MUNICIPAL SUMÁRIO 2.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL N.º 682 RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUNICIPAL SUMÁRIO 2.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL N.º 682 RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA MUNICIPAL"

Transcrição

1 C Â M A R A M U N I C I P A L D E L I S B O A 2.º SUPLEMENTO AO BOLETIM N.º 682 SUMÁRIO RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA Deliberações (Reunião da Assembleia Municipal de Lisboa de 6 de Março de 2007): - Deliberação n.º 1/AM/2007 (Proposta n.º 576/ /2006) - Aprovar a autorização para escolha do Concurso Público Internacional destinado à contratação da aquisição da prestação de serviços de limpeza necessários aos vários Serviços Municipais e repartição de encargos, bem como aprovar o Programa de Concurso e Caderno de Encargos e a designação do Júri do Concurso e delegar no mesmo a realização da audiência prévia, nos termos da proposta [pág. 492 (18)]. - Deliberação n.º 2/AM/2007 (Proposta n.º 577/ /2006) - Aprovar a nova alteração do ponto 4 da Deliberação n.º 83/AM/2005 (Proposta n.º 354/CM/ /2005), nos termos da proposta [pág. 492 (19)]. - Deliberação n.º 3/AM/2007 (Proposta n.º 2/ /2007) - Aprovar a fixação da data para o início do pagamento à Sociedade Parque Expo 98, S. A., de juros sobre a importância em dívida, conforme Proposta n.º 20/2005, nos termos da proposta [pág. 492 (20)]. - Deliberação n.º 4/AM/2007 (Proposta n.º 3/ /2007) - Aprovar a desafectação do domínio público para o domínio privado municipal da parcela de terreno, sita no Alto do Lumiar - Área Edificável 14, designado por Azinhaga de Santa Susana (Processo privativo n.º 58/DPI/06), nos termos da proposta [pág. 492 (20)]. - Deliberação n.º 5/AM/2007 (Proposta n.º 6/ /2007) - Aprovar a suspensão dos Capítulos III e IV do Regulamento Municipal de Cargas e Descargas e das Bolsas de Estacionamento para Comerciantes, aprovado pela Deliberação n.º 85/ /AM/2004, nos termos da proposta [pág. 492 (21)]. - Deliberação n.º 6/AM/2007 (Proposta n.º 7/ /2007) - Aprovar o Plano Estratégico para a Juventude 2007/2009, nos termos da proposta [pág. 492 (22)]. - Deliberação n.º 7/AM/2007 (Proposta n.º 37/ /2007) - Aprovar a minuta do Protocolo de Cooperação entre o Município de Lisboa e as Sociedades de Reabilitação Urbana (Lisboa Ocidental, SRU, Baixa Pombalina, SRU e Lisboa Oriental, SRU), nos termos da proposta [pág. 492 (53)]. ANO XIV N. o 682 3,25 UINTA -FEIRA SEDE: CAMPO GRANDE, 25, 1.º-B LISBOA DIRECTORA: PAULA LEVY

2 CÂMARA DE LISBOA - Deliberação n.º 8/AM/2007 (Proposta n.º 42/ /2007) - Aprovar a desafectação ao domínio público municipal das parcelas de terreno designadas pelas letras A a N, nos termos da proposta [pág. 492 (58)]. - Deliberação n.º 9/AM/2007 (Proposta n.º 43/ /2007) - Aprovar as alterações de âmbito formal aos estatutos da Empresa Municipal LX Desporto decorrentes da entrada em vigor da Lei de Sector Empresarial Local, nos termos da proposta [pág. 492 (60)]. - Deliberação n.º 10/AM/2007 (Proposta n.º 68/ /2007) - Aprovar a alteração ao n.º 1 do artigo 19.º dos Estatutos da Empresa Municipal de Desporto «LX Desporto, EEM», que se traduz em nova calendarização do Capital Estatutário, nos termos da proposta [pág. 492 (70)]. RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA Deliberações Sessão de 6 de Março de Deliberação n.º 1/AM/2007 (Deliberação n.º 576/CM/ /2006): Considerando que: I - A Câmara Municipal de Lisboa, por unanimidade, deliberou adjudicar à Deloitte & Touche uality Firm - Serviços Profissionais de Auditoria e Consultoria, S. A., a prestação de serviços para o desenvolvimento e implementação do modelo de gestão centralizada de aprovisionamento de bens móveis e serviços; II - O modelo de gestão centralizada de aprovisionamento de bens móveis e serviços do Município de Lisboa, está em fase de implementação, mais concretamente na primeira vaga do projecto, incluindo, assim, a contratação da prestação de serviços de limpeza dos diversos edifícios onde estão instalados serviços e equipamentos municipais; III - A centralização do processo de aprovisionamento revela um crucial potencial para criar eficiências financeiras e administrativas; IV - É essencial para o projecto em curso assegurar a aquisição centralizada da prestação de serviços de limpeza necessários ao funcionamento dos diversos Serviços Municipais; V - A estratégia de compras para o tipo de serviços em causa resultou do trabalho desenvolvido no âmbito do referido projecto, consubstanciada no «Sumário da Estratégia de Sourcing para Vigilância e Segurança e Limpeza de Edifícios», na parte meramente respeitante aos serviços de limpeza, e ora anexo à presente proposta; VI - O valor anual estimado para a contratação da prestação de serviços necessária importa no montante de cerca de euros, montante ao qual acresce IVA à taxa legal em vigor; VII - É proposto um prazo de duração da prestação de serviços anual, com início previsto para 1 de Julho de 2007, prazo aquele que poderá ser prorrogado por mais dois períodos de igual duração, podendo, assim, a contratação abranger o período de 1 de Julho de 2007 a 30 de Junho de 2010; VIII - Os princípios e normas plasmados no Decreto- -Lei n.º 197/99, de 8 de Junho, deverão nortear a contratação pública; IX - É aplicável o Concurso Público Internacional quando o valor do contrato seja igual ou superior a 125 mil euros, nos termos do disposto no artigo 80.º, n.º 1 e se encontre abrangido pelo disposto no artigo 191.º, ambos do Decreto- -Lei n.º 197/99, de 8 de Junho; X - O Concurso sub judicie terá por objecto a prestação de serviços de limpeza nos edifícios e instalações definidos nos oito lotes descritos no Anexo I e nos termos constantes dos respectivos planos de limpezas no Anexo II, ambos anexados ao Programa de Concurso vertente (em suporte informático). Tenho a honra de propor que a Câmara delibere: 1 - Submeter à Assembleia Municipal para autorização, nos termos dos artigos 18.º, n.º 1, alínea b) e 22.º do Decreto- -Lei n.º 197/99, de 8 de Junho, conjugado com o artigo 11.º, n. os 4.1 e 4.2 do Regulamento do Orçamento em vigor, o seguinte: a) A escolha do Concurso Público Internacional como procedimento destinado à contratação da aquisição da prestação de serviços de limpeza necessários aos vários Serviços Municipais, com fundamento no disposto nos artigos 80.º, n.º 1 e 191.º, ambos do Decreto-Lei n.º 197/ /99, de 8 de Junho; b) A repartição do encargo total com a aquisição, que se estima, para 2007 a 2010, em euros (IVA incluído) e se irá enquadrar na Classificação Orçamental 02.00/ , nos seguintes moldes: Nota: Os valores dos anos 2007 e 2010 correspondem apenas a 6 meses. 492 (18) N.º 682

3 CÂMARA DE LISBOA 2 - Aprovar o Programa de Concurso e Caderno de Encargos, constantes em anexo à presente Proposta, como peças do procedimento concursal; 3 - Designar, nos termos estipulados artigo 90.º do Decreto- -Lei n.º 197/99, de 8 de Junho, o Júri do Concurso, a quem competirá a condução de todas as operações do Concurso, com a seguinte constituição: - Membros Efectivos: - Presidente: José Avelino de Afonseca; - 1.º Vogal: Fátima Maria Fernandes Barreto; - 2.º Vogal: Dina Maria Fonseca. - Membros Suplentes: - 1.º Vogal: Armando Pereira da Silva; - 2.º Vogal: Tatiana Duarte Santos Silva. O 1.º Vogal Efectivo substituirá o Presidente nas suas faltas e impedimentos. O Júri poderá, para o efeito, solicitar apoio técnico à Equipa de Projecto «Gestão centralizada de aprovisionamentos de bens e serviços», ao abrigo do disposto no artigo 92.º, n.º 1 do Decreto-Lei n.º 197/99, de 8 de Junho. 4 - Delegar, nos termos e para efeitos do artigo 108.º do Decreto-Lei n.º 197/99, de 8 de Junho, no Júri do Concurso, acima designado, competência para a realização da audiência prévia dos concorrentes se tal for necessário. - A fixação destes valores, independentemente das necessidades de investimento na empresa ou da sua situação financeira líquida, tem constituído um custo da empresa que condiciona a própria prestação do serviço público; - Assim, numa perspectiva de adequar a remuneração a auferir pela CML às actuais condições de exploração, cria-se um novo modelo, integrando uma remuneração com uma componente fixa e outra variável, em função dos proveitos da EMEL, mantendo também a possibilidade da CML auferir uma remuneração de capital sobre os resultados líquidos após impostos sobre lucros. Tenho a honra de propor que a Câmara delibere, nos termos da alínea d) do n.º 7 do artigo 64.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, na redacção que lhe foi dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, aprovar e submeter à aprovação da Assembleia Municipal nova alteração à redacção do ponto 4 da Deliberação n.º 73/AM/94 (Proposta n.º 242/CM/94), alterada posteriormente pela Deliberação n.º 87/AM/2001 (Proposta n.º 391/CM/2001) e pela Deliberação n.º 83/AM/ /2005 (Proposta n.º 354/CM/2005), o qual passará a ter a seguinte redacção: «- 4 a) Fixar em 12,5 % o montante fixo da compensação a pagar anualmente à CML, com base nos proveitos operacionais decorrentes da actividade objecto de concessão pela Câmara Municipal de Lisboa; b) Fixar uma remuneração variável, em conformidade como seguinte quadro: [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD, PS, PCP e CDS/PP), votos contra (PEV) e abstenções (Bloco de Esquerda).] Nota: Os documentos anexos encontram-se arquivados na Divisão de Apoio à Câmara Municipal - DACM. - Deliberação n.º 2/AM/2007 (Deliberação n.º 577/CM/ /2006): Considerando que: - A evolução do sistema de estacionamento de duração limitada tem-se traduzido em avultados investimentos na via pública em resposta às necessidades da cidade, dos residentes e dos utentes que, nos anos recentes e fruto do vandalismo, tem conduzido a EMEL a resultados operacionais negativos; - Pela Deliberação n.º 73/AM/94 (Deliberação n.º 242/CM/ /94) que criou a EMEL, conforme o seu ponto 4, foi fixado em 50 % das Receitas Brutas o montante a pagar à CML como contrapartida da cedência da gestão dos espaços de estacionamento pagos; - Posteriormente, pelas Deliberações n.º 87/AM/2001 (Deliberação n.º 391/CM/2001) e Deliberação n.º 83/AM/ /2005 (Deliberação n.º 354/CM/2005) foi a referida percentagem fixada em 25 %; Para efeito de aplicação da tabela acima indicada, o valor dos proveitos anuais da EMEL será sucessivamente repartido entre os diversos escalões, aplicando, relativamente a cada escalão, a percentagem correspondente. c) Após aplicação do disposto nas alíneas a) e b), a CML poderá fixar anualmente, a título de remuneração de capital, uma percentagem sobre o resultado líquido do exercício, após imposto sobre lucros; d) Anualmente, o Conselho de Administração da EMEL poderá deliberar a atribuição aos restantes trabalhadores desta empresa municipal uma percentagem de % sobre os lucros do exercício, até ao limite do valor correspondente a um salário base por trabalhador, não incluindo o Conselho de Administração». [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD e CDS/ /PP) e votos contra (PS, PCP, Bloco de Esquerda e PEV).] N.º (19)

4 CÂMARA DE LISBOA - Deliberação n.º 3/AM/2007 (Deliberação n.º 2/CM/2007): Considerando que, através da Proposta n.º 20/2005, a Câmara Municipal propôs a deliberação da Assembleia Municipal, com a justificação exposta nos respectivos considerandos, a aceitação da transferência da gestão urbana sobre o domínio público da Área de Intervenção da Expo 98 e seus Planos de Pormenor, assumindo igualmente os valores em dívida à respectiva Sociedade Gestora, derivados da execução e gestão destas infra-estruturas, bem como do adiantamento relativo a encargos que cabiam ao Município, no âmbito da intervenção necessária à realização da Exposição Mundial de Lisboa de 1998; Considerando que, cessado o regime de excepção legal e tendo em vista a assumpção directa da gestão do domínio público pelo Município, foi estabelecido o dia 1 de Janeiro de 2005 para o seu início, facto que não se concretizou por não ter sido possível definir o modelo de estrutura que a concretizaria; Considerando que, entretanto, se deu sequência aos aspectos financeiros da referida deliberação, mediante a celebração de acordo com a Parque Expo, para clausular os termos dos pagamentos devidos, não sendo, porém, regulada a forma de transmissão dos bens do domínio público e da sua gestão, pelo que não se iniciou a contagem de juros a que se refere a «Condição de acordo» n.º 4 da mesma deliberação; Considerando que, não só a data da cessação dos poderes excepcionais da Parque Expo, S. A., ocorrida em 31 de Dezembro de 1999, como ainda a previsão do momento da transferência da gestão urbana e o tempo entretanto decorrido tornam pouco razoável a demora no pagamento dos juros clausulados sobre a importância em dívida, impondo à Parque Expo um sacrifício injustificável; Considerando, por outro lado, que a redacção da nota explicativa que acompanhou a Proposta referenciada - n.º 20/ no capítulo respeitante a «Acessibilidades e expropriações», pode prestar-se a interpretação errada, por referir que ficava excluída do acordo que deduziu à dívida o valor de terrenos entregues a importância relativa a subscrição do capital na sociedade gestora do Pavilhão Atlântico, quando se pretendia significar que a dedução desse valor, agora feita em custo de obras, conforme patenteado no Anexo n.º 3 que integrou a Proposta, alterava o previsto na Proposta n.º 357/94 (pagamento em terrenos), cuja escritura não havia ainda sido celebrada; Tenho a honra de propor que a Câmara delibere, nos termos das alíneas c) do n.º 2, a) do n.º 6, b) e d) do n.º 7 do artigo 64.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, aceitar e submeter a aprovação da Assembleia Municipal, nos termos das alíneas a) e b) do n.º 2 e b) do n.º 4 do artigo 53.º da mesma Lei: 1 - Fixar a data de 1 de Janeiro de 2007 para início de pagamento à Sociedade Parque Expo 98, S. A., de juros sobre a importância que estiver em dívida, nos termos e condições previstas na Condição 4.ª da Deliberação tomada a coberto da Proposta n.º 20/2005; 2 - Interpretar a «Nota explicativa» que acompanhou a Proposta antes referida - na parte que se refere à realização do capital da Sociedade Gestora do Pavilhão Atlântico - nos termos que decorrem do Anexo n.º 3 da mesma Proposta (Apreciação sobre Acessibilidades/Expropriações), isto é, que o respectivo valor foi deduzido em custos de acessibilidades, concretamente na obra da Avenida Marechal Gomes da Costa, apesar de a escritura que o contemplava ainda não ter sido celebrada, devendo sê-lo com consideração deste facto. [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD, PS e CDS/PP), votos contra (PCP e PEV) e abstenções (Bloco de Esquerda).] - Deliberação n.º 4/AM/2007 (Deliberação n.º 3/CM/2007): Considerando que: O Plano de Urbanização do Alto do Lumiar (PUAL), aprovado conforme publicação em «Diário da República» n.º I.ª Série, de 1998/10/27, determina a plena disponibilização dos terrenos em que o mesmo se desenvolve; A área de intervenção da operação de loteamento da Área Edificável 14 integrada no referido Plano é atravessada por um antigo leito de via pública que integra o domínio público; Para a execução da Área Edificável 14, referida anteriormente, se torna necessário disponibilizar os terrenos em que a mesma se desenvolve; Através da Deliberação n.º 10/AM/2004 (Proposta n.º 938/ /CM/2004) foi aprovada por unanimidade em reunião de Câmara realizada em 6 de Dezembro de 2004 e pela Assembleia Municipal em 11 de Janeiro de 2005, a desafectação do domínio público para o domínio privado municipal da parcela de terreno com a área de 17,16 m 2, sita no Alto do Lumiar - Área Edificável 14, representada a cor amarela na cópia da Planta n.º 04/185/02 do Departamento do Património Imobiliário; A desafectação do domínio público para o domínio privado da Câmara, da parcela de terreno relativa ao antigo leito de via pública, resulta da Planta de Cadastro da Divisão de Inventário e Cadastro, datada de 7 de Dezembro de 2006, que se anexa à presente minuta; Se torna necessário desafectar aquele troço do domínio público para integração no domínio privado municipal, não resultando do facto qualquer prejuízo para a circulação local; Tenho a honra de propor que a Câmara delibere submeter à Assembleia Municipal, nos termos da alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º e da alínea b) do n.º 4 do artigo 53.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro: - A desafectação do domínio público para o domínio privado municipal da parcela de terreno com a área de 13,94 m 2, sita no Alto do Lumiar - Área Edificável 14, proveniente de um antigo leito de via pública, designado por Azinhaga de Santa Susana, representada a cor rosa (desafectações) na cópia da Planta n.º 06/043/02 do Departamento de Património Imobiliário, à qual se atribui, apenas para 492 (20) N.º 682

5 CÂMARA DE LISBOA efeitos de registo, o valor de 69,70 euros (sessenta e nove euros e setenta cêntimos), resultante de um valor simbólico de 5 euros/m 2 de terreno. Confrontações da parcela a desafectar: - Norte - CML; - Sul - CML e privado; - Nascente - CML; - Poente - Antigo leito de via pública - Azinhaga de Santa Susana. (Processo privativo n.º 58/DPI/06.) [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD, PS, PCP e CDS/PP) e abstenções (Bloco de Esquerda e PEV).] - Deliberação n.º 5/AM/2007 (Deliberação n.º 6/CM/2007): Considerando que: - O Regulamento Municipal de Cargas e Descargas e das Bolsas de Estacionamento foi aprovado por Deliberação da Assembleia Municipal, sob o n.º 85/AM/2004 e publicado em Edital com o n.º 58/2004, no Suplemento ao Boletim Municipal n.º 551, de 9 de Setembro de 2004; - O antedito Regulamento versa sobre um conjunto extenso de matérias, como sejam as restrições de circulação das várias categorias de veículos, respectivos horários, bem como a paragem e estacionamento destes para efeito de cargas e descargas, tendo ainda criado bolsas de estacionamento para actividades comerciais; - Parte substancial da exequibilidade deste Regulamento depende de soluções tecnológicas inovadoras, indispensáveis quer para a utilização destas funcionalidades pelos sujeitos, quer ainda para a eficácia da fiscalização do seu cumprimento pelas entidades a quem incumbe por lei tal competência; - Face ao adiamento da plena adequação da tecnologia que se lhe encontra subjacente ao fim pretendido constata-se, na prática, que este Regulamento não está a ser cumprido, com as incontornáveis consequências ao nível da fluidez do trânsito e desordenamento das paragens e estacionamento para cargas e descargas na Cidade de Lisboa; - Por se manter a concordância com os princípios subjacentes ao Regulamento em causa, não se justifica a sua revogação ou alteração, antes a sua suspensão até que as soluções tecnológicas que se lhe encontram subjacentes mostrem um grau de adequação e eficácia compatível com os objectivos que são visados pelo normativo em causa. N.º (21)

6 CÂMARA DE LISBOA Assim, tenho a honra de propor que a Câmara delibere aprovar e submeter à Assembleia Municipal, nos termos da aplicação conjugada da alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º e da alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, revista e republicada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 Janeiro: - Suspender a eficácia dos Capítulos III e IV do Regulamento Municipal de Cargas e Descargas e das Bolsas de Estacionamento, aprovado pela Deliberação n.º 85/AM/ /2004. [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD, 1 Dep. do PS e CDS/PP) e abstenções (PS, PCP, Bloco de Esquerda e PEV).] - Deliberação n.º 6/AM/2007 (Deliberação n.º 7/CM/2007): Considerando que: O Pelouro da Juventude direcciona a sua acção para a promoção de associações de âmbito juvenil, grupos informais de jovens e organizações cuja acção se dirija particularmente aos jovens, estabelecendo, de igual modo, relações de cooperação com os órgãos da Administração Central com competência na área da juventude; O Pelouro da Juventude tem, de entre o seu conjunto de competências, as de: - Programar e planear projectos de apoio à juventude e às organizações de juventude; - Estudar permanentemente a realidade juvenil da cidade; - Promover acções de informação e apoio às organizações; - Estudar e apoiar diferentes programas apresentados pelas organizações; - Programar e promover iniciativas do Município dirigidas à juventude; - Criar e dinamizar centros de recurso para apoio a iniciativas de jovens; - Proceder ao levantamento e planeamento das diferentes respostas existentes ou a criar, de molde a conhecer e promover um trabalho articulado ao nível de toda a cidade. A complexidade das matérias adstritas às competências do Pelouro da Juventude é particularmente significativa, donde resulta a impreterível necessidade de melhor direccionar os meios para atingir convenientemente os fins consubstanciados nas competências do Pelouro da Juventude; Tal como acontece em qualquer contexto administrativo, é crucial, para o bom desempenho da missão do Pelouro da Juventude e correcta prestação de serviços para os munícipes, avaliar periodicamente as acções que têm sido desenvolvidas ao longo do tempo para prossecução das competências do Pelouro da Juventude e do Interesse Público; A avaliação das acções tem revelado a inexistência de critérios objectivos, conhecidos e partilhados pelos recursos do Pelouro da Juventude, o que potencia a discricionariedade da política de apoio e, por essa razão, questiona a própria existência de uma política de apoio universalista, legalista e sobretudo eficaz; A política de apoio do Pelouro da Juventude tem revelado graves desajustamentos em relação aos seus objectivos, padecendo de quatro anomalias críticas e que, sinteticamente, se traduzem: 1) no providencialismo da política; 2) na concentração da iniciativa no Pelouro da Juventude sem descentralização para as associações juvenis; 3) no desequilíbrio social, com uma oferta direccionada para os públicos culturais e negligenciando os restantes; e, por último; 4) no desequilíbrio espacial, pois os equipamentos sob gestão do Pelouro da Juventude concentram-se no centro da cidade, marginalizando a necessidade de assumir a cidade como o todo de coesão social e de igualdade de oportunidades; As causas das anomalias críticas parecem dever-se ao facto de a política de apoio do Pelouro da Juventude se manter, ainda, no «grau 0» das políticas públicas de âmbito local, familiares à constituição do poder local democrático, mas que não acompanharam a maior complexidade da sociedade contemporânea e naturalmente a alteração dos parâmetros relacionais entre a autarquia e os munícipes, bem como das necessidades, aspirações e expectativas destoutros; Uma política de apoio coerente e bem sucedida terá de basear-se nos três eixos da gestão pública, designadamente os da Eficiência e da Economia; Uma política de apoio baseada nos eixos referidos no parágrafo anterior tem de apresentar três elementos constitutivos: os Objectivos (para quem fazer), a Estratégia (o que fazer) e a Metodologia (como fazer), elementos que a actual política de apoio do Pelouro da Juventude não parece estar em condições de congregar. Assim, Tendo por base a necessidade de implementar uma política de apoio dirigida aos jovens da cidade de Lisboa eficaz, eficiente e económica e, por essa razão, mais sustentada e racional; Salientando a urgência de aumentar o capital social, profissional, cultural, educacional e económico dos jovens de Lisboa, particularmente daqueles que se encontram em situações de risco de marginalização e mesmo de exclusão social, de maneira a que nenhum jovem fique para trás na economia do conhecimento; Propondo uma estratégia renovada e uma metodologia consonantes com os objectivos gerais da política de apoio prosseguida pelo Pelouro da Juventude, aspirando transformar as associações juvenis em escolas de vida para os seus membros, contribuindo, dessa forma, para o crescimento pessoal e colectivo dos cidadãos e induzindo capital social para a comunidade, tornando as associações de âmbito juvenil as embaixadoras da cidade de Lisboa no país e no mundo; Contribuindo para um novo paradigma social que tenha na noção de rede, designadamente na rede cooperativa entre associações de âmbito juvenil e destas com os grupos informais de jovens, com as organizações cuja acção se dirija particularmente aos jovens, com os órgãos da Administração Central com competência na área da juventude, 492 (22) N.º 682

7 CÂMARA DE LISBOA com as juntas de freguesia e naturalmente com os restantes Serviços Camarários, o novo paradigma para a valorização do trabalho associativo, sendo que ao Pelouro da Juventude caberá o papel de orquestrador desta rede de actores; E estendendo a presença dos equipamentos do Pelouro da Juventude a toda a cidade de Lisboa, sob os signos da descentralização territorial e do reforço da coesão social. Tenho a honra de propor que a Câmara Municipal de Lisboa delibere aprovar e submeter à Assembleia Municipal de Lisboa o Plano Estratégico para a Juventude 2007/2009, em anexo à presente proposta e considerando-se como parte integrante da mesma, ao abrigo do disposto na alínea a) do n.º 2 do artigo 64.º e alínea a) do n.º 3 do artigo 53.º, todos da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro. [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD, PS e CDS/PP) e abstenções (1 Dep. do PS, PCP, Bloco de Esquerda e PEV).] N.º (23)

8 CÂMARA DE LISBOA 492 (24) N.º 682

9 CÂMARA DE LISBOA N.º (25)

10 CÂMARA DE LISBOA 492 (26) N.º 682

11 CÂMARA DE LISBOA N.º (27)

12 CÂMARA DE LISBOA 492 (28) N.º 682

13 CÂMARA DE LISBOA N.º (29)

14 CÂMARA DE LISBOA 492 (30) N.º 682

15 CÂMARA DE LISBOA N.º (31)

16 CÂMARA DE LISBOA Evoluir da política sectorial para uma política transversal baseada na educação e qualificação emprego cultura e cidadania juvenis Descentralizar o front office do Pelouro da Juventude, visando a Cobertura de Lisboa 492 (32) N.º 682

17 CÂMARA DE LISBOA N.º (33)

18 CÂMARA DE LISBOA 492 (34) N.º 682

19 CÂMARA DE LISBOA N.º (35)

20 CÂMARA DE LISBOA 492 (36) N.º 682

21 CÂMARA DE LISBOA N.º (37)

22 CÂMARA DE LISBOA 492 (38) N.º 682

23 CÂMARA DE LISBOA N.º (39)

24 CÂMARA DE LISBOA 492 (40) N.º 682

25 CÂMARA DE LISBOA N.º (41)

26 CÂMARA DE LISBOA 492 (42) N.º 682

27 CÂMARA DE LISBOA N.º (43)

28 CÂMARA DE LISBOA 492 (44) N.º 682

29 CÂMARA DE LISBOA N.º (45)

30 CÂMARA DE LISBOA 492 (46) N.º 682

31 CÂMARA DE LISBOA N.º (47)

32 CÂMARA DE LISBOA 492 (48) N.º 682

33 CÂMARA DE LISBOA N.º (49)

34 CÂMARA DE LISBOA 492 (50) N.º 682

35 CÂMARA DE LISBOA N.º (51)

36 CÂMARA DE LISBOA 492 (52) N.º 682

37 CÂMARA DE LISBOA - Deliberação n.º 7/AM/2007 (Deliberação n.º 37/CM/2007): O Decreto-Lei n.º 104/2004, de 7 de Maio (doravante DL 104/ /2004), criou um regime jurídico excepcional com a finalidade de reabilitar as zonas históricas e áreas críticas de recuperação e de reconversão urbanística, nos termos do qual foi concedida aos Municípios a possibilidade de constituírem Sociedades de Reabilitação Urbana; Ao abrigo desta legislação o Município constituiu três Sociedades de Reabilitação Urbana, a «Lisboa Ocidental, SRU - Sociedade de Reabilitação Urbana, E. M.», a «Baixa Pombalina, SRU - Sociedade de Reabilitação Urbana, E. M.» e a «SRU Oriental - Sociedade de Reabilitação Urbana, E. M.»; De acordo com o artigo 6.º do referido Decreto-Lei, o legislador transferiu dos Municípios para as Sociedades de Reabilitação Urbana, após a aprovação dos Documentos Estratégicos e no âmbito do procedimento de reabilitação urbana, as seguintes competências: «a) Licenciar e autorizar operações urbanísticas; b) Expropriar os bens imóveis e os direitos a eles inerentes destinados à reabilitação urbana, bem como constituir servidões administrativas para os mesmos fins; c) Proceder a operações de realojamento; d) Fiscalizar as obras de reabilitação urbana, exercendo, nomeadamente as competências previstas na Secção V do Capítulo III do Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, na redacção em vigor, com excepção da competência para aplicação de sanções administrativas por infracção contra-ordenacional, a qual se mantém como competência do Município; e) Exercer as competências previstas na alínea b) do n.º 1 do artigo 42.º, no n.º 2 do artigo 44.º e no artigo 46.º, todos da Lei dos Solos». O mesmo artigo prescreve, ainda, que «... as atribuições e competências referidas nas alíneas a), b), d) e e) consideram-se transferidas dos Municípios para as SRU, que as exercerão em exclusivo, durante o procedimento de reabilitação urbana, nas respectivas zonas de intervenção.» e que «Mantêm-se as competências dos Órgãos Autárquicos no que diz respeito a obras a executar nas zonas de intervenção antes da aprovação do documento estratégico, bem como, depois da aprovação deste documento, relativamente a obras que não se insiram no procedimento de reabilitação urbana.». A transferência legal de competências do Município para as Sociedades de Reabilitação Urbana dever-se-á operacionalizar de uma forma planeada, organizada e perceptível para os munícipes, a qual será garantida através de normas que disciplinem e regulem o exercício das competências específicas de cada entidade e a forma de relacionamento entre os Serviços Municipais e as Sociedades de Reabilitação Urbana; Ao abrigo do disposto na alínea d) do n.º 7 do artigo 64.º, na alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º e na alínea h) do n.º 2 do artigo 53.º, todos da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a redacção dada pela Lei n.º 5-A/ /2002, de 11 de Janeiro e nos artigos 6.º e 42.º do Decreto- -Lei n.º 104/2004, de 7 de Maio, temos a honra de propor ao Plenário da Câmara Municipal de Lisboa deliberar aprovar e submeter à Assembleia Municipal de Lisboa a minuta do Protocolo de Cooperação, junta em anexo, a celebrar entre o Município de Lisboa e cada uma das supra-identificadas Sociedades de Reabilitação Urbana. [Aprovada por maioria, com votos a favor (PPD/PSD e PS), votos contra (PCP, Bloco de Esquerda e PEV) e abstenções (CDS/PP).] PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Considerando que: A) Através do Decreto-Lei n.º 104/2004, de 7 de Maio (doravante DL 104/2004), foram transferidas do Município para as Sociedades de Reabilitação Urbana, entre outras, as competências de licenciamento e autorização de operações urbanísticas, fiscalização da sua execução, promoção de operações de realojamento e de tomada de posse administrativa, para efeito de execução de operações urbanísticas, inseridas em procedimento de reabilitação urbana, nas respectivas Zonas de Intervenção, após aprovação dos Documentos Estratégicos; B) A transferência legalmente cometida às SRU deverá ser efectuada de uma forma planeada e organizada, no sentido de clarificar os termos em que as competências específicas de cada entidade deverão ser exercidas e a forma como o relacionamento entre os Serviços Municipais e as Sociedades de Reabilitação Urbana se deverá desenvolver; C) Os Serviços da Câmara Municipal de Lisboa, em conjunto com cada uma das Sociedades de Reabilitação Urbana, Lisboa Ocidental, SRU, Baixa Pombalina, SRU e SRU Oriental, elaboraram uma Minuta de Protocolo de Cooperação, norteado pelo dever de cooperação expresso no artigo 42.º do DL 104/2004; D) O Protocolo foi elaborado, no espírito do Diploma, com a finalidade de dotar a Sociedade de Reabilitação Urbana dos meios necessários ao rigoroso exercício das suas competências, dentro dos prazos legalmente fixados; E) Este Protocolo estabelece ainda regras relativas aos processos em curso na CML e à instrução dos novos procedimentos de reabilitação urbana por parte da Sociedade de Reabilitação Urbana, de modo a garantir a sua compatibilização com os métodos e procedimentos utilizados pelos Serviços Municipais. N.º (53)

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 161/2006 de 14 de Dezembro de 2006 A SPRAçores Sociedade de Promoção e Gestão Ambiental, S.A., é uma sociedade que tem por

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA E DE DIVERTIMENTOS PÚBLICOS NAS VIAS, JARDINS E DEMAIS LUGARES PÚBLICOS AO AR LIVRE REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte:

DELIBERAÇÃO. Assim, o conselho diretivo do IMT, I.P., em reunião ordinária, realizada em 22 de fevereiro de 2013, delibera o seguinte: DELIBERAÇÃO CONTRATO DE GESTÃO DE CENTRO DE INSPEÇÃO DE VEÍCULOS A Lei n.º 11/2011, de 26 de abril, que estabelece o regime jurídico de acesso e permanência na atividade de inspeção técnica a veículos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional).

Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro Altera o Decreto-Lei n.º 93/90, de 19 de Março (Reserva Ecológica Nacional). A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 213/92, de 12 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 213/92 de 12 de Outubro

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 29 de Maio de 2007 --------- --- PEDIDOS DE ISENÇÃO DE

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE TRAVANCA DE LAGOS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra

Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra Área de Prática - Imobiliário Julho 2009 Regime jurídico da qualificação profissional dos técnicos responsáveis por projectos, pela fiscalização de obra e pela direcção de obra A Lei n.º 31/2009, de 03.07.,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS N.ºN.º/MÊS/08 AM/02 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL (EIA) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO 3. TRAMITAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS 1.OBJETO O presente programa tem como objeto a alienação de prédios e/ou frações municipais para reabilitação 2. OBJECTIVOS O Programa Reabilita Primeiro

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Regulamento junho de 2011 Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal,

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

Lei quadro da Dívida Pública

Lei quadro da Dívida Pública Lei quadro da Dívida Pública Lei n.º 7/98 de 3 de Fevereiro (com as alterações introduzidas pelo artigo 81º da Lei n.º 87-B/98, de 31 de Dezembro) Regime geral de emissão e gestão da dívida pública A Assembleia

Leia mais

Código dos Contratos Públicos

Código dos Contratos Públicos Código dos Contratos Públicos DL 18/2008 (18.01.2008) A que contratos se aplicam as regras da contratação pública As regras da contratação pública previstas no CCP aplicam-se a todo e qualquer contrato

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A lei n. º159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de transferência

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado

PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado PROTOCOLO INSTITUTO DO CINEMA, AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA RADIOTELEVISÃO PORTUGUESA SA. Considerando que: - Em 18 de Setembro de 1996, foi celebrado entre o Ministério da Cultura (MC) e a Radiotelevisão

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA PROJETO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelo artigo 241.º, da Lei Constitucional, devem os municípios

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL - REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL Artigo 1.º Objetivos O programa Voluntariado Juvenil visa promover a participação cívica dos jovens em ações de voluntariado de interesse social e comunitário,

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira

Regimento. Conselho Municipal de Educação de Mira Regimento ÂMBITO A lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b) a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação. A Lei 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio

Decreto-Lei n.º 15/97/M. de 5 de Maio Decreto-Lei n.º 15/97/M de 5 de Maio Desenvolveram-se, nos últimos tempos, as sociedades dedicadas à entrega rápida de pequenos valores em numerário, entre diversos países e territórios, prestando serviços,

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira

Regulamento do inventa rio. Junta de freguesia da Carapinheira Regulamento do inventa rio Junta de freguesia da Carapinheira 24-11-2014 Índice Página CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1º - Objecto 3 Artigo 2º - Âmbito 4 CAPÍTULO II Inventário e cadastro Artigo 3º

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Preâmbulo Uma habitação condigna representa um dos vectores fundamentais para a qualidade de vida do ser humano, sendo,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES QUADRIÉNIO 2006/2009 ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL 2009/08/05 ÍNDICE REUNIÃO DE 2009/08/05 JUSTIFICAÇÃO DE FALTA 5 APROVAÇÃO DA ACTA DA REUNIÃO DE 29/07/2009

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais