REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS CONSELHOS CIENTÍFICOS DAS ESCOLAS DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA. ARTIGO 1. Objecto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS CONSELHOS CIENTÍFICOS DAS ESCOLAS DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA. ARTIGO 1. Objecto"

Transcrição

1 REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS CONSELHOS CIENTÍFICOS DAS ESCOLAS DE NATUREZA UNIVERSITÁRIA ARTIGO 1. Objecto O presente Regulamento tem por objecto a eleição dos membros dos Conselhos Científicos das Escolas de natureza universitária, segundo o disposto no Artigo 114.º dos Estatutos da UTAD. ARTIGO 2. Membros do Conselho Científico 1. De acordo com o artigo 66º dos Estatutos da UTAD, o Conselho Científico de cada Escola é composto pelo Presidente da Escola e por dez membros, eleitos de entre: a) professores e investigadores, bem como restantes docentes e investigadores em regime de tempo integral, com contrato de duração não inferior a um ano, que sejam titulares do grau de doutor, qualquer que seja a natureza do seu vínculo à UTAD; b) representantes das unidades de investigação reconhecidas e avaliadas positivamente nos termos da lei, quando existam. 2. Ainda de acordo com o artigo 66º dos Estatutos da UTAD, a maioria dos membros a que se refere a alínea a) do n.º 1 é eleita de entre professores e investigadores da UTAD. 3. Também segundo o artigo 66º dos Estatutos da UTAD, o número de membros a que se refere a alínea b) do n.º 1 não deverá ser inferior a 20% nem superior a 40% do total do Conselho Científico, podendo ser inferior a 20%, quando o número de unidades de investigação for inferior a esse valor. 4. Da dimensão do Conselho Científico de cada Escola, conjugada com as condições, legal e estatutariamente fixadas, para equilibrar as representações do corpo docente de cada Escola e das unidades de investigação, e tendo em atenção que as unidades de investigação podem incluir membros de diferentes Escolas, ou mesmo de diferentes instituições, resulta: a) de cada unidade de investigação pode provir um representante no Conselho Científico de cada Escola, até ao limite máximo de quatro;

2 b) a possibilidade de uma unidade de investigação se fazer representar, no Conselho Científico de determinada Escola, requer que, pelo menos, 10% dos seus membros sejam professores ou investigadores dessa Escola. 5. Por efeito do que se refere nos números 1 a 4, o número de membros identificados na alínea a) do nº 1, a eleger, em cada Escola de natureza universitária, é o seguinte: a) oito membros, na Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias; b) oito membros, na Escola de Ciências Humanas e Sociais; c) oito membros, na Escola de Ciências e Tecnologia; d) seis membros, na Escola de Ciências da Vida e do Ambiente. 6. Ainda por efeito do que se refere nos números 1 a 4, o número de membros identificados na alínea b) do nº 1, em cada Escola de natureza universitária, é o seguinte: a) dois representantes de unidades de investigação um do CECAV e um do CITAB na Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias; b) dois representantes de unidades de investigação um do CEL e um do CETRAD na Escola de Ciências Humanas e Sociais; c) dois representantes de unidades de investigação um do CITAB e um do CM-UTAD na Escola de Ciências e Tecnologia; d) quatro representantes de unidades de investigação um do CGB, um do CIDESD, um do CITAB e um do CQ-VR na Escola de Ciências da Vida e do Ambiente. ARTIGO 3. Calendário eleitoral A eleição rege-se pelo calendário eleitoral anexo (Anexo 1) a este Regulamento. ARTIGO 4. Composição da comissão eleitoral 1. Para acompanhar o conjunto dos actos relativos à eleição dos membros dos Conselhos Científicos das diferentes Escolas, haverá uma única Comissão Eleitoral, constituída por um professor ou investigador de cada Escola, nomeados por despacho do Reitor. 2. A Comissão Eleitoral terá um Presidente, nomeado por despacho do Reitor.

3 ARTIGO 5. Competência da comissão eleitoral 1. Compete à Comissão Eleitoral: a) proceder à publicação dos cadernos eleitorais; b) verificar a regularidade formal das listas candidatas à eleição, decidindo sobre a sua aceitação ou exclusão, e publicitar a constituição das listas candidatas; c) decidir sobre todas as reclamações ou recursos que lhe sejam presentes relativamente a factos de qualquer natureza inerentes ao processo eleitoral; d) supervisionar em tudo o que respeite à organização e funcionamento dos processos eleitorais, incluindo a constituição das Mesas de Voto; e) supervisionar o apuramento dos votos feito por cada uma das Mesas de Voto, elaborar a acta com os resultados eleitorais e com a lista dos candidatos eleitos, e torná-la pública; f) comunicar ao Reitor o resultado dos actos eleitorais. 2. A Comissão Eleitoral mantém-se em funções até à conclusão do processo eleitoral, devendo elaborar actas das reuniões que realizar no âmbito das competências do número anterior. ARTIGO 6. Cadernos eleitorais 1. Para a eleição dos membros referidos na alínea a) do nº 1 do Artigo 2º, deverá ser elaborado um caderno eleitoral, por cada Escola, composto pelo conjunto dos membros da Escola que, até dois dias úteis antes da publicação dos cadernos eleitorais provisórios, sejam professores e investigadores, ou docentes e investigadores em regime de tempo integral, com contrato de duração não inferior a um ano e titulares do grau de doutor, qualquer que seja a natureza do seu vínculo à UTAD. 2. Para a eleição dos membros referidos na alínea b) do nº 1 do Artigo 2º, por cada par formado por cada Escola e cada unidade de investigação que, até dois dias úteis antes da publicação dos cadernos eleitorais provisórios, integre membros dessa Escola, tenha sido reconhecida e avaliada positivamente e satisfaça os requisitos fixados na alínea b) do nº 4 do Artigo 2º, deverá ser elaborado um caderno eleitoral, composto pelos membros dessas unidades de investigação, à data referida. 3. Os cadernos eleitorais são mandados elaborar pelo Reitor e enviados à Comissão Eleitoral, a qual procederá à sua publicação, dentro do prazo fixado no Calendário Eleitoral, através do sítio da UTAD, na Internet, e da sua afixação, nos locais habituais da UTAD.

4 4. As eventuais reclamações sobre os cadernos eleitorais, a entregar ao Núcleo de Expediente e Pessoal no horário de expediente, devem ser dirigidas ao Presidente da Comissão Eleitoral, no prazo de dois dias úteis após a sua publicação. 5. A Comissão Eleitoral decidirá sobre as reclamações referidas no número anterior, no prazo de um dia útil, devendo proceder à divulgação dos cadernos eleitorais definitivos, no final desse prazo. ARTIGO 7. Composição das listas 1. A lista para a eleição dos representantes identificados na alínea a) do nº 1 do Artigo 2º deste Regulamento, de acordo com o Artigo 18º dos Estatutos da UTAD e com o nº 5 do Artigo 2º deste Regulamento, é obrigatoriamente composta por: a) doze candidatos, na Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias, na sua maioria professores e investigadores da UTAD; b) doze candidatos, na Escola de Ciências Humanas e Sociais, na sua maioria professores e investigadores da UTAD; c) doze candidatos, na Escola de Ciências e Tecnologia, na sua maioria professores e investigadores da UTAD; d) nove candidatos, na Escola de Ciências da Vida e do Ambiente, na sua maioria professores e investigadores da UTAD; 2. Para a eleição dos representantes identificados na alínea b) do nº 1 do Artigo 2º deste Regulamento, de acordo com o Artigo 18º dos Estatutos da UTAD e com o nº 6 do Artigo 2º deste Regulamento, em cada par formado por cada Escola e cada unidade de investigação, cada lista é obrigatoriamente composta por dois candidatos, provenientes do respectivo caderno eleitoral. 3. Cada lista é livremente ordenada pelos seus membros e subscrita por todos eles. ARTIGO 8. Inscrição e divulgação das listas 1. A inscrição de listas será efectuada, até três dias úteis, após a data de afixação dos cadernos eleitorais definitivos.

5 2. Cada lista identificará um dos seus membros como mandatário (Anexo 2), que a representará no decurso do processo eleitoral. 3. As listas devem ser inscritas, pelos respectivos mandatários, no Núcleo de Expediente e Pessoal, durante o horário de expediente, nos prazos definidos no calendário eleitoral 4. No acto da inscrição o mandatário de cada lista deve: a) preencher e assinar o Requerimento de Inscrição, conforme modelo anexo (Anexo 3) ao presente Regulamento; b) apresentar uma Declaração de Aceitação de Candidatura, devidamente assinada, de cada membro da lista, conforme modelo anexo (Anexo 4) ao presente Regulamento. 5. Não serão aceites inscrições ou documentação após o período e horários estabelecidos. 6. Serão indeferidas as inscrições de listas cujo Requerimento de Inscrição esteja rasurado, ou preenchido de forma incorrecta ou incompleta, ou que não sejam acompanhadas pelos restantes documentos mencionados no nº Findos os períodos de inscrição e de verificação estabelecidos no calendário eleitoral, a Comissão Eleitoral procederá de imediato ao sorteio de designação das listas, por ordem alfabética contínua, a que poderão assistir os mandatários das listas. 8. Na sequência da designação das listas admitidas, a Comissão Eleitoral procederá à sua ampla divulgação, no prazo fixado no calendário eleitoral e em moldes idênticos aos definidos no nº 3 do Artigo 6º. 9. As eventuais reclamações sobre as listas devem ser dirigidas ao Presidente da Comissão Eleitoral e entregues no Núcleo de Expediente e Pessoal, no horário de expediente, no prazo de dois dias úteis após a sua divulgação, devendo a Comissão Eleitoral deliberar no prazo de um dia útil. 10. A Comissão Eleitoral, decididos os recursos, ou, não os havendo, imediatamente após o termo do prazo para a respectiva apresentação, tornará públicas as listas definitivas, em moldes idênticos aos definidos no nº 3 do Artigo 6º.

6 ARTIGO 9. Mesas de voto 1. Em cada secção de voto, haverá uma Mesa de Voto, constituída por um Presidente e três Vogais, nomeados, até dois dias úteis antes da realização das eleições, pelo Reitor, sob proposta da Comissão Eleitoral. 2. Cada Mesa de Voto poderá funcionar em regime de turnos, com um mínimo de dois membros, devendo o Presidente estar presente na abertura e no encerramento das urnas. 3. Cada lista candidata poderá indicar um observador para a respectiva Mesa de Voto, por meio de requerimento, dirigido ao Presidente da Comissão Eleitoral e entregue no Núcleo de Expediente e Pessoal, até dois dias úteis antes da votação. ARTIGO 10. Actos eleitorais 1. Cada um dos actos eleitorais, para a eleição dos membros do Conselho Científico de uma Escola, decorrerá, entre as 10:00 horas e as 17:30 horas do dia estipulado no calendário eleitoral, numa única secção de voto, em local, nessa Escola, a publicitar, pela Comissão Eleitoral, até cinco dias úteis antes da data prevista para a sua realização, através de Acta Normativa, numerada e divulgada, em moldes idênticos aos definidos no nº 3 do Artigo 6º. 2. O voto será realizado em boletim próprio, conforme modelo anexo (Anexo 5) a este Regulamento. 3. Na secção de voto apenas podem permanecer os membros da Comissão Eleitoral, o eleitor e os observadores previamente indicados pelas listas candidatas 4. O voto é secreto, não sendo permitido o voto por procuração ou correspondência. 5. Poderão votar os eleitores que constem do Caderno Eleitoral, devendo identificar-se, exibindo documento pessoal com fotografia, se tal lhes for solicitado. ARTIGO 11. Apuramento e divulgação dos resultados 1. Após o encerramento das urnas, cada Mesa Eleitoral procederá à contagem dos votos e elaborará a acta de contagem respectiva, que será assinada por todos os membros da Mesa Eleitoral. No caso de algum representante de uma lista candidata pretender apresentar reclamação, deverá exará-la na acta de contagem respectiva.

7 2. Os boletins de voto deverão ser recolhidos e lacrados em envelope próprio, assinado, no exterior, pelos membros da Mesa Eleitoral e pelos observadores. O envelope lacrado será entregue no Núcleo de Expediente e Pessoal. Só poderá ser aberto em reunião convocada, pela Comissão Eleitoral, especificamente para efeitos de verificação, para a qual devem ser convocados os observadores, devendo ser novamente lacrado, assinado e depositado no Núcleo de Expediente e Pessoal. 3. O apuramento e a atribuição de mandatos fazem-se nos moldes seguintes: a) o número total de votos obtidos por cada lista é dividido, sucessivamente, pelos números inteiros consecutivos, começando na unidade, sendo os quocientes alinhados, pela ordem decrescente da sua grandeza, numa série de tantos termos quantos os mandatos em causa; b) os mandatos pertencem às listas a que correspondam os termos da série estabelecida pela regra anterior, sendo atribuídos, a cada lista, tantos mandatos quantos os seus termos na série; c) no caso de restar um só mandato para afectar e de os termos seguintes da série serem iguais e de listas diferentes, o mandato será da lista que tiver o menor número de votos. 4. Em caso de, esgotados os procedimentos previstos no nº 3, subsistir qualquer caso de empate impeditivo da atribuição de qualquer mandato, realizar-se-á uma segunda volta, dois dias depois da primeira, com os mesmo horário e no mesmo local, procedendo-se a sorteio, caso o empate se mantenha. 5. O sorteio referido no ponto anterior será realizado, pela Comissão Eleitoral, em reunião expressamente convocada para o efeito e à qual os representantes das listas serão convidados a assistir. 6. A Comissão Eleitoral procede à divulgação dos resultados eleitorais imediatamente após o apuramento e a atribuição dos mandatos. 7. Eventuais pedidos de impugnação dos resultados apurados deverão ser entregues no Núcleo de Expediente e Pessoal, dirigidas ao Presidente da Comissão Eleitoral, no prazo de dois dias úteis, devendo a Comissão Eleitoral proferir juízo sobre elas, no prazo de dois dias úteis. 8. Concluído o apuramento, a contabilização dos votos e o julgamento de eventuais pedidos de impugnação, a Comissão Eleitoral deverá encaminhar para o Reitor acta circunstanciada da

8 sessão de apuramento dos votos, contendo o nome dos eleitos e o total dos votos, incluindose brancos e nulos. ARTIGO 12. Disposições finais 1. Os observadores designados pelas listas candidatas não integram a Comissão Eleitoral, tendo como função fiscalizar o acto eleitoral, a contagem dos votos e a elaboração da acta de apuramento. 2. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Eleitoral, através de publicação de Actas Normativas, numeradas e divulgadas, em moldes idênticos aos definidos no nº 3 do Artigo 6º. 3. A Comissão Eleitoral é soberana nas questões do processo eleitoral correspondente, cabendo, porém, ao Reitor, a instância de recurso. 4. As violações ao estipulado no Regulamento Eleitoral constituem matéria de âmbito disciplinar.

9 ANEXO 1 Publicação dos regulamentos eleitorais Nomeação das comissões eleitorais Afixação dos cadernos eleitorais provisórios Reclamações sobre os cadernos eleitorais provisórios Decisão sobre os cadernos eleitorais definitivos e sua divulgação Inscrição das listas de candidatos Designação e divulgação das listas provisórias admitidas Reclamações sobre as listas admitidas Aceitação e divulgação das listas definitivas Actos eleitorais Eventuais pedidos de impugnação do acto eleitoral Decisão sobre os eventuais pedidos de impugnação do acto eleitoral até 23 de Janeiro até 23 de Janeiro 19 de Fevereiro 20 e 23 de Fevereiro 25 de Fevereiro até 2 de Março 3 de Março 4 e 5 de Março 6 de Março 11 de Março 12 e 13 de Março 16 e 17 de Março

10 ANEXO 2 Identificação do Mandatário Eu,..., abaixo assinado, declaro que aceito a condição de mandatário da lista composta pelos candidatos adiante identificados no anexo 3, com vista a participar na primeira eleição dos representantes ao Conselho Científico de Escola, das Escolas de natureza universitária. UTAD,. de Fevereiro de

11 ANEXO 3 Requerimento de Inscrição Eu,..., abaixo assinado, na condição de mandatário da lista composta pelos candidatos adiante identificados, no anexo (*)., solicito a sua inscrição, com vista a participar na eleição dos representantes (**) ao Conselho Científico da Escola de (***)... UTAD,. de Fevereiro de (*) 3a/ 3b. (**) Dos professores e investigadores / Do(a) [designação da Unidade de Investigação]. (***) Ciências Agrárias e Veterinárias / Ciências Humanas e Sociais / Ciências e Tecnologia / Ciências da Vida e do Ambiente. Na página seguinte (anexos 3a e 3b) deverá proceder-se à identificação dos membros da lista cuja inscrição é requerida (ou candidatos a representantes dos professores e investigadores, ou candidatos a representantes de uma unidade de investigação).

12 Anexo 3a ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO CIENTÍFICO DA ESCOLA DE (*). (*) Ciências Agrárias e Veterinárias / Ciências Humanas e Sociais / Ciências e Tecnologia / Ciências da Vida e do Ambiente. Candidatos a representantes dos professores e investigadores Nº Nome Assinatura ou rubrica

13 Anexo 3b ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO CIENTÍFICO DA ESCOLA DE (*)... (*) Ciências Agrárias e Veterinárias / Ciências Humanas e Sociais / Ciências e Tecnologia / Ciências da Vida e do Ambiente. Candidatos a representantes de uma unidade de investigação Nº Nome 1 2 Unidade de Investigação Assinatura ou rubrica

14 ANEXO 4 Declaração de aceitação de candidatura (deve ser preenchida uma, por cada um dos membros da lista) Eu,..., abaixo assinado, declaro que aceito candidatar-me a representante (*)......, no Conselho Científico da Escola de (*)..., integrando a lista que tem como mandatário..., e que não sou candidato em nenhuma outra lista concorrente ao presente acto eleitoral. UTAD,. de Fevereiro de (*) Dos professores e investigadores / Do(a) [designação da Unidade de Investigação]. (**) Ciências Agrárias e Veterinárias / Ciências Humanas e Sociais / Ciências e Tecnologia / Ciências da Vida e do Ambiente.

15 ANEXO 5 BOLETIM DE VOTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO CIENTÍFICO DE ESCOLA LISTA - A LISTA - B LISTA - C LISTA

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL. ARTIGO 1. Objecto

REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL. ARTIGO 1. Objecto REGULAMENTO PARA A PRIMEIRA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL ARTIGO 1. Objecto O presente Regulamento tem por objecto a eleição dos representantes dos professores e investigadores, dos representantes

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES AO CONSELHO GERAL ARTIGO 1. Objeto O presente regulamento tem por objeto a eleição dos representantes dos professores e investigadores, dos representantes dos estudantes e do representante do pessoal não docente e não investigador,

Leia mais

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA-

Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Regulamento para a eleição dos Diretores de Departamento da Escola de Ciências da Vida e do Ambiente -ECVA- Capítulo I Âmbito de aplicação e Princípios Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Universidade do Minho, julho 2016 Universidade do Minho Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia O

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral)

Instituto Superior Técnico. Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST. SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Instituto Superior Técnico Regulamento Eleitoral para a constituição do Conselho Pedagógico do IST SECÇÃO I (Comissão Eleitoral) Artigo 1.º Constituição e Competência 1. O Presidente do IST designará,

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DE ELEIÇÃO E DESIGNAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE BEJA Artigo 1.º Objeto 1 - O

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro]

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro] ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Pedagógico [Alterações aprovadas na reunião nº 9/2013 de 30 de outubro] Página2 Capítulo I Disposições Gerais

Leia mais

Regulamento para Eleição dos Órgãos do IST

Regulamento para Eleição dos Órgãos do IST Instituto Superior Técnico Regulamento para Eleição dos Órgãos do IST TÍTULO I Normas Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação As normais gerais do presente título aplicam-se aos processos eleitorais para

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Ténis de Mesa MODALIDADE OLÍMPICA CAPITULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Objeto) 1. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação

Leia mais

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013)

Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) ASSEMBLEIA DA FMUC Eleição para os órgãos colegiais de governo da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (Ato eleitoral em 30 de Outubro de 2013) REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Princípios Gerais

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Eleição dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação para o Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira Aprovado pelo Conselho Geral em 24 de setembro de 2015

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL (2014/2018) Nos termos do artigo 15º do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22 de abril, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de Julho, o Conselho

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS MEMBROS DO SENADO ACADÉMICO (Aprovado em reunião do Senado Académico de 2 de fevereiro de 2012) Artigo 1.º Objeto O presente regulamento rege a eleição dos representantes dos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE LOURES 1. OBJETO O presente Regulamento rege a eleição para o Conselho Geral dos representantes do pessoal

Leia mais

Despacho Presidente n.º 2013/44

Despacho Presidente n.º 2013/44 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2013/44 Aprovação do Regulamento e do calendário eleitoral para a eleição simultânea dos órgãos de governo e de gestão da Escola Superior

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Preâmbulo O conselho geral é o órgão de direção estratégica responsável pela definição das linhas orientadoras da atividade da escola,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES UNIVERSIDADE DO MINHO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DOS REPRESENTANTES DOS ESTUDANTES DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO PEDAGÓGICO MARÇO DE 2011 Regulamento Eleitoral para Eleição dos

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DO IPCB. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DO IPCB. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DO IPCB Capítulo I Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais Artº 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UTAD

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UTAD REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO REITOR DA UTAD UTAD, janeiro de 2017 Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento destina-se a organizar o processo de eleição para Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA Secção I Do Conselho Técnico-Científico Artigo 1º Composição 1. De acordo com o disposto

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

Escola de Arquitetura. Regulamento eleitoral para o Conselho Científico da Escola de Arquitetura

Escola de Arquitetura. Regulamento eleitoral para o Conselho Científico da Escola de Arquitetura Escola de Arquitetura Regulamento eleitoral para o Conselho Científico da Escola de Arquitetura Universidade do Minho, Junho de 2016 Regulamento eleitoral para o Conselho Científico Escola de Arquitetura

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral REGULAMENTO ELEITORAL Representantes dos alunos no Conselho Geral 1 Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo eleitoral para a eleição dos representantes

Leia mais

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário

Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Condeixa Aqua Clube Regulamento Eleitoral Extraordinário Eleição da Direcção Aprovado em 16/07/2011 De harmonia com a Lei e com o disposto no nº 2 dos Estatutos do CAC, conjugado com os artºs 19º ao 23º,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

CONSELHO GERAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL

CONSELHO GERAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL EDITAL Nos termos do artigo 16.º do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, declaro aberto, com efeitos a contar do dia imediato ao do presente Edital,

Leia mais

ulamento Eleitoral ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL

ulamento Eleitoral ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL ALADI ASSOCIAÇÃO LAVRENSE DE APOIO AO DIMINUIDO II\TELECTUAL Re ulamento Eleitoral Capítulo - Disposições gerais Artigo te - Âmbito O presente regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I. Objeto. CAPÍTULO II Abertura do processo eleitoral

CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I. Objeto. CAPÍTULO II Abertura do processo eleitoral CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Objeto Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas aplicáveis ao processo de eleição dos representantes dos alunos e dos pais e encarregados

Leia mais

REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL

REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL REGULAMENTO de ELEIÇÃO do DIRETOR da ESCOLA SUPERIOR de CIÊNCIAS EMPRESARIAIS do INSTITUTO POLITÉCNICO de SETÚBAL Aprovado na 20ª Reunião do Conselho de Representantes da ESCE/IPS, em 18 de janeiro de

Leia mais

Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório

Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório Regulamento do processo eleitoral para o Conselho Geral Transitório Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral Transitório,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL

ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL ASSOCIAÇÃO DO PORTO DE PARALISIA CEREBRAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral 2016 - appc.doc - 0 - Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º O presente Regulamento visa regular o processo eleitoral

Leia mais

Regulamento eleitoral. para o CONSELHO DE ESCOLA ESCOLA DE ENGENHARIA. Universidade do Minho, Abril de 2011

Regulamento eleitoral. para o CONSELHO DE ESCOLA ESCOLA DE ENGENHARIA. Universidade do Minho, Abril de 2011 Escola de Engenharia Regulamento eleitoral para o CONSELHO DE ESCOLA da ESCOLA DE ENGENHARIA Universidade do Minho, Abril de 20 Universidade do Minho Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO Artigo 1.º Âmbito Visa o presente regulamento definir o procedimento a seguir para a eleição do Presidente

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo Normas regulamentadoras sobre a consulta prévia à comunidade, relativa à eleição para a indicação dos nomes para concorrerem, em chapa única, ao cargo de Diretor (a) e Vice-Diretor (a) do Campus Diadema

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Artigo 1.º. Objeto AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO ELEIÇÃO DO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define o processo eleitoral dos membros do Conselho Geral referido nos artigos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado em Assembleia Geral Extraordinária 13 Setembro de 2014 Regulamento Eleitoral Página 1 de 8 Artigo 1º Objeto 1º O presente regulamento estabelece os princípios reguladores

Leia mais

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL

Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Associação de Ciclismo da Beira Interior REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da ACBI apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Artigo 1º (Definição, objectivos e composição do Conselho de Escola) 1. O Conselho de Escola da FMH é o órgão de decisão estratégica e

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Considerando que compete ao conselho de representantes das unidades orgânicas de ensino

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

Artigo 1.º Composição do conselho técnico-científico. 1- Os CTC das Escolas do ISEC são constituídos, no seu primeiro mandato por 20 (vinte) membros:

Artigo 1.º Composição do conselho técnico-científico. 1- Os CTC das Escolas do ISEC são constituídos, no seu primeiro mandato por 20 (vinte) membros: REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CORPO DOCENTE PARA OS CONSELHOS TÉCNICO-CIENTÍFICO das ESCOLAS do INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS O presente regulamento rege a eleição para o Conselho

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB FFFF REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos aplicáveis à eleição dos membros do Conselho Pedagógico

Leia mais

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I

Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Associação dos Antigos Alunos da Faculdade de Medicina de Lisboa Regulamento Eleitoral CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º V.3-01.11.2012 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL Através da vontade expressa dos seus membros em Assembleia-geral de

Leia mais

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N. 26.º, N.

REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N. 26.º, N. Comarca de REGULAMENTO DA ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DO CONSELHO CONSULTIVO REFERIDOS NAS ALS. D) A F) DO N.º 2 DO ART. 109.º DA LEI N.º 62/2013, DE 26 DE AGOSTO (LOSJ) E ART. 26.º, N.º 2 DO DL N.º 49/2014,

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE

REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE REGULAMENTO DAS ELEIÇÕES PARA O COLEGIADO DO DEPARTAMENTO DE ÁREAS ACADÊMICAS E CONSELHO DEPARTAMENTAL A comissão eleitoral designada pela Chefia de Departamento do Instituto Federal de Goiás, campus Água

Leia mais

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO

VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO VI CONGRESSO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO Capítulo I Objetivos, data e local de realização Artigo 1.º Objetivos O Congresso tem como objetivos pronunciar-se sobre o exercício da solicitadoria, sobre questões

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/ /17

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/ /17 REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO NO CONSELHO GERAL Biénio 2015/16 2016/17 Nota Justificativa: Com o objetivo de regular o processo eleitoral de eleição

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2016 IAB RS

REGULAMENTO ELEITORAL 2016 IAB RS A Comissão Eleitoral constituída nos termos do Art. 80 do Estatuto do IAB RS, vem, através deste Regulamento Eleitoral Eleições 2016, editado nos termos do parágrafo único do Artigo 80 do Estatuto do IAB

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL

REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL REGULAMENTO ELEITORAL PARCERIA TERRITORIAL ALENTEJO CENTRAL 2014-2020 ARTIGO PRIMEIRO O Regulamento Eleitoral estabelece as normas que regulam o Processo Eleitoral da Mesa do Conselho de Parceiros, Seis

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Associação de Atletismo de Braga (adiante

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO Escola Superior de Enfermagem REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE DO MINHO ESE, JANEIRO 2010 REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DA ESCOLA SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS REGULAMENTO ELEITORAL DA ORDEM DOS ARQUITECTOS Apreciado na XX reunião plenária do CDN, em XX de XXXX de XXXX, e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia XX de XXXX de XXXX. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE LOURES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE LOURES REGULAMENTO ELEITORAL PARA A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE LOURES 1.Objeto O presente Regulamento rege a eleição para o Conselho Geral Transitório dos representantes

Leia mais

Federação Portuguesa de Xadrez Eleição dos Delegados à Assembleia Geral. Convocatória

Federação Portuguesa de Xadrez Eleição dos Delegados à Assembleia Geral. Convocatória Eleição dos Delegados à Assembleia Geral Convocatória Nos termos do ponto. do artigo 9º do Regulamento Eleitoral da FPX convoco para o dia 5 de Outubro de 009, a realização do Acto Eleitoral para eleição

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do Diretor do

Leia mais

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O O QUE É? O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.º ciclos

Leia mais

PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997

PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997 PORTARIA IME n.º 502 de 12 de março de 1997 Dispõe sobre as normas que regem as eleições de representantes dos servidores não docentes e respectivos suplentes junto aos colegiados do Instituto de Matemática

Leia mais

ELEIÇÕES PARA REPRESENTANTE DOS SERVIDORES NO CONSELHO DELIBERATIVO DO ILMD. Edital de Convocação

ELEIÇÕES PARA REPRESENTANTE DOS SERVIDORES NO CONSELHO DELIBERATIVO DO ILMD. Edital de Convocação ELEIÇÕES PARA REPRESENTANTE DOS SERVIDORES NO CONSELHO DELIBERATIVO DO ILMD Edital de Convocação A Comissão Eleitoral, composta pelos servidores, Felipe dos Santos Costa, Antônio Ferreira de Carvalho e

Leia mais

ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE DA FIOCRUZ REGULAMENTO ELEITORAL

ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE DA FIOCRUZ REGULAMENTO ELEITORAL I - DA ELEIÇÃO ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE DA FIOCRUZ - 2008 REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º - A data de eleição do Presidente da FIOCRUZ será marcada pelo Conselho Deliberativo da FIOCRUZ. II - DOS CANDIDATOS

Leia mais

EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGE)

EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PPGE) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 EDITAL PARA ELEIÇÃO DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 142, DE 30 DE JUNHO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº 142, DE 30 DE JUNHO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº 142, DE 30 DE JUNHO DE 2016 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 73ª Reunião Ordinária, realizada em 30 de junho de 2016, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

EDITAL N 002 /2016 DA COMISSÃO ELEITORAL ESPECIAL DA COMPETÊNCIA DA COMISSÃO ELEITORAL ESPECIAL

EDITAL N 002 /2016 DA COMISSÃO ELEITORAL ESPECIAL DA COMPETÊNCIA DA COMISSÃO ELEITORAL ESPECIAL EDITAL N 002 /2016 NORMAS DO PROCESSO ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS MEMBROS DA COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE (CPPD) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO CRISTALINA.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Centro de Ciências Naturais e Humanas Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7960 secretariaccnh@ufabc.edu.br

Leia mais

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas:

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas: DESPACHO NR/R/0094/2008 ASSUNTO: Regulamento de provas de agregação Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 239/2007, de 19 de Junho e ao fim de alguns meses de aplicação na UCP, considerou-se conveniente

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA COLEGIADO DE FÍSICA CAMPUS DE ITAPETINGA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA COLEGIADO DE FÍSICA CAMPUS DE ITAPETINGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA COLEGIADO DE FÍSICA CAMPUS DE ITAPETINGA ELEIÇÃO PARA COORDENADOR (A) E VICE-COORDENADOR (A) REGIME ELEITORAL BIÊNIO 2015-2017 UESB ITAPETINGA AGOSTO 2015 A Comissão

Leia mais

Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência. Preâmbulo

Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência. Preâmbulo Regulamento eleitoral para as eleições dos estudantes dos Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência Preâmbulo O artigo 72.º dos Estatutos da Universidade da Madeira prevê que compete à Reunião Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 029/2004-COU/UNICENTRO OBS: ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 024/2006-COU/UNICENTRO. Aprova o Regulamento da eleição para Diretor de Centro de Conhecimento da UNICENTRO. O REITOR

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO

REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DA APEPCCA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DO ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO COM CONTRATO DE ASSOCIAÇÃO Capítulo I Princípios eleitorais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL RESPIRA Associação Portuguesa de Pessoas com DPOC e outras Doenças Respiratórias Crónicas PROPOSTA DE REGULAMENTO ELEITORAL Com a publicação do Decreto-Lei nº. 172-A/2014, de 14 de novembro, e da Lei nº.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira

Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas de Santa Maria da Feira - 151660 Regulamento Interno 2015 Capítulo II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL E ADMINISTRATIVA Artigo 3º ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Nos termos do regime de autonomia,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 013, DE 05 DE SETEMBRO DE 2016 Dispõe sobre o Regulamento do processo de consulta à comunidade

Leia mais

Regimento Eleitoral para eleição de delegados para o 4º Congresso da Federação Nacional dos Metroviários FENAMETRO

Regimento Eleitoral para eleição de delegados para o 4º Congresso da Federação Nacional dos Metroviários FENAMETRO Regimento Eleitoral para eleição de delegados para o 4º Congresso da Federação Nacional dos Metroviários FENAMETRO Dias 25,26,27 e 28 de agosto de 2011. Capítulo I - Das Disposições Gerais Art. 1º - A

Leia mais

APG-UENF Associação dos Pós-graduandos da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

APG-UENF Associação dos Pós-graduandos da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro De acordo com o capítulo VI (Das Eleições) do estatuto da Associação de Pós-Graduandos da Universidade Estadual do (APG-UENF), torna-se público o edital de convocação para eleição de Coordenadoria Geral

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA

FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA REGULAMENTO DO PROCESSO DE ESCOLHA DOS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL NO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO O Fórum Estadual

Leia mais

Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1

Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1 Regulamento Eleitoral para os representantes dos trabalhadores não docentes e não investigadores para o Conselho Geral da Universidade da Madeira 1 O presente regulamento rege a eleição do representante

Leia mais

REGIMENTO ELEITORAL PARA ESCOLHA DO CONSELHO ESCOLAR 30 DE SETEMBRO DE 2010

REGIMENTO ELEITORAL PARA ESCOLHA DO CONSELHO ESCOLAR 30 DE SETEMBRO DE 2010 REGIMENTO ELEITORAL PARA ESCOLHA DO CONSELHO ESCOLAR 30 DE SETEMBRO DE 2010 A COMISSÃO ELEITORAL PARA ESCOLHA DO CONSELHO ESCOLAR DO CAMPUS RIO DO SUL DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL

NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL NRAçores-APCP REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º Considerações Gerais 1. O presente Regulamento: a. Rege-se pelos Estatutos da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, adiante designada por APCP e pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997

PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997 PORTARIA IME n.º 500 de 12 de março de 1997 Dispõe sobre as normas que regem as eleições de representantes docentes, e respectivos suplentes junto aos colegiados do Instituto de Matemática e Estatística

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Regulamento Eleitoral para Eleição dos Órgãos Sociais da Casa do Povo de Alvito - IPSS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento contém as normas a que

Leia mais

EDITAL N. 007/2011-D

EDITAL N. 007/2011-D i. e x e EDITAL N. 007/2011-D O Diretor da UEPR Universidade Estadual do Paraná Campus de Campo Mourão/Fecilcam no uso de suas atribuições legais e considerando o artigo 49 do Regimento Interno da Fecilcam,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE E DESPORTO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL N 001/2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE E DESPORTO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL N 001/2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE E DESPORTO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA EDITAL N 001/2015 EDITAL DE ELEIÇÃO DE COORDENADOR E VICE-COORDENADOR DO CURSO DE BACHARELADO

Leia mais

R E S O L V E. Artigo 11º - Esta portaria entra em vigor nesta data, revogadas as disposições em contrário. DÊ-SE CIÊNCIA. CUMPRA-SE.

R E S O L V E. Artigo 11º - Esta portaria entra em vigor nesta data, revogadas as disposições em contrário. DÊ-SE CIÊNCIA. CUMPRA-SE. P O R T A R I A N º 0 4 0 / 2 0 1 1 - P B F A Prof.ª Dr.ª Márcia Edilaine Lopes Consolaro, coordenadora do Programa de Pós-graduação em Biociências Aplicadas à Farmácia, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

EDITAL 01/2016/UFRR Comissão Eleitoral Boa Vista, 27 de Junho de 2016.

EDITAL 01/2016/UFRR Comissão Eleitoral Boa Vista, 27 de Junho de 2016. EDITAL 01/2016/UFRR Comissão Eleitoral Boa Vista, 27 de Junho de 2016. EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL DE ESCOLHA DE UM REPRESENTANTE DOCENTE (E UM SUPLENTE) NO CONSELHO DIRETOR PARA O BIÊNIO

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014

REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 REGULAMENTO ELEITORAL E DE FUNCIONAMENTO DO CONGRESSO FAPPC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1º - Do âmbito do presente regulamento... 4 Artigo 2º - Do Congresso da Federação... 4

Leia mais