Telecomunicações e Redes de Computadores. 8 Redes Locais. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Secção de Telecomunicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Telecomunicações e Redes de Computadores. 8 Redes Locais. Prof. Paulo Lobato Correia. IST, DEEC Secção de Telecomunicações"

Transcrição

1 Telecomunicações e Redes de Computadores 8 Redes Locais Prof. Paulo Lobato Correia IST, DEEC Secção de Telecomunicações

2 Objectivos Componentes Topologias Normas IEEE 802 ISO/IEC 8802 Ethernet (IEEE 802.3) LANs sem fios WLAN: IEEE IEEE Bluetooth VLAN TRC Prof. Paulo Lobato Correia 2

3 Redes Locais (LANs) Redes Locais (LAN Local Area Network): Primeiras LANs: final dos anos 1960 / início dos anos 1970; Cobertura geográfica limitada a centenas de metros ou poucos quilómetros: Edifício, campus universitário,... Baixo custo de utilização; Ritmos de transmissão elevados valores típicos: 10 Mbit/s, 100 Mbit/s, 1 Gbit/s,... Redes com ou sem fios; Aplicações permitem comunicação dentro da rede ou através da Internet. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 3

4 Redes Locais: Aplicaçõ ções TRC Prof. Paulo Lobato Correia 4

5 Redes Locais: Componentes Estações clientes; Estações servidores; Placas de rede: Network Interface Cards (NIC); Meio de transmissão; Dispositivos de interligação; Servidor Hub Placa de rede Cabos de rede Cliente TRC Prof. Paulo Lobato Correia 5

6 Redes Locais: Componentes Placa de rede: Hub / switch: TRC Prof. Paulo Lobato Correia 6

7 Redes Locais: Topologias Bus: Estrela: Estrela (bus lógico): Anel: TRC Prof. Paulo Lobato Correia 7

8 Topologias: Bus Configuração multiponto; Transmissão é escutada por todas as estações: É necessário identificar, de forma unívoca, a estação de destino: Cada estação tem o seu próprio endereço físico; É necessário ter regras para transmissão para: Evitar colisões; Evitar que uma estação monopolize a rede: Dados enviados em tramas de dimensão reduzida; O meio de transmissão tem terminadores nas extremidades para evitar reflexão dos sinais ( absorve as tramas). TRC Prof. Paulo Lobato Correia 8

9 Topologias: Anel Ligações ponto a ponto entre cada par de estações; Controlo de acesso ao meio: determina quando uma estação pode transmitir; Dados circulam no anel; É necessário retirar os dados do anel depois de serem entregues ao destinatário feito pelo transmissor quando os dados chegam de novo até si; TRC Prof. Paulo Lobato Correia 9

10 Topologias: Estrela Estações ligadas a um nó central (hub) usando pares de fios entrançados; Hub repete dados que recebe em todas as suas saídas (funciona como um Bus); Se for utilizado um Hub com capacidade de comutação (switching hub) é possível aumentar a eficiência de utilização do meio de transmissão; TRC Prof. Paulo Lobato Correia 10

11 Rede Local: Exemplo de Instalação 1. Chegada ao edifício; 2. e 4. Armários de equipamento de telecomunicações; 3. e 5. Cablagem 6. Tomadas TRC Prof. Paulo Lobato Correia 11

12 Redes Locais: Normas IEEE 802 e ISO/IEC 8802 Projecto 802 do IEEE (Computer Society ): especificação de redes locais, cobrindo os dois níveis inferiores do modelo TCP/IP: Nível de ligação de dados dividido em dois sub-níveis: Logical Link Control (LLC) Controlo de fluxo e de erros, números de sequência, interface com níveis superiores; Media Access Control (MAC) Garante a correcta partilha e utilização do meio de transmissão pelas estações; Nível físico define: Meio de transmissão e topologia; Codificação de linha; Transmissão/recepção de bits; Específico de cada norma! TRC Prof. Paulo Lobato Correia 12

13 Controlo de Acesso ao Meio (MAC) Meio de comunicação é partilhado por várias estações. Protocolos de acesso ao meio (ou acesso múltiplo) coordenam a transmissão das várias estações: Protocolos de atribuição fixa: FDMA, TDMA, CDMA; Protocolos de atribuição dinâmica: Poll/Select, Passagem de testemunho. Protocolos de acesso aleatório: ALOHA, CSMA, CSMA/CD, CSMA/CA; TRC Prof. Paulo Lobato Correia 13

