AULA 4 PROTEÇÃO DE GERADORES RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 4 PROTEÇÃO DE GERADORES RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1"

Transcrição

1 AULA 4 PROTEÇÃO DE GERADORES RAFAEL DE OLIVEIRA RIBEIRO 1

2 A máquina síncrona, operando como gerador é um equipamento vital ao sistema elétrico. 2

3 Sua capacidade de geração limita a demanda que pode ser suprida. O sistema elétrico é mantido por poucos geradores, sendo que sua carga está distribuída em milhares de pontos. 3

4 Sendo o gerador um equipamento complexo, o qual possui peças girantes, está sujeito a maiores riscos. 4

5 A máquina síncrona, acoplada ao sistema elétrico, está sujeita a diversos tipos de perturbações provenientes de: Sistema elétrico Da própria máquina síncrona (armadura/rotor) Da máquina primária 5

6 As perturbações no sistema elétrico são decorrentes da: Retirada súbita de cargas Inserção de cargas pesadas Retirada súbita de geração Curtos-circuitos 6

7 As perturbações no sistema elétrico são decorrentes da: Sobrecargas Abertura de fase Cargas fortemente desequilibradas Descargas atmosféricas 7

8 As perturbações na máquina síncrona na armadura: Falha de isolação entre espiras Falha na isolação entre bobinas e carcaça Movimentação das espiras devido às forças elétricas e magnéticas, provocadas pelas correntes de curto-circuito 8

9 As perturbações na máquina síncrona na armadura: Aquecimento nas bobinas e materiais do estator Não equalização de campos elétricos e magnéticos no material do núcleo da armadura 9

10 As perturbações na máquina síncrona na rotor: Falha na isolação entre espiras Falha na isolação entre bobinas e a carcaça Movimentação das espiras devido às forças elétricas e magnéticas, provocadas pelas correntes de curto-circuito 10

11 As perturbações na máquina síncrona na rotor: Movimentação das espiras, devido a força centrífuga provocada pela sobre velocidade do rotor Aquecimento nas bobinas e material do rotor Abertura de espiras 11

12 As perturbações na máquina síncrona na rotor: Perdas de campo (excitação) Problemas mecânicos e de aquecimento dos mancais do rotor Problemas na escova 12

13 Problemas nos serviços auxiliares: Problemas nos equipamentos que compõem os serviços auxiliares, próprios para operação e regulação da máquina, afetam as condições de operação do gerador síncrono. 13

14 Problemas na máquina primária: Problemas em qualquer componente vital, principalmente nas turbinas, comprometem a operação do conjunto de geração. Problemas decorrentes da vibração ou movimentos anômalos das palhetas nas turbinas. 14

15 A seguir um levantamento estatístico de taxas de falhas dos equipamentos de uma usina hidrelétrica. EQUIPAMENTO PERCENTUAL DE FALHAS Gerador 28,73% Regulador de Velocidade 21,28% Turbina Hidráulica 12,23% Excitação 10,10% Adução/Sucção 8,51% Mancal 13,30% Serviço Auxiliar 4,25% Quadro de Comando 1,60% 15

16 A proteção utilizada no gerador síncrono é, principalmente, devido a: Curto-circuito Entre espiras Entre fases Fase e carcaça trifásico 16

17 A proteção utilizada no gerador síncrono é, principalmente, devido a: Falha de Funcionamento Perda de excitação Carga desequilibrada Sobre velocidade Vibração 17

18 A proteção utilizada no gerador síncrono é, principalmente, devido a: Falha de Funcionamento Sobrecarga Sobretensão 18

19 Visando cobrir todos os defeitos e demais anormalidades, as proteções mais utilizadas em geradores síncronos são: Proteção de Sobrecorrente (50,51) Proteção Diferencial (87) 19

20 Proteção de Subtensão (27) Proteção de Sobretensão (59) Proteção de Sequência Negativa (46) 20

21 Proteção de Imagem Térmica (49) É um relé que opera quando a temperatura do enrolamento da armadura, de outro enrolamento ou elemento da máquina, sujeito à sobrecarga de uma máquina, excede um valor predeterminado. Esta função é própria para sinalizar o nível de sobrecarga de um equipamento elétrico. 21

22 Proteção de Perda de Excitação (40) É um relé que opera com a ocorrência de falha (curtocircuito) ou com um valor anormalmente baixo da corrente de campo de uma máquina síncrona, ou por um valor excessivo da componente reativa da corrente de armadura da máquina síncrona. 22

23 Proteção Direcional de Potência (32) É um relé que opera num valor desejado do fluxo de energia numa dada direção. Proteção de Frequência (81) É um relé que opera quando a variação na frequência do sistema. Pode ser de subfrequência ou sobrefrequência. 23

24 Proteção de Perda de Sincronismo (78) É o relé de medição de ângulo de fase ou de proteção fora de fase atuando quando o ângulo entre duas tensões ou entre duas correntes, excede um valor predeterminado. 24

25 Proteção de Balanço de Tensão (60) É o relé que opera quando a diferença de tensão de dois circuitos ultrapassar um valor pré-ajustado. Este relé é usado principalmente para detectar a perda do sinal de tensão dos circuitos de proteção ou controle alimentados por TPs. 25

26 Proteção de Terra Ground (64) É o relé que opera qundo da ocorrência de uma falha do isolamento contra a terra de uma máquina, transformador ou de outro equipamento ou sob arco elétrico a terra de uma máquina de CC. Estes relés podem ser por corrente ou por tensão, para a sua identificação, os diagramas devem indicar se são alimentados por TC ou TP. 26

27 Proteção de Terra Ground (64) A função 64R designa proteção à terra do rotor enquanto a função 64S designa proteção à terra da bobina de armadura da máquina síncrona. 27

28 Proteção de balanço de corrente (61) É um relé que opera quando uma dada diferença de corrente de entrada ou saída de dois circuitos, ultrapassar um valor pré-ajustado. Esta função é muito utilizada na proteção de banco de capacitores e em enrolamentos de mesma fase de geradores síncronos. 28

29 Proteção de mancal (38) É um dispositivo que funciona quando a temperatura do mancal do eixo da máquina for excessiva ou sob outras condições mecânicas anormais, associadas ao mancal, tais como desgaste indevido, que resulta em excessivo aumento da temperatura do mancal. 29

30 Proteção contra vibrações (39) É um dispositivo que funciona quando da ocorrência de uma condição mecânica anormal (exceto a associada com mancais na forma abrangida pela função 38) tal como excessiva vibração, excentricidade, expansão, choque, inclinação ou falha de vedação. 30

31 Diagrama unifilar de uma unidade geradora que sofre um curto-circuito. As correntes de curto-circuito I G e I S, que alimentam o defeito em F, são provenientes dos 2 lados, isto é, do gerador síncrono e do sistema elétrico conectado à barra. 31

32 32

33 O sistema de proteção existente abre primeiro o disjuntor 52 e portanto momentaneamente a nova configuração passa a ser: 33

34 Na figura anterior, o estado aberto do disjuntor 52 está assinalado me negrito, sendo que a partir do instante de sua abertura o sistema elétrico não contribui mais com a corrente de curto-circuito. Porém como o gerador está excitado e girando, o curtocircuito continua sendo alimentado pela máquina síncrona. 34

35 Deste instante em diante, a corrente de curto-circuito proveniente da máquina se extingue gradualmente (lentamente) devido a existência no rotor de magnetismo remanescente. Dependendo do porte da máquina síncrona, a corrente se extingue na faixa de 5 s a 10 s. 35

36 Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Na bobina (enrolamento) da armadura são induzidas as tensões elétricas, sendo que defeitos em algum ponto das espiras provocarão correntes de curto-circuito. 36

37 Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Na figura a seguir representa um gerador síncrono operando a vazio, com as bobinas da armadura conectadas em Y, e aterrado no neutro por uma impedância Z N. Neste gerador o defeito pode ocorrer a p% do enrolamento da bobina do estator. 37

38 Curto-circuito Trifásico: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Supondo a ocorrência de um defeito trifásico a p% a partir de neutro (N) da bobina do estator, conforme figura. 38

39 Curto-circuito Trifásico: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Como o curto-circuito trifásico é equilibrado, tem-se somente a representação do modelo de sequência positiva. Assim: I CC3 p% = pe px G = E X G = I cc3 Para o curto-circuito trifásico, a corrente independe do ponto da bobina do estator em que ocorreu o defeito e tem o mesmo valor no terminal da máquina síncrona, isto é, a 100% do enrolamento. 39

40 Curto-circuito Bifásico: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Para o curto-circuito bifásico, supondo ter ocorrido num ponto a p% das bobinas do estator das fases B e C, tem-se os modelos de sequência positiva e negativa conectados em paralelo. 40

41 Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono A intensidade da corrente de curto-circuito bifásica depende do tipo de rotor da máquina síncrona, qual pode ser: Máquina síncrona de rotor liso (neste caso XG = X2 I cc2 = 3 2 E X G Máquina síncrona de rotor saliente (neste caso XG X2 I cc2 = 3 E X G + X 2 41

42 Curto-circuito Bifásico: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Portanto, pode-se concluir que o valor da corrente de curto-circuito bifásica é o mesmo e independe da localização do ponto de defeito no enrolamento da bobina do estator (armadura). 42

43 Curto-circuito monofásico à terra: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono A ocorrência de um curto-circuito monofásico para a terra (carcaça), em um ponto p% do enrolamento da bobina do estator é apresentado a seguir. 43

44 Curto-circuito monofásico à terra: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Apresenta-se uma máquina síncrona genérica, que está aterrada por uma impedância Z N. A máquina pode apresentar a impedância do aterramento com os seguintes valores: Zero, ou seja, solidamente aterrada. Não muito elevada, com objetivo de apenas limitar a corrente de defeito a uma valor considerado. Muito elevada, para limitar consideravelmente a corrente de defeito. Infinita, isto é, sem aterramento. 44

45 Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Máquina síncrona solidamente aterrada (independe local defeito): I cc1 terra = 3E X G + X 2 + X 0 Máquina síncrona aterrada com uma impedância de valor elevado, tal que ZN >>> (XG+X2+X0) (depende do local defeito) I cc1 terra = pe Z N 45

46 Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono Como a corrente de curto-circuito à carcaça depende do ponto de defeito, as espiras iniciais mais próximas do neutro não ficarão cobertas pela proteção diferencial (87). Isto ocorre porque as correntes de defeito menores que o ajuste do relé 87 não serão eliminadas. Dependendo da máquina síncrona e da impedância de aterramento, por exemplo, um percentual de 5% a 10% da bobina da armadura pode ficar sem proteção. Portanto necessita-se de outros esquemas de proteção para cobrir esses trechos. 46

47 Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono 47

48 Curto-circuito entre espiras: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono A figura a seguir mostra o caso em que um curto-circuito ocorre entre espiras de uma bobina da armadura da máquina síncrona. 48

49 Curto-circuito entre espiras: Curto-circuito na bobina da armadura do Gerador Síncrono O trecho de espiras em curto-circuito pode ser interpretado como correspondendo a um pequeno gerador, separado do gerador principal. Nesse caso, o curto-circuito é do tipo monofásico para a carcaça e os circuitos de sequência estão conectados em série. 3E I CC entre espiras = X G + X 2 + X 0 Portanto, a corrente de curto-circuito entre espiras independerá do local do defeito e terá o mesmo valor do curto-circuito monofásico a terra da máquina síncrona solidamente aterrada. 49

50 Trecho não Protegido pela Proteção 87 Com objetivo de limitar a corrente de curto-circuito à terra, para que os danos sejam minimizados, as máquinas síncronas devem operar com uma impedâncias conectada ao neutro. Esse procedimento prejudica a proteção diferencial que não cobre mais 100% das espiras do enrolamento da armadura. O trecho não protegido é devido ao valor da corrente de ajuste no relé 87, isto é, ao I ajuste do relé

51 Trecho não Protegido pela Proteção 87 A corrente de defeito monofásico à carcaça, na bobina da armadura da máquina síncrona, é dada por: I cc1 terra = pe Z N O trecho desprotegido é limitado pela corrente de defeito, a qual é igual a corrente de ajuste do relé 87, isto é: I cc1 terra = pe Z N = I ajuste 87 RTC 51

52 Trecho não Protegido pela Proteção 87 Assim: Como p = Z N E RTC I ajuste 87 E = V L 3 O trecho desprotegido é calculado por: p = 3 Z N V L RTC I ajuste 87 52

53 Proteção Contra Falhas entre Espiras A proteção diferencial (87) não é sensível para defeitos entre espiras. Isto ocorre porque as correntes de entrada e saída nos TCs são iguais. Para obter-se a proteção entre espiras, utiliza-se uma proteção diferencial especial, chamada função 61, a qual pode ser realizada por vários relés, e que depende do porte do gerador e do esquema adotado. Função ANSI 61 Relé de balanceamento de corrente É um relé que opera quando uma dada diferença de corrente de entrada ou saída de dois circuitos, ultrapassar um valor pré-ajustado. Esta função é muito utilizada na proteção de banco de capacitores e em enrolamentos de mesma fase de geradores síncronos. 53

54 Relé de Sobreexcitação do Gerador Síncrono O fluxo magnético máximo no interior do núcleo do transformador ou na estrutura da máquina síncrona é diretamente proporcional ao termo V/f, isto é: φ máximo V f Portanto, sob frequência nominal, um aumento na tensão, provoca um aumento no fluxo magnético, produzindo um aquecimento não desejado no núcleo do transformador ou da máquina síncrona. 54

55 Relé de Sobreexcitação do Gerador Síncrono Os transformadores e geradores síncronos dependendo da tecnologia e dos materiais empregados na sua fabricação, os mesmos apresentam uma curva de danos em relação ao excesso de fluxo magnético, ou seja, elevada relação de V/Hz. Como os modernos relés digitais tem o recurso de personalizar curvas de atuação, pode-se ajustar uma curva de atuação que seja uma réplica da curva de dano do transformador ou gerador síncrono, deslocada para baixo em torno de 20%. 55

56 DÚVIDAS? 56

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana)

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) OBJETIVOS Compreender os princípios básicos de funcionamento

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 6.1 Máquinas Síncronas Prof. João Américo Vilela Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo VI CIRCUITOS POLIFÁSICOS Sistema Monofásico a 3 Condutores O sistema possui duas fontes de tensão iguais: 2 Sistema Monofásico a 3 Condutores Considerando o circuito

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição)

Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia Elétrica Disciplina: Conversão da Energia Lista de Exercícios 2 (Fonte: Fitzgerald, 6ª. Edição) 5.3) Cálculos

Leia mais

Dispositivos de proteção

Dispositivos de proteção Dispositivos de proteção Conceitos básicos e aplicações Giovanni Manassero Junior Depto. de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Escola Politécnica da USP 14 de março de 2013 EPUSP Giovanni Manassero

Leia mais

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 4: Transformadores de potência. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 4: Transformadores de potência Exercícios 4.1 Um transformador monofásico de dois enrolamentos apresenta os seguintes valores nominais: 20 kva, 480/120 V,

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial

A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. Figura VIII.7 - Transformador de Potencial VIII.3 - TRANFORMADOR DE OTENCIAL (T) VIII.3.1 - GENERALIDADE A Figura VIII.7 representa, esquematicamente, o transformador de potencial. - ITEMA + ITEMA I + - RT + - I Z Figura VIII.7 - Transformador

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Método LIDE - Máquinas Elétricas 1 Método LIDE - Máquinas Elétricas Sumário 1. Ligação dos motores de indução trifásico (MIT)... 3 1.1. Ligação de Motores de Indução

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

campo em 2 A e a velocidade em 1500 rpm. Nesta condição qual o valor do torque

campo em 2 A e a velocidade em 1500 rpm. Nesta condição qual o valor do torque Um alternador síncrono de pólos lisos possui quatro pólos, está ligado em estrela e apresenta potência nominal igual a 20kVA. Em vazio a tensão entre os terminais é igual a 440 V, quando o rotor da máquina

Leia mais

26/11/ Agosto/2012

26/11/ Agosto/2012 26/11/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/11/2012 2 Motores Elétricos Conceitos Motor elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. É o mais usado de todos os tipos de

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização;

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; 1 Motores de Alto Rendimento - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; - Mais cobre nos enrolamentos, diminuindo as perdas por efeito Joule; - Alto fator de

Leia mais

Curto-Circuito. cap. 5

Curto-Circuito. cap. 5 Curto-Circuito cap. 5 1 Curto-Circuito Fundamental no dimensionamento da proteção; Baseada no conhecimento do valor das impedâncias; Provocadas por perdas na isolação; Atinge valores de 10 a 100 vezes

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO PROGRAMA DE EFICIENTIZAÇÃO INDUSTRIAL NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO Prof. TOMAZ NUNES DEE - UFC NORMAS NBR 7094 - Máquinas Elétricas Girantes - Motores de Indução - Especificação. NBR 5031

Leia mais

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série

Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt Auto- Excitado e Série Ensaio 6: Característica de Tensão-Carga de Geradores CC: Excitação Independente, Shunt uto- Excitado e Série 1. Objetivos Os objetivos desse ensaio são: a) Construir a curva característica de tensão-carga

Leia mais

1. Sistemas Trifásicos

1. Sistemas Trifásicos Sistemas Elétricos de Potência 1. Sistemas Trifásicos Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível em: http://paginapessoal.utfpr.edu.br/raphaelbenedito

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144 [1] Introdução Os indicadores analógicos de potência modelo EW (potência ativa - watts) ou EV (potência reativa vars) tem por finalidade a medição da potência de um determinado circuito com forma de onda

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; frequência nominal; potência ou

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Condutores Elétricos. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito -É assim chamado todo material que possui a propriedade de conduzir ou transportar energia elétrica. -Os condutores devem ser analisados sobre seguintes aspectos.

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

Contatores e combinações de contatores

Contatores e combinações de contatores Dispositivo /06/0 :8 Page 86 es e combinações de contatores es para manobra de motores es 3RT Schütze und Schützkombinationen s a S2 Circuito auxiliar Dados nominais dos contatos auxiliares conforme IEC

Leia mais

Neste capítulo, o assunto abordado será pertinente à proteção de motores elétricos empregados na média tensão.

Neste capítulo, o assunto abordado será pertinente à proteção de motores elétricos empregados na média tensão. PROTEÇÃO DE MOTOR 1 PROTEÇÃO DE MOTOR 1 - INTRODUÇÃO Neste capítulo, o assunto abordado será pertinente à proteção de motores elétricos empregados na média tensão. Os diversos dispositivos utilizados tem

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica.

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Ímã: Princípios de Eletromecânica Ímã é um objeto formado por material ferromagnético que apresenta um campo magnético à sua volta.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 1. Funções e Características - Interface totalmente em português. - Possui um eficaz sistema de medição de fator de potência da onda fundamental, o que

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Exercícios Teórico-práticos (Transformadores de potência) 3.º Ano, 1.º Semestre 2007-2008 1. Desenhe o diagrama vectorial de um transformador monofásico em carga,

Leia mais

Motores Elétricos. Conteúdo. 1. Motor Síncrono 2. Motor Assíncrono 3. Motor CC

Motores Elétricos. Conteúdo. 1. Motor Síncrono 2. Motor Assíncrono 3. Motor CC Motores Elétricos Conteúdo 1. Motor Síncrono 2. Motor Assíncrono 3. Motor CC Motores Elétricos 2 1.0 MOTOR SÍNCRONO Os motores síncronos são motores de velocidade constante e proporcional com a frequência

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CRITÉRIOS PARA IDENTIFICAÇÃO E SIMBOLOGIA OPERACIONAL DE UNIDADES E EQUIPAMENTOS DO SISTEMA ELÉTRICO DA CEB-D 1ª EDIÇÃO JANEIRO - 2014 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 09

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 09 8 PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 09 QUESTÃO 21: Você vai fazer uma medida de tensão continua de 250V no painel de máquina, usando um multímetro. Qual é a escala correta a ser selecionada? a) 200

Leia mais

Eletricista de Instalações

Eletricista de Instalações Eletricista de Instalações UFCD 1183- Variadores de velocidade - instalação e ensaio 2014/ 2015 Aperfeiçoamento nos métodos de produção e sua racionalização, mediante a automação e o controle os processos.

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FEELT FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CLÁUDIO JOSÉ DE OLIVEIRA JÚNIOR MÁQUINAS SÍNCRONAS (2º RELATÓRIO PARALELISMO DE ALTERNADORES) UBERLÂNDIA MG 2013 INTRODUÇÃO O paralelismo

Leia mais

Motores Elétricos Trifásicos para Uso com Inversor

Motores Elétricos Trifásicos para Uso com Inversor Motores Elétricos Trifásicos para Uso com Inversor Motores Elétricos Trifásicos para Uso com Inversor de requência Vantagens da inha de Motores para Uso com Inversor lasse de Isolamento, com elevação de

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS E DISPOSITIVOS DE ACIONAMENTOS CAPÍTULO 07

MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS E DISPOSITIVOS DE ACIONAMENTOS CAPÍTULO 07 MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS E DISPOSITIVOS DE ACIONAMENTOS CAPÍTULO 07 2 7.1 Introdução O motor de indução trifásico apresenta relativa vantagem com relação ao monofásico, já que possui partida mais

Leia mais

ATUAÇÃO DE PROTEÇÃO DE SOBRECORRENTE DEVIDO FALTAS A TERRA EM SISTEMAS ISOLADOS

ATUAÇÃO DE PROTEÇÃO DE SOBRECORRENTE DEVIDO FALTAS A TERRA EM SISTEMAS ISOLADOS GSI Nº: ART055-09 - CD 382-09 ATUAÇÃO DE PROTEÇÃO DE SOBRECORRENTE DEVIDO FALTAS A TERRA EM SISTEMAS ISOLADOS João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Eletricidade Moderna - Ano XXVII, nº 302 - Maio

Leia mais

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos?

Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercícios Exercício 1) Como são chamados os pequenos volumes magnéticos formados em materiais ferromagnéticos? Exercício 2) Em um átomo, quais são as três fontes de campo magnético existentes? Exercício

Leia mais

Aula 2 por fase e Sistema pu

Aula 2 por fase e Sistema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Proteção de istemas Elétricos Aula Análise por fase e istema pu Proteção de istemas Elétricos (PE) Análise por fase e diagrama unifilar No estudo do RP do EE, utiliza-se

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Kathiane Queiroz INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Kathiane Queiroz Esquemático Simplificado Instalação residencial 3-Medidor 1-levantamento das potências (cargas) a serem instaladas na residência. NT-001 NT-001 Potência Total instalada

Leia mais

ROTEIRO DE LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

ROTEIRO DE LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Fundação Universidade Federal de Rondônia UNIR Núcleo de Tecnologia NT Departamento de Engenharia Elétrica DEE Bacharelado em Engenharia Elétrica ROTEIRO DE LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Docente: M.Sc.

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS. Rubens Zenko Sakiyama Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá

6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS. Rubens Zenko Sakiyama Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá 6661 CIRCUITOS MAGNÉTICOS ENSAIOS Rubens enko Sakiyama rubens@deq.uem.br Departamento de Engenharia Química Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO Dois ensaios são utilizados para determinar os parâmetros

Leia mais

Ensaios em Transformadores

Ensaios em Transformadores O ensaio de curto-circuito é usado para obter a impedância equivalente em série R eq + j X eq. O curto-circuito é aplicado ao secundário do transformador e a tensão reduzida, ao primário. Joaquim Eloir

Leia mais

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida [1] Introdução O Medidor TKE-120 é um instrumento para instalação em fundo de painel, que permite a medição do consumo de energia ativa (Wh) ou reativa (VArh) em sistemas de corrente alternada (CA). Possui

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Avaliação do comportamento dinâmico de sistemas de geração distribuída

Avaliação do comportamento dinâmico de sistemas de geração distribuída Avaliação do comportamento dinâmico de sistemas de geração distribuída Jorge Luiz Jacopetti e Silva 1, José Luiz Pereira da Silva 2, Robson Almir de Oliveira 1, Robson C. K. de Oliveira 2, Suzana Mensch

Leia mais

Ensaio da Máquina Síncrona

Ensaio da Máquina Síncrona Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Sistemas Electromecânicos Ensaio da Máquina Síncrona Laboratório de Máquinas Eléctricas 2005 Índice Ensaio da Máquina Síncrona...3. Objectivos...3

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Potência WA / RA / WR

MANUAL DO USUÁRIO. Transdutor de Potência WA / RA / WR MANUAL DO USUÁRIO WA / RA / WR Revisão 1.1 Junho/2012 Índice Capítulo Página Introdução 3 Termo de Garantia 3 Características Técnicas 4 Esquemas de Ligação 6 Transdutor 1 elemento 2 Fios WA ou RA 6 Transdutor

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

CFM - Descrição técnica de motor sem escova

CFM - Descrição técnica de motor sem escova CFM - Descrição técnica de motor sem escova Motor elétrico sem escova (BLDC motors, BL motors) também conhecido como motor eletronicamente comutada (EC motors) são motores síncronos que são alimentadas

Leia mais

Experiência 03: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos

Experiência 03: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

LABORATÓRIO INTEGRADO III

LABORATÓRIO INTEGRADO III FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO INTEGRADO III Experiência 03: Ensaio de Vazio e Curto em Transformadores Trifásicos Prof. Norberto Augusto Júnior USJT

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

Conexão plug-in / Relé para circuito impresso

Conexão plug-in / Relé para circuito impresso Conexão plug-in / Relé para circuito impresso nominal contatos Características Bases Conexão plug-in / Relé circuito impresso Série 30 Série 32 Série 34 2 A 2 reversíveis 0.1 A 1 saída 2 A (SSR) Relé miniatura

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Excitação CA Os circuitos magnéticos dos transformadores e das máquinas CA são excitados por fontes CA. Com excitação CA, a indutância influi no comportamento do regime permanente. Joaquim Eloir Rocha 1 Com excitação

Leia mais

Modelo CSL de 15kV e 20kV Seccionador Unipolar

Modelo CSL de 15kV e 20kV Seccionador Unipolar Modelo CSL de 15kV e 20kV Seccionador Unipolar Documento sujeito a alterações. Moving together 2 1. PLICÇÕES 1. PLICÇÕES s chaves a óleo tipo CSL são projetadas para chaveamento de banco de capacitores,

Leia mais

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores

Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Objetivos da aula Atividade prática Partida triângulo + cálculos para motores Partir motores de indução trifásicos; Entender a ligação triângulo e seus conceitos básicos; e Cálculos úteis para motores.

Leia mais

Cap. 9 - Medição de Potência Ativa CC Cap. 10 Medição de Potência Ativa CA

Cap. 9 - Medição de Potência Ativa CC Cap. 10 Medição de Potência Ativa CA Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 9 - Medição de Potência Ativa CC Cap. 10 Medição de Potência Ativa CA Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com

Leia mais

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Indicações para os traçados e a utilização de diagramas Para se saber como os elementos são interligados e também para um perfeito entendimento dos comandos elétricos é necessária a correta interpretação

Leia mais

Transdutor ETP 30, ETQ 30 FICHA TÉCNICA - N00312/4 para potência ativa ou reativa Página 1/5 Setembro 2005

Transdutor ETP 30, ETQ 30 FICHA TÉCNICA - N00312/4 para potência ativa ou reativa Página 1/5 Setembro 2005 para potência ativa ou reativa Página 1/5 Características Medição de potência ativa ou reativa em redes monofásicas, trifásicas equilibradas ou desequilibradas. Sinal de saída com ou sem zero suprimido.

Leia mais

Curso: Engenharia Elétrica Disciplina: Proteção e Operação do SEP Professor: MSc. Eng.º Alex A. C. Bozz

Curso: Engenharia Elétrica Disciplina: Proteção e Operação do SEP Professor: MSc. Eng.º Alex A. C. Bozz Curso: Engenharia Elétrica Disciplina: Proteção e Operação do SEP Professor: MSc. Eng.º Alex A. C. Bozz Introdução Em oposição à garantia de economia e qualidade do serviço, além de vida útil razoável

Leia mais

2. Análise do Estado Atual da Máquina Assíncrona Trifásica Duplamente Alimentada Sem Escovas

2. Análise do Estado Atual da Máquina Assíncrona Trifásica Duplamente Alimentada Sem Escovas 2. Análise do Estado Atual da Máquina Assíncrona Trifásica Duplamente Alimentada Sem Escovas 2.1. Introdução Quando se fala em motor elétrico, logo surge à mente o motor de gaiola trifásico. Isto se deve

Leia mais

Motores de indução e ligações

Motores de indução e ligações Motores de indução e ligações Os motores elétricos são máquinas elétricas bastante simples cuja finalidade é converter a energia elétrica em energia mecânica, e com isso obter movimento. As máquinas elétricas

Leia mais

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu HARMÔNICAS Formas de onda com freqüências múltiplas da fundamental; Ferramenta matemática desenvolvida para representar qualquer tipo de forma de onda (série de FOURIER); f(t) = a0 + (ah.cos(hω ot) + bh.sen(hω0t))

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Lei de Ohm Última Aula Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Associação de Resistores Análise

Leia mais

Entre (F / N), (F / PE) e (F / PEN) Tecnologia de proteção. Varistor de Óxido de Zinco - MOV Tempo de resposta

Entre (F / N), (F / PE) e (F / PEN) Tecnologia de proteção. Varistor de Óxido de Zinco - MOV Tempo de resposta VC L Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS) com tecnologia de proteção baseada na utilização de varistor de óxido de zinco (). -Três locais para marcadores/identificadores; -Encaixe em trilho ( linha

Leia mais

Objetivo: Realizar testes na função de potência reversa utilizando o software Manual do CE-6006 para comprovar a direcionalidade da potência.

Objetivo: Realizar testes na função de potência reversa utilizando o software Manual do CE-6006 para comprovar a direcionalidade da potência. Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: Siemens Modelo: 7UM Função: 32F ou PDOP Potência Reversa Ferramenta Utilizada: CE-6006 Objetivo: Realizar testes na função de potência reversa

Leia mais

Compensação de Reativos e Harmônicas

Compensação de Reativos e Harmônicas Compensação de Reativos e Harmônicas O que é Potência Reativa Como compensar e o que compensar Como especificar um Banco de Capacitores O que são harmônicas O que é ressonância. Apresentação das medições

Leia mais

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop

Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Diego Amaral, 16 de Outubro de 2015 PPHV Para raios Workshop Conteúdo Treinamento Para raios de Alta Tensão. Overview - O que é? - Para que serve?. Portfólio ABB - Para raios de baixa tensão - Para raios

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES 1- Introdução Em certos trabalhos efetuados por motores elétricos, há ocasiões em que o motor deixa de ser necessário e há energia de sobra a qual poderá, porventura ser aproveitada.

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT/MT Características complementares Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão:

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 11/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus Muriaé

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 11/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus Muriaé Questão 01 O fenômeno chamado de indução eletromagnética surge quando há variação do fluxo magnético através de um circuito. Considere o ímã posicionado próximo ao eixo de uma espira metálica, conforme

Leia mais

Apostila 8. Máquina de Corrente Contínua

Apostila 8. Máquina de Corrente Contínua Apostila Máquina CC - Prof. Luís Alberto Pereira - PUCRS-DEE 1 Apostila 8 Máquina de Corrente Contínua A máquina CC é um dos 3 tipos básicos de máquinas elétricas (eistem ainda máquinas síncronas e máquinas

Leia mais

aracterísticas Comuns

aracterísticas Comuns Aspectos con nstrutivos e características DOS TRANSFORMADORES UTILIZADOS EM SUBESTAÇÕES DE ENERGIA aracterísticas Comuns Isolar eletricamente dois circuitos; Ajustar a tensão de saída de um estágio do

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

Questionário Escolhas Múltiplas CORRECÇÃO

Questionário Escolhas Múltiplas CORRECÇÃO Temática Máquinas Eléctricas Capítulo Teste os seus conhecimentos Questionário Escolhas Múltiplas CORRECÇÃO FUNCIONAMENTO EM REGIME MOTOR E GERADOR DA MÁQUINA SÍNCRONA INTRODUÇÃO Esta correcção é relativa

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO EAOEAR 2002 05 No circuito mostrado na figura abaixo, determine a resistência

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO 1 Introdução UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO O aterramento é, por definição, a conexão física com o solo efetuada com o auxílio de materiais condutores de

Leia mais

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas

AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas QUAL O SIGNIFICADO DO TERMO UNIFILAR? AULA 7 Interpretação dos Diagramas Unifilares das Subestações Elétricas UNIFILAR SIGNIFICA DIZER QUE, EMBORA O SISTEMA ELÉTRICO POSSA INCORPORAR CIRCUITOS A DOIS OU

Leia mais

Indução Eletromagnética

Indução Eletromagnética Indução Eletromagnética 1 Aprendemos que uma força eletromotriz (fem) é necessária para produzir uma corrente em um circuito. Até aqui, quase sempre tomamos uma bateria como a fonte de fem. Contudo, para

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Dimensionamento de Condutores Elétricos Livro: João Mamede Filho Instalações Elétricas Industriais 2 Dimensionamento de

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES PROTEÇÃO CONTRA SOBRETENSÕES Dispositivos de Proteção contra Surtos (DPS) Prof. Marcos Fergütz fev/2014 - O Surto - Geração da Sobretensão(Surto): Descarga Atmosférica (raio) Direta; Indução por descarga

Leia mais

203 Engenheiro Jr. (Eng. Elétrica)

203 Engenheiro Jr. (Eng. Elétrica) ITAIPU BINACIONAL Processo Seletivo Edital n 1001 Prova Objetiva 27/02/2011 Anos 203 Engenheiro Jr. (Eng. Elétrica) INSTRUÇÕES 1. Confira, abaixo, o seu número de inscrição, turma e nome. Assine no local

Leia mais

AJUSTE DA CORRENTE EM FUNÇÃO DO TEMPO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

AJUSTE DA CORRENTE EM FUNÇÃO DO TEMPO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO AJUSTE DA CORRENTE EM FUNÇÃO DO TEMPO DE UM MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO 1 Cezar Augusto da Silva Oliveira 2 Darlan Régis Fischer 3 Sandra Sttaford Vasconcelos RESUMO A proposta do trabalho a seguir, é o

Leia mais

EEL 305 MÁQUINAS ELÉTRICAS (Parte 3: Desenhos Elétricos)

EEL 305 MÁQUINAS ELÉTRICAS (Parte 3: Desenhos Elétricos) ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EEL 305 MÁQUINAS ELÉTRICAS (Parte 3: Desenhos Elétricos) Antonio Tadeu Lyrio de Almeida - 2010 - ÍNDICE CAPÍTULO 1: SIMBOLOGIA PARA DESENHOS DE SISTEMAS ELÉTRICOS 1 CAPÍTULO

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais