Anatomia e Fisiologia Humana NEURÔNIOS E SINAPSES. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anatomia e Fisiologia Humana NEURÔNIOS E SINAPSES. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)"

Transcrição

1 Anatomia e Fisiologia Humana NEURÔNIOS E SINAPSES DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006

2 NEURÔNIOS E SINAPSES SUMÁRIO Neurônios O neurônio conduzindo informação Impulso nervoso: o que é isso? Polarização Despolarização Repolarização Impulso nervoso: o que o origina? Células da Glia ou Neuróglia Astrócitos Oligodendrócitos Micróglia Células ependimárias Fibras Nervosas Com e Sem Bainha de Mielina Sinapses As sinapses podem ser químicas ou elétricas Sinapses químicas Sinapses elétricas Mecanismo da Transmissão Química Os neurotransmissores causam alteração no potencial de membrana A freqüência dos impulsos nervosos determina a quantidade de neurotransmissores liberados Como desativar a neurotransmissão? Os neurônios possuem dois tipos de neurotransmissores Os neurotransmissores agem sobre dois tipos de receptores pós-sinápticos Mecanismos de Integração Elementares dos Sinais Neurais Os PEPS e PIPS são computados algebricamente na membrana pós-sináptica por somação Potenciais de placa das junções neuromusculares Somação espacial e temporal Os potenciais pós-sinápticos das sinapses nervosas e das junções neuromusculares operam com níveis diferentes de segurança 17 Propriedades das comunicações neurais Um neurônio pode regular a excitabilidade de outro neurônio por meio de neurônios inibitórios Circuitos Neurais: Um Sistema Lógico de Processamento de Sinais Elétricos Neurotransmissores Biossíntese dos Neurotransmissores ª edição novembro/2006 2

3 Sobre a Bio Aulas A Bio Aulas tem por propósito aumentar a produtividade de ensino e aprendizagem nas Áreas de Ciências Biológicas e da Saúde, oferecendo materiais digitais prontos, como apostilas e apresentações, de qualidade e a preços acessíveis. Os materiais disponíveis na Bio Aulas são elaborados por mestres e doutores em diversas áreas do conhecimento, os quais se preocupam com a didática e objetividade de cada material didático. Na Bio Aulas, você encontra materiais de Anatomia e Fisiologia Humana, Anatomia e Fisiologia Comparada, Histologia, Embriologia, Biofísica, entre outras áreas, e novos materiais disponibilizados regularmente. Acesse e escolha seu material didático. 3

4 NEURÔNIOS O tecido nervoso é formado basicamente por dois tipos de células: os neurônios e as células da glia ou neuróglia. O neurônio é a unidade funcional do sistema nervoso e as células as glia constituem elementos de sustentação, revestimento, modulação da atividade nervosa e de defesa. Cada neurônio do Sistema Nervoso (SN) é uma unidade sinalizadora capaz de gerar e conduzir eletricidade e possui morfologia adaptada para recepção, transmissão e processamento de sinais. Apesar de muito variados na forma, os neurônios apresentam um corpo celular (soma ou pericário) e extensões protoplasmáticos denominados dendritos e axônio. Os dendritos são curtos, mas profusamente arborizados (e com isso, aumentando significativamente a sua superfície) e o axônio é único e longo servindo de condutor dos impulsos nervosos para outros neurônios. O axônio (ou fibra nervosa) é cilíndrico e varia de comprimento e diâmetro. Pode se ramificar emitindo ramos colaterais de mesmo calibre. Em seu interior há um complexo sistema de transporte anterógrado e retrógrado formado por microtúbulos, microfilamentos e neurofilamentos. No órgão de destino, o axônio ramifica-se formando os telodendros ou botões sinápticos. Os neurônios comunicam-se com outros neurônios (e com as células efetuadoras) através sinapses. Assim, por meio do longo axônio, um neurônio do córtex cerebral pode-se comunicar com um outro da medula ou do tronco encefálico que ficam bem distantes. A classificação dos neurônios é baseada na morfologia dos dendritos e dos axônios conforme ilustra a figura abaixo: 4

5 Os neurônios comunicam-se entre si formando uma rede que chamamos de circuito nervoso. Nesse circuito, identificamos um neurônio sensorial que detecta as informações do meio ambiente, um ou mais neurônios associativos que processam os sinais nervosos que situam-se dentro do Sistema Nervoso Central (SNC) e os neurônios motores que comandam as funções dos órgãos efetuadores. Conforme, a complexidade do circuito podem ocorrer milhares de neurônios associativos entre os neurônios sensoriais e motores que elaboram os comandos nervosos. O Neurônio Conduzindo Informação Como o neurônio conduz a informação? Os neurônios permitem ao sistema nervoso conduzir a informação rapidamente de uma parte do corpo a outra. Uma lesão em um dedo do pé é percebida quase que imediatamente. Pense o quão rápido a informação viajou do dedo do seu pé, onde ocorreu a lesão, para o seu cérebro, onde ela é interpretada como dor. A informação é carregada ao longo do neurônio na forma de um sinal elétrico, ou impulso nervoso. Impulso Nervoso: O Que é Isso? O impulso nervoso é um sinal elétrico que conduz informação ao longo do neurônio. Uma série de eventos determina uma carga elétrica no interior da célula que passa do seu estado de repouso (negativo, ) para um estado despolarizado (positivo, +). Esses eventos constituem o potencial de ação, ou impulso nervoso. O potencial de ação é um processo de polarização, despolarização e repolarização. Acompanhe esses eventos na figura abaixo. Impulso nervoso (potencial de ação): polarização, despolarização e repolarização. As séries de alterações elétricas no neurônio são a base do impulso nervoso, ou potencial de ação. A: O neurônio não estimulado, ou em repouso, tem carga negativa ( ) no seu interior. Este é o estado de polarização. A B: Quando estimulado, o interior do neurônio torna-se positivo (+) por um curto período. B C C: A célula, muito rapidamente, retorna ao seu estado de repouso com uma carga interna negativa ( ). O retorno ao estado de repouso é chamado de repolarização. 5

6 Polarização A polarização caracteriza o estado de repouso do neurônio. Quando o neurônio é polarizado, o seu interior é mais negativo do que o seu exterior; nesse período, nenhum impulso nervoso está sendo transmitido. A célula encontra-se em repouso. Despolarização Quando o neurônio é estimulado, ocorre uma mudança no seu estado elétrico. No estado de repouso (polarizado), o interior da célula é negativo. Quando a célula é estimulada, o interior se torna positivo, ocorrendo assim a despolarização. Repolarização Muito rapidamente, o interior da célula novamente se torna negativo; em outras palavras, ele retorna ao seu estado de repouso, sendo esse processo chamado de repolarização. As células não podem ser estimuladas novamente, exceto as repolarizadas. A falta de capacidade da célula para receber outros estímulos até sua repolarização é denominada de período refratário, ou seja, um período sem reação. Impulso Nervoso: O que o Origina? As alterações associadas com o potencial de ação, ou impulso nervoso, devem-se ao movimento de íons específicos através da membrana celular do neurônio. Recorde que o impulso nervoso inclui polarização, despolarização e repolarização. Polarização (Estado de Repouso) O que torna o interior da célula negativo ( ) no estado de repouso? O estado de repouso deve-se aos números e tipos de íons localizados no interior do neurônio. Os íons intracelulares mais importantes incluem a positividade da carga dos íons potássio (K + ) e vários ânions (íons carregados negativamente). Como esses íons são captados para o interior da célula, em altas concentrações? Eles são bombeados por uma bomba de ATP na membrana celular. No estado de repouso, os íons K + tendem a escoar para fora da célula, levando consigo a carga positiva. A carga positiva perdida para o exterior e o excesso de ânions presos no interior da célula a tornam negativa ( ). Despolarização (Estado Estimulado) Por que o interior da célula torna-se positivo (+) quando estimulado? Quando o neurônio é estimulado, a membrana do neurônio se altera de maneira a permitir aos íons sódio (Na + ), que são o principal cátion extracelular, atravessarem a membrana e penetrarem na célula. Com mais Na + fora do que dentro da célula, o Na + se difunde para o interior da célula, levando consigo a carga positiva. Esse processo torna o interior da célula positivo. Desse modo, a difusão do Na + para dentro da célula é que determina a despolarização. Repolarização (Retorno ao Estado de Repouso) Por que o interior da célula retorna rapidamente a seu estado de repouso ou negativo? Logo após a despolarização da célula, a membrana do neurônio sofre uma segunda alteração. Essa mudança na membrana interrompe a difusão de Na + para o interior da célula e permite sua difusão para o meio extracelular. A saída de K + remove a carga positiva de dentro da célula, 6

7 deixando para trás os ânions carregados negativamente ( ). Desse modo, a saída de K + causa a repolarização. Eventualmente, o sódio pode ser removido do neurônio por uma bomba localizada na membrana neuronal (bombas de ATP, que ajudam a manter as concentrações de sódio e potássio). Note que a fase de repolarização do impulso NÃO se deve à remoção do sódio (Na + ) pela bomba, e sim à difusão do potássio (K + ) para fora da célula. O que determina o impulso nervoso? As alterações elétricas associadas com o impulso nervoso são causadas pelo movimento dos íons através da membrana. A: Polarização: a célula em repouso ou polarizada tem uma negatividade interna. Esta fase é determinada pela saída dos íons potássio (K + ). B: A despolarização ocorre quando a célula é estimulada. O interior da célula torna-se positivo como conseqüência da entrada dos íons sódio (Na + ). C: A repolarização é causada pela saída de potássio (K + ); este processo determina que o interior da célula se torne negativo. 7

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal nos animais

Regulação nervosa e hormonal nos animais HOMEOSTASIA Todos os seres vivos são sistemas abertos As trocas que os organismos estabelecem com o meio conduzem a mudanças constantes nos deus componentes No entanto, os seres vivos possuem mecanismos

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Compreende basicamente dois tipos de células Neurônios Unidade fundamental função básica de receber, processar e enviar informações Células gliais ou neuroglia

Leia mais

Tecido Nervoso. 1) Introdução

Tecido Nervoso. 1) Introdução 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso 1B

Fisiologia do Sistema Nervoso 1B Fisiologia do Sistema Nervoso 1B Células da Glia Neuroglia Células da Glia / Neuroglia Diversos tipos celulares: 1. Oligodendrócitos 2. Células de Schwann 3. Astrócitos 4. Células ependimárias 5. Microglia

Leia mais

Papel das Sinapses no processamento de informações

Papel das Sinapses no processamento de informações Papel das Sinapses no processamento de informações Impulsos Nervosos Pequenas correntes elétricas passando ao longo dos neurônios Resultam do movimento de íons (partículas carregadas eletricamente) para

Leia mais

Tecido Nervoso. Neurônios

Tecido Nervoso. Neurônios Tecido Nervoso O tecido nervoso forma os órgãos dos sistemas nervosos central, periférico e autônomo. Organizar e coordenar o funcionamento do organismo Neurônios É constituído por: Células células nervosas

Leia mais

Coordenação nervosa e hormonal COORDENAÇÃO NERVOSA. Prof. Ana Rita Rainho. Interação entre sistemas. 1

Coordenação nervosa e hormonal COORDENAÇÃO NERVOSA. Prof. Ana Rita Rainho. Interação entre sistemas.  1 COORDENAÇÃO NERVOSA Prof. Ana Rita Rainho Interação entre sistemas www.biogeolearning.com 1 Sistema Nervoso Estímulo (sensorial) Receptor sensorial Integração da informação Resposta (motora) Efector Sistema

Leia mais

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Ciências Morfofuncionais II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Professora: Ms. Grazielle V. P. Coutinho Qual a importância de tantos estudos sobre o Sistema Nervoso? DIVISÕES PARA O ESTUDO DO SN

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes) Entrada Saída Nervos cranianos e nervos

Leia mais

Unidade I Neurociência básica. Divisão do sistema nervoso: Citologia e histologia.

Unidade I Neurociência básica. Divisão do sistema nervoso: Citologia e histologia. Unidade I Neurociência básica. Divisão do sistema nervoso: Citologia e histologia. Prof a : Norma M. S. Franco Organizador: André Mendonça I - Divisão anatômica do Sistema Nervoso. Cérebro Telencéfalo

Leia mais

BIOELETROGÊNESE. Capacidade de gerar e alterar a diferença de potencial elétrico através da membrana. - Neurônios. esqueléticas lisas cardíacas

BIOELETROGÊNESE. Capacidade de gerar e alterar a diferença de potencial elétrico através da membrana. - Neurônios. esqueléticas lisas cardíacas BIOELETROGÊNESE Capacidade de gerar e alterar a diferença de potencial elétrico através da membrana - Neurônios - células musculares esqueléticas lisas cardíacas Membrana citoplasmática Os neurônios geram

Leia mais

Tecido e Sistema Nervoso

Tecido e Sistema Nervoso Tecido e Sistema Nervoso Material de Apoio para Monitoria 1. Examine a seguinte lista de eventos que ocorrem durante a propagação de um impulso nervoso: I. Neurotransmissores atingem os dendritos. II.

Leia mais

Constituintes celulares do Sistema Nervoso

Constituintes celulares do Sistema Nervoso Constituintes celulares do Sistema Nervoso Neurónios Células nervosas excitáveis especializadas na sinalização eléctrica através de longas distâncias. Neuroglia (ou células da glia) Células mais pequenas

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO

FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO FISIOLOGIA HUMANA UNIDADE II: SISTEMA NERVOSO ORGANIZAÇÃO MORFOFUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO CANAIS IÔNICOS E BOMBAS CONDUÇÃO DE IMPULSOS NERVOSOS (SINÁPSES QUÍMICAS E ELÉTRICAS) SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 14 SISTEMA NERVOSO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 14 SISTEMA NERVOSO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 14 SISTEMA NERVOSO Como pode cair no enem (UFRR) O ecstasy é uma das drogas ilegais mais utilizadas atualmente, conhecida como a píula-do-amor, possui uma substância chamada

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 1 Profª Ana Luisa Miranda Vilela

SISTEMA NERVOSO 1 Profª Ana Luisa Miranda Vilela SISTEMA NERVOSO 1 Profª www.bioloja.com SISTEMA NERVOSO - SN Sistema envolvido na coordenação e regulação das funções corporais. Linhagens celulares: neurônios recepção e transmissão dos estímulos do meio

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO. Neurofisiologia. Profa. Ana Lucia Cecconello

CURSO DE EXTENSÃO. Neurofisiologia. Profa. Ana Lucia Cecconello CURSO DE EXTENSÃO Neurofisiologia Profa. Ana Lucia Cecconello Transmissão Sináptica Informação sensorial (dor) é codificada Comportamento: erguer o pé Neurônio pré-sináptico Neurônio pós-sináptico sinapse

Leia mais

Bioeletricidade e Bioeletrogênese

Bioeletricidade e Bioeletrogênese Bioeletricidade e Bioeletrogênese Física e Biofísica Prof. Patrícia Costa Eletricidade A eletricidade é um fenômeno físico originado por cargas elétricas paradas, ou em movimento, e por sua interação.

Leia mais

Fonte: Anatomia Humana 5 edição: Johannes W. Rohen

Fonte: Anatomia Humana 5 edição: Johannes W. Rohen Prof. Bruno Pires MORFOLOGIA Divisões: Sistema Nervoso Central: formado por encéfalo e medula espinhal Encéfalo: Massa de tecido nervoso presente na região do crânio. Composta por tronco encefálico, cérebro

Leia mais

SISTEMA NERVOSO MORFOLOGIA DO NEURÓNIO IMPULSO NERVOSO SINAPSE NERVOSA NATUREZA ELECTROQUÍMICA DA TRANSMISSÃO NERVOSA INTERFERÊNCIA DE SUBSTÂNCIAS

SISTEMA NERVOSO MORFOLOGIA DO NEURÓNIO IMPULSO NERVOSO SINAPSE NERVOSA NATUREZA ELECTROQUÍMICA DA TRANSMISSÃO NERVOSA INTERFERÊNCIA DE SUBSTÂNCIAS SISTEMA NERVOSO MORFOLOGIA DO NEURÓNIO IMPULSO NERVOSO SINAPSE NERVOSA NATUREZA ELECTROQUÍMICA DA TRANSMISSÃO NERVOSA INTERFERÊNCIA DE SUBSTÂNCIAS NA TRANSMISSÃO NERVOSA LOBOS CEREBRAIS LOBO FRONTAL: Pensamento

Leia mais

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física?

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Fisiologia Humana QUESTÕES INICIAIS 1 2 3 Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Qual a importância dos conhecimentos

Leia mais

EXCITABILIDADE I POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO

EXCITABILIDADE I POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO POTENCIAL DE MEMBRANA EM REPOUSO EXCITABILIDADE I 1 - Introdução 1.1 Objetivo da aula: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelos potenciais elétricos através das membranas celulares 1.2 Roteiro da aula: 1.2.1- Estudar o potencial

Leia mais

TECIDO NERVOSO NEURÔNIOS. Prof. João M. Bernardes. O tecido nervoso é composto basicamente por dois tipos de células:

TECIDO NERVOSO NEURÔNIOS. Prof. João M. Bernardes. O tecido nervoso é composto basicamente por dois tipos de células: TECIDO NERVOSO Prof. João M. Bernardes O tecido nervoso é composto basicamente por dois tipos de células: Neurônios: recebe, processa e envia informações; Neuróglia: sustentação, revestimento ou isolamento,

Leia mais

Tecido e Sistema Nervoso

Tecido e Sistema Nervoso Disciplina: Anatomia e Fisiologia Tecido e Sistema Nervoso Vera Maria Araújo de Campos Programa Nacional de Formação em Radioterapia Tecido Nervoso sistema nervoso Os mamífero possuem dois sistemas de

Leia mais

Sistema Nervoso. Profª Talita Silva Pereira

Sistema Nervoso. Profª Talita Silva Pereira Sistema Nervoso Profª Talita Silva Pereira O sistema nervoso humano pode ser classificado de acordo com suas divisões embriológica, anatômica, e funcional O sistema nervoso origina-se da ectoderme embrionária

Leia mais

SISTEMA NERVOSO PARTE 1

SISTEMA NERVOSO PARTE 1 SISTEMA NERVOSO PARTE 1 1 TECIDO NERVOSO 1. O sistema nervoso é dividido em: SISTEMA NERVOSO CENTRAL e SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO 2. A unidade básica = célula nervosa NEURÔNIO 3. Operam pela geração de

Leia mais

Introdução ao estudo da. Neuroanatomia. Prof. Musse Jereissati

Introdução ao estudo da. Neuroanatomia. Prof. Musse Jereissati Introdução ao estudo da Neuroanatomia Prof. Musse Jereissati mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote você deverá ser capaz de: Ao final Identificar as principais

Leia mais

Inteligência Computacional

Inteligência Computacional Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros Na Aula Passada... O que é uma

Leia mais

Tecido nervoso. Disponível em: . Acesso em: 17 jun

Tecido nervoso. Disponível em: <http://iahealth.net/wp-content/uploads/2008/12/neurons.jpg>. Acesso em: 17 jun Sistema nervoso Tecido nervoso Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2012. Neurônio Disponível em: .

Leia mais

Tese: São os neurónios que nos permitem responder aos estímulos que provêm do meio ambiente, processar informações e agir.

Tese: São os neurónios que nos permitem responder aos estímulos que provêm do meio ambiente, processar informações e agir. Tese: São os neurónios que nos permitem responder aos estímulos que provêm do meio ambiente, processar informações e agir. Sistema nervoso O sistema nervoso é um amplo mecanismo de conexão; tem como função

Leia mais

MECANISMOS GERADORES E CONDUTORES DO POTENCIAL DE AÇÃO

MECANISMOS GERADORES E CONDUTORES DO POTENCIAL DE AÇÃO MECANISMOS GERADORES E CONDUTORES DO POTENCIAL DE AÇÃO No cone e ao longo de todo o axônio há canais com comporta para o Na e K. Durante o repouso esses canais estão fechados e a membrana está polarizada

Leia mais

SINAPSE. Sinapse é um tipo de junção especializada, em que um neurônio faz contato com outro neurônio ou tipo celular.

SINAPSE. Sinapse é um tipo de junção especializada, em que um neurônio faz contato com outro neurônio ou tipo celular. Disciplina: Fundamentos em Neurociências Profa. Norma M. Salgado Franco SINAPSE Sinapse é um tipo de junção especializada, em que um neurônio faz contato com outro neurônio ou tipo celular. Podem ser:

Leia mais

Neuro-quimica Neuro-biologia 2009 Pedro Ferreirinha

Neuro-quimica Neuro-biologia 2009 Pedro Ferreirinha Neuro-quimica Neuro-biologia 2009 Pedro Ferreirinha Primeira definição de glia em 1836 e o termo foi cunhado em 1858 por Rudolf Ludwig Virchow Santiago Ramón y Cajal e Camillo Golgi desenvolveram técnicas

Leia mais

FISIOLOGIA MUSCULAR. Mecanismos de controle da força. Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida. Miron, 450 a.c

FISIOLOGIA MUSCULAR. Mecanismos de controle da força. Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida. Miron, 450 a.c FISIOLOGIA MUSCULAR Mecanismos de controle da força Enquanto é dada a AP Profa Silvia Mitiko Nishida Miron, 450 a.c Cérebro SNC Medula Unidade Motora 1 Unidade Motora 2 Neurônio motor Nervo Músculo Fibras

Leia mais

Sistema Nervoso Somático ou voluntário

Sistema Nervoso Somático ou voluntário Sistema Nervoso periférico Divisão e organização Constituintes Função Prof. A.Carlos Centro de Imagens e Física Médica - FMRP Aferente Nervos, raízes e gânglios da raiz dorsal SNP Somático Sistema nervoso

Leia mais

Transmissão de Impulso Nervoso

Transmissão de Impulso Nervoso Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO Departamento de Física III Ciclo de Seminários do DEFIS Organização PET - Física Transmissão de Impulso Nervoso Prof. Dr. Ricardo Yoshimitsu Miyahara Menbrana

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

OS TECIDOS PROF LUIS BRUNO

OS TECIDOS PROF LUIS BRUNO OS TECIDOS PROF.: LUIS BRUNO HISTOLOGIA E TECIDOS Histologia (do grego hystos = tecido + logos = estudo) é o estudo dos tecidos biológicos, sua formação, estrutura e função. Tecidos, é um conjunto de células

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

2. Células do Tecido nervoso

2. Células do Tecido nervoso 2. Células do Tecido nervoso Tecido Nervoso (mais de 1 trilhão de neurônios) Sistema complexo de comunicação neuronal no interior do corpo. 1. Detectar, transmitir, analisar e utilizar informações geradas

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Apostila de Biologia 10 Sistema Nervoso

Apostila de Biologia 10 Sistema Nervoso Apostila de Biologia 10 Sistema Nervoso Matheus Borges 1.0 Tecido Nervoso Principal tecido do sistema nervoso. Tipos celulares: Neurônios condução de impulsos nervosos. Células da Glia ou neuróglia manutenção

Leia mais

Aula 20 Sistema nervoso

Aula 20 Sistema nervoso Aula 20 Sistema nervoso O sistema nervoso coordena o funcionamento dos diversos sistemas dos animais; permite reações dos animais quando são estimulados pelo meio ambiente. Ele integra todas as partes

Leia mais

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO O SN É O SISTEMA MAIS ESTUDADO E DIFERENCIADO Quais ciências estudam o sistema nervoso? Neurociências; Neurofisiologistas; Neurobiologistas; Neuroanatomistas;

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Profa. Daniela Carrogi Vianna

TECIDO NERVOSO. Profa. Daniela Carrogi Vianna TECIDO NERVOSO Profa. Daniela Carrogi Vianna TECIDO NERVOSO Neurônio: unidade fundamental do tecido nervoso. Função: Dendrito = receber informações/impulso nervoso Corpo Celular/Núcleo = processar informações

Leia mais

Dra. Iêda Guedes Neurobiologista molecular e do desenvolvimento Instituto de Ciências Biológicas - UFPA. Copyright 2008 Todos os direitos reservados

Dra. Iêda Guedes Neurobiologista molecular e do desenvolvimento Instituto de Ciências Biológicas - UFPA. Copyright 2008 Todos os direitos reservados SISTEMA NEUROSENSORIAL Histologia e Embriologia médica Curso: Medicina Dra. Iêda Guedes Neurobiologista molecular e do desenvolvimento Instituto de Ciências Biológicas - UFPA Copyright 2008 Todos os direitos

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

Proprioceptores. Proprioceptores

Proprioceptores. Proprioceptores Proprioceptores São órgãos sensoriais encontrados nos músculos e articulações. Sua função é conduzir informações sensoriais para o SNC a partir dos músculos, tendões,articulações e ligamentos. Estão relacionados

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Unidade 4 Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo! corresponde

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 54 TECIDO NERVOSO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 54 TECIDO NERVOSO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 54 TECIDO NERVOSO Dendritos funcionam como antenas captadoras de sinais. Possuem grande superfície de recepção de estímulos que serão enviados ao corpo celular. Corpo celular.

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Substância cinzenta

TECIDO NERVOSO. Substância cinzenta TECIDO NERVOSO 1. Observação de neurônios e de células da glia Material: cérebro Técnica: Impregnação argêntica Substância cinzenta Observação com aumento total de 100x: Com este aumento é possível observar

Leia mais

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES

CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CIÊNCIAS EJA 5ª FASE PROF.ª SARAH DOS SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.1 Conteúdo Tecidos 3 CONTEÚDOS E HABILIDADES Habilidade

Leia mais

Profa. Cláudia Herrera Tambeli

Profa. Cláudia Herrera Tambeli Profa. Cláudia Herrera Tambeli Tipos de Músculos Estriado Liso Cardíaco Involuntário Esquelético Voluntário Involuntário Funções do músculo esquelético Relação Movimento/Força O músculo se contrai e encurta.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE POTENCIAIS DE MEMBRANA A DINÂMICA DOS FUNCIONAMENTO DOS CANAIS ATIVADOS POR NEUROTRANSMISSORES

CONSIDERAÇÕES SOBRE POTENCIAIS DE MEMBRANA A DINÂMICA DOS FUNCIONAMENTO DOS CANAIS ATIVADOS POR NEUROTRANSMISSORES CONSIDERAÇÕES SOBRE POTENCIAIS DE MEMBRANA A DINÂMICA DOS FUNCIONAMENTO DOS CANAIS ATIVADOS POR NEUROTRANSMISSORES PEÇAS QUE DEFINEM OS POTENCIAIS DE MEMBRANA Canais vazantes de potássio K Canais Sódio

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 COMUNICAÇÃO ENTRE AS CÉLULAS NERVOSAS Silvia Helena Cardoso, PhD. Psicobióloga, mestre e doutora em Ciências. Fundadorae editora-chefe da revista Cérebro & Mente. Universidade Estadual de Campinas. http://www.cerebromente.org.br/n12/fundamentos/neurotransmissores

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Nervoso - Professor Raphael Garcia. Sistema nervoso

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Nervoso - Professor Raphael Garcia. Sistema nervoso Sistema nervoso Introdução O sistema nervoso é um grupo de tecidos compostos por células altamente especializadas que possuem características de excitabilidade e condutividade. Divisões do sistema nervoso

Leia mais

Bioeletrogênese = origem da eletricidade biológica.

Bioeletrogênese = origem da eletricidade biológica. 1 2 Bioeletrogênese = origem da eletricidade biológica. 3 4 Uma tensão elétrica, ou diferença de potencial, sempre existe entre o interior e o exterior de uma célula. Esse fato é causado por uma distribuição

Leia mais

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento

Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Inervação sensitiva do músculo esquelético e regulação medular do movimento Estímulo sensitivo Medula Resposta Aula 4 1 ESTRUTURA FUNCIONAL DO SISTEMA

Leia mais

O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO. Rui Vasconcelos Embriologia do SNC

O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO. Rui Vasconcelos Embriologia do SNC O CÉREBRO DA CONCEPÇÃO AO ENVELHECIMENTO Rui Vasconcelos 2013 Embriologia do SNC Embriologia Estudo da origem e desenvolvimento de um organismo Período pré-natal 38 sem. da concepção ao nascimento (idade

Leia mais

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras

Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Sinalização celular Cada célula é programada para responder a combinações específicas de moléculas sinalizadoras Etapas da Sinalização 1) Síntese e liberação da molécula sinalizadora pela célula sinalizadora

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA?

COLCHA! A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... A FISIOLOGIA É O ESTUDO DA VIDA EM AÇÃO MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... O QUE É A FISIOLOGIA? O QUE É A FISIOLOGIA? A FISIOLOGIA É UMA COLCHA DE RETALHOS... Biologia Molecular Bioquímica Psicologia Histologia Biologia Celular Anatomia Genética Medicina Biofísica MAS OS RETALHOS FORMAM UMA... A

Leia mais

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda

ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda ELETROANALGESIA (BAIXA FREQUÊNCIA T.E.N.S.) Prof. Thiago Yukio Fukuda FISIOLOGIA DA DOR EXPERIÊNCIA SENSORIAL E EMOCIONAL DESAGRADÁVEL ASSOCIADA COM UM DANO TISSULAR REAL OU POTENCIAL Merskey, 1990 Resumo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOFÍSICA Prof. Eduardo Blando

LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOFÍSICA Prof. Eduardo Blando LISTA DE EXERCÍCIOS DE BIOFÍSICA Prof. Eduardo Blando Caros Alunos: esta lista de exercícios leva em consideração todos os temas abordados em aula, bem como tópicos especiais a eles relacionados. Muitas

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases)

Importância dos processos de sinalização. Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Sinalização celular Importância dos processos de sinalização Seres unicelulares Seres multicelulares Moléculas sinalizadoras (proteínas, peptídeos, aminoácidos, hormônios, gases) Receptores Proteínas -

Leia mais

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO

REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO SISTEMA NERVOSO REGULAÇÃO E COORDENAÇÃO Sistema nervoso x Sistema hormonal Interpretar estímulos e gerar respostas Percepção das variações do meio (interno e externo) Homeostase = equilíbrio Tecido nervoso

Leia mais

Potencial de Membrana e Potencial de Ação. Células Neurais e Morfologia do Neurônio. Sinapse Excitatória e Inibitória

Potencial de Membrana e Potencial de Ação. Células Neurais e Morfologia do Neurônio. Sinapse Excitatória e Inibitória Potencial de Ação, Sinapse, Transmissão Neuromuscular Potencial de Membrana e Potencial de Ação Células Neurais e Morfologia do Neurônio Impulso Nervoso Sinapse Química e Elétrica Sinapse Excitatória e

Leia mais

Sistema Auditivo Humano

Sistema Auditivo Humano Sistema Auditivo Humano Tecnologias de Reabilitação Aplicações de Processamento de Sinal Constituição do Ouvido Humano JPT 2 1 Constituição do Ouvido Humano JPT 3 Constituição do Ouvido Humano O ouvido

Leia mais

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL -

CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA HUMANA TURMA 11-2014 CONTROLE MOTOR: DA ATIVIDADE REFLEXA AOS MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS I - MEDULA ESPINAL - PROFª DRª VILMA G. 1. NÍVEL DE CONTROLE LOCAL A MEDULA ESPINAL:

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. Dra Luci Mara França Correia Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial

Fisiologia do Sistema Nervoso. Dra Luci Mara França Correia Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Fisiologia do Sistema Nervoso Dra Luci Mara França Correia Draluci.dor@gmail.com Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial O que é Fisiologia? A fisiologia (do grego physis = natureza, função ou funcionamento;

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

TECIDO NERVOSO (parte 1)

TECIDO NERVOSO (parte 1) TECIDO NERVOSO (parte 1) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br Características É tecido mais especializado do organismo

Leia mais

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente

Sistema Nervoso. Funções. - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente NEURÔNIOS. Estímulo do meio ambiente Sistema Nervoso Funções - Controla as funções orgânicas do organismo - Integração com o meio ambiente Estímulo do meio ambiente Interpretação Desencadeamento de resposta adequada NEURÔNIOS Divisão Anatômica

Leia mais

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013

Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória. Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 Monitoração Neurofisiológica Intraoperatória Dr. Paulo André Teixeira Kimaid SBNC - 2013 MNIO: Uma peculiaridade do Sistema Nervoso é que o conhecimento de sua Anatomia e Fisiologia permite a localização

Leia mais

O humano e o ambiente

O humano e o ambiente Aula 01 O humano e o ambiente O ser humano é formado por um conjunto de células. Um conjunto de células forma os tecidos. Um conjunto de tecidos forma os órgãos. Um conjunto de órgão forma os sistemas.

Leia mais

João Manoel Chapon Cordeiro 1996

João Manoel Chapon Cordeiro 1996 SISTEMA NERVOSO O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se diferenciar embriologicamente e o último a completar o seu desenvolvimento João Manoel Chapon Cordeiro

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Potencial de Ação

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Potencial de Ação Potencial de Ação Objetivos Apresentar conhecimentos relacionados ao potencial de ação. Aprender o uso do programa HHsim para simular potencial de ação. Materiais 1. Computador imac; 2. Programa HHSim.

Leia mais

Histologia Animal. Histologia Animal

Histologia Animal. Histologia Animal Definição: estudo dos tecidos (conjunto de células diferenciadas e adaptadas à uma determinada função) em animais. Tipos básicos de Tecidos Animais: Epitelial. Conjuntivo. Muscular. Nervoso. Tecido Epitelial:

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Introdução à Neurociência Computacional

Introdução à Neurociência Computacional Introdução à Neurociência Computacional Antonio C. Roque USP, Ribeirão Preto, SP Aula 2 Potenciais de membrana e de ação Membrana neuronal Membrana neuronal: fina membrana (60-70 Å de espessura) que recobre

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Alguns conceitos... FÁRMACOS: São substância químicas conhecidas e de estrutura química definida dotada de propriedade farmacológica.

Alguns conceitos... FÁRMACOS: São substância químicas conhecidas e de estrutura química definida dotada de propriedade farmacológica. PSICOFARMACOLOGIA UNIDADE 1 - NEUROANATOMIA E NEUROFISIOLOGIA BÁSICA Professora Jane Beatriz Limberger janebeatriz@unifra.br Por que o Psicólogo deve estudar farmacologia? 1 2 Farmacologia Ciência que

Leia mais

Sistema Nervoso Central (SNC)

Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sistema Endócrino O Sistema Nervoso é composto por: Sistema Nervoso Central (SNC) CENTROS NERVOSOS Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos cranianos Constituição

Leia mais

Organização e Estrutura do Sistema Nervoso. Dr. Flávio Aimbire

Organização e Estrutura do Sistema Nervoso. Dr. Flávio Aimbire Organização e Estrutura do Sistema Nervoso Dr. Flávio Aimbire Introdução O sistema nervoso é o mais complexo Tem função de receber informações sobre variações internas e externas e produzir respostas a

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso

Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado. Sistema Nervoso Curso: carolinanico@hotmail.com Centro Estadual de Educação Profissional Dr. Brasílio Machado X Função: Sistema Nervoso Coordenar e integrar as diversas funções do organismo, contribuindo para seu equilíbrio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA SISTEMA MUSCULAR Dra. Flávia Cristina Goulart CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Marília flaviagoulart@marilia.unesp.br Histologia do M.Esquelético É formado por células

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Tipos Celulares e Membrana

Tipos Celulares e Membrana Tipos Celulares e Membrana Tipos de células Organização de Endomembranas: Aula ao Vivo Procariota: Eucariota Animal: Eucariota Vegetal: Células lábeis, estáveis e permanentes: As células lábeis são células

Leia mais

SISTEMA HORMONAL. Funções: coordenação do organismo e manutenção do seu equilíbrio

SISTEMA HORMONAL. Funções: coordenação do organismo e manutenção do seu equilíbrio SISTEMA NEURO-HORMONAL SISTEMA NERVOSO SISTEMA HORMONAL Funções: coordenação do organismo e manutenção do seu equilíbrio REAÇÃO DO ORGANISMO A ESTÍMULOS Estímulo Receptor sensorial Órgãos efectores REAÇÃO

Leia mais