14 IEEE : High-level interface 802.2: The logical link control (LLC) layer 802.3: Ethernet (CSMA/CD) 802.4: Token Bus LAN 802.5: Token Ring LAN 802.6: Metropolitan area network (MAN) 802.7: Broadband technologies 802.8: Fiber-optic technologies 802.9: Integrated voice/data networks : Network security standards and technologies : Wireless LANs (Wi-Fi) : Demand priority access technologies : Cable television access : Bluetooth : Broadband wireless access (Wi-Max) : Resilient packet ring : Mobile wireless access TRC Prof. Paulo Lobato Correia 14

15 IEEE 802.3: Ethernet Topologia: Bus; Controlo de acesso ao meio (MAC): Usa protocolo baseado em contenção CSMA/CD; Carrier Sense Multiple Access with Collision Detect: Carrier Sense: Estações escutam o meio antes de transmitir, e só transmitem se o meio está livre. Se estiver ocupado espera que fique livre para transmitir; Multiple Access: Todas as estações podem transmitir; Collision Detect: Se for detectada uma colisão, estações esperam um tempo aleatório antes retransmitir (tem de ser aleatório para evitar nova colisão); Originalmente desenvolvida por consorcio: Digital Equipment Corp., Intel e Xerox. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 15

16 IEEE 802.3: Colisão TRC Prof. Paulo Lobato Correia 16

17 IEEE 802.3: Formato de Trama A Ethernet usa o seguinte formato de trama: - - Cada estação tem uma placa de rede (network interface card NIC), a que está associado um endereço físico (6 bytes = 48 bits). A Ethernet usa codificação de Manchester (existe uma transição em cada bit transmitido para facilitar sincronização). TRC Prof. Paulo Lobato Correia 17

18 IEEE 802.3: Topologia Bus físico: Bus lógico: (Estrela) TRC Prof. Paulo Lobato Correia 18

19 IEEE 802.3: Implementaçõ ções A designação das várias implementações Ethernet usa o seguinte formato: [valor1]base/broad[valor2] Valor 1: Ritmo binário do meio de transmissão (10 = 10Mbit/s); Base = Baseband Mode significando apenas um canal (digital); Broad = Broadband significando utilização de mais que um canal (analógico). Exemplo: televisão por cabo; Valor 2: Relacionado com a distância máxima alcançável (em centenas de metros), ou o tipo de cabo (T=twisted pair, F=fibra). TRC Prof. Paulo Lobato Correia 19

20 IEEE 802.3: Implementaçõ ções Algumas implementações Ethernet: 10Base5: Ethernet usando cabo coaxial grosso especificação original da Ethernet (já não se usa). 10 Mbit/s. Máx. = 500 metros. 10Base2: Ethernet usando cabo coaxial fino. 10 Mbit/s. Popular nos anos Máx. = 200 metros. 10BaseT: Usa pares entrançados de categorias 3 e 5 UTP. 10 Mbit/s. 100BaseT: Fast Ethernet (IEEE 802.3u). É o tipo mais vendido de Ethernet. Usa pares entrançados de categoria 5 UTP. 100 Mbit/s. 1000BaseT = Gigabit Ethernet (IEEE 802.3z). Comprimento máximo alcançável é de 100 metros. 1 Gbit/s. UTP cat 5, UTP cat 5e, UTP cat 6, fibra óptica. 10GbE = 10 Gbit/s Ethernet. Usa fibra óptica. UTP cat 5e, UTP cat 6, UTP cat 7. 40GbE = 40 Gbit/s Ethernet. Usa fibra óptica. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 20

21 IEEE 802.3: Implementaçõ ções TRC Prof. Paulo Lobato Correia 21

22 IEEE 802.3: Ethernet Comutada Um comutador (switching hub) envia os dados apenas para a estação de destino (não faz difusão como os hubs); A rede pode então tornar-se num conjunto de ligações ponto a ponto, alterando a configuração de bus para estrela. O comutador lê o endereço de destino da trama e envia-a apenas para o destino correspondente: Usa tabelas semelhantes às de encaminhamento, mas com base nos endereços de nível 2; Inicialmente tabela está vazia (funciona como um hub), aprendendo os endereços ligados a cada porto por observação das transmissões; Se tiver uma trama para entregar e ainda não souber em que porto está a estação de destino então faz difusão; TRC Prof. Paulo Lobato Correia 22

23 IEEE 802.3: Ethernet Comutada A Ethernet comutada consegue uma melhoria significativa do desempenho da rede; Ethernet 10BaseT permite uma utilização máxima de cerca de 50% da capacidade antes de as colisões se tornarem um problema; A Ethernet comutada permite chegar aos 95% da capacidade com 10BaseT. Podem também usar-se comutadores 10/100, usando ligações 100BaseT para servidores e encaminhadores, que normalmente são responsáveis pela maior percentagem de tráfego de uma rede local. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 23

24 IEEE 802.5: Token Ring Topologia: Anel; Protocolo de acesso ao meio (MAC): Existe um testemunho (token) que circula na rede; Para poder transmitir: estação espera pelo testemunho; Nesse momento estação altera o testemunho, transformando-o no início de uma trama de dados; Em seguida junta-lhe o resto da trama de dados; A trama depois de dar uma volta ao anel é retirada pela estação que a enviou; Em seguida a estação insere novo testemunho na rede; Com carga baixa existe alguma ineficiência de utilização da rede; Com carga elevada consegue uma boa eficiência de utilização da rede; TRC Prof. Paulo Lobato Correia 24

25 IEEE 802.5: Token Ring TRC Prof. Paulo Lobato Correia 25

26 Fiber Distributed Data Interconnect (FDDI) Fiber Distributed Data Interconnect (FDDI): Topologia: Anel; Utilização em LANs e MANs; Usa pares de fibras para criar dois anéis concêntricos: Ligação entre estações em fibra óptica; Transmissão a 100 Mbit/s; Não é norma IEEE 802! TRC Prof. Paulo Lobato Correia 26

27 FDDI: Fiabilidade FDDI usa dois anéis em que os dados flúem em sentidos opostos; Em caso de falha, na fibra ou numa estação, as estações restantes reencaminham os dados pelo anel de reserva; A reconfiguração do anel é feita automaticamente. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 27

28 Gerações de Redes Locais Primeira geração: CSMA/CD e token ring; Ligação entre terminais e servidor, ou cliente-servidor; Ritmos binários moderados; Segunda geração: FDDI; Infra-estrutura de interligação (backbone) e ligação de estações de trabalho de alta performance; Terceira geração: ATM; Transmissão de tráfego agregado (multiplexado) e suporte a tráfego em tempo real para suporte a aplicações multimédia. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 28

29 Redes Locais de Terceira Geração Suporte a várias classes de serviço (garantia de qualidade de serviço QoS): Vídeo pode necessitar de transmissão em tempo real, por exemplo a 2 Mbit/s; Transferência de ficheiros tem menos requisitos em termos de garantias de atraso, mas requer entrega sem erros; Desempenho escalável: Pode garantir-se QoS para uma estação, ou para tráfego agregado; Facilita interligação entre redes locais (LAN) e de grande cobertura (WAN). TRC Prof. Paulo Lobato Correia 29

30 Redes Locais ATM TRC Prof. Paulo Lobato Correia 30

31 ATM: HUB para Redes Locais TRC Prof. Paulo Lobato Correia 31

32 Redes Locais Sem Fios (Wireless LANs) Vantagens: Mobilidade; Flexibilidade; Áreas em que é difícil instalar fios; Custo reduzido dos sistemas sem fios; Evolução do desempenho dos sistemas sem fios; Pode ser usado em conjunto com sistemas com fios. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 32

33 Redes Locais Sem Fios: Aplicações Aplicações: Extensão de redes locais: Edifícios com grandes espaços abertos (fábricas, armazéns); Edifícios históricos; Pequenos escritórios; Ligação entre edifícios: Ligação ponto-a-ponto entre edifícios, tipicamente interligando comutadores (bridges) ou encaminhadores, onde seja difícil estabelecer ligação com fios (exemplo: atravessar rua); Acesso a utilizadores que se deslocam: Exemplo: computador portátil, num campus ou conjunto de edifícios; Redes ad hoc. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 33

