Objecto REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Preâmbulo A Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro, que consagrou o novo Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior (RJIES), previu, nos artigos 129.º e seguintes,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS Proposta de adequação à Lei 123/2015 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS PROPOSTA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO. (APROVADO NO CONSELHO CIENTÍFICO de 11 de JUNHO de 2012) Coimbra

REGIMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO. (APROVADO NO CONSELHO CIENTÍFICO de 11 de JUNHO de 2012) Coimbra REGIMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO (APROVADO NO CONSELHO CIENTÍFICO de 11 de JUNHO de 2012) Coimbra Junho de 2012 Preâmbulo A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) pretende adotar procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS REGULAMENTO CPN REGULAMENTO DA CPN CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento da Comissão Politica Nacional. Artigo 2º Abreviaturas Para

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Artigo 1º (Definição, objectivos e composição do Conselho de Escola) 1. O Conselho de Escola da FMH é o órgão de decisão estratégica e

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação Elaborado por Motivo da Alteração 1 Sem data Regulamento da Comissão de Transfusão Título do Documento Regulamento da Comissão de Transfusão

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO

PROJECTO DE REGULAMENTO PROJECTO DE REGULAMENTO CONSELHO MUNICIPAL DO CIDADÃO COM DEFICIÊNCIA PREÂMBULO: A promoção do bem-estar e qualidade de vida da população e a igualdade entre todos os portugueses, através da realização

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO PLENÁRIO DO CONSELHO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO PLENÁRIO DO CONSELHO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO PLENÁRIO DO CONSELHO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS Aprovado nos termos da alínea a) do artigo 33.º da Lei n.º 66-A/2007, de 11 de dezembro, alterada pela Lei n.º 29/2015

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA Nos termos do artigo 20.º dos Estatutos da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, homologados pelo Despacho n.º 15674-C/2013, de 27 de novembro de 2013, do Reitor

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ÍLHAVO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ÍLHAVO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ÍLHAVO Preâmbulo... 2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º Objecto... 3 Artigo 2.º Âmbito... 3 Artigo 3.º Objectivos... 3 CAPÍTULO II Competências

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcoutim

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcoutim A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2 alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais de educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro - na alínea

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MOIMENTA DA BEIRA

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MOIMENTA DA BEIRA APROVADO PELO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM REUNIÃO ORDINÁRIA REALIZADA EM 26 DE JANEIRO DE 2011 REGIMENTO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MOIMENTA DA BEIRA REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

EXTERNATO DA LUZ. Artigo 1º - Enquadramento Legal

EXTERNATO DA LUZ. Artigo 1º - Enquadramento Legal EXTERNATO DA LUZ REGIMENTO DO CONSELHO DE TURMA Artigo 1º - Enquadramento Legal O presente regimento do Conselho de Turma pauta-se pelo estipulado nos Decretos-Lei nº75/2008, de 22 de Abril, e nº 270/2009,

Leia mais

Escola Básica e Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego. Escola Básica e. Secundária da Sé - Lamego

Escola Básica e Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego. Escola Básica e. Secundária da Sé - Lamego Escola Básica e Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego Escola Básica e Secundária da Sé - Lamego Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas da Sé 2010-2014 REGIMENTO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO

Leia mais

Regimento da Câmara Municipal de Olhão

Regimento da Câmara Municipal de Olhão Regimento da Câmara Municipal de Olhão Artigo 1º Reuniões 1. As reuniões da Câmara realizam-se habitualmente nos Paços, do Concelho podendo realizar-se noutros locais quando assim for deliberado. 2. As

Leia mais

EXTERNATO DA LUZ. Artigo 1º - Enquadramento Legal

EXTERNATO DA LUZ. Artigo 1º - Enquadramento Legal EXTERNATO DA LUZ REGIMENTO DO CONSELHO DE TURMA Artigo 1º - Enquadramento Legal O presente regimento do Conselho de Turma pauta-se pelo estipulado no Despacho nº 1F/2016 de 5 de abril, no Contrato Colectivo

Leia mais

Regimento do Conselho Intermunicipal

Regimento do Conselho Intermunicipal Regimento do Conselho Intermunicipal Art.º 1º (Constituição) 1 O Conselho Intermunicipal é constituído pelos Presidentes das Câmaras Municipais dos Municípios que integram a Comunidade Intermunicipal do

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE)

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE) REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE) CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO SECÇÃO I ESTRUTURA ORGÂNICA Artigo 1.º Natureza O Conselho Geral é o órgão de definição do

Leia mais

Regimento do Conselho Geral

Regimento do Conselho Geral MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Alentejo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SABOIA Regimento do Conselho Geral CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

ENMC Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, E.P.E. Regulamento Interno do Conselho Nacional para os Combustíveis

ENMC Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, E.P.E. Regulamento Interno do Conselho Nacional para os Combustíveis ENMC Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, E.P.E. Regulamento Interno do Conselho Nacional para os Combustíveis Artigo. 1º Objeto O presente Regulamento Interno estabelece as regras de funcionamento

Leia mais

Regimento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho

Regimento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho Regimento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Enfermagem da Universidade do Minho Regimento do CTC Índice Artigo 1º - Definição....................................................... 3

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PAREDES

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PAREDES REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PAREDES A Lei 75/2013, de 12 de setembro estabelece no seu artigo 25º, nº 1, alínea s), a competência da Assembleia Municipal deliberar sobre a criação do

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de março de 2000 e alterado na Assembleia de Representantes de 8 de

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal DIVISÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO, SOCIAL e CULTURAL REGIMENTO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PG.01_PROC.07_IMP.08 DDESC SECTOR DA EDUCAÇÂO 1 de 8 REGIMENTO PREÂMBULO Considerando que a Lei n.º 159/99,

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº. 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza consultiva,

Leia mais

EXTERNATO DA LUZ. Artigo 1º - Enquadramento Legal

EXTERNATO DA LUZ. Artigo 1º - Enquadramento Legal EXTERNATO DA LUZ REGIMENTO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Artigo 1º - Enquadramento Legal O presente regimento dos Departamentos Curriculares pauta-se pelo estipulado nos Decretos-Lei nº75/2008, de 22

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL PARA OS ASSUNTOS DA JUVENTUDE CAPÍTULO I. Art.º 1.º (Definição)

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL PARA OS ASSUNTOS DA JUVENTUDE CAPÍTULO I. Art.º 1.º (Definição) REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL PARA OS ASSUNTOS DA JUVENTUDE CAPÍTULO I Art.º 1.º (Definição) 1. É constituído o Conselho Municipal para os Assuntos da Juventude no âmbito do Município de Cascais;

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO- CIENTÍFICO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DO OESTE - ISPO

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO- CIENTÍFICO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DO OESTE - ISPO REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO- CIENTÍFICO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DO OESTE - ISPO 1 Indice Preâmbulo... 3 Artigo 1.º... 3 (Natureza e Missão)... 3 Artigo 2.º... 3 (Composição e Mandato)...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA PORTUCEL 1º (Composição) O Conselho Fiscal é composto por três membros efetivos, um dos quais será o Presidente, e dois suplentes, eleitos em Assembleia Geral,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESB-UCP

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESB-UCP REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESB-UCP Porto, Abril de 2014 Secção I Disposições Gerais Artigo 1º (Disposições Gerais) O presente Regulamento pretende concretizar e completar as disposições

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/5/CSE 1ª DELIBERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO Nos termos da alínea g) do nº1 do artigo 10º da Lei nº6/89, de 15 de Abril, é aprovado o Regulamento Interno do Conselho Superior de Estatística. ARTIGO

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ ASSEMBLEIA GERAL /2010. Acta nº 5/20 ANEXO I. Regimento da Assembleia Geral da FPX

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ ASSEMBLEIA GERAL /2010. Acta nº 5/20 ANEXO I. Regimento da Assembleia Geral da FPX ANEXO I Regimento da Assembleia Geral da FPX 0 Artigo 1.º (Definição) A Assembleia Geral é um órgão social, colegial e deliberativo, da Federação Portuguesa de Xadrez (FPX), nos termos dos seus estatutos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

Regimento do Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. Versão 1.0

Regimento do Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. Versão 1.0 Regimento do Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Versão 1.0 Janeiro de 2010 História do documento Uma versão prévia deste documento foi elaborada pelo

Leia mais

Regimento do Funcionamento das Reuniões da Câmara Municipal. Artigo 1.º Reuniões ordinárias

Regimento do Funcionamento das Reuniões da Câmara Municipal. Artigo 1.º Reuniões ordinárias O Regimento das Reuniões da Câmara Municipal é um instrumento essencial ao bom funcionamento do órgão colegial, que consiste em disciplinar a organização e funcionamento das reuniões ordinárias e extraordinárias,

Leia mais

Regimento do Conselho Científico. Escola de Ciências

Regimento do Conselho Científico. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho Científico da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º - Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Artigo 1.º Objecto O Regimento do Conselho Geral da UBI regulamenta a organização e o funcionamento do Conselho Geral da Universidade da Beira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE INVESTIMENTO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO PARA A REABILITAÇÃO E REVITALIZAÇÃO URBANAS

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE INVESTIMENTO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO PARA A REABILITAÇÃO E REVITALIZAÇÃO URBANAS REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE INVESTIMENTO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO PARA A REABILITAÇÃO E REVITALIZAÇÃO URBANAS Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SEVER DO VOUGA

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SEVER DO VOUGA REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SEVER DO VOUGA A Lei 75/2013, de 12 de setembro estabelece no n.º 2 do artigo 23º do Anexo I, que os municípios dispõem de atribuições no domínio da educação.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO (CMMB) Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO (CMMB) Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO (CMMB) Preâmbulo O Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública (SIADAP), estabelecido na

Leia mais

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES

E DA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO. O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de Sociedade do BES REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DA COMISSÃO EXECUTIVA DO BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. («BES») ARTIGO PRIMEIRO OBJECTO O presente Regulamento completa o disposto na lei geral e no contrato de

Leia mais

Regimento da Câmara Municipal de Caminha

Regimento da Câmara Municipal de Caminha Regimento da Câmara Municipal de Caminha Artigo 1º Reuniões 1. As reuniões da Câmara Municipal realizam-se, habitualmente, nos Paços do Concelho, podendo realizar-se noutros locais, quando assim for deliberado.

Leia mais

Regimento do Grupo de Recrutamento Matemática

Regimento do Grupo de Recrutamento Matemática Regimento do Grupo de Recrutamento 500 - Matemática Artigo 1º Objecto O presente regimento está conforme a legislação em vigor e o Regulamento Interno da Escola Secundária de José Afonso, Loures, e tem

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ENFERMAGEM REGIONAL

REGIMENTO DO CONSELHO DE ENFERMAGEM REGIONAL REGIMENTO DO (Aprovado em Assembleia Regional Extraordinária de 11 de Novembro de 2016) Secção Regional da Região Autónoma dos Açores CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito Em conformidade com

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Dezembro 2010 1. NATUREZA E OBJECTIVOS O Conselho Pedagógico (CP) da Escola Superior de Dança (ESD) é o órgão pelo qual se concretiza a participação

Leia mais