REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE INVESTIMENTO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO PARA A REABILITAÇÃO E REVITALIZAÇÃO URBANAS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE INVESTIMENTO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO PARA A REABILITAÇÃO E REVITALIZAÇÃO URBANAS"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO DO COMITÉ DE INVESTIMENTO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO PARA A REABILITAÇÃO E REVITALIZAÇÃO URBANAS Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Governo estabeleceu o quadro de referência para assegurar a definição, gestão, acompanhamento e execução do Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas. Nos termos da alínea b) do nº 1 daquela Resolução de Conselho de Ministros, foi criado o Comité de Investimento, com a composição expressa no nº 13 e competências descritas no nº 14, todos da mesma Resolução. Assim, nos termos e para efeitos da alínea b) do nº 1 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Comité de Investimento aprova o seu Regulamento Interno nos termos seguintes: ARTIGO 1.º OBJETO O presente regulamento estabelece as condições de funcionamento e de exercício das competências do Comité de Investimento criado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 52-A/2015, de 23 de julho, que estabelece o quadro de funcionamento do Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas (IFRRU 2020). ARTIGO 2.º COMPOSIÇÃO 1. Nos termos do nº 13 da RCM n.º 52-A/2015, de 23 de julho, o Comité de Investimento integra os seguintes membros efetivos com direito a voto: a) Um representante de cada Autoridade de Gestão dos programas operacionais (PO) financiadores, que designam o respetivo presidente e o seu substituto nas suas faltas e impedimentos; b) Os membros da comissão diretiva da Estrutura de Gestão do IFRRU 2020; c) Um representante da Direção-Geral do Tesouro e Finanças; d) Um representante da Direção-Geral de Energia e Geologia; e) Um representante da Associação Nacional de Municípios Portugueses; f) Um representante de cada instituição financeira internacional que financie diretamente o IFRRU Para efeitos do número anterior, as entidades devem indicar ao Presidente do Comité os representantes e respetivos suplentes. 3. Mediante proposta do Presidente, podem ainda participar nos trabalhos do Comité de Investimento, sem

2 direito a voto, representantes de outros organismos ou entidades com atribuições e competências específicas, bem como personalidades de reconhecida relevância ou conhecimento especializado, nas matérias em apreciação. 4. Os membros do Comité de Investimento não são remunerados. 5. O secretariado do Comité é assegurado pela Coordenadora da Estrutura de Gestão, ou por quem esta indique, em sua substituição, que participa nas reuniões, sem direito a voto. ARTIGO 3.º COMPETÊNCIAS 1. Nos termos previstos no nº 14º da RCM nº 52-A/2015, de 23 de julho, compete ao Comité de Investimento: a) Apreciar e aprovar: (i) A política de investimento, de desinvestimento e de diversificação de riscos, bem como o programa de ação do IFRRU 2020 e as respetivas alterações ou revisões, mediante proposta pela Estrutura de Gestão do IFRRU 2020 ou de algum dos membros do Comité de Investimento; (ii) Os avisos de abertura de concursos para seleção das entidades gestoras dos fundos retalhistas regionais, os respetivos termos de referência e cadernos de encargos, sob proposta da Estrutura de Gestão do IFRRU 2020; (iii) Os planos de negócio propostos pelas entidades candidatas à gestão de fundos retalhistas regionais, tendo em conta a sua apreciação pela Estrutura de Gestão do IFRRU 2020; (iv) Os acordos operacionais a estabelecer entre a Estrutura de Gestão do IFRRU 2020 e as entidades selecionadas para gestão dos fundos retalhistas regionais, propostos por aquele órgão; (v) Os orçamentos anuais e as respetivas alterações ou revisões, propostos pela Estrutura de Gestão do IFRRU 2020; (vi) Os documentos de prestação de contas apresentados pela Estrutura de Gestão do IFRRU 2020; (vii) A estratégia e o programa de comunicação do IFRRU 2020, proposto pela Estrutura de Gestão do IFRRU 2020; (viii) O lançamento de novas fases do IFRRU 2020, bem como a avaliação do seu desempenho. b) Analisar e estabelecer orientações estratégicas e recomendações operacionais relativas ao desempenho do IFRRU 2020 e dos fundos retalhistas regionais, tomando em consideração os objetivos estabelecidos nos PO financiadores e a estratégia de investimento do IFRRU 2020; c) Deliberar sobre aumentos e reduções das verbas mobilizadas pelo IFRRU 2020; d) Aprovar as operações em que o IHRU, I. P., se constitua, direta ou indiretamente, como beneficiário do IFRRU 2020; e) Designar o revisor oficial de contas do IFRRU 2020 e os auditores, na sequência de proposta da Estrutura de Gestão do IFRRU 2020;

3 f) Apreciar o relatório de controlo anual dos PO, na parte do relatório que se refere ao IFRRU 2020, bem como sobre eventuais observações pertinentes expressas pela Comissão Europeia após a respetiva análise; g) Acompanhar os resultados dos exercícios de avaliação, nomeadamente realizados pelas Autoridades de Gestão dos programas financiadores, sobre temas relevantes para o IFRRU O exercício das competências referidas no número anterior é efetuado na sequência das propostas apresentadas pela Estrutura de Gestão do IFRRU As responsabilidades do Comité de Investimento não limitam, nem condicionam as competências próprias das entidades que o integram. Compete ao Presidente do Comité de Investimento: ARTIGO 4.º COMPETÊNCIAS DO PRESIDENTE DO COMITÉ DE INVESTIMENTO a) Representar o Comité de Investimento; b) Presidir às reuniões do Comité de Investimento, convocar e elaborar a respetiva ordem de trabalhos e enviar a documentação para análise nas reuniões; c) Coordenar o processo de elaboração dos projetos de ata das reuniões do Comité de Investimento; d) Assegurar o cumprimento do Regulamento Interno e das deliberações do Comité de Investimento. ARTIGO 5.º PERIODICIDADE E LOCAL DAS REUNIÕES 1. O Comité de Investimento reúne ordinariamente trimestralmente. 2. O Comité de Investimento pode, ainda, reunir extraordinariamente, mediante convocação do Presidente, por sua iniciativa ou sob proposta escrita apresentada por qualquer outro dos seus membros. 3. O Presidente é obrigado a proceder à convocação sempre que, pelo menos, um terço dos membros do Comité lho solicitem por escrito, indicando o assunto que desejam ver tratado. 4. Na situação prevista no número anterior, ou em caso de anuência do Presidente à proposta apresentada nos termos da segunda parte do n.º 2, a reunião deve ser convocada para um dos 15 dias seguintes à apresentação do pedido, mas sempre com uma antecedência mínima de 48 horas sobre a data da reunião extraordinária. 5. Em caso de não aceitação de proposta apresentada nos termos da segunda parte do n.º 2, os respetivos fundamentos devem ser apresentados pelo Presidente na reunião subsequente. 6. As reuniões do Comité de Investimento decorrem no local designado pelo seu Presidente na respetiva convocatória.

4 ARTIGO 6.º CONVOCAÇÃO DAS REUNIÕES 1. As reuniões do Comité de Investimento são convocadas com a antecedência mínima de quinze dias úteis, por qualquer meio escrito, devendo a convocatória ser dirigida a todos os seus membros e incluir a respetiva proposta de ordem de trabalhos. 2. A documentação a analisar na reunião será divulgada com a antecedência mínima de dez dias úteis, através do respetivo envio, por qualquer meio escrito, a todos os seus membros. 3. Em casos excecionais, devidamente fundamentados, com base em urgência imperiosa, os prazos fixados nos n.º s 1 e 2, podem ser reduzidos pelo Presidente do Comité de Investimento, até um mínimo de cinco dias úteis. 4. Qualquer alteração ao local e hora fixados para as reuniões do Comité de Investimento, deverá ser comunicada a todos os seus membros, com a antecedência que garanta o seu atempado conhecimento. ARTIGO 7.º ORDEM DE TRABALHOS 1. O Presidente do Comité de Investimento elabora a proposta de ordem de trabalhos das reuniões, nela inscrevendo qualquer questão que tenha sido objeto de solicitação por escrito de qualquer membro do referido Comité. 2. As propostas de alteração à ordem de trabalhos deverão ser comunicadas ao Presidente, por escrito, até 10 dias antes do dia da respetiva reunião, sem prejuízo do disposto no n.º 3 do artigo 9.º. ARTIGO 8º QUÓRUM 1. Em regra, o Comité de Investimento só pode deliberar quando esteja presente a maioria do número legal dos seus membros com direito a voto. 2. Quando se não verifique na primeira convocação o quórum previsto no número anterior, deve ser convocada nova reunião com um intervalo mínimo de 24 horas. 3. O Comité reunido em segunda convocatória pode deliberar desde que esteja presente um terço dos seus membros com direito a voto. ARTIGO 9.º DELIBERAÇÕES 1. As deliberações do Comité de Investimento são tomadas por maioria de votos dos membros presentes à reunião, dispondo o Presidente de voto de qualidade, no caso de empate. 2. Só podem ser tomadas deliberações cujo objeto se inclua na ordem do dia da reunião.

5 3. Excetuam-se do disposto no número anterior os casos em que, numa reunião ordinária, pelo menos dois terços dos membros do órgão reconheçam a urgência de deliberação imediata sobre assunto não incluído na ordem do dia. 4. O Comité de Investimento poderá ser chamado a pronunciar-se por escrito, exclusivamente em circunstâncias excecionais e devidamente fundamentadas com base no interesse público e urgência, devendo para esse efeito o respetivo Presidente disponibilizar a todos os seus membros a documentação relativa ao assunto a deliberar, por meio escrito que assegure o seu efetivo conhecimento. 5. Decorrido o prazo de dez dias úteis sobre a disponibilização da documentação referida no número anterior e não tendo sido apresentadas objeções por parte dos membros do Comité de Investimento, a proposta será considerada aprovada. 6. Em casos excecionais e devidamente fundamentados com base em motivos de interesse público e urgência, o prazo referido no número anterior pode ser reduzido até cinco dias úteis, por decisão do Presidente, que deverá assegurar condições para que todos os membros do Comité de Investimento se possam pronunciar. 7. Os membros do Comité de Investimento podem fazer constar da ata o seu voto de vencido e as razões que o justificam. 8. Os membros do Comité de Investimento não podem participar na respetiva discussão e deliberação, nas situações que configurem casos de impedimento tal como previstos no Artigo 69.º do Decreto-Lei nº. 4/2015, de 7 de janeiro, que aprova o novo Código do Procedimento Administrativo. 9. Quando se verifique qualquer causa de impedimento de qualquer membro do Comité de Investimento, deve o mesmo desde logo comunicá-la ao Presidente. ARTIGO 10.º ATAS DAS REUNIÕES 1. Sob responsabilidade do Presidente do Comité de Investimento, a Secretária elabora o projeto de ata de cada reunião realizada, da qual deve constar o resumo de tudo o que nela tenha ocorrido e seja relevante para o conhecimento e a apreciação da legalidade das deliberações tomadas, designadamente a data e o local da reunião, a ordem do dia, os membros presentes, os assuntos apreciados, as deliberações tomadas, a forma e o resultado das respetivas votações. 2. O projeto de ata deverá ser disponibilizado a todos os membros do Comité de Investimento, no prazo de 5 dias úteis contados da data de realização da reunião. 3. Quaisquer sugestões de alteração ao projeto de ata devem ser remetidas ao Presidente do Comité de Investimento, no prazo de 5 dias úteis a partir da data de receção do documento, decorrido o qual esta se considera aprovada. 4. Existindo sugestões de alteração, o Presidente do Comité de Investimento promove a reformulação do projeto de ata e a sua distribuição pelos membros do Comité de Investimento no prazo máximo de 5 dias úteis, considerando-se aprovado o documento com as alterações introduzidas decorrido o prazo de 5 dias úteis a partir da data da sua receção. 5. As atas são disponibilizadas a todos os membros do Comité de Investimento no prazo máximo de dez dias úteis após a sua aprovação.

6 ARTIGO 11.º RELATÓRIOS E PARECERES O contributo da Estrutura de Gestão do IFRRU 2020 para os relatórios de execução e de avaliação dos Programas Operacionais é objeto de apresentação ao Comité de investimento para apreciação, sendo disponibilizados pelo Presidente a todos os membros do Comité de Investimento, de acordo com os procedimentos e nos prazos referidos no artigo 6º. ARTIGO 12º. GRUPOS DE TRABALHO 1. O Comité de Investimento pode deliberar a constituição de grupos de trabalho com a participação de parte dos seus membros, designadamente para apreciação de matérias específicas de natureza técnica. 2. Os grupos de trabalho referidos no número anterior têm funções consultivas, funcionam na dependência do Comité de Investimento e apresentam as conclusões da sua atividade a este órgão. ARTIGO 13.º APOIO TÉCNICO E LOGÍSTICO O Comité de Investimento é apoiado no plano técnico e logístico pelo Secretariado Técnico da Estrutura de Gestão do IFRRU 2020 referida no n.º 3 da RCM nº 52-A/2015, de 23 de julho. ARTIGO 15.º ALTERAÇÕES AO REGULAMENTO INTERNO 1. O presente Regulamento Interno poderá ser revisto a qualquer momento, sob proposta do Presidente do Comité de Investimento ou de qualquer um dos seus membros com direito a voto. 2. A decisão de alteração do Regulamento Interno deve ser tomada de acordo com o previsto no nº 1 do artigo 8º do presente Regulamento, não se aplicando o disposto nos nº s 2 e 3 do mesmo artigo 8º.

Regulamento Interno da Comissão de Acompanhamento 1 do Programa Operacional Capital Humano

Regulamento Interno da Comissão de Acompanhamento 1 do Programa Operacional Capital Humano Regulamento Interno da Comissão de Acompanhamento 1 do Programa Operacional Capital Humano LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA DESPACHO N.º 2906-A/2015, DE 20 DE MARÇO DL N.º 159/2014, DE 27 DE OUTUBRO DL N.º 137/2014,

Leia mais

ADSE, I.P. Instituto de Proteção e Assistência na Doença, I.P. Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, I.P. Regulamento Interno

ADSE, I.P. Instituto de Proteção e Assistência na Doença, I.P. Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, I.P. Regulamento Interno ADSE, I.P. Instituto de Proteção e Assistência na Doença, I.P. Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, I.P. Regulamento Interno CAPÍTULO I Âmbito, Missões e Competências Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno

Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno Portaria nº 40/2014, de 17 de fevereiro Aprovado na 1ª reunião da Comissão Técnica Amianto realizada em 20.05.2014 Regulamento Interno da Comissão Técnica Amianto

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALGARVE CRESC ALGARVE 2020

PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALGARVE CRESC ALGARVE 2020 REGULAMENTO INTERNO DA PLATAFORMA PARA O DESENVOLVIMENTO E COESÃO TERRITORIAL DO ALGARVE PROGRAMA OPERACIONAL DA REGIÃO DO ALGARVE CRESC ALGARVE 2020 O Programa Operacional do Algarve procurou encontrar

Leia mais

Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno

Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno Comissão Técnica Amianto Regulamento Interno Portaria nº 40/2014, de 17 de fevereiro Aprovado na 1ª reunião da Comissão Técnica Amianto realizada em 20.05.2014 Regulamento Interno da Comissão Técnica Amianto

Leia mais

Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação

Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL LInQUE - LIGAMOS INSTITUIÇÕES QUE UNEM ESFORÇOS ( LInQUE ) Artigo 1º Objeto e âmbito de aplicação 1. O presente regulamento define

Leia mais

Artigo 1.º. Âmbito. Regulamento Interno da Comissão de Acompanhamento (vs. Janeiro de 2015) Pág. 1 de 14

Artigo 1.º. Âmbito. Regulamento Interno da Comissão de Acompanhamento (vs. Janeiro de 2015) Pág. 1 de 14 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Tendo em conta o previsto no Regulamento (UE) n.º 1303/ 2013 do Parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA. Artigo 1.º. (Objecto)

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO TRIBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA. Artigo 1.º. (Objecto) REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO Artigo 1.º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento das normas de organização e funcionamento do do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa.

Leia mais

ENMC Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, E.P.E. Regulamento Interno do Conselho Nacional para os Combustíveis

ENMC Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, E.P.E. Regulamento Interno do Conselho Nacional para os Combustíveis ENMC Entidade Nacional para o Mercado dos Combustíveis, E.P.E. Regulamento Interno do Conselho Nacional para os Combustíveis Artigo. 1º Objeto O presente Regulamento Interno estabelece as regras de funcionamento

Leia mais

TRlBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA NORTE

TRlBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA NORTE TRlBUNAL JUDICIAL DA COMARCA DE LISBOA NORTE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO [Lei n.? 6212013, de 26 de agosto] Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 Âmbito O presente Regulamento tem por objeto

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO 10 DE SETEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA MISERICÓRDIA DE CINFÃES

REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA MISERICÓRDIA DE CINFÃES REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DA S.C.M.CINFÃES (n.º 2, do artigo 33 dos Estatutos da S.C.M.CINFÃES) Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento tem por objecto o estabelecimento das normas relativas

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A.

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Artigo 1.º (Objeto e Âmbito) O presente regulamento estabelece as regras relativas à composição, competências

Leia mais

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020

Deliberação n.º 83 /2015. Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 Deliberação n.º 83 /2015 Regulamento Interno da CIC Portugal 2020 A CIC Portugal 2020, na reunião ordinária de 21 de dezembro de 2015, deliberou, nos temos da alínea q) do n.º 2 do artigo 10.º do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE DIETÉTICA E

REGULAMENTO DEPARTAMENTO DE DIETÉTICA E Homologado na Gestão documental em 28/12/2017 REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE DIETÉTICA E NUTRIÇÃO Im-05-15-B0 Pág. 1 de 5 Artigo 1º (Definição) 1. O Departamento de Dietética e Nutrição da Escola Superior

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

Artigo 1 Competência

Artigo 1 Competência Regulamento da Comissão Nacional de Acompanhamento de Diálise No âmbito da gestão integrada da doença renal crônica é criada, nos termos do despacho n. o 3789/2008 de Sua Excelência o Senhor Secretário

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PAREDES

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PAREDES REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PAREDES A Lei 75/2013, de 12 de setembro estabelece no seu artigo 25º, nº 1, alínea s), a competência da Assembleia Municipal deliberar sobre a criação do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA A AVALIAÇÃO E QUALIDADE

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA A AVALIAÇÃO E QUALIDADE REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PARA A AVALIAÇÃO E QUALIDADE Viseu, junho de 2013 ComAQ ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VISEU COMISSÃO PARA A AVALIAÇÃO E QUALIDADE (ComAQ) Nos termos do n.º 4 do artigo

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL 1 CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL O Conselho Nacional de Cultura, órgão consultivo do Governo para a área da cultura, foi criado pelo então Ministério da Cultura,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL 1 CONSELHO NACIONAL DE CULTURA SECÇÃO ESPECIALIZADA DO CINEMA E DO AUDIOVISUAL O Conselho Nacional de Cultura, órgão consultivo do Governo para a área da cultura, foi criada pelo então Ministério da Cultura,

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 01 Data: 2013/01/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Conselho Consultivo da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Leia mais

Regimento do Conselho Intermunicipal

Regimento do Conselho Intermunicipal Regimento do Conselho Intermunicipal Art.º 1º (Constituição) 1 O Conselho Intermunicipal é constituído pelos Presidentes das Câmaras Municipais dos Municípios que integram a Comunidade Intermunicipal do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias desempenham um papel fundamental no desenvolvimento desportivo e no incremento da prática desportiva, devido à sua proximidade com

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FORNOS DE ALGODRES A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, n.º 2, alínea b), a competência

Leia mais

Regulamento do Comité de Auditoria e Controlo Interno do Banco BIC Português, S.A.

Regulamento do Comité de Auditoria e Controlo Interno do Banco BIC Português, S.A. Regulamento do Comité de Auditoria e Controlo Interno do Banco BIC Português, S.A. Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 23/04/2018 CLASSIFICAÇÃO: PÚBLICO Página 1 de 6 ÍNDICE INTRODUÇÃO...

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENACOVA

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENACOVA 1 REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENACOVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º. n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA DOCT/5/CSE 1ª DELIBERAÇÃO DO REGULAMENTO INTERNO Nos termos da alínea g) do nº1 do artigo 10º da Lei nº6/89, de 15 de Abril, é aprovado o Regulamento Interno do Conselho Superior de Estatística. ARTIGO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE. Projeto de Regulamento do Conselho Municipal de Desenvolvimento Social e Económico

CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE. Projeto de Regulamento do Conselho Municipal de Desenvolvimento Social e Económico CÂMARA MUNICIPAL DE NORDESTE Projeto de Regulamento do Conselho Municipal de Desenvolvimento Social e Económico O presente Regulamento é elaborado ao abrigo da 2ª parte do artigo 112º, nº7 da Constituição

Leia mais

REGISTO DE ALTERAÇÕES

REGISTO DE ALTERAÇÕES Versão Nº REGISTO DE ALTERAÇÕES Data de elaboração Data de divulgação Elaborado por Motivo da Alteração 1 Sem data Regulamento da Comissão de Transfusão Título do Documento Regulamento da Comissão de Transfusão

Leia mais

Anexo 3 Ata nº 1/CCA/2017. Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação dos Serviços de Apoio Técnico e

Anexo 3 Ata nº 1/CCA/2017. Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação dos Serviços de Apoio Técnico e Anexo 3 Ata nº 1/CCA/2017 Regulamento do Conselho Coordenador da Avaliação dos Serviços de Apoio Técnico e Administrativo da Procuradoria-Geral da República, do Gabinete de Documentação e Direito Comparado

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Funcionamento do Conselho da Profissão

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Funcionamento do Conselho da Profissão ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Funcionamento do Conselho da Profissão Por deliberação do Conselho do Conselho Diretivo Nacional, reunido em sessão de de de 2017, foi aprovada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO PLENÁRIO DO CONSELHO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO PLENÁRIO DO CONSELHO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS REGIMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO PLENÁRIO DO CONSELHO DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS Aprovado nos termos da alínea a) do artigo 33.º da Lei n.º 66-A/2007, de 11 de dezembro, alterada pela Lei n.º 29/2015

Leia mais

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15)

ANEXO 1.1 Regulamento Interno. Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) ANEXO 1.1 Regulamento Interno Regimento Interno do Conselho Geral (com as alterações aprovadas em Conselho Geral no quadriénio 2011/15) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE 1 - Definição...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PARA AS MATÉRIAS FINANCEIRAS (Aprovado em 23/01/2017) - 1 - Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento Interno estabelece as regras de organização

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PARITÁRIA E DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZÍRIA DO TEJO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PARITÁRIA E DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZÍRIA DO TEJO E DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA LEZÍRIA DO TEJO Nos termos e para os efeitos do disposto na alínea q) do número 1 do artigo 90.º da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE. Artº1º. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE. Artº1º. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE Artº1º Composição 1. O Conselho Pedagógico da Escola Superior de Saúde, adiante designada por ESSUAlg, é o órgão colegial de natureza pedagógica

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de março de 2000 e alterado na Assembleia de Representantes de 8 de

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Artigo 1.º (Composição do Conselho Geral) 1. O Conselho Geral é composto por trinta e cinco membros. 2. São membros do Conselho Geral: a)

Leia mais

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro

Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro Portaria nº 420/2012, de 21 de dezembro O Fundo de Resolução, que tem por objeto principal a prestação de apoio financeiro à aplicação de medidas de resolução adotadas pelo Banco de Portugal, foi criado

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO

PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Conselho Municipal do Idoso (CMI) é um órgão de representação dos Idosos, e de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DO GOVERNO SOCIETÁRIO DA THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento estabelece as regras de funcionamento da Comissão do Governo Societário (adiante

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISCIA - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO. Artigo 1.

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISCIA - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO. Artigo 1. REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISCIA - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO Artigo 1. Composição 1. O Conselho Pedagógico do ISCIA - Instituto Superior de Ciências da

Leia mais

Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1º Natureza e Objeto 1 - A Comissão de Ética (CE) da Escola Superior de Saúde

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO. (APROVADO NO CONSELHO CIENTÍFICO de 11 de JUNHO de 2012) Coimbra

REGIMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO. (APROVADO NO CONSELHO CIENTÍFICO de 11 de JUNHO de 2012) Coimbra REGIMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO (APROVADO NO CONSELHO CIENTÍFICO de 11 de JUNHO de 2012) Coimbra Junho de 2012 Preâmbulo A Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC) pretende adotar procedimentos

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Vila Nova de Famalicão ( )

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Vila Nova de Famalicão ( ) Regimento do Conselho Municipal de Educação de Vila Nova de Famalicão (2014-2017) A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, estabelece no al. s), do n.º 1, do artigo 25.º, a competência dos órgãos municipais

Leia mais

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho de Gestão da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

! " # $!$% % "" $ " $ "

!  # $!$% %  $  $ !"#$!$% %""$ " $" NOTA JUSTIFICATIVA A Organização Mundial de Saúde definiu, em 2002, o envelhecimento ativo, como o processo pelo qual são otimizadas as oportunidades dos idosos, no que respeita à saúde,

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL TAGUS DLBC RURAL

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL TAGUS DLBC RURAL REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL TAGUS 2020 - DLBC RURAL PREÂMBULO A Parceria Territorial TAGUS 2020 - DLBC RURAL resulta, Por um lado do histórico da dinâmica de actividade da TAGUS Associação para

Leia mais

Lei nº 75/ Secção II

Lei nº 75/ Secção II Lei nº 75/2013 - Secção II Assembleia de freguesia SUBSECÇÃO I Competências Artigo 8.º Natureza das competências Sem prejuízo das demais competências legais e de acordo com o disposto no artigo 3.º, a

Leia mais

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E AVALIAÇÃO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito)

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E AVALIAÇÃO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES E AVALIAÇÃO ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis à composição, funcionamento e competências da Comissão de Nomeações

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL O Conselho Geral, regulamentado pelo Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, deverá orientar a sua ação através das regras

Leia mais

Regimento Interno. Departamento de Ciências Sociais e Humanas. Coordenadora de Departamento: Cláudia Varejão

Regimento Interno. Departamento de Ciências Sociais e Humanas. Coordenadora de Departamento: Cláudia Varejão Regimento Interno Departamento de Ciências Sociais e Humanas Coordenadora de Departamento: Cláudia Varejão Ano Letivo 2015/2016 REGIMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DECIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS Artigo 1º (Definição)

Leia mais

CONSELHO DE ÉTICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO REGULAMENTO INTERNO

CONSELHO DE ÉTICA DA UNIVERSIDADE DO MINHO REGULAMENTO INTERNO Aprovado a 19 de outubro de 2018 Homologado a 17 de dezembro de 2018 17 de dezembro de 2018 Artigo 1. Objeto Artigo 2. Definição e missão Artigo 3. Competências Artigo 4. Composição e mandato Artigo 5.

Leia mais

Deliberação n.º 690/2013, de 7 de fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 44, de 4 de março de 2013)

Deliberação n.º 690/2013, de 7 de fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 44, de 4 de março de 2013) (DR, 2.ª série, n.º 44, de 4 de março de 2013) Aprova o Regulamento de Funcionamento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Pelo Despacho n.º 2061-C/2013, de 1 de fevereiro de 2013, do Secretário

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

Regimento do Conselho Geral

Regimento do Conselho Geral Agrupamento de Escolas Professor Armando de Lucena Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Prof. Armando de Lucena Regimento do Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O Conselho Geral (CG) é o órgão de direção estratégica

Leia mais

REGULAMENTO Conselho Científico do ISCSEM Data 14/04/2014 Revisão 00 Código R.EM.CCI.01

REGULAMENTO Conselho Científico do ISCSEM Data 14/04/2014 Revisão 00 Código R.EM.CCI.01 Artigo 1.º (Composição) 1. O Conselho Científico do Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz (ISCSEM) é constituído por: Coordenadores dos Cursos e departamentos, Presidentes das Comissões Científicas

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO EXECUTIVO

REGIMENTO DO CONSELHO EXECUTIVO REGIMENTO DO CONSELHO EXECUTIVO Junho 2016 1. O Conselho Executivo, da Escola Básica Integrada de Ponta Garça, é o órgão de administração e gestão nas áreas pedagógica, cultural, administrativa, patrimonial

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE)

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE) REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE) CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO SECÇÃO I ESTRUTURA ORGÂNICA Artigo 1.º Natureza O Conselho Geral é o órgão de definição do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE ALPIARÇA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza

Leia mais

Câmara Municipal de Alvito. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alvito

Câmara Municipal de Alvito. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alvito Câmara Municipal de Alvito Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alvito PREÂMBULO A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO (CMMB) Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO (CMMB) Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DE AVALIAÇÃO DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONDIM DE BASTO (CMMB) Preâmbulo O Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública (SIADAP), estabelecido na

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Regimento Interno REGIMENTO INTERNO Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Artigo 1º (Definição) O Departamento Curricular constitui a estrutura

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO DO CONCELHO DE ANGRA DO HEROÍSMO Considerando que as autarquias locais desempenham um papel essencial na promoção da prática desportiva e no desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Para cumprimento do disposto na alínea b) do nº 1 do art.º 14º dos Estatutos do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), publicados

Leia mais

Artigo 1.º Noção e Objetivo. Artigo 2.º Competências

Artigo 1.º Noção e Objetivo. Artigo 2.º Competências 1 PREÂMBULO A Educação assume-se como uma tarefa comunitária, que a todos interessa e que a todos diz respeito, que exige a participação de vários agentes, um diálogo permanente e aprofundado de todos

Leia mais

Regimento do Conselho Geral

Regimento do Conselho Geral MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Alentejo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SABOIA Regimento do Conselho Geral CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO

REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Ano letivo 2018-2019 De acordo com o decreto-lei n.º 75/2008 e com o decreto-lei n.º 137/2012, o Conselho Pedagógico aprova o seu regimento, nos termos dos artigos seguintes:

Leia mais

Data 05/12/2016 Revisão 02 Código R.EM.CPE.02. Elaborado por Armanda Amorim

Data 05/12/2016 Revisão 02 Código R.EM.CPE.02. Elaborado por Armanda Amorim Elaborado por Armanda Amorim Preâmbulo O presente Regulamento visa concretizar as disposições previstas nos artigos 20º a 22º, secção III dos Estatutos da Escola Superior de Saúde Egas Moniz (ESSEM), no

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Segurança. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo 1.º Conselho Municipal de Segurança

Regulamento do Conselho Municipal de Segurança. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo 1.º Conselho Municipal de Segurança Regulamento do Conselho Municipal de Segurança Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º Conselho Municipal de Segurança O Conselho Municipal de Segurança do Porto, adiante designado por conselho, é urna

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Proposta de adequação à Lei 123/2015 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES PROPOSTA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES 8.OUT.2016

Leia mais

REGULAMETO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE VISEU

REGULAMETO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE VISEU REGULAMETO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES DA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE VISEU Viseu, Novembro de 2018 Regulamento da Assembleia de Representantes, elaborado pela Mesa e aprovado em reunião de 22 de Novembro

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO JARDIM FLORI EXTERNATO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINS E DURAÇÃO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO JARDIM FLORI EXTERNATO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINS E DURAÇÃO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO JARDIM FLORI EXTERNATO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINS E DURAÇÃO ARTIGO 1.º 1. A APIFLORl Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

REGIMENTO. CONSELHO DIRETIVO REGIONAL Secção Regional da Região Autónoma dos Açores

REGIMENTO. CONSELHO DIRETIVO REGIONAL Secção Regional da Região Autónoma dos Açores REGIMENTO CONSELHO DIRETIVO REGIONAL Secção Regional da Região Autónoma dos Açores (Aprovado em Assembleia Regional Extraordinária de 11 de Novembro de 2016) Primeira Versão, 14 de março de 2016 EMISSOR

Leia mais

Regimento do Conselho de Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade NOVA de Lisboa. Artigo 1.º Competências do Conselho de Instituto

Regimento do Conselho de Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade NOVA de Lisboa. Artigo 1.º Competências do Conselho de Instituto Regimento do Conselho de Instituto de Higiene e Medicina Tropical da Universidade NOVA de Lisboa Artigo 1.º Competências do Conselho de Instituto 1 Compete ao Conselho de Instituto: a) Elaborar e aprovar

Leia mais

Capítulo I. Composição

Capítulo I. Composição Regulamento do Conselho Científico da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve (Em cumprimento dos Estatutos da Faculdade de Ciências e Tecnologia, DR 103/2009, de 28 de maio) Capítulo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES 2018-2021 COORDENADOR: Maria Fernanda Pereira Pires Regimento Interno Departamento de Expressões 1 de 7 ÍNDICE I-REGIMENTO ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------2

Leia mais

ANEXO REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

ANEXO REGIMENTO DO CONSELHO GERAL ANEXO REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Regumento do Conselho Geral Artigo 1.º Definição 1. O Conselho Geral é o órgão de direção estratégica responsável pela definição das linhas orientadoras da escola, ao

Leia mais

MUNICÍPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MESÃO FRIO

MUNICÍPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MESÃO FRIO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MESÃO FRIO PREÂMBULO A Lei n.º 33/98, de 18 de julho veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, com vista a aprofundar o conhecimento, formular propostas

Leia mais

s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa

s. R. TRIBUNAL DA COMARCA DE LISBOA Rua Marquês de Fronteira - Palácio da Justiça de Lisboa - Edifício Norte (Piso 4) Lisboa s. R. Regulamento do Conselho de Gestão da Comarca de Lisboa \0~ I'~, - ~.... J.. a->: Preâmbulo A Lei 62/2013, de 26 de Agosto, que estabelece as normas de enquadramento e de organização do sistema judiciário,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ESTUDOS HUMANÍSTICOS (CEHUM)

REGULAMENTO DO CENTRO DE ESTUDOS HUMANÍSTICOS (CEHUM) REGULAMENTO DO CENTRO DE ESTUDOS HUMANÍSTICOS (CEHUM) Universidade do Minho Fevereiro de 2017 1 ÍNDICE CAPÍTULO I (Dos Princípios Gerais)... 3 Artigo 1º (Natureza do Centro)... 3 Artigo 2º (Autonomia do

Leia mais

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito)

REN REDES ENERGÉTICAS NACIONAIS, SGPS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO. ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO ARTIGO 1.º (Objeto e âmbito) 1. O presente Regulamento estabelece as regras aplicáveis à composição, funcionamento e competências da Comissão de Governo Societário

Leia mais

Capítulo I Precedência normativa. Capítulo II Constituição e competências da Assembleia Regional

Capítulo I Precedência normativa. Capítulo II Constituição e competências da Assembleia Regional Proposta de revisão apresentada à Assembleia Regional de 17 de novembro de 2016 Capítulo I Precedência normativa Artigo 1.º Precedência A Assembleia Regional da Região Sul da Ordem dos Engenheiros rege-se

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GRUPO DE TRABALHO PARA O APOIO A ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIAS DO ENSINO SUPERIOR [GTAEDES] CAPÍTULO I Do órgão

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GRUPO DE TRABALHO PARA O APOIO A ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIAS DO ENSINO SUPERIOR [GTAEDES] CAPÍTULO I Do órgão REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GRUPO DE TRABALHO PARA O APOIO A ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIAS DO [GTAEDES] CAPÍTULO I Do órgão Artigo 1.º (Objeto) O GTAEDES é o órgão de coordenação das atividades das instituições

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA REGULAMENTO INTERNO DA SECÇÃO DAS ARTES

CONSELHO NACIONAL DE CULTURA REGULAMENTO INTERNO DA SECÇÃO DAS ARTES CONSELHO NACIONAL DE CULTURA REGULAMENTO INTERNO DA SECÇÃO DAS ARTES O Decreto-Lei n.º 215/2006, de 27 de Outubro, diploma que aprova a orgânica do Ministério da Cultura, instituiu o Conselho Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº 33/98, de 18 de julho, alterada pela Lei nº 106/2015, de 25 de agosto, criou os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA 1. Composição 1.1. O Conselho Técnico-Científico é constituído por quinze membros com a seguinte composição: a) Representantes eleitos,

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico

Regimento do Conselho Pedagógico Regimento do Conselho Pedagógico CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Finalidades O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de escolas,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO LOCAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO LOCAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO LOCAL DE EDUCAÇÃO 2016 RIBEIRA GRANDE A Lei 75/2013, de 12 de setembro estabelece no seu artigo 23, n.º 2, alínea d), a competência dos órgãos municipais em matéria de educação. A

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MANGUALDE

CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE MANGUALDE REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo l.º Noção A Lei n.º 33/98, de 18/7, alterada pela Lei n.º 106/2015, de 25/8, criou os Conselhos Municipais de Segurança, sendo estes entidades de âmbito

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

PROJETO DE REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA PROJETO DE REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Considerando: a) A criação da Comissão de Ética do Instituto Politécnico de Leiria, por despacho de 7 de abril de 2016

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação da Covilhã

Regimento do Conselho Municipal de Educação da Covilhã 2015. Regimento do Conselho Municipal de Educação da Covilhã 2 Conselho Municipal de Educação da Covilhã Regimento Interno I ESTRUTURA GERAL 1º - Noção e Objetivos 2º - Competências 3º - Composição 4º

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS Proposta de adequação à Lei 123/2015 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DOS COLÉGIOS PROPOSTA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

Leia mais