34 Redes Locais Sem Fios: Configurações Rede estruturada: existem pontos fixos de acesso à rede. AP AP rede com fios AP: Access Point AP Rede ad hoc: TRC Prof. Paulo Lobato Correia 34

35 Redes Locais Sem Fios: Bandas de Operação As redes sem fios podem operar, sem licença, nas bandas rádio ISM (Industrial, Scientific, Medical), desde que sejam utilizadas potências de emissão inferiores a 1 W; Os sinais rádio são tipicamente transmitidos usando técnicas de espalhamento de espectro: FHSS Frequency hopping spread spectrum; DSSS Direct sequence spread spectrum; A transmissão também pode ser feita usando infravermelhos: Boa largura de banda, mas pouco alcance e limitado por obstáculos. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 35

36 WLANs: : Espalhamento de Espectro FHSS: DSSS: TRC Prof. Paulo Lobato Correia 36

37 Redes Locais Sem Fios: IEEE IEEE é uma família de normas para redes locais sem fios. As especificações actualmente disponíveis são: Funciona a 1 ou 2 Mbit/s, na banda dos 2.4 GHz, podendo usar FHSS ou DSSS; a Extensão do permitindo até 54 Mbit/s na banda dos 5 GHz. Usa OFDM (orthogonal frequency division multiplexing); b (Wi-Fi) Oferece até 11 Mbit/s (por vezes 5.5, 2 ou 1 Mbit/s), na banda dos 2.4 GHz. Usa DSSS; g Oferece Mbit/s, na banda dos 2.4 GHz. Usa OFDM e permite transmissão a distâncias relativamente curtas; n Cresce a partir das normas anteriores adicionando processamento MIMO (multiple-input multiple-output). Permite ritmos na ordem dos Mbit/s. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 37

38 Redes Locais Sem Fios: IEEE IEEE b é o tipo de rede local sem fios mais comum: Topologia: Semelhante a Ethernet (bus lógico, estrela física); Em vez de hubs usam-se access points (APs); Alcance na ordem da centena de metros; Geralmente são instalados diversos APs para garantir cobertura num campus, ou área; Estações usam placa de rede que permite transmissão via rádio; Usa encriptação de dados para prevenir acessos não autorizados; Wi-Fi (Wireless Fidelity) Certificação para promover inter-operação entre produtos para redes locais sem fios; WISPR (Wireless ISP Roaming) Norma para permitir que utilizadores possam passar de uma WLAN acessível publicamente para outra. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 38

39 IEEE : Arquitectura de Rede Estruturada Estação (STA): Terminal com dispositivo de aceso rádio, capaz de comunicar com o AP; Basic Service Set (BSS): Grupo de estações usando a mesma frequência rádio; Access Point (AP): Estação integrada na rede local sem fios e no sistema de distribuição; Portal: Interligação com outras redes; Sistema de Distribuição: Rede de interligação que forma uma rede lógica (ESS: Extended Service Set) com base em várias BSS. STA 1 ESS LAN 802.x LAN BSS 1 Portal AP Sistema de distribuição AP BSS 2 STA LAN STA 3 TRC Prof. Paulo Lobato Correia 39

40 IEEE : Arquitectura de Rede Ad Hoc Comunicação directa entre estações, LAN com um alcance limitado: Estação (STA): Terminal com dispositivo de aceso STA 1 BSS 1 STA 3 rádio, capaz de comunicar com o AP; Basic Service Set (BSS): Grupo de estações usando a mesma STA 2 frequência rádio; BSS 2 STA 5 STA LAN TRC Prof. Paulo Lobato Correia 40

41 IEEE : Protocolos servidor terminal fixo Terminal móvel rede de suporte (ex.: Ethernet) aplicação TCP IP LLC access point LLC aplicação TCP IP LLC MAC MAC MAC MAC PHY PHY PHY PHY TRC Prof. Paulo Lobato Correia 41

42 IEEE : Níveis e Funções MAC Acesso ao meio, fragmentação, encriptação; PLCP (Physical Layer Convergence Protocol): Detecção de canal livre (carrier sense); PMD (Physical Medium Dependent): modulação, codificação de linha; PHY DLC LLC MAC PLCP PMD Gestão MAC: Gestão MAC Gestão PHY Gestão da Estação Sincronismo, roaming, controlo de potência; Gestão PHY: Selecção de canal; Gestão da Estação: Coordenação de todas as funções de gestão. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 42

43 IEEE : MAC Protocolo de acesso ao meio (MAC) utilizado é CSMA/CA: CSMA = Carrier Sense Multiple Access. Estações escutam o meio antes de transmitir, e só transmitem se o meio está livre. Se estiver ocupado espera que fique livre para transmitir; CA = Collision Avoidance. Depois de terminada a transmissão em curso, a estação espera mais um período de tempo aleatório, antes de começar a transmitir; Não se pode usar CSMA/CD, como na Ethernet, pois podem existir terminais que não detectam sinais emitidos por outras na mesma BSS colisões não seriam detectadas! TRC Prof. Paulo Lobato Correia 43

44 IEEE : Problema do Terminal Escondido Quando uma estação está num extremo de um BSS estruturado e outra estação está no outro extremo da mesma BSS, ambas as estações conseguem transmitir para o AP, mas não conseguem escutar os sinais uma da outra problema do terminal escondido; O método de acesso múltiplo CSMA/CA resolve este problema. B A C TRC Prof. Paulo Lobato Correia 44

45 IEEE : CSMA/CA Canal livre: Estação envia pedido de transmissão para o AP RTS (Request to Send), incluindo o comprimento da trama; Espera confirmação CTS (Clear to Send); Envia a trama; A RTS CTS B Canal ocupado: Estação escolhe aleatoriamente um período de tempo de espera; Tenta transmitir depois do canal ter estado livre durante esse período de tempo; Não recepção de confirmação: Recuo binário exponencial. ACK TRC Prof. Paulo Lobato Correia 45

46 IEEE : Nível Físico Infravermelhos: 1 ou 2 Mbit/s; Comprimento de onda: nm Espalhamento de espectro por sequência directa (DSSS): Usa banda ISM dos 2.4 GHz; Permite até 7 canais, cada com 1 ou 2 Mbit/s; Espalhamento de espectro por salto na frequência (FHSS): Usa banda ISM dos 2.4 GHz; 1 ou 2 Mbit/s; Existem várias outras alternativas: TRC Prof. Paulo Lobato Correia 46

47 IEEE : Bluetooth IEEE : Desenvolvido por: Ericsson, Intel, IBM, Nokia, Toshiba, Bluetooth permite comunicação sem fios a 1 Mbit/s, em pequenas redes pessoais piconets; Cenários de aplicação: Ligação de dispositivos periféricos: Altifalante, microfone, headset, joystick, rato e/ou teclado sem fios... Suporte a redes ad hoc: Interligação de baixo custo entre pequenos dispositivos; Interligação com redes de comunicação: Exemplo: computador portátil <-> Bluetooth <-> telefone móvel GSM; Substituição da comunicação por infravermelhos (IrDA): 2.4 GHz, FHSS, TDD, CDMA; Usa mesma banda de IEEE : não podem ser usadas em simultâneo. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 47

48 IEEE : Arquitectura Existem dois tipos de arquitectura Bluetooth: Piconet ou Scatternet. Cada piconet tem um master e até 7 slaves; O master determina a sequência de saltos na frequência (FHSS) que os slaves devem respeitar; A participação numa piconet consiste em sincronizar-se com a sequência de saltos na frequência. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 48

49 IEEE : Arquitectura Scatternet: Combinação de várias piconets; Uma estação slave numa piconet pode tornar-se master de outra piconet; Uma estação pode pertencer a duas piconets. piconets TRC Prof. Paulo Lobato Correia 49

50 IEEE : Broadband Wireless (Wi( Wi-Max) Wi-MAX é um acesso sem fios de banda larga que pode ser usado em alternativa a ADSL ou por Cabo na rede local de acesso. IEEE Arquitectura de protocolos: TRC Prof. Paulo Lobato Correia 50

