O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República do Chile, (doravante denominados "Partes Contratantes"),

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República do Chile, (doravante denominados "Partes Contratantes"),"

Transcrição

1 AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO CHILE NO ÂMBITO DA COOPERAÇÃO E DA CO-PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República do Chile, (doravante denominados "Partes Contratantes"), Conscientes da contribuição que as co-produções podem aportar ao desenvolvimento da indústria audiovisual, assim como ao crescimento dos intercâmbios culturais e econômicos entre os dois países; Decididos a estimular o desenvolvimento da cooperação cinematográfica entre a República Federativa do Brasil e a República do Chile, e Levando em conta o Convênio de Cooperação Cultural e Científica celebrado pelos Governos de ambos os Estados em 23 de dezembro de 1976, em especial o Artigo X; Acordam o seguinte: Artigo I 1. Para os fins deste Acordo, o termo audiovisual compreende as obras de qualquer duração que resultem da fixação de imagens, com ou sem som, que tenham a finalidade de criar, por meio de sua reprodução, a impressão de movimento, independentemente dos processos para seu registro, do suporte, existente ou a ser criado, que for utilizado inicial ou posteriormente para fixá-las, assim como dos meios empregados para sua difusão, conforme as disposições relativas à indústria audiovisual existente em cada um dos dois países. 2. As obras realizadas em co-produção entre a República Federativa do Brasil e a República do Chile serão consideradas como obras nacionais pelas autoridades competentes das Partes Contratantes sempre que hajam sido realizadas de acordo com as normas legais e os dispositivos em vigor. 3. Essas obras gozarão das vantagens previstas para as obras nacionais pelas disposições legais vigentes ou por aquelas que possam ser criadas em cada Estado co-produtor. 4. Com o objetivo de obter os benefícios estabelecidos no presente Ajuste Complementar, os co-produtores deverão satisfazer não somente a todos os requisitos exigidos pelas respectivas leis nacionais para ter direito às facilidades previstas em favor da produção cinematográfica nacional, como também aos requisitos estabelecidos pelas regras de procedimento dispostas neste Ajuste Complementar. 5. As co-produções realizadas em virtude do presente Ajuste Complementar deverão ser aprovadas, após consulta recíproca, pelas autoridades competentes de cada Estado: - na República Federativa do Brasil: o Ministério da Cultura, por meio de sua Secretaria para o Desenvolvimento do Audiovisual;

2 - na República do Chile: o Ministério da Educação, por meio de sua Divisão de Cultura. 6. Os benefícios das disposições deste Ajuste Complementar aplicar-se-ão a coproduções realizadas por produtores reconhecidos pelas autoridades nacionais competentes de cada Estado. Artigo II A proporção das respectivas contribuições dos co-produtores de cada uma das Partes Contratantes pode variar de 20% (vinte por cento) a 80% (oitenta por cento) do orçamento de cada obra audiovisual. Artigo III Para a realização das co-produções contempladas no presente Ajuste Complementar e sujeitando-se às disposições do mesmo, produtores de terceiros países com os quais as Partes Contratantes mantenham relações diplomáticas poderão participar com contribuições financeiras, artísticas ou técnicas, ainda que não existam Acordos de Co- Produção Cinematográfica. Artigo IV 1. As obras devem ser realizadas preferencialmente por diretores brasileiros ou chilenos, ou por diretores de outros países, residentes há pelo menos três anos na República Federativa do Brasil ou na República do Chile, com a participação não exclusiva de técnicos ou intérpretes de nacionalidade brasileira ou chilena, ou de estrangeiros residentes na República Federativa do Brasil ou na República do Chile. 2. É admitida a participação de intérpretes e técnicos que não os mencionados no parágrafo acima. Artigo V 1. Cada produtor deve ser, em qualquer caso, co-proprietário do negativo original (imagem e som), qualquer que seja o lugar onde este se encontre depositado. 2. Cada produtor tem direito, em qualquer caso, a um internegativo em sua versão de origem. Se um dos co-produtores renuncia a esse direito, o negativo será depositado em local escolhido de comum acordo pelos co-produtores. Artigo VI 1. No âmbito de suas legislações e regulamentações respectivas, cada uma das Partes Contratantes facilitará a entrada, a estada e a saída de seu território do pessoal técnico e artístico da outra Parte. 2. Igualmente, cada Parte permitirá a importação temporária e a reexportação do material e dos equipamentos necessários para a produção das obras realizadas no âmbito do presente Ajuste Complementar.

3 Artigo VII No que concerne às contribuições sociais, taxas, impostos, ou outras contribuições, os contratos que se refiram a pessoas, bens ou serviços destinados a uma co-produção reger-se-ão pela lei do país do co-produtor que os realize, sempre que tenham sido formalizados nesse país, uma vez que se considera serem seus rendimentos pagos pelo co-produtor do país de onde se originam o pessoal ou serviço. Artigo VIII 1. A distribuição dos rendimentos auferidos pelos co-produtores será proporcional à contribuição total de cada um deles. Salvo acordo entre os co-produtores, os direitos provenientes do Brasil serão atribuídos ao co-produtor brasileiro e aqueles provenientes do Chile, ao co-produtor chileno. 2. A repartição das vendas realizadas em outros países obedecerá ao critério acordado pelos co-produtores. Artigo IX 1. Caso uma co-produção seja exportada a país que imponha restrições às importações, esta se incluirá na cota da Parte Contratante: a) do co-produtor majoritário; b) que ofereça melhores oportunidades de exportação, se as respectivas contribuições dos co-produtores forem iguais; ou c) da qual o diretor seja nacional, caso surjam quaisquer dificuldades com respeito à aplicação dos incisos a e b acima. 2. Não obstante o disposto no caput, caso uma das Partes Contratantes não sofra restrição para o ingresso de seus filmes em país que imponha restrições às importações, uma produção realizada sob este Ajuste Complementar terá o mesmo direito de qualquer outra produção nacional daquela Parte Contratante ao ingresso irrestrito no país importador. Artigo X 1. A co-produção, quando exibida, deverá ser identificada como "Co-Produção Brasileira-Chileno" ou "Co-Produção Chilena-Brasileiro", dependendo da origem do coprodutor majoritário ou segundo acordo entre os co-produtores. 2. Tal identificação aparecerá nos créditos, em todo material promocional, comercial ou de propaganda e toda vez que a co-produção for exibida. Artigo XI No caso de apresentação em festivais internacionais de cinema e a menos que os coprodutores tenham acordado de outra forma, a co-produção será inscrita pela Parte

4 Contratante do co-produtor majoritário ou, no caso de participações financeiras de igual valor, pela Parte Contratante da qual o diretor for cidadão. Artigo XII 1. A importação, distribuição e exibição das obras audiovisuais produzidas em virtude deste Ajuste Complementar não serão submetidas a nenhuma restrição, salvo as estabelecidas na legislação e regulamentação em vigor em cada uma das Partes Contratantes. 2. Mesmo assim, as Partes Contratantes reafirmam sua vontade de favorecer e desenvolver, por todos os meios, a difusão, em cada país, dos filmes do outro país. Artigo XIII 1. As autoridades competentes das Partes Contratantes examinarão, em caso de necessidade, os termos da implementação do presente Ajuste Complementar de modo a dirimir quaisquer dificuldades resultantes de sua aplicação. Do mesmo modo, estudarão e promoverão as modificações necessárias de disposições internas legais ou regulamentares que possam se opor ao presente Ajuste Complementar. 2. Com o objetivo de desenvolver a cooperação cinematográfica no interesse comum de ambas as Partes, representantes das mesmas deverão reunir-se no âmbito de uma Comissão Mista Cinematográfica, que terá lugar, em princípio, uma vez a cada ano e se encontrará alternadamente em cada país. A Comissão Mista será integrada por 2 (dois) representantes de cada Parte Contratante. A representação brasileira será encabeçada por 1 (um) representante do Ministério das Relações Exteriores do Brasil e a chilena, por 1 (um) representante do Ministério das Relações Exteriores do Chile. Artigo XIV 1. A solicitação de admissão aos benefícios de co-produção apresentada pelos produtores de cada um dos dois países deverá ser redigida, para sua aprovação, em conformidade com o Procedimento de Aplicação previsto no Anexo do presente Ajuste Complementar, de que forma parte integrante. 2. Essa aprovação é irrevogável, salvo quando não se respeitem os compromissos iniciais em matéria artística, financeira e técnica. Artigo XV 1. O presente Ajuste Complementar entrará em vigor no dia de sua assinatura. 2. O presente Ajuste Complementar terá duração de três anos a contar de sua entrada em vigor e será renovado tacitamente por iguais períodos, salvo denúncia por escrito efetuada por qualquer das partes com aviso prévio de pelo menos três meses. No caso de haver, na data de prescrição do Ajuste Complementar, obras em trâmite cujos antecedentes tenham sido apresentados aos organismos competentes mencionados anteriormente, ser-lhes-ão aplicáveis as regras deste Acordo a partir das filmagens até sua comercialização final.

5 Artigo XVI As disposições deste Ajuste Complementar deixam sem efeito o Acordo de Co- Produção Cinematográfica celebrado entre ambas as Partes Contratantes por meio de troca de Notas em 1 de janeiro e 18 de março de Feito em Brasília, em 25 de março de 1996 em dois exemplares nos idiomas português e espanhol, sendo ambos os textos igualmente autênticos. Pelo Governo da República Federativa do Brasil Luiz Felipe Lampreia Pelo Governo da República do Chile José Miguel Insulza A n e x o Regras de procedimento 1. Os produtores de cada uma das Partes Contratantes devem, para beneficiar-se das disposições do Ajuste Complementar, apresentar as suas autoridades respectivas a solicitação de admissão ao benefício de co-produção no mínimo um mês antes do início das filmagens. A documentação deve incluir: - documento referente à aquisição dos direitos de autor para utilização da obra; - roteiro detalhado e roteiro técnico de sequências que o diretor considerar relevantes; - a lista de pessoal técnico e artístico de ambos os países; - orçamento, plano de financiamento detalhado, plano de exploração comercial e acordos de distribuição que tenham sido formulados; - plano de trabalho da obra; - contrato de co-produção concluído entre os co-produtores, e - todo outro requisito que cada Parte Contratante estabeleça para suas produções exclusivamente nacionais. 2. Os instrumentos, faturas ou compromissos relativos à realização das co-produções reger-se-ão, no que se refere a sua forma e validade, pela lei do país em que se assinem, dispondo, outrossim, da autentificação ou legalização consular correspondente. Sob essas condições as autoridades do outro país as reconhecerão como válidas. 3. As autoridades competentes de cada Parte Contratante encaminharão à outra Parte a documentação anterior, a partir de seu recebimento. As autoridades do país com participação minoritária só concederá autorização após receber a decisão das autoridades do país com participação econômica majoritária.

Decreto n.º 48/81 Acordo de Co-Produção Cinematográfica entre os Governos da República Portuguesa e da República Federativa do Brasil

Decreto n.º 48/81 Acordo de Co-Produção Cinematográfica entre os Governos da República Portuguesa e da República Federativa do Brasil Decreto n.º 48/81 Acordo de Co-Produção Cinematográfica entre os Governos da República Portuguesa e da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República Federal da Nigéria (doravante denominados Partes Contratantes);

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República Federal da Nigéria (doravante denominados Partes Contratantes); ACORDO DE COOPERAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA NIGÉRIA O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República

Leia mais

Decreto n.º 15/2000 Acordo de Co-Produção e Relações Cinematográficas entre a República Portuguesa e a República Italiana

Decreto n.º 15/2000 Acordo de Co-Produção e Relações Cinematográficas entre a República Portuguesa e a República Italiana Decreto n.º 15/2000 Acordo de Co-Produção e Relações Cinematográficas entre a República Portuguesa e a República Italiana Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo aprova

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA POLÔNIA SOBRE COOPERAÇÃO CULTURAL O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República da Polônia (doravante

Leia mais

PROTOCOLO DE EMENDA AO CONVÊNIO DE INTEGRAÇÃO CINEMATOGRÁFICA IBERO-AMERICANA

PROTOCOLO DE EMENDA AO CONVÊNIO DE INTEGRAÇÃO CINEMATOGRÁFICA IBERO-AMERICANA PROTOCOLO DE EMENDA AO CONVÊNIO DE INTEGRAÇÃO CINEMATOGRÁFICA IBERO-AMERICANA Os Estados Partes do Convênio de Integração Cinematográfica Ibero-americana: CONSCIENTES da necessidade de fortalecer e ampliar

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, Decreto n.º 3.548, de 21 de julho de 2000 Promulga o Acordo de Cooperação Cultural entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Argentina, celebrado em Brasília, em 10 de

Leia mais

O Governo da República Socialista Federativa da Iugoslávia,

O Governo da República Socialista Federativa da Iugoslávia, aprofundar ACORDO DE COMÉRCIO E PAGAMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDE- RATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA SOCIALISTA FEDERATIVA DA IUGOSLÁVIA e O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

A República Portuguesa e a República Federativa do Brasil (doravante denominadas «Partes»):

A República Portuguesa e a República Federativa do Brasil (doravante denominadas «Partes»): Decreto n.º 30/2002 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil sobre o Exercício de Actividades Remuneradas por parte de Dependentes do Pessoal Diplomático, Consular, Administrativo,

Leia mais

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo

Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo Decreto n.º 129/82 Acordo Cultural entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Grão-Ducado do Luxemburgo O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República do Equador (doravante denominados "Partes Contratantes"),

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República do Equador (doravante denominados Partes Contratantes), ACORDO DE COOPERAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPUBLICA DO EQUADOR O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo da República do

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CULTURAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TUNÍSIA PARA O PERÍODO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CULTURAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TUNÍSIA PARA O PERÍODO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO CULTURAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TUNÍSIA PARA O PERÍODO 2001-2004 O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O RECONHECIMENTO E A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS ARBITRAIS ESTRANGEIRAS, CELEBRADA EM NOVA IORQUE AOS 10 DE JUNHO DE 1958

CONVENÇÃO SOBRE O RECONHECIMENTO E A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS ARBITRAIS ESTRANGEIRAS, CELEBRADA EM NOVA IORQUE AOS 10 DE JUNHO DE 1958 CONVENÇÃO SOBRE O RECONHECIMENTO E A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS ARBITRAIS ESTRANGEIRAS, CELEBRADA EM NOVA IORQUE AOS 10 DE JUNHO DE 1958 Artigo I 1 A presente Convenção aplica-se ao reconhecimento e à execução

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Cooperativista da Guiana (doravante denominados Partes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Cooperativista da Guiana (doravante denominados Partes ), ACORDO DE ALCANCE PARCIAL DE COMPLEMENTAÇÃO ECONÔMICA N 38, SUBCRITO AO AMPARO DO ARTIGO 25 DO TRATADO DE MONTEVIDÉU 1980, ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA COOPERATIVISTA DA GUIANA

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as "Partes"),

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes), AJUSTE COMPLEMENTAR AO ACORDO DE COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA O Governo da República Federativa do Brasil

Leia mais

Tenho a honra de acusar recebimento da Nota de Vossa Excelência número GM- 087/2009, de 12 de março de 2009, cujo teor, em português, é o seguinte:

Tenho a honra de acusar recebimento da Nota de Vossa Excelência número GM- 087/2009, de 12 de março de 2009, cujo teor, em português, é o seguinte: Brasília, 12 de março de 2009 DAM-II/DAI/CG-DECAS/ 01 /PEXT-BRAS-BOLI/2009/ Tenho a honra de acusar recebimento da Nota de Vossa Excelência número GM- 087/2009, de 12 de março de 2009, cujo teor, em português,

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição da República Portuguesa, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição da República Portuguesa, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 11/98, de 15 de Abril Acordo entre a República Portuguesa e a Roménia para a Cooperação nos Domínios da Educação, Ciência, Cultura, Desporto, Juventude, Turismo e Comunicação Social Nos termos

Leia mais

ESTÔMAGO. filme de longa-metragem realizado a partir do acordo de co-produção cinematográfica Brasil-Itália

ESTÔMAGO. filme de longa-metragem realizado a partir do acordo de co-produção cinematográfica Brasil-Itália ESTÔMAGO filme de longa-metragem realizado a partir do acordo de co-produção cinematográfica Brasil-Itália Ano de produção: 2007 Nacionalidade do filme: Brasileira e Italiana Distribuição no Brasil: 2008

Leia mais

Decreto n.º 3/2000 Acordo Geral de Cooperação entre a República Portuguesa e a República do Mali, assinado em Lisboa em 14 de Setembro de 1999

Decreto n.º 3/2000 Acordo Geral de Cooperação entre a República Portuguesa e a República do Mali, assinado em Lisboa em 14 de Setembro de 1999 Decreto n.º 3/2000 Acordo Geral de Cooperação entre a República Portuguesa e a República do Mali, assinado em Lisboa em 14 de Setembro de 1999 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional

Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional Constituição de Empresa em Portugal por cidadãos de países terceiros à UE e aspetos de permanência em território nacional O princípio que norteia o quadro normativo português é o da não discriminação do

Leia mais

ACORDO CULTURAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA SOCIALISTA DO SRI LANKA

ACORDO CULTURAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA SOCIALISTA DO SRI LANKA Decreto n.º 1/2000 Acordo Cultural entre a República Portuguesa e a República Democrática Socialista do Sri Lanka, assinado em Lisboa em 19 de Fevereiro de 1999 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA SOBRE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA CULTURA E CIÊNCIA.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA SOBRE COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA CULTURA E CIÊNCIA. Decreto do Governo n.º 7/83 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República da Áustria sobre Cooperação nos Domínios da Cultura e Ciência Decreto do Governo n.º 7/83 de 24 de Janeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO REITORIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO REITORIA RESOLUÇÃO UNESP N º 59, de 10 de julho de 2014. Regulamenta os Cursos de Extensão Universitária ministrados na UNESP. A Vice-Reitora no exercício da Reitoria da Universidade Estadual Paulista "Júlio de

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o sistema de franquia empresarial (franchising); revoga a Lei nº 8.955, de 15 de dezembro de 1994; e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O sistema de franquia empresarial

Leia mais

De acordo com a vontade comum com vistas ao entendimento mútuo e à cooperação bilateral;

De acordo com a vontade comum com vistas ao entendimento mútuo e à cooperação bilateral; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, E A COMISSÃO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO E REFORMA, DA REPÚBLICA POPULAR

Leia mais

ESTATUTO DA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES DOS ESTADOS PARTE DO MERCOSUL, BOLIVIA E CHILE

ESTATUTO DA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES DOS ESTADOS PARTE DO MERCOSUL, BOLIVIA E CHILE ESTATUTO DA ORGANIZAÇÃO DAS ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES DOS ESTADOS PARTE DO MERCOSUL, BOLIVIA E CHILE A Auditoria Geral da República- Argentina O Tribunal de Contas da União Brasil A Controladoria

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 116 DE 08 DE ABRIL DE 2015.

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 116 DE 08 DE ABRIL DE 2015. RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 116 DE 08 DE ABRIL DE 2015. Disciplina a concessão de visto a cientista, pesquisador, professor e ao profissional estrangeiro que pretenda vir ao País para participar das atividades

Leia mais

Ourocap Super Prêmio

Ourocap Super Prêmio Ourocap Super Prêmio (Ourocap PU36) Processo SUSEP nº 10.000065/00-55 CONDIÇÕES GERAIS I - OBJETIVO Art. 1º - A Brasilcap Capitalização S. A., doravante denominada Sociedade de Capitalização, institui

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República do Paraguai

O Governo da República Federativa do Brasil. O Governo da República do Paraguai CONVÊNIO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DO PARAGUAI SOBRE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL e O Governo da República Federativa

Leia mais

Films from Rio 2016/2017 (RioMarket / Ventana Sur / Marché du Film)

Films from Rio 2016/2017 (RioMarket / Ventana Sur / Marché du Film) Films from Rio 2016/2017 (RioMarket / Ventana Sur / Marché du Film) CHAMADA PÚBLICA - 003/2016 O programa FILMS FROM RIO tem como objetivo oferecer a produtores audiovisuais fluminenses uma consultoria

Leia mais

Decreto n.º 98/77 Acordo Comercial e de Cooperação Económica, Industrial e Técnica entre o Governo de Portugal e o Governo da Índia

Decreto n.º 98/77 Acordo Comercial e de Cooperação Económica, Industrial e Técnica entre o Governo de Portugal e o Governo da Índia Decreto n.º 98/77 Acordo Comercial e de Cooperação Económica, Industrial e Técnica entre o Governo de Portugal e o Governo da Índia O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA

FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA FACULDADE EDUCACIONAL ARAUCÁRIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2.013 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009

COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009 COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária para compor atividades

Leia mais

PROTOCOLO MODIFICATIVO DO PROTOCOLO DE OLIVOS PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO MERCOSUL

PROTOCOLO MODIFICATIVO DO PROTOCOLO DE OLIVOS PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO MERCOSUL PROTOCOLO MODIFICATIVO DO PROTOCOLO DE OLIVOS PARA A SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS NO MERCOSUL A República da Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai,

Leia mais

A República Federativa do Brasil

A República Federativa do Brasil AJUSTE COMPLEMENTAR AO ACORDO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A ORGANIZACÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O FUNCIONAMENTO NO BRASIL DO ESCRITÓRIO DA COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE,

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 691 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 873 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos

Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Decreto n.º 19/94 Acordo de Cooperação em Matéria de Protecção Civil entre o Governo da República Portuguesa e o Governo do Reino de Marrocos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Concursos 2016 ANEXO X

Concursos 2016 ANEXO X ANEXO X PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO AUTOMÁTICO 1. Candidatos e beneficiários Podem candidatar-se e beneficiar de apoio os produtores independentes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.278, DE 31 DE OUTUBRO DE 2013 Altera e revoga disposições da Resolução nº 4.192, de 1º de março de 2013, que dispõe sobre a metodologia para apuração do Patrimônio de Referência (PR). O

Leia mais

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola

Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Decreto n.º 7/1992 Acordo de Cooperação no Domínio dos Petróleos entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS ANEXO IX PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO À FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS 1. Candidatos e beneficiários 1.1. Podem candidatar-se os produtores

Leia mais

Decreto n.º 19/88 de 26 de Agosto Convenção Relativa à Distribuição de Sinais Portadores de Programas Transmitidos por Satélite

Decreto n.º 19/88 de 26 de Agosto Convenção Relativa à Distribuição de Sinais Portadores de Programas Transmitidos por Satélite Decreto n.º 19/88 de 26 de Agosto Convenção Relativa à Distribuição de Sinais Portadores de Programas Transmitidos por Satélite Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 045 CONSUPER/2015 Dispõe sobre Normas para o estabelecimento de Acordos/Convênios de Cooperação Internacional do IFC. O Presidente do do IFC, Professor Francisco José Montório Sobral, no uso

Leia mais

Senhor Encarregado de Negócios, Tenho a honra de dirigir-me a Vossa Senhoria para

Senhor Encarregado de Negócios, Tenho a honra de dirigir-me a Vossa Senhoria para Senhor Encarregado de Negócios, Tenho a honra de dirigir-me a Vossa Senhoria para referir-me ao texto acordado em 29 de fevereiro de 2000, em Washington, de Ajuste Complementar ao Acordo de Cooperação

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, considerando:

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, considerando: RESOLUÇÃO Nº 03/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Regulamenta os Processos de Mobilidade Acadêmica no âmbito da UFCG e

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. Versão: Junho/2016 CAPÍTULO I Definição e Finalidade 1.1 A presente Política

Leia mais

Condições Gerais - Plano PM 60/60H

Condições Gerais - Plano PM 60/60H Premium Cash Condições Gerais GLOSSÁRIO Condições Gerais - Plano PM 60/60H Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma

Leia mais

Contratos de Coprodução Internacional. Monyca Mo5a

Contratos de Coprodução Internacional. Monyca Mo5a Contratos de Coprodução Internacional Monyca Mo5a contato@monycamo5a.com.br Co- produção Internacional 'Desde meados da década de 20, começando na Europa, os produtores cinematográficos freqüentemente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 047/2009

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 047/2009 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 047/2009 Aprova o Regulamento de Registro de Diplomas na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº R- 023/2009, aprovou e eu promulgo

Leia mais

Contrato de Mediação de Exportação

Contrato de Mediação de Exportação Contrato de Mediação de Exportação IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (xxx), na Rua (xxx), nº (xxx), bairro (xxx), Cep (xxx), no Estado (xxx), inscrita

Leia mais

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento.

III - Início de Vigência Art. 3 - O Título entra em vigor na data do primeiro pagamento. Pé Quente Bradesco Instituto Ayrton Senna GLOSSÁRIO Condições Gerais - Plano PM 48/48 GP Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento

Leia mais

CAMPANHA PROMOCIONAL INDIQUE UM AMIGO

CAMPANHA PROMOCIONAL INDIQUE UM AMIGO CAMPANHA PROMOCIONAL INDIQUE UM AMIGO I Razão social das pessoas jurídicas promoventes: ACS INCORPORAÇÃO S/A CNPJ/MF Nº 08.145.855/0001-12 Av. José de Souza Campos, 753, Cambuí, Campinas/SP, CEP 13025-320

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO. Edital 69/ PROEN Seleção para bolsa PROMISAES (2014)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO. Edital 69/ PROEN Seleção para bolsa PROMISAES (2014) Seleção para bolsa PROMISAES (2014) A PRÓ-REITORA DE ENSINO EM EXERCÍCIO da Universidade Federal do Maranhão, no uso de suas atribuições, torna público o edital para concessão de bolsas do Projeto Milton

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES COMPLEMENTARES DO CURSO DE

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS G5 ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS G5 ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS G5 ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Leia mais

SECRETARIADO EXECUTIVO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Minuta de

SECRETARIADO EXECUTIVO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Minuta de SECRETARIADO EXECUTIVO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Minuta de PROTOCOLO entre O FUNDO ESPECIAL DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) e (ENTIDADE PROPONENTE) Para a implementação

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 15/2016

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 15/2016 DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 15/2016 Projeto de norma regulamentar que define os princípios a observar pelas empresas de seguros no seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados, beneficiários

Leia mais

Nota Técnica de Expediente nº 19 /2012, do SEJUR. Expediente CFM nº 1945/2012 I - RELATÓRIO

Nota Técnica de Expediente nº 19 /2012, do SEJUR. Expediente CFM nº 1945/2012 I - RELATÓRIO EMENTA: Resolução CFM nº 1832/2008 Visto de estudante para médico estrangeiro formado em medicina em faculdade estrangeira Ingresso no Brasil para cursar pós-graduação Anuência do CRM Visto temporário

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO CONDIÇÕES GERAIS I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PR_PU_POPULAR2_S100_1S_CS752 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA SKY CONTROLE

REGULAMENTO DA OFERTA SKY CONTROLE REGULAMENTO DA OFERTA SKY CONTROLE São partes a SKY SERVIÇOS DE BANDA LARGA LTDA. ( SKY ) com sede na Av. das Nações Unidas, nº 12.901, 14º andar, Sala A, Torre Norte, CNPJ/MF 00.497.373/0001-10, conforme

Leia mais

ACORDO DE CO-PRODUÇÃO AUDIOVISUAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO CANADÁ

ACORDO DE CO-PRODUÇÃO AUDIOVISUAL ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DO CANADÁ CANADÁ / CANADA Acordo de Co-Produção Brasil - Canadá - 27/01/1995 Decreto Nº 2.976 de 01/03/1999 Audiovisual Co-Production Agreement (English) Accord de Coproduction Audiovisuelle (Français) Arquivos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Juiz de Fora. (logo da instituição parceira) (Nome da Instituição Parceira) instituições.

Ministério da Educação Universidade Federal de Juiz de Fora. (logo da instituição parceira) (Nome da Instituição Parceira) instituições. Ministério da Educação Universidade Federal de Juiz de Fora (logo da instituição parceira) (Nome da Instituição Parceira) ACORDO DE COOPERAÇÃO ACADÊMICO INTERNACIONAL O presente acordo tem por objeto a

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

A República Portuguesa e a República de Cuba, adiante denominadas «Partes»:

A República Portuguesa e a República de Cuba, adiante denominadas «Partes»: Decreto n.º 41/98 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação na Prevenção do Uso Indevido e Repressão do Tráfico Ilícito de Estupefacientes e Substâncias Psicotrópicas,

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

Art. 1º Definir e regulamentar os procedimentos para a expedição e registro de diplomas e certificados dos cursos do IFNMG.

Art. 1º Definir e regulamentar os procedimentos para a expedição e registro de diplomas e certificados dos cursos do IFNMG. REGULAMENTAÇÃO PARA EXPEDIÇÃO E REGISTRO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DOS CURSOS DO IFNMG Anexo da Resolução CEPE Nº 06/2014, 09 de setembro de 2014 - Reestruturação do Regulamento para Expedição e Registro

Leia mais

ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA

ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA ACORDO DE COMÉRCIO PREFERENCIAL ENTRE O MERCOSUL E A REPÚBLICA DA ÍNDIA A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Estados Parte

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. (Atualizado em Junho/2016)

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS. (Atualizado em Junho/2016) POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS (Atualizado em Junho/2016) CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Leia mais

Kimonos Torah Programa de fidelidade

Kimonos Torah Programa de fidelidade REGULAMENTO DO PROGRAMA FAXIA PRETA KIMONOS TORAH VERSÃO_4 JUN/2016 I DO PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH 1.1. O objetivo do PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH ( PROGRAMA ) é conceder benefícios

Leia mais

ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS JANEIRO /2013 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA.

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

PROTOCOLO DE MONTEVIDÉU SOBRE COMPROMISSO COM A DEMOCRACIA NO MERCOSUL (USHUAIA II)

PROTOCOLO DE MONTEVIDÉU SOBRE COMPROMISSO COM A DEMOCRACIA NO MERCOSUL (USHUAIA II) PROTOCOLO DE MONTEVIDÉU SOBRE COMPROMISSO COM A DEMOCRACIA NO MERCOSUL (USHUAIA II) A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, Estados

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO CAPMAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO CAPMAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PRODUTO CAPMAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento na forma convencionada nestas condições

Leia mais

IESUR / FAAR. Instituto de Ensino Superior de Ariquemes. Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO. entre. xxxx

IESUR / FAAR. Instituto de Ensino Superior de Ariquemes. Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO. entre. xxxx IESUR / FAAR Instituto de Ensino Superior de Ariquemes Faculdades Associadas de Ariqueimes ACORDO DE COOPERAÇÃO entre xxxx e IESUR, Rondônia, Brasil CLÁUSULA PRIMEIRA - Preâmbulo Em busca de interesses

Leia mais

Parágrafo único Somente em caráter excepcional o Reitor poderá conceder afastamentos

Parágrafo único Somente em caráter excepcional o Reitor poderá conceder afastamentos RESOLUÇÃO UNESP Nº 19, DE 07 DE MARÇO DE 1997. Estabelece normas sobre afastamento de docentes e pesquisadores da UNESP. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FI- LHO, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS

TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS TRATADO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A TRANSFERÊNCIA DE PESSOAS CONDENADAS

Leia mais

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA

Concurso de 2013 ANEXO XIII APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1 ANEXO XIII PROGRAMA DE APOIO À DISTRIBUIÇÃO CINEMATOGRÁFICA 1. Programa e Secções 1.1. O Programa de Apoio à Distribuição Cinematográfica destina-se a comparticipar as despesas com planos de distribuição

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DA EXIGÊNCIA DE LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS ESTRANGEIROS. (Celebrada em 5 de outubro de 1961)

CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DA EXIGÊNCIA DE LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS ESTRANGEIROS. (Celebrada em 5 de outubro de 1961) Junho de 2015 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 12 125 CONVENÇÃO SOBRE A ELIMINAÇÃO DA EXIGÊNCIA DE LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICOS ESTRANGEIROS (Celebrada em 5 de outubro de 1961) Os Estados Signatários

Leia mais

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil (doravante denominado Ministério da Saúde)

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil (doravante denominado Ministério da Saúde) MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA SAÚDE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O SECRETARIADO DO PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE HIV/AIDS (UNAIDS) PARA CONSTITUIÇÃO DO CENTRO INTERNACIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 023 /97 Autoriza a reformulação do Curso de Especialização em Ciência da Computação e Informática, que passa a denominar-se Curso de Especialização

Leia mais

I - DOS RECURSOS ORIUNDOS DOS ACORDOS DE EMPRÉSTIMOS OU CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO REEMBOLSÁVEIS

I - DOS RECURSOS ORIUNDOS DOS ACORDOS DE EMPRÉSTIMOS OU CONTRIBUIÇÕES FINANCEIRAS NÃO REEMBOLSÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 06, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Dispõe sobre os procedimentos de movimentação de recursos externos e de contrapartida nacional, em moeda ou bens e/ou serviços, decorrentes dos acordos

Leia mais

RESOLUÇÃO 020/2016 CEPE/UNESPAR

RESOLUÇÃO 020/2016 CEPE/UNESPAR Aprova o Regulamento do Regime de Trabalho de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva TIDE aos docentes da Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR. Considerando a necessidade de regulamentação do regime

Leia mais

8) Os Projetos de TCC selecionados pelo Colegiado serão anunciados aos alunos logo após a deliberação da banca de seleção.

8) Os Projetos de TCC selecionados pelo Colegiado serão anunciados aos alunos logo após a deliberação da banca de seleção. REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC DO CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E ANIMAÇÃO DA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO E MARKETING DA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO - FAAP 1) O trabalho de conclusão

Leia mais

REGULAMENTO FICA 2016

REGULAMENTO FICA 2016 REGULAMENTO FICA 2016 I DA DATA E LOCAL Art. 1º O FICA 2016 Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental se realizará na Cidade de Goiás, estado de Goiás, Brasil, no período de 28 de junho a 03 de

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS Samba Investimentos CNPJ/MF nº: 22.006.806/0001-20 Página1 CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de

Leia mais

2º FESTIVAL DE POESIA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ

2º FESTIVAL DE POESIA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ 2º FESTIVAL DE POESIA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ REGULAMENTO I CAPÍTULO DOS OBJETIVOS E CATEGORIAS Artigo 1º - A Prefeitura Municipal de Conceição do Coité, através da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte,

Leia mais

Que a experiência da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) como doadora de cooperação técnica é de interesse do MERCOSUL;

Que a experiência da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) como doadora de cooperação técnica é de interesse do MERCOSUL; MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 08/04 RESUMO DE DISCUSSÕES ENTRE A AGÊNCIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO JAPÃO (JICA) E AS RESPECTIVAS AUTORIDADES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL SOBRE COOPERAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Instrução Normativa nº 19, (DOE de 04/07/03)

Instrução Normativa nº 19, (DOE de 04/07/03) Instrução Normativa nº 19, (DOE de 04/07/03) Estabelece procedimentos relativos a operações de saídas de mercadorias com o fim específico de exportação O Secretário da Fazenda do Estado do Ceará, no uso

Leia mais

CONCURSO CARNAVAL EM 1 CLICK 2016 REGULAMENTO

CONCURSO CARNAVAL EM 1 CLICK 2016 REGULAMENTO CONCURSO CARNAVAL EM 1 CLICK 2016 REGULAMENTO 1. DO OBJETO Constitui objeto deste concurso Carnaval em 1 Click 2016 a seleção das melhores fotografias com a temática "Carnaval 2016 em Pernambuco" para

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA FLEX PROGRAMADO

REGULAMENTO DA OFERTA FLEX PROGRAMADO REGULAMENTO DA OFERTA FLEX PROGRAMADO Pelo presente instrumento a SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ( SKY ), autorizatária do serviço de DTH por força do Ato nº 3.504 de 25 de junho de 2012, disponibiliza aos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO )

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAIO 2016 OBJETO O presente documento tem por objetivo estabelecer os princípios,

Leia mais

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção)

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção) ANEXO I FILME Curso Semestre Data / / Título do filme Crédito (direção, ano e produção) Duração do filme Resumo (aspectos históricos, políticos, econômicos); Aspectos pedagógicos (relação ensino/aprendizagem

Leia mais

Fundo CNC-ICA de apoio à coprodução de obras cinematográficas luso-francesas. Regulamento de 20 de abril de 2016

Fundo CNC-ICA de apoio à coprodução de obras cinematográficas luso-francesas. Regulamento de 20 de abril de 2016 Fundo CNC-ICA de apoio à coprodução de obras cinematográficas luso-francesas Regulamento de 20 de abril de 2016 A Convenção assinada em 20 de Maio de 2014, em Cannes, entre o Centre national du cinéma

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO VERSÃO: 28/02/2011 2/7 MANUAL DE NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 5 CAPÍTULO

Leia mais

Altera o Decreto nº , de 10 de dezembro de 1981, para dispor sobre a situação jurídica do estrangeiro na República Federativa do Brasil.

Altera o Decreto nº , de 10 de dezembro de 1981, para dispor sobre a situação jurídica do estrangeiro na República Federativa do Brasil. DECRETO Nº 8.757, DE 10 DE MAIO DE 2016 Altera o Decreto nº 86.715, de 10 de dezembro de 1981, para dispor sobre a situação jurídica do estrangeiro na República Federativa do Brasil. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA,

Leia mais

Cia Itaú de Capitalização. PIC Plano Itaú de Capitalização Condições Gerais GLOSSÁRIO

Cia Itaú de Capitalização. PIC Plano Itaú de Capitalização Condições Gerais GLOSSÁRIO Cia Itaú de Capitalização PIC Plano Itaú de Capitalização Condições Gerais GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso de efetuar o pagamento

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais