SERVIçOS EM BUCHAS Trench França THE PROVEN POWER.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIçOS EM BUCHAS Trench França THE PROVEN POWER."

Transcrição

1 SERVIçOS EM BUCHAS Trench França

2 Quem É Trench FranÇA? NOSSA PROPOSTA seu benefício A Trench França tem fabricado buchas e transformadores de corrente por mais de 60 anos. Anteriormente conhecida pelo nome de Haefely, desde 2004 a empresa pertence ao grupo Siemens. Como líder global na tecnologia de Papel Impregnado em Óleo (OIP), o portfolio de produtos inclui buchas de transformadores de 24kV à 550kV, com corrente nominal de 800A à 5000A, buchas de geradores, transformadores de corrente e transformadores de tensão. Com mais de buchas em serviço ao redor do mundo, e uma produção anual de unidades, a Trench é a empresa líder no Mercado de Energia. por que você deveria ficar preocupado com as buchas? As buchas de transformadores são um componente crítico do Transformador e quase sempre o mais negligenciado. A bucha permite que a Energia Elétrica flua da fonte através do Transformador e se conecte à rede de distribuição, e finalmente, ao usuário final. Falhas em Transformadores podem resultar em interrupções não planejadas que afetam clientes, reduzem a receita e criam um custo substancial para reparar/reconstruir o equipamento da subestação. Várias investigações de falhas de Transformadores foram feitas no passado, como por exemplo, pela CIGRE Levantamento de Confiabilidade de Transformador, Referência WG A2.37 datada de Abril de De acordo com essas investigações falhas em buchas foram a causa de 17% das falhas nos transformadores. 2

3 COMO UMA BUCHA ENVELHECE? A parte ativa de Papel Impregnado em Óleo da bucha, gaxetas e anéis de vedação são componentes chave das buchas que terão o maior impacto no tempo de vida útil delas. QUAIS SÃO OS FATORES que INFLUENCIAm O TEMPO DE VIDA útil da bucha? As buchas de Alta Tensão de tecnologia Papel Impregnado em Óleo (OIP) tem um tempo de vida médio de 30 anos dependendo das condições operacionais. São diversos os fatores de envelhecimento e estão principalmente relacionados aos seguintes parâmetros: Temperatura : quanto mais alta a temperatura de operação, mais rápido se desenvolverá o processo de envelhecimento do papel e do óleo. A temperatura de operação vai depender da temperatura ambiente, da temperatura do óleo do transformador e da corrente. Tensão : sobretensões na rede, transientes podem influenciar no processo de envelhecimento e disparar alguns fenômenos de descargas parciais conduzindo gradualmente a curto circuitos parciais no isolamento principal. EXEMPLOs DE PROBLEMAS que afetam o tempo de vida ÚTIL de uma bucha Ponto quente de temperatura: Aquecimento localizado no terminal superior devido a aperto insuficiente (folga). Nível baixo de óleo : O nível de óleo não está de acordo com o manual de instruções devido a dano mecânico ou perda da integridade da vedação do sistema de gaxetas. Quebra do isolamento : Capacitância e fator de dissipação mudam com o tempo devido a condições de operação levando a quebras parciais do isolamento. Existem algumas formas de determinar a condição das buchas para que se possa planejar a manutenção, reparo ou substituição. o que pode ser feito para estender a vida útil das minhas buchas? Manutenção : manutenção preventiva e com conhecimento adquirido. Um plano pode ser criado delineando prioridades para gerir adequadamente esses bens valiosos. O plano pode então ser implementado de acordo com as restrições de tempo e orçamento numa solução customizada com o objetivo de estender a vida útil da bucha. A Trench está comprometida a dar o suporte ao usuário final para avaliar seu parque de buchas e determinar qual seria a melhor maneira de geri-lo. 3

4 AVALIAÇÃO DAS BUCHAS MELHORA DO CICLO DE VIDA GERÊNCIA DE RISCO Nível 1 : Avaliação no local de instalação Nível 2 : Teste de checagem no nosso campo de provas Nível 3 : Investigações Forenses NÍVEL 1 : AVALIAÇÃO NO LOCAL DE INSTALAÇÃO Medição de Capacitância e Fator de Potência Amostragem de óleo para análise de gases dissolvidos (DGA) Condições mecânicas gerais Teste de termovisão Essas avaliações trazem informações primárias sobre a situação das buchas. Nível 2 : TESTE DE CHECAGEM NO NOSSO CAMPO DE PROVAS DE 550kV, INCLUINDO: Capacitância e Fator de Potência Medidas de Descargas Parciais (PD) Tensão Suportável à Frequência Industrial Teste de Impulso Atmosférico Os testes acima dão um melhor entendimento sobre o estágio do processo de envelhecimento, especialmente quando executando as medições de Descargas Parciais, Capacitância precisa e fator de dissipação. As normas IEC e IEEEC orientam que as tensões dos testes para buchas que estão em serviço devem ser reduzidas à 85% dos níveis de tensões dos testes originais. 4

5 NÍVEL 3 : INVESTIGAÇÕES FORENSES PARA UMA AVALIAÇÃO DETALHADA Verificação do processo de enrolamento da parte ativa Grau de Polimerização do Papel (DP) Medição do Óleo (fator de potência à 90 C, tensão de ruptura dielétrica (DBV), teor de água Essas medições são a base para estimar o tempo restante de vida útil de buchas similares na rede. RESUMO DOS TESTES DE DIAGNÓSTICO: Com os resultados dos testes disponíveis, um plano de ação pode ser desenvolvido. A condição da bucha, configuração da rede e restrições de orçamento vão contribuir para o plano final. Fator Chave de Envelhecimento Térmico Parâmetros a serem checados Termovisão DGA DP Medição do Óleo Frequência Anualmente Mecânico Nível de Óleo Visual Mensalmente Anualmente Dielétrico Capacitância e Fator de Potência DGA PD Repetição dos Ensaios de Rotina De cada 3 a 5 anos 5

6 AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS TESTES ESTABELECIMENTO DE UMA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO OTIMIZADA Com base nas informações coletadas através das diferentes etapas de avaliação, ações sugeridas podem ser categorizadas em três níveis conforme descrito abaixo: REPARO MANUTENÇÃO SUBSTITUIÇÃO 6

7 1) MANUTENÇÃO As verificações de manutenção incluindo a verificação do óleo, termovisão da conexão primária, medição da capacitância e fator de dissipação podem ser feitos de várias formas dependendo da política da empresa. De forma a suportar essas iniciativas, sessões de treinamento podem ser organizadas pela Trench França nas dependências do cliente. Estratégias de manutenção adicionais incluindo monitoramento online podem ser analisadas Vantagem Verificações simples a serem feitas no site Permite ter uma visão global do parque de equipamentos de buchas e detectar as que estão velhas Limitação Taxa de envelhecimento desconhecida Tempo de vida restante desconhecido 2) RepaRO É possível consertar todos os tipos de buchas, especialmente através da substituição da parte ativa OIP, das gaxetas / anéis de vedação. Vantagem Prazo curto para ter a bucha de volta à operação no caso de buchas fabricadas pela Haefely ou Trench França/Canadá Custo menor comparado com uma nova bucha Limitação Prazo longo caso a bucha não tenha sido fabricada pela Trench/Haefely Transformador fora de serviço durante o ciclo de reparo Tempo de vida restante de outros componentes é difícil de estimar 3) SUBSTITUIÇÃO A Trench mantém a maior parte dos documentos originais incluindo desenhos, listas de componentes e relatórios de testes de antigos fabricantes como: Fibre & Mica, Haefely AG, Bushing Company, Trench UK, Trench Canadá. Com base no design original, a Trench é capaz de propor buchas totalmente intercambiáveis que vão caber exatamente no transformador: os custos de instalação e adaptação serão minimizados por isso. A Trench também é capaz de substituir outras marcas de buchas desde que o desenho ainda esteja disponível. Vantagem Limitação Possibilidade de fabricar uma bucha intercambiável Design de acordo com as normas vigentes e por isso de acordo com os níveis mais elevados requeridos Expectativa de vida útil: 30 anos após a substituição Transformador em operação até que as buchas sejam entregues Prazo mais longo caso a bucha não tenha sido fabricada pela Trench/Haefely Pequenas modificações nas conexões superiores podem ser necessárias 7

8 O Grupo Trench é o seu parceiro na escolha de soluções para transmissão e distribuição de energia elétrica hoje e para o desenvolvimento das suas novas soluções tecnológicas de amanhã. Para mais informações verifique nosso website em ou mande um para

1. TRANSFORMADORES DE CORRENTE Isolamento seco

1. TRANSFORMADORES DE CORRENTE Isolamento seco 1. TRANSFORMADORES DE CORRENTE Isolamento seco 4 INTRODUÇÃO Os transformadores de corrente foram desenhados para reduzir as correntes para valores tratáveis e proporcionais às principais originais. Separam

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Plano Mínimo de Manutenção

Audiência Pública 022/2014. Plano Mínimo de Manutenção Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado Reservado Audiência Pública 022/2014 Plano Mínimo de Manutenção 1/19 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado AP 22/14 Plano de

Leia mais

Transformador de Potencial Indutivo

Transformador de Potencial Indutivo Transformador de Potencial Indutivo Uso externo Isolação a óleo EOF (24 245) kv Descrição geral Os TPs do tipo JOF são utilizados em sistemas de alta tensão entre 24 e 245 kv. Eles transformam níveis elevados

Leia mais

Water Cooled Motor refrigerado à água

Water Cooled Motor refrigerado à água Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Water Cooled Motor refrigerado à água Baixo nível de ruído Fácil manutenção Baixo custo operacional Motores Water Cooled Os motores refrigerados

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

ProLine Tecnologia de Interface. Transmissores de Temperatura para Alta Tensão. ProLine P 44000

ProLine Tecnologia de Interface. Transmissores de Temperatura para Alta Tensão. ProLine P 44000 ProLine Tecnologia de Interface Transmissores de Temperatura para Alta Tensão Medição precisa de temperatura sob altas tensão de até 6,6 kv. Quando é preciso medir temperaturas com termômetros de resistência

Leia mais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão Eng. Alexandre Morais Padrão de Cabine Primária para Entrada e Medição em Média Tensão no Rio

Leia mais

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Conteúdo Treinamento Para raios de Alta Tensão. Overview - O que é? - Para que serve?. Portfólio ABB - Para raios de baixa tensão - Para raios

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO A EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Antes da Revolução Industrial: processos artesanais. A função da manutenção começou a emergir com o advento das primeiras máquinas têxteis (século XVI) Quem projetava a máquina,

Leia mais

PARA RAIOS SURGE ARRESTERS

PARA RAIOS SURGE ARRESTERS PARA RAIOS SURGE ARRESTERS Nexans, líder mundial na indústria de cabos Total de venda de 6,2 bilhões de euros em 201 A mais completa variedade de cabos e sistema de cabeamento Plantas em mais de 40 países

Leia mais

Disjuntores Automáticos Modulares Disjuntores Automáticos modulares 1. Informações gerais

Disjuntores Automáticos Modulares Disjuntores Automáticos modulares 1. Informações gerais Aparelhagem Modular em calha DIN Disjuntores Automáticos modulares. formações gerais. Função Protecção contra correntes de curto-circuito Protecção contra sobreintensidades Corte Isolamento. Selecção Dados

Leia mais

Teste e diagnóstico de cabos

Teste e diagnóstico de cabos Teste e diagnóstico de cabos Para que a corrente flua Conservação com otimização de custos através do diagnóstico de cabos O teste de revestimento e de cabos lhe auxilia na avaliação, se um sistema de

Leia mais

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados.

Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. Transmissores CA/CC Para isolação e conversão de tensões e correntes alternadas senoidais em sinais padronizados. As Vantagens A classe de precisão é de 0,5 não há necessidade de reajustar as faixas comutáveis.

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 57

COMUNICADO TÉCNICO Nº 57 Página 1 de 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 57 ALTERAÇÃO DO PADRÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS PARA LIGAÇÃO DE CLIENTES ATENDIDOS EM MT Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição ELABORADO

Leia mais

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA COELBA INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO LACTEC

COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA COELBA INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO LACTEC 1 COMPANHIA DE ELETRICIDADE DA BAHIA COELBA INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO LACTEC Nova Configuração de Transformador de Distribuição Salvador - Bahia - Brasil NOVA CONFIGURAÇÃO DE TRANSFORMADOR

Leia mais

Problemas de Compatibilidade Eletromagnética Entre Painéis Elétricos Análise de Caso

Problemas de Compatibilidade Eletromagnética Entre Painéis Elétricos Análise de Caso Problemas de Compatibilidade Eletromagnética Entre Painéis Elétricos Análise de Caso (EMField short paper 01-2008) Ricardo L. Araújo*, Leonardo M. Ardjomand e Artur R. Araújo EMField Consultoria em Ensaios

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 22 16 a 21 de Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM

Leia mais

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos

MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL. Utilização Instalação Dados técnicos MANUAL TÉCNICO AQUECEDOR SOLAR SOLETROL Utilização Instalação Dados técnicos Importante Não instale e não use o seu Aquecedor Solar Soletrol antes de ler este manual. Edição 10/2002 APRESENTAÇÃO PARABÉNS!

Leia mais

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia

Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Lista de Exercícios 3 Conversão de Energia Aluno: Turma: 6 Período Professor(a): Geraldo Leão Lana ENSAIOS DE TRANSFORMADORES 1) Por que o ensaio a vazio a realizado no lado de baixa tensão? Quais as medidas

Leia mais

aracterísticas Comuns

aracterísticas Comuns Aspectos con nstrutivos e características DOS TRANSFORMADORES UTILIZADOS EM SUBESTAÇÕES DE ENERGIA aracterísticas Comuns Isolar eletricamente dois circuitos; Ajustar a tensão de saída de um estágio do

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

/sonarengenharia

/sonarengenharia A Sonar Engenharia, empresa atuante nos setores de ELÉTRICA e GÁS, possui em seu quadro profissionais graduados em Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Eletrotécnica e Engenharia de Segurança no Trabalho.

Leia mais

Rolamentos Bipartidos de Rolos Cilíndricos

Rolamentos Bipartidos de Rolos Cilíndricos Rolamentos Bipartidos de Rolos Cilíndricos Soluções em desempenho Variedade de mancais Projetados para alto desempenho Suporte padrão com mancal e rolamento completos Mancal tipo flange Mancal esticador

Leia mais

Soluções para a medição de descargas atmosféricas

Soluções para a medição de descargas atmosféricas Soluções para a medição de descargas atmosféricas PHOENIX CONTACT Ind. Com. Ltda. Rua Francisco Corazza, 20 a 100 Pq. Residencial da Lapa São Paulo/SP CEP: 05038-130 (11) 3871-6400 (PABX) 08.11.2016 phoenixcontact.pt

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil André Luis Pirotello Companhia Paulista de Força e Luz Benedito Edmundo Moura Ferreira

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO smart CCM 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Os Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão, modelo smart CCM são unidades modulares padronizadas, desenvolvidas em conformidade com a norma IEC 61439, garantindo

Leia mais

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality

Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6. Power Quality Chave Seccionadora Abertura Sob Carga Isolada em SF6 Power Quality Introdução As chaves de abertura sob carga isoladas em SF6, modelo JK-Arteche foram projetadas para atender as crescente exigências do

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO PROGRAMA DE EFICIENTIZAÇÃO INDUSTRIAL NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO Prof. TOMAZ NUNES DEE - UFC NORMAS NBR 7094 - Máquinas Elétricas Girantes - Motores de Indução - Especificação. NBR 5031

Leia mais

3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620

3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620 3M Terminal Contrátil a Frio QT-II Série 5620 Corpo Isolador em Borracha de Silicone Classe Tensão 3,6/6 kv a 8,7/15 kv Ambientes Internos Boletim Técnico Março 2014 Descrição do produto Os conjuntos de

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL, 9'6$%(, 1 PALESTRA MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL Alirio Cavalcanti de Brito 17 de novembro de 2004 MONTAGEM COM QUALIFICAÇÃO

Leia mais

SUPRESSOR DE TRANSIENTE E ANTI-SURGE PROFIBUS-DP

SUPRESSOR DE TRANSIENTE E ANTI-SURGE PROFIBUS-DP MANUAL DO USUÁRIO SUPRESSOR DE TRANSIENTE E ANTI-SURGE PROFIBUS-DP SUP303 S U P 3 0 3 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações

Leia mais

Disjuntor Tripolar a Vácuo de MT Série HAF

Disjuntor Tripolar a Vácuo de MT Série HAF Disjuntor Tripolar a Vácuo de MT Série HAF Tensão Nominal (kv) 7,2 12 15 24 Capacidade de interrupção nominal ka Capacidade de estabelecimento ka 80 100 1 80 100 1 80 100 12,5 16 20 0A HAF10414 HAF10514

Leia mais

1. Introdução ao Estudo de Equipamentos Elétricos Os estudos básicos visando à especificação das características dos equipamentos, realizados na

1. Introdução ao Estudo de Equipamentos Elétricos Os estudos básicos visando à especificação das características dos equipamentos, realizados na 1. Introdução ao Estudo de Equipamentos Elétricos Os estudos básicos visando à especificação das características dos equipamentos, realizados na etapa de detalhamento, consistem no estudo de fluxo de potência,

Leia mais

Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados

Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Estudos sobre o desempenho de cadeias de isoladores para redes de distribuição com isoladores quebrados ou perfurados Darcy Ramalho de Mello darcy@cepel.br José Antonio

Leia mais

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE Aula 4 Subestações Definição de Subestação (SE) Uma subestação é o conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é controlar os níveis de tensão

Leia mais

5 Avaliação de desempenho do divisor

5 Avaliação de desempenho do divisor 5 Avaliação de desempenho do divisor Para avaliar o desempenho do divisor foram realizados ensaios de tipo e de rotina no divisor completo e em partes deste, com o objetivo de avaliar sua suportabilidade

Leia mais

Relatório de Análise e Diagnóstico: Folga em Redutor

Relatório de Análise e Diagnóstico: Folga em Redutor PS Soluções Indústria, Comércio, Representações e Consultoria Ltda. Rua Cel. Francisco Braz, 185 sala 303 CEP: 37500-052 Itajubá-MG Brasil Tel./Fax: +55 (35) 3621-1525 http://www.pssolucoes.com.br Relatório

Leia mais

xenergy Painéis TTA até 5000A Novembro, Eaton Corporation. All rights reserved.

xenergy Painéis TTA até 5000A Novembro, Eaton Corporation. All rights reserved. xenergy Painéis TTA até 5000A Novembro, 2011 2011 Eaton Corporation. All rights reserved. Posicionamento Alta Tensão Média Tensão Geração Baixa Tensão 400 690 V Residencial / Comercial Indústria Sistema

Leia mais

Experiência 04 Rigidez Dielétrica de Óleo Mineral

Experiência 04 Rigidez Dielétrica de Óleo Mineral Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 04 Rigidez Dielétrica de Óleo Mineral Fábio

Leia mais

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

OANSE VISUAL, desenvolvido dentro

OANSE VISUAL, desenvolvido dentro ANSE VISUAL Programa Computacional para Análise da Robustez de SEs OANSE VISUAL, desenvolvido dentro do Projeto Institucional 1724, é uma ferramenta para análise da robustez de subestações elétricas (SEs).

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

Relé de disparo extra rápido RJ-4XR4. Manual do usuário

Relé de disparo extra rápido RJ-4XR4. Manual do usuário Relé de disparo extra rápido RJ-4XR4 Manual do usuário 651601452 Rev: V4 Data: 04/11/2013 Electrotécnica Arteche Smart Grid, S.L. DOCUMENTO DE USO RESTRITO. Fica proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Terminais Desconectáveis

Terminais Desconectáveis Terminais Desconectáveis Nexans, líder global em cabos Total de venda de 6,2 bilhões de euros em 2015 A mais completa variedade de cabos e sistema de cabeamento Plantas em mais de 40 países 26.000 funcionários

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Sistema de Isolação e Aterramento IT Médico

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Sistema de Isolação e Aterramento IT Médico Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Sistema de Isolação e Aterramento IT Médico ENERGIA DE QUALIDADE QUANDO VOCÊ MAIS PRECISA O IT Médico WEG é uma solução integrada para

Leia mais

Proteção contra sobretensão e filtro antiparasitário

Proteção contra sobretensão e filtro antiparasitário roteção contra sobretensão e filtro antiparasitário roteção contra sobretensão para alimentação de energia O sistema completo Os equipamentos de proteção da família "compact" oferecem um conceito de instalação

Leia mais

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta:

O Presidente da República usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da Constituição, Decreta: DECRETO Nº 93.412, de 14/10/1986 Revoga o Decreto nº 92.212, de 26 de dezembro de 1985, regulamenta a Lei nº 7.369, de 20 de setembro de 1985, que institui salário adicional para empregados do setor de

Leia mais

Técnicas de Manutenção Eletrônica

Técnicas de Manutenção Eletrônica Técnicas de Manutenção Eletrônica AI32E e ET231 Prof. Dr. Hugo Valadares Siqueira Ementa Parte I Aprendizagem do uso de instrumentos de medição. - Testes em componentes eletrônicos. - Equipamentos eletrônicos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública 022/2014 EMENTA: Obter subsídios para Obter subsídios à proposta

Leia mais

1. Objetivo Estabelecer os procedimentos a serem seguidos na inspeção, ensaios e manutenção em banco de capacitores e seus componentes.

1. Objetivo Estabelecer os procedimentos a serem seguidos na inspeção, ensaios e manutenção em banco de capacitores e seus componentes. 1/7 1. Objetivo Estabelecer os procedimentos a serem seguidos na inspeção, ensaios e manutenção em banco de capacitores e seus componentes. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos de Referência OT-CPFL

Leia mais

Tecnologia de Ozônio EFFIZON evo MAXIMIZE O OZÔNIO. MINIMIZE A ENERGIA

Tecnologia de Ozônio EFFIZON evo MAXIMIZE O OZÔNIO. MINIMIZE A ENERGIA Tecnologia de Ozônio EFFIZON evo MAXIMIZE O OZÔNIO. MINIMIZE A ENERGIA Bem-vindo à nova era em oxidação de ozônio A oxidação com ozônio é um dos métodos mais eficientes e ecologicamente corretos utilizados

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr.

Anexo Técnico de Acreditação Nº L Accreditation Annex nr. Tel +351.212 948 21 Fax +351.212 948 22 Anexo Técnico de Acreditação Nº L318-1 A entidade a seguir indicada está acreditada como Laboratório de Ensaios, segundo a norma NP EN ISO/IEC 1725:25 Endereço Address

Leia mais

LINHA Bt100. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt100

LINHA Bt100. Conjunto de Manobra e Controle de Baixa Tensão. Bt100 LINHA LINHA CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS Dimensões Altura: 2200mm., Largura: 700/900/1100mm., Profundidade: 400/600/800mm. Outras configurações conforme consulta; Estrutura fabricada em chapa de 1,90mm.

Leia mais

Bombas Recirculadoras Submersíveis modelo ABS XRCP

Bombas Recirculadoras Submersíveis modelo ABS XRCP Bombas Recirculadoras Submersíveis modelo ABS XRCP Principais Aplicações Compacta e fácil de manusear, a bomba recirculadora submersível modelo ABS XRCP tem uma ampla gama de aplicações. Seu design é especialmente

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Fevereiro de 2016 Equipamento que transforma energia elétrica

Leia mais

3 Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW)

3 Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW) Boletim Técnico Terminal Contrátil a Frio QTIII Série 7672 S8 (RW) 1- Descrição do produto: O Terminal Contrátil a Frio M MR QTIII 7672-S-8 é um produto que atende os requisitos da norma IEEE 48 classe

Leia mais

Avaliação do isolamento em transformadores de potência

Avaliação do isolamento em transformadores de potência 56 Apoio Manutenção de transformadores Capítulo VI Avaliação do isolamento em transformadores de potência Por Marcelo Paulino* Qualquer máquina ou equipamento elétrico deverá suportar campos elétricos,

Leia mais

ATENGE. Mais confiabilidade para o seu Sistema Elétrico. Serviços em Cabines Elétricas e Subestações de Alta, Média e Baixa Tensão ATENGE

ATENGE. Mais confiabilidade para o seu Sistema Elétrico. Serviços em Cabines Elétricas e Subestações de Alta, Média e Baixa Tensão ATENGE www.atenge.com Serviços em Cabines Elétricas e Subestações de Alta, Média e Baixa Tensão ATENGE Serviço Especializado de Manutenção Elétrica SOROCABA SÃO PAULO - BRASIL ATENGE Mais confiabilidade para

Leia mais

Fornecimento de Energia Elétrica

Fornecimento de Energia Elétrica Fornecimento de Energia Elétrica 1 Objetivos Análise da constituição de sistemas de potência Normas para fornecimento de energia elétrica Características gerais do fornecimento de energia elétrica Esquemas

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial VIII.3 - TRANFORMADOR DE OTENCIAL (T) VIII.3.1 - GENERALIDADE A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. - ITEMA + ITEMA I + - RT + - I Z Figura VIII.7 - Transformador

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

Utilizados para instalações de baixa tensão em edifícios residenciais, comerciais e também em instalações industriais.

Utilizados para instalações de baixa tensão em edifícios residenciais, comerciais e também em instalações industriais. Série FAZ Disjuntor e Interruptor para baixa tensão Utilizados para instalações de baixa tensão em edifícios residenciais, comerciais e também em instalações industriais. Potência para os negócios no mundo

Leia mais

Marcelo Fabiano Latini* Juan Carlos Henning José Simão Filho (ITAIPU) Alan Françoi S.Levy (CEPEL)

Marcelo Fabiano Latini* Juan Carlos Henning José Simão Filho (ITAIPU) Alan Françoi S.Levy (CEPEL) GGH / 14 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA (GGH) MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS EM HIDROGERADOR DA USINA DE ITAIPU UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência SEL-0437 Eficiência Energética Correção do Fator de Potência Prof. José Carlos de Melo Vieira Júnior E-mail: jcarlos@sc.usp.br 1 Introdução Fator de potência: É possível quantificar numericamente as discrepâncias

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

ARC 600 & 1200 LÂMPADA LED PARA ÁREAS CLASSIFICADAS

ARC 600 & 1200 LÂMPADA LED PARA ÁREAS CLASSIFICADAS ARC 600 & 1200 LÂMPADA LED PARA ÁREAS CLASSIFICADAS Autor: Barel AS Rev 8 Data: 14/01/2016 Barel AS 9917 Kirkenes Noruega www.barel.no ÍNDICE: 1 APLICAÇÕES... 2 2 APROVAÇÕES... 2 3 DADOS TÉCNICOS... 3

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

Sem data Sheet online FLOWSIC30 MEDIDOR DE GÁS

Sem data Sheet online FLOWSIC30 MEDIDOR DE GÁS Sem data Sheet online FLOWSIC30 A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Informações do pedido Tipo FLOWSIC30 Nº de artigo A pedido As especificações de dispositivo e os dados de desempenho exatos do produto

Leia mais

Proteção de sistema contra falha de isolamento Três níveis de sensibilidade: 100/300/500mA Conformidade IEC , EN , IEC

Proteção de sistema contra falha de isolamento Três níveis de sensibilidade: 100/300/500mA Conformidade IEC , EN , IEC Proteção de sistema contra falha de isolamento Três níveis de sensibilidade: 100/300/500mA Conformidade IEC 60947-2, EN60947-2, IEC 61009-1 ELCB - Disjuntor Diferencial Residual Os disjuntores Diferencial

Leia mais

As 7 razôes pelas quais e boa ideia comprar motores Siemens Siemens AG All Rights Reserved.

As 7 razôes pelas quais e boa ideia comprar motores Siemens Siemens AG All Rights Reserved. As 7 razôes pelas quais e boa ideia comprar motores Siemens Motores Eléctricos Siemens: Os 7 Argumentos 1. Robustez 2. Economia real de energia eléctrica 3. Para cargas pesadas 4. Para ser accionado por

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

Implementação de um Sistema de Medição de Capacitância e Tangente Delta em Geradores e Motores Elétricos

Implementação de um Sistema de Medição de Capacitância e Tangente Delta em Geradores e Motores Elétricos Implementação de um Sistema de Medição de Capacitância e Tangente Delta em Geradores e Motores Elétricos Hélio Amorim, André Tomaz, Thiago Baptista, João Borges, Caio Fleming CEPEL - Centro de Pesquisas

Leia mais

Ensaios em pára-raios

Ensaios em pára-raios IX Ensaios em pára-raios Os pára-raios ao serem instalados nos sistemas elétricos, estarão submetidos durante a sua vida útil a condições climáticas e a fenômenos transitórios adversos ao seu princípio

Leia mais

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares 40 De modo geral, as cargas são agrupadas em um transformador de distribuição, que, desse modo, passa a fornecer energia para vários consumidores. Cada consumidor apresenta uma curva de demanda similar

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

Pesquisa & Desenvolvimento

Pesquisa & Desenvolvimento Pesquisa & Desenvolvimento O Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) na AES Sul é uma importante ferramenta para a companhia promover melhorias contínuas na prestação do serviço, com a qualidade e

Leia mais

Aula 20. Chaves fusíveis Dispositivo eletromecânico capaz de interromper a corrente no. Proteção de Sistemas Elétricos (PSE)

Aula 20. Chaves fusíveis Dispositivo eletromecânico capaz de interromper a corrente no. Proteção de Sistemas Elétricos (PSE) Proteção de Sistemas Elétricos Aula 20 Proteção de Transformadores e Alimentadores Através s de Chaves Fusíveis 11/11/2008 1 Chaves fusíveis Dispositivo eletromecânico capaz de interromper a corrente no

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM BUCHA DE PASSAGEM CAPACITIVA 250 A e 630 A MODELO BPDE

MANUAL DE MONTAGEM BUCHA DE PASSAGEM CAPACITIVA 250 A e 630 A MODELO BPDE MANUAL DE MONTAGEM BUCHA DE PASSAGEM CAPACITIVA 250 A e 630 A MODELO BPDE VERSÃO: JUL 07 / JAN 11 / JUN 13 ELOS Eletrotécnica Ltda. Rua Joinville, 3670 83.020-000 São José do Pinhais (Curitiba) PR BRASIL

Leia mais

CONFIABILIDADE TURBOMAQUINAS

CONFIABILIDADE TURBOMAQUINAS Pg. 1 CONFIABILIDADE TURBOMAQUINAS MANUTENÇÃO CENTRADA NA CONFIABILIDADE 2016 Pg. 2 Conceito Confiabilidade: é a probabilidade do equipamento desempenhar sua função, dentro de condições de operação especificadas,

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA XCSL240C

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA XCSL240C FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA (Input: 90~132Vac / 185~264Vac - Selecionável) (Output: 24Vdc/10A) XCSL240C Manual do usuário Fonte de Alimentação Chaveada MAN-PT-DE-XCSL240C Rev.: 1.00-12 Introdução Obrigado

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de corrente MT e de 60 KV Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Setembro

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Catálogo Monitemp Plus - rev5. Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados. Produtos Certificados!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Catálogo Monitemp Plus - rev5. Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados. Produtos Certificados! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp Plus - rev5 Produtos Certificados! 105.3 O Monitor de Temperatura MoniTemp

Leia mais

Sem data Sheet online MCS100E CD SOLUÇÕES CEMS

Sem data Sheet online MCS100E CD SOLUÇÕES CEMS Sem data Sheet online MCS100E CD A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Informações do pedido Tipo MCS100E CD Nº de artigo A pedido As especificações de dispositivo e os dados de desempenho exatos do produto

Leia mais

CARREGADOR DE BATERIA CHARGER 250E

CARREGADOR DE BATERIA CHARGER 250E CARREGADOR DE BATERIA CHARGER 250E *Imagens meramente ilustrativas Manual de Instruções www.v8brasil.com.br Prezado Cliente Este Manual tem como objetivo orientá-lo na operação e informações gerais de

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor Leonardo Gonsioroski Sistemas Elétricos Pode-se dizer que os sistemas elétricos são divididos em 4 grandes

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT/MT Características complementares Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão:

Leia mais

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp Principais características: Inserção do tipo mandíbula Pode ser entregue a prova de falha ou a favor do rompimento Reduz vibrações Materiais: EN-GJL-250 (GG-25) Alta resistência ao desgaste Desenho compacto

Leia mais

Energia Eólica: a visão dos promotores

Energia Eólica: a visão dos promotores Energia Eólica: a visão dos promotores António Lobo Gonçalves Administrador Delegado da EDP Renováveis Portugal Evolução do Sector Eólico em Portugal A potência eólica instalada em Portugal evoluiu ao

Leia mais

Testes de cabos. Introdu o

Testes de cabos. Introdu o Introdu o Um sistema de traceamento térmico elétrico completo tipicamente inclui os seguintes componentes: 1. Cabo de 5 traceamento térmico elétrico 1 (autorregulável, 4 6 com limitação de potência, potência

Leia mais

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis.

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis. Analisador de marcapassos cardíacos "Com as condições ilustradas foi possível perceber que o programa desenvolvido em plataforma LabVIEW, com auxílio da interface para entrada e saída de sinais analógicos

Leia mais

DISJUNTORES. Funções. b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 1P. Disjuntores. 2P Disjuntores.

DISJUNTORES. Funções. b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 1P. Disjuntores. 2P Disjuntores. 5 ka 127/230 V - 3 ka 230/400 V NOVIDADE NOVIDADE NOVIDADE DISJUNTORES b Proteção contra curtos-circuitos b Proteção dos cabos contra sobrecargas 2 A - EZ9F33102 4 A - EZ9F33104 6 A EZ9F13106 EZ9F33106

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL/UFRGS Nº 002/12 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO TALESUN TP672M 295 Solicitante: MES ENERGIA SOLUÇÕES EM ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS LTDA.

Leia mais

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores

Luminárias Outdoor. UrbanStep. Iluminando o futuro. Segurança para os moradores Luminárias Outdoor UrbanStep Iluminando o futuro Segurança para os moradores Oferecendo para você a melhor relação custo-benefício em iluminação viária. Com design otimizado para uso em vias públicas e

Leia mais