51 IEEE : Nível Físico IEEE Área de cobertura. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 51

52 HIPERLAN Norma europeia (ETSI): Melhoramentos das redes locais e interligação com redes fixas; Integração de serviços com requisitos temporais estritos desde o início; Família HIPERLAN: Uma norma não consegue cobrir todos os tipos de requisitos: Alcance, largura de banda, suporte a QoS; Restrições comerciais; Norma HIPERLAN 1 existe desde Níveis superiores MAC Nível controlo de acesso ao canal Nível físico HIPERLAN Nível de rede Nível de ligação de dados Nível físico OSI LLC MAC Nível físico IEEE 802.x TRC Prof. Paulo Lobato Correia 52

53 HIPERLAN HIPERLAN 1 HIPERLAN 2 HIPERLAN 3 HIPERLAN 4 Application wireless LAN access to ATM fixed networks wireless local loop point-to-point wireless ATM connections Frequency GHz GHz Topology decentralized adhoc/infrastructure cellular, point-to- point-to-point centralized multipoint Antenna omni-directional directional Range 50 m m 5000 m 150 m QoS statistical ATM traffic classes (VBR, CBR, ABR, UBR) Mobility <10 m/s stationary Interface conventional LAN ATM networks Data rate 23.5 Mbit/s >20 Mbit/s 155 Mbit/s Power conservation yes not necessary TRC Prof. Paulo Lobato Correia 53

54 LANs Virtuais (VLANs( VLANs) Uma LAN Virtual (VLAN) é um grupo de dispositivos de uma ou mais LANs configurados para comunicar como se estivessem directamente ligados, embora estejam fisicamente dispersos. As VLANs são baseadas em ligações lógicas (e não ligações físicas), podendo ser dos seguintes tipos: Baseadas nos portos do comutador (switch): Existe uma lista de pertença a cada VLAN, à qual são associadas algumas ligações do comutador. Baseadas nos endereços MAC: Os comutadores têm uma lista de acessos relacionando os endereços MAC com a pertença à VLAN. Baseadas nos protocolos: O comutador é configurado com uma lista de mapeamentos de protocolos de nível 3 (ex: IPX) e pertença às VLANs. VLANs ATM: é usada emulação de protocolos LAN (LAN Emulation LANE) para mapear os pacotes Ethernet em células ATM e entregá-los ao destinatário. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 54

55 LANs Virtuais (VLANs( VLANs) VLAN baseada nos portos de um comutador (switching hub): Permite agrupar vários portos para formar LANs virtuais: Pacotes são difundidos apenas para as estações que pertencem à VLAN; Fácil reconfiguração; Reduz tráfego difundido para todas as estações; Possível fazer encaminhamento para as VLANs; TRC Prof. Paulo Lobato Correia 55

56 Encaminhamento entre VLANs TRC Prof. Paulo Lobato Correia 56

57 LANs Virtuais: IEEE 802.1Q Transição de Ethernet convencional (legacy Ethernet) para Ethernet com suporte a VLANs. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 57

58 LANs Virtuais: IEEE 802.1Q Formatos de trama Ethernet IEEE e IEEE 802.1Q TRC Prof. Paulo Lobato Correia 58

59 Desempenho de uma LAN À medida que uma rede é usada mais intensivamente o seu desempenho torna-se um factor crítico; A principal medida do desempenho de uma rede local é o débito binário, isto é, a quantidade de dados de utilizador que se podem transferir num dado intervalo de tempo; O desempenho pode ser melhorado identificando os seus pontos de congestionamento, isto é, os locais / dispositivos que não estão a conseguir responder às solicitações que lhes são apresentadas: Servidores se a utilização dos servidores for muito intensa (>60%), o desempenho é condicionado por estes; Capacidade das ligações se o desempenho é mau mesmo quando a utilização dos servidores é baixa (<40%) então a limitação provém dos circuitos de ligação; Procura excessiva. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 59

60 Desempenho de uma LAN Limitações causadas pelos servidores: Software É possível melhorar o desempenho através da escolha de um sistema operativo (Network Operating System NOS) mais rápido, ou através do ajuste dos seus parâmetros; Hardware É possível melhorar o desempenho pela adição de um segundo servidor, da melhoria (upgrade) do CPU, do aumento do espaço de memória, adicionando novos discos, ou adicionando uma nova placa de rede. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 60

61 Desempenho de uma LAN Limitações causadas pela capacidade das ligações: Desempenho pode ser melhorado alterando um ou mais segmentos da rede, de forma a utilizarem um protocolo mais rápido ( o que implica também trocar as placas de rede). Exemplos: Substituir 10BaseT por 100BaseT; Substituir o segmento de rede que liga ao servidor de 10BaseT por 100BaseT; Outra possibilidade é aumentar o número de ligações do servidor à rede. Na maioria das situações um servidor pode gerir várias placas de rede, aumentando assim o desempenho. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 61

62 Desempenho de uma LAN Desempenho também pode ser melhorado por redução do tráfego oferecido à rede: Deslocar ficheiros para estações cliente Alguns ficheiros que são frequentemente requisitados pelos clientes podem ser instalados / copiados para o cliente (exemplo software de aplicações); Usar caching no disco do cliente Desta forma pode reduzir-se o número de pedidos efectuados ao servidor; Alterar os momentos de acesso à rede É possível explicar aos utilizadores que nalguns períodos de tempo a rede está mais sobrecarregada, tentando que nesses momentos se procure usar a rede menos intensamente; Atrasando tarefas que usam intensivamente a rede Algumas tarefas impõe uma carga significativa à rede, podendo por vezes ser agendadas para momentos de menor tráfego na rede. Exemplos: backups, trabalhos de impressão volumosos,... TRC Prof. Paulo Lobato Correia 62

63 Como Escolher uma LAN? Começar com algumas questões básicas: Quantos utilizadores se espera que existam? Qual o volume de dados que se espera seja trocado pela rede? Qual a facilidade de adicionar novas estações de trabalho? Que tipo de infra estrutura (cablagem / sem fios) deve ser instalada? Que tipo de software de rede instalar? Qual o grau de privacidade e segurança requerido? TRC Prof. Paulo Lobato Correia 63

64 Como Escolher uma LAN? Requisitos em termos de rede: Número de estações cliente; Número de servidores dedicados; Distância entre estações; Requisitos de interligação com outras redes; Requisitos específicos das aplicações a usar; Formação de utilizadores, documentação, politicas de gestão da rede; Crescimento futuro. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 64

65 Como Escolher uma LAN? Tecnologia: Protocolos; Infra-estrutura com ou sem fios; Sistema operativo (Network Operating System); Fiabilidade, facilidade de utilização, desempenho; Software de gestão da rede; Software de backup; Hardware; Vendedor: Experiência com hardware e software de redes; Experiência com o tipo específico de aplicação da rede; Suporte técnico, de vendas e de formação. TRC Prof. Paulo Lobato Correia 65

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Tecnologias de rede local ETHERNET Redes locais virtuais (VLAN) Redes locais sem fios 1 Redes ETHERNET CSMA/CD As redes ETHERNET (IEEE 802.3 / ISO 8802-3) foram

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008

Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Sumário Redes de Área Local (LAN) Objectivos Características Topologias Tecnologias Sub-níveis MAC e LLC Estudo de Casos Ethernet Token Ring FDDI Equipamentos

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Redes Locais (LAN) Sumário. Redes de Computadores Conceitos gerais. Redes de Computadores Conceitos gerais

Redes Locais (LAN) Sumário. Redes de Computadores Conceitos gerais. Redes de Computadores Conceitos gerais Sumário Redes Locais (LAN) Redes de Computadores I 2007/2008 Redes de Área Local (LAN) Objectivos Características Topologias Tecnologias Sub-níveis MAC e LLC Estudo de Casos Ethernet Token Ring FDDI Equipamentos

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Nível de Enlace (Redes Ethernet & WiFi) por Helcio Wagner da Silva. p.1/35 Introdução A Arquitetura TCP/IP não define muito bem o que deve haver no Nível de Host/rede. Neste contexto,

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Camada de Ligação. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Camada de Ligação. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Camada de Ligação Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores Camada de ligação Introdução e serviços

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - Padrão 802.11 - WIRELESS 1. INTRODUÇÃO O padrão IEEE 802.11 estabelece os padrões para redes locais sem fio. O modelo tem como premissa o funcionamento da rede de duas formas: - Na presença

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 10 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Enlace Redes de Computadores 2 1 Modelo OSI O que os protocolos fazem? controle de erros: canais mais confiáveis - retransmissão reseqüenciamento: reordenar

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Topologias. Topologias. Repetidores Bridges LAN, WAN, MAN LAN Local Area Network. Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX.

Topologias. Topologias. Repetidores Bridges LAN, WAN, MAN LAN Local Area Network. Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX. Repetidores Bridges, WAN, MAN Local Area Network Ponto a Ponto Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX BUS - Segmento 1 2 TREE - Árvore RING - Anel STAR - Estrela STAR - Estrela 3 4 1 BRIDGE

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Sobre a arquitetura Ethernet Camadas da arquitetura Ethernet Topologias para redes Ethernet IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É a arquitetura mais comum em redes locais

Leia mais

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil

Redes IEEE 802.11. Makoto Miyagawa 1. Manaus Amazonas Brasil Redes IEEE 802.11 Makoto Miyagawa 1 1 Faculdade de Tecnologia Universidade Federal do Amazonas Manaus Amazonas Brasil Resumo. A mobilidade oferecida pelas redes sem fio aos usuários, aliada ao baixo custo

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3

Redes Ethernet. Padrão IEEE 802.3 Padrão IEEE 802.3 Redes Ethernet Desenvolvido pela Xerox, Digital e Intel em meados de 1972 Largura de banda de 3 Mbps, utilizando cabo coaxial É a Rede Local mais antiga e popular da atualidade Utiliza

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE DEPARTAMENTO DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES LICENCIATURA EM ENG. ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES ANO 2002/2003 REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE RESUMO DOS DOCUMENTOS Realizado por : Pedro Nuno

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Modelo de referência OSI Camada 6 Apresentação Também chamada camada de Tradução, esta camada converte o formato do dado recebido pela camada de Aplicação

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token A Rede Token Ring Visão geral de Token Ring e de suas variantes A IBM desenvolveu a primeira rede Token Ring nos anos 70. Ela ainda é a principal tecnologia LAN da IBM e apenas perde para a Ethernet (IEEE

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

TRABALHO SOBRE ETHERNET

TRABALHO SOBRE ETHERNET TRABALHO SOBRE ETHERNET Centro de Formação de Alcoitão UFCD 0831 Topologias de redes Ethernet Formador(a): Daniela Azevedo Formandos: António Rocha, Célia Silva e Rui Bárcia Índice Introdução Características

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Padrão IEEE 802 e Ethernet

Padrão IEEE 802 e Ethernet Padrão IEEE 802 e Ethernet UTP - UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Arquitetura de Redes de Computadores II Prof. André Luiz Padrão IEEE 802 802.1 LLC MAC 802.2 802.3 802.4 802.5 802.6 802.1 Padrão IEEE 802

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial.

TOPOLOGIAS FÍSICA. BARRAMENTO É a mais simples das três, pois nela um PC é ligado ao outro,usando apenas um único cabo coaxial. Topologia É um diagrama que descreve como os elementos de uma rede estão interligados. Esses elementos são chamados de NÓS, e podem ser computadores, impressoras e outros equipamentos. 1 Topologias de

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

6.2 Tecnologias de Redes Locais

6.2 Tecnologias de Redes Locais Capítulo 6.2 6.2 Tecnologias de Redes Locais 1 Redes de acesso múltiplo As LANs são redes de difusão ou de acesso múltiplo Qualquer comunicação passa pela utilização de um canal único, a partilhar por

Leia mais

MAC. Controle de acesso ao meio. Alocação estática e dinâmica. Tipos de transmissão. Controle de acesso ao meio. MAC Medium Access Control

MAC. Controle de acesso ao meio. Alocação estática e dinâmica. Tipos de transmissão. Controle de acesso ao meio. MAC Medium Access Control MAC Controle de acesso ao meio Marcos Augusto Menezes Vieira Camada de Enlace dividida em: MAC - Medium Access Control na camada inferior LLC - Link Logical Control com funções de controle lógico do enlace

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

4 Equipamentos de interligação de redes

4 Equipamentos de interligação de redes Capítulo 4 4 Equipamentos de interligação de redes 1 Equipamentos Equipamentos passivos: cabos, conectores, distribuidores, Equipamentos informáticos: PC s e servidores Equipamentos activos: repetidores,